Você está na página 1de 3

03/04/13

MODELAMENTO DA ESTRUTURA DO MINI-BAJA

MODELAMENTO DA ESTRUTURA DO MINI-BAJA

Selma Hissae Shimura da Nóbrega José Daniel Diniz Melo Departamento de Engenharia Mecânica Centro de Tecnologia Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

Petrus Gorgônio Bulhões da Nóbrega Departamento de Arquitetura Centro de Tecnologia Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

INTRODUÇÃO

É cada vez mais freqüente, na análise de estruturas em engenharia, a utilização de códigos

computacionais integrados contemplando os sistemas conhecidos como CAD/CAM (Computer Aided Design / Computer Aided Manufacturing). A geometria da estrutura a ser avaliada, as condições de carregamento e as vinculações, entre outros parâmetros, são introduzidos por intermédio de "softwares" específicos.

A

definição do modelo adequado de análise é uma etapa muito importante do processo de cálculo

e

está intimamente relacionada à experiência profissional do engenheiro responsável pela análise.

Em outras palavras, para prever de forma satisfatória e confiável a resposta de um problema físico, o engenheiro deve definir uma seqüência de modelos com graus crescentes de

complexidade de forma que os de maior hierarquia ou grau de complexidade permitam prever respostas que não poderiam ser obtidas em modelos anteriores a estes. A experiência do engenheiro o auxiliará na decisão de analisar a série de modelos, ou então suprimir alguns deles, buscando avaliar apenas aqueles cujas respostas são de interesse. Estas conclusões podem ser expandidas, agora, na discussão dos modelos matemáticos aplicáveis

a estrutura do Mini-Baja, veículo de quatro rodas capaz de trafegar em quaisquer condições de terreno, idealizado para competições esportivas e fins recreativos.

O interesse em desenvolver estudos em veículos com esta característica, possuindo um ou dois

lugares e estrutura simples, decorre do fato de na região Nordeste, mais especificamente na cidade de Natal-RN, estes poderem ser utilizados como entretenimento para o turista e, nas áreas rurais, poderem ser empregados como meio de transporte econômico. Outro grande motivador para este projeto tem sido a competição de Mini-Bajas promovido pela SAE INTERNATIONAL - Sociedade de Engenheiros Automotivos. Com este veículo, a UFRN - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, através do seu departamento de Engenharia Mecânica, vêm participando das competições desde 1996. Sua trajetória tem sido um sucesso. Em 1996, participou com apenas uma equipe, obtendo o 7º lugar geral no confronto dos 18 participantes. Em 1997, a UFRN participou com três equipes, conquistando o 3º, o 7º e o 16º lugares, entre 48 participantes. Em 1998, duas equipes obtiveram

o 1º e o 7º lugares, entre 56 participantes. A vencedora, equipe Car-kará (figura 1), competiu

então no encontro internacional da categoria em Wisconsin - EUA, alcançando o brilhante 1º lugar. Foi a primeira vez, em 26 anos de existência da competição, que uma equipe não norte- americana venceu este evento.

Figura 1. Mini-Baja da equipe Car-kará

METODOLOGIA

Através da análise estrutural do veículo por métodos computacionais, pretende-se obter um

veículo com maior grau de segurança, menor peso e economia de custos. Utiliza-se, para este fim,

o código de análise estrutural baseado em Elementos Finitos denominado ADINA (Automatic Dynamic Incremental Nonlinear Analysis).

O modelo matemático inicialmente escolhido para a análise do mini-baja (a estrutura do cockpit é

ilustrada na figura 2) foi o modelo de viga. Este é apresentado na figura 3.

03/04/13

MODELAMENTO DA ESTRUTURA DO MINI-BAJA

03/04/13 MODELAMENTO DA ESTRUTURA DO MINI-BAJA Figura 2. Estrutura do chassis e do cockpit Figura 3.

Figura 2. Estrutura do chassis e do cockpit

DO MINI-BAJA Figura 2. Estrutura do chassis e do cockpit Figura 3. Modelo de viga do

Figura 3. Modelo de viga do Mini-Baja.

A figura 4 a seguir mostra a estrutura deformada resultante da análise estática-equivalente ao considerar-se o impacto sobre o veículo quando este cai, durante a manobra do enduro, de uma altura de 1,5 m.

cai, durante a manobra do enduro, de uma altura de 1,5 m. Figura 4. Modelo da

Figura 4. Modelo da estrutura e sua deformada. Obs.: escala de deslocamento ampliada em 20 vezes.

03/04/13

MODELAMENTO DA ESTRUTURA DO MINI-BAJA

CONCLUSÕES

Para o modelamento estrutural do Mini-Baja, o modelo de viga foi o utilizado para uma análise global do comportamento da estrutura. Ademais, observa-se regiões de interligação de tubos que podem promover altas concentrações de tensão. Estas regiões devem ser analisadas utilizando modelos de casca ou modelos sólidos tridimensionais. Além da estrutura básica apresentada na figura 2, há outros pontos de interesse e que serão objetos de análises futuras. Citam-se: o sistema de suspensão dianteiro (figura 5) e traseiro (figura 6), os pontos de articulação destes com a estrutura, entre outros.

de articulação destes com a estrutura, entre outros. Figura 5. Sistema de suspensão dianteiro. Figura 6.

Figura 5. Sistema de suspensão dianteiro.

entre outros. Figura 5. Sistema de suspensão dianteiro. Figura 6. Sistema de suspensão traseiro. BIBLIOGRAFIA [1]

Figura 6. Sistema de suspensão traseiro.

BIBLIOGRAFIA

[1] - Design Report Car-kará Team. 1998 Midwest Mini-Baja Competition. [2] - Bathe, K. J. Finite Element Procedures. Prentice Hall, Englewood Cliffs, 1996. cap.1. [3] - ADINA User Interface - Users Guide, ADINA R & D, Inc., Oct / 1996.