Você está na página 1de 58
ELETROTÉCNICA ELE-102 CURSO TÉCNICO MÓDULO II

ELETROTÉCNICA

ELE-102

CURSO TÉCNICO

MÓDULO II

S ISTEMAS P OLIFÁSICOS Os alternadores monofásicos não são vantajosos, pois, o número de ranhuras por

SISTEMAS POLIFÁSICOS

Os alternadores monofásicos não são vantajosos, pois, o número de ranhuras por pólo, reduz em muito o aproveitamento do circuito magnético (estator) dos mesmos. Os espaços interpolares, que não são aproveitados, provocam uma baixa potência por unidade de peso nestes alternadores. Com a colocação de enrolamentos (boninas iguais) nas zonas interpolares, obtêm-se novas fontes de tensões, ou seja, dois ou três alternadores em um só, acarretando com isto, um alto rendimento (em torno de 63% com um pequeno aumento de custo) de potência por unidade de peso. Normalmente as tensões são iguais em valores absolutos, e, em conseqüência da disposição dos enrolamentos no estator, apresentam defasamento entre si de 90°, 120° e etc.

S ISTEMAS P OLIFÁSICOS Os alternadores monofásicos não são vantajosos, pois, o número de ranhuras por

Um sistema é composto por um conjunto de elementos que compreende desde a geração, transporte e utilização de energia.

TIPOS DE SISTEMAS

S ISTEMAS P OLIFÁSICOS Os alternadores monofásicos não são vantajosos, pois, o número de ranhuras por

3

S ISTEMA T RIFÁSICO O sistema trifásico foi criado em 1890 por Nikola Tesla, cientista de

SISTEMA TRIFÁSICO

S ISTEMA T RIFÁSICO O sistema trifásico foi criado em 1890 por Nikola Tesla, cientista de

O sistema trifásico foi criado em 1890 por Nikola Tesla, cientista de origem sérvia, e passou a ser utilizado em 1896. Suas vantagens em relação ao sistema monofásico são as seguintes:

Entre motores e geradores do mesmo tamanho, os trifásicos têm maior potência que os monofásicos. As linhas de transmissão trifásicas empregam menos material que as monofásicas para transportarem a mesma potência elétrica. Motores trifásicos podem partir sem meio auxiliar, o que não acontece com os motores monofásicos comuns. Circuitos trifásicos proporcionam flexibilidade na escolha das tensões e podem ser utilizados para alimentar cargas monofásicas.

No alternador trifásico, as tensões são iguais (em valor absoluto) e defasada de 120° entre si, obedecendo a uma SEQÜÊNCIA DE FASE de acordo com a disposição dos enrolamentos (bobinas) no induzido e o sentido giratório do indutor.

4

UTILIZAÇÃO A SEIS, TRÊS E QUATRO CONDUTORES O sistema trifásico é constituído por três alternadores independentes
UTILIZAÇÃO A SEIS, TRÊS E QUATRO CONDUTORES O sistema trifásico é constituído por três alternadores independentes

UTILIZAÇÃO A SEIS, TRÊS E QUATRO CONDUTORES

O sistema trifásico é constituído por três alternadores independentes que são agrupados para um melhor aproveitamento.

UTILIZAÇÃO A SEIS, TRÊS E QUATRO CONDUTORES O sistema trifásico é constituído por três alternadores independentes

Utilização a seis condutores

Esta utilização se torna inviável, pois requer seis condutores na linha. Entretanto, agrupando-se as fases, obtêm-se um sistema como indicado na figura abaixo, onde existe um condutor que transporta as correntes Ica e Iab, outro que transporta as correntes Ibc e Iab e por fim, um que transporta as correntes Ibc e Ica, que como se pode ver, possui apenas três condutores ao invés de seis.

5

Utilização a três condutores Na prática este sistema também se torna inviável, pois requer seis condutores
Utilização a três condutores Na prática este sistema também se torna inviável, pois requer seis condutores

Utilização a três condutores

Utilização a três condutores Na prática este sistema também se torna inviável, pois requer seis condutores

Na prática este sistema também se torna inviável, pois requer seis condutores na linha. Entretanto, como se pode ver na figura acima, os três condutores ligados aos fins das fases a’, b’, c’ servem para trazer de volta as correntes IA, IB e IC podendo então, ser substituídos por um único condutor. Isto é indicado no circuito conforme a figura abaixo, que como se pode ver, possui apenas quatro condutores ao invés de seis.

6

Utilização a quatro condutores – 7 –
Utilização a quatro condutores – 7 –

Utilização a quatro condutores

7

S EQÜÊNCIA DE F ASE Os fasores que representam as tensões e correntes trifásicas giram no

SEQÜÊNCIA DE FASE

Os fasores que representam as tensões e correntes trifásicas giram no sentido anti-horário, como indicam as figuras abaixo.

S EQÜÊNCIA DE F ASE Os fasores que representam as tensões e correntes trifásicas giram no
S EQÜÊNCIA DE F ASE Os fasores que representam as tensões e correntes trifásicas giram no

Seqüência de fase é a ordem de passagem das tensões no sentido de rotação anti-horário a partir de ponto de referência, geralmente o ponto de valor máximo.

S EQÜÊNCIA DE F ASE Os fasores que representam as tensões e correntes trifásicas giram no

8

D ETERMINANDO A O RDEM DA S EQÜÊNCIA DE F ASE É de grande importância definir

DETERMINANDO A ORDEM DA SEQÜÊNCIA DE FASE

D ETERMINANDO A O RDEM DA S EQÜÊNCIA DE F ASE É de grande importância definir

É de grande importância definir corretamente a ordem da seqüência de fase para poder proceder com os cálculos das tensões e correntes no circuito. Na prática, a ordem da seqüência de fase deve ser devidamente observada para eventuais associações de geradores, paralelismo (mais de um gerador trabalhando simultaneamente), sentido de rotação do motor e etc.

Para definir uma seqüência qualquer como direta ou inversa deve-se reescrever a seqüência dada e verificar a presença do termo A B C. Desta forma, se isto ocorrer a seqüência será determinada como direta, caso contrário inversa.

Exemplo 01:

D ETERMINANDO A O RDEM DA S EQÜÊNCIA DE F ASE É de grande importância definir

Exemplo 02:

D ETERMINANDO A O RDEM DA S EQÜÊNCIA DE F ASE É de grande importância definir

9

D ETERMINANDO OS ÂNGULOS DAS TENSÕES Para determinação dos ângulos das tensões em cada fase se

DETERMINANDO OS ÂNGULOS DAS TENSÕES

Para determinação dos ângulos das tensões em cada fase se faz necessário conhecer a ordem da seqüência de fase e pelo menos uma das tensões/ângulo no circuito. A partir disto, já é possível determinar os ângulos das tensões restantes.

Vejamos um exemplo prático:

Exemplo 01

D ETERMINANDO OS ÂNGULOS DAS TENSÕES Para determinação dos ângulos das tensões em cada fase se

Exemplo 02

D ETERMINANDO OS ÂNGULOS DAS TENSÕES Para determinação dos ângulos das tensões em cada fase se

10

– 11 –
– 11 –

11

De acordo com a posição dos vetores que representam as tensões abaixo, a tensão de linha

De acordo com a posição dos vetores que representam as tensões abaixo, a tensão de linha VBC neste instante apresenta-se com ângulo zero.

Sendo assim, para determinar os ângulos das tensões adotaremos VBC /0° como padrão para referência e a seqüência direta ABC, salvo em casos que determinarem o contrário.

150 0 – 12 –
150 0
– 12 –
E XERCÍCIOS 1. Determine as tensões de acordo com o que se pede: a) b) 2.

EXERCÍCIOS

  • 1. Determine as tensões de acordo com o que se pede:

a)

E XERCÍCIOS 1. Determine as tensões de acordo com o que se pede: a) b) 2.
E XERCÍCIOS 1. Determine as tensões de acordo com o que se pede: a) b) 2.

b)

E XERCÍCIOS 1. Determine as tensões de acordo com o que se pede: a) b) 2.
E XERCÍCIOS 1. Determine as tensões de acordo com o que se pede: a) b) 2.
  • 2. Considerando uma seqüência de fase direta e VA a 105°, determine os ângulos restantes das tensões indicadas abaixo:

255° – 13 –
255°
– 13 –
C ONFIGURAÇÃO E STRELA E T RIÂNGULO Em um sistema trifásico é possível configurar ( agrupar

CONFIGURAÇÃO ESTRELA E TRIÂNGULO

Em um sistema trifásico é possível configurar (agrupar) as cargas do circuito e os enrolamentos (bobinas) dos geradores de duas maneiras: em estrela (ípsilon) ou em triângulo (delta).

AGRUPAMENTO DAS CARGAS NO CIRCUITO

C ONFIGURAÇÃO E STRELA E T RIÂNGULO Em um sistema trifásico é possível configurar ( agrupar

CONFIGURAÇÃO DAS BOBINAS NO GERADOR

C ONFIGURAÇÃO E STRELA E T RIÂNGULO Em um sistema trifásico é possível configurar ( agrupar

14

B ALANCEAMENTO DO C IRCUITO Equilibrado : um circuito em que cada fase possui cargas com

BALANCEAMENTO DO CIRCUITO

B ALANCEAMENTO DO C IRCUITO Equilibrado : um circuito em que cada fase possui cargas com

Equilibrado: um circuito em que cada fase possui cargas com impedâncias iguais é chamado circuito equilibrado.

Desequilibrado: um circuito em que as fases possuem cargas com impedâncias desiguais é chamado circuito desequilibrado.

CIRCUITO EM ESTRELA

B ALANCEAMENTO DO C IRCUITO Equilibrado : um circuito em que cada fase possui cargas com

15

C IRCUITO EM T RIÂNGULO Vale ressaltar que qualquer equipamento trifásico por natureza constitui uma carga

CIRCUITO EM TRIÂNGULO

C IRCUITO EM T RIÂNGULO Vale ressaltar que qualquer equipamento trifásico por natureza constitui uma carga

Vale ressaltar que qualquer equipamento trifásico por natureza constitui uma carga equilibrada para o circuito. Enquanto que os dispositivos monofásicos são cargas que podem desequilibrar o circuito e desta forma estas precisam ser distribuídas de maneira que o circuito permaneça balanceado.

C IRCUITO EM T RIÂNGULO Vale ressaltar que qualquer equipamento trifásico por natureza constitui uma carga
C IRCUITO EM T RIÂNGULO Vale ressaltar que qualquer equipamento trifásico por natureza constitui uma carga

16

C ARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO EM D ELTA ( ∆ ) Nos circuitos trifásicos em triângulo, as

CARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO EM DELTA ()

Nos circuitos trifásicos em triângulo, as tensões de linha (V L ) são iguais às tensões de fase (V F ) então, V L = V F . No entanto, a corrente medida na linha é diferente da corrente medida nos ramos das fases que circulam nas cargas.

C ARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO EM D ELTA ( ∆ ) Nos circuitos trifásicos em triângulo, as

Da ilustração acima podemos demonstrar que:

ZAB = carga alimentada pelos fios a e b. ZBC = carga alimentada pelos fios b e c. ZCA = carga alimentada pelos fios c e a.

CORRENTE DE LINHA (I L ) é a corrente que percorre os condutores que interligam a fonte de tensão à carga.

IA = corrente de linha que circula no condutor de interligação a. IB = corrente de linha que circula no condutor de interligação b. IC = corrente de linha que circula no condutor de interligação c.

CORRENTE DE FASE (I F ) é a corrente que percorre cada uma das fases da fonte de tensão.

Iab = corrente de fase (A) que circula na carga ZAB. Ibc = corrente de fase (B) que circula na carga ZBC. Ica = corrente de fase (C) que circula na carga ZCA.

17

C ORRENTES NO C IRCUITO E QUILIBRADO COM C ARGAS A GRUPADAS EM D ELTA (

CORRENTES NO CIRCUITO EQUILIBRADO COM CARGAS AGRUPADAS EM DELTA ()

C ORRENTES NO C IRCUITO E QUILIBRADO COM C ARGAS A GRUPADAS EM D ELTA (

DETERMINANDO DAS CORRENTES NO CIRCUITO DESEQUILIBRADO COM CARGAS EM DELTA ()

C ORRENTES NO C IRCUITO E QUILIBRADO COM C ARGAS A GRUPADAS EM D ELTA (

18

E XERCÍCIO 01 Determine as correntes de fase e de linha no circuito DELTA EQUILIBRADO abaixo.

EXERCÍCIO 01

Determine as correntes de fase e de linha no circuito DELTA EQUILIBRADO abaixo.

E XERCÍCIO 01 Determine as correntes de fase e de linha no circuito DELTA EQUILIBRADO abaixo.
E XERCÍCIO 01 Determine as correntes de fase e de linha no circuito DELTA EQUILIBRADO abaixo.
E XERCÍCIO 01 Determine as correntes de fase e de linha no circuito DELTA EQUILIBRADO abaixo.

if (corrente de fase)

IL (corrente de linha)

iab=

IA=

ibc=

IB=

ica=

IC=

SOLUÇÃO:

19

E XERCÍCIO 02 Determine as correntes de fase e de linha no circuito DELTA DESEQUILIBRADO abaixo.

EXERCÍCIO 02

Determine as correntes de fase e de linha no circuito DELTA DESEQUILIBRADO abaixo.

E XERCÍCIO 02 Determine as correntes de fase e de linha no circuito DELTA DESEQUILIBRADO abaixo.
E XERCÍCIO 02 Determine as correntes de fase e de linha no circuito DELTA DESEQUILIBRADO abaixo.
E XERCÍCIO 02 Determine as correntes de fase e de linha no circuito DELTA DESEQUILIBRADO abaixo.
E XERCÍCIO 02 Determine as correntes de fase e de linha no circuito DELTA DESEQUILIBRADO abaixo.

if (corrente de fase)

iab=

ibc=

ica=

SOLUÇÃO:

E XERCÍCIO 02 Determine as correntes de fase e de linha no circuito DELTA DESEQUILIBRADO abaixo.
IL (corrente de linha) iL(corrente de linha) IA= IB= ica=
IL (corrente de linha)
iL(corrente de linha)
IA=
IB=
ica=

20

A NÁLISE DAS TENSÕES NO CIRCUITO EM E STRELA (Y) Num circuito em estrela a quatro

ANÁLISE DAS TENSÕES NO CIRCUITO EM ESTRELA (Y)

Num circuito em estrela a quatro condutores, a tensão medida entre as fases é 1,732 vezes maior que a tensão medida entre fase e neutro.

A NÁLISE DAS TENSÕES NO CIRCUITO EM E STRELA (Y) Num circuito em estrela a quatro

ESQUEMA DE LIGAÇÃO DE UM TRAFO TRIFÁSICO

A NÁLISE DAS TENSÕES NO CIRCUITO EM E STRELA (Y) Num circuito em estrela a quatro

21

A NÁLISE V ETORIAL DAS T ENSÕES A GRUPADAS EM E STRELA – 22 –

ANÁLISE VETORIAL DAS TENSÕES AGRUPADAS EM ESTRELA

A NÁLISE V ETORIAL DAS T ENSÕES A GRUPADAS EM E STRELA – 22 –

22

C IRCUITO COM C ARGAS E QUILIBRADAS EM E STRELA Se as impedâncias constituídas em cada

CIRCUITO COM CARGAS EQUILIBRADAS EM ESTRELA

Se as impedâncias constituídas em cada uma das fases possuírem valores iguais o circuito estará balanceado ou equilibrado. Dessa forma, a corrente no condutor neutro é nula.

C IRCUITO COM C ARGAS E QUILIBRADAS EM E STRELA Se as impedâncias constituídas em cada
C IRCUITO COM C ARGAS E QUILIBRADAS EM E STRELA Se as impedâncias constituídas em cada

Obs.: A Corrente no condutor neutro somente será nula quando o circuito possuir cargas balanceadas, tornando assim, o circuito equilibrado.

23

C ORRENTES NO C IRCUITO E QUILIBRADO /D ESEQUILIBRADO COM C ARGAS EM E STRELA Com

CORRENTES NO CIRCUITO EQUILIBRADO/DESEQUILIBRADO COM CARGAS EM ESTRELA Com as fases trabalhando de maneira independente fica:

C ORRENTES NO C IRCUITO E QUILIBRADO /D ESEQUILIBRADO COM C ARGAS EM E STRELA Com
C ORRENTES NO C IRCUITO E QUILIBRADO /D ESEQUILIBRADO COM C ARGAS EM E STRELA Com

24

E XERCÍCIO 01 Determine as correntes de fase e de linha no circuito ESTRELA EQUILIBRADO abaixo.

EXERCÍCIO 01

Determine as correntes de fase e de linha no circuito ESTRELA EQUILIBRADO abaixo.

V F (tensão de fase) VA= VB= VC=
V F (tensão de fase)
VA=
VB=
VC=
E XERCÍCIO 01 Determine as correntes de fase e de linha no circuito ESTRELA EQUILIBRADO abaixo.

SOLUÇÃO:

25

E XERCÍCIO 02 Determine as correntes de fase e de linha no circuito ESTRELA DESEQUILIBRADO abaixo.

EXERCÍCIO 02

Determine as correntes de fase e de linha no circuito ESTRELA DESEQUILIBRADO abaixo.

V F (tensão de fase) VA= VB= VC=
V F (tensão de fase)
VA=
VB=
VC=
E XERCÍCIO 02 Determine as correntes de fase e de linha no circuito ESTRELA DESEQUILIBRADO abaixo.

SOLUÇÃO:

26

P OTÊNCIA NO S ISTEMA T RIFÁSICO No sistema trifásico, a potência total gasta também é

POTÊNCIA NO SISTEMA TRIFÁSICO

No sistema trifásico, a potência total gasta também é a soma das potências individuais em cada fase. Portanto, teremos a potência dissipada pela carga ZA da FASE A, a potência dissipada pela carga ZB da FASE B e a potência dissipada pela carga ZC da FASE C.

Dessa forma temos:

POTÊNCIA NO CIRCUITO TRIFÁSICO P A = P B = P C = .cosφ A .senφ
POTÊNCIA NO CIRCUITO TRIFÁSICO
P A =
P B =
P C =
.cosφ A
.senφ A
V FA
.i FA
V FA
.i FA
V FA
.i FA
.cosφ B
.senφ B
S A =
S B =
.I FB .
V FB
.I FB
Q A =
Q B =
Q C =
V FB
.I FB
V FB
.i FC .cosφ C
.i FC .senφ C
V FC
V FC
S C = V FC .i FC
P T = P A +P B +P C
Q T = Q A +Q B +Q C
S
T =
ou

Sabemos que em um circuito equilibrado em estrela ou em triângulo, as impedâncias solicitam das respectivas fases correntes de igual valor em módulo, assim como nas fases, as tensões também são iguais entre si em módulo. Dessa forma para o circuito equilibrado temos:

POTÊNCIA NO CIRCUITO TRIFÁSICO EQUILIBRADO |V FA |=| V FB |=|V FC | |i FA |=|
POTÊNCIA NO CIRCUITO TRIFÁSICO
EQUILIBRADO
|V FA |=| V FB |=|V FC |
|i FA |=| i FB |=|i FC |
cosφ A = cosφ B = cosφ c
|V FA |=| V FB |=|V FC |
|i FA |=| i FB |=|i FC |
senφ A = senφ B = senφ c
P A = V FA .i FA .cosφ A
P = V F .i F .cosφ
P t = 3.P
P t = 3.V F .i F .cosφ
Q A = V FA .i FA .senφ A
Q = V F .i F .senφ
Q t = 3.Q
Q t = 3.V F .i F .cosφ

Onde:

P A = potência ATIVA da fase A * P T = potência ATIVA total Q A = potência REATIVA da fase A * Q T = potência REATIVA total S A = potência APARENTE da fase A* S T = potência APARENTE total V FA = tensão de fase; fase A *

I FA = corrente de linha da fase A *

* idem para as demais fases

27

E XERCÍCIOS No circuito ilustrado abaixo, determine as potências absorvidas pelas cargas em cada fase: A)

EXERCÍCIOS

No circuito ilustrado abaixo, determine as potências absorvidas pelas cargas em cada fase:

A) Seqüência ACB P A = P B = P C = P T = Q
A)
Seqüência ACB
P A =
P B =
P C =
P T =
Q A =
Q B =
Q C =
Q T =
S A =
S B =
S C =
P =
Q =
S =
B)
P A =
P B =
P C =
P T =
Q A =
Q B =
Q C =
Q T =
S A =
S B =
S C =
P =
Q =
S =

28

C IRCUITOS E QUIVALENTES PARA C ARGAS E QUILIBRADAS Um circuito ligado em estrela ou em

CIRCUITOS EQUIVALENTES PARA CARGAS EQUILIBRADAS

Um circuito ligado em estrela ou em triângulo é perfeitamente possível fazer uma substituição de

um triângulo por uma estrela equivalente, e vice-versa. Como as impedâncias são iguais (circuito equilibrado), o cálculo de transformação é simples.

C IRCUITOS E QUIVALENTES PARA C ARGAS E QUILIBRADAS Um circuito ligado em estrela ou em

CONVERSÃO DE UM CIRCUITO EQUILIBRADO ESTRELA PARA DELTA

C IRCUITOS E QUIVALENTES PARA C ARGAS E QUILIBRADAS Um circuito ligado em estrela ou em

29

CONVERSÃO DE UM CIRCUITO EQUILIBRADO DELTA PARA ESTRELA  CONVERSÃO ∆ /Y (aplicação em um circuito

CONVERSÃO DE UM CIRCUITO EQUILIBRADO DELTA PARA ESTRELA

CONVERSÃO DE UM CIRCUITO EQUILIBRADO DELTA PARA ESTRELA  CONVERSÃO ∆ /Y (aplicação em um circuito

CONVERSÃO /Y (aplicação em um circuito delta equilibrada)

Determinar

a

corrente

de

delta/estrela equivalente.

linha

do

circuito

equilibrado

abaixo,

pelo

método

de

conversão

CONVERSÃO DE UM CIRCUITO EQUILIBRADO DELTA PARA ESTRELA  CONVERSÃO ∆ /Y (aplicação em um circuito

30

 CONVERSÃO Y / ∆ (aplicação em um circuito estrela equilibrado) Determinar a corrente de estrela/delta
 CONVERSÃO Y / ∆ (aplicação em um circuito estrela equilibrado) Determinar a corrente de estrela/delta

CONVERSÃO Y /(aplicação em um circuito estrela equilibrado)

Determinar

a

corrente

de

estrela/delta equivalente.

linha

do

circuito

equilibrado

abaixo,

pelo

método

de

conversão

 CONVERSÃO Y / ∆ (aplicação em um circuito estrela equilibrado) Determinar a corrente de estrela/delta

31

C IRCUITOS E QUIVALENTES PARA C ARGAS D ESEQUILIBRADAS Como as impedâncias não são iguais (

CIRCUITOS EQUIVALENTES PARA CARGAS DESEQUILIBRADAS

Como as impedâncias não são iguais (circuito desequilibrado), o cálculo de transformação segue a seguinte relação:

C IRCUITOS E QUIVALENTES PARA C ARGAS D ESEQUILIBRADAS Como as impedâncias não são iguais (
C IRCUITOS E QUIVALENTES PARA C ARGAS D ESEQUILIBRADAS Como as impedâncias não são iguais (
TRANSFORMAÇÃO ESTRELA EM TRIÂNGULO
TRANSFORMAÇÃO
ESTRELA EM TRIÂNGULO
TRANSFORMAÇÃO TRIÂNGULO EM ESTRELA
TRANSFORMAÇÃO
TRIÂNGULO EM ESTRELA

CONVERSÃO Y /(aplicação em um circuito estrela desequilibrado)

Determinar o triângulo equivalente a partir do circuito em estrela abaixo:

C IRCUITOS E QUIVALENTES PARA C ARGAS D ESEQUILIBRADAS Como as impedâncias não são iguais (

32

 CONVERSÃO ∆ /Y (aplicação em um circuito delta desequilibrada) Determinar a estrela equivalente a partir
 CONVERSÃO ∆ /Y (aplicação em um circuito delta desequilibrada) Determinar a estrela equivalente a partir

CONVERSÃO /Y (aplicação em um circuito delta desequilibrada)

Determinar a estrela equivalente a partir do circuito em triângulo abaixo:

 CONVERSÃO ∆ /Y (aplicação em um circuito delta desequilibrada) Determinar a estrela equivalente a partir

33

– 34 –
– 34 –

34

C ORREÇÃO DO F ATOR DE P OTÊNCIA A energia elétrica é transformada em várias formas

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA

A energia elétrica é transformada em várias formas de energia. Entretanto, a maioria desta conversão é para três grupos básicos:

ENERGIA LUMINOSA (iluminação)

ENERGIA TÉRMICA (aquecimento)

ENERGIA MECÂNICA (força)

LUZ

C ORREÇÃO DO F ATOR DE P OTÊNCIA A energia elétrica é transformada em várias formas

A iluminação é feita geralmente por lâmpadas incandescentes (cosφ = 1), existindo porém uma grande parte da iluminação (comercial, pública, etc.) feita por lâmpadas fluorescentes e lâmpadas de vapor de mercúrio, que por usarem indutores em seus sistemas de ignição (aquecimento do gás), tem um cosφ < 1. Desta forma, deve ser levado em consideração:

AQUECIMENTO

A conversão de energia elétrica em energia térmica normalmente é feita por dispositivos de carga ôhmica (cosφ = 1), salvo em alguns casos em que se baseiam nos princípios de indução eletromagnética.

FORÇA

A conversão de energia elétrica em energia mecânica (motores) se baseia na indução eletromagnética. Os motores têm no seu interior campos magnéticos intensos, e, desta forma, absorvem grande quantidade de corrente reativa que não realizam trabalho algum, tornando-se conseqüentemente, uma corrente ociosa uma vez que, como outras, provoca aquecimento e queda de tensão nos condutores.

Esta é a razão do Decreto Federal que estabelece que os consumidores que tiverem consumo mensal com fator de potência médio, menor que 0,92, tenham o valor ($) do consumo multiplicado pelo quociente entre 0,92 e o fator de potência médio encontrado pela companhia fornecedora; para que estas tenham ressarcidas as suas despesas com o BAIXO FATOR DE POTÊNCIA dos consumidores.

35

Do que já estudamos sobre circuitos com capacitores, aproveitamos a parte referente ao circuito LC em

Do que já estudamos sobre circuitos com capacitores, aproveitamos a parte referente ao circuito LC em paralelo.

No circuito a seguir, tem-se uma representação de um motor. A resistência dá uma idéia de potência transformada em trabalho somada à potência dissipada (por efeito Joule) no enrolamento. O indutor nos mostra o armazenamento (para posterior devolução) da potência reativa.

Do que já estudamos sobre circuitos com capacitores, aproveitamos a parte referente ao circuito LC em

Para realizar o trabalho de absorção da corrente reativa indutiva no momento em que o circuito a devolve à fonte e então fornecê-la no momento em que é solicitada, é usado em larga escala o capacitor em paralelo com o circuito.

A corrente indutiva reativa será absorvida se o valor do banco de capacitores seja tal que, absorva uma corrente igual (em valor absoluto) a indutiva reativa. No caso, havendo a compensação entre a corrente indutiva reativa e a reativa capacitiva (ficando zero a diferença), o circuito passará a solicitar da fonte somente a corrente, ou seja, a referente à potência real. Vale ressaltar que o circuito não deixará de absorver e devolver cargas reativas. Apenas esta solicitação e posterior devolução serão feitas com o capacitor.

DEDUÇÃO DA FÓRMULA

Pondo a carga reativa QL=“CARGA REATIVA INDUTIVA”, Qc=“CARGA REATIVA CAPACITIVA” e, lembrando que Q = U.Ib, temos: Q L = U.Ib L e Q C = U. Ibc , numa correção total toda carga reativa deve ser eliminada, então QL = Qc ou Ib L = Ibc.

DESDOBRAMENTO DE QC

Lembrando que Ib=U.b e que num circuito puramente capacitivo bc =

  • 1 e

Xc

bc

= .C e que

U. Ibc

fica; Qc = U.U.bc, ou melhor Qc = U 2 . .C e tirando o valor do capacitor fica:

Qc =

Do que já estudamos sobre circuitos com capacitores, aproveitamos a parte referente ao circuito LC em

Onde fica evidenciado que a potência reativa gerada é diretamente proporcional ao quadrado da tensão, freqüência e capacitância.

Para cos= 1 teremos Q L = Qc e examinando o triângulo das potências temos: Q = QL = S. senque implica em Qc = S. sen = como já sabemos que:

36

S = P R cos  fica Qc = P R cos  . sen 

S =

P R
P
R

cos

fica Qc =

P R
P
R

cos

. sene ordenando convenientemente Qc = P

sen

 

cos

ou Qc = P.tg

S = P R cos  fica Qc = P R cos  . sen 

onde:

Qc é caga reativa do capacitor em VAr ou kVA, conforme unidade de potência real.

P = potência real do circuito em W ou kW. Tg = tangente do ângulo de defasamento entre tensão e corrente.

Obs.: Na fórmula que expressa a capacitância necessária para correção do FATOR DE POTÊNCIA usa- se as unidades básicas para todos os valores, logo, o valor encontrado do capacitor é em Farad (f).

Como é muito perigoso a correção total (cos= 1 ), optamos pela fórmula de correção para um fator de potência maior que 0, 92 e menor que 1.

Qc = P R . (tg1 tg2) e pondo,

tg = tg1 tg2 fica:

Qc

= P. tgφ

Onde: Qc = carga reativa em VAr ou kVAr P = potência em W ou kW tg = diferença das tangentes correspondentes ao FP1 e ao FP2

INSTALAÇÃO DOS CAPACITORES

Banco de capacitores é o conjunto de capacitores que tem por finalidade absorção e fornecimento (em substituição à fonte) de potência reativa.

Sempre que possível, os capacitores e elementos absorventes de potência reativa, devem formar uma só unidade. Conseguindo-se o suprimento no local, obtém-se uma perfeita correção além de outras vantagens, como: liberação de cargas nos circuitos alimentadores, etc., mas por questão técnicas e econômicas, na maioria das vezes não é possível este tipo de instalação, razão porque, usa-se a instalação do banco junto a fonte, em alta ou em baixa-tensão.

LIMITAÇÃO DE KVA (MOTORES, ETC.)

No correção individual em que a fonte receptora e supridora formam uma só unidade, a potência reativa do capacitor fica limitada pela potência reativa da fonte receptora (carga) quando em funcionamento a vazio, a fim de evitar sobretensões por auto-excitação na abertura da chave circuito, faca, etc. Quando se trata de motores, é interessante a observação da tabela (anexa 1) 7.3 N.E.C. que pode ser utilizada quando o motor tem rotor em curto circuito (gaiola de esquilo), podendo ser utilizada também para motores com rotor bobinado desde que se multiplique o KVA permissível por 1,1 e redução da corrente por 1,05.

37

M ELHOR NÍVEL DE T ENSÃO Como a tensão em qualquer parte do circuito é igual

MELHOR NÍVEL DE TENSÃO

Como a tensão em qualquer parte do circuito é igual a FEM produzida menos as perdas (interna e externa) e estas perdas (queda de tensão) são diretamente proporcionais à corrente I; com a correção do fator de potência diminui a corrente e, conseqüentemente, as perdas, influindo de forma considerável para uma melhoria do nível de tensão.

LIBERAÇÃO DE CAPACIDADE

Os transformadores, geradores, etc., são dimensionados em VA, (KVA), ou seja, a capacidade de fornecer o máximo de corrente I com uma tensão determinada. Com a correção do FP, diminui a corrente I (efeito de diminuição da corrente Ib), logo, será admissível o adicionamento de novas cargas até que a fonte atinja o regime de plena carga.

APLICAÇÃO

Qual o valor do banco de capacitores que corrigirá o FP da carga abaixo para 0,94?

P=623 kW (EM REGIEME DE PLENA CARGA)
P=623 kW
(EM REGIEME DE PLENA CARGA)

SOLUÇÃO:

38

T ENSÃO DE D ESLOCAMENTO DO N EUTRO Num circuito com cargas equilibradas agrupadas em estrela

TENSÃO DE DESLOCAMENTO DO NEUTRO

Num circuito com cargas equilibradas agrupadas em estrela a quatro fios, a corrente no condutor neutro é nula, podendo este ser retirado sem que haja qualquer efeito danoso para o circuito. Entretanto, em um circuito desequilibrado o condutor neutro exerce um papel de extrema importância, pois é por ele que as correntes excedentes retornam para sua fonte, e com isto, o sistema garante o equilíbrio ao circuito.

Num circuito desequilibrado a quatro fios o rompimento do neutro configura uma situação indesejada, tal evento provoca uma anomalia ao circuito produzindo um aumento de tensão nas cargas de maior impedância por fase.

Vejamos:

T ENSÃO DE D ESLOCAMENTO DO N EUTRO Num circuito com cargas equilibradas agrupadas em estrela

Se considerarmos o circuito ilustrado acima como desequilibrado, a abertura do neutro no circuito provocará uma sobretensão, que possivelmente trará danos à carga de maior impedância. Por outro lado, nas cargas de menor impedância ocorrerá um efeito inverso, ou seja, subtensão.

T ENSÃO DE D ESLOCAMENTO DO N EUTRO Num circuito com cargas equilibradas agrupadas em estrela

39

Para determinarmos em qual fase ocorrerá a sobretensão provocada pela abertura do neutro, devemos proceder da

Para determinarmos em qual fase ocorrerá a sobretensão provocada pela abertura do neutro, devemos proceder da seguinte forma:

1° passo proceder normalmente os cálculos para determinar a corrente do neutro IN; 2° passo determinar a tensão de deslocamento do neutro VON; 3° passo determinar as tensões VAO, VBO, VCO; 4° passo determinar as correntes IAO, IBO, ICO;

Para determinarmos em qual fase ocorrerá a sobretensão provocada pela abertura do neutro, devemos proceder da
Para determinarmos em qual fase ocorrerá a sobretensão provocada pela abertura do neutro, devemos proceder da

40

CADERNO DE APLICATIVOS ELETROTÉCNICA – 41 –
CADERNO DE APLICATIVOS ELETROTÉCNICA – 41 –

CADERNO

DE

APLICATIVOS

ELETROTÉCNICA

– 41 –
– 41 –
– 42 –
– 42 –
– 42 –
EXERCÍCIOS 1) Descreva de maneira clara o que você entendeu sobre: a) Potência ativa, reativa e

EXERCÍCIOS

1)

Descreva de maneira clara o que você entendeu sobre:

 
  • a) Potência ativa, reativa e aparente.

 
  • b) Fator de potência e correção do fator de potência.

 

2)

Faça uma representação esquemática de um gerador trifásico de 12 terminais agrupados da seguinte maneira:

  • (a) YY ( dupla estrela );

 
  • (b) ∆∆ (duplo triângulo);

  • (c) Y (estrela grande)

  • (d) (triângulo grande)

3)

Sobre o sistema trifásico configurado em Y

 
  • a) O que é um circuito trifásico equilibrado?

  • b) Qual é a relação entre a tensão de linha e a tensão de fase no sistema configurado em Y.

  • c) Qual é o valor da corrente do neutro num circuito equilibrado?

 

4)

Sobre o sistema trifásico configurado em – ∆

 
  • a) Qual é a relação entre a tensão de linha e a tensão de fase no sistema configurado em .

  • b) No sistema em qual é a relação de entre a corrente de linha e de fase.

5)

Um gerador trifásico ligado em estrela alimenta uma carga resistiva trifásica também ligada em

estrela com valores de resistência 10Ω, 8Ω, e 20Ω. Se a tensão em entre as fases é de 380V pode-se dizer que a corrente aproximada no condutor neutro é:

a )60A

b )33A

c )28A

d )14A

e )45A

6)

Um transformador trifásico com capacidade nominal de 150kVA foi instalado para alimentar um consumidor industrial que apresenta uma carga que demanda de 135kW com fator de potência 0,92. Tecnicamente qual o fator mínimo possível que esta indústria pode atingir para que seu transformador ainda possa suprir a carga.

  • a) 0,91

b)0,8

c) 0,95

d)0,9

e)0,89

7)

Se em cada um dos enrolamentos da bobina de um motor trifásico tem 8 + j6 , os valores aproximados da potência ativa e da potência aparente quando o motor é ligado em estrela a 380V são respectivamente:

a)8,8kW e 4,8kVA

b)11,5kW e 14,4kVA

c )18,3kW e 22,9kVA

8)

Um motor trifásico consome uma corrente de 10A quando ligado a uma tensão de linha de 380V. Se o fator de potência desse motor é de 0,8, e ele tem 85% de eficiência, a potência mecânica em HP no eixo desse motor vale aproximadamente:

a)1,2 HP

b )3,5 HP

c)6,0 HP

d)18,0 HP

e )12,0 HP

43

9) Um gerador trifásico foi projetado para fornecer uma ddp de 220V e uma corrente máxima

9) Um gerador trifásico foi projetado para fornecer uma ddp de 220V e uma corrente máxima de 30A. Sabendo-se que as lâmpadas incandescentes devem ser ligadas em triângulo a esse gerador e que cada lâmpada consome 0,3A, o número máximo de lâmpadas que podem ser ligadas ao gerador por fase será de aproximadamente:

a)100

b)57

c )176

d )66

e)30

10) Qual a corrente de um motor trifásico de 10CV com tensão de 220V entre as fases, cujo fator de potência é de 0,9 e seu rendimento é de 80%?

a )45A

b)33,45A

c)27,19A

d )10A

e )26,8ª

11) Um motor trifásico com carga máxima absorve 3,42kW. Sua tensão de trabalho quando ligado

em estrela é 220V e sua corrente é de 10A. Seu fator de potência é de aproximadamente?

a)0,5

b)0,8

c )0,7

d)0,9

e )0,6

12) Em uma instalação elétrica, a potência ativa consumida pelas cargas é 96 kW e o fator de potência médio da instalação é 0,8. Para não pagar multa à concessionária, devido ao fator de potência abaixo da norma, pretende-se instalar um banco de capacitores que eleve seu fator de potência para 0,95. A potência reativa que o banco de capacitores deve absorver é de aproximadamente:

a) 25,1 kVAr b) 31,5 kVAr c) 40,5 kVAr d) 41,5 kVAr e) 75 kVAr

13) Uma carga trifásica ligada a 440V demanda uma potência real de

92kW

e

tem

um fator de

potência 0,92. A corrente no circuito em função desta carga será de aproximadamente?

a)

151A

b)131

c)111A

d)101A

e)231A

14) Um medidor de energia elétrica registrou durante um tempo de 6h o consumo de 8,952kWh, para uma certa carga trifásica. A tensão nominal da carga é 220V e sua corrente é 2,66A o fatorde potencia desta carga é de?

a)

0,85A

b)0,65

c)0,7

d)0,92

e)0,95

15) A corrente de fase de uma carga trifásica ligada em delta a 380V é 10A. A potência elétrica demandada por esta carga é de?

a)

6,88kW

b)5,5kW

c)4,68kW

d)7,68kW

e)6,58kW

16) Um motor trifásico de 1,492kW com fator de potência 0,92 pode ser ligado em delta a 220V ou em estrela a 380V. Sendo assim a corrente na bobina quando o motor for ligado em delta é de:

a)2,145

b)3,145

c)4,145

44

d)2,457

e)5,1457

14. Faça as conversões de acordo com o que se pede na tabela abaixo: Circuito trifásico

14. Faça as conversões de acordo com o que se pede na tabela abaixo:

Circuito trifásico original Impedância de fase conhecida (Ω) Circuito trifásico final Impedância equivalente final (Ω) ∆
Circuito trifásico
original
Impedância de fase
conhecida (Ω)
Circuito trifásico
final
Impedância
equivalente final (Ω)
Y
Z AB = Z BC = Z CA
EQUILIBRADO
40/20°
EQUILIBRADO
Z AN = Z BN = Z CN
Y
12/10°
Z AN =
Z BN =
Z CN =
Z AB =
Z BC =
EQUILIBRADO
EQUILIBRADO
Z CA=
DESEQUILIBRADO
Z AB =70/40°
Z BC =60/20°
Z CA = 10/60°
Y
DESEQUILIBRADO
Z AN =
Z BN =
Z CN =
Y
DESEQUILIBRADO
Z AN = 15/12°
Z BN = 20/15°
Z CN = 10/30°
Z AB =
Z BC =
DESEQUILIBRADO
Z CA=

15. A ilustração abaixo demonstra um gerador trabalhando a plena carga em regime de 25kVA. Admitindo-se que o circuito seja com cargas equilibradas com FP=1 e a tensão nominal das cargas seja 220V, determine:

14. Faça as conversões de acordo com o que se pede na tabela abaixo: Circuito trifásico
  • a. Nestas condições a configuração do gerador é ou Y?

  • b. O valor da tensão de linha;

  • c. A corrente nas impedâncias;

  • d. O valor das impedâncias.

45

16. Se o gerador ilustrado abaixo está configurado em estrela(Y) com tensão de linha VBC =

16. Se o gerador ilustrado abaixo está configurado em estrela(Y) com tensão de linha VBC=660V, trabalhando em plena carga para alimentar um circuito equilibrado fp(m) 0,82, determine as correntes IA, IB, IC (com seus ângulos de defasagem) e as impedâncias ZA, ZB, ZC deste circuito.

16. Se o gerador ilustrado abaixo está configurado em estrela(Y) com tensão de linha VBC =

17. Suponha que dois circuitos com cargas equilibradas são ligados à rede elétrica, cuja tensão de linha é 440V. A carga Z está ligada em triângulo, tendo impedância por fase igual a 2+j0,5 Ω. A carga Z Y está ligada em estrela, tendo sua impedância por fase igual a 4+j5 Ω.

16. Se o gerador ilustrado abaixo está configurado em estrela(Y) com tensão de linha VBC =

Considerando essas condições determine:

  • a) Corrente total por fase;

  • b) As tensões de fase em cada carga;

  • c) A potência ativa, reativa e aparente e o FP(m) absorvido pelo circuito.

46

18. De acordo com o esquema abaixo determine as potências do circuito ∆ e Y conforme

18. De acordo com o esquema abaixo determine as potências do circuito e Y conforme indicado no gráfico vetorial. Sendo U=380V /ABC

18. De acordo com o esquema abaixo determine as potências do circuito ∆ e Y conforme
18. De acordo com o esquema abaixo determine as potências do circuito ∆ e Y conforme

47

19. Um sistema trifásico de 220 volts ACB a quatro condutores alimenta um motor trifásico de
  • 19. Um sistema trifásico de 220 volts ACB a quatro condutores alimenta um motor trifásico de 15 HP e uma carga desequilibrada em estrela conforme o esquema representado abaixo:

    • a) Determine a corrente do motor

    • b) Determine a corrente do neutro

    • c) Determine a potência total do circuito em W, VAr e VA

    • d) Cosφ (m) e o FP (m)

19. Um sistema trifásico de 220 volts ACB a quatro condutores alimenta um motor trifásico de
  • 20. Um sistema trifásico 380V ABC a quatro fios alimentas as cargas indicadas na ilustração abaixo:

19. Um sistema trifásico de 220 volts ACB a quatro condutores alimenta um motor trifásico de
  • a) Determine a potência total do circuito em W, VAr e VA

  • b) Cosφ (m) e o FP (m)

48

21. Num sistema ligado em triângulo a 220V, uma das suas fases deixou de ser utilizada

21. Num sistema ligado em triângulo

a

220V, uma das suas fases deixou de ser utilizada como

mostra a ilustração abaixo. Determine as correntes IA, IB e IC quando a chave CH01 estiver

fechada e as correntes IA, IB e IC quando a chave CH01 estiver aberta.

21. Num sistema ligado em triângulo a 220V, uma das suas fases deixou de ser utilizada

22. Uma residência é suprida pela concessionária a duas fases e neutro de uma rede em que VAN = 120 /120° V e VCN=120/0° V. Nesta residência estão ligados:

  • a) Entre as fases A e C, um chuveiro elétrico que consome 3300W/220V;

  • b) Entre a fase A e neutro, 10 lâmpadas especificadas para 60W/110W;

  • c) Entre a fase C e o neutro, eletrodoméstico cuja impedância vale 29/33°

Considerando (CH01 fase B aberta), calcule a corrente no neutro de acordo com o esquema representado pela ilustração abaixo.

21. Num sistema ligado em triângulo a 220V, uma das suas fases deixou de ser utilizada

49

23. Qual o valor do banco de capacitores elevará o fator de potência de 0,8 para

23. Qual o valor do banco de capacitores elevará o fator de potência de 0,8 para 0,95 de um transformador de 800 kVA que está funcionando em regime de plena carga?

P=600 kW
P=600 kW

24. Qual o valor a carga máxima com FP=1 pode ser adicionada ao circuito ilustrado abaixo sem exceder o limite fornecido pela fonte?

23. Qual o valor do banco de capacitores elevará o fator de potência de 0,8 para

Solução:

50

25. Calcule a tensão de deslocamento do neutro VON quando a chave CH01 estiver aberta. Determine

25. Calcule a tensão de deslocamento do neutro VON quando a chave CH01 estiver aberta. Determine também as tensões VAO, VBO, VCO e as correntes IAO, IBO e ICO.

25. Calcule a tensão de deslocamento do neutro VON quando a chave CH01 estiver aberta. Determine

26. Uma unidade trifásica de aquecimento de 1,5kW, fator de potência unitário, e um motor de indução de 5HP, rendimento de 80% e fator de potência 0,85, são alimentados pelo mesmo sistema trifásico a três condutores, 220V conforme ilustração abaixo:

25. Calcule a tensão de deslocamento do neutro VON quando a chave CH01 estiver aberta. Determine

Determine:

  • a. A corrente do motor e a corrente da unidade aquecedora;

  • b. A corrente total por fase;

  • c. A potência total ativa, reativa e aparente assim como o FP(m).

51

27. Para resolução dos estudos de caso a seguir, considere o circuito trifásico abaixo com cargas

27. Para resolução dos estudos de caso a seguir, considere o circuito trifásico abaixo com cargas equilibradas agrupadas em delta e seqüência de fase direta, sendo alimentado por uma fonte de tensão ligada em estrela a três condutores conforme ilustração a seguir:

27. Para resolução dos estudos de caso a seguir, considere o circuito trifásico abaixo com cargas

Estudo de caso 01 Seja Vbn=127/-60° V. Se pela carga Zab atravessar uma corrente Iab=20/75° A , determine:

  • a. As tensões que alimentam as cargas em cada fase;

  • b. O valor da impedância Zab;

  • c. As correntes, IA, IB, IC;

  • d. A potência ativa total absorvida pelas cargas e o FP(m).

Estudo de caso 02 Seja Vbc=100/0°. Se a corrente de linha por IA =8,66/45° A , determine:

  • a. O valor da impedância Zab;

  • b. As correntes, Iab, Ibc, Ica.;

  • c. A potência ativa absorvida em cada carga;

  • d. A potência aparente total absorvida pelas cargas e o FP(m).

Estudo de caso 03

Seja Van= 200 /60° V. Nas fases, cada carga absorve uma potência aparente, S f = 2236,067 VA. Determine:

  • a. As tensões de fase e de linha;

  • b. O valor de uma das impedâncias;

  • c. As correntes, IA, IB, IC.;

  • d. FP(m) do circuito.

Estudo de caso 04 Considere agora o circuito acima com tensão Van=140/0° V. Se as cargas do circuito absorvem uma potência total de 15 kW e +9 kVAR, determine:

  • a. A tensão VAB;

  • b. As correntes de fase e de linha;

  • c. O valor de uma das impedâncias e seu ângulo de defasagem;

  • d. FP(m) do circuito.

52

28. Considere o circuito trifásico abaixo com cargas equilibradas agrupadas em estrela e seqüência de fase

28. Considere o circuito trifásico abaixo com cargas equilibradas agrupadas em estrela e seqüência de fase direta, sendo alimentado por uma fonte de tensão ligada em estrela a três condutores conforme ilustração a seguir:

28. Considere o circuito trifásico abaixo com cargas equilibradas agrupadas em estrela e seqüência de fase

Estudo de caso 01 Seja a tensão de linha Vbc=220/0° V. Se a corrente de linha for IA=12,701/80° V, determine:

  • a. As tensões que alimentam as cargas em cada fase;

  • b. O valor da impedância ZA;

  • c. A potência aparente e reativa total absorvida pelas cargas e o FP(m).

Estudo de caso 02

Se um condutor é ligado entre os nós n e N, mas, as cargas forem desequilibradas com valores: ZA =

8 + j6 Ω;

ZB=12-j16 Ω; ZC=5 +j0 Ω.
ZB=12-j16 Ω;
ZC=5 +j0 Ω.
  • a. Determine a corrente no condutor neutro sendo VCA=380/240°V.

  • b. Determine as tensões de fase;

  • c. O FP(m).

53

29. Um transformador trifásico converte as tensões de um gerador de alta tensão em 380V de

29. Um transformador trifásico converte as tensões de um gerador de alta tensão em 380V de linha. Pretende-se alimentar um motor trifásico com as especificações seguintes:

220V/380V 10A. Represente no esquema que ilustra as bobinas na figura abaixo, a configuração do motor para que ele possa operar a 380V e determine também a impedância dos seus enrolamentos.

29. Um transformador trifásico converte as tensões de um gerador de alta tensão em 380V de

PAINEL EXTERNO DE CONFIGURAÇÃO DO MOTOR

29. Um transformador trifásico converte as tensões de um gerador de alta tensão em 380V de
29. Um transformador trifásico converte as tensões de um gerador de alta tensão em 380V de
29. Um transformador trifásico converte as tensões de um gerador de alta tensão em 380V de
29. Um transformador trifásico converte as tensões de um gerador de alta tensão em 380V de

Configurar para

  • 380 V

Trace as ligações nas bobinas ao lado

Represente a configuração para que ele opere em 220V e determine a corrente de fase em seus enrolamentos.

29. Um transformador trifásico converte as tensões de um gerador de alta tensão em 380V de

PAINEL EXTERNO DE CONFIGURAÇÃO DO MOTOR

29. Um transformador trifásico converte as tensões de um gerador de alta tensão em 380V de
29. Um transformador trifásico converte as tensões de um gerador de alta tensão em 380V de
29. Um transformador trifásico converte as tensões de um gerador de alta tensão em 380V de
29. Um transformador trifásico converte as tensões de um gerador de alta tensão em 380V de

Configurar para

  • 220 V

Trace as ligações nas bobinas ao lado

54

30. Represente nas ilustrações abaixo a ligação para os motores conforme seu número de pontas/bobina e

30. Represente nas ilustrações abaixo a ligação para os motores conforme seu número de pontas/bobina e a tensão que será aplicada nele.

06 PONTAS 220V

06 PONTAS – 380V
06 PONTAS – 380V

55

12 PONTAS 12 PONTAS
12 PONTAS
12 PONTAS

56

Anotações: – 57 –

Anotações:

57

Anotações: – 58 –

Anotações:

58