Você está na página 1de 3
Escola Superior de Tecnologia – EST Curso de Engenharia Química Prof. Geverson Façanha da Silva

Escola Superior de Tecnologia – EST Curso de Engenharia Química

Prof. Geverson Façanha da Silva

Química Analítica Experimental

EXPERIÊNCIA N° 4

-ANÁLISE DO LEITE DE MAGNÉSIA-

01.

OBJETIVOS

Padronizar soluções padrão secundário.

Determinar a pureza de hidróxido de magnésio em leite de magnésia.

02.

INTRODUÇÃO

A determinação quantitativa de uma substância ácida é feita através de titulação com uma

solução padrão alcalina na presença de uma pequena quantidade de um indicador ácido-base apropriado enquanto que para a determinação de uma substância alcalina emprega-se uma solução padrão ácida como titulante. O ácido mais utilizado nesse tipo de volumetria é o HCl e pelo lado das bases emprega-se mais o NaOH. Como nenhum dos dois é padrão primário é preciso padronizá-los com o uso de soluções de substâncias padrões primário apropriadas. As principais substâncias padrões primários utilizadas na volumetria de neutralização são:

PARA ÁCIDOS: Na 2 CO 3 ; Bórax (Na 2 B 4 O 7 .10H 2 O). PARA BASES: Biftalato de potássio (KHC 8 H 4 O 4 ); Ácido Oxálico Dihidratado (H 2 C 2 O 4 .2H 2 O).

O leite de magnésia é a suspensão (solução) de hidróxido de magnésio - Mg(OH) 2 em água.

Sua ação laxante deve-se à reação dela com o ácido clorídrico do suco gástrico, formando cloreto de magnésio - MgCl 2 - que é deliqüescente, ou seja, absorve muita umidade, chegando até mesmo a se dissolver na água absorvida do meio. Desse modo, lubrificam-se os intestinos, neutralizando a prisão de ventre. Em doses moderadas, serve também para ação anti-ácida, devido às suas propriedades alcalinas (reação de salinização do ácido clorídrico), mas prefere-se os bicarbonatos para tal.

Escola Superior de Tecnologia – EST Curso de Engenharia Química Prof. Geverson Façanha da Silva

Escola Superior de Tecnologia – EST Curso de Engenharia Química

Prof. Geverson Façanha da Silva

03. MATERIAL

Becker

Balança analítica

2 Balões volumétrico de 500 mL

2 Balões volumétrico de 50 mL

Pipetas graduadas

Pipetas volumétrica de 20 mL

Bureta

PRECAUÇÕES:

Cuidado ao manipular vidrarias quentes. O ácido clorídrico é extremamente corrosivo.

04. PROCEDIMENTO

Química Analítica Experimental

2 Erlenmeyers de 500 mL

NaOH em lentilhas P.A.

HCl concentrado

Bórax (Na 2 B 4 O 7 .10H 2 O)

Indicador vermelho de metila

Indicador fenolftaleína

Espátula

a. Preparo da solução de HCl 0,5 mol/L Preparar 500 mL de HCl 0,5 mol/L a partir de uma solução de HCl, d = 1,19 g/mL e C= 37 % em peso.

b. Solução de NaOH 0,25 mol/L:

Pesar 5,0 g de NaOH, diluir com água destilada, transferir para um balão volumétrico de 500

mL e completar o volume.

05. PADRONIZAÇÃO DAS SOLUÇÕES

a. Padronização da solução de HCl ~ 0,5 mol/L:

1. Pesar exatamente 2,3836 g de Na 2 B 4 O 7 .10H 2 O em papel vegetal e transferir para um balão

volumétrico de 50 ml.

2. Adicionar água destilada até a marca de aferição e 2 gotas de vermelho de metila transferir

para um erlenmeyer.

3. Titular com solução de HCl 0,50 mol/L agitando vigorosamente após cada adição.

Quando ocorrer mudança de coloração da solução e todo sólido estiver dissolvido anotar o volume gasto.

4. Repetir a operação para encontrar o valor médio, de modo que os volumes gastos nas

titulações não sejam diferentes em mais que 0,10 mL. Caso contrário, realizar uma terceira titulação

e rejeitar um dos resultados.

5. Calcular a concentração real da solução de HCl em g/L.

b. Padronização da solução de NaOH 0,25 mol/L:

1. Com uma pipeta volumétrica medir exatamente 20,00 mL de solução de HCl previamente

Escola Superior de Tecnologia – EST Curso de Engenharia Química Prof. Geverson Façanha da Silva

Escola Superior de Tecnologia – EST Curso de Engenharia Química

Prof. Geverson Façanha da Silva

Química Analítica Experimental

2. Adicionar 50 mL de água destilada e 2 gotas do indicador fenolftaleína.

3. Titular com solução de NaOH 0,25 mol/L até que a cor da solução se desvie da coloração

inicial.

4. Repetir a operação para encontrar o valor médio, de modo que os volumes gastos nas

titulações não sejam diferentes em mais que 0,1 mL. Caso contrário realizar uma terceira titulação e rejeitar um dos resultados.

5. Calcular a concentração da solução de NaOH em molaridade e g/L.

Titulação da amostra de leite de magnésia:

1. Agitar bem a amostra de leite de magnésia e pesar 3,0000 g da amostra numa balança

analítica.

2. Transferir a amostra com 50 mL de água destilada, cuidadosamente, para um erlenmeyer.

3. Adicionar com uma bureta, exatamente, 20,00 mL da solução de HCl 0,5 mol/L para cada

um dos erlenmeyers e 6 gotas do indicador vermelho de metila.

4. Titular o excesso da solução de HCl com a solução padrão de NaOH 0,25 até o

aparecimento da coloração amarela.

5. Calcular a porcentagem de Mg(OH) 2 na amostra analisada.

07. QUESTIONÁRIO (FAZ PARTE DO RELATÓRIO NA PARTE DE DISCUSSÃO DOS RESULTADOS):

A concentração obtida experimentalmente é compatível com o rótulo? Avalie estatisticamente. Calcular o erro do indicador? Descrever todas as reações. Por que não podemos titular diretamente o Mg(OH) 2 ?

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BACCAN, N.; ANDRADE, J. C.; GODINHO, O. E. S.; BARONE, J. S. Química

Analítica Quantitativa Elementar. 3.ed. São Paulo: Edgard Blucher, 2000.

HARRIS, D. C. Análise Química Quantitativa. 7.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

868p.

SKOOG, D. A.; WEST, D. M.; HOLLER, F. J., CROUCH, S. R. Fundamentos de

Química Analítica. 8.ed. São Paulo: Cengage Learning, 2008. 999p.

VOGEL, A.I. Análise Química Quantitativa. 5 a . edição. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1992.