Você está na página 1de 50

“Conceitos de Projetos e Construção de Túneis”

Data: 29 e 30 de Outubro de 2012 Local: CREA –CE
Realização: Parceiros:

Conceitos de Projetos e Construção de Túneis

PROJETOS – CONSIDERAÇÕES INICIAIS
Instrutor: Prof. André Assis, PhD (UnB / ITACET)

Prof. André P. Assis, PhD (UnB / ITA)
André Assis é professor titular da Universidade de Brasília (UnB), atuando nas áreas de túneis e barragens (com cerca 60 dissertações de mestrado e teses de doutorado já orientadas). Graduou-se pela própria UnB (1980) e obteve seu doutorado pela Universidade de Alberta, Canadá (1990). Foi professor visitante na Universidade de Nevada, EUA e no Instituto Federal Tecnológico de Lausanne, Suíça. Já publicou mais de 200 artigos técnicos e científicos, e de 100 relatórios de consultoria (metrôs: Brasília, Bucareste e São Paulo; trem de alta velocidade Rio / São Paulo TVA-BR; barragens: Queimado, Serra do Facão, Batalha, Simplício e Ferreira Gomes). Foi presidente do Comitê Brasileiro de Túneis (CBT) e da Associação Internacional de Túneis e do Espaço Subterrâneio (ITA). No momento, é coordenador do Comitê para Educação e Formação da ITA (ITACET), consultor de diversos projetos hidrelétricos no Brasil e no exterior, e da empresa Herrenknecht, editor da revista Soils & Rocks International e presidente eleito, gestão 2013-2014, e atual secretário geral da Associação Brasileira de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica (ABMS).

Introdução
• Definições:
– Túneis • Microtúneis – Galerias – Cavernas – Poços (Shafts)

Exemplos de Definições: Circuito Hidráulico - Serra da Mesa

Histórico • "Eras" de Desenvolvimento da Engenharia de Túneis – Era Antiga (3000 aC) – Era da Navegação (século XVII) – Era das Ferrovias (século XIX) – Era Ambiental (a partir de 1960) .

Era Antiga (3000 aC) • Cavernas para habitação • Tumbas dos faraós egípcios (2700 aC) .

5 x 1.Era Antiga •Mineração •Túnel da rainha Samírades (Babilônia) •2000 aC. 1.8 m2.5 m2.8 x 1. em Atenas (ainda em operação) •Catacumbas dos cristãos romanos . 1. 1 km de comprimento sob o Rio Eufrates •Túneis de adução de água na Grécia •700 aC.5 km de comprimento •200 dC. 1.

Era da Navegação • Na Idade Média. uso de obras subterrâneas predominantemente para fins militares • Uso da pólvora pela primeira vez em obras civis (1679) • Canal de Midi. França (1681) – Túnel Malpas (161 m de extensão) .

Era das Ferrovias • Metrô de Londres – Túnel sob o Rio Tâmisa (1807-1843) – Shield de Brunel • • • • Ferramentas pneumáticas (1857) Dinamite (1864) Ar comprimido (1869) Shield circular (1869) .

Era das Ferrovias: Métodos Clássicos de Túneis • Método Alemão • Método Austríaco • Método Belga • Método Inglês • Método Italiano • Engenharia de túneis dependente da geologia local • Escavação e instalação de suporte em etapas (escavação seqüenciada) .

Era Ambiental (a partir de 1960) • Era Ambiental – Melhoria da qualidade de vida. com o menor impacto ambiental possível • Era Ambiental e as Obras Subterrâneas – Uso do espaço subterrâneo para infra-estrutura e da superfície para fins mais nobres .

Era Ambiental: Tendência Urbana .

Era Ambiental: Perspectivas .

Projeto Stuttgart 21 • Projeto pioneiro de outros 20 da DB • Custo € 3 bilhões – 40% venda imobiliária – 20% redução de custos operacionais e aumento de tráfego – 40% fundos públicos (impacto de € 5 bilhões) .

Artéria Central de Boston. EUA .

Uma idéia Inovadora Túnel Multi-Funcional em Kuala Lumpur Figura 1 – Período Seco Figura 2 – Período Intermediário Figura 3 – Período de Chuvas Excessivas .

Rodovia Imigrantes de São Paulo ao Porto de Santos Vista Aérea: Viaduto nos anos 70 vs Túnel em 2000 2000: Túnel Primário Anos 70: Viaduto inicial .

enchentes etc. petróleo etc. • Cavernas – Água. cabos. cabos elétricos. . telefone etc. • Poços – Acessos. gás. hidroviário.Demanda Atual • Túneis de Transporte – Rodoviário. petróleo. adução. esgoto. ferroviário. estacionamento. pedestre • Túneis de Adução – Água.

1 km no canal de Marselha.9 km no Japão (100 m abaixo do fundo do mar) • Túnel Rodoviário (Laerthal): 20. França .9 km no Metrô de Moscou.5 km na Noruega • Túnel Hidroviário (Rove): 7.Grandes Projetos Atuais: Túneis de Transporte • Túnel Metroviário: 37. Rússia • Túnel Ferroviário (Seikan): 53.

África do Sul • Esgoto: 211 km em Chicago. África do Sul . Suécia • Poços: 3500 m de profundidade.9 km nos rios Orange e Fish. mina de ouro.Grandes Projetos Atuais: Adução e Armazenamento • Adução de Água: 82. EUA • Caverna: 1 milhão de m3 (caverna Henriksdal) para armazenamento de resíduos em Estocolmo.

Requisitos para o Uso do Espaço Subterrâneo • • • • • • Arquitetura Psicologia Iluminação Acabamento Sinalização Treinamento .

.

Princípios de Comportamento de Túneis • Legado Passado (Era das Ferrovias) – Uso da pólvora pela primeira vez em obras civis (1679) – Shield de Brunel (1843) – Ferramentas pneumáticas (1857) – Dinamite (1864) – Ar comprimido (1869) – Shield circular (1869) – Parcialização de Escavação – TBM para rocha (1936) .

Comparação (Túnel Arlberg): Era das Ferrovias x Era Ambiental .

5 km/ano AE = 95 m2 AU = 80 m2 AS = 15 m2 19 mortos Suporte Segurança Avanço? .Comparação (Túnel Arlberg): Era das Ferrovias x Era Ambiental • • • • • • • • 1880-1884 Ferroviário L = 10.8 km 3.5 km 2.6 km/ano AE = 95 m2 AU = 50 m2 AS = 45 m2 310 mortos e 877 feridos • • • • • • • • 1974-1978 Rodoviário L = 13.

baratas e construídas em menor tempo • Nova Geração de TBMs (face pressurizada) – Uso em locais antes considerados inapropriados – Mecanização do processo construtivo .Avanços da Engenharia de Túneis • Melhor Entendimento do Comportamento – Controle de recalques e deslocamentos – Avaliação de danos induzidos • Avanços Tecnológicos – Obras mais seguras.

Princípios do Comportamento de Túneis • Maciço Circundante • Sistema de suporte Interação Maciço-Suporte Anel de Suporte do Maciço Reforçado • Monitoração Método Observacional .

Maciço Circundante • Princípio 1 – O maciço constitui o principal elemento estrutural do túnel • Princípio 1.2 – Mobilizar a capacidade de suporte do maciço.1 – Minimizar danos ao maciço ou até mesmo aumentar sua capacidade de carga • Princípio 1. mobilizando o efeito de arco (permitir deformação) .

.

3 – Prevenir deformações excessivas para evitar afrouxamento do maciço ps po u u .Maciço Circundante • Princípio 1.

Sistema de Suporte .

o sistema de suporte deve estar em contato com o maciço . incluindo tipo.1 – Para ser mobilizado. procedimento de instalação. rigidez e carga limite • Princípio 2. o anel do suporte deve estar fechado • Princípio 2.2 – Para ser mobilizado.Sistema de Suporte • Princípio 2 – Seleção de um sistema de suporte ótimo. tempo de instalação.

• Princípio 2.3 – O sistema de suporte deve trabalhar como um anel de paredes finas.Sistema de Suporte • Princípio 2.4 – O aumento de capacidade do suporte deve ser feito por reforço (cambotas. tirantes) do que por aumento de inércia da seção transversal. maximizando esforços normais e minimizando cortantes. .

Sistema de Suporte ps po psmax FS = ps ps u ps po u u .

tipo de suporte e tempo de instalação .Instrumentação Ativa • Princípio 3 – Instrumentação de túneis piloto e dá estrutura principal.2 – Selecionar e calibrar o método de escavação. em termos de deslocamentos. carga e tensões • Princípio 3.1 – Avaliar o tempo de auto-sustentação • Princípio 3.

Instrumentação Ativa • Princípio 3.3 – Dimensionar a estrutura final do túnel – Monitorar seu comportamento – Avaliar sua segurança 6m M4 M2 4m M1 M3 M5 (H .2 m) / 2 H H-2m E1 E2 P1 P3 P5 P2 P4 P6 P7 .

Geologia Local Ensaios (Lab. e Campo) Experiência do Projetista Investigações Modelo Geomecânico Método de Escavação e Sistema de Suporte Modelo Estrutural e Previsões de Projeto Não Ok? Elementos de Projeto Sim Projeto Verificado .

2 m) / 2 H H .2 m E1 E2 Ok? P1 P3 P5 P2 P4 P6 Sim Processo Validado P7 .Elementos de Construção Experiência do Construtor 6m M4 M2 4m M1 M3 M5 Projeto Verificado Construção e Gerenciamento Monitoração Não (H .

Tensões "In-Situ" * Tensão geostática * Coeficiente ko Tensões Induzidas * Geometria da abertura Curva de Reação do Maciço * Deformabilidade * Resistência Curva de Confinamento do Suporte * Deformabilidade * Resistência * Área transversal e inércia Interação Maciço-Suporte * Tempo de instalação do suporte .

Métodos Construtivos de Túneis "Cut-and-Cover" (Vala Recoberta) Convencional Túneis Submerso Mini-Túneis Métodos Tuneleiros Tuneladoras Escavação Sequencial .

Métodos de Escavação Sequencial .

Tuneladoras .

Métodos Convencionais x Tuneladoras Flexibilidade geométrica Flexibilidade geológica Flexibilidade política Custos menores para túneis curtos e onde mãomão -dede-obra for barata Menores danos ao maciço Qualidade melhor e mais regular (processo industrial) Menor carga imposta aos trabalhadores Segurança maior Cronograma e custos mais garantidos .

Impermeabilização de Túneis .

.

Suporte Definitivo ou Revestimento .

Dimensionamento de Revestimentos • Diagramas de Interação M-N • Cálculo de Tensões M .y N σ= + I A .

Sequência Construtiva e Interferências) – Gerenciamento de Riscos • Segurança durante a Operação (Fogo) • Custos e Financiamento .Desafios da Engenharia de Túneis • Segurança durante a Construção – Investigações Geológico-Geotécnicas – Tensões In-Situ (Naturais) – Comportamento de Maciços (Solos Estruturados e Maciços Rochosos) – Simulação Numérica (Geometria.

p@gmail.Agradecimentos: ao CBT e UnB Contato: aassis.com .