Você está na página 1de 23

MADEIRA •Propriedades Mecânicas;

•Propriedades
p Organolépticas;
g p ;
PROPRIEDADES MECÂNICAS

ƒ Definem o comportamento da madeira quando submetida a


esforços de natureza mecânica.
mecânica

ƒ Dependem
D d d teor
do t d umidade
de id d da
d madeira
d i e do
d peso
específico.

ƒ Quanto maior o peso específico, maior a resistência mecânica.


PROPRIEDADES MECÂNICAS

ƒ Esforços exercidos no sentido das fibras:


1. Compressão paralela às fibras;
2 Tração;
2.
3. Cisalhamento.

ƒ Esforços exercidos transversalmente às fibras:


1. Compressão perpendicular às fibras;
2. Flexão;
3. Tração.
PROPRIEDADES MECÂNICAS
Esforços exercidos no sentido das fibras

ƒ Compressão paralela às fibras


Provoca a separação das fibras e a ruptura por flambagem (perda
da estabilidade pela aplicação de um esforço de compressão
acima de um valor crítico).
PROPRIEDADES MECÂNICAS
Esforços exercidos no sentido das fibras

ƒ Tração
Produz contrações transversais, aumentando a aderência das
fibras.
PROPRIEDADES MECÂNICAS
Esforços exercidos no sentido das fibras

ƒ Cisalhamento
Esforço no sentido das fibras que provoca deslizamento de um
plano sobre outro.
PROPRIEDADES MECÂNICAS
Esforços exercidos transversalmente às fibras

ƒ Compressão perpendicular
às fibras
- Esforço de compressão no
sentido perpendicular às fibras.
- Verificar o valor máximo
que a espécie suporta sem
ser esmagada.
g
PROPRIEDADES MECÂNICAS
Esforços exercidos transversalmente às fibras

ƒ Flexão
Em uma viga fletida, a ruptura ocorre primeiramente na parte
comprimida e posteriormente na parte tracionada
PROPRIEDADES MECÂNICAS
Esforços exercidos transversalmente às fibras

ƒ Tração
Esforço de tração aplicado transversalmente às fibras de um
corpo de prova provoca fendilhamento (descolamento das fibras)
CARACTERÍSTICAS ORGANOLÉPTICAS

ƒ São as características capazes de impressionar os sentidos.


ƒ São elas:
1. Cor;
2. Cheiro;
3. Gosto;
4. Grã;
5. Textura;;
6. Brilho;
7. Desenho.
CARACTERÍSTICAS ORGANOLÉPTICAS

COR
ƒDeriva de substâncias químicas presentes no tronco;
ƒAlgumas destas substâncias evitam o ataque de organismos
xilófagos;

ƒMadeiras escuras têm grande durabilidade;


ƒValor decorativo;
ƒAltera-se com o teor de umidade com a exposição ao sol e ao
ar.
CARACTERÍSTICAS ORGANOLÉPTICAS

CHEIRO

ƒCaracterística difícil de ser definida;


ƒDeve-se à presença de certas substancias voláteis existentes
no cerne;

ƒO cheiro pode ser realçado raspando, cortando ou umedecendo


a madeira seca;

ƒEssa característica deve ser observada de acordo com o tipo de


prod to que
produto q e se pretende produzir.
prod ir
CARACTERÍSTICAS ORGANOLÉPTICAS

GOSTO

ƒIntimamente relacionado com o cheiro, uma vez qque tem origem


g
nas mesmas substâncias;

ƒCaracterística importante na distinção e identificação prática de


algumas espécies;

ƒDe acordo com sua finalidade,


finalidade algumas espécies podem ser
excluídas de determinadas aplicações.
CARACTERÍSTICAS ORGANOLÉPTICAS

GRÃ
ƒOrientação geral dos elementos verticais que constituem o
lenho em relação ao eixo da árvore.
Tipos
p de g
grãs:
1. Grã direita ou normal
Tecidos axiais paralelos ao eixo principal do tronco;
Boa resistência mecânica;
Fácil desdobro e processamento;
Não provoca deformações indesejáveis em função da secagem;
Quanto ao aspecto decorativo: regular e sem figuras ornamentais
especiais.
CARACTERÍSTICAS ORGANOLÉPTICAS

Castanheira Freijó
CARACTERÍSTICAS ORGANOLÉPTICAS

GRÃ
2 Grãs irregulares
2.
Tecidos axiais sofrem variações de inclinação em relação ao eixo
longitudinal do tronco.
2.1 Grã espiral ou torcida: elementos axiais da madeira têm
orientação espiral ;

Sucupira
CARACTERÍSTICAS ORGANOLÉPTICAS

GRÃ
Ã
2.2 Grã entrecruzada: elementos axiais da madeira estão
orientados em diversas direções;
Originam-se de árvores com grã espiralada que tiveram direção
de inclinação alterada.
alterada
Baixa resistência mecânica e difícil secagem.
Quanto ao aspecto decorativo: produz desenhos atraentes.

Faveiro
CARACTERÍSTICAS ORGANOLÉPTICAS

GRÃ
2.3 Grã oblíqua, diagonal ou inclinada: elementos axiais da
madeira têm desvio angular ;
Quanto
Q t maior
i o desvio,
d i menor a resistência
i tê i mecânica
â i e maior
i as
deformações na secagem.
Árvores com troncos excessivamente cônicos.
cônicos

Piquia
CARACTERÍSTICAS ORGANOLÉPTICAS

GRÃ
2.4 Grã ondulada ou crespa: elementos axiais da madeira
aparecem como uma linha sinuosa regular.
Apresentam faixas escuras e claras alternadas.
Quanto ao aspecto decorativo: produz desenhos atraentes.

Muiracatiara Tanimbuca
CARACTERÍSTICAS ORGANOLÉPTICAS

TEXTURA
ƒEfeito produzido na madeira pelas dimensões, distribuição e
porcentagem dos elementos estruturais que constituem o lenho.
Textura grossa: madeiras com poros grandes e visíveis a olho
nú.
C
Carvalho,
lh Louro-faia,
L f i Acapu.
A
Textura média
Faveiro, Freijó
Textura fina: madeiras cujos elementos constituintes têm
dimensões muitos
m itos pequenas
peq enas e se encontram distribuídos
distrib ídos de
forma difusa no lenho.
Pau-marfim
Pau marfim, Pinheiro bravo,
bravo Pau
Pau-amarelo
amarelo.
CARACTERÍSTICAS ORGANOLÉPTICAS

BRILHO

ƒCapacidade da madeira de refletir a luz incidente.


ƒPode ser acentuado através de ppolimento e
acabamento superficial.
CARACTERÍSTICAS ORGANOLÉPTICAS

DESENHO

ƒTermo usado para descrever a aparência natural das


faces da madeira;
ƒResultante de características macroscópicas:
p cerne,,
alburno, cor, grã, anéis de crescimento e raios;
ƒDesenhos atraentes têm origens em certas
anormalidades como: grã irregular, nós, deposição
irregular de substâncias corantes.
CARACTERÍSTICAS ORGANOLÉPTICAS

DESENHO
•Olho de passarinho: presença de brotos
•Maglié - Figuração rara nas laminas naturais, cuja
característica são veias irregulares e perpendiculares ao sentido
da fibra da madeira.
madeira
•Frizé - Veia irregular e rara da madeira cujo desenho é
perpendicular à via da madeira.