OPERAÇÕES DE PACIFICAÇÃO E CONSEQUÊNCIAS JURÍDICAS

Qual a arma mais potente do batalhão?

E a arma mais potente da Justiça?

Através dela o policial perde o cargo e a liberdade

Temos que agir sempre de acordo com a lei

Relacionamento .

.

Polícia de Pacificação .

Necessidade • Trazer de volta a confiança na polícia • Trazer paz às comunidades carentes • Acabar com a hegemonia do tráfico e das milícias .

.O PROCESSO DE PACIFICAÇÃO • Respeito à dignidade da pessoa humana.

• Conceito .

• Relatividade do princípio. .

• Nenhum direito é absoluto. à exceção do direito em não ser torturado ou escravizado. .

.Manual de Formação em Direitos Humanos para as forças policiais Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos.

ela pode não obedecer também .Efeitos práticos da violação da lei pela polícia. • Diminuem a confiança do público • Sociedade passa a desrespeitar a polícia •Entende que se a polícia não obedece a lei.

• Agravam a desobediência civil .

• Policial Rambo (SP) que agredia as pessoas na entrada da favela. .

.

• Gera revolta na população .

• Ameaçam o efetivo exercício da ação penal pelos Tribunais • Perde-se a confiança na prova • Muitas vezes. só existe a palavra do policial • A palavra do policial tem fé pública. mas é deixada de lado • In dubio pro reo .

• Resultam na liberação dos culpados e na punição dos inocentes •Policial que mente em juízo •Corrupção – policial que exigiu calça jeans e tênis para testemunhar .

• Deixam a vítima do crime sem que lhe faça justiça •A falta de credibilidade faz com que a vítima perca seus direitos • A polícia perde a credibilidade .

•Provocam críticas por parte da comunidade internacional e dos meios de comunicação social e colocam o respectivo Governo sob pressão .

Efeitos práticos quando a polícia respeita. protege e defende os direitos humanos • Reforça-se a confiança do público e estimula-se a cooperação da comunidade • Comunidade passa a fornecer dados para captura dos criminosos .

•A polícia passa a ser vista como parte integrante da comunidade.Monitoramento dos moradores. desempenhando uma função social válida •Contribui para a resolução pacífica de conflitos e queixas •Minas gerais . Placas nas casas de cooperação com a polícia .

• Policia deve integrar-se com a comunidade.

Mas nem tanto.

• Presta-se um serviço de boa administração da justiça, pelos que se reforça a confiança no sistema

•A palavra do policial passa a ter credibilidade na Justiça.

• Dá-se um exemplo aos outros membros da sociedade em termos de respeito pela lei • Quando o policial respeita a lei, passa a ser admirado e seguido pelos demais

em posição de prevenir o crime e perseguir os seus autores através de uma atividade policial de natureza preventiva . em conseqüência disso.• Consegue-se que a polícia fique mais próxima da comunidade e.

• Ganha-se o apoio dos membros de comunicação social. da comunidade internacional e das autoridades públicas .

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS • Todo indivíduo tem direito a um julgamento justo. sendo vedadas: • Provas ilícitas • Provas forjadas • Todo indivíduo tem direito à presunção de inocência até que a sua culpa fique provada no decurso de um processo legal • Presunção de inocência e não de ingenuidade .

a fim de obter informações • Muitos presos alegam que foram torturados em seus interrogatórios na polícia • A Justiça considera o fato do termo ter sido assinado também pelo advogado . testemunhas ou vítimas. física ou mental. sobre os suspeitos.• Não será exercida qualquer pressão.

•As vítimas e testemunhas deverão ser tratadas com respeito e consideração • Vítimas de violência sexual ouvidas por policiais despreparados. .

nem a testemunhar contra si próprio • Exame do bafômetro .• Ninguém será obrigado a confessar a culpa.

.

.• Todos tem direito a um julgamento em prazo razoável • Agente que foi julgado 19 anos depois do homicídio.

água • Postos de saúde • Assistência jurídica .AUSÊNCIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS APÓS A PACIFICAÇÃO • Saneamento básico. luz.

• As comunidades carentes são equivalentes a uma cidade de porte pequeno ou médio .

SITUAÇÕES COMUNS NO INÍCIO DO PROCESSO DE PACIFICAÇÃO .

• Troca de tiros com traficantes • Bala perdida (aberratio ictus) • Legítima defesa com erro na execução .

• Violação de domicílio – art. 150 do CP • Ingresso em barraco para prisão em flagrante (qualquer hora do dia ou da noite) E se não houver crime? .

• Para se abrigar em troca de tiros • Estado de necessidade • Conceito de domicílio – expressão casa • Laje • Barraca de camping .

240 CPP • Busca domiciliar: fundadas razões • Busca pessoal: fundada suspeita .• Busca/Revista pessoal e domiciliar – Art.

• Não é arbitrária • Não pode ser realizada para humilhar as pessoas • Revista pessoal feminina – art. de acordo com a CF. 5º. art. XI . 249 CPP – Deve ser feita por outra mulher. como regra • Domiciliar – exige mandado judicial.

considerados domicílios • Em autoridades – Prerrogativa de funções (MP. Magistratura) – não podem ser revistados. como regra. desde que se identifiquem • Em autoridades – deve ser chamado o chefe da instituição para que proceda a busca .• Em automóveis – não são.

• Abuso de autoridade – quando não há fundada suspeita • Mandado coletivo para busca em favelas – complicado. pois se equivale a uma cidade .

PRISÃO EM FLAGRANTE .

• Conceitos de flagrante: • Compulsório • Se não for realizado. o policial deverá ser processado administrativa e criminalmente •Policial garantidor .

•Preparado e Esperado •Súmula 145 do STF – Não há crime quando a preparação do flagrante pela polícia torna impossível a sua consumação .

art.034/95.•Diferido ou retardado – Lei 9. 2º • Crimes organizados • Deve ser realizado no momento mais eficaz do ponto de vista da formação de provas e fornecimento de informações • Forjado ou Javaneza • Crime praticado pelo policial .

TRÁFICO DE DROGAS E CONSUMO .

• Diferença • Problemas criados pela Lei 11. • Apreensão dos materiais e entrega na delegacia • Abuso na classificação .343/06 • Sentença ridícula • Impossibilidade de prisão –Pavão pavãoinho.

DESACATO – ART. 331 CP .

• Sentido de menosprezar. afrontar • Presença do funcionário é indispensável. • Por telefone – será injúria ou outro crime • Pela imprensa – outro delito que não o desacato • Ofensa deve ser proferida no exercício da função ou em razão dela . faltar com o respeito. desprezar.

• Problemas pessoais – não é desacato. 299 e 300 . • Dizer que a mulher o está traindo • Falar que é caloteiro • Embriaguez do agente – duas correntes • Animo calmo e refletido • Indignação com o policial • Não constitui desacato • CPM – artigos 298.

RESISTÊNCIA – ART. 329 DO CP .

• O ato deve ser legal • Se for ilegal. contra policial • Configura o crime • Embriaguez do agente – duas correntes . não há crime • Diferença entre ato injusto e ato manifestamente ilegal • Contra ato injusto não cabe o direito de resistência • Disparo de arma de fogo. durante a fuga.• Resistência ativa e passiva.

DESOBEDIÊNCIA – ART. 330 DO CP .

não cumprir a ordem legal de funcionário público • Pessoa que não tinha obrigação de cumprir a ordem • Não há desobediência • Relação hierárquica: • Não há crime.• Deixar de atender. mas infração administrativa • Oficial que desobedece o juiz .

• Desobediência na ordem hierárquica da PM • Desobediência a ordem que implique em autoincriminação: • Não há crime • Bafômetro • Exame de sangue .

288 CP .FORMAÇÃO DE QUADRILHA OU BANDO – ART.

porque o crime já estava consumado .• Caráter duradouro • Agentes não identificados • Configura o delito mesmo com a prisão de um deles • Inimputáveis. • Entram no cômputo do grupo • Abandono por um dos agentes depois de formado o grupo • Não se aplica a desistência voluntário.

35 da Lei 11. • Art.• Individualização da função de cada um no grupo • Não se exige descrição pormenorizada • Formação do grupo para a prática de contravenção • Não há quadrilha. que exige prática de crime • Associação para o tráfico de drogas.343/06 .

304 DO CP .USO DE DOCUMENTO FALSO – ART.

• Necessidade de apresentação voluntária • Policial que retira o documento falso do bolso do agente: • Não há crime • Fotocópia não autenticada falsificada: • Não há crime • Falsificação grosseira: • Não há crime .

RELACIONAMENTO COM O MINISTÉRIO PÚBLICO .

• Titularidade da ação penal • Investigação pelo Ministério Público •Policial como testemunha de acusação .

FORÇA E HONRA EM FAVOR DA PAZ .