Você está na página 1de 4
CURSO A DISTÂNCIA – MÓDULO XI DIREITO COMERCIAL II - PROF. SÍLVIO ANTÔNIO MARQUES TÍTULOS DE

CURSO A DISTÂNCIA – MÓDULO XI DIREITO COMERCIAL II - PROF. SÍLVIO ANTÔNIO MARQUES

TÍTULOS DE CRÉDITO IMPRÓPRIOS

1

Os títulos de crédito próprios representam ordem de pagamento ou promessas de pagamento. Há instrumentos de crédito que apenas utilizam alguns princípios dos títulos de crédito, sendo conceituados como “impróprios”, pois não são promessa ou ordem de pagamento, e nem sempre representam “créditos”. Há duas categorias de títulos de crédito impróprios, que são os títulos impróprios representativos de mercadorias e os títulos impróprios bancários.

TÍTULOS IMPRÓPRIOS REPRESENTATIVOS DE MERCADORIAS

São títulos que não exprimem uma operação de crédito, mas representam a titularidade de mercadorias custodiadas, que se encontram em poder de quem não é proprietário. São desse tipo o conhecimento de

depósito, o warrant e o conhecimento de transporte.

  • I. Conhecimento de depósito e warrant - o conhecimento de depósito representa mercadorias depositados por proprietários de produtos em armazéns gerais (Decreto n. 1.102/1903). O warrant representa as mesmas mercadorias relativas ao conhecimento de depósito, mas, mediante endosso, constituem penhor sobre as mercadorias em poder do armazém geral. Enquanto o conhecimento de depósito representa a propriedade dos produtos, o warrant representa a possibilidade de constituição de penhor para garantir o pagamento de dívida. Os títulos em exame devem conter a designação particular (conhecimento de depósito ou warrant) e os requisitos previstos no art. 15 do Decreto n. 1.102/1903.

O conhecimento de depósito e o warrant são títulos unidos emitidos pelo armazém geral, mas podem circular autonomamente. No resgate das mercadorias, quem tiver em mãos o conhecimento de depósito deverá exibir, também, o warrant, caso contrário não haverá liberação. Admite-se, contudo, a liberação das mercadorias mediante um depósito que represente o crédito do credor pignoratício, até porque o valor do warrant será anotado no verso do conhecimento de depósito, ou após execução do valor dado em penhor.

O

conhecimento

de

depósito

e

o

warrant podem ser

penhorados ou arrestados por dívida do portador. Mas as mercadorias que eles representam não podem sofrer embargo, penhora, seqüestro ou qualquer embaraço (art. 17 do Decreto n. 1.102/1903). II. Conhecimento de transporte (frete) – trata-se de título emitido por empresas de transporte por terra, mar e ar que prova o recebimento de mercadoria e a obrigação de entregá-la no lugar de destino. O conhecimento de transporte negociável pode circular por endosso do

2 CURSO A DISTÂNCIA – MÓDULO XI DIREITO COMERCIAL II - PROF. SÍLVIO ANTÔNIO MARQUES proprietário

2

CURSO A DISTÂNCIA – MÓDULO XI DIREITO COMERCIAL II - PROF. SÍLVIO ANTÔNIO MARQUES

proprietário dos bens. Assim, a retirada da mercadoria transportada deverá ser realizada mediante a apresentação do título devidamente quitado por seu legítimo possuidor. A lei proíbe o endosso no título que tiver a cláusula “não à ordem”, ou em caso de transporte de cargas perigosas e de mercadorias destinadas a armazéns gerais (art. 91 do Decreto n. 51.813/1963).

TÍTULOS IMPRÓPRIOS BANCÁRIOS

São títulos utilizados no financiamento de bens realizado por instituições financeiras. Constituem instrumentos que podem conter garantias reais (imóveis ou móveis), inseridas no próprio título, e visam fomentar atividades econômicas. São “cédulas de crédito” os títulos que possuem alguma garantia e “notas de crédito” os que não possuem. Entre tais títulos, são considerados mais importantes os

seguintes:

  • I. Cédula e Nota de crédito industrial (Decreto-lei n. 413/1969) – trata-se de títulos emitidos em razão de financiamento concedido por instituição financeira a uma pessoa física ou jurídica que se dedique à atividade industrial. Quem emite o título é industrial, que fica obrigado a aplicar os recursos para os fins ajustados com o banco financiador, o qual poderá, a qualquer tempo, fiscalizar o andamento dos serviços ou do projeto. O emitente pagará juros e correção monetária ao financiador, que deverão constar da própria cédula. Os requisitos da cédula estão previstos no art. 14 do Decreto-lei n. 413/1969, devendo esta descrever os bens objeto do penhor, da alienação fiduciária ou da hipoteca cedular. A nota de crédito industrial deve ser emitida de acordo com o art. 16 do mesmo diploma. II. Cédula e Nota de crédito rural (Decreto-lei n. 167/1967) – trata-se de títulos que visam financiar atividades agropecuárias pelos órgãos integrantes do sistema nacional de crédito rural. A exemplo do que ocorre nas cédulas de crédito industrial, o produtor rural emitente deve aplicar os recursos nos fins ajustados e o financiador pode fiscalizar a qualquer momento tal aplicação. III. Cédula e Nota de crédito comercial ou de prestação de serviços (Lei n. 6.840/1980) – trata-se de títulos relativos a atividades mercantis e de prestação de serviços. Aplicam-se a tais títulos as normas relativas à cédula de crédito industrial, previstas no Decreto n. 413/1969. IV. Cédula e nota de crédito à exportação (Lei n. 6.313/1975) – são títulos que visam financiar as exportações brasileiras. Em virtude de admitir o endosso parcial, constituem títulos que se distanciam dos títulos de crédito comuns. CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO - representa uma promessa de pagamento em dinheiro relativa a crédito anteriormente concedido ao cliente por uma instituição financeira. Assim, uma pessoa física ou jurídica pode abrir

3 CURSO A DISTÂNCIA – MÓDULO XI DIREITO COMERCIAL II - PROF. SÍLVIO ANTÔNIO MARQUES uma

3

CURSO A DISTÂNCIA – MÓDULO XI DIREITO COMERCIAL II - PROF. SÍLVIO ANTÔNIO MARQUES

uma conta em um banco e contratara abertura de um crédito que será utilizado em caso de falta de fundos, com a assinatura do título em exame, no qual constará a promessa de pagar a quantia utilizada, com juros e acréscimos. Se o correntista utilizar o dinheiro e não efetuar o depósito de quantia suficiente para cobrir o saldo negativo, o banco pode executar a cédula de crédito bancário, que deverá estar acompanhada de uma planilha de cálculo ou extrato de conta corrente emitido pelobanco. Cabe a emissão de cédula de crédito bancário pelo correntista, com ou sem garantia, real ou fidejussória, cedularmente constituída (arts. 26/45 da Lei n.10.931/2004).

  • V. Antes da criação deste título, os bancos eram obrigados a propor uma ação de conhecimento para receber seus créditos, em razão do enunciado da Súmula 233 do Superior Tribunal de Justiça.

QUESTÕES 4 CURSO A DISTÂNCIA – MÓDULO XI DIREITO COMERCIAL II - PROF. SÍLVIO ANTÔNIO MARQUES

QUESTÕES

4

CURSO A DISTÂNCIA – MÓDULO XI DIREITO COMERCIAL II - PROF. SÍLVIO ANTÔNIO MARQUES

  • 1. O que são títulos de crédito impróprios?

  • 2. Quais são as categorias de títulos de crédito impróprios?

  • 3. O que são títulos impróprios representativos de mercadorias?

  • 4. Quais são os tipos de títulos impróprios representativos de mercadorias?

  • 5. O que é conhecimento de depósito?

  • 6. O que é warrant?

  • 7. Quais os requisitos do conhecimento de depósito e do warrant?

  • 8. Qual o modo de circulação do conhecimento do depósito e do warrant?

  • 9. A apresentação do conhecimento de depósito é suficiente para resgate de mercadorias depositadas em armazéns gerais?

    • 10. O que é conhecimento de transporte?

    • 11. Qual é a forma de circulação do conhecimento de transporte?

    • 12. O que são títulos impróprios bancários?

    • 13. O que são cédulas de crédito?

    • 14. O que são notas de crédito?

    • 15. O que é cédula de crédito industrial?

    • 16. Quais são os requisitos de emissão da cédula de crédito industrial?

    • 17. Quais são os requisitos de emissão da nota de crédito industrial?

    • 18. O que são cédula e nota de crédito rural?

    • 19. O que são cédula e nota de crédito comercial ou de prestação de serviços?

  • 20. Quais as normas aplicáveis à cédula e nota de crédito comercial ou de prestação de serviços?

  • 21. O que são cédula e nota de crédito à exportação?

  • 22. O que é cédula de crédito bancário?