Você está na página 1de 3

CIESC - COLÉGIO SOCIAL MADRE CLÉLIA

Textos para Ensino Religioso – Ensino Médio


Professor: Gilmar J. Hellmann

O FENÔMENO RELIGIOSO

O homem busca, procura, se desliga, esquece, torna a procurar, mas jamais consegue afastar
de si a grande necessidade: o Transcendente (Deus). Segundo um grande teólogo católico o homem
não consegue ficar distante de Deus: “O coração humano vive inquieto enquanto não repousar em
Deus” (Santo Agostinho).
Por isso a pergunta deve ser feita individualmente: “Quem é Deus para mim?” Na história do
Brasil podemos considerar a religião cristã católica como hegemônica durante quase cinco séculos.
Porém, com uma nova abordagem fenomenológica, percebe-se que há um pluralismo religioso latente e
expressivo no século XXI.
O cristianismo católico define Deus Jesus Cristo como aquele que nos veio comunicar um Deus
que é Pai, que nos ama, que só quer o nosso bem e que tudo providencia para que sejamos felizes. O
Deus é a Santíssima Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo; três num contínuo relacionamento de amor. É
um Deus pessoa que se faz história como Emanuel, o Deus Conosco. Ele é um Deus que participa de
nossa vida. Não é um Deus distante de nós. Ele vive em nós e para nós. Neste Deus vivemos, nos
movemos e somos (Atos 17,28). Deus é amor e tudo nele é fruto de amor. Ele criou-nos à sua imagem
e semelhança. Lemos em Gênesis 1,26 e 27: "Também disse Deus: Façamos o homem à nossa
imagem, conforme a nossa semelhança...Criou Deus, pois, o homem à Sua imagem, à imagem de Deus
o criou; homem e mulher os criou." Deus nos criou para sermos sua contínua manifestação de amor.
Para que possamos compreender o sentido deste texto cristão, ou de outras fontes dogmáticas
das religiões é necessário conhecermos alguns termos.
a) Importância do fenômeno religioso
O fenômeno é um fato universal; ele se encontra em todas as culturas. Em todos os tempos,
lugares e povos encontramos o fenômeno religioso. Segundo Franz Bretano, a fenomenologia é a
“intencionalidade da consciência humana”. A função da fenomenologia é interpretar os fenômenos que
se apresentam à percepção. A fenomenologia surgiu para extinguir a separação entre “sujeito” e
“objeto”. Para Emanuel Kant, o fenômeno tem duas propriedades: tempo e espaço. O tempo é a priori
enquanto dedução lógica da coisa, e a posteriori enquanto identificação do objeto. Por isso, o homem
como ser religioso acredita numa divindade, dentro ou fora de si.
b) Manifestação do fenômeno religioso
Sua manifestação é um fato. O fenômeno pode ser representado em diversas formas e
oportunidades na vida do homem: na questão do bem e do mal, da vida e da morte, na saúde e na
doença, nos medos e nos ritos, nas teologias e na sua relação com a economia, na política, na
liberdade, na moral e na justiça.
c) O sentido do fenômeno religioso
Entendemos como fenômeno religioso aquilo que aparece, que apresenta e que se mostra. A
religiosidade quando se expressa através de gestos, palavras, atitudes e ritos é percebida como
fenômeno, que se denomina fenômeno religioso. Trata-se do comportamento religioso enquanto
fenômeno social. O fenômeno religioso pode ser expressão da busca de autêntico relacionamento com
o Transcendente. Quanto um fiel a determinada confissão religiosa se manifesta a outros deuses que
não são de seu cânon, diz-se então que ele esta subserviente a ídolos. O fenômeno religioso está
vinculado a cultura e à tradição de um povo. O fenômeno religioso necessita de um rito, ele perpassa
todas as dimensões do ser humano: biológico, psicológico e sociológico. Cada fenômeno tem o seu
modo próprio de mostrar-se na verdade do seu ser.
d) A necessidade da religiosidade
O homem é por natureza um ser religioso; tem uma dimensão natural que é anterior a toda
religião. Segundo a tradição cristã a pessoa humana foi criada por Deus como uma unidade inacabada
e em construção. A dimensão religiosa impulsiona o ser humano a buscar sua realização plena e
definitiva na constante superação e transcendência de seus limites. A pessoa humana é um ser finito,
chamado ao infinito. A religiosidade suscita no ser humano uma atitude dinâmica de busca e realização
do sentido radical de sua existência e de abertura ao Transcendente, a Deus. A religiosidade vai ao
encontro do mistério, do qual ela emana: Deus está no profundo... Por isso alguns teólogos defendem a
idéia de que: “A Existência de Deus é uma necessidade”.

1
e) O sentido da religião
Religião é a atitude de uma pessoa em relação ao Sagrado. Religião deriva do termo latino "Re-
Ligare", que significa "religação" com o divino. Essa definição engloba necessariamente qualquer forma
de aspecto místico e religioso, abrangendo seitas, mitologias e quaisquer outras doutrinas ou formas de
pensamento que tenham como característica fundamental um conteúdo metafísico, ou seja, de além do
mundo físico. A definição de religião mais aceita pelos estudiosos, para efeitos de organização e
análise, tem sido a seguinte: religião é um sistema comum de crenças e práticas relativas a seres
sobre-humanos dentro de universos históricos e culturais específicos.
Para ser religioso não basta só acreditar na existência de Deus, é necessário reconhecer que
somos criaturas e temos um Criador que nos ama e quer se comunicar conosco. O diálogo do Criador
com a criatura é o que dá sentido à vida. Essa comunicação com Deus acontece por meio dos ritos e
das orações.
f) Religião como resposta do homem para Deus
Todo homem, mesmo aquele que diz não acreditar em Deus, sente no profundo do seu ser uma
inquietação, um vazio, uma pergunta sem resposta. Todo homem sente a necessidade de responder a
Deus e desse desejo inato em nós nascem as religiões. As religiões são sistematizações da crença na
divindade. A religião é a maneira de um povo viver e manifestar o seu culto à divindade e de ser
aperfeiçoar pessoal e coletivamente para conseguir a salvação. As religiões apresentam caminhos
característicos, considerado pelos iniciadores como os melhores para alcançar a salvação e cultuar a
Deus.
g) Movimentos religiosos
Um dos fenômenos da atualidade é o grande crescimento de novos grupos e movimentos
religiosos, de forma especial na religião cristã. Nos meios de comunicação ou popularmente são
denominados de seitas. As seitas, não devem ser consideradas como termo negativo, mas como um
grupo que se separa ou se opõe ao grupo religioso de origem. Porém, é comum das seitas manter
características da religião de origem e fazer críticas a religião de origem, não tendo o respeito dialógico
da cultura e da fé original.
h) O estudo das principais religiões
Há várias formas de religião, e são muitos os modos que vários estudiosos utilizam para
classificá-las. Porém há características comuns às religiões que aparecem com maior ou menor
destaque em praticamente todas as divisões. A primeira destas características é cronológica, pois as
formas religiosas predominantes evoluem através dos tempos nos sucessivos estágios culturais de
qualquer sociedade. Outro modo é classificá-las de acordo com sua solidez de princípios e sua
profundidade filosófica, o que irá separá-las em religiões com e sem Livros Sagrados. Apresentamos
cinco possíveis classificações: panteísmo, politeísmo, monoteísmo e ateísmo. Abaixo apresentamos
alguns exemplos de religiões que podem ser identificadas nesta classificação. Panteísmo: Religiões
silvícolas, xamanismo, religiões célticas, druidismo, amazônicas, indígenas norte americanas, africanas
e etc. Politeísmo: Religião Grega, Egípcia, Xintoísmo, Mitologia Nórdica, Religião Azteca, Maia etc.
Monoteísmo: Bhramanismo, Zoroastrismo, Judaísmo, Cristianismo, Islamismo, Sikhismo. Ateísmo:
Orientais: Taoísmo, Confucionismo, Budismo, Jainismo. Ocidentais: Filosofias NeoPlantônicas, Ateísmo
Filosófico (Não Religioso), Espiritismo Kardecista, Racionalismo Cristão, Neo-Gnosticismo, Teosofia,
Wicca, "Esotéricas", etc.
Concluindo
Não basta crer, é preciso viver a religião em todas as suas conseqüências. Por isso, que no
catolicismo a moral da Igreja ensina: “Deveis ser perfeitos como vosso Pai Celeste é perfeito” (Mt 5,1-
48). Por isso, devemos ter atitudes de respeito, diálogo religioso, caridade e acolhida aos que
professam a religião diferente da nossa. Jesus deixou o exemplo do profeta que anunciou sua palavra e
acolheu a todos. “Como todos os seres vivos, o homem se preocupa com muitas coisas necessárias
como o alimento e moradia. Mas à diferença de outros seres vivos o homem também tem
preocupações espirituais, isto é, estéticas, sociais, políticas e cognitivas.” (Tillich)

Referências
ELIADE, Mircea. A busca: Historia e significado das Religiões. Londres: University of Chicago Press,
1969.
Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Mircea_Eliade, 11/02/2008, 16h00
Disponível em: http://www.mundodosfilosofos.com.br/vanderlei2.htm, 11/02/2008, 15h00
Disponível em: http://www.pucsp.br/rever/rv2_2004/p_silva.pdf, 11/02/2008, 19h00
Disponível em: http://www.pucsp.br/revistanures/revista5/nures5_eduardo.pdf, 11/02/2008.20h00
Questões para reflexão do texto: “Fenômeno religioso”.
2
1. Destaque duas idéias que você considera importante nos três primeiros parágrafos. Comente e
explique sua compreensão sobre as mesmas.
2. O que é fenômeno religioso segundo o texto, segundo a perspectiva filosófica e religiosa?
3. Dê dois exemplos de manifestação religiosa e explique.
4. Segundo o texto, porque a “existência de Deus é uma necessidade”?
5. O que é religião segundo o texto?´
6. Como o ser humano costuma responder a sua dimensão religiosa?
7. O que é uma seita. Exemplifique.
8. Como são as principais classificações de religião?
9. Quais deveriam ser as atitudes nossas diante da religiosidade do outro que não é a mesma que a
minha? Porquê?
10. Qual a relação entre Ensino Religioso e Fenômeno Religioso?

Questões para reflexão do texto: “Fenômeno religioso”.


1. Destaque duas idéias que você considera importante nos três primeiros parágrafos. Comente e
explique sua compreensão sobre as mesmas.
2. O que é fenômeno religioso segundo o texto, segundo a perspectiva filosófica e religiosa?
3. Dê dois exemplos de manifestação religiosa e explique.
4. Segundo o texto, porque a “existência de Deus é uma necessidade”?
5. O que é religião segundo o texto?´
6. Como o ser humano costuma responder a sua dimensão religiosa?
7. O que é uma seita. Exemplifique.
8. Como são as principais classificações de religião?
9. Quais deveriam ser as atitudes nossas diante da religiosidade do outro que não é a mesma que
a minha? Porquê?
10. Qual a relação entre Ensino Religioso e Fenômeno Religioso?

Questões para reflexão do texto: “Fenômeno religioso”.


1. Destaque duas idéias que você considera importante nos três primeiros parágrafos. Comente
e explique sua compreensão sobre as mesmas.
2. O que é fenômeno religioso segundo o texto, segundo a perspectiva filosófica e religiosa?
3. Dê dois exemplos de manifestação religiosa e explique.
4. Segundo o texto, porque a “existência de Deus é uma necessidade”?
5. O que é religião segundo o texto?´
6. Como o ser humano costuma responder a sua dimensão religiosa?
7. O que é uma seita. Exemplifique.
8. Como são as principais classificações de religião?
9. Quais deveriam ser as atitudes nossas diante da religiosidade do outro que não é a mesma
que a minha? Porquê?
10. Qual a relação entre Ensino Religioso e Fenômeno Religioso?

Questões para reflexão do texto: “Fenômeno religioso”.


1. Destaque duas idéias que você considera importante nos três primeiros parágrafos. Comente
e explique sua compreensão sobre as mesmas.
2. O que é fenômeno religioso segundo o texto, segundo a perspectiva filosófica e religiosa?
3. Dê dois exemplos de manifestação religiosa e explique.
4. Segundo o texto, porque a “existência de Deus é uma necessidade”?
5. O que é religião segundo o texto?´
6. Como o ser humano costuma responder a sua dimensão religiosa?
7. O que é uma seita. Exemplifique.
8. Como são as principais classificações de religião?
9. Quais deveriam ser as atitudes nossas diante da religiosidade do outro que não é a mesma
que a minha? Porquê?
10. Qual a relação entre Ensino Religioso e Fenômeno Religioso?