Você está na página 1de 12

A verdade da Sombra

Com certeza já reparou que quando a luz do sol incide sobre o corpo humano, este projecta uma sombra, a qual é escura. Quanto mais intensa for a luz do sol, mais escura será a sombra projectada. Da mesma maneira, todos nós temos uma parte da nossa personalidade que se encontra escondida, na penumbra. Quanto mais luz possuirmos mais escura será essa parte de nós. E se não prestarmos atenção a esta parte escura de nós ela irá ficar esfomeada, sedenta, enraivecida. E irá aproveitar um momento de distracção para se mostrar.

Pessoalmente passei por uma fase de tristeza enorme. Foi esta tristeza que me despertou. Ouvia uma voz que me dizia que se queria sentir ‐ me melhor teria

primeiro que abraçar a minha tristeza. A solução da minha tristeza encontrava‐

minha tristeza. A solução da minha tristeza encontrava‐ se na minha escuridão, na minha sombra. A

se na minha escuridão, na minha sombra.

A nossa cultura ocidental ensina‐ nos a ser bi‐ polares. Desde a infância que nos é

ensinado a criar uma dupla personalidade. Luz e sombra, bom e mau, bonito e feio.

A

tradiç ão gnóstica diz que nós não inventamos nada, simplesmente nos

limitamos a recordar. Acredito que isso é real quando falo da sombra. Vejamos como a nossa sombra individual é criada.

Quando tínhamos um ou dois anos de idade possuíamos aquilo a que poderemos chamar de uma personalidade de 360º. A nossa energia irradiava de todas as partes do nosso corpo e da nossa mente. Uma criança a correr é uma bola de energia viva. Tínhamos em nós uma gigantesca bola de energia. Mas um dia apercebemo‐ nos que os nossos pais não gostavam de certas partes da nossa bola. Diziam coisas como “Não podias ficar sossegado?” ou “Não é bonito querer magoar o teu irmão!”

Às

nossas costas temos um saco invisível e, a s partes de nós que os nossos pais

não gostavam, íamos enfiando lá dent ro. Isto para conseguirmos o amor deles. Quando chega a idade de ir para a escola o nosso saco já começa a pesar bastante. Depois surgem os professores, a ensinar a guardar mais aspectos de quem somos dentro do saco. “Os meninos bonitos não se zangam!” ou “Quem grita é feio!”. E assim pegamos na nossa raiva e guardamo ‐ la no nosso saco.

Quando tinha doze anos já possuía um saco com mais de 2 quilómetros de comprimento e algumas toneladas de peso. Depois vamos para o liceu. E aqui já não são os adultos a pedi r‐ nos para guardar aspectos de quem somos dentro do saco. Aqui somos nós, uns aos outros. Apontamos o dedo aos que não são como nós. Queremos ser iguais aos outros. e o saco vai crescendo. Quando chegamos aos vinte anos, de uma gigantesca bola de energia f icamos com uma pequena fatia.

Imagine agora um homem de, digamos, 24 anos, com uma pequena fatia de energia (o resto está no saco) e vamos imaginar que conhece uma mulher. Imaginemos que ambos têm 24 anos, e ela possui uma pequena e elegante fatia de energia também. Unem‐ se numa cerimónia, e esta união de duas fatias de energia é rotulada de casamento. Mesmo os dois juntos não fazem uma só pessoa, tão pouca é a energia disponível. Um casamento, quando o saco ás costas

é grande e pesado, significa uma vida de solidão que tem início na lua‐ de‐ mel. É

claro que todos mentimos sobre isso. Perguntam‐ nos “Então que tal foi a tua lua ‐ de‐ mel?” e sem sequer pensar na pergunta respondemos “Maravilhosa!”

Culturas distintas enchem o seu saco com qualidades distintas. Nas culturas cristãs a primeira coisa a ir para dentro do saco é a sexualidade. Uma estudiosa da sombra, Marie Louise von Franz, avisa‐ nos contudo para o facto de que até culturas ancestrais, onde impera o shamanismo por exemplo, também possuem as suas qualid ades a enfiar no saco. Por exemplo, há culturas que colocam no saco a individualidade e a criatividade. Nós rotulamos essas culturas de tribais, ou comunidades místicas. Soa bem ao ouvido mas pode significar que os membros individuais sabem todos exactamente as mesmas coisas e ninguém sabe nada novo. É possível que o saco de todos os seres humanos seja exactamente igual em termos de tamanho.

seres humanos seja exactamente igual em termos de tamanho. Passamos a nossa vida, até por volta

Passamos a nossa vida, até por volta dos 20 anos, a decidir que partes de nós devemos enfiar dentro do nosso saco, e depois passamos o resto das nossas vidas a tentar tirá ‐ las para fora do saco. Muitas vezes ficamos com a sensação de que é impossível abrir o nosso saco.

O nosso lado simpático vai tornando‐ se mais e mais simpático, na nossa cultura idealística. O homem o cidental pode ser um bom médico, que pensa sempre no bem ‐ estar dos seus pacientes e possui uma moral maravilhosa. Mas a substância dentro do saco possui uma personalidade muito própria. E não gosta de ser ignorada. Esta substância ignorada irá saltar do sa co no momento mais inoportuno. Ela sentirá a raiva de ser ignorada.

Quando guardamos muito bem uma parte de nós no saco, essa parte irá regressar mais cedo ou mais tarde. E regressa com um aspecto bárbaro. Imagine um jovem que fecha o seu saco aos 20 anos e espera mais 15 ou 20 para o abrir novamente. O que irá ele encontrar no seu saco? Infelizmente, a sexualidade, o instinto animal, os impulsos incontrolados, a raiva e a liberdade que lá meteu antes, mas com uma carga negativa assustadora. Não são apenas aspectos primitivos em termos emocionais, são hostis à pessoa que abra o saco. O homem que abra o seu saco aos 45 anos de idade, ou a mulher, irá sentir medo. Ela irá abrir o saco e ver um monstro. Qualquer pessoa fica assustada ao ver um monstro.

Podemos afirmar que qualquer homem na nossa cultura coloca no seu saco o seu lado feminino, a mulher que há nele. Quando este homem começa a abrir o seu saco, por volta dos 35 ou 40 anos, para voltar a entrar em contacto com o seu lado feminino, este aspecto pode ser verdadeiramente hostil ao homem. Ao mesmo tempo, este homem, poderá experienciar uma enorme hostilidade por parte das mulheres no mundo exterior. A regra é a mesma: o exterior é sempre igual ao interior.

Se uma mulher, que necessita de se sentir aceite pela sua feminilidade, esconde o seu aspecto masculino no saco, poderá descobrir, 20 anos mais tarde, que o masculino se tornou hostil a ela mesma. Mais ainda, este masculino pode ser desprovido de sentimentos e brutal nas suas criticas. Encontrar um homem hostil com quem viver irá dar a esta mulher alguém a quem culpar, e aliviar a pressão no seu saco, apesar de não resolver o problema dentro do saco. Entretanto, é provável que ela sinta uma rejeição dupla, do homem dentro dela e do homem fora dela. Há muita mágoa nestas situações.

Cada um dos aspectos da nossa personalidade que não amamos irá tornar‐ se hostil a nós próprios. Poderíamos ainda acrescentar que estes aspectos podem afastar ‐ se para lugares distantes e começar a orquestrar uma revolta secreta contra nós.

A raiva que um homem mete no seu saco aos 8 anos de idade, pode aparecer na

face da sua esposa aos 40 anos. Depois de 15 ou 20 anos de um casamento

aparentemente feliz, a face da raiva mostra‐ se e o homem comete uma loucura. Quantas vezes ouvimos falar do homem que apanha a mulher com um amante na cama? Ou do homem cuja mulher se torna violenta, alcoólica ou deprimida e

frígida?

A

raiva que a mulher esconde no seu saco aos 5 anos de idade pode aparecer na

esconde no seu saco aos 5 anos de idade pode aparecer na projecção é algo maravilhoso.

projecção é algo maravilhoso. A psicóloga Marie Louise von Franz afirmou

face do seu marido aos 45 anos. E o herói , bom pai, honesto trabalhador, transforma‐ se no vilão que saqueou a empresa, ou violou a filha da vizinha.

Há algum tempo atrás sentia uma enorme revolta por gente que trabalhava em televisão. Não suportava essas pessoas! Uma noite dei por mim, em frente ao espelho, a pensar nessas pessoas. A pergunta que me ocorreu foi “que tipo de pessoa é capaz de trabalhar em televisão?” e, vendo ‐ me ao espelho, sem sequer pensar, respondi: “pessoas honestas que acreditam que podem fazer uma diferença no mundo.” E foi com assombro que dei por mim a falar de mim, de algo que sentia estar em mim! Decidi continuar este o processo. Que tipo de pessoa é arrogante? Eu sempre odiara a arrogância nas pessoas. A pessoa que se sente insegura. Esta doeu! Quantas vezes me senti i nseguro! Que tipo de pessoa é capaz de matar outro ser humano? A pessoa completamente perdida e sem esperança. Sim, já tive momentos em que me senti completamente perdido e sem esperança. Afinal, todos os aspectos que não suportava nos outros estavam já em mim! E tinha que os resgatar, caso contrário continuaria a atrair outros para me mostrar esses aspectos há tanto tempo escondidos. Agora olho para alguém arrogante e penso “sim, este sou eu!”

Mas adiante.

A

“Porque motivo assumimos que a projecção é sempre algo mau? Muitas vezes a projecção pode ser útil.” Esta afirmação é muito sábia mesmo. O conhecimento

dos nossos aspectos sombrios não pode deslocar‐ se do subconsciente para a mente consciente assim tão rapidamente. Se eu não projectasse, nunca conseguiria conectar‐ me com o mundo exterior.

As mulheres queixam ‐ se que os homens pegam no seu aspecto feminino e projectam‐ no nas mulheres. Mas se o homem não fizesse isto, como poderia ele alguma vez sair de casa da mãe? O problema não é a projecção que fazemos, mas por quanto tempo mantemos essa projecção. A projecção sem o contacto pessoal, sem a nossa consciência, é perigosa.

Veja‐ se um caso emblemático: Marilyn Monroe. Milhões de homens projectaram a sua feminilidade nesta mulher. Se milhões de homens fazem isto, e não mudam,

o mais provável é que esta mulher morra. As projecções sem o nosso contacto

pessoal, sem a nossa consciência de que o fazemos, irão danificar a pessoa que projecta. Podemos ainda adiantar que a Marilyn Monroe chamou a si estas

projecções como parte da sua sede de poder. E os seus distúrbios podem ter

ocorrido como resultado da vitimização a que esteve sujeita na infância. Mas o processo de projecção, e consciencialização, feitos de maneira delicada nas culturas tribais, face a face, desaparece completamente numa sociedade tecnológica como a nossa. Numa civilização de consumo imediato a sua morte era inevitável. Nenhum ser humano consegue viver muito tempo a projectar para milhões de seres humanos – isto é, para tanta inconsciência – e sobreviver. Daí ser importante que cada um de nós recupere as suas projecções.

Mas porque motivo haveríamos de colocar num saco tantos aspectos de nós mesmos? E porque motivo o haveríamos de fazer em tão tenra idade? E se enfiámos no saco tanta da nossa raiva, espontaneidade, fome de afecto, entusiasmo, as nossas partes agressivas e nada atractiv as, como podemos então viver? Alice Miller aborda muito bem este tema no seu livro “The drama o f the gifted child”.

este tema no seu livro “The drama o f the gifted child”. O drama é este:

O drama é este: nós vimos a este mundo numa nuvem de glória, plenos e completos, chegámos dos recantos mais longínquos do universo. Connosco trouxemos apetites preservados pelos mamíferos do planeta, espontaneidade maravilhosamente preservada pelos nossos 150,000 anos de vida humana no planeta, raivas também muito bem preservadas pelos nossos 5,000 anos de vida tribal – em suma, com o nosso brilho de 360º. E oferecemos esta glória plena e completa aos nossos pais. E eles recusaram‐ na. E les preferiram um bom rapaz ou uma rapariga bonita. Este é o primeiro acto do drama. Não significa que os nossos pais foram maus, eles precisavam de nós por algum motivo. A minha mãe, como uma mulher que teve que abandonar Angola, precisava de uma família que lhe mostrasse que não tinha perdido nada. Eu faria algo semelhante a um filho meu: precisaria que ele me mostrasse que eu sou brilhante. Isto é parte do que significa viver neste planeta. Os nossos pais rejeitaram quem nós éramos ainda antes de podermos falar, por isso a dor da rejeição encontra‐ se muito provavelmente gravada numa parte que não sabe verbalizar do nosso cérebro.

Quando li o livro da Alice Miller caí numa depressão durante três semanas. Com tantos aspectos de mim que desapareceram, que poderia eu fazer? Claro que podia construir uma personalidade que fosse mais do agrado dos meus pais. Alice concorda que nos traímos a nós mesmos mas, afirma ela, “Não te culpes por isso, não podias ter feito diferente.” Em tempos idos as crianças que se opunham aos seus pais eram provavelmente mortas ou abandonadas para morrer de qualquer forma. Como crianças fizemos a única coisa sensata de acordo com as circunstâncias em que nascemos. A atitude mais correcta ao saber isto é sentir o luto da perda.

Vejamos agora os diferentes tipos de sacos. Quando enchemos excessivamente o nosso saco, ficamos com muito menos energia disponível. Há pessoas que, por natureza, possuem mais energia que outras. Mas todos possuímos mais energia do que seriamos alguma vez capazes de consumir. Então para onde foi essa energia? Se colocámos a nossa sexualidade no nosso saco, quando crianças, é óbvio que perdemos muita energia com a perda desse aspecto. Quando uma mulher coloca a sua masculinidade no saco, ela perde essa energia. Podemos assim pensar no nosso saco como contendo energia que não se encontra disponível. Se não nos consideramos criativos, é porque colocámos a nossa criatividade no saco.

Há ainda os sacos de instituições, empresas, comunidades inteiras, regiões, países e continentes. Mas estes sacos, estas sombras, só podem ser curadas depois de curarmos a nossa sombra pessoal.

Uma vez que os nossos sacos permanecem fechados e as suas imagens escondidas na escuridão, só conseguimos ver o seu conteúdo atirando‐ o inocentement e para fora de nós, para o mundo exterior. Assim, as aranhas tornam ‐ se nojentas, as cobras horrorosas, os coelhos são tarados que fornicam incessantemente, as raposas matreiras e as baratas feias e sujas. Os homens tornam ‐ se lineares e as mulheres fracas. Os chineses só produzem artefactos defeituosos e os americanos são gananciosos. E todavia, só assim é que temos uma oportunidade de aceitar e abraçar todos os aspectos que rejeitámos, que metemos no nosso saco pessoal.

aspectos que rejeitámos, que metemos no nosso saco pessoal. Quando nós ‘projectamos’ estamos na v erdade

Quando nós ‘projectamos’ estamos na v erdade a dar a nossa energia, ou poder, que é nosso por direito e faz parte do nosso tesouro enquanto seres completos. Um homem poderá dar o seu aspecto sentimental ou amoroso à sua esposa, projectando nela este aspecto. Assim, perde ‐ o. E quando surge um problema que necessita de um sentimento amoroso para ser solucionado, naturalmente ele transfere a acção para a sua esposa.

Que outros aspectos, ou qualidades, é que um homem projecta nas mulheres? Pode projectar a sexualidade animal, o que a pode transfor mar numa fera sexual, ou mesmo torná ‐ la promíscua. Pode projectar a sua espiritualidade, o que fará com que a sua esposa se sinta puritana e superior aos que a rodeiam. Pode ainda projectar nela a sua fraqueza ou a sua insanidade. Muitos homens projectam a sua competência na mulher com quem têm uma relação. E muitos dão o seu aspecto de bruxa a uma ou mais mulheres à sua volta.

Por outro lado, uma mulher pode projectar o seu herói interior no seu marido. Neste caso o marido irá sentir‐ se excessivamente protector e nobre nas suas atitudes. Pode projectar o seu poder de Saturno no marido, por forma a que ela mesma possa permanecer divertida e solta, mas ele irá tornar ‐ se mais e mais rígido. Ela pode projectar nele o seu tirano interior, ou a sua espiritualidade. E ele irá tornar‐ se excessivamente frio e distante. E muitas mulheres projectam o seu gigante protector num ou mais homens

Muitas coisas podem acontecer quando damos o nosso poder interior a outros. Como exemplo vamos ver o que acontece quando um homem projecta, ou dá, a sua bruxa interior, e quando uma mulher dá o seu gigante tirano interior.

Quando o nosso talento interior, que nos faz sentir desconfortáveis, é exilado, tudo o que fica é uma gota insignificante incapaz de ser vista à luz do dia.

O m enino começa a projectar a sua bruxa interior muito precocemente, talvez

aos dois ou três meses de idade. A mãe é o melhor anzol para esta projecção.

Muitos acreditam que o bebé, quando tem a primeira experiência da recusa da

mãe em dar ‐ lhe de mamar, ou qu alquer outra recusa, vê na mãe um verdadeiro monstro (literalmente), com um aspecto visual medonho. As crianças gostam naturalmente de histórias com bruxas porque estas provam‐ lhe que não é louca.

O menino (e também algumas meninas) vive com este segredo: a mãe, que todos

à sua volta afirmam ser amorosa e cuidadosa, possui por vezes cara de bruxa. E o

menino sabe que é demasiado pequeno para fazer o que quer que seja.

Alguns homens deixam que as suas mães carreguem a projecção de bruxa toda a vida, mas a maioria, quando se casa, transferem a sua bruxa interior, ou a maior parte dela, para a sua esposa.

Enquanto os noivos trocam votos numa cerimónia religiosa, há uma outra troca importante a ocorrer em simultâneo nos recessos do subconsciente. Numa outra cerimónia, a mãe do noivo passa a projecção de bruxa, que tem carregado desde os primeiros meses de vida, para a noiva. Uma hora mais tarde a bruxa está devidamente instalada na noiva, apesar de demorar algum tempo até se mostrar. Na verdade nem a mãe, nem o noivo, nem a noiva têm conhecimento desta segunda cerimónia. No final da cerimónia religiosa, a mãe do noivo sente‐ se mais leve e a noiva sente um cansaço inexplicável. Mas depois de algumas discussões, algumas obstinações, e lutas por causa de dinheiro, o noivo apercebe‐ se que há qualquer coisa de bruxa na sua esposa que nunca tinha visto antes. Para a esposa é como se se estivesse a passar algo de bizarro, apesar de não saber ao certo o que é.

algo de bizarro, apesar de não saber ao certo o que é. Numa discussão ela sente‐

Numa discussão ela sente‐ se mais gananciosa, ou má. Ou bruxa . Uma cliente minha disse‐ me uma vez: “Emídio, antes de me casar eu era uma mulher educada, simpática. Estou casada há três anos apenas, e sabes uma coisa, cada dia que passa torno‐ me mais e mais cabra!” Entretanto o marido desta cliente estava a tornar‐ se cada vez mais um verdadeiro doce, o que deixava a esposa cada vez mais furiosa. Por sua vez isto trazia mais para a luz o lado bruxa da esposa. Ou seja, ela estava a ser a projecção da irritabilidade impulsiva, da ganância abrupta, da injustiça, da hostil idade inexplicável e de uma raiva incontida que era antes da mãe do marido. E agora também do próprio marido. Não admira que o marido aparente a calma que aparenta e tenha pena do comportamento da esposa.

Mas durante a cerimónia do casamento ocorre uma transferência de projecções idêntica entre o noivo e o pai da noiva. Talvez os seus espíritos se encontrem numa garagem abandonada – uma vez que os corpos físicos estão na igreja. E o pai da noiva passa para o futuro marido tanto quanto lhe seja possível do g igante tirano que ele tem transportado para a sua filha. No final da cerimónia o pai da noiva sai sentindo‐ se mais leve. O noivo, por outro lado, sentir‐ se‐ á inexplicavelmente cansado. O noivo irá receber do pai da noiva outras projecções: o guia espiritual dela, o pirata interior, um aspecto bruto da sua feminilidade. Para além da bruxa, a noiva recebe da mãe do noivo a projecção de desamparada, desonesta e até a raiva de um guerreiro feroz.

A esta primeira fase de projecção podemos chamar de um estado de espírito em que o material da sombra, bem manobrado por treinadores experientes (os pais), procura descanso fora da mente do dono. E muito provavelmente irá permanecer fora dele até ao fim. Os noivos poderão permanecer nesta fase primária durante anos.

Mai s cedo ou mais tarde uma das projecções começa a fazer barulho. Qualquer coisa que não encaixa lá muito bem. A esta fase secundária poderemos chamar de fase do barulho. A esposa tem atitudes de bruxa umas vezes, e outras não. E não importa quantas asneiras o marido cometa e quantas vezes olhe para ela à espera de ver a bruxa, ela começa a agir de maneira generosa e carinhosa. Isto torna ‐ se confuso para o homem. Ele pode, inconscientemente, claro, começar a

chegar mais tarde a casa sem avisar, ou esquecer‐ se de aniversários. Na esperança de que a esposa note este comportamento e volte ao seu estado, projectado, de bruxa. Assim a projecção voltará ao seu devido lugar.

Torna‐ se um ambiente ameaçador, quando a projecção começa a fazer barulho. Imagine que uma mu lher colocou a máscara, ou projecção, de gigante tirano no seu marido e sente‐ a como um enorme alivio – pelo menos esse aspecto dela não está nela! Mas o que acontece se um dia o marido deixa de ser o patriarca opressor? O que pode ela fazer? Sarilhos! Ela pode, inconscientemente, claro, gastar mais dinheiro do que ambos têm, bater com o carro, ou sentir‐ se vitimizada de alguma forma. Age como se fosse uma menina pequena. Isto poderá fazer com que o marido volte a ser o gigante tirano.

poderá fazer com que o marido volte a ser o gigante tirano. Estamos a atravessar uma

Estamos a atravessar uma fase em que muitas pessoas se encontram a projectar os seus guias espirituais em gurus e mestres. Esta projecção pode durar algum tempo. Mas eventualmente acaba por fazer barulho. Descobrem que o guru é pedófilo, ou extremamente rico, ou tem um problema de drogas ou álcool. E aí temos os discípulos a viver uma ansiedade para tentar aceitar estes comportamentos dos seus mestres.

E como é esta segunda fase projectada nos filhos? Por exemplo, os pais podem considerar demasiada criatividade e uma inteligência cinética como um problema, hiperactividade, exibicionismo. Algo que os próprios pais já há muito enfiaram bem no fundo dos seus sacos. E chamam os filhos de distraídos, preguiçosos ou endiabrados. Tudo projecções! Parece que aquilo que os adultos mais projectam nas crianças é o diabinho interior, capaz das maiores malandrices. E o que fazem os pais? Zangam ‐ se com os filhos. E a ira que sai dos pais é quase sempre desproporcional ao acto que a provoca. Talvez a criança não faça todos os trabalhos de casa, ou parta um copo, e o pai fica louco de raiva ou pelo menos o suficiente para punir mais do que o que é necessário. E o que pode fazer a criança? Ter medo. É terrível olhar para os olhos de uma criança e ver medo.

Então, quando conseguimos ver nos nossos filhos um ser endiabrado, vemo‐ nos livres de um aspecto nosso que estava escondido no nosso saco. E nós livramo‐ nos de mais um aspecto que estava no nosso saco. Que alivio voltar a ser forte!

Mas depois ocorre‐ me que as crianças não são naturalmente endiabradas. E então tenho um problema pela frente, porque passei à segunda fase da sombra. E este aspecto ameaça regressar a mim. Este é um momento particularmente perigoso. Nós podemos tornar‐ nos violentos quando existe uma ameaça de algo que pode regressar a nós.

Descrevi esta segunda fase como um estado da mente em que ocorre algum barulho, alguma inconsistência preocupante. A esposa de um homem transporta a sua bruxa interior, mas ela não age como uma bruxa o tempo inteiro. O marido pode transportar o seu patriarca rígido, mas ele não age como tal o tempo todo. E há dezenas de outros exemplos que poderíamos aplicar aqui. A China pode parecer defender os direitos humanos numa específica situação, um general pode tornar‐ se carinhoso, um artista louco pode tornar‐ se organizado. E isto é preocupante. Nesta fase começamos a ficar nervosos, e tudo pode acontecer. Qualquer imagem de exuberância, poder, inconsistência ou espontaneidade pode tornar‐ se perigosa.

A terceira fase dá‐ se quando a mente da pessoa perturbada pela falta do alvo em

quem projecta activa a sua inteligência moral para poder reparar o barulho da segunda fase. A ideia em si é assustadora, porque nós precisamos da inteligência moral, e, todavia, aqui transforma ‐ se numa ferramenta para conti nuarmos inconscientes. As pessoas com uma inteligência moral activa tornam‐ se muitas vezes perigosas, porque no preciso momento em que a máscara cai elas avançam

e voltam a colocá ‐ la no seu devido lugar. No caso do abuso físico e/ou verbal a

crianças a regra é esta: cada acto de crueldade, consciente ou não, que os nossos

pais tomam é por nós interpretado como um acto de amor. Assim, a inteligência moral redefine acções brutais e abusivas como actos de amor.

Vejamos como projectamos nas crianças. Quando uma criança mostra um pequeno sinal do seu diabinho endiabrado e, contudo, nós reagimos com uma raiva exagerada como resposta, o que fazemos? Normalmente uma vozinha dentro de nós diz qualquer coisa como “Não te preocupes muito, estás aqui para tornar esta criança disciplinada e obediente. Se não o fizeres ela irá tornar‐ se preguiçosa e irresponsável.”

ela irá tornar‐ se preguiçosa e irresponsável.” Manuel pode provar triunfantemente ser um magnífico herói.

Manuel pode provar triunfantemente ser um magnífico herói. Não funciona.

Da mesma maneira, os seguidores de gurus e mestres que ficaram ansiosos devido ao comportamento destes, irão em muito pouco tempo justificá ‐ lo. Todos têm acesso à sua inteligência moral. Irão fazer afirmações do género “ele está a mostrar a loucura em cada ser humano”, ou “ele está a desafiar o ego ocidental”

Vamos recapitular as três fases iniciais da sombra. Para começar, a bruxa do homem e o gigante tirano da mulher estão no exterior, e assim as coisas correm bem. São projectados muitos aspectos. A Maria dá o seu herói ao Manuel, e o Manuel dá à Maria a sua infantilidade. Depois as coisas começam a tremer um

pouco. E a Maria descobre que o Manuel ás vezes é um herói, e outras vezes não é. Então a Maria planeia, com a ajuda da sua inteligência moral, uma crise na qual

o

Então surge o esforço desesperado da terceira fase para tentar colocar a máscara

de

herói novamente no seu devido lugar, procurando na sua memória os perigos

da bruxa, lutando com outras mulheres contra os patriarcas abusivos e

conseguindo assim os seus objectivos. Por algum tempo.

E

momento do esforço que é necessário para manter a máscara no seu devido lugar na outra pessoa. Nessa altura deixa de haver contacto visual. De repente olhamos para nós mesmos e vemos o pequenos que somos. Reconhecemos o quão pe quenos temos sido toda uma vida. Esta quarta fase é a da sensação da diminuição mental. Se um rapaz deu o aspecto interior de bruxa à sua mãe e, mais tarde, a deu à sua esposa, irá chegar aos 40 ou 45 anos de idade e sentir‐ se frágil e diminuído de alguma maneira, em determinadas situações. Isto porque a sua bruxa está fora de si. Poderíamos dizer que a bruxa é um aspecto de nós que quer bloquear o nosso crescimento e, ao mesmo tempo, representa uma força bastante positiva: ela sabe exactamente o que quer. Ela não nos pede para consultar o tarot, ou o I ‐ Ching, e ver qual a melhor altura de começar um nov o negócio. Ela quer um novo negó cio e é agora!

Ultimamente tenho reparado que há cada vez mais homens a abraçar o seu lado feminino. Isto é um gesto de coragem recomendável. Mas a falha com este abraçar é que esquecem a bruxa que existe dentro deles. Se perguntar a um

surge a quarta fase. Imagine que um dia, cansados, desistimos por um

destes homens o que gostariam de fazer, raramente sabem. Na melhor das

hipóteses respondem com uma pergunta: “E tu, o que gostarias de fazer?” ou então “Deixa ‐ me ver o se a minha companheira/amiga/colega tem já alguma ”

coisa em mente Quando este tipo de homem termina uma relação amorosa é normalmente a mulher quem põe um fim à mesma. Embora por vezes este tipo

de homem permita que a sua bruxa i nterior venha à luz e afirme “Basta!” Quando

a bruxa regressa poderíamos dizer que regressa ao homem uma certa

assertividade. Mas é então que estes homens, que anteriormente projectavam a sua bruxa interior nas mulheres com quem se relacionavam, se sentem diminuídos. E é importante que eles sintam a dor inerente tão profundamente quanto possível. Agarrarem‐ se à dor, sentirem a dor. Assim poderão descobrir um outro aspecto deles mesmos: a empatia, serem capazes de escutar a dor do próximo, saber fluir com a vida. E podem conseguir tudo isso. Mas o poder da bruxa é querer aquilo que quer e querê‐ lo agora. E isto é algo que estes homens não conseguem abraçar.

E isto é algo que estes homens não conseguem abraçar. arte do consenso também não funciona

arte do consenso também não funciona muito bem no mundo interior

Todos sabemos o quanto uma mulher que tenha dado o seu herói a um homem mais tarde se sentirá diminuída. Mas dar o patriarca tirano não é muito melhor. Quando se dá o aspecto negativo dá‐ se também o aspecto positivo. As mulheres que deram o poder do seu patriarca a um homem são exímias na arte do consenso no seu dia‐ a ‐ dia. A solução diplomática, inexistênci a de verdadeira autoridade, e o lugar onde todos têm uma palavra a dizer e todos são ouvidos. Elas acreditam que as sociedades matriarcas funcionavam assim. Esta atitude de consenso pode ser muito boa no mundo exterior mas nunca funcionará no mundo interior. Quando uma mulher pratica a arte do consenso no seu mundo interior, com cada um dos seus aspectos, o critico interior pode simplesmente avançar e despedaçá‐ la.

A

masculino, pela mesma raz ão.

Assim, ao insistir que o modelo de autoridade patriarcal é a fonte primária do mal no mundo, e orgulhando ‐ se de não fazer parte desse modelo, uma mulher pode condenar‐ se à brutalização dela mesma pelas forças que se escondem no seu interior, na sua sombra. Da mesma maneira que o homem que abraça a sua feminilidade, devido à ausência da sua bruxa, não tem a força para terminar um relacionamento que o transformou em escravo, quanto mais para terminar um relacionamento interior com aspectos que envolvem pura escravatura.

Se

nós projectámos 30 partes de nós, 30 aspectos de quem somos, então somos

diminuídos de 30 maneiras diferentes. Tanto os homens como as mulheres recuperam o seu guia espiritual através de um mestre ou guru quando se sentem suficientemente diminuídos. Isto não quer dizer que estavam errados quando lhe entregaram o seu poder inicialmente, mas cada aluno deveria estar consciente da

sua diminuição antes da procura do seu poder interior.

Os nossos amigos têm um papel fundamental nesta quarta fase. O sentimento de

diminuição cria situações estranhas, bizarras mesmo. Se optarmos por contar a um amigo sobre este nosso sentimento é importante que o nosso amigo não nos tente animar, alegrar, na altura. Afirmar coisas como “Não! Tu não perdeste

nada, estás só cansado!” Se um homem abraça a sua bruxa interior, ou uma mulher o patriarca tirano, é muito provável que os seus amigos não fiquem

muito contentes. Os nossos amigos gostam de nós como somos e não como nos queremos tornar: completos.

E o que dizer das crianças? Elas podem estar habituadas a ser diabinhos

endiabrados e congelar‐ nos numa posição eticamente forte. Quando nos sentimos diminuídos em relação aos nossos filhos é porque projectamos a nossa criança neles. E eles, com a sua criança matreira ainda activa, conseguem

dominar‐ nos.

Uma coisa importante. Nesta quarta fase ainda não se encontra completo. Na verdade em nenhuma das fases se encontrará completo. Isto porque nos

encontramos todos simultaneamente nas cinco fases! À medida que projectamos

e

somos projectados nos vários aspectos negados, poderes abandonados. Cada

nos vários aspectos negados, poderes abandonados. Cada um inconsciente num determinado grau ou a abraçar outros

um inconsciente num determinado grau ou a abraçar outros aspectos num outro grau.

Torna‐ se mais claro que a quinta fase neste longo processo se refere ao estado da mente em que recuperamos o gigante, recuperamos a criança endiabrada, recuperamos o nacionalista bruto, recuperamos a bruxa. E a todo este processo poderíamos chamar de comer a sombra.

Comer a nossa sombra é um processo moroso. Não acontece de uma só vez, mas ao longo de centenas de vezes. Foi Winston Churchill quem afirmou “Tive que comer muitas das minhas palavras inúmeras vezes e descobri que a dieta era muito nutritiva!”

Os puritanos, na sua persistência de que as crianças são endiabradas, impedem muitos de abraçar a sua criança interior, a parte da sua sombra que tem um poder endiabrado. A Igreja, ao perseguir as bruxas, que hoje sabe ‐ se t erem sido as mulheres da cura, causou um sofrimento atroz e muita injustiça e barrou muitos homens de abraçar a sua bruxa interior. Um dos motivos porque ainda hoje a Igreja se encontra tão mal alimentada.

À medida que uma pessoa vai avançando na idade torna‐ se mais sábia nesta fase.

A mãe pode alimentar, mas é a bruxa que tira o alimento e o come. Por este

motivo a bruxa tem que ser resgatada para que a pessoa possa abraçar uma parte significativa da sua sombra. Quando uma pessoa começa a abraçar a autoridade projectada, ou rejeitada, por exemplo, entrará em cena Saturno. E

com Saturno a nossa paixão aprofunda‐ se, e a melancolia, uma marca típica de Saturno e da Sombra resgatada, traz o seu luto e com ele a abertura do espírito. Começamos a ter a percepção nítida dos nossos limites, e estes limites começam

a mostrar‐ se como uma parte natural de quem somos: vida completa.

A espontaneidade reaparece na nossa relação com os nossos filhos quando

começamos a viver a mágoa do regresso da sombra. Para melhor compreender este relacionamento, na quinta fase, deixo ‐ lhe uma história que li num livro do

George Docsi.

“ Quando era criança e vivia na Hungria, tive sorte de pertencer a uma família abastada. A parte do dia que mais me encantava era o jantar. Ao fim do dia descia

as escadas e entrava na sala de jantar. A mesa estava posta, com pratos e talheres

que me pareciam gigantescos. Os adultos sent ados, a conversar animadamente. O meu avô, o patriarca, era respeitado e ouvido por todos os outros. E depois ter as

empregadas a servir‐ me a sopa. Este era o momento especial. O sorriso da

empregada enquanto me servia a sopa! Devia ter uns cinco anos de i dade. Um dia

desci para me sentar à mesa, como de costume, e a casa estava cheia de estranhos, mal vestidos, amedrontados, que tremiam. Pareciam ‐ me muitos. Fiquei assustado. Fui na mesma para a sala de jantar, com medo a apoderar ‐ se de mim. Soube mais tard e que tinha havido qualquer revolta na Rússia e os judeus tinham fugido à pressa. Nós vivíamos numa cidade ao lado da fronteira com a Rússia. O meu avô tinha ido à estação dos comboios e trouxera para casa tantos judeus quantos lhe tinha sido possível. Quando entrei na sala de jantar fiquei ainda mais aterrorizado. Alguém se tinha sentado no meu lugar! Na verdade todos os lugares à mesa estavam ocupados e ninguém fazia parte da minha feliz família! Fui ao meu lugar, peguei no pedaço de pão que me estava destinado por direito e fugi de volta ao meu quarto. Quando ía subir as escadas ouvi o meu avô

a

chamar ‐ me. Virei‐ me e, num ataque de raiva, atirei com o pão ao chão. O meu

amava do mais profundo do seu coração.”
amava do mais profundo do seu coração.”

avô, com uma face de amor e carinho, pegou no pão e colocou um beijo tão suave

naquele pedaço de trigo. Depois entregou‐ mo de volta. Sem saber o que tinha acontecido, peguei no pão e comi‐ o. O meu avô tinha‐ me mostrado que era normal eu sentir aquela raiva, e reconhecia nela a sua criança endiabrada, a qual

ele

A

Provavelmente teriam gritado algo como “Apanha já o pão! Há crianças a morrer

à

de

criança. Depois beijou o pão, um acto tão belo quanto indescritível. Não acusou o pão de ser mau, nem a criança de ser endiabrada . Um acto espontâneo, decisivo,

e

Assim, a pessoa que abraça a sua sombra na totalidade irradia calma, e mostra mais mágoa do que raiva. Se os sábios da antiguidade tinham razão e a nossa sombra contém inteligência, alimento para a alma e informação valiosa, então a pessoa que abraça a sua sombra na totalidades será muito mais energética e inteligente.

A

totalidade?

O

processo é simples e, em simultâneo, perigoso. Na verdade não é muito

toda essa projecção, abaixou ‐ se e apanhou o pão, sem qualquer projecção da

fome em África!”, ou qualquer outra idiotice. O avô de George passou por cima

maioria dos pais, numa situação idêntica, teriam ficado furiosos.

no entanto cheio de autoridade e mágoa genuínas.

questão que temos que nos colocar, então, é, como abraçar a nossa sombra na

aconselhável enveredar por este caminho sem o apoio de alguém que o tenha já percorrido antes. Por vezes torna‐ se assustador. Para quem abraça a sua sombra

e

seu dia‐ a ‐ dia sugeria‐ lhe apurar os seus sentidos físicos: o sabor, o cheiro, o

tacto, a audição e a visão. Crie alguns buracos nos seus hábitos diários. Ouça música e dance como se ninguém o estivesse a ver. Faça estátuas assustadoras

em barro. Toque tambores. Isole‐ se por um mês e imagine‐ se um criminoso

fugido genial. Se for mulher faça de conta que é um patriarca tirano em alturas específicas do dia, mas de uma maneira divertida. Se é homem, tente ser uma bruxa má, mas também de uma maneira que seja divertida para si. E repare sempre como se sente nesses papeis. A mulher pode dar uma gargalhada sonora

e bater com a mão na mesa. O homem pode dar as gargalhadas típicas de uma bruxa malvada.

No

também para aqueles que o rodeiam no dia ‐ a ‐ dia.

Para o homem é importante que ele descubra qual a mulher, ou mulheres, que

possuem a sua bruxa. Depois terá que confrontar essa mulher, cumprimentando‐

a cordialmente e afirmando “Eu quero a minha bruxa de volta. Dá ‐ ma.” O mais

provável é que a mulher sorria com curiosidade e poderá devolver‐ lhe a bruxa, ou não. Se ela recusar, o homem pode simplesmente pedir desculpa, olhar para a sua esquerda (para a sombra real da mulher) e abrir a boca como se estivesse a comer essa sombra. Uma mulher pode ir ter com a sua mãe e fazer o mesmo pedido, porque são as mães as que possuem a bruxa interior de cada mulher. E ao recuperar a bruxa interi or, recupera todo o poder, toda a energia, que perdeu ao dá ‐ la quando criança.

A mulher pode ir ter com o pai e dizer‐ lhe “Tu tens o meu gigante tirano. Eu

com o pai e dizer‐ lhe “Tu tens o meu gigante tirano. Eu linguagem contém a

linguagem contém a substâ ncia da sombra perdida ao longo de milhares de

quero‐ o de volta.” Ou pode ir ter com um professor antigo ou um ex‐ marido e dizer‐ lhe “Tu tens o meu patriarca negativo. E eu quero‐ o de volta.” Mesmo que a pessoa que carrega a projecção da bruxa ou do gigante tirano esteja já morta, pode sempre fazer este processo mentalmente, fazendo o pedido em voz alta.

Há muitas outras formas de abraçar a sombra, o u ir buscar a projecção, ou diminuir o peso do saco que tem nas costas. O importante é saber utilizar as palavras correctas. Significa isto que têm que ser palavras precisas e com uma base física. Utilizar a linguagem mais consciente é uma das formas mais poderosas de ir buscar a nossa sombra que se encontra espalhada pelo mundo exterior.

A

nossa mente, e uma forma de a resgatar é com uma corda feita do vocabulário apropriado. Há palavras que são como redes, e temos que usar essas redes activamente, atirando ‐ as à noss a volta e recolhendo os nossos aspectos perdidos. Se queremos a nossa bruxa de volta, escrevemos sobre ela. Se queremos o nosso guia espiritual de volta escrevemos sobre ele, em vez de o experienciar passivamente noutra pessoa.

A

energia que perdemos no processo inicial encontra‐ se a flutuar à volta da

anos. Se não é capaz de se expressar por palavras, experimente com a pintura, ou

escultura. Quando pintar a sua bruxa com uma intenção consciente, irá descobrir onde é que ela se esconde no mundo exterior. Será assim mais fácil resgatá ‐ la.

Assim, a quinta fase envolve a actividade, a imaginação, a caça, o pedir. Chore, como choraria uma criança, até obter aquilo que é seu por natureza.

As pessoas que são passivas em relação aos aspectos que projectam contribu em para muitas das crises mundiais. Entregam os seus aspectos da sombra a líderes, políticos e fanáticos. A energia das suas sombras são absorvidas por estas pessoas e utilizada sem escrúpulos. Não se permita sentir culpado por ir atrás da sua sombra, por reivindicar o seu poder.

Uma das coisas que temos que fazer é trabalhar bastante neste processo de

abraçar a nossa sombra. Desta forma certificamo‐ nos que a nossa energia não é utilizada por outros em situações que são perigosas para a humanidade. É o caso do politico que ameaça um país vizinho, ou o líder religioso que viola crianças, ou

o administrador de uma grande empresa que deixa centenas de pessoas sem emprego.