Desembaciamento do parabrisas e dos vidros

laterais

Se, devido a uma grande humidade atmo! férica, por exemplo quando chove, os v dros se embaciam, recomenda-se que s proceda do segufnte modo: .Interruptor .Interruptor to desejada .Interruptor A na posição 2 ou 3 B na posição de aquecimer

Nas viaturas com ar condicionado* C na posição B o botão O da esquerda (norm) os difusores 3

Difusores
(para todos os sistemas) Por todos os difusores sai ar renovado, aquecido/refrigeradü* ou não, conforme a posição do interruptor B. Os difusores 3 e 4 podem ser, além disso, abertos e fechados individualmente. Roda serrilhada para cima e para a direita difusor aberto Roda serrilhada para baixo e para a esquerda -difusor fechado Movendo a grelha dos difusores 3 e 4, é possível orientar o fluxo do ar na altura. Deslocando a alavanca da grelha, direcciona-se o fluxo do ar no sentido lateral.

Os difusores na zona dos pés traseira são comanqados juntamente com os difusores

.Premir .Fechar

5. Degelo do para brisas laterais
.Interruptor

.Pelos difusores 4 pode-se orientar ad çionalmente ar quente para os vfdros latI

e vidros

rais. Aquecimento
ro-

A na posição 3

rápido
A na posição 3 B totalmente rodado para

.Interruptores B e C completamente dados para a direita, até encostarem .Fechar os difusores 3

do habitáculo
.Interruptor .Interruptor direita .Interruptor .Fechar

.Através dos difusores 4 é possível orientar, além disso, o ar aquecido para os vidros

C na posição lIIJ os difusores 3

laterais.

.Abrir completa ou parcialmente os difl sores 4 com a roda serrilhada.

Aquecimento do habi.táculo

confortável

.Interruptor .Interruptor

A na posição desejada B totalmente rodado à es-

Uma vez desembaciados os vidros e atingida a temperatura. interior desejada, recomendamos a seguinte regulação: .Interruptor A na posição 1 ou 2 .Interruptor B regulado para a potência calorífica pretendida .Interruptor C entre as posições ~ e ~ , conforme a distribuição do ar que se desejar Se o para brisas voltar a embaciar-se, o interruptor poderá ser regulado também entre as posiçõE!S ~ e. .Fechar os difuso'res 3 .Nos difusores 4 pode-se regular o caudal de ar pretendido e bem assim a sua orientação. Ventilação (renovação do ar)

querda
.Interruptor .Abrir C na posição e 3 e 4 os difusores

.Interruptor 8 regulado para a temperatura pretendida (deste modo também possívelo aquecimento) .Interruptor .Premir .Abrir queira C na posição pretendida. o botão D da esquerda (norm) os difusores 3 e 4, conforme se

Se for necessário. o interruptor C poderá ser também regulado numa outra posição.

Neste regime de funcionamento, é aspirado e refrigerado ar exterior (ar fresco).

Refrigeração máxima*
.Fechar rer/abrir* .Interruptor .Interruptor .Interruptor .Premir .Abrir todas as janelas e o tecto de corA na posição 4 B rodado à esquerda C na posição eJ o botão O da direita (max) os difusores 3 e 4

Utilização económica ar condicionado

do

O compressor do ar condicionado consome potência do motor na refrigeração, influenciando, deste modo, o consumo de combustível. A fim de reduzir ao máximo o tempo de funcionamento, devem observar-se os seguintes pontos: .Se, com o veículo parado ao sol, o habitáculotiver aquecido muito, é conveniente abrir durante uns instantes as portas e as janelas, a fim de que o ar quente possa sair. .Com as janelas e o tecto de correr* abertos, não se deve ligar o ar condicionado, em

Pelo menos um dos difusores terá de ser mantido sempre aberto, a fim de que o sistema de refrigeração não congele. Neste regime de funcionamento, o ar do habitáculo é aspirado e arrefecido (ar circuJante).

Esta função deverá ser seleccionada se, mesmo sem ligar a refrigeração, se puder atingir a temperatura interior desejada. Motivo: o sistema de refrigeração diminui a potência do motor e aumenta o consumo de combustível. Para que saia ar fresco não aquecido pelos difusores 3 e 4, deve-se proceder à seguinte regulação:

andamento.
.Se se puder atingir a temperatura pretendida no habitáculo sem ligar a refrigeração, deve-se seleccionar o funcionamento de renovação do ar.

Refrigeração
.Interruptor se pretenda

normal*
A na posição 1-4, conforme

Instruções sobre ar condicionadO*

o

Deficiências de funcionamento
.Se o ar condicionado não funciona, poderá verificar-se uma das seguintes causas: temperatura exterior inferior a 5 °C ou fusível queimado. Verificar e, se necessário, $ubstituir o fusível- ver página 11 7. Se não houver avaria do fusível, mandar verificar o $istema de refrigeração. .Se a capacidade de refrigeração diminuir, desligue o ar condicionado e mande verificar o sistema.

.Para que o aquecimento e a ventilação funcionem eficienremente, é necessário que as entradas c;ie ar junto do parabrisas estejam desobstruídas de gelo, neve ou folhas. .Dado que a eficácia do aquecimento depende da temperatura do líquido de refrigeração, s6 se atinge a potência calorífica máxima quando o motor atinge a temperatura normal de funcionamento. .O ar viciado é evacuado através das ranhuras dispostas nos revestimentos laterais da mala. Por isso, quando se carrega a mala, terá de haver o cuidado de manter essas ranhuras desimpedidas. ~ Todos os comandos, excepto o interruptor A e o botão D, podem ser regulados em qualquer posição intermédia. .Quando a temperatura exterior e a humidade atmosférica são elevadas, poderá pingar água de condensação do evaporador, formando uma poça de água por baixo da viatura. Isso é normal e não sinal de uma fuga. .Para evitar o embaciamento dos vidros, quando o carro circula devagar, deve-se pôr o ventilador a funcionar na velocidade mais

baixa.

Abrir Deslocar o interruptor para trás. Comando de emergência No caso de avaria. para cima. para baixo .s.à mão. atrá. mantendo a chave na porta do condutor (com fecho centralizado. o t~cto de vidro é aberto e fechado com O interruptor. atrás. Com o tecto fecha- do.Notas . premir o interruptor. é também aberta automaticamente a protecção corrediça contra o sol. também na do acompanhante) na posição de fechar. pode-se fechar também o tecto manualmente. Com a ignição ligada.Puxar a cobertura atrás para baixo (seta 1) e removê-Ia por trás (seta 2). Baixar Puxar o interruptor. pode ser aberta ou fechada. .Nos veículos com fecho centralizado ou comandos eléctricos dos vidros o tecto de vidro também pode ser fechado. Fechar Deslocar o interruptor para a frente. .Quando se abre o tecto de vidro. Levantar Com o tecto fechado. conforme se pretenda.

Rodar para a direita a tampa protectora da abertura da manivela..Introduzir as saliências da cobertura à frente no revestimento do tejadilho. . . . introduzi-Ia na abertura e fechar o tecto.Voltar a introduzir a manivela no suporte e rodar a tampa protectora sobre a abertura da manivela. . com a ajuda duma chave de fendas (do jogo de ferramenta). a guarnição do forro do tejadilho sobre a tala de retenção da cobertura e empurrar um pouco para trás esta última. Empurrar seguidamente.Retirar amClnivela do suporte.

de verificar fechada.Interruptor apagada') . no painel ignição de lisó se acende coma Luz interior A e a tampa . da mala por que mesmo aberdo ter estando as luzes isso.Interruptor manentemente premido acesa.Interruptor premido do lado esquerdo luz permanentemente acesa . do lado do acompanhante. a viatura. à direita":' luz perou premido à esquerda acesa') intermédia -luz -luz permanentemente na posição Luz do porta-luvas * A luz do instrumentos gada porta-luvas da direita aberta.Interruptor apagada . Luz da mala * A luz acende-se ta (mesmo carro sempre da do mala e a ignição). no interior da pala.Interruptor na posição intermédia -luz apagada ou ligação por contacto da porta') As luzes interiores com desconexão retardada* ficam acesas ainda uns 10 segundos depois de fechada a porta. o cuidado fique bem com a tampa desligadas Dever-se-á.Spot de leitura * B . Além disso. está montado um espelho de cortesia. a tampa quan- se estaciona 1) Nos veículos com tecto de abrir eléctrico . Palas de sol As palas de sol podem ser desencaixadas dos seus suportes laterais e voltadas para o lado da janela.

i Despejar -abrir o cinzeiro e puxá-Ia para fora. O isqueiro e a tomada funcionam também com a ignição desligada e sem introduzir a chave da ignição na À frente Despejar -abrir o cinzeiro. comprima-o dentro do seu encaixe. fechadura. Com o motor parado. recuando para a sua posição inicial. o isqueiro salta. Quando a espiral entra em incandescência. a bateria vai.ISQUEIRO Para acender o isqueiro. porém. CINZEIROS Atenção Cuidado ao utilizar o isqueiro! A utilização descuidada ou indavertida do isqueiro pode provocar queimaduras. Não deixe. por isso. Atrás . premir o botão na parte inferior e extraí-lo. crianças nhas dentro do carro. -introduzir o cinzeiro nas guias. A tomada do isqueiro pode ser também utilizada para ligar qualquer acessório eléctrico com uma potência não superior a 120 Watts. sendo descarregada. na vertical Recolocar Recolocar -çomprimir o cinzeiro verticah mente no encaixe e fechar a tampa. Ver mais pormenores na página 110. sozi- . devendo ser imediatamente utilizado.

para compact discs (CD). Existem divisórias semelhantes a instalar na consola central.I Porta-luvas da direita Porta-cassetes * As cassetes de música (sem estojo) podem ser guardadas nos compartimentos do porta-cassetes. Para abrir a gaveta. mantenha. é ilu- Para abrir a tampa. Com a ignição ligada. Quando o compartimento está ocupado. em andamento. aparece um sinal vermelho. aparta-cassetes minado. levantar o manípulo. premir a tecla disposta do seu lado direito. Colocar a cassete. O bloqueador das bobinas evita o desenrolamento das fitas. 65 . Atenção Por razões de segurança. com a fita voltada para o lado de dentro. a tampa do porta-luvas fechada.

1 .As danificações provocadas pela utilização de outros sistemas de porta-bagagens Ou por uma montagem que não atenda às instruções ficam excluídas da garantia. recomendamos que utiliz. ra não bata quando aberta. do o porta-bagagens) de 75 kge o peso to-! tal admissível da viatura não podem ser ul-j trapassados -ver página 142.Distribua a carga uniformemente.o sistema de porta-bagagens do tejadilho terá de se! fixado rigorosamente de acordo com as instruções fornecidas. . .I carga total admissível no tejadilho (incluin. bicicletas. na carga do tejadil.Tomar atenção para que a tampa trasei. A. Cada um dos suportes básicos poderá suportar até 40 kg desde que a carga seja uniforme"! mente repartida a todo o comprimento.PORTA-BAGAGENS DO TEJADILHO Quando pretender transportar bagagem no tejadilho. pranchas de surt. . . o comportamento se modifica.Como as caleiras estão integradas no tejadilho por razões aerodinâmicas. não podem ser utiliz~dos os porta-bagagens convencionais. Quando se montam os pés dos suportes no tejadilho há que ter em atenção que eles terão de ficar assentes entre as marcas nas caleiras de plástico -ver ilustração. adaptar a condução e a velocidade a essa circunstância. j cada caso. devido à deslocação do centro de gravidade e à maior superfície de resistência ao ar. deverá atentar no seguinte: . Para evitar riscos. skis e barcos -para os quais existem suportes complementares adequados a . Todos os componentes deste sistema podem ser adquiridos nos concessionários Volkswagen.e exclusivamente os suportes básicos previstos pela fábrica. . Dever-se-á. por isso. .No transporte de objectos pesados oul muito volumosos no tejadilho não esquecer que.Estes suportes constituem a base dum sistema completo de transportes no tejadilho -bagagem.ho.

por conseguinte. Para que este ajustamento seja perfeito.As pastilhas dos travões novas precisam de se «esmeriladas» e não dispõem. nem com uma mudança engatada. as .INSTRUÇÕES OS PRIMEIROS 1500 KM E DEPOIS . Isto aplica-se também. zação com reboque.não circular dade máxima . economizará combustível. é fundamental o tipo de condução adoptado nos primeiros 1500 km. quando se procede a uma substituição das pastilhas.Não conduzir num regime de rotações desnecessariamente baixo -seleccione uma velocidade mais baixa quando o motor deixar de funcionar uniformemente. Todas as indicações relativas a velocidade e regime de rotações referem-se ao motor à temperatura normal de funcio- aplicam-se as seguintes regras gerais: namento. em todas altas rotações . o atrito interno do motor é maior do que mais tarde.Não conduzir nunca o motor frio a um regime de rotações elevado -nem na marcha lenta. depois de todas as peças móveis se terem ajustado entre si. mais tarde. O efeito de travagem ligeiramente diminuído pode ser compensado através duma maior força a exercer sobre o pedal do travão. ~ ~ Não conduzir num regime de rotações desnecessariamente elevado . Durante os primeiros 1000 km e depois da rodagem . -seleccionando uma velocidade mais alta. a utili- Pode ir aumentando gradualmente a velocidade até atingir o número máximo de rotações admissíveis.não acelerar nunca a fundo a mais de 3/4 da velocias velocidades. nos primeiros 200 km ainda da sua capacidade máxima de fricção. 67 .evitar. . reduzirá os ruídos e preservará o ambientever também página 70.evitar. na medida do possível. Entre os 1000 e 1 500 km Válido durante DE CONDUÇÃO Durante as primeiras horas de funcionamento.

dieselde 47 e 55 kW velocidade máxima Existe em todos os motores um sistema de regulação automática que evita os regimes excessivamente elevados.Nos veículos sem conta-rotações não se podem ultrapassar as seguintes velocidades (em km/h) nas diversas mudanças: Motores a gasolina 44kW 1a velo Se se pretender montar posteriormente um conta-rotações. Motores diesel 47 kW 1a velo 2a velo 3a velo 4a velo 5a velo 55 kW 35 62 37 65 94 98 132 139 velocidade máxima 1) Caixa de 5 velocidades 68 Motores Motores . deve-se marcar na escala os seguintes regimes máximos: 55 kW 66 kW Motores de44.Depois da rodagem . O ponteiró do conta-rotações não entrar nessa zona.Nas viaturas com conta-rotações* gime máximo admissível é assinalado início da zona vermelha na respectiva la. a gasolina 55 e66 kW Regimes 6300 rpm 5000 rpm - 2a velo 3a velo 4a velo 5a velo 38/42') 73/72') 118/112') 43 I 47 84 119 158 77 116 velocidade máxima. o repelo escapode .

o nível do líquido na 98 . O rebordo superior do encosto deverá ficar à altura dos olhos.o nível do óleo do motor -página 91 . o carro poderá entrar em aquaplaning. .a pressão e o estado dos pneuspáginas 103. perdendo o comando da direcção e dos travões.Arrumar convenientemente gem: -na mala -ver página 22 -na superfície porta-objectos a baga- -página 23 -no Por isso. além disso. . muito importante cumprir Encontrará mais informações relativas à segurança em cada um dos capítulos deste Manual de Instruções. se sentir as ção .a nível do combustível posição dos retrovisores dos .Zelar que não haja nenhum obstáculo a obstruir o acesso aos pedais -página 24 .o estado de limpeza dos vidros faróis. antes do início da viagem. se sentir Pelo menos de duas em duas horas intercale um pequeno intervalo na condução.Ajustar do lava-parabrisas do limpaa altura do encosto de cabe- . 69 . obrigatório. as regras de trânsito -noas limitações de veloci- Deverá verificar.Respeitar meadamente dade.o nível do líquido -página 101 dos travões -pági- ça à estatura. Para garantir a segurança de funcionamento é.Ajustar sempre a velocidade às condições de trânsito e ao estado da estrada.o . Num piso molhado e a alta velocidad~.Colocar o cinto de segurança antes de iniciar qualquer viagem. . Sobretudo num piso liso ou escorregadio dever-se-á ter sempre presente que a estabilidade da marcha e a capacidade de travagem dependem da aderência dos pneus. aliás. 104. 145 . a intervalos regulares: . . Os passageiros sem cinto não só arriscam a sua própria integridade física.Certificar-se de que todos os passageiros -incluindo os do banco traseiro -colocaram também o cinto correctamente -página 14.o nível do líquido de refrigeração página 95 . . deverá verificar: . .os faróis e os indicadores de direcPor razões de segurança deverá: . além disso. como também a do condutor. Não só o álcool como também as drogas e muitos medicamentos podem afectar consideravelmente a capacidade de reacção.Não tejadilho conduza -página 66. farolins e janelas.Não conduza nunca suas capacidadesafectadas. Na maioria dos países o seu uso é.INSTRUÇÕES CONDUÇÃO SEGURA os intervalos de inspecção prescritos especialmente em relação à substituição do líquido dos travões -páginas 86 e 92. mesmo na cidade -página 14. sono.o estado das escovas -parabrisas -página 102. DE CONDUÇÃO .

Não aquecer o motor com o carro Na marcha lenta o motor demora muito tempo a aquecer. nesta última. normal u~ maior consumo no Inverno ou sob cond ções adversas (estrada em mau estado. pc exemplo. Neste capítulo são referidos os aspectos que assumem uma importância fundamental. por outro lado. ~ parado. I com regularidade. r:Q:.). reconhecidamente. Arranque. . travões e pneus dependem de diversos factores. ou seja. uma redução r.Trajectos curtos frequentes. especialmente elevados. o que. da. nomes damente trânsito urbano com os seus inC meros semáforos. por isso. independente do condutor. viável a partir dos 50 km/h. E.. te. especia.o consumo. por isso. Conduzir com a máxima regulari~ dade e na defensiva. r:Q:. as seguintes circunstâncias: . Evitar. Através duma aceleração equilibrada não só se reduz consideravelmente o consumo de combustível. O consumo de combustível. e evite os regimes altos.Condução em filas de trânsito. Existem naturalmente outros factores de i~ fluência sobre. E. o consumo de combustível. etc. Se se aproveitar a velocidade máxima apenas a três quartos. As acelerações e travagens desnecessárias representam um elevado consumo de combustível e uma maior poluição do ambienda viatura influem também naturalmente consumo de combustível. por exemplo. Desligar o motor em caso de para~ gens mais prolongadas no trânsito. . poder-se-á evitar engaJ rafamentos e o trânsito em filas cerrG ~ Evitar acelerações a fundo. mente de porta a porta. conduzir à velo~ cidade máxima. se possível.emissão dos gases de escape e dos ruídos: ~ As condições individuais de utilizaçãl nl Desfavoráveis para o consumo são. ~ Não conduzir em regimes desne~ cessariamente elevados -seleccionar uma mudança superior logo que seja possível e só optar por uma inferior quando o motor deixar de funcionar das. a uma VE locidade baixa.Grande densidade do trânsito. num elevado reg me de rotações em relação à distância peí corrida. diminuta. como também a poluição e o desgaste. r:Q:. imediatamente. Na fase de aquecimento o desgaste e a emissão de matérias tóxicas são.los ruídos. sendo a perda de tempo. na 2a velocidade mais do dobro que na mudança mais alta.CONDUÇÃO ECONÓMICA E POUCO POLUENTE mais alta possível. r:Q:. a poluição do ambiente e o desgaste do motor. com arranque constantes e novos aquecimentos d motor. Ao mesmo tempo consegue-se. O consumo de combustível é. por exemplo. Programando previamente os it ~ nerários. os gases de escape e os ruídos aumentam desmesuradamente com velocidades altas. ut lização de atrelado. na mudança . numa estrada plana é. em geral. O estilo de condução pessoal é um dos factores determinantes da economia. graças ao regime mais baixo. aconselhável utilizar o mais possível a mudança mais alta. 70 O consumo mais económico e o menor nível de poluição são obtidos num regime tanto quanto possível baixo. o consumo baixará a cerca de metade.

Foi dada uma especial importância a um baixo nível de poluição. Especialmente a alta velocidade.INSTRUÇÕES DE CONDUÇÃO Osrequisitostécnicos para um consumo baixo e boa rentabilidade foram f8cultados ao seu carro «à partida». . pesos inúteis no ~ Ligar os consumidores eléctricos W só quando são efectivamente necessários. com frequentes acelerações. ~ Desmontar o porta-bagagens do tejadilho assim que deixar de ser necessário. Poderá. t normal que o consumo de 61eo dum motor novo s6 atinja o seu valor mínimo ao fim dum certo período de rodagem. o consumo de combustível aumenta. o consumo aumenta «grosso modo» 1 litro/ 100 km. ~ W Verificar regularmente de combustível. se possível. Conforme a condução. o consumo em cerca de 1 litro. deste modo. A assistência metódica através das oficinas Volkswagen garante não só uma operacionalidade permanente. um baixo nível de poluição e uma grande longevidade. Por isso. Os trabalhos de manutenção previstos deverão ser executados rigorosamente em conformidade com o Plano de Assistência -ver também página 86. além de afectar o comportamento. em defesa do ambiente. . O mesmo sucede quanto ao combustível e ao rendimento do motor. O aquecimento do vidro traseiro. em grande medida. ao fim de 10 horas. esse consumo póderá ir até 1. Devido à maior carga do alternador.Verificar o nível do óleo em cada reabastecimento. Para aproveitar e conservar essas propriedades deverá observar os seguintes pontos: ~ As viaturas com cata/isador só po~ dem ser abastecidas com gasolina sem chumbo. O aquecimento . o peso da viatura tem grande influência no consumo de combustível. descobrir a tempo qualquer irregularidade na viatlJra que dê origem a um acréscimo do consumo. da carga e do número de rotações do motor. Mesmo as viaturas sem catalisador deverão ser abastecidas. s6 depois de completados 5000 km aproximadamente.do vidro traseiro aumenta. O consumo de 61eo depende. por exemplo. consequen temen te. os faróis adicionais e o ventilador do aquecimento requerem uma considerável potência. também o consumo de combustível e o desgaste dos pneus. é possível determinar a média do consumo. com gasolina sem chumbo. o consumo Nomeadamente no trânsito urbano. ~ W Não transportar carro. Por cada 100 kg de peso. É conv9niente verificar o consumo em cada reabastecimento. o consumo aumenta consideravelmente devido à maior resistência do ar. ~ ~ ~ W Verificar a pressão vez por mes dos pneus uma Uma pressão baixa aumenta a resistência ao rolamento e. como também a rentabilidade.0 1/1000 km.

on encontrará modelos idênticos aos utili dos pela própria fábrica. utili~ apenas um dispositivo concebido exclusi~ mente para este tipo de viatura.A caixa de tomada do reboque dev ser ligada. . etc. com o motor parado. dever-se-á ter em consid. da forma prescrita. numa tomada de 13 pólos. pode ser.:. ração o seguinte: i J Condições técnicas sê a viatura vier equipada de fábrica com um dispositivo de reboque.O dispositivo de reboque é uma peça ~ segurança. deverão ser rigorosamente observadas as instruções de utilização e condução indicadas nas páginas seguintes. com instruções montagem igualmente por ela aprovada~ l zação.por exemplo frigorífico da caravana. aos bornesJ e 8 até 13. De referir aqui que. A condução com reboque exige não só um maior esforço ao carro. 72 . 1) As duas ligações de massa não podem ser ligadas entre si no atrelado 2) Não ligado de fábrica 3) Podem ser aqui ligados consumidores eléctricos adicionais para o atrelado (por exemplo . a sua respectiva H minação interior). ter sido neste caso montada uma tomada de 13 pólos. numa caixa de 7 pólos. Por isso. isso significa que ela foi dotada de todos os requisitos técnicos e legais necessários para essa utili- . também utilizada com reboque. sionário Volkswagen um cab~ adap:ado No caso de montagem posterior do dispo tivo de reboque. como também ao próprio condutor. Esta nova tomada permite a ligação posterior de con~umidores eléctricos adicionais do atrelado . frigorifico duma caravana. em comparação com a de 1 3 pólos. com o respectivo equipamento técnico. Recomen mos que faça a sua escolha dentro programa de acessórios Volkswagen. no entanto. por isso. -o que não acontecia com a anterior tomada. ã rede eléc ~ ca da viatura tractora. .ligados. Na tabela seguinte indicamos a distribuição dos bornes da tomada de 7 pólos. porém. devendo-se. farolins de marcha atrás. ~ atenção que a bateria do veiculo tractor se 1 descarregando. se estes consumidores for."sencialmente para o transporte de passageiros e bagagem. Há que ter. ao borne 541 e. previameft. em vez da tomada de 7 pólos tradicional. te aprovado e homologado. Isto aplica-se ta bém.. 1 3 pólos poder-se-á ou então montar adquirir uma num tomada conce ~ Embora a viatura tivesse sido concebida es.CONDUÇÃO COM REBOQUE Se o atrelado dispuser duma tomada de pólos.

73 .

Por razões de segurança não se deverá circular a mais de 80 km/h.A regulação dos faróis deverá ser verificada antes de se iniciar a viagem. . dever-se-á reduzir imediatamente a velocidade assim que se notar o menor movimento oscilat6rio do reboque. engate uma veloc~ da de mais baixa. .Se. de modo a que os objectos mais pesados fiquem o mais junto possível do eixo. subida mais extensa numa mudança bai e num regime elevado. Por isso. conduzir com a viatura vazia e o reboque carregado. dever-se-á distribuir a carg-a do reboque.Tendo em conta a carga e o peso de apoio máximos admissíveis. se exteriores empreender invu ~ u rem.Em virtude de. a carga máxima de apoio admissível da barra de reboque sobre o engate de rótula -ver página 148. é necessárit parar e deixar o motor arrefecer durante ai guns minutos em funcionamento na ma( cha lenta. seguros de forma a não resvala- Instruções de condução Para obter o melhor comportamento possível do conjunto viatura-reboque dever-se-á ter em consideração o seguinte: . Em qualquer caso.. Quando o ponteiro entra na zon~ superior da escala.. conduzir então a uma velocidade mais lenta. com o reboque atrelado. além disso. Nas descidas.Sempre que for possível. mesmo com reboque não se deve engatar uma velocidade infe rior enquanto o motor for capaz de vence uma subida sem grande perda de velocida de. . uma vez que as rota ções do ventilador são independentes da: do motor. 74 . Deste modo. . aproveitar ao máximo. travar pr ~ meiro suavemente e depois com mais fo ça. Verifique também a pressão dos pneus do reboque. Nas viaturas equipadas com regulação do alcance da luz dos faróis bastará rodar a respectiva roda serrilhada no painel de instrumentos. . mesmo nos países onde for permitida uma velocidade mais alta. tanto quanto possível. há que reduzir imediatS mente a velocidade. evitam-se os esticões pr vocados pelo bloqueio das rodas d reboque. devendo ser. quando as condições do piso e do clima forem desfavoráveis -sobretudo em descidas -não se deverá conduzir à velocidade máxima permitida. sem a ultrapassar.Travar a tempo! Quando se tratar dU reboque com travão automático. inevitável.A eficácia de refrigeração do ventilado não aumenta pelo facto de se engatar um! mudança mais baixa. Se isso for. diminuir a estabilidade do conjunto viatura-reboque.A pressão dos pneus do veículo tractor tem de ser a indicada para carga completa. com velocidade crescente. porém. dever-se-á vigiar indicador da temperatura do líquido de ref geração.Evitar. porém. a luz avi$S dora entrar em intermitência. garmente com temperaturas elevadas. . Não experimente nunca «endireitar» o reboque através da aceleração! . Se. a fim de aproveitar a capa!" cidade de travagem do motor. .

. . Os valores relativos à viatura estão indicados na respectiva documentação e no presente Manual de Instruções.Observações gerais . . dentro do campo visual do condutor.A montagem do dispositivo de reboque tem de ser oficialmente homologada e registada na documentação da viatura.Terá de ser montada.A carga de reboque e peso de apoio indicados na placa de identificação do modelo. que.Se a viatura for frequentemente utilizada com reboque. recomenda-se que se mandem efectuar serviços de manutenção nos intervalos entre as inspecções prescritas. uma luz avisadora especial que controle o funcionamento da luz indicadora de direcção do reboque.Durante o período de rodagem da viatura dever-se-á evitar a utilizá-Ia com rebo- Em certos países (por exemplo na Alemanha) vigoram ainda as seguintes prescrições legais: . . .Com o dispositivo de reboque. .A velocidade máxima permitida na condução com reboque é de 80 km/h. afixado no reboque. diminuindo consequentemente a sua carga útil.O peso máximo de apoio admissível ver página 148 -deverá ir indicado num dístico autocolante bem visível. aumenta o peso em vazio da viatura. afixado na traseira da viatura tractora. . são apenas valores de homologação do equipamento.

A capacidade 55 litros. recomendam~ que não transporte nenhuma lata de com bustível de reserva. Nas viaturas com catalisador a tampa controlada por uma mola. poder-se-á danificar e entornar í combustível. rn caso de aquecimento. sem a entortar. Há que ter também atenção a este pormenor quando se abastece o depósito com uma lata de reserva. h~ que observar ~ prescrições legais. Nas viaturas com fecho centralizado* a tampa do depósito tranca e destranca automaticamente. pois. depende essencialmente nuseamento da pistola . chegando assim gasolina por que! mar ao sistema de escape.ABASTECIMENTO ~ Assim que a pistola de enchimen ~ to. do lado direito.Introduza a pistola tão profundamente quanto poss. Não se deverá continuar. Notas o bocal de enchimento está colocado painel lateral traseiro. no o tampão na tampa do depósito pode ser encaixado do bocal -ver i1ustração. Depois do abastecimento. Por razões de segurança. .Nos veículos com catalisador não deixa nunca o depósito esvaziar até ao fim. No caso de avaria do fecho centralizado a tampa pode ser desbloqueada à mão -ver a colun~ da direita. até se ouvi um estalido. desfi gar pela primeira vez.Quando se transporta uma lata de com bustível de reserva.ível no bocal do depósito. Abrir a tampa do depósito conforme sentado na ilustração da esquerda. enroscar correc tamente o tampão do depósito. o depósito estê «cheio}). por baixo da abertura do bocal. tem de ser aberta pela pistola de abastecimento. enchê-lo. a gasolina po derá transbordar. . do depósito é de cerca de apre- O abastecimento perfeito do depósito do correcto made abastecimento. pois. Devi do a irregularidades no abastecimento di combustível. em caso de ad dente. 76 . A tampa é aberta e fechada com a chave principal e a secundária. de contrário. poder-se-ão registar falhas r1 ignição. Isso pode cOIÍ duzir a um sobreaquecimento e consequen te danificação do catalisador. correctamente utilizada. encher-se -á também o espaço de dilatação e.

.

Notas . uma vez que o chuni bo se deposita no catalisador. avarias no motor. um maior poder de tracção (binário mais alto) -ver página 138. afectada a formação da mistura: 1) Research-Oktan-Zahl: medida do poder antidetonante da gasolina.COMBUSTívEL Motores Versões a gasolina com catalisador Motor de injecção de 128 kW gasolina super sem chumbo ROZ1) não inferior a 95 No caso de utilização de gasolina super sem chumbo de 98 ROl') (Super plus) o motor desenvolve. Logo que seja possível.. a gasolina disponível tiver um número de octanas mais baixo do que as que o motor necessita.Se. Motor de 44 e 55 kW gasolina normal sem chumbo ROl') não inferior a 91 Motor de 66 kW gasolina super sem chumbo ROl') não inferior a 95 Motor de 85 kW gasolina super sem chumbo ROl') 95 ou normal ROl') 91 É possível a utilização de gasolina normal r:Q:. numa emergência. Isso significará. .Um simples abastecimento CO ~ gasolina com chumbo é suficient para reduzir a eficácia do catalisador Mesmo que na vez seguinte volte a ser util zada gasolina sem chumbo.Só se deve utilizar gasolina de qualidade com aditivos -ver «Aditivos» na página seguinte. sem chumbo com 91 octanas. fazer um reabastecimento com gasolina com um número de octanas suficiente. só se poderá conduzir num regime médio de rotações e com carga reduzida. no entanto. no mínimo. nesse caso. A utilização de gasolina com chumbo afec~ consideravelmente o sistema depuradQ dos gases de escape. com a mesma potência nominal.A gasolina sem chumbo tem de satisfazer a norma DIN2) 51 607. . 2) Norma do Instituto Alemão de Normalização. As acelerações a fundo e os regimes elevados poderão ocasionar. As viaturas com catalisador só po ~ dem ser abastecidas com gasolini sem chumbo. Nas viaturas com sonda lambda3) fica.. r:Q:. não será reCL perada a eficácia original do catalisador. uma ligeira perda de potência. alér disso. 3) Lambda -proporção ar/combustível. .

a gasolina disponível tiver um número de octanas mais baixo do que as que o motor necessita (p. em grande medida. Se se não dispuser deste combustível ou se se registar~m deficiências no motor. Os concessionários Volkswagen estão informados sobre a sua respectiva utilização e sabem o que se deve fazer no caso de se terem formado já sedimentos. como por exemplo dificuldades no arranque. medida do poder anti- 2) Norma do Instituto Alemão de Normalização. Os aditivos testados nos motores Volkswagen podem ser adquiridos nos concessionários Volkswagen na Alemanha e em muitos outros países. no entanto. Estes aditivos protegem da corrosão. trepidação e perda de potência. avarias no motor. Isso significará. . nesse caso.Só se deve utilizar gasolina de qualidade com aditivos -ver «Aditivos».Se. limpam o sistemà de combustível e evitam sedimentos no motor. Desempenham aqui um papel especialmente importante os aditivos misturados à gasolina. dever-se-ão acrescentar os necessários aditivos à gasolina. uma ligeira quebra de potência. da qualidade do combustível. . No interesse da defesa do ambien~ te dever-se-ia preferir sempre gasolina sem chumbo. que se utilize exclusivamente gasolina de boa qualidade com aditivos. Aditivos da gasolina Motor de 44 e 55 kW gasolina normal com ou sem chumbo ROZ') não inferior a 91 Motor de 66 kW gasolina super com ou sem ROZ') não inferior a 95 chumbo Motor de 85 kW gasolina super com ou sem chumbo ROZ') 95 ou normal ROZ') 91 É admissível a utilização de gasolina normal sem chumbo com um índice de octanas não inferior a 91. 91 em vez de 95). O comportamento. numa emergência.7 51 e 600. ex. no abastecimento.A gasolina sem chumbo tem de satisfazer a norma DIN2) 51 a gasolina com chumbo a norma DIN60. só se poderá conduzir num regime médio de rotações e com carga reduzida. .) Research-Oktan-Zahl: detonante da gasolina. As acelerações a fundo e os regimes elevados poderão ocasionar. paragem na marcha lenta. fazer um reabastecimento com gasolina com um número de octanas suficiente.INSTRUÇÕES DE SERViÇO Versões sem catalisador Notas . pois. Recomenda-se. Logo que seja possível. I . ' r:Q:. o rendimento e a longevidade do motor dependem.

existe à venda na Alemanha gasóleo «de Inverno».Motores diesel Pré-aquecimento do filtro Gasóleo de acordo com a norma DIN 51 601 CZ') não inferior a 45 Utilização no Inverno Quando se utiliza gasóleo de Verão com temperaturas exteriores negativas. Por isso. na estação fria. Informe-se junto das oficinas Volkswagen e dos postos de abastecimento sobre as características do gasóleo à venda. Se. de funcionamento eficiente. Não se devem misturar ao gasóleo quaisquer aditivos (fluidificantes) ou produtos similares. com temperaturas inferiores a -250 C. associado à utilização de gasóleo de Inverno. assegura o eficiente funcionamento do sistema de combustível até uma temperatura de -250 C e é resistente até -150 C. Nos países com condições climatéricas diferentes é comercializado gas61eo com outra reacção à temperatura. deixando de ser necessário misturar gasolina. consoante a marca. o combustível se tornar tão espesso que o rTl°tor deixa de pegar. no entanto. A viatura está equipada com um sistema de pré-aquecimento do filtro que. poderão registar-se falhas em virtude do combustível ficar demasiado espesso devido à segregação de parafina. da facilidade de infla- . bastará deixar o carro algum tempo num recinto aquecido. até -15 a-22°C. 80 1) Cetan-Zahl -medida mação do gasóleo.

Q:. sem problemas. Quantq mais tempo os excrementos de aves. muito do tipo da instalação. resinas das árvores. etc. dever-se-á chamar imediatamente a atenção do responsável pela instalação de lavagem. antenas de emissores-receptores. a pintura parecer baça ou se detectarem até riscos. porta-bagagens do tejadilho. fora do alcance das crianças. Poderá ser. -chame a atenção do responsável da lavagem para elas.. . Se for necessário. é imprescindível lavar também a fundo a parte inferior da viatura. As temperaturas elevadas. No final da época do lançamento de sais antigelo. A frequência desta operação depende. por baixo de árvores. A antena do tejadilho original não precisa de ser removida.O uso inadequado destes produtos pode ser nocivo à saúde. mais persistentes serão os seusefeitos destruidores. sais antigelo e outros sedimentos agressivos permanecerem aderidos à pintura do carro. recolher a antena telescópica. numa instalação automática. Queira observar as instruções de utilização nas embalagens. Uma adequada conservação periódica contribui para preservar o valor da viatura. tal como poderá ser suficiente uma lavagem por mês com a subsequente aplicação dum produto conservante.No caso de haver peças especiais montadas -p. do tipo de detergentes e dos conservantes. r. manchas de alcatrão.). porém. entre outras coisas. só terá de observar as medidas de precaução usuais (fechar as janelas e o tecto de abrir. Além disso.Os produtos de conservação deverão ser guardados sempre em lugar seguro. em especial. devido a uma exposição ao sol. O desgaste da pintura depende. da filtragem da água da lavagem. do seu parqueamento (garagem. poderá ser condição para salvaguardar o direito à garantia no caso de eventuais danos por corrosão ou deficiências na pintura da carroça- Instalações de lavagem automática A pintura do carro é tão resistente que ele pode ser em regra lavado. assim. spoilers. ex. As sobras não devem ser lançadas no lixo doméstico. Notas . Se depois da lavagem. Poderá adquirir os produtos apropriados para uma perfeita conservação nos concessionários Volkswagen. . do uso da viatura. aumentam o efeito cáustico. etc.Quando o carro é lavado numa instalação ~utomática.CONSERVAÇÃO DA VIATURA Lavagem A melhor protecção contra as influências nocivas do ambiente é a lavagem frequente e a aplicação de produtos de conservação na viatura.).. etc. resíduos de insectos. etc. mudar de estação de serviço. ria. Atenção . da estação do ano. das condições atmosféricas e das influências do ambiente. poeiras da estrada e industriais. . partículas de fuligem. necessária uma lavagem semanal. por exemplo. Na compra dos produtos de con~ servação devem-se escolher produtos pouco poluentes.

Guardar para o fim as rodas.Respeitar rigorosamente as instruções de utilização da instalação de lavagem por alta pressão. da água não pode exce- 1 82 . Lavagem por sistema alta pressão de . que. O mais tardar quando. a água deixar de escorrer sob a forma de gotas. Seguidamente limpar o carro com uma esponja macia. a pintura do carro das influências do ambiente referidas na alínea «Lavagem». removendo-a tanto quanto possível. de preferência. Nota As peças com pintura baça e de Plásti" co não podem ser tratadas com produtos de polimento. em grande medida. poderiam congelar no In- proibida. uma luva ou uma escova próprias.. nomeadamente no que respeita o valor da pressão e a distância de aplicação. uma segunda esponja. embaladeiras. dever-se-á voltar a proteger a viatura com uma boa cera de conservação. de cima para baixo. verno. utilizando. A lavagem de viaturas noutros locais poderá ser inclusivamente Notas . Depois de limpar.Lavagem manual r:Q:. por fim. enxaguar cuidadosamente o carro e. passar uma camurça. Enxaguar a esponja ou a luva a pequenos intervalos. na página anterior. começando no tejadilho. . Mesmo que seja regularmente aplicado um conser~ vante na lavagem. exercendo pouca pressão. recomenda-se uma apli~ cação de cera pelo menos duas vezes por sol. Só utilizar shampoo no éaso de sujidades persistentes.Não utilizar agulhetas do. etc. Polimento Só é necessário quando a pintura tiver perdido o seu brilho e este já não for recuperável com a aplicação de conservantes. e até de influências mecânicas ligeiras. . . Começar por descolar a sujidade com âgua abundante.O carro não deve ser lavado à chapa do Conservação Uma boa conservação protege. Se o polimento utilizado não contiver substâncias conservantes. com a superfície limpa. No interesse da defesa do ambien'-{J!:)' te. de jacto redon- ano.A temperatura der os 600 c. não se deverá dirigir o jacto directamente sobre os cilindros das fechaduras nem sobre as juntas das portas e das tampas. de contrário.Se o carro for lavado com uma mangueira. o carro só deverá ser lavado em locais especialmente previstos para esse efeito. estas deverão ser posteriormente aplicadas.

prejudicando a visibilidade. Vidros Para remover a neve e o gelo dos vidros e dos espelhos utilize exclusivamente uma espátula de plástico. semelhantes. 6leo.INSTRUÇÕES DE SERViÇO Retoques na pintura As pequenas imperfeições na pintura. Para secar os vidros não utilize a camurça que costuma usar na carroçaria. a tinta original. as interiores são limpas com um pano húmido. Se isso não for suficiente. na tampa por cima da mala. de vez em quando. . cone. na superfície traseira porta-objectos. mas empurre-a sempre no mesmo sentido. nesse ponto. Chama-se a atenção para o facto de que o cou ro não deve ser tratado com dissolventes. tira-nódoas ou produtos As juntas de borracha conservam a sua elasticidade e têm uma maior duração se forem. cera. Para evitar riscos pelas partículas de sujid~de. recomenda-se que. Os resíduos de borracha. Os pontos mais sujos podem ser limpos com uma solução suave de detergente (sabão neutro: 2 colheres de sopa para 1 litro de água). Em seguida secar com um pano macio. Para além disso. Estofos e revestimentos de tecido Os estofos e revestimentos de tecido nas portas. Naturalmente que poderá encarregar desses trabalhos uma oficina autorizada Volkswagen. gordura ou silícone podem ser removidos com um produto limpa~vidros ou um dissolvente de silí- Materiais sintéticos As peças de plástico exteriores são lavadas normalmente. poder-se-ão utilizar. humedecer ligeiramente com água um pano de algodão ou lã e limpar com ele as supferfícies de couro. Juntas de vedação das portas. no entanto. revestimentos dos bancos etc. Se. a fim de que não penetre água pelas costuras. untadas com um produto de conservação de borrachas. arranhões. A referência da tinta original da pintura do carro figura na placa de identificação da viatura -ver página 151. pancadas de pedras deverão ser imediatamente retocadas (com bisnagá ou spray para retoques VW) antes que se forme ferrugem. Os vidros deverão ser também limpos por Para uma limpeza normal de volantes. não utilize a espátula em movimento de vai-vém. um primário anticorrosivo e. Para não danificar os filamentos do aquecimento do vidro traseiro. como sejam riscos. no caso duma utilização normal. no forro do tejadilho etc. já se tiver formado ferrugem. não afixar autocolantes pelo lado de dentro. produtos especiais que não contenham dissolventes. pois os resíduos dos produtos conservantes poderão sujar os vidros. em seguida. segundo as instruções adiante indicadas. tampas e janelas Couro natural Em função do uso. são limpos com produtos especiais ou com «espuma seca» e uma escova macia. na limpeza e conservação do plástico e do couro artificial. de tempos a tempos. se faça semestralmente uma aplicação de conservan- dentro regularmente. graxa. ela deverá ser totalmente eliminada. Isso evitará ainda que gelem no Inverno. Não molhar excessivamente o couro. o couro deverá ser tratado. aplicando depois.

A caixa colectora da água. Não utilize produtos abrasivos. Acima de tudo.'sor re?ebem de fábric . A quantidade a aplicar deve ser moderada. De'pois da lavagem. à frente do parabrisas. No caso da camada de verniz protector ter sido danificada. é indispensável ter em atenção as instruções da página 88. por exemplo pelo batimento de pedras. dever-se-á proceder à sua imediata reparação. d verá ser limpa de vez em quando para man ter desimpedidos os orifícios de escoamen to e para evitar que folhas. o compartimento do motor e a SUperfíCi do agregado propu. Jantes de aço Limpeza dos cintos de segurança Mantenha os cintos limpos! Os cintos muito sujos poderão obstruir o seu enrolamento automático. ~ Limpeza e conservação do compartimento do motor Atenção Antes de se proceder a quaisquer trabalhos no motor. com um pano ma.penetrem no habitáculo através do sis tema de aquecimento e ventilação -no veículos sem filtro do ar fresco*. Para conservar por muito tempo o aspecto decorativo das jantes de liga leve. sem ácidos. devendo a superfície tratada ser limpa. é necessária a sua conservação regular.cio.te de couros à venda nos concessionários Volkswagen. um tratamento antlcorrO$IVO. que se deposite pó de abrasão dos travões. Jantes de liga leve Nota Os cintos automáticos só devem ser enrolados depois de secos. Os danos na pintura deverão ser retocados antes de se formar ferrugem. Aproximadamente cada três meses é necessário aplicar cera nas jantes. atacarão a liga leve. 84 . Evitar-se-á. sujidade e sais antigelo. de contrário. Se se tiver já depositado pó de abrasão dos travões. as rodas deverão ser limpas com um produto especial. deve-se limpar de duas em duas semanas os sais antigelo e o pó de abrasão que. para jantes de liga leve. assim. sem os desmontar do carro. Por ocasião de cada lavagem normal do seu carro deverão ser lavadas também a fundo as jantes ou os tampões das rodas. pétalas de flores etc. por baixo d tampa do motor. no final. ele poderá ser removido com um produto especial de remoção de pó industrial. Para a sua limpeza utilize apenas uma solução suave de água e sabão.

quando se viaja com frequência por estradas em que se aplicaram sais antigelo. lubrificantes e óleos. O mesmo sucede quando se substituerrJas peças protegidas contra a corrosão. limpar a fundo todo o compartimento do motor e a caixa colectora de água antes e depois da -época de aplicação de sais antigelo. por isso. se necessário. ca. é muito importante uma boa protecção anticorrosiva. Deve-se.Especialmente no Inverno. As oficinas autorizadas Volkswagen dispõem dos produtos e equipamentos apropriados e estão a par das técnicas de aplicação. rebordos. ci> oficina ou estação de serviço. cas. com temperaturas exteriores elevadas. Se. Também não é permitido remover as placas de protecção térmi- duto de conservação. utilizando em seguida um pro- As oficinas autorizadas Volkswagen dispõem dos produtos de limpeza e conservação recomendados peja fábrica e bem assim dos equipamentos necessários. pelo que é conveniente encarregá-Ias dos trabalhos de retoque e de quaisquer outras medidas destinadas à protecção anticorrosiva. Por isso. no catalisador e nos tubos de escape não se pode aplicar o produto de protecção de baixos. há que respeitar as prescrições de segurança e de defesa do ambiente. não há forma de impedir que essa camada protectora seja afectada com o uso. retocar de tempos a tempos -de preferência antes do início da estação fria e na Primavera -a camada protectora das partes baixas. recomenda-se que se mande inspecciorrar e. Essa conservação não precisa de ser verificada nem retocada. ranhuras e agregados do compartimento do motor. elimina-se quase ~empre também a protecção anticorrosiva. Quando o compartimento do motor é submetido a uma limpeza com produtos dissolventes de gordura') ou se mandar efectuar uma lavagem do motor. escorrer um pouco de cera das cavidades. 1) Utilizar apenas os produtos de limpeza especiais para o efeito e nunca gasolina ou gasó- leo. porém. Nestas placas. Como. A lavagem do motor tuada com a ignição só pode ser efecdesligada. o motor só pode ser lavado numa Conservação das cavidades Todas as cavidades expostas à corrosão são submetidas. por isso. de fábrica. 85 . a água contaminada precisa de ser purificada através dum separador de óleo. Se se remover a cera escorrida com benzina. E. ela poderá ser removida com uma espátula de plástico e benzi- na. são montadas placasde Protecção dos baixos As partes baixas da viatura estão protegidas contra influências químicas e mecâniprotecção térmica na zona do catalisador. recomendável proceder em seguida a uma conservação duradoura de todas as superffcies. Instruções catalisador para viaturas com elevadas que se posterior dos ga- Devido às temperaturas produzem na combustão ses de escape. & Como numa lavagem do motor são ~ arrastados pela água restos de gasolina. a uma protecção de longa duração.

contribuindo. é dada indicação do próximo serviço -ver página 42. a poluição do ambiente. e o consumo de combustível aumentará. de . Isto aplica-se especialmente a: . O Serviço de Inspecção deve ser efectuado cada 12 meses ou 30 000 km. deverão efectuar-se alguns serviços adicionais durante os intervalos prescritos no Plano de Assistência. para baixar os custos. líquido de refri.MANUTENÇÃO Uma vez que a moderna técnica com que a viatura foi dotada requer pouca manutenção. Em condições de utilização adversas. As oficinas dos os materiais e peças passíveis de uma reutilização e encaminham-nos para os respectivos postos de recicla. a economia e a eficiência do funcionamento. por exemplo temperaturas exteriores muito baixas. foi possível prescindir dum serviço de manutenção imediatamente após o período de rodagem. conforme o que ocorrer primeiro. Se. gemo . deste modo.Alterando prejudicam-se a afinação os valores do motor. só é necessária a prestação dum volume reduzido de trabalhos para conservar a segurança da Condução. esses trabalhos têm de ser efectuados segundo as nossas directri- emissão do escape. Também na eliminação do óleo e líqui. é necessário proceder ao Serviço de mudança do óleo -ver também página 92 e o Plano de Assistência. de energia. estradas poeirentas etc. Graças à excelente qualidade de fabrico e. cessário aumento da poluição do ambiente. O Serviço de Inspecção proporcionado pelas oficinas autorizadas Volkswagen assenta essencialmente na quilometragem anual em termos individuais. bem assim. com um desne. A comprovação do serviço efectuado por uma oficina autorizada Volkswagen poderá constituir uma premissa para a manutenção do direito à garantia de um ano. aliviando-se Volkswagen recolhem to. Além disso. se atingir uma quilometragem de 15000 km. baterias avariadas e pneus velhos dever-se-ão observar os princípios de preservação do meio amo biente. Além disso.substituição do óleo do motor do elemento fil- ~ r:Q:. "Q:. Os trabalhos deverão ser realizados numa oficina autorizada Volkswagen dado pressuporem conhecimentos especializados e equipamentos e ferramentas especiais. geração sujo. à utilização de materiais de alta qualidade. desta forma. do de travões usados. A melhor solução é ainda o aproveita.purga ou substituição do filtro do combustível no motor diesel.limpeza ou substituição trante do filtro do ar . Através duma manutenção perióm dica é possível minimizar os valores da emissão do escape e. zes.. antes de terem decorrido 12 meses. No Plano de Assistência é feita também referência aos trabalhos a realizar nos Serviços de Inspecção e de substituição do óleo.

ta). levante a tampa e desencaixe a vareta de apoio. deixando-a cair duma altura aproximada de 30 cm -não carregue com a mão. Se. Baixe a tampa. voltando a colocá-Ia na sua fixação. verificar que o fecho não está bem trancado. I . Levantar a tampa. por Para abrir. a fim de evitar danos na pintura. esquerdo. Nota Antes de abrir a tampa do motor. pare imediatamente e volte a fechar a tampa conveniente- mente. levantar ligeiramente a tampa e desengatar o grampo no sentido da seta. verificar primeiro que os braços do limpa-vidros não tenham sido levantados. durante a viagem. retirar a vareta de apoio da sua fixação e introduzi-Ia no orifício previsto para o efeito (ver ilustração da direi- baixo do painel de instrumentos -a tampa do motor saltará do seu bloqueio por força duma mola. lateral puxar a alavanca. Para fechar.TAMPA DO MOTOR Para colocada destravar no a painel tampa.

4 -Vareta de medição do A TF* 5 -Depósito do Ifquido da direcção assistida* 6 -Depósito 7 -Depósito 8-Bateria do Ifquido de travões. de contrário. de enchimento do óleo 91 : do 95 .. 91 3 -Depósito de compensação Ifquido de refrigeração. do motor..93 94 98 No reabastecimento de líquidos ter o máximo cuidado para não os confundir. poder-se-ão provo.COMPARTIMENTO DO MOTOR Página 1 -Vareta 2 -Bocal de medição do óleo do motor.. deve-se controlal regularmente a parte inferior do chas sisoSe ali se detectarem manchas pro vocadas por óleo ou por outros líquido~ do carro. do lava-parabrisas ~ A fim de se detectarem atempada ~ mente as fugas.1 01 99 . será conveniente mandá-/ inspeccionar numa oficina. pois. . car graves falhas de funcionamento.

No reabastecimento é também misturar estes óleos ~ntre si. As oficinas Volkswagen são informadas pela fábrica sobre todas as alterações. especificação VW 50000 (excepto para motores turbo-diesel) C -óleos monograde de marca. especificação API-CD (nos motores turbodiesel só para completar nível. -óleos multigrade de marca. segundo os diagramas aqui reproduzidos. especificação VW 501 01 (excepto para motores turbo-diesel) B -óleos económicos. não há necessidade de substituir o 6leo. dever-se-á recorrer exclusivamente a um óleo de motor de boa qualidade quando houver necessidade Glecompletar o nível ou de o substituir. especificação API-SF') ou SG') Nota importante Como é óbvio. os óleos do motor estão em evolução constante. . sem limitações) O grau de viscosidade do óleo deverá ser escolhido. numa emergência) -óleos multigrade. excepto nas zonas de frio extremo. pelo que é conveniente recorre! aos seús serviços para proceder à substituição do óleo.ÓLEO DO MOTOR Viscosidade e especificação O óleo metido de fábrica é um óleo especial multigrade de alta qualidade que. os limites indicados. Mesmo que a temperatura ultrapasse. por pouco tempo. especificação A -óleos multigrade. Como a utilização de um bom óleo é condição essencial para um perfeito funcionamento do motor e para a sua longevidade. especificação Motores diesel os cações. pode ser utilizado todo o ano. especificação API-CD (nos motores turbodiesel só para completar nível. especificação VW 505 00 (adequado a todos motores die'sel. os dados deste Manual de Instruções reportam à data da sua respectiva impressão. As especificações indicadas nesta página deverão constar no recipiente. emergência). possível VW 501 01 -óleos multigrade de marca. separadamente ou em conjunto com outras especifi- Motores A -óleos a gasolina multigrade. VW 50000 C -óleos monograde de marca. especificação API-SF') ou SG') B -óleos económicos. Por isso. numa 1) Estes 61eos s6 devem ser utilizados se se não dispuser de nenhum 61eo do motor aprovado.

Nota importante Como é óbvio. os limites indicados.es. 1) Estes óleos só devem ser utilizados se se não dispuser de nenhum óleo do motor aprovado. pelo que é conveniente recorrer aos seus serviços para proceder à substituição do óleo. 6leo. especificação API-SF') ou SG') B -óleos económicos. especificação VW 50000 (excepto para motores turbo-diesel) C -óleos monograde de marca. No reabastecimento é também misturar estes óleos ~ntre si. especificação API-CD (nos motores turbodiesel só para completar nível. Como a utitização de um bom óleo é condição essencial para um perfeito funcionamento do motor e para a sua longevidade. possível Motores diesel os VW 501 01 -óleos multigrade de marca. dever-se-á recorrer exclusivamente a um óleo de motor de boa qualidade quando houver necessidade GJe completar o nível ou de o substituir. separadamente ou em conjunto com outras especifi- Motores A -óleos a gasolina multigrade. especificação VW 501 01 (excepto para motores turbo-diesel) B -óleos económicos. As oficinas Volkswagen são informadas pela fábrica sobre todas as alteraçõ. especificação cações. por pouco tempo. Mesmo que a temperatura ultrapasse. As especificações indicadas nesta página deverão constar no recipiente. especificação API-CD (nos motores turbodiesel s6 para completar nível. Por isso. os óleos do motor estão em evolução constante. segundo os diagramas aqui reproduzidos. especificação VW 500 00 C -óleos monograde de marca. especificação API-SF') ou SG') O grau de viscosidade do óleo deverá ser escolhido. os dados deste Manual de Instruções reportam à data da sua respectiva impressão. pode ser utilizado todo o ano. não há necessidade de substituir o A -óleos multigrade. numa emergência) . excepto nas zonas de frio extremo.ÓLEO DO MOTOR Viscosidade e especificação O óleo metido de fábrica é um óleo especial multigrade de alta qualidade que. especificação VW 505 00 (adequado a todos motores die~el. sem limitações) -óleos multigrade de marca. . numa emergência) -óleos multigrade.

. Este óleo poderá ser conveniente no motor diesel (excepto no turbo-diesel) com uma elevada quilometragem anua! e consequentes substituições frequentes. utilizáveis todo o ano. as seguintes vantagens: -possibilidade de utilização durante todo à ano com praticamente todas as temperaturas exteriores que se registem -menores perdas por atrito do motor nentes. não se aplica aos óleos -capacidade de arranque em frio optimizada -mesmo a temperaturas muito bai- xas. além disso. 90 . Esta limitação económicos.INSTRUÇÕES DE SERViÇO Características dos óleos Os óleos monograde não são.0 W ou óleo multigrade SAE 5 W-30 devem-se evitar os regimes de rotações elevadas constantes e as grandes cargas perma- Os óleos multigrade. devido ao seu grau de viscosidade. Nos motores a gasolina e turbo diesel estes óleos só deverão ser utilizados numa emergência -ver página anterior. em geral. Quando se utiliza óleo monograde SAE . Os óleos económicos segundo a norma VW 50000 possuem. segundo a norma VW 501 01 são óleos económicos com as seguintes características: -possibilidade de utilização durante todo o ano em zonas de clima moderado -excelente capacidade de purificação -eficiência de lubrificação a qualquer temperatura e nível de carga do motor -grande resistência ao envelhecimento.

c -Não pode ser feito nenhum reabastecimento de óleo. a fim de que o óleo em circulação regresse ao cárter.Quando o motor é submetido a grandes esforços. e MIN. .e inferior da zona recartilhada constituem as marcas de MAX. Verificação do nível É normal o motor consumir óleo. . como por exemplo em viagens longas por auto-estrada no Verão. as extremidades superior. por isso. O nível do 61eo deverá situar-se entre ambas as marcas. Depois de parar o motor. O consumo de óleo pode atingir 1.Ilustração da esquerda -motor de Para controlar o nível do óleo. o nível deverá situar-se o mais próximo possível qa zona (c). com reboque ou em trajectos de montanha. se tiver descido até à marca de MIN. O nível poderá situar-se depois em qualquer ponto do campo de medição.0 I aos 1000 km -ver também página 71. a intervalos regulares. Verifique. Nota Se a vareta não tiver curvaturas na zona de medição. aguardar uns minutos. Poderá ver na ilustração a localização da vareta de medição. b -Pode ser feito um reabastecimento de óleo. o carro terá de estar na posição horizontal. sem a ultrapassar. limpá-Ia com um trapo limpo e voltar a introduzi-Ia até encos- tar. o nível do óleo do motor. devendo-se proceder a um reabastecimento. Retirar então a vareta. de preferência sempre que reabastecer o depósito de combustível e antes de viagens mais longas.. Retire-a novamente e proceda â verifica- ção: a -É necessário reabastecer o óleo. O nível poderá eventualmente situar-se depois na zona (c). 44kW Ilustração da direita -todos os restantes motores. sem ultrapassar nunca a marca MAX.

por outro lado. O nível do óleo não pode nunca a zona (c). conforme o que ocorrer primeiro. ~ Em circunstância nenhuma ele ~ deve ser lançado na rede de esgotos ou na terra. Por isso. de Assistência. o óleo velho deve ser guardado em lugar seguro. Nas viaturas com catalisador o óleo pode ser queimado dentro deste. Os tipos ae óleo recomendados e respectivos graus de viscosidade figuram nas páginas 89 e 90. danificando-o. poderá sair óleo com o motor em andamento. Para mais pormenores. ro. De contrário. e ser lançado na atmosfera. controlando o nível com a vareta. Válido para todos na e diesel consultar o Plano Aditivos dos óleos do motor Não se deve acrescentar qualquer tipo de aditivo ao óleo do motor. apta a resolver a questão da eliminação do óleo velho. os intervalos para a sua mudança dependem não só da quilometragem. De outro modo. As propriedades do óleo do motor não só se vão perdendo com o uso como também pelo envelhecimento. fora do alcance das crianças. dever-se-á mudar o óleo do motor a intervalos mais curtos -ver também a página 86. passando pelo sistema de escape. Motores diesel Mudar o óleo do motor cada 7500 km ou 1 2 meses. Fechar cuidadosamente o tampão do bocal e introduzir a vareta de medição até encostar. conforme o que ocorrer primei- Atenção No reabastecimento não se pode deixar cair óleo em cima de peças quentes do motor sob o risco de incêndio. . Motores a gasolina Mudar o óleo do motor cada 15 000 km ou 1 2 meses.5 I.Reabastecimento de óleo Mudança do óleo do motor Desenroscar o tampão (8) do bocal de enchimento na tampa da cabeça do motor e meter o óleo em fracções de 0. O óleo e o filtro devem ser substituídos. Se a viatura for permanentemente utilizada em esforço. ultrapassar Atenção Até ser eliminado. poderá ser aspirado óleo pela ventilação do cárter. como também do tempo de uso. os motores a gasoli- Os danos produzidos por esses aditivos estarão excluídos da garantia. de preferência numa oficina Volkswagen que dispõe da ferramenta especial e dos conhecimentos técnicos necessários e que está.

DA CAIXA DE VELOCIDADES Mudança do óleo de velocidades mecânica com óleo de transmissões API-GL 4. Volte a retirá-Ia e veja o nível do A TF. O nível do ---'.~ no comando de semieixos nível do. SAE 75 W-90 Automático: ATF Dexron@ o motor deverá rodar em marcha lenta. extrair a vareta (ver ilustração).Q:. o nível terá de situar-se entre as duas marcas -de contrário.íqu~doJ:'TFn.. Não basta atestar o nível ou purgar o ATF! Notas .Não devem ser acrescentados -o nível do óleo. de preferência.'-_:""~ ou alta.!. r. no entanto. Para verificar. dever-se-á encarregar. limpá-Ia com um trapo limpo que não desfie e reintroduzi-la no orifício. SAE 75 . de velocidades automática Na caixa de velocidades mecânica com comando de semieixos não há necessidade de substituir o óleo. . Além disso. o nível caixa de velocidades automática ~ não é necessário verificar . OATF do automático terá.. Comando de semieixos: óleo de transG 50. uma oficina Volkswagen da mudança do A TF. até encostar. Na caixa de velocidades automática também não se substitui o óleo do comando de semieixos. com o travão de mão puxado e a alavanca selectora na posição «P». SAE 80 óleo de transmissões G 50. . . re- erros de medição.o.aut~mático em plano horizontal.---medido com o ATF à quaisquer aditivos aos lubrificantes! atinge a temperatura certa)" Com a " :_-'.O motor não deve ser posto a funcionar sem lubrificante na caixa de velocidades mecânica ou automática. dever-se-á mandar averiguar imediatamente numa oficina autorizada Volkswagen a causa da diferença do nível. a viatura só poderá ser rebocada com as rodas motrizes levantadas. Com o A TF à temperatura normal de funcionamento. de ser substituído nos intervalos previstos no Plano de Assistência. às ferramentas especiais e aos conhecimentos técnicos necessários. Devido ao problema da eliminação ~ do óleo velho.

o depósito está localizado no compartimento do motor. Nota Mesmo em caso de falha da direcção assistida.DIRECÇÃO ASSISTIDA * A direcção assistida utiliza o nosso óleo hidráulico G 002000. havendo apenas a necessidade de aplicação de mais força. O nível do óleo deverá situar-se entre as marcas «MAX» e «MIN». Se descer ao nível «MIN». A veríficação do nível só poderá efectuar-se com o motor em funcionamento e as rodas dianteiras alinhadas em frente. Não basta completar o nível. deve-se mandar verificar a direcção assistida numa oficina Volkswagen. não se perde o comando da direcção. ou com o motor parado (se a viatura for rebocada). 94 . ao lado da bateria. O nível correcto é importante para o bom funcionamento da direcção assistida.

o . poder-se-á aumentar a concentração de G 11 V8B. O nível só pode ser devidamente verificado com O motor parado. com o motor quente. A percentagem de aditivos não deverá ser nunca inferior a Verificação do nível do líquido de refrigeração O depósito de compensação está instalado no compartimento do motor. Outros aditivos podem afectar consideravelmente a eficácia da protecção anticorrosiva. de fábrica para suportar temperaturas até -35 oCo tível. Nas viaturas com controle automático do nível do líquido de refrigeração (que se reconhece pelo cabo que liga ao d~p6sito) o nível excessivamente baixo é indicado por uma intermitência permanente da luz avisadora da temperatura/nível do líquido de refrigeração (ver página 37).água e 40 % do nosso aditivo G 11 V8B (anticongelante à base de glicol com aditivos anticorrosivos).. Sob condições normais de funcionamento. Por isso. o sistema de refrigeração quase dispensa a manutenção.SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO Como aditivo do líquido de refrigeração só pode ser utilizado o nosso G 11 V8B ou um aditivo com a especificação TL-VW 774 B (atenção à inscrição na embalagem). junto do apara-gotas -ver seta na ilustração. Esse líquido consiste de. sempre que se fizer um abastecimento de combus- Com o motor frio. Esta mistura proporciona não só a necessária protecção anticongelante até -25 °C. Os danos daí resultantes poderão dar origem a perdas do líquido de refrigeração e conduzir consequentemente a graves avarias no motor.líquido deverá situar-se num nível entre as marcas MIN e MAX. As viaturas destinadas à exportação para países frios. de preferência.. Além disso. contra a corrosão. o efeito anticongelante volta a diminuir e a acção refrigerante fica afectada. . 40%. . abastecido com um líquido permanente que não precisa de ser substituído. Para o bom funcionamento do sistema é extremamente importante que o nfvel esteja correcto. à venda nas oficinas autorizadas Volkswagen. como protege também em especial as peças de liga leve do sistema de arrefecimento. O sistema de refrigeração vem já. são preparadas. Por isso se deve verificar regularmente este nível. for necessária uma maior proteçção anticongelante. em regra. não se pode reduzir a concentração do líquido de refrigeração. de fábrica. Se. mas só até 60 % (protecção até cerca de -40 °C). pois. adicionando apenas água. mesmo na época ou nos países mais quentes. esta última poderá ser ligeiramente ultrapassada. por razões climatéricas. evita a sedimentação calcária e aumenta sensivelmente o ponto de ebulição. de outro modo.

. de contrário. pelo que haverá que eliminá-Ia. . No caso de perdas maiores do líquido de re. frigeração. ter-se-á de restabelecer.se. a fim de deixar escapar a sobrepressão. ~ Este líquido não deverá ser. Neste caso o sistema deverá ser imediatamente verificado por uma oficina autorizada Volkswagen. com uma mudança curta e num regime de rotações elevadas -ver página seguinte «Ventilador do radiador». por exemplo por uma tampa do radiador. Não basta vel do líquido. observando-se as prescrições de defesa do ambiente. poderão ocorrer graves danos no motor.ou se. pois. No reabastecimento marca MAX. pois poderá queimar-se. não ultrapassar a Reabastecimento de refrigeração do líquido O líquido em excesso. rodando-o cuidadosamente uma volta para a esquerda.repor simplesmente o níSe não se detectar nenhuma fuga. é expul so pela válvula de sobrepressão que exist no tampão do sistema de refrigeração. o ponto de ebulição baixar -ver página anterior. ao aquecer. for empreendida uma subida íngreme mais extensa. assim que for possível. Cobrir depois o tampão do depósito de compensação com um trapo. desapertar totalmente o tampão. Atenção Não abrir o tampão do depósito de compensação com o motor quente. devido a uma mistura inadequada. 96 . dever-se-á contactar de imediato uma oficina autorizada Volkswagen. . a fim de evitar danos. Se não for possível detectar ou eliminar a causa do sobreaquecimento.'á registar um sobreaquecimento: . reutilizado. Poder-se. se as lâminas do radiador estiverem obstruídas por sujidade (folhas. pó. a correcta proporção da mistura com o aditivo prescrito (ver página anterior).se houver redução na admissão do ar. O sistema de refrigeração encontra-se sob pressão. . num caso de emergência.se o ventilador do radiador não funcionar -ver na página seguinte «Ventilador do radiador». só poderá haver perda de líquido por sobreaquecimento. Comece por parar o motor e deixe-o arrefecer. . entrando em ebulição e escapando-se do sistema d~vido a pressão. Depois disso. a uma fuga. repor o nível s6 depois do motor arrefecido. em primeiro lugar.Perdas de líquido Qualquer perda de líquido deverá ser atribuída. insectos) ou devido à montagem de faróis adicionais na grelha. Se. com temperaturas exteriores extremamente altas. Enroscar firmemente o tampão. s6 for possível meter água. em reW gra.

Enquanto o motor funcionar regularmente. .Ventilador do radiador O ventilador do radiador é accionado electricamente e comandado. a existência dever-se-á Ifquido corrigi-Ia de antes de suficiena e.Se o ventilador não funcionar.O número de rotações do ventilador do radiador é independente das do motbr. Não se pode. anticongelante. também pela temperatura do compartimento do motor).Iíquido de refrigeração muito alta. çar a estação 117. aumentar o efeito refrigerante do radiador. se necessário. não há necessidade de engrenar uma velocidade inferior. . através de termóstato. substituí-lo -ver página Serviço de Inverno A fim te de assegurar do fria. Notas . conseguir vencer uma subida sem grande perda de velocidade. verificar refrigeração de come- concentração se for necessário. mesmo com a temperatura do . pela t~mperatura do líquido de refrigeração (em certas versões de motor. dever-se-á verificar o fusível e. ou seja. portanto. optando por uma marcha inferior.

além de que o ponto de ebulição do líquido desce consideravelmente. Verificação do nível O nível correcto do líquido de travões é importante para um eficiente funcionamento dos travões.LíQUIDO DOS TRAVÕES É normal uma ligeira baixa do nível devido a desgaste e ao reajustamento automático das pastilhas dos travões. Substituição do líquido dos travões O líquido de travões atrai a humidade. tendo apenas uma configuração dife- rente. se registar uma baixa acentuada num curto espaço de tempo ou o nível descer abaixo da marca de «MIN». Por isso o líquido dos travões tem de ser substituído de dois em dois anos. água que extrai do ar ambiente. do lado esquerdo. no entanto. poderá haver fuga no sistema de travões. com o correr do tempo. causar danos por corrosão no sistema de travões. absorvendo. Um nível do líquido de travões excessivamente baixo é indicado pela respectiva luz avisadora no painel (ver página 39). com o tempo. devendo situar-se sempre entra as marcas de «MAX» e «MIN». Um teor de água elevado no líquido de travões poderá. o depósito do líquido dos travões encontra-se no compartimento do motor. O líquido tem de ser novo. Recorra imediatamente a uma oficina autorizada Volkswagen e mande verificar o sistema. Nos veículos com ABS* o depósito do líquido dos travões encontra-se do mesmo lado. Nota Nas viaturas com condução à direita o depósito do líquido dos travões está instalado do outro lado do compartimento do motor. Só deve ser utilizado o nosso líquido de travões original (especificação segundo a nor-1 ma americana FMVSS 116 DOT 4). Se. por isso. 98 .

BATERIA Devido ao problema da eliminação do líquido dos travões velho. Arranque com a ajuda de outra bateria -ver o capítulo «Auto-ajuda». a bateria não carece praticamente de manutenção. às fer- A bateria está instalada no compartimento do motor.O ácido da bateria é cáustico. Eventuais salpicas de ácido deverão ser imediatamente lavados com água pura -se necessário. Verificação do nível do ácido Em condições normais de serviço. pelo que se deverá evitar o seu contacto com os olhos. Com temperaturas exteriores elevadàs. contactar um médico. qu~ ma~dE!. a pele e a roupa.pro?ede~ ~ Quando se manuseia a bateria ou se realizam trabalhos na instalação eléctrica. há que atentar nas seguintes instruções ge- rais: Atenção . re- .

. Nesse caso. sas. E recomendável mandar verificar e rectificar o nível do ácido da bateria num concessionário Volkswagen. a fim de que não congele. em todo o caso. antes da estação fria. desligar os cabos de ligação à rede da viatura. voltar a ligar bateria correctamente. por isso. poderia 100 explodir. é conveniente substituí-Ia numa oficina Volkswagen. em circunstância nenhuma. . limpando as ligações e untando os terminais com massa protectora. que se verifique regularmente o nível do ácido que se deverá situar entre as marcas de MAXe MIN. assegurar-se-á não só um arranque mais eficaz do motor. porém. dem. primeiro o negativoe.. danificando-se. com cor~ rente de alta intensidade. ela perde uma parte da capacidade de arranque de que dispõe a temperaturas normais. em regra.Na recarga. bateria. Se. se necessário. amperagem. há que remover os dois cabos de ligação. a viatura não for utilizada durante várias semanas. Além disso. Para recarregar a bateria com corrente reduzida (por exemplo com um carregador pequeno) não é necessário. monte uma nova com a mesma capac' dade.comenda-se. em caso defrio intenso. como também uma maior duração da bateria. fora do . As ofi cinas autorizadas Volkswagen dispõem d baterias adequadas.Depois de recarregada. Se o nível do ácido tiver descido abaixo da marca de MIN. recarregar.o cabo de ligação à rede do carregado só poderá ser ligado depois das pinças do pólos do aparelho de carga terem sido cor rectamente ligadas aos pólos da baterié!: vermelho preto = positivo = negativo Para desmontar a bateria. depois. é necessário atestar os respectivos elementos da bateria com água destilaqa. . Recomendamos. não remover os bujões da No caso de ser necessário substituir a bat ria. r:Q:. na face longitudinal da bateria.Uma bateria descarregada pode congelar a -10°C. o positivo -ver a página ante- Substituição da bateria rior. Devem-se ter em atenção as seguintes instruções: . de contrário. com temperaturas baixas. a bateria terá de ser descongelada antes de proceder à sua recarga rápida. Deste modo. tip de construção e vedante nos bujões. ser misturadas com o lixo doméstico. Para uma recarga rápida. até que seja atingida a marca de MAX. As baterias contêm. pois. Devido ao problema da eliminação ~ da bateria velha. Recarga da bateria No Inverno Principalmente no Inverno a bateria é bastante solicitada. retirar primeiro os dois cabos de ligação (ver a página anterior) e desaparafusar depois a sua fixação. entre outras coi. de preferência numa oficina autorizada Volkswagen. ácido sulfúrico e chumbo e não po. Dever-se-ão. . observar as instruções do fabricantB do carregador de baterias. Atenção A bateria deverá ser guardada alcance das criancas. isto é. é preferível desmontar a bateria e guardá-Ia num lugar abrigado do frio. voltagem (12 Volt). que a mande verificar e.

Na ilustração está representado o depósito nas viaturas com lava-faróis. de 7 litros. Mesmo que os bicos ejectores do esguicho sejam aquecidos*. recorra a uma oficina autorizada Volkswagen.LAVA-PARABRISAS Reabastecimento do depósito Remover o tampão do depósito e enchê-I o até ao rebordo. . Recomendamos que acrescente à água um produto para limpeza dos vidros (com protecção anticongelante no Inverno). O esguicho do vidro traseiro deverá incidir sobre o centro da zona abrangida pela esco- va. Com o carro parado. pois só a água não é. Regulação dos ejectores Nota No caso de alguma vez se não dispor dê produto limpa-vidros. os esguichos deverão ser projectados sobre o parabrisas. O lava-vidro traseiro é abastecido através do depósito no compartimento do motor. vê na ilustração. dever-se-á acrescentar no Inverno um produto de limpeza com anticongelante. Recolocar depois o tampão e verificar o funcionamento do lava-vidros. o depósito do lava-parabrisas encontra-se no lado esquerdo do compartimento do motor e tem uma capacidade aproximada de 4 litros e. Os ejectores do lava-faróis* s6 podem ser ajustados com uma ferramenta especial. Não misturar nunca anticongelante do radiador ou outros aditivos. em geral. nas viaturas com lava-faróiS* . Se for necessária uma correcção. conforme se. suficiente para limpar rápida e eficazmente os vidros e os faróis. com a ignição ligada. poder-se-á utilizar também álcool. A posição dos ejectores pode ser corrigida por meio duma agulha.

Retirar a cobertura à frente. comprimin-' do-a para cima. . . as escovas do limpa-vidros devem ser substituídas uma ou duas vezes por ano.Remover por cima o vedante de borracha na parede de separação do compartimento do motor até ao meio do veículo. por exemplo com insectos.Comprimir as patilhas de mola do elemento filtrante e extrair o filtro por cima. . Quando estiverem muito sujas. Na montagem da escova do limpa-parabrisas com palheta deflectora do ar integrada há que ter o cuidado de apontar' a paIheta para baixo. . Para evitar a formação de estrias. Por razões de segurança. por baixo duma ser substituído uma vez . é conveniente limpar regularmente as escovas com um produto limpa-vidros. podendo ser adquiridas num concessionârio Volkswagen.Soltar os três parafusos de plástico e removê-los juntamente com o arco de fixa- ção. Fixação da escova É necessário ouvir o encaixe da mola de segurança no respectivo braço. 102 .Levantar o braço do limpa-vidros e colocar a escova na horizontal.Apertar a mo\a de segurança (seta A) e comprimir simultaneamente a escova na direcção do vidro (seta B). poder-se-â utilizar na sua limpeza uma esponja ou pano macios. o filtro do ar fresco mento e ventilação direito da caixa de tampa.ESCOVAS DOS LIMPA-VIDROS FILTRO DO AR FRESCO * Para uma boa visibílidade é imprescindível que as escovas dos limpa-vidros estejam em bom estado. Substituição limpa-vidros das escovas dos Retirar a escova . O filtro deve por ano: do sistema de aqueciestá colocado do lado água.

por isso. que sem demora. numa oficina VolksProteja os pneus do contacto óleo e combustível. Com a rodagem. Os pneus sem jantes devem ser guardgdos na vertical. que se manifesta através de vibrações na direcção. Como o desequilíbrio origina também um maior desgaste da di- os protectores Se as rodas forem desmontadas. Nesta oportunidade a roda de reserva. Se houver uma grande alteração da carga útil. com gor- . máxima capacidade de aderência.conduza devagar e avance. Equilíbrio das rodas As rodas da sua viatura foram equilibradas. reajustar a pressão. porém. quer a excessiva reduzem a duração dos pneus independentemente de prejudicarem o comportamento da viatura em andamento. de t~mpos a tempos. Condução Em curvas a alta velocidade. seco e. as acelerações bruscas e as travagens violentas aumentam o desgaste dos pneus. Verificar. A fim de evitar dpnos nos pneus e nas . a pressão dos pneus é muito importante.Os pneus novos não dispõem. tanto quanto possível. escuro. tanto em ângulo recto. identia fim de que. se estiver mais alta. poluindo desnecessariamente o ambiente. Substitua imediatamente ~ válvulas extraviados. devido a diversas influências. não esquecer também ~ Umapressão dos pneus insuficien~ te faz aumentar o consumo do combustível. 103 . A pressão dos pneus deve. Quer a pressão insuficiente. nos primeiros 1 00 km se deve a uma velocidade moderada e necessária precaução.As rodas e pneus desmontados devem ser guardados em lugar fresco. Não reduza a pressão dum pneu quente.Na roda de emergência o valor da pressão vem indicado no flan~ do pneu. Em especial a altas velocidades. Os valores da pressão correcta figuram na página 145 e no autocolante afixado no interior da tampa do depósito -ver página 76. ser verificada pelo menos uma vez por mês e antes duma viagem mais longa. poder-se-á registar. . Proceda à verificação com os pneus frios. o que se retambém positivamente na longevi- .Na roda de reserva com pneu normal observar sempre o valor de pressão mais alto previsto para a viatura. os pneus papos) e remover os corpos estraque se tenham introduzido no perfil. quando voltarem a seja conservado o anterior de marcha. um desequilíbrio.quando subir o rebordo dum paspassar por cima de qualquer obs. de início. Duração dos pneus A duração dos pneus depende essencialmente dos seguintes factores: Pressão dos pneus dos pneus.

Indicadores de desgaste Nota Quando a profundidade do perfil for d 1 .6 mm. Estes indicadores de desgaste estão dispostos em 6 ou 8 grupos. 104 . Desalinhamento das rodas O desalinhamento das rodas provoca não só um maior desgaste. deverá. colocados no fundo do perfil e transversalmente em relação ao sentido da marcha -ver ilustr~ão. a intervalos regulares. também depois de montar o pneu novo ou reparado. Além disso. é conveniente equilibrar a respectiva roda. dos pneus como prejudica também a segurança de rodagem. conforme o fabricante. medida nas estrias do perfil junt dos indicadores de desgaste. em torno do pneu. da suspensão e dos pneus. ter-se-á ati gido o perfil mínimo prescrito por lei (est valor poderá variar noutros países). A localização dos indicadores de desgaste é assinalada por certas marcas no flanco dos pneus (por exemplo as letras «TWI» ou triângulos). deve-se mandar equilibrar as rodas de novo.recção. Em caso de desgaste anormal dos pneus. Se o pneu deixar de apresentar pontos. Os pneus originais da sua viatura têm «indicadores de desgaste» com 1. por isso. recorrer a uma oficina Volkswagen.6mmdealtura. deverá ser substituído perfil nestes sem demo- ra. muitas vezes unilateral.

A montagem e reparação de pneus requer conhecimentos especiais.Não utilizar nunca pneus usados. .Só deverão ser utilizados nas 4 rodas pneus radiais do mesmo tipo de construção. devendo ser. contacte 0:___0. contribuindo. pelo menos. muitas delas po~uem uma interessante gama de oferta de pneusejanteso . procurando substituir. só pode ser utilizada por pouco tempo e adoptando uma condução cautelosa.Por razões de segurança.Se a roda de reserva for duma versão diferente das que estão montadas (por exemplo pneus de Inverno ou pneus largos). houver um maior desgaste visível frente. Desse a mesmaduração. assim. é conveniente encarregar uma oficina Volkswagen da substituição dos pneus. ambos os pneus do mesmo eixo. pela roda normal. .. os pneus e jantes por nós aprovados adaptam-se exactamente ao respectivo modelo de viatura. r:Q. ~~~~~t?_S ~~~i~__d~~ ~es~a~te.u~ma. no ~sq.Volkswageno uma oficina 105 . Além disso. evitar a substituição individual dos pneus. recomenda-se uma trás com os da frente. . à ferramenta especial e aos conhecimentos técnicos necessários. cujos antecedentes se desconhecem. por isso. Deverá ser substituída.Substituição de rodas/pneus Os pneus e as jantes são elementos de construção importantes. dimensão e preferentemente com o mesmo desenho do piso.~popormenores. exclusivamente executadas por um técnico especializado. para a sua estabilidade na e?tradae comportamento seguro. fundamentalmente. . o mais rapidamente possível. Os pneus com maior profundidade de perfil deverão ser sempre montados à frente. Por isso. Devido ao problema da eliminação ~ dos pneus velhos.

A identificação da referência do pneu e seu significado facilitam uma escolha correct8. Os pneus radiais têm a seguinte inscrição nos flancos:

No caso de se pretender equipar posteriormente o carro com pneus e jantes diferentes dos montados de fábrica, dever-se-á ter em atenção o seguinte:

A data de fabrico está também indicada no flanco do pneu (eventualmente no lado interior da roda): DOT ...122... significa que o pneu foi produzido na 1 28 semana de

Os concessionários Volkswagen estão i~ formados sobre as possibilidades técnic~ relacionadas com a mudança de pneus ~ jantes e sua montagem posterior. ;

1992.
Atenção Os pneus com mais de 6 anos só deverão ser utilizados em caso de emergência e tomando as devidas precauções na condução.

106

INSTRUÇÕES

DE SERViÇO

J Pneus de Inverno
i Em condições de Inverno rigoroso. o uso de l pneus de Inverno melhora as qualidades de I condução do seu carro. Isto aplica-se especialmente a viaturas equipadas com pneus largos ou de alta velocidade (com referência H ou V na identificação no flanco do pneu). Graças ao seu tipo de construção (largura. mistura de borracha, configuração do perfil etc.) são menos antiderrapantes no gelo e na neve. Ao montar pneus de Inverno deverá atentar no seguinte: i .Escolha só pneus de Inverno radiais. As ! dimensões recomendadas pela fábrica figuram na página 144. .Para obter o melhor comportamento possível da viatura. terá de equipar as 4 rodas com pneus de Inverno. .A pressão dos pneus de Inverno deverá ser 0.2 bar superior à dos pneus de Verãover «Dados técnicos», página 145. .Os pneus de Inverno perdem grande parte das suas qualidades quando o perfil se red(Jziu a 4 mm.

Limitação de velocidade pneus de Inverno: Referência O: Referência T: Referência H:

válida

para os

Correntes

para a neve

máx. 160 km/h máx. 190 km/h máx. 210 km/h

Podem ser montadas correntes para a neve nos pneus de todas as dimensões constantes da página 144 Estas correntes só podem das nas rodas dianteiras. ser monta-

Na Alemanha tem de se apor um autocolante com essa chamada de atenção no campo visual do condutor. nas viaturas que podem ultrapassar esses limites de veloGidade. Esses autocolantes podem ser adquiridos nas oficinas autorizadas Volkswagen. Ter em atenção eventuais prescrições legais a este respeito. em vigor no seu país. .Em vez de pneus de Inverno podem utilizar-se também pneus «para todo o temPO». .No caso de avaria dum pneu devem-se observar as instruções da página 113 sobre a utilização da roda de reserva.

Por razões de ordem técnica, não é permitido o uso de correntes para a neve na roda de emergência de dimensões reduzidas. Para mais pormenores, ver a página 113. Usar apenas correntes de elos finos que não sobressaiam mais do que 1 5 mm (incluindo o fecho). Quando se utilizam correntes para a neve, devem-se remover os tampões e os aros decorativos das jantes. Por razões de segurança os parafusos das rodas deverão ser tapados, nesse caso, com protectores que podem ser adquiridos nos concessionários Volkswagen. Em trajectos sem neve, remova as correntes, pois, nesse caso, afectarão o comportamento da viatura, danificando os pneus e destruindo-se rapidamente. Na Alemanha a velocidade máxima permitida, com correntes de neve montadas, é de 50 km/h.

-./-'

.Não deixar os pneus de Inverno montados mais tempo do que o necessário. pois. numa estrada sem neve e sem gelo. os pneus de verão têm melhores propriedades

de condução.
".Gl, Também no interesse da defesa do ~ ambiente se devem montar os pneus de Verão atempadamente, pois normalmente os ruídos de rolamento reduzem-se, o desgaste é menor e o consumo de combustível mais modera-

do.

CONDiÇÕES

DE UTILIZAÇÃO

ADVERSAS Viagens ao estrangeiro
.Quando se deslocar a um país onde a circulação se faz pelo Igdo oposto ao do seu próprio país, deverá tapar os sectores em forma de cunha dos vidros dos faróis -ver página 126.

A construção e o equipamento do carro foram concebidos para condições normais de utilização. O mesmo sucede em relação à frequência e ao volume de trabalhos de manutenção previstos no Plano de Assistên-

Quando viajar no estrangeiro deverá ter em consideração o seguinte: .Nas viaturas com catalisador assegure-se da disponibilidade de gasolina sem chumbo ao longo de todo o percurso da viagem -ver também a página 78. Os clubes automobilísticos fornecem informações sobre a rede de abastecimento com este tipo de gasolina. .Embora existam em todo o mundo mais de 10000 postos de assistência Volkswagen, em certos países o serviço deap6s-venda é ainda limitado ou até mesmo inexistente. .Em certos países poderá acontecer também que o modelo do seu carro não seja comercializado, não se dispondo. por isso, de certas peças de reposição ou o pessoal técnico dos concessionários Volkswagen s6 poder executar algu~s reparações com restrições. Os centros regionais Volkswagen na Alemanha e os importadores dos respectivos países dar-lhe-ão todas as informações necessárias sobre os preparativos técnicos a que tiver de submeter a sua viatura, e bem assim sobre a manutenção de que precisar e as possibilidades de reparação de que poderá dispor. Os endereços estão indicados no livro de bordo.

cia.
Se a viatura for' submetida a condições de utilização adversas (por exemplo condução com reboque, temperaturas exteriores extremamente altas ou baixas, zonas com grande formação de poeiras, má qualidade do combustível etc.), poderão ser necessários determinados preparativos técnicos, como por exemplo a utilização de óleos com a adequada viscosidade, a montagem dum filtro do ar especialmente eficaz, alteração do ponto da ignição, etc. Além disso, a manutenção deverá ser ajustada às condições da utilização -ver também página

Viagens de férias
Antes de iniciar a viagem, preste atenção aos seguintes pormenores: .A segurança de funcionamento e da condução revestem-se duma especial importância nas viagens de férias -ver tam bém página 69. .Com a viatura e o porta-bagagens do tejadilho carregados, alteram-se as propriedades de marcha do carro. Por isso é necessário adaptar a condução às nova condições -ver mais informações sobre o modo como carregar a viatura' na págin 66. A pressão dos pneus deverá ser ajustada ao peso da carga -ver página 145. .Se se conduz com um reboque, deverá ser observada uma série de pormenores ver página 72. .Se for provável que durante as féria chegue o. momento de proceder a uma substituição do óleo ou a um Serviço d Inspecção, recomendamos que, send possível, os mande executar antes de em preender a sua viagem.

86.

Nas estradas de montanha recomenda-se que leve. . . 83. .Nas viaturas com motor diesel utilizar gasóleo de Inverno se a temperatura for inferior a O °C -ver página 80.O filtro do gasóleo deverá ser purgado antes de começar o Inverno.Como o ar para a combustão nb motor é aspirado através do emblema Volkswagen na frente da viatura.Antes de começar a estação fria. pelo que se recomenda que a mande verificar r1Uma oficina autorizada Volkswagen antes do início da estação fria. . . .Para remover a neve e o gelo dos vidros utilize uma espátula de plástico -ver página No Inverno deverá ter em consideração seguintes aspectos: . Em certas estradas o seu uso é até obrigatório -ver página 107. Este trabalho faz também parte do Serviço de Mudança do Óleo. a viatura não for utilizada durante várias semanas. Se. .o depósito do lava-parabrisas deverá conter.A viscosidade do óleo do motor deverá estar ajustada à temperatura ambiente ver página 105. no caso de frio intenso.Em condições de Inverno rigoroso deve-se recorrer à utilização de pneus de Inverno -ver páginas 107 e 144.A bateria é submetida a maiores esforços no Inverno. . no Inverno.UTILIZAÇÃO NO INVERNO os . correntes de neve no carro. um produto detergente com aditivo anticongelante. é recomendável que se desmonte a bateria -ver mais pormenores página 100. no Inverno.Especialmente no Inverno a lavagem e conservação frequentes da viatura constituem a melhor protecção contra as influências nocivas do ambiente. verifi:car a protecção anticongelante no sistema de refrigeração -ver página 95. . . há que remover o gelo e a neve que porventura se tenham ali depositado.

não é. .Antes da aquisição de acessórios e antes de se proceder a uma modificação técnica. deve-se utilizar antena exterior 110 1) Não comercializad05 de exportação. buzinas. um elevado nível de segurança activa e passiva. mais tarde. assim. Os concessionários Volkswagen executarão os trabalhos com competência ou recorrerão. graças a uma estreita colaboração connosco. assim. Por razões de ordem física. a uma firma especializada.Os consumidores adicionalmente ligados. a prestar-lhe a devida assistência.Os acessórios por nós aprovados e as peças originais Volkswagen podem ser adquiridos num concessionário Volkswagen que poderá naturalmente encarregar-se também da sua respectiva montagem. em plena emissão. deverão ser observadas as nossas directrizes. Para que a situação seja preservada. . Por estas razões e para não limitar o raio veíCU_ da- de acção dos tel~móveis. Assegurar-se-á. dever-se-á observar as seguintes instruções: . A Nota energia de emissão de alta cia irradiada no carro poderá causar frequên- nos no sistema electrónico do 10. permitido introduzir-lhe modificações arbitrárias. energia de alta frequência. . sendo reflectida no interior. em todos os mercados especial. em termos de compatibilidade electromagnética. for necessário substituir peças.e aço. a segurança do funcionamento seja preservada e as transformações sejam legalmente permitidas. porém. em casos especiais.ACESSÓRIOS. têm de corresponder. por exemplo caixa frigorífica. De contrário. Estes aparelhos irradiam. proporcionando.No c~ de se proceder a qualquer modificação técnica. etc. esta energia não consegue praticamente ultrapassar a carroça ria de chapa d. Se a viatura for posteriormente equipada com acessórios. especialmente habilitado. dever-se-á consultar sempre um concessionário Volkswagen. à norma DIN VDE 40 839. ventiladores. poderão registar-se deficiências de funcionamento no veículo. MODIFICACÕES E SUBSTITUiÇÃO DE PEÇAS o Golf é construído segundo as mais recentes descobertas de técnica da segurança. que a viatura não seja'danificada. . uma . TELEMÓVEIS RECEPTORES E EMISSORES/ Os telemóveis e os emissores-receptores não podem ser operados do interior do carro sem antena exterior separada. submetida a modificações técnicas ou ainda se.

. no suporte do lado esquerdo da mala. uma caixa de primeiros socorros e um triângulo de pré-sinalização.CAIXA DE PRIMEIROS SOCORROS/ TRIÂNGULO DE PRÉ-SINAlIZAÇÃO Na versão da ilustração é possível guardar. fixados por meio dum elástico. Nota A caixa de primeiros socorros e o triângulo de pré-sinalização não são fornecidos com o equipamento do carro.

No motor de 6 cilindros existe na vareta de suporte da tampa do motor um dispositivo para remover e instalar os terminais das ve- Ias. dever-se-á recolher totalmente a garra. A ferramenta é guardada dentro do disco da roda. Existem instruções dentro dum envoltório de tecido. por baixo da ferramenta. 1 -Caixa da ferramenta 2 -Gancho metálico* para os tampões das rodas 3 -Argola de reboque 4 -Chave de bocas 10 x 1 3 5 -Manivela articulada do macaco 6 -Chave de fendas de haste intercambiál vel. por baixo do revestimento do piso da mala. sobre a formacorrecta de arrumar a rótula. com sextavado interior no punho. na mala do carro. 7 -Chave de rodas (também com punhd extensível*) 8 -Macaco Antes de recolocar o macaco dentro da caixa da ferramenta. esta é guardada num invólucro de espuma. fixada por meio dum elástico.FERRAMENTAS DO CARRO A ferramenta do carro e a roda de reserva encontram-se dentro duma concavidade. Nos veículos com dispositivo de engate de reboque* com rótula amovível. Nestes veículos a ferramenta e a rótula são fix~dos por meio dum cinto elástico com fivela. 12 .

ter-se-á de montar a roda de emergência no eixo traseiro. se houver necessidade de montar correntes para a neve. . devendo esta cifrar-se em 4. 1) Em certos países e em certas versões da viatura poderá ser fornecida uma roda de reseNa de dimensões normais em vez da de emergência.RODA DE RESERVA Para utilizar a roda de emergência de dimensões reduzidas deverá observar as seguintes indicações: . passando para a frente a roda dali retirada. 10go que possa. a fim de garantir a sua operacioflalidade em qualquer momento. . dever-se-á substituí-Ia.A roda destina-se a ser utilizada apenas transitoriamente e por pouco tempo. .Não conduzir a mais de 80 km/h! Evite as acelerações a fundo. tal como não se devem utilizar rodas de emergência pertencentes a outros modelos. não é permitida a utilização de correntes para a neve em rodas de emergência. devem-se obseNar as instruções da página 105. Por isso. Verifique. verificar a pressão logo que possível.A roda de emergência é mais pequena de que anormal.Por razões de ordem técnica. A roda encontra-se numa concavidade por baixo do revestimento do fundo da mala. por isso. a pressão dos pneus. trocadas ou utilizadas em modelos diferentes. por isso. No caso de avaria dum pneu da frente. á altura livre ao solo do respectivo eixo em 30 mm.. Em caso de utilização desta roda de reserva. de preferência já com a corrente montada. Para evitar danos nas peças bà~as da viatura não passe por cima de obstáculos ou buracos da estrada. as travagens violentas e as curvas a alta velocidade! o carro dispõe de uma roda de emergência 1) de dimensões reduzidas que ocupa menos espaço na mala e é bastante mais leve do que a roda de reserva normal. diminuindo. chão.Na jante duma roda de emergência não se podem montar pneus normais ou de In- verno. . Asua pressão (4. Também se deverá evitar. . a lavagem automática -as peças baixas poderão roçar no .2 bar. nesta altura.Não monte nunca simultaneamente mais do que uma roda de emergência. logo qu~ seja possível.As rodas de emergência para cada um dos modelos do Golf foram desenvolvidas especificamente para essa versão. .Depois de montada a roda de emergência. . fixada por meio de uma porca de plástico.2 bar) deverá ser controlada regularmente. pela roda normal. Nãopodem ser.

Em todas as versões de jantes de aço os protectores e a cobertura central preta duma versão de jante de liga leve são removidos com a chave de rodas e o gancho metálico (do jogo de ferramentas).Introduzir. . colocar um calço na roda oposta. 14 . . a chave de rodas sobre o parafuso da roda. do fluxo do trânsito. à midade segurando-se viatura para não perder o equilíbrio. .Afastar o carro. Se for necessário. até encostar. poderá ten" tar soltá-lo.Retirar a ferramenta do carro e a roda de reserva da mala.SUBSTITUiÇÃO DUMA RODA . utilizando uma pedra ou outro material adequado. com o pé na extre" . o mais possível. conforme se vê na ilustração. . e rodá-Ia para a esquerda. introduzir o gancho metálico no par de furos (no rebordo do emblema VW) ou no rebordo do próprio protector. Se a viatura se encontrar num plano inclinado. procurando segurar a chave pela sua extremidade. Na chave de rodas com punho extensível* pode-se utilizar a extensão para aliviar os parafusos das rodas. da carregando chave de rodas.Mandar sair todos os ocupantes que deverão manter-se fora da zona de perigo (por exemplo atrás da berma). . Meter a chave de rodas através do gancho e remover o protector com movimento de alavanca -ver ilustração da esquerda. Conforme a versão do protector. Se o parafuso estiver calcinado. Aliviar os parafusos cerca de uma volta.Remover das rodas: os protectores dos parafusos Há outras versões de jantes de liga leve com protectores que se removem com <3haste achatada da chave dwendas (do jogo de ferramentas). ligar as luzes de emergência e montar o triângulo de pré-sinalização -observar as prescrições legais.Puxar com firmeza o travão de mão.

na longarina. ao levantar o carro.Colocar -À o macaco na viatura: frente e atrás. à justa. debaixo do carro. introduza uma base de apoio por baixo de pé do macaco. . Esses rebaixes ficam a uma distância de 17 cm à frente e 25 cm atrás da respectiva cava da roda. Se o macaco não for colocado nestes pontos. -Se o piso for mole.Introduzir a manivela do macaco no manfpulo em T e levantar o carro até que a roda a substituir deixe de tocar no solo. o macaco não resvale -ver ilustração ao centro. -Rodando o manípulo em T no veio roscado.. existem rebaixes onde o macaco pode ser aplicado -ver setas na ilustração da esquerda. levantar a garra do macaco. -Ajustar bem o macaco e subir mais a garra -' ver ilustração da direita. poderão registar-se danos na viatura. . até este caber. a fim de que. -A garra do macaco terá de env(:j!yer o perfil vertical da longarina.

o binário de aparto dos parafusos com uma chave dinamométrica.Colocar a roda de reserva e apertar ligeiramente todos os parafusos com a ajuda do sextavado interior no punho da chave de fendas. em cruz. a fim de voltar Ia ser montada em vez da roda de emergên. Voltar a montar também' neste caso. Até lá. apenas a uma velocidade moderada.No caso de se utilizar a roda de emergência de dimensões reduzidas ou uma roda de reserva diferente das que estão montadas.Após a substituição duma roda dever-se-á proceder da seguinte forma: -Verificar imediatamente a pressão pneu de reserva montado. voltar a colocar o tampão e os protectores. os protectores e o tampão. por medida de precaução..Nas viaturas com roda de reserva normal.Depois de aliviados. e remover a roda. . . 116 . . cia. desapertar os parafusos das rodas com a ajuda do sextavado interior no punho da chave de fendas e co10cá-los sobre uma superfície limpa (tampão do cubo. do . -Mandar verificar. papel). logo que possível. Com jantes de liga leve ou de aço e também na roda de emergência o binário é de 110 Nm. Na chave de rodas com punho extensível* não se pode puxar a extensão para apertar os parafusos das rodas! . provisória. ao lado do macaco..Colocar a roda avariada no lugar da roda de reserva e fixá-Ia com a porca de orelhas. conduzir.A roda avariada deverá ser reparada tão depressa quanto possível. Se. pano. devem-se observar as instruções das páginas 105 e 11 3. se verificar que os parafusos têm corrosão ou estão perros. dever-se-á substituí-los antes de verificar o binário de aperto.Baixar o carro e apertar os parafusos firmemente. Notas . Os parafusos têm de estar limpos e leves -em circunstância nenhuma devem ser oleados ou lubrificados! . na substituição da roda.

para baixo.Extrair o respectivo fusível. «reparar» um fusível fundido. .Com base na tabela de fusíveis (ver a página seguinte). até ficar bem encaixada. . . . Convém ter sempre alguns fusíveis de reserva que podem ser adquiridos num concessionário Volkswagen. .Desligar de fusíveis afectado. A central eléctrica com os relés e os fusíveis encontra-se à frente. por uma oficina autorizada Volkswagen.Substituir o fusível queimado -que se reconhece pela tira de metal fundida -por um fusível novo com a mesma amperagemo .Se um fusível substituído voltar a fundir-se ao fim de pouco tempo. pois poderá originar avarias mais graves noutros pontos da insta1ação eléctrica. . quanto antes.FusívEIS Notas . no revestimento e levantar a cobertura ã frente para cima. atrás duma cobertura. o consumidor . Substituição por meio de fusíveis.Introduzir as quatro saliências de fixação. . atrás.Alguns dos consumidores mencionados equipam apenas determinadas versões dos modelos ou são equipamentos extra. a instalação eléctrica deverá ser inspeccionada. na zona dos pés. determinar qual Ó que pertence ao consumidor que deixou de funcionar. premindo os dois botões e puxando a cobertura ã frente. em caso nenhum.Não tente.Remover a cobertura.

. ejectores aquecidos. da velocidade.. 22-Rádio indicador fecho centralizado. constante. 9 -Aquecimento aquecimento do vidro traseiro. . do travão.... (contactos do e regulador 30 50 velocidade dos 21 pedais através e da relógio.15 6 -Ventilador. 13 -Buzina. .dos automático do ar elevadores seis avisadoras.. uma vez eliminada a sobrecarga (por exemplo imobilização dos vidros pela formação de gelo). lado direito 10 8 -Luz traseira e de presença Fusível Fusível principal condicionado.. dos retrovisores 10 20 luz traseira -Luz embraiagem) interior 10 15 10 isqueiro. . ao fim de alguns segundos. 10 2 -Médios. N° Consumidor A') N° Consumidor. regulação do alcance dos faróis. controle de máximos. 15 eléctricade 10 20 da 1 9 -Ventilador sonda lambda do radiador.a. 118 15 A') . 11 -Máximos. lava-vidro traseiro. aquecimento dos bancos. ar condicionado.10 3 -Iluminação dos instrumentos e da chapa da matrícula.. regulação eléctrica do retrovisor exterior. tecto de correr/abrir 15 5 -Limpa/lava-parabrisas. 10Faróis de nevoeiro. lado esquerdo. . cilindros) 10 eléctricos Reboque -positivo dos vidros. lado esquerdo.n. no apara2 gotas por cima do servo-freio: 1 ~:~~~) ~. motor. volta a ligar-se automaticamente.por Fusível 1 -Médios. ventilador do radiador (ligação retardada) 14 -Farolins de marcha atrás. .e. Cor de identificação dos fusíveis: amperes amperes amperes amperes amperes 20 -Luzes ar condicionado. . exteriores.no compartimento do motor. travão da mala. esquerda.d~scê~~i. ') Ampere 2) Este fusível s6 deverá ser substituído por um~ oficina autorizada Volkswagen. direcção do combustível..Disposição dos fusíveis (da esquerda para a direita) Fusíveis adicionais (em porta-fusíveis cima do do relé relé dos do separados) relés: motor do do ABS ABS .. Thermotronic. Jado direito. 1 187 -Bomba -Indicadores luz do porta-cassetes.30 7 -Luz traseira e de presença. multifuncional castanho claro: vermelho: azul: amarelo: verde: 5 10 15 20 30 de nevoeiro. . lado esquerdo.. 1O 4 -Limpa-vidro traseiro. do . regulação do alcance dos faróis. lado direito. 1 5 -Sistema bomba líquido 16 -Luzes de electrónico de de ligação refrigeração luz do retardada (motor do porta. direita. regulador 15 Fusíveis 10 10 10 automáticos Todos os elevadores eléctricos dos vidros estão ligados a um fusível automático (ver coluna da direita} comum que. 1 2 -Máximos. -luvas. pr~~inc~.

I Uma lâmpada s6 pode ser substituída por outra de tipo igual. 119 . Comprimir. as duas patilhas para baixo e retirar a cobertura por trás. . no mínimo. antes de substituir a lâmpada. condensando-se na superfície do reflector. . .Rodar a tampa de cobertura do farol no sentido da seta e removê-Ia. incluindo. embaciando-o.DE LÂMPADAS uma lâmpada. para esse efeito. 'Aconselhamos a que traga sempre no carro iuma caixinha com lâmpadas de reserva /que poderá comprar nos concessionários Volkswagen -. A substituição da lâmpada deve ser efectuada nestes veículos conforme descrito sob a rubrica «Faróis de nevoeiro». desligue primeiro o respectivo consumipegue no vidro da lâmpada directa-as impressões digitais evaporariam por efeito do calor da lâmpada. as sejguintes lâmpadas que são importantes para Ia segurança no trânsito: Lâmpada do farol principal .Retirar a ficha do cabo da lâmpada do fa- rol. A designação figura no Icasquilho ou no bolbo de vidro.Abrir a tampa do motor.Nos veículos com faróis de máximos separados* é necessário remover a cobertura comum dos faróis principais e de máximos.

. encaixando as duas patilhas.Tirar a lâmpada e introduzir uma nova. deve ficar em cima. .Abrir a tampa do motor. no sentido da seta e virá-Ia para trás. . rodá-Ia para a esquerda e retirá-Ia. com moVí mento de alavanca. de forma a que. em cima. .Com a haste achatada da chave de fe~ das (da ferramenta do carro) extrair a gua~ nlção de cobertura pela frente. 120 . . a marca TOP fique em cima.Montar a tampa de cobertura -ver a substituição da lâmpada do farol principal. das três que a ficha tem na base da lâmpada. .Colocar a mola de arame sobre a base da lâmpada e comprimi-Ia para a frente. até encaixar.. verificar o alinhamento dos faróis -ver também página 125. Luz de presença . de modo a que a saliência de fixação no prato fique encaixada no recorte do reflector. .Colocar uma lâmpada nova. depois de rodar para a direita.Introduzir o suporte com a lâmpada no reflector.Introduzir a ficha do cabo.Depois de substituída a lâmpada do farol principal. . Nos veículos com faróis de máximos separados introduzir a cobertura em baixo.Colocar a tampa de cobertura. .Pressionando a lâmpada fundida dentro do suporte. nas ilhós. . o suporte da lâmpada do reflec- Faróis de nevoeiro * . A lingueta central. .Remover a tampa de cobertura do farol -ver a substituição da lâmpada do farol principal.Extrair tor.Comprimir a mola de arame para baixo.

Premindo a mola. Colocar uma lâmpada nova.Introduzir a ficha de cabo da lâmpada na união de cabos. . . da união de cabos. de forma a que as saliências de fixação do reflector encaixem nos respectivos recortes do prato da lâm- pela frente.Colocar a mola de arame sbbre o prato da lâmpada. 121 . dos faróis -ver pada. .Retirar a ficha do cabo (A) da lâmpada. no suporte.Desenganchar a mola de arame (8) do suporte da lâmpada (setas) e rebatê-Ia. . rodan" do-a para a esquerda. --~ os fa- . .Retirar a lâmpada de halogéneo.Introduzir a guarnição çje cobertura pelo lado de fbra. . .Verificar o alinhamento também página 125. A união de cabos fica do lado direito.Recolocar a tampa e rodá-Ia para a direita.Fixar o farol com os dois parafusos. .Substituir a haste da chave de fendas.-.Remover a tampa de cobertura. . virando-a depois para o centro do veículo. . encaixando-a. encaixá-Ia nas saliências de fixação.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful