Você está na página 1de 2

COMPARAÇÃO ENTRE AS LIGAS DE AÇO INOX ASTM F138 E ASTM A276-10 (316L)

Cecília Amélia de Carvalho Zavaglia- Professora Titular, Faculdade de Engenharia Mecânica , UNICAMP

Gianfranco Della Vittoria – Mestrando em Engenharia Mecânica , UNICAMP

Campinas, 25 de Novembro de 2011.

   

ASTM A276-10

ITEM

ASTM F138-08

(316L)

LIMITE DE ESCOAMENTO (MPa)

690

Mínimo

205

Mínimo

LIMITE DE RESISTÊNCIA À TRAÇÃO (MPa)

860

Mínimo

515

Mínimo

ALONGAMENTO

   

(%)

12 Mínimo

30 Mínimo

CARBONO (C)

0,030 máx

 

0,030

MANGANÊS (Mn)

2,000 máx

 

2,000

FÓSFORO (P)

0,025 máx

 

0,045

ENXOFRE (S)

0,010 máx

 

0,030

SILÍCIO (Si)

0,750 máx

 

1,000

CROMO (Cr)

17,000 a 19,000

16,000 a 18,000

NÍQUEL (Ni)

13,000 a 15,000

10,000 a 14,000

MOLIBDÊNIO (Mo)

2,250 a 3,000

2,000 a 3,000

NITROGÊNIO (N)

0,100 máx

 

COBRE (Cu)

0,500 máx

NÃO APLICÁVEL

FERRO (Fe)

Balanço

TAMANHO DE GRÃO

Nº 5 OU MAIS FINO

 

Considerações:

1)

O Enxofre prejudica a resistência à corrosão, ou seja, quanto mais enxofre, mais sensitizado a liga de aço inox será;

2) Os aços inoxidáveis austeníticos quando submetidos a operações a elevadas temperaturas podem sofrer o fenômeno da sensitização, que consiste na precipitação de carbonetos ricos em Cromo nos contornos de grão, enquanto que as regiões adjacentes se tornam empobrecidas de Cromo (LIMA et al, 2002);

3)

4)

5)

A liga de aço inox 316L não passa no teste de corrosão / resistência, estabelecido no item 7.1.1 da Norma ASTM F138-08:

%Cr + 3,3%Mo 26,0

A liga de aço inox 316L é utilizada preferencialmente em implantes temporários (SOKEI et al, 2009);

Não se recomenda o uso da liga 316L em implantes ortopédicos permanentes, por ser uma liga de características inferiores à liga F138.

Referencias Bibliográficas:

1) Norma ASTM F138-08 - STANDARD SPECIFICATION FOR WROUGHT 18CHROMIUM-14NICKEL-2,5MOLYBDENUM STAINLESS STEEL BAR AND WIRE FOR SURGICAL IMPLANTS – 01/05/2008 – REVISÃO 8;

2) SOKEI et al, ANÁLISE DAS PARTÍCULAS DE SEGUNDA FASE NO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO DE ALTO NITROGÊNIO ISO 5832-9 – VII Seminário Brasileiro do Aço Inoxidável, 23 a 25 de Novembro de 2.004, São Paulo – SP;

3) LIMA et al, ASPECTOS DA CORROSÃO INTERGRANULAR DOS AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS AISI 304L, AISI 316L, AISI 321 E AISI 347, USADOS EM REFINARIAS – 6° COTEQ Conferência Sobre Tecnologia de Equipam entos, 22° CONBRASCORR – Congresso Brasileiro de Corrosão, 19 a 21 de Agosto de 2002, Salvador – BA.