Você está na página 1de 17

Mapas dos Limites Legais das ALP’s da Ilha de Santa Catarina

Agosto / 2005
PROGRAMA CELESC DE PESQUISA & DESENVOLVIMENTO
PERÍODO DE EXECUÇÃO: 2003-2004

METODOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO DE LIMITES DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL DA ILHA DE SANTA CATARINA: uma contribuição à gestão ambiental
COORDENADOR DA PESQUISA: Professora Dra. Dora Maria Orth Grupo de Pesquisa Gestão do Espaço/ECV/UFSC GERENTE DO PROJETO: Eng. Jackson da Silva /DVGC/DPEP/CELESC

EXECUTOR: GRUPO DE PESQUISA GESTÃO DO ESPAÇO - GRUPO GE ECV - CTC - UFSC

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - UFSC CENTRO TECNOLÓGICO - CTC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - ECV

CENTRAIS ELÉTRICAS DE SANTA CATARINA S.A. - CELESC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA E PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO - DPED DIVISÃO DE GEOPROCESSAMENTO E CADASTRO - DVGC

15 ÍNDICE . FONTES DE DADOS E INFORMAÇÕES 6.Documentos e Métodos Usados na Geração dos Limites Legais das ALP´s da Ilha de SC 3.1.ALP's da Ilha de SC.3.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS Pág.1.MAPAS DOS LIMITES LEGAIS DAS ALP’s DA ILHA DE SANTA CATARINA 01.3. 14 02. AVALIAÇÃO DA BASE CARTOGRÁFICA 4.1.2. ESTIMATIVA DE EXATIDÃO DOS LIMITES DAS ALP's DA ILHA SC QUADRO VI .1.Descrição das estimativas de exatidão das ALP's da Ilha SC Pág. 02 FOLHA II FOLHA 01 FOLHA 02 03. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 6. PRODUTOS GERADOS Pág.2.Relação dos Mapas dos Limites Legais das ALP's da Ilha de SC Pág.Rio Vermelho Pág.UCAD Parque da Luz Parque Estadual Henrique Berenhauser -.Tipos de ALP's Existentes na Ilha de SC QUADRO V .2. OBJETIVOS 2.Documentação Legal Referente às ALP's da Ilha de SC 3. 10 06. em março/2005 Pág .2. APRESENTAÇÃO DO CONJUNTO DE MAPAS Quadro I . IDENTIFICAÇÃO 2. ALP's DA ILHA DE SANTA CATARINA a) Identificação dos ecossistemas b) Resumo da legislação incidente sobre ALP’s c) Classificação das ALP’s da Ilha de SC QUADRO IV . AQUISIÇÃO DE DOCUMENTOS a) Documentos legais b) Documentos cartográficos QUADRO II . PESQUISA P & D DA CELESC 2.03 FOLHA 03 FOLHA 04 FOLHA 05 FOLHA 06 FOLHA 07 FOLHA 08 FOLHA 09 FOLHA 10 FOLHA 11 FOLHA 12 FOLHA 13 FOLHA 14 FOLHA 15 FOLHA 16 FOLHA 17 FOLHA 18 FOLHA 19 04.Saco Grande Parque Municipal da Galheta Dunas da Lagoa da Conceição Parque Municipal da Lagoa doPeri Parque Municipal da Lagoinha do Leste / Dunas do Pântano do Sul Parque Municipal do Maciço da Costeira Parque do Manguezal do Itacorubi / Parque Ecológico Municipal João Davi Ferreira Lima Parque Estadual da Serra do Tabuleiro Restinga de Ponta das Canas Dunas do Campeche / Lagoinha da Chica / Lagoinha Pequena Dunas da Armação do Pântano do Sul Região da Costa da Lagoa da Conceição Unidade de Conservação Ambiental Desterro . BASES TÉCNICAS PARA A REPRESENTAÇÃO CARTOGRÁFICA 4. 01 05.Ratones / Ponta de Sambaqui Estação Ecológica de Carijós . DELIMITAÇÃO DAS ALP's DA ILHA DE SANTA CATARINA 3. SITES DA INTERNET 6. MAPAS DOS LIMITES LEGAIS DAS ALP's DA ILHA DE SC FOLHA I Mapa dos Limites das Áreas Protegidas na Ilha de Santa Catarina Imagem da Ilha de Santa Catarina com Sobreposição das Áreas Legamente Protegidas Reserva Natural Menino Deus Dunas dos Ingleses / Dunas do Santinho / Reserva Particular do Patrimônio Natural do Morro das Aranhas Reserva Extrativista Marinha do Pirajubaé Estação Ecológica de Carijós . GERAÇÃO DOS LIMITES LEGAIS DAS ALP`s DA ILHA DE SC QUADRO III .

da Estação Ecológica de Carijós – Saco Grande .01. da Restinga de Ponta das Canas .000 1:10. As principais informações técnicas necessárias para a utilização dos mesmos.000 1:10.Relação dos Mapas dos Limites Legais das ALP's da Ilha de SC Numero da folha Nome da folha Mapa do Limite Legal . da Unidade de Conservação Ambiental Desterro – UCAD . Ainda assim resultaram Mapas em folhas de distintas dimensões.. apresentados neste volume impresso agrupados em um conjunto... do Parque Municipal da Galheta .000 01 APRESENTAÇÃO DA PESQUISA .... do Parque Estadual da Serra do Tabulei ro ..000. Tanto a restituição cartográfica como o levantamento aerofotogramétrico foram executados pela empresa Aeroconsult Aerolevantamentos e Consultoria Ltda. Buscou-se maximizar a padronização das folhas.000 12 13 14 1:10. das Dunas dos Ingleses / Dunas do Santinho / Reserva do Patrimônio Natural do Morro das Aranhas . e levantamentos de campo.000/1998..000 1:25.. As técnicas de levantamento desses dados utilizados foram: interpretação de documentos...000 05 06 07 08 09 1:10.. da Região da Costa da Lagoa da Conceição .. das Dunas do Campeche / Lagoinha da Chica / Lagoinha Pequena .000 1:10. dos Parque do Manguezal do Itacorubi / Parque Ecológico Municipal Professor João Davi F erreira Lima . transcrição de dados para um ambiente digital (digitalização via mesa e digitação via teclado)...000 Escala de impressão 03 04 1:25. do Parque Municipal do Maciço da Costei ra .000 1:25. constam na legenda de cada mapa..000/1998).000 15 16 17 18 19 1:5. Quadro I .. do Parque da Luz ....... do Parque Estadual Henrique Berenhauser – Rio Vermelho 1:5.. Os arquivos digitais executáveis dos mapas só poderão ser usados com autorização prévia da CELESC. Os Mapas dos Limites das ALP's da Ilha de Santa Catarina foram construídos sobre a Base Cartográfica da CELESC. 01 02 . Os Mapas foram impressos em três escalas distintas 1:5... restituída em meio digital a partir do Levantamento Aerofotogramétrico (escala 1:5. APRESENTAÇÃO DO CONJUNTO DE MAPAS Este volume contém um Conjunto de 19 Mapas que representam os limites legais das 26 ALP´s da Ilha de Santa Catarina...000 1:5. escala 1:5..000 1:5.000 1:10. proprietária dos mesmos. das Dunas da Armação do Pântano do Sul . documentos cartográficos e topográficos preexistentes. do Parque Municipal das Dunas da Lagoa da Conceição .. entre outros.000 1:10.000 1:10. Os polígonos de limites das ALP's foram gerados pelo GrupoGE a partir de dados constantes em: diplomas legais.000 de acordo com os distintos tamanhos das ALP's da Ilha de Santa Catarina. fotointerpretação.. dos Parque Municipal da Lagoinha do Leste / Dunas do Pântano do Sul ...000 10 11 1:25. O conjunto de mapas é um dos produtos.000 1:10.. Os Mapas dos Limites Legais das ALP's da Ilha de Santa Catarina...000 1:10. podem ser também utilizados isoladamente. delimitadas pelo GrupoGE durante a execução da Pesquisa “Metodologia de Identificação de Limites das Unidades de Conservação Ambiental da Ilha de Santa Catarina: uma contribuição à gestão ambiental”.. da Reserva Natural Menino Deus .. financiada pelo Programa P & D da CELESC.000 e 1:25... do Parque Municipal da Lagoa do Peri . das Estação Ecológica de Carijós – Ratones / Ponta do Sambaqui . da pesquisa.000 1:25. 1:10. usando um mínimo de diferenciação de escalas de representação para facilitar a leitura e o manuseio dos mapas. da Reserva Extrativi sta Marinha do Pirajubaé . e levantamentos topográficos.

Dora Maria Orth Pesquisadora Arquiteta e Dra. em Planejamento Ambiental / Territorial M.Unidades de Conservação / Áreas Legalmente Protegidas ALP's . DORA MARIA ORTH ECV/UFSC Engenheiro JACKSON DA SILVA DPEP/CELESC Professor René Duque Wolmann Auditor Ambiental RAC 1217 Denise Ouriques Medeiros Arquiteta e Urbanista Palavras-chave Executores ! Grupo de Pesquisa Gestão do Espaço Grupo GE www. Fone: (48) 331-7765 Fax: (48) 331-5191 E-mail: grupoge@ecv.Gestão Ambiental .2.3.br Coordenadora da Pesquisa: Profª. Dora Maria Orth ! Divisão de Geoprocessamento e Cadastro DVGC Departamento de Engenharia e Planejamento do Sistema Elétrico DPEP Centrais Elétricas de Santa Catarina S. CELESC www. SIG) 02 PESQUISA P&D DA CELESC .Sc. IDENTIFICAÇÃO A pesquisa Metodologia de Identificação de Limites das Unidades de Conservação Ambiental da Ilha de Santa Catarina uma contribuição à gestão ambiental.br Gerente de Projeto: Engenheiro Jackson Silva 2.ufsc. Ronaldo dos Santos Rocha Consultor/Responsável Técnico pela Cartografia e Geodésia Engenheiro Cartógrafo/IGEO Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Vivian da Silva Celestino Bolsista Acadêmica de Engenharia Cartográfica/IGEO UFRGS Colaboradores M.ufsc.Sc.br Departamento de Engenharia Civil Centro Tecnológico/UFSC. Sérgio Rony da Silva Júnior Bolsista Acadêmico de Engenharia Civil/UFSC Maristela Mendes de Moraes Bolsista Acadêmica de Geografia/UFSC Professor Dr. facilitado pelo uso de técnicas de posicionamento com GPS.Sc.com. utilizando posicionamento absoluto (coordenadas). PESQUISA P&D DA CELESC 2. executado durante os anos de 2003 e 2004. PRODUTOS GERADOS (www. dos vértices da linha poligonal que delimita estas áreas. sob os números 22/01 (Ano I) e 0395-016/2003 (Ano II). Sálvio José Vieira Pesquisador Engenheiro Civil M. GPS. fotointerpretação. Mônica Moraes Godoy Bacharel em Direito Coordenação Professora Dra.ufsc. Dra.A. faz parte do Programa de P&D da CELESC.celesc.1.Geotecnologias (cartografia digital.br/alps) ! Grupo 1: Delimitação das ALP´s da Ilha de SC (Inventário e Mapas) ! Grupo 2: Método de Delimitação de ALP´s (Guia Metodológico) ! Grupo 3: Propostas para as ALP´s da Ilha de SC Equipe Professora Dra. Emiliana Debetir Pesquisadora Administradora Ana Carolina Susin Pesquisadora Arquiteta e Urbanista 2.br Fone: (48) 231-5762 Fax: (48) 231-5679 E-mail: jacsksons@celesc. .grupoge.grupoge. OBJETIVO § Propor um método de identificação de limites das ALP's.02.com.

§ Fundação (Estadual) de Meio Ambiente FATMA.grupoge.cmf.leismunicipais.gov.br. Todos os diplomas legais utilizados na pesquisa compõe o Banco de Dados Legal.SC) – altera zoneamento Mosaico elaborado pelo (PMF/IPUF/Fpolis.SC) – institui norm as para uso solo Decreto n. faz-se necessário.Documentação Legal Referente às ALP's da Ilha de SC Código e Nome da ALP UC 01 Reserva Natural Menino Deus Diplomas Legais Portaria n. folhas VI-I-SO-C.planalto.sc.SC) – desapropria áreas Decreto n.3 ha UC 06 Parque Municipal das Dunas da Lagoa da Conceição Decreto n. § http://www. SC). em 08/07/99.altera zoneamento Lei Ordinária n º 3865/92 (PMF/Fpol is.261/75 (PMF/Fpolis.htm. 1999.SC) . 1979. VI-I-SO-A.com. Área: 44.SC) – cria o Parque Municipal da Galheta. Lei Ordinária n. SC) – altera Lei Ordinária n. denominado Mapa das Áreas de Dunas Tombadas – Dunas da Lagoa da Conceição (Decreto nº 213/79).ufsc.SC) – tombam ento das dunas patrimônio natural e paisagístico Decreto n.SC) – altera zoneamento Lei Ordinária n.º 231/88 (PMF/Fpolis. Área: 1.SC) – amplia a área tom bada Decreto n.º 533/92 .1.SC) – altera zoneamento Lei Ordinária n.sc.php?link=manual. Área: Não inform ada nos Quadro II . DELIMITAÇÃO DAS ALP'S DA ILHA DE SC 3.340 do Cartório do 2º Ofício de Registro de Imóveis de Florianópol is/SC.03.br/alps. Área: 16 ha.gov. Decreto nº 698/94 (PMF/Fpolis.º 3155/88 ( PMF/Fpolis. Autor Otacílio da Rosa.SC) – altera zoneamento Lei Ordinária n. da Prefeitura Municipal de Florianópolis. a disposição de documentos que contenham informações sobre o assunto a ser tratado. em primeiro lugar.º 4807/95 ( PMF/Fpolis. § Arquivo Histórico Municipal.pmf.cria a Reserva Extrativist a Marinha do Pirajubaé. com levantamento aerofotogramétri co aglomerado urbano de Florianópoli s.º 1. de 11/05/99 e AV65/33. § Fundação Municipal de Meio Ambiente FLORAM.º 3610/91 ( PMF/Fpolis. documentário fotogr áfico.º 213/79 (PMF/Fpolis.º 3177/89 ( PMF/Fpolis. considerações legais.SC) Área: 149.br/floram/secundaria. foram encontrados nos seguintes órgãos e endereços de internet: § Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis IPUF.SC) – cria o Parque Municipal das Dunas da Lagoa da Conceição Lei Ordinária n.br. § http://www.º 3455/90 (CMF/Fpolis. podendo ser visualizados na íntegra através do site: http://www.656/87 – cria a Estação Ecológica de Carijós Área: Mangue do Rio Ratones: 618.7 ha Área: Mangue do Saco Grande: 93.16 ha Decreto Federal n. AQUISIÇÃO DE DOCUMENTOS Para iniciar a execução de qualquer atividade técnica. em 20/12/99.º 6237/03 ( PMF/Fpolis.br/legisla.Documentação Legal Referente às ALP's da Ilha de SC Código e Nome da ALP UC 04a Estação Ecológica de Carijós – Ratones UC 04b Estação Ecológica de Carijós – Saco Grande UC 05 Parque Municipal da Galheta Diplomas Legais Decreto Federal n. UC 02 Reserva Particular do Patrimônio Natural do Morro das Aranhas UC 03 Reserva Extrativista Marinha do Pirajubaé Portaria nº 000043N do IBAMA.SC) – dispõe sobre substituição de eucaliptos e pinus na área do parque. § Câmara Municipal de Florianópolis CMF.º 214/79 (PMF/Fpolis. § 1º e 2º Cartório de Registro de Imóveis de Florianópolis/SC.º 215/79 (PMF/Fpolis.º 85/ 99 N do IBAMA.descrição área. de 06/10/99 e AV2/50. SC) – regulamenta a Lei Ordinária n.517 do Cartório do 1º Ofício de Registro de Imóveis de Florianópol is/SC. Continuação do Quadro II . § http://www.444 ha diplomas legais 03 DELIMITAÇÃO DAS ALP’S DA ILHA DE SC . VI-I-NO-E.º 3455/90 Documento denominado “Parque Municipal da Galheta”. intervenções recomendadas.º 94.º 3455/90 ( CMF/Fpolis. Nesta pesquisa foi executado um levantamento de documentos legais e cartográficos referentes às Áreas Legalmente Protegidas (ALP's) da Ilha de Santa Catarina. Lei Ordinária n. (PMF/IPUF/Fpolis.gov. SC).50 ha Lei Ordinária n. § http://www. Dunas do Campeche (Decreto nº 112/85).º 6733/05 ( PMF/Fpolis. escala 1/1000. listadas no Quadro II. Estes documentos são citados abaixo: a) Documentos Legais: Os documentos ou diplomas legais (Leis/Decretos/Portarias) utilizados na delimitação das ALP's.

Fpolis. 828/81 (PMF/Fpolis.746/80 (SC) .SC) denominado Pl ano Diretor do Parque da Lagoa do Peri (escala 1/20.335/77 (SC) – desapropria terras Decreto Estadual n. Santinho.º 3701/92 ( PMF/Fpolis.456.altera Lei Ordinária n.tomba a área das Dunas dos Ingleses.SC ) – cria o Parque do Manguezal do Itacorubi Termo de Cooperação entre UFSC e o Município de Florianópolis. com coordenadas geográficas ao longo dos li mites do parque (FATMA. PMF/IPUF). Dunas do Santinho (Dec.º 18.º 4605/95 ( PMF/Fpolis. Anexo da Lei Ordinária n.733/98 (SC)– desanexação Ponta do Papagaio Área Total: 90. Armação do Pântano do Sul e Pântano do Sul.500/99 (PMF/Fpol is.030 ha UC 08 Parque Municipal da Lagoinha do Leste Decreto n.tomba a área das Dunas dos Ingleses.º 3701/ 92. 1979. uma propost a de preservação” – trabalho de conclusão do curso de arquitetura de Carla Maria Zanchet.720/82 – retifica os limites Parque Decreto Estadual n. Campeche.º 5.3 ha UC 10 Parque do Manguezal do Itacorubi Decreto n.º 1.º Continuação do Quadro II .altera Lei n.º 1.º 153/87 (PMF/Fpolis.828/ 81 (PMF/Fpolis.261/75 (SC) – desapropria terras Decreto Estadual n.º 1140/94 – aprova Comodato Decreto n. Armação do Pântano do Sul e Pântano do Sul. Mosaico elaborado pela PMF/ IPUF/Fpolis.º 1. adaptado pela Prefeitura Municipal de Florianópoli s e Universidade Federal de Santa Catarina.Fpol is.º 112/85 (PMF/Fpolis.SC) listagem de 91 pontos.º 17.SC) Decreto n.SC) mapa (escala 1/10.000. Lei Ordinária n. Fpolis. data 1999.Documentação Legal Referente às ALP's da Ilha de SC Código e Nome da ALP UC 11 Parque Estadual da Serra do Tabuleiro (part e insular) Diplomas Legais Decreto Estadual n.000.º 216/85 (PMF/Fpolis.500/ 99 (PMF/Fpolis.SC) 1.º 10. 1978. Campeche.SC) . Santinho.Fpol is.º 2.º 10.SC) – cria o Parque Municipal do Maciço da Costeira.º 1408/76 (PMF/Fpolis. SC com levantament o aerofotogramétrico aglomerado urbano de Florianópolis. julho/2000.SC) – cria o Parque Municipal da Lagoinha do Leste.584/97 (SC)– dispõe sobre Ponta do Papagaio Lei n.tomba ár ea da Bacia da Lagoa do Peri Lei Ordinária n.SC) .º 091/82 (PMF/Fpolis.SC) – desapropria terras Bacia Peri Área: 2.º 154/95 (PMF/Fpolis.º 8. Área: Não informada nos textos legais 05 04 DELIMITAÇÃO DAS ALP’S DA DELIMITAÇÃO ILHA DE SANTA DAS CATARINA ALP’S DA ILHA DE SC .000.SC) – regulamenta a Lei Ordinária n.º 5. SC) Área: Não informada nos diplomas legais AT 02a Ingleses Dunas dos Decreto n.SC) .º 075/90 (PMF/Fpolis. Documento “Parque Manguezal do Itacorubi.Continuação do Quadro II . 1994). Santinho. 1979. º 4728/95 Área: 1.altera lei de criação Parque. Armação do Pântano do Sul e Pântano do Sul.º 5. nov/1982.3-SO-F denominado Mapa das Áreas de Dunas Tombadas – Dunas dos Ingleses.Documentação Legal Referente às ALP's da Ilha de SC Código e Nome da ALP UC 07 Parque Municipal da Lagoa do Peri Diplomas Legais Decreto n.º 112/85 (PMF/Fpolis.SC) . Área: Não informada nos dipl omas legais – regulamenta a Lei Ordinária n.º 112/85 (PMF/Fpolis.º 4605/95 (PMF/Fpolis. Iguatemi Ltda. Área: Não informada nos textos legais AT 02b Santinho Dunas do Decreto n.º 5. Justificativ a de Tombamento da Lagoinha do Leste (PMF/IPUF/SEPHAN.º 1.000 há AT 01a Restinga da Ponta das Canas Decreto n. folhas D-III-3-S0-D.º 4728/95 ( PMF/Fpolis.857/79 (SC) – desanexação de áreas do Parque Lei n. 112/85) e limite do Parque Florestal do Rio Verm elho.SC) . Anexo da Lei Ordinária n.SC) Lei Ordinária n.000.828/81 Decreto n.SC) – cria o Parque Municipal da Lagoa do Peri. 1/10. Campeche.º 014/95 (PMF/Fpolis. Decreto n. SC) Área: Não informada nos diplomas legais AT 01b Sambaqui Ponta do Justificativa de Tombamento da Ponta do Sambaqui (PMF/IPUF/SEPHAN. distanci a e deflexões.SC) – desapropria terras Parque Peri Decreto Legislativo n.SC) – tomba com o patrimônio nat ural e paisagístico a Bacia Hidr ográfica da Lagoinha do Leste.tomba a área das Dunas dos Ingleses.º 159/84 (PMF/Fpolis.SC) – desapropria terras na Bacia Peri Decreto n.º 24. Área: Não informada nos dipl omas legais UC 09 Parque Municipal do Maciço da Costeira Lei Ordinária n. Área: Não informada nos textos legais AT 02c Campeche Dunas do Decreto n. escala 1/10. III.SC) – tomba a área da Restinga da Ponta das Canas e da Ponta do Sambaqui Justificativa de Tombamento da Restinga da Ponta das Canas (PMF/IPUF/SEPHAN. Anexo da Lei Ordinária n.276/76 Decreto Estadual n.º 1529/02 (PMF/Fpolis.598/84 – implantação do parque Lei n. PMF/IPUF).SC) .766/82 – desapropria terras Decreto Estadual n. Justificativ a de Tombamento da Lagoa do Peri (PMF/IPUF/SEPHAN. Possui vérti ces. Documento “Preservação do Patrimônio Natural e Paisagístico – Dunas dos Ingleses e Santinho”. Lei Ordinária n.260/75 (SC) – cria o Parque Estadual da Serra do Tabuleiro Decreto Estadual n.

data 18/05/88. Campeche. CELESC. estão arquivados na forma de um Acervo de Documentos sobre ALP´s no GrupoGE/ECV/UFSC. Armação do Pântano do Sul e Pântano do Sul (PMF/IPUF/SEPHAN. Armação do Pântano do Sul e Pântano do Sul.º 10.A. fotos) utilizados na delimitação das ALP's são listados abaixo: § Base Cartográfica da Empresa Centrais Elétricas de Santa Catarina S.UCAD AP 02 Parque da Luz Portaria n.Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis IPUF. 1986) e a Justific ativa de Tombamento da área (PMF/SEPHAN. CELESC. escala 1/10. com o anexo Mapa Geral da Região da Costa da Lagoa (escala 1/25.000. § Floripa Digital A Cidade em CD-ROM. b) Documentos Cartográficos: Os principais documentos cartográficos (mapas. 2003. 04/12/2000.º 994/74 (SC) – define objetivos do “Parque Florestal do Rio Vermelho” Decreto Estadual n. SC. Fpoli s. com atualizações até março de 2004.SC) .SC) . § Base Cartográfica da Prefeitura Municipal de Florianópolis .53 ha Lei Complementar n. das fotos da CELESC. 1979. na escala 1/2000.Transforma área verde de lazer em Parque de Bairro Área: 3. Os documentos utilizados. V-4-NE-B. escala 1/5.tomba a área das Dunas dos Ingleses.altera nome do parque Documento “Termo de Concessão de Direito de Uso Gratuito do Posto de Fomento Florestal de Florianópolis entre o IBAMA e Município de Florianópolis ”. SC) (05p. PMF/IPUF. Representação da Lagoa da Chica.A. escala 1/10. 1998. de 1998 e 2002. Mosaico elaborado pela PMF/ IPUF/Fpolis.Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis IPUF. Mapa da área Tombada da Lagoinha Pequena.tomba a área das Dunas dos Ingleses.978/ 02 (PMF/Fpolis. Santinho.000. Grupo de Pesquisa Gestão do Espaço. escala 1/2000. em 09/05/96. Armação do Pântano do Sul e Pântano do Sul. com anexo denominado “Preservação do Patrimônio Paisagístico e Ambiental – tombamento da área da Lagoinha da Chica ”. Área: Não informada Fonte: Diplomas Legais incidentes sobre as ALP's da Ilha de SC. § Mapa Topográfico da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina CIDASC/ escala 1/10000/2001. SC) (am pliado da escala 1/10. Fpolis. situação em 12/97 (escala 1/2000.SC). 18/05/88. SC) Levantamento Aerofotogram étrico – Distrito Admi nistrativo do Cam peche.000.SC) – tomba a área da Lagoinha da Chica e Lagoa Pequena. Santinho. IPUF/COPLAN e Justificativa de Tombam ento Lagoinha da Chica e Lagoinha Pequena. escala 1/5000/1979. Área: Não informada AP 04 Parque Estadual Henrique Berenhauser Decreto Estadual n. Área: 491.º 112/85 (PMF/Fpolis. escala 1/10000/ de 1992.º 2.000. denominado Mapa das Áreas de Dunas Tombadas – Dunas do Pântano do Sul e Dunas da Armação (Dec.º 135/88 (PMF/Fpolis. Banco digital montado pela INFOARQ/UFSC em 2001.815/94 (SC)– possibilita const rução da sede da Companhia de Polícia Proteção Ambi ental Lei n. na escala 1/10.000).74 ha Continuação do Quadro II . cuja listagem é apresentada no Quadro III. IPUF/COPLAN. § Mapa Base da Prefeitura Municipal de Florianópolis. Área: Não informada nos textos legais AP 01 Unidade de Conservação Ambiental Desterro .Documentação Legal Referente às ALP's da Ilha de SC Código e Nome da ALP AP 03 Parque Ecológico Municipal Professor João Davi Ferreira Lima Diplomas Legais Lei Ordinária n. PMF/IPUF.SC) – tomba a Região da Costa da Lagoa da Conceição. § Plantas Topográficas da Prefeitura Municipal de Florianópolis .SC) . Justificativ a de tombamento das Dunas de Ingleses. vôo 1998 (escalas 1:15000).Documentação Legal Referente às ALP's da Ilha de SC Código e Nome da ALP AT 02d Dunas da Armação do Pântano do Sul Diplomas Legais Decreto n. Otacílio da Rosa Filho (PMF/IPUF.) Área: Não informada nos textos legais AT 02e Dunas do Pântano do Sul Decreto n. Fpolis.SC) . cartas.000.021/95 altera o nome do Parque. Santinho. AT 04b Pequena Lagoinha maio/1998. § Plantas Topográficas da Prefeitura Municipal de Florianópolis . Área: Não informada nos textos legais AT 03 Região da Costa da Lagoa da Conceição Decreto n. escala 1/10.º 112/85 (PMF/Fpolis. com levantamento aerofotogramétri co aglomerado urbano de Florianópol is. na escala 1/1000/1991. na escala 1/15.Continuação do Quadro II . § Fotografias aéreas da Empresa Centrais Elétricas de Santa Catarina S. Área: Não informada nos textos legais Anexo do Decreto nº 135/88 – denominado “Preservação do Patrimôni o Paisagístico e Ambi ental Tombamento da Área da Lagoinha Pequena”. Área: Não informada nos textos legais AT 04a Chica Lagoinha da Decreto n.º 4. Campeche.º 5.Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis IPUF.º 51/99 (PMF/Fpol is. 112/85).000. do ano de 1998. da Universidade Federal de Santa Catarina.000. folhas V-2-SE-F.º 0521/GR. do ano de 1979.º 247/86 (PMF/Fpolis. Fpolis. Campeche.006/62 (SC)– cria ‘Estação Florestal do Rio Vermelho” Decreto Estadual n. do ano de 1998. § Mapas da Fundação de Meio Ambiente FATMA. 05 DELIMITAÇÃO DAS ALP’S DA DELIMITAÇÃO ILHA DE SANTA DAS CATARINA ALP’S DA ILHA DE SC .

Digitalização em mesa do lim ite (todo o Parque) representado em cópias heliográficas das Cartas do PMF/IPUF. anexo da Lei Ordinária nº 5500/99 (PMF. pelo GrupoGE em 2003.Estação contidas no Decreto Federal nº 94. não mencionadas no Decreto Federal nº 94. . de elementos geográficos (divi sores d`água) contidos no texto legal . l evantados em campo. pelo GrupoGE em 2004. 52. pé da duna. c) conf irmação das dist âncias pela descrição dos limi tes constantes na Certidão da AV. executada por SILVIO CRISTOVÃO (Reg. 1/10000 e Carta Náutica/1976 nº 1904) (não m encionada no Decreto Federal nº 533/1992. .05 Parque Municipal da Galheta UC 06 Parque Municipal das Dunas da Lagoa da Conceição UC 02 Reserva Particular do Patrimônio Natural do Morro das Aranhas . 51. . anexas ao Decreto nº 213/79.SC). .65/33. 54.Digitalização em m esa do limite da UC a partir da i nterpretação. mas im prescindíveis para a interpretação da descrição dos li mites no texto UC 04 b . pelo GrupoGE. Em contrapartida.Digitação (números via t eclado) das coordenadas polares (distâncias e ângulos) UC 04 a . Como buscava-se os limites legais. sobre a Carta da PMF/IPUF. Para algumas ALP's. utilizando GPS modo estático. b)limite leste caiu no mar e não acompanha a linha da cost a (problema de orientação). do Santinho.Conferências através de 09 pontos GPS. sem dat a e sem responsável técnico.Digitalização em m esa do limite da UC representado na Planta de “Localização e APPs”. CREA-SC nº 7094-1) (não mencionada na Portaria nº 85/99 N do IBAMA.Verificação de inconsistências: a) distâncias escritas na plant a não conferem com o desenho.2.Verificação da consistência dos l imites através de 08 pontos GPS. SC (escala 1/1000. 45.656/87.Correções das inconsistências: a) levantam ento de 2 pontos GPS (Marco IPUF 03 e ponto M19 . . em escala 1/10000. A baixa precisão dos documentos gráficos foi o que mais dificultou o trabalho. pois vários mar cos não existem mais no terreno).Verificação da consistência do l imite através de outros 06 pont os GPS levantados em campo.Digitação (via teclado) das coor denadas UTM dos marcos de concreto ao pé da duna (trecho do limit e norte e oeste do Parque).517 de 1999. do Santinho Empreendimentos Turíst icos SA. foi necessário proceder a compilação dos dados. Entre essas. A maioria das ALP's foi delimitada graficamente através da digitalização de cópias heliográficas (originais não encontrados) de mapas citados em Lei. 42.3.Digitação (números via t eclado) das coordenadas UTM contidas no Decreto Federal nº 533/1992. pelo GrupoGE em 2004.SC. do Cartório do 1º Ofíc io do Registro de Imóveis de Fpolis/SC. referentes aos limites da UC. anexas a Lei Ordinária nº 3865/92. divisor de água.Sobreposição do limit e digitalizado na Base Cartográfica da CELESC. 1979). referentes ao limite da UC = lim ite inconsistente por erros na descrição dos pontos 01.Decreto nº 698/94 (PMF/Fpolis. que regulamenta a Lei Ordinária nº 1828/81(PMF. .Sobreposição do limit e digitalizado na Base Cartográfica da CELESC. 1979).Conferência com os dados (dist âncias. 53. Fpolis.23. PMF/Fpolis. havia dados redundantes. .15. levantados em campo. Fpolis/SC. escala 1/10000.Verificação de inconsistências: a descrição dos limi tes da UC no texto de Lei não coincide com o lim ite traçado no mapa que gerou o texto de Lei = 2 (dois) limites fortemente distintos. Ecológica de . Fpolis/SC = Verificação de problemas de georreferenciamento (desl ocamento). b) os 2 pontos G PS e a linha da costa da Base da CELESC foram util izados para georreferenciar (ajuste de direção e escala com a Base da UC 07 Parque Municipal da Lagoa do Peri UC 08 Parque Municipal da Lagoinha do Leste 06 05 DELIMITAÇÃO DAS ALP’S DA DELIMITAÇÃO ILHA DE SANTA DAS CATARINA ALP’S DA ILHA DE SC .Digitalização (vetores via m esa) do limite da UC representado nas cópias heliográficas Carijós – Ratones das Cartas do IPUF (escala 1/10000. 1998. . SC (escala 1/10000. Fpolis/SC) de Tombamento do Parque (a Lei util iza curvas de nível de cotas 50. pois vários m arcos não existem mais no terreno). 27..corpo de prova em concreto rente ao solo... 1979). que são imprecisos e mutáveis ao longo do tempo. 1991). . de elementos geográficos (divisores d`água) contidos no Decreto nº 091/92 (PMF/Fpolis/ SC).340 do 2º Ofício do Registr o de Imóveis. pelo GrupoGE. pé do morro.Conferência em campo com levantamento GPS. executada pela ELETROSUL. mas imprescindível para a interpretação da descrição dos lim ites no texto legal. SC (escala 1/10000.Portaria nº 85/99 N do IBAMA e AV2/50. os dados a usar deviam ser aqueles mencionados nos textos legais que delimiam cada ALP. em relação a reali dade local. mas imprescindível para a int erpretação da descrição dos limit es no texto legal = limite consistente). Fpol is/SC).Digitalização em m esa do limite da UC a partir da i nterpretação. .Verificação da consistência do l imite através de 05 pontos GPS. 41. em 2004. levantados em cam po. escala 1/2000. pelo GrupoGE em Carijós – Saco 2004. 44. 1979). 1992 (bases cartográficas usadas: I PUF/1979. GERAÇÃO DOS LIMITES LEGAIS DAS ALP`s DA ILHA DE SC Antes de iniciar a delimitação dos polígonos. Fpoli s/SC (não mencionada. .656/87. escala 1/1000.Digitalização em m esa do limite da UC representado na cópia heliográfica da Carta da PMF/IPUF. do levantamento topográfic o planialtim étrico.Documentos e Métodos Usados na Geração dos Limites Legais das ALP´s da Ilha de SC ALP’s da Ilha de SC UC 02 Reserva Particular do Patrimônio Natural do Morro das Aranhas UC 03 Reserva Extrativista Marinha do Pirajubaé Documentos e Méto dos de Geração do s Limites Legais CELESC) a linha de limite.Fpol is. sobre a Carta do IPUF (escala 1/10000. Continuação do Quadro III . escala 1/1500. constantes em planta e materializados no terreno). . Outras ALP's continham descrições dos limites naturais (canal de drenagem. Quadro III . UC . . Ecológica de .). Algumas ALP's apresentam em seus textos legais a lista das coordenadas que definem seus limites e a representação gráfica em mapa anexo. . em 2004. . .Digitalização (vetores via m esa) do limite da UC representado na Carta do IBAMA e FATMA. de 06 marcos de concreto implantados no terreno e vários pontos de contr ole.. . algumas ALP's apresentam diferenças entre as coordenadas descritas no texto e representação gráfica na planta anexa ao texto. com a complementação por interpretação de fotos e imagens de satélite e levantamentos de campo. l evantados em campo. 1998. 16. Fpolis. .Verificação da consistência do l imite através de 05 pontos GPS.Documentos e Métodos Uusados na Geração dos Limites Legais das ALP´s da Ilha de SC ALP’s da Ilha de SC UC 01 Reserva Natural Menino Deus . 1/5000.Estação legal.Digitalização em m esa do limite da UC representado na planta topográfica planimétri ca. azimutes e área) constantes na planta topográfica planim étrica. constante nas cópias heliográficas das Plantas Topográficas Plani métricas do PMF/IPUF. Grande . Os documentos e métodos utilizados na geração dos limites legais das ALP's da Ilha de SC estão listados no Quadro III. . para outras ALP's os dados estavam incompletos. 34. SC (escala 1/10000. 2002. 28. Documentos e Méto dos de Geração do s Limites Legais .1979). mas i mprescindível para a interpretação da descrição dos lim ites no texto legal. 100 e 150 metros de altitude para definição do l imite). .

(Lei nº 10.260/75 de criação do Parque. . nem a Planta da Toposolo. Fpolis. Fpolis. no trecho de limi te coincidente com propriedades privadas (havi am cercas no local). Obs. SC). utilizando a estação ativa da CELESC / Florianópolis e transporte de Coordenadas para regiões mais distantes (ao Norte e ao Sul da Ilha). área de reprodução de camarões. a) Identificação dos Ecossistemas A Ilha de Santa Catarina. . AT 01b Ponta do Sambaqui AT 02 a/b/c/d/e Dunas dos Ingleses. citada no Decreto nº 135/88 (PMF/Fpol is. Fpolis/SC) = limite incoerente com a realidade.O limit e do parque foi gerado a partir da interpretação da Lei Complementar n. 1979). de criação do Parque.Digitação (números via t eclado) das coordenadas polares (distâncias e ângulos) contidas na Planta Topográfic a acima. 1998). sobre a Carta da PMF/IPUF. do trecho de limit e coincidente com as ruas públicas. SC. Obs. executados pelo GrupoGE em 2004. levantados em cam po. “o território da Ilha tinha 90% de sua área coberta por vegetação. executado pelo Grupo GE em 2004. PMF/Fpolis/SC. Fpolis.Digitalização do lim ite representado em cópia da Carta da PMF/IPUF. UC 10 Parque do Manguezal do Itacorubi AP 02 Parque da Luz UC 11 Parque Estadual da Serra do Tabuleiro (parte insular) AT 01a Restinga de Ponta das Canas AP 03 Parque Ecológico Municipal Professor João Davi Ferreira Lima AP 04 Parque Estadual Henrique Berenhauser (Parque do Rio Vermelho) . sendo 74% desta vegetação a Mata Atlântica. Originalmente. SC).Verificação da consistência do l imite através de 06 pontos GPS. .Não se verificaram inconsis tências. pelo GrupoGE em 2004. em função da interpretação do Decreto Estadual nº 1. anexo ao Decreto nº 1529/00 (PMF.Sobreposição do limite digitalizado na Base Cartográfica da CELESC. SC (escala 1/10000. de pesca.Digitalização em m esa do limite da UC representado na cópia heliográfica da Plant a de “Proposta para Criação do Parque Municipal do Maciço da Costeira” Cartas do PMF/IPUF.006/62. município de Florianópolis.Digitalização do lim ite representado na cópia da Carta da PMF/ IPUF.. pelo GrupoGE em 2003.Verificação da consistência do l imite através de 02 pontos GPS. .: A Portaria n. . . de elementos geográficos ( divisores d`água e curvas de nível) contidos no Decreto nº 247/86.º 0521/GR/96 – UFSC.Verificação da consistência do l imite através de 10 pontos GPS l evantados em campo. Fpolis.: Todos os levantamentos GPS foram executados pelo GrupoGE. * O método utilizado no levantamento GPS foi o relativo-estático.Limites do Parque definidos através de levantam ento de 08 pontos GPS ao longo dos trechos de limites com pr opriedades particulares (lim itadas por muros) e logradouros. 021/95 altera o nome do da área para Parque Estadual Henrique Berenhauser). l evantados em campo. que foi disponibi lizada pela Profa. 1979). citada no Decreto nº 135/88 (PMF/ Fpol is. sobre a Base Cartográfica da CELESC (escala 1/5000.Digitação (via teclado) de 91 pontos de coordenadas UTM contidas no Decreto nº 154/95. Santinho. citada no Decreto nº 216/85 (PMF. SC (escala 1/10000.335/77.Digitalização do lim ite representado em cópia da Carta da PMF/IPUF.Digitalização do lim ite Norte sobre cópia heliográfica da Carta do PMF/IPUF. anexo a Lei Ordinária nº 4605/95 ( PMF. Fpolis. que cria o Parque. Documentos e Méto dos de Geração do s Limites Legais . Fpolis/SC). de duas formas di stintas: a) Digitali zação vetorial em tela. Maike Hering de Queiroz.Levantamento de 23 pontos GPS. sul do Brasil. 1979). l evantados em campo. SC (escala 1/10000. mas im prescindível para a interpretação da descrição dos limites no texto legal que cria a “Estaç ão Florestal do Rio Vermelho”. 1999).978/02. Fpolis.Documentos e Métodos Usados na Geração dos Limites Legais das ALP´s da Ilha de SC ALP’s da Ilha de SC UC 09 Parque Municipal do Maciço da Costeira Continuação do Quadro III . SC). 1979). Seu relevo é formado por planícies próximas ao nível do mar e morros que chegam a 532 m de altitude. . Fpolis. Campeche.: Melhor qualidade técnica na descri ção textual e representação gráfica dos limites encontrada entre as 26 ALP´s trat adas na pesquisa. Fpoli s.SC (escala 1/10000. 1979).: Existe sobreposição da AT 02 a com a UC 02. que regulam enta as Leis Ordinárias nº 4605/95 e nº 4728/95 (PMF. (PMF/Fpolis. 2001).Digitalização da planta da CIDASC (escala 1/10000. . SC. -Verificação da consistência do l imite através de vários pont os GPS levantados em campo. citada no Decreto nº 112/85 (PMF/Fpolis.: Área em processo natural de alteração (estuário. Fpolis.º 51/99.Georreferenciamento executado através de 03 pontos GPS.Não possui descrição dos limi tes na Lei Ordinária nº 5. Fpolis. 1979). Fpolis . SC (escala 1/2000. possui uma área de aproximadamente 423 km². . pelo GrupoGE em 2004. SC (escala 1/10000. 2002). Os documentos mencionados no quadro acima podem ser encontrados no Acervo de Documentos sobre ALPs do GrupoGE/ECV/UFSC. . dentro do Programa de P&D da CELESC*.Digitalização do lim ite da UC a partir da interpretação. Obs. SC (escala 1/10000. nos lim ites externos das propriedades privadas. .3. Obs. SC). . que altera o nome do Parque. . de Tombam ento. SC. em função da int erpretação do Decreto Estadual nº 2. . pelo GrupoGE em 2003.Digitalização via m esa da representação dos limites contidas na Planta Topográf ica.Documentos e Métodos Usados na Geração dos Limites Legais das ALP´s da Ilha de SC ALP’s da Ilha de SC AT 04b Lagoinha Pequena AP 01 Unidade de Conservação ambiental Desterro – UCAD Documentos e Méto dos de Geração do s Limites Legais . de Criação da UCAD não menciona os limites.). Verificação da consistênc ia do limi te através de 05 pontos GPS. PMF/Fpoli s.Digitalização do lim ite representado em cópia da Carta da PMF/IPUF. Fpolis/SC.Digitalização do contorno dos costões sobre cópia heliográfica da Carta da PMF/IPUF. ALP'S DA ILHA DE SC . não mencionada no Decreto Estadual nº 2. Fpolis. SC (escala 1/10000. SC (escala 1/10000. SC). . citada no Decreto nº 216/85 (PMF/Fpol is. sobre o mapa digital planialtim étrico do PMF/IPUF.Continuação do Quadro III . na execução da pesquisa “Metodologia de Identificação dos Limites das Unidades de Conservação Ambiental da Ilha de Santa Catarina uma contribuição à gestão ambiental”. . levantados em marcos existentes no terreno.Verificação da consist ência do limi te através de 06 pontos GPS levantados em campo. Obs. gestora da UCAD em 2003.. SC (escala 1/5000. 1979). 3. de forma alongada no sentido norte-sul (54/18 km). durante os anos 2003 e 2004. b) Levantamento de 07 pontos GPS em campo (Gr upoGE/2004). . executado pela AEROCONSULT. com deposição de sedimentos marinhos e fluviai s. 1996). 07 05 DELIMITAÇÃO DAS ALP’S DA DELIMITAÇÃO ILHA DE SANTA DAS CATARINA ALP’S DA ILHA DE SC . Armação e Pântano Sul AT 03 Região da Costa da Lagoa da Conceição AT 04a Lagoinha da Chica . . . situada entre os paralelos de 27º 22' e 27º 50' de latitude Sul e entre os meridianos de 48º 20' e 48º 35' de longitude Oeste de Greenwich. executado pela empresa TOPOSOLO (escala 1/10000. 1979). pelo GrupoGE em 2004. pelo GrupoGE em 2004 (existem cercas lim itando as propriedades particulares lim ítrofes ao Parque). .Digitalização vetorial em tela. SC.Digitalização do limite representado na cópia da Carta da PMF/IPUF. . pelo GrupoGE em 2003.

combater a erosão e o assoreamento de estuários. pesca. além disso. funciona como quebra-mares e quebra-vento.Lei n. estadual e/ou municipal.º 001/97 e Plano Diretor de Uso e Ocupação do Solo dos Balneários .193/85. Destaca-se que mais de 50% de suas árvores são endêmicas. Áreas desmatadas.75).º 2. com suaves declives rumo ao mar.Plano Diretor do Distrito Sede .º 9985/00. São compostas quase que unicamente por partículas com tamanho de areia fina. Fato que gera contínuos conflitos de uso do solo. dos 74% da cobertura vegetal original. boa permeabilidade. arvoretas. deve-se pensar nos fins recreacionais (lazer. ervas e elevado número de epífitas que. ao Sistema Estadual de Unidades de Conservação da Natureza SEUC . as dunas.º 4. a vegetação foi devastada. As dunas são acumulações de areia.Lei Complementar n. sendo protegidas legalmente. Economicamente. 7% a vegetação de praia. é uma importante fonte variável de recursos renováveis de onde pode ser extraído óleo. lagoas. b) Resumo da Legislação Incidente sobre ALP's A legislação ambiental incidente sobre as Áreas Legalmente Protegidas na Ilha de Santa Catarina. daí se afirmar que toda a área de ocorrência de dunas funciona como área de recarga de aqüíferos. canoagem. costões rochosos. 2002) os problemas são muitos. restingas. mel. Estão incluídas no sistema de restinga as praias. Dentre os diversos ecossistemas que se apresentam citam-se: mangues. estando em diferentes estágios de regeneração. 1995). observação da vida selvagem) e científicos (pesquisa.9% os manguezais. Este se caracteriza por sua elevada densidade e heterogeneidade em espécies. afirma Avelar et al (1995). além de legislação municipal complementar correlacionada a tais áreas. pois é o berço para várias espécies marinhas. educação ambiental). em 1978. em especial algumas formas de macroalgas e moluscos (Ibama. Atualmente. cordões de areia e margens de lagunas. queimadas ou abandonadas após uso agrícola. aumentando a deposição de partículas e poluentes no solo. tanino. madeira. geralmente de forma alongada e paralela à linha da costa. as Leis Municipais de Zoneamento dos Planos Diretores em vigor na Ilha de Santa Catarina . 1997. p.771/65. dunas. florestas. Freqüentemente seu processo de formação origina lagoas e lagunas. fazem parte do atual domínio da referida mata.. A natureza insular confere características biogeográficas peculiares. devido a contínua implantação de áreas para formação de núcleos residenciais principalmente. resultando em invasões e degradações sistemáticas principalmente nas áreas limítrofes. bem como por possuir solo pobre em argila e matéria orgânica. condutividade hidráulica e qualidade de água para o consumo. Entretanto. alimento para homens e animais domésticos. Caracterizadas por superfícies baixas e levemente onduladas. abriga e produz alimentos para um grande número de espécies faunísticas. São fontes de material estuarino e suas características são de habitat com uma grande diversidade de fauna e flora marinha. possuem grande diversidade biológica. 2000). isto é.Lei n. Esta rica e frágil variedade de ambientes precisa ser preservada.7%. 1997). sem a precisão necessária para a identificação adequada dos limites destas. A vegetação tem a função fixadora de dunas e solo. ao Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza SNUC . É um aqüífero livre. existe apenas uma delimitação cartográfica das áreas legalmente protegidas na escala 1/50000. dentre outros. praias. é um filtro biológico. pois seu sistema de raízes diminui a velocidade das águas. Embora 42 % da área total do município sejam definidas como de Áreas de Preservação Permanente . O ecossistema das dunas além da beleza cênica proporciona condições para o armazenamento de água potável no subsolo. nesta pesquisa refere-se ao Código Florestal Lei n. além de constituir um rico patrimônio genético. Os costões são formações rochosas que delineiam os limites entre os ambientes marinho e terrestre. e o restante ocupado por dunas sem vegetação (4%) e por lagoas (6%)” (Cecca. arbustos.APL (PMF. estratos de árvores. duna e restinga. só ocorrem neste local (Cecca. possui um papel fundamental para a indústria pesqueira. De acordo com Guedes Júnior (1999) as dunas são excelentes para o desenvolvimento de água subterrânea pela sua alta taxa de recarga. a função dos Manguezais consiste em: fixar solos instáveis.CONAMA. que se regeneraram posteriormente.Lei n. as quais são constituídas pelos sedimentos transportados pelo vento que vem do mar e depositados pela força gravitacional. as Resoluções do Conselho Nacional do Meio Ambiente . c) Classificação das ALP's da Ilha de SC Nesta pesquisa adotou-se a denominação genérica “Áreas Legalmente Protegidas ALP's” para designar espaços territoriais naturais protegidos por lei federal. Em conformidade com a legislação ambiental vigente e coerência com a realidade atual da Ilha de Santa Catarina as Áreas Legalmente Protegidas (ALP's) foram classificadas em três 08 05 DELIMITAÇÃO DAS ALP’S DA DELIMITAÇÃO ILHA DE SANTA DAS CATARINA ALP’S DA ILHA DE SC . Um dos ecossistemas mais ricos em biodiversidade é a Floresta Ombrófila Densa (Mata Atlântica) que apresenta remanescentes na Ilha. baías e portos.º 11986/01. não existem camadas de solo sobre seus depósitos. Os ventos carregam a areia até que as dunas venham a se estabilizar por vegetação pioneira (Avelar et al.APP e 17 % como Área de Preservação com Uso Limitado . Cada um deles possui função vital no equilíbrio ecológico e na manutenção da qualidade de vida e por isso são áreas legalmente protegidas. resultantes da deposição de sedimentos marinhos. Cita-se o caso do domínio da Mata Atlântica que possuía apenas 12. As restingas são formações litorâneas. Segundo Schaffer-Novelli (1991).

corte da vegetação.Tipos de ALP's Existentes na Ilha de SC Código da ALP Denominação utilizada na Pesquisa da CELESC UC AT AP Unidades de Conservação Áreas Tombadas Áreas em Proposição 12 10 04 26 Quantidade de ALP’s da sociedade organizada. Restinga UC 06 Parque Municipal das Dunas da Lagoa da Conceição UC 07 Parque Floresta Ombrófi la Bacia hidrográfica. pois são de interesse histórico. que nas suas diversas formas rege ainda muita das ALP's da Ilha. há a legislação municipal local. segundo os diplomas legais. devendo ser revista de forma sistemática até chegar a uma situação estável. por isso. e manancial hídrico.ALP's da Ilha de SC. tecnológicas ou afetivas.SEUC UC 01 Reserva Natural Menino Deus Floresta Ombrófi la Protege Densa remanescentes da Floresta Ombrófi la Densa Ocupação irregular e corte da vegetação Total de ALP’s na Ilha de SC Fonte: Grupo de Pesquisa Gestão do Espaço. num livro especial. trânsi to de Particular do Patrim ônio cavaleiros. Natural Expansão urbana. geralmente são definidas no Plano Diretor do Distrito Sede (Lei Complementar n. que hoje significa o registro. monumentos. 2003).AVL ou Área de Preservação Permanente . como Organizações Não Governamentais ONG's e Órgãos de Pesquisa. Restinga e estuário.. artísticas. Lagoinha do Leste Costões e Estuário. 2005 O número total de Áreas Protegidas por Lei ALP's . de construções. cata de caranguejos. Quadro IV . expansão urbana. merecem a proteção do governo e da comunidade.tipos.º 001/97) e/ou no Plano Diretor de Uso e Ocupação do Solo dos Balneários (Lei Municipal n.. e que. Áreas em Proposição.” do Programa de P & D da CELESC é apresentada no Quadro IV a seguir. estradas e pastoreio. denominação oficial. os imóveis também poderão estar tombados nas esferas federal e/ou estadual. considerados importantes por razões históricas.APP. em Março/2005 Código e Nome da ALP Ecossistemas Aspectos Relevantes Ameaças Classificação conforme Lei n. proteção de do Peri Estuário. recreação e prática de naturismo Dunas e Restinga Lagoas temporárias e aqüífero Ocupação irregular e retirada de areia Ocupação irregular. Grupo: implantação de vias. objetos. A legislação ambiental tem sofrido alterações importantes assim como sua interpretação e aplicação por parte da sociedade local. denominação criada para esta pesquisa. De acordo com a referida fonte o tombamento é uma palavra antiga. corte de vegetação e caça. Restinga. Além das recentes leis do SNUC e SEUC. lixo. Invasão. levantamento topográfico da área. Uso Sustentável poluição das bacias. Assim. artístico e/ou natural. também é apresentado sua classificação conforme o Sistema Estadual de Unidades de Conservação da Natureza SEUC/2001.193/85) como Área Verde de Lazer . que regem especificamente as Unidades de Conservação. Invasão pelo aumento dos bairros periféricos 09 05 DELIMITAÇÃO DAS ALP’S DA DELIMITAÇÃO ILHA DE SANTA DAS CATARINA ALP’S DA ILHA DE SC . há interesse e mobilização de algum segmento UC 02 Reserva Floresta Ombrófi la Protege Particular do Densa e Restinga remanescentes da Patrimônio Natur al Floresta Ombrófi la do Morro das Densa e Restinga Aranhas UC 03 Reserva Manguezal Conservação de Extrativista Estuário e Marinha do desenvolvimento Pirajubaé sócio-econômico da população local.º11. Contudo. Ressalta-se que além do tombamento municipal. UC 09 Parque Municipal do Maciço da Costeira Floresta Abriga nascentes da Ombrófil a Densa Bacia do Rio Tavares Restinga com significativo estado de preservação para estudos. UC 04a Estação Manguezal e Abrigo de Espécies Ecológica de Restinga ameaçadas de Carijós – Ratones extinção Grupo: Proteção Integral Categoria: Reserva Particular do Patrim ônio Natural Captura de aves. 2003). expansão urbana. dependendo da sua importância histórica e cultural. dentre outras para efetivar a transformação destas áreas em unidades de conservação ou áreas tombadas. para a região ou nação (IPUF. espécies ameaçadas de extinção UC 08 Parque Floresta Ombrófi la Patrimônio pais agístico Municipal da Densa. etc. comitê informal de gestão e/ou pesquisas sobre a fauna e a flora. Na seqüência é apresentado o Quadro V com a listagem das ALP's trabalhadas nesta pesquisa. As Áreas Tombadas são aquelas colocadas sob a proteção do poder público municipal.. lugares. Quadro V .986/01 . não podendo ser destruídos.trabalhada na pesquisa é de vinte e seis. são aquelas que não são regulamentadas por uma lei específica. A classificação proposta é retrato da atualidade. os bens tombados passam a ser preservados. redefinir limites e criar novas Unidades. Municipal da Lagoa Densa. A classificação adotada na Pesquisa “Metodologia de Identificação . cata de caranguejos. A tendência conforme os Sistemas Nacional e Estadual de Unidades de Conservação da Natureza é transformar todas as ALP's em Unidades de Conservação. estradas e pastoreio Pesca artesanal e esportiva. Proteção Integral retirada de plantas Categoria: Reserva ornamentais. com seu código.. Categoria: Reserva Extrativista Pesca artesanal e esportiva. Algumas destas já possuem sistema de trilhas ecológicas. Grupo: invasão de pinus spp. Os mecanismos de preservação adotados no município são: decretos municipais de tombamento e legislação de uso do solo (IPUF.º 2. Ocupação irregular e corte da vegetação Grupo: Proteção Integral Categoria: Estação Ecológica Grupo: Proteção Integral Categoria: Estação Ecológica Grupo: Proteção Integral Categoria: Parque Natural Municipal Grupo: Proteção Integral Categoria: Parque Natural Municipal Grupo: Proteção Integral Categoria: Parque Natural Municipal Grupo: Proteção Integral Categoria: Parque Natural Municipal Grupo: Proteção Integral Categoria: Parque Natural Municipal UC 04b Estação Ecológica de Carijós – Saco Grande UC 05 Parque Municipal da Galheta Manguezal e Restinga Abrigo de Espécies ameaçadas de extinção. entre as quais apenas doze são classificadas como Unidades de Conservação. No caso específico das Unidades de Conservação.

A referencia legal utilizada foi o Decreto n° 89. restinga AT 02b Dunas do Dunas fixas. UC 10 Parque do Manguezal do Itacorubi UC 11 Parque Estadual da Serra do Tabuleiro (parte insular) AT 01a Restinga da Ponta das Canas AT 01b Ponta do Sambaqui Manguezal Conservação de Estuário. caça.sc. especulação imobiliária Pressão urbana. Diplomas Legais incidentes sobre as ALP's da Ilha de SC.. topônimos. projeção UTM. rica fauna e flora. Estas bases técnicas garantem as precisões especificadas nos resultados apresentados.UCAD AP 02 Parque da Luz AP 03 . documentação. Datum Horizontal Chuá e Datum Vertical Imbituba.986/01 .CELESC. Matinha Nebular e Campos de Altitude.” executada pelo GrupoGE/UFSC em parceria com a CELESC. semi. Consultor e Responsável Técnico pelas áreas de Cartografia e Geodésia da pesquisa “Metodologia de Identificação de limites. Ambas foram executadas sob a coordenação do Prof.Aspecto paisagístico fixas e móveis Floresta Ombrófi la Aspecto paisagístico.917/84. aspecto paisagístico Restinga Área para abrigo e alimentação de aves. é acompanhada por dois importantes trabalhos. Ocupação irregular poluição efluentes domésticos Ocupação irregular Ocupação irregular retirada de areia. desmatamento Grupo: Proteção Integral Categoria: Parque Natural Municipal Grupo: Proteção Integral Categoria: Parque Estadual Não é enquadrada pelo SEUC. Ocupação irregular e corte da vegetação duna fixa Ocupação irregular e corte da vegetação Ocupação irregular Não são enquadradas pelo SEUC. edificações. Fonte: Adaptação de Queiroz et al (2002). caça. escolhida por satisfazer as necessidades diárias e cartográficas identificadas através de seus interessados.Aspecto paisagístico. o que permite a avaliação e produção de cartas com Ocupação irregular Ocupação irregular e corte da vegetação Ocupação irregular. móveis AT 02c Dunas do Campeche AT 02d Dunas da Armação do Pântano do Sul AT 02e Dunas do Pântano do Sul AT 03 Região da Costa da Lagoa da Conceição AT 04a Lagoinha da Chica AT 04b Lagoinha Pequena AP 01 Unidade de Conservação Ambiental Desterro . definindo normas e procedimentos de padronização. Grupo de Pesquisa Gestão do Espaço. Site da Floram www. gerado a partir de base cartográfica proveniente de levantamento fotogramétrico contratado pela CELESC. semi. trilhas. direções etc. chamados aqui de bases técnicas: a Avaliação da Base Cartográfica da CELESC e a Estimativa de Exatidão dos Limites das ALP's da Ilha de Santa Catarina. Não são enquadradas pelo SEUC Não são enquadradas pelo SEUC Não são enquadradas pelo SEUC Não são enquadradas pelo SEUC Não é enquadrada pelo SEUC Não é enquadrada pelo SEUC Não é enquadrada pelo SEUC Não é enquadrada pelo SEUC 4. apresentando como critérios de avaliação cartográfica a exatidão posicional planimétrica de arruamentos. para recreação e lazer. O objeto da avaliação foi um mapa digital. hidrografia e pontos de controle GPS. Nas atividades de delimitação de Unidades de conservação. Restinga. legenda etc.br/floram. em Março/2005 Código e Nome da ALP Ecossistemas Aspectos Relevantes Ameaças Classificação conforme Lei n. Não é enquadrada pelo SEUC. a equipe GRUPOGE/ECV/UFSC coloca-se como usuária desta base cartográfica digital. nascentes de bacias hidrográficas. AVALIAÇÃO DA BASE CARTOGRÁFICA O objetivo foi avaliar a qualidade da Base Cartográfica Digital. Ocupação irregular e corte da vegetação Formação geológica peculiar. 10 05 DELIMITAÇÃO BASES TÉCNICAS DAS ALP’S PARA DA A ILHA REPRESENTAÇÃO DE SANTA CATARINA CARTOGRÁFICA .Continuação do Quadro V . especulação imobiliári a Ocupação irregular. estágio inicial recuperação Área mista reflorestamento e estádio inicial regeneração floresta ombrófi la densa Dunas.Aspecto paisagístico Santinho fixas. que estabelece Instruções Reguladoras das Normas técnicas da Cartografia Nacional. amarrado ao Sistema SAD-69. em DGN. terraplanagem. Esta avaliação é de extrema necessidade. Restinga e reflorestamento com espécies exóticas Pressão urbana. Restinga Invasão. de propriedade da Empresa Centrais Elétricas de Santa Catarina . semi. informações de edição: selo. Na avaliação foi utilizada a abordagem centrada no usuário.º11. da Ilha de Santa Catarina. área para recreação Bacia hidrográfica.pmf. quadras. ou a representação cartográfica dos Limites das ALP's da Ilha de Santa Catarina.ALP's da Ilha de SC. bem com. patrimônio hi stórico e cultural. Dr. Área degradada.1. quadrícula UTM. Não é enquadrada pelo SEUC Não é enquadrada pelo SEUC Projeto de recuperação da cobertura vegetal nativa Reserva Fundiária futura Não é enquadrada pelo SEUC. compatível com escala 1/5000. tendo em vista que a base cartográfica foi utilizada para o lançamento das linhas de limites a partir de vários tipos de dados coordenadas. lotes e outros.SEUC 0 4 . Área recreação e lazer Área recreação e lazer Floresta Ombrófi la Densa. especulação imobiliári a Pressão urbana. utilizada no Projeto “Metodologia de Delimitação de Unidades de Conservação da Ilha de Santa Catarina”. No mapa estavam contidas informações sobre: limites da Ilha de Santa Catarina. escala gráfica. B A S E S T É C N I C A S PA R A A R E P R E S E N TA Ç Ã O CARTOGRÁFICA A construção dos Mapas. Ingleses fixas. especulação imobiliári a e mineração no entorno.. Ostreiros (sambaqui s) com valor arqueológico AT 02a Dunas dos Dunas fixas. arruamentos. semi.Aspecto paisagístico fixas e móveis Dunas fixas.Parque Ecológico Municipal Professor João Davi Ferreira Lima AP 04 Parque Estadual Henrique Berenhauser (Rio Vermelho) Dunas semi-fixas Aspecto paisagístico e móveis Dunas fixas. móveis e abrigo animais. Densa histórico e cultural Lagoa Lagoa Floresta Ombrófil a Densa Aspecto paisagístico Aspecto paisagístico Pesquisa multidisciplinar. datado de 1998. elementos geográficos. abri go de roedor endêmico.gov. 2003. Ronaldo dos Santos da Rocha. estradas.

a expectativa de exatidão geométrica dos limites das ALP's na Ilha de SC sobrepostas a essa Base. conforme o PEC. ESTIMATIVA DE EXATIDÃO DOS LIMITES DAS ALP'S NA ILHA DE SC A Base Cartográfica da CELESC foi classificada como carta classe A. é atualizada constantemente pela equipe da CELESC lotada na Agência Regional de Florianópolis. que é responsável pela atualização da base cartográfica digital dos 17 (dezessete) municípios que compõem a sua área operacional de atendimento. Esta atualização é contínua. na qual periodicamente são repassados para a CELESC os projetos de Lei que geram os nomes oficiais das avenidas. com uma expectativa de erro de 2. correspondente à escala 1/5000 ficando.2. um produto com processamento mais aprimorado (por exemplo. incluindo o município de Florianópolis. Nestes casos. Isso se deve ao uso de fotografias em estado bruto. Ressalta-se que a Base Cartográfica Digital da CELESC. utilizada nesta pesquisa. precisão geométrica e completitude das cartas. B e C. este quadro está se alterando rapidamente. Esta imposição física traz diversas conseqüências. postes etc. a equipe é acionada e as informações são capturadas em campo (quadras. criando o Padrão de Exatidão Cartográfica PEC. A metodologia detalhada em etapas de trabalho.foi uma solução satisfatória para a pesquisa. portanto.grupoge. Porém. escolha e aplicação dos métodos estatísticos.). (Rocha. alteraram-se a relação da qualidade das cartas no tocante à exatidão. 2002). devendo. GrupoGE/ECV/UFSC.. a Base Cartográfica tem problemas quanto a completitude dos dados (ruas existentes e não desenhadas na Base. também apresentam problemas pontuais de coincidência dos dados. a exatidão posicional fica inerente à escala. servidões para atualização dos logradouros do referido sistema de dados. no entanto. e uma classificação das cartas em Classe A. com necessidades diferentes quanto ao tipo de informações e exatidão posicional da representação dessas informações para o desenvolvimento dos seus projetos. O emprego da informática em todas as fases de construção de uma carta apresenta como produto final da cartografia uma carta digital.5 metros. processamento e cálculo das coordenadas cartográficas. definição do tamanho da população e da amostra dos pontos teste a serem medidos em campo. mas com limitações para usos em geral. ruas. o usuário define a escala e indiretamente é associado um valor de qualidade geométrica. A ausência de escala permite distintos grupos de usuários. foram utilizados procedimentos metodológicos. Sempre que uma nova ligação é solicitada e é constatado que o sistema viário não existe na base cartográfica. identificação e levantamento dos pontos de campo. O referido Decreto apresenta uma avaliação da qualidade do mapa no tocante a exatidão das informações cartográficas. verificação da região de localização de cada ponto. encontrada no Relatório Final da Pesquisa “Metodologia de Identificação de Limites das Unidades de Conservação Ambiental da Ilha de Santa Catarina uma contribuição à Gestão Ambiental”. O processamento feito para a pesquisa georreferenciamento digital através do aplicativo Descartes (Microstation da Bentley) .qualidade compatível com padrões internacionais. definição da qualidade dos pontos teste. seleção dos temas a serem avaliados. feita com apoio de equipamento GPS nos locais onde existem alterações/expansões de novos loteamentos. como: estudo e apresentação da filosofia de avaliação. sem escala direta.0 metros A Base Cartográfica da CELESC foi classificada como carta classe A. com uma expectativa de erro de 2. sistema viário e etc. No desenvolvimento do trabalho de avaliação da Base da CELESC. amarrando a escala à quantidade de informações a representar e o grau de precisão com que estas informações são registradas. e definição da qualidade final da base cartográfica. pois o erro máximo alcançado (13 metros) foi maior do que a exatidão de 5. conforme o PEC. apresentar uma medida de dispersão das informações métricas registradas em relação a suas correspondentes no terreno. No Município de Florianópolis existe um relacionamento estreito com o Instituto de Planejamento Urbano . portanto. por exemplo). 11 05 DELIMITAÇÃO BASES TÉCNICAS DAS ALP’S PARA DA A ILHA REPRESENTAÇÃO DE SANTA CATARINA CARTOGRÁFICA . 4. Com o avanço tecnológico. a escala da carta apresenta uma relação entre a medida registrada neste modelo e sua correspondente na superfície. dentro do limite de erro (escala) definido no início da pesquisa. Esses problemas não foram avaliados tecnicamente por não comprometerem a qualidade da delimitação das ALPs. verificados durante a pesquisa.IPUF.ufsc.”.5 metros. Independente da Avaliação da Base feita durante a pesquisa e das constantes atualizações feitas pela CELESC.br/alps). a sobreposição das fotos aéreas com a Base Cartográfica. 2005 (ver www. e as mesmas são repassadas para sistema de informações da CELESC. apresentou-se variável. Desta maneira. ficando. ortofotos). comparação com as coordenadas de campo. discretização da base. objeto da pesquisa “Metodologia de Identificação . correspondente à escala 1/5000. deve-se solicitar da empresa detentora dos direitos relativos ao levantamento fotogramétrico. dentro do limite de erro (escala) definido para a pesquisa. Na cartografia analógica. definição de critérios de distribuição dos pontos de controle.. Caso necessite-se maior precisão nessa sobreposição. avaliação dos resíduos. Da mesma forma.

1 .2 metros ou 13 metros. que se faça a escolha da técnica de levantamento de dados (levantamento topográfico. Expectativa de qualidade: åói2 = ó12+ó22+ó32+= Ec = 7. com as descrições resumidas dos cálculos das exatidões finais de cada uma. Obs: Sugere-se refazer o polígono definido em Lei.12m de precisão.Erro no processo de digitalização: 0. foram esgotadas todas as possibilidades técnicas para aumentar a exatidão. Em terceiro. restando as possibilidades via decisões oficiais dos órgãos gestores. Estim am-se 0.000: 0. 4 .000: 0. Como não se conhece o método de obtenção das coordenadas. não se tem parâmetros para estimar a Exatidão.).1 = 0. Para cada processo sobreposto na hora de geração de um novo documento cartográfico. Dois métodos disti ntos de determinação dos limi tes. As ALP´s que dispunham de um levantamento pré-existente. Ver Quadro III. Usa-se aqui estimativa de exatidão e não exatidão real. Como não se conhece o método de obtenção das informações geométricas . Em segundo lugar se faz necessário avaliar a base cartográfica a ser usada. Como foram calculados todos os erros das fontes e erros inerentes ao processo de delimitação. = 12 05 DELIMITAÇÃO BASES TÉCNICAS DAS ALP’S PARA DA A ILHA REPRESENTAÇÃO DE SANTA CATARINA CARTOGRÁFICA . As exatidões dos limites das ALP's foram estimadas através do método de Propagação de Erros à priori com base na precisão de cada técnica utilizada e na qualidade e escala dos documentos cartográficos disponíveis. as leis envolvidas na criação da mesma.A precisão do georreferenciamento varia em função da qualidade dos pontos G PS e do modelo matemát ico adotado.52= 0. Essa variação na exatidão é devido as diferentes precisões das definições legais dos limites. Expectativa de qualidade: åói2 = ó12+ó22+ó32= 0. UC 07 Parque Municipal da Lagoa do Peri 1 . lei e campo). Outro cuidado a ser observado é a origem dos origiais utilizados. 2 . fotointerpretação.Incerteza causada pela espessura do traço do limite da UC no mapa anexo à lei: 1. Para se fazer o cálculo de estimativa de exatidão da linha limite de uma ALP é necessário que se desenvolva um estudo composto por 4 itens. lei e fotos.Para escala 1/1000 Precisão de 0.72mm Ec 7. Por último. tanto nos textos quando nas representações cartográficas anexas. 3 . Os erros que utilizados na propagação foram inerentes aos processos de obtenção do polígono de cada ALP.5mm .52+0.: O mapa não está contido na Lei. A delimitação de cada ALP foi feita.1 m m x 1000 = 0.5m m x Ec. Desta forma. se faz necessário a definição de um método para cálculo da exatidão final dos limites mapeados. A estimativa de qualidade é definida pelas dir eções e distâncias apresentadas na lei de Criação da Estação.Expectativa de qualidade geométrica planim étrica da base 1/10. digitação etc. Os cálculos dos erros estimados no processo de obtenção dos limites das ALP's são apresentados no Quadro VI.000: 0. Sem estimativa de qualidade tendo em vista as indefinições geométri cas das plantas disponíveis e incompatibi lidade entre o texto averbado no cartório e a planta definidora.5m. já que essas estão em meio digital onde a escala gráfica não é mais o referencial.53 m Erro estimado de 0. existem limites de ALP's com precisão melhor do que a Base Cartográfica utilizada.52+12= 1.00mm Expectativa de qualidade: åói2 = ó12+ó22+ó32+ó42= 0.Distorção da cópia em papel da base cartográfi ca: 0. a estimativa de precisão é uma referência de qualidade para a delimitação das ALP´s.1m m 3 . Estes devem originar-se sempre de fontes seguras.5m m x Ec.5 + 0. A escala final de referência sempre ficará menor do que a de origem.: Parte do lim ite retirado de cópia possui distorç ão de 0.72 metros ou 8 metros. para aumentar a precisão final do limites legais mapeados. o resultado no final.1m m 3 .: Neste parque existe uma região de conflito de uso e ocupação declarada.Incerteza posicional atribuída ao m étodo de Digitalização: 0. 2 .relativa a uma escala de 1/10000. digitalização.000 A exatidão está condicionada às coordenadas do aditivo da lei.71mm UC 06 Parque Municipal das Dunas da Lagoa da Conceição Obs. no mínimo por dois caminhos (texto de lei e planta anexa. por exemplo: erros associados a escala dos mapas e bases utilizados.Expectativa de qualidade geométrica planim étrica da base 1/10. nem sempre tinham as especificações técnicas adequadas para definir a exatidão.6 metros.12+0.52+0.12+0. Obs.52+0. Obs. nos lim ites compreendidos nas Avenida das Rendeiras B) Definição dos limi tes com base nas cartas 1/10. Desta forma. 2 .12+0.Distorção da cópia em papel da base cartográfi ca: 0. deve-se levar em consideração o erro associado à escala do original.1m m 3 . A) Definição com base em levantamento topogr áfico.5 mm. 2 2 2 Propagando os erros: Ö0. Quadro VI .52= 0.5mm .Distorção da cópia em papel da base cartográfica: 0. não se tem parâmetros para estimar a Exatidão.5m m. erro gráfico proveniente da digitalização de originais ou cópias e erros de levantamentos de campo. A fórmula utilizada para fazer a propagação de erros está definida no quadro VI.1m 0.1 m. UC 02 Reserva Particular do Patrimônio Natur al do Morro das Aranhas UC 03 Reserva Extrativista Marinha do Pirajubaé UC 04 a-b Estação Ecológica de Carijós – Ratones e Saco Grande UC 05 Parque Municipal da Galheta A estimativa de qualidade é definida pelas coordenadas apresentadas na lei de Criação da Reserva.Descrição das Estimativas de Exatidão das ALP’s da Ilha de SC ALP’s UC 01 Reserva Natural Menino Deus Exatidões 1 . como. Em primeiro lugar. no pior dos casos foi de 13 metros.Incerteza posicional atribuída ao m étodo de Digitalização: 0. causada pela ausência de demarcação do parque e pela definição dos limi tes do parque utilizando detalhes geográficos. 2 .5mm x Ec = 0.5m m x Ec. Em contrapartida. 1 .Expectativa de qualidade geométrica planim étrica da base 1/10.: Inconsistênci a entre a descrição das coordenadas e o mapa que define a UC.Incerteza posicional atribuída ao m étodo de Digitalização: 0. erros originados das cópias heliográficas. depois da propagação dos erros. Obs.22mm Ec = 12.12 + 0. pois nenhum limite foi levantado ou conferido integralmente no campo durante a pesquisa.

Expectativa de qualidade geométrica planim étrica da base 1/10.1m m 3 . 1 .5mm .Expectativa de qualidade geométrica planim étrica da base 1/2. UC 11 Qualidade da delimitação heterogênea.22mm 0.5mm .000.69 +10 12.000 da CELESC e Prefeitura Municipal Parque do Manguezal de Fpolis/SC. Santinho.000: 0.Incerteza causada pela espessura do traço do limite da UC no mapa anexo à lei: 1.12+0.Distorção da cópia em papel da base cartográfica: 0. em função dos di versos métodos utili zados.Incerteza causada pela espessura do traço do limite da UC no mapa anexo à lei: 1.52+0.Expectativa de qualidade geométrica planim étrica da base 1/10. Campeche.Exatidão dos pontos provenientes da base da Celesc: 0. Armação do Pântano do Sul e Pântano do Sul ó1 +ó2 +ó3 +ó4 2 2 2= 2 2 2 2= AP 03 Parque Ecológico Municipal Prof. Lagoinha Pequena Ec = 12. não se tem parâmetros para estim ar a Exatidão 0.Descrição das Estimativas de Exatidão das ALP’s da Ilha de SC ALP’s AT 04 a Lagoinha da Chica Exatidões 1 . 2 .000: 0.00mm Expectativa de qualidade: åói 2 = 2 Obs. 1 .52+12= 1.5m m x Ec. pois o limite. obtém -se o valor máximo de 6.5m m.69 cm.Distorção da cópia em papel da base cartográfi ca: 0.2 METROS OU 13 METR OS .22mm Ec = 12.1 +0. mas foi utilizada como base uma carta 1/2000 também do IPUF da Prefeitura Municipal de Fpoli/SC. 4 .Expectativa de qualidade geométrica planim étrica da base 1/10.5m m x Ec.00mm Expectativa de qualidade: åói 2 = 6.5m m x Ec.: Apesar do limi te ter sido obtido da carta 1/10.000: 0.1m m 3 .Distorção da cópia em papel da base cartográfi ca: 0. Obs.30m Estimativa de Exatidão: 3. que é o Serra do Tabuleiro próprio oceano.5mm.5 +0.1 +0. Restinga de Ponta das 2 .03 cm = 0.Distorção da cópia em papel da base cartográfica: 0. ou 13 metros AP 02 Obs. nas regiões vizinhas as áreas ocupadas: 2 – Exatidão dos pontos provenientes do Levantamento GPS = 1. 4 . 4 .Incerteza posicional atribuída ao m étodo de Digitalização: 0. 2 . 2 .: Região totalmente descaracterizada. AT 01a 1 .Expectativa de qualidade geométrica planim étrica da base 1/10.20 metros Os limi tes deste parque foram obtidos a partir de dois m étodos distintos: A) Limites definidos pelos l ogradouros do entorno do Parque: 1 . conf irmando os lim ites.5 mm x Ec = 2. 2 .Continuação do Quadro VI . efetuando a propagação de erros para poligonal de 5 km. não se tem parâmetros para estim ar a Exatidão Como não se conhece o método de obtenção das informações geométricas. c onsiderando a NBR 13133.52+12= 1.Incerteza posicional atribuída ao m étodo de Digitalização: 0.Qualidade da amarração geodésica de 10 cm. não se pôde estimar a qualidade destes lim ites. Parque Estadual da Não foi levado em consideração o erro do contorno dos costões.12+0.1m m 3 .: A base do IPUF citada na Lei é a de escala 1/10000.Descrição das Estimativas de Exatidão das ALP’s da Ilha de SC ALP’s UC 08 Parque Municipal da Lagoinha do leste Continuação do Quadro VI .5m m x Ec.Expectativa de qualidade geométrica planim étrica da base 1/10.Incerteza causada pela espessura do traço do limite da UC no mapa anexo à lei: 1. Obs. os pontos continentais foram obtidos com GPS.Incerteza posicional atribuída ao m étodo de Digitalização: 0. 1 .5m m x Ec. Expectativa de qualidade: åói 2 = 2 AP 01 Unidade de conservação ambiental Desterro – UCAD ó1 +ó2 +ó3 +ó4 2 2 2 2= ó1 ó2 2 2= 2+ 2= 0.5 +0.000: 0.22mm Exatidão de 2. 2 .Expectativa de qualidade geométri ca planimétri ca de poligonal topográfica.E.Distorção da cópia em papel da base cartográfica: 0. UC 10 Definição dos li mites obtida com base nos mapas 1/5.52+0.5 +1 1.: Para valores mais reais necessitaria t er disponível os valores ajustados do resultado dos erros na digitalização do m apa.5m m. 1 .44m 2.5metros conforme o P.Incerteza causada pela espessura do traço do limite da UC no mapa anexo à lei: 1.Incerteza posicional atribuída ao m étodo de Digitalização: 0.1m m 3 .000: 0. B) Limites definidos por pontos GPS.5 +1 1. possui comportam ento dinâmico. do Itacorubi Exatidão de 2.C.22mm Ec = 12.5 +1 1.: As coordenadas contidas em Lei conferem com as do mapa. UC 09 Parque Municipal do Maciço da Costeira Por não se conhecer o método de levantamento e obtenção de coordenadas.22mm Ec = 12.22mm AT 04 b EC = 12. 1mm 3 .5 +1 1.2 metros ou 13 metros.Incerteza posicional atribuí da ao método de Digitalização: 0.5mm x Ec. 2 13 05 DELIMITAÇÃO BASES TÉCNICAS DAS ALP’S PARA DA A ILHA REPRESENTAÇÃO DE SANTA CATARINA CARTOGRÁFICA . 0 metros* Obs. João Davi Ferreira Lima AP 04 Parque Estadual Henrique Berenhauser (Rio Vermelho) Como não se conhece o método de obtenção das informações geométricas .00mm Expectativa de qualidade: åói 2 = ó1 +ó2 +ó3 +ó4 2 2 2 2= ó1 +ó2 +ó3 +ó4 2 2 2= 2 2 2 2= 0.5 metros.1m m Canas 3 . 4 .2 m.Incerteza causada pela espessura do traço do limite da UC no mapa anexo à lei: 1.2 m Parque da Luz AT 01 b Ponta do Sambaqui AT 02 a-e Dunas dos Ingleses . 4 .5m m.2 metros ou 13 metros.5 +0.00mm Expectativa de qualidade: åói2 = 2 AT 03 Região da Costa da Lagoa da Conceição ó12+ó22+ó32+ó42= 2 2 2= 0.Distorção da cópia em papel da base cartográfi ca: 0. 4 .Incerteza posicional atribuída ao m étodo de Digitalização: 0. 2 .5 +0.00mm Expectativa de qualidade: åói 2 = ó1 +ó2 +ó3 +ó4 2 2 2= 2 2 2 2= 0.5 metros.000: 0. Precisão do levantamento GPS: 0.2 metros ou 13 metros.1 +0.00mm Expectativa de qualidade: åói 2 = Exatidões 1 .1 +0.Incerteza causada pela espessura do traço do limite da UC no mapa anexo à lei: 1. Há necessidade de se retificar as defini ções das unidades.

Saco Grande FOLHA 06 Parque Municipal da Galheta FOLHA 07 Dunas da Lagoa da Conceição FOLHA 08 Parque Municipal da Lagoa doPeri FOLHA 09 Parque Municipal da Lagoinha do Leste / Dunas do Pântano do Sul FOLHA 10 Parque Municipal do Maciço da Costeira FOLHA 11 Parque do Manguezal do Itacorubi / Parque Ecológico Municipal João Davi Ferreira Lima FOLHA 12 Parque Estadual da Serra do Tabuleiro FOLHA 13 Restinga de Ponta das Canas FOLHA 14 Dunas do Campeche / Lagoinha da Chica / Lagoinha Pequena FOLHA 15 Dunas da Armação do Pântano do Sul FOLHA 16 Região da Costa da Lagoa da Conceição FOLHA 17 Unidade de Conservação Ambiental Desterro .Ratones / Ponta de Sambaqui FOLHA 05 Estação Ecológica de Carijós .05.UCAD FOLHA 18 Parque da Luz FOLHA 19 Parque Estadual Henrique Berenhauser . MAPAS DOS LIMITES LEGAIS DAS ALPs DA ILHA SC ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! Mapa dos Limites das Áreas Protegidas na Ilha de Santa Catarina Imagem da Ilha de Santa Catarina com Sobreposição das Áreas Legamente Protegidas FOLHA 01 Reserva Natural Menino Deus FOLHA 02 Dunas dos Ingleses / Dunas do Santinho / Reserva Particular do Patrimônio Natural do Morro das Aranhas FOLHA 03 Reserva Extrativista Marinha do Pirajubaé FOLHA 04 Estação Ecológica de Carijós .Rio Vermelho 14 MAPAS DOS LIMITES LEGAIS DAS ALP’S DA ILHA DE SC .

Decreto n.pmf. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis.mma. http:// www.UFSC. 1997. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. J.986. Avaliação pós-ocupação do ambiente construído. DORA MARIA.conceitos. http:// www. 1990.brazilnature. políticas e filosofia da qualidade. BRASIL. 6. Disponível na Internet. 141p. de 22 de agosto de 2000 Regulamenta o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. 2002. MN 55155 October 1999. Data de acesso 24 abril 2003.1. VIEIRA. JACKSON DA (COORD. ROCHA.1991. IBAMA. Curso de Pós-Graduação em Engenharia Civil. ESTADO DE SANTA CATARINA. 2002.br. Dissertação. Dissertação. JURAN. Em busca do conhecimento ecológico: uma introdução à metodologia. Florianópolis. SC. Lei n. Land Management Information Center. São Paulo: Edgard Blücher. Contribuição para a gestão de unidades de conservação. Brasília: IBAMA. Florianópolis: Prefeitura Municipal de Florianópolis.tvcultura. 1989.br/aloescola/ciencias/maravista/3/3mar4. Depoimento . MINESOTA PLANNING. Disponível na Internet. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. 1994. 9.sc.com. Controle de Qualidade. Avaliação do grau de implementação das unidades de conservação da Ilha de Santa Catarina.GRUPOGE. PALADINI. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção.htm Data de acesso 25/08/2003.3.htm Data de Acesso 13/11/2002. Data de acesso 01 abril 2003. 22 de junho de 1984. Disponível na Internet www.M. 405-414. Uma cidade numa Ilha relatório sobre os problemas sócio-ambientais da Ilha de Santa Catarina. Vol.estabelece Instruções Reguladoras das Normas Técnicas da Cartografia Nacional.com/ atlantica. MATA ATLÂNTICA Disponível na Internet www.. 114p. São Paulo: Studio Nobel. Relatório Final de Pesquisa Metodologia de Identificação de Limites das Unidades de Conservação Ambiental da Ilha de Santa Catarina. Zonas Costeiras: ecossistemas.340.2. Ministério do Meio Ambiente. SILVA. 11. BRASIL. Yara (1991).: Controle de qualidade . SC. nº 120. http:// www. 1995. estudo de caso: Ilha de Santa Catarina Brasil. Room 300 658 Cedar St. Disponível na Internet. Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis.sc.br.S. uma contribuição a gestão ambiental. Mapeamento hidrogeológico da Ilha de Santa Catarina utilizando geoprocessamento. Tese de Doutorado. Data de acesso 24 abril 2003. 2005 15 FONTE DE DADOS E INFORMAÇÕES . uma abordagem abrangente. www.usp. Resolução CONAMA nº 303/02. Florianópolis. Beatriz M. 2000. p. Edson P . Lei n. Florianópolis: Insular. março 2005. IPUF. Positional Accuracy Handbook .br. Parques Nacionais e Reservas Biológicas. Unidades de conservação do Brasil. Florianópolis: IBAMA/NEA/CEPSUL (Centro de Pesquisas do Sul). Data de acesso 24 abril 2003. GEMAEL.gov. Universidade Federal de Santa Catarina. Brasília. Minesota USA. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AVELAR et al. ORTH. Data de acesso 01 abril 2003. Florianópolis.br/cebimar/artigos/ mangue. FONTES DE DADOS E INFORMAÇÕES 6. Florianópolis. Curitiba: UFPR.fatma. F.html Data de Acesso 03/12/2002. SC.br/floram/app. FPOLIS/SC. Emiliana. 2002. usos múltiplos e conflitos. Paul. R. MANGUEZAIS. ROCCA. Dora Maria. http:// www.br/temas/tema15/htm.gov.). 4. 6. Curso de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. Disponível na Internet. BRASIL. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. DOCUMENTOS TÉCINICOS ORTH. M. Fpolis/SC.gov. 2002. 14 p. Universidade Federal de Santa Catarina. Acervo de Documentos sobre ALP's das Ilha de SC.sc. GUEDES JÚNIOR. 1992. Jackson da (coord. Alexandre. Universidade Federal de Santa Catarina. ORTH.mma. de 18 de julho de 2000 Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza.gov.ipuf. Maike Hering de et al. Introdução ao Ajustamento de Observações: aplicações geodésicas.sc. FLORIANÓPOLIS. de novembro de 2001 Sistema Estadual de Unidades de Conservação da Natureza. I. Prefeitura Municipal. São Paulo: Atlas. QUEIROZ. www. São Paulo: McGraw-Hill. ORNSTEIN.).br/temas/tema10/htm. Dora Maria. INVENTáRIO DAS ALP´S DA ILHA DE SC (COM BANCO DE DADOS LEGAL). Sálvio José.06. GRYNA. Disponível na Internet. 2002. Ministério do Meio Ambiente.fatma.gov. Florianópolis.html Data de Acesso 03/12/2002. SCHAFFER-NOVELLI. Exatidão cartográfica para cartas digitais urbanas. 2005. Programa de P & D da CELESC.BR. 1999.gov. IBAMA. Sheila. Disponível na Internet.985. Florianópolis. Disponível na Internet. SC. GrupoGE/ECV/UFSC. 1999. CENTRO DE ESTUDOS CULTURAS E CIDADANIA CECCA. Política habitacional de Florianópolis. Decreto 89917 de 20 de junho de 1984 . SILVA. Camil. DEBETIR. III Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação. http:// www. Fortaleza: Rede Pró-UC. SITE WWW. SITES DA INTERNET ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE.