Você está na página 1de 122
TMS

TMS

 

Objetivos

instrucionais do curso

4

Objetivos específicos do curso

4

TMS

5

O

AMBIENTE

 

6

FLUXO DE CADASTROS

10

Fluxo de processos

11

Exemplo - viagem de coleta rodoviária

12

 

Exemplo - viagem de transporte rodoviário

13

Exemplo - viagem

de

entrega rodoviária

14

CONFIGURAÇÕES DO SISTEMA

15

Verificação das tabelas

 

22

CADASTROS

25

Produtos

26

Complemento de produtos

29

Fornecedores

31

 

Tipos de entradas e saídas

 

33

Condições de pagamentos

35

Naturezas

37

Tarefas X Atividades

39

Serviços X Tarefas

41

Estrutura de regiões

45

Clientes

47

Complemento de regiões

50

Zonas

52

Setores por zona

53

Pontos por zona e setor

54

Rotas

56

Rodovias

58

Praças de pedágio

59

Rota X

Rodovia

 

60

Prazos

de regiões

 

61

Distâncias

 

62

Componentes de frete

63

Configuração da tabela de frete

66

Tabela

de

tarifa

68

Tabela

de

frete

70

Contrato de cliente

72

Perfil do cliente

74

Configuração de documentos

76

Regras de tributação

78

Regras de tributação por cliente

80

Motoristas

82

Tipos de veículo

84

Veículos

 

86

Cotação de frete

90

Solicitação

de coleta

93

Rodoviário coleta

95

Fechamento

96

Operações

97

Tabela de ocorrências

99

Registro de ocorrências

101

Gantt

103

Encerramento

104

Lote de entrada NF

105

Entrada NF cliente

106

Cálculo do frete

108

Rodoviário transporte - viagem

110

Manifesto

111

Rodoviário entrega

112

Tipo de faturamento

113

Faturamento automático

114

Agendamento – coleta e entrega direta

115

GLOSSÁRIO

117

Objetivos instrucionais do curso

São habilidades e competências precisas e específicas, que propiciam uma indicação clara e completa sobre os conhecimentos pretendidos. Compreendem:

a) Conceitos a serem aprendidos

- Princípio epistemológico do Protheus;

- Nomenclatura Microsiga;

- Princípios de TMS;

- Integrações.

b) Habilidades a serem dominadas

- Domínio conceitual do Sistema.

- Propriedade de compreensão e emprego da nomenclatura Microsiga – TMS.

- Capacidade de articulação e relação entre as diversas informações e dados que pressupõem as funcionalidades do ambiente.

- Capacidade de análise e adequação: necessidades X solução Microsiga.

- Domínio técnico-operacional do Protheus – TMS.

- Capacidade para ações pró-ativas, tendo como ferramenta de solução o Sistema.

c) Técnicas a serem aprendidas

- Implantação do ambiente TMS.

- Operacionalização do ambiente.

- Aplicação e utilização plenas das funcionalidades do Sistema – TMS.

d)

Atitudes a serem desenvolvidas

 

-

Capacidade

de

promover

ações

planejadas

e

pró-ativas,

tendo

como

ferramenta de solução o Sistema Microsiga – TMS.

- Capacidade para resolução de problemas técnico-operacionais do ambiente.

- Capacidade de execução.

Objetivos específicos do curso

Ao término do curso, o treinando deverá ser capaz de:

Conhecer e empregar adequada e eficazmente os conceitos e funcionalidades do Protheus – TMS.

Dominar e articular com propriedade a linguagem própria à solução Microsiga.

Implantar e operar o Sistema no ambiente TTMMS.S

Vislumbrar as soluções para as necessidades emergentes através do Protheus – TMS.

TMS

As transportadoras são compostas por departamentos que realizam desde a parte operacional, recebendo as mercadorias; até a parte estratégica, utilizando os indicadores para atingir os objetivos da empresa.

Assim que o cliente entra em contato com a transportadora, o SAC efetua a cotação de frete e também verifica o posicionamento das mercadorias que já estão em viagem.

Toda a negociação desse cliente é feita pelo departamento comercial. O valor que ele vai pagar pelo frete, os contratos com clientes e possíveis ajustes nos valores do frete, de acordo com as necessidades.

Após toda negociação, é a vez do operacional preparar as mercadorias recebidas de diversos clientes, organizá-las de forma eficiente e ágil para, posteriormente, colocá- las em um veículo para viagem.

Antes de sair para uma viagem, o seguro fará toda a validação: desde o veículo, o motorista, até os valores das mercadorias. Assim, será averbado o seguro, garantindo que a mercadoria do cliente seja ressarcida caso haja algum problema na viagem.

Após ser entregue a mercadoria no destino final e todo o processo ser finalizado com sucesso, é o momento do departamento financeiro gerar as faturas que serão enviadas ao cliente, além de controlar os pagamentos, os recebimentos e toda a administração das finanças da transportadora.

O AMBIENTE

A abreviação "TMS" significa Transportation Management System, ou seja, é o sistema de gerenciamento de transportes que tem como objetivo controlar todos os processos fiscais e gerenciais envolvidos na operação de transportes, bem como, controlar veículos, motoristas, fretes e viagens da empresa e de terceiros. Entre as atividades mais importantes destacam-se o controle das despesas dos veículos, as viagens, os fretes, a emissão de CTRC (Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas), nota fiscal de serviço, manifesto, entre outros.

O ambiente TMS (Gestão de Transportes) controla todos os processos de um transportador, abrangendo as áreas: operacional, comercial, seguros, faturamento, logística e SAC. O TMS é uma solução totalmente integrada com a área administrativa (financeiro, fiscal e contábil) da empresa.

Entre suas inúmeras funções, permite os seguintes controles dentro da gestão de transportes:

Logística

Estruturação das regiões atendidas, definindo os níveis de subordinação entre elas e o tipo de serviço executado em cada uma.

Mapeamento por setores dos clientes, dividindo-os em rotas de atendimento.

Definição, nas rotas, das rodovias e praças de pedágio percorridas.

Definição dos prazos de atendimento por região.

Definição dos tipos de serviços prestados, com as respectivas tarefas e atividades.

Comercial

Criação de componentes de frete, de acordo com as modalidades de serviços prestados e com as características de negócio de cada empresa.

Estabelecimento de configurações de tabelas de preços com variação de componentes, de acordo com os tipos de negociação praticados.

Tabelas de frete com possibilidade de inclusão de ajustes por cliente.

Uso de tarifas.

Ferramentas para manutenção e reajuste de tabelas de frete.

6

Gerenciamento de contratos

Cadastro dos contratos de clientes, estabelecendo todas as condições de relacionamento para a prestação de serviços:

Tipos de serviços prestados.

Tabelas de preço praticado.

Número de notas fiscais por CTRC.

Peso Máximo por CTRC.

Contrato para o cliente genérico – cliente esporádico.

Contratos com terceiros e agregados para gerenciamento do pagamento de serviços contratados pela empresa.

Operacional

Gerenciamento dos processos de coleta e entrega.

Geração

e

emissão

do

conhecimento

de

frete,

AWB

(Air

Waybill

ou

Conhecimento de Transporte Aéreo) e nota fiscal de serviço.

Geração e emissão do manifesto de carga.

Controle da movimentação de veículos e motoristas.

Recepção e carregamento de cargas.

Abertura, fechamento e encerramento de viagens de coleta, transporte e entrega.

Controle de pendências e gerenciamento de ocorrências.

Contrato de carreteiro.

Controle dos indicadores de desempenho no setor de transportes:

Análise de carregamento.

Análise de ocorrências.

Custo KM rodado.

Aging.

Seguro

Criação dos componentes de seguro.

Definição das tabelas de seguro de acordo com produtos, regiões de origem e destino, vigências etc.

Averbação e processo de fechamento de seguro.

Gerenciamento de indenizações e solicitações de reembolso.

Faturamento

Geração manual ou automática das faturas.

Faturamento com base no perfil previamente cadastrado para o cliente:

Condição de pagamento.

Periodicidade de faturamento.

Número de CTRCs por fatura.

Valor máximo da fatura.

Separação por tipos de transporte.

 

Separação CIF e FOB.

Custos

Visão de Custos em quatro níveis:

Veículo

Frota

Viagem

Documento

Tracking e relatórios

Consultas sobre os detalhes da operação, apontadas até o nível de serviços, tarefas e atividades.

Exemplos:

Saída da viagem de coleta.

Chegada da viagem de coleta.

Recebimento/triagem.

Carregamento.

Saída da viagem de transporte.

Transporte.

Chegada de viagem de transporte.

Relatórios de acompanhamento – operacionais e gerenciais.

Integrações

1. Integração com o ambiente LIVROS FISCAIS: geração de impostos e livros.

2. Integração com o ambiente FINANCEIRO: contas a receber, contas a pagar e controle de caixa.

3. Integração com agentes externos: clientes, postos fiscais e parceiros – EDI.

Vantagens

Exatidão e disponibilidade das informações relativas ao transporte, facilitando o atendimento e a prestação de serviços.

Flexibilidade e alto grau de parametrização, possibilitando a configuração de diversas regras de negociação, tanto com clientes quanto com fornecedores.

Elevado grau de integração:

ERP e demais Soluções Microsiga.

Configurador de EDI.

Acuracidade e confiabilidade no processo de cálculo de frete.

Acompanhamento detalhado das operações executadas na prestação de serviço – performance e produtividade.

Agilidade e acuracidade nos processos de faturamento.

Acompanhamento detalhado de ocorrências e pendências.

Informações para apoio das decisões operacionais e gerenciais.

FLUXO DE CADASTROS

FLUXO DE CADASTROS 10

Fluxo de processos

Exemplo - Fluxo de transporte rodoviário para carga fracionada

A transportadora "ABC Transportes" localizada no estado de São Paulo foi contratada para transportar equipamentos eletrônicos da cidade de São Paulo até a cidade do Rio de Janeiro. O transporte será efetuado em três etapas:

1. Viagem de Coleta Rodoviária

2. Viagem de Transporte Rodoviário

3. Viagem de Entrega Rodoviária

Exemplo - viagem de coleta rodoviária

Observe os processos que devem ser executados para a realização da viagem de coleta rodoviária:

coleta rodoviária Observe os processos que devem ser executados para a realização da viagem de coleta

Exemplo - viagem de transporte rodoviário

Observe os processos que devem ser executados para a realização da viagem de transporte rodoviário:

rodoviário Observe os processos que devem ser executados para a realização da viagem de transporte rodoviário:

Exemplo - viagem de entrega rodoviária

Observe os processos que devem ser executados para a realização da viagem de entrega rodoviária:

entrega rodoviária Observe os processos que devem ser executados para a realização da viagem de entrega

CONFIGURAÇÕES DO SISTEMA

O ambiente TMS possui uma série de parâmetros que determinam a forma de processamento de cada empresa como, por exemplo, o parâmetro <MV_LOCALIZ> que indica se os produtos poderão usar controle de endereçamento.

A Microsiga envia os parâmetros com conteúdos padrões que podem ser alterados de acordo com a necessidade da empresa e são customizados no ambiente CONFIGURADOR.

padrões que podem ser alterados de acordo com a necessidade da empresa e são customizados no

15

Os parâmetros a seguir são os utilizados pelo TMS:

 

Campo ou dado a ser gravado no prefixo do título quando for gerado automaticamente pelo ambiente FATURAMENTO. Valor default SF2-

MV_1DUPPREF

>F2_SERIE

MV_ADTPRO

Informe se gera adiantamento para motorista próprio. Valor default F.

MV_AGECOTS

Define se a cotação gerada a partir do agendamento deverá ser sempre para o solicitante. Valor default F.

MV_ALIANCA

Define se utiliza aliança no TMS. Valor default F.

MV_ALIQISS

Alíquota do ISS em casos de prestação de serviços usando percentuais definidos pelo município. Valor default 5.

MV_APSOLTR

Os documentos serão transferidos automaticamente para a filial de débito. Valor default .T.

MV_ATIVCHG

Atividade de chegada de viagem, do cadastro de Tarefas e Atividades. Valor default 050.

MV_ATIVDCA

Atividade de descarregamento, do cadastro de Tarefas e Atividades. Valor default 051.

MV_ATIVRTA

Atividade de retorno do aeroporto, do cadastro de Tarefas e Atividades. Utilizado em viagens aéreas. Valor default 052.

MV_ATIVRTP

Atividade de retorno do porto, do cadastro de Tarefas e Atividades. Utilizado em viagens fluviais. Deixe em branco.

MV_ATIVSAI

Atividade de saída de viagem, do cadastro de Tarefas e Atividades. Valor default 049.

MV_CARGDIR

Determina a partir de qual peso em quilograma será considerado uma carga direta. Valor default 10.000.

MV_CDHISAP

Código do histórico do fechamento de prêmio de seguro. Esse código é proveniente do cadastro de históricos de fechamento de seguro. Deixe em branco.

MV_CDRORI

Define o código da região de origem, ou seja, região onde está a transportadora. É necessário que, para cada filial da transportadora, um parâmetro seja criado de forma que se relacione à região a ser utilizada no cálculo do frete. Preencher com filial 01 e conteúdo 01001. Preencher com filial 05 e conteúdo 05001.

MV_CLICOT

Para fazer a cotação com o contrato do cliente, este parâmetro deve estar ativado. Ele irá buscar o cliente amarrado ao solicitante e, se estiver em branco, busca um cliente genérico. Preencha com F.

 

Define o código+loja do cliente genérico. O cliente genérico é utilizado para os clientes que não tenham uma negociação com a transportadora

e

também para relacionar procedimentos comuns entre clientes como,

por exemplo, regras de tributação. O conteúdo deste campo precisa ser

o

código+loja do cadastro de clientes.

Preencha com 99999901, caso o cliente genérico tenha sido cadastrado

MV_CLIGEN

com esse código.

 

Caracter ASCII utilizado para compactação da impressora. Valor default

MV_COMP

 

15.

MV_COMPENT

Código do componente de frete destinado a reentrega. Este parâmetro não será utilizado.

MV_COMPPDG

Código do componente de frete de pedágio. Deixe em branco.

MV_COMPIMP

Código de componente de frete que será utilizado como complemento de imposto em um CTRC. Este parâmetro não será utilizado.

MV_CONTDCA

Informe se será efetuado um controle no descarregamento. Valor default F.

MV_CONTHIS

Se este parâmetro estiver desativado (F), o sistema permite alterar tabelas que já foram utilizadas em um cálculo de frete. Recomendamos deixar esse parâmetro ativado, conforme default. Preencher com T.

MV_CONTVEI

Controle de veículos e motoristas. Com este parâmetro ativado, só é possível utilizar um veículo/motorista após liberação. Default T. Preencher como F.

MV_COTVFEC

Permite alterar o valor de qualquer componente, desde que o componente de frete esteja com o campo “Desconto Cotação” igual a "Sim". Você conseguirá esse desconto, clicando sobre o valor fechado que aparecerá na cotação de frete e sobre o componente. Preencha com T.

MV_CUSMED

Identifica como será o cálculo do custo médio. Valor default M=Mensal.

MV_DATAFAT

Data de emissão da fatura. Caso esteja vazio, será considerada a data atual do sistema. Valor default em branco.

MV_DESAWB

Código de despesas referentes a AWB. Utilizado em viagens aéreas. Deixe em branco.

MV_DESCTC

Código de despesas referentes ao contrato de carreteiro. Deixe em branco.

MV_DESPDG

Código de despesas referentes ao pedágio. Deixe em branco.

MV_DESPRE

Código de despesas referentes ao contrato de prêmio. Deixe em branco.

MV_DOCVGE

Define se os endereços/documentos podem ser vinculados a uma viagem através do carregamento. Valor default F.

MV_ENTAER

Define o tipo de transporte que realizará a entrega de um transporte aéreo. Valor default 2 - Aéreo.

MV_EDIDIRE

Define o diretório em que serão gerados os arquivos de EDI. Valor default \

MV_EDIDIRR

Define o diretório em que estão os arquivos recebidos por EDI. Valor default \

MV_EDILOG

Define se será gravado LOG de geração do EDI. Valor default F.

MV_EDIRMOV

Diretório para onde serão movidos os arquivos de recebimento que forem concluídos com sucesso. Deixe em branco.

MV_ESTADO

Sigla do estado da empresa usuária do sistema, para efeito de cálculo do ICMS. Valor default SP.

MV_FATCUB

Fator de cubagem padrão. Quando está vazio, o sistema assume o fator do complemento de produto. Deixe em branco.

MV_FATPREF

Prefixo dos títulos gerados para as faturas de transporte. Esse prefixo precisa estar cadastrado na tabela 05. Preencha com FT.

MV_FILDPC

Define as filiais aliança que efetuam redespacho para filial atual. Deixe em branco.

MV_FORGEN

Define o código/loja do fornecedor que será utilizado nos contratos genéricos.

MV_FORINSS

Fornecedor padrão para títulos do ISS. Valor default INPS.

MV_FORSEG

Define o código/loja do fornecedor que serão utilizados na geração de títulos a pagar do seguro. Deixe em branco.

MV_FORSEST

Fornecedor padrão para títulos do SEST. Valor default SEST.

 

Gera contrato de carreteiro para viagens não efetuadas? Valor default

MV_GERCONT

F.

MV_GERADF

Gera contas a pagar do adiantamento de frete com valor superior ao valor do frete+pedágio. Valor default F.

MV_GERTIT

Gera contas a pagar no contrato de carreteiro? Valor default T.

MV_HORCOF

Neste parâmetro, pode-se definir o horário final de coleta da transportadora. Caso seja incluída uma nova coleta após esse horário, ela será transferida para o próximo dia. Preencha com 18:00.

MV_HORCOI

Neste parâmetro, pode-se definir o horário inicial de coleta da transportadora. Preencha com 08:00.

MV_INCISS

Verifica se o cálculo do ISS será embutido. Valor default T.

MV_ISS

Natureza utilizada para imposto/serviço. Valor default "ISS".

MV_INTTMS

Este parâmetro indica se o ambiente TMS está integrado aos outros ambientes, liberando sua utilização. Preencha com T antes de iniciar o uso do ambiente.

MV_KMVEIOP

Quilometragem de veículos por operações. Caso o controle de veículo esteja habilitado, este parâmetro não terá efeito. Valor default F.

MV_LIMINSS

Valor limite de retenção do INSS para pessoa física. Valor default 0.

 

Indica se o produto utiliza controle de localização física. Preencha com

MV_LOCALIZ

N.

MV_MCUSTO

Moeda utilizada para verificação do limite de crédito que foi informado no cadastro de clientes. Valor default 2.

MV_MOTGEN

Código do motorista genérico. Deixe em branco.

MV_MUNIC

Parâmetro utilizado para identificar o código dado à Secretaria das Finanças do Município para recolher o ISS. Valor default MUNIC.

 

Permite endereçamento múltiplo a cada nota fiscal do cliente. Deixe em

MV_MULTEND

branco.

MV_NATCTC

Código da natureza utilizado para geração de títulos a pagar provenientes de contratos de carreteiro. Deixe em branco.

MV_NATDEB

Código da natureza utilizado para geração de títulos a pagar provenientes de contratos de carreteiro para a filial de débito. Deixe em branco.

 

Código da natureza do título da fatura de transporte. Preencha com

MV_NATFAT

000004.

MV_NATFTRA

Neste parâmetro, pode-se informar uma natureza para cada tipo de transporte. Valor default em branco.

MV_NATPDG

Código da natureza utilizado para geração de títulos a pagar provenientes de valores de pedágios.

MV_NORM

Caracter ASCII utilizado para descompactação da impressora. Valor default 18.

MV_NUMFAT

Número seqüencial de faturas. Não é necessário o preenchimento, o sistema controla automaticamente.

 

Código da ocorrência de confirmação de embarque aéreo. Deixe em

MV_OCORCFE

branco.

MV_OCORCOL

Define a ocorrência de coleta utilizada no apontamento automático de ocorrências. Preencha com 101.

MV_OCORENT

Define a ocorrência de entrega utilizada no apontamento automático de ocorrências. Preencha com 301.

MV_PASSTAB

Controle de passos na geração da tabela de frete e reajuste de preços. Valor default 100.000.

MV_PCANOP

Se na chegada/saída/encerramento de viagem existirem operações anteriores, deverão ser efetuados os seguintes procedimentos: 0- Cancelar;1=Perg.Antes de Cancelar.;2=Não Cancelar ;3=Apont.Obrigat. Preencher com 1.

MV_PESCOB

Componente de frete que determina o peso cobrado. Deixe em branco.

MV_PRDCTC

Produto utilizado para gerar os pedidos de compra no contrato de carreteiro (pessoa jurídica). Deixe em branco.

MV_PRDDIV

Define se poderá informar mais que um produto nos programas do TMS. Preencha com F.

MV_PROGEN

Produto genérico que será utilizado para obter tabelas de frete ou seguro quando não for encontrado o produto solicitado. Deixe em branco.

MV_ROTGCOL

Rota genérica de coleta. Esta rota foi criada para que seja possível visualizar na viagem aqueles documentos que estão sem rota. Deixe em branco.

MV_ROTGENT

Rota genérica de entrega, criada para que seja possível visualizar na viagem aqueles documentos que estão sem rota. Deixe em branco.

MV_ROTGTAB

Rota genérica para tabela de carreteiro. Deixe em branco.

MV_SELFIS

Relacione as filiais que utilizam selo fiscal. Deixe em branco.

MV_SERTMS

Permite alterar as descrições dos serviços de transporte do TMS. Não é permitido alterar a quantidade de serviços de transporte. Valor default 1=Coleta; 2=Transporte; 3=Entrega.

MV_SRVALI

Serviço de Transporte Aliança de segundo percurso. Deixe em branco.

MV_SRVFAT

Este parâmetro define o serviço da fatura para um documento de apoio. Exemplo de conteúdo: B1=001, em que B é o documento de apoio, 1 é o tipo de transporte (coleta) e o 001 é o serviço utilizado.

MV_SVCENT

Código do serviço para carregamento de entrega. Preencha com 016.

MV_SVCLOT

Código do serviço de conferência de lote de notas fiscais do TMS. Deixe em branco.

MV_SELDOC

Define se os documentos serão selecionados automaticamente na Viagem Modelo 2 (1=serão selecionados;2=não serão selecionados). Valor default 2.

MV_TESAWB

Tipo de Entrada e Saída para gerar AWB. Deixe em branco.

 

A

TES relacionada neste parâmetro é utilizada no fechamento da

viagem. Caso utilizemos controle de estoque, o sistema dará uma saída

no

estoque.

MV_TESDD

Preencher com 981.

MV_TESDR

A TES relacionada neste parâmetro é utilizada na entrada da nota fiscal do cliente. Caso utilizemos controle de estoque, o sistema dará uma entrada no estoque. Preencher com 481.

MV_TIPFAT

Tipo de título da fatura de transporte. Esse tipo precisa estar cadastrado na tabela 05 - Tipos de Títulos. Preencha com FT.

MV_TMPCOL

Tempo médio previsto para efetuar as coletas. Deixe em branco.

MV_TMSCFEC

Ativa utilização de carga fechada. Com este parâmetro ativado, tem-se acesso à rotina de Agendamento que é onde os processos de carga fechada são controlados no TMS. Preencha com T.

MV_TMSCRET

Código de retenção da DIRF usado para gerar o contrato de carreteiro. Valor default "0588".

MV_TMSDOC

Define a descrição dos documentos de transporte B e C. Valor default B=ACT.

MV_TMSGREM

Indica se os campos <DTC_CODREM> e <DT6_LOJREM> serão mantidos em tela e validados automaticamente. Este parâmetro foi criado para agilizar o processo de entrada das notas fiscais. Valor default F.

MV_TMSGRPC

Quando o carreteiro for pessoa jurídica, indica se gera um pedido de compras ao invés de um título no financeiro. Valor default F.

MV_TMSMFAT

Modo de faturamento do TMS. 1- as faturas são geradas a partir do SE1; 2-é a forma mais recente de faturamento, geradas a partir do DT6 (Documentos de Transporte). Preencher com 2.

MV_TMSOCOL

Permite informar a ocorrência do documento em outra filial. Valor default T.

MV_TMSUNFS

Informe se a filial utiliza nota fiscal. Valor default F.

MV_TMSVINF

Permite informar o valor do frete na digitação na nota fiscal. Valor default T.

MV_TMSVDEP

Valor por dependente. Valor default 0.

MV_TPNRNFS

Define o tipo de controle de numeração dos documentos de saída (1=SX5;2=SXE,SXF). Valor default 1.

MV_TPTCTC

Tipo do contrato do carreteiro. Como padrão, deve ser a letra “C” + Número da filial”, evitando duplicidade de tipos de títulos. Deixe em branco.

MV_TPTPDG

Tipo de títulos provenientes de pedágio. Esse tipo precisa estar cadastrado na tabela 05 - tipo de títulos. Deixe em branco.

MV_TPTPRE

Tipo de títulos a pagar provenientes de contrato de prêmio de carreteiro. Deixe em branco.

MV_ULMES

Data do último fechamento do estoque. Deixe em branco.

MV_ULTDEST

Define se utiliza o último destino de coleta/entrega para cálculo do frete. Valor default F.

MV_UNIAO

Utilizado para identificar o código dado à Secretaria da Receita Federal para pagamento de Imposto de Renda. Valor default UNIAO.

MV_VEIGEN

Código do veículo genérico para categoria Cavalo. Deixe em branco.

MV_VERBMOT

Código da verba utilizada na geração de prêmio para o motorista próprio, na folha de pagamento. Deixe em branco.

MV_VLDCOT

Tempo em dias de validade da cotação de frete. O sistema verifica a validade das cotações ao entrar na rotina Cotação de Frete. O sistema pergunta se deve cancelar as cotações vencidas. Após canceladas, é possível "Retomar" por meio da rotina para utilizá-la novamente. Valor default 10.

MV_VLDPRO

Validade de dias da proposta. Parâmetro utilizado no Wizard. Valor default 30.

EXERCÍCIO

Vamos começar a implantação e a operação do ambiente TMS. Para isso, deve-se imaginar uma transportadora com duas filiais (São Paulo e Rio de Janeiro). Que opera com coleta, transferência e entrega rodoviária.

Antes de começarmos os cadastros, devemos parametrizar o sistema.

Para isso, devemos ativar o parâmetro <MV_INTTMS>.

Verificação das tabelas

As tabelas relacionam as diversas alternativas para o conteúdo de um campo, facilitando a digitação.

O ambiente Transportation Management System utiliza uma série de tabelas com

opções já definidas, que podem ser modificadas, excluídas ou acrescidas.

As Tabelas são acessadas dentro dos Ambientes, pressionando <ENTER> e <F3> nos

campos a elas relacionados ou clicando na opção.

A definição das Tabelas é realizada no ambiente CONFIGURADOR.

Tabela

Descrição

 

Exemplos

   

10

– Comercial.

M2

Bloqueio de notas

20

– Operacional.

   

01

- Rota rápida.

02

- Rápida itinerante.

M3

Tipos de rota

03

- Convencional direta.

04

- Convencional

Itinerante 1.

M4

Condição de frete

01

– Paga.

02

- Não paga.

   

01

– Rodoviário.

M5

Tipos de tabelas de frete

02

– Aéreo.

   

01

- Scania

02

- Volksvagem

Marca de veículos

03

- Mercedes Benz

M6

04

- Volvo

 

05

- Fiat

06

– Chevrolet

   

01

- Branco

02

- Azul

M7

Cores de veículos

03

- Preto

04

– Vermelho

   

01

- Branca

M8

Cores de pele

02

- Amarela

03

– Negra

M9

Aeroportos

BSB - Brasília CGH - Congonhas GRU - Guarulhos MAU - Manaus PLU - Pampulha SDU - Santos Dumont

MA

Código de seguros para

AC - 01

 

estados

AM

- 04

DF

- 07

GO

- 09

MA

- 10

MS

- 12

MT

- 11

RO

- 22

RR

- 23

SP

- 25

TO

– 27

   

10

- Bloqueio de valor

carregado.

20

- Bloqueio de peso

carregado.

30

- Bloqueio de seguro do

MB

Bloqueio de viagem

motorista.

40

- Bloqueio de

capacidade do veículo.

50

- Bloqueio do veículo.

60

- Bloqueio de carga

perigosa.

   

01 - CTRC

02 - Nota Fiscal

MC

Regras de tributação

03 - Subcontratação

04 - Documento de apoio –

ACT

   

01

- Rodoviário

MD

Tipos de tabelas de seguro

02

– Aéreo

   

01

- Falta

02

- Avaria

ME

Tipos de pendência

03

- Sobra

04

– Bloqueio

   

1 - Varig Log

MF

Tipos de AWB

2 - TAM

3 – VASPEX

   

CX

- Caixa

GR

- Granel

PA

- Pallet

MG

Tipos de embalagem

FD

- Fardos

PT

- Pacotes

 

RL

- Rolos

SC

- Sacos

TB

– Tambores

MI

Tipos de parceiros

01

- Parceiro Aliança 01

02

- Parceiro Aliança 02

L2

Tipo de tarefa

001 – Reabastecimento

   

002

– Apanha de produtos

003

– Conferência

000

– Não conformidade

L3

Tipos de atividades

001

– Agrupar mercadorias

004

– Consolidar palete

001

– Expedição

L4

Tipo de serviço

002

– Carregamento

003

– Recebimento

05

Tipos de títulos

FT – Fatura CH – CHEQUE DH – Dinheiro

CADASTROS

Os cadastros apresentam as informações básicas que garantem as movimentações do ambiente.

No ambiente TMS, eles são apresentados de forma hierárquica, pois alguns deles necessitam de informações imputadas em cadastros anteriores. Assim, é interessante que os cadastros sejam feitos na seqüência de utilização dos dados.

Alguns campos estão associados a tabelas ou cadastros. Eles apresentam a opção a sua esquerda.

Alguns campos estão associados a tabelas ou cadastros. Eles apresentam a opção a sua esquerda. Para selecionar uma de suas opções, clique sobre ela ou pressione a tecla <F3>.

25

Produtos

Este cadastro contém as principais informações sobre produtos e serviços adquiridos, fabricados ou fornecidos pela empresa, propiciando o seu controle em todos os ambientes do sistema.

As empresas exclusivamente comerciais terão, possivelmente, apenas produtos para revenda e materiais de consumo.

As empresas industriais terão todos os tipos de produtos ou materiais utilizados para produção, como produtos acabados, produtos intermediários, matérias-primas, materiais de consumo, mão-de-obra ou serviços agregados à fabricação, que devem compor o custo do produto final.

A definição de produto é genérica e abrange muitos conceitos que podem variar de acordo com o ramo de atuação da organização, bem como do ambiente utilizado.

No ambiente TMS, trabalha-se com os produtos que são enviados pelos clientes (auto peças, cosméticos, eletrônicos, entre outros), além do produto que o TMS utiliza para o cálculo. O produto do cálculo será relacionado será cadastrado aleatoriamente, somente para cálculo do ICMS. Exemplo: cadastra-se um produto que não será transportado, mas que será utilizado para efeitos de cálculo de frete. O produto do cálculo será relacionado posteriormente na Configuração de Documentos.

O produto do cálculo precisa ter uma alíquota de ICMS.

O produto do cálculo precisa ter uma alíquota de ICMS.

Principais campos Descrição – descrição do produto que fará parte das notas fiscais dos clientes.

Principais campos

Descrição – descrição do produto que fará parte das notas fiscais dos clientes.

Unidade – unidade de medida utilizada para se referir ao produto.

Grupo – através deste campo, é possível relacionar um produto a um grupo de produtos. Esse grupo de produto poderá ser utilizado posteriormente para filtrar as mercadorias que irão viajar.

Aliq.ICMS – é importante o preenchimento da alíquota do ICMS no produto que utilizaremos para o cálculo do frete. Este produto será relacionado posteriormente na configuração de documentos.

Exercício

Vamos cadastrar os produtos que serão utilizados em notas fiscais e o produto que será utilizado para cálculo. Lembre-se de que o produto para cálculo precisa ter uma alíquota para ICMS. Cadastre pelo menos um produto para cálculo e um produto para utilizarmos para as mercadorias.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Cadastros

Produtos

Complemento de produtos

Muitas vezes, é necessário que a empresa mantenha dados adicionais sobre um produto. O cadastro de complemento de produto permite que esses dados sejam armazenados sem alterar o cadastro de produtos.

Entre as informações adicionais, estão, por exemplo, a tabelas de preços, as medidas,

o nome científico, o certificado de qualidade, entre outros dados.

É importante lembrar que para cadastrar o complemento de um produto, é necessário ter o produto já cadastrado (Cadastro de Produtos).

Na pasta TMS, deve-se informar os dados importantes que serão validados na geração das viagens. O objetivo principal é bloquear a viagem caso não esteja de acordo com os valores definidos neste cadastro.

esteja de acordo com os valores definidos neste cadastro. Principais campos : Car. Perigosa – Informe

Principais campos:

Car. Perigosa – Informe se a mercadoria é uma carga perigosa. No momento de incluir a viagem, o TMS irá verificar se o motorista relacionado a essa viagem pode transportar esse tipo de mercadoria.

Idade Máxima – Deve-se informar neste campo qual a idade máxima do veículo para que ele possa transportar esse tipo de produto. O TMS irá validar a informação, de acordo com o ano de fabricação/modelo do cadastro de veículos.

Lim.Val.Emb – Informe o valor limite que se pode transportar desse produto em uma viagem.

Lim.Peso Emb – Informe o peso limite que se pode transportar desse produto em uma viagem.

Per. Cubagem – Informe a porcentagem que o produto ocupa em um veículo, em caso de produtos muito volumosos.

Exercício

Vamos cadastrar o complemento dos produtos. Esses complementos serão utilizados para limitar, de acordo com as configurações pré-estabelecidas, os produtos a serem transportados. Podemos definir limites para embarque de acordo com valor dos produtos, peso, idade do veículo, entre outros.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Cadastros

Complement.Produtos

Fornecedores

Fornecedor é uma entidade que supre as necessidades de produtos ou serviços de uma empresa, seja nacional ou do exterior. Quando o fornecedor é um prestador de serviços, o serviço por ele fornecido deve existir no cadastro de produtos.

Um fornecedor pode ser pessoa física ou jurídica. Em ambos os casos, o pagamento será efetuado por meio de uma nota fiscal de entrada, gerando, automaticamente, um título a pagar; ou deverá ser cadastrado de forma manual no ambiente Financeiro.

Por meio das amarrações Produto X Fornecedor e Grupo X Fornecedor, é possível vincular um fornecedor a um ou mais produtos ou grupos de produtos. Entretanto, o sistema permite que sejam recebidos produtos e serviços de um fornecedor, mesmo que não haja cadastro de suas amarrações.

É importante preencher o cadastro de fornecedores com o máximo de informações possíveis. Assim, o perfil do fornecedor é bem definido e o sistema pode utilizar esse cadastro com maior precisão em outras rotinas. Por exemplo, é possível efetuar a cotação de diversos fornecedores, escolhendo o melhor preço e as condições de pagamento, no caso de uma compra.

No ambiente FINANCEIRO, os títulos de fornecedores gerados no contas a pagar atualizam o histórico do fornecedor, como exemplo: a maior compra, o maior saldo, a média de atraso, o número de compras, o saldo em duplicatas, o saldo em moeda forte etc.

No ambiente TMS, relacionamos o fornecedor às praças de pedágio, proprietários de veículos, entre outros cadastros.

Principais campos : Pasta ‘TMS’ Tipo AWB – Informe a companhia aérea, em caso de

Principais campos:

Pasta ‘TMS’

Tipo AWB – Informe a companhia aérea, em caso de transporte aéreo, para a impressão da AWB.

Cód. Favorec. - Informe outro fornecedor que será o favorecido. Ele será utilizado ao gerar o título a pagar.

Exercício

Vamos cadastrar os fornecedores. Cadastre um fornecedor que será o proprietário do veículo, outro da concessionária de rodovias e outro da seguradora.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Cadastros

Fornecedores

Tipos de entradas e saídas

O cadastro de Tipos de Entradas e Saídas (TES) é responsável pela correta

classificação dos documentos fiscais de entrada e de saída registrados no sistema. Seu preenchimento deve ser efetuado com muito cuidado, pois por meio dele é possível:

Calcular os tributos relacionados aos documentos de transporte e, quando necessário, calcular os impostos pertinentes ao frete do autônomo (integração com o ambiente SIGATMS - Gestão de Transportes).

Exemplo de TES

Pasta ‘Adm/Fin/Custo’

de Transportes ). Exemplo de TES Pasta ‘Adm/Fin/Custo’ A TES de entrada precisa estar relacionada no
A TES de entrada precisa estar relacionada no parâmetro MV_TESDR. Ela será utilizada no momento

A TES de entrada precisa estar relacionada no parâmetro MV_TESDR. Ela será utilizada no momento de inclusão da nota fiscal do cliente.

Caso utilize-se controle de estoque, ao entrar com a nota fiscal, o sistema dará uma entrada no estoque. Para isso, a TES precisa estar configurada como Atu. Estoque “Sim”.

A TES de saída precisa estar relacionado no parâmetro MV_TESDD. Ela será utilizada

no fechamento da viagem.

Caso utilize-se controle de estoque, no momento de fechar a viagem, o sistema dará a saída do estoque das mercadorias relacionadas na viagem. Para isso, a TES precisa estar configurada como Atu. Estoque “Sim”.

É necessária mais uma TES de saída que será relacionada posteriormente na regra de

tributação para o cálculo dos impostos. Além disso, nesta TES será definido como o sistema deverá gravar o Livro Fiscal ICMS, ou seja, configurar o campo “L.Fisc. ICMS” na pasta ‘Impostos’ de acordo com as leis em vigência.

Principais campos:

Pasta ‘Adm/Fin/Custo’

Gera Dupl. – Informe se o sistema irá gerar duplicata no momento do cálculo do frete. Em nosso exercício, preencheremos como “Não”, pois vamos gerar fatura após rodar a rotina de faturamento.

Atu. Estoque – Informe se atualiza ou não os estoques. Caso o estoque seja controlado, a TES relacionada nos parâmetros MV_TESDD e MV_TESDR precisa ter este campo preenchido com “Sim”.

Pasta ‘Impostos’

Calcula ICMS – Informe se esta TES irá calcular o ICMS.

L.Fisc. ICMS – Informe em qual coluna do Livro Fiscal iremos gravar os valores.

Agrega Valor – Informe se o imposto será embutido ou não no valor total do frete.

Exercício

Vamos cadastrar a TES que será utilizada para as entradas e as saídas no estoque (caso seja utilizado o controle de estoques). Cadastre, também, uma TES para calcular os impostos. A TES que você criar para a

entrada, posteriormente, precisa ser relacionada no parâmetro MV_TESDR. A TES que você criar para a saída, posteriormente, será relacionada no parâmetro MV_TESDD.

A TES que calculará o imposto (ICMS) deverá ser relacionada nas regras de tributação.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Cadastros

Tipos de Ent/Saída

Condições de pagamentos

As condições de pagamento são características gerais da maneira pela qual um pagamento será efetuado. Elas determinam como e quando serão efetuados os pagamentos, especificando datas de vencimentos, número e valores das parcelas.

datas de vencimentos, número e valores das parcelas. Principais campos Código – irá identificar e

Principais campos

Código – irá identificar e diferenciar a condição de pagamento em todas as rotinas do ambiente.

Descrição – descrição da condição de pagamento.

Exercício

Vamos cadastrar a condição de pagamento. Ela será relacionada no contrato e no cadastro de cliente.

Tal condição será específica para cada cliente da transportadora. Defina a melhor condição para o seu cliente e lembre-se de que ele será o responsável por pagar o frete.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Cadastros

Cond. De Pagamento

Naturezas

O cadastro de Naturezas é de extrema importância para o controle gerencial do sistema, já que possibilita o controle das finanças da empresa sem a colaboração direta da contabilidade na geração automática de títulos. É por meio da natureza que o sistema faz a classificação dos títulos a pagar e a receber, conforme a operação.

dos títulos a pagar e a receber, conforme a operação. Principais campos: Código – irá identificar

Principais campos:

Código – irá identificar e diferenciar a natureza em todas as rotinas do ambiente.

Descrição – descrição da natureza.

Exercício

Vamos cadastrar a natureza. É necessário efetuarmos este cadastro para diferenciarmos o que são faturas de transporte, pedágio, contrato de carreteiro, entre outros.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Cadastros

Natureza

Tarefas X Atividades

Definimos atividade como a menor divisão de um trabalho realizado em um armazém ou em um serviço de transporte.

Para as atividades utilizadas em serviço de transporte, é necessária a indicação da filial em que será executada. Quando não for informada a filial atividade, o sistema considera aquela que estiver em uso.

As Tarefas X Atividades também são utilizadas no ambiente WMS (Gestão de Armazenagem).

Todos os serviços realizados em uma transportadora são formados por tarefas e atividades, observe o exemplo.

Todos os serviços realizados em uma transportadora são formados por tarefas e atividades, observe o exemplo.
Todos os serviços realizados em uma transportadora são formados por tarefas e atividades, observe o exemplo.

Principais campos:

Cod. Tarefa – Informe o código da tarefa que será responsável por disparar as atividades. Posteriormente, esta tarefa será relacionada a um serviço. Os itens visualizados neste campo estão cadastrados na Tabela L2.

Cod.Atividad – Informe todas as atividades relacionadas a uma tarefa. Os itens visualizados neste campo estão cadastrados na Tabela L3.

Duração Ativ – Informe o tempo para executar esta atividade. Esse tempo será estimado nas operações de transporte. As tarefas e as atividades de negociação do TMS não necessitam de tempo, pois são utilizadas apenas para efeito de cálculo.

Fil.Ativid. – Informe em qual filial será efetuada a atividade. Lembrando que ao apontar as operações, caso a filial cadastrada neste serviço esteja diferente da filial atual do sistema, o sistema não permite apontar as operações.

Exercício

Vamos cadastrar as tarefas e as atividades.

Neste exercício, precisamos cadastrar as tarefas de carregamento e de descarregamento; saída e chegada de viagem nas duas filiais. Também não podemos esquecer das atividades de negociação, que são responsáveis pela cobrança do frete no TMS.

Lembre-se de que os cadastros exigem alguns itens das tabelas L2 e L3, acessadas através do ambiente CONFIGURADOR.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Serviços

Tarefas X Atividade

Serviços X Tarefas

No ambiente TMS, o cadastro de Serviços x Tarefas é utilizado para configurar os tipos de serviços prestados pela transportadora, indicando cada uma de suas respectivas tarefas em ordem de execução.

O serviço pode ser definido como um código diferenciador no cálculo do valor do frete

(serviço de negociação) ou, ainda, utilizado como gerenciador das operações relacionadas ao transporte (serviço operacional).

O serviço de negociação é relacionado diretamente às informações de preço do frete,

como, por exemplo: transporte rodoviário, transporte aéreo, entrega direta, carga seca, carga refrigerada, entre outros.

Todo serviço de negociação deve estar relacionado a um serviço operacional, por meio do qual é possível gerenciar as operações (tarefas) relacionadas aos movimentos de transporte dentro do armazém e toda a atividade que ocorre durante a viagem.

X

Armazenagem).

Os

Serviços

Tarefas

também

são

utilizadas

no

ambiente

WMS

(Gestão

de

Observe o exemplo de categoria operacional. 42

Observe o exemplo de categoria operacional.

Observe este outro exemplo de categoria negociação: Ele gera um documento, neste caso o CTRC.

Observe este outro exemplo de categoria negociação:

Ele gera um documento, neste caso o CTRC. Tem um serviço operacional amarrado a ele que é o carregamento. Uma tarefa que é uma negociação comercial, além das porcentagens de desconto, informadas na cotação.

Principais campos:

Cod. Servico – este código irá identificar e diferenciar o serviço em todas as rotinas do ambiente. Os valores exibidos neste campo precisam ser cadastrados na tabela L4 através do ambiente CONFIGURADOR.

Serv. Transp. – este campo

(coleta/transporte/entrega) iremos utilizar.

indica

qual

o

serviço

de

transporte

Tipo Transp. – este campo indica qual o tipo de transporte (rodoviário/aéreo/fluvial) será atendido por este serviço.

Cod.Tarefa – neste campo, relacionaremos as tarefas pertencentes a este serviço. Essas tarefas foram cadastradas na rotina TAREFAS X ATIVIDADE.

Categ.Servic – neste campo, selecionaremos uma categoria para este serviço. Negociação: essa categoria de serviço é relacionada diretamente ao preço do frete. Operacional: essa categoria é um gerenciador das operações relacionadas ao transporte.

Exercício

Vamos cadastrar os serviços e as tarefas.

Neste exercício, iremos criar serviços e relacioná-los às tarefas já cadastradas. Esses serviços serão cadastrados de acordo com os serviços realizados pela transportadora.

Lembre-se de que os cadastros exigem alguns itens da tabela L4, acessada através do ambiente CONFIGURADOR.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Serviços

Serviços X Tarefas

Estrutura de regiões

O objetivo da rotina Estrutura de Regiões é determinar a área de atuação da transportadora, informando as hierarquias existentes entre as regiões de atendimento, estados e filiais da transportadora.

Ao cadastrar a estrutura de regiões, são definidas as regras de hierarquia de atendimento que serão utilizadas em outros pontos do sistema, tais como: cálculo do frete, rotas de transferência, determinação de distâncias, tabela de frete, ajuste de frete, cópia de ajustes, entre outros.

de transferência, determinação de distâncias, tabela de frete, ajuste de frete, cópia de ajustes, entre outros.
de transferência, determinação de distâncias, tabela de frete, ajuste de frete, cópia de ajustes, entre outros.

Principais campos:

Reg. Isenta – Informe um flag que será utilizado ao imprimir o manifesto. Ele pode ser utilizado para distinguir quais são as regiões isentas de impostos. No momento de emitir o manifesto, será possível fazer um filtro através desse flag, por exemplo.

Aliq. ISS – Informe a alíquota do ISS específica para essa região.

Cód.Reg.Col. – Informe a qual região a região em questão é coligada, para efeitos de cálculo de frete, taxas, entre outros detalhes. Operacionalmente, ela pode ficar abaixo de uma outra filial, pois é mais próxima a ela.

Exercício

Vamos cadastrar a estrutura de regiões. Você precisa efetuar este cadastro imaginando as regiões atendidas pela transportadora.

Os estados, as filiais e as regiões serão definidos seguindo a ordem:estado, filial e região.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Logística

Estrutura Regiões

Clientes

Este cadastro é utilizado para registrar os dados dos clientes, além de possibilitar o controle de análises de seus créditos.

Para que esse controle seja feito, o sistema sugere automaticamente alguns dados relacionados ao histórico do cliente, como saldo de títulos, média de atraso, entre outros.

Esses

movimentações realizadas.

dados

são

atualizados

pelo

ambiente

FINANCEIRO,

de

acordo

com

as

É de extrema importância o CEP dos clientes em que serão feitas viagens de coleta/entrega.

É de extrema importância o CEP dos clientes em que serão feitas viagens de coleta/entrega. Caso o campo esteja em branco, o sistema não trará os documentos da viagem.

Principais campos : Pasta ‘Cadastrais’ Tipo – Insira o tipo de cliente. A informação deste

Principais campos:

Pasta ‘Cadastrais’

Tipo – Insira o tipo de cliente. A informação deste campo é importante para calcularmos corretamente os impostos.

Reg. Cliente – Neste campo iremos informar qual a região baseado na estrutura de regiões do TMS o cliente pertence. Esta região é importante para o cálculo do frete.

Pasta ‘Vendas’

Cond. Pagto (A1_COND) – Neste campo iremos informar a condição de pagamento padrão para o cliente, de acordo com o cadastro de condições de pagamento.

Segmento 1 – Neste campo iremos informar o principal segmento de negócio da empresa, de acordo com o cadastro de segmentos de mercado. Utilizamos este campo no momento do cálculo do frete, o sistema procura uma regra de tributação de acordo com este segmento.

Exercício

Vamos cadastrar os clientes. Eles serão os responsáveis por enviar as cargas a serem transportadas. Importante cadastramos pelo menos um cliente que será utilizado pela filial São Paulo, uma para o Rio de Janeiro. Também é necessário cadastrar um cliente genérico, ele será utilizado quando o sistema não encontrar uma negociação para o cliente. Iremos relacionar o cliente genérico futuramente no parâmetro MV_CLIGEN.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Cadastros

Clientes

Complemento de regiões

O objetivo deste cadastro é informar os tipos de serviços de transporte oferecidos pela transportadora, conforme sua estrutura de regiões. Assim, é possível validar os serviços disponíveis para a região origem, destino ou ambas.

No cadastro "Complemento de Regiões", são informados, por grupo de regiões, os dados relacionados ao tipo da região (origem, destino ou ambos), ao tipo de serviço de transporte (transporte ou entrega) e ao tipo de transporte (rodoviário, aéreo ou fluvial) que cada região pode realizar.

aéreo ou fluvial) que cada região pode realizar. Principais campos : Grupo - Informe a região

Principais campos:

Grupo

-

Informe a

região a

qual serão relacionados os serviços e os tipos

transporte atendidos para essa região.

de

Serv. Transp. – Informe o serviço de transporte atendido para a região (transporte ou entrega). Vale lembrar que a coleta não pode ser especificada neste campo.

Tipo Transp. – Informe o tipo de transporte atendido para a região (rodoviário, aéreo ou fluvial).

Tipo Região – Defina se o serviço de transporte e o tipo de transporte dessa região somente serão atendidos quando ela for origem, destino ou ambos.

Exercício

Vamos cadastrar os complementos e as regiões.

Efetue este cadastro pensando nos serviços e nos tipos de transporte atendidos por determinadas regiões por sua transportadora.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Logística

Complemento Região

Zonas

Este cadastro é composto por todas as zonas atendidas pelo transportador. É um cadastro de base para a elaboração das rotas (coleta e entrega).

de base para a elaboração das rotas (coleta e entrega). Principais campos: Zona – este campo

Principais campos:

Zona – este campo deve ser preenchido com um código que irá identificar e diferenciar a zona em outras rotinas do ambiente.

Descrição – descrição da zona.

Exercício

Vamos cadastrar as zonas. Ao criá-las, leve em conta as zonas atendidas pela transportadora em coletas e entregas.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Logística

Zonas

Setores por zona

Este cadastro tem como objetivo informar os setores que compõem cada zona. Eles serão utilizados no momento de coleta e de entrega aos clientes.

Um conjunto de setores, associados aos clientes, compõem uma zona, sendo o setor uma subdivisão da zona.

compõem uma zona, sendo o setor uma subdivisão da zona. Principais campos: Zona – neste campo,

Principais campos:

Zona – neste campo, iremos selecionar a zona cadastrada na rotina ZONAS.

Setor – neste campo, preencheremos os setores que estarão relacionados a uma zona.

Pto.Referen. – neste campo, preencheremos com um ponto de referência para facilitar a identificação dos setores. O seu preenchimento não é obrigatório.

Exercício

Vamos cadastrar os setores por zona. Neste exercício, definiremos os setores relacionando às zonas criadas anteriormente.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Logística

Setores por Zona

Pontos por zona e setor

Esta rotina permite associar todos os pontos pertencentes a um determinado setor, ou seja, possibilita definir a seqüência de entrega/coleta por cliente ou por faixas de CEP.

Para o ambiente SIGATMS - Gestão de Transportes, essas seqüências de entrega/coleta (por cliente ou faixas de CEP) são utilizadas para ordenar os documentos das viagens conforme as características das rotas de distribuição, em que são informados zonas e setores de atuação relacionados a intervalos de CEP e/ou códigos do cliente.

relacionados a intervalos de CEP e/ou códigos do cliente. Principais campos: Zona – neste campo, iremos

Principais campos:

Zona – neste campo, iremos selecionar a zona e o setor cadastrados anteriormente nas rotinas ZONAS e SETORES POR ZONA.

Cep Inicial – neste campo, preencheremos a faixa de CEP inicial. Os documentos pertencentes a essa faixa de CEP farão parte desta zona e setor.

Cep Final – neste campo, preencheremos a faixa de CEP final. Os documentos pertencentes a esta faixa de CEP farão parte desta zona e setor.

Cliente – neste campo, podemos selecionar alguns clientes que farão parte desta zona e setor, determinando uma seqüência por clientes.

Exercício

Vamos cadastrar os pontos por setor. Efetue este cadastro, criando uma seqüência para coleta ou entrega. Você poderá definir uma seqüência de acordo com clientes ou através de CEPs. Posteriormente, este cadastro será utilizado nas rotas.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Logística

Pontos por Setor

Rotas

Este cadastro é utilizado para informar as características das rotas, tais como: tipo da rota, serviço associado, regiões atendidas, pontos por setor, entre outros.

A rota pode ser do tipo transferência, indicando as informações necessárias para efetuar os procedimentos a serem executados no percurso do veículo fora da empresa.

As rotas de distribuição são utilizadas em serviços do tipo coleta e entrega, em que são informados zonas e setores de atuação relacionados a intervalos de CEP e/ou códigos do cliente.

As rotas de transferência determinam quais as regiões atendidas e as filiais envolvidas no processo.

as regiões atendidas e as filiais envolvidas no processo. Principais campos : Tipo Rota – Informe

Principais campos:

Tipo Rota – Informe o tipo de rota. Este campo é informativo e nos fornece algumas características sobre a rota. Rota Rápida: feita de acordo com uma periodicidade definida diariamente, semanalmente ou outras. Rota Convencional: realizada quando temos mercadorias. Rota Direta: rotas curtas em que não são necessárias paradas. Rota Itinerante: são realizadas algumas paradas para almoço, descanso ou mesmo troca de motoristas.

Cód.Reg.Ori. – Informe o código da região de origem da rota. Esse código já foi cadastrado na estrutura de regiões.

Serviço – Informe o serviço que será utilizado nessa rota. Esse serviço foi cadastro na rotina Serviços X Tarefas. Por meio dele, o sistema irá gerar as operações de transporte.

Zona – Informe a zona que será atendida por essa rota. Lembre-se de que este campo somente estará disponível para rotas de coleta e de entrega.

Setor – Informe o setor que será atendido por essa rota. Este campo somente estará disponível para rotas de coleta e de entrega.

Cód.Reg.Des. – Informe a região de destino da rota. Essa região foi cadastrada na rotina de estrutura de regiões.

Cód.Reg.Dca. – Informe a região de descarga da rota.

Exercício

Vamos cadastrar as rotas. Efetue este cadastro, criando duas rotas de distribuição (coleta e entrega) e uma de transferência. Você poderá definir uma seqüência, de acordo com clientes ou através de CEPs. Essas rotas serão utilizadas nas viagens.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Logística

Rotas

Rodovias

Neste cadastro, são informadas as rodovias que serão vinculadas posteriormente às praças de pedágio. Nas praças de pedágio, são informados os valores por veículo e por eixo.

são informados os valores por veículo e por eixo. Principais campos: Cod.Rodovia – este campo deve

Principais campos:

Cod.Rodovia – este campo deve ser preenchido com um código que irá identificar e diferenciar uma determinada rodovia nas demais rotinas do ambiente.

Nome Rodovia – este campo deve ser preenchido com o nome da rodovia.

Exercício

Vamos cadastrar as rodovias. Efetue o cadastro de todas as rodovias em que seus veículos irão trafegar durante as viagens. Posteriormente, informaremos as rodovias de acordo com as rotas.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Logística

Rodovias

Praças de pedágio

Este cadastro permite informar todas as praças de pedágio existentes em uma rodovia, ou seja, os pontos de pedágio relacionados às rodovias pertencentes à rota da viagem. Dessa forma, é possível conhecer todas as despesas gastas com pedágios durante o percurso.

todas as despesas gastas com pedágios durante o percurso. Principais campos: Val. p/Veic – informe o

Principais campos:

Val. p/Veic – informe o valor do pedágio por veículo, de acordo com a rodovia selecionada.

Valor Eixo – informe selecionada.

o valor

do pedágio por

eixo, de acordo

com a rodovia

Exercício

Vamos cadastrar as praças de pedágio. Indique o fornecedor da rodovia e em qual quilometragem está cada pedágio. Lembre- se de acrescentar os valores.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Logística

Praças de Pedágio

Rota X Rodovia

O objetivo deste cadastro é relacionar quais estradas/rodovias e pontos de pedágios serão percorridos pela rota, desde o ponto de partida até o ponto destino. Essa informação será utilizada para calcular as despesas de pedágio gastas durante a viagem e o total de quilômetros percorridos.

durante a viagem e o total de quilômetros percorridos. Principais campos : Rota – Informe a

Principais campos:

Rota – Informe a rota que posteriormente será relacionada às praças de pedágio.

Cód.Rodovia – Relacione as rodovias à rota.

Seq.Pedágio – Informe as praças de pedágio relacionadas a rota, de acordo com a rodovia selecionada anteriormente.

Exercício

Vamos cadastrar as Rotas X Rodovias. Efetue o cadastro relacionando a rota que passará por determinadas rodovias.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Logística

Rota X Rodovia

Prazos de regiões

Neste cadastro, são informados os tempos praticados nas operações de embarque, transferência e distribuição entre as regiões origem e destino, conforme o serviço de transporte solicitado.

O cadastro de prazos de regiões é utilizado, também, para demonstrar o prazo de coleta/entrega.

também, para demonstrar o prazo de coleta/entrega. Principais campos: Cód.Reg.Ori. – informe a região

Principais campos:

Cód.Reg.Ori. – informe a região origem cadastrada na estrutura de regiões. Essa região será utilizada pelo sistema para calcular os prazos de regiões.

Cód.Reg.Des. – informe a região destino cadastrada na estrutura de regiões. Essa região será utilizada pelo sistema para calcular os prazos de regiões.

Tipo Transp – informe o tipo de transporte (rodoviário/aéreo/fluvial). Podemos informar um prazo de região para diferentes tipos de transporte.

Exercício

Vamos cadastrar os prazos de regiões. Efetue o cadastro, relacionando os prazos às regiões que você criou anteriormente. Lembre-se de que este é o prazo que sua transportadora terá para efetuar as viagens para estas regiões.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Logística

Prazos de Regiões

Distâncias

Este cadastro é utilizado para informar as distâncias em quilômetros entre as regiões de origem e de destino do transporte. Essa informação é utilizada no cálculo do frete a receber e do frete a pagar para terceiros e agregados.

Além disso, esses dados poderão ser utilizados quando o frete for cobrado por quilometragem como, por exemplo, em processos de carga fechada em que é possível criar um componente para cobrança do frete por quilômetro rodado (distância).

para cobrança do frete por quilômetro rodado (distância). Principais campos: Km – informe a distância em

Principais campos:

Km – informe a distância em KM, de acordo com a região origem, destino e o tipo de transporte. Podemos cadastrar distâncias para regiões e tipos de transportes diversos.

Exercício

Vamos cadastrar as distâncias. Informe a distância em quilômetros, de acordo com cada tipo de transporte. Se você cobrar o frete em algum componente de acordo com a quilometragem, preste muita atenção neste cadastro. Se for cobrado a mais, o cliente irá reclamar; se a menos, você perderá dinheiro.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Logística

Distâncias

Componentes de frete

Na configuração da tabela de frete, o usuário poderá selecionar as variáveis (componentes) que irão compor o valor do frete, permitindo maior flexibilidade na maneira de cobrar e pagar pelos serviços de transporte prestados.

O objetivo desta rotina é cadastrar as variáveis que irão compor o valor do frete (a

pagar ou a receber), denominadas "Componentes de Frete" e que serão vinculadas à

tabela de frete (responsável pela formação do valor do frete).

Os componentes podem ser definidos em faixas e sobre outros fatores que poderão fazer parte ou não da tabela, conforme sua configuração. O valor de cada componente pode ser calculado sobre o peso transportado, o valor da mercadoria, um coeficiente fracionário (é possível criar uma fórmula), volumes etc.

Conceito de “Base para Taxa”

O valor do frete é definido na rotina "Tabela de Frete", na qual são informados os itens

que compõem o frete (componentes do frete), conforme a origem e o destino do percurso. A origem/destino é selecionada, baseando-se na estrutura de regiões que a transportadora atende. Assim, para cada transporte efetuado com origem e destino diferenciados, pode ser criada uma nova tabela de frete.

A opção “base para taxa” é utilizada quando não for definida uma tabela de frete

específica entre o local origem e o local destino do transporte.

Como podem existir infinitas combinações entre a origem e o destino do frete, dependendo do número de regiões/estados/filias atendidas pela transportadora, o sistema permite definir uma região cadastrada na estrutura como "Base para Taxa", ou seja, definir uma base para o cálculo do frete.

A primeira pesquisa para o cálculo do valor do frete é efetuada com base na origem e

destino informado na solicitação do transporte. Quando esses pontos não forem encontrados e existir, por exemplo, um Estado definido como base para taxa, ele será considerado como base origem/destino para o cálculo do frete.

Principais campos : Calc. Sobre – Determine sobre qual tipo de informação o componente de

Principais campos:

Calc. Sobre – Determine sobre qual tipo de informação o componente de frete será calculado. Dessa forma, o sistema permite selecionar a variável que será utilizada no cálculo do valor do componente de frete.

Faixa por – Atribua ao componente de frete faixas de valores ou quantidades transportadas, para obter o valor do frete. Essas faixas são informadas no cadastro de tabela de frete.

Desc. Cotação – Informe se serão permitidos descontos sobre este componente na cotação de frete.

Agrupa Vl. NF. – Informe se o componente utiliza agrupamento das notas fiscais para o cálculo do frete. Sim: o sistema irá agrupar todos os valores das notas referentes ao componente. Não: o sistema pesquisa nota a nota os valores. Esse agrupamento será utilizado como base para o cálculo do componente e para o posicionamento nas faixas cadastradas da tabela de frete.

Calc. do Peso – Informe o tipo de peso que deve ser considerado quando o valor do componente é calculado sobre o peso transportado. Não utiliza: preenchido automaticamente quando o componente não é calculado sobre peso. Peso real: peso exato. Peso cubado: comprimento x largura x altura x quantidade de volume x fator de cubagem do contrato do cliente. M3: comprimento x largura x altura x quantidade de volume.

Fração – Este campo influencia diretamente no valor do frete. Quando o campo está configurado como “Percentual”, o valor do frete será Valor/Fração * Base. Quando está como “Inteiro”, o valor do frete é base/intervalo.

Taxa – Informe se este componente é definido como taxa. O preenchimento deste campo é obrigatório quando uma região que utiliza este componente de frete foi indicada como “Base para Taxa”, conforme citado anteriormente. Também utilizamos este campo preenchido com “Sim” quando definido na rotina Perfil do Cliente que o cálculo das taxas será separado por CTRC (campo "Taxa p/ CTRC" = "Sim").

Pesq. Taxa – Este campo está diretamente ligado ao campo “Taxa”. Se preenchido com ‘Sim’, permite pesquisar, na estrutura de regiões, níveis acima para buscar uma região “Base para Taxa”. Quando preenchido com ‘Não’, não serão pesquisados níveis acima na estrutura de regiões.

Pesq. Tabela – Informe ao sistema se poderão ser pesquisados os valores da tabela de frete original, caso não exista um ajuste de frete para este componente. Sim:

poderá pesquisar na tabela original. Não: não irá pesquisar.

Tipo Veículo – Este campo é associado ao conceito de carga fechada. Podemos criar um componente truck, por exemplo, e relacionar a um tipo de veículo truck. Esses relacionamentos serão utilizados para determinar o valor do frete.

Subfaixa – Semelhante ao campo Faixa Por, este item será mais uma faixa para pesquisar na tabela de frete (subfaixa) de acordo com o que foi configurado na “Faixa por”. Por exemplo, a partir de um determinado peso da mercadoria, eu gostaria de verificar também o seu valor e, de acordo com o valor, formar o preço do frete. Assim, no ‘Faixa Por’, eu colocaria “Peso Mercadoria” e, no campo ‘Subfaixa’, colocaria “Valor Mercadoria”.

Exercício

Vamos cadastrar os componentes de fretes. Efetue o cadastro tendo em conta cada componente que sua transportadora cobrará dos clientes. Caso utilize carga fechada, você terá que criar os componente e relacioná-los a um tipo de veículo.

Exemplo:

De acordo com sua forma de negociar com os clientes, você poderá criar frete peso, advalorem, pedágio, ajudante, toco e truck (carga fechada), entre outros.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Comercial

Componentes Frete

Configuração da tabela de frete

Esta opção é utilizada para configurar o layout da tabela de frete, permitindo determinar o código da tabela, o tipo da tabela (rodoviário, aéreo, FOB etc.), a vigência, a categoria (frete a receber ou frete a pagar) etc.

Além disso, permite ao usuário selecionar os componentes de frete que serão considerados na formação da tabela de frete, possibilitando a criação de tabelas com combinações variadas a partir dos componentes cadastrados.

Os valores e as faixas do frete serão definidos, posteriormente, na própria rotina Tabela de Frete.

Se o layout configurado estiver sendo utilizado por uma tabela de frete, somente será permitido alterar o campo "Comp. Obrig." (componente obrigatório).

o campo "Comp. Obrig." (componente obrigatório). Principais campos : Componente – Selecione o componente

Principais campos:

Componente – Selecione o componente de frete que será utilizado nesta tabela.

Comp. Obrig. – Informe se este componente de frete é obrigatório nesta tabela. Caso o componente seja obrigatório e o sistema não encontre valores para efetuar o cálculo, o processo de cálculo de frete é bloqueado.

Exercício

Vamos cadastrar as configurações da tabela de frete. Efetue o cadastro, relacionando os componentes que você irá cobrar em cada tabela de frete. É importante criar mais de uma configuração de tabela de frete para que se possa diferenciar o cálculo de acordo com os clientes e os serviços de transporte.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Comercial

Config.Tab. Frete

Tabela de tarifa

Nesta rotina, são definidas as tabelas “modelo” geradas a partir da configuração do layout de tabela de frete. A partir dessa configuração, podem-se definir faixas para cada componente, com intervalos e valores a serem cobrados para cada uma.

As tabelas de tarifas podem ser utilizadas na criação das tabelas de fretes, facilitando, assim, a sua manutenção.

A tabela de tarifa simplifica os cadastros, eliminando digitações repetidas, uma vez que é possível vincular essas tarifas a tabelas de frete de origens e de destinos diferentes.

a tabelas de frete de origens e de destinos diferentes. Principais campos : Tab. Tarifa –

Principais campos:

Tab. Tarifa – Informe um código que irá identificar esta tabela de tarifa. Esse código deve ser informado nas tabelas de frete quando a tabela de tarifa for utilizada. É importante lembrar que a tabela de tarifa é relacionada à tabela de frete e ao tipo.

Exercício

Defina várias faixas na tabela de tarifas. Se possível, cadastre a tabela de tarifa apenas para um componente de frete, isso facilitará a compreensão do cadastro.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Comercial

Tab. de Tarifas

Tabela de frete

Nesta opção, são cadastradas as tabelas para o cálculo do valor do frete por região origem/destino, ou seja, são informados os valores a serem cobrados na geração de documentos de transporte, podendo sofrer variações e ajustes por clientes.

As tabelas de frete são compostas a partir de uma configuração específica (por meio da rotina Configuração da Tabela de Frete, em que estão definidos os componentes de frete que formarão a tabela de preço). A partir dessa configuração, podem-se definir na tabela de frete faixas para cada componente, com intervalos e valores a serem cobrados para cada faixa.

Para agilizar o cadastramento de uma tabela de frete, é possível associá-la a uma tabela de tarifas, em que os valores e as faixas a serem cobrados estão previamente definidos. Esse procedimento facilita o controle de alterações e a criação de “n” tabelas de frete com origens e destinos diferentes, porém com taxas idênticas. É possível, ainda, determinar os valores dos componentes que não foram previamente cadastrados na tabela de tarifas.

É possível, ainda, determinar os valores dos componentes que não foram previamente cadastrados na tabela de

Principais campos:

Cód.Reg.Ori. – Informe o código da região de origem para este componente de frete.

Cód.Reg.Des. – Informe o código da região de destino para este componente de frete.

Tab.Tarifa – Informe uma tabela de tarifa, caso necessite utilizar este facilitador na tabela de frete.

Até – Informe o valor limite para esta faixa. Caso o sistema não encontre uma faixa na tabela durante o cálculo, será emitido um aviso.

Valor – Informe o valor a ser cobrado para esta faixa ao calcular o frete.

Fração – Informe a fração correspondente ao valor a ser cobrado pela faixa informada. Se este campo estiver preenchido com zero, qualquer valor até o limite da faixa será cobrado igual. Através deste campo, podemos fazer combinações como percentuais, entre outros.

Comp. Tarifa – Neste campo, o sistema irá informar se o componente de frete é proveniente de uma tabela de tarifa. Caso esteja preenchido como “Sim”, não é permitido efetuar alterações neste componente de frete para esta tabela de frete.

Após calcular um CTRC com uma tabela de frete, o sistema não permite mais alterar

Após calcular um CTRC com uma tabela de frete, o sistema não permite mais alterar os valores, garantindo, assim, o controle de histórico dos valores praticados. Caso necessite fazer essa alteração, você precisa desativar o parâmetro MV_CONTHIS = F, lembrando que essa alteração não garante mais o controle no histórico dos valores das tabelas de frete.

Exercício

Defina as regiões de origem e de destino para esta tabela.

Relacione a tabela de tarifa criada anteriormente. Defina as outras faixas, de acordo com cada componente. Os valores ficarão a seu critério, lembrando que o valor das faixas influenciará diretamente no preço do frete praticado a seus clientes.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Comercial

Tab. de Frete

Contrato de cliente

Para o ambiente TMS, o contrato tem a finalidade de armazenar dados relacionados ao cliente que serão analisados na entrada de uma nota fiscal (recebimento) ou no cálculo do valor do frete.

No contrato do cliente, serão informados dados de grande importância, tais como: os serviços de negociação que podem ser prestados ao cliente, as tabelas de frete que estão associadas aos serviços, tabelas alternativas etc.

estão associadas aos serviços, tabelas alternativas etc. Principais campos : Tp. Contrato – Informe o tipo

Principais campos:

Tp. Contrato – Informe o tipo de contrato. Se for “Tempo Determinado”, é obrigatório o preenchimento de início de vigência e fim de vigência. Caso seja vitalício, não é necessário o preenchimento do fim da vigência, pois o contrato não tem um período de validade.

Abrangência – Informe a abrangência deste contrato. Caso seja cliente/loja, cada filial da empresa terá o seu contrato. Caso seja cliente, todas as filiais utilizarão o mesmo contrato.

Serviço – Informe um serviço de negociação para relacionarmos uma tabela de frete. Essa tabela será utilizada no cálculo do frete.

Tab.Frete – Informe a tabela de frete que fará parte da negociação do cliente. Por meio dela, o sistema calculará o frete.

Tab.Alternat – Informe mais uma tabela de frete para o cliente. Por meio desse recurso, é possível fazer um comparativo de valor de frete entre duas tabelas. O sistema assume, nesses casos, o maior valor entre as tabelas de frete.

Exercício

Neste cadastro, você definirá o cliente e o serviço relacionando a uma tabela de frete. Dessa forma, o sistema saberá como cobrar o frete. Preste atenção aos principais campos, pois eles interferem diretamente no preço do frete.

É necessário criar um contrato para o cliente genérico, pois, caso o sistema não ache uma negociação para determinado cliente, o cálculo será realizado de acordo com esse contrato.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Comercial

Contrato Cliente

Perfil do cliente

Esta opção é utilizada para determinar o perfil do cliente, relacionando os dados comerciais e financeiros, com a possibilidade de agrupar clientes para o pagamento de frete, especificar dados sobre a geração da fatura, cálculo do documento etc.

Pasta ‘Comercial’

o pagamento de frete, especificar dados sobre a geração da fatura, cálculo do documento etc. Pasta

Pasta ‘Financeiro’

Pasta ‘Financeiro’ Principais campos : Base Fatura – Informe a base a ser utilizada no faturamento.

Principais campos:

Base Fatura – Informe a base a ser utilizada no faturamento. Manual: o faturamento será gerado através da rotina de geração de fatura. Data de emissão/data de entrega: o faturamento será feito automaticamente e o critério para a seleção dos CTRCs será a data de emissão ou a data de entrega, de acordo com sua escolha.

Exercício

Vamos cadastrar o perfil do cliente. Neste cadastro, vamos informar algumas particularidades para cada cliente.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Comercial

Perfil do Cliente

Configuração de documentos

Esta opção permite configurar, para cada tipo de documento existente no transporte, o número/série inicial a ser utilizado na geração dos documentos, além de relacionar um código de produto que será aplicado no cálculo de impostos para os documentos do tipo CTRC e AWB.

cálculo de impostos para os documentos do tipo CTRC e AWB. Tipos de documentos utilizados no

Tipos de documentos utilizados no transporte:

Tipos

Descrição

(1) Coleta

Documento utilizado para coletar mercadorias, gerado na solicitação de coletas.

(2) CTRC

CTRC (Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas). Documento utilizado para transporte intermunicipal de mercadorias, gerado no cálculo do frete.

(3) AWB

Documento utilizado para transporte de mercadorias em parceria com uma companhia aérea, gerado pela rotina de geração da AWB (Air Way Bill).

(4) Docto Bx. Estoque

Documento utilizado na rotina de fechamento de viagem com o objetivo de baixar o estoque das mercadorias contidas na viagem.

(5) Nota Fiscal

Documento utilizado na prestação de serviços de transporte municipal.

(6) CTRC Devolução

Documento gerado a partir de um CTRC original que caracteriza a devolução de uma mercadoria a seu remetente.

(7) CTRC Reentrega

Documento gerado a partir de um CTRC original que caracteriza a reentrega da mercadoria ao seu destinatário. Exemplo: O cliente destinatário não aceitou a mercadoria, pois não tinha espaço físico em seu armazém. A transportadora efetuará a entrega em outra ocasião.

(8)

CTRC

Documento gerado a partir de um CTRC original que caracteriza o complemento de valores. Exemplo: Emissão de um CTRC complementar de valor.

Complemento

 

Este documento é gerado quando a transportadora negocia com

(9) CTRC Retorno

o cliente o retorno da carga. O veículo não retorna vazio à origem, viabilizando, assim, os custos de transporte.

(A) CTRC Cortesia

Documento utilizado para o transporte rodoviário de cargas em que o frete é cortesia.

Exercício

Vamos cadastrar a configuração de documentos. Neste exercício, você definirá quais os documentos utilizados pela transportadora. Lembre-se de que para cada documento, teremos um produto de cálculo.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Doctos e Regras

Config.Documentos

Regras de tributação

Esta opção permite criar regras de tributação (padrões) com o objetivo de estabelecer uma pré-configuração para as operações de transporte. É possível determinar regras de amarração para o TES (Tipo de Entrada e Saída), o tipo de frete (CIF, FOB ou CIF/FOB), o componente de frete, o estado origem, o estado destino, entre outros.

de frete, o estado origem, o estado destino, entre outros. Principais campos: Tipo Frete – informe

Principais campos:

Tipo Frete – informe para qual tipo de frete será válida esta regra de tributação.

TES – informe qual TES será utilizada para esta regra de tributação.

Componente – relacione um componente de frete para a TES informada anteriormente. Caso deixe em branco, o sistema irá assumir esta TES para todos os componentes de frete.

UF Origem – informe a UF origem para a TES relacionada anteriormente. Caso deixe em branco, o sistema irá assumir esta TES para todas as UFs de origem.

UF Devedor - informe a UF devedor para a TES relacionada anteriormente. Caso deixe em branco, o sistema irá assumir esta TES para todas as UFs do devedor.

UF Destino – informe a UF destino para a TES relacionada anteriormente. Caso deixe em branco, o sistema irá assumir esta TES para todas as UFs destino.

Segmento – informe o segmento para a TES relacionada anteriormente. Caso deixe em branco, o sistema irá assumir esta TES para todos os segmentos. Esse segmento é relacionado ao cliente através da rotina “Cadastro de cliente”.

Consig. – informe se esta regra é valida quando o cliente for consignatário.

Exercício

Vamos cadastrar as regras de tributação. Neste exercício, você irá relacionar a TES utilizada, de acordo com os documentos. Este cadastro possibilita relacionar a TES a seus componentes de frete, UF, segmento do cliente, entre outros.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Doctos e Regras

Regras Tributação

Regras de tributação por cliente

Esta opção permite criar regras (padrões) que serão aplicadas com o objetivo de estabelecer uma pré-configuração para as operações de transporte por cliente, relacionando: o código do cliente, o documento de transporte e a regra de tributação.

o documento de transporte e a regra de tributação. É importante cadastrar esta regra de tributação
É importante cadastrar esta regra de tributação por cliente para o cliente genérico, pois, a

É importante cadastrar esta regra de tributação por cliente para o cliente genérico, pois, a maioria dos clientes, com mínimas exceções, irá utilizá-la. O sistema procura uma regra para o cliente; caso não encontre, ele pegará a regra para o cliente genérico, que foi definido no parâmetro MV_CLIGEN.

Principais campos:

Cliente – informe para qual cliente pertence esta regra de tributação. É comum relacionarmos as regras ao cliente genérico <MV_CLIGEN>. Isso ocorre porque uma regra é utilizada por grande parte dos clientes. Quando houver exceções, podemos cadastrar uma regra exclusiva para um cliente.

Docto.Transp – informe um documento de transporte (coleta/CTRC/Nota Fiscal) a ser definido na regra de tributação.

Regra Trib. – informe a qual regra de tributação pertence esta regra. Ela foi cadastrada anteriormente na rotina “Regras Tributação”.

Exercício

Vamos cadastrar as regras de tributação por cliente. Neste exercício, você irá relacionar o cliente a um determinado documento e uma regra de tributação.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Doctos e Regras

Regras por Cliente

Motoristas

No ambiente TMS, esta rotina é utilizada para cadastrar as informações referentes aos motoristas que prestam serviços à transportadora. Podem ser registrados os próprios motoristas (funcionários), agregados ou terceiros.

Este cadastro permite realizar controles pertinentes aos motoristas, como:

adiantamentos, despesas, contratos de carreteiro, títulos financeiros a pagar, entre outros.

de carreteiro, títulos financeiros a pagar, entre outros. Principais campos : Car.Perigosa – Informe se o

Principais campos:

Car.Perigosa – Informe se o motorista está autorizado a transportar cargas perigosas. Caso ele não possa e seja incluído em uma viagem com produtos caracterizados como carga perigosa, o sistema bloqueia a viagem.

Exercício

Vamos cadastrar os motoristas. Cadastre tantos motoristas quantos forem alocados nas viagens. Poderá também ser utilizado apenas um motorista. Vale lembrar que o mesmo motorista não pode estar em duas viagens ao mesmo tempo, o sistema faz esse controle.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Transporte

Motoristas

Tipos de veículo

Neste cadastro, são informados os dados relacionados aos tipos de veículos com os quais a transportadora opera, como: código do tipo, descrição, categoria do veículo, peso ponderado (peso matemático utilizado no cálculo do custo de transporte) etc.

Tipos de veículo: comum, cavalo, carreta, especial e utilitário.

de veículo: comum, cavalo, carreta, especial e utilitário. Exemplo de tipos de veículos: Bitrem Treminhão Toco

Exemplo de tipos de veículos:

Bitrem

Treminhão

Bitrem Treminhão Toco Truck Cavalo Carreta
Bitrem Treminhão Toco Truck Cavalo Carreta

Toco

Truck

Bitrem Treminhão Toco Truck Cavalo Carreta
Bitrem Treminhão Toco Truck Cavalo Carreta

Cavalo

Carreta

Exercício Você precisa cadastrar os tipos de veículos que serão utilizados em sua transportadora. Essa

Exercício

Você precisa cadastrar os tipos de veículos que serão utilizados em sua transportadora. Essa informação será utilizada no cadastro de veículos, componentes de frete, entre outros.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Transporte

Tipos de Veículo

Veículos

Esta rotina permite cadastrar os veículos que serão utilizados nas viagens de transporte, destacando os dados relacionados a ele, como: modelo, placa, capacidade máxima, motorista, altura, largura, frota, proprietário, marca, cor, tipo do veículo etc.

É possível controlar a movimentação de veículos e motoristas, registrando suas entradas, liberações para viagens e as saídas. Para isso, basta habilitar o parâmetro MV_CONTVEI com "T". Ele indica que o controle de movimentos de veículos e motoristas será efetuado pela rotina "Movimentação de Veículos".

efetuado pela rotina "Movimentação de Veículos". Principais campos : Placa – Informe a placa do veículo.

Principais campos:

Placa – Informe a placa do veículo. No ambiente TMS, este campo é de preenchimento obrigatório.

Capac. Nom. – Neste campo, iremos informar a capacidade nominal do veículo. Essa informação é importante para que o sistema verifique se o veículo pode transportar a mercadoria.

Capac. Max. – Informe a capacidade máxima do veículo. Essa informação é importante para que o sistema verifique se o veículo pode transportar a mercadoria.

Exercício

Você precisa cadastrar todos os veículos que serão utilizados por sua transportadora.

Lembre-se de que um veículo não pode estar em mais de uma viagem ao mesmo tempo. O sistema faz essa validação.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Transporte

Veículos

Solicitantes

O cadastro de solicitantes é utilizado pelas rotinas "Cotação de Frete", "Solicitação de

Coleta" e "Coleta Automática". O objetivo é controlar os solicitantes de frete, diferenciando-os da base de clientes, pois nem todo solicitante de uma coleta é

necessariamente um cliente da empresa.

O solicitante é a pessoa que está requisitando a coleta.

Pasta ‘Cadastrais’

que está requisitando a coleta. Pasta ‘Cadastrais’ Principais campos: DDD – informe o DDD do solicitante.

Principais campos:

DDD – informe o DDD do solicitante.

Telefone – informe o telefone do solicitante.

Produto – informe um produto para o solicitante. Ele será utilizado, caso façamos coletas automáticas para esse solicitante.

Pasta ‘Coleta’

Pasta ‘Coleta’ Principais campos: Tipo Coleta – informe se a coleta para este solicitante será “Digitada”

Principais campos:

Tipo Coleta – informe se a coleta para este solicitante será “Digitada” (quando, eventualmente, fazemos uma coleta para o solicitante) ou “Automática” (quando a coleta é feita, automaticamente, através da rotina “Coleta Automática”). Para esta opção, é necessário configurar os dias da semana no mesmo cadastro.

Exercício

Neste exercício, você precisa cadastrar os solicitantes que farão as cotações de frete, solicitações de coleta, entre outras operações no sistema. Caso você queira fazer uma coleta automática, não esqueça de preencher os dados da pasta ‘Coleta’.

Para realizar este exercício:

Atualizações

S.A.C.

Solicitantes

Cotação de frete

A cotação de frete tem a finalidade de especificar o preço do frete a ser cobrado,

variando de acordo com as regiões origem e destino e utilizando as informações do contrato e da tabela genérica de frete.

A cotação é utilizada para clientes ocasionais de frete que não possuem uma tabela e

contratos específicos.

Após a aprovação da cotação de frete, é possível iniciar o processo de coleta para efetuar o transporte.

iniciar o processo de coleta para efetuar o transporte. Principais campos: DDD – informe o DDD

Principais campos:

DDD – informe o DDD do solicitante da cotação de frete.

Telefone – informe o telefone do solicitante da cotação de frete.

Produto – informe o produto da cotação de frete.

Qtde. Volume – informe a quantidade de volumes da cotação de frete.

Peso Real – informe o peso da mercadoria da cotação de frete.

Valor Merc. - informe o valor da mercadoria da cotação de frete.

Os valores dos campos Produto, Qtde. Volume, Peso Real, Valor Merc. refletem diretamente no preço

Os valores dos campos Produto, Qtde. Volume, Peso Real, Valor Merc. refletem diretamente no preço do frete.

Parâmetros que interferem diretamente na cotação de frete.

MV_COTVFEC = T – Permite efetuar descontos na cotação, além dos definidos no serviço.

MV_CLICOT = T – Utiliza informações do preço do cliente. Caso esteja como ‘F’, ele pega o cliente genérico durante a cotação de frete.

MV_VLDCOT = 10 – Preenchimento padrão: dez dias para validade da cotação. Ao entrar na rotina, o sistema verifica este parâmetro e a data das cotações e pergunta ao usuário se ele deseja cancelar as cotações que ultrapassaram esta data. Após cancelada, você pode retomar uma cotação de frete dando um novo prazo para a sua efetivação.

MV_PRDDIV = Preenchimento padrão: F. Se for preenchido com T, permite informar mais de um produto na cotação.

com T, permite informar mais de um produto na cotação. Caso o cliente ache o preço

Caso o cliente ache o preço alto, clique no botão “Valor Fechado” e ofereça descontos conforme definido no serviço de negociação, tentando atrair o cliente com o preço menor.

Se mesmo assim, o cliente não estiver satisfeito e for rentável para você, ativando o parâmetro MV_COTVFEC o sistema possibilitará dar um desconto maior, de acordo com cada componente. Os componentes precisam estar habilitados para dar descontos. Para isso, preencha o campo Desc. Cotação= ”Sim” nos componentes de frete. Vale lembrar que se o desconto for maior que o permitido, o sistema bloqueia a cotação de frete, exigindo que um superior aprove a negociação.

Exercício

Vamos efetuar uma cotação de frete. Um cliente liga para o SAC para saber o valor a ser cobrado pelo transporte de sua mercadoria. Foram anotados todos os dados importantes para o cálculo (cliente, produto, quantidade de volumes, peso da mercadoria, valor da mercadoria, região de origem, região de destino). Não se preocupe, neste momento, se este cliente tem uma negociação com a transportadora. Caso não tenha, o sistema irá calcular pela negociação do cliente genérico, que é um valor elevado em relação aos clientes que têm uma negociação com a transportadora. Caso o cliente reclame do valor elevado, temos rotinas de descontos para tentar fechar o frete com este cliente.

Para realizar este exercício:

Atualizações

S.A.C.

Cotação de Frete

Solicitação de coleta

Esta rotina é utilizada para cadastrar os dados referentes às coletas que deverão ser realizadas. A solicitação de coleta pode ser gerada manualmente ou de forma automática através da rotina "Cotação de Frete".

automática através da rotina "Cotação de Frete". Principais campos: DDD – informe o DDD do solicitante

Principais campos:

DDD – informe o DDD do solicitante da solicitação de coleta.

Telefone – informe o telefone do solicitante da solicitação de coleta.

Produto – informe o produto da solicitação de coleta.

Qtde. Volume – informe a quantidade de volumes da solicitação de coleta.

Peso Real – informe o peso da mercadoria da solicitação de coleta.

Valor Merc. - informe o valor da mercadoria da solicitação de coleta.

Exercício

Um cliente deseja que uma mercadoria seja retirada de sua empresa. Coloque os dados do solicitante da coleta e informe a origem e o destinatário, se houver. Cadastre os dados do produto, pois o motorista precisa saber o que ele irá retirar neste cliente.

Posteriormente, essas solicitações de coleta serão relacionadas às viagens de coleta.

Para realizar este exercício:

Atualizações

S.A.C.

Solicitação Coleta

Rodoviário coleta

A coleta é um serviço regular de transporte entre um terminal de frete e as instalações do consignatário, ou seja, é o processo para efetuar a retirada das mercadorias no endereço determinado pelo cliente solicitante.

Esta rotina permite a geração de viagens de coleta selecionadas por rota de distribuição, a partir das solicitações de coleta em aberto.

a partir das solicitações de coleta em aberto. Resultados de querys: Rota – escolha a rota

Resultados de querys:

Rota – escolha a rota que será utilizada para esta viagem.

NºDocto. – escolha os documentos que pertencerão a esta viagem.

Exercício

Vamos incluir uma viagem – rodoviário coleta. Após o cadastramento da solicitação de coleta, vamos relacioná-la a uma viagem.

Agora, vamos sair para coletar a mercadoria. Escolha os parâmetros e os grupos de produtos de acordo com suas necessidades, lembrando que eles serão fatores determinantes nos documentos que o sistema irá trazer.

Clique na rota, zona e setor desejado. Escolha os documentos que pertencerão a essa viagem. Não esqueça de informar o motorista e o veículo que farão a viagem. Vale lembrar que você também pode utilizar a viagem modelo 2. Ela não traz todas as rotas, você escolhe a rota que deseja transportar, ganhando agilidade.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Rodoviário Coleta

Viagem

Fechamento

O objetivo desta rotina é efetuar o fechamento da viagem para gerar as operações de coleta, conforme o serviço informado na rota.

Após a confirmação, a viagem será indicada com o status "Fechada" e não poderá ser alterada.

o status "Fechada" e não poderá ser alterada. Exercício Vamos efetuar o fechamento da viagem. Posicione

Exercício

Vamos efetuar o fechamento da viagem. Posicione sobre a viagem que deseja fechar e clique em “Fechar”. A viagem ficará com o status “Fechada”. Neste momento, serão geradas as operações. O sistema valida se o motorista e o veículo relacionado à viagem estão disponíveis.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Rodoviário Coleta

Fechamento

Operações

O objetivo desta rotina é apontar as operações relacionadas à viagem de coleta, determinando as datas e os horários de cada uma.

O apontamento das operações pode ser realizado parcialmente, em tempos diferentes:

no início da operação - informando a data e o hora de início;

no término da operação - informando a data e a hora realizada.

Note que após o fechamento da viagem foram geradas três operações cadastradas anteriormente em Serviços

Note que após o fechamento da viagem foram geradas três operações cadastradas anteriormente em Serviços X Tarefas e Tarefas e Atividades.

anteriormente em Serviços X Tarefas e Tarefas e Atividades. Principais campos: Dt.Realizado - informe a data

Principais campos:

Dt.Realizado - informe a data de realização da operação de transporte.

Hr.Realizado – informe a hora de realização da operação de transporte.

Exercício

Efetue o apontamento das operações à medida que vão sendo realizadas. Note que o sistema já preencheu com datas e horários previstos, definidos em cadastros anteriores.

Neste exercício, não vamos respeitar todos os horários, pois apontaremos todas as operações em poucos minutos. Perceba que a viagem vai mudando de status de acordo com as operações apontadas.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Rodoviário Coleta

Operações

Tabela de ocorrências

Esta rotina permite cadastrar os tipos de ocorrências que poderão ser apontadas durante o processo de transporte. O objetivo é documentar os fatos relacionados à mercadoria transportada.

Essas informações serão utilizadas na consulta Tracking (acompanhamento e monitoração de viagens, realizado através da nota fiscal do cliente).

No cadastramento da ocorrência, é necessário indicar qual a ação relacionada deve ser disparada.

Exemplos de tipos de ação:

Encerra Processo

Indica que o tipo de serviço relacionado à ocorrência cadastrada foi executado. Exemplo: Encerra processo de coleta.

Bloqueia Documento

Efetua o bloqueio do documento, impedindo qualquer tipo de movimento relacionado a ele. Exemplo: Apreensão em posto fiscal.

Libera Documento

Efetua o desbloqueio do documento, liberando-o para movimentação. Exemplo: Liberação de documento em posto fiscal.

Retorna Documento

Utilizada em ocorrências em que o processo não foi completado e deve ser executado novamente. Caracteriza a volta do documento para a transportadora. Exemplo: Entrega não foi efetuada, pois o destino estava fechado.

Informativa

Não executa nenhum tipo de ação, apenas registra a informação necessária e justifica possíveis atrasos. Exemplo: Queda de barreira na estrada.

Gera Pendência

Utilizada para controlar problemas ocorridos com a mercadoria transportada. Atualiza os cadastros: Registro de Ocorrências e Registro de Pendências. Exemplo: Falta de mercadoria ou mercadoria avariada.

Estorna Pendência

Utilizada

para

registrar

o

estorno

das

pendências

criadas

anteriormente.

 

Transferência

Utilizada para transferir os documentos de uma viagem para a outra. Exemplo: Quebra de veículo no meio da viagem. A carga deve ser transferida para outro que se encontra em uma viagem diferente da original.

Viagem

Gera Indenização

Utilizada para apontar os sinistros ocorridos com a mercadoria que deve gerar indenização ao embarcador da carga. Exemplo: Mercadoria avariada por má acomodação no veículo, roubo de carga etc.

Estorna Indenização

Utilizada para estornar uma indenização previamente informada.

Transferência de Mercadoria

Utilizada para trocar a identificação do documento, colocando-o como pendente para transporte. Exemplo: A filial de Goiânia da Transportadora ABC não atende um CTRC enviado a ela. O CTRC deve ser transferido e ficará pendente para viajar até a filial adequada.

Cancelamento

Utilizada para cancelar o serviço proposto para um documento de coleta ou entrega. Exemplo: Cancelamento, pelo cliente, de uma solicitação de coleta antes de ser atendida.

de uma solicitação de coleta antes de ser atendida. Principais campos : Serv.Transp – Informe o

Principais campos:

Serv.Transp – Informe o serviço de transporte (coleta, transporte ou entrega). Você não poderá lançar ocorrência em um documento com o serviço de transporte diferente do definido neste campo.

Tipo – Informe a ação a ser executada por esta ocorrência. Por meio dessa ação, o sistema saberá os processos que precisam ser executados.

Categoria – Informe a categoria da ocorrência. Uma ocorrência “Por Documento”, geralmente, é utilizada quando é necessário apontar a situação de cada documento de uma viagem. Por exemplo, em uma entrega realizada, nem todos os documentos são entregues em uma viagem. Assim, com essa ocorrência, você pode definir quais os documentos foram efetivamente entregues.

Já uma ocorrência “Por Viagem”, utiliza-se quando a mesma ocorrência afeta todos os documentos de uma viagem. Por exemplo, quando a marginal do rio Tietê está parada, todos os documentos da viagem vão sofrer com a ocorrência. Dessa forma, não há porque lançar uma ocorrência para cada documento. Apontamos essa ocorrência para a viagem e todos os documentos são afetados automaticamente.

Registro de ocorrências

Esta rotina é utilizada para apontar todos os fatos ocorridos durante uma viagem de transporte. Esses dados poderão ser visualizados posteriormente na consulta de tracking, que permite acompanhar e monitorar as viagens com base nos apontamentos. Assim, é possível ter uma visão precisa dos pontos por onde a mercadoria do cliente passou e quais ainda restam para completar o trecho de viagem até o destino.

Exemplos: coleta efetuada, confirmação de embarque, entrega efetuada, cliente fechado, apreensão da carga no posto fiscal, queda de barreira na estrada, viagem atrasada, roubo da carga, entre outros.

na estrada, viagem atrasada, roubo da carga, entre outros. Principais campos : Fil.Origem – Neste campo,

Principais campos:

Fil.Origem – Neste campo, iremos informar através da consulta padrão qual a viagem que vamos apontar as ocorrências.

Cod.Ocorre. – Informe qual ocorrência será relacionada à viagem.

Fil.Docto. – Neste campo, iremos informar através da consulta padrão quais os documentos sofreram essa ocorrência. Vale lembrar que este campo não poderá ser informado se tivermos lançando uma ocorrência por viagem.

Exercício

Aponte todas as ocorrências das viagens ou dos documentos. Essa ocorrência será responsável pelos próximos passos dos documentos, de acordo com a ação relacionada à ocorrência.

Nas viagens de coleta e entrega, é obrigatório apontar uma ocorrência antes de efetuar o encerramento das viagens. Vamos apontar a ocorrência para a viagem de coleta realizada anteriormente.

Para realizar este exercício:

Atualizações

Ocorrências

Reg. de Ocorrências