Você está na página 1de 3

O Nascimento da Filosofia

O nascimento da filosofia pode ser entendido como o surgimento de


uma nova ordem do pensamento, complementar ao mito, que era a
forma de pensar dos gregos. Uma visão de mundo que se formou de
um conjunto de narrativas contadas de geração a geração por séculos
e que transmitiam aos jovens a experiência dos anciãos. Como
narrativas, os mitos falavam de deuses e heróis de outros tempos e,
dessa forma, misturavam a sabedoria e os procedimentos práticos do
trabalho e da vida com a religião e as crenças mais antigas.
Narrativa trágica de Sófocles,
“Édipo Rei”. www.estacio.br
Nesse contexto, os mitos eram um modo de pensamento essencial à vida da comunidade, ao
universo pleno de riquezas e complexidades que constituía a sua experiência. Enquanto
narrativa oral, o mito era um modo de entender o mundo que foi sendo construído a cada nova
narração. As crenças que eles transmitiam ajudavam a comunidade a criar uma base de
compreensão da realidade e um solo firme de certezas. Os mitos apresentavam uma religião
politeísta, sem doutrina revelada, sem teoria escrita, isto é, um sistema religioso, sem corpo
sacerdotal e sem livro sagrado, apenas concentrada na tradição oral, é isso que se entende por
teogonia. Vale salientar que essas narrativas foram sistematizadas no século IX por Homero e
por Hesíodo no século VII a.C.

Ao aliar crenças, religião, trabalho, poesia, os mitos traduziam o modo que o grego
encontrava para expressar sua integração ao cosmos e à vida coletiva. Os gregos a partir do
século V a.C. viveram uma experiência social que modificou a cotidianidade grega: a vivência
do espaço público e da cidadania. A cidade constituía-se da união de seus membros para os
quais tudo era comum. O sentimento que ligava os cidadãos entre si era a amizade, a filia,
resultado de uma vida compartilhada.

A Vida Cotidiana na Sociedade Grega


Quando dizemos que a filosofia nasceu na Grécia, pontuamos que a Grécia do século V
a.C. não possuía um Estado unificado, mas era formada por Cidades-Estados
independentes, as chamadas pólis, que foram o berço da política, da democracia e das
ciências no ocidente. Transformaram a matemática herdada dos orientais em aritmética,
geometria, harmonia e lapidaram o conceito de razão como um pensar metódico,
sistemático, regido por regras e leis universais.
Acrópole – Atenas – Grécia
Homero autor dos antigos poemas
épicos gregos Ilíada e Odisséia.
Século IX a.C. www1.dragonet.es

Os gregos eram um povo comerciante, propensos a navegação e ao


contato com outras civilizações. A filosofia nascera das adaptações
que os pensadores gregos regimentaram aos conhecimentos
adquiridos por meio dessas influências, e da superação do
pensamento mitológico buscando racionalmente aliar essa nova
ordem de pensamento propriamente grega, a vida na pólis. Mas
afinal, o que é a pólis? Como se constituía?

Uma certa extensão territorial, nunca muito grande, continha uma cidade, onde havia o lar com
o fogo sagrado, os templos, as repartições dos magistrados principais, a Agora, onde se
efetuavam as transações; e, habitualmente,a cidadela na acrópole. A cidade vivia do seu
território e a sua economia era essencialmente agrária. Competiam-lhe três espécies de
atividade: legislativa, judiciária e administrativa. Não menores eram os deveres para com os
deuses, pois a “pólis” assentava em bases religiosas e as cerimônias do culto eram ao mesmo
tempo obrigações cívicas desempenhadas pelos magistrados. A sua constituição dependia da
assembléia popular, do conselho, e dos tribunais formados pelos cidadãos. (PEREIRA, In:
GOMES & FIGUEIREDO, 1983 p. 94 - 95)

O Mito e a Origem de Todas as Coisas


A multiplicidade de idéias e vertentes que formam o mito pode aparecer, muitas vezes, como
desordem. A filosofia pode ser entendida como a tentativa de subordinar a multiplicidade de
expressões à ordem racional, de enfrentar a dificuldade de entender os contrários misturados
que povoam a vida. Entre mito e filosofia têm-se duas ordens ou duas concepções de mundo e
a passagem da primeira à segunda expressa uma mudança estrutural da sociedade. Identificar
ou pensar as várias ordens seria como identificar as constelações na imensidão do céu.

As narrativas míticas tentavam responder as questões fundamentais, como: a origem de todas


as coisas, a condição do homem e suas relações com a natureza, com o outro e com o mundo,
enfim, a vida e a morte, questões que a filosofia desenvolveu no decorrer de sua história. Mas
aqui podemos formular outra questão: a filosofia nasceu da superação dos mitos, mas foi uma
superação gradual ou um rompimento súbito? Para tanto, temos que primeiramente identificar
algumas diferenças básicas entre os mitos e a filosofia.

O Mito (Mythos) é narrado pelo poeta-rapsodo, que escolhido pelos deuses transmitia o
testemunho incontestável sobre a origem de todas as coisas, oriundas da relação sexual entre
os deuses, gerando assim, tudo que existe e que existiu. Os mitos também narram o duelo
entre as forças divinas que interferiam diretamente na vida dos homens, em suas guerras e no
seu dia-a-dia, bem como explicava a origem dos castigos e dos males do mundo. Ou seja, a
narrativa mítica é uma genealogia da origem das coisas a partir de lutas e alianças entre as
forças que regem o universo.

A filosofia, por outro lado, trata de problematizar o porquê das coisas de maneira universal,
isto é, na sua totalidade. Buscando estruturar explicações para a origem de tudo nos elementos
naturais e primordiais (água, fogo, terra e ar) por meio de combinações e movimentos.
Enquanto o mito está no campo do fantástico e do maravilhoso, a filosofia não admite
contradição, exige lógica e coerência racional e a autoridade destes conceitos não advém do
narrador como no mito, mas da razão humana, natural em todos os homens.

PESQUISA
1 Faça uma entrevista com diversas pessoas e pergunte:

a) O que elas entendem por mito?


b) Quais são os mitos que elas conhecem?
c) Relate, por escrito, o mito que mais chamou a atenção do grupo.

2 Construa duas colunas formulando uma explicação mítica à esquerda e outra


racional à direita sobre um determinado fenômeno natural elencando,
comparativamente, suas características e apresente as à turma.