Você está na página 1de 1

Canto, filho da luz da zona ardente, coisas que vi a luz, sempre estrangeira, tecer no ar e inevitavelmente ir baixando com modos

de rendeira ao tear deste mundo. A vida inteira vi me escapar a luz do sol cadente, e essa rosa de sangue na fogueira que agora arranco s dvidas da mente. mente o intelecto que se esquece dela. Se a pura luz de leste se desdiz, a cada ocaso h no final feliz dos nmeros da mente a bagatela de uma luz de mentira. Contra ela fui tecendo este meu canto de aprendiz.
[Bruno Toelntino, A imitao da msica, em O mundo como Idia ]

Você também pode gostar