PERSONALIDADE

E CRESCIMENTO PESSOAL

F145p

Fadiman, Jarnes Personalidade e crescimento pessoal / James Fadiman e Robert Frager; trad. Daniel Bueno - 5. ed. - Porto Alegre : Artmed, 2004. 1. Psicologia - Desenvolvimento - Personalidade. I. Frager, Robert. II. Título. CDU 159.923.2

Catalogação na publicação: Mônica Ballejo Canto - CRB 10/1023 ISBN 85-363-0207-0

PERSONALIDADE
E CRESCIMENTO PESSOAL
James FADIMAN Robert FRAGER
51 edição

Tradução: Daniel Bueno Consultoria, supervisão e revisão técnica desta edição: Bernard Range
Doutor cm Psicologia Instituto de Psicologia, UFRJ

Marta Rezende Cardoso (Cap. 1)
Doutora em Psicopatologia Fundamental e Psicanálise Université Paris VII

Ana lila Lejarraga (Cap. 2)
Doutora em Saúde Coletiva Instituto de Medicina Social, UERJ

Rogério Christiano Buys (Caps. 14 e 15)
Doutor em Psicologia Instituto de Psicologia, UFRJ

Obra originalmente publicada sob o título Personality & personal growth © Prentice Hall, 2002 ISBN 0-13-040961-8

Capa Gustavo Macri Preparação do original Josiane Tibursky Leitura final Aline Pereira Supervisão editorial Mônica Ballejo Canto Projeto e editoração Armazém Digital Editoração Eletrônica - Roberto Vieira

Reservados todos os direitos de publicação, em língua portuguesa, à ARTMED® EDITORA S.A. Av. Jerônimo de Ornelas, 670 - Santana 90040-340 Porto Alegre RS Fone: (51) 3330-3444 Fax: (51) 3330-2378 É proibida a duplicação ou reprodução deste volume, no todo ou em parte, sob quaisquer formas ou por quaisquer meios (eletrônico, mecânico, gravação, fotocópia, distribuição na Web e outros), sem permissão expressa da Editora. SÃO PAULO Av. Rebouças, 1073 - Jardins 05401-150 São Paulo SP Fone: (11) 3062-3757 Fax: (11) 3062-2487 SAC 0800 703-3444

*

IMPRESSO NO BRASIL PR1NTED IN BRAZIL

A nossas esposas: Ayhan e Dorothy e filhos: Ariel, Eddie, John, Kenan, Renee e Maria e aos nossos Professores

Nossos sinceros agradecimentos também aos colaboradores: William Brater, Rebecca Caldwell, Jennifer Clements, Franz R. Epting, Judith V Jordan, Larry M. Leitner, Jean Baker Miller, Bernard J. Paris, Kaisa Puhakka, Jonathan D. Raskin, Irene Pierce Stiver, Janet L. Surrey, Eugene Taylor

AUTORES

James Fadiman Doutorado em Psicologia pela Universidade de Stanford, leciona na San Francisco State University, na Brandeis University e em Stanford. Tem sua própria empresa de consultoria e oferece seminários para executivos e educadores nos EUA e no exterior. É autor ou organizador de livros sobre saúde holística, estabelecimento de metas e psicologia anormal, além de editor de duas revistas. Também é membro da diretoria de diversas corporações ligadas à preservação dos recursos naturais. Utilizo os conhecimentos psicológicos e clínicos que adquiri na escola de pós-graduação em uma variedade de áreas além da psicologia. Embora tenha sido orientador educacional universitário por muitos anos e continue dando aulas de psicologia, tenho me dedicado mais ao trabalho de consultoria com cientistas e homens de negócios. Minhas pesquisas iniciais sobre estados alterados de consciência me permitiram descobrir a profunda sabedoria das culturas indígenas e não-ocidentais. Descobri com prazer que a sabedoria antiga revelou-se imensamente prática. Este livro me ofereceu oportunidade de reunir diferentes pontos de vista que me pareciam pessoalmente úteis, ainda que os criadores destas idéias fossem mutuamente antagônicos. Atualmente dou aulas sobre resolução criativa de problemas e inventividade para uma importante empresa de produtos eletrônicos do Vale do Silício, estou concluindo um segundo romance, continuo escrevendo uma série de contos, além de estar envolvido com diversas empresas ambientais iniciantes.

Robert Frager Doutorado em Psicologia Social pela Universidade de Harvard, onde foi professor-assistente de Erik Erikson. Leciona Psicologia na UC Berkeley, na UC Santa Cruz e é fundador e primeiro presidente do Instituto de Psicologia Transpessoal. Também foi Presidente da Associação de Psicologia Transpessoal. Autor de diversos livros e inúmeros artigos em psicologia e áreas afins, atualmente é diretor do programa de orientação espiritual no Instituto de Psicologia Transpessoal em Paio Alto, Califórnia. Tive a sorte de ter conhecido e trabalhado com muitos teóricos e terapeutas notáveis, cujo trabalho é apresentado neste livro; pessoalmente me submeti à análise junguiana, à terapia Gestalt, à terapia reichiana e neoreichiana, e ao grupo de trabalho rogeriano. Também já vivi em templos zens, retiros iogues e centros sufistas; estudei e pratiquei essas tradições. Além de ensinar psicologia, sou instrutor de aikido, a arte marcial japonesa, a qual pratico há mais de trinta anos. Fui aluno direto do fundador do aikido. Ele foi o primeiro de uma série de professores maravilhosos que me ensinaram o que Maslow chamava de confins da natureza humana. Em parceria com Jim Fadiman, organizei uma coletânea de histórias, poesias e ensinamentos sufistas, intitulada Essential sufism (HarperSanFrancisco, 1997), e escrevi Heart, Self, and Soul (Quest, 1999), um livro sobre psicologia sufista.

PREFÁCIO

Mais uma vez fizemos mudanças para facilitar a leitura do livro, tornando-o útil è mais atual, sem contudo perder a ênfase que mantivemos desde a primeira edição. Apresentamos aos estudantes um livro que os apoia e incentiva a utilizarem a si mesmos como principal modo de avaliar cada teoria. Cada capítulo lhes oferece oportunidades para validar seus insights através da experiência direta e, observando ' suas próprias reações, chegar a suas próprias conclusões sobre a utilidade e o valor de cada teoria. Cada capítulo continua enfocando os aspectos mais fortes da teoria e os motivos pelos quais ela continua sendo amplamente utilizada, em vez de suas limitações. Queremos que os estudantes possam testar e retestar a validade ou a utilidade das teorias conforme suas próprias experiências de vida e bom senso. Sabemos igualmente que a maioria dos estudantes que utilizam este texto não prosseguirão em estudos de pós-graduação, nem se tornarão psicólogos profissionais. Aqueles que o fizeram nos disseram que este volume foi-lhes muito útil como referência em sua formação adicional, enquanto que aqueles que não continuaram nos informam que seu entendimento das questões aqui levantadas enriqueceu suas vidas. Quase a mesma coisa acontece com professores e autores. Embora os proponentes especializados de cada teoria tenham sido capazes de nos indicar áreas em que sua teoria tem sido aplicada com êxito, todos eles reconhecem que a pesquisa sobre esta, ainda que valiosa e empolgante, não é definitiva o bastante para lhes permitir afirmar que um ponto de vista contrário não poderia ser válido. Por isso, incluímos dados de pesquisa somente quando eles elucidam a teoria em discussão. Gostaríamos de ter incluído outros autores cujo trabalho fez com que o campo progredisse, mas por motivos de espaço e por nossa inclusão de áreas além do escopo de muitos outros textos, isso não foi possível.

NOVIDADES NESTA EDIÇÃO Precisamos dizer a verdade: são poucos os autores neste livro que escreveram material original desde nossa última edição. Assim, aproveitamos a oportunidade para examinar o texto propriamente dito. Examinamos cada linha de cada capítulo fazendo duas perguntas: 1. Como isso poderia ser dito de maneira mais clara? 2. Esta linha ou seção é realmente necessária? Todos os capítulos foram aperfeiçoados e abreviados. A maioria deles, mesmo depois de nossos acréscimos subseqüentes, não ficaram mais longos do que antes.

X

PREFÁCIO

Como seria previsível, descobrimos erros que passaram despercebidos, em nossas quatro edições e revisões, pela leitura de quatro editores e pelo exame completo de quatro revisores. Por favor, informe-nos sobre erros que ainda deixamos passar.

NOVA PEDAGOGIA Endereços na internet. Como nossos alunos acostumaram-se a utilizar a internet, isso nos permitiu oferecer tarefas muito mais desafiadoras. Os alunos podem perseguir interesses mais especializados, mesmo dispondo de acesso limitado a bibliotecas acadêmicas convencionais. Eles não tardam em descobrir que alguns sites da internet possuem peculiaridades incríveis que jamais poderiam ser igualadas pelas editoras universitárias. Além disso, existem cada vez mais professores no mundo inteiro que divulgam seu modo particular de trabalhai - com cada um de nossos autores. Os alunos não estão mais limitados a nossas próprias opiniões nem às opiniões de seu professor. Para cada teoria, incluímos endereços suficientes para oferecer um leque inicial de opções. Os leitores estão convidados a enviar os sites de sua preferência que, porventura, não tenhamos incluído. Isso pode ser feito pelos endereços eletrônicos rfrager@earthlink.net ou jfadiman@aol.com. Novo Capítulo. O capítulo sobre a psicologia de construto pessoal e psicologia cognitiva de George Kelly foi dividido em dois capítulos separados. O novo capítulo sobre Kelly foi escrito por três dos profissionais e pesquisadores mais conhecidos dos Estados Unidos: Franz Epting, da Universidade da Flórida, em Gainsville, Larry Leiter, da Universidade de Miami, em Oxford, Ohio, e Jonathan Raskin, da Universidade Estadual de Nova York, em New Paltz. Eles nos convenceram de que nossa visão anterior de Kelly, identificando-o como teórico cognitivo, baseava-se em uma compreensão insuficiente de seu trabalho. Sabemos agora que Kelly pertence à linhagem de teóricos humanistas, à qual pertencem Rogers e Maslow. Sua obra é profundamente otimista, e a terapia oriunda de seu trabalho é decididamente pragmática. Alterações por Capítulo. Como assinalamos, todo os capítulos sofreram profundas alterações: o texto foi alterado, as referências foram atualizadas e sites na internet foram acrescentados. A ordem dos capítulos também foi alterada para que autores mais estreitamente vinculados ficassem mais próximos. Além disso, foram feitas as seguintes mudanças específicas em cada capítulo: • Capítulo 4 - CarI Gustav Jung e a psicologia analítica. O capítulo foi consideravelmente rescrito para tornar os complexos conceitos junguianos mais compreensíveis. Particularmente, acrescentamos referências a pesquisas atuais que têm aplicado a teoria junguiana em novas áreas. Capítulo 5 - Alfred Adler e a psicologia individual. Expandimos e reescrevemos o resumo da abordagem teórica básica de Adler, e também incluímos referências a aplicações interculturais da teoria adleriana. Capítulo 6 - Karen Horney e a psicanálise humanística. A seção sobre terapia é totalmente nova e incorpora conferências proferidas por Horney a terapeutas em treinamento, descobertas há pouco tempo e nunca publicadas anteriormente. Capítulo 7 - A psicologia das mulheres. Na última edição, este era o capítulo mais radical do livro. Ele agora está mais radical ainda. Deixamos de lado nosso estilo usual para poder criar o maior impacto possível sobre os alunos. O conteúdo questiona diretamente algumas das afirmativas feitas em quase todos os outros capítulos. Para dar mais vividez à teoria, incluímos uma descrição do que pode acontecer quando uma mulher aplica estes insights a si mesma. A autora, Rebecca Caldwell, generosamente nos permitiu incluí-la aqui.

• • •

PREFÁCIO

• •

• • • • •

Além disso, acrescentamos uma seção de Jennifer Clements, membro de um grupo de pesquisadores que têm aplicado os insights desenvolvidos pela equipe do Stone Center na criação de novos modos de se fazer pesquisa. A "investigação orgânica" utiliza os pressupostos básicos de relacionamento e igualdade, os quais influenciam não apenas os tipos de pesquisa que podem ser experimentados, mas também os seus efeitos sobre os indivíduos, o pesquisador e também sobre seus eventuais leitores. Capítulo 8 - Erik Erikson e o ciclo de vida. Revelamos o papel central desempenhado por Joan Erikson como co-autora e colaboradora de seu marido. Ela tem sido subestimada ou completamente ignorada na maioria das discussões sobre o trabalho de Erikson. Também acrescentamos uma nova seção significativa sobre desenvolvimentos recentes, incluindo pesquisa e texto sobre identidade e geratividade. Capítulo 9 - Wilhelm Reich e a psicologia somática. Reduzimos o capítulo e acrescentamos novas referências, incluindo uma publicação recente de revistas de Reich e um apanhado geral sobre os princípios e práticas das terapias somáticas. Capítulo 10 - William James e a psicologia da consciência. O capítulo inteiro foi aperfeiçoado por Eugene Taylor, da Universidade de Harvard. Taylor, como ele próprio disse, "corrigiu inúmeras pequenas questões", acrescentou várias novas seções sobre a orientação básica de James, assim como seções sobre o trabalho de James com drogas psicodélicas, meditação, parapsicologia e múltipla personalidade. Capítulo 11 - B. F. Skinner e o behaviorismo radical. Quando Skinner faleceu, seus inúmeros adversários, por não terem mais com quem brigar, passaram a discutir outras questões. Conseqüentemente, ocorreu uma diminuição do interesse efetivo por Skinner. Demos menos importância às questões pelas quais Skinner lutou e nos concentramos mais em seu tremendo impacto sobre toda a psicologia. Capítulo 13 - George Kelly e a psicologia do construto pessoal. Inteiramente novo, como dissemos anteriormente. Capítulo 14 - Carl Rogers e a perspectiva centrada na pessoa. Diversas mudanças foram feitas para alinhar os conceitos básicos do capítulo com a influência crescente de Rogers, principalmente fora dos Estados Unidos. Capítulo 15 - Abraham Maslow e a psicologia transpessoal. Incluímos novo material sobre autores transpessoais, incluindo Stanislav Grof e Ken Wilber. Capítulo 16 - Ioga e a tradição hindu. Acrescentamos novo material comparando os princípios básicos entre as disciplinas contemplativas. Capítulo 17 - Zen e a tradição budista. O capítulo sobre budismo inclui uma discussão que compara o conceito budista do se//com aquele de Karen Horney e da teoria psicológica ocidental em geral, além de uma comparação das teorias budista e psicanalítica. Capítulo 18 - Sufismo e a tradição islâmica. O capítulo inclui novas citações do poeta Rumi e de outros destacados poetas sufistas. Todo o capítulo foi remodelado pela inclusão de material de um novo volume sobre sufismo e psicologia.

Comentários, críticas e sugestões serão bem-vindos. Agradecemos aos revisores, cujas sugestões e correções reforçaram partes importantes do texto. São eles: Beverly J. Goodwin, Doutor da Indiana University of Pennsylvania, Myron M. Arons, Doutor da State University of West Geórgia, e John Robertson, Doutor da North Hennepin Community College. Também expressamos nossos sinceros agradecimentos a Sharon Rheinhardt, por seu apoio a esta edição. Somos especialmente gratos pela sabedoria, bom humor e bom senso de Kim Gueterman, nossa editora de produção, que se esforçou para que este volume fosse o mais bem planejado e livre de erros possível. Sua dedicação e seus próprios padrões de exigência nos fizeram trabalhar com muito mais afinco nas revisões e melhorias finais.

V

SUMÁRIO

Prefácio 1. Introdução Uma abordagem construtiva da teoria da personalidade Teorias da personalidade Expandindo o alcance da teoria da personalidade A estrutura dos capítulos Endereços na internet Referências bibliográficas 2. Sigmund Freud e a Psicanálise História pessoal Antecedentes intelectuais Principais conceitos A estrutura da personalidade Fases psicossexuais de desenvolvimento As idéias de Freud sobre as mulheres Dinâmica: ansiedade, psicanálise e trabalho do sonho Estrutura Terapeuta/terapia Avaliação A teoria em primeira mão: excerto de Estudos sobre a histeria Destaques do capítulo Conceitos-chave Bibliografia comentada Endereços na internet Referências bibliográficas 3. Anna Freud e os Pós-freudianos: Melanie Klein, Donald Winnicott, Heinz Kohut e a Terapia da Gestalt de Fritz e Laura Perls Anna Freud /. Desenvolvimentos adicionais na teoria psicanalítica: Melanie Klein, Donald Winnicott e Heinz Kohut William Brater Desenvolvimentos adicionais na teoria psicanalítica: a terapia da gestalt de Fritz e Laura Perls A teoria em primeira mão: três excertos de Anna Freud A teoria em primeira mão: excerto de Fritz Perls, Gestalt therapy verbatim Destaques do capítulo

ix 19 19 20 20 23 28 28 29 29 32 33 35 37 40 41 45 47 49 51 54 55 56 57 58 61 61 67 74 81 82 83

14

SUMÁRIO

Conceitos-chave Bibliografia comentada Endereços na internet Referências bibliográficas 4 Carl Gustav Jung e a Psicologia Analítica História pessoal Antecedentes intelectuais Principais conceitos Dinâmica Estrutura Avaliação Desenvolvimentos recentes: a influência de Jung A teoria em primeira mão: excertos de Psicologia analítica Destaques do capítulo Conceitos-chave Bibliografia comentada Endereços na internet Referências bibliográficas 5 Alfred Adler e a Psicologia Individual História Pessoal Antecedentes intelectuais Principais conceitos Dinâmica Estrutura Avaliação Desenvolvimentos recentes: a influência de Adler A teoria em primeira mão: excerto de Interesse social Destaques do capítulo Conceitos-chave Bibliografia comentada Endereços na internet Referências bibliográficas 6 Karen Horney e a Psicanálise Humanística BernardJ. Paris História pessoal Antecedentes intelectuais Principais conceitos O novo paradigma de Horney Dinâmica O processo de psicoterapia Aplicações não-clínicas de Horney Avaliação Conclusão A teoria em primeira mão: excerto de Auto-analise Destaques do capítulo Conceitos-chave Bibliografia comentada Endereços na internet Referências bibliográficas

84 85 86 86 89 89 92 94 106 109 111 113 113 114 115 116 116 117 120 120 122 124 131 133 136 137 137 138 139 140 140 140 142 .^. 143 146 148 151 158 160 162 164 165 165 166 167 169 170 170

»•

SUMÁRIO

15

A Psicologia das Mulheres: Jean Baker Milier, Irene Pierce Stiver, Judith V. Jordan, Janet L. Surrey, Rebecca Caldwell e Jennifer Clements Seção 1, Uma abordagem relacionai

172 172

Jean Baker Milier, Irene Pierce Stiver, Judith V. Jordan, Janet L. Surrey Principais conceitos Dinâmica Terapia relacionai, Avaliação A teoria em primeira mão: excerto de Womeris growth in connection
Seção 2. Curando a crise relacionai Rebecca Caldwell Seção 3. Pesquisa orgânica: uma metodologia de pesquisa transpessoal/feminista

173 177 181 182 183
184 186

Jennifer Clements Antecedentes intelectuais Uma metáfora fundamental O processo A metodologia em ação Destaques do capítulo Conceitos-chave Bibliografia comentada Endereço na internet Referências bibliográficas
Erik Erikson e o Ciclo de Vida

186 187 187 188 188 190 191 192 192
195

História pessoal Antecedentes intelectuais Principais conceitos Dinâmica Estrutura Avaliação A teoria em primeira mão: excerto de Infância e sociedade Destaques do capítulo Conceitos-chave Bibliografia comentada Endereço na internet Referências bibliográficas
Wilhelm Reich e a Psicologia Somática

195 197 198 211 213 215 216 217 218 218 219 219
221

História pessoal Antecedentes intelectuais Principais conceitos Dinâmica Estrutura Avaliação Outras abordagens da psicologia somática Avaliação A teoria em primeira mão: excerto de Me and the orgone Destaques do capítulo Conceitos-chave Bibliografia comentada Endereços na internet Referências bibliográficas

221 223 224 227 231 233 234 240 241 242 243 243 244 244

16

SUMÁRIO

10. William James e a Psicologia da Consciência

247

História pessoal Antecedentes intelectuais Principais conceitos Dinâmica: forças que favorecem e limitam o crescimento pessoal Estrutura O papel do professor Avaliação A psicologia da consciência Avaliação A teoria em primeira mão: excertos de Palestras para professores e de Variedades da experiência religiosa Destaques do capítulo Conceitos-chave Bibliografia comentada Endereços na internet Referências bibliográficas
11. B. F. Skinner e o Behaviorismo Radical

248 250 251 260 264 264 265 266 275 276 277 279 280 280 281
286

História Pessoal Antecedentes intelectuais Principais conceitos Estrutura Avaliação A teoria em primeira mão: excerto de "Humanismo e behaviorismo" Destaques do capítulo Conceitos-chave Bibliografia comentada Endereços na internet Referências bibliográficas 12. Aplicações da Psicologia Cognitiva Kaisa Puhakka Avaliação A teoria em primeira mão: terapia cognitiva Ciência cognitiva e experiência humana: uma nova parceria Destaques do capítulo Conceitos-chave Bibliografia comentada Endereços na internet Referências bibliográficas
13. George Kelly e a Psicologia do Construto Pessoal

286 288 290 399 307 308 309 310 311 312 312 315 322 322 323 323 323 324 324 324
327

Franz R. Epting, Larry M. Leitner, Jonathan D. Raskin Introdução História pessoal Antecedentes intelectuais Principais conceitos Dinâmica Diagnóstico Terapia Avaliação

327 328 329 330 340 344 345 348

SUMÁRIO

17

A teoria em primeira mão: excerto de The Psychology ofthe Unknown Destaques do capítulo e Conceitos-chave Bibliografia comentada Endereços na internet Referências bibliográficas 14. Carl Rogers e a Perspectiva Centrada na Pessoa História pessoal Antecedentes intelectuais Principais conceitos Dinâmica Estrutura A Pessoa em funcionamento perfeito Terapia centrada na pessoa Grupos de encontro Avaliação A teoria em primeira mão: as idéias de Rogers A ligação com a teoria Destaques do capítulo Conceitos-chave Bibliografia comentada Endereços na internet Referências bibliográficas 15. Abraham Maslow e a Psicologia Transpessoal História pessoal Antecedentes intelectuais Principais conceitos Dinâmicas Estrutura Desenvolvimentos recentes: a influência de Maslow Avaliação Psicologia transpessoal A teoria em primeira mão: excerto de 'A experiência de platô" Destaques do capítulo Conceitos-chave Bibliografia comentada Endereços na internet Referências bibliográficas 16. loga e a Tradição Hindu História Principais conceitos Dinâmica Estrutura Avaliação A teoria em primeira mão: excertos de Radha: diary of a womarís search Destaques do capítulo Conceitos-chave Bibliografia comentada Endereços na internet Referências bibliográficas

348 349 350 351 351 354 354 358 359 364 366 369 370 373 375 377 378 379 380 380 381 381 385 385 387 388 398 400 402 402 403 409 410 411 412 412 413 415 415 417 431 433 435 436 437 437 439 439 439

1

18

SUMÁRIO

17. Zen e a Tradição Budista História Principais conceitos Dinâmica Estrutura Avaliação Desenvolvimentos recentes: a influência do budismo A teoria em primeira mão: excertos de The wild white goose Destaques do capítulo Conceitos-chave Bibliografia comentada Endereços na internet Referências bilbiográficas 18. Sufismo e a Tradição Islâmica História Principais conceitos Dinâmica Estrutura Avaliação A teoria em primeira mão: excerto de Forty days: the diary ofa traditional solitary sufi retreat Destaques do capítulo Conceitos-chave Bibliografia comentada Endereços na internet Referências bibliográficas Créditos índice onomástico índice analítico

441 441 443 451 454 460 462 463 464 464 465 465 466 468 469 474 476 482 487 488 489 490 491 492 492 495 497 507

1
INTRODUÇÃO
Este texto tem por objetivo oferecer a você um conjunto mundial e intercultural de conhecimentos para lhe ajudar a explorar a natureza humana. Em todos os capítulos desta quinta edição apresentamos uma variedade de ferramentas para que você possa adquirir uma maior compreensão tanto de sua própria personalidade quanto da de outras pessoas.
UMA ABORDAGEM CONSTRUTIVA DA TEORIA DA PERSONALIDADE

Abordamos cada teoria da maneira mais positiva e favorável possível. Cada capítulo foi lido e avaliado por teóricos e praticantes de cada sistema para assegurar que nosso modo de tratálo fosse relativamente abrangente e preciso. Em alguns casos, os melhores profissionais dos Estados Unidos escreveram o capítulo segundo nossas especificações. Evitamos tanto quanto possível a tendência de criticar ou depreciar qualquer teoria. Ao contrário, procuramos destacar as virtudes e a eficácia de cada abordagem. Também procuramos não ser partidários nem irrefletidamente ecléticos. Entretanto, nossas escolhas foram intencionalmente tendenciosas. Incluímos os pensadores cuja importância e utilidade são evidentes na psicologia e deixamos de lado outros pensadores conhecidos que pareciam menos úteis ou menos compatíveis com o objetivo geral deste volume. Cada um dos pensadores deste livro oferece algo de especial valor e relevância, isolando e esclarecendo diversos aspectos da natureza humana. Achamos que cada um deles é essencialmente "correto" em sua própria área de conhecimento. Não obstante, apresentamos algumas divergências cruciais entre os pensa-

dores, cujas disputas muitas vezes se parecem com a conhecida história dos cegos que encontram um elefante. Ao tocar uma parte do elefante, cada um deles supunha que a parte sob seus dedos continha a chave para a aparência total do animal. Na versão original da fábula, os cegos eram filósofos enviados a um estábulo completamente escuro por um sábio rei (que provavelmente estava cansado de suas divergências acadêmicas). Cada um dos filósofos insistia que sua experiência limitada, e a teoria baseada naquela experiência, era a totalidade da verdade. Nós utilizamos uma abordagem diferente. Partimos do pressuposto de que cada teoria tem algo relevante para cada um de nós. Por exemplo, aqueles que recebem seu salário conforme suas horas de trabalho podem descobrir que o conceito de B. F. Skinner de programas de reforço elucida seu comportamento no local de trabalho. Contudo, é provável que a leitura de Skinner não ajude as pessoas a compreender por que participam de serviços religiosos. Para isso, os textos de Carl Jung sobre o poder dos símbolos e o significado do self provavelmente serão mais úteis. Assim, em momentos diferentes ou em diferentes áreas de nossas vidas, cada teoria pode oferecer orientação, elucidação ou clareza. É provável que você sinta muito mais afinidade por alguns pensadores apresentados neste livro do que por outros. Cada pensador está escrevendo sobre determinados padrões básicos da experiência humana; com freqüência, sobre padrões provenientes de suas próprias vidas. É possível que você aprecie aquelas teorias que se concentram em padrões que mais se assemelham aos seus.

2 0

JAMES FADIMAN & ROBERT FRAGER

Cada capítulo discute uma teoria ou perspectiva que contribui para nosso conhecimento geral do comportamento humano. Estamos convencidos de que, além de nosso padrão biológico inato de crescimento e desenvolvimento, possuímos uma tendência para o crescimento e desenvolvimento psicológico. Esta tendência, descrita por diversos psicólogos como um esforço para a auto-realização - o desejo de compreender a si mesmo e a necessidade de utilizar ao máximo nossa própria capacidade -, é um de nossos pressupostos e caracteriza este texto de modo especial.

TEORIAS DA PERSONALIDADE Antes de Freud e dos outros grandes pensadores da personalidade, não havia, no ocidente, grande interesse pelas teorias da personalidade. As doenças mentais eram consideradas conseqüências inexplicáveis de possessão "alienígena" ou demoníaca de indivíduos que, em outros aspectos, eram considerados racionais e lógicos. De fato, os primeiros médicos especializados no tratamento de doentes mentais eram chamados de "alienistas". Uma das maiores contribuições de Freud foi insistir que os eventos mentais são regidos por regras e por uma estrutura de causa e efeito. Ele observou os pensamentos e comportamentos irracionais e inconscientes de seus pacientes e percebeu que eles se enquadravam em certos padrões. Freud inaugurou, assim, uma "ciência do irracional". Além disso, ele reconheceu que a maioria dos padrões de comportamento observados em pacientes neuróticos e psicóticos pareciam ser variantes intensificadas dos padrões mentais observados em pessoas normais. Jung, Adler e muitos outros desenvolveram as idéias de Freud. Na teoria de Jung, o inconsciente do indivíduo inclui não apenas memórias pessoais (como Freud havia enfatizado), mas também material do inconsciente coletivo de toda a humanidade. Alfred Adler e outros concentraram sua atenção no ego como um sofisticado mecanismo de adaptação ao ambiente interno e externo. Karen Horney explorou a psicologia do ego e também foi pioneira no desenvolvimento da psicologia das mulheres. Em certo sentido, expandiu a teoria psicanalítica para incluir as mulheres. Seu trabalho foi levado

adiante por várias gerações de pensadoras. Entre as de maior prestígio está o grupo de Stone Center, cujo trabalho teórico de amplo reconhecimento é apresentado no Capítulo 7, "A psicologia das mulheres". William James, contemporâneo de Freud e Jung, estava mais interessado na própria consciência do que em seus conteúdos. Em sua exploração de como a mente funciona, J a m e s foi um p r e c u r s o r dos psicólogos cognitivos. Foi também o fundador dos estudos da consciência, campo em que os pesquisadores investigam temas como os estados alterados de consciência, incluindo sonhos, meditação e biofeedback. Pensadores norte-americanos posteriores, tais como George Kelly, Carl Rogers e Abraham Maslow, ocuparam-se com as questões de saúde e desenvolvimento psicológico. Nas convincentes palavras de Maslow, "é como se Freud tivesse nos fornecido a metade doente da psicologia e agora devêssemos completá-la com sua metade saudável" (Maslow, 1968, p. 5).

EXPANDINDO O ALCANCE DA TEORIA DA PERSONALIDADE Nos últimos anos, três abordagens da natureza e do funcionamento humanos tornaramse cada vez mais importantes: a psicologia cognitiva, a psicologia das mulheres e as abordagens não-ocidentais. Nossa inclusão dessas áreas visa estender os limites e o alcance das perspectivas tradicionais sobre a teoria da personalidade.

Psicologia cognitiva A psicologia cognitiva tornou-se importante em muitas áreas da psicologia, inclusive na teoria da personalidade. Ela oferece tanto um modo de analisar o funcionamento da própria mente quanto um modo de apreciar a riqueza e complexidade do comportamento humano. Se pudermos melhor compreender como pensamos, observamos, nos ocupamos e lembramos, seremos capazes de compreender mais claramente como estes blocos de construção cognitivos acarretam medos, ilusões, trabalhos criativos e todos os comportamentos e eventos mentais que nos fazem ser quem somos.

PERSONALIDADE E CRESCIMENTO PESSOAL

21

O t r a b a l h o pioneiro do psicólogo George Kelly salientou a i m p o r t â n c i a de c o m p r e e n d e r intelectualmente nossa experiência. Para Kelly, todas as pessoas são cientistas, formulando teorias e hipóteses sobre si m e s m a s e os outros.

A psicologia das mulheres
Uma s e g u n d a i m p o r t a n t e a b o r d a g e m d a natureza e do f u n c i o n a m e n t o h u m a n o s , a i n d a um p o u c o fora do círculo acadêmico, reconhece as diferenças e n t r e h o m e n s e m u l h e r e s . Parece absurdo, m a s a maioria das teorias da personalidade e a maioria dos outros textos didáticos c o n t i n u a m e v i t a n d o essa questão crucial (Madden e H y d e , 1998). Nossa primeira edição, escrita no início da d é c a d a de 1970, incluía um capítulo c h a m a d o "A psicologia das mulheres". N a q u e l a época, havia m u i t o interesse, mas pouca pesquisa substancial. Em nossa segunda edição, excluímos o capítulo e incorporamos a q u e s t ã o das diferenças sexuais no resto do texto. Em nossas terceira e q u a r t a edições, e m b o r a a i n d a incorporássemos o assunto em m u i t o s dos capítulos, tivemos o privilégio de t r a b a l h a r com um g r u p o de estudiosos e t e r a p e u t a s e m i n e n t e s q u e g e n e r o s a m e n te se dispuseram a escrever u m a exposição original da contribuição especial dos estudos femininos ao c a m p o da p e r s o n a l i d a d e . Na presente edição, a c r e s c e n t a m o s um longo relato pessoal de u m a a l u n a sobre s u a descoberta de si mesma, bem c o m o u m a seção sobre um novo conjunto de i n s t r u m e n t o s de pesquisa proveniente destes n o v o s e n t e n d i m e n t o s . As implicações d e s t a m u d a n ç a de foco recém começam a ser a p r e c i a d a s , n ã o a p e n a s no ocidente (Macoby, 1 9 9 8 ; Valsiner, 1 9 8 9 ) , m a s t a m b é m em suas aplicações mais amplas na compreensão de m o d e l o s de d e s e n v o l v i m e n t o não-ocidentais (Korbei, 1 9 9 8 ; Fadiman, 2 0 0 0 ) .

nos d e p e n d e n t e dos pressupostos filosóficos e intelectuais dos Estados Unidos e da Europa ocidental, esses outros pontos de vista v ã o sendo mais a m p l a m e n t e incorporados em outras partes do sistema educacional. Essas teorias orientais foram desenvolvidas em sociedades e sistemas de valor que freq ü e n t e m e n t e são m u i t o diferentes da Europa e dos Estados Unidos. As crenças e ideais oriundos dessas culturas enriquecem nossas idéias sobre o q u e é ser um ser h u m a n o . As tradições religiosas subjacentes a estes sistemas - h i n d u í s m o , b u d i s m o e islamismo - r e p r e s e n t a m hoje as perspectivas de quase três bilhões de pessoas q u e vivem em mais de cem países diferentes. Essas três tradições são seguidas pela maioria da p o p u l a ç ã o m u n dial e são realidades de vida p a r a seus seguidores. Interesse c o n t e m p o r â n e o pelos sistem a s o r i e n t a i s . O interesse pelo p e n s a m e n t o oriental c o n t i n u a crescendo. Observa-se u m a proliferação constante de cursos, livros e organizações b a s e a d a s em disciplinas orientais diversas. Muitos ocidentais em busca de novos valores e desenvolvimento pessoal e espiritual se dedicam ao e s t u d o ou à prática intensiva de um sistema oriental. As teorias orientais incluem conceitos poderosos e técnicas eficazes de desenvolvimento pessoal e espiritual. Tanto a pesquisa quanto a aplicação prática destas disciplinas têm a u m e n t a d o n o ocidente. Existe um reconhecimento crescente de que os psicólogos ocidentais podem ter subestimado as psicologias e terapias de outras culturas. Algumas disciplinas asiáticas possuem terapias sofisticadas, e estudos experimentais comprovaram sua capacidade de induzir efeitos psicológicos, fisiológicos e psicoterapêuticos. Um número cada vez maior de ocidentais, incluindo profissionais de saúde mental, utiliza hoje terapias asiáticas. Os benefícios incluem novas perspectivas sobre o funcionamento, potencial e patologia psicológicos, bem como novas abordagens e técnicas. Além disso, o estudo de outros costumes e culturas muitas vezes tem o efeito saudável de revelar pressupostos etnocêntricos e crenças limitadoras que não se supunham, levando assim a uma visão mais ampla da natureza e da terapia humana [...]. As psicologias asiáticas se concentram mais nos níveis existenciais e transpessoais e menos no patológico. Elas dispõem de mapas de-

Teorias orientais da personalidade
Os três capítulos finais deste livro são dedicados aos m o d e l o s de p e r s o n a l i d a d e desenvolvidos em três disciplinas psicoespirituais do oriente: Ioga, Z e n - b u d i s m o e Sufismo. Os Capítulos 16, 17 e 18 r e p r e s e n t a m u m a ampliação dos limites tradicionais da teoria da personalidade. A m e d i d a q u e a psicologia se t o r n a um c a m p o de e s t u d o mais internacional, me-

2 2

JAMES FADIMAN & ROBERT FRAGER

talhados dos estados da consciência, dos níveis de desenvolvimento e dos estágios de iluminação que vão além dos mapas psicológicos ocidentais tradicionais. Além disso, afirmam possuir técnicas para induzir esses estados e condições. (Walsh, 1989, p. 547-548) Estes capítulos oferecem a você a oportun i d a d e de considerar, avaliar e, em certa medida, vivenciar essas perspectivas da personalidade n o contexto d e u m c u r s o d e psicologia crítico e comparativo. Temos muitos indícios do interesse e t e m p o q u e os e s t u d a n t e s já est ã o d e d i c a n d o a essas questões. O e s t u d o d a s p s i c o l o g i a s o r i e n t a i s . Por q u e e s t u d a r religiões em um curso de psicologia? Para m u i t o s , a palavra religião tem fortes conotações de d o g m a rígido, m o r a l i d a d e convencional, etc. Essas idéias n ã o parecem partic u l a r m e n t e compatíveis com a psicologia. É i m p o r t a n t e l e m b r a r que, n e s t e caso, estamos lidando com psicologias orientais e n ã o com religiões orientais. A ioga, o zen-budismo e õ sufismo originaram-se da necessidade com u m de explicar a relação entre experiência religiosa e vida cotidiana. Os guias espirituais estavam entre os primeiros psicólogos no ocidente e no oriente. Eles precisavam compreender a dinâmica emocional e pessoal de seus alunos, bem como suas necessidades espirituais. A fim de c o m p r e e n d e r as questões que seus alunos defrontavam, os guias utilizavam primeiram e n t e suas próprias experiências, princípio que vemos respeitado, na atualidade, na análise didática à qual os psicoterapeutas se submetem. Esses sistemas realmente diferem da maioria das teorias da personalidade ocidentais por sua maior p r e o c u p a ç ã o com valores e considerações morais e por s u a ênfase na recomendação de viver-se de acordo com certos modelos espirituais. Devemos viver d e n t r o de um códig o moral, a r g u m e n t a m , p o r q u e u m a vida m o r a l m e n t e codificada tem efeitos definidos, reconhecíveis e benéficos à nossa consciência e bem-estar geral. E n t r e t a n t o , todas as três psicologias vêem a moral e os valores de um m o d o pragmático, até m e s m o iconoclasta. Cada u m a dessas tradições enfatiza a futilidade e insensatez de se valorizar mais a forma exterior do q u e a função interior. Essas psicologias, c o m o suas equivalentes ocidentais, provêm da observação cuidadosa da experiência h u m a n a . Elas se assentam sobre séculos de observações empíricas dos

efeitos psicológicos, fisiológicos e espirituais de u m a v a r i e d a d e d e idéias, atitudes, comportam e n t o s e exercícios. Entretanto, a vitalidade e importância dessas psicologias tradicionais repousa na const a n t e testagem, reformulação e modificação de suas idéias iniciais para ajustarem-se a novos contextos e situações interpessoais, bem c o m o a diferentes condições culturais. Em outras palavras, estas psicologias seculares a i n d a são pertinentes, a i n d a m u d a m e se desenvolvem. Carl J u n g escreveu, "o c o n h e c i m e n t o da psicologia oriental [...] forma a base indispensável para u m a análise crítica e u m a consider a ç ã o objetiva da psicologia o c i d e n t a l " (em S h a m d a s a n i , 1996, p. x-xi). Acreditamos q u e o desenvolvimento de u m a psicologia completa r e p o u s a em nosso e s t u d o e c o m p r e e n s ã o do p e n s a m e n t o oriental. E x p e r i ê n c i a t r a n s p e s s o a l . Cada um destes sistemas se concentra no desenvolvimento transpessoal, ou desenvolvimento além do ego e da personalidade. Eles partilham com a psicologia transpessoal (ver Capítulo 15) a crença de que é possível, através da meditação e de outras disciplinas da consciência, entrar em profundos estados de consciência q u e estão além (trans) de nossa experiência pessoal cotidiana. Em contraste, os psicólogos ocidentais geralmente discutem o desenvolvimento em termos de fortalecimento do ego: maior autonomia, autodeterminação, auto-realização, liberdade de processos neuróticos e um estado mental saudável. Entretanto, os conceitos de desenvolvimento transpessoal e de fortalecimento do ego p o d e m ser mais complementares do q u e antagônicos. O pioneiro p e n s a d o r da p e r s o n a l i d a d e , Andras Angyal (1956, p. 4 4 - 4 6 ) , discute c a d a um desses pontos de vista. Visto de uma dessas perspectivas [o pleno desenvolvimento da personalidade], o ser humano parece estar se esforçando basicamente para afirmar e expandir sua autodeterminação. Ele é um ser autônomo, uma entidade autodesenvolvida, que se afirma ativamente, em vez de reagir passivamente, como um corpo físico, aos impactos do mundo circundante. Esta tendência fundamental se expressa no empenho da pessoa em consolidar e aumentar seu autogovemo, em outras palavras, exercer sua liberdade e organizar os elementos pertinentes de seu mundo a partir do centro autônomo de governo que é o seu self. Tal tendência - a qual denominei "tendência para a

PERSONALIDADE E CRESCIMENTO PESSOAL

2 3

maior autonomia" - se expressa na espontaneidade, na auto-afirmação e na busca de liberdade e de domínio. Vista de outro ângulo, a vida humana revela um padrão muito diferente do descrito acima. Nesta perspectiva, a pessoa parece procurar um lugar para si mesma em uma unidade maior, da qual procura tornar-se uma parte. Na primeira tendência, nós a vemos lutando em busca de centralidade em seu mundo, tentando moldar, organizar os objetos e eventos de seu mundo, trazê-los à sua própria jurisdição e governo [como no desenvolvimento do ego]. Na segunda tendência, ela parece entregar-se de bom grado à busca de um lar para si mesma e tornar-se uma parte orgânica de algo que concebe como maior do que ela própria [como no desenvolvimento transpessoal]. A unidade supra-individual da qual nos sentimos uma parte, ou da qual desejamos nos tornar uma parte, pode ser formulada de formas variadas de acordo com nossa experiência cultural e compreensão pessoal. Esta segunda tendência pareceria ser mais aplicável àqueles que já obtiveram um certo grau de autodomínio, maturidade e auto-realização. O desenvolvimento de uma forte personalidade autônoma e senso de identidade parece ser pré-requisito para este segundo tipo de desenvolvimento. Os Capítulos 16, 17 e 18 apresentam teorias da personalidade abrangentes e práticas descritas em termos psicologicamente pertinentes. Cada sistema preocupa-se profundamente com as questões de valores fundamentais, com a experiência transpessoal e com a relação do self individual com um todo maior. Cada teoria recebeu considerável atenção no ocidente, e muitos aspectos destes sistemas já estão sendo aplicados em diferentes facetas da psicologia. A avaliação dos sistemas orientais não difere dos julgamentos pessoais que lhe pedimos para fazer em relação às teorias ocidentais neste livro: elas lhe ajudam a compreender a si próprio e aos outros? Em que aspecto elas se assemelham à sua experiência pessoal?

História pessoal Antecedentes intelectuais Principais conceitos Dinâmica Crescimento psicológico Obstáculos ao crescimento Estrutura Corpo Relacionamentos sociais Vontade Emoções Intelecto Self Terapeuta/professor Avaliação A teoria em primeira mão Destaques do capítulo Conceitos-chave Bibliografia comentada Endereços na internet Referências bibliográficas Uma das maiores dificuldades ao comparar e contrastar diferentes teorias da personalidade é que não apenas cada teoria deu sua própria contribuição distinta e única à totalidade do conhecimento humano, como também cada uma delas tem abordagens, definições e dinâmicas próprias. Muitas vezes uma mesma palavra, como, por exemplo, self, tem significados muito diferentes de teoria para teoria. (Alguns pensadores até utilizaram a mesma palavra de modo distinto em seus próprios escritos.) Para facilitar as coisas, procuramos descrever cada teoria em termos de sua utilidade para a compreensão humana. Abordamo-nas não como um pesquisador, ou como um terapeuta, nem como um paciente, mas principalmente como pessoas que procuram compreender a si mesmas e aos outros. Felizmente, muitas das teorias têm pontos em comum e podem ser facilmente comparadas. Exceto quando não fazia sentido (por exemplo, em partes do Capítulo 3, "Anna Freud e os pós-freudianos", e no Capítulo 7, "A psicologia das mulheres"), utilizamos este sistema de organização.

A ESTRUTURA DOS CAPÍTULOS Os capítulos geralmente se dividem nas seguintes seções (os exercícios de Reflexão pessoal, como o da p. 29, distribuem-se ao longo de cada capítulo):

História pessoal Cada capítulo apresenta a história pessoal e os antecedentes intelectuais do pensador. Esboçamos as principais influências sobre o pensamento de cada teórico, influências en-

24

JAMES FADIMAN & ROBERT FRAGER

raizadas na infância, bem como em experiências posteriores fundamentais. Aprendemos que é mais fácil compreender uma teoria se soubermos mais a respeito de seu criador. Assim, as biografias apresentadas em cada capítulo permitem que o leitor desenvolva uma idéia sobre a pessoa antes de começar a estudar sua teoria. Você descobrirá que a teoria de Skinner (ou de Freud ou de Rogers, etc.) faz muito mais sentido quando compreendemos sua origem na experiência de vida de seu criador.

Antecedentes intelectuais Qualquer teoria deve parte de sua gênese e de seu desenvolvimento às idéias dos outros. Toda teoria foi desenvolvida em uma determinada sociedade, em uma determinada época na história, época em que algumas outras teorias e conceitos influenciaram o pensamento de praticamente todos os escritores e investigadores. Uma idéia é na verdade parte de um ecossistema de teorias e conceitos relacionados. Muitas vezes é mais fácil apreciar o campo de ação de uma teoria se conhecemos as principais correntes intelectuais de sua época. Por exemplo, a maioria das teorias desenvolvidas no final do século XIX foram fortemente influenciadas pelos princípios darwinistas de evolução, seleção natural e sobrevivência do mais apto.

próximos cinco capítulos). Entretanto, existem comprovações empíricas de diversas idéias importantes, tais como os conceitos de identidade e desenvolvimento humano, de Erikson, e o conceito de auto-realização, de Maslow. Mais do que dados empíricos, o campo da teoria da personalidade contém um imenso volume de idéias brilhantes, observações claras, métodos inovadores de tratamento e exposições perspicazes de conceitos que nos ajudam a compreender a complexa realidade de quem somos. O leitor poderá observar que raramente citamos pesquisas. Praticamente todos os pensadores são extremamente críticos quanto à validade e utilidade das pesquisas eventualmente realizadas sobre suas teorias (Corsini e Wedding, 1989). Em vez disso, utilizamos o espaço limitado de que dispomos para cada teoria para torná-la o mais compreensível, clara e vivida possível. Dinâmica Somos sistemas vivos, e não estáticos. Chamamos de crescimento psicológico nossos modos de procurar obter maior saúde e consciência e de obstáculos ao crescimento as formas pelas quais o crescimento é retardado, obstruído, desviado, impedido ou corrompido. Todas as teorias incluídas neste livro desenvolveram um conjunto de intervenções, chamadas de terapia, aconselhamento ou práticas espirituais, para ajudar as pessoas a superar os obstáculos e retornar ao crescimento normal. Embora sejam subprodutos fascinantes da teoria, estas intervenções não são discutidas minuciosamente, porque este é um texto sobre a teoria da personalidade, e não sobre psicoterapia.

Principais conceitos A parte principal de cada capítulo explora a teoria, iniciando-se com um resumo de seus principais conceitos. Estes são a base sobre a qual repousa cada teoria e são os elementos que os psicólogos citam quando distinguem as teorias. Os conceitos também são o que cada pensador concordaria serem suas contribuições mais importantes para a compreensão humana. Esta seção é chamada "Principais conceitos", e não "Principais fatos". Seria estimulante dizer que os principais conceitos cobertos neste livro repousam, após muitos anos de pesquisa, em bases factuais. Infelizmente não é assim. Ainda não existe muita comprovação objetiva para a existência do id, dos arquétipos, da sublimação, do complexo de inferioridade ou da projeção (principais conceitos dos

Estrutura Procuramos ser consistentes a fim de ajudá-lo a comparar e contrastar as diferentes teorias, sem, contudo, ser rígidos ao ponto de sermos injustos com as teorias. Embora todas as teorias do livro possam afirmar que incluem todos os principais aspectos do funcionamento humano, constatamos que cada uma delas enfoca mais claramente algumas áreas e negligencia quase totalmente outras. Muitas

PERSONALIDADE E CRESCIMENTO PESSOAL

2 5

vezes o que dizemos sob um determinado título se resume essencialmente a "Esta teoria não discute isto". Corpo. Embora este seja um livro sobre teorias psicológicas, todas elas se baseiam no estudo de seres humanos corporificados, que respiram, comem, ficam tensos e relaxam. Algumas teorias atentam para o quanto o corpo físico influencia os processos psicológicos, outras nem tanto. Wilhelm Reich é provavelmente o pensador ocidental mais preocupado com o corpo. Embora em seu trabalho posterior Freud tenha dado menor relevo à libido, Reich tomou o conceito freudiano de libido como seu princípio central. Para Reich, a liberação da bioenergia bloqueada é a principal tarefa da psicoterapia. Reich afirmava que mente e corpo são uma coisa só; todos os processos psicológicos, pressupôs ele, são parte de processos físicos e vice-versa. Relacionamentos sociais. Quando dizemos que os seres humanos são animais sociais, estamos sugerindo que extraímos significado e satisfazemos nossas necessidades básicas estando uns com os outros - nas famílias, nos grupos de divertimento, nas amizades, nos grupos de trabalho, nos casais e nas comunidades. Algumas teorias consideram estes grupos sumamente importantes, enquanto outras focalizam o mundo interior do indivíduo e tendem a ignorar as relações sociais. Por exemplo, Karen Horney, que estava profundamente interessada nos determinantes culturais da personalidade, definia neurose em termos de relacionamentos sociais. Ela analisou três padrões neuróticos clássicos: aproximar-se das pessoas, ir contra as pessoas e afastar-se das pessoas. Embora quase todos os capítulos se concentrem em torno da questão do desenvolvimento individual, o capítulo sobre a psicologia das mulheres examina a centralidade dos relacionamentos entre indivíduos. As questões levantadas nesse capítulo têm repercussão sobre todos os demais e devem ser mantidas em mente durante a leitura do livro. Vontade. Saint Paul disse: "Aquilo que eu faria, eu não faço. Aquilo que eu não faria, eu faço". Ele estava refletindo sobre a discrepância entre suas intenções e sua capacidade de realizá-las. Cada um de nós tem um interesse semelhante pelo que em nós se interpõe entre nos-

sas intenções ("Vou concluir a tempo a leitura de todo o material das aulas desta semana") e os resultados ("Vi dois filmes, fui a uma festa ótima, li um pouco, e só dei uma olhada no resto"). Muitas teorias tratam desta luta humana fundamental: como transformar intenção em ação. William James fez da vontade um conceito central em sua psicologia. Para James, a vontade é uma combinação de atenção e esforço. Ela é um instrumento importante para concentrar a consciência. Segundo James, a vontade pode ser sistematicamente fortalecida e treinada. Já Skinner considerava a vontade um conceito confuso e irrealista, pois para ele todas as ações são determinadas, mesmo que não saibamos o suficiente para compreender como ou por quê. Portanto, a vontade não tem lugar na teoria de Skinner. Emoções. Descartes escreveu: "Penso, logo existo". A psicologia acrescenta: "Sinto, logo sou plenamente humano". A teoria psicológica possui muitas formas de considerar os efeitos das emoções sobre todas as outras atividades físicas e mentais. Para Maslow e para as psicologias orientais, existem dois tipos de emoções: positivas e negativas. Maslow considera a calma, a alegria e a felicidade emoções positivas. Ele escreveu que elas facilitavam a auto-realização. De modo análogo, a tradição da ioga distingue as emoções que conduzem a maior liberdade e conhecimento daquelas que aumentam a ignorância. Intelecto. As teorias da personalidade muitas vezes enfocam os seus aspectos irracionais. É interessante observar como os pensadores interpretam o funcionamento "racional" de formas muito diferentes e constatar que eles diferem amplamente quanto à importância que dão à racionalidade. Para o pensador George Kelly, o intelecto é um elemento importante na construção de nossas concepções da realidade, sendo um conceito central em sua teoria. No sufismo, existem diversos níveis de intelecto, o que inclui a curiosidade, a lógica e a compreensão empírica. Também existe o intelecto desenvolvido, que inclui o coração da mesma forma que a cabeça. Self. O conceito de seífé de difícil compreensão, nunca totalmente apreendido por nenhum teórico. Ele é mais do que o ego, mais do que o

26

JAMES FADIMAN & ROBERT FRAGER

somatório dos fatores que constituem o indivíduo; ele é menos limitado do que a personalidade, mas a contém. Oselfé o conceito que mais desafiadoramente se afasta do mundo da ciência pura, recusando-se a ser submetido à medição objetiva. Parece confuso? É possível. O self também pode ser "sentido". Você tem uma sensação clara de quem você é, não importa o quão doente esteja, o quão chateado possa ficar, qual seja sua idade. Um dos autores perguntou a seu pai, quando este tinha 88 anos, se alguma vez ele se sentira velho. Ele respondeu que, embora tivesse plena consciência do quanto seu corpo estava envelhecido, sua idéia de si mesmo parecia inalterada desde a infância. Suas atitudes, opiniões, comportamentos, humores e interesses tinham mudado durante o curso de sua vida, mas este algo fugidio continuava igual. Algumas teorias evitam este nosso aspecto "escorregadio", enquanto outras investem e fazem dele um conceito central. Uma das maiores diferenças entre a ioga e o budismo, por exemplo, é o modo de definir self. Na ioga, oselfé a essência eterna e imutável de cada indivíduo. Segundo o budismo, não existe um self central e imutável no indivíduo. Uma pessoa é simplesmente um conjunto impermanente de traços finitos. (Skinner diz algo muito parecido, porém de uma perspectiva totalmente diferente.) O self maior, ou natureza de Buda, não é individual, mas do tamanho de todo o universo. Terapeuta/professor. Cada teoria contém idéias para ajudar as pessoas a crescer e obter maior prazer e integridade em suas vidas. E, de acordo com seus principais conceitos, cada teoria estabelece o tipo de treinamento que uma pessoa precisaria para se tornar um terapeuta profissional, orientador ou guia qualificado. Há uma grande variação em relação ao que se considera uma preparação aceitável para este trabalho. Um psicanalista (nos Estados Unidos) geralmente é um médico que, depois de formado, se submete a um árduo treinamento em psicoterapia psicanalítica por vários anos, ao passo que um monge zen-budista aprende através de anos de meditação e instrução espiritual. Cada sistema faz exigências específicas a seus praticantes e estimula a evolução de diferentes habilidades. h

Avaliação Ao recapitular uma teoria, existe a tendência de assumir uma forte opinião em relação ao valor de um conceito ou outro. Em vez disso, procuramos ficar de lado e deixar para você, leitor, a tarefa de avaliar cada pensador, não apenas conforme as normas acadêmicas e psicológicas tradicionais, mas também conforme a utilidade que cada teoria possui para você pessoalmente, hoje ou no futuro. A teoria em primeira mão Sempre que possível, incluímos um longo trecho dos textos do próprio pensador, ou uma descrição do sistema em operação. Achamos que é importante que o leitor tenha contato com o estilo e personalidade de cada pensador. Gostaríamos que você lesse por si mesmo alguma coisa que cada autor escreveu para obter uma idéia da sua "voz" e experimentar diretamente o que tornou seu trabalho importante e procurado. Muitas vezes o estilo com o qual os pensadores apresentam suas idéias é tão singular e significativo quanto as próprias idéias. Além dos excertos, todos os capítulos incluem diversas citações à margem, que apresentam idéias úteis e expressivas sobre os principais pensadores, seus adeptos e, eventualmente, seus críticos.

Destaques do capítulo Para ajudá-lo a apreender os elementos essenciais de cada capítulo, incluímos um resumo das principais idéias e questões teóricas centrais discutidas em cada teoria.

Conceitos-chave Um segundo elemento didático é a seção "Conceitos-chave", próxima ao final de cada capítulo. Esta lista, em forma de glossário, apresenta as definições dos principais termos utilizados por cada pensador.

PERSONALIDADE E CRESCIMENTO PESSOAL

2 7

Bibliografia comentada

Endereços na internet

Cada capítulo inclui uma bibliografia comentada. O capítulo em si é apenas uma introdução para um intrincado e complexo sistema de pensamento. Esperamos que você persiga as teorias que achar mais interessantes e valiosas. Para facilitar este segundo passo, sugerimos livros que nos parecem mais úteis para compreender cada teoria. Uma das melhores coisas que um professor pode fazer pelos alunos é afastá-los de leituras de segunda categoria e direcioná-los para os livros mais úteis e/ou melhores de uma determinada área. (Despendemos uma enorme quantidade de tempo examinando os livros que são menos úteis sobre cada teoria, e achamos que você não precisa fazer o mesmo.)

Pela primeira vez incluímos alguns, e possivelmente os mais importantes, endereços da internet para cada teoria. Também sugerimos alguns sites que são tão incrivelmente tendenciosos e opiniáticos que não pudemos deixar de incluí-los.
Referências bibliográficas

Incluímos as referências bibliográficas ao final de cada capítulo, em vez de reuni-las ao final do volume. Nossos alunos nos disseram que nosso texto lhes serve de referência para outras aulas, bem como para seu estudo pessoal de determinados pensadores. Por isso, mantivemos as referências neste formato separado.

REFLEXÃO PESSOAL • Questionário de História de Vida
Este é o primeiro de uma série de exercícios para prepará-lo para alguns dos conceitos apresentados. Até certo ponto, desenvolvemo-nos e somos condicionados por nossa experiência passada e, assim, abordamos qualquer material já inclinados a aceitar ou rejeitar algumas partes dele. Antes de ler este livro, talvez seja útil que você recapitule algumas das principais forças em seu próprio desenvolvimento. Registre suas respostas às perguntas a seguir. Responda as perguntas da maneira mais livre e plena possível, pois este exercício se destina a seu uso pessoal. 1. Qual o significado de seu nome? Você tem o nome de algum parente? Seu nome tem um significado especial para você ou para sua família? 2. Que apelido(s) você prefere? Por quê? 3. Qual é sua identificação étnica e/ou religiosa? Se ela é diferente da de sua família, fale sobre a diferença. 4. Descreva seus irmãos e o que sente em relação a eles. 5. Descreva seus pais (padrasto/madrasta) e o que sente a respeito deles. 6. Com que membro da família você é mais parecido? Em quê?

7. Qual sua situação de vida atualmente - trabalho, moradia, e assim por diante?
8. Você tem sonhos ou devaneios recorrentes? Como são eles? 9. Que homens ou mulheres do passado você mais gosta e admira? Por quê? Quem você considera um modelo ideal? 10. Que livros, poemas, músicas ou outras obras de arte mais lhe influenciaram? Quando e como? 11. Que acontecimentos ou experiências interiores trouxeram ou lhe trazem mais alegria? 12. Que acontecimentos ou experiências interiores trouxeram ou lhe trazem mais tristeza? 13. Que ocupação você mais gostaria de ter caso pudesse fazer o que quisesse? Por quê? 14. Que ocupação seria a pior possível para você, algo que você detestaria fazer? Por quê? 15. Existe alguma coisa em você mesmo que você gostaria de mudar? 16. O que você mais gosta em você?

28

JAMES FADIMAN & ROBERT FRAGER Outro site destinado a estudantes e professores de psicologia. Muitas informações e links.

Reflexões pessoais Além desta estrutura geral, cada capítulo possui uma série de "Reflexões pessoais" para prepará-lo para alguns aspectos da teoria. A aprendizagem experíencial e a aprendizagem intelectual são processos complementares e não-contraditórios. O contato pessoal com um conceito oferece uma dimensão de proximidade com a teoria que não poderia ser obtida por outros meios. Os exercícios foram testados e aperfeiçoados até que nossos alunos os considerassem úteis. Recomendamos que você experimente o máximo possível de exercícios de reflexão pessoal. Nossos próprios alunos constataram que isso realmente aprofunda sua compreensão do material, ajudando-lhes a recordar os conceitos e aperfeiçoando seu conhecimento de si mesmos e dos outros.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Angyal, A. (1956). A theoretical model for personality studies. In C. Moustakas (Ed.), 'lhe sei/. New York: Harper & Row. Corsini, R., & Wedding, D. (Eds.). (1989). Currentpsychoüierapies (4 a ed.). Itasca, IL: F.E. Peacock. Fadiman, Jeffrey. (2000). South Africas "Black Market": IIow to do business with africans. Yarmouth, ME: Intercultural Press. Korbei, Lore. (1998). Client-cenleredpsychotherapy: 'lhe individual and the socialization process. In S. Madu, & P Baguma, R (Eds.), In Quesífor psychotherapy for modem África. Sovenga, South África: UNIN Press, p. 100-104. Maccoby, E. (1998). The two sexes: Growing up apart, comüxg together. Cambridge, MA: Belknap Press of Harvard University Press. Madden, Margaret, &Hyde, Janet (Eds.). (1998). Special Issue: Integrating gender and ethnicity into psychology courses. Psychology ofWomen Quarlerly, 22. Maslow, A. (1968). Toward a psychology of being (2 a ed.). New York: Van Nostrand. Shamdasani, S. (Ed.). (1996). The psychology ofkundalini yoga: Notes of the seminar given in 1932 by C.G. Jung. Princeton, NJ: Princeton University Press. Valsiner, J. (1989). Iluman development and culture: the social nature of personality and its study Lexington, MA: Lexington Books. Walsh, R. (1989). Asian psycholherapies. In R. Corsini D. Wedding (Eds.), Current psychotherapies (4 a ed.). Itasca, IL: F.E. Peacock.

ENDEREÇOS NA INTERNET
http://www.psych-central.com/ Recursos on-line para estudantes e professores de psicologia. Muitos links talvez lhe interessem. http://www.findingstone.com/main.htm Um site com uma ampla gama de informações, links e sugestões práticas sobre muitas áreas da psicologia. Experimente o 'Aska therapist" (Pergunte a um terapeuta). Perguntas sérias respondidas por profissionais atuantes. http://www.psywww.com/index.html

2
SIGMUND FREUD E A PSICANÁLISE
O trabalho de Sigmund Freud, desenvolvido com seus conhecimentos de biologia, neurologia e psiquiatria, propôs uma nova compreensão da vida mental, a qual influenciou profundamente a cultura ocidental. Sua visão Sigmund Freud, pela forda condição humana, ça de seus escritos e pela amplitude e audácia de chocando-se violentasuas especulações, revomente contra as opiniões lucionou o pensamento, prevalecentes de sua époas vidas e a imaginação de uma era. [...] Seria difícil ca, ofereceu um modo encontrar na história das complexo e convincente idéias, até mesmo na hisde compreender o funtória da religião, alguém cuja influência tenha sido cionamento mental nortão imediata, tão ampla ou mal e anormal. Suas tão profunda. (Wollheim, 1971, p. Ix) idéias foram como uma explosão que dispersou as concepções da natureza humana dos vitorianos em todas as direções. Os aspectos obscuros da psique humana por ele explorados ajudaram as pessoas a entender alguns dos horrores que ocorreram durante a Primeira Guerra Mundial e as mudanças traumáticas que ela ocasionou em todos os países envolvidos no conflito. Freud explorou áreas da psique que tinham sido obscurecidas pela moralidade e filosofia vitorianas. Ele criou novas abordagens para o tratamento dos doentes mentais. Seu trabalho contestou tabus culturais, religiosos, sociais e científicos. Seus escritos, sua personalidade e sua determinação em ampliar as fronteiras de seu trabalho o mantiveram no centro de um intenso e inconstante círculo de amigos, discípulos e críticos. Freud constantemente repensava e revisava suas próprias idéias. É interessante que seus críticos mais severos incluíam pessoas que ele supervisionara pessoalmente em várias etapas de suas carreiras.
Não é possível disFreud, juntamente com cutir todas as contribui- Marx e Darwin, é consideções de Freud em ape- rado a influência mais sigo pensanas um capítulo. Portan- nificativa sobre moderno. mento ocidental to, o que se segue é uma (Nolan, 1999) deliberada simplificação de um sistema complexo e intricadamente construído. Trata-se de um apanhado geral que pretende tornar o posterior contato com as idéias de Freud mais inteligível e permitir uma melhor compreensão dos pensadores cujas obras foram fortemente influenciadas por ele.

HISTÓRIA PESSOAL Sigmund Freud nasceu em 6 de maio de 1856 em Freiberg, Morávia, atualmente parte da República Checa. Quando tinha 4 anos de idade, sua família sofreu reveses financeiros e mudou-se para Viena, onde Freud permaneceu a maior parte de sua vida. Em 1938, ele foi para a Inglaterra para fugir da ocupação alemã da Áustria. Durante sua infância, Freud sobressaiuse como aluno. Apesar das limitadas condições financeiras de sua família, com todos os oito membros vivendo juntos em um apartamento lotado, Freud, o primogênito, tinha seu próprio quarto e até uma lâmpada a querosene para estudar, enquanto o resto da família se arranjava com velas. No ginásio, ele continuou tendo um excelente desempenho acadêmico. "Fui o melhor aluno de minha turma por sete anos. Ali desfrutava de privilégios especiais e quase não precisei fazer exames" (Freud, 1925a, p. 9). O clima anti-semita predominante de sua época era tanto que, como Freud era judeu, a

30

JAMES FADIMAN & ROBERTFRAGER

maioria das carreiras profissionais, exceto medicina e direito, não lhe eram permitidas. Ele escolheu ingressar na Faculdade de Medicina da Universidade de Viena em 1873, onde permaneceu por oito anos, três a mais do que o habitual. Durante este período, Freud trabalhou no laboratório de fisiologia de Ernst Brücke, onde realizou pesquisas independentes em histologia - o estudo das estruturas minúsculas dos tecidos animais e vegetais - e publicou artigos em anatomia e neurologia. Aos 26 anos, recebeu seu titulo de médico. Prosseguiu seu trabalho com Brücke por um ano, enquanto vivia em casa. Aspirava preencher o próximo cargo disponível no laboratório, mas Brücke tinha dois excelentes assistentes à frente de Freud. Ele concluiu: "O ponto de virada foi em 1882, quando meu professor, por quem eu tinha a mais alta estima, corrigiu a generosa imprevidência de meu pai, aconselhando-me, em virtude de minha má situação financeira, a abandonar minha carreira de pesquisador" (1925a, p. 13). Além disso, Freud tinha se apaixonado e percebeu que teria que ter um emprego mais bem-remunerado se quisesse se casar.
Ele era profundamente Judeu, não no sentido doutrinário, mas em sua concepção de moralidade, em seu amor pela ação céptica da razão, em sua desconfiança da ilusão, na forma de seu talento profético. (Bruner, 1956, p. 344)

Embora relutantemente tenha adotado a clínica privada, seus interesses principais continuaram sendo a exploração e observação científicas. Trabalhando inicialmente como Não senti naquela época, nem mesmo p o s t e r i o r cirurgião e depois em mente em minha vida, uma clínica geral, Freud torpredileção particular pela nou-se médico residencarreira de médico. O que me Impulsionou foi, isto te no principal hospital sim, uma espécie de curiode Viena. Fez um curso sidade, a qual, contudo, dide psiquiatria que aurigia-se mais às questões humanas do que aos obmentou seu interesse pejetos naturais; tampouco las relações entre sintoeu havia compreendido a Importância da observamas mentais e enfermição como um dos melhodade física. Em 1885, res meios de satlsfazê-la. Freud havia conquista(Freud, 1935, p. 10) do uma posição de prestigio como professor na Universidade de Viena. Sua carreira começou a parecer promissora. De 1884 a 1887, Freud fez algumas das primeiras pesquisas sobre cocaína. Inicialmente ficou impressionado com suas propriedades: "Testei este efeito da coca, o qual repele a fome, o sono e a fadiga e nos fortifica para o esforço

intelectual, algumas dezenas de vezes em mim mesmo" (1963, p . l l ) . Ele escreveu sobre seus possíveis usos terapêuticos tanto para distúrbios físicos quanto mentais. Posteriormente ficou preocupado com suas propriedades, que levam à dependência e suspendeu a pesquisa (Byck, 1975). Com o apoio de Brücke, Freud obteve uma bolsa de estudos para trabalhar com Jean-Martin Charcot, em Paris, onde estudou a técnica de hipnotismo e trabalhou como tradutor de Charcot em suas aulas (Carroy, 1991). Charcot lhe deu permissão para traduzir seus artigos para o alemão quando Freud retornou a Viena. Seu trabalho na França aumentou seu interesse pela hipnose enquanto ferramenta terapêutica. Com a cooperação do eminente médico mais velho Josef Breuer, Freud (1895) explorou a dinâmica da histeria. Suas descobertas foram sintetizadas por Freud: "Os sintomas dos pacientes histéricos dependem de cenas marcantes, porém esquecidas de suas vidas (traumas). O tratamento aí inaugurado consistia em fazer o paciente recordar e reproduzir estas experiências sob hipnose (catarse)" (1914, p. 13). Contudo, ele descobriu que a hipnose não era tão eficaz quanto se gostaria. Ela não permitia que o paciente ou o terapeuta trabalhasse com a resistência do paciente à recordação das memórias traumáticas. Mais tarde, Freud abandonou completamente a hipnose. Em vez disso, estimulava os pacientes a falar livremente expressando todos os pensamentos que lhe viessem à cabeça, não importando como estes pensamentos se relacionavam com os sintomas dos pacientes. Em 1896, Freud utilizou pela primeira vez o termo psicanálise para descrever seus métodos. Sua própria auto-analise começou em 1897. O interesse de Freud pela compreensão do inconsciente oferecida pelos sonhos descri- Até um exame superficial tos por seus pacientes de meu trabalho revelaria meu débito com levou à publicação de A tes descobertas as brilhande Freud. interpretação dos sonhos, (Jung, em McGuire, 1974) em 1900. Sua séria abordagem do significado dos sonhos, radical naquela época, recebeu pouca atenção mas atualmente muitos a consideram seu trabalho mais importante. No ano seguinte, Freud publicou outro livro importante, Apsicopatologia da vida cotidiana, no qual examina nossos momentos cotidianos, quando revelamos desejos ocultos sem perceber o que estamos fazendo ou dizen-

PERSONALIDADE E CRESCIMENTO PESSOAL

3 1

do. Com o tempo, Freud adquiriu um séquito de médicos interessados, incluindo Alfred Adler, Sandor Ferenczi, Carl Gustav Jung, Otto Rank, Karl Abraham e Ernest Jones. Este grupo fundou uma sociedade. Artigos eram escritos e uma revista era publicada. Em pouco tempo havia grupos psicanalíticos em diversos países. Em 1910, Freud foi convidado a ir aos Estados Unidos para proferir conferências na Clark University, em Worcester, Massachusetts. Seus trabalhos estavam sendo traduzidos para o inglês. Cada vez mais pessoas se interessavam por suas teorias. Freud passou o resto de sua vida desenvolvendo, ampliando e elucidando a psicanálise. Ele tentou manter o controle sobre o movimento psicanalítico expulsando aqueles que discordavam de suas idéias e exigindo um grau incomum de fidelidade à sua opinião pessoal. Jung, Adler e Rank, entre outros, saíram após repetidas divergências Quando subi à plataforma de Worcester para profecom Freud em torno de rir minhas "Cinco Confequestões teóricas e diferências" sobre psicanálirenças pessoais (Kuhn, se, parecia como um devaneio Inacreditável: a 1998). Cada um deles, psicanálise não era mais posteriormente, fundou um produto do delírio, ela sua própria escola de tinha se tornado uma parte valiosa da realidade. pensamento.
(Freud, 1925a, p. 104)

Ora, eu sem dúvida não sou daqueles que, por pudicícia ou por respeito à tradição burguesa, reprovam pequenas gratificações eróticas desse tipo [...]. Até aqui, em nossas técnicas, mantivemo-nos fiéis à conclusão de que os pacientes não devem receber gratificações eróticas. Agora imagine qual será o resultado de divulgar sua técnica. Não existe revolucionário que não seja expulso do campo por alguém ainda mais radical. Diversos pensadores independentes em questões de técnica dirão a si mesmos: por que recusar um beijo? (Jones, 1955, p. 163-164) Apesar da má saúde, Freud manteve sua clínica privada, um cronograma completo de escrita e uma correspondência cada vez mais volumosa, chegando a responder cartas de desconhecidos que lhe pediam ajuda (Benjamin e Dixon, 1996). Entretanto, à medida que seu trabalho tomava-se mais disponível, aumentavam as críticas. Em 1933, os nazistas, ofendidos por sua franca discussão sobre questões sexuais, queimaram uma pilha de livros de Freud em Berlim. Sobre isso, Freud comentou: "Que progresso estamos fazendo. Na Idade Média eles teriam me queimado; atualmente, contentamse em queimar meus livros" (Jones, 1957). Seu último livro, Um esboço da psicanálise Ninguém que, como eu, in(1940, p.l), começa com voca os mais maléficos uma brusca advertência entre os demônios meloque habitam o aos críticos: "Os ensina- selvagens homem, e proíntimo do mentos da psicanálise se cura lutar com eles, pode baseiam em um número esperar sair dessa luta Ileincalculável de observa- so. (Freud, 1905b) ções e experiências, e somente aquele que repetiu estas observações em si mesmo e nos outros está em condições de chegar a uma opinião pessoal sobre ela". Os últimos anos de Freud foram difíceis. A partir de 1923, ele enfrenta problemas de saúde, sofrendo de câncer da boca e maxilares. Ele tinha dor praticamente constante e submeteuse a um total de 33 operações para deter o desenvolvimento do câncer Quando, em 1938, os alemães que haviam tomado a Áustria ameaçaram Anna, sua filha, Freud partiu para Londres com ela, onde faleceu um ano depois. Infelizmente, o primeiro biógrafo de Freud, Ernest Jones, também seu amigo íntimo, escreveu uma versão "asséptica" de sua vida (Steiner, 2000), deixando a produção de uma versãomais equilibrada para a geração posterior (Gay,

Freud escreveu muito. Suas obras completas preenchem 24 volumes e incluem ensaios sobre os aspectos positivos da prática clínica, uma série de conferências que delineiam a teoria na íntegra e monografias especializadas sobre questões religiosas e culturais. Ele tentou construir uma estrutura que com o tempo pudesse reorganizar toda a psiquiatria, pois temia que os analistas que se desviassem dos procedimentos por ele estabelecidos diluíssem a força e as possibilidades da psicanálise. Ele queria, sobretudo, impedir a distorção e a má utilização da teoria psicanalítica. Por exemplo, em 1931, quando Ferenczi subitamente mudou seus procedimentos, fazendo com que a afeição pudesse ser expressada mais livremente na situação analítica - diferença radical em relação aos seus métodos (Lothane, 1998) -, Freud escreveulhe o seguinte: Percebo que as diferenças entre nós chegaram a um ponto crítico num detalhe técnico que vale a pena discutir. Você não fez segredo do fato de que beija seus pacientes e permite que eles o beijem [...].

3 2

JAMES FADIMAN & ROBERTFRAGER

1988). Outros criticaram Freud por seu possível caso com a irmã de sua esposa (0'Brien, 1991), por falta de honestidade profissional (Masson, 1984; Newton, 1995), e por ostensiva desconsideração pelo sigilo na psicanálise (Goleman, 1990; Hamilton, 1991). Ele também foi acusado de possivelmente retratar mal alguns de seus casos mais célebres (Decker, 1991) e até de ser "o falso profeta do mundo das drogas" (Thornton, 1984). Somente a importância atual da obra de Freud justifica a publicação desses ataques. A importância fundamental de Freud pode ser avaliada não apenas pelo atual interesse e discussão sobre aspectos da teoria psicanalítica, mas, em maior medida, pelo número de suas idéias que se tornaram parte do legado comum do ocidente. Todos estamos em dívida com Freud por sua parcial elucidação do mundo que existe abaixo do consciente.

proposição, que era aberta e otimista para sua época: Nenhuma outra força atua no organismo além das forças físicas e químicas comuns [...]. (Rycroft, 1972, p. 14) Charcot demonstrou que era possível induzir ou aliviar os sintomas histéricos com a sugestão hipnótica. Freud observou, como outros haviam feito, que na histeria os pacientes apresentam sintomas que são fisiologicamente impossíveis. Por exemplo, na anestesia em luva, a pessoa não tem sensibilidade na mão, ao passo que as sensações no punho e no braço são normais. Uma vez que os nervos se estendem ininterruptamente do ombro para a mão, não pode haver uma causa física para Às vezes saio de suas aueste sintoma. Ficou cla- las (de Charcot) [...] com ro para Freud que a his- uma Idéia completamente teria era um distúrbio nova sobre a perfeição [...]. Nenhum outro ser humano cuja gênese exigia uma me afetou da mesma maneira. (Freud, em E. Freud, explicação psicológica.
1961, p. 184-185)

ANTECEDENTES INTELECTUAIS O pensamento de Freud foi uma síntese original de seu contato com idéias filosóficas, de sua formação no rigor da ciência e de seu contato pessoal com o inconsciente.
Filosofia

O INCONSCIENTE
Freud não descobriu o inconsciente. Os antigos gregos e sufistas, entre outros, já recomendavam o estudo dos sonhos. Pouco antes da época de Freud, Johann Wolfgang von Goethe e Friedrich von Schiller "haviam buscado as raízes da criação poética no inconsciente" (Gay, 1988, p. 128), assim como o haviam feito muitos poetas românticos e até o romancista Henry James, contemporâneo de Freud. A contribuição de Freud reside em sua observação das origens e do conteúdo dessa parte da mente com as novas ferramentas da análise científica. Seu trabalho e a atenção que atraiu fizeram do inconsciente uma parte de nosso linguajar público. A tentativa final de Freud de desenvolver uma psicologia de base neurológica (1895) pode ter surgido a partir de suas experiências pessoais anteriores e altamente sofisticadas com cocaína (Fuller, 1992). Este modelo, posteriormente posto de lado por Freud, foi ressuscitado e visto por alguns como um precursor negligenciado, porém brilhante, das teorias contemporâneas que relacionam as mudanças na química cerebral aos estados emocionais (Pribram, 1962).

Enquanto ainda era estudante na Universidade de Viena, Freud foi influenciado pelo poeta romântico alemão Qemens Brentano e também conheceu as idéias de Friedrich Nietzsche (Godde, 1991a). Nietzsche achava, por exemplo, que as convicções morais provinham da agressividade internalizada. As idéias de Freud também se aproximam das de Arthur Schopenhauer. Elas se sobrepõem na visão da vontade, na importância da sexualidade na determinação do comportamento, no domínio das emoções sobre a razão, e na centralidade da repressão, isto é, na não-aceitação do que experienciamos (Godde, 1991b), Biologia Parte da crença de Freud nas origens biológicas da consciência pode ser atribuída às opiniões de Brücke. Brücke certa vez prestou um juramento formal de ser fiel à seguinte

PERSONALIDADE E CRESCIMENTO PESSOAL

3 3

PRINCIPAIS CONCEITOS A suposição de que o corpo é a única fonte de toda a energia mental subjaz todo o pensamento de Freud. Ele ansiava pelo dia em que todos os fenômenos mentais pudessem ser explicados com referência direta à fisiologia cerebral (Sulloway, 1979). Trabalhando a partir de um modelo biológico, Freud procurou criar uma teoria que abrangesse toda a atividade mental. Seus principais conceitos incluem uma repartição estrutural das partes da mente, seus estágios de desenvolvimento, o que elas fazem Certa noite, na semana com a energia e o que passada, enquanto trabaas impulsiona. lhava arduamente, atormentado pela quantidade exata de dor que parece ser o estado Ideal para lazer meu cérebro funcionar, subitamente os obstáculos desapareceram, o véu foi tirado, e pude ver claramente desde os detalhes das neuroses até as condições que tornam a consciência possível. Tudo parecia se encaixar, tudo parecia f u n c i o n a r bem junto, e tinha-se a impressão de que a coisa era realmente uma máquina que em breve andaria sozinha [...] tudo Isso estava perfeitamente claro, e ainda está. Naturalmente não consigo me conter de prazer. (Freud, carta a Fliess; em Boina pado, 1954)

Consciente. A consciência é evidente por si mesma, e por isso ela é a parte da mente com a qual a ciência mais se preocupou - antes de Freud. Entretanto, o consciente é apenas uma pequena porção da mente; ele inclui apenas aquilo de que estamos cônscios em um dado momento. Ainda Não há necessidade de caracterizar o que chamaque estivesse interessa- mos de "consciente", pois do nos mecanismos da este é o mesmo que a consciência dos filósofos consciência, Freud esta- e da opinião cotidiana. va muito mais interessa- (Freud, 1940, p. 16) do nas áreas menos expostas e menos exploradas da consciência, as quais denominou pré-consciente e inconsciente (Herzog, 1991). Pré-consciente. Em termos exatos, o préconsciente é uma parte do inconsciente, mas uma parte que pode facilmente tornar-se consciente. As porções da memória que são acessíveis são parte do pré-consciente. Isso poderia incluir, por exemplo, a lembrança de tudo que uma pessoa fez ontem, de nomes intermediários, da data da conquista da Normandia, de alimentos prediletos, do odor das folhas de outono se queimando e do formato particular de uma torta servida em sua festa de aniversário de 10 anos. O pré-consciente é como uma área de reserva para as memórias de uma consciência em funcionamento. Inconsciente. Quando um pensamento ou sentimento consciente parece não ter relação com os pensamentos e sentimentos que o precederam, segundo Freud, as conexões estão presentes, mas inconscientes. Uma vez encontrados os elos inconscientes, a aparente descontinuidade se resolve. No inconsciente existem elementos instintuais, que nunca foram conscientes e que nunca são acessíveis à consciência. Além disso, existe material que foi excluído - censurado e reprimido - da consciência. Este material não foi esquecido, mas tampouco é recordado; ele ainda afeta a consciência, porém indiretamente. Existe certa vivacidade e imediação no Certas insuficiências de material inconsciente. nossas funções psíquicas e certos atos aparente"Sabemos por experiên- mente involuntários procia que os processos vam ter clara motivação mentais inconscientes quando submetidos à investigação psicanalítica. são em si 'atemporais'. (Freud, 1901) Isso significa dizer, para

Determinismo psíquico

Freud pressupunha que não havia descontinuidade na vida mental e que todo pensamento e comportamento possui significado. Ele afirmava que nada ocorre casualmente, muito menos os processos mentais. Existe uma causa, até múltiplas causas, para todo pensamento, sentimento, memória ou ação. Muitos dos desvios mais Todo evento mental é Intrigantes e aparentemente arbitrários da teoria ocasionado por intenção psicanalítlca [...] são supoconsciente ou inconscisições biológicas ocultas, ou resultam diretamente ente e é determinado de tais suposições. (Halt, pelos eventos que o pre1965, p.94) cederam. Embora aparentemente muitos eventos mentais ocorram espontaneamente, Freud negava isso e começou a procurar e descrever os elos ocultos que ligam um evento consciente a outro.

Consciente, pré-consciente, inconsciente Freud descreveu a mente como se ela fosse dividida em três partes.

• .

3 4

JAMES FADIMAN & ROBERTFRAGER

começar, que eles não são cronologicamente organizados, o tempo não os altera em nada, e tampouco a idéia de tempo pode-lhes ser aplicada" (Freud, em Fodor e Gaynor, 1958, p. 162). Memórias muito antigas, ao serem liberadas na consciência, não perderam em nada sua força emocional.

Pulsões O termo pulsão (trieb em alemão) foi incorretamente traduzido por "instinto" em manuais mais antigos (Bettelheim, 1982, p. 87-88). Pulsões são pressões para agir sem pensamento consciente para determinados fins. Estas pulsões são "a causa fundamental de toda atividade" (Freud, 1940, p. 5). Freud chamava os aspectos físicos das pulsões de "necessidades" e os aspectos mentais de "desejos". Necessidades e desejos impelem as pessoas a agir. Todas as pulsões possuem quatro compoNao é possível restringir qualquer uma das pulsões nentes: uma fonte, um básicas a uma única realvo, uma pressão e um gião da mente. Elas estão objeto. A fonte, onde necessariamente presentes em todas as partes. surge a necessidade, po(Freud,1940) de ser uma parte do corpo ou o corpo inteiro. O alvo é reduzir a necessidade até que a ação não seja mais necessária, isto é, dar ao organismo a satisfação que agora deseja. A pressão é a quantidade de energia, força ou ímpeto utilizada para satisfazer ou gratificar a pulsão. Isto é determinado pela urgência da necessidade subjacente. O objeto de uma pulsão é qualquer coisa ou ação que permite a satisfação do desejo original. Considere-se como estes componentes aparecem em uma pessoa com sede. O corpo gradualmente se desidrata até necessitar de mais líquidos; a fonte é a necessidade crescente de líquidos. A medida que esta necessidade aumenta, sente-se sede. Se esta não for satisfeita, torna-se mais intensa. À medida que aumenta a intensidade, aumenta também a pressão ou energia disponível para fazer alguma coisa para aliviar a sede. O alvo é reduzir a tensão. A solução não é simplesmente um líquido - leite, água ou cerveja -, mas todos os atos que concorrem para a redução da tensão. Estes podem incluir levantar-se, ir até a cozi-

nha, escolher uma bebida e bebê-la. Um ponto crítico a lembrar é que a pulsão pode ser total ou parcialmente satisfeita de diversas maneiras. A capacidade de satisfazer as necessidades nos animais geralmente é limitada por um padrão de comportamento estereotípico. As pulsões humanas apenas iniciam a necessidade de ação; elas não predeterminam a ação particular ou como ela será executada. O número de soluções acessíveis a uma pessoa é a soma do anseio biológico inicial, do desejo mental (que pode ou não ser consciente) e de uma série de idéias, hábitos e opções prévias disponíveis. Freud presumia que um padrão normal e saudável procura reduzir a tensão a níveis anteriormente aceitáveis. Uma pessoa com uma necessidade irá continuar procurando atividades para reduzir a tensão original. O ciclo completo de comportamento, do relaxamento à tensão e atividade e de volta ao relaxamento, é denominado modelo de redução de tensão. As tensões são resolvidas restituindo ao corpo o estado de equilíbrio que existia antes do surgimento da necessidade. Pulsões básicas. Freud elaborou duas descrições das pulsões básicas. O modelo inicial descrevia duas forças contrárias: a sexual (de modo mais geral, erótica ou fisicamente gratificante) e a agressiva ou destrutiva. Posteriormente ele descreveu estas forças de maneira mais global como ou favoráveis à vida ou incentivadoras da morte (destruição). Ambas as formulações pressupunham um par de conflitos biológicos, ativos e insolúveis. Freud impressionou-se com a diversidade e complexidade do comportamento proveniente da fusão das pulsões básicas. "As pulsões sexuais são notáveis por sua plasticidade, pela facilidade com que mudam seus objetivos, por sua permutabilidade - pela facilidade com que substituem uma forma de gratificação por outra — e pelo modo com que podem ser mantidas em suspense" (1933, p. 97). O que Freud observou é que o "objeto" pode ser uma ampla variedade de coisas. O desejo sexual, por exemplo, pode ser aliviado através de atividade sexual, ou também assistindo a filmes eróticos, observando imagens, lendo sobre outras pessoas, fantasiando, comendo, bebendo - até mesmo se exercitando. As pulsões são os canais através dos quais a energia pode fluir, mas esta energia segue leis próprias.

PERSONALIDADE E CRESCIMENTO PESSOAL

3 5

Libido e energia agressiva Cada uma dessas pulsões generalizadas tem uma fonte distinta de energia. Alibido (termo latino para desejo) é a energia disponível às pulsões de vida. "Sua produção, aumento ou diminuição, distribuição e deslocamento deveria nos proporcionar possibilidades para exUma pessoa adoece por plicar os fenômenos psineurose quando seu ego perdeu a capacidade de cossexuais observados" alocar sua libido de algu(Freud, 1905a, p. 118). ma forma. {Freud, 1916) Uma característica da libido é sua "mobilidade" - a facilidade com que ela pode passar de uma área de atenção para outra. Freud imaginou a natureza volátil da sensibilidade emocional como um fluxo de energia, fluindo para dentro e para fora das áreas de preocupação imediata. A energia agressiva, ou pulsão de morte, não tem uma denominação especial. Supõese que ela tem as mesmas propriedades gerais da libido.

liberar energias presas Existem certas condições também se encontra nas patológicas que parecem idéias de Carl Rogers e nâo nos deixar outra alternativa senão Abraham Maslow, bem que o indivíduo pressupor utiliza uma como no budismo e no quantidade específica de sufismo. Cada uma des- energia, que distribui em em tas teorias chega a dife- proporções variáveis com seus relacionamentos rentes conclusões sobre objetos e consigo mesmo. a origem da energia psí- (LaPlanche e Pontalis, 1973, p. 65) quica, mas todas concordam com a alegação de Freud de que a identificação e canalização da energia psíquica é uma questão importante para a compreensão da personalidade.

A ESTRUTURA DA PERSONALIDADE Freud observou em seus pacientes uma sucessão incessante de conflitos e conciliações psíquicas. Ele viu pulsão contra pulsão, proibições sociais bloqueando pulsões biológicas, e modos de enfrentar freqüentemente em conflito uns com os outros. Foi somente ao final de sua carreira que ele organizou, para si mesmo, este aparente caos, propondo três componentes estruturais básicos da psique: o id, o ego e o superego. Embora estes termos sejam comuns na atualidade, eles são artificialmente abstratos e produzem uma impressão diferente daquela pretendida por Freud (Solms, 1998). Suas palavras foram simples e diretas: Das es (id) significa apenas "isso", das Ich (ego) significa "eu", e das uber-Ich (superego) significa "acima do eu". É um pouco tarde para corrigir os estragos causados pela tradução inicial do trabalho de Freud. Seus escritos foram deliberadamente obscurecidos para que parecessem mais científicos, o que era bem ao gosto da mentalidade norte-americana predominante da época (Bettelheim, 1982).

Catexia Catexia é o processo pelo qual a energia libidinal disponível na psique é concentrada ou investida em uma pessoa, idéia ou coisa. A libido que foi catexiada não é mais móvel e não pode mais se deslocar para novos objetos. Ela se enraiza na parte da psique que a atraiu e a segurou. A palavra alemã utilizada por Freud, Besetzung, significa tanto "ocupar" quanto "investir". Se imaginarmos nossa reserva de libido como uma determinada quantidade de dinheiro, catexia é o processo de investi-lo. Uma vez que uma porção foi investida ou catexiada, esta ali permanece, deixando-nos com menos esse tanto para investir em outra parte. Por exemplo, estudos psicanalíticos do luto interpretam a falta de interesse pelas atividades normais e a excessiva preocupação com o falecido como uma retirada de libido dos relacionamentos usuais para concentrá-la no falecido. A teoria psicanalítica procura compreender onde a libido foi inadequadamente catexiada. Uma vez liberada ou redirecionada, esta mesma energia está disponível para satisfazer outras necessidades correntes. A necessidade de

O id O id é o núcleo original de onde emerge o resto da personalidade. Ele é biológico por natureza e contém o reservatório de energia para toda a personalidade. O id propriamente dito é primitivo e desorganizado. "As leis lógicas do pensamento não se aplicam ao id" (Freud, 1933, p. 73). Além disso, o id não se modifica à medida que crescemos e amadure-

3 6

JAMES FADIMAN & ROBERT FRAGER

No id não há nada que corresponda à idéia de tempo, nenhum reconhecimento da passagem do tempo, e (algo extraordinário que aguarda a devida atenção na reflexão filosófica) nenhuma alteração dos processos mentais pela passagem do tempo [...]. Naturalmente o id desconhece valores, bem e mal ou moralidade. (Freud, 1933, p. 74)

cemos. O id não muda pela experiência, porque não está em contato com o mundo externo. Seus objetivos sãc simples e diretos: reduzir a tensão, aumentai o prazer e minimizar c desconforto. O id se esforça para fazer issc através de ações reflexas (reações automáticas como espirrar ou piscar) e pela utilização de outras porções da mente. O id pode ser comparado a um rei cegc que tem poder e autoridade absolutos, mas cujos conselheiros de confiança, principalmente o ego, lhe dizem como e onde utilizar estes poderes. Os conteúdos do id são quase totalmente inconscientes. Eles incluem pensamentos primitivos que jamais foram conscientes e pensamentos que foram negados, considerados inaceitáveis à consciência. Segundo Freud, experiências que foram negadas ou reprimidas ainda possuem a capacidade de afetar o compor tamento da pessoa com a mesma intensidade sem estarem sujeitas ao controle consciente.

os aos eventos do passado e, mediante atividade, evita a condição, adapta-se a ela ou modifica o mundo externo para torná-lo mais seguro ou mais confortável. Para lidar com "eventos internos", ele tenta manter controle sobre "as demandas das pulsões, decidindo se elas podem obter satisfação, adiando esta satisfação para os momentos e circunstâncias favoráveis no mundo externo ou suprimindo suas excitações por completo" (1940, p. 2-3). As atividades do ego consistem em regular o nível de tensão produzida pelos estímulos internos e externos. Um aumento de tensão é sentido como desconforto, ao passo que uma diminuição de tensão é sentida como prazer. Portanto, o ego busca o prazer e procura evitar ou minimizar a dor. Assim, o ego é originalmente criado pelo id como tentativa de lidar com o estresse. Entretanto, para fazer isso, o ego deve, por sua vez, controlar ou modular as pulsões do id, para que a pessoa possa perseguir modos realistas de lidar com a vida. O ato de namorar serve como exemplo de como o ego controla as pulsões sexuais. O id sente a tensão oriunda da excitação sexual insatisfeita e, sem a influência do ego, reduziria esta tensão através de atividade sexual imediata e direta. Dentro dos limites de um namoro, contudo, o ego pode determinar quanta expressão sexual é possível e como estabelecer situações em que o contato sexual seja mais satisfatório. O id é sensível às necessidades, ao passo que o ego é sensível às oportunidades.

O ego O ego é a parte da psique que está em contato com a realidade externa. Ele se desenvolve a partir do id, à medida que o bebê toma ciência de sua própria identidade, para atender e aplacar as constantes demandas do id. Para realizar isso, como a casca de uma árvore, o ego protege o id, mas também obtém energia dele. Ele tem a tarefa de garantir a saúde, segurança e sanidade da personalidade. Freud pressupunha que o ego tem diversas funções em relação tanto ao mundo exterior quanto ao mundo interior, cujos anseios ele procura satisfazer. Suas principais características incluem o Poderíamos dizer que o ego representa a razão e o controle do movimento bom senso, ao passo que voluntário e as atividao id representa as paixões des que resultam em auindômltas. (Freud, 1933) topreservação. Ele se torna ciente dos eventos externos, relaciona-

O superego Esta última parte da estrutura da personalidade se desenvolve a partir do ego. O superego serve como juiz ou censor sobre as atividades e pensamentos do ego. Ele é o repositório de códigos morais, de padrões de conduta e dos construtos que formam as inibições pa- [O superego] é como um dera a personalidade. Freud partamento de polícia secredescreve três funções do to, detectando Infalivelmente eventuais tendências de pulsuperego: consciência, sões proibidas, especialauto-observação e for- mente do tipo agressivo, e mação de ideais. Como punindo o indivíduo Inexoravelmente se elas estiveconsciência, o superego rem presentes. (Horney, atua para restringir, proi- 1939, p. 211)

PERSONALIDADE E CRESCIMENTO PESSOAL

3 7

bir ou julgar a atividade consciente, mas ele também age inconscientemente. As restrições inconscientes são indiretas, aparecendo como compulsões ou proibições. "O sofredor [...] se comporta como se estivesse dominado por um senso do qual nada sabe" (1907, p. 123). O superego desenvolve, aperfeiçoa e mantém o código moral de um indivíduo. "O superego de uma criança, na verdade, se constrói sobre o modelo, não de seus pais, mas do superego de seus pais; os conteúdos que o preenchem são os mesmos, e isso torna-se o veículo da tradição [...], as quais se propagaram dessa forma de geração para geração" (1933, p. 39). Portanto, a criança aprende não apenas os reais limites em qualquer situação, mas também as visões morais dos pais.

FASES PSICOSSEXUAIS DE DESENVOLVIMENTO Quando um bebê torna-se uma criança, uma criança um adolescente, e um adolescente um adulto, ocorrem mudanças claras no que se deseja e em como os desejos são satisfeitos. As mudanças nos modos de satisfação e nas áreas fí- A psicanálise é a primeira sicas de gratificação são psicologia a entender seriamente o corpo humano elementos básicos da des- i n t e i r o c o m o um lugar crição de Freud das eta- para viver [...]. A psicanápas de desenvolvimento. lise é profundamente biológica. (Le Barre, 1968) Freud utiliza o termo fixação para descrever o que ocorre quando uma pessoa não progride normalmente de um estágio para outro e permanece excessivamente envolvida com um determinado estágio. Uma pessoa fixada em um determinado estágio terá a tendência de buscar satisfação de modos mais simples ou mais infantis.

Relação entre os três subsistemas O objetivo primordial da psique é manter - e quando necessário, recuperar - um nível aceitável de equilíbrio dinâmico que maximize o prazer da redução de tensão. A energia que é utilizada se origina no id impulsivo primitivo. O ego existe para lidar realisticamente com as pulsões básicas do id. Ele também intermedeia as demandas do id, as restrições do superego e a realidade externa. O superego, oriundo do ego, atua como um freio moral ou força contrária às preocupações práticas do ego. Ele define diretrizes que definem e limitam a flexibilidade do ego. O id é inteiramente inconsciente, ao passo que o ego e o superego o são somente de forma parcial. "Sem dúvida, grandes porções do ego e do superego podem permanecer inconscientes, sendo, na verdade, normalmente inconscientes. Isso significa dizer que a pessoa não sabe nada de seus conteúdos, e que é necessário despender esforço para torná-la consciente deles" (Freud, 1933, p. 69). A psicanálise, método terapêutico desenvolvido por Freud, tem por objetivo principal fortalecer o ego, torná-lo independente das preocupações excessivamente severas do superego, e aumentar sua capacidade de conhecer e controlar material anteriormente reprimido ou oculto no id.

A fase oral A fase oral começa no nascimento, quando tanto as necessidades quanto a satisfação envolvem principalmente os lábios, a língua e, um pouco mais tarde, os dentes. A pulsão básica do bebê não é social ou interpessoal; é simplesmente receber alimento e aliviar as tensões de fome, sede e fadiga. Durante a alimentação e quando vai dormir, a criança é acalmada, acariciada e embalada. A criança associa tanto o prazer quanto a redução da tensão a estes eventos. A boca é a primeira área do corpo que o bebê aprende a controlar; a maior parte da energia libidinal disponível inicialmente se dirige ou se concentra nesta área. A medida que a criança amadurece, outras partes do corpo se desenvolvem e tornam-se zonas importantes de satisfação. Entretanto, parte da energia permanece afixada ou catexiada aos modos de gratificação oral. Os adultos possuem hábitos orais bem desenvolvidos e um interesse crônico pela manutenção de prazeres orais. Comer, sugar, mascar, fumar, morder e lamber ou estalar os lábios são expressões físicas desses interesses. As pessoas que estão sempre mordiscando alimentos, ou que comem excessivamen-

3 8

JAMES FADIMAN & ROBERT FRAGER

te, e os fumantes podem estar parcialmente fixadas na fase oral. A fase oral tardia, após o aparecimento dos dentes, inclui a satisfação de instintos agressivos. Morder o seio, o que provoca dor na mãe e resulta na retirada do seio, é um exemplo desse tipo de comportamento. O sarcasmo adulto, bater na comida e fofocar foram descritos como relacionados a esta etapa de desenvolvimento. É normal manter algum interesse nos prazeres orais. A gratificação oral pode ser considerada patológica somente quando é um modo dominante de satisfação, ou seja, se uma pessoa é excessivamente dependente de hábitos orais para aliviar a ansiedade ou tensão não relacionada à fome ou sede.

tro. A criança inicialmente não entende que seus movimentos intestinais e sua urina não são valorizados. As crianças pequenas adoram ver as fezes desaparecendo pelo vaso sanitário quando se puxa a descarga, muitas vezes acenando ou dizendo adeus às suas evacuações. E comum que uma criança ofereça parte da evacuação aos pais como presente. Diante do elogio por tê-las produzido, a criança pode ficar surpresa e confusa se os pais reagem com nojo. Nenhum outro aspecto da vida contemporânea é tão sobrecarregado de proibições e tabus quanto a higiene íntima e os comportamentos típicos da fase anal.

Afasefálica A partir dos 3 anos, a criança entra na fase fálica, que se concentra nos genitais. Freud sustentava que esta fase é mais bem descrita como fálica porque é o período em que a criança adquire consciência de ter ou não um pênis. Esta é a primeira fase em que as crianças tornam-se conscientes das diferenças sexuais. Freud tentou entender as tensões que a criança sente durante a excitação sexual - ou seja, prazer com a estimulação das zonas genitais. Na mente da criança, esta excitação está relacionada com a proximidade física dos pais. O desejo por este contato torna-se cada vez mais difícil de satisfazer; a criança luta para conquistar a intimidade que os pais têm entre si. Essa etapa se caracteriza pelo desejo da criança de ir para cama com os pais e pelo ciúmes da atenção que os pais dão um ao outro. Freud concluiu de suas observações que, durante este período, tanto os homens quanto as mulheres desenvolvem temores em torno de questões sexuais. As reações das crianças aos pais durante a fase fálica foram interpretadas por Freud como possíveis ameaças à satisfação de suas necessidades. Assim, para o menino que deseja estar perto da mãe, o pai assume alguns dos atributos de um rival. Ao mesmo tempo, o menino deseja o amor e afeição do pai, pelo qual a mãe é vista como rival. A criança se encontra na insustentável posição de desejar e de temer ambos os pais.

A fase anal À medida que a criança cresce, novas áreas de tensão e satisfação chegam à consciência. Entre as idades de 2 e 4 anos, as crianças geralmente aprendem a controlar o esfíncter anal e a bexiga. A criança presta especial atenção à urinação e à defecação. O treinamento higiênico estimula um interesse natural pela autodescoberta. O aumento do controle fisiológico é acompanhado da percepção de que este controle é uma nova fonte de prazer. Além disso, as crianças rapidamente aprendem que o nível crescente de controle gera atenção e elogio dos pais. O inverso também ocorre: o interesse dos pais pelo treinamento higiênico permite à criança demandar atenção tanto pelo controle bem-sucedido quanto por erros. As características adultas associadas à fixação parcial na fase anal são a excessiva disciplina, parcimônia e obstinação. Freud observou que estes três traços geralmente são vistos juntos. Ele fala do "caráter anal", cujo comportamento pode estar ligado a difíceis experiências sofridas durante este período na infância. Parte da confusão que pode acompanhar a fase anal se deve à aparente contradição entre o elogio e o reconhecimento generosos, por um lado, e a idéia de que a higiene íntima é "suja" e deve ser mantida em segredo, por ou-

PERSONALIDADE E CRESCIMENTO PESSOAL

39

REFLEXÃO PESSOAL • Fases Psicossexuais
Os seguintes exercícios e perguntas lhe oferecem a oportunidade de experimentar os sentimentos associados a cada fase de desenvolvimento. (Se estiver correta a suposição de Freud de que as fixações remanescentes de cada fase estão relacionadas à ansiedade, os exercícios a seguir podem parecer difíceis ou constrangedores.)

Fase Oral
Compre uma mamadeira com bico. Encha-a de leite, água ou suco de fruta. Sozinho ou com os outros colegas, beba o líquido. O ato de beber, ou m e s m o a idéia de beber, da mamadeira traz-lhe lembranças ou sentimentos? Se você for em frente e beber, em que posição se sente mais confortável? Permita-se sentir suas reações sem censura. Compartilhe essas reações com a classe. Você acha que existem respostas que são especificas a homens ou a mulheres?

Fase Anal
Observe até que ponto a privacidade é levada em conta na arquitetura dos banheiros públicos, bem como no banheiro de casa. Que papel desempenha a privacidade em seu comportamento no banheiro? Você evita ser olhado ou até olhar outras pessoas quando entra num banheiro público? Você se imagina urinando em público? Num parque? À beira da estrada? N u m a floresta? Muitas pessoas possuem comportamentos íntimos fortemente condicionados. Por exemplo, algumas pessoas precisam ler quando estão sentadas no vaso sanitário. Qual seria o motivo para este comportamento? Converse sobre suas observações com os outros e preste atenção em como você se sente ao conversar sobre alguns aspectos deste exercício. Brincadeiras ou risinhos poderiam ser um mecanismo de defesa para algum mal-estar que você tem com o assunto.

Fase Fálica
Você se lembra do que seus pais lhe diziam sobre os genitais quando você era pequeno? As mulheres da turma se lembram do que pensavam sobre os meninos e seus pênis? Os homens da turma se lembram de ter tido medo de perder seus pênis? Se você não tem lembrança desse tipo de sentimento, isso é suficiente para achar que não tinha esses sentimentos naquela época?

Fase Genital
Faça uma lista de informações sexuais errôneas que você recebeu e mais tarde foram corrigidas. (Exemplos: Você foi trazido pela cegonha ou encontrado no supermercado. Toda relação sexual resulta em gravidez.) Você acha que suas primeiras experiências sexuais influenciaram suas atitudes ou crenças sobre sua própria sexualidade? Estas experiências reforçaram suas crenças anteriores? Como você se sentiu em sua primeira experiência sexual? Você se sente diferente agora? Qual a ligação entre suas atitudes atuais sobre questões sexuais e suas atitudes ou crenças anteriores?

Nos meninos, Freud chamou esse conflito de complexo de Édipo, nome do herói trágico na peça do dramaturgo grego Sófocles. Na versão mais conhecida do mito, Édipo mata o pai e depois casa-se com a mãe (sem conhecer nenhum dos pais). Quando finalmente fica sabendo a quem matara e com quem se casara, Édipo desfigura-se arrancando os dois olhos. Então você também está ciente de que o complexo Freud acreditava que tode Édipo está na origem da criança do sexo masdo sentimento religioso. culino repete um drama Bravo! (Freud, em carta a Jung; em McGuIre, 1974) semelhante em seu inte-

rior. Ele deseja possuir a mãe e matar o pai para realizar esta meta. Também teme o pai e receia ser castrado por ele. A ansiedade em torno da castração, o medo e o amor pelo pai bem como o amor e o desejo sexual pela mãe nunca se resolvem plenamente. Na infância todo o complexo é recalcado. Uma das primei ras tarefas no desenvolvimento do superego é manter este conflito perturbador fora da consciência e proteger a criança de expressá-lo em ações. Para as meninas o problema é semelhante, mas sua expressão e solução tomam um rumo

40

JAMES FADIMAN & ROBERT FRAGER

diferente. A menina deseja possuir o pai e vê a m ã e como sua principal rival. Os meninos recalcam seus sentimentos um p o u c o pelo m e d o de castração. Para as meninas, o recalcamento de seus desejos é menos severo, menos total. Esta falta de intensidade permite à m e n i n a "permanecer na situação edipiana por um período indefinido. Ela só a deixa n u m a fase avançada da vida, mas nunca totalmente" (Freud, 1933, p. 129). As opiniões de Freud sobre as mulheres e seu desenvolvimento psicológico continuam sendo altamente polêmicas e serão discutidas neste e em outros capítulos.
Todos os a s p e c t o s do complexo de Edipo feminino foram efetivamente contestados, utilizando-se dados e métodos empíricos que não existiam na época de Freud. (Emmanuel, 1992, p. 27)

de suas identidades sexuais separadas e começam a procurar formas de satisfazer suas necessidades eróticas e interpessoais. Freud achava que a homossexualidade, nesta fase, era resultado de uma falta de desenvolvimento adequado, opinião ainda expressada por alguns, a despeito do entendimento moderno sobre as variedades de desenvolvimento sexual.

AS IDÉIAS DE FREUD SOBRE AS MULHERES As idéias de Freud sobre as mulheres, inicialmente baseadas nas diferenças biológicas entre elas e os homens, tem cada vez mais sido alvo de crítica. Capítulos posteriores deste livro, especialmente o Capítulo 6 ("Karen Horney e a psicanálise humanística") e o Capítulo 7 ("A psicologia das mulheres"), apresentam perspectivas atuais contrastantes. Aqui desejamos apenas apresentar a visão de Freud para que você entenda o que os outros pensadores estão discutindo. Refutações elaboradas e contundentes de autores feministas, como, por exemplo, Miller (1984) e Sagan (1988), derrubaram praticamente todos os aspectos da teoria freudiana. A inveja do pênis - o desejo da menina de possuir um pênis e sua percepção de que "carece" de um é uma crise fundamental no desenvolvimento feminino. "A descoberta de que é castrada é um ponto de virada no desenvolvimento da menina. Existem três possibilidades de desenvolvimento a partir daí: uma leva à inibição sexual e à neurose, a segunda a uma modificação da personalidade para um complexo de masculinidade, e uma terceira para a feminilidade normal" (Freud, 1933, p. 126). Esta teoria sugere que a inveja do pênis na menina persiste como um sentimento de inferioridade e a predispõe ao ciúme. Na mulher madura, o perpetuo desejo por um pênis, ou "dote superior", transforma-se no desejo de ter um bebê, principalmente do sexo masculino, "que traz junto consigo o pênis tão desejado" (1933). A mulher jamais é forçada a renunciar a seus esforços edipianos pela ansiedade de castração. Conseqüentemente, o superego da mulher é menos desenvolvido e internalizado do que o do homem. Freud via a jovem menina como um ser cujos esforços fálicos eram extremamente im-

O P e r í o d o de l a t ê n c i a . Qualquer q u e seja a forma de resolver a luta, a maior p a r t e das crianças p a r e c e modificar sua ligação com os pais em algum m o m e n t o depois dos 5 anos de i d a d e e voltar-se p a r a os r e l a c i o n a m e n t o s com os amigos, p a r a as atividades escolares, p a r a os esportes e p a r a outras habilidades. Esta fase, dos 5 ou 6 anos até o início da p u b e r d a d e , é d e n o m i n a d a p e r í o d o de latência, q u a n d o os desejos insolúveis da fase fálica são recalcados pelo s u p e r e g o com êxito. A partir de então, até a puberdade, [...] a sexualidade não se desenvolve; pelo contrário, os esforços sexuais diminuem de força, e grande parte do que a criança praticou ou conheceu anteriormente é abandonado e esquecido. Neste período, depois que os primeiros florescimentos da vida sexual murcharam, formam-se as atitudes do ego como a vergonha, a repugnância e a moralidade, para fazer frente às tempestades posteriores da puberdade e orientar os caminhos dos desejos sexuais recém-despertados. (1926, p. 216) Tanto p a r a pais q u a n t o para filhos, este é um p e r í o d o r e l a t i v a m e n t e c a l m o e psicologicamente tranqüilo.

A fase genital O período final de desenvolvimento biológico e psicológico, a fase genítal, ocorre com o início da puberdade e com o conseqüente retorno da energia libidinal para os órgãos sexuais. Meninos e meninas tomam consciência

PERSONALIDADE E CRESCIMENTO PESSOAL

41

portantes, mas inevitavelmente insatisfeitos, o que a condena a sentimentos de perpétua deficiência e inferioridade. Apesar destas asserções (que previsivelmente receberam muitas críticas na literatura feminista), Freud afirmou diversas vezes que achava que jamais havia realmente entendido as mulheres ou a psicologia das mulheres. Na verdade, ele reiterou muitas vezes o caráter e valor experimental de sua descrição pessoal da sexualidade feminina e suas vicissitudes. Ele supôs que a sexualidade feminina era constituída de uma sexualidade masculina desapontada, em vez de representar o resultado de tendências distintamente femininas. Hoje esta visão talvez seja a mais fraca das suposições da teoria freudiana. A maioria dos primeiros textos psicanalíticos afirma que a ausência de um pênis na menina conduz não apenas à inveja do pênis do menino e a sentimentos de inferioridade, mas também à real inferioridade, isto é, inferioridade em terAinda que a anatomia, é mos de seu senso de verdade, possa apontaras justiça, curiosidade incaracterísticas de mascutelectual, capacidade linidade e feminilidade, a psicologia nâo. Para a pside aplicar suas idéias cologia, o contraste entre independentemente da os sexos desaparece gradualmente entre atividade aprovação de um hoe passividade e, com exmem, etc. A idéia de cessiva facilidade, identique a inveja do pênis ficamos a t i v i d a d e c o m masculinidade B passivipossa ser um fenômeno dade com feminilidade. clínico muito real e fre(Freud, 1930) qüentemente observado é descartada porque, na mente de muitas pessoas, ela está muito intimamente ligada à hipótese da inferioridade feminina generalizada. Isso é lamentável, pois, como sugeriu Karen Horney (1926), a inveja do pênis pode ser uma experiência natural para as mulheres da mesma forma que a inveja da gravidez, do parto, da maternidade e da amamentação é uma experiência natural para os homens. Ainda mais importante, sentir inveja não predestina a menina à perpétua inferioridade. Ao contrário, sua ocorrência, diz Horney, pode oferecer-lhe um complexo conjunto de sentimentos cujo enfrentamento e domínio por parte da menina são fundamentais para seu crescimento e desenvolvimento, certamente não como um ser humano inferior, e sim maduro. Ernest Jones, o primeiro biógrafo de Freud, foi um dos primeiros psicanalistas a afirmar que "o apego edipiano da menina se

desenvolve a partir de sua feminilidade intrínseca inata, que passa por seus próprios processos de maturação" (Fliegel, 1973, p. 387). Ele também sugeriu que a ansiedade de castração provém do temor básico de perder a sexualidade, e que este medo representa para uma menina a mesma ameaça que para um menino (Jones, 1927). Talvez seja conveniente reavaliarmos um conceito psicanalítico tradicional que recebeu consideráveis críticas feministas. Em vez de eliminar a idéia de inveja do pênis como um todo (o que não explicaria suas manifestações clínicas freqüentes), podemos rejeitar a idéia de que as mulheres sentem-se inferiores por causa da inveja do pênis e examinar mais profundamente por que algumas mulheres realmente manifestam sentimentos de inferioridade, principalmente no período da adolescência. As recorrentes críticas da literatura feminista indicam que as observações de Freud sobre os sentimentos femininos de inferioridade poderiam ser reavaliadas, mas não descartadas (Richards, 1999), mesmo que a idéia freudiana de como estes sentimentos surgiram não pareça realista.

DINÂMICA: ANSIEDADE, PSICANÁLISE E TRABALHO DO SONHO A psicanálise surgiu de modo natural como fruto de anos de tratamento de clientes. A teoria baseou-se em algumas premissas centrais. Uma delas era o papel fundamental da ansiedade na manutenção da neurose (isto é, comportamento inadaptativo repetitivo).

Ansiedade O maior problema da psique é como lidar com a ansiedade. A ansiedade é desencadeada por um aumento de tensão ou desprazer; ela pode se desenvolver em qualquer situação (real ou imaginária) quando a ameaça a alguma parte do corpo ou da psique é forte demais para ser ignorada ou dominada. Os eventos que podem causar ansiedade incluem, entre outros, os seguintes: 1. Perda do objeto desejado - por exemplo, uma criança privada de

42

JAMES FADIMAN & ROBERTFRAGER

um dos pais, de um amigo íntimo ou de um animal de estimação. 2. Perda de amor - por exemplo, rejeição, fracasso em recuperar o amor ou a aprovação de alguém importante para você. 3. Perda de identidade - por exemplo, medos de castração ou perda do rosto. 4. Perda de amor por si mesmo - por exemplo, desaprovação de traços pelo superego, bem como qualquer ato que resulte em culpa ou ódio de si mesmo. Existem dois modos de diminuir a ansiedade. O primeiro é lidar com a situação de modo direto: superando obstáculos, confrontando ou fugindo de ameaças, e resolvendo ou chegando a um acordo com os problemas para minimizar seu impacto. Dessa forma, trabalhamos para eliminar dificuldades, diminuir as chances de sua recorrência e também diminuir as perspectivas de ansiedade adicional no futuro. Nas palavras de Hamlet, "tomamos armas contra um mar de problemas e por resistência os findamos". A abordagem alternativa defende-se da ansiedade distorcendo ou negando a própria situação. O ego protege toda a personalidade contra a ameaça falsificando a natureza da ameaça. Os modos pelos quais as distorções são empreendidas são chamados de mecanismos de defesa (Anna Freud, 1936) e serão minuciosamente discutidos no Capítulo 3.
Se o ego é obrigado a admitir sua debilidade, ele rompe em ansiedade - ansiedade realista com respeito à aparência do mundo externo, ansiedade moral com respeito ao superego e ansiedade neurótica com respeito à força das paixões no id. (Freud, 1933)

para o tratamento dos transtornos neuróticos, e (3) de um conjunto de informações psicológicas obtidas desta maneira, as quais se estão gradualmente acumulando para formar tuna nova disciplina científica. (1923, p. 234) Freud acreditava que o material inconsciente permanece inconsciente somente com considerável e contínuo dispêndio de libido. Quando este material é tornado acessível, libera-se uma energia que pode ser utilizada pelo ego para propósitos mais saudáveis. A liberação de materiais bloqueados pode minimizar atitudes autodestrutivas. A necessidade de ser punido ou a necessidade de sentirQuanto mais conhecida se se inadequado podem tornara psicanálise, mais ser diminuídas trazen- médicos incompetentes do-se à consciência os irão praticá-la amadoristicamente e naturalmente primeiros eventos ou fazer dela uma trapalhada. fantasias que as ocasio- A culpa disso será, então, e sua naram. Por exemplo, atribuída a você carta a teoria. (Jung, em muitos americanos se Freud; em McGuire, 1974) interessam por sua atratividade sexual: os pênis são muito curtos ou muito finos, os seios são muito pequenos, muito grandes, mal-formados, etc. A maioria destas idéias surge durante o período da adolescência ou antes. Os resíduos inconscientes dessas atitudes são visíveis em preocupações sobre adequação sexual, desejabilidade, ejaculação precoce, frigidez e inúmeras preocupações relacionadas. Se estes medos não-expressos são explorados, expostos e aliviados, pode haver um aumento na energia sexual disponível, bem como uma diminuição da tensão geral. A teoria psicanalítica sugere que é possível, mas difícil, entrar em acordo com as demandas recorrentes do id. A análise procura superar a resistência natural e trazer as memórias e idéias dolorosas reprimidas do id de volta à consciência (Freud, 1906). "Uma das tarefas da psicanálise, como você sabe, é levantar o véu da amnésia que esconde os primeiros anos da infância e trazer as expressões da vida sexual infantil que se escondem atrás dele para a memória consciente" (1933, p. 28). Conforme a descrição de Freud, os objetivos presumem que, ao nos libertarmos das inibições do inconsciente, o ego estabelece novos níveis de satisfação em todas as áreas do funcionamento. Conseqüentemente, a resolução de ansiedades enraizadas na primeira infância libera energia bloqueada ou deslocada, para

Psicanálise: a teoria A intenção de Freud, desde seus primeiros escritos, era melhor compreender os aspectos da vida mental que eram obscuros e aparentemente inacessíveis. Ele chamou de psicanálise tanto a teoria quanto a terapia. Psicanálise é o nome (1) de um procedimento para a investigação de processos mentais que são quase inacessíveis de outra maneira, (2) de um método (baseado nessa investigação)

PERSONALIDADE E CRESCIMENTO PESSOAL

4 3

uma satisfação mais realista e completa de nossas necessidades.

Sonhos e trabalho do sonho
Á partir das associações livres de seus pacientes, bem como de sua própria auto-analise, Freud começou a examinar os relatos e as lembranças de sonhos. Em A interpretação dos sonhos (1900), ele afirmou que os sonhos ajudam a psique a se proteger e satisfazer. Obstáculos e desejos não-mitigados preenchem a vida diária. Os sonhos são um equilíbrio parcial, tanto física quanto psicologicamente, entre anseios instintuais e limitações da vida real. Sonhar é um modo de canalizar desejos insatisfeitos, através da consciência, sem despertar o corpo físico. Uma estrutura de pensamentos, geralmente muito complexa, que se construiu durante o dia e não se estabilizou - um fragmento do dia - prende-se com firmeza mesmo durante a noite à energia que assumiu [...] e, assim, ameaça perturbar o sono. Este fragmento do dia transforma-se em um sonho pelo trabalho do sonho e, deste modo, torna-se inofensivo ao sono. (Freud em Fodor e Gaynor, 1958, p. 52-53) Mais importante do que o valor biológico dos sonhos são os efeitos psicológicos do trabalho do sonho. O trabalho do sonho é "a totalidade de operações que transformam os materiais brutos do sonho - estímulos corporais, resíduos do dia, pensamentos oníricos - de modo a produzir o sonho manifesto" (LaPlanche e Pontalis, 1973, p. 125). Um sonho não aparece simplesmente. Ele se desenvolve para atender necessidades específicas, embora estas não sejam claramente descritas pelo conteúdo manifesto do sonho. Quase todos os sonhos podem ser compreendidos como a realização de um desejo. O sonho é uma rota alternativa para satisfazer os desejos do id. Durante a vigília, o ego se esforça para aumentar o prazer e reduzir a tenReconhecemos a consissão. Durante o sono, netência da teoria da realizacessidades insatisfeitas ção de desejos até certo ponto, mas vamos além são classificadas, combidela. A nosso ver ela riflo nadas e organizadas de esgota o significado do sonho. (Jung, em carta a modo que as seqüências Freud, em McGuire, 1974) do sonho permitam sa-

tisfação adicional ou redução da tensão. Para o id, não importa se a satisfação ocorre na realidade física sensória ou na realidade onírica interna imaginária. Em ambos os casos, energias acumuladas são descarregadas. Sonhos repetitivos podem ocorrer quando Um sonho, portanto, é uma com todos os abum evento do dia desen- psicose,delusões e Ilusões surdos, cadeia o mesmo tipo de de uma psicose. Sem dúansiedade que ocasio- vida, é uma psicose de curnou o sonho original. ta duração, que é inofensiva e até desempenha uma Por exemplo, uma mu- função útil. (Freud, 1940) lher ativa e feliz no casamento, aos 60 anos, pode ainda sonhar, de Os sonhos não devem ser tempos em tempos, que equiparados aos sons desregulados que emanam de está fazendo uma prova um instrumento musical de faculdade. Quando golpeado por alguma forpela chega na sala de aula, ça externa, e não eles mão de um músico; não descobre que a prova já são desprovidos de sentiterminou. Ela chegou do, não são absurdos; [...] tarde demais. Ela tem eles podem ser inseridos na cadeia de atos mentais este sonho quando está vígeis inteligíveis; eles são ansiosa com alguma di- construídos por uma ativificuldade atual; entre- dade altamente complexa da mente. (Freud, 1900) tanto, sua ansiedade não está relacionada nem com a faculdade nem com provas, às quais já deixou para trás há muitos anos. Muitos sonhos não parecem ser prazerosos; alguns são deprimentes, alguns perturbadores, alguns assustadores, e muitos simplesmente obscuros. Muitos sonhos parecem reviver eventos passados, enquanto outros parecem ser proféticos. Mediante a análise detalhada de dezenas de sonhos, relacionandoos a eventos da vida do sonhador, Freud concluiu que o trabalho do sonho é um processo de seleção, distorção, transformação, inversão, deslocamento e outras modificações de um desejo original. Essas mudanças fazem com que o desejo modificado seja aceitável para o ego, mesmo que o desejo original seja totalmente inaceitável para a consciência vígil. Freud sugeriu motivos para a permissividade nos sonhos em que agimos além das restrições morais de nossas vidas despertas. Em sonhos, matamos, mutilamos ou destruímos inimigos, parentes ou amigos; expressamos em ação perversões e aceitamos uma ampla gama de pessoas como parceiros sexuais. Nos sonhos, misturamos pessoas, lugares e situações que seriam impossíveis em nosso mundo desperto.

4 4

JAMES FADIMAN & ROBERT FRAGER

Os sonhos procuram realizar desejos, mas nem sempre são bem-sucedidos. "Sob certas condições, o sonho só consegue realizar seu objetivo de uma forma muito incompleta, ou tem que abandoná-lo completamente; uma fixação inconsciente ao trauma parece encabeçar a lista desses obstáculos para as funções do sonho" (Freud, 1933, p. 29). No contexto da psicanálise, o terapeuta auxilia o paciente na interpretação dos sonhos, para facilitar a recuperação do material inOs s o n h o s são os verconsciente. Freud fez aldadeiros intérpretes de nossas inclinações, mas gumas generalizações é preciso arte para sepasobre tipos especiais de rá-los e compreendê-los. sonhos (por exemplo, (Montalgne, 1580, Ensaios) sonhar que se está caindo, sonhar que se está voando, sonhar que se está nadando, sonhar com fogo), mas ele deixou claro que as regras gerais nem sempre são válidas. As associações pessoais de cada um com seus sonhos são mais importantes do que qualquer conjunto preconcebido de regras de interpretação. Embora alguns críticos de Freud com freqüência sugiram que ele exagerava os componentes sexuais dos sonhos para que se conformassem com sua teoria geral, a resposta de Os sonhos são reais enquanto duram - podemos Freud é clara: "Jamais dizer mais sobre a vida? mantive a asserção, mui(Havelock Ellls) tas vezes atribuída a mim, de que a interpretação dos sonhos indica que todos os sonhos possuem um conteúdo sexual ou são derivados de forças motrizes sexu-

ais" (Freud, 1925a, p. 47). O que ele enfatizava era que os sonhos não são nem aleatórios nem acidentais mas sim um modo de satisfazer desejos não-satisfeitos. Um outro tipo de crítica é que as idéias de Freud foram seriamente limitadas por sua falta de conhecimento sobre sociedades nãoeuropéias. Na índia, por exemplo, "oself [e seus sonhos] não são de modo algum tão nitidamente delimitados quanto o são para nós" (0'Flaherty, 1984, p. 22), e, nos grupos americanos nativos, a função e o entendimento dos sonhos situam-se fora das especulações de Freud. Freud náo tinha bons mo"Na maioria dos modelos tivos para escolher os deamericanos nativos, não sejos Infantis reprimidos, existe separação distinta em relação à emergente pletora de pensamentos entre o mundo sonhado oníricos inconscientes, e o mundo vivido [...]. como sendo as principais Em contraste, os mode- forças motrizes de nossos sonhos. (Grunbaum, 1994, los ocidentais do sonhar p.81) demarcam nitidamente o sonhar da vigília, e vêem o sonhar como um estado alterado de consciência biologicamente conduzido, que, não obstante, pode produzir informações úteis nas mãos de um interpretador qualificado" (Krippner e Thompson, 1996). Sand (1999) acusa que a injunção de Freud contra o uso de simbolismo, exceto para conteúdo sexual, inibiu a utilização mais livre da interpretação de sonhos pelos psicanalistas. De forma alguma ultrapassada, a penetração de Freud no mundo dos sonhos ainda é vital e assunto de interesse e debate (Kramer et ai., 1994).

REFLEXÃO PESSOAL • Investigue Seus Próprios Sonhos
Faça u m a diário de sonhos mantendo um bloco de anotações ao lado de sua cama. Pela manhã, antes de fazer qualquer coisa, faça alguns apontamentos sobre seus sonhos. Mesmo que jamais tenha lembrado de seus sonhos anteriormente, este método irá ajudá-lo a recordá-los. Está comprovado que aqueles que cumprem estas tarefas recordam-se de seus sonhos regularmente em poucos dias. Mais tarde, durante o dia, descreva seus sonhos mais minuciosamente. Inclua suas associações com determinados aspectos de seus sonhos. Veja se essas associações apontam para possíveis significados. Por exemplo, seus sonhos poderiam ser tentativas de realizar desejos? Tente adivinhar com o quê os diversos segmentos se relacionam em sua vida. Preste atenção àqueles fragmentos q u e parecem ser parte de seu "resíduo do dia". Você percebe alguma coisa que reflete seus desejos ou atitudes com as outras pessoas? Mantenha este diário por diversas s e m a n a s . À medida que for lendo outras partes deste livro, você irá aprender outras formas de analisar os sonhos. De tempos em tempos examine seu diário de sonhos e veja se pode fazer novas interpretações. Atente especialmente para temas ou padrões recorrentes. (Os capítulos sobre Jung, Anna Freud e os pós-freudianos oferecem outras maneiras de registrar os sonhos.)

PERSONALIDADE E CRESCIMENTO PESSOAL

4 5

ESTRUTURA Freud estudou praticamente todos os aspectos da vida mental e social. Entretanto, ele discutiu áreas importantes, incluindo energia, corpo, relacionamentos sociais, emoções, intelecto, self e o papel especial da terapia, de maneiras diferentes em épocas diferentes de sua vida. O que se segue aqui é uma tentativa de criar alguma ordem a partir de uma imensa complexidade.

que ele viveu o tenha influenciado em sua aparente falta de descrição dos gestos, posturas e expressões físicas de seus pacientes. Muitos dos freudianos posteriores, tais como Erik Erikson e Frederick Perls, bem como pensadores que romperam com Freud, tais como Carl Jung e Wilhelm Reich, prestaram mais atenção ao corpo físico real, e menos às teorias biológicas.

Relacionamentos sociais As interações e os relacionamentos adultos são grandemente influenciados pelas primeiras experiências da infância. As primeiras relações, aquelas que ocorrem dentro da família nuclear, são freqüentemente definidoras. Todos os relacionamentos posteriores são influda enciados pelos modos A natureza abrangentenão energia sexual ainda como essas primeiras foi corretamente comprerelações se formaram e endida pelos psicólogos. o próprio se mantiveram. Os mo- Na verdade,reprodutivatermo energia ou delos básicos entre crian- sexual é uma designação ça e mãe, criança e pai, imprópria. A reprodução é apenas um dos aspectos e criança e irmão são os da energia da vida, da qual protótipos segundo os o outro palco de atividade quais os contatos subse- é o cérebro. (Krishna, 1974) qüentes são inconscientemente avaliados. Os relacionamentos posteriores são, até certo ponto, recapitulações das dinâmicas, tensões e gratificações que ocorreram na família de origem. Nossas escolhas de vida - de amores, amigos, chefes, até de nossos inimigos - são derivadas dos laços entre pais e filhos. As rivalidades naturais são recapituladas em nossos papéis sexuais e no modo como acomodamos as demandas dos outros. Confesso que mergulhar na sexualidade, na teoria Repetidas vezes repre- e na prática, não é do sentamos a dinâmica meu agrado. Mas o que tem meu gosto e opinião iniciada em nossos la- sobre o que ó decente e res, freqüentemente es- o que é indecente a ver colhendo como parcei- com a questão do que é verdadeiro? (Breuer, em ros pessoas que rein- Sulloway, 1979, p. 80) vocam em nós aspectos não-resolvidos de nossas primeiras necessidades. Para alguns, estas são escolhas conscientes. Para outros, as escolhas são feitas sem conhecimento consciente da dinâmica subjacente. As pessoas rejeitam este aspecto da teoria freudiana porque ele sugere que nossas escolhas futuras estão além de nosso controle. O

Energia A disponibilidade de energia está no cerne das idéias de Freud sobre o inconsciente, o desenvolvimento psicológico, a personalidade e a neurose. "Suas teorias sobre as pulsões tratam principalmente da origem da energia mental; suas teorias sobre o desenvolvimento psicossexual e as defesas tratam do desvio de energia; e suas teorias sobre o id, o ego e o superego tratam dos conflitos de energia e dos efeitos desse conflito" (Cohen, 1982, p. 4). Corpo O corpo é o núcleo da experiência. Como assinala Sulloway, "foi a constante atração de Freud por hipóteses biológicas que justificou sua convicção pessoal de que havia finalmente criado uma teoria universalmente válida soO «go é, antes de mais bre o p e n s a m e n t o e nada, um ego do corpo, (Freud, 1937) comportamento humano" (1979, p. 419). Além disso, os principais centros de energia ocorrem através das diversas formas de expressão sexual (oral, anal e genital). A maturidade é, em parte, definida como a capacidade de alcançar qualidade de expressão na sexualidade genital. É lamentável que muitos dos críticos de Freud jamais tenham considerado toda a sua teoria, tendo, ao contrário, ficado obcecados por sua reintrodução de questões físicas e sexuais no campo do chamado funcionamento mental. Apesar do reconhecimento de Freud da centralidade do corpo, seus escritos sobre terapia raramente a discutem. Talvez a negação cultural do corpo que caracterizava a época em

46

JAMES FADIMAN & ROBERT FRAGER

problema gira em torno da questão do quanto a experiência da infância determina as escolhas adultas. Por exemplo, um período crítico no desenvolvimento dos relacionamentos ocorre durante a fase fálica, quando ambos os sexos confrontam seus crescentes sentimentos eróticos pelos pais com a concomitante incapacidade de satisfazer estes anseios. Segundo a teoria freudiana, mesmo quando as complicações edipianas se resolvem, estas dinâmicas continuam afetando os relacionamentos do indivíduo. Os relacionamentos são construídos sobre uma base de efeitos residuais das intensas experiências iniciais. Os encontros amorosos de adolescentes, jovens adultos e adultos, bem como os padrões de amizade e casamento, sâo, em parte, uma reelaboração de questões infantis não-resolvidas.
Emoções

ao ego ajudando-o a manter certas memórias fora da consciência. Respostas emocionais fortes podem, na verdade, encobrir um trauma de infância. Uma sensação de repugnância por algum alimento que há muito tempo não comemos, por exemplo, pode esconder a lembrança de uma época infeliz, quando aquela comida era servida. Uma reação fóbica impede efetivamente que uma pessoa se aproxime de um objeto ou classe de objetos que poderia ativar uma fonte mais ameaçadora de ansiedade. Foi principalmente através da observação, tanto das expressões apropriadas quanto das expressões inapropriadas da emoção, que Freud descobriu os segredos para revelar e compreender as forças motivacionais do inconsciente.

Intelecto

O que Freud desvelou, em uma era que havia venerado a razão e negado o valor e o poder da emoção, foi que não somos animais predominantemente racionais, mas somos conduzidos por forças emocionais poderosas, cuja gênese muitas vezes é inconsciente. As emoções são as vias de liberação da tensão e apreciação do prazer. As emoções também podem servir

O intelecto é uma das ferramentas disponíveis ao ego. Uma pessoa mais livre é capaz de usar a razão quando conveniente, e sua vida emocional está aberta a exame consciente. Tal pessoa não é guiada por remanescentes incompletos de eventos passados e é capaz de responder diretamente a cada situação, equilibrando preferências individuais conforme as restrições impostas pela cultura.

REFLEXÃO PESSOAL • Existem Padrões em Sua Vida?
Eis um modo de examinar a relação entre os seus atuais relacionamentos e o relacionamento com seus pais.

Parte 1
1. Faça uma lista das pessoas de que você mais gostou ou que amou em sua vida - excluindo seus pais. Liste homens e mulheres separadamente. 2. Descreva os aspectos desejáveis e indesejáveis de cada pessoa. 3. Examine, registre e reflita sobre as semelhanças e diferenças nas listas. Existem traços em comum entre os homens e mulheres?

Parte 2
1. Faça uma lista das características desejáveis e indesejáveis de seus pais. 2. Liste as características desejáveis e indesejáveis de seus pais conforme sua visão deles quando você era criança. (As duas listas podem ter pontos em comum ou não.) Parte 3 Compare e contraste a lista de atributos de seus pais com as das outras pessoas importantes em sua vida.

PERSONALIDADE E CRESCIMENTO PESSOAL

4 7

A mais admirável e provavelmente a mais poderosa força emocional de Freud era sua paixão pela verdade e sua fé inabalável na razão. Para ele, a razão era a única capacidade humana que poderia ajudar a resolver o problema da existência, ou pelo menos aliviar o sofrimento inerente à vida humana. Para Freud, assim como para a época em A razão, pensava F r e u d , é que viveu, o impacto do o único Instrumento, ou arma, de que dispomos trabalho de Darwin não para compreendera vida, pode ser subestimado. para nos livrarmos das ilusões [...] para nos torUm objetivo incontesnarmos Independentes de tado da época era proautoridades cerceadoras, var que o pensamento e para, assim, estabelecer nossa própria autoridade. racional colocava os se(Fromm, 1959) res humanos acima dos animais. Grande parte da resistência ao trabalho de Freud provinha das evidências de que as pessoas, na verdade, eram menos sensatas e tinham menos controle de suas emoções do que se suspeitara. A esperança e crença pessoal de Freud era que a razão era fundamental e que o intelecto era a ferramenta mais importante, senão a única, que a consciência possuía para controlar seu lado mais obscuro. Freud percebeu que qualquer aspecto da existência inconsciente, trazido à luz da consciência, poderia ser tratado racionalmente: "Onde o id estiver, que lá esteja o ego " (1933, p. 80) foi seu modo sucinto de expressar este insight. Quando os anseios irracionais, instintuais, dominarem, façamos com que sejam expostos, moderados e dominados pelo ego. Para que a pulsão original não seja suprimida, torna-se tarefa do ego, usando o intelecto, conceber modos seguros e suficientes de satisfação.

TERAPEUTA/TERAPIA

Até aqui abordamos sobretudo a teoria geral da personalidade de Freud. Entretanto, o próprio Freud estava envolvido com as aplicações práticas de seu trabalho - a prática da psicanálise. O objetivo da psicanálise é ajudar o paciente a estabelecer o melhor nível possível de funcionamento do ego, dados os inevitáveis conflitos oriundos do ambiente externo, do superego e das implacáveis demandas instintivas doid. Kenneth Colby, um ex-formador de analistas, descreve o objetivo do procedimento analítico: Ao falar do objetivo da psicoterapia, o termo "cura" [...] exige definição. Se por "cura" nos referimos ao alívio das atuais dificuldades neuróticas do paciente, então este é certamente nosso objetivo. Se por "cura" entendemos uma liberdade vitalícia de conflitos emocionais e problemas psicológicos, então esse não pode ser nosso objetivo. Assim como uma pessoa pode sofrer uma pneumonia, uma fratura ou diabete durante sua vida e necessitar de determinada medicação e tratamento específico para cada condição, também outra pode sofrer, em diferentes momentos, uma depressão, impotência ou fobia, cada uma delas requerendo psicoterapia [...]. (1951, p. 4) Não devemos nos esquecer de que a terapia, como a utilizada por qualquer um dos pensadores abordados neste livro, não "cura" problemas passados, mas pode ajudar a prevenir problemas futuros. O papel do psicanalista A tarefa do terapeuta é ajudar o paciente a recordar, recuperar e reintegrar materiais inconscientes para que a vida presente do paciente possa tornar-se mais satisfatória. Freud Para permanecer firme (1940, p.31) diz: contra este ataque geral Ele se compromete diante de nós a obedecer a regra fundamental da análise, que é a de, daqui por diante, orientar seu comportamento em nossa direção. Ele
do paciente, é preciso que o próprio analista tenha sido plena e completamente analisado [...].O próprio analista [...] deve conhecer e ter controle até sobre as mais recônditas fragllidadesdesua própria personalidade; e isso é impossível sem uma análise plenamente concluída. (Ferenczi, 1955)

Self O self é a totalidade do ser: o corpo e os instintos, bem como as partes conscientes e inconscientes da mente. Para Freud, um seZ/não limitado pelo corpo ou desligado dele não tinha lugar em suas crenças biológicas. Quando confrontado com esta imagem metafísica (ou espiritual) da humanidade, Freud afirmou que isso não estava dentro de sua alçada como cientista. A psicanálise posteriormente ultrapassou a posição de Freud e escreveu extensamente sobre o self.

JAMES FADIMAN & ROBERTFRAGER

deve nos dizer não apenas o que pode dizer de maneira intencional e desejosa, o que lhe traria alívio como uma confissão, mas igualmente tudo que lhe vier à cabeça, mesmo que seja desagradável para ele dizê-lo, mesmo que lhe pareça insignificante ou realmente ilógico. O analista incentiva estas revelações, sem criticar ou aprovar seu conteúdo. O analista não assume posição moral, e sim serve como uma tela vazia para as opiniões do paciente. O terapeuta mostra o mínimo possível de sua personalidade ao paciente. Isso dá ao paciente liberdade para tratar o analista de uma infinidade de maneiras, transferindo ao terapeuta atitudes, idéias, até características físicas que, na verdade, pertencem a pessoas no passado do paciente. Esta transferência é decisiva para o processo terapêutico, porque traz eventos passados a um novo contexto, que favorece a compreensão. Por exemplo, se uma paciente começa a tratar um terapeuta do sexo masculino como trata o pai - aparentemente submissa e deferente, mas secretamente hostil e desrespeitosa -, o analista pode esclarecer esses sentimentos para a paciente. Ele pode assinalar que ele, o terapeuta, não é a causa dos sentimentos, e sim que eles se originam na própria paciente e podem refletir aspectos de seu relacionamento com o pai que ela reprimiu. A transferência faz da terapia um processo vivo. Mais do que apenas falar sobre a vida, o paciente estabelece um relacionamento decisivo com o terapeuta. Para auxiliai" o pacien-

te a fazer estas ligações, o analista interpreta parte do que o paciente está dizendo, sugerindo elos de ligação que o paciente pode ou não ter reconhecido anteriormente. Esse processo de interpretação é uma questão de intuição e experiência clínica. Como parte do processo psicanalítico, o paciente é incentivado, nunca pressionado, a revelar idéias, sentimentos e memórias anteriormente não-expressadas ou esquecidas. Freud via a análise como um processo natural, em que a energia que havia sido recalcada emerge lentamente na consciência, de modo O conceito de transferênque pode ser usada pelo cia [...] sustenta que a obego em desenvolvimen- servação, compreensão e to: "Sempre que conse- discussão das reações emocionais do paciente à siguimos decompor um tuação psicanalítica conssintoma em seus ele- tituem as formas mais diretas de chegar-se a um enmentos, que consegui- tendimento de sua estrutumos libertar uma pulsão ra de caráter e, conseqüende suas dificuldade um nexo, ela não per- temente, se tornou a mais des. Ele manece isolada - ime- poderosa, e sem dúvida indiatamente ingressa em dispensável, ferramenta da outro". A tarefa do tera- terapia analítica. (Horney, 1939, p. 33-34) peuta é expor, explorar e isolar as pulsões componentes que foram negadas ou distorcidas pelo paciente: "A psicossíntese é, assim, alcançada durante o tratamento analítico, sem nossa intervenção, de maneira automática e inevitável" (1919, p. 161). A reforma de antigos hábitos insalubres e o estabelecimento de novos, mais saudáveis, ocorre sem a intervenção do terapeuta.

REFLEXÃO PESSOAL • Memórias Antigas
Freud constatou que memórias antigas muitas vezes eram indicativas de questões pessoais presentes. Você pode tentar testar essa hipótese fazendo o seguinte exercício: Encontre um parceiro. Um de vocês irá recordar sua memória mais antiga, enquanto o outro a registra em um papel. (Depois os papéis serão invertidos; portanto, não se preocupe com quem será o primeiro.) 1. O falante deve sentar-se sem que possa ver o registrador. Relembre sua memória mais antiga ou qualquer memória muito antiga. Relate-a ã pessoa que faz o registro. Não fale mais do que cinco minutos. Quanto mais clara e vivida for sua recordação, mais proveito você poderá tirar deste exercício. Se outras memórias surgirem além daquela que você está descrevendo, sinta-se livre para mencioná-las. Lembre-se de que é tarefa do registrador tomar notas enquanto o falante discorre sobre acontecimentos passados. Não interrompa. Preste atenção na importância que o falante dá a qualquer aspecto de uma memória. 2. Depois de cinco minutos, parem. Sem qualquer comentário, invertam os papéis. Q u e m antes era o falante a g o r a a n o t a as lembranças do parceiro. Ao final de outros cinco minutos, p a r e m . Silenciosamente por • um minuto, ou algo assim, pense sobre o que você disse e o que ouviu. 3. Discutam sobre as notas. Assinale as implicações e conexões que você observa. Observe as diferenças de sentimentos expressados por seu parceiro. Tente relacionar aspectos destas primeiras memórias a acontecimentos presentes em sua vida.

*

PERSONALIDADE E CRESCIMENTO PESSOAL

49

Limitações da psicanálise A análise, c o m o Freud e seus seguidores imediatos a praticavam, n ã o era a d e q u a d a a todas as condições m e n t a i s . O campo de aplicação da terapia analítica é o das neuroses de transferência - fobias, histeria, neurose obsessiva - e também anormalidades de caráter que se desenvolveram no lugar dessas doenças. Tudo que difere disso, condições narcisistas e psicóticas, é, em maior ou menor grau, inadequado. (1933, p. 155) Alguns analistas disseram q u e as pessoas que já estão f u n c i o n a n d o b e m , cuja e s t r u t u r a do ego está saudável e intacta, são as melhores candidatas para a psicanálise. Como qualquer outra forma de t r a t a m e n t o , a psicanálise tem limitações intrínsecas, q u e foram discutiÉ quase como se a análidas sob todos os p o n t o s se fosse a terceira daquede vista. Ela foi favoralas profissões "impossívelmente c o m p a r a d a a o veis", em que antecipadamente podemos ter certeb u d i s m o , pois ambos za de obter resultados oferecem m o d o s de aliinsatisfatórios. As outras viar o sofrimento h u m a duas [...] são a educação e o governo. (Freud, 1937) no (Pruett, 1987). A psicanálise foi minuciosamente examinada para v e r s e p o d e r i a resistir A psicanálise é parte íntima t a m b é m a u m a avaliada ideologia decadente da ção marxista (Volosinov, burguesia. (Volosinov, 1987, p. 132) 1987). Embora Freud desejasse q u e a psicanálise pudesse explicar t o d a a consciência h u m a na, ele delicadamente r e p r e e n d i a aqueles q u e tendiam a acreditar q u e a psicoterapia psicanalítica era a cura final. A psicanálise é realmente um método de tratamento como outros. Ela tem seus triunfos e suas derrotas, suas dificuldades, suas limitações, suas indicações [...]. Gostaria de acrescentar que não acho que nossas curas possam competir com as de Lurdes*. Existem muito mais pessoas que acreditam nos milagres da Virgem Maria do que na existência do inconsciente. (1933, p. 152)

Entretanto, os pós-freudianos ampliaram de tantas formas a gama de clientes e de condições que poderiam ser tratadas pela psicanálise que seus trabalhos merecem um capítulo separado. (Ver Capítulo 3.)

AVALIAÇÃO

Apresentamos um apanhado geral da vasta e complexa estrutura teórica desenvolvida por Freud. Não procuramos incluir neste capítulo as inúmeras variações e desenvolvimentos de seus seguidores, discípulos, detratores, críticos e clientes. Ten- Nenhum outro sistema de pensamento dos tempos tamos organizar e sim- modernos, exceto as granplificar as linhas gerais des religiões, foi adotado do que foi, no início, um por tantas pessoas como explicação do comportaponto de vista radical e mento humano. (Kazin, inovador. Freud fez um 1956) desafio que poucos pensadores foram capazes de deixar sem contestação. A maioria dos pensadores incluídos neste livro reconhecem sua dívida com Freud, tanto aqueles que concordam com ele quanto aqueles que se opõem a ele. As idéias de Freud continuam influenciando a psicologia, a literatura, a arte, a antropologia, a sociologia e a medicina. Muitas de suas idéias, tais como a importância dos sonhos e a vitalidade dos processos inconscientes, são amplamente aceitas. Outras facetas de sua teoria, tais como as relações entre o ego, o id e o superego, ou o papel do complexo de Edipo no desenvolvimento adolescente, são amplamente debatidas. Ainda, outras partes de seu trabalho, incluindo sua análise da sexualidade feminina e suas teorias sobre as origens da civilização, foram amplamente criticadas. Uma verdadeira torrente de livros e artigos sobre as idéias de Freud continua sendo publicada, bem como uma sucessão de revistas e monografias sobre terapia psicanalítica. Mais trabalhos são publicados sobre Freud e suas idéias a cada ano do que sobre todos os outros pensadores ocidentais deste livro somados. Existe uma indústria de crescimento internacional de revistas, institutos e editoras freudianas, um mundo à parte. Embora a maior parte desta comunidade seja independente e isolada, de tempos em tempos a grande presença de Freud ainda se reafirma na cultura geral. Em 1993, por exemplo, ele foi capa da

*N. do T. Cidade no sudoeste da França, santuário católico ao qual se atribuem curas milagrosas.

5 0

JAMES FADIMAN & ROBERTFRAGER

revista Time, e u m a g r a n d e exposição sobre o impacto de suas idéias estava p r o g r a m a d a pela Biblioteca do Congresso. Pouco depois, entretanto, esta exposição foi e n g a v e t a d a em função da q u a n t i d a d e de críticas virulentas d i r i g i d a s c o n t r a ela. Mais a d i a n t e , ela foi reeditada e conquistou ampla popularidade (Lussier, 1999). N ã o é nossa i n t e n ç ã o prever c o m o a teoria freudiana será j u l g a d a historicamente. Cont u d o , afirmamos q u e as idéias de Freud n ã o são de preocupação m e n o s u r g e n t e hoje do que eram d u r a n t e sua vida (Freud, S., 1998). Aqueles q u e o p t a m por e s t u d a r a m e n t e ou t e n t a m c o m p r e e n d e r os outros seres h u m a n o s devem fazer as pazes com as idéias básicas de Freud através d e u m e x a m e d e s u a própria experiência interior. R e c o n h e c e m o s q u e existem épocas n a vida de u m a pessoa em q u e a visão de Freud do papel do consciente e do inconsciente se assemelha a u m a revelação pessoal. O impacto formidável de seu p e n s a m e n t o p o d e elucidar um aspecto de s u a própria p e r s o n a l i d a d e ou da p e r s o n a l i d a d e de o u t r a pessoa e fazê-la sair c o r r e n d o atrás de outros de seus livros. Existem outros m o m e n t o s em q u e ele n ã o p a r e c e ser útil, q u a n d o suas idéias parecem distantes, complicadas e i m p e r t i n e n t e s . Em q u a l q u e r um dos m o m e n t o s , Freud é u m a figura a ser c o n s i d e r a d a ; ele n ã o p o d e ser tratado levianamente, nem descartado como se estivesse fora de m o d a . Q u a l q u e r que seja sua resposta às idéias de Freud, o conselho dele seria considerar s u a resposta c o m o indicativa de seu p r ó p r i o e s t a d o de espírito, bem c o m o u m a r e a ç ã o racional ao seu trabalho. Nas palavras do p o e t a W. H. A u d e n ( 1 9 4 5 ) sobre Freud: "Se m u i t a s vezes ele estava e r r a d o e às vezes era a b s u r d o , p a r a nós ele já n ã o é mais u m a pessoa, m a s t o d o um clima de opinião".

cisas e de lembranças tendenciosas, enviesadas e distorcidas, c o m o saberemos o q u e realmente aconteceu? Eis um e x e m p l o de c o m o duas pessoas p o d e m lembrar-se d o m e s m o evento d e m o d o distinto: Lembro-me com clareza do sofrimento pessoal de ser forçado a comer cereal quente pela manhã durante um longo período de minha infância. Recordo-me vivida e visceralmente. Lembro-me da sala de jantar, do meu lugar, da mesa, da sensação de repulsa na garganta, das estratégias de atraso, esperando até que os adultos se cansassem de mim e me deixassem sozinho com minha meia tigela de cereal frio e azedo; minhas tentativas de neutralizar o gosto com todo o açúcar que pudesse acrescentar ainda são claras. Até hoje não consigo olhar para uma tigela de mingau de aveia quente sem ser invadido por essas lembranças de infância. Sei que passei meses brigando com minha mãe por causa disso. Alguns anos atrás falei com ela sobre isso. Ela se lembrava claramente, mas sabia que tinha sido um breve período, de alguns dias, talvez uma semana ou no máximo duas, e ficou surpresa de que eu pudesse me recordar disso. Coube a mim decidir - a memória dela contra a minha. A leitura dessa história nos revela q u e nen h u m a pessoa estava conscientemente mentind o ; no e n t a n t o , as versões e r a m n o t a v e l m e n t e diferentes. N ã o há c o m o saber o q u e realmente aconteceu. A v e r d a d e histórica n ã o está disponível; s o m e n t e as lembranças, e estas foram "coloridas" de ambos os lados por repressões e distorções seletivas, bem c o m o por elaborações e projeções. Freud n ã o indica qualquer saída do dilem a . O q u e ele revela, todavia, é a percepção de que s u a l e m b r a n ç a ou sua versão de seu próprio p a s s a d o contém pistas de como você se c o m p o r t a e de quem você é. A psicanálise utiliza um conjunto de ferr a m e n t a s p a r a análise pessoal, q u e incluem profunda auto-analise, reflexão e análise de sonhos, o b s e r v a n d o t a m b é m p a d r õ e s recorrentes de p e n s a m e n t o e c o m p o r t a m e n t o . Freud descreveu c o m o utilizava suas ferramentas, o q u e descobriu e o que concluiu de suas descobertas. Embora as conclusões a i n d a sejam motivo de d e b a t e , as ferramentas estão no cerne de diversos outros sistemas e podem constituir a mais d u r a d o u r a das contribuições de Freud para o e s t u d o da personalidade.

Implicações para o crescimento pessoal Freud sugere q u e t o d o o c o m p o r t a m e n t o está v i n c u l a d o , q u e n ã o existem acidentes psicológicos - q u e s u a escolha de pessoas, lugares, alimentos e diversões provém de experiências das quais você ou n ã o se recorda ou n ã o irá se recordar. Todo p e n s a m e n t o e t o d o comp o r t a m e n t o possui significado. Se nossa m e m ó r i a de eventos passados é, na verdade, u m a mistura de lembranças pre-

PERSONALIDADE E CRESCIMENTO PESSOAL

5 1

A TEORIA EM PRIMEIRA MÃO
EXCERTO DE ESTUDOS SOBRE A HISTERIA
O material a seguir foi extraído de um dos primeiros trabalhos de Freud. A maior parte dele é autoexplicativa. Trata-se de um vislumbre de como Freud compôs um quadro coerente da causa de um único sintoma a partir de algumas informações. Nas férias de verão do ano de 189-, fiz u m a excursão à Hohe Tauern [uma das cordilheiras mais altas dos Alpes do leste], para que pudesse me esquecer por um tempo da medicina e, mais particularmente, das neuroses. Eu tinha quase conseguido isso quando, certo dia, desviei-me da estrada principal para subir uma montanha que ficava um pouco afastada e que era conhecida por sua pousada de refúgio bem-administrada. Após uma penosa escalada cheguei ao topo e, sentindo-me revigorado e descansado, fiquei contemplando profundamente a encantadora vista longínqua. Eu estava tão perdido em pensamentos que, em princípio, não relacionei a mim quando as seguintes palavras chegaram a meus ouvidos: "O senhor é médico?" Mas a pergunta fora dirigida a mim, pela moça de aparência meio mal-humorada, de talvez 18 anos, que me servira a refeição e que a senhoria chamara de "Catarina". A julgar por suas roupas e jeito, ela não poderia ser u m a empregada, devendo certamente ser filha ou parente da senhoria. Voltando a mim respondi: "Sim, sou médico. M a s como você sabia?" "O senhor escreveu o nome no Livro de Visitas. E pensei que se o senhor dispusesse de alguns minutos [...]. É que meus nervos andam mal. Por isso fui consultar um médico em L , e ele me d e u alguma coisa para isso; mas ainda não estou bem." Então lá estava eu com as neuroses mais uma vez -pois nada mais poderia haver de errado com essa moça forte e bem desenvolvida com sua aparência infeliz. Interessei-me ao descobrir que as neuroses poderiam aparecer a uma altura de mais de seis mil pés; assim, fiz-lhe mais perguntas. Relato a conversa que se seguiu entre nós exatamente como ela ficou gravada em minha memória, e não alterei o dialeto da paciente. [Não houve tentativa de imitar esse dialeto na tradução inglesa.] "Bem, o que é que lhe aflige?" "Eu fico com falta de ar. Não é sempre. Mas às vezes isso acontece de um jeito que parece que vou ficar sufocada." Isso não parecia, à primeira vista, um sintoma nervoso. Mas logo me ocorreu que provavelmente era apenas uma descrição do que representava um ataque de ansiedade: ela estava escolhendo a falta de ar dentre o complexo de sensações oriundas da ansiedade e dando indevida ênfase àquele único fator, "Sente-se aqui. Conte-me como é quando você fica sem ar'." "Acontece de repente. Primeiro é como se algo apertasse meus olhos. Minha cabeça fica tão pesada, ouço um zumbido pavoroso, e fico tão tonta que quase caio. Depois algo me esmaga o peito e não consigo respirar." "E você não sente nada na garganta?" "Minha garganta fica apertada como se eu fosse me asfixiar." rá-la."

"Alguma outra coisa acontece na cabeça?" "Sim, ela fica martelando, o bastante para estou"E você não fica de modo algum assustada quando isso acontece?" "Eu sempre penso que vou morrer. Em geral sou corajosa e vou sozinha a qualquer lugar - no porão e por toda a montanha. Mas nos dias em que isso acontece não me atrevo a ir à parte alguma; fico o tempo todo pensando que há alguém atrás de mim que vai me agarrar subitamente." Então era realmente um ataque de ansiedade, introduzido pelos sinais de uma "aura" histérica [as sensações premonitórias que precedem uma ataque epiléptico ou histérico] o u , mais precisamente, era um ataque de histeria cujo conteúdo era a ansiedade. Não poderia haver outro conteúdo também? "Quando você sofre um ataque você pensa em alguma coisa? E sempre na mesma coisa? Ou você vê alguma coisa a sua frente?" "Sim, eu sempre vejo um rosto horrível que me olha de um jeito medonho, e daí eu fico assustada." Talvez isso pudesse oferecer um meio rápido de chegar ao cerne do problema. "Você reconhece o rosto? Ou seja, é um rosto que você já viu alguma vez?" "Não."

"Você sabe de onde vêm esses ataques?" "Não".
"Quando eles ocorreram pela primeira vez?" "Há dois anos, quando eu ainda morava com minha tia na outra montanha. (Ela tinha u m a estalagem lá, e nos mudamos para cá há 18 meses.) Mas eles continuam acontecendo." Será que eu deveria fazer u m a tentativa de análise? Não podia arriscar a utilizar hipnose a essas altitudes, mas talvez pudesse ter êxito com uma simples conversa. Eu teria que tentar adivinhar. Eu descobrira ser muito c o m u m que, nas moças, a ansiedade era u m a conseqüência do pavor que invade uma mente virginal quando se vê pela primeira vez diante do mundo da sexualidade. 1 Então eu disse: "Se você não sabe, eu vou lhe dizer como acho que você têm esses ataques. Naquela época, há dois anos, você deve ter visto ou ouvido algu-

1 Citarei aqui o caso em que pela primeira vez reconheci essa ligação causai. Estava tratando de uma mulher jovem, casada, que sofria de complicada neurose, que, novamente, não estava disposta a admitir que sua doença provinha de sua vida de casada. Objetou que enquanto ainda era moça tinha tido acessos de ansiedade, que terminavam em crises de desmaio. Permaneci firme. Quando chegamos a nos conhecer melhor, subitamente me disse um dia: "Contarei agora ao senhor como vim a ter acessos de ansiedade quando era moça. Naquela ocasião dormia num quarto contíguo ao dos meus pais; a porta ficava aberta e costumava haver uma luz acesa na mesa. Assim, mais de uma vez vi meu pai ir para a cama com minha mãe e ouvia sons que me excitavam muito. Foi então que meus acessos sobre viera m".

52

JAMES FADIMAN & ROBERT FRAGER

ma coisa que muito lhe constrangeu, que você preferiria não ter visto". "Céus, é mesmo!" respondeu ela, " f o i quando eu peguei meu tio c o m a menina, com Francisca, minha prima". "Que história é essa da menina? Você não quer me contar sobre isso?" "Pode-se contar qualquer coisa a um médico, imagino. B o m , naquela época, sabe, meu tio — o marido de minha tia que você viu aqui — mantinha a hospedaria na kogel [o nome da "outra" montanha]. Agora eles estão divorciados, e é por minha culpa que eles estão divorciados, pois foi por meu intermédio que se ficou sabendo que ele andava com a Francisca." "E como você descobriu?" "Foi assim. Certo dia, dois anos atrás, alguns cavalheiros haviam subido a montanha e pediram para comer a l g u m a c o i s a . M i n h a tia não estava em casa, e Francisca, que era quem sempre cozinhava, não estava em parte alguma. Meu tio também não estava em parte alguma. Procuramos por tudo, e finalmente o pequeno Alois, meu primo, disse: 'Ora, a Francisca deve estar no quarto do papai!'. E rimos os dois; mas não estávamos pensando em nada de m a u . Fomos então ao quarto de meu tio, m a s a porta estava trancada. Isso me pareceu estranho. Então Alois disse: 'Há u m a janela no corredor de onde se pode olhar para dentro do quarto'. Fomos até o corredor, mas Alois não queria ir até a janela e disse que estava com medo.Daí eu disse: 'Menino tolo! Eu irei, não estou nem um pouco c o m medo'. E eu não estava pensando em nada de m a u . Olhei para dentro. O quarto estava meio escuro, mas pude ver meu tio e Francisca; ele estava por cima dela". "E então?" "Afastei-me da janela imediatamente, apoiei-me na parede e não conseguia r e s p i r a r - j u s t a m e n t e o que me acontece desde que tudo se apagou, minhas pálpebras se fecharam ã força e minha c a b e ç a começou a martelar e zunir." "Você contou para sua tia nesse mesmo dia?" "De forma alguma, eu não falei nada." "Então por que você ficou tão assustada q u a n d o os encontrou juntos? Você entendeu? Você sabia o que estava acontecendo?" "De forma alguma. Eu não entendi nada naquela ocasião. Eu só tinha 16 anos. Não sei com o que fiquei assustada." "Fráulein Catarina, se você pudesse lembrar agora o que estava acontecendo com você naquele m o m e n to, quando teve seu primeiro ataque, o que você pensou sobre o fato — isso lhe ajudaria." "Sim , se eu conseguisse. Mas fiquei tão assustada que me esqueci de tudo." (Traduzido na terminologia de nossa "Comunicação preliminar" [...], isso significa: "O próprio afeto criou um estado hipnóide, cujos produtos foram então desligados da ligação associativa com a consciência do ego".) "Diga-me uma coisa, Fráulein. Não seria possível que a cabeça que você sempre vê quando perde a respiração seja a de Francisca, c o m o você a viu então?" "Oh não, ela não parecia tão horrível. Além disso, é a cabeça de um h o m e m . " "Talvez de seu tio?"

"Eu não vi o rosto dele com tanta clareza. Estava muito escuro. E por que ele estaria com uma expressão tão medonha justamente naquele momento?" "Você tem toda a razão." (O caminho de repente parecia bloqueado. Talvez algo pudesse surgir no resto de sua história.) "E o que aconteceu então?" "Bem, os dois devem ter ouvido algum ruído, pois saíram logo depois. Senti-me muito mal o tempo todo. Eu sempre ficava pensando sobre aquilo. Dai, dois dias depois era domingo e havia muito o que fazer e eu trabalhei o dia todo. Na segunda de m a n h ã , senti-me tonta novamente e fiquei doente. Acabei ficando de cama e doente por três dias seguidos." Nós (eu e Breuer) c o s t u m á v a m o s c o m p a r a r a sintomatologia da histeria com uma escrita pictogràfica que se tornou inteligível após a descoberta de algumas inscrições bilíngües. Nesse alfabeto, ficar doente significa repugnância. Então eu disse: "Se você ficou doente três dias depois, creio que isso significa que quando você olhou para dentro do quarto ficou com nojo". "Sim, tenho certeza de que fiquei com nojo", ela disse pensativamente, "mas com nojo do quê?". "Talvez você tenha visto alguém nu? Em que tipo de situação eles estavam?" "Estava escuro demais para ver; além do mais, os dois estavam vestidos. Oh, se pelo menos eu soubesse do que fiquei com nojo!" Eu também não fazia idéia. Mas pedi-lhe que contasse tudo que lhe ocorresse, na confiante expectativa de que ela viesse a pensar exatamente no que eu precisava para explicar o caso. Bem, ela continuou descrevendo como afinal havia contado sua descoberta para a tia, que achou que ela estava mudada e ficara desconfiada de que estivesse lhe escondendo algum segredo. Seguiram-se algumas cenas desagradáveis entre seu tio e tia, durante as quais as crianças ouviram diversas coisas que lhes abriram os olhos em muitos aspectos, e que teria sido melhor não terem ouvido. Finalmente a tia resolveu mudar-se com os filhos e a sobrinha e tomar conta da presente hospedaria, deixando o tio sozinho c o m Francisca, q u e , nesse meio tempo, ficara grávida. Depois disso, contudo, para minha surpresa, Catarina abandonou esses encadeamentos e começou a narrar-me dois grupos de histórias mais antigas, que retrocediam a dois ou três anos antes do momento traumático. O primeiro grupo relacionava-se c o m ocasiões em que o mesmo tio fizera investidas sexuais contra ela própria, quando ela tinha apenas 14 anos de idade. Ela descreveu como certa vez fizera com ele u m a viagem ao vale, no inverno, e passara a noite na estalagem. O tio ficara no bar bebendo e jogando cartas, mas ela sentiu sono e foi para c a m a cedo, no quarto que iriam partilhar no andar de cima. Ela ainda não estava inteiramente adormecida quando ele subiu; depois, adormeceu novamente e de súbito despertou "sentindo o corpo dele" na cama. Ela deu um salto e protestou: "O que você está fazendo, tio? Por que você não fica em sua própria cama?". Ele tentou acalmá-la: "Ora, sua tola, fique quieta. Você não sabe como é b o m " - "Eu não gosto de suas coisas 'boas'; você sequer deixa a gente dormir em paz". Ela ficou em pé na porta, pronta para refugiarse no corredor, até que finalmente o tio desistiu e foi dor-

PERSONALIDADE E CRESCIMENTO PESSOAL

5 3

mir. Então ela voltou para sua c a m a e dormiu até de manhã. Pelo m o d o como contou ter se defendido, parece que Catarina não reconheceu claramente a investida como de natureza sexual. Quando lhe perguntei se sabia o que ele estava tentando fazer com ela, respondeu: "Não naquela ocasião". Disse então que isso tinha ficado claro para ela muito depois; ela tinha resistido porque era desagradável ser perturbada durante o sono e "porque não era correto". Fui obrigado a relatar isso minuciosamente por causa de sua grande importância para compreender tudo que se seguiu. Catarina prosseguiu relatando-me ainda outras experiências ocorridas pouco tempo depois; c o m o novamente tivera que se defender do tio em uma estalagem quando ele estava completamente bêbado, e histórias semelhantes. Em resposta à pergunta de se nessas ocasiões ela sentira algo semelhante à sua posterior falta de ar, respondeu resolutamente que sentira todas as vezes o aperto nos olhos e no peito, mas nada semelhante ã força que havia caracterizado a cena da descoberta. Logo depois de ter terminado esse grupo de lembranças, começou a me contar um segundo grupo, que se relacionava c o m ocasiões em que notara algo entre seu tio e Francisca. Certa vez toda a família passara a noite, sem tirar a roupa, num palheiro, e ela foi despertada subitamente por um ruído; pensou ter notado que seu tio, que tinha ficado deitado entre ela e Francisca, estava afastando-se, e que Francisca estava acabando de deitar-se. De outra feita eles estavam passando a noite na estalagem do povoado de N—; Catarina e o tio ficaram num aposento, e Francisca em outro contíguo. Despertando subitamente durante a noite, viu uma figura alta de branco na porta, prestes a girar a maçaneta: "Deus do céu, é você, tio? O que você está fazendo na porta?" "Fique quieta. Eu só estava procurando u m a coisa." "Mas a saída é pela outra porta." - "Foi um engano m e u " [...] e assim por diante. Perguntei-lhe se ficara desconfiada naquela ocasião. "Não, não pensei nada sobre aquilo; apenas notei e não pensei mais sobre o assunto." Q u a n d o lhe perguntei se tinha ficado assustada nessas ocasiões também, respondeu que achava que sim, mas dessa vez não estava tão segura disso. Ao final desses dois grupos de lembranças, ela parou. Parecia ter passado por uma transformação. O rosto amuado e infeliz tornara-se animado, os olhos brilhavam, estava leve e exultante. Enquanto isso, a compreensão de seu caso tornara-se clara para mim. A última parte do que me contara, de u m a forma aparentemente sem sentido, ofereceu u m a explicação admirável de seu comportamento na cena da descoberta. Naquela ocasião, guardara consigo dois grupos de experiências das quais se lembrava, mas não compreendia, e das quais não fizera inferências. Quando vislumbrou o casal no coito, imediatamente estabeleceu u m a ligação entre a nova impressão e estes dois grupos de recordações, c o m e ç o u a compreendê-las e, ao m e s m o tempo, rechaçá-las. Seguiu-se, então, um breve período de elaboração, de "incubação", depois dos quais os sintomas de conversão se estabeleceram, os vômitos como substitutos para a repugnância moral e física. Isso resolvia o e n i g m a . Catarina não sentira repulsa pela visão das duas pes-

soas, mas pela lembrança que aquela visão despertara nela. E, levando tudo em conta, esta só poderia ser a lembrança da investida contra ela na noite em que "sentira o corpo do tio". Assim, após ela ter terminado sua confissão, eu lhe disse: "Agora eu sei o que você pensou quando olhou para dentro do quarto. Você pensou: 'Agora ele está fazendo com ela o que queria fazer comigo naquela noite e das outras vezes'. Foi disso que você sentiu nojo, porque recordou a sensação de quando despertou ã noite e sentiu o corpo dele". "Pode muito bem ter sido", respondeu ela, "que foi isso que me causou nojo e que foi isso que pensei". "Diga-me apenas mais u m a coisa. Você é uma moça crescida agora e conhece todo tipo de coisa [...]" "Sim, agora eu sou." "Qual a parte do corpo dele que você sentiu naquela noite?" Mas ela não me d e u mais n e n h u m a resposta definida. Sorriu de um jeito constrangido, c o m o se tivesse sido descoberta, como alguém que é obrigado a admitir que atingiu u m a posição fundamental onde não resta muito a dizer. Pude imaginar qual era a sensação tátil que ela depois aprendeu a interpretar. Sua expressão facial parecia-me dizer que ela supunha que eu estava certo em minha conjectura. Mas eu não poderia sondar mais fundo e, de qualquer forma, devo-lhe gratidão por ter tornado a c o n v e r s a muito mais fácil do que com as senhoras pudicas de minha clínica na cidade, que consideram tudo o que é natural como vergonhoso. Assim esclareceu-se o caso. - Mas espere um minuto! E que dizer da alucinação periódica da cabeça, que aparecia durante as crises e lhe infundia terror? De onde provinha? Perguntei-lhe sobre isso, e, como se o conhecimento dela também tivesse sido ampliado por nossa conversa, respondeu prontamente: "Sim, agora eu sei. A cabeça é a do meu tio - eu a reconheço agora mas não daquela época. Posteriormente, quando todas as brigas tinham irrompido, meu tio d e u vazão a uma cólera sem sentido contra mim. Ele ficava dizendo que era tudo culpa minha: se eu não tivesse tagarelado, tudo não teria resultado em divórcio. Ele sempre me ameaçava; e, quando me via à distância, seu rosto se transfigurava de raiva, e ele vinha em minha direção com a mão levantada. Eu sempre fugia dele, e sempre ficava apavorada, com medo de que ele me pegasse desprevenida. O rosto que agora sempre vejo é o dele quando ele estava furioso". Essas informações me fizeram lembrar de que o primeiro sintoma histérico dela, os vômitos, tinham passado; a crise de ansiedade permaneceu e adquiriu um novo conteúdo. Conseqüentemente, estávamos tratando de u m a histeria que havia sido ab-reagida em grau considerável. E de fato, ela havia informado a tia sobre sua descoberta logo depois do acontecido. "Você contou à sua tia as outras histórias - sobre as investidas dele contra você?" "Sim. Não imediatamente, mas depois, quando já se falava em divórcio. Minha tia disse: 'Manteremos isso de reserva. Se ele causar problemas no tribunal, também contaremos isso'." Posso bem compreender que deve ter sido exatamente esse último período — quando ocorreram cenas cada

5 4

JAMES FADIMAN & ROBERTFRAGER

vez mais agitadas na casa e quando o próprio estado dela deixou de interessar a tia, que estava totalmente ocupada com a disputa -, que deve ter sido esse período de acúmulo e retenção que lhe deixou o legado do símbolo mnêmico (do rosto alucinado).Espero que essa moça, cuja sensibilidade sexual fora agredida em idade tão precoce, tenha tido algum benefício de nossa conversa. Não a vi mais desde então. 2 (Breuere Freud, 1895, p. 125-134)

DESTAQUES DO CAPITULO O corpo é a única origem de toda a consciência. Nada ocorre por acaso, muito menos os processos mentais individuais. Todos os pensamentos e todos os comportamentos possuem significado. O consciente é apenas uma pequena parte da mente. O inconsciente e o préconsciente são os outros componentes da consciência, que são menos expostos e explorados. Um processo psíquico é denominado inconsciente quando sua existência é inferida de seus efeitos. O pré-consciente é uma parte do inconsciente, o setor que contém as memórias disponíveis. As pulsões humanas não predeterminam o resultado de uma ação. As duas pulsões básicas são descritas como a sexual (favorável à vida) e a agressiva, ou destrutiva (incentivadora da morte). Nossa estrutura de personalidade é composta pelo id (isso), ego (eu) e superego (acima do eu). O objetivo global da psique é manter um nível aceitável de equilíbrio dinâmico que maximize o prazer sentido como redução de tensão. O objetivo primordial da psicanálise é fortalecer o ego, torná-lo independen-

te das preocupações excessivamente severas do superego, e aumentar sua capacidade de lidar com material anteriormente reprimido ou oculto. Freud propôs uma descrição psicossexual dos estágios de desenvolvimento. Os modos de satisfação e as áreas físicas de gratificação mudam de um estágio de desenvolvimento para outro. Em sua seqüência, o indivíduo passaria primeiro pelas fases oral, anal e fálica. As questões da fase edipiana ocorrem dentro do estágio fálico. Segue-se o período de latência, até que o indivíduo chegue ao estágio genital de desenvolvimento. Ocorre fixação quando uma pessoa fica excessivamente envolvida com um determinado estágio. Freud, depois de reconhecer que não compreendia inteiramente as mulheres, propôs um motivo biológico para os sentimentos de inferioridade relatados por mulheres submetidas à psicanálise. Suas especulações, principalmente de que a sexualidade feminina era uma sexualidade masculina "desapontada", foram energicamente atacadas desde sua primeira publicação. Os sonhos são usados na psicanálise como auxílio para recuperar material inconsciente. Não-aleatórios e tampouco acidentais, os sonhos são considerados como uma forma de satisfazer desejos não-realizados. A ansiedade é o principal problema a ser enfrentado pela psique. Quando ameaças ao corpo ou à psique não são confrontadas diretamente, mecanismos de defesa entram em ação. O gasto de energia necessário para manter as defesas efetivamente limita a flexibilidade e força do ego. O conceito de fluxo de energia está no centro das teorias de Freud, ligando os conceitos de inconsciente, desenvolvimento psicológico, personalidade e neurose. As respostas à tensão são tanto mentais quanto físicas. A energia libidinal é derivada da energia física. As pulsões básicas têm origens somáticas. As primeiras experiências da infância influenciam grandemente os padrões

(Nota de rodapé acrescentada em 1924) Ouso, após tantos anos, levantar o véu da discrição e revelar que Catarina não era a sobrinha, mas a filha da senhoria. A moça adoeceu, portanto, como resultado de investidas sexuais por parte do próprio pai. Distorções como a que introduzi no presente exemplo devem ser evitadas inteiramente ao relatar-se um caso. Do ponto de vista da compreensão do caso, uma distorção dessa natureza não é, naturalmente, assunto tão indiferente quanto seria deslocar a cena de uma montanha para outra.

2

PERSONALIDADE E CRESCIMENTO PESSOAL

5 5

de interação e relacionamento do adolescente, do jovem adulto e do adulto. Os relacionamentos que ocorrem na família nuclear são definidores durante toda a vida posterior do indivíduo. • Não somos animais fundamentalmente racionais. Ao contrário, somos muitas vezes inconscientemente conduzidos por poderosas forças emocionais, que podem proporcionar vias para a liberação de tensão e apreciação do prazer e que podem servir para manter determinadas memórias fora da consciência. • Dados os conflitos que inevitavelmente surgem do ambiente externo, do superego e das demandas instintuais implacáveis do id, o objetivo da terapia é ajudar a estabelecer o melhor nível de funcionamento do ego. • O papel do terapeuta é ajudar o paciente a recordar, recuperar e reintegrar materiais inconscientes, de modo que a vida do paciente possa tornarse mais satisfatória.

vista como rival. Os sentimentos do menino são reprimidos em parte pelo medo de castração. Nas meninas, o problema é semelhante, mas difere em expressão e solução. Uma vez que a repressão dos desejos é menos completa ou severa, a menina pode permanecer nessa situação por um período indefinido. Ego (eu). Parte da psique que se desenvolve para garantir a saúde, a segurança e a sanidade da personalidade ao mediar as demandas do id e a realidade externa. O ego é sensível às oportunidades, ao passo que o id é responsável apenas pelas necessidades. Energia agressiva. Energia que supostamente possui as mesmas propriedades gerais da libido. Também denominada de energia da pulsão de morte. Fálico. Estágio de desenvolvimento que vai dos 3 aos 5 anos. Os genitais são o foco de atenção, com a consciência da presença ou ausência de um pênis. As crianças tomam-se conscientes das diferenças sexuais. Fixação. Resposta que ocorre quando existe envolvimento excessivo com um determinado estágio de desenvolvimento. Na fixação, existe uma tendência a buscar a satisfação das necessidades de modos mais simples ou infantis, em vez de fazê-lo como o adulto. Genital. Estágio de desenvolvimento que vai da p u b e r d a d e à idade adulta. A energia libidinal retoma aos genitais. A consciência de suas distintas identidades sexuais e a busca por modos de satisfação de necessidades eróticas e interpessoais ocorre em meninos e meninas. Id (isso). Núcleo biológico original a partir do qual emerge o resto da personalidade. Embora primitivo e desorganizado, o id contém o reservatório de energia para todas as partes da personalidade. Ele não muda pela experiência, nem está em contato com o mundo externo. Suas metas são reduzir a tensão, aumentar o prazer e minimizar o desconforto. Os conteúdos do id são quase inteiramente inconscientes. Inveja do pênis. Na visão de Freud, os sentimentos de inferioridade decorrem do desejo da menina de possuir um pênis e da percepção relacionada à sua ausência. Na mulher madura, esse desejo constante de possuir um pênis se converte no desejo específico de ter um filho do sexo masculino, o qual o possui. Na teoria de Horney (Capítulo 6), a inveja do pê-

CONCEITOS-CHAVE Anal. Estágio de desenvolvimento dos 2 aos 4 anos de idade. Tanto o esfíncter anal quanto a bexiga são trazidos à consciência como áreas de tensão e satisfação. O interesse natural pela autodescoberta é estimulado pelo treinamento higiênico. Ansiedade. O principal problema a ser enfrentado pela psique. A ansiedade é desencadeada por um aumento esperado ou previsto de tensão ou desprazer, real ou imaginário, quando uma ameaça ao corpo ou à psique é grande demais para ser ignorada, descarregada ou controlada. Catexia. O processo pelo qual a energia libidinal disponível na psique é afixado ou investido em uma pessoa, idéia ou coisa. Uma vez liberada, esta mesma energia pode ser redirecionada e tornar-se disponível para outras necessidades presentes. Complexo de Édipo. Conflito que ocorre durante o estágio fálico de desenvolvimento. Nos meninos, o pai é visto como rival pelo amor e afeição da mãe. Contudo, o menino ainda deseja o amor e afeição do pai, pelo qual a mãe é

56

JAMES FADIMAN & ROBERT FRAGER

nis é vista como complemento da inveja da gravidez, do parto e da maternidade por parte do menino. Latência. Período de desenvolvimento que vai dos 5 ou 6 anos até o início da puberdade. A atenção do indivíduo muda dos relacionamentos com os pais para os relacionamentos com os amigos, para os esportes, para as atividades escolares e para outras habilidades. O superego reprime com êxito os desejos sexuais insolúvcis do estágio fálico. Libido. A energia dos pulsões vitais. Caracterizada como um fluxo de energia, ela facilmente passa de uma área de atenção para outra, deslocando-se com a natureza volátil da responsividade emocional. Presume-se que a energia agressiva, ou pulsão de morte, possui as mesmas propriedades que a libido. Neurose. Comportamentos de desadaptação repetitivos, formados como produto de impulsos represados em um ambiente restritivo. Oral. Estágio de desenvolvimento que vai do nascimento ao período de 2 a 4 anos. As necessidades e a satisfação envolvem predominantemente os lábios, a língua e, posteriormente, os dentes. A pulsão básica é receber nutrição, a fim de aliviar as tensões da fome e da sede. Psicanálise. Um procedimento de investigação, um método de tratamento e um conjunto acumulado de informações psicológicas utilizadas para compreender os aspectos da vida mental que são obscuros e aparentemente inatingíveis. A teoria psicanalítica sugere que, embora seja um processo difícil, pode-se chegar a um acordo com as demandas recorrentes do id. PulsÕes (impulsos). Pressões para agir sem pensamentos conscientes com determinados fins. As necessidades são os aspectos físicos, e os desejos são os aspectos mentais das pulsões. Existem quatro componentes em todos as pulsões: fonte, alvo, pressão e objeto. Realização de desejos. Aspecto dos sonhos que pode ser considerado como rota alternativa para satisfazer os desejos do id. Superego (acima do eu). Parte da psique que se desenvolve a partir do ego e que serve como repositório de códigos morais, padrões de conduta e inibições que funcionam como consciência, auto-observação e formação de ideais. Ele desenvolve, aperfeiçoa e mantém o código moral de um indivíduo, e também estabelece uma série de orientações que definem e limitam a flexibilidade do ego.

Trabalho do sonho. Processo de distorção, seleção, inversão, deslocamento, transformação ou outras modificações de um desejo original para torná-lo aceitável ao ego, mesmo que o desejo original não o seja. Transferência. Na terapia, processo pelo qual atitudes, idéias e características físicas que pertencem a pessoas do passado do paciente são trazidos ao relacionamento com a "tela vazia" do terapeuta. A transferência coloca os eventos do passado em um novo contexto que pode promover a compreensão.

BIBLIOGRAFIA COMENTADA Livros de Freud
Freud, S. The interpretation of dreams. Em J. Strachey (Ed. e Trad.) The standard edition ofthe complete psychologkal works ofSigmund Freud (Vols. 4, 5 de 24). Hogarth Press, 1953-1966. (Originalmente publicado em 1900.) A seu respeito, Freud comentou em 1931: "Ele contém, mesmo com minha avaliação atual, as mais valiosas de todas as descobertas que tive a sorte de fazer". Nós concordamos. O melhor de Freud. Leiao para apreciar seu gênio intuitivo e seu estilo de escrita. A maioria dos textos de Freud podem ser encontrados em uma variedade de edições econômicas. . Introductory lectures on psycho-analysis. Em Standard edition (Vols. 15 e 16). (Originalmente publicado em 1916.) Dois cursos de conferências proferidas na Universidade de Viena. A primeira parte do livro não exige nenhum conhecimento do assunto; a segunda parte exige familiaridade com a primeira. Conferências para estudantes. . (1957). A general selection from the works of Sigmund Freud (John Rickman, Ed.). New York: Doubleday. Um bom conjunto de leituras extraído de diferentes partes da obra de Freud. Outras coletâneas podem ser igualmente boas. Gostamos dessa. (1963). Three case histories. New York: Collier Books. Três casos analisados por Freud. Ele apresenta material dos casos, intercalando-o com sua teoria em desenvolvimento. Este é o modo mais preciso de ver Freud em ação a partir de seus escritos.

Livros sobre Freud e suas idéias
Crews, R. (1998). Unaulhorized Freud: Douhters confront a legend. New York: Viking Penguin. Se você realmente deseja rejeitar Freud e tudo que ele escreveu ou pensou, esse livro lhe proporcio-

PERSONALIDADE E CRESCIMENTO PESSOAL nará infindável prazer e todos os argumentos que você precisa para sustentar sua posição. Gay, P. (1988). Freud: a lifefor our time. New York: W. W. Norton. A melhor biografia de Freud disponível. Gay não ataca nem defende Freud, evitando a subjetividade, que é o defeito da maioria das outras biografias. Ele compreende a época, bem como o homem. Hall, CS. (1954). A primer of Freudian psychology. New York: New American Library (Mentor Books). Uma breve, legível e lúcida exposição das principais características das teorias freudianas. Compacta e precisa. A melhor introdução fácil disponível. Hall, C, e Lindzey, G. (1968). The relevance of Freudian psychology and related viewpoints for the social sciences. Em G. Lindzey e E. Arronson (Eds.), lhe handbook of social psychology (2* ed.). Menlo Park, CA: AddisonWesley Um resumo de nível intermediário do pensamento psicanalítico, com ênfase em sua importância para a psicologia social; uma abordagem mais teórica do que clínica. Rapaport, D. (1959). The structure of psychoanalytic theory. Em S. Koch (Ed.), Psychoíogy: the study of a science: Vol. 3. Formulations of lhe person and Lhe social amiext. New York: McGraw-Hill. Uma das exposições teóricas mais sofisticadas e completas do pensamento psicanalítico. Não indicado para os pusilânimes. Roazen, Ê (1993). Meeting Freud's family. Amherst: University of Massachusetts Press. Bom divertimento para aqueles que se interessam pelas estranhas e muitas vezes bobas histórias sobre os relacionamentos no cerne do mundo psicanalítico e também no ambiente doméstico de Freud. Sulloway, F (1979). Freud, biologist of the mind: Deyond the psychoanalytic legend. New York: Basic Books. Sugere que Freud estava mais alinhado com a biologia do que com a psicologia. Uma perspectiva mais humana e menos heróica dele do que o comum, firmemente embasada em documentos históricos. Discorda de Ernest Jones em questões de realidade e de opinião. Inúmeras referências.

5 7

dos anos e de culturas. Sua reavaliação sensata das idéias básicas de Freud e de como elas foram expressadas e compreendidas pela primeira vez é um novo olhar, que enfatiza a utilidade. Levenson, E., e Mitchell, S. (1988). Relational concepts in psychoanalysis: An integration. Cambridge, MA: Harvard University Press. Uma tentativa corajosa e muitas vezes convincente de integrar diversos desenvolvimentos da psicanálise tradicional, incluindo a psicologia àoself, a psicanálise existencial, as teorias das relações objetais e a psicanálise interpessoal. Não indicado para os pusilânimes. Schafer, R. (1983). The analytic attitude. New York: Basic Books. Uma exploração das operações internas da mente do analista durante a própria terapia, de autoria de um professor de psiquiatria do Centro Médico de T r e i n a m e n t o e Pesquisa Psicanalíticos da Columbia University. Amplamente lido, utilizado e elogiado por profissionais.

Livros psicanalíticos sobre mulheres
Jordan, J., Kaplan, A., Miller, J., Striver, I., e Surrey, J. ( 1 9 9 1 ) . Woman's growlh in connection. New York: Guilford Press. Estes são os melhores autores pós-freudianos que escrevem sobre as mulheres. Não restrito a questões psicanalíticas. Mitchell, J. (1974). Psychoanalysis andfeminism. New York: Pantheon. Mitchell explora a fundo a utilidade da teoria psicanalítica como auxílio para a compreensão da psicologia feminina na sociedade ocidental, dominada pelos homens. Mitchell é decidida e declaradamente feminista, e é enquanto feminista que ela examina a psicanálise como proposta por Freud e por diversos pensadores depois de Freud. Uma análise crítica das diversas críticas feministas destas mesmas teorias especialmente da psicanálise - é oferecida. Ruitenbeck, H. (Ed.). (1966). Psychoanalysis andfernale sexuality. NewHaven, CT: College and University Press. Uma coletânea de textos psicanalíticos sobre sex u a l i d a d e feminina. Inclui ensaios de J o n e s , Thompson, Horney, Freud, Grenacre, Riviere e, um pouco surpreendentemente, Maslow.

Livros sobre psicanálise
Bergman, M., e Hartman, F (Eds.). (1976).Theevolution of psychoanalytic lechnique. New York: Basic Books. Artigos compilados da primeira onda de movimentos e mudanças, surgidas a partir do pensamento original de Freud. O trabalho daqueles que achavam que tinham permanecido no "rebanho". Os colaboradores incluem Erikson, Fenichel, Ferenczi, Alexander e Reich. (1972). Thefallacy of underslanding. An inquiry into the changing structure of psychoanalysis. New York: Basic Books. Uma reflexão agradável sobre nosso modo de ver e interpretar a obra de Freud com o distanciamento

ENDEREÇOS NA INTERNET
Resumos das obras psicológicas completas de Sigmund Freud http://nyfreudian.org/abstracts/ Versão digital dos resumos da edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Descrições minuciosas. Muito útil. Sigmund Freud e os Arquivos de Freud http://users.rcn.com/brill/freudarc.html

5 8

JAMES FADIMAN & ROBERT FRAGER

Site central com links para a maioria dos outros sites úteis sobre Freud. Sala de c o n v e r s a s o b r e Freud http://www.human-nature.com/esterson/index.html Um site aprazível para ver uma briga entre dois freudianos. Bem-escrito e documentado, é indicativo da paixão que ainda cerca grande parte do legado freudiano.

Freud, A. (1936), Theego and lhe mechanisnu; ofdefense. London: Hogarth Press. Freud, Ernest (Ed.). (1992). Letters of Sigmund Freud. New York: Dover Publications. Freud, S. The neuro-psychoses ofdefense. In J. Strachey (Ed. e Trad.), The standard edition of the complete psychological works of Sigmund Freud (Vol. 3). London: Hogarth Press, 1953-1966. (Originalmente publicado em 1894.) The interpretation of dreams. In Standard edition (Vols. 4,5). (Originalmente publicado em 1900.) The psychopathology of cveryday life. In Standard edition (Vol. 6). (Originalmente publicado em 1901.) . Three essays on the theory of sexuality. In Standardedilion (Vol. 7). (Originalmente publicado em 1905a.) Fragment o f a n analysis of a case of hysteria. In Standard edition (Vol. 8). (Originalmente publicado em 1905b.) . Psycho-analysis and the establishment of the facts in legal proceedings. In Standard edition (Vol. 9). (Originalmente publicado em 1906.) Obsessive actions and religious practices. In Standai-d edition (Vol. 9). (Originalmente publicado em 1907.) . Notes upon a case of obsessional neurosis. In Standard edition (Vol. 10). (Originalmente publicado em 1909.) . Five lectures on psycho-analysis. In Standard edition .(Vol. 11). (Originalmente publicado em 1910.) Formulations on the two principies of mental functioning. In Standard edition (Vol. 12). (Originalmente publicado em 1911.) On the history ofthe psycho-analytic movement. In Standard edition (Vol. 14). (Originalmente publicado em 1914.) Introductory lectures on psycho-analysis (Part III). In Standard edition (Vol. 16). (Originalmente publicado em 1916.) On the transformations of instinct, as exemplified in anal eroticism. In Standard edition (Vol. 17). (Originalmente publicado em 1917.) Lines ofadvance in psycho-analytic üherapy In Sro/idard edition (Vol. 17). (Originalmente publicado em 1919.) Beyond the pleasure principie. In Standard edition (Vol. 18). (Originalmente publicado em 1920.) Two encyclopedia articles. In Standard edition (Vol. 18). (Originalmente publicado em 1923.) . An autobiographical study. In Standard edition (Vol. 20). (Originalmente publicado em 1925a.) (Também, Autobiography. New York: Norton, 1935.) Some psychical consequences ofthe anatomical distinctions between the sexes. In Standard edition (Vol. 19). (Originalmente publicado em 1925b.) The question of lay analysis. In Standard edition (Vol. 20). (Originalmente publicado em 1926.) . Civilization and its discontents. In Standard edition (Vol. 21). (Originalmente publicado em 1930.)

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Auden, W H. (1945). The collectedpoeins ofW. II. Âuden. New York: Random Ho use. Benjamin, L., Dixon, D. (1996). Dream analysis by mail: An American w o m a n seeks Freud's advice. American Psychologist, 51 (5), 461-468. Bettelheim, B. (1982, March 1). Reflections: Freud and the soul. The New Yorker, p. 52-93. Bonaparte, M. (Ed.). (1954). The origins of psychoanalysis: Lelters to Wilhelm Fliess. London: Imago. Breuer, J., Freud, S. (1953-1966). Studies in hysteria. In J. Strachey (Ed. e Trad.), The standard edition of the complete psychological works of Sigmund Freud (Vol. 2). London: Hogarth Press. (Originalmente publicado em 1895.) Bruner, J. (1956). Freud and the image of man. Partísan Review, 23, 340-347. Byck, R. (Ed.). ( 1 9 7 5 ) . Cocaine papers by Sigmund Freud. New York: New American Library. Carroy, J. (1991). "MyinterpreterwithGermanreaders": Freud and the French history of hypnosis. Psychanalyse à IVniversüé, 26(62), 97-113. Cohen, M. (1982). Putting energy back into Freud. Tese não-publicada, Califórnia Institute of Transpersonal Psychology. Colby, K. M. (195l).Aprimerforpsycholherapists. New York: Ronald Press. Decker, H. (1991). Freud, Dora, and Vienna 1900. New York: Free Press. Emmanuel, D. (1992). Adevelopmental model ofgirls and women. Progress: Family Systems Research and Therapy, 2(1), 25-40. Farber, L. H. (1966). The ways ofthe wül: Essays toward a psychology and psycho-pathology of will. New York: Harper & Row. Fenichel, O. ( 1 9 4 5 ) . The psychoanalytic theory of neurosis. New York: Norton. Ferenczi, S. (1955). Final conlribulions lo lheproblems and methods ofpsychoanalysis. London: Hogarth Press/ New York: Basic Books. Fliegel, Z. O. (1973). Feminine psychosexual development in Freudian theory: A historical reconstruction. Tlie Psychoanalytic Quarterly, 42(3), 385-408. Fodor, N., Gaynor, F. ( 1 9 5 8 ) . Freud: Diclionary of psychoanalysis. New York: Fawcett Books.

PERSONALIDADE E CRESCIMENTO PESSOAL . New introductory lectures on psycho-analysis. In Standard edition (Vol. 22). (Originalmente publicado em 1933.) (Também, New York: Norton, 1949.) Analysis terminable and interminable. In Standard edition (Vol. 23). (Originalmente publicado em 1937.) . An outline of psycho-analysis. In Standard edition (Vol. 23). (Originalmente publicado em 1940.) (Também, New York: Norton, 1949.) (1950). The origins of psycho-analysis (incluindo 1895, A project for a scientific psychology). London: Hogarth Press. . (1963). The cocahxe papers. Zurich: Duquin Press. (Relatórios não-publicados em Standard edition; originalmente publicados em 1884-1887.) Freud, Sophie. (1998). The baby and the bathwater: Some thoughts on Freud as a postmodernist. Families inSociety, 79(5), 455-464. Fromm, E. (l959).SigmundFreud'smission: An analysis dfhü personality and influence. New York: Harper & Row. Fuller, R. (1992). Biographical origins of psychological ideas: Freud's cocaine studies. Journal of Ilumanistic Psychology, 3 2 ( 3 ) , 67-86. Gay, R (1988). Freud: A lifefor our time. New York: W. W. Norton. Godde, G. (1991a). Freud's philosophical discussion circles in his student years. Jahrbuch der Psychoanalyse, 27,73-113. (1991b). Schopenhauer's anticipation of Freudian meta psychology. Psyche Zeitschrifl fiir Psychoanalyse und Vire Amvendungen, 45(11), 944-1033. Goleman, D. (7 de fevereiro de 1990). Freud's reputation shrinks a little. The New York Times, (c), 1, 4. Grunbaum, A. ( 1 9 9 4 ) . A brief appraisal of FreudV drcam theory. Dreaming, 4 ( 1 ) , 80-82. Halt, R. R. (1965). A review of some of Freud's biological assumptions and their influence on his theories. InN. S. Greenfield & W. C. Lewis (Eds.), Psychoanalysis and current hiological thought. Madison: University of Wisconsin Press. Hamilton, J. (1991). A reconsideration of the FreudTausk-Deutch r e l a t i o n s h i p , Psychoanalytic Review, 78(2), 267-278. Herzog, R (1991). Conscious and unconscious: Freuds dynanüc distinction reconsidered. Madison, CT: International Universities Press. Horney K. (1939). New ways in psychoanalysis. New York: Norton. . (1967). The flight from womanhood. In H. Kelman (Ed.), Feminine psychology. New York: Norton. (Originalmente publicado em 1926.) Jones, E. (1953, 1955, 1957). The life and work of Sigmund Freud (3 Vols.). New York: Basic Books. (1966). Theearlydevelopmentoffemalesexuality. In H. Ruitenbeck (Ed.), Psychoanalysis andfemale sexuality. NewHaven, CT: College and University Press. (Originalmente publicado em 1927.)

59

Kazin, Alfred. (1956). The Freudian Revolution Analyzed, New York Times Magazine, 6 de maio de 1956. Kramer, M., et ai. (1994). 13 book reviews of Freud's TheInterpretation ofDreams. Dreaming, 4(1), 43-88. Krippner, S., e Thompson, A. (1996). A 10-facet model of dreaming applied to dream practices of sixteen Native American cultural groups. Dreaming 6(2), 71-96. Krishna, G. (1974). Higher consciousness: The evolutionary thrust ofkundalini. New York: Julian Press. Kuhn, Phillip. (1998). "A pretty piece of treachery": The strange case of Dr. Stekel and Sigmund Freud. The International Journal of Itychoanalysis, 79(p), 1151-1171. La Planche, J., &Pontalis, J. B. (1973). The languageof psychoanalysis (D. Nicholson-Smith, Trad.). New York: Norton. Lauzan, G. (1962). Sigmund Freud: The man and his theories (P Evans, Trad.). New York: Fawcett. Le Barre, W. (1968). Personality from a psychoanalytic viewpoint. In E. Lothane, Zvi. (1998). The feud between Freud and Ferenczi over love. Amei'ican Journal of Psychoanalysis, 5 8 ( 1 ) , 21-39. Masson, J. (1984). The assault on truth: Freud's suppression of the seduction theory. New York: Farrar, Straus & Giroux. McGuire, W. (Ed.). ( 1 9 7 4 ) . The Freud/Jung lellers. Bollingen Series XCIV. P r i n c e t o n , NJ: P r i n c e t o n University Press. Miller, A. (1984). Thou shalt not he aware. New York: Farrar, Straus & Giroux. Newton, Peter M. (1995). Freud: Fromyouthful dream to midlife crisis. New York: Guilford. Norbeck, D. Price-Williams, & McCord, W. (Eds.). (1997). The study of personality: An interdisciplinary appraisal (p. 6 5 - 8 7 ) . New York: Holt, Rinehart & Winston. 0'Brien, M. (1991). Freud's affair with Minna Bernays: His l e t t e r of J u n e 4, 1 8 9 6 . American Journal of Psychoanalysis, 51(2), 173-184. 0'Flaherty, W. (1984). Dreams, illusions, and other realities. Chicago: University of Chicago Press. Pribram, K. (1962). The neuropsychology of Sigmund Freud. In A. Bachrach (Ed.), Experimental found ations of clinicai psychology (p. 442-468). New York: Basic Books. Pruett, G. E. (1987). The meaning and end of suffering for Freud and the Buddhist tradilion. Lantham, MD: University Press. Richards, Arlene K. ( 1 9 9 9 ) . Freud and feminism: a criticai appraisal. Journal of the American Psychoanalytic Associalion, 47(4), 1213-1237. Roazen, R (1991). Nietzsche and Freud: Two voices from the underground. Psychohislory Review, 7 9(3), 327-349. Rycroft, C. (1972). Wilhelm Reich. New York: Viking Press. Sagan, E. ( 1 9 8 8 ) . Freud, women and morality: The psychology ofgood and evil. New York: Basic Books.

6 0

JAMES FADIMAN & ROBERTFRAGER Sulloway, F (1979). Freud, biologül oflhe mind: Beyond lhe psychoanalytic legend. New York: Basic Books. Thornton, E. M. (1984). The Freudian fallacy. Garden City NY: Dial Press. Twayne/Noland, Richard. W. (1999). Sigmund Freud revisited. New York: Macmillan. Volosinov, V (1987). Freudianism, a criticai sketch (I. R. Titunik, Trad.). Bloomington: Indiana University Press. (Originalmente publicado na Rússia.) Wollheim, R. (1971). Sigmund Freud. New York: Viking Press.

Sand, Rosemarie. (1999). The interpretationofdrearns: Freud and the Western dream tradition. Psychoanalylic Dialogues, 9(6), 725-747. Solms, Mark. ( 1 9 9 8 ) . Controversies in Freud translation. Psychoanalysis and Ilistoiy, 1 (1), 28-43. Steiner, Ricardo. ( 2 0 0 0 ) . Nostaliga for the future; biographies of myths and heros. ..? Remarks on Jones' Freud Biography. Psyche: Zeitschrift fuer Psychoanalyse und ihre Anwendungen. 5 4 ( 3 ) , 242-282. Strachey, J. (Ed. and Trad.). (1953-1966). The standard edition of the complete psychologkal works of Sigmund Freud (Vols. 1-24). London: Hogarth Press.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful