Você está na página 1de 9

1

DOCUMENTO DE TRABALHO

Educação Especial
Inclusiva em Timor-
Leste
Modelo Estratégico para a Fase 1

2009-2011
Frances Gentle
Abril de 2008

CONTEÚDO

Tradução para Português Internacional a partir do original (Inglês da


Austrália) “INCLUSIVE SPECIAL EDUCATION IN TIMOR-LESTE - A STRATEGIC
MODEL FOR PHASE 1 2009-2011” (Gentle, 2008) de Alda Margarida de
Moura Neves Ribeiro de Azevedo & Maria Helena Pio Espadinha (Revisão)
2

INTRODUÇÃO............................................................................................ .....3

SUMÁRIO.............................................................................. ..........................5

1 Metas do Modelo Estratégico....................................................................5

2 Objectivos do Modelo Estratégico.............................................................5

3 Objectivos e Estratégias de Implementação.............................................6

Objectivos................................................................................................6

Estratégias de Implementação.................................................................6
3

INTRODUÇÃO

No final de 2007, foi-me solicitado As contribuições do Irmão Graeme


pela Sra. Kirsty Sword-Gusmão, Leach, co-autor da ‘Estratégia para
‘Embaixadora da Boa Vontade para a o Desenvolvimento da Educação
Educação em Timor-Leste’, a Especial’ (2004), foram recebidas
elaboração de um plano detalhado com muito agrado. Os princípios
para a implementação da primeira subjacentes e as directrizes do
fase da “Estratégia preliminar de modelo apresentado foram
Gentle e Leach (2004) para a orientados pelo seu conhecimento
Educação Especial”. Desde então, e experiência no desenvolvimento
venho desenvolvendo o Modelo de serviços de educação especial
Estratégico para a Educação Especial inclusiva, adquiridos ao longo de 20
Inclusiva, Fase nº. 1, 2009-2011, que anos, na Papua, Nova Guiné.
se apresenta neste documento.
Agradeço à Sra. Sword-Gusmão ter-
O Modelo baseia-se numa visão me proporcionado esta
inclusiva para Educação Especial em oportunidade de contribuir para o
Timor-Leste. A sua finalidade é futuro de novas e estimulantes
desenvolver os serviços educativos políticas para a Educação Especial
existentes de modo a que estes Inclusiva em Timor-Leste.
incluam todas as crianças com
necessidades especiais e suas
famílias, através da introdução de
Frances Gentle
novos serviços, eficientes e
sustentáveis, baseados na escola e na Abril de 2004

comunidade. O Modelo define


objectivos específicos, estratégias e
acções importantes e recomenda
áreas-chave e indicadores de sucesso
que podem ser utilizados para avaliar
o progresso dos resultados atingidos
pelas crianças, famílias e
comunidades.

Espera-se que o Ministro da Educação


e os Bispos das Dioceses de Díli e de
Baucau aceitem analisar o Modelo,
tendo em conta que a implementação
4

das suas várias partes servirá de base


ao ‘Plano Estratégico para a Educação
Especial Inclusiva’ para o período
2009-2011.
5

SUMÁRIO

1 METAS DO MODELO ESTRATÉGICO

1.1.O Modelo Estratégico de Educação Especial Inclusiva tem como


objectivo primordial apresentar um plano nacional para o desenvolvimento
de um serviço nacional de Educação Especial Inclusiva. O modelo assenta
numa parceria entre o Ministério da Educação e a Igreja de Timor-Leste,
baseado em relações de cooperação entre os principais intervenientes
nacionais e parceiros internacionais de desenvolvimento.

1.2. O Modelo é orientado para as soluções e pretende fornecer respostas


inovadoras para a educação da maioria das crianças em idade escolar e
pré-escolar, incluindo as crianças que apresentam necessidades especiais
e que, actualmente, não frequentam a escola. A UNICEF (2006) fez notar
que os serviços educativos devem adoptar outro tipo de abordagens, que
incluam a criação de parcerias, para o desenvolvimento de capacidades
dum sistema de educação inclusivo e de recursos humanos específicos.

2 OBJECTIVOS DO MODELO ESTRATÉGICO

Objectivo 1: Estabelecer uma infra-estrutura governamental administrativa na


qual se possam desenvolver os Serviços de Educação Especial Inclusiva.

Objectivo 2: Estabelecer e implementar um Serviço Nacional de Educação


Especial Inclusiva, eficaz e sustentável, através da alteração das actuais
estruturas do Ministério da Educação, e do estabelecimento de uma nova infra-
estrutura educativa, da contratação de colaboradores e da criação de
programas e serviços para as crianças com necessidades especiais, suas
famílias e comunidades.
6

3 OBJECTIVOS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO

O modelo estratégico tem seis objectivos chave. Cada objectivo é suportado por
estratégias adequadas à sua implementação durante um período de três anos,
2009-2011.

OBJECTIVOS ESTRATÉGIAS DE
IMPLEMENTAÇÃO
O1 PARCERIAS

Estabelecer e manter as parcerias que S1.1 Estabelecer uma estrutura


nacional de educação especial
enriqueçam e desenvolvam as
inclusiva, eficaz, sustentável e
capacidades dos recursos humanos e equitativa, através de parcerias
com os principais intervenientes
das infra-estruturas da educação
nacionais.
especial inclusiva. S1.2 Promover parcerias com
agências internacionais para
promover o capital humano, as
infra-estruturas e os recursos da
educação especial inclusiva
S1.3 estabelecer parcerias com pais e
educadores com vista ao
desenvolvimento e prestação de
serviços da educação especial
inclusiva nas escolas e nas
comunidades.
7

O2 GOVERNO E ADMINISTRAÇÃO

Estabelecer e manter uma LIDERANÇA e S2.1 Estabelecer estruturas


capacidade de gestão fortes, através de organizacionais de acordo com a
estrutura orgânica do Ministério da
uma estrutura financeira transparente Educação e das Direcções
que se traduza num financiamento Regionais de Educação.
S2.2 Estabelecer processos
sustentável e numa elevada qualidade
administrativos e de gestão
dos intervenientes em todos níveis de financeira eficientes e
responsáveis e que vão de
prestação de serviços
encontro às necessidades do
Governo, da Igreja e da equipa da
EI, a todos os níveis.
S2.3 Implementar processos
regulares de monitorização e
revisão para assegurar que
elevados níveis de prestação e de
contabilização sejam parte
integrante da estrutura de serviços
a todos os níveis.

O3 CAPITAL HUMANO

O3.1 Equipa da EI: Desenvolver e S3.1 Atrair e manter uma equipa de


manter colaboradores competentes e qualidade e ética elevadas, capaz
de promover de as melhores
motivados, empenhados nos direitos- práticas de serviços ao nível da
base duma filosofia inclusiva e que educação especial inclusiva.
prestem serviços de elevado nível. S3.3 Proporcionar um conjunto de
oportunidades de desenvolvimento
profissional que permitam à equipa
O3 2 Equipa Escolar: Desenvolver da EI atingir os seus objectivos
uma cultura de escola inclusiva e profissionais.
ambiente de aprendizagem através S3.4 Potenciar oportunidades de
formação profissional através de
do desenvolvimento profissional dos colaborações nacionais e
líderes e funcionários da escola em internacionais.
métodos de ensino e de programação
inclusivos.
8

O4 PROGRAMAS E SERVIÇOS

Estabelecer e manter programas e S4.1 incorporar a Política Nacional da


serviços de educação especial Educação Especial e as suas
directrizes de implementação no
inclusiva, formais e informais, desenvolvimento de todos os
eficazes e sustentáveis, que programas e serviços.
conduzam ao acesso e participação S4.2 Promover soluções flexíveis e
adaptadas às escolas e
equitativa das crianças com comunidades que vão de encontro
necessidades especiais e suas às necessidades educacionais
destas crianças e suas
famílias à escola e à comunidade. famílias/educadores.
S4.3 Sempre que possível, integrar os
programas e serviços da educação
especial inclusiva em programas e
serviços educacionais já
existentes.

05 GESTÃO DA INVESTIGAÇÃO,
INOVAÇÃO E CONHECIMENTO

Estabelecer mecanismos para S5.1 investigar soluções globais para


implementar a investigação, a implementação de serviços de
educação especial inclusiva em
compilação e divulgação dos dados países que enfrentam desafios de
da educação especial inclusiva que limitação de capacidade humana,
de infra-estruturas e de recursos
fundamentem a prestação de serviços na educação.
de qualidade aos níveis nacional, S5.2 Estabelecer um sistema de
regional e de escola. informação nacional para
compilação e divulgação de
informação e dados relacionados
com a EI
S5.3 Definir prioridades nacionais
para a investigação em educação
especial inclusiva.
9

O6 CONSCIENCIALIZAÇÃO PÚBLICA E
ENVOLVIMENTO

Incrementar o envolvimento e o S6.1 Implementar estratégias de


acesso à educação de crianças com consciencialização pública no
sentido de promover os novos
necessidades especiais e suas serviços de educação especial
famílias, aumentando a consciência, a inclusiva e estimular a procura
pela educação.
compreensão e inter-ajuda entre os
S6.2 Envolver os pais e famílias,
pais e as entidades intervenientes através da partilha de informação,
sobre o potencial da educação para de modo a tornarem-se
intervenientes activos no processo
todas as crianças. de administração e gestão dos
serviços de educação especial
inclusiva.
S6.3 Promover a participação dos
pais e da comunidade no
desenvolvimento e implementação
dos programas e serviços
comunitários, formais e informais.