Você está na página 1de 1
3 Abril 2009 5 REINO UNIDO Banco HSBC vai despedir 1200 Oxford ganha regata Vinho servido
3 Abril 2009
5
REINO UNIDO
Banco HSBC vai despedir 1200
Oxford ganha regata
Vinho servido em taças mais pequenas
O banco HSBC pretende demitir 1.200 trabalhadores no Reino
Unido, o que equivale a 2% da sua força laboral no país. O
banco, que emprega 58 mil funcionários no Reino Unido,
informou que os despedimentos vão atingir os funcionários dos
serviços administrativos e de informática. “Temos de adoptar
decisões difíceis para nos adaptarmos ao contexto e garantir que
permanecemos em boa posição para o futuro”, afirmou Paul
Thurston, que dirige as actividades no Reino Unido. O “Financial
Times”, diz que o banco vai fechar 800 agências nos EUA.
A Universidade de Oxford levou
a melhor na edição 2009 da
regata anual com a sua
homóloga de Cambridge, que
teve lugar no Rio Tamisa. O
saldo histórico da prova, que se
disputa desde 1829, num
percurso de 6,8 quilómetros, é
favorável a Cambridge, com 79
vitórias em 155 corridas.
O governo quer obrigar os bares e pubs a oferecer vinho em
taças menores que as utilizadas normalmente, numa tentativa de
combater o consumo de álcool, que preocupa as autoridades de
saúde. Os clientes poderão pedir uma taça de 125 mililitros,
frente às duas medidas usuais de 175 e 250 mililitros (um terço
de garrafa), segundo esses planos, revelados pelo Evening
Standard. O governo reage assim às recomendações de
especialistas em saúde que consideram que, com as medidas
actuais, os clientes consomem mais álcool do que deveriam.
DESPESAS INCLUIAM FILMES PORNO PARAO MARIDO Ministra do Interior gasta que se farta! Richard Timney, o
DESPESAS INCLUIAM FILMES PORNO PARAO MARIDO
Ministra do Interior
gasta que se farta!
Richard Timney, o marido que
gosta de ver filmes porno
A ministra do Interior britânica, Jacqui Smith, gastou quase 25 mil euros de dinheiros
públicos em despesas domésticas, revelou o Parlamento. A conta inclui dois filmes
pornográficos vistos pelo seu marido e assistente, pagos pelos contribuintes. O caso
está a envergonhar Gordon Brown já que esta semana vai ser anfitrião da cimeira do
G20 e receber, entre outros líderes, o Presidente americano Barack Obama.

J acqui Smith - que é ministra e deputada, prática corrente no Reino Unido - aproveitou o subsídio para parlamentares moradores fora de Londres de forma considerada pouco ética, embora legal. Está sob investigação parlamentar pela forma como utiliza dinheiro público para fins privados. Em causa está o subsídio de custos adicionais,

criado para compensar os deputados não-londrinos por terem de trabalhar na capital e no círculo político pelo qual foram eleitos. A maioria usa esse

dinheiro - que tem um tecto máximo de 23 083 libras (24 875 euros) - para manter uma segunda casa na capital, perto do Parlamento. Smith fica em casa de uma irmã, em Londres, e considera “segunda casa” a sua moradia de Redditch, no condado de Worcestershire, onde vivem o marido e os filhos. Em resultado, todos os gastos relativos a essa residência são suportados pelos contribuintes. O marido da ministra, Richard Timney, é também seu assistente, com um salário anual de 40 mil libras (43 mil euros). Entre outras funções, envia ao Parlamento as facturas das despesas que a ministra pode reclamar ao Estado. Em Junho de 2008, Timney incluiu nessas ajudas de custo 67 libras (72 euros) de uma subscrição de televisão por cabo, que incluía dois filmes pornográficos, a cinco libras cada, além de “Ocean’s 13” e “Dia de Surf”. Os filmes foram vistos pelo marido em Abril do ano passado, em Redditch, enquanto a ministra estava em Londres. A ministra, muito criticada pela oposição e pelos jornais, pediu desculpa e explicou que “foi por engano” que incluiu a TV por cabo nas ajudas de custo, pois só pretendia apresentar a conta da Internet. Smith prometeu devolver o dinheiro. Embora as facturas fossem entregues por Timney, a ministra tinha de as assinar, declarando tratar-se de despesas ligadas ao cargo que ocupa. No ano parlamentar 2007/2008, Smith gastou 22 948 libras (24 759 euros) de dinheiros públicos na casa de Redditch, revelou a Câmara dos Comuns. Do lava-loiças à rolha da banheira, escreve o diário “Daily Mail”, nada foi comprado com o salário da ministra (141 866 libras por ano, isto é, mais de 153 mil euros), mas com o subsídio de custos adicionais. Somando às despesas de casa as viagens, os gastos do gabinete e o pessoal, Smith gastou 157 631 libras (170 mil euros). Este valor, que inclui 25 deslocações de Timney, é superior aos subsídios de gastos adicionais de Gordon Brown (124 mil libras) e do líder conservador David Cameron (149 mil libras).

Mais de um milhão de facturas em análise

A factura da polémica, aceite sem problemas pelo departamento de contas da Câmara dos Comuns, foi mais tarde incluída num lote de mais de um milhão, que vários juízes pediram aos deputados no âmbito de uma

campanha pela liberdade de informação. Vários deputados pedem, agora, que a polícia averigúe como a factura da ministra chegou às mãos dos jornalistas. Temem que haja alguém infiltrado no departamento de contas ou que um dossiê tenha sido roubado. O primeiro-ministro defendeu a ministra, argumentando que se trata de um “problema pessoal”. Recusou-se a demiti-la e elogiou o seu trabalho. Cameron não exigiu a exoneração de Smith, mas criticou Brown por não ter cumprido a promessa de mudar as regras do subsídio de gastos

adicionais. “Só vai revê-las em Setembro (

...

)

é uma desgraça. Temos de

A ministra, que foi muito dura quanto à indústria do sexo, vê-se agora “atraiçoada” pelo marido
A ministra, que foi
muito dura quanto
à indústria do sexo,
vê-se agora
“atraiçoada”
pelo marido

avançar, rever as regras rapidamente, já, resolver o problema e chegar a uma resposta”. Ainda assim, a generalidade dos jornais britânicos não aposta muito no futuro político de Jacqui Smith, admitindo-se que possa ser substituída na altura das eleições europeias. O caso dos filmes é caricato para uma ministra que foi dura com a indústria do sexo e tentou, inclusive, fechar clubes de dança erótica e strip-tease. Quanto ao marido, de quem os amigos dizem que “irá dormir no sofá por muito tempo”, deixou a profissão de engenheiro em 1997, quando Smith foi eleita deputada. Em Dezembro do ano passado, descobriu-se que Timney escrevia cartas com pseudónimo a jornais locais de Worcestershire, a elogiar a política da mulher. O austero Gordon Brown, filho de um pastor presbiteriano, tem motivos acrescidos para se preocupar, num momento em que os conservadores lideram as sondagens. Jacqui Smith é o segundo membro do Governo cujos subsídios são investigado, depois do ministro do Emprego, Tony McNulty. Este recebia milhares de libras para manter uma casa em Harrow East, a sua circunscrição eleitoral, que fica fora de Londres, mas meros oito quilómetros do Parlamento, explica a BBC. McNulty vive noutra casa, em Londres, e só aos fins-de-semana vai à casa de Harrow East, ocupada pelos seus pais.

  • RESPONSÁVEL PELA CRISE

Bens do presidente do Royal Bank of Scotland atacados por pessoas

A mansão e o Mercedes de Fred Goodwin, antigo presidente executivo do Royal Bank of Scotland, foram atacados por um grupo de pessoas. O ataque foi interpretado como uma reacção ao papel deste responsável na origem da crise que levou o Reino Unido à recessão e a um forte aumento do desemprego. O descontentamento aumentou quando a imprensa anunciou que Goodwin vai receber uma pensão anual de 700 mil libras (770 mil euros) depois de ter saído do RBS, apesar de ter deixado a instituição com um prejuízo de 24,1 mil milhões de libras em 2008. Para evitar a falência do banco, o Governo britânico teve intervir e ficar com uma participação minoritária no banco. Depois de se conhecerem os valores da pensão, que poderá alcançar os 20 milhões de libras, o Governo pediu ao banqueiro que renuncie a estes pagamentos e o primeiro ministro, Gordon Brown, qualificou-os de “inaceitáveis”. Goodwin recusou, alegando que o seu contrato lhe dá direito a receber esse prémiose que já renunciou a uma parte do seu último salário, para além de ter perdido cerca de 5 milhões de libras com a queda das acções do RBS. Até ao ano passado, Goodwin era um dos banqueiros mais influentes do Reino Unido, tendo recebido mesmo o título de ‘Sir’ proposto pelo Governo.

3 Abril 2009 5 REINO UNIDO Banco HSBC vai despedir 1200 Oxford ganha regata Vinho servido
  • “Sir” Fred Goodwin em maus lençóis