Você está na página 1de 7

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

Que entre si celebram, de um lado,

SINDICATO DOS AEROVIÁRIOS DE PORTO ALEGRE, com sede


na Rua Augusto Severo, 82 - Porto Alegre – RS, CEP
90.240-480, CNPJ/MF nº 92.248.210/0001-11, neste ato
representado por seu Diretor Presidente, Sr. Celso
André Klafke.

SINDICATO NACIONAL DOS AEROVIÁRIOS, com sede na Av.


Presidente Wilson, 210 – 5º andar, Rio de Janeiro,
RJ, CEP 20.030-021, CNPJ nº 33.814.401/001-34, neste
ato representado por seu Presidente, Sr. Fernando
Galdino da Silva.

E de outro lado,

TAP MANUTENÇÃO E ENGENHARIA BRASIL S.A., com sede na


Av. das Canárias, nº 1862, Galeão/Ilha do Governador,
Rio de Janeiro, RJ,. neste ato representado por seu
Diretor Presidente, Sr. NESTOR MAURO KOCH, e por sua
Diretora Administrativa-Financeira, Sra. GLAUCIA
CRISTINA DA CUNHA LOUREIRO.

Que reger-se-á pelas seguintes cláusulas:

01 – ABRANGÊNCIA

As condições estabelecidas no presente Acordo Coletivo de Trabalho


vigorarão para todos os funcionários aeroviários adstritos ao
SINDICATO DOS AEROVIÁRIOS DE PORTO ALEGRE, com base territorial em
Porto Alegre, obedecida a conceituação da profissão, conforme o
disposto no Decreto nº 1.232, de 23 de junho de 1962.

02 – VIGÊNCIA

O presente acordo entrará em vigor a partir do dia 01/04/09 e


vigorará pelo prazo de 105 dias, prorrogáveis por igual período
mediante comprovação da empresa aos funcionários de sua
necessidade financeira, através de aprovação em nova Assembléia.

03 – ESTABILIDADE DE EMPREGO

Será concedida estabilidade de emprego, a todos os funcionários, a


partir do dia 01/04/09, por um período de 6 meses, prorrogável por
igual período. A prorrogação ficará condicionada tão somente à
prorrogação concomitante contida na cláusula anterior.
04 – REDUÇÃO MENSAL

Todos os funcionários terão mensalmente uma redução da


remuneração, pelo período de 05 meses, a partir de 01/04/09,
conforme tabela abaixo.

No. FAIXA SALARIAL REDUÇÃO


FAIXA SALÁRIO
01 Até 1.300,00 130,00
02 De 1.300,01 até 2.866,00 260,00
03 De 2.866,01 até 3.586,00 320,00
04 De 3.586,01 até 4.530,00 390,00
05 De 4.530,01 até 5.089,00 430,00
06 De 5.089,01 até 5.795,00 450,00
07 De 5.795,01 até 7.239,00 520,00
08 De 7.239,01 até 10.000,00 590,00
09 Acima de 10.000,00 640,00

4.1. Para fins de definição, a remuneração é composta das


seguintes rubricas: Ordenado + Gratificações + Antiguidade +
Periculosidade, excluída Insalubridade.

05 – REDUÇÃO SALARIAL E DE JORNADA

Sobre o valor da remuneração reduzida, conforme item 04, será


feita a Redução Salarial; visando minimizar o impacto no orçamento
mensal dos funcionários, a redução salarial do período a partir de
01/04/09 até 15/07/09 será descontada em 05 meses e, nos mesmos
moldes,no caso de prorrogação do ACT, período a partir de 16/07/09
até 29/10/09, de modo não cumulativo.

5.1. Para fins de aplicação das tabelas progressivas deste item,


deverá ser utilizada a remuneração do item 4.1.

5.2. FUNCIONÁRIOS COM CARGA DE 210 HORAS

No. REDUÇÃO REDUÇÃO


FAIXA FAIXA SALARIAL SALÁRIO JORNADA

01 Até 900,00 0% 20%


02 De 900,01 até 1.230,00 0% 15%
03 De 1.230,01 até 2.866,00 0% 10%
04 De 2.866,01 até 3.586,00 6% 16%
05 De 3.586,01 até 5.000,00 13% 25%
06 Acima de 5.000,00 18% 25%

5.3. DAS FAIXAS SALARIAIS

As faixas salariais da tabela do item 5.1. serão reduzidas da


seguinte forma:

2
Faixas 1 a 3, Os funcionários com salários nesta faixa estão
isentos da redução de Salário.

Faixa 4, Para a redução de Jornada de 16% e Salário de 6% será


considerado como base de cálculo o total da remuneração, excluído
o Adicional de Insalubridade. Visando minimizar o impacto
financeiro mensal, estaremos dividindo o valor da redução em 5
parcelas, reduzindo o desconto efetivo médio mensal de 6% para 4%.

Faixa 5, Para a redução de Jornada de 25% e Salário de 13% será


considerado como base de cálculo o total da remuneração, excluído
o Adicional de Insalubridade. Visando minimizar o impacto
financeiro mensal, estaremos dividindo o valor da redução em 5
parcelas, reduzindo o desconto efetivo médio mensal de 13% para
8%.

Faixa 6, Para a redução de Jornada de 25% e Salário de 18% será


considerado como base de cálculo o total da remuneração, excluído
o Adicional de Insalubridade. Visando minimizar o impacto
financeiro mensal, estaremos dividindo o valor da redução em 5
parcelas, reduzindo o desconto efetivo médio mensal de 18% para
12%.

5.4. Fica assegurado pelo presente ACT que a redução salarial de


cada funcionário não ultrapassará a razão de 25% da remuneração
mensal.

5.5. FUNCIONÁRIOS COM CARGA DE 180 HORAS

REDUÇÃO REDUÇÃO
No. FAIXA SALARIAL SALÁRIO JORNADA
FAIXA
01 Até 900,00 0% 20%
02 De 900,01 até 2.500,00 0% 15%
03 Acima de 2.500,00 0% 10%

5.6. FUNCIONÁRIOS COM ADICIONAL NOTURNO MAIOR QUE 3(TRÊS) HORAS


DIÁRIAS

REDUÇÃO REDUÇÃO
No. FAIXA SALARIAL SALÁRIO JORNADA
FAIXA
01 Até 900,00 0% 20,00%
02 De 900,01 até 1.286,00 0% 15,00%
03 Acima de 1.286,00 0% 10,00%

06 – ADICIONAL NOTURNO

Na hipótese da empresa suprimir no futuro próximo o horário


noturno e o conseqüente pagamento de adicional noturno, fica

3
assegurado desde logo aos empregados do item 5.5., atingidos por
esta medida a isenção de redução de salário contida no item 5.1. e
5.4.

07 – HORÁRIOS DE JORNADA

A Redução de Jornada será conforme o enquadramento das tabelas do


item 05, seguindo a escala abaixo, ressalvando exceções em que
haja necessidade de adequação do horário.

TURNO MATUTINO VESPERTINO ADMINISTRATIVO

180 HS – REDUÇÃO 10% 7:00 às 14:28 14:22 às 21:50 -


180 HS – REDUÇÃO 15% 7:00 às 14:07 14:43 às 21:50 -
180 HS – REDUÇÃO 20% 7:00 às 13:45 15:05 às 21:50 -
210 HS – REDUÇÃO 10% 7:00 às 15:33 13:17 às 21:50 8:57 às 17:30
210 HS – REDUÇÃO 15% 7:00 às 15:08 13:42 às 21:50 9:22 às 17:30
210HS – REDUÇÃO 16% 7:00 às 15:03 13:47 às 21:50 9:27 às 17:30
210 HS – REDUÇÃO 20% 7:00 às 14:43 14:07 às 21:50 9:47 às 17:30
210 HS – REDUÇÃO 25% 7:00 às 14:18 14:32 às 21:50 10:12 às 17:30

08 – HORAS NÃO LABORADAS

Durante a vigência do presente ACT, para atender a demanda de


produção, sem prejudicar o processo de Redução de Jornada de
Trabalho, as horas que não forem laboradas dentro do horário de
jornada já reduzido (as “horas negativas” ou, individualmente,
“hora negativa”), ficarão em um banco de horas, específico para
esse ACT.

8.1. As horas extras negativas decorrentes deste ACT serão objeto


de compensação no curso do período de vigência deste ACT, à razão
de 2 (duas) horas ociosas para 1(uma) trabalhada.

8.2. Caso não ocorra a quitação das horas negativas decorrentes


deste ACT durante a sua vigência, a empresa poderá realizar a
compensação em até 45 (quarenta e cinco) dias após o término do
presente ACT. Em caso de prorrogação do ACT, o prazo para
compensação de eventuais horas negativas de até 90 (noventa) dias,
contados após o término da prorrogação do ACT.

8.3. Ao final do prazo de vigência do presente ACT ou, após o


término da vigência de sua prorrogação, será informado a todos os
funcionários o saldo atual do Banco de Horas do ACT, para
compensação no prazo do item 8.2. acima.

4
8.4. Caso não haja a quitação do Banco de Horas do ACT no período
de vigência do ACT e do item 8.2., a empresa dará automaticamente
quitação total ao Banco de Horas do ACT.

8.5. Durante a jornada reduzida do presente ACT não haverá labor


extraordinário. Em havendo excepcionalmente necessidade do labor
extraordinário, as horas extraordinárias serão remuneradas nos
moldes da CCT em vigor e do art. 4º da Lei nº 4.923/1965.

8.6. O Banco de Horas decorrente deste ACT não se confunde com o


Banco de Horas já existente na empresa, ficando este segundo
suspenso durante a vigência deste ACT, ficando, ainda, assegurado
aos empregados todas as horas e direitos dele decorrentes. O saldo
de ambos os Bancos de Horas estará disponível no contracheque dos
funcionários.

09 – DOS REFLEXOS

A Redução de jornada com Redução de Salário, não afetará a


qualquer tempo os cálculos de férias, 13º salário, Cesta Básica,
UNIMED.

9.1. Por ocasião do término do contrato de trabalho (durante ou


após a vigência deste ACT), será assegurado ao trabalhador o
recebimento das verbas rescisórias calculadas sem levar em conta
as reduções previstas neste ACT.

9.2. Quando da aplicação para aposentadoria, serão devolvidos os


valores reduzidos durante a vigência deste ACT, de forma a não
comprometer o cálculo da média que será utilizada para definição
do valor total das parcelas de aposentadoria, assegurado de
qualquer modo a mantença da média de cálculo da contribuição
previdenciária.

10 – INTERVALO PARA ALMOÇO E CAFÉ

Durante a vigência do ACT, todos os funcionários terão intervalo


de 01 (uma) hora para descanso/refeição computado dentro da
jornada de trabalho, ficando suspenso, para todos os funcionários,
o intervalo de 15 (quinze) minutos para café.

11 – PROJETO PASSIVO TRIBUTÁRIO

Caso seja celebrado o “Acordo de Conversão do Passivo Tributário


em Homem Hora”, o presente ACT será imediatamente extinto e, no
prazo de 48 (quarenta e oito) horas, o valor da totalidade dos
descontos efetuados neste ACT será devolvido aos funcionários
mediante abono salarial.

5
12 – PLANO DE INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO

Para os funcionários que se interessarem, será aberto um Plano de


Interrupção do Contrato de Trabalho, por um prazo de 105 dias,
prorrogável por igual período. Esta proposta consiste no pagamento
de 30% do salário base com interrupção da jornada integral. Serão
aceitas as adesões até o limite de 200 funcionários, para as
inscrições realizadas até 30 dias após a assinatura do acordo.

12.1. Todos os funcionários que aderirem ao Plano de Interrupção


do Contrato de Trabalho, ficarão excluídos dos itens 04, 05 e 13
do presente ACT.

13 – VALE ALIMENTAÇÃO

Será concedido, a todos os funcionários, salvo os funcionários que


aderirem ao item 12, um Vale Alimentação adicional, conforme
tabela abaixo, por um período de 5 (cinco) meses, a partir de
01/04/09 e, no caso de prorrogação, por mais 5 (cinco) meses, de
modo não cumulativo.

No. FAIXA SALARIAL VALE


FAIXA ALIMENTAÇÃO
01 Até 1.300,00 130,00
02 De 1.300,01 até 2.866,00 260,00
03 De 2.866,01 até 3.586,00 320,00
04 De 3.586,01 até 4.530,00 390,00
05 De 4.530,01 até 5.089,00 430,00
06 De 5.089,01 até 5.795,00 450,00
07 De 5.795,01 até 7.239,00 520,00
08 De 7.239,01 até 10.000,00 590,00
09 Acima de 10.000,00 640,00

14 – PLANO DE PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS

Será implementado um Programa de Participação nos lucros para o


ano de 2010, extensivo a todos os funcionários, cujos detalhes
serão estudados a partir de Março de 2010 com conclusão prevista
para Julho de 2010.

15 – EMPRÉSTIMO CONSIGNADO

Além disso, por ocasião da assinatura do acordo, será liberada a


operação de empréstimo consignado aos funcionários junto a uma
Instituição Financeira, com desconto previsto em folha de
pagamento.

6
16 – CONCESSÃO DE PASSAGENS

Na mesma data, também serão implementadas as práticas de concessão


de passagens TAP, extensiva a todos os funcionários, nos termos
definidos em regulamento específico.

17 – PLANO DE CARREIRA

Ratificamos que o Plano de Carreira está em desenvolvimento e sua


data para implementação é a partir de 01/10/09.

Porto Alegre, 26 de março de 2009.

SINDICATO DOS AEROVIÁRIOS DE PORTO ALEGRE


Celso André Klafke
Diretor Presidente

SINDICATO NACIONAL DOS AEROVIÁRIOS


Fernando Galdino da Silva
Presidente

TAP MANUTENÇÃO E ENGENHARIA BRASIL S.A.


NESTOR MAURO KOCH
Diretor Presidente

TAP MANUTENÇÃO E ENGENHARIA BRASIL S.A.


GLAUCIA CRISTINA DA CUNHA LOUREIRO
Diretora Administrativa-Financeira