Você está na página 1de 30

Projetos de Fontes Chaveadas

1ª Parte: Introdução e
Elementos Magnéticos
Prof. M. Eng. Victor Leonardo Yoshimura
CEFET/MT – DAE-E – CCSTAC
Introdução
 Equipamentos que se destinam a fornecer
uma tensão constante (cc ou ca), utilizando,
em seus estágios de potência, transistores nas
regiões de corte e saturação (chaves).
 As topologias usadas foram estudadas
anteriormente, mas existem outras
interessantes, sobretudo aquelas que
propiciam comutações suaves.
2
Elementos de Projeto
 Retificador de entrada;
 Topologia do conversor (buck, boost, etc.);
 Escolha dos semicondutores de potência;
 Cálculo térmico;
 Projeto de elementos magnéticos (indutores e
transformadores);
 Circuito de comando;
3
Elementos de Projeto
 Circuito de controle;
 Fonte auxiliar;
 Circuitos de proteção (descargas atmosféricas,
surtos de rede, “snubbers”, “clampers”, etc.);
 CI gerador de PWM;
 Confecção de placa de circuito impresso;
 Filtro para supressão de interferência
radioelétrica.
4
Projeto de Elementos Magnéticos
 São fabricados diversos modelos de núcleos
para indutores e transformadores;
 Formatos mais comuns: “E”, “C”, toroidal e
pote;
 Para correntes de alta freqüência, é utilizado o
ferrite como material para o núcleo, devido às
baixas perdas com relação ao ferro-silício;

5
Projeto de Elementos Magnéticos
 Para elementos magnéticos de potência, é
mais utilizado o núcleo tipo “E”;
 Para transformadores de pulso de circuitos de
comando, é mais comum o uso de núcleos
toroidais;
 Para a escolha do núcleo “E”, é muito
utilizado o método do produto de áreas.

6
Núcleo “E”

7
Método do Produto de Áreas
 A área da secção transversal da perna central
do núcleo (Ae) é calculada com a Lei de
Faraday:
dB (t )
v (t ) = − N . Ae
dt
 Para indutores, devemos lembrar da relação:
L.I lp
Φ máx = L.I lp = N .B p . Ae ⇒ Ae =
N .B p

 Onde Bp<0,3T.
8
Método do Produto de Áreas
 Para a determinação da área da janela, utiliza-
se a expressão da densidade de corrente.
N .I lef
J=
k . Aw

 Onde “k” é o fator de ocupação da janela,


valor entre 0,3 e 0,4 e “J” não deve ser
superior a 400A/cm2.
 Para transformadores, deve-se ter o cuidado
de refazer o cálculo para cada enrolamento.
9
Método do Produto de Áreas
 Após a escolha do núcleo e de posse dos valores de
Ae e Aw, deve-se calcular o número de espiras de
cada enrolamento.
 Para indutores, deve-se utilizar a expressão da
relutância:
lg
N= L.ℜ ℜ ≈
µ o . Ae
 Deve-se lembrar que alguns núcleos já vêm com
entreferro.
10
Método do Produto de Áreas
 Deve-se calcular o número de fios de cobre
necessário voltando à expressão da densidade de
corrente.
 O efeito “skin” (pelicular) pode ser minimizado se o
raio dos fios utilizados for inferior a [5]:
1 6,6
rskin = ≈ [cm]
π .µ .σ . f f

 Deve-se verificar a ocupação da janela do núcleo,


não esquecendo da área ocupada pelo carretel.
11
Método do Produto de Áreas:
Efeito “Skin” (pelicular)
 É a concentração da
corrente na periferia do
condutor devido às
correntes variantes no
tempo;
 Após o cálculo do raio
máximo, calcula-se o
número de fios em
paralelo necessários;
 Há, ainda, o efeito de
proximidade.
12
Método do Produto de Áreas:
Cobre e Isolante em um Condutor
 Para o cálculo do
número de condutores,
usa-se a área de cobre;
 Para a ocupação da
janela, usa-se a área
com isolante;
 O isolante causa uma
perda de área de janela.

13
Método do Produto de Áreas
 Deve-se calcular o aquecimento do
transformador ou indutor.
 O aquecimento não deve atingir a temperatura
Curie ou o ponto de fusão do isolante dos
condutores.
 Métodos bastante eficazes para o cálculo
térmico dos elementos magnéticos podem ser
estudados em [1,3].
14
Exemplo: Projeto de Indutor para o
Conversor “Boost” em Condução Contínua
 Dados para o exemplo:
 Vin=180V
 Vo=300V
 f=50kHz
 P=500W
 ∆Il=15%
 ∆Vc=5%
 J=300A/cm2
 Bp=0,2T
15
Exemplo: Projeto de Indutor para o
Conversor “Boost” em Condução Contínua
 De acordo com o estudo anterior, o produto de áreas
para o indutor é dado por:
L.I lp .I lef
Ae Aw =
k . J .B p
 Calculemos os valores de pico e eficaz de corrente
no indutor, de acordo com [2].
P  ∆ Il  500
I lp =  1 + = (1 + 0,15) ≈ 3,2 A
Vin  2  180
 Como sabemos que a corrente eficaz no indutor é
aproximadamente igual à média na entrada, então
podemos usar o valor de 2,8A.
16
Exemplo: Projeto de Indutor para o
Conversor “Boost” em Condução Contínua
 Ainda, precisamos do valor da indutância:
Vin .D V −V 300 − 180 180.0,4
L= ⇒ D = o in = = 0,4 ⇒ L = = 3,4mH
f .∆ I l Vo 300 50000.0,15.2,8
 Usando a expressão para o cálculo do produto
de áreas, obtemos:
L.I p .I ef 0,0034.3,2.2,8 −7
Ae Aw = = = 1, 7. 10 m 4

k . J .B p 0,3.3.106.0,2

 Pode-se utilizar dois núcleos EE-55/28/21


empilhados, conforme catálogo em [4].
17
Exemplo: Projeto de Indutor para o
Conversor “Boost” em Condução Contínua
 O valor da área da perna central para o núcleo
escolhido é igual a 7,08cm2.
 Calculemos o número de espiras:
L.I lp3,4.10 − 3.3,2
N= = ≈ 77
Ae .B p 7,08.10 − 4 .0,2

 Por outro lado, o cálculo anterior implica em


um entreferro de:
N2 77 2 A
ℜ = = = 1743824
L 3,4.10 − 3 Wb

l g = µ o . Ae .ℜ = 4π .10 − 7 .7,08.10 − 4.1743824 ≈ 1,6mm


18
Exemplo: Projeto de Indutor para o
Conversor “Boost” em Condução Contínua
 Para minimizar o efeito pelicular, o raio
máximo dos fios deverá ser de:
6,6 6,6
rskin = = = 0,0295cm
f 50000
 Isto que nos faz escolher o fio 23AWG, cujo
raio de cobre é de 0,0285cm e a área com
isolante é de 0,003221cm2.
 O número de condutores em paralelo deverá
ser de: n =
cp
I
=
2,8
ef
≈ 4
J . Acu 300.0,002582
19
Exemplo: Projeto de Indutor para o
Conversor “Boost” em Condução Contínua
 Calculemos a ocupação da janela:
N .ncp . Aisol 77.4.0,003221
k= = = 0,397
Aw 2,5
 A experiência mostra que se k<0,4, o
dispositivo magnético pode ser construído.
 Há de se fazer o cálculo térmico deste indutor
para verificação da temperatura a plena carga.

20
Exemplo: Projeto de Indutor para o
Conversor “Boost” em Condução Contínua
 Resumo do projeto:
 Indutância desejada: 3,4mH;
 Corrente eficaz: 2,8A;
 Corrente de pico: 3,2A;
 Núcleo: EE-55/28/21 (dois núcleos empilhados);
 Condutor: 23AWG (4 condutores em paralelo);
 Número de espiras: 77;
 Comprimento total do entreferro: 1,6mm.
21
Exemplo: Projeto de Transformador para o
Conversor “Forward” a Dois Transistores
 Dados para o exemplo:
 Vin=180V
 Vo=100V
 f=30kHz
 P=500W
 J=300A/cm2
 Bp=0,2T

22
Exemplo: Projeto de Transformador para o
Conversor “Forward” a Dois Transistores
 Determinação da densidade de fluxo máxima:
t D.Vin
N p .ϕ (t ) = ∫ 0
v (t )dt = Vin .t ⇒ Bp =
f .N p . Ae
 Determinação da área da janela:
N p .I 1ef + N s .I 2ef 2.N s .I o D
J= ⇒ Aw =
k . Aw k .J
 Como Dmáx=0,5 (pior caso), temos que:
1,4.P
Ae Aw =
k . f .J .B p

23
Exemplo: Projeto de Transformador para o
Conversor “Forward” a Dois Transistores
 Para os dados do projeto, o produto de áreas
do núcleo deverá ser de:
1,4.P 1,4.500 −7
Ae Aw = = = 1,3. 10 m 4

k . f .J .B p 0,3.30000.3.106.0,2
 Escolheremos, portanto, o núcleo EE-
65/33/13.
 O número de espiras do primário será de:
D.Vin 0,5.180
Np = = −4
≈ 57
f . Ae .B p 30000.2,66.10 .0,2

24
Exemplo: Projeto de Transformador para o
Conversor “Forward” a Dois Transistores
 O número de espiras do secundário será de:
N p Vo 57 100
N s = 1,05 . = 1,05. . ≈ 67
D Vin 0,5 180
 Onde foi adicionado 5% a mais de espiras,
devido à queda de tensão nos enrolamentos.
 Determinemos o fio a ser utilizado nos
enrolamentos:
6,6 6,6
rskin = = = 0,038cm
f 30000

25
Exemplo: Projeto de Transformador para o
Conversor “Forward” a Dois Transistores
 O cálculo anterior nos faz escolher o fio
21AWG, cujo raio de cobre é de 0,036cm e a
área com isolante é de 0,005004cm2.
 O número de condutores no primário será de:
I1ef Io ' D P Ns D 500 67 0,5
ncp = = = . = . . ≈ 3
J . Acu J . Acu Vo N p J . Acu 100 57 300.0,004105
 E no secundário, será de:
I 2ef Io D P D 500 0,5
ncs = = = = ≈ 3
J . Acu J . Acu Vo J . Acu 100 300.0,004105

26
Exemplo: Projeto de Transformador para o
Conversor “Forward” a Dois Transistores
 Calculemos a ocupação da janela:
(N p .ncp + N s .ncs ) Aisol ( 57.3 + 67.3).0,005004
k= = = 0,34
Aw 5,48
 Novamente, como temos k<0,4, o elemento
magnético é possível ser construído.
 Normalmente, em transformadores, deve-se
ser mais restritivo quanto ao fator “k”, pois os
enrolamentos são feitos separadamente.

27
Exemplo: Projeto de Transformador para o
Conversor “Forward” a Dois Transistores
 Resumo do projeto:
 Tensão na entrada: 180V
 Tensão na saída: 100V
 Razão cíclica máxima: 0,5
 Núcleo: EE-65/33/13
 Primário: 57 espiras de fio 21AWG (3 condutores
em paralelo)
 Secundário: 67 espiras de fio 21AWG (3
condutores em paralelo)
28
Considerações Finais
 O projeto dos elementos magnéticos
dependem da topologia adotada;
 Para cada topologia, as expressões
matemáticas devem ser reavaliadas;
 O cálculo térmico de magnéticos sempre deve
ser realizado;
 Após o projeto, deve-se ajustar o elemento
magnético em laboratório.
29
Referências Bibliográficas
[1] BARBI, I. Eletrônica de Potência: Projeto de Fontes Chaveadas. 1ª
ed. Florianópolis: Ed. dos Autores, 2002.

[2] YOSHIMURA, V. L. Apostila de Conversores cc-cc.

[3] MELLO, L. F. P. de Análise e Projeto de Fontes Chaveadas. 1ª ed.


São Paulo: Érica, 1996.

[4] www.thornton.com.br Acesso em 12/03/2007.

[5] HAYT Jr, W. H. Eletromagnetismo. 4ª ed. Rio de Janeiro: LTC,


1983.

30