Você está na página 1de 17
BREVES ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DE PROVAS NA AÇÃO CIVIL Jussára Marion Moreira Pós-Graduada em

BREVES ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DE PROVAS NA AÇÃO CIVIL

Jussára Marion Moreira

Pós-Graduada em Direito Processual Civil ABDPC - Academia Brasileira de Direito Processual Civil

RESUMO

O presente artigo propõe-se a destacar breves aspectos, no ordenamento jurídico brasileiro, da importância da prova na ação civil prevista no Código de Processo Civil Brasileiro. No nosso sistema processual civil vige o entendimento de que a valoração da prova é uma atividade do sujeito que a lei incumbe a tarefa de decidir, devendo a parte explicar os motivos que formaram o seu convencimento. Por isso que a Constituição Federal, ao assegurar o direito de agir em juízo, o contraditório e

a ampla defesa consagra, também, o direito à prova.

INTRODUÇÃO

Prova é a apresentação de certos fatos demonstrados no

processo.

O juiz ao julgar o mérito da ação, examina o aspecto legal que

é o direito e o fato propriamente dito. Portanto, a possibilidade de interpretação do

direito só é possível através de uma análise da situação fática apresentada ao juiz,

devendo as partes (autor e réu) produzirem as provas de suas alegações.

www.abdpc.org.br

Os meios para a produção de provas devem ser formalmente corretos, idôneos e adequados aos

Os meios para a produção de provas devem ser formalmente corretos, idôneos e adequados aos fatos alegados, se assim não forem, não serão considerados para a apreciação do mérito da respectiva ação.

A valoração das provas obedece ao método probatório

judiciário, o qual é formado por um conjunto de regras cuja função não é apenas a de garantir os direitos das partes, mas sim a legitimação da função jurisdicional.

O juiz formará sua convicção pela livre apreciação da prova. O fato jurídico substancial depende, em grande medida, da prova apresentada em juízo.

1. FONTES E MEIOS DE PROVA NO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

Fonte de prova é tudo aquilo que for capaz de transmitir informações ao processo no intuito de comprovar a veracidade dos fatos alegados, os quais serão analisados e investigados para elucidar o que interessa à ação. Decorrem de pessoas ou coisas das quais se extraem informações que possam comprovar a apontada veracidade dos fatos alegados. Quando trazidas aos autos, o juiz e a parte interessada investigam para o fim de obter informações concretas sobre o que estiver em discussão.

As fontes de provas podem ser reais e pessoais. As reais são

interpretadas por quem as examinam como é o caso das perícias. As fontes reais

são as informações fornecidas pelas pessoas que se dirigem ao magistrado, que tem como exemplo também, o depoimento das partes e o testemunho.

Os meios de prova são genéricos, são técnicas empregadas à investigação dos fatos alegados relevantes à causa. São as partes que levam as provas ao conhecimento do juiz, sendo que o direito à prova implica na possibilidade de utilização de quaisquer meios probatórios disponíveis. Qualquer meio de prova é admissível, excluindo-se as provas ilícitas.

www.abdpc.org.br

A prova testemunhal é um meio, ou seja, são todas as pessoas ou coisas, de

A prova testemunhal é um meio, ou seja, são todas as pessoas ou coisas, de onde se extrai informações importantes para comprovar o alegado no processo e o que traz informações do processo é a fonte. Na realidade, para cumprir a função jurisdicional, o magistrado necessitará verificar a procedência do pedido, ou seja, a demonstração das alegações fáticas.

A prova no Direito Processual Civil é fundamental para a solução do litígio, vez que a controvérsia contida no processo e o ato normativo decorrem de situações fáticas, as quais devem ser demonstradas nos autos através de provas. A prova refere-se ao fato e não ao direito e constitui um dever e não uma obrigação consiste, portanto, na atribuição de quem deve comprovar os fatos em discussão.

Caso a prova determinada pelo juiz não seja apresentada, não resultará em pena ou sanção para a parte, porém, poderá ocorrer perda do litígio ou deixá-lo em condição desvantajosa com julgamento desfavorável, pois prejudicará em demasia o convencimento do magistrado.

O artigo 333 do Código de Processo Civil – CPC estabelece regras de distribuição do ônus da prova, dispondo:

O ônus da prova incumbe: I – ao autor, quanto ao fato constitutivo de direito; II – ao réu, quanto à existência do fato impeditivo, modificado ou extintivo do direito do autor. Parágrafo único: É nula a convenção que distribui de maneira diversa o ônus da prova quando: I – recair sobre o direito indisponível da parte; II – tornar excessivamente difícil a uma parte o exercício do direito.

Quando a prova é de primeira aparência (prima facie), a presunção judicial é formada a partir da verossimilhança da alegação apresentada. Como exemplo, se um pedestre ferido por um material que caiu de um determinado

www.abdpc.org.br

prédio, quando da demanda reparatória, bastará que o autor prove que a lesão sofrida foi

prédio, quando da demanda reparatória, bastará que o autor prove que a lesão sofrida foi provocada pela queda do material ou objeto do apontado prédio.

Depois da produção das provas pelas partes litigantes, ao magistrado cabe efetuar a valoração das provas produzidas.

Atualmente é adotado o sistema de livre convencimento através do qual o juiz possui total liberdade para valorar a prova apresentada, formando o seu convencimento de forma racional conforme determinam os artigos 131, 165, 436 e 458, II, do CPC:

Art. 131: O juiz apreciará livremente a prova, atendendo aos fatos e circunstâncias constantes dos autos, ainda que não alegados pelas partes, mas deverá indicar, na sentença, os motivos que lhe formaram o convencimento. Art. 165: As sentenças e acórdãos serão proferidos com observância do disposto no art. 458; as demais decisões serão fundamentadas, ainda que de modo conciso. Art. 436: O juiz não está adstrito ao laudo pericial, podendo formar a sua convicção com outros elementos ou fatos provados nos autos. Art. 458: São requisitos essenciais da sentença: I – o relatório, que conterá os nomes das partes, a suma do pedido e da resposta do réu, bem como o registro das principais ocorrências havidas no andamento do processo; II – os fundamentos, em que o juiz analisará as questões de fato e de direito; III – o dispositivo, em que o juiz resolverá as questões, que as partes lhe submeterem.

No que se refere à distribuição do onus da prova incumbe ao autor apresentar as que comprovem os fatos constitutivos de direito e, à parte contrária, a existências dos fatos modificativos, extintivos e impeditivos dos direitos alegados pelo demandante. Desta forma, compete às partes provar os fatos que alegarem. Porém, nada obsta que o magistrado também se interesse na produção de prova, haja vista que a sua falta ou a sua falha, poderá prejudicar o seu convencimento, até porque o CPC, por intermédio do artigo 130, dá ao juiz o poder de determinar a produção de prova que entender pertinente à instrução do processo. Assim sendo, a prova nada mais é que a busca da verdade do que foi alegado. Diz o artigo Art. 130: Caberá ao juiz, de ofício ou a requerimento da parte, determinar as

www.abdpc.org.br

provas necessárias à instrução do processo, indeferindo as diligências inúteis ou meramente protelatórias. Quanto

provas necessárias à instrução do processo, indeferindo as diligências inúteis ou meramente protelatórias.

Quanto à contraprova:

No que diz respeito à contraprova, só existe quando o réu ao contestar o fato constitutivo requer prova com relação a ele. Portanto, a contraprova diz respeito ao próprio fato, e não somente à sua prova. Como exemplo destaca-se um fato bem comum: se o autor da demanda apresenta prova de que a parte adversa atravessou a rua com sinal vermelho, ocorrendo por consequencia o seu atropelamento, o réu poderá produzir prova quando requerer a ouvida de testemunha para se pronunciar de maneira contrária ao que foi alegado.

Fatos firmados que não dependem de prova:

O artigo 334 do CPC trata de algumas situações em que, os fatos não precisam ser provados: Não dependem de prova os fatos: I – Notórios; II – afirmados por uma parte e confessados pela parte contrária; III – admitidos, no processo, como controversos; IV – em cujo favor milita presunção legal de existência ou veracidade.

Os fatos notórios dispensam de prova para serem aceitos como verdadeiro, mas devem ser aceitos com essa qualidade. O autor, caso o réu conteste a notoriedade do fato, pode afirmá-lo como notório ou apenas a sua notoriedade.

Se o inciso I do artigo 334 do CPC afirma que o fato notório não depende de prova, basta que seja demonstrada a sua notoriedade. Porem, mesmo que se trate de fato notório, sendo, portanto de conhecimento público, não impossibilita o magistrado de formar convicção diversa.

www.abdpc.org.br

Notoriedade é a qualidade de certos fatos que os tornam reconhecidamente conhecidos e indiscutíveis, de

Notoriedade é a qualidade de certos fatos que os tornam reconhecidamente conhecidos e indiscutíveis, de forma que produzir sua prova não aumenta a convicção do julgador.

Os

meios

de

provas

podem

ser:

pericial; inspeção judicial, testemunhal

a) Prova Documental

documental;

confissão;

A prova documental além de provar o fato nele exposto é a

mais duradoura.

Esse tipo de prova tanto pode beneficiar o autor da ação ao apresentá-la, como ao réu para provar que os fatos alegados não são verdadeiros.

A prova documental serve para documentar um fato, não se resume à simples escrituração de declarações, abrange também a produção de sons, imagens, estados de fato, comportamento e ações, além dos documentos informáticos inseridos através das tecnologias modernas.

Diferença entre a prova documental e prova documentada: a prova documental é aquela pela qual se tem a representação imediata do fato a ser reconstruído nos autos. A documentada é o documento que sozinho representa o fato.

Quanto à utilização da fotografia digital como prova tem sido aceita em razão da disseminação da tecnologia, não há como não considerá-la em razão do uso elevado das máquinas fotográficas digitais.

b) Prova de Confissão

A confissão efetiva é a atitude da parte no mundo fático, ou por pessoa habilitada a documentá-las no mundo fático e que tenha sido presenciada

www.abdpc.org.br

pelo juiz, não podendo ser desprezada. Já a confissão ficta não passa de mera ficção

pelo juiz, não podendo ser desprezada. Já a confissão ficta não passa de mera ficção jurídica, advém de imposição legal, é desvencilhada dos fatos concretos da causa.

O artigo 349 do CPC afirma que a confissão judicial pode ser

espontânea ou provocada.

A confissão espontânea pode acontecer em qualquer momento do processo, sendo que a parte comparece pessoalmente, ou através de advogado habilitado para tanto, admitindo como verdadeiros os fatos contrários ao seu interesse e favoráveis à parte contrária.

A confissão provocada ocorre quando em seu depoimento

pessoal, a parte confessa fatos contrários ao seu interesse, os quais favorecem a

parte adversa.

A

confissão

judicial

e

extrajudicial

representante portando poderes específicos.

pode

ser

feita

por

O artigo 334, II esclarece que os fatos que não dependem de

prova são os afirmados por uma parte e confessados pela parte adversa. Portanto, tal dispositivo legal admite que a confissão dispensa a prova do fato pela parte contrária e presume a veracidade do fato confessado, quase que de forma absoluta.

O Código de Processo Civil em seu artigo 352 concebe a anulação da confissão quando tenha ocorrido erro, dolo ou coação:

Art. 352: A confissão quando emanar de erro, dolo ou coação, pode ser revogada: I – Por ação anulatória, se pendente o processo que foi feita; II – por ação rescisória, depois de transitada em julgado a sentença, da qual constituir o único fundamento.

www.abdpc.org.br

Desta forma, a anulação da prova poderá ocorrer através da ação anulatória, enquanto estiver pendente

Desta forma, a anulação da prova poderá ocorrer através da ação anulatória, enquanto estiver pendente de julgamento o processo onde foi feita a confissão, ou por ação rescisória, caso a sentença já tenha transitado em julgado.

Observa-se que os fatos afirmados por uma das partes e não contestados pela outra devem ser considerados como verdadeiros, conforme determina caput do artigo 302 do CPC: Cabe também ao réu manifestar-se precisamente sobre os fatos narrados na petição inicial. Presumem-se verdadeiros os fatos não impugnados.

Assim, a aplicação do princípio do direito do réu para manifestar-se sobre os fatos narrados na exordial, dispensa de prova os fatos não contestados ou não impugnados, desde que não se choque com o conjunto da defesa.

A regra que dispensa o fato não-contestado de prova, não é aplicável quando não for admissível a confissão que, entre outros, se encontram os direitos indisponíveis, conforme preceitua o artigo 351 do CPC: Não vale como confissão a admissão, em juízo, de fatos relativos a direitos indisponíveis.

Somente após o exame da defesa na sua totalidade, poderá o juiz concluir que um fato não-contestado deve ser considerado verdadeiro, ou seja, incontroverso. Desta forma o réu deve tomar o cuidado de contestar especificamente todos os fatos articulados pelo autor da demanda.

Presunção legal de existência ou de veracidade:

Conforme determina o artigo 334 – IV do CPC, não dependem de prova os fatos que possuem presunção legal de veracidade. A prova seria inútil se a presunção fosse absoluta.

A

presunção

relativa,

ao

contrário

do

que

ocorre

com

a

absoluta, admite prova em contrário, portanto, requer a produção de provas.

www.abdpc.org.br

Poder probatório do juiz: Na forma do artigo 130 do CPC: Caberá ao juiz, de

Poder probatório do juiz:

Na forma do artigo 130 do CPC: Caberá ao juiz, de ofício ou a requerimento da parte, determinar as provas necessárias à instrução do processo, indeferindo as diligências inúteis ou meramente protelatórias.

Observa-se que o magistrado tem o poder de determinar prova de ofício, independente de requerimento da parte, ou desta ter perdido a oportunidade processual, quando os fatos não parecerem esclarecidos.

A postura do juiz diante de um processo é de imparcialidade, se ele se omite em decretar a produção de alguma prova relevante estaria tomando atitude parcial ou cumprindo de forma indevida a sua função.

Prova emprestada:

A prova produzida em outro processo é levada para ser

utilizada em processo que tem interesse no seu uso, é considerada prova emprestada. Evita-se, com isso, que sejam repetidos inutilmente atos processuais, permitindo-se, consequentemente, o seu aproveitamento, além de que a prova a ser emprestada por muitas vezes não pode mais ser colhida por algum motivo ou circunstancia.

A prova pode ser trasladada do processo original para a

demanda pendente, desde que as partes desta tenham participado de forma adequada no contraditório do processo em que a prova foi produzida. Portanto, a prova emprestada de um processo para outro, devem conter as mesmas partes.

Segundo MARINONI e ARENHART

É certo que a efetividade do “acesso a justiça depende da racionalização da prática de atos processuais e está intimamente ligada à possibilidade de se poder alegar e provar, mas tudo isso deve ser temperado diante do direito que os

www.abdpc.org.br

interessados na solução do litígio tem de adequadamente participar da aquisição da prova que vai

interessados na solução do litígio tem de adequadamente participar da aquisição da prova que vai importar para a formação do juízo. Aliás, em direito garantido às partes também possuem importância mandamental para que a própria jurisdição possa cumprir sua obrigação de forma perfeita e legítima. 1

c) Prova Pericial

Em alguns casos existe a necessidade da produção de prova pericial, sem a qual não tem como saber qual das partes está com a razão. Portanto, é lícito ao juiz determinar a realização de perícia, nos termos do artigo 331 - § 2º combinado com o artigo 130 ambos do CPC. Art. 131:

Se não ocorrer qualquer das hipóteses previstas nas seções precedentes, e versar a causa sobre direitos que admitam

transação, o juiz designará audiência preliminar, a realizar-se no prazo de 30 (trinta) dias, para a qual serão as partes intimadas a comparecer, podendo fazer-se representar por

procurador ou preposto. (

§ 2º. Se por qualquer motivo, não

for obtida a conciliação, o juiz fixará pontos controvertidos, decidirá as questões processuais pendentes e determinará as provas a serem produzidas, designando audiência de instrução

Art. 130: Caberá ao juiz, de

e julgamento, se necessário. (

ofício ou a requerimento da parte, determinar as provas necessárias à instrução do processo, indeferindo as diligências inúteis ou meramente protelatórias.

)

)

A perícia é realizada por pessoas especializadas e capacitadas, com conhecimento técnico e científico sobre determinado assunto ou problema, mediante compromisso, determinado pelo magistrado a pedido da parte ou não. Esse tipo de prova pode ser formal, quando a natureza do fato permitir, podendo o juiz simplesmente inquirir o perito e os assistentes técnicos conforme determina o artigo 421, parágrafo 2º do CPC:

O juiz nomeará o perito, fixando de imediato o prazo para a

entrega do

§ 2º. Quando a natureza do fato permitir a

perícia poderá consistir apenas na inquirição pelo juiz do perito

e dos assistentes, por ocasião da audiência de instrução e

1 Luiz Guilherme Marinoni; Sergio Cruz Arenhart. Processo do Conhecimento. 2008, p. 291

www.abdpc.org.br

julgamento a respeitos das coisas que houverem informalmente examinado ou avaliado. A prova pericial é

julgamento a respeitos das coisas que houverem informalmente examinado ou avaliado.

A prova pericial é realizada por perito, pessoa da confiança do

magistrado, convocada no processo, para esclarecer algo que exija conhecimento técnico. Em muitos casos o juiz julga com base no laudo técnico. Pode ser nomeado mais de um perito na forma do artigo 431-B do CPC: Tratando-se de perícia complexa, que abranja mais de uma área de conhecimento especializado, o juiz poderá nomear mais de um perito e a parte indicar mais de um assistente técnico.

Paralelamente com o perito as partes poderão servi-se de assistentes técnicos os quais ficarão ligados diretamente a quem os contratou. Não se aplicam aos assistentes técnicos as causas de impedimento ou suspeição, nem é da alçada do juiz as suas nomeações ou destituições.

Caso seja indeferido o pedido de realização de perícia por ser imprescindível à solução do litígio, configurará cerceamento de defesa, a não ser que outros meios de prova tornem possível a sua inteira compreensão. Os fatos levados a litígio nem sempre permitem a revelação integral pelo juiz, apenas com a prova necessária clareará a situação apresentada.

A decisão a respeito da necessidade da realização de perícia

ou não, prevalece perante o Superior Tribunal de Justiça, em razão deste não se

deter na decisão que foi tomada em sede de recurso especial.

O parágrafo único do artigo 420 do CPC diz: O juiz indeferirá o

pedido de perícia quando: I - a prova do fato não depender do conhecimento especial do técnico; II - for desnecessária em vista de outras provas produzidas; III - a verificação for impraticável

Oportunamente vale destacar que cerceamento de defesa é a restrição, sem justificativa, ao exercício concedido pelo ordenamento jurídico às partes litigantes.

www.abdpc.org.br

. d) Prova por Inspeção Judicial Em alguns casos, ao juiz é melhor ter contato

.

d)

Prova por Inspeção Judicial

Em alguns casos, ao juiz é melhor ter contato direto com o fato para esclarecer o que foi narrado pela parte, pois nada melhor que tome contato direto com a coisa ou o lugar para que possa formar sua convicção.

A inspeção judicial pode ser requerida por qualquer uma das partes, ou até mesmo de ofício pelo magistrado que cientificará as partes do processo sobre o dia e local, para que possa acompanhar a inspeção, se necessário, com participação ativa, prestando esclarecimentos e apresentando observações que se fizerem necessárias.

e) Prova Testemunhal

A prova testemunhal efetiva-se por intermédio de pessoa estranha ao processo, que apresente conhecimento de fatos que possam ser importantes para o deslinde do litígio. De uma forma geral, o depoimento da testemunha é sobre aquilo que presenciou, podendo também, narrar fato que ouviu sem que tenha presenciado. As exceções estão previstas nos artigos 400 e 401 do CPC, onde constam:

Artigo 400: A prova testemunhal é sempre admissível, não dispondo a lei de modo diverso. O juiz indeferirá a inquirição de testemunhas sobre o fato: I – já provados por documento ou confissão da parte; II – que só por documento ou por exame pericial puderem ser provados. Art. 401: A prova exclusivamente testemunhal só se admite nos contratos cujo valor não exceda o décuplo do maior salário mínimo vigente no país, ao tempo em que foram celebrados.

Nem todas as pessoas podem prestar depoimento como testemunha, a incapacidade limita esse procedimento. Conforme preceitua o artigo 405, § 1º, do CPC:

Art. 405. Podem depor como testemunhas todas as pessoas, exceto as incapazes, impedidas ou suspeitas. § 1°. São

www.abdpc.org.br

incapazes: I – o interdito por demência; II – o que, acometido por enfermidade ou

incapazes: I – o interdito por demência; II – o que, acometido por enfermidade ou debilidade mental, ao tempo em que ocorreram os fatos, não podia discerni-los; ou ao tempo em que deve depor, não está habilitado a transmitir as percepções; III – o menor de 16 (dezesseis) anos; (

2. PROVAS LÍCITAS E ILÍCITAS

A Constituição Federal, em seu artigo 5º, LVI, preceitua: São

inadmissíveis no processo as provas obtidas por meios ilícitos.

As provas são lícitas quando não possuem qualquer vício na sua formação, assim sendo, não podem deixar de ser emprestadas a outro processo. Já a prova ilícita, é aquela que infringe normas de direito material, principalmente as contidas na Carta Magna.

O que define a possibilidade de utilização de alguma prova é

se ela está de acordo com o direito e, somente assim, poderá considerar-se que o meio empregado é moralmente legítimo. O ato de provar denota estabelecer a verdade, envolve aspecto do fenômeno probatório que são os meios de prova, o procedimento probatório e o procedimento para a formação do convencimento do

juiz. A prova nada mais é que o caminho para comprovar a verdade dos fatos.

Se uma prova foi constituída licitamente, mas obtida de modo ilícito, o meio de prova é ilícito, embora a sua obtenção tenha sido por violação do direito material. Situação semelhante acontece quando o testemunho é transmitido com informações obtidas de modo ilícito. Assim, as informações reveladas foram obtidas de forma ilícita, não se podendo afirmar que a prova foi obtida de modo ilícito. Note-se que a admissibilidade e, a produção da prova tem relação com o direito material e o processual.

As provas ilícitas, quando não admitidas, não ingressam no processo, pois não chegam a ser produzidas. Quando pré-constituídas podem ser

www.abdpc.org.br

desentranhadas a mando do magistrado. Porém, quando admitidas no processo originário, as provas não podem

desentranhadas a mando do magistrado. Porém, quando admitidas no processo originário, as provas não podem ser emprestadas para outro processo, pois serão apreciadas por outro magistrado, não devendo o julgador admitir a sua juntada no processo que estiver em discussão. Se tal situação fosse acolhida afrontaria a regra do artigo 332 do CPC que diz: Todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, ainda que não especificados neste Código, são hábeis para provar a verdade dos fatos, em que se funda a ação ou a defesa.

O artigo 333 do CPC determina a quem incumbe ônus da

prova:

I – ao autor, quanto ao fato constitutivo do seu direito: II – ao réu, quanto à existência do fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor. Parágrafo único: É nula a convenção que distribui de maneira diversa o ônus da prova quando: I – recair sobre o direito indisponível da parte; II – tornar excessivamente difícil a uma parte o exercício do direito.

O

artigo

5º,

LVI

da

Constituição

Federal,

revela:

São

inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por meios ilícitos”.

3. DO CABIMENTO DA OBTENÇÃO DE PROVA ATRAVÉS DE INTERPELAÇÃO TELEFONICA EM PROCESSO DE AÇÃO DE EXECUÇÃO DE ALIMENTOS

Forçoso trazer a lume o contido no artigo 5º – XII da CF, regulamentado pela Lei 9.196, de 24 de julho de 1996, uma vez que, muito embora contrarie tal preceito, em processo de ação de execução de alimentos, após serem supridas todas as formas para o cumprimento do mandado de prisão expedido contra devedor de alimentos que possui endereço certo e com número de telefone identificado em cidade diversa da residência da parte autora, sem que tenha sido localizado, necessário se faz que seja analisado o objetivo material da prova para a localização do alimentante para que possam ser cumpridas todas as etapas do processo, em especial, o mandado de prisão expedido contra o devedor faltoso.

www.abdpc.org.br

O inc. XII do art. 5º da Constituição Federal, diz: ( comunicações telegráficas, de dados

O inc. XII do art. 5º da Constituição Federal, diz:

(

comunicações telegráficas, de dados e das comunicações telefônicas, salvo, no último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a lei estabelecer para fins de investigação criminal ou instrução penal processual penal.

sigilo da correspondência e das

)

é

inviolável

o

No direito de família, em especial em ação de alimentos, o contido no citado preceito legal, pode ter tratamento diverso das outras áreas jurídicas, em razão da possibilidade de haver violação do alimentante, com relação aos alimentados que, por muitas vezes são menores de idade, pois o direito à intimidade não pode sobrepor de forma absoluta ao direito da parte autora de receber a verba alimentar deferida.

Assim, patente a sobreposição do direito à vida dos alimentados em frente à intimidade do executado. A própria possibilidade da prisão civil do devedor evidencia o caráter superior do alimentos.

Em razão disso deve ser admitida como prova de localização do inadimplente e a consequente obtenção do cumprimento do mandado de prisão, a interceptação de seu telefone tem como fim proporcionar a sua localização através de algum telefonema que possa identificar o seu paradeiro.

que

devedores de alimentos deixem de utilizar subterfúgios para inadimplirem a obrigação que lhe foi imposta, que além de ser imprescindível para a parte alimentada, atenderá o interesse da justiça que é descobrir a verdade dos fatos.

Cumpre

destacar

que

tal

situação

servirá

para

CONCLUSÃO

www.abdpc.org.br

O principal instrumento do processo civil é a prova, a qual é utilizada para constatar

O principal instrumento do processo civil é a prova, a qual é

utilizada para constatar a verdade dos fatos alegados.

A produção da prova não significa apenas a possibilidade das

partes de produzi-la para demonstrar a veracidade das alegações apresentadas,

mas sim, para influenciar na decisão sobre a situação fática a ser tomada pelo

julgador.

Caso o ônus da prova seja descumprido, acarretará somente

consequencia processual negativa. Porém, se atendido poderá aplicar situação de

vantagem. Por tal motivo o ônus é uma faculdade, Pois atenderá o interesse da

parte.

O ônus não é imposição, não exige que a parte apresente

determinada prova. É simplesmente uma recomendação, a qual não sendo atendida

acarretará conseqüências em razão da sua inércia.

Como o sistema de avaliação da prova é de persuasão

racional, sendo o caminho pelo qual o julgador tem margem de discricionaridade da

prova quanto à sua valoração, deve expor os motivos que formaram a sua

convicção. Assim sendo, a prova é o meio lógico por intermédio do qual é elaborado

o julgamento.

BIBLIOGRAFIA

ALVARO OLIVEIRA, C. A. Prova Civil. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2005.

BRASIL. Código de Processo Civil. 4 em 1. São Paulo: Editora Saraiva, 2007. (a)

Constituição Federal. 4 em 1. São Paulo: Editora Saraiva, 2007. (b)

BUZAIDE, Alfredo. Do ônus da Prova In: Estudos de Direito. São Paulo: Editora Saraiva, 1971.

www.abdpc.org.br

CAMBI, Eduardo. A prova Civil : Admissibilidade e Relevância. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006.

CAMBI, Eduardo. A prova Civil: Admissibilidade e Relevância. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006.

KINIJINIK, Danilo. Prova Judiciária: estudos sobre o Novo Direito Probatório. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.

MARINONI, Luiz; ARENHART, Sergio. Curso de Processo Civil. V.2. Processo do Conhecimento. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.

KNIJINIK, Danilo. A prova nos Juízos Cível, Penal e Tributário. Rio de Janeiro. Editora Forense, 2007.

www.abdpc.org.br