MATERIAS DE CONSTRUÇÃO

DEFINIÇÕES E PROPRIEDADES
CLASSIFICAÇÃO
Quanto a origem ou obtenção: - Naturais: encontrados livremente na natureza e não necessitam de nenhum processo industrial. Exemplos: areia, madeira, pedra. - Artificiais: são obtidos por processos industriais. Exemplos: Tijolos, telhas - Combinados: resultantes da combinação de materiais naturais e artificiais. Exemplos: argamassa, concretos.

Quanto a função: - Vedação: não tem função resistente a estrutura. Ex: alguns tijolos, vidros. - Proteção: servem para proteger materiais propriamente ditos. Ex: verniz, tintas - Estruturais: resistem a esforços atuantes na estrutura. Ex. Madeira, aço, concreto

Quanto a composição: - Simples ou Básicos: são aplicados isoladamente. Ex: telhas, tijolos - Compostos ou produzidos: são empregados conjuntamente. Ex: argamassas e concreto.

Quanto a estrutura interna: - Lamelar - Ex: argila - Fibrosa - Ex: amianto - Vítrea - Ex: vidro - Cristalina - Ex: metais - Agregados complexos - Ex: concreto - Fibrosos com estrutura complexa - Ex: madeira

PROPRIEDADES
Massa específica real - É a relação entre a massa do material pelo volume sem contar os vazios (Compactado)

- Serve para calcular porosidade e compacidade - fórmula: 𝛾𝑜 = Massa unitária - É a relação entre a massa do material pelo volume contando os vazios. - Importante para construções pois é parâmetro para o peso próprio e para cálculos de transporte. - fórmula: 𝛾 = Compacidade - É a relação entre o volume compactado e o volume natural. - fórmula: 𝐶 = Porosidade - É a relação entre o volume de vazios e o volume natural. - é parâmetro para diversas outras propriedades como resistência mecânica, permeabilidade, condutibilidade térmica, etc. - fórmula: 𝑝 = Absorção - É a relação entre a diferença entre a massa da amostra saturada e da amostra seca pela amostra seca. - É propriedade que indica a capacidade do material de absorver e reter água. - fórmula: 𝐴 = 𝑃𝑠
−𝑃𝑜 𝑃𝑜 𝑉−𝑉𝑜 𝑉 𝑉𝑜 𝑉 𝑚 𝑉 𝑚 𝑉0

(em Kg/m³)

(em Kg/m³) 𝑥

100 𝑥

100 𝑥

100

- a determinação é feita em duas etapas: Seca-se a amostra em estufa; Coloca-se a amostra em um recipiente com água fervente e espera-se esfriar até a temperatura ambiente. Absorção - É a propriedade que indica a capacidade do material de permitir a passagem de material líquido ou gasoso. Resistência ao fogo - É a propriedade na qual o material não é destruído ou consumido na presença de fogo e pode ser: Incombustíveis: Materiais que não se inflamam. Combustíveis: Se inflamam e consumem sob a ação do fogo. Resistência a corrosão - É a propriedade na qual o material resiste a ação de ácidos, bases, sais ou gases. - A maioria dos materiais não possui esse tipo de resistência, como por exemplo, ácidos atacam principalmente madeira, calcário, cimento e as bases atacam os materiais betuminosos. - Resistentes aos ácidos temos materiais cerâmicos e algumas pedras naturais.

Pode retornar parcialmente ( Deformação Residual) ou totalmente. Compressão. . Dureza .A carga sendo aplicada alternadamente faz com que o fenômeno de fadiga ocorra quando essa carga está em torno do valor da de ruptura.É a propriedade na qual o material não é destruído pela ação de cargas. . .Relação entre força distribuída na área de aplicação. . .A ação de cargas causam uma séries de esforços: Tração.Aglomerantes são substâncias pulverizadas que pela mistura com água ganham o poder cimentante. pois ocupam volume com material mais barato e para reduzir também a retração do aglomerante. . Flexão. Já o aço resiste bem a Tração e pouca a compressão. . .Essa propriedade é principalmente estudada na Resistência dos Materiais.É a propriedade na qual o material resiste sem a perda de massa ou volume a cargas abrasivas.8mm). Para isso a ABNT indica um coeficiente de segurança. AGLOMERANTES . ligam materiais pétreos.fórmula: 𝜎 = 𝐹 𝐴 .As características dos materiais variam ao longo do tempo e uso. ou seja.A mistura de aglomerante e água tem o nome de pasta.Pode ser miúdo (Ф < 4. .Chama-se de limite de elasticidade o ponto em que a tensão aplicada após retirada não traz o material de volta a sua situação original. porém com água em excesso passa a ser chamado de nata. água e agregado miúdo tem o nome de Argamassa e a esses itens somando o agregado graúdo. .Os pedregulhos e concretos resistem bem a Compressão e não a tração. Cisalhamento e Torção. . . Elasticidade . .Agregado é material granular e inerte usado nas composições de argamassa e concretos.Alguns materiais frágeis fissuram antes de ser atingida a carga de ruptura.A mistura entre aglomerante. Geralmente a resistência diminui.É a propriedade na qual o material consegue retornar a sua situação inicial após a retirada do carregamento.Resistência mecânica .8mm) e graúdo (Ф > 4. .São utilizados na composição dos concretos e argamassas visando a economia. Resistência à abrasão . tem-se o Concreto Simples.É a propriedade na qual o material resiste a penetração de outro material mais duro. .

CIMENTO PORTLAND . Ex: Gesso. Calcinação: Feitas em fornos com 4 estágio e adição da queima do carvão.Aglomerantes aéreos: preservam suas propriedades somente em presença do ar.Aglomerantes hidráulicos: preservam suas propriedades na presença do ar e da água. fazendo o clínquer passar de 1200º para 60º. Fabricação 1) 2) 3) 4) 5) 6) Extração da matéria prima: Extração de Argila e Calcário. também com poucas doses de cal livre (CaO) que com a hidratação. pois o seu produto final é o Clínquer. Mistura: Pode ser feita por via úmida (adição de água) ou via seca (secagem) e depois misturados os materiais Homogeneização. Moagem: Com o clínquer mais frio. passa a ter a massa endurecida e elevada resistência mecânica. . Resfriador: fica logo após o forno e é formado por chapas metálicas que recebem ar frio. É tida como a etapa mais importante. ele passa para os moinhos onde será misturado com gesso e minerais.É um produto pulverulento constituído de silicatos e aluminatos de cálcio. São mais encontrados na construção civil e possuem melhor resistência mecânica. cal aérea.CLASSIFICAÇÃO . .

Isso acontece pelo fato de existir um valor alto de cal livre (CaO). onde uma supercalcinação elevaria as taxas de CaO no clínquer trabalhado. é gerado calor proveniente das reações de hidratação do concreto. Idade 3 dias 7 dias 28 dias % do calor desenvolvido 50 60 90 . Assim. o material segue para um filtro onde o melhor do material é selecionado. .É um fenômeno que compreende a evolução das propriedades mecânicas da pasta no início do processo de endurecimento.Para evitá-la deve ser observada a finura do concreto. Em função da idade.Esse processo prejudica a uniformidade. Exsudação .Para evitá-la deve ser o processo da calcinação.A elevação da temperatura na peça passa a induzir ao aparecimento de fissuras de contração após o resfriamento da peça. .7) Ensacamento e Expedição: Após ser misturado. . Em alguns processos a necessidade de um separador que serve como um filtro. Quanto maior a finura.Fator muito importante na execução de alvenarias e assentamentos de cerâmicas. a impermeabilidade.É um fenômeno em que.É um fenômeno que compreende a segregação dos materiais do concreto. . a trabalhabilidade e a coesão. durante o processo de pega e endurecimento. pois posteriormente ao endurecimento ele tende a se libertar e querer sair.Influenciam na velocidade da reação de hidratação. . Pega do Cimento .Usualmente considerada 3. Esse conceito é utilizado tanto em Argamassa como em Concretos. .É um fenômeno em que acontece o indesejável processo de aumento do volume posterior ao endurecimento. se exportado. a resistência e a durabilidade dos concretos. .10 kg/m³ Finura . já pronto. maior a resistência mecânica. o cimento é pesado e ensacado em sacos com cerca de três níveis de papelão para transporte rodoviário e. pois os espaços sendo todos ocupados evitam a ascensão da água e a segregação dos materiais.No processo de pega o material passa a perder a trabalhabilidade e não permitir mais a remistura. Por isso considerar essas idades para no desenvolvimento das propriedades do concreto. Estabilidade do Volume . o calor de hidratação se desenvolve de acordo com o quadro abaixo.Propriedade ligada ao tamanho dos grãos de cimento. expandindo e fissurando a peça de concreto. Esse processo ocorre antes do início da pega. Propriedades Massa Específica . onde os agregados mais densos descem por gravidade. deverá conter 6 níveis com uma sendo impermeável. . Calor de Hidratação . culminando enfim no processo de endurecimento.

Alta resistência e para Reboco.Resistência Mecânica . . de tamanhos diferentes que se ligados a material aglomerante e água. teremos três tipos de gesso: Estucador.8mm) Pedrisco – material obtido por fragmentos de rochas que passa na peneira nº4 (4. ficando só a cal. porém menores.O gesso Estucador (ou Paris) é tem boas propriedades em relação ao seu tempo de pega. Esse fato influencia no processo de construção. utiliza-se da calcinação a 900º. . o de alta resistência só requer 45%.É obtido do calcário com teor desprezível de argila. . temos a seguinte tabela de acordo com a idade Idade 3 dias 7 dias 28 dias % de resistência 100 103 110 GESSO .Como na cal aérea.8mm) . devemos adicionar um pouco de água com cuidado para essa não reagir com os silicatos e aluminatos. .Costumeiramente utiliza-se com um pouco de areia para ficar porosa e facilitar as reações do ar com a pasta.Agregados miúdos:    Filler – material que passa na peneira nº200 (0.075mm). é necessário o cozimento próximas a 900º.É um produto proveniente da calcinação da gipsita. . . sílica. para assim evitar as fissuras da retração.É determinada pela ruptura de corpos de prova cilíndricos confeccionados com amostras antes da concretagem.O gesso de alta resistência tem a mesma composição dos outros.Dependendo. material encontrado em depósitos naturais.Para obtenção. onde há a liberação de cal livre (CaO).Em relação a resistência a compressão. pois enquanto que o gesso comum exige 65% de água.É mais solúvel em água salgada do que doce. CAL AÉREA . Para retirar a cal hidráulica. porém parte dessa cal formam silicatos e aluminatos de cálcio. porém sua estrutura cristalina é diferente.De acordo com a temperatura de calcinação. devem ser medidas a tração (Cálculo de pavimentos de concreto) e a flexão. além da resistência a compressão.O gesso de reboco é mais comum na construção e mais barato que os anteriores. . CAL HIDRÁULICA . desprendendo-se o gás carbônico. .É obtida de rochas calcário-argilosas que contenham ainda carbonato de magnésio. AGREGADOS PARA CONCRETO . . Areia – material que passa na peneira nº4 (4. alumina e óxido de ferro.São o conjunto de grãos naturais processados ou produzidos. que pode ser rápida ou lenta de acordo com seus aditivos. formam concretos e argamassas. . .

Variam de 1. Picnômetro e Speedy.São materiais tidos como mais econômicos. Depois voltam a ser misturadas e quarteadas rejeitando e aceitando duas. que consequentemente traz menos consumo de água. depósitos eólicos e marinhos.8mm PROPRIEDADES Massa específica .80 – 9. na fabricação de borracha artificial.80 mm (Agregados miúdos) 4. Assim podemos traçar a curva granulométrica e retirar as informações necessárias ao solo estudado. Porem.30 – 0.8mm) Brita ou Pedra Britada – material obtido na trituração da rocha e retido na peneira nº4 (4.50 – 19 – 38 – 76 – 152 mm (Agregados graúdos) . facilitando assim a sua extração. .Ensaio: A amostra é coletada. . a trabalhabilidade fica afetada sem grãos finos e exige mais energia de adensamento. . Passa pelo processo de quarteamento onde duas partes opostas são escolhidas e duas rejeitadas. Pedra Britada . . garantem uma maior resistência mecânica e maior aderência com a argamassa. leitos de rios.Influi principalmente em agregados miúdos no fenômeno de inchamento (influencia no cálculo do volume ocupado). Seixo rolado – material natural retido na peneira nº4 (4. .40 – 4. preparação de concretos para ocupar os vazios.Obtidas por fraturamento dos maciços rochosos. pois não necessitam de processo de britagem e estão em grandes quantidades na natureza. na adição a cimentos.. No laboratório é homogeneizada. . de cimento e são menos trabalháveis que os feitos com seixos rolados.é a proporção relativa dos diferentes diâmetros de grãos espelhados no solo amostrado. Granulometria .60 – 1.A maior resistência mecânica está atrelada ao menos número de grãos finos.2 kg/m³ Umidade . As últimas duas passam pelo processo de peneiramento.20 – 2.6 a 3. Porém. .Material muito fino analisado pelo ensaio de sedimentação.Pode ser realizado de diversas formas: Secagem em estufa.A série de peneiras normais é: 0. bancos de areia.O concreto feito com esse material tem maior consumo de água. depósitos de enchentes. de onde saem as massas de material retido.Agregados graúdos:   Filler . Secagem ao fogo.É comumente usado na: preparação de argamassa betuminosa.15 – 0. Seixos rolados e areias .São encontrados em: Depósitos.

AO FOGO APLICABILIDADE APLICABILIDADE RESIST. MECÂNICA RESIST. +APLICÁVEL +RESIST. .DESSAS PROPRIEDADES QUÍMICA QUÍMICA EXPANSIBILIDADE PEGA +SEGREGADO.RESISTENCIA +COMPACTO. . DURABILIDADE E TRABALHABILIDADE RESIST. + DESSAS PROPRIEDADES FÍSICA EXSUDAÇÃO +EXSUDAÇÃO. +APLICÁVEL +RETRAÇÃO.RESISTENCIA +PERMEAVEL. +TRABALHAVEL +DENSO.DURAVEL +CAPILARIDADE. . MECÂNICA COMO INFLUI +CONDUTIBILIDADE. . +DEFORMAÇÃO +DEF. MECÂNICA E DURABILIDADE TRABALHABILIDADE RESIST. MECÂNICA RESIST.DESSAS PROPRIEDADES FÍSICA SEGREGAÇÃO +SEGREGADO. +RESITÊNCIA +MIÚDOS. +RESISTENCIA +GRAUDOS. +RESISTENCIA FÍSICA FÍSICA FÍSICA CONSISTÊNCIA DENSIDADE GRANULOMETRIA +CONSISTENTE. DURABILIDADE E HOMOGENEIDADE RESIST. MECÂNICA. +RESISTENCIA +TRABALHÁVEL. LENTA. DURABILIDADE E TRABALHABILIDADE RESIST. MECÂNICA E TRABALHABILIDADE RESIST. MECÂNICA RESIST. +APLICÁVEL +RESIST. + DURAVEL. MECÂNICA RESIST. -RESITENCIA +REFRATARIO. + RESISTENCIA +POROSO.CONCRETO DE CIMENTO PROPRIEDADE FÍSICA FÍSICA FÍSICA FÍSICA FÍSICA FÍSICA FÍSICA CARACTERÍSTICAS CONDUTIBILIDADE TERMICA DILATAÇÃO TÉRMICA COMPACIDADE POROSIDADE PERMEABILIDADE CAPILARIDADE ADERÊNCIA DOS GRÃOS EM QUE INFLUI RESIST.RESISTENCIA +PEGA. +DEFORMAÇÃO +FLUENCIA. + RESISTENCIA. +APLICÁVEL +DUREZA. MECÂNICA DURABILIDADE DURABILIDADE E EXSUDAÇÃO RESIST. MECÂNICA.DURABILIDADE +ADERÊNCIA. MECÂNICA. .RESISTÊNCIA +DILATADO. MECÂNICA E APLICABILIDADE APLICABILIDADE APLICABILIDADE APLICABILIDADE DEFORMAÇÃO DEFORMAÇÃO DEFORMAÇÃO APLICABILIDADE APLICABILIDADE RESIST. . . MECÂNICA RESIST. +DEFORMAÇÃO +DURÁVEL. + APLICABILIDADE QUÍMICA MECÂNICA MECÂNICA MECÂNICA MECÂNICA MECÂNICA MECÂNICA MECÂNICA MECÂNICA MECÂNICA MECÂNICA MECÂNICA MECÂNICA RESISTÊNCIA QUÍMICA RESISTÊNCIA A COMPRESSÃO RESISTÊNCIA A TRAÇÃO ELASTICIDADE FLUÊNCIA DEFORMAÇÃO LENTA DURABILIDADE RESISTENCIA AO DESGASTE RETRAÇÃO REFRATARIEDADE TRABALHABILIDADE RESISTENCIA AO FOGO DUREZA +RESIST. +APLICÁVEL +RESIST. +APLICÁVEL +RESIST. MECÂNICA RESIST. +RESISTENCIA . +APLICÁVEL +ELASTICIDADE. . +TRABALHABILIDADE FÍSICA HOMOGENEIDADE +HOMOGÊNIO.

podem ser anelásticas (desaparecem após a retirada do carregamento) e fluência (quando permanecem).São caudadas por fatores de: hidratação do cimento.4 t/m³ Durabilidade . sem haver a segregação. Variação de temperatura. o concreto se torna trabalhável e de fácil adensamento. Massa Específica . .São deformações que aparecem na peça após o tempo de carregamento e de sua manutenção na estrutura.é a situação final em que o concreto se encontra .Causam fissuras que devem ser evitadas ao máximo – limitadas na NBR 6118 Deformações lentas . com a coleta de amostras dos corpos de prova cilíndricos.2.Os resultados irão comparar o fck da obra com o fck especificado. boa trabalhabilidade. variações térmicas Deformações imediatas .O concreto é impossível de não ter vazios.Importante fator de segurança do concreto na obra. Deformações . Permeabilidade e Absorção .é o fator que a peça pode suportar estando em contato com alguma substância agressiva. .é medido e qualificado através de observação . perfeitas operações de adensamento e cura. . CONTROLE TECNOLÓGICO Controle de Concreto na Obra .São as causadas no momento em que é aplicado o carregamento. principalmente: Causam retração. . .É principalmente determinado no momento da concretagem.PROPRIEDADES IMPORTANTES Consistência e Trabalhabilidade .tem influência no acabamento. . Textura . solicitação mecânica.Táticas que evitam problemas na obra: Baixo fator A/C. . .Com a consistência adequada para cada tipo de situação.Trabalhabilidade é o grau de facilidade com que o concreto é colocado na forma.Essas propriedades dizem questão dos vazios obtidos no concreto por processos naturais e que são prejudiciais no concreto.

Escl.Ensaios de Concreto Estrutura . Segurança das peças Espessura mínima. MADEIRA CLASSIFICAÇÃO Madeira de lei ou duras . Extração de CP Resist. Do concreto na estrutura Resist. Canela. que não necessitam de melhoramentos.Utilizado quando:     Os ensaios de controle de concreto são insuficientes A estrutura se encontra danificada Há falha ou erro de projeto/execução Necessita modificar a estrutura ou seu uso . Arrancamento Resist. CP e Homogeneidade Resist. Danif. Maçaranduba e Eucalipto. Modulo de deformação. Resist. Adensamento BS4408 Nenhum Necessita de 2 superfícies lisas Baixo Esclerometria Coef. à abrasão.Podem ser:    Não Destrutivos: (Ultrassom. a penetr. CP. BS1881 Furos no Concreto Alto Baixa Boa Penetração Resistencia do concreto ASTM C803 Superf. Esclerometria) Semi Destrutivos: (Arrancamento. Ultrassom Velocidade do deslocame nto de impulsos Resistência. Ex: Peroba. . Moder Rápida Moder. Distância mínima das bordas Dificuldades da extração Muito Baixo Rápida Peq. Resistencia a flexão e Homogeneidade Resist.São madeiras provenientes de árvores de ótima qualidade. Arbitrário BS4408 Nenhum Necessita de Superfície Lisa Tamanho CP. do Concreto Resistencia do concreto ASTM C900 Cone Extraído Moder Rápida Moder. Penetração) Destrutivos: Extração de corpo de prova da estrutura Assim temos o quadro resumo dos ensaios: Ensaio Proprieda de medida Propriedade Estimada Norm a Dano à estrutura Restrições Custo Velocidade dos Resultados Rápida Confia bilidade Moder.

. principalmente a tração Furos de larvas Bolor Apodrecimento Menos Resistência e fissuras Menos Resistência e descoloração Menos resistência.O ensaio utiliza-se de um corpo de prova prismático de 20x20x30mm. Esse é colocado em estufa e secado por 3hrs. .São madeiras de qualidade inferior que são utilizadas principalmente em materiais auxiliares da construção. Massa Específica . Pau-Branco. Ex: Pinho. .5 g/cm³ Ensaios          Compressão de Fibras Paralelas Módulo de Deformação a Compressão Flexão Estática Modulo de Deformação à Flexão Flexão Dinâmica Tração Normal às Fibras Dureza Cisalhamento Resistência à Flambagem.Todas as madeiras tem massa específica de valor 1.É importante pois influencia em outras propriedades.Madeira mole ou branca . Aberturas nas pontas das toras causadas por choques ou secagem É o encurvamento da seção transversal. na largura das peças. Dano à Estrutura Menos Resistência.É considerada normal quando atinge até 15%. descoloração e fraqueza Fendas Menos resistência Abaulamento ou Empenamento Arqueadura Menos resistência e defeito visual Empenamento no sentido longitudinal ou seja no comprimento Menos resistência PROPRIEDADES Umidade . Defeitos Nó Descrição Formação de núcleos em pontos de estruturas das árvores Furos produzidos por insetos Desintegração da madeira causada por fungos Desintegração avançada da madeira causada por agentes estranhos.

3) Tratamento da Matéria Prima O processo de tratamento compreende a depuração (eliminação de impurezas). divisão (Retirada de pequenos fragmentos da argila).Utilizada para fazer tijolos e telhas.São pouco utilizadas.São mais puras – Porcelana.MATERIAIS CERÂMICOS . Refratária. umidificação (Obtenção adequada de umidade) 4) Moldagem: Processo que depende muito da plasticidade da mistura. Cerâmica Sanitária De origem da Montmorilonita: . O mais comum é a moldagem mecânica feita em pastas brandas. De origem da Micáceas: . FABRICAÇÃO 1) Exploração da Jazida Estudos feitos da qualidade. . CLASSIFICAÇÃO De origem da Caolinita: . 2) Extração das Jazidas Primeiramente. causando a economia de água no processo. marombas e prensas. tipo e quantificação do material. pois são muito absorventes e necessitam ser misturadas a caolinita para corrigir a plasticidade. juntamente com desengordurantes. homogeneização (argila + desingordurante + água). limpa o material de expurgo. inútil depois com equipamentos rudimentares até os mais modernos. Desse estudo se indica quais produtos poderão ser produzidos.Tem a argila como principal matéria-prima. passamos a retirar o material.

São de alta resistência a água. São também peças arquitetônicas de grande importância paisagística. .É formado pela mistura de pigmentos com vernizes resultando em um produto altamente liso e fino. E a queima depende muito do tipo de material a ser produzido. Peças para telefones móveis. equilibrando as tensões externas e internas.São substâncias orgânicas de grande massa molecular e que apesar de sólidas. tacos de golfe varas de pescar. 6) Queima São utilizados fornos intermitentes ou contínuos. porem são quebradiças e não são indicadas para exteriores que levem sol ou pisos muito utilizados.São substâncias de gomas ou resinas que são convertidas em uma película translúcida para aplicação em finas camadas. Podem amolecer e endurecer de acordo com a necessidade Não moldáveis: são aqueles que mesmo em altas temperaturas e sob pressão não são moldáveis. . tem como seus produtos finais com capacidade de serem plásticos ou moldáveis pela simples aplicação de calor e/ou pressão. sendo aquecidos ou por pressão. pois sofrem decomposição. ESMALTES . Podem ser remoldados quantas vezes for necessário. MATERIAIS DE PROTEÇÃO TINTAS . Tipos Poliéster ou Alquídicos Classificação Termofixo Aplicação Fibras de vidro. .São classificados pelo seu processo de aquecimento como:    Termoplásticos: são os que sozinhos ou com um plastificante amolecem pelo aquecimento. Peças para automóveis. .5) Secagem Tem o objetivo de secar o material após a moldagem retirando parte da água. MATERIAIS PLÁSTICOS .Utilizado em materiais com necessidade de proteção da água e que necessitem de boa aparência. .São substâncias aplicadas nas superfícies com a finalidade de protegê-las da deterioração.Como exemplos de tintas temos:      Tinta a óleo Tintas Emulsionáveis Tintas para caiação Tinta resistente ao calor Tintas luminescentes VERNIZES . O retorno do líquido para o sólido é impossível. Termofixos: passam pelos estados bem mais rápido.

Garrafas. Tintas e Revestimentos de Proteção Características: Dever ser bastante aderente. linhas de pesca. copos. Sólidos ou semissólidos em temperatura ambiente. lápis. botões.São compostos essencialmente de betume. Ductilidade: É a capacidade do material de se alongar sem se romper. Tubos Flexíveis. rochas asfálticas ou pro processos industriais de destilação do petróleo (PETROBRÁS). Janelas de aviões. Utilizado em tecidos. Válvulas e Bombas Esponjar. farol de carros e motos Isoladores elétricos. . Roldanas. resistir ao contado com a água. como forro e com proteção de equipamentos contra choques Revestimentos superficiais e construção de pisos Termoplástico e Termofixo Não moldável Termofixo Termofixo Termofixo Celulósicos Fenólicos Derivados de Ureia Derivados da Melanina Fluorcarbonetos Poliuretanos Silicones Lapiseiras. Importante nesses materiais pois há dilatações excessivas por causa do calor. botões e armários para banheiros. sólidos ou gaosos de origem natural ou artificial por reações químicas.pode ser utilizado de duas maneiras:  Estanqueidade. escovas. cheiro de óleo queimado.Poliamida Termoplástico Conhecido como Naylon. Utilização . massa específica em torno de 1kg/dm³. Cafeteiras. ASFALTO Definição . Propriedades    Massa específica de 1kg/dm³. estofados de carros e isolamento em paredes pré-fabricadas Adesivos. Colchões de ar. não atacar quimicamente aglomerantes e agregados e poder formar uma camada impermeável . Televisões. rede de tênis e vôlei. Viscosidade: É a capacidade de resistir à deformação pela ação de uma força oposta ao sentido em um fluido. uma mistura de hidrocarbonetos que podem ser líquidos. Utilizado como isolante.São suas características: Cor preta ou parda. Pernas de óculos. Polivinílicos Poliacrílicos Poliestireno Termoplástico Termoplástico Termoplástico e Termofixo Não moldável Poliestireno Expandido Epóxi Chamado de Isopor. graxas. resistir bem a abrasão. polias e colas para móveis Tampas. Aparelhos de jantar e botões Termoplásticos Termofixo Termofixo Vedações flexíveis. Caixas transparentes e dentaduras Brinquedos. borracha. adesivos Anúncios luminosos. Bolas. pentes. pentes. Sapatos. esmalte de revestimento e elastômeros MATERIAIS BETUMINOSOS .São materiais constituídos principalmente por betumes e podem ser obtidos de jazidas naturais. espelhos de interruptores.

.A oxidação É o fenômeno no qual o metal reage com o oxigênio do ar no qual está em contato direto. No caso do aço no concreto. condutores elétricos. Capacidade do material de ser moldado. a oxidação se inicia na superfície externa formando uma camada de óxidos que tendem a impedir o prosseguimento da reação. o cal passa a reagir com o CO2 do ambiente podendo chegar a atingir a armadura e essa passa a sofrer o processo de corrosão e diminuição de sua área útil. A corrosão é consequência do processo de oxidação. opacidade.Pode ser maléfica no caso do aço carbono comum. . Dobramento: Importante propriedade para metais do concreto.No processo. MATERIAIS METÁLICOS . Para isso não acontecer. pois deteriora muito o metal fazendo-se necessário onerosos tratamentos (tintas especiais) e dependendo do estágio. Fluência: Aumento da deformação com o tempo. o concreto deve ser o mais impermeável possível e ter um cobrimento seguro. medidas perigosas e onerosas de reparação deverão acontecer.No concreto armado a armadura é protegida dentro da estrutura e o meio se torna alcalino pela presença do cal do aglomerante. . Uso em Rodovias Características: Proporcionar boa ligação entre agregados. Porém essa reação pode não parar. substituição da peça. . Porém. CASO DE OXIDAÇÃO E CORROSÃO NO CONCRETO ARMADO . Se isso não acontecer.São caracterizados pela alta resistência mecânica.Corrosão é o processo em que a substância do meio reage com o material e é removida com parte do composto químico resultante. isso é importante pois esse tem que ser dobrado a frio. OXIDAÇÃO E CORROSÃO . incapaz de retornar ao seu estado inicial após retirado o carregamento. baixa resistência elétrica e alta condutibilidade térmica. PROPRIEDADES         Resistência a tração Resistência a compressão Resistência ao cisalhamento Dureza: indica a dificuldade de se riscar ou marcar a superfície do material Impacto Fadiga: Submeter materiais a esforços variáveis.São os materiais que fazem parte do grupo metais da tabela periódica.Pode ser benéfica quando forma a camada de proteção. evitando o contato com o meio. . ductilidade. . brilho. cromo e níquel) onde o cromo se oxida e forma a camada de proteção do metal. com o tempo. .Seus principais usos são: Estruturas com grandes vãos. Aço inoxidável.São processos em que o material tende a retornar à natureza procurando uma condição mais estável. . dureza. Ex. resistir bem a ações mecânicas e boa capacidade de impermeabilização. materiais de acabamento e proteção. e passar a deteriorar o metal. (Formando por aço. Seu uso está diretamente ligado a essas propriedades.

.O canteiro organizado propicia:    Otimização dos trabalhos. ter sinalização de advertência e ser mantida à distância mínima de 1.É um dos grandes vilões dos acidentes de trabalho figurando 8.5% da média atual dos acidentes de trabalho no país.O trabalho deve ser realizado por profissional qualificado e supervisionado por profissional legalmente habilitado. a distribuição.O quadro de força principal.A fiação elétrica enterrada deve ser protegida por placas de concreto ou eletrodutos.A indústria da construção civil vem sendo uma das principais atuantes na movimentação econômica do pais e por suas características sociais de integração desde os empresários do ramo imobiliário aos operários. ORGANIZAÇÃO E LIMPEZA .O fusível.50m das escavações. Não substituir por dispositivo improvisado ou por fusível de capacidade superior. . sem a correspondente troca de fiação. a chave e o disjuntor devem ser compatíveis com o circuito. . Redução das distâncias entre estocagem e emprego do material. TÉCNICAS DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS . Redução dos fatores de risco de acidentes. .SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO CONCEITO . . as tomadas e os comandos devem ter proteção contra intempéries. .Aterrar estruturas e carcaças de equipamentos elétricos.

bem como os eventuais riscos com emanações de gases. a circulação de materiais e o acesso aos equipamentos de combate ao incêndio. protegidas por guardacorpos. ALMOXARIFADO .Para o bom aproveitamento da área dos canteiros. demarcados e cobertos. inclusive das plataformas.Deve ser instalado em local que facilite a recepção dos materiais e a distribuição pelo canteiro.Os materiais tóxicos. máscara descartável e calçado de segurança para a remoção de entulhos. Devem ser armazenados em local isolado e sinalizados. . sobra de materiais e limpeza do canteiro. quando necessário. . .Manter os materiais com facilidade de acesso e manuseio.Identificar previamente a existência de galerias. organizado e identificado. é importante:       Manter materiais armazenados em locais pré-estabelecidos. . Utilizar equipamentos mecânicos ou calhas fechadas.Quando houver trânsito sobre a escavação. devem ser identificados e separados por compatibilidade química.Inspecionar diariamente o escoramento do talude. para a remoção de entulhos em diferentes níveis. inflamáveis e explosivos. Coletar e remover regularmente entulhos e sobras de material. .. passagens e escadarias. corrosivos. instalar passarelas de largura mínima de 0.Delimitar as áreas de escavações com fitas zebradas e cavaletes. ESCAVAÇÕES DE VALAS E POÇOS . Evitar poeira excessiva e riscos de acidentes durante a remoção. Desobstruir as vias de circulação. Utilizar capacete. canalizações e cabos elétricos. luvas.Manter limpo. .60m. . proibindo o tráfego de veículos. de modo a não prejudicar o trânsito de pessoas.

instalações elétricas adequadas à potência do equipamento. com material resistente. .Inspecionar o escoramento e a resistência das formas.Elaborar procedimento para resgate.Inspecionar as conexões dos dutos transportadores previamente à utilização. antes de iniciar as atividades de lançamento e vibração de concreto. cabos protegidos contra choques mecânicos e cortes.Verificar previamente.Tornar obrigatório o uso de cinturão de segurança.Viabilizar ventilação mecânica.Promover revezamento de atividades entre os poceiros a cada hora trabalhada. .Priorizar cortes em via úmida para evitar a propagação da poeira. em caso de emergência.Realizar os recortes em local aberto. CONCRETAGEM . no local da escavação.Promover revezamentos frequentes de atividades entre os trabalhadores que transportam o mangote. com simulação de emergência. dupla trava de segurança no sarilho e cabo de fibra sintética para içamento do trabalhador. . . . RECORTE DE PAREDES E REVESTIMENTO CERÂMICOS . . . disponibilizar equipamentos e ministrar treinamento para todos os envolvidos. . por profissional habilitado. .Na interrupção do serviço. com o vento a favor do trabalhador. com ar filtrado.Depositar os materiais retirados da escavação em distância superior à metade da profundidade medida a partir da borda do tubulão. manter cobertos os tubulões. a existência da dupla isolação. . com os demais trabalhadores envolvidos na tarefa de concretagem.Instalar escadas ou rampas para abandono rápido do local.. . na operação do vibrador.

e com travamento que não permita seu deslocamento ou desencaixe. apoiada na bancada. dispositivos destinados à ancoragem e sustentação dos andaimes dos cabos de segurança para uso de proteção individual em edificações com altura superior a 12m. com toda a superfície de trabalho isenta de saliências ou depressões. retirando-a somente depois de concluído o fechamento da periferia até a plataforma imediatamente superior. . Montar os andaimes com material antiderrapante. retirando somente após o fechamento da periferia dos pavimentos.20m) e rodapé (0. . ANDAIME TUBULAR .Instalar plataformas intermediárias a cada três pavimentos. a partir da primeira laje. a partir do térreo.Providenciar a fixação e sustentação dos andaimes somente por profissional legalmente habilitado. conforme projeto.Retirar periodicamente o entulho das plataformas.Instalar. . . com guarda-corpo (1. para não ultrapassar o limite da edificação (periferia)..Utilizar o riscador para recortes de revestimento cerâmico e/ou equipamento para aspiração de poeira em locais fechados.Instalar a tela entre as extremidades de duas plataformas de proteção consecutivas. forração completa e nivelada e fixá-los de forma segura e resistente.20m). visando minimizar a adoção de posturas inadequadas e risco de acidentes. .Instalar plataforma principal de proteção em todo o perímetro. . em edificações com mais de quatro pavimentos.Instalar andaimes em montantes apoiados em sapatas sobre solo resistente.Realizar a operação de recorte das peças com serra mármore ou riscador.Restringir o comprimento do talabarte do cinturão de segurança tipo pára-quedista ao ponto de ancoragem. . PLATAFORMAS . .

Proibir atividades próximas aos halls dos elevadores que possam provocar a queda de materiais nas aberturas dos poços dos elevadores. .Manter as proteções nas aberturas dos poços dos elevadores. protetor auditivo e luvas de raspa no uso da esmerilhadeira. respirador contra poeira. . . SERRA CIRCULAR .Orientações para remoção das ferragens do poço do elevador: . . cutelo divisor. afixado ao teto do poço do elevador. que deverá estar preso ao cabo de fibra sintética. em altura superior a 2 metros. proteção no sistema de transmissão de força e no dispositivo de acionamento..Instalar nas entradas dos poços dos elevadores cartazes para informar a existência de trabalhadores realizando atividades no local.Utilizar capacete de segurança. preso ao trava-queda com cabo de fibra sintética independente.Fornecer e tornar obrigatório o uso do cinturão de segurança. mesmo durante a execução das atividades nos vãos.Disponibilizar caixa coletora de serragem e sistema de coleta de poeira de madeira.Instalar fechamento provisório em material resistente e seguramente fixado à estrutura nos vãos de acesso ao poço dos elevadores. .Iniciar a remoção das ferragens dos pavimentos superiores para os inferiores. . .Utilizar o cinturão de segurança.Utilizar o andaime móvel somente em superfícies planas. fixado ao trava-queda. . óculos de proteção ou protetor facial. POÇO DE ELEVADOR . com travas nos rodízios e somente deslocá-lo sem pessoas ou materiais na plataforma. . tipo paraquedista.Instalar coifa protetora com alavanca de regulagem.

.Afixar na carpintaria a relação dos trabalhadores autorizados a operar a serra circular. respirador descartável. luva e mangote de raspa.Usar dois ou mais trabalhadores para transportar cargas com peso superior a 23kg. avental.No levantamento manual. os pés afastados e a carga próxima ao tronco para que a força seja realizada pelas pernas. LEVANTAMENTO E TRANSPORTE DE CARGAS .O trabalhador deve utilizar dispositivo empurrador para serrar peças de tamanho reduzido. durante o posicionamento da estaca no capacete. tipo paraquedista. . na operação de soldagem dos anéis. BATE-ESTACAS . agachar próximo à carga mantendo a coluna ereta. de modo a afastar as mãos do ponto de corte. . luvas de raspa. protetor facial.Usar cinturão de segurança. avental e calçado de segurança. usar máscara de solda.Utilizar protetor auditivo. ..Manter o pilão no solo quando não estiver em operação. vestimenta e. bota de borracha ou de couro.O trabalhador deverá utilizar capacete. protetor auditivo. luvas de raspa. ao posicionar a estaca no capacete do pilão.Isolar a área de operação. . preso ao trava queda em cabo independente. . .

. Devem ser mantidos.00m (quatro metros) entre a viga superior da cabina e o topo da torre.Permitir a operação somente por profissional qualificado. .Instalar torres dimensionadas para as cargas previstas. TRANSPORTE MECANIZADO DE MATERIAIS . .A rampa portátil permite acesso do carrinho à carroceria do caminhão. . .Fornecer ao operador assento com encosto dorso lombar.Revestir as torres de elevadores com tela de arame galvanizado ou material similar. .Providenciar sistema de comunicação. evitando o transporte manual de carga.Manter a distância de 4. após a última parada.TRANSPORTE DE CARGA COM CARRINHOS MANUAIS .Providenciar aterramento elétrico da torre e guincho do elevador. . . em freqüência diferente das outras operações. preventivamente. via rádio. conforme normas da concessionária local. rígida e nivelada. afastadas de redes elétricas ou isoladas.Proteger as partes móveis do sistema de transmissão. . .Manter a cabina do elevador em boas condições de conservação e com placa com indicação de carga máxima permitida.Instalar torre e guincho em uma única base de concreto. . com engraxe das roldanas e calibração dos pneus.Os carrinhos para transporte de materiais devem ter rodas adequadas ao piso e sistema de trava a ser utilizado em piso desnivelado.

Elaborar e implementar procedimento para resgate do operador.Verificar diariamente o funcionamento do sistema de fim de curso.Lavar as mãos frequentemente.Disponibilizar ao operador: assento com encosto dorso lombar. para-raios a 2.Não ingerir carne crua ou mal cozida.Proteger alimentos contra moscas e outros insetos. CUIDADOS COM A HIGIENE PESSOAL E DO CANTEIRO . . permitir a operação assistida e quando superior a 72Km/h. . . poços.Manter as unhas limpas e cortadas. . . .Deve dispor de anemômetro com alarme sonoro. se não for tratada! .Lavar bem frutas e verduras. Deve ser operada somente por trabalhador treinado e em boas condições de saúde. pode-se pegar a Esquistossomose (barriga-d’água) que é grave. anexo III.Isolar áreas de carga e descarga no raio de ação da grua. . .Ande sempre com os pés calçados. desmontada e mantida somente por profissional qualificado. garrafa térmica com líquidos resfriados para o consumo e pausas para as necessidades fisiológicas. . . em freqüência exclusiva. entre operador e sinaleiro amarrador.A grua deve ser montada.00m acima da parte mais elevada da torre e lâmpada piloto para sinalizar o topo.Deve ter estrutura aterrada. . proibir a operação. operações que devem ser supervisionadas por profissional legalmente habilitado. .GRUA . . Nesses lugares. principalmente antes e depois de comer.Proibir sua operação sob intempéries.Providenciar sistema de comunicação via rádio. . antes e depois de usar o banheiro e após manipular terra. minas e açudes. Quando a velocidade do vento for superior à 42Km/h. lagos. em caso de mal-estar.Beber água filtrada e fervida. .Evitar banhos em locais de águas paradas como rios.Seguir o plano de carga conforme determinação da NR-18. .

guarda e conservação dos EPI. . limpeza e conservação. PRINCIPAIS EPI DE OBRA Capacete: Proteção do crânio contra impactos e choques elétricos. Cabe ao trabalhador: .Orientar e treinar periodicamente os trabalhadores para o uso.EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) Cabe à empresa: .Utilizar os EPI necessários de acordo com a tarefa a ser realizada. O conjunto é formado por capacete. danificados ou extraviados. . Os óculos de lentes escuras protegem contra radiação solar. . .Atentar que o EPI é de uso exclusivo. quando necessário.Solicitar a substituição. carneira e jugular. .Zelar pela sua guarda. com Certificado de Aprovação – CA. Óculos de Segurança: Proteção dos olhos contra partículas.Substituir imediatamente quando estiverem desgastados. No mercado tem óculos de lentes transparentes e lentes escuras de diversos modelos. respingos de produtos químicos. . faíscas. expedido pelo Ministério do Trabalho e Emprego – MTE e fornecer gratuitamente aos trabalhadores.Adquirir os EPI adequados a cada tarefa.

. Utilizadas principalmente por ferreiros Luva de Kevlar: Luva de alta resistência a cortes. como transporte de blocos de concreto. Utilizadas principalmente por carpinteiros. Indicada para atividades que exijam bom tato e abrasão.Luva de Raspa: indicada para atividades de manipulação de materiais desgastantes ou perfurantes. Luva de Lã Pigmentada: utilizada para serviços não desgastantes aonde é necessário abrasão e tato. Serviços com materiais desgastantes é indicada a luva de raspa.

solventes. cimento branco.Luva de Vaqueta: indicadas exclusivamente para atividades dos eletricistas e ajudantes de eletricistas. óleos. Creme Luvex: é um creme que cria uma camada impermeabilizadora nas mãos evitando o contato com produtos químicos. Luva de Látex: indicadas para trabalhos com cimento. . É uma luva bem mais cara que a luva de raspa. aditivos. argamassa e outros produtos que sofrem reações químicas e que é necessário tato.

torções e picadas de animais peçonhentos. picaretadas. Cinto de Segurança Tipo Paraquedista: Tem a função de proteger o profissional contra quedas quando este está fazendo trabalhos em altura. Bota de PVC: Tem a função de proteger os pés do profissional em dias de chuvas e da água em serviços de lavagem. Bota de Segurança: Tem a função de proteger os pés do profissional de quedas materiais. Para que isto aconteça o cinto de segurança deve estar preso à linha de vida ou cabo vida. por exemplo). . perfurações (pregos. minimizar a ação de choques nas pernas ao manusear ferramentas. como enxadadas.Perneira: tem a função de evitar picadas de animais peçonhentos em trabalhos dentro de matagais e. também.

Preferência para trabalho com talabarte duplo. tintas. fagulhas de aço) no corpo do profissional. argamassa. Podem ser de simples talabarte ou duplo talabarte. resto de solda. Avental: Tem a função de evitar a projeção de partículas (concreto.Talabarte: Tem a função de ligar o cinto de segurança do profissional ao cabo vida. As capas geralmente são em PVC ou plásticas. . Protetor Auricular: Tem a função de proteger e/ou abafar os ruídos de máquinas e equipamentos. Trava-quedas: Tem a função de travar possíveis quedas do profissional ao durante o percurso das escadas de acesso a andaimes Capa de Chuva: Tem a função de proteger o profissional das chuvas. Existem no mercado dois tipos de protetor auricular: protetor auricular de concha e protetor auricular de plug.

Máscara Respiratória: Tem a função de proteger contra gases. névoas. vapores e poeiras. .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful