Você está na página 1de 38
Curso Educação Ambiental nas Instituições Curso Educação Ambiental nas Instituições Módulo 1 - Educação e

Curso Educação Ambiental nas Instituições

Curso Educação Ambiental nas Instituições

Módulo 1 - Educação e Educação Ambiental:

conceitos básicos

MÓDULO 1 -

Curso Educação Ambiental nas Instituições

Educação e Educação Ambiental: conceitos básicos

O que é educar

Por que educar

Ecologia

Meio ambiente

Ecopedagogia

Ecodesenvolvimento

Técnicas e recursos em educação ambiental

Sugestões de atividades que podem ser desenvolvidas pelas instituições que trabalham com crianças

Sugestões de trabalhos que os educadores ambientais das instituições podem realizar com sucatas

Sugestões de técnicas e recursos didático-pedagógicos em educação ambiental

Borboleteando sobre espécies animais e vegetais

O material desse módulo está disponível apenas como parâmetro de estudos para este programa de educação do CENED. É proibida qualquer forma de comercialização do mesmo. Os créditos do conteúdo aqui contido são dados aos seus respectivos autores descritos na bibliografia consultada.

Autora: PROFa. Ms. IVONE APARECIDA DIAS

Curso Educação Ambiental nas Instituições

MÓDULO 1

1 Educação e Educação Ambiental: conceitos básicos

1 1 Educação e Educação Ambiental: conceitos básicos Fonte: http://www.meionorte.com OBJETIVO DO MÓDULO -

OBJETIVO DO MÓDULO - Refletir sobre os seguintes conceitos básicos: educação, ecologia, meio ambiente, ecopedagogia e ecodesenvolvimento.

O MÓDULO E O CURSO - É importante pensar as discussões que serão realizadas no módulo a partir de uma perspectiva de totalidade do curso. Desse modo, é necessário que o cursista compreenda de maneira cada vez mais aprofundada que os conceitos discutidos neste módulo são fundamentais para o entendimento de que a educação ambiental está articulada a diversos outros conceitos que a sustentam. Assim, se estamos falando de educação ambiental, é preciso, antes, esclarecer o que é educação e o que é meio ambiente, por exemplo.

ESTRUTURA DO MÓDULO

- Excerto para reflexão; - Texto-base articulado a indicações de leitura para aprofundamento da discussão;

Centro Nacional de Educação a Distância CENED (http://www.cenedcursos.com.br)

Curso Educação Ambiental nas Instituições

- Exercícios;

- Videoaulas;

- Vídeos para aprofundamento;

- Discussão no Fórum.

Para refletir

A Educação Ambiental é um processo de educação política que possibilita a aquisição de conhecimentos e habilidades, bem como a formação de atitudes que se transformam necessariamente em práticas de cidadania que garantem uma sociedade sustentável (PHILIPPI JUNIOR e PELICIONE, 2002, p. 3).

1.1 O que é educar

Em geral, quando falamos/ouvimos ou pensamos na palavra “educação” logo nos vem à mente as seguintes ideias e imagens: escolas, livros, cadernos, professores, alunos. Tal ideia e tais imagens não são de todo equivocadas. Entretanto, é necessário considerar que a prática da educação não se resume à escola; na verdade, toda nossa vida está permeada por muitas práticas educacionais. Larroyo (1982) diz que a educação se faz presente onde quer que existam homens, independentemente de tempo e espaço. Para Brandão (2003, p. 7),

Ninguém escapa da educação. Em casa, na rua, na igreja ou na escola, de um modo ou de muitos todos nós envolvemos pedaços da vida com ela: para aprender, para ensinar, para aprender-e-ensinar. Para saber, para fazer, para ser ou para conviver, todos os dias misturamos a vida com a educação.

Desse modo, é possível observar que em todos os espaços estamos envolvidos com a educação, ensinando e/ou aprendendo. Até mesmo as mínimas ações que, às vezes, são entendidas como naturais, como comer e beber, na vida em sociedade, tais ações assumem um caráter cultural, dependente da maneira como os homens vivem

Curso Educação Ambiental nas Instituições

numa determinada época e, também, de acordo com a posição social que os indivíduos ocupam na sociedade. Para Rego (1996, p. 48), “diferentemente do homem, o animal não transmite a sua experiência, não assimila a experiência alheia, nem tampouco é capaz de transmitir (ou aprender) a experiência das gerações anteriores”. Portanto, pode-se dizer que “educar” é uma atividade ou um fazer específico dos seres humanos. Só as pessoas transmitem aos seus semelhantes as suas experiências, assim como aprendem com as experiências de seus pares. Nesse processo de troca, de ensino e aprendizagem, é que a educação se efetiva, se realiza. De acordo com Leontiev (1978), o ser humano aprende a ser “homem” (pessoa) a partir das relações que são estabelecidas em um determinado grupo cultural. Para ele, o que a natureza nos dá não basta para aprendermos a viver em sociedade; é necessário que os seres mais experientes de nosso grupo cultural nos ensinem os modos convencionais de nos tornarmos membros de tal grupo. Nesse sentido é que Pino (2000) afirma que no processo de humanização o homem passa por dois nascimentos: o biológico e o cultural. Ou seja, nascemos e herdamos as características genéticas de nossos pais. Contudo, não herdamos pela via biológica os conhecimentos que a humanidade já produziu. Para essa aquisição torna-se necessária a inserção ativa do sujeito em um grupo cultural. São os integrantes desse grupo que ensinarão ao novo membro social as formas de comportamento aceitáveis naquele grupo, na sociedade; ensinarão a linguagem que lhe é própria entre outras construções ou elaborações históricas.

entre outras construções ou elaborações históricas. Fonte: http://www.planetaeducacao.com.br Centro Nacional de

Curso Educação Ambiental nas Instituições

1.2 Por que educar

De acordo com Erasmo de Roterdã (1466-1536), teólogo humanista, se as aparências fizessem os seres humanos até mesmo as estátuas representativas dos homens poderiam ser consideradas pessoas, gente. Entretanto, como sabemos as estátuas não são homens, são imitações das aparências dos seres humanos. Não são pessoas por não possuírem, por exemplo, a capacidade de raciocinar, de pensar, de sentir; aliás, as estátuas não possuem nenhuma das características que apenas nós, seres humanos, podemos desenvolver.

que apenas nós, seres humanos, podemos desenvolver. Erasmo (1466-1536) Fonte: http://pt.wikipedia.org O que é

Erasmo (1466-1536) Fonte: http://pt.wikipedia.org

O que é importante observar na afirmação de Erasmo é que a sua preocupação não está centrada na simples observação de que as estátuas não são pessoas. Isso qualquer um de nós pode dizer. Ele está chamando a atenção para o fato de que não basta a nós, seres humanos termos a aparência humana e não agirmos como humanos, como pessoas, como gente que pensa, sente, raciocina. Isso tem tudo a ver com a educação, pois, como salientam os grandes educadores no decorrer da história, é responsabilidade das gerações mais velhas ensinar às gerações mais novas as formas de desenvolver a humanidade, de desenvolver as características que nos humanizam. Eis, portanto, o papel da educação. Vygotsky, grande pesquisador russo, cujas obras, atualmente, têm contribuído enormemente com os estudos em vários campos do conhecimento, mas especialmente

Curso Educação Ambiental nas Instituições

com a Psicologia e a Pedagogia, também evidencia que a educação tem a tarefa de gerar a humanidade nos humanos.

a educação tem a tarefa de gerar a humanidade nos humanos. Vy g otsky (1896-1934) Fonte:

Vygotsky (1896-1934) Fonte: http://www.phillwebb.net

Nesse sentido, em sua carreira de estudos e pesquisas, Vygotsky se preocupou com o entendimento das chamadas funções psicológicas superiores ou processos mentais superiores dos homens. Isto é, procurou entender como as funções psicológicas elementares, básicas como os reflexos , pelas mediações culturais dos sujeitos mais experientes de um determinado grupo se transformam em funções psicológicas superiores. Tais capacidades podem ser identificadas com a capacidade de pensar, de agir intencionalmente, de planejar, de pensar em objetos e situações distantes no tempo e no espaço e, assim, tomar decisões no presente considerando possíveis consequências para suas ações, entre outras. As idéias destacadas por Erasmo e Vygotsky apresentam um peso importante no contexto atual quando consideramos todas as transformações ambientais resultantes das ações dos homens no decorrer do tempo. Ou seja, somos seres pensantes, planejamos, podemos medir algumas consequências de nossas ações entre outras capacidades e, no entanto, a maioria dos homens de nosso tempo está agindo como as “estátuas de Erasmo”, como meras aparências de homens, desconsiderando suas possibilidades de humanização. Esse comportamento tem conduzido à destruição da vida em vários momentos e de diversas formas.

Curso Educação Ambiental nas Instituições

Curso Educação Ambiental nas Instituições Fonte: http://www.youngreporters.org Por fim, é necessário considerar que

Por fim, é necessário considerar que quando falamos em educação e meio ambiente, quando refletimos sobre as motivações do educar, devemos partir do pressuposto de que a intencionalidade educativa aqui salientada deve centrar-se na necessidade de educar para preservar a vida em sua totalidade.

1.3 Ecologia

A Ecologia é o estudo das interações dos seres vivos entre si e com o meio ambiente.

A palavra Ecologia tem origem no grego “oikos", que significa casa, e "logos", estudo. Logo, por extensão seria o estudo da casa, ou de forma mais genérica, do lugar onde se vive. Foi o cientista alemão Ernst Haeckel, em 1869, quem primeiro usou este termo para designar o estudo das relações entre os seres vivos e o ambiente em que vivem, além da distribuição e abundância dos seres vivos no planeta Terra (http://pt.wikipedia.org/wiki/Ecologia).

De acordo com informações disponíveis no site da USP (Universidade de São Paulo),

Ecologia é um conceito que a maioria das pessoas já possui intuitivamente, ou seja, sabemos que nenhum organismo, sendo ele uma bactéria, um fungo, uma alga, uma árvore, um verme, um inseto, uma ave ou o próprio homem, pode existir autonomamente sem interagir com outros ou mesmo com ambiente físico no qual ele se

Centro Nacional de Educação a Distância CENED (http://www.cenedcursos.com.br)

Curso Educação Ambiental nas Instituições

Curso Educação Ambiental nas Instituições encontra. Ao estudo dessas inter-relações entre organismos e o seu meio

encontra. Ao estudo dessas inter-relações entre organismos e o seu meio físico chama-se Ecologia. Mas, para termos uma definição histórica: “Pela palavra ecologia, queremos designar o conjunto de conhecimentos relacionados com a economia da natureza - a investigação de todas as relações entre o animal e seu ambiente orgânico e inorgânico, incluindo suas relações, amistosas ou não, com as plantas e animais que tenham com ele contato direto ou indireto, - numa palavra, ecologia é o estudo das complexas inter-relações, chamadas por Darwin de condições da luta pela vida”.

Conforme Carvalho (2004, p. 39-40), a ecologia procura

compreender as inter-relações entre os seres vivos, procurando

alcançar níveis cada vez maiores de complexidade na compreensão da vida e de sua organização no planeta. Assim, do estudo de ecossistemas singulares (unidades botânicas simples, por exemplo), a ecologia caminhou para o estudo de totalidades mais complexas e inclusivas, como é o caso das noções de biosfera e ecossistemas e, mais recentemente, da controvertida “hipótese Gaia” 1 .

] [

Devido às transformações operadas pelos homens no mundo por meio do trabalho, Carvalho (2004, p. 40) afirma que a palavra (assim como a prática) ecologia

transbordou as barreiras da ciência biológica e ecológica e, assim, transitou do campo das ciências naturais para o campo social. Para ela, no mundo social, por meio dos

movimentos sociais voltados “[

]

à utopia de um mundo melhor, ambientalmente

preservado e socialmente justo [

]”,

a ecologia se transformou em luta ecológica.

Tais ações constituíram um movimento social, o movimento ecológico, que se caracteriza pela compreensão holística do mundo e defende a construção de relações ambientalmente justas com a natureza e entre os seres humanos. Assim, há o deslocamento da idéia de ecologia, que passa a denominar não mais apenas um campo do saber científico, mas também um movimento da sociedade, portador de uma expectativa de futuro para a vida neste planeta. Mais do que a ciência ecológica, é o ecologismo que constitui a origem da EA 2 e da formação do sujeito ecológico (CARVALHO, 2004, p. 40).

1 “Esta teoria, datada dos anos 70, foi formulada por James Lovelock em colaboração com a pesquisadora Lynn Margulis. Lovelock propõe Gaia como um conceito mais amplo do que o de biosfera. a idéia central da “hipótese Gaia” é a de que a Terra é um ser vivo. No organismo de Gaia os humanos são como células de um de seus tecidos” (CARVALHO, 2004, p. 40).

2 EA = Educação Ambiental.

Curso Educação Ambiental nas Instituições

APROFUNDE SUA COMPREENSÃO:

Sugestão de Leitura:

-TEXTO: Ecologia

1.4 Meio ambiente

Conforme os Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Profissional de Nível Técnico (s/d), documento elaborado pela Secretaria de Educação Média e Tecnológica, o Meio Ambiente pode ser definido como tudo aquilo que nos cerca, levando-se em consideração os elementos da natureza como a fauna, a flora, o ar, a água, bem como os seres humanos. Para Melo (2007), os vocábulos “meio” e “ambiente” nos informam acerca de algo periférico, ou que está ao redor, em torno de um centro. Para ela, o meio ambiente é formado por terra, luz, água, pelo ser humano, etc. De acordo com Rodrigues (apud MELO, 2007), meio ambiente precisa ser compreendido a partir de uma visão biocêntrica, que considere o homem como um ser integrado ao meio ambiente e não de modo externo ao mesmo. Assim, o autor sugere que é necessário contrapor-se à visão antropocêntrica, a qual considera o homem como o centro em torno do qual tudo gira. Entende-se, assim, que uma nova concepção de meio ambiente deve ser desenvolvida. O homem não deve ser considerado como elemento externo à natureza; ele é um dos elementos componentes do ambiente. O centro é (ou deve ser) a vida, por isso a idéia defendida pelo autor de que nosso entendimento de natureza deve se pautar numa visão biocêntrica (vida no centro). Coimbra (apud MELO, 2007, p.44), defende que

meio ambiente é o conjunto dos elementos abióticos (físicos e químicos) e bióticos (flora e fauna), organizados em diferentes ecossistemas naturais e sociais em que se insere o homem, individual e socialmente, num processo de interação que atenda ao desenvolvimento das atividades humanas, à preservação dos recursos naturais e das

Centro Nacional de Educação a Distância CENED (http://www.cenedcursos.com.br)

Curso Educação Ambiental nas Instituições

características essenciais do entorno, dentro dos padrões da Natureza e dos padrões de qualidade definidos.

A Lei 6.938/81, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, no artigo

o conjunto de condições, leis, influências

e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em

todas as suas formas”.

3º, inciso I, destaca que meio ambiente é “[

]

Carvalho (2004, p. 35), por sua vez, afirma que é frequente, ao falarmos em

meio ambiente, pensarmos em “[

fauna‟”. Para ela, pensamos assim porque somos influenciados, educados para conceber a natureza e meio ambiente a partir de um dado ponto de vista. Desse modo, salienta que nossas concepções de meio ambiente não são concepções naturais, são históricas, construídas pelos homens no decorrer da história. Em outras palavras, desde que nascemos somos educados para nos relacionarmos com os animais (de pequeno e grande porte), plantas, pessoas etc, de uma determinada maneira. Crescemos pensando que nossa forma de compreender o mundo à nossa volta é o

„natureza‟, „vida biológica‟, „vida selvagem‟, „flora e

]

correto, o mais verdadeiro. Mas, é preciso observar que pessoas de outros grupos se relacionam com esses elementos (animais, plantas, terra, pessoas etc) de outras formas. Portanto, nossa maneira de entendimento não é única e nem necessariamente

a melhor ou a verdadeira. É nesse sentido que podemos dizer que nossa concepção de

natureza é histórica, pois depende da época na qual vivemos, e cultural, devido ao fato de depender da maneira como nosso grupo cultural (família, escola etc) nos

ensina, nos educa para nos relacionarmos com ela (com a natureza). A autora acima citada também ressalta que nossa compreensão de natureza, no

contexto atual, deve ser ampliada. Deve captar a questão a partir do ponto de vista que

considera que “[

estabelecem uma relação de mútua interação e co-pertença, formando um único mundo.” (CARVALHO, 2004, p. 36). Assim, nesse ponto, a autora chama a atenção para que nossa concepção de meio ambiente seja construída com base na visão socioambiental. Para ela, essa visão

]

a natureza e os humanos, bem como a sociedade e o ambiente,

Curso Educação Ambiental nas Instituições

natureza intocada

[

base física e biológica dos processos vitais, no qual todos os termos dessa relação se

como um campo de interações entre a cultura, a sociedade e a

nos permite compreender que meio ambiente não é sinônimo de “[

]

]”,

mas, isso sim, “[

]

modificam dinâmica e mutuamente.” (CARVALHO, 2004, p. 37).

Continuando sua defesa, a autora diz que a perspectiva socioambiental

considera o meio ambiente como espaço relacional, em que a

presença humana, longe de ser percebida como extemporânea, intrusa ou desagregadora (“câncer do planeta”), aparece como um agente que pertence à teia de relações da vida social, natural e cultural e interage com ela. Assim, para o olhar socioambiental, as modificações resultantes da interação entre os seres humanos e a natureza nem sempre são nefastas; podem muitas vezes ser sustentáveis [ (CARVALHO, 2004, p. 37, grifo nosso).

] [

Para Melo (2007), o conceito atual de meio ambiente não é estanque, ou seja,

tal conceito pode mudar acompanhando as transformações operadas pelos homens ao

realizarem suas atividades de trabalho para a manutenção de suas vidas.

atividades de trabalho para a manutenção de suas vidas. Fonte: http://www.portalsaofrancisco.com.br 1.5

1.5 Ecopedagogia

Para iniciarmos nossa reflexão sobre ecopedagogia é importante ter em conta o alerta de Gadotti (s/d, p.1):

Vivemos uma era de exterminismo. Pela primeira vez na história da humanidade, não por efeito de armas nucleares, mas pelo descontrole da produção industrial (o veneno radioativo Plutônio 239 tem um tempo de degradação de 24 mil anos), podemos destruir toda a vida do planeta. Passamos do modo de produção para o modo de destruição.

Centro Nacional de Educação a Distância CENED (http://www.cenedcursos.com.br)

Curso Educação Ambiental nas Instituições

“A possibilidade da autodestruição nunca mais desaparecerá da história da humanidade. Daqui para a frente todas as gerações serão confrontadas com a tarefa de resolver este problema” (Schmied- Kowarzik, 1999: 6). Só esperamos que as providências sejam tomadas a tempo para que não cheguemos tarde demais. Por isso precisamos ecologizar a economia, a pedagogia, a educação, a cultura, a ciência, etc.

Conforme o autor acima,

O cenário está dado: globalização provocada pelo avanço da revolução tecnológica, caracterizada pela internacionalização da produção e pela expansão dos fluxos financeiros; regionalização caracterizada pela formação de blocos econômicos; fragmentação que divide globalizadores e globalizados, centro e periferia, os que morrem de fome e os que morrem pelo consumo excessivo de alimentos, rivalidades regionais, confrontos políticos, étnicos e confessionais, terrorismo. É nesse contexto, nessa travessia de milênio, que devemos pensar a educação do futuro e podemos começar por nos interrogar sobre as categorias que podem explicá-la. As categorias “contradição”, “determinação”, “reprodução”, “mudança”, “trabalho” e “práxis”, aparecem freqüentemente na literatura pedagógica contemporânea, sinalizando já uma perspectiva da educação, a perspectiva da pedagogia da práxis. Essas são categorias consideradas clássicas na explicação do fenômeno da educação. Elas se constituem um importante referencial para a nossa prática. Não podem ser negadas pois ainda nos ajudarão, de um lado, para a leitura do mundo da educação atual e, de outro, para a compreensão dos caminhos da educação do futuro (GADOTTI, s/d, p. 2).

As reflexões do autor sinalizam para o fato de que a natureza (animal, vegetal, mineral), o homem, a educação, a ecologia devem ser considerados em sua totalidade, como fenômeno que abrange o todo. Nesse sentido, é necessário compreender que ecologia e educação, educação ambiental, consciência ecológica e ambiental não podem ser considerados como elementos desvinculados entre si. Portanto, para entender o que é ecopedagogia, é preciso refletir sobre uma ampla gama de fenômenos: o que é a sociedade, o que é/quem é o homem, o que educar, o que é ecologia, o que é consciência ambiental e social (consciência socioambiental). De acordo com Gadotti (s/d) ecopedagogia está intrinsecamente vinculada ao processo de evolução da ecologia claro que devemos compreender tal evolução a partir das transformações realizadas pelos homens em suas atividades, assim como não podemos esquecer os impactos causados por essas atividades.

Curso Educação Ambiental nas Instituições

Hoje podemos distinguir 4 grandes vertentes da ecologia: a ecologiaambiental -que se preocupa com o meio ambiente-, a ecologia social -que insere o ser humano e a sociedade dentro da natureza e propugna por um desenvolvimento sustentável-, a ecologia mental ou

profunda -que estuda o tipo de mentalidade que vigora hoje e que remonta a vida psíquica humana consciente e inconsciente, pessoal e arquetípica-, e a ecologia integral -que parte de uma nova visão da Terra surgida quando, nos anos 60, ela pôde ser vista de fora pelos astronautas (Boff, 1996). “A era planetária começa com a descoberta de que a Terra é apenas um planeta” (Morin e Kern, 1993: 16).

A ecologia natural se referia apenas à preservação da natureza. A

ecologia social integral se refere à qualidade de vida. Como se traduz

na educação o princípio da sustentabilidade? Ele se traduz por perguntas como: até que ponto há sentido no que fazemos? Até que ponto nossas ações contribuem para a qualidade de vida dos povos e para a sua felicidade? A sustentatibilidade é um princípio reorientador

da educação e principalmente dos currículos, objetivos e métodos.

É no contexto da evolução da própria ecologia que surge e ainda

engatinha, o que chamamos de “ecopedagogia”, inicialmente chamada de “pedagogia do desenvolvimento sustentável” e que hoje ultrapassou esse sentido. A ecopedagogia está se desenvolvendo seja como um movimento pedagógico seja como abordagem curricular. (GADOTTI, sd/d, p.11-12).

O mesmo autor ainda enfatiza que a ecopedagogia não se limita à pedagogia escolar. Ou seja, visto que a ecopedagogia envolve se volta para o trabalho de conscientização para um novo modo de viver, de atuar no mundo, ela

] [

em geral. Como afirma Francisco Gutiérrez, “estamos frente a duas lógicas que de modo algum devemos confundir: a lógica escolar e a lógica educativa” (1996: 26). A educação para um desenvolvimento sustentável não pode ser confundida como uma educação escolar. A escola pode contribuir muito e está contribuindo -hoje as crianças escolarizadas é que levam para os adultos em casa a preocupação com o meio ambiente- mas a ecopedagogia pretende ir além da escola: ela pretende impregnar toda a sociedade. Colocada neste sentido, a ecopedagogia não é uma pedagogia a mais, ao lado de outras pedagogias. Ela só tem sentido como projeto

não se dirige apenas aos educadores, mas aos habitantes da Terra

alternativo global onde a preocupação não está apenas na preservação da natureza (Ecologia Natural) ou no impacto das sociedades humanas sobre os ambientes naturais (Ecologia Social), mas num novo modelo

de civilização sustentável do ponto de vista ecológico (Ecologia Integral)

que implica uma mudança nas estruturas econômicas, sociais e culturais. Ela está ligada, portando, a um projeto utópico: mudar as relações humanas, sociais e ambientais que temos hoje.

Curso Educação Ambiental nas Instituições

Observamos, assim, que é grandioso o desafio que temos pela frente. Para enfrentá-lo é fundamental o conhecimento, não de uma disciplina, de um conteúdo apenas. É necessário conhecer a sociedade, como está estruturada, sobre quais valores as relações humanas estão assentadas. É necessário conhecer como as nossas ações interferem ajudam ou atrapalham a vida dos outros seres vivos e a dos próprios homens. É preciso saber como pequenas a atitudes e comportamentos podem contribuir para melhorar a vida em sua totalidade. Sendo assim, é importantíssimo que saibamos que a Educação Ambiental tem um papel grandioso a desempenhar e, desse modo, como educadores ambientais, ou, como “ecopedagogos‟, devemos ter claro que nosso papel é trabalhar com a educação da consciência; uma consciência voltada para o cuidado com a vida em todas as suas dimensões e em todos os espaços e tempo. Desse modo, a ecopedagogia objetiva, de maneira geral e ampla, educar para o sentimento de pertencimento à Humanidade. É nesse sentido que vale a pena refletir sobre a citação seguinte:

Estrangeiro eu não vou ser. Cidadão do mundo eu sou”, diz uma das letras de música cantada por Milton Nascimento. Se as crianças de nossas escolas entendessem em profundidade o significado das palavras desta canção, estariam iniciando uma verdadeira revolução pedagógica e curricular. Como posso sentir-me estrangeiro em qualquer território se pertenço a um único território, a Terra? Não há lugar estrangeiro para terráqueos, na Terra. Se sou cidadão do mundo, não podem existir para mim fronteiras. As diferenças culturais, geográficas, raciais e outras enfraquecem, diante do meu sentimento de pertencimento à Humanidade (GADOTTI, s/d, p.30).

de pertencimento à Humanidade (GADOTTI, s/d, p.30). Fonte: http://upload.wikimedia.org Centro Nacional de

Curso Educação Ambiental nas Instituições

Conforme salientam Antunes e Gadotti (s/d, p. 2),

Precisamos de uma ecopedagogia e uma ecoformação hoje, precisamos de uma Pedagogia da Terra, justamente porque sem essa pedagogia para a re-educação do homem/mulher não poderemos mais falar da Terra como um lar, como uma toca, para o “bicho-homem”, como dizia Paulo Freire. Sem uma educação sustentável, a Terra continuará apenas sendo considerada como espaço de nosso sustento e de domínio técnico-tecnológico, objeto de nossas pesquisas, ensaios, e, algumas vezes, de nossa contemplação. Mas não será o espaço de vida, o espaço do aconchego, de “cuidado”.

APROFUNDE SUA COMPREENSÃO:

Sugestão de Leitura:

-TEXTO: Carta da ecopedagogia - em defesa de uma pedagogia da terra -DISPONÍVEL:

-TEXTO: Ecopedagogia e educação para a sustentabilidade

- AUTOR: Moacir Gadotti

- DISPONÍVEL:

1.6 Ecodesenvolvimento

O conceito de Ecodesenvolvimento foi estruturado nos anos 1970 em um contexto de grandes embates entre os defensores do desenvolvimento a qualquer preço e os adeptos das questões ambientais. Foi como derivação do termo Ecodesenvolvimento que o conceito de Desenvolvimento sustentável foi elaborado e utilizado em 1987 pela Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (CMMAD), presidida pela a então primeira- ministra da Noruega, Gro Harlem Brundtland.

Curso Educação Ambiental nas Instituições

Observamos, assim, que as relações entre meio ambiente e desenvolvimento são questões que se apresentam de forma entrelaçadas sendo praticamente impossível separá-las. A seguir, apresentaremos essas reflexões de forma mais elaborada.

1.6.1Desenvolvimento e sustentabilidade

Para Martins (2003, p.1),

A preocupação da comunidade internacional com os limites do desenvolvimento do planeta datam da década de 60, quando começaram as discussões sobre os riscos da degradação do meio ambiente. Tais discussões ganharam tanta intensidade que levaram a ONU a promover uma Conferência sobre o Meio Ambiente em Estocolmo (1972). No mesmo ano, Dennis Meadows e os pesquisadores do "Clube de Roma" publicaram o estudo Limites do Crescimento. O estudo concluía que, mantidos os níveis de industrialização, poluição, produção de alimentos e exploração dos recursos naturais, o limite de desenvolvimento do planeta seria atingido, no máximo, em 100 anos, provocando uma repentina diminuição da população mundial e da capacidade industrial.

Camargo (apud GONÇALVES, 2009, p.1) também afirma que foi o Clube de Roma, uma entidade formada por intelectuais e empresários, os quais não eram

militantes ecologistas, que produziu os primeiros estudos científicos a respeito da preservação ambiental e da necessidade de se repensar o processo de desenvolvimento econômico. Seus estudos foram apresentados entre 1972 e 1974, e relacionavam quatro grandes questões que deveriam ser solucionadas para que se

controle do crescimento populacional, controle do

alcançasse a sustentabilidade: “[

crescimento industrial, insuficiência da produção de alimentos, e o esgotamento dos recursos naturais”.

]

De acordo com Tayra (2009, p.1),

Em 1983 foi criada pela Assembléia Geral da ONU, a Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento - CMMAD, que foi presidida por Gro Harlem Brundtland, à época primeira-ministra da Noruega, com

Curso Educação Ambiental nas Instituições

a incumbência de reexaminar as questões críticas do meio ambiente e de desenvolvimento, com o objetivo de elaborar uma nova compreensão do problema, além de propostas de abordagem realistas.

Segundo o autor acima, essa Comissão

] [

pudessem orientar políticas e ações internacionais de modo a promover as mudanças que se faziam necessárias (WCED, 1987, p.4). No

trabalho surgido dessa Comissão, apareceu pela primeira vez de forma clara, o conceito de "Desenvolvimento Sustentável", embora ele já estivesse em gestação, com outros nomes, desde a década anterior. (TAYRA, 2009, p.1).

deveria propor novas normas de cooperação internacional que

Seguindo suas reflexões, o autor também afirma que

O relatório “Nosso Futuro Comum”, lançado em 1987 (também conhecido como "Relatório Brundtland"), veio atentar para a necessidade de um novo tipo de desenvolvimento capaz de manter o progresso em todo o planeta e, no longo prazo, ser alcançado pelos países em desenvolvimento e também pelos desenvolvidos. Nele, apontou-se a pobreza como uma das principais causas e um dos principais efeitos dos problemas ambientais do mundo. O relatório criticou o modelo adotado pelos países desenvolvidos, por ser insustentável e impossível de ser copiado pelos países em desenvolvimento, sob pena de se esgotarem rapidamente os recursos naturais. (TAYRA, 2009, p.1).

Considerando-se esses aspectos foi que o conceito de Desenvolvimento

Sustentável foi elaborado. O mesmo foi sintetizado pela Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento que estabeleceu que o desenvolvimento pautado na

necessidades do presente sem

comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem as suas próprias necessidades" (WCED apud TAYRA, 2009, p. 1).

sustentabilidade deve ser capaz de atender as “[

]

Tayra (2009, p. 2) também argumenta que

Além de ter aumentado a percepção do mundo em relação aos problemas ambientais, a comissão de Gro Harlem Brundtland não se restringiu somente a estes aspectos. O Relatório mostrou que a

Curso Educação Ambiental nas Instituições

possibilidade de um estilo de desenvolvimento sustentável está intrinsecamente ligado aos problemas de eliminação da pobreza, da satisfação das necessidades básicas de alimentação, saúde e habitação e, aliado a tudo isto, à alteração da matriz energética, privilegiando fontes renováveis e o processo de inovação tecnológica.

De acordo com Cavalcanti (apud GONÇALVES, 2009), sustentabilidade deve significar a possibilidade de se obterem de forma contínua condições iguais ou até superiores de vida para um grupo de pessoas e seus sucessores em um determinado ecossistema. Esse conceito equivale à idéia de manutenção de nosso sistema de suporte da vida. Trata-se, basicamente, do reconhecimento do que é biofisicamente possível em uma perspectiva de longo prazo. Cavalcanti (apud GONÇALVES, 2009, p. 1) também ressalta que o tipo de desenvolvimento que o mundo realizou nos últimos duzentos anos, de modo especial depois da Segunda Guerra Mundial, é insustentável. Para ele,

O desenvolvimento econômico não representa mais uma opção aberta,

com possibilidades amplas para o mundo. A aceitação da idéia de desenvolvimento sustentável indica que se fixou voluntariamente um limite para o progresso material, e a defesa da idéia de crescimento

constante não passa de uma filosofia do impossível. Entretanto, adotar

a noção de desenvolvimento sustentável corresponde a seguir uma

prescrição de política. O dever da ciência é explicar como, de que forma, ela pode ser alcançada, quais são os caminhos para a sustentabilidade.

Para Wackernagel, Rees e Chambers at alli (apud VAN BELLEN, 2003, p. 6),

o modelo atual de desenvolvimento é autodestrutivo e as diversas

iniciativas para modificar este quadro não têm sido suficientemente efetivas para reverter o processo de deterioração global. Enquanto isso, a pressão sobre a integridade ecológica e a saúde humana continua aumentando. Neste sentido, iniciativas mais efetivas para alcançar a

] [

sustentabilidade são necessárias, incluindo-se o desenvolvimento de ferramentas que estimulem o envolvimento da sociedade civil e que avaliem as estratégias de desenvolvimento, monitorando o progresso.

Curso Educação Ambiental nas Instituições

De acordo com Bezerra e Bursztyn (apud GONÇALVES, 2009, p. 1), as discussões sobre a sustentabilidade emergiram da crise de esgotamento daquelas concepções de desenvolvimento que estavam enquadradas nas lógicas da racionalidade econômica liberal:

Uma racionalidade eufórica associada ao movimento incessante para frente da razão, da ciência, da técnica, da indústria e do consumo, na qual o desenvolvimento uma aspiração imanente da humanidade expurgou de si tudo o que o contraria, excluindo de si a existência das regressões que negam as conseqüências positivas do desenvolvimento.

A partir da clareza que se foi elaborando em torno da necessidade de uma nova forma de desenvolvimento, pautado na sustentabilidade, encontros e conferências foram organizados e documentos elaborados. Assim,

A Comissão sobre o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (CDS) organizou para dez anos depois da Conferência do Rio a Conferência Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável em Johannesburgo, África do Sul. Essa conferência reuniu chefes de Estado e de Governo, organizações não-governamentais e empresários, que revisaram e avaliaram o progresso do estabelecimento da Agenda 21, um plano de ação mundial para promover o desenvolvimento sustentável a uma escala local, nacional, regional e internacional. A meta geral da Conferência foi revigorar o compromisso mundial a fim de um desenvolvimento sustentável e a cooperação Norte-Sul, além de elevar a solidariedade internacional para a execução acelerada da Agenda 21. Um dos êxitos desta reunião foi o estabelecimento da necessidade de se criarem metas regionais e nacionais para o uso da energia renovável (GONÇALVES, 2009, p.1).

Desse modo, podemos observar que é urgente e evidente a necessidade de estabelecermos uma sociedade pautada em novos valores, em novas atitudes em relação ao meio ambiente, à vida em sua totalidade. Assim,

é nada menos do que mudar o curso da

civilização, deslocar o seu eixo da lógica dos meios a serviço da acumulação, num curto horizonte de tempo, para uma lógica dos fins em função do bem-estar social, do exercício da liberdade e da cooperação entre os povos. Devemos nos empenhar para que essa seja a tarefa maior dentre as que preocuparão os homens no correr do próximo século: estabelecer novas prioridades para a ação política em função de uma nova concepção do desenvolvimento, posto ao alcance

[

]

o desafio que se coloca [

]

Centro Nacional de Educação a Distância CENED (http://www.cenedcursos.com.br)

Curso Educação Ambiental nas Instituições

de todos os povos e capaz de preservar o equilíbrio ecológico (FURTADO apud GONÇALVES, 2009, p. 1).

Nesse sentido, Ramos (apud GONÇALVES, 2009) alerta para o fato de que o problema da insustentabilidade não está apenas no desenvolvimento. Para ele, é preciso reconhecer que o nosso modo de vida é que se tornou insustentável, e este é muito mais difícil de mudar, pois implica aperfeiçoamento individual e coletivo, ao mesmo tempo. Segundo o autor, é preciso posicionar-se frente aos desafios postos:

ou acreditamos que o ser humano, tal como é, pode construir um

mundo melhor para si, para seus semelhantes, no presente e no futuro,

ou cabe reconhecer o fracasso de nossa existência, e admitir que a busca de um desenvolvimento sustentável seja ilusória, apenas uma forma de adiar o inevitável fim. É preciso iniciar um aprendizado individual e coletivo que nos leve a outras formas de manifestação concreta de nossa natureza e que possibilite uma perspectiva de mudança em nosso modo de viver (RAMOS apud GONÇALVES, 2009, p. 1).

] [

É necessário destacar, ainda, que

A sustentabilidade exige que se passe da gestão dos recursos para a gestão da própria humanidade. Se o objetivo é viver de uma maneira sustentável, deve-se assegurar que os produtos e processos da natureza sejam utilizados numa velocidade que permita sua regeneração (CHAMBERS apud VAN BELLEN, 2003, p. 6).

Para Mészáros (2002, p. 1, grifos do autor),

O imperativo de eliminação de desperdícios está claramente nos nossos horizontes como a maior exigência do desenvolvimento sustentável. A seu ver, a economia a longo prazo deve ir de mãos dadas com um racional e humano propósito de economia, como é próprio ao núcleo do conceito.

As discussões realizadas em torno do que é “Desenvolvimento Sustentável” nos leva à reflexão sobre a necessidade de mudança em nossos padrões de produção e

Curso Educação Ambiental nas Instituições

consumo. São muitos os estudos que evidenciam a necessidade de mudar, de fazer diferente, de assumir novas atitudes e desenvolver novos valores. A história tem nos mostrado que somos seres racionais, pensantes e que podemos tanto construir quanto destruir. O que vamos fazer do nosso futuro depende dos posicionamentos que assumirmos no presente.

APROFUNDE SUA COMPREENSÃO:

Sugestão de Leitura:

-TEXTO: Ecodesenvolvimento e Desenvolvimento Sustentável: conceitos e princípios - AUTOR: Gilberto Montibeller Filho -DISPONÍVEL:

Acesso em 14/01/2009.

Curso Educação Ambiental nas Instituições

1 TÉCNICAS E RECURSOS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

“A maioria das pessoas ainda não aprendeu a respeitar a

vida em suas diversas formas de expressão. É preciso,

portanto, ensinar, primeiramente, a desenvolver a

sensibilidade do olhar, a capacidade de contemplar. Só

quem olha o mistério aprende a contemplar; só aprende a

contemplar quem foi ensinado a fazê-lo. Desse modo, para

cuidar da vida no momento em que nos encontramos, a

Educação Ambiental se apresenta como um processo

indispensável”.

Neste primeiro momento, apresentamos algumas técnicas e recursos que podem ser utilizados para desenvolver atividades de Educação Ambiental/ ou Socioambietal em quaisquer espaços. Além disso, há sugestões de sites com trabalhos feitos com sucatas, entre outras sugestões. As técnicas e materiais aqui sugeridos podem ser utilizados para desenvolver quaisquer das demais atividades posteriores.

2 - SUGESTÕES DE ATIVIDADES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS PELAS INSTITUIÇÕES QUE TRABALHAM COM CRIANÇAS

- Todas as atividades propostas podem ser adaptadas para o trabalho com qualquer faixa etária.

Curso Educação Ambiental nas Instituições

Responsável: Berenice Gehlen Adams O ABC da vida Devemos amar e respeitar

a Á RVORE que dá sombra, que dá frutos.

a B ALEIA que vive a nadar pelo mar.

a C ACHOEIRA que vive a vida a correr.

o D INOSSAURO que viveu há milhões de anos atrás.

a E COLOGIA que é a ciência que estuda a vida.

a F IGUEIRA que é uma árvore frondosa e faceira.

a G IRAFA que é pescoçuda como uma garrafa.

o H IPOPÓTAMO que é pesado e gosta de água.

o Í NDIO que vive em aldeias na mata.

o J ACARÉ que rasteja devagar e sabe nadar.

 

a

L ARANJA que guarda um suco saboroso.

o

M AR que é imenso e tem água salgada.

a

N

ATUREZA que nos encanta com sua beleza.

o O ZÔNIO que protege a Terra.

o P LANETA que vive a vida a girar.

o Q UATI que tem a cauda comprida com anéis de pêlos pretos.

o R IO que corre para o mar como quem vai se atrasar.

a S ELVA que é um lugar habitado por animais selvagens.

a T ERRA que é o planeta em que vivemos.

o U NIVERSO que é onde existem planetas, estrelas, asteróides.

o V ENTO que é o ar em movimento.

o X AXIM que é planta que tem o tronco formado por raízes.

Curso Educação Ambiental nas Instituições

E Z ELAR pelo nosso amado Planeta Terra.

Sugestão para trabalhar com as crianças:

- Leitura e interpretação.

- Atividade artística tendo a poesia como inspiração, utilizando uma música para a realização da atividade (pintura e ou desenho, recorte/colagem).

- Atividade de construção de texto: Que outras palavras e frases poderiam se formar (explorar elementos do ambiente local), por exemplo:

Devemos amar e respeitar

o AR (em substituição da palavra ÁRVORE) que possibilita a vida na Terra.

a BANANA que

- Criação de uma melodia para o poema original/ ou para o criado pelas crianças através da releitura.

vida.html. O QUE NÓS SUGERIMOS A MAIS  Montagem de quebra-cabeça
vida.html. O QUE NÓS SUGERIMOS A MAIS  Montagem de quebra-cabeça

O QUE NÓS SUGERIMOS A MAIS

Montagem de quebra-cabeça com figuras de animais, plantas e outros elementos da natureza;

“O que é, o que é” elaborado a partir do ABC;

Elaboração de um novo ABC;

Produção de um dicionário ecológico;

Dramatização das frases;

Confecção, em grupos, de um livro com elementos naturais que precisam ser protegidas (conforme o ABC. Ex: um grupo faz da letra A à letra F; outro grupo da letra G à letra N; e assim sucessivamente)

Curso Educação Ambiental nas Instituições

Pesquisa sobre o habitat de animais diversos e as ameaças a esses espaços (apresentação na escola, para a comunidade, bairro em forma de cartazes, teatros, dramatizações, músicas);

Pesquisa sobre os animais em extinção (fatores que levam à extinção, uso comercial dos animais, leis de proteção etc);

Pesquisa sobre árvores da região/local (refletir sobre a importância das árvores em nossa respiração, alimentação etc; cuidados com as árvores plantadas nos espaços públicos, incentivar o conhecimento de leis sobre proteção das árvores);

Pesquisa sobre frutas que consome e frutas que não conhece (dialogar sobre o processo de produção, colheita, agrotóxicos; conversar sobre o transporte das frutas e consumo de frutas da região, refletindo sobre os impactos ambientais; suco de fruta natural e industrializado benefícios e vantagens; saúde e alimentação);

Pesquisa sobre os usos e abusos da água (realizar demonstração e atividades práticas que conduzam à utilização sem desperdícios; monitorar o uso da água em casa escovação dos dentes, banho, lavagem de louça observar a conta de água, etc; investigar quanto se gasta para produzir uma peça de roupa discutir sobre o consumismo quanto se gasta de água para produzir alimentos e outros produtos, como é o processo de tratamento da água, quanto se gasta para esse tratamento, poluição das águas e consequências dessa poluição, custo social da água, aspectos religiosos da água etc);

Realizar trabalhos de compostagem, reciclagem, jardinagem, separação de lixo;

Visitas a parques e outros espaços voltados para os cuidados com a natureza (zoológicos, parques, - questionamentos como:

“por que precisamos de parques?, como podemos utilizar esses espaços para aprender sobre a natureza?, são sempre

Curso Educação Ambiental nas Instituições

perguntas importantes, que levam à reflexão ou à busca de respostas 3 );

Pesquisa sobre trânsito e poluição (formas de poluição, como poluímos, a poluição causada pelos automóveis, possíveis soluções, aspectos políticos e legais da poluição, etc);

Elaboração de cartilhas do consumidor responsável (utilizando materiais reciclados na própria instituição escola ou outra);

Gravação de pequenos vídeos sobre diversas temáticas ambientais (enviar por e-mail para os pais, amigos, etc);

Confecção de brinquedos com sucatas (dispensar/diminuir o uso de brinquedos industrializados na escola; refletir sobre os impactos ambientais resultantes da produção de brinquedos, etc);

Pesquisa e divulgação sobre o tempo de decomposição de materiais, etc;

Investigação sobre as necessidades mais urgentes de uma determinada comunidade (coleta de lixo, saneamento básico, elaboração de projetos com essa comunidade visando o cumprimento dos dispositivos legais da Constituição Federal, apresentação do projeto aos diversos conselhos municipais saúde, meio ambiente, etc e aos representantes políticos do município;

Estudo conjunto da Agenda 21 Local

3 Certamente as crianças não farão/apresentarão respostas aprofundadas sobre esses questionamentos. Aí é que reside o papel do mediador, do educador ambiental, enfim, daquele que conduz, que apresenta

novas informações, indica novos caminhos para a investigação, exemplifica, demonstra, etc.

Curso Educação Ambiental nas Instituições

3 - SUGESTÕES DE TRABALHOS QUE OS EDUCADORES AMBIENTAIS DAS INSTITUIÇÕES PODEM REALIZAR COM SUCATAS

4 - SUGESTÕES DE TÉCNICAS E RECURSOS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS EM

EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Sugestões De Técnicas

Existem muitas técnicas didático-pedagógicas que podem ser utilizadas em

diversos espaços e adaptadas às necessidades dos mais variados públicos. Dentre

elas, apresentaremos algumas:

Técnicas para a apresentação de idéias:

Tempestade cerebral (ou brainstorming): o participante pode dizer em voz

alta e de forma livre, espontânea, as idéias que lhe ocorrem diante de uma

questão ou tema proposto. Após as proposições de todos os participantes, o

grupo reflete em conjunto acerca das ideias. Desse modo, podem rever pontos

de vista, mudar de opinião, ampliar a compreensão, etc.

Técnica do Anúncio para o grupo: Quando houver certa dificuldade de

comunicação entre os integrantes de um grupo, pessoas tímidas, é possível, em

Curso Educação Ambiental nas Instituições

vez de solicitar que falem, até que se conheçam melhor, pedir que escrevam, que “anunciem” para o grupo o que pensam a respeito de um determinado assunto. Assim, o educador poderá distribuir um pedaço de folha de papel para cada participante e solicitar que escrevam suas idéias. O educador recolhe e faz a leitura, sem identificar o “anunciante” – ou pode solicitar que os participantes coloquem seus “anúncios” em uma caixa para que alguém do grupo leia.

Técnica do Debate: O debate sobre algum assunto, quando pensado de maneira planejada, deve ter como suporte a leitura prévia de um texto. Após a leitura, todos são convidados a opinar a respeito do tema, notícias ou informações lidos. É importante que haja sempre uma sistematização (síntese organizada) das discussões realizadas.

Técnica para sistematização de idéias:

Dramatização planejada e dramatização espontânea:

A dramatização pode ser utilizada para diversas finalidades, dentre elas, por exemplo, para apresentar uma situação e despertar o debate sobre um assunto ou para sistematizar aprendizagens. Na dramatização planejada, os participantes têm um tempo para organizar suas proposições, diálogos e a apresentação em seguida. Na dramatização espontânea não há planejamento, há espontaneidade, criação imediata e rápida.

Técnica da apresentação musicalizada: os participantes são convidados a sistematizarem suas aprendizagens em uma letra de música conhecida ou não.

Técnica da mímica: os participantes são convidados a apresentarem com mímicas as suas aprendizagens a respeito de um tema proposto para debate. Os demais integrantes devem se esforçar para compreenderem a mensagem.

Curso Educação Ambiental nas Instituições

Técnica da frase: os participantes devem sistematizar em uma frase suas aprendizagens. Pode ser uma atividade oral ou por escrito (cartazes, etc) (variante: utilizar desenhos)

Técnica do painel integrado: o educador organiza o grupo em três (ou mais) subgrupos. Solicita que os grupos discutam uma questão proposta. Reorganiza a distribuição dos grupos, formando novos grupos. Assim, todos os que haviam recebido o número 1 organizam-se em um novo grupo; do mesmo modo, aqueles que receberam o número 2, o 3 e assim sucessivamente. Em seguida, o educador pode sistematizar as reflexões suscitadas pelos temas (pode, também solicitar a elaboração de um único cartaz ou outro material, considerando, de forma sintética, as idéias de todos os participantes).

É importante que haja sempre a avaliação tanto dos conteúdos discutidos (as aprendizagens possibilitadas com a discussão de um assunto) quanto das técnicas utilizadas.

Sugestões De Recursos Didático-Pedagógicos

Os recursos aqui apresentados terão maior ou menor utilidade de acordo com os espaços onde forem utilizados.

Quadro de giz /pincel É um recurso audiovisual muito conhecido e apresenta importantes vantagens quando utilizado de forma adequada:

- possibilita a visualização, por escrito, de ideias abstratas em discussão;

- permite que se dê destaque aos conceitos essenciais;

- facilita a anotação;

- dinamiza a apresentação;

Curso Educação Ambiental nas Instituições

- permite alterações e correções de forma rápida

Álbum seriado

Um álbum seriado é uma série de cartazes utilizados para ensinar pequenos grupos sobre um assunto em particular. Cada idéia principal é mostrada em um cartaz. Sua utilização faz com que ensinar se torne mais fácil, pois cada cartaz lembra o treinador/ formador de todos os pontos importantes e transmite a mensagem à audiência de maneira inesquecível e vital. Os cartazes devem ser feitos em papel de boa qualidade, para que durem bastante tempo. Podem-se utilizar também folhas de plástico colorido (como o plástico amarelo, muitas vezes utilizado para secar cereais e grãos de café). Estas permitem que os aluno copiem os cartazes e façam seus próprios álbuns seriados. Os cartazes devem ser presos em conjunto, formando um bloco. Reforce a parte superior com uma fita forte, se possível. Faça orifícios na fita e una os cartazes com anéis, cordão ou tiras de madeira.

e una os cartazes com anéis, cordão ou tiras de madeira. Fonte: http://tilz.tearfund.org  Quadros de

Quadros de pano (ou flanelógrafo) São quadros de madeira, ou papelão recobertos por tecidos de flanela.

As figuras podem ser rapidamente fixadas e facilmente movidas e removidas do quadro. Elas são muito úteis para contar histórias ou descrever situações que estão sempre mudando. Quando bem

Curso Educação Ambiental nas Instituições

utilizadas, elas incentivam o interesse e estimulam a discussão de questões. [ ]

o interesse e estimulam a discussão de questões. [ ] A preparação de gravuras para o

A preparação de gravuras para o flanelógrafo requer tempo, mas, com cuidado, elas durarão muitos anos. Utilize gravuras que sejam apropriadas para a cultura local. Desenhe gravuras ou recorte-as de revistas. Algumas palavras e sinais, tais como flechas, podem ser úteis. Cole as gravuras em um papelão fino. Cole pequenos pedaços de lixa de madeira no verso das gravuras, para que elas se fixem no tecido. Uma outra alternativa, é aplicar cola, ou uma pasta de farinha e água, e salpicar areia ou debulho de arroz. Certifique-se de que as gravuras sejam grandes o suficientes para serem bem visíveis A fabricação de gravuras e materiais de treinamento pode ser um exercício em grupo muito útil para os treinadores/formadores. Os flanelógrafos são ideais para sessões de treinamento em escolas e mercados, porque eles chamam e mantém a atenção das pessoas. Cuide bem das gravuras e mantenha-as na ordem correta, prontas para serem utilizadas novamente. Os flanelógrafos podem ser simplesmente um pedaço de flanela ou cobertor afixado na parede com alfinetes, o qual pode ser enrolado, quando não estiver em uso. Faça quadros permanentes pregando ou colando um tecido ou flanela sobre uma tábua. (http://tilz.tearfund.org).

É possível utilizar o flanelógrafo sem quadro, apenas o tecido de flanela, no próprio quadro de sala de aula ou em uma parede. Pode-se fixá-lo na parede com fitas adesivas e, após o uso, dobrá-lo e guardar em uma sacola com as gravuras.

Imantógrafo - É um quadro de chapa metálica sobre a qual podem ser aplicadas peças que contenham ímãs. As peças podem ser deslizadas pelo quadro e, assim, possibilita a dinamização da exposição.

Curso Educação Ambiental nas Instituições

Cartaz Segundo Santos (2005, p. 451)

Uma característica do cartaz é atrair o olhar do espectador para, em seguida, transmitir-lhe a idéia desejada. Em educação, o cartaz pode servir para motivar, instruir ou simplesmente informar. [ ] O cartaz educativo deve ser empregado sempre que possível como parte integrante de um programa ou de uma campanha planejada [

Folheto

O folheto, assim como outros materiais impressos, é útil para o trabalho educativo.

Reforça mensagens que já aprendemos de outro modo, fornece informações adicionais

que se tornam práticas para os que têm especial interesse; mostra os passos a serem

seguidos a fim de atingi um objetivo educativo. (SANTOS, 2005, p. 452).

Avental - A exemplo do flanelógrafo, é possível utilizar um avental de flanela e enquanto apresenta o tema, o assunto em pauta, cola-se no próprio avental gravuras ou frases, personagens de histórias, etc. Também há a variante abaixo, com as personagens guardadas no bolso do avental.

abaixo, com as personagens guardadas no bolso do avental. Fonte: http://perlbal.hi-pi.com/blog-images/ Centro

Curso Educação Ambiental nas Instituições

Tv, vídeo, DVD, data-show, computadores

- Com a tecnologia avançada, esses recursos podem ser explorados de diversas formas pelo educador ambiental.

Histórias

- Há muitos livros de histórias infantis que podem ser utilizados pelo educador ambiental para trabalhar com todos os públicos.

Fantoches

- Há uma grande variedade de fantoches de mão e de dedo que podem ilustrar histórias educativas.

de mão e de dedo que podem ilustrar histórias educativas. Fonte: http://farm1.static.flickr.com Fonte:
educativas. Fonte: http://farm1.static.flickr.com Fonte: http://www.brinqmania.com.br - Também podem ser

- Também podem ser confeccionados fantoches com varetas e sucatas (latas, copos de iogurte, recortes de figuras de revistas).

(latas, copos de iogurte, recortes de figuras de revistas). Fonte: http://4.bp.blogspot.com Centro Nacional de

Curso Educação Ambiental nas Instituições

Insetário

Curso Educação Ambiental nas Instituições  Insetário Fonte: http://farm2.static.flickr.com  Há um

Há um insetário virtual, com vídeos, no site da Universidade Estadual de

no

endereço:

Maringá

(UEM),

seguinte

Sucatas - Muitos jogos e materiais para brincadeiras educativas podem confeccionados a partir da utilização de materiais considerados sucatas.

a partir da utilização de materiais considerados sucatas. Fonte: http://cantinholudicodagre. Existem diversos sites,

Existem diversos sites, hoje, bem estruturados e sérios que apresentam sugestões variadas de recursos didáticos. Com sua criatividade e conhecimento, o educador ambiental pode adaptá-los à realidade e aos sujeitos com os quais trabalha.

Curso Educação Ambiental nas Instituições

REFERÊNCIAS

ANTUNES, ÂNGELA & GADOTTI, Moacir. A ecopedagogia como pedagogia apropriada ao processo da carta da terra. Disponível em:

gia_e_Carta_da_Terra_2005.pdf. Acesso em 02/07/2009.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação. São Paulo: Brasiliense, 2003.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Educação Profissional. Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Profissional de Nível Técnico. Área profissional: meio ambiente. s/d. Disponível em:

BRASIL. Política Nacional do Meio Ambiente. Lei 6.938/81. Disponível em:

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2004.

GADOTTI, Moacir. Pedagogia da terra: Ecopedagogia e educação sustentável. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/torres/gadotti.pdf. Acesso em 03/07/2009.

GONÇALVES, Daniel Bertoli. Desenvolvimento sustentável: o desafio da presente geração. In: Revista Espaço Acadêmico. Disponível em:

LARROYO, Francisco. História geral da Pedagogia. São Paulo: Mestre Jou, 1982.

LEONTIEV. A. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte, 1978.

MARTINS, Taís. O conceito de desenvolvimento sustentável e seu contexto- histórico: algumas considerações. 2003. Disponível em:

MELO, Noerci da Silva. Os limites imanentes ao conceito de meio ambiente como bem de uso comum do povo. Caxias do Sul: Universidade de Caxias do Sul. 2007 (Dissertação de Mestrado).

MÉSZÁROS, István. O desafio do desenvolvimento sustentável e a cultura da igualdade substantiva. Disponível em:

PINO, A. As marcas do humano: às origens da constituição cultural da criança na perspectiva de Lev. S. Vigotski. São Paulo: Cortez, 2005.

Curso Educação Ambiental nas Instituições

REGO, Tereza Cristina. Vygotsky: uma abordagem histórico-cultural da educação. São Paulo: Vozes, 1996. TAYRA, Flávio. O conceito do desenvolvimento sustentável. Disponível em:

VAN BELLEN, Hans Michael. Desenvolvimento Sustentável: uma descrição das Principais Ferramentas de Avaliação. In Revista Ambiente & Sociedade Vol. VII nº. 1 jan./jun. 2004.

SANTOS, Silvio de Oliveira. Princípio e técnicas de comunicação. In: PHILIPPI, Jr, Arlindo & PELICIONI, Maria Cecília Focesi. (orgs.). Educação ambiental e sustentabilidade (orgs.). São Paulo: Manole, 2005.

SITES CONSULTADOS:

UOGZto/s400/mao_plantando.jpg Acesso em 10/04/2011

10/04/2011

Acesso em 10/04/2011

10/04/2011

10/04/2011

3NYXQ5rdc/s320/fantoches.JPG. Acesso em 10/04/2011

10/04/2011

10/04/2011