Você está na página 1de 30
Relatório Estado do Ambiente em Moçambique 17/07/12 1
Relatório Estado do Ambiente em Moçambique 17/07/12 1

Relatório Estado do Ambiente

em Moçambique

Relatório Estado do Ambiente em Moçambique 17/07/12 1

17/07/12

Porquê o REA ?

Porquê o REA ?  Constitui o culminar do processo de estabelecimento das bases para a

Constitui o culminar do processo de estabelecimento das bases para a monitoria regular do Estado do Ambiente em Moçambique, iniciado com a elaboração dos indicadores ambientais e com o lançamento do 1º Compêndio de Estatísticas do Ambiente em 2010

Porquê o REA ?  Providencia informação sobre o estado actual dos recursos naturais, sublinhando
Porquê o REA ?  Providencia informação sobre o estado actual dos recursos naturais, sublinhando

Porquê o REA ?

Providencia informação sobre o estado actual dos recursos

naturais, sublinhando as causas para as mudanças no ambiente, bem como as respostas às mudanças,

Enquadra-se no esforço do Governo de Moçambique na provisão regular de informação ambiental fiável no país ,

Contribui para uma melhor compreensão sobre os assuntos do ambiente e do desenvolvimento sustentável,

Explicita as tendências do ambiente com vista a facilitar a tomada de decisões,

Identifica as ligações entre os aspectos biofícos e os socio- económicos no contexto do desenvolvimento sustentável

Metodologia Forças Impulsionadoras – Pressão-Estado – Resposta  Forças impulsionadoras (económicas, e
Metodologia Forças Impulsionadoras – Pressão-Estado – Resposta  Forças impulsionadoras (económicas, e

Metodologia

Forças Impulsionadoras Pressão-Estado Resposta

Forças impulsionadoras (económicas, e actividades humanas),

Pressão sobre os Recursos Naturais- (emissões, resíduos ),

Estado -físico, químico, biológico e impactos nos ecossistemas e saúde humana) ,

Respostas (papel do governo)-políticas, base legal e institucional

Uma das fraquezas do relatório reside no facto de o mesmo apresentar informação qualitativa devido a falta de informação quantitativa sistematizada em indicadores de referência, tal é o caso da qualidade do ar

Estrutura do Documento  Introdução e Informação de Base  Ambiente População e Desenvolvimento 
Estrutura do Documento  Introdução e Informação de Base  Ambiente População e Desenvolvimento 

Estrutura do Documento

Introdução e Informação de Base

Ambiente População e Desenvolvimento

População, Saúde e Assentamentos Humanos

Agricultura e Uso da Terra

Indústria e Mineração

Biodiversidade e Recursos Genéticos

Florestas e Àreas Protegidas

Àguas

Recursos Energéticos,

Mudanças Climáticas e Desastres Naturais

Estratégias e Cenários

 Àguas  Recursos Energéticos,  Mudanças Climáticas e Desastres Naturais  Estratégias e Cenários 5
Introdução e Informação de Base  Localização geográfica  Topografia e clima  Base económica
Introdução e Informação de Base  Localização geográfica  Topografia e clima  Base económica

Introdução e Informação de Base

Localização

geográfica

Topografia e clima

Base económica do

país

N W Pemba W Lichinga Nampula W ; Tete W W Quelimane Chimoio W ;
N
W
Pemba
W
Lichinga
Nampula
W
;
Tete
W
W
Quelimane
Chimoio
W
;
W
Beira
i
Ministério para a Coordenação
da Acção Ambiental
Direcções provinciais
W
Centro de Desenvolvimento Sustentável
;
Costa
Fronteira
Limite da província
Inhambane
W
;
W
Xai - Xai
60
0
60
120
Kilometers
i
Matola
W
W
M a pu t o
Fonte: MICOA, 2004
Ambiente População e Desenvolvimento  Com 54 % da população ainda considerada como vivendo na
Ambiente População e Desenvolvimento  Com 54 % da população ainda considerada como vivendo na

Ambiente População e Desenvolvimento

Com 54 % da população ainda considerada como vivendo na pobreza, há um

reconhecimento crescente da ligação entre a pobreza e o ambiente, dado que

os meios de subsistência e a seguranca alimentar das populações pobres, dependem directamente dos ecossistemas;

Progressos assinaláveis na integração da agenda ambiental e dos princípios de desenvolvimento sustentável, na planificação económica e social no país (matriz simplificada para a integração dos assuntos transversais);

Desempenho económico brilhante nos últimos 10 anos, com uma taxa média de 8% ao ano, até 2010, com cresscimento do PIB per capita de USD 144 em 1995, para USD 400, em 2007;

Ambiente População e Desenvolvimento (cont)  51% da base económica depende exclusivamente dos recursos naturais,
Ambiente População e Desenvolvimento (cont)  51% da base económica depende exclusivamente dos recursos naturais,

Ambiente População e Desenvolvimento (cont)

51% da base económica depende exclusivamente dos recursos naturais, contra

cerca de 30 % na média dos paises em vias de desenvolvimento, daí a

necessidade de se prosseguir com os preceitos do desenvolvimento sustentável;

Para ilustrar a relação directa entre ambiente e desenvolvimento, vale citar o facto de as cheias de 2000, terem afectado a economia de forma profunda, tendo provocado uma descida abrupta do PIB de 7.5 % em 1999 para apenas 1.6 % em 2000

Ambiente População e Desenvolvimento (cont) O Estado da economia com base nos indicadores macroeconómicos 
Ambiente População e Desenvolvimento (cont) O Estado da economia com base nos indicadores macroeconómicos 

Ambiente População e Desenvolvimento (cont)

O Estado da economia com base nos indicadores macroeconómicos

Agricultura com uma participação no PIB de 24%;

Indústria transformadora é o segundo sector que mais contribui, com uma participação de 13%;

Serviços de comércio e reparação, transportes e comunicações, contribuíram com 11,4% e 10,6%, respectivamente;

Aluguer de imóveis e serviços prestados às empresas tiveram uma participação no

PIB de 7,0%.;

Outros contribuíram com 34%.

Como corolário do bom desempenho económico e da crescente elevação da consciência ambiental no país, a dotação financeira pública ao sector do ambiente

tem sido crescente

Apesar da crescente dotação financeira pública ao sector (1.2% do PIB) ela ainda se situa abaixo do recomendado, entre 1.5 % a 2.5 % do PIB

Despesa Pública Global por sectores 2007 10
Despesa Pública Global por sectores 2007 10
Despesa Pública Global por sectores 2007 10

Despesa Pública Global por sectores

2007

População, Saúde e Assentamentos Humanos  30 % da população vive em zonas urbanas ou
População, Saúde e Assentamentos Humanos  30 % da população vive em zonas urbanas ou

População, Saúde e Assentamentos Humanos

30 % da população vive em zonas

urbanas ou nas áreas sob influência

directa destas

Proliferação de assentamentos informais devido a ocupação anárquica do solo, afectando a qualidade de vida, ( cólera, malária entre outros),

Os casos de cólera e malária nos últimos 5 anos têm demonstrado uma tendência regressiva, sendo Maputo um exemplo de progressos assinaláveis, pelo 3º ano consecutivo sem casos de cólera

Melhorias assinaláveis no campo da

saúde pública, tendo a esperança de vida evoluido de 42 anos em 1997 para 49 em 2007, bem como a redução na mortalidade infantil de 145/1000 em 1997 para 118/1000 em 2007

42 anos em 1997 para 49 em 2007, bem como a redução na mortalidade infantil de
População, Saúde e Assentamentos Humanos  Melhorias nas taxas de cobertura de água e saneamento
População, Saúde e Assentamentos Humanos  Melhorias nas taxas de cobertura de água e saneamento

População, Saúde e Assentamentos Humanos

Melhorias nas taxas de cobertura

de água e saneamento quer nas

zonas rurais como nas urbanas, havendo fortes probabilidades de se atingir até ao ano 2015 as metas do milénio

As metas preconizadas no capítulo

dos assentamentos humanos estão longe de ser cumpridas, contudo a aprovação da Lei do Ordenamento Territorial da Estratégia para o

Melhoramento dos Assentamentos

Humanos e a Política de Habitação abrem uma janela de esperança

O HIV apesar de uma redução nos últimos anos, continua ainda

preocupante

abrem uma janela de esperança  O HIV apesar de uma redução nos últimos anos, continua
Agricultura e Uso da Terra  36 milhões de terra arável, dos quais menos de
Agricultura e Uso da Terra  36 milhões de terra arável, dos quais menos de

Agricultura e Uso da Terra

36 milhões de terra arável, dos

quais menos de 10 % estão sendo presentemente cultivados

3,3 milhões de ha irrigáveis, dos quais somente 2% são actualmente irrigados

104 bacias hidrográficas

Moçambique possui o maior potencial de produção agrária de entre os países da SADC, dado que os solos são férteis

possuindo uma combinação ideal

de boa drenagem e boa retenção de humidade, contudo o país ainda não consegue viabilizar este potencial

ideal de boa drenagem e boa retenção de humidade, contudo o país ainda não consegue viabilizar
Agricultura e Uso da Terra  Grande vulnerabilidade ás mudanças climáticas  Elevada densidade populacional
Agricultura e Uso da Terra  Grande vulnerabilidade ás mudanças climáticas  Elevada densidade populacional

Agricultura e Uso da Terra

Grande vulnerabilidade ás

mudanças climáticas

Elevada densidade populacional em certas areas se traduzem numa maior pressao sobre o recurso terra, manifestando-se atraves da reducao das areas de pousio sobre-cultivo

Uso e manuseio inadequados de pesticidas e agro-quimicos- sobretudo no periodo pos-uso

de pousio sobre-cultivo  Uso e manuseio inadequados de pesticidas e agro-quimicos- sobretudo no periodo pos-uso
Indústria e Mineração  A actividade industrial ainda se acha incipiente, destacando-se a producao de
Indústria e Mineração  A actividade industrial ainda se acha incipiente, destacando-se a producao de

Indústria e Mineração

A actividade industrial ainda se acha incipiente, destacando-se a producao

de aluminio, bebidas e tabaco

O facto de as industrias empregarem energias limpas provenientes de energia hidro eléctrica e gás contribui bastante para a redução das emissões

A indústria de tabaco e panificação por empregar energia proveniente de lenha constitui um contribuinte para as emissões e devastação da floresta

O processo produtivo na indústria tem estado em consonância com os Planos de Gestao Ambiental,

Está sendo gradualmente introduzido o MDL, Mecanismo de

Desenvolvimento Limpo,

O Governo tem estado empenhado na legislacao ambiental e ratificação de Convencões internacionais que concorrem para um processo produtivo ambientalmente são

Indústria e Mineracao (cont)  A preocupação ambiental hoje prende-se mais com as indústrias minúsculas
Indústria e Mineracao (cont)  A preocupação ambiental hoje prende-se mais com as indústrias minúsculas

Indústria e Mineracao (cont)

A preocupação ambiental hoje prende-se mais com as indústrias minúsculas de

fundição artesanal de baterias e chumbo, bem como as estacoes de servico que nao

possuem formas adequadas de deposito de oleos lubrificantes

Apesar de investimentos para a proteccao ambiental, prevalecem as inquietacoes publicas sobretudo na industria de cimentos e aluminio, apesar de as evidencias científicas demonstrarem o contrário

Mineração

O país detem grandes potencialidades na área mineira

Actividade desenvolvida em áreas localizadas, mas o seu impacto sobre o ambiente constitui preocupação, sobretudo no que respeita a contaminação do solo e fontes de água

O problema ambiental associado a mineração reside nos garimpeiros, pois os grandes

operadores, obedecem rigorosamente o preconizado nas normas ambientais

O Governo tem estado a desenvolver uma base legal abundante para a area mineira com vista a reverter a anarquia no sector

BIODIVERSIDADE E RECURSOS GENÉTICOS  Mocambique é rico em biodiversidade  A dependência da maioria
BIODIVERSIDADE E RECURSOS GENÉTICOS  Mocambique é rico em biodiversidade  A dependência da maioria

BIODIVERSIDADE E RECURSOS GENÉTICOS

BIODIVERSIDADE E RECURSOS GENÉTICOS  Mocambique é rico em biodiversidade  A dependência da maioria da

Mocambique é rico em biodiversidade

A dependência da maioria da população nos combustíveis lenhosos leva a uma exploração desenfreada dos recursos florestais e,

consequentemente, constituem um

perigo para a biodiversidade

O Governo tem estado empenhado na produção de uma base legal abundante na área bem como no

alargamento das áreas de

conservação bem como na declaração de novas

Tendências e ameaças à biodiversidade (flora e fauna)  As principais ameaças às espécies vegetais
Tendências e ameaças à biodiversidade (flora e fauna)  As principais ameaças às espécies vegetais

Tendências e ameaças à biodiversidade (flora e fauna)

As principais ameaças às espécies vegetais e animais em Moçambique estão

relacionadas com formas de uso não sustentáveis.

Praticas e tecnicas agricolas rudimentares, que contribuem para a baixa produtividade e aumento de areas de cultivo, reduzindo a cobertura florestal

espécies invasivas

70% da população vive nas zonas rurais e depende da agricultura para o seu sustento,

O último censo nacional da fauna bravia indica grandes mudanças no número e distribuição dos principais grandes mamíferos do país, quando comparado com a década de 70;

Caça furtiva, e queimadas descontroladas,

Diminuição significativa da área de mangal, sobretudo próximo das zonas urbanas (de

408 079 ha em 1979 para 396 080 ha em 1990), a situacao poderaáser ainda mais grave nos últimos 20 anos

FLORESTAS E ÁREAS PROTEGIDAS  51 % do territorio nacional ainda esta coberto por florestas
FLORESTAS E ÁREAS PROTEGIDAS  51 % do territorio nacional ainda esta coberto por florestas

FLORESTAS E ÁREAS PROTEGIDAS

51 % do territorio nacional ainda esta coberto por florestas

O corte anual admissível é de 500 000 m³ para todas as espécies; o país ainda nao explora mais de 30 % deste potencial

A exploração florestal é selectiva concentrando-se em apenas algumas espécies e classes diamétricas o que, tem conduzido a pressão sobre determinadas especies com grande valor comercial e procura

e classes diamétricas o que, tem conduzido a pressão sobre determinadas especies com grande valor comercial
FLORESTAS E ÁREAS PROTEGIDAS (cont)  Estima-se que 75 % da população depende das plantas
FLORESTAS E ÁREAS PROTEGIDAS (cont)  Estima-se que 75 % da população depende das plantas

FLORESTAS E ÁREAS PROTEGIDAS

(cont)

Estima-se que 75 % da população depende das plantas medicinais para a cura de enfermidades

22% do do territorio nacional, são cobertos por florestas legalmente protegidas

O Governo tem estado a promover a implementacao de projectos de

sequestro do carbono em parceria com o sector privado, em Gorongosa e

Niassa

A iniciativa presidencial 1 aluno 1 planta e 1 lider 1 floresta comunitaria

constitui um indicador de comprometimento politico na gestão

sustentavel do recurso floresta,

Estima-se que de 2006 a 2008 tenham sido reflorestados 20 168 ha no país no âmbito desta iniciativa

ÁGUAS 3 19 21 26 Pemba % N 16 % Lichinga 15 12 Nampula %
ÁGUAS 3 19 21 26 Pemba % N 16 % Lichinga 15 12 Nampula %

ÁGUAS

3 19 21 26 Pemba % N 16 % Lichinga 15 12 Nampula % 20
3
19
21
26
Pemba
%
N
16
%
Lichinga
15
12
Nampula
%
20
2
10
3
0
18
%
9
22
T
ete
17
25
%
Quelimane
Capital do país
%
24
Capital provincial
%
Bacias hidrográficas
%
Chimoio
1. Búzi
3
2. Chirua
%
3. Diversos
1
Beira
4. Fúti
5. Gorongosa
6. Govuro
5
7. Incomáti
8. Inharrime
9. Licungo
27
10. Ligonha
11. Limpopo
12. Lúrio
6
13. Maputo
14. Matola
15. Mecubúri
11
16. Megaruma
23
17. Melela
Inhambane
18. Meluli
%
19. Messalo
20. Monapo
8
21. Montepuez
22. Mólocuè
7
23. Nhavarre
%
24. Púngoè
Xai - Xai
25. Raraga
29
#
26. Rovuma
14
#
%
%
27. Save
Matola
M a pu t o
60
0
60
120
Kilometers
28. Tembe
#
28
29. Umbelúzi
#
4
#
30. Zambeze
Fonte: Atlas geográfico de Moçambique,
1:8 000 000, ME, 1986
13

Moçambique, possui 104 bacias hidrográficas, entre rios de curso permanente e sazonal, contudo não se pode classificar como

tendo água em abundância

Moçambique é um país a jusante, partilhando 9 das

15 bacias hidrográficas

internacionais da região da SADC, o que coloca desafios no que respeita a gestão de bacias partilhadas

ÁGUAS (cont)  Dada a localização a jusante o país é vulnerável a contaminação dos
ÁGUAS (cont)  Dada a localização a jusante o país é vulnerável a contaminação dos

ÁGUAS

(cont)

Dada a localização a jusante o país é vulnerável a contaminação dos seus cursos de água, devido a acções que decorrem nos países a montante

Estima-se que na área do Grande Maputo, haja défice de água para uso industrial futuro

Na área industrial do Grande Maputo, tem sido reportados casos de industrias cujos sistemas de gestão de efluentes ainda deixam

muito a desejar, resultando em odores e contaminação dos cursos

de água

RECURSOS ENERGÉTICOS  Moçambique possui recursos energéticos em forma de biomassa, energia hidroeléctrica, carvão
RECURSOS ENERGÉTICOS  Moçambique possui recursos energéticos em forma de biomassa, energia hidroeléctrica, carvão

RECURSOS ENERGÉTICOS

Moçambique possui recursos energéticos em forma de biomassa, energia hidroeléctrica, carvão e hidrocarbonetos, todos com baixo nível de exploração;

Dos 128 distritos, 100 beneficiam da rede nacional de energia produzida em Cahora Bassa esperando-se cobrir os restantes até 2014;

O consumo da energia nacional baseia-se quase em 80 por cento no

combustível lenhoso e carvão, sendo que o acesso à electricidade está limitado a apenas 18% da população;

O carvão e e lenha representam 80% da energia consumida no país

5 % da população beneficia de energia de sistemas fotovoltaicos;

A capacidade de producão de lenha e carvão é estimada em 22 milhões de toneladas por ano, contra as actuais necessidades de 14,8 milhoes de toneladas ano

RECURSOS ENERGÉTICOS (cont)  Apesar de 70 % da população residente nas zonas rurais, ter
RECURSOS ENERGÉTICOS (cont)  Apesar de 70 % da população residente nas zonas rurais, ter

RECURSOS ENERGÉTICOS

(cont)

Apesar de 70 % da população residente nas zonas rurais, ter como fonte primária de energia a lenha, curiosamente não e esta parte da população que ameaça o recurso, mas sim os 30 % de residentes em áreas urbanas, pois usam carvão e não lenha , cujo processo produtivo demanda muita madeira devido as elevadas percas.

Para a produção de 80 kg de carvão são necessários pelo menos 1000 Kg de madeira no mínimo

O Governo tem estado a encorajar a melhoria da eficiência no uso de energia através de fogões melhorados, poupa-lenha, bem como alternativas ao uso de combustiveis fósseis com efeitos multiplicadores na economia e bem estar social

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E DESASTRES NATURAIS  Moçambique é classificado como o quarto pais mais exposto
MUDANÇAS CLIMÁTICAS E DESASTRES NATURAIS  Moçambique é classificado como o quarto pais mais exposto

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E DESASTRES NATURAIS

Moçambique é classificado como o

quarto pais mais exposto a desastres

naturais Tendências observadas na

temperatura (período 1960-2005)

De 1960-2005, verificaram-se subidas significativas na temperatura na maior parte do país;

Registou-se um aumento em aproximadamente 9 dias na duração da onda de calor mais longa entre 1960 e 2005;

O número de noites e dias frios diminuiu no mesmo período, enquanto o número de noites e dias quentes aumentou em todo o país.

noites e dias frios diminuiu no mesmo período, enquanto o número de noites e dias quentes
Tendências observadas na precipitação (período 1960-2005)  início tardio da estação de chuvas, bem como
Tendências observadas na precipitação (período 1960-2005)  início tardio da estação de chuvas, bem como

Tendências observadas na precipitação (período 1960-2005)

início tardio da estação de chuvas, bem como um aumento da persistência de dias secos e da duração do período seco no nordeste do país nas estações Março-Maio e Setembro- Novembro;

No Norte, a duração média do período seco durante Junho-Agosto foi 7 dias mais

longa em 2005 do que em 1960, subindo até 20 dias em locais específicos durante

Setembro-Novembro (provavelmente reflectindo um atraso no fim da estação seca);

Durante o mesmo período, o começo da estação das chuvas atrasou-se até 45 dias em certos locais;(Tadross, 2009). Algumas das maiores alterações nos registos observacionais durante este período, tanto em termos de subidas de temperatura observadas como dos atrasos observados na chuva (em direcção a Leste),

O risco de cheias tende a aumentar no Sul, enquanto a Zona Central, tende a sofrer o maior impacto dos ciclones,

O país tem estado a apostar em acçõs de adaptacão a par com accões de mitigação, tendo ja sido finalizada a Estrategia de Genero Ambiente e Mudanças Climáticas ,

bem como várias outras iniciativas tendentes a fortalecer a adaptação e mitigação

;

Estratégias e Cenários  Foi elaborado um conjunto de quatro cenários (cabrito , carangueijo, tartaruga
Estratégias e Cenários  Foi elaborado um conjunto de quatro cenários (cabrito , carangueijo, tartaruga

Estratégias e Cenários

Foi elaborado um conjunto de quatro cenários (cabrito , carangueijo,

tartaruga e abelha ), baseados na Agenda 2025, partindo do principio de

que cada um dos cenários pode levar a resultados diferenciados

A interpretação, aplicação e execução das políticas irá decidir se o

ambiente em Moçambique, evolui para o Cenário Cabrito, Caranguejo, Tartaruga, ou Abelha.

Recomenda-se que a gestão ambiental siga o cenário abelha, vista como

sendo aquele que se caracteriza por uma gestão transversal conjugado

esforços de equipe para um fim único

Questões  Regularidade na produção dos Relatórios - 5 anos  Como melhorar a colecta
Questões  Regularidade na produção dos Relatórios - 5 anos  Como melhorar a colecta

Questões

Regularidade na produção dos Relatórios - 5 anos

Como melhorar a colecta e sistematização de dados

ambientais para que se possa melhorar a qualidade dos

REAs,

Conclus ões e Recomenda ç ões  O estado do ambiente em Moçambique é bom,
Conclus ões e Recomenda ç ões  O estado do ambiente em Moçambique é bom,

Conclusões e Recomendações

O estado do ambiente em Moçambique é bom, contudo

esforços deverão ser envidados sobretudo no que se refere a

:

1.Implementação efectiva da base legal e institucional já aprovada, sobretudo no que se refere aos assentamentos humanos, degradação de terras ( erosão, salinização, queimadas descontroladas, deflorestação)

Os efeitos das mudanças climáticas demonstram uma tendência de agravamento, pelo que a abordagem deste assunto deverá estar no topo da agenda ambiental de todos

os sectors

A consciência ambiental e a dotação orçamental pública, a todos os níveis, tem demonstrado uma evolução positiva, sendo crucial que seja continuada e consolidada sobretudo a nível local, por via do PECODA

Obrigado! Marracuene, 2010 30
Obrigado! Marracuene, 2010 30

Obrigado!

Obrigado! Marracuene, 2010 30

Marracuene, 2010