Você está na página 1de 39

Profa. Ana Paula Lima

Filosofia

Faça clique para editar o estilo

A origem das desigualdades entre os homens

Faça clique para editar o estilo

A origem das desigualdades entre os homens Faça clique para editar o estilo 24/08/12

24/08/12

A obra:

24/08/12 A obra:

Este discurso de Rousseau teve grande impacto na época de sua publicação e ainda hoje é motivo de grande reflexão.

de Rousseau teve grande impacto na época de sua publicação e ainda hoje é motivo de

24/08/12

O autor

24/08/12 O autor

Jean-Jacques Rousseau nasceu em Genebra em 1712 e faleceu em

Ermenonville, França, em

1778.

Jean-Jacques Rousseau nasceu em Genebra em 1712 e faleceu em Ermenonville, França, em 1778. 24/08/12

Principais obras:

- Discurso sobre as ciências e as Artes

- Discurso sobre a Origem da desigualdade entre os homens

- Júlia ou a nova Heloísa

- O Contrato Social

- Emílio ou Da educação

- Confissões

- Devaneios de um caminhante solitário

O autor centraliza seu estudo no homem: “É do homem que devo falar e a questão que examino me diz que vou falar a homens”

p.235

Não se preocupa com dados históricos, contextos, por entender que os já apresentados até então não deram conta de contextualizar ou explicar historicamente o homem natural que é a hipótese central do texto.

deram conta de contextualizar ou explicar historicamente o homem natural que é a hipótese central do

Descreve o homem físico, psicológico e moral no estado de natureza.

Descreve o homem físico, psicológico e moral no estado de natureza . 24/08/12

A partir da observação das necessidades e satisfações sociais criou uma hipótese que antecede a civilização.

partir da observação das necessidades e satisfações sociais criou uma hipótese que antecede a civilização. 24/08/12

O homem natural seria a - histórico por nenhum método de “pesquisa histórica” dar conta de historicizá-lo, mas o autor percebe resquícios do homem natural nos homens civilizados em épocas historicizadas: “Os relatos dos

Segundo o autor existem dois tipos de desigualdades:

natural ou física e moral ou política.

Segundo o autor existem dois tipos de desigualdades: natural ou física e moral ou política. 24/08/12

A primeira é estabelecida pela natureza e consiste na diferença das idades, da saúde, das formas do corpo e das qualidades do espírito e da alma; …

… a outra, depende de uma espécie de convenção e é estabelecida ou autorizada pelo consentimento dos homens e consiste nos vários privilégios de que gozam alguns em prejuízo de outros, como o serem mais ricos, mais poderosos

nos vários privilégios de que gozam alguns em prejuízo de outros, como o serem mais ricos,

E não há nenhuma ligação essencial entre essas duas desigualdades.

E não há nenhuma ligação essencial entre essas duas desigualdades. 24/08/12

O discurso trata de assinalar como surgiu a desigualdade moral ou política, deixando- se de lado os tempos e os lugares para só pensar em homens; se constituindo desta forma, numa proposta universal.

de lado os tempos e os lugares para só pensar em homens; se constituindo desta forma,

Ao descrever o homem em seu estado natural, Rousseau discorda de modelos outrora estabelecidos como, por exemplo, os de Aristóteles, Hobbes e Locke.

Rousseau discorda de modelos outrora estabelecidos como, por exemplo, os de Aristóteles, Hobbes e Locke. 24/08/12

Outras palavras …

Outras palavras … 24/08/12

Perfectibilidade

Perfectibilidade 24/08/12

Segundo Rousseau a faculdade de aperfeiçoa-se:

perfectibilidade diferencia os homens dos animais, convida-se o leitor a pensar no grau de perfectibilidade que sofreu a palavra…

os homens dos animais, convida-se o leitor a pensar no grau de perfectibilidade que sofreu a

Ao tratar sobre as dificuldades relativas à origem das línguas faz os seguintes questionamentos:

“Como elas puderam torna-se necessárias, pois, não tendo os homens qualquer correspondência entre si, nem necessidade alguma de tê-la, não conceberia a necessidade

24/08/12

“Se os homens tiveram necessidade da palavra para aprender a pensar, tiveram muito mais necessidade ainda de saber pensar para encontrar a arte da palavra”.

24/08/12

p.247

Constrói um argumento no qual o grito da natureza foi a primeira língua universal e os gestos e inflexões de voz foram usados quando as idéias dos homens se multiplicaram.

Os gestos, em particular, eram mais expressivos, no entanto, davam conta de expressar apenas objetos e situações no presente e a partir dessa necessidade surgiu o uso da palavra que inicialmente possuía extensas significações e foi

O homem encontra no instinto todo o necessário para viver em natureza sem relações morais ou de deveres.

A moral e a linguagem conforme Rousseau é um produto social. A piedade no estado natural ocupa o lugar das leis, “pois moderando o amor de si mesmo, concorre para a conservação de toda a espécie e ninguém sente-se tentado a desobedecer”, segundo ele as desordens

para a conservação de toda a espécie e ninguém sente-se tentado a desobedecer”, segundo ele as

Rousseau faz fortes críticas ao modelo de civilização vigente, conhecido como Antigo Regime, diz:

Rousseau faz fortes críticas ao modelo de civilização vigente, conhecido como Antigo Regime, diz: 24/08/12

Tais são as causas visíveis de todas as misérias a que a opulência acaba por lançar as nações mais admiradas. Á medida que a indústria e as artes se estendem e florescem, o cultivador desprezado, sobrecarregado de impostos necessários à manutenção do luxo e condenado a passar uma vida de trabalho e fome, abandona seus

…Quanto mais as capitais enchem de admiração os olhos estúpidos do povo, tanto mais se deveria sofrer vendo os campos abandonados, as terras incultas e as estradas inundadas de infelizes cidadãos transformados em l

24/08/12

di

d õ

…É assim que o Estado, enriquecendo por um lado, se enfraquece e se despovoa por outro, e as monarquias mais poderosas, depois de muitos esforços para se tornarem opulentas e desertas, acabam por se tornar a presa das nações pobres que sucumbem à tentação funesta de invadi-las e que, por sua vez, se enriquecem e se

presa das nações pobres que sucumbem à tentação funesta de invadi-las e que, por sua vez,

A conclusão principal de Rousseau é que diferente do que pensava os filósofos, Hobbes, por exemplo, o homem é naturalmente bom e foram os progressos e os conhecimentos que adquiriu que o colocou num estado de depravação.

naturalmente bom e foram os progressos e os conhecimentos que adquiriu que o colocou num estado

“Por mais que se admire a sociedade humana, não será menos verdadeiro que ela necessariamente leva os homens a se odiarem entre si à medida que seus interesses se cruzam, a aparentemente se prestarem serviços e a

l

24/08/12

t

a se odiarem entre si à medida que seus interesses se cruzam, a aparentemente se prestarem

t

d

O homem no estado natural não tinha educação, nem idealizava o progresso; não havia a necessidade de inovações e mudanças:

“Desenrolavam-se os séculos com toda a grosseria das primeiras épocas; a espécie já era velha e o homem continuava sempre criança”

p.257

O autor informa que esse estado com exatidão não mais existe, talvez nunca existiu e nem existirá, mas a reflexão sobre esse momento é importante para se julgar o estado presente. Para ele, conhecimento produz desigualdade e

Concluindo, o autor afirma que a desigualdade era quase nula no estado de natureza e convida o leitor a pensar sobre o homem em seu estado natural, orientando-o a esquecer todos os livros científicos, pois, estes só ensinam a ver os homens como eles se fizeram e aconselha que interrogemos a nós mesmos sobre a verdadeira causa das diferenças.

….tudo é tão desigual, de um lado esse carnaval de outro a fome total…

….tudo é tão desigual, de um lado esse carnaval de outro a fome total… 24/08/12