Você está na página 1de 4

1-Pâncreas Exócrino

1- 1Função

Sua função é produzir e secretar enzimas digestivas,sendo a maior parte


delas estocadas no pâncreas como precursores inativos (zimogênio ). Amilase
e Lipase são notáveis exceções e as secreções respondem tanto à estímulos
neurais como hormonais.. (Meyer,Coles e Rich,1995).

2- Insuficiência pancreática exógena

Os distúrbios pancreáticos exócrinos podem ser classsificados como


inflamatórios ((pancreatite,aguda ou crônica) ou por insuficiência (reduzida
secreção de enzimas digestivas).(Meyer,Coles e Rich,1995)

A insuficiência pancreática exócrina (IPE) ocorre quando uma perda


progressiva intensa de tecido acinar decorrente de atrofia ou destruição
inflamatória resulta em secreção insuficiente de enzimas digestivas
(BIRCHARD & SHERDING, 2003).

A perda progressiva das células acinares pancreáticas exócrinas leva à


deficiência na absorção devida a produção inadequada de enzimas digestivas.
Contudo, a reserva funcional do pâncreas é considerável, e os sinais de IPE
não ocorrem até que grande porção da glândula tenha sido destruída
(ETTINGER, 1992).

Essa doença pode ser causada devido à atrofia acinar pancreática


juvenil, na qual a etiologia é desconhecida, ou como conseqüência de
pancreatite recidivante crônica, a qual é rara [BIRCHARD & SHERDING, 2003,
ETTINGER, 1992 e NELSON & COUTO, 2001).

3- Sinais Clínicos

Os sinais clínicos são decorrentes da má absorção que se estabelece e


incluem: perda de peso ou falha em ganhar peso apesar de apetite voraz e
aumento do consumo alimentar; coprofagia; diarréia resultante de má digestão
e má absorção de gorduras, carboidratos e proteínas; borborigmos e
flatulência; pelame opaco e em mau estado; pêlos oleosos e graxentos ao
redor do períneo (BIRCHARD & SHERDING, 2003).

O pâncreas exócrino e o intestino delgado são essenciais para a


digestão e absorção dos nutrientes ingeridos.A disfunção de um ou ambos os
órgãos resulta em diarréia crônica e perda de peso.
O mais confiável acesso ao diagnóstico diferencial é o concorrente
acesso à função do pâncreas exócrino e do intestino delgado combinado a
biópsia endoscópica-cirurgica do intestino delgado quando indicado.

4- Tripsinogênio sérico e o teste da da bentiromida


Podem ser usados para o diagnóstico da IPE,um valor diminuído da TLI
sérica é indicativo de IPE.
O teste da bentiromida é tecnicamente mais difícil.

5-Testes Enzimáticos hepáticos

Duas enzimas são mensuradas com maior freqüência como marcadores de


pancreatite aguda entretanto a Amilase e a Lipase ativas o plasma não são de
origem pancreática.(Meyer,Coles e Rich,1995).

Algumas causas de pancreatite aguda estão associadas à dietas ricas em


gorduras,drogas (glicocorticóides,azatioprina,antibacterianos à base de
sulfa,organofosforados),traumas e isquemia que gerarão eventos
patofisiológicos no interior dos ácinos do pâncreas desencadeando prejuízo na
secreção das enzimas digestivas inativas. ).(Meyer,Coles e Rich,1995)

A cinética das enzimas amilase e lípase é afetada pela função renal do


cão,sendo a insuficiência renal crônica responsável pelo aumento de uma ou
das duas enzimas,uma vez que a pancreatite aguda estar associada Á
descompensação renal. (Meyer,Coles e Rich,1995).

Há relatos de aumento da atividade sérica de Amilase em cães com enterite,


aumento este que pode advir do extravazamento de amilase das células
epiteliais da mucosa na qual geralmente está presente.(Thrall,2007).
O Sistema fagocítico mononuclear do fígado é a principal via de degradação de
amilase e o comprometimento desse sistema resultando em menor de
depuração da amilase no sangue determinando o aumento da atividade sérica
dessa enzima.(Thrall,2007).

Há aumento da atividade sérica da amilase em pacientes portadores de linfoma


e hemangiossarcoma).(thrall,2007).

Conforme evidenciado o aumento da atividade sérica da amilase não é


indicador de lesão pancreática em cães pois várias doenças podem redundar
em maior atividade dessa enzima.

Uma regra determina que o aumento três vezes maior que o limite superior da
faixa de normalidade é muito sugestivo de lesão pancreática e menos típica de
outras possíveis causas.(Thrall,2007).

Com relação à enzima Lípase determina-se que o aumento duas vezes


superior da normalidade é mais sugestiva de lesão pancreática que de outras
lesões.(Thrall,2007)
6-- Anormalidades Laboratoriais associadas à Lesão pancreática

Observa-se uma leucocitose e neutrofilia na lesão pancreática.


Verifica-se um desvio à esquerda inconsistente, como a Pancreatite causa
muita dor a neutrofilia pode estar sendo induzida pela epinefrina(excitação) e
por corticóides (estresse).(Thrall,2007).

Nota-se um aumento do hematócrito,do teor de hemoglobina e da contagem de


eritrócitos quando o animal apresenta desidratação significante e
consequentemente hemoconcentração.(Thrall,2007).

Pode-se observar anemia decorrente de hemorragia no pâncreas ou


hemólise.(Thrall,2007).

A Azotemia quase sempre pré-renal écomum em casos graves de pancreatite,e


a capacidade tubular em concentrar urina sendo alta a densidade.Deve-se ter o
cuidado de não coletar material posterior à administração de fluido,para poder
obter um parâmetro útil de densidade urinária.(Thrall,2007)

A hiperglicemia é achado comum em pancreatite aguda devido a maior


concentração de glicocorticóides,epinefrina e glucagon no sangue. A Diabetes
Melito pode ser resultante de lesão das células das ilhotas.(Thrall,2007)

Nota-se amento da concentração sérica de bilirrubina em cães com lesão


pancreática,sendo a causa mais provável a colestase secundária á obstrução
do ducto biliar comum. em gatos é verificada em 50% dos casos com patologia
pancreatite podendo advir de lesão de hepatócitos secundária.(Thrall,2007)

Hiperlipidemia e hipertrigliceridemia são achados comuns em pacientes com


pancreatite,quase sempre AC por hiperlipemia macroscópica.(Thrall,2007).

A maior concentração sérica de colesterol pode ser causada pela colestase


ocasionando menor excreção hepática de colesterol.(Thrall,2007).

A coagulação intravascular disseminada pode ser uma seqüela da pancreatite


aguda.(Thrall,2007).

7-Referências Bibliográficas.

• ETTINGER, J. STEPHEN, FELDMAN. C. EDWARD. Tratado de medicina interna


veterinária,vol. 1,Manole:São Paulo,1997.
• D..J.MEYER,EMBERT, H COLES,LON J RICH.Medicina de laboratório
veterinária,Roca, São Paulo,1995
• THRALL,MARY ANA.Hematologia e bioquímica clínica veterinaria,Roca,São
Paulo,2007