Você está na página 1de 25

Processos Emocionais

I
Psicologia

Jorge Barbosa
Sumário
Valor Adaptativo das Emoções

Circuitos Neuronais Implicados nas Emoções

Características das Emoções

Componentes das Emoções

Estados Emocionais

•Atenção e Aprendizagem
•Avaliação de pessoas e situações
•Estimativa de riscos
Processos Emocionais
Valor Adaptativo das
Emoções
Recordemos:

• O sistema nervoso autónomo envia mensagens


de e para os órgãos internos do corpo;

• O sistema nervoso autónomo monitoriza


processos como os da respiração, digestão,
batimento cardíaco, etc.

•O sistema nervoso autónomo está dividido em :

•Sistema Nervoso Simpático


•Sistema Nervoso Parassimpático
Valor Adaptativo das
Emoções
Recordemos:

•activação
O sistema nervoso simpático é responsável pela
do organismo: Assegura uma resposta
rápida a um factor stressante, através de:
•Aumento da pressão arterial
•Aumento do batimento cardíaco
•Aumento do ritmo respiratório
•Aumento do fluxo sanguíneo conduzido ao cérebro
• Simultaneamente, lentifica ou pára o processo de
digestão, por não ser necessário no imediato para a
acção
Valor Adaptativo das
Emoções
Recordemos:

•corpo,
O sistema nervoso parassimpático acalma o
através de:
•Diminuição ou regularização da pressão arterial
•Diminuição ou regularização do batimento cardíaco
•Diminuição ou regularização do ritmo respiratório
•Aumenta a actividade do estômago e regulariza a digestão
• O sistema nervoso parassimpático promove o
relaxamento e a regularização do estado geral do
organismo.
Valor Adaptativo das
Emoções
Imagine a seguinte situação:

Está num picnic com a (o) sua (seu) namorada (o). De


repente, surge, a grande velocidade, um touro bravo na
vossa direcção. O que acontece?

•medo,
O senso comum diz que começa a fugir porque tem
isto é, primeiro surge a emoção e depois as
reacções fisiológicas.

•que
As teorias de William James e de Carl Lange defendem
a emoção resulta dos estados fisiológicos,
provocados pelos estímulos do ambiente.

•que
As teorias de Walter Cannon e de Philip Bard defendem
as emoções e as reacções fisiológicas ocorrem
simultaneamente.
Embora este assunto ainda seja objecto de muito debate,
o certo é que nenhuma teoria científica está de acordo
com o senso comum, isto é, que sejam as emoções a
provocar as reacções fisiológicas.
Valor Adaptativo das
Emoções
As emoções sinalizam estados do organismo,
adaptando-o às situações do ambiente.
As emoções constituem um primeiro código de
comunicação do organismo com o ambiente.

A sobrevivência do indivíduo depende, entre


outras coisas, de:

•ambiente;
Sistemas rápidos de comunicação com o

•em
Sinalizações rápidas sobre o estado do organismo
cada momento.
Circuitos Neuronais
O Medo: 2 circuitos
Circuitos Neuronais

A amígdala desempenha
um papel fundamental na
emoção de medo;
Quando a amígdala
determina que existe um
perigo, muda para alta
velocidade, reunindo
recursos do cérebro para
evitar problemas.
Circuitos Neuronais
A emoção de medo envolve
dois circuitos:

•tálamo
Um circuito directo do
para a amígdala

•tálamo,
Um circuito indirecto do
através do córtex
sensorial, para a amígdala.
Recordar: o tálamo
funciona como uma
plataforma de distribuição
de informação ascendente.
Circuitos Neuronais

• O circuito directo não conduz informação


detalhada sobre o estímulo, mas tem a vantagem
de ser extremamente rápido; a rapidez é uma
importante característica da informação que
permite ao organismo enfrentar uma ameaça e
sobreviver.

• O circuito indirecto conduz impulsos nervosos


dos órgãos sensoriais (olhos, por ex.) ao tálamo; a
partir do tálamo, os impulsos nervosos viajam pelo
córtex sensorial respectivo que os envia então
para a amígdala.
Circuitos Neuronais

Memória das Emoções


A amígdala está associada à memória (às
memórias emocionais).
Esta importante função da amígdala tem, pelo
menos, duas consequências:

• Positiva: Uma vez sabido que um estímulo é


perigoso, não precisamos de aprender de novo a
mesma coisa;

• Negativa: Aprendemos a ter medos que não nos


servem para nada; muitas pessoas têm medos e
ansiedade por razões pouco fundamentadas que
melhor seria que perdessem, mas não é fácil
perder um medo.
Circuitos Neuronais

Não é garantido que a amígdala seja a mediadora


de todas as emoções. Mas é certo que participa,
em conjunto com todo o sistema límbico de que faz
parte, tanto em emoções positivas como em
emoções negativas.
Em 2006, Burgdorf e Panksepp, demonstraram que
o neurotransmissor dopamina estava
especialmente activo nas emoções positivas.
Estudos recentes justificam a hipótese de que:
•O hemisfério esquerdo seria especialmente
activado em situações de felicidade;
•O hemisfério direito seria especialmente activado
em situações de desgosto ou nojo.
Características das
Emoções

•As emoções desenrolam-se no tempo


•As emoções variam de intensidade
•As emoções reflectem-se em alterações corporais
•destinam
As emoções têm causas e objectos a que se

•As emoções são versáteis


•As emoções são polares
•experiências
As emoções são reacções específicas a
específicas

•interpretações
As emoções são determinadas pelas
dos factos
Componentes das
Emoções

•A experiência subjectiva da emoção


•ligadas
Respostas corporais internas, sobretudo as
ao sistema nervoso autónomo –
componente fisiológica

•componente
Cognição sobre a emoção e situações associadas –
cognitiva

•componente
A expressão facial e outras expressões corporais –
expressiva

•Reacções à emoção – componente avaliativa


•comportamental.
Tendência para a acção – componente
Componentes das
Emoções

•normalmente
Os cientistas que estudam as emoções concordam
com uma perspectiva sistémica na
abordagem da emoção.

•uma
Consideram, com efeito, que os componentes de
emoção exercem efeitos recíprocos uns sobre
os outros.
As questões colocadas pelo investigadores têm
sobretudo a ver com a forma como:

•Respostas do sistema nervoso autónomo;


•Crenças e cognições; e
•Expressões faciais
Contribuem para a intensidade de uma emoção.
Estados Emocionais

Vulgarmente quando se fala de emoção, referimo-


nos a estados emocionais intensos e de curta
duração.

Mas há estados emocionais duradouros.

A. Damásio chama-lhes emoções de fundo.

Na linguagem comum, chamamos-lhes HUMOR.

O Humor corresponde a disposições emocionais,


isto é, a dispositivos (neuronais e combinações de
neurotransmissores) que favorecem ou dificultam
a manifestação de emoções intensas e de curta
duração.
Estados Emocionais
Atenção e Aprendizagem: congruência de humor.

Temos tendência a prestar mais atenção a


acontecimentos que combinem com o nosso
humor.

Como funciona esta tendência?

•novo
Já sabemos que podemos aprender melhor um
material, se pudermos relacioná-lo com
informações que já estão na memória;

•aprendizagem,
O nosso humor, ou emoções de fundo, durante a
pode aumentar a disponibilidade
das memórias que combinam com esse estado
emocional.

•relacionadas
Essas memórias serão mais facilmente
a um novo material que também
combine com esse estado emocional.
Estados Emocionais
Atenção e Aprendizagem: congruência de humor.

2.Suponhamos que está mal humorado, triste ou


desiludido com a vida.

Um amigo conta-lhe a história de um colega que


reprovou a Psicologia.

5.Suponhamos que está muito bem humorado,


sente-se feliz e satisfeito com a vida.

Um amigo conta-lhe a história de um colega que


reprovou a Psicologia.

•reprovou
Em qual destas situações, a história do aluno que
a Psicologia lhe chama mais a atenção?
Estados Emocionais
Avaliação e Estimativa de Riscos: efeitos do humor.

Os nossos estados emocionais podem afectar a


avaliação que fazemos de outras pessoas.

Por ex.:

4.quando estamos de bom humor, o hábito de


alguém repetidamente verificar a sua aparência ao
espelho, pode parecer-nos uma maneira de ser do
nosso amigo ou amiga;

5. quando estamos de mau humor, esse mesmo


comportamento pode parecer-nos irritante.
Estados Emocionais
Avaliação e Estimativa de Riscos: efeitos do humor.

Os nossos estados emocionais também afectam o


nosso juízo sobre o risco das situações.

4.quando estamos de mau humor, temos


tendência a ver os riscos como mais prováveis.

5. quando estamos de bom humor, temos


tendência a ver os riscos como menos prováveis.
Estados Emocionais
Avaliação e Estimativa de Riscos: efeitos do humor.

Estar de mau humor faz o mundo parecer mais


perigoso e as pessoas menos interessantes.

Esta percepção das coisas reforça o mau humor.

Estar de mau humor também nos leva a prestar


mais atenção a situações negativas, o que também
reforça o mau humor.

O bom humor faz o mundo parecer menos


arriscado e a prestar mais atenção a coisas
positivas.

As consequências gerais dos nossos estados


emocionais têm tendência a reforçar esses mesmos
estados emocionais
Roda das Emoções, segundo
Plutchic (1980)
Perguntas
Ninguém está
dispensado de
responder ao
questionário do
Exercício Emoções 1

As respostas podem
ser dadas:
4.On-line (através do
“Moodle”)
5.Em papel (fornecido
pelo professor)

O exercício será feito


em sala de aula.