Você está na página 1de 9

16/05/13

O estilo do final longo de Marcos

O estilo do final longo de Marcos

A questão da autoria dos versos 9 a 20 do último capítulo de Marcos não pode ser decidida com base na

evidência textual, uma vez que eles são omitidos por alguns bons manuscritos e incluído por outros bons. Em vez disso, devem ser determinados, se possível, com base no estilo: se estes últimos doze versos estão no estilo do Marcos, então, a ideia de que elas foram escritas por Mark é preferível, se eles estão em um estilo diferente, então a ideia de que eles foram escritas por outra pessoa é preferível.

Críticos textuais geralmente opor-se a autoria de Mark destes versos com base em supostas diferenças de estilo entre eles eo resto do Evangelho de Marcos. No entanto, um estudo aprofundado das características estilísticas em questão revela que quase todos eles podem ser encontrados em outros lugares em Marcos. Por conveniência de discussão, esses recursos podem ser categorizados em quatro rubricas: conjuntura, vocabulário, fraseologia, e diversos.

Objecções com base no Juncture

Cinco objeções têm sido levantadas sobre a junção de versículos 8 e 9. Alega-se que a conexão entre esses versos é estranho, porque: (1) o tema do versículo 8 é que as mulheres, ao passo que Jesus é o suposto tema do versículo 9, (2) as outras mulheres de versos 1-8 são esquecidos em versos 9-20, (3) no versículo 9 Maria Madalena é identificada, embora ela tenha sido mencionado apenas algumas linhas antes, (4), enquanto o uso de anastas de ("Agora nascente") ea posição de próton ("primeiro" ) são apropriados, no início de uma narrativa global, elas não se adaptam a uma continuação de versos 1-8, e (5) a utilização do conjugado gar ("de") no final do verso 8 é muito abrupta.

No que respeita à altura, pode-se notar que a transição entre versos 8 e 9 não parecer estranho. Um paralelo exato que contém todas as características deste momento não pode ser encontrada em outro lugar em Marcos, no entanto, as várias características podem ser encontradas em diferentes transições entre as seções em Marcos. Na verdade, as duas primeiras características são encontradas juntas, várias vezes. Há pelo menos outros cinco versos em Marcos que satisfaçam as seguintes condições: (1) o verso deve começar uma nova seção; (2) Jesus deve ser o sujeito presumido (referido apenas como "ele"), (3) o anterior verso não deve se referir a Jesus, (4) o verso anterior deve ter um assunto que não seja Jesus, e (5) o assunto do verso anterior não deve ser mencionado na nova seção. Marcos 2:13, 6:45, 7:31, 08:01 e 14:03 todos se encontram nessas condições. Assim, as duas primeiras objeções listadas não são válidas. Embora esta seção não começar com estas características estilísticas, eles também são encontrados juntos cinco vezes em outras partes Marcos.

A terceira objeção listado é que Maria Madalena é identificado no versículo 9 como "de quem tinha

expulsado sete demônios", embora ela tenha sido mencionado recentemente, versículo 1. No entanto, deve notar-se que este não é, estritamente falando, uma frase de identificação, é sim um tipo de flashback que dá informações adicionais sobre Maria Madalena. Esse mesmo tipo de flashbacks é encontrado pelo menos quatro vezes em outros lugares em Marcos. Em Marcos 3:16 vemos que Simon foi o nome de Pedro por Jesus, apesar de Simon tinha sido mencionado várias vezes anteriormente. Sabemos que isso é um flashback, pois João 1:42 diz-nos que aconteceu quando Simão Pedro conheceu Jesus. Em Marcos 03:17, encontramos que Tiago e João foram sobrenome Boanerges, que significa filhos do trovão, embora eles também tinham sido mencionado anteriormente. Em Marcos 06:16, encontramos que Herodes havia decapitado João Batista, apesar de Herodes havia sido mencionado anteriormente apenas dois versos antes.

E em Marcos 07:26, encontramos a informação adicional de que a mulher que foi o tema do verso anterior

16/05/13

O estilo do final longo de Marcos

era grega, de origem siro-fenícia. Assim, vemos que o recurso estilístico de dar informações adicionais em um tipo de flashbacks sobre alguém anteriormente mencionado não é estranho para Marcos. Portanto, a terceira objeção não é válida também.

A quarta objeção à junção entre esta última seção de Marcos eo anterior é que o uso de anastas de ("Agora nascente") ea posição de próton ("primeiro") no versículo 9 não são adequadas em uma continuação de versículos 1-8, mesmo que seria adequado no início de uma narrativa abrangente. Só é necessário salientar que o verso 9 não é uma continuação do troço encontrada no verso 1-8; é o início de um novo. A ressurreição de Cristo é estabelecida por dois grandes fatos: o túmulo vazio e suas aparições. Sem as aparições de Cristo, o túmulo vazio atesta apenas a um corpo desaparecido. Sem o túmulo vazio, as aparições são apenas aquelas de um fantasma ou espírito. Mas juntos eles provam a validade da ressurreição. Mesmo assim, a seção de versos 1-8 relata a descoberta do sepulcro vazio, a última seção que começa no versículo 9 relata as aparições de Cristo ressuscitado. Marcos não misturar as duas provas. Assim, as palavras em questão são apropriados para versículo 9, porque ele começa uma nova seção. A quarta objeção não é válida também.

Talvez a objeção mais séria com relação à conjuntura é que o versículo 8 termina com a conjunção gar ("para"), que é um final muito abrupto. A cláusula final do versículo 8 ("porque temiam") tem apenas duas palavras em grego. Desde que a palavra gar não pode ficar no início de uma frase em grego, encontra-se no final da frase, que é uma característica não encontrada em outro lugar em Marcos. Alguns sugeriram que não havia mais a sentença, mas esta foi perdida. Mas mesmo que não existem outras duas cláusulas Word contendo gar em Marcos, há três cláusulas palavra (Marcos 1:16, 11:18) e quatro cláusulas palavra (Marcos 1:38, 3:21, 5:42, 9: 49, 14:70, 15:14, 16:04) que contêm gar . Assim Mark sabia como usá- gar em frases curtas.

Na verdade, como disse antes, a transição entre os versículos 8 e 9 parece estranho. Isto é principalmente devido ao uso de um particípio como uma espécie de resumo do que já foi referido na secção anterior. Embora a ressurreição tinha sido mencionado no versículo 6, menciona-se novamente com um particípio ("nascente") para iniciar a seção sobre as aparições de Cristo. Esta é uma característica rara, sendo encontrada em outras partes deste Evangelho só em Marcos 14:66. Este versículo, que começa a secção relativa como Pedro negou Jesus três vezes, começa com um particípio ("ser"), colocando Pedro no pátio, um fato que já havia sido mencionado no versículo 54. Pode-se notar, de passagem, que os servos que estavam batendo Jesus no versículo 65 está agora esquecido (uma característica que se assemelha à segunda objeção, mais uma vez). Assim, mesmo esse recurso raro é encontrado em outro lugar em Marcos. Apesar de todas as características estilísticas desta seção não são encontrados juntos em outro lugar em Marcos, eles são encontrados em outros lugares em Marcos e, portanto, neste momento é de Marcos em grande estilo.

Objecções com base no Vocabulário

Três objeções à autoria de Marcos desses últimos doze versos são criados em razão do vocabulário. São eles: (1) palavras dezesseis utilizados nesta seção não são usados ​​em outras partes do Evangelho de Marcos, (2) os três destas palavras são usadas mais de uma vez nesta seção, e (3) desta seção não contém alguns dos Marcos palavras favoritas: eutheos ou euthus (tanto significado "imediatamente") e palin ("novo").

A principal objeção à autoria de Marcos desses versos com base no vocabulário é que dezesseis palavras usadas nesta seção não são usadas em outras partes do Evangelho de Marcos. Os dezesseis palavras são:

poreuomai ("ir", três vezes, vv 10, 12, 15.), pentheo ("chorar", v. 10), theaomai ("ver", duas vezes, vv 11, 14)., apisteo ("Não acredito, não acreditar", duas vezes, vv. 11, 16), heteros ("outro, diferente," v. 12),

16/05/13

O estilo do final longo de Marcos

morphe ("forma", v. 12), husteron ("depois", v 14 ), endeka ("onze", v. 14), parakoloutheo ("seguir,

acompanhar," v. 17), ophis ("serpente," v. 18), thanasimos ("mortal", v. 18), blapto ("ferir, prejudicar," v. 18), analambano ("receber-te, toma-se", v. 19), sunergeo ("trabalhar com", v. 20), bebaioo ("confirmar",

v. 20) e epakoloutheo ("seguir, atenda," v. 10).

Com toda a justiça, no entanto, deve ser salientado que oito destes dezesseis têm sua raiz palavra usada em outros lugares Marcos. Poreuomai não podem ser utilizados antes desta seção, mas seus compostos são usados ​​25 vezes em outros lugares ( eisporeuomai -8 vezes; ekporeuomai -11 vezes; paraporeuomai vezes -4; prosporeuomai - uma vez; sumporeuomai uma vez), na verdade poreuomai em si é uma leitura variante em Marcos 9:30. Certamente não é surpresa encontrar esta palavra usada três vezes nesta seção. apisteo não é encontrada em outro lugar em Marcos, mas a sua forma substantiva apistia ("incredulidade") não é encontrado apenas nesta seção (v. 14), mas duas vezes em outro lugar (6:06, 9:24). Morphe não é encontrado em outras partes dos quatro Evangelhos, mas metamorphoo . ("transfigurar, transformar") é encontrado em Marcos 09:02 parakoloutheo e epakoloutheo são encontrados somente aqui em Marcos, mas akoloutheo é usado 19 vezes em Marcos e sunakoloutheo duas vezes. Thanasimos ocorre somente aqui no Novo Testamento, mas thanatos ("morte") é encontrado seis vezes em Marcos e thanatoo ("morto") duas vezes. Analambano só é encontrado aqui nos Evangelhos , mas lambano é usado 21 vezes em Marcos. E embora sunergeo ocorre somente aqui nos Evangelhos, ergazomai é encontrada uma vez e ergon duas vezes em Marcos.

Além disso, deve-se salientar que essas três palavras dezesseis são encontrados apenas nas contas pós- ressurreição na história da vida de Jesus (isto é, nos Evangelhos mais Atos 1). Eles são apisteo ("descrer"), endeka ("onze") e analambano ("take up"). Portanto, não é incomum encontrar estas palavras somente aqui em Marcos por causa do assunto.

No entanto, apesar do facto de que a presença de vários desses palavras é explicável, continua a ser a existência de dezasseis palavras que são usadas apenas nestes doze versos em Mark. Nada pode ser inferido sobre a autenticidade desta seção de Marcos com a presença de qualquer uma destas palavras, mas sim, é o grande número deles que chama o estilo da passagem em questão. No entanto, olhando para os doze versículos de Marcos 15:40-16:04, encontra-se não apenas dezesseis tais palavras, mas 20-22, dependendo de variantes textuais. Isso mostra que o autor sabia muito bem como usar em uma breve passagem muitas palavras novas que ele não tinha usado anteriormente. As palavras usadas em Marcos 15:40-16:04 mas não é usado em outros lugares são Salomé ("Salomé", duas vezes, vv. 40, 1), sunanabaino ("chegar a" v. 41), epei ("porque, uma vez que, "v. 42), paraskeue ("preparação", v. 42), prosabbaton ("o dia antes do sábado", v 42), Arimathaia ("Arimatéia", v 43), euschemon ("honrado,

respeitado, proeminente, "v. 43), prosdechomai ("esperar, procurar," v. 43), thnesko ("morrer, ser morto",

v. 44), palai ("qualquer tempo, algum tempo", v 44., alguns manuscritos gregos têm uma diferente leitura-

ede , "já", refletido na RSV e texto NASV, mas tanto a Nestlé e textos gregos UBS ter palai ), doreomai ("dar, conceder," v. 45), eneileo ("wrap, vento," v. 46), possivelmente katatithemi ("lay", v 46; vários manuscritos gregos têm a forma verbal simples tithemi -a 25 ª edição do texto grego Nestle tem katatithemi enquanto a 26 ª edição se junta ao UBS texto grego na leitura tithemi ), latomeo ("cortar", v 46), Petra ("rock", v 46), proskulio ("roll" v. 46), diaginomai ("ser passado, ser mais, "v. 1), aroma ("especiarias", v.1), apokulio ("rolar", v. 3), anakulio ("rolar, rolar para trás," v. 4), e sphodra ("muito, superior, extremamente, "v. 4).

Treze desses dezesseis palavras encontradas somente aqui em Marcos são usadas apenas uma vez. Mas isso não é tão incomum como se poderia pensar. Nos 661 versos incontestáveis ​​em Marcos, existem 555 palavras que são usadas apenas uma vez (WUOO) neste livro, no entanto, a distribuição das palavras usadas apenas uma vez não é uniforme em Marcos. Por exemplo, os primeiros doze versículos do capítulo 1 contém

16/05/13

O estilo do final longo de Marcos

16 palavras usadas apenas uma vez em Marcos, e os primeiros doze versículos do capítulo 14 contém 20, apesar de ambos os capítulos têm índices menores que 1 tal palavra por verso.

A distribuição das palavras usadas apenas uma vez em Marcos através dos capítulos pode ser visto no gráfico a seguir, que foi elaborada a partir das estatísticas de palavras pouco usadas encontradas no léxico do leitor do Kubo.

CapítuloNúmerodeNúmerodeHapaxRácio

PalavrasusadoapenasumavezVersosLegomenaWUOO/Versos

1396450,86

2162830,57

1313350,37

4424121,02

525434.58

646563.82

7*413661.14

8233820,61

94348*100,90

10405250,77

111432*2.44

12464451,05

13403731,08

1470725.97

155346*51,15

16:1-84800,50

Subtotais55566162.84

16:9-20131211,08

Totais56867363.84

* Os versos estão faltando capítulos 7, 9, 11 e 15 devido a variantes textuais.

Para capítulos, a proporção de palavras usadas apenas uma vez para versos varia entre um mínimo de 0,37 no capítulo 3 e um máximo de 1,15 no capítulo 15. A proporção de 1,08 para o final longo de Marcos está bem dentro deste intervalo, sendo ultrapassado por capítulos 7, 13 e 15.

A análise pode ser clarificado por meio das secções encontrados nas UBS grego novo testamento invés de capítulos. Há quatro dessas seções no final longo de seções Mark e noventa e na parte indiscutível de Marcos. Estas seções contêm entre zero e trinta palavras cada, que são usadas apenas uma vez em Marcos, mais seções, em média, contendo mais tais palavras. Para seções, a proporção de palavras usadas apenas uma vez para versos varia entre um mínimo de 0,00 por seis seções (1:14-15; 3:31-35; 8:27-30; 13:1-2; 14:01 -2 e 14:51-52) e um máximo de 2,40 na secção encontrada em 15:16-20. A maior proporção de 2.00 para uma seção (versículos 19-20), na final longo de Marcos está bem dentro deste intervalo, sendo ultrapassado por seções nos capítulos 12 (versos 38-40 com 2,33) 14 (versos 3-9 com 2,29 ) e 15 (versos 16-20 com 2,4 e versículos 42-47 com 2,33).

As quatro seções no final longo de Marcos gama de dois a cinco versos de comprimento. Segue-se uma tabela sumário dos resultados da análise, agrupados pelo tamanho da secção, comparando o tempo final para o resto do Mark.

16/05/13

O estilo do final longo de Marcos

NúmerodeNúmerodeNúmerodeTotaldeRelação

SeçõespalavrasusadassomenteumavezVersosHapaxWUOO/Versos

porseçãoporseçãoLegomena

LongoFim

Faixa4:1-6;Ave.3.25janeiro02-050,33-2,00

 

Ave.1.08

RestodeMarcos

37Faixa:0-12;Ave.3,322-516.00-2.40

(Capítulos1-16)Ave.0,88

(Capítulos12-16)Ave.1.10

29Faixa:1-16;Ave.6,386-915.13-2.29

 

Ave.0,90

17Faixa:1-15;Ave.8,2410-1315.09-1.30

 

Ave.0,74

7Faixa:8-30;Ave.15,2915-2316.53-1.36

 

Ave.0,84

Quando as quatro seções do longo final são comparados com outras seções em Marcos que são 04:58 versos longos, vê-se que eles estão dentro dos intervalos das seções indiscutíveis de Marcos. A média de média de palavras usadas apenas uma vez por seção de 3,25 compara favoravelmente com a média no resto do livro de 3,32 para seções de tamanho similar. A proporção média de 1.08 seja usado apenas uma vez / versos de longo termo é maior do que a média de 0,88 para o conjunto do livro, mas comparável com a média de 1,10 para as últimas cinco capítulos. Este último valor significa que, por doze versos compostos de seções desse tamanho nos últimos cinco capítulos de Mark (em todo o clímax), o número de palavras de se esperar que são usadas apenas uma vez seria treze, que é exatamente o que é encontrado!

A título de contraste, o termo mais curto de Marcos, embora apenas cerca de dois versos de comprimento,

contém 9 palavras que não são utilizados em Mark, dando uma proporção de 4,5, mais de quatro vezes maior do que o comprimento final e quase o dobro da 15:16-20 , que tem a maior proporção de qualquer secção em Mc!

A segunda objeção à autoria de Marcos destes versos é que três dos dezesseis palavras em questão (

poreuomai , theaomai e apisteo ) são usadas mais de uma vez. Mas um exame revela que esta também é uma característica do estilo de Marcos. Uma análise das palavras que são usadas mais de uma vez dentro de um período de doze verso do texto e somente dentro desse período em Marcos revela que existem 77 dessas palavras nos versos incontestáveis ​​de Marcos, mais cinco nomes próprios. Se a selecção é limitada a um período de seis verso (o maior vão efectivamente utilizada para 16:9-20), o número de palavras cai para 58, mais três nomes. O gráfico a seguir mostra a distribuição:

DozeVersospreaddeseisVersoEspalhe

Vezesusoupalavrasnomesnomesdepalavras

2vezes253421

3vezes142111

4vezes4141

5vezes5---

6vezes1-1-

O final longo de Marcos tem um a proporção de 0,25 verso único-palavras-usado-mais-que-uma vez. Para

capítulos essa proporção varia de 0 para o capítulo 10 (com nenhuma dessas palavras) de 0,25 para o capítulo 2 (7 tais palavras em 28 versos). Para secções que varia de 0 a 1. A parte mais notável é 2:18-22 com uma proporção de 1 (5 tais palavras em 5 versos: nesteuo "rápido" [6 vezes], numphios "noivo" [três vezes], palaios "velhos" [3 vezes] neos "novo" [duas vezes], e askos "odre" [4 vezes]). Esta seção cinco verso também contém pelo menos sete palavras que são usadas apenas uma vez na marca, incluindo dois

16/05/13

O estilo do final longo de Marcos

hapax hapax. Outros exemplos de tais palavras durante todo Mark incluem o seguinte: sporos ("semente", disse Mark 4:26, 27), sunthlibo ("multidão, imprensa," Mark 5:24, 31), telones ("cobrador de impostos, publicano, "Mark 8:09, 20), e huperetes ("servo, oficial, guarda, atendente," Marcos 14:54, 65). Assim, esta objeção não é válido.

A terceira objeção é que esta seção não contém algumas das palavras favoritas de Mark: eutheos ou euthus (tanto significado "imediatamente") e palin ("novo"). Isso é ignorar o fato de que não só os últimos doze versículos de Marcos não contêm essas palavras, nos últimos cinquenta e três versos não contê-los. Olhando marca como um todo, existem 650 conjuntos de doze versos consecutivos, não considerando os últimos doze versos. Destes, 373 conjuntos não contêm euthus ou eutheos , ou seja, mais de 57% não tê-los. Além disso, 399 conjuntos não contêm palin , ou seja, mais de 61% não tem esta palavra. E, finalmente, pode-se notar que 229 conjuntos não contêm euthus , eutheos ou palin , isto é, mais de 35% não contêm qualquer dessas palavras. É quase uma objecção para dizer que os últimos doze versos estão na mesma categoria com mais de um terço dos grupos de doze versos consecutivos no resto do livro.

Tendo analisado as três objeções baseadas em vocabulário e descobriu que todos os três são realmente características estilísticas encontradas em outros lugares de Marcos, não é impróprio para apontar algumas evidências de vocabulário em favor da autoria de Marcos desses versos. Há várias palavras nestes últimos doze versos que podem ser classificados como Marcos, em algum sentido especial. Definindo esta categoria como palavras que são usadas em outros lugares Mark tanto ou mais do que eles são usados ​​em qualquer um dos outros três Evangelhos, há nove palavras nesta seção, que pode se qualificar. Eles são proi ("cedo", v. 9; também encontrou 5 vezes em outros lugares de Marcos, três vezes em Mateus, e duas vezes em João), apistia ("incredulidade", v 14, também encontrado em Marcos 06:06; 9 : 24 e em Mateus 13:58), sklerokardia ("dureza de coração", v 14, também encontrado em Marcos 10:05 e Mateus 19:08), kerusso ("pregar", duas vezes, vv 15, 20. e também encontraram 12 vezes em outros lugares em Marcos, 9 vezes em Mateus e 9 vezes em Lucas), euaggelion ("evangelho", v. 15; também encontrou sete vezes em outros lugares em Marcos, e quatro vezes em Mateus), ktisis ("criatura , criação, "v. 15, também encontrado em Marcos 10:06 e 13:19, mas em nenhum dos outros evangelhos), arrostos ("doente", v 18, também encontrado em Marcos 06:05, e em 13 Mateus 14:14), kalos ("bem, recuperar", v. 18; também encontrou 5 vezes em outros lugares em Marcos, duas vezes em Mateus, e quatro vezes em Lucas), e pantachou ("em toda parte", v 20, também encontrado em Marcos 01:28 e Lucas 09:06). A presença destas palavras dá credibilidade à idéia de que Marcos escreveu nesta seção.

Objecções com base no Phraseology

A fraseologia desses últimos doze versos é reivindicada a ser não-Markan, porque: (1) oito frases usadas nesta seção não são usados ​​em outros lugares em Marcos, (2) frases semelhantes, mas diferentes são usados ​​em outros lugares em Marcos, e (3) a frase oi met 'autou genomenoi ("aqueles tendo sido com ele") é usado para designar os discípulos somente aqui.

As oito frases que são usadas nesta seção, mas não em outro lugar em Marcos são prote sabbatou ("primeiro [dia] da semana," v. 9), ekballo apo ou ekballo parágrafo ("expulso", v. 9), oi met 'autou genomenoi ("aqueles tendo sido com ele", v. 10), etheathe hup " ("foi visto por" v. 11), meta tauta ("Depois destas coisas", v. 12), pasa ktisis ("toda a criação, toda a criatura", v. 15), kalos echein ("ter bem, para ficar bem, para recuperar", v. 18), homens oun ("por um lado, portanto," v. 19) . Mais uma vez, não é tanto a presença de qualquer uma frase particular, uma vez que é o grande número de frases que é a característica estilística em questão. No entanto, nos últimos doze versículos de Marcos 15:42-16:06 há nove frases usadas que não são encontrados em outras partes deste Evangelho. São eles: ede opsias genomenes ("agora à noite ter chegado", v 42), ginosko apo ("saber de" v 45), proskulio epi ("roll on", v. 46), ele thura

16/05/13

O estilo do final longo de Marcos

tou mnemeiou ( "a porta do sepulcro," duas vezes, vv. 46, 3), lian

2), mia tonelada sabbaton ("[dia] de uma semana," v. 2), en tois dexiois ("à direita", v 5), roubado Leuken ( "manto branco", v. 5), me ekthambeisthe ("Não vos assusteis, não se surpreender", v. 6). Assim Mark sabia como usar um grande número de novas frases em uma seção especial.

erchomai ("vir muito cedo", v.

Mas uma segunda objeção diz respeito à utilização de prote sabbatou ("primeiro dia da semana") no versículo 9 para domingo. No versículo 2, Marcos usou mia tonelada sabbaton ("One of the week") para designar o mesmo dia. Alguns argumentaram que a prote sabbatou não está no estilo do Marcos, mas desde mia tonelada sabbaton é encontrado apenas uma vez se no Evangelho de Marcos, que dificilmente pode-se dizer que constituem o estilo de Mark a este respeito. A questão mais grave é se Mark iria mudar para uma forma semelhante, mas diferente para designar a mesma coisa. Mais uma vez podemos encontrar esse recurso estilístico em outro lugar em Marcos. Por exemplo, em Marcos 2:23, o sábado 24 é referido no plural em grego ( ta Sabbata ), enquanto três versículos depois nos versículos 27-28 Marcar muda para a forma singular ( a sabbaton ). Ambas as formas têm um significado singular. Novamente, em Marcos 5:02 a palavra que Marcos usa para "túmulo" é mnemeion enquanto nos versículos 3 e 5, ele muda para a palavra semelhante mnema . A mesma variação é encontrado em Marcos 15:56-16:08.

Também pode-se notar que prote sabbatou soaria melhor para um romano que mia tonelada sabbaton e que Marcos é geralmente indicado para ser o Evangelho para os romanos. A utilização do cardinal ( mia - "uma") para o ordinal ( prote - "primeiro") é uma característica aramaico conhecido que é usado no Talmud. Por outro lado, latim (como o Inglês) prefere ordinal de tal expressão. Em Inglês, nós preferimos "primeiro dia da semana" para "o primeiro dia da semana", da mesma forma, um alto-falante Latina prefere prima sabbati ("primeiro dia da semana") para una sabbati ("one da semana "). Isso é mostrado pela tradução latina de Mateus 28:1 que literalmente teria sido unam sabbatorum ou una sabbati , mas que na verdade é o melhor soar sabbati prima . Assim, não é surpreendente encontrar a frase grega correspondente prote sabbatou no Evangelho de Marcos, que é, supostamente, principalmente para os romanos.

A terceira objeção é que a frase oi met 'autou genomenoi ("aqueles tendo sido com ele") é usado em nenhum lugar, mas o versículo 10 para designar os discípulos. Uma objeção semelhante, às vezes feita é que thanasimos ("mortal", v. 18) é usado aqui apenas para designar os discípulos, mas thanasimos não está se referindo aos discípulos, mas para algo que pode ser bebido. No entanto, oi met 'autou genomenoi está aqui referindo-se aos discípulos. Mas o sabor passado dada à frase pela utilização do aorista particípio genomenoi ("tendo sido") não teria sido apropriado anterior à crucificação. Assim, não se poderia esperar para encontrar essa frase referindo-se aos discípulos, exceto no último capítulo. E o menor expressão oi met 'autou ("os que com ele") é encontrado três vezes em outros lugares em Marcos (01:36; 02:25 e 05:40).

Além disso, há pelo menos quatro outras frases que são encontradas nesta secção e também em outras partes Mark. Eles são eis Agron ("para o país", v 12, também encontrado em Marcos 5:14; 6:36, 56; 13:16), kerusso para euaggelion ("pregar o evangelho", v 15, também encontrado em Marcos 1:14, 13:10, 14:09), en para onomati mou ("em meu nome", v 17, também encontrado em Marcos 9:38), e cheiras epitithemi ("colocar as mãos em" v 18, também encontrado em Marcos 8:25). Esta é uma evidência adicional de que esta última parte é em estilo de Marcos.

Diversos Objeções

Várias objeções diversos também foram levantadas à autoria de Marcos. (1) Alega-se que o estilo usual de Mark é expandir as contas de incidentes na vida de Cristo, em comparação com os outros Evangelhos, enquanto esta seção condensa as contas. (2) Note-se que Mark tem um carinho pela palavra kai ("e"), o que está faltando nesta seção. (3) Alega-se que ekeinos ("aquele"), ea contração kakeinos ("e que um") são

16/05/13

O estilo do final longo de Marcos

usados ​​em um sentido enfraquecido de simplesmente "ele", "ela", ou "eles" nesta seção, em oposição para o resto do Evangelho. (4) Note-se que Jesus é referido como "o Senhor" ou "Senhor Jesus" só nesta seção de Marcos. (5) E nota-se que as únicas aparições registradas neste final de Marcos também são registrados nos outros evangelhos, o que implica que o escritor se baseou nos outros Evangelhos para sua informação.

Quanto à primeira objeção, muitas vezes é verdade que Mark tem mais material em um incidente na vida de Cristo do que os outros Evangelhos (compare Marcos 5:21-43 com os relatos paralelos em Mateus 9:18-26 e Lucas 8:40-56 ). No entanto, nesta seção, encontramos apenas um versículo que descreve a aparição de Cristo aos dois na estrada, enquanto que Lucas dá esse incidente vinte e três versos (Lucas 24:13-35). Mas Marcos também sabe como passar rapidamente sobre os acontecimentos importantes na vida de Cristo. Passando sobre o nascimento de Jesus completamente, Mark dá apenas sete versos de John pregação de João Batista, três versos para o batismo de Jesus, e dois versos à sua tentação! Assim, a condensação também pode ser uma característica estilística de Marcos.

Provavelmente, a objeção mais séria contra a autoria de Mark destes versos se refere à distribuição estranho de conjunções nesta última seção, em comparação com o resto do Marcos. Afirma-se freqüentemente que Mark teve um carinho pela conjunção kai ("e"), que não é mostrado nesses versículos. Outras conjunções são usadas e versículo 10 está mesmo sem um conjunto de começá-lo. Enquanto kai é usado pelo menos uma vez em cada verso, em algumas seções, aqui ele é usado apenas nove vezes, e apenas três deles são utilizados para unir as cláusulas. Há também três contrações com kai nesta secção uma vez kai contratos com um ("if") para formar kan e duas vezes kai contratos com ekeinos ("aquele") para formar kakeinos . Estes são usados ​​para iniciar novas cláusulas. Mas o uso escasso de kai nesta secção é paralelo nos doze seções verso de Marcos 7:15-26 (apenas oito usos do kai , seis cláusulas de união) e 13:26-37 (apenas nove usos de kai , quatro cláusulas de união ). Todas as outras conjunções nesta seção são usadas em outros lugares em Marcos. No que diz respeito à falta de um conjugado para iniciar o verso 10, deve notar-

se que os primeiros quatro versos do Evangelho não contêm um único conjunto de coordenação (existe um

conjunto subordinando no verso 2). Assim Mark sabia como usar os recursos estilísticos de alguns usos de kai e não conjunção começo.

Ainda outra objeção é que ekeinos ("aquele"), ea contração kakeinos ("e que um") são usados ​​em um sentido enfraquecido de simplesmente "ele", "ela", ou "eles" (isso é chamado de "absoluta "o uso do pronome). Embora seja verdade que ekeinos não é usado em outras partes Marcos, no sentido absoluto, a forma contraída kakeinosis usado absolutamente em Marcos 0:04, 5 (os dois únicos outros lugares em Marcos, onde é usado).

A quarta objeção é que Jesus é referido como "o Senhor" ou "Senhor Jesus" só nesta seção de Marcos. Há

uma questão textual quanto a saber se o versículo 19 deve ler "o Senhor" ou "Senhor Jesus". Tanto a Nestlé e textos gregos UBS incluem "Jesus" entre parênteses no texto. A excepção, no entanto, é o mesmo, independentemente de que a leitura é aceite. Ambos mostram um respeito elevado por Cristo após a Sua ressurreição. Mas o termo "Senhor" também é usado em referência a Cristo em Marcos 1:03, 2:28, 7:28, 11:3 e 12:36-37. Em algumas dessas passagens, o termo "Senhor" não tem o pleno significado que ele faz aqui, mas Lucas, que usa o termo "Senhor" extensivamente para se referir a Cristo, também usa o termo elevado "o Senhor Jesus" só em Lucas 24:3, depois da Sua ressurreição.

A última objeção a ser discutido é que as únicas aparições registradas no final longo de Marcos também são

registrados nos outros evangelhos, o que implica que o escritor contou com os outros Evangelhos para sua informação. Enquanto a observação é correta, a implicação de que é extraída de que não é. Ele só precisa ser notado que esta seção contém novas informações sobre as aparências não reveladas em outro lugar. Por exemplo, só nesta seção nos diz que os discípulos estavam "gemendo e chorando" (v. 10), de que Cristo apareceu para os dois na estrada em uma "forma diferente" (v. 12), e que um dos sinais para acompanhar os

16/05/13

O estilo do final longo de Marcos

discípulos seria o consumo de coisas mortíferas sem resultados nocivos (v.18). Assim, essa objeção também

é inválido.

Estilo cumulativa e Pico

Em conclusão, podemos ver que todas as objeções à autoria de Mark desta seção com base na queda estilo em uma das duas categorias: (1) ou o recurso estilístico em questão encontra-se em outro lugar em Marcos, ou (2) não há uma explicação razoável para a sua presença. De longe, o maior número de objeções caem na primeira categoria. Isso indica que não é correto afirmar que esse tempo final não está no estilo de Marcos.

É possível que alguém poderia objetar que não é que esses recursos estilísticos não são encontradas em

outro lugar em Marcos, mas que eles são raros em Marcos, que está sendo pouco utilizado por ele. Assim, é

o fator cumulativo do uso de tantos recursos estilísticos raros em um lugar que faz com que esta seção não Markan. Essa objeção é bem-feito e deve ser dada consideração.

Com a recente descoberta do conceito de pico, no entanto, o uso frequente de características raras em uma parte importante da história é exatamente o que deve ser esperado. Peak é uma área de turbulência gramatical. Características pouco utilizados tornam-se proeminentes nas seções de ponta e recursos usados ​​ frequentemente são abandonados. Dispositivos de fundo tornar-se em primeiro plano e vice-versa. Nas línguas de todo o mundo, o pico foi mostrado para ocorrer em seções de clímax e desenlace, e às vezes incitando incidente, em narrativas contadas por bons contadores de histórias. Se a crucificação é o clímax, a ressurreição é o desenlace. Seria de se esperar que este seja um espaço de pico em que o uso de recursos estilísticos esperados é abandonada em favor de outros menos utilizados. Este é exatamente o que é encontrado no aumento do uso de palavras usadas apenas uma vez em Marcos, nos últimos cinco capítulos. Ao invés de revelar que o Mark não é o autor desses últimos doze versos, este estilo cumulativo diferente pode mostrar que ele era um bom contador de histórias.

Este artigo foi originalmente publicado em uma forma abreviada como:

Terry, Bruce. 1976. Outro olhar sobre o Final de Marcos. Firm Foundation 93 (14 de setembro).

Copyright © 1976, 1996 Bruce Terry. Todos os direitos reservados.

© 1976, 1996 Bruce Terry. Todos os direitos reservados. http://bible.ovu.edu/terry/articles/mkendsty.htm Última
© 1976, 1996 Bruce Terry. Todos os direitos reservados. http://bible.ovu.edu/terry/articles/mkendsty.htm Última
© 1976, 1996 Bruce Terry. Todos os direitos reservados. http://bible.ovu.edu/terry/articles/mkendsty.htm Última

http://bible.ovu.edu/terry/articles/mkendsty.htm Última atualização em 27 de março de 2003 Página mantida por Bruce Terry