Você está na página 1de 34

FACULDADE DE JORNALISMO E RELAÇÕES PÚBLICAS

MANUAL DE RADIOJORNALISMO

Produzido pelos professores de radiojornalismo

Maio/ agosto - 2002.


ÍNDICE

1. Apresentação........................................................................................................................pág. 03
2. Redação da Notícia...............................................................................................................pág. 04
2.1. Modelo 1- Notícia Estrita...................................................................................................pág. 06
3. Pauta......................................................................................................................................pág. 08
3.1 Modelo 2- Pauta .................................................................................................................pág. 09
4. Notícias com Entrevista .......................................................................................................pág. 10
4.1 Modelo 3 - Notícia com Citação ........................................................................................pág. 11
5. Reportagem...........................................................................................................................pág. 12
5.1 Modelo 4 - Reportagem gravada.........................................................................................pág. 13
5.2 Modelo 5 - Reportagem Vivo ............................................................................................pág. 14
6. Radiojornal............................................................................................................................pág. 16
6.1 Modelo de Espelho de Radiojornal ....................................................................................pág. 17
7. Outros gêneros jornalísticos..................................................................................................pág. 18
8. Glossário...............................................................................................................................pág. 20
9. Bibliografia de rádio.............................................................................................................pág. 26

2
1. APRESENTAÇÃO

Este manual de radiojornalismo nasceu da necessidade de se padronizar regras para a criação


de produtos radiojornalísticos dentro da UMESP. Como o curso de jornalismo prevê quatro
semestres dedicados à produção radiofônica, os professores se reuniram e decidiram, com base em
todo o material já compilado sobre o assunto mais a experiência profissional de cada um, formatar
aquilo que consideram ideal para a prática radiofônica.
Aos alunos usuários deste material é importante salientar que esta é apenas uma das formas
de se trabalhar a notícia radiofônica. Certamente, cada emissora de rádio estrutura e divulga aos
funcionários seu padrão de produto radiojornalístico. Como nosso objetivo é a aproximação com a
realidade do mercado de trabalho, também na UMESP haverá um padrão de produção
radiojornalística a ser seguido, conforme as regras apontadas a seguir.
Aproveitamos para agradecer a oportunidade de mais uma vez valorizar este veículo radiofônico, motivo de
orgulho de todos nós professores.
Ms. Flávio Falciano
Ms. Maria Luisa Hupfer
Ms. Rúbia de Oliveira Vasques
Ms. Sandra Garcia
Cal Francisco
Eduardo Borga

3
2. REDAÇÃO DA NOTÍCIA RADIOFÔNICA

Há um padrão para a redação de una notícia que será lida no rádio. Quem redige deve se
lembrar sempre que o ouvinte estará desenvolvendo outras atividades enquanto ouve o rádio.
Poderá estar dirigindo, cozinhando, trabalhando, etc. Por isso, a notícia deverá ser clara e objetiva.
Não podemos trabalhar com a possibilidade de que o ouvinte deduza algo, é fundamental que
entenda de primeira.
Assim, quem escreve deverá redigir seu texto com a linguagem mais clara possível, da
maneira mais direta, para que o locutor possa transmitir da melhor maneira possível, sem erros, nem
tropeços.
Há algumas regrinhas a serem seguidas. São elas.
Para preencher a lauda:
1- Use sempre a letra Times New roman.
2- O texto deve ser redigido com Corpo 14.
3- Deve-se redigir uma notícia com no mínimo três takes e no máximo 6 takes.
4- O espaçamento entrelinhas é duplo. E entre os takes dois duplos.
5- Escreva sempre uma frase por take. Uma idéia por take. Quando há muitas idéias faça mais de
um take.
6- Cada take deve ter no máximo duas linhas e meia. Evite takes grandes. Escreva a idéia com no
máximo duas linhas e meia. Se não conseguir significa que pode cortar palavras
Cuidados com o texto radiofônico:
1- Não comece a sua frase com números.
2- Evite a palavra ACONTECE. Ela deve ser utilizada para algo que não foi previsto. Ex.: "o
assalto aconteceu em frente ao banco".
3- Para indicar que é uma pergunta, sinalize antes da frase (?) frase ?
4- Os parênteses são utilizados apenas para a pronúncia de uma palavra desconhecida ou em outro
idioma . Ex.: forget (fôr-gét). Não será lido pelo locutor.
5- Evite utilizar os dois pontos ( : ) . Há momentos para isso, mas, deve-se saber usá-los.
6- Os números: de um a nove sempre por extenso. Os demais em algarismo (10, 35, 100).
7- Por cento : sempre por extenso.
8- Zero vírgula 30. E não: 0,30
9- Cinco dólares. E não: US$ 5.

4
10- Um milhão e meio de reais. E não : R$1,5 milhão.
11- Indique sempre primeiro o cargo e depois o nome. Ministro da Fazenda. Fulano de Tal.
12- Cuidado com o cacófato: amar ela; pegar ela, etc.
13- As siglas conhecidas podem entrar no texto, mas as não conhecidas usa-se: primeiro a sigla e
depois a explicação. No próximo take você pode usar apenas a sigla, porque já explicou seu
significado antes.
14- No lide o verbo é sempre utilizado no presente do indicativo e sem o artigo. Nos demais takes
você pode utilizar o artigo no início das frases.
15- No lide vá direto ao assunto. Não coloque muitas informações no lide. O início da notícia deve
atrair a atenção do ouvinte para o que será dito a seguir.
16- O primeiro take do texto deve prender a atenção do ouvinte para que ele continue acompanhe a
notícia até o final. A frase deve ser forte, escrita na ordem direta.
17- Elimine o ontem do lide para não envelhecer a notícia.
18- Evite o Há (do verbo haver). Na hora da leitura dificulta a compreensão do ouvinte. Busque um
sinônimo para a sua frase.
19- Evite: sua, dele (estes usos indicam duplo entendimento: dele quem?
20- Use negrito em palavras estrangeiras ou de difícil pronúncia.
21- Cuidado com a sonoridade das palavras. O texto radiofônico necessita deste cuidado.
22- Evite juízo de valor: importante, valioso, etc. Os adjetivos devem ser utilizados em último caso
e com parcimônia. Senão vira texto de assessoria, e não jornalismo.
23- Evite: além de, no entanto, contudo, embora, desta maneira, etc.
24- Evite começar os takes sempre da mesma forma.
25- Evite os pronomes demonstrativos.
26- As aspas podem ser utilizadas para dar ênfase ou destacar títulos de livros, filmes, etc. Não é o
mesmo recurso do texto impresso. Não se usa a citação entre aspas: diga: Fulano disse, segundo
Beltrano.
27- Dados como: localização, telefone, etc. devem estar no final da notícia. Caso o ouvinte esteja
interessado poderá anotar ou decorar com mais facilidade. Pode-se repetir sites, telefone, no
final da notícia.
28- Evite repetir a informação (mesmo que em outras palavras), que não seja importante na notícia.
Privilegie o fato.
29- Não mude drasticamente de assunto. Crie um gancho (continuidade).

5
30- Evite o verbo no gerúndio.
31- Use ordem direta nas frases. Desta forma você não dificulta a compreensão do ouvinte para o
fato.
32- Não use aposto em texto radiofônico. Se precisar explicar. Explique.

6
MODELO 1 - DE NOTÍCIA ESTRITA (CONHECIDA COMO NOTA)

Rosana Valdez (nome redator) (data) 10.07.2002


Ambulatório Infantil (retranca/assunto) (fonte) Agência Estado
Jornal da Metodista (programa) Validade: hoje
___________________________________________________________________
+ Prefeitura inaugura primeiro ambulatório especializado no tratamento de doenças
infantis.

+ A solenidade ocorreu no início desta manhã e reuniu mais de duzentas pessoas,


além da presença do prefeito de São Bernardo, César Magalhães e de todo o
secretariado.

+ O ambulatório terá o nome de Miguel da Silva Rossi, em homenagem ao garoto de


sete anos que faleceu no mês passado, no Pronto Socorro Geral, enquanto esperava
atendimento médico.

+ De acordo com o diretor geral da nova unidade de saúde, o clínico Waldemar de


Souza, esse novo espaço será fundamental para diminuir a mortalidade infantil na
cidade.

+ A maioria da população apoiou a iniciativa, mas a comunidade reclamou da demora


da Prefeitura em concluir a construção do ambulatório.

+ Segundo vereadores de oposição, a obra custou aos cofres públicos cerca de


novecentos mil reais e levou mais de três anos para ficar pronta.

7
DETALHES DO QUE DEVE CONTER O CABEÇALHO:
Redator: Indique o nome daquele que redigiu a notícia.
Data: Dia em que você está redigindo o seu texto.
Retranca: Duas palavras que identifiquem o assunto de sua matéria.
Fonte: De onde foram tiradas as informações para redação da nota.
Tempo: Duração de sua lauda. (cada linha de 70 toques corresponde a cinco segundos de locução).
Validade: Até quando as informações contidas nesta nota são válidas jornalisticamente.

8
3. PAUTA

A pauta de rádio tem por objetivo oferecer o maior número de informações para o repórter
que irá fazer a matéria. Como todos sabem, o repórter muitas vezes chega na redação para pegar as
pautas e precisa sair correndo para produzir várias matérias. Assim, tendo em mãos uma pauta bem
elaborada não terá dificuldades de produzir uma boa matéria.
A Pauta se constitui num dos grandes problemas para os estudantes de Jornalismo, às vezes
até para profissionais tarimbados. Imagina-se que, pelo que posso observar no mercado, fazer uma
Pauta nada mais é do que "CHUPAR" notícia de Jornal. Outros veículos como as televisões, as
revistas e mais recentemente a internet, com todas as suas falhas, também entram na
"CHUPANÇA". E isso não é verdade.
A CRIATIVIDADE do Repórter de Rádio acaba sendo jogada no lixo por preguiça, falta de
orientação ou má-fé, no duro. Saiba você que os outros veículos servem para uma reflexão do
Repórter de Rádio sobre tudo aquilo que está acontecendo no planeta - nada mais.
A Pauta do Rádio tem que ter as características do veículo: texto claro, objetivo, curto,
direto, conciso e sem informações óbvias. O profissional responsável pela Pauta precisa pensar
numa abordagem diferente de um assunto que pode mudar o dia do cidadão.
Uma boa pauta deve ter, no mínimo:
1 - Um resumo dos acontecimentos (idéias) que são objeto da Reportagem.
2 - O que o Repórter terá que conseguir, ou seja, o que interessa ao Ouvinte.
3 - Como a emissora vai se posicionar em relação ao assunto.
4 - Fornecer todos os dados necessários para o Repórter: nome, cargo ou função das pessoas que
serão entrevistadas, telefones, hora da entrevista, local, e-mail- sempre fornecer mais de uma fonte.
Lembre-se de uma coisa, a Pauta é o ponto de partida de uma boa Reportagem, nunca o meio ou o
fim. Tudo o que foi planejado previamente na Pauta pode ser "derrubado" pelo Repórter caso outros
fatos mais importantes estejam acontecendo.
Vale ressaltar que nem sempre uma Pauta de Jornal, revista ou Tv pode ser adaptada sem
prejuízos ao Rádio. Procure elaborar o material de acordo com as características do veículo - pense
na prestação de serviços, na sessão da Câmara, na visita do Presidente.
Por último: uma boa Pauta deve ter no máximo dez linhas, de preferência com texto manchetado,
para facilitar a vida do Repórter.

9
A sugestão de Pauta apresentada aqui não serve para programas jornalísticos (produção),
apenas para Reportagem.
Atenção: como o Pauteiro já se tornou uma peça rara nas Redações, o Repórter é o próprio Pauteiro.
As pautas devem conter os seguintes itens:
1) Cabeçalho: Onde devem estar contidos o nome do redator, a data em que foi elaborada a pauta,
a retranca (duas palavras que indiquem o tema da pauta) e a fonte (de onde foram tiradas as
informações para a pauta).
2) Tema: Sobre o que se trata a pauta.
3) Histórico/Sinopse: Você deverá escrever em poucas linhas (média de 15 linhas) em linguagem
radiofônica um resumo dos fatos que levaram esse tema a se justificar como assunto de uma
pauta jornalística. Esse material é muito importante para situar o repórter e porque poderá ser
utilizado por ele para o lide e/ou cabeça da matéria. Para reportagens especiais pode-se inserir
mais informação.
4) Enfoque/Encaminhamento: Qual será o direcionamento a ser dado na matéria, ou seja, com
base no histórico exatamente o que o pauteiro quer que seja desenvolvido pelo repórter. Indique
para o repórter. Este item é que irá definir as suas sugestões de perguntas.
5) Fontes: Para se obter as informações sobre o tema da matéria é fundamental que o pauteiro
apresente as fontes para a reportagem, ou seja, as pessoas que serão entrevistadas pelo repórter.
Nesse caso, além do nome e do cargo/função da pessoa, deve constar na pauta o endereço e
todos os telefones possíveis para contato. De acordo com o padrão fixado pela UMESP os
entrevistados devem ser antes contatados pelo pauteiro que deverá checar se aquela pessoa
realmente tem condições de falar sobre o assunto e se estará disponível no período em que tiver
que ser desenvolvida a reportagem.
6) Sugestões de perguntas: Como o nome já dia são sugestões a serem seguidas pelo repórter.
Mas lembre-se uma pauta não é uma camisa de força. O repórter tem toda liberdade de
questionar o entrevistado sobre outras questões que considerar importante naquele momento.
7) Anexos: Caso o pauteiro tenha feito alguma pesquisa ou possua recorte de jornal/revista ou
texto retirado da internet poderá anexar na pauta.

10
MODELO 2 - DE PAUTA
Pauteiro: Rosana Valdez Retranca: Inauguração/ambulatório Data: 21/05/02 Fonte: AE

TEMA: Prefeitura inaugura primeiro ambulatório para atendimento especializado de crianças.

SINOPSE: Depois de muitas reivindicações de toda a comunidade da cidade, a Prefeitura


finalmente vai inaugurar no próximo dia 20, às 10 horas, o primeiro ambulatório para atendimento
infantil, que terá o nome de Ambulatório Miguel da Silva Rossi, em homenagem ao garoto de 7
anos que faleceu no mês passado, na recepção do Pronto Socorro geral enquanto esperava
atendimento médico. A obra custou 890 mil reais, sendo que parte foi financiado junto ao Governo
Federal.

ENCAMINHAMENTO: Verificar junto à direção do ambulatório (ou com o secretário de saúde)


qual a capacidade de atendimento, quais as especialidades que serão atendidas, se isso soluciona
ou minimiza os problemas de saúde relacionados à criança na cidade, qual será o horário de
funcionamento, se há médicos para atender a população, e qual a opinião da comunidade sobre
essa obra.

FONTES:
Dr. Waldemar de Souza (diretor geral do ambulatório)
Rua Ambrósio Couto, 86
Tel. 875-2233 (falar com Vera – secretária da diretoria)

Emerson Vasconcelos (secretário de saúde do município)


Av. Primeiro de Maio, 445
Tel. 864-1000 (falar com Sandra – secretária)

11
SUGESTÕES DE PERGUNTAS
(para o médico ou o secretário)
- Qual a capacidade de atendimento do novo ambulatório?
- Que especialidades médicas estão sendo oferecidas para a população?
- Essa obra pode solucionar os problemas de saúde infantil da cidade?
- Por que a Prefeitura demorou tanto tempo para inaugurar esse ambulatório?

(para a população)
- O Sr. Acha que essa nova obra da Prefeitura é importante para a cidade?
- Como tem sido o serviço de saúde prestado pela Prefeitura?
- O Sr. Acha que essa obra vai melhorar o atendimento para as crianças?

12
4. NOTÍCIAS COM ENTREVISTA

As entrevistas pode ser utilizadas de duas maneiras no radiojornalismo: através de “notícias


com citação” ou em “reportagens”.

4.1 - NOTÍCIA COM CITAÇÕES “COM VOZ”


Similar à nota, a notícia com citação traz o diferencial de apresentar um trecho da fala do
entrevistado, entre os takes a serem lidos pelos locutores. A opção pela notícia com citação tem um
objetivo claro: aumentar a credibilidade da notícia. Isso porque o ouvinte tende a confiar mais numa
notícia que traz ao menos um trecho de fala de um entrevistado que tem algo a ver com o fato alvo
da matéria, do que somente ao ouvir os locutores narrando uma nota.
A notícia com citação também é a única saída quando o repórter se depara com situações
inesperadas como: não há tempo no programa para apresentar a reportagem completa, a qualidade
de som da gravação não é das melhores, o entrevistado tem dificuldade ao falar ou fugiu de todas as
perguntas, etc.
Na produção desse tipo de notícia, a citação nunca deve ser incluída no início da matéria e
precisa necessariamente concordar com o contexto em uma sucessão lógica de idéias. Não se deve
anunciar o entrevistado (como por exemplo, “ouça o que disse o presidente Fernando Henrique”). O
correto é que o redator cite com suas palavras e de forma superficial quem vai falar em seguida e o
que o entrevistado vai dizer (exemplo: O presidente Fernando Henrique afirmou que o Brasil teve
claros avanços sociais nos últimos anos”). Não é obrigatório que se utilize apenas um trecho da fala
do entrevistado. Caso haja dois bons trechos, eles podem ser utilizados, desde que entre eles seja
acrescentado um take que chamamos de “gancho”, viabilizando a próxima entrada. Essa estrutura
também vale para o caso de termos dois entrevistados e utilizarmos trecho da fala de cada um.
A notícia também não pode, em hipótese alguma, terminar no trecho da fala do entrevistado.
É necessário sempre que o locutor apresente um último take, acrescentando mais alguma
informação.

13
MODELO 3 - DE NOTÍCIA COM CITAÇÃO

14
Rosana Valdez (nome) (data) 10.07.2002
Ambulatório Infantil (retranca/assunto) (fonte) Agência Estado
Jornal da Metodista (programa) Validade: hoje
__________________________________________________________________________________________

+ Prefeitura inaugura primeiro ambulatório especializado no tratamento de


doenças infantis.

+ A solenidade ocorreu no início desta manhã e reuniu mais de duzentas


pessoas, além da presença do prefeito César Magalhães e de todo o secretariado.

+ O ambulatório terá o nome de Miguel da Silva Rossi, em homenagem ao


garoto de 7 anos que faleceu no mês passado, no Pronto Socorro Geral, enquanto
esperava atendimento médico.

+ De acordo com o diretor geral da nova unidade de saúde, o clínico Waldemar


de Souza, esse novo espaço será fundamental para diminuir a mortalidade
infantil na cidade.

Fita 10 – Lado A – Tempo: 30”


Deixa Inicial: este ambulatório nos possibilita ...
Deixa Final: ...evitarmos casos como esse.

+ A maioria da população apoiou a iniciativa, mas a comunidade reclamou da


demora da Prefeitura em concluir a construção do ambulatório.

+ Segundo vereadores de oposição, a obra custou aos cofres públicos cerca de


novecentos mil reais e levou mais de três anos para ficar pronta.

5. REPORTAGEM

15
A reportagem, como o próprio nome diz, é o tipo de produção radiojornalística que mais
privilegia a participação do repórter. Por conta disso, o locutor apenas abre a matéria (apresenta o
lide) e a divulgação do restante do material fica totalmente a cargo do repórter.
A reportagem finalizada terá três partes fundamentais:
1) CABEÇA: início da reportagem onde o repórter vai situar o assunto antes de entrar com o
entrevistado;
2) ENTREVISTA: trechos principais da fala do entrevistado, entremeados por ganchos
apresentados pelo repórter;
3) PÉ: finalização da matéria em que o repórter dá uma última informação e assina a reportagem.

No caso de reportagens gravadas, o repórter primeiramente grava a entrevista, prestando


muita atenção nas respostas do entrevistado (para já começar a visualizar os possíveis pontos de
corte para a edição). Em seguida, grava o que chamamos de “cabeça da matéria” e os ganchos que
separarão as falas do entrevistado. Por último, grava o pé da matéria. Essa fita é levada para o
estúdio e o sonoplasta colocará o material em ordem, finalizando a produção da reportagem.
Já no caso de reportagens ao vivo, não há essa possibilidade. O repórter tem que dominar as
informações pois será obrigado a apresentar a “cabeça da matéria” ao vivo, realizando a entrevista
em seguida e finalizando com o “pé” da matéria, tudo isso dentro do tempo estipulado pela
coordenação do radiojornal.

16
MODELO 4 - DE REPORTAGEM GRAVADA
Rosana Valdez (nome) (data) 10.07.2002
Ambulatório Infantil (retranca/assunto) (fonte) Agência Estado
Jornal da Metodista (programa) Validade: hoje
_____________________________________________________________
+ Prefeitura inaugura primeiro ambulatório especializado no tratamento de
doenças infantis.

+ Outras informações com o repórter José de Assis.

Entrevista gravada
Fita: 13 – Lado A - Tempo: 1’45”
Deixa Inicial: Mais de duzentas pessoas...
Deixa Final: ... para o Jornal da Manhã.

((((A matéria é finalizada pelo repórter. Se quiser, depois disso, pode ser
inserido um comentário a ser feito pelo locutor ou âncora))).

17
MODELO 5 - DE REPORTAGEM AO VIVO

Rosana Valdez (nome) (data) 10.07.2002


Ambulatório Infantil (retranca/assunto) (fonte) Agência Estado
Jornal da Metodista (programa) Validade: hoje
_____________________________________________________________
+ Prefeitura inaugura primeiro ambulatório especializado no tratamento de
doenças infantis.

+ O repórter José de Assis está acompanhando a inauguração e traz mais


informações ao vivo. Bom dia José...

Entrevista ao vivo
Tempo previsto: 1’30”
Deixa Final: ... para o Jornal da Manhã.

(A matéria é finalizada pelo repórter. Se quiser, depois disso, pode ser inserido
um comentário a ser feito pelo locutor ou âncora).

18
DICAS PARA A REPORTAGEM

Na notícia com entrevista (reportagem) o repórter deve elaborar o que chamamos de “cabeça
da matéria” e que vem sempre antes da entrevista.
Essa “cabeça” tem como objetivo situar o assunto para o ouvinte antes de começar a
repercuti-lo com o entrevistado. tomando como base o exemplo deste livro, o repórter, antes de
conversar com o diretor do ambulatório, deve deixar claro onde estava acontecendo a inauguração,
que autoridades estavam presentes, se havia boa presença de público, etc.
Depois de concluída a entrevista, também deve ser elaborado o que chamamos de “pé da
matéria”. nesse caso, o repórter deve inserir uma última informação sobre o assunto da reportagem
antes de assiná-la. No caso do exemplo, poderia citar o custo da obra e o tempo que levou para ser
concluída. a assinatura normalmente é formada pelo nome do repórter e o nome do programa em
que está entrando (repórter José de Assis para o jornal da manhã).
Quando a reportagem for gravada, o repórter deve gravar a “cabeça” e o “pé” na fita, logo
após a entrevista, para depois ser feita a edição no estúdio, quando então tudo será colocado em
ordem.
Já no caso de reportagem ao vivo, o repórter deve fazer a “cabeça” ao vivo, depois a
entrevista e, por último, apresentar o “pé” da matéria.

19
6. Radiojornal

No quinto semestre do curso de Jornalismo os alunos têm a disciplina denominada Oficina


Modulada de Radiojornalismo onde estarão praticando as técnicas radiojornalíticas apreendidas no
terceiro e quarto semestres. O cronograma permitirá a produção de dois ou três radiojornais
semanais onde os alunos estarão revezando as atividades pertinentes à prática jornalística em uma
emissora de rádio.
Na produção do radiojornal serão encontradas as seguintes funções:
1- Pauteiro
2- Repórteres de serviço
3- Repórter
4- Coordenador
5- Apresentadores
6- Âncora
7- Redatores.
A duração do radiojornal deverá ser de 30 minutos.
O radiojornal deve conter:
♦ Abertura: Cumprimentos, data e hora
♦ Escalada com manchetes de redação e reportagem - blocadas ou mixadas (alternadas). Na
escalada de reportagem ou giro todos os repórteres devem ser anunciados.
♦ Deve-se intercalar reportagens, textos (notas) e serviços, buscando um jornal equilibrado.
♦ Deve-se escrever apenas uma nota por lauda, ou um serviço ou reportagem.
♦ O Jornal deve ter de quatro cinco serviços. (trânsito, estradas, indicadores econômicos, previsão
do tempo e aeroportos).
♦ Todas as reportagens e serviços devem conter a assinatura "repórter. para a Rádio Metodista".
♦ Deve-se numerar as laudas do roteiro final.
♦ Todas as vinhetas (serviço ou editoria) devem vir no final da lauda anterior aos mesmos, com
exceção da vinheta de abertura.
♦ A participação do âncora deverá ser sinalizada no final das laudas que serão comentadas.
♦ No final do jornal pode-se fazer uma escalada (só com as notas da redação).
♦ Ficha técnica formada por apresentação, coordenação e trabalhos técnicos é imprescindível.

20
MODELO 6 - ESPELHO DE RÁDIO JORNAL
LOC. 1º BLOCO:
- Abertura do programa
- Destaques do programa
- Notas
- Reportagem
- Serviço
TEC. INTERVALO COMERCIAL: 1 min.
LOC.: 2º BLOCO
- Notas
- Reportagem
- Serviço

TEC.: INTERVALO COMERCIAL : 1 min


LOC.: 3º BLOCO:
- Serviço
- Notas
- Reportagem
- Encerramento e Ficha Técnica.

• Utilizar vinhetas.
• Duração das matérias : 1,30 min. a 2 min.
• Boletins ao vivo.
• Notas (duração de 45 seg. a 1 minuto)
• Ficha Técnica: Locutores, âncora, trabalhos técnicos e orientação dos professores.

7. Outros Gêneros Radiofônicos

21
Durante o laboratório de radiojornalismo do sexto semestre os alunos têm a oportunidade de
aprender a executar uma matéria especial, um debate, uma revista, um documentário e, finalizando,
uma entrevista coletiva. Praticamente é o momento em que eles conhecem e colocam em prática
outros gêneros que são praticados em rádio. É quando podem colocar a criatividade e a perspicácia
jornalística a serviço do veículo rádio, percebendo as mudanças necessárias no estilo, público, texto
e encaminhamento que cada gênero exige.

7.1- Matéria Especial


Consiste em uma reportagem mais aprofundada com duração maior, ou seja, em torno de 6 a
7 minutos. É neste momento que os alunos colocam em prática as orientações sobre o tratamento
especial destinado às matérias especiais, como efeitos e outras ilustrações.
- O tema da matéria é escolhido pelos alunos (divididos em grupo de 4 ou 3).
- tempo (de 6 a 7 minutos)
- crédito: o aluno que ficou responsável pela finalização da matéria assina (Fulano para a Rádio
Metodista).

7.2 - Rádio- Debate


Neste gênero de programa os alunos estarão demonstrando sua capacidade de produção e de
intermediação de um debate.
- O tema é escolhido pelos alunos (divididos em grupo de 8 ou 7)
- Há necessidade de definição do público-alvo a quem se destina o debate (os alunos fazem a
escolha).
- Este programa terá a duração de no mínimo 30 minutos.
- Os alunos se responsabilizam por trazer os convidados para o debate - até três (no estúdio) e um
pelo híbrido.
- Os alunos podem interagir com o debate fazendo reportagens ou inserções (ao vivo) com o
público.
- Plástica do programa: os alunos fazem vinhetas de abertura, passagem e escolhem uma trilha para
o programa.
- Crédito: ficha técnica com os nomes dos responsáveis pelo rádio - debate incluindo o do técnico
da mesa de som.

22
7.3- Rádio-Revista
Este gênero também denominado de programa de variedades permite aos alunos um pouco
mais de liberdade na escolha dos temas a serem abordados, como também no formato.
- Será produzido por um grupo de alunos: de 7 a 8 alunos
- Perfil do programa: os alunos escolhem o tipo (público) a ser atingido pelo programa.
- A apresentação: pode ser feita em dupla ou apenas por um aluno
Duração do programa (mínimo 30 minutos)
- Participantes - até três ( no estúdio) e um pelo híbrido.
- Plástica: os alunos fazem vinhetas de abertura, passagem e trilhas que serão utilizadas no
programa.
- Créditos: Ficha técnica com os nomes dos responsáveis pelo rádio-revista incluindo o do técnico
da mesa de som.

7.4- Documentário
- alunos: de 7 a 8 alunos
perfil: os alunos escolhem o tipo (público) a ser atingido pelo documentário
- apresentação: um aluno apenas faz a narração.
- tempo (mínimo 30 minutos)
- plástica: os alunos fazem vinhetas de abertura, passagem e trilhas que serão utilizadas no
programa.
- crédito: ficha técnica com os nomes dos responsáveis pelo documentário incluindo a do técnico da
mesa de som.
Como produzir um Documentário
1 - É preciso ter ma pauta bem definida e com objetivos claros.
2 - É preciso gostar do assunto, mostrar-se interessado - mais do que isso, é preciso gostar de
Jornalismo.
3 - Início: traçar um roteiro para a produção do Documentário, mesmo antes de qualquer
Investigação. Exemplo: um Documentário sobre "Atentados Terroristas no Brasil"

23
A) - Dividir o tema em cinco capítulos de quatro minutos cada - um capítulo por dia, de segunda a
sexta: pensar nas trilhas/ músicas de acordo com o tema geral ou de acordo com os assuntos dos
capítulos.
Dados técnicos:
Cada capítulo: quatro minutos, no máximo.
Texto de abertura: dez manchetes, com no máximo duas linhas cada.
Sonora: no máximo quarenta segundos cada.
Texto final: quatro manchetes, com no máximo duas linhas cada.
Trilha: abre e encerra o capítulo.
Música: serve para reforçar uma idéia ou um conceito no trabalho.
Sem música e sem trilha: opção do Repórter.
Texto: dê preferência ao texto interpretativo.
Sugestão para o esqueleto da gravação: manchete/ sonora/ manchete/ sonora/ manchete/ sonora/
manchete/ assinatura.

B) - Orientações para a realização de uma Reportagem com denúncias de narcotráfico, corrupção,


crime organizado e afins em outro estado ou outro país:
1 - não se identifique como Repórter para todas as pessoas.
2 - avise, quando for o caso, apenas a polícia e a Secretaria de Segurança Pública.
3 - Comporte-se como um nativo.
4 - Compre todos os jornais locais, assista a todos os telejornais locais e exija um Rádio na portaria
do hotel, escute tudo o que puder.
5 - Busque informações nas colunas sociais dos jornais locais, lá estão os grandes empresários e os
grandes PICARETAS.
6 - não deixe de lado aquele "papo" no boteco da esquina, tome uma cachaça- se precisar.
7 - vá à cabeleireira, ao barbeiro- converse muito com os taxistas.
9 - faça uma boa amizade com as telefonistas do hotel.
10 - pronto, pode começar a agendar as entrevistas.

C) - Identificar possíveis fontes de acordo com a divisão dos assuntos- para cada capítulo serão
necessárias entre três e quatro entrevistas.

24
D) - Fazer todas as entrevistas e analisar o material produzido, antes de começar a fechar o primeiro
capítulo.

E) - Produção do texto inicial- dez manchetes- uma espécie de estrutura da gravação: o texto de
abertura deverá ser com a observação do Repórter no local dos acontecimentos.

F) - Escolha das sonoras, que poderá ter sido antes da produção do texto inicial, e produção do texto
da gravação.
Importantíssimo: sempre que possível faça uma mescla dos assuntos atuais (do momento) com fatos
do passado. Não deixe de lado os sons característicos dos lugares como vozearia, água na pedra ou
pedra na água, barulho do motor do caminhão do gás, o garoto chorando, o deputado gritando, a
senhora chorando, o barulho da chuva, a campainha da Câmara Municipal, um espirro de
alguém...............................

G) - Atenção: ao produzir o espelho não esquecer das marcações numéricas nos pontos da gravação.
Exemplo:
Sonora
(0012)...Deixa Inicial:...Bem, eu realmente sou ladrão...
(0052)...Deixa Final:....Tudo confirma minha condição de ladrão.

H) - As deixas facilitam sobremaneira o trabalho do Repórter e do Técnico, na hora da produção do


material.
A maioria dos gravadores (todos os digitais) tem um mecanismo que marca o tempo de gravação,
descubra.

I) - A parte mais difícil: montagem do Documentário no Estúdio


- o texto inicial já estará pronto, as trilhas e músicas escolhidas e o texto da Reportagem (esqueleto)
estará pronto.

J) - O Documentário poderá começar com uma música, uma trilha, som ambiente, uma sonora ou só
com a voz do Repórter.

K) - Produzir texto final com quatro manchetes, no máximo.

25
L) - Ao montar o capítulo, ouvir duas ou três vezes para eliminar possíveis falhas.

M) - Nunca é demais lembrar que todas as regras do Jornalismo serão respeitadas na produção do
Documentário, apesar de ser um trabalho com características artísticas em determinados momentos-
às vezes há um abuso da "criatividade" deixando-se de lado a objetividade.

N) - Pronto, você acaba de produzir o primeiro capítulo do Documentário de um total de cinco.

O) - A produção de uma Reportagem comum não é muito diferente de tudo aquilo que acaba de ser
apresentado.

P) - Com as devidas adaptações, basta que você reduza o texto inicial ou cabeça para apenas uma,
no máximo duas manchetes.

Q) - Também haverá uma redução no texto do espelho e redução no tempo das sonoras.

R) - Todos os recursos de som ambiente podem (devem) ser aproveitados na Reportagem comum.

S) - Outro ponto que merece destaque é o uso de trilha ou música: o ideal é que o uso do recurso
seja parcimonioso.
T) - Importantíssimo: ao final do trabalho não esquecer de anotar o número da fita de gravação, a
duração da Reportagem e a deixa final/ assinatura.

U) - Não faça do Técnico de Som um "Professor do Socorro", ele não tem esta obrigação e nem
pode assumir tal responsabilidade.

V) - Toda e qualquer dúvida Jornalística deve ser esclarecida com os Professores.

X) - Você não terá estas orientações em livros ou qualquer tipo de literatura: tudo que está aqui é
fruto de anos de experiência no Jornalismo.

26
Z) -Não custa lembrar que estas orientações não estão definidas como as "verdades verdadeiras"
do Radiojornalismo. O profissional terá que adaptar-se à Cultura da empresa em que estiver
trabalhando, aproveitando o que de positivo existir aqui.

7.5- Coletiva
- Os alunos são colocados diante de um profissional (jornalista ou não) e fazem uma entrevista
coletivamente.
- É um exercício individual
- Todos elaboram um boletim com sonora.
- tempo: máximo três minutos
- crédito: Fulano para a Rádio Metodista.

7. GLOSSÁRIO

ABERT: Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão. Entidade que congrega as


emissoras de rádio e televisão.
AM: Sigla de Amplitude Modulada. Sistema de transmissão de sinais eletromagnéticos realizado
através da modulação da amplitude ou comprimento das ondas, em freqüências que variam de 550 a
1600 Khz.
AMBIENTE: Sons que dão idéia do local da transmissão. Podem ser ouvidos ao fundo das narrações, ou entrevistas,
ou isolados em pequenos trechos no meio das matérias. Som ambiente.
ÂNCORA: O principal apresentador de um programa. Além de ler o noticiário, ele “chama” os
repórteres que estão “na rua”, os comentaristas e os entrevistados no estúdio.
AO VIVO: Transmissão feita no exato momento do acontecimento.
APAGADOR: Dispositivo ou equipamento que “apaga” ou elimina a informação de fitas já
gravadas.
APURAÇÃO: Levantamento de dados e acontecimentos que serão transformados em notícia ou
matéria. Investigação dos fatos.
AQUÁRIO: Estúdio de locução envidraçado.
ARQUIVO: Pasta ou arquivo de computador com notícias antigas que servem como referência
para a cobertura de novos acontecimentos. Podem ser arquivadas em forma de texto ou de
gravações.

27
ÁUDIO: Som. A expressão é usada em algumas emissoras para designar uma gravação de um
acontecimento que deve ser colocado no ar.
ASSINATURA MUSICAL: música de identificação musical tocada no começo e no fim de um
programa ou inserção regular.
BACKGROUND (BG): Música, vozes ou ruído em fundo que servem de suporte para a fala. Não
pode de forma alguma prejudicar o som da fala, se sobrepor a ela.
BARRIGA: notícia inverídica transmitida antes de ser checada.
BLOCO: segmento da programação, composto de notícias, matérias, música etc.
BOLETIM: Breve informativo transmitido pelo próprio repórter sobre assunto abordado em
entrevista, ou baseado em informações que não foram gravadas.
BREAK: expressão inglesa que significa parar, significa o intervalo comercial.
CABEÇA DA MATÉRIA: o lide da matéria, informações mais importantes que abrem o assunto.
CABEÇALHO: dados que devem constar no alto da lauda – redator, retranca, data, tempo de
duração da matéria.
CAMPANHA: série de reportagens e notícias transmitidas com finalidade social.
CHAMADA: flash gravado sobre matéria ou programa, transmitida várias vezes durante a
programação, para despertar o interesse do ouvinte.
CHECAR: verificar se a informação é verdadeira.
CHEFE DE REPORTAGEM: profissional encarregado de supervisionar e coordenar o trabalho
de reportagem.
CHEQUE-LISTE: trabalho de verificação dos pontos básicos de uma cobertura.
CITAÇÃO: transcrição de frase de alguma personalidade durante notícia ou boletim.
CLAREZA: qualidade essencial do texto radiofônico. Nitidez.
CLICHÊ: expressão que deve ser evitada no rádio por ser usada com exagerada freqüência.
CLÍMAX: ponto culminante de um texto ou reportagem.
COBERTURA: reportagem completa sobre um acontecimento importante, no local de sua
ocorrência.
COERÊNCIA: qualidade exigida em texto jornalístico.
COLABORADOR: especialista em determinada área que presta serviços à emissora ser pertencer
ao quadro profissional.
COMENTÁRIO: texto opinativo que não deve aparecer nas notícias e sim após as informações,
sempre desenvolvido por um comentarista.

28
COMPACTO: edição sucinta de um programa já transmitido pela emissora.
CONCISÃO: qualidade do texto de rádio. Síntese.
CORRESPONDENTE: jornalista encarregado de fazer a cobertura de determinada cidade ou
região, dentro ou fora do país e de enviar regularmente matérias e boletins para a emissora.
COZINHA: trabalho de reescrever textos – adaptar, atualizar, condensar.
CRÉDITO: identificação dos profissionais responsáveis por trabalho jornalístico de real
importância: repórter, produtor, agência noticiosa, etc.
CRÍTICA: entrevista opinativa sobre fato jornalístico emitida por especialista ou ouvinte.
CRÔNICA: texto radiojornalístico desenvolvido de forma livre e pessoal a partir de fatos da
atualidade. A crônica de rádio tem preocupação com aspectos sonoros do texto e é assinada pelo
redator.
DAB: em inglês Digital Audio Broadcasting, as Transmissões Sonoras Digitalizadas, tecnologia de
alta qualidade sonora, sem interferências, com maior número de emissoras transmitindo em
determinada área.
DAT: Digital Audio Tape, Gravador Digital de Sons. Aparelho que permite gravações de alta
qualidade em fitas digitais.
DEIXA: palavras finais da matéria que indicam ao operador e ao locutor o momento em que outro
segmento deverá entrar. Trechos de gravação que constam da matéria editada.
DECUPAGEM: processo de registro da ordem e da duração das diversas seqüências de uma
reportagem gravada, anotando-se frases que identifiquem essas seqüências para editá-las.
DESTAQUE: a notícia mais importante de um noticiário.
DJ: Disc-jockey, apresentador de programas musicais.
ECO: efeito desagradável ao ouvido, provocado pela dicção próxima e sucessiva de palavras com
mesma terminação.
EDIÇÃO: preparo das gravações originais antes de serem transmitidas; montagem de uma matéria,
após selecionar, cortar e emendar trechos da gravação.
EDIÇÃO ESPECIAL: produção de um programa em edição diferente das edições habituais.
EDIÇÃO EXTRAORDINÁRIA: trabalho radiojornalístico que não estava programado, diante de
fato importante e atual. Precedida de sinais sonoros bem marcantes.
EDITOR: profissional encarregado da edição. Editor de matéria: executa a edição de matérias.
Editor de programa: produção total de determinado programa. Editor de área: responsável por
determinada área ou setor.

29
EDITOR RESPONSÁVEL: pessoa que assume para efeitos jurídicos a responsabilidade total
sobre o conteúdo de uma matéria.
EDITORIAL: texto opinativo, escrito de maneira impessoal, sem identificação do redator, sobre
assunto nacional ou internacional, que define ou expressa a opinião da emissora.
EFEITO ESPECIAL: artifício sonoro produzido pelo sonoplasta – chuva, vento, passos, etc.
EMENDAR: unir um trecho de gravação a outro.
ENCERRAMENTO: trecho final de um programa ou de uma matéria.
ENQUETE: levantamento de testemunhos públicos. O mesmo que fala povo.
ENVIADO ESPECIAL: repórter que viaja para apurar determinado acontecimento e produzir
matérias especiais.
ENXUGAR: redigir um texto, eliminando todos os elementos supérfluos.
ESTOURAR: ultrapassar o tempo programado para a transmissão.
EQUALIZAÇÃO: correção eletrônica de sinais de gravação e de reprodução, corrigindo as
deformações na intensidade das freqüências, para diminuir a distorção e fazer com que o som
reproduzido seja semelhante ao original.
FADE: efeito que consiste no aparecimento ou desaparecimento gradual do som.
FADE IN: elevação gradual do volume de um som (música, fala ou ruídos)
FADE OUT: diminuição gradual do volume de um som.
FLASH: rápida informação sobre um fato, dado pelo repórter.
FM: Freqüência Modulada. Sistema de transmissão em que a onda portadora, na faixa de 88 a 108
Mhz, é modulada em freqüência. As transmissões em FM sofrem menos incidência de ruídos e
apresentam melhor fidelidade de resposta.
FONTE: fonte de informação. Pessoa, órgão, entidade ou mesmo uma documentação que gerou o
fato noticiado.
FUNDO: o mesmo que background ou BG.
FURO: notícia divulgada em primeira mão.
FUSÃO: mistura de dois temas musicais diferentes, ou vozes, ruídos que indicam mudança de
ambiente, tempo ou situação. Mistura de sons.
GANCHO: elemento que justifica a matéria e a torna oportuna. É a relação da matéria com o
ouvinte.
HIATO: união de várias vogais, o que provoca um efeito desagradável.

30
IDENTIFICAÇÃO: texto gravado que deve ser irradiado pela emissora com a indicação do nome
da empresa, localidade, freqüência e tipo de emissão, além do prefixo.
INFORMALIDADE: característica da linguagem de rádio, importante para estabelecer
aproximação com o ouvinte.
JANELA: intervalo que se deixa em programas de rádio para a inserção de um ou mais comerciais.
LAUDA: folha padronizada na qual é redigido o texto do programa e que será lida pelo locutor.
LIDE: forma aportuguesada de lead. Abertura de uma notícia ou reportagem.
MANCHETE: notícias em destaque no início dos radiojornais ou de cada uma de suas seções,
ressaltando, em não mais que uma linha de texto, os aspectos mais importantes ou mais recentes das
informações contidas no noticiário que vem a seguir.
MATÉRIA: assunto desenvolvido pela reportagem.
MIXAGEM: processo de misturar e combinar várias entradas de som.
NOTA: pequena notícia, destinada à informação rápida.
NOTÍCIA: relato de um fato jornalístico de interesse e importância para a população.
OFF: informação confidencial prestada ao jornalista, com a condição de não ser divulgada.
OFF TUBE: tipo de transmissão em que o acontecimento é visto pelo locutor através do vídeo da
televisão.
PASSAGEM: breve trecho musical que separa duas notícias.
PAUTA: roteiro dos assuntos a serem focalizados pela reportagem.
PINGUE-PONGUE: perguntas feitas pelo apresentador a um repórter, dentro ou fora do estúdio.
Também pode ser uma entrevista baseada em perguntas curtas e diretas, com respostas rápidas.
PONTUAÇÃO: série de sinais que indicam as pausas e a entonação que o locutor deve seguir.
PRODUTOR: profissional responsável pela coordenação das tarefas necessárias à realização de
um programa.
PÚBLICO: conjunto de pessoas ao qual se destina a mensagem.
PÚBLICO-ALVO: parcela da população à qual é dirigida a mensagem. Segmento do público que
se pretende atingir e sensibilizar.
PUFF: ruído provocado pelo excesso de pressão acústica sobre o diafragma do microfone. Ocorre
geralmente na articulação de consoantes explosivos como o p e o b.
RADIOESCUTA: profissional que acompanha o noticiário das emissoras concorrentes ou de
outras cidades, e as faixas de serviço para coletar informações que possam gerar pautas para sua
redação.

31
REDE: termo usado para identificar uma transmissão conjunta e simultânea de uma mesma
programação feita por duas ou mais emissoras.
REDAÇÃO: ato de redigir um texto informativo. A redação no radiojornalismo é peculiar porque
se destina a ser falada.
RETRANCA: expressão retirada do meio impresso - palavras-chave que identificam a matéria.
RITMO: variação de intensidade, emoção e pausas na fala, conforme o assunto que está sendo
tratado.
RODAR A INFORMAÇÃO: introduzir a mesma informação no decorrer da programação,
variando a forma de transmiti-la. Pelos relatórios, a chefia verifica como a matéria deve ser
reaproveitada.
ROTEIRO: texto que apresenta o desenrolar total do programa de rádio; também significa a
relação de comerciais que devem ser veiculados em ordem de horário, no jargão radiofônico é o
mesmo que “tripa”.
SEGMENTO: o mesmo que bloco.
SEGUNDO PLANO: voz transmitida a certa distância, em volume menor, na mixagem, para dar a
sensação de distância ao ouvinte.
SÉRIE DE REPORTAGENS: matérias independentes relacionadas entre si pelo mesmo tema.
SETOR: área de ação de um repórter.
SETORISTA: repórter encarregado de cobrir determinado setor: aeroporto, câmara municipal,
bolsa de valores, etc.
SILÊNCIO: ausência temporária de falas e ruídos em primeiro plano.
SIMPLICIDADE: característica da linguagem radiofônica.
SOM AMBIENTE: música, vozes e ruídos que aparecem de fundo em uma reportagem.
SONOPLASTA: técnico responsável pela sonoplastia.
SUÍTE: continuidade de um fato jornalístico com o acréscimo de novos elementos que o atualizem.
TEXTO MANCHETADO: notícia escrita em takes ou manchetes. Cada manchete deve conter
uma informação, eliminando-se os supérfluos. Cada take ou manchete possui no máximo duas
linhas e meia.
VINHETA: mensagem transmitida no intervalo de programas, composta de um texto curto, música
e efeitos sonoros. Pode haver vinheta para chamar uma matéria ou programa, campanha
institucional e outras.

32
FONTES:
CHANTLER, Paul e HARRIS, Sim. Radiojornalismo, Summus, São Paulo, 1998.
PORCHAT, Maria Elisa. Manual de Radiojornalismo, Brasiliense, São Paulo, 1985.
MACLEISH, Robert. Produção de Rádio, Summus, São Paulo, 2001.

8. BIBLIOGRAFIA DE RADIOJORNALISMO

ARAÚJO, Carlos Brasil de. O escritor, a comunicação e o radiojornalismo. Diretoria de


Documentação da Câmara dos Deputados. Brasília, 1972.
CÉSAR, Cyro. Como Falar no rádio - prática de locução AM e FM. São Paulo: IBRASA, 1990.
____________. Rádio - Inspiração, Transpiração e Emoção. São Paulo : IBRASA, 1999.
DILLENBURG, Sérgio Roberto. Os anos dourados do rádio em Porto Alegre. Porto Alegre: Ari
Corag, 1990.
FEDERICO, Maria Elvira Bonavita. História da comunicação - rádio e TV no Brasil. Petrópolis:
Vozes, 1982.
FELICE, Mauro de. Jornalismo de rádio. Brasília: Thesaurus Editora, 1981.
FERRARETO, Luiz Artur. Rádio no ar- O veículo, a história e a técnica. Porto Alegre : Sagra
Luzzatto, 2000.
HILLS, George. Los Informativos en radiotelevision. Espanha: instituto oficial de radio y
television.
LIMA, Zita de Andrade. Princípios e Técnica de Radiojornalismo: Comunicações e Problemas
(ICIFORM). Brasília. 1970.
MCLEISH, Robert. Produção de Rádio. São Paulo: Summus, 2001.
MOREIRA, Sônia Virgínia. O Rádio no Brasil. Rio de Janeiro: Rio Fundo Editora, 1991.
______________________. DEL BIANCO, Nélia R. (org.). Rádio no Brasil - Tendências e
Perspectivas. Coleção GTS Intercom n. 8: UERJ/UNB. 1999.
MUÑOZ, José Javier, GIL César. La Radio: teoría y práctica. Espanha: Instituto oficial de Radio
y Television. 1986.
ORTRIWANO, Gisela Swetlana. A informação no rádio: os grupos de poder e a determinação
dos conteúdos. São Paulo : Summus, 1985.

33
__________________________. Radiojornalismo no Brasil: dez estudos regionais. São Paulo:
COMARTE, 1987.
PARADA, Marcelo . Rádio: 24 horas de Jornalismo. São Paulo : Panda, 2000.
PORCHAT, Maria Elisa. Manual de radiojornalismo- Jovem Pan. São Paulo: Brasiliense, 1986.
PRADO, Emílio. Estrutura da Informação Radiofônica: Summus Editorial. 1989.
SAMPAIO, Mário Ferraz. História do rádio e da TV no Brasil e no mundo. Rio de Janeiro,
Achiamé, 1984.
SAMPAIO, Walter. Jornalismo Audiovisual: teoria e prática do jornalismo no rádio, TV e
Cinema. São Paulo: EDUSP. 1971.
SAROLDI, Luiz Carlos e MOREIRA, Sônia Virgínia. Rádio Nacional, o Brasil em Sintonia. Rio
de janeiro: Funarte, 1985.

34