C

O G O TÉ C N I ÁL C O AT

1 2
2.1 2.2

SUMÁRIO
PROPRIEDADES QUÍMICO FÍSICAS MECÂNICAS CAMPOS DE EMPREGO
CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA NIRON. ..............................................................................5 INDICAÇÕES PARA O USO......................................................................................................................6

APRESENTAÇÃO

3 4
4.1 4.2 4.3 4.4 4.5 4.6 5.1 5.2 5.3 5.4 6.1 7.1

CURVA DE REGRESSÃO O TUBO
FIABILIDADE NO TEMPO........................................................................................................................9 TUBOS MONOPAREDE.........................................................................................................................10 TUBOS COMPÓSITOS..........................................................................................................................12 TUBOS E ACESSÓRIOS. ........................................................................................................................14 DILATAÇÃO TÉRMICA...........................................................................................................................15 FIXAÇÃO PARA INSTALAÇÕES EXTERNAS. ............................................................................................18 POUPANÇA ENERGÉTICA. .....................................................................................................................20 TEMPERATURA EXTERNA DO TUBO NIRON. ..........................................................................................20 PERDAS TÉRMICAS.............................................................................................................................21 ISOLAMENTO ANTI-CONDENSAÇÃO NAS INSTALAÇÕES DE CONDICIONAMENTO. .................................22 PERDAS DE CARGA DOS ACESSÓRIOS.................................................................................................28 DISTRIBUIÇÃO ÁGUA QUENTE SANITÁRIA.............................................................................................31

5

POUPANÇA ENERGÉTICA

6 7 8 9

PERDAS DE CARGA

DIMENSIONAMENTO DAS INSTALAÇÕES EQUIPAMENTOS MODALIDADES DE JUNÇÃO

9.1 9.2 9.3 9.4 9.5 9.6

INSTRUÇÕES PARA A SOLDADURA DOS TUBOS...................................................................................34 ELECTROFUSÃO..................................................................................................................................36 CONDIÇÕES AMBIENTAIS.....................................................................................................................37 COLUNAS MONTANTES.......................................................................................................................38 REPARAÇÃO DE UM TUBO DANIFICADO...............................................................................................39 REPARAÇÃO DE UM ACESSÓRIO DANIFICADO......................................................................................40

10 ENSAIO DE INSTALAÇÕES 11 QUALIDADE
11.1 NORMAS.............................................................................................................................................42 11.2 POTABILIDADE E IDONEIDADE ALIMENTAR..........................................................................................42 11.3 SEGURO DE QUALIDADE......................................................................................................................43 12.1 GARANTIA POLIFUSORES....................................................................................................................44 RESISTÊNCIA QUÍMICA DO POLIPROPILENO.........................................................................................45

12 GARANTIA

13 PERGUNTAS FREQUENTES 14 A GAMA

15 DESCRITIVO PARA CADERNO DE ENCARGOS
Catálogo Técnico 1

NIRON - TUBOS E ACESSÓRIOS EM POLIPROPILENO COPOLÍMERO RANDOM
Cada vez mais as matérias plásticas encontram largo emprego em todos os sectores da nossa vida quotidiana; as excelentes propriedades mecânicas, químicas e físicas dos novos polímeros, determinaram o sucesso nas mais variadas aplicações. A partir dos anos 80 a difusão das matérias plásticas na indústria das tubagens foi exponencial e hoje a sua utilização vai de tubos de alimentação e drenagem nas instalações de aquecimento e ar condicionado graças à sempre crescente apreciação dos instaladores e dos clientes finais. NUPIGECO S.p.A. desde há trinta anos está na vanguarda da transformação de polímeros finalizados na realização de tubagens para o transporte de água quente e fria sob pressão, gás e derivados de petróleo. Consideráveis investimentos na actividade de pesquisa e desenvolvimento, uma constante modernização tecnológica e um equipado laboratório de controlo de qualidade permitiram à NUPIGECO S.p.A. colocar-se entre as primeiras empresas a nível europeu do respectivo segmento de mercado. Encontros periódicos de actualização técnica com os utilizadores e um eficaz serviço pós venda caracterizam uma válida e profissional parceria entre a NUPIGECO S.p.A. e os seus clientes.

O QUE É O SISTEMA NIRON

NIRON é um sistema de tubos e acessórios em Polipropileno Copolímero Random que pela qualidade e fiabilidade, representa o máximo nos sistemas de adução hidro-sanitária. As características químico-físicas do material empregue e a junção dos vários elementos, mediante fusão térmica, asseguram às instalações realizadas um perfeito comportamento mesmo sob as mais gravosas condições de emprego. O polipropileno empregue para o Sistema NIRON é um tipo particular de Copolímero Random de alto peso molecular. A particular estrutura molecular do copolímero e a adição de aditivos especiais asseguram uma elevada resistência mecânica e uma longa duração no tempo. A extrema ligeireza do material, o fácil manuseamento, a completíssima gama do Sistema NIRON permitem realizar instalações reduzindo os tempos de instalação de 30÷50% em comparação com a realização de uma instalação com material metálico. A já completa gama de produtos foi ulteriormente enriquecida com peças exclusivas NIRON propositadamente projectadas e realizadas para resolver cada exigência de instalação. O sempre crescente sucesso do Sistema NIRON na Europa, como noutros continentes, é o justo reconhecimento a quem escolheu como própria filosofia empresarial a pesquisa, a qualidade e a inovação tecnológica.

2

Catálogo Técnico

1

PROPRIEDADES QUÍMICO FÍSICAS MECÂNICAS

Características
Massa volúmica Carga de ruptura Alongamento de ruptura Módulo de elasticidade Índice de fluidez MFI 190/5 Condutividade térmica (λ) Coeficiente de dilatação térmica linear Zona de fusão Resistência ao choque (Charpy) +23°C -30°C

Método de teste
ISO 1183 ISO 527 ISO 527 ISO 527 ISO 1133 Procedimento18 DIN 52612 VDE 0304 DIN 53736b2

Valores
0,898 23 > 50 700 0,5 0,24 1,5 x 10-4 150 - 154

Unidades de medida
g/cm3 N/mm2 % N/mm2 g/10 min W/mk K-1 °C

ISO 179/1 e A ISO 179/1 e A IEC 93 IEC 243/1 DIN 53483

Sem Ruptura 50 >1015 75 < 5 x 10-4 B2

KJ/m2 KJ/m2 Ω cm KV/mm

Resistência volúmica Rigidez dieléctrica Factor de perda Resistência ao fogo

Catálogo Técnico

3

2 CAMPOS DE EMPREGO O Sistema NIRON é habitualmente usado em habitações individuais e grandes condomínios. como por exemplo: Instalações hidro-sanitárias Colunas montantes Ligações aos sanitarios Instalações de aquecimento (temperatura Max 70°C) Instalações de climatização Instalações para distribuição de água para piscinas Instalações de água termal (SPA) É ainda empregue nas instalações industriais para: Instalações gerais Instalações de ar comprimido Centrais térmicas Uma tal versatilidade de emprego é consentida só graças à superioridade tecnológica do Sistema NIRON. escolas. 4 Catálogo Técnico . centros comerciais. hospitais. hotéis. navios de cruzeiro e de transporte para múltiplos tipos de instalações. ginásios.

A particular estrutura molecular do copolímero e a adição de aditivos especiais asseguram uma elevada resistência mecânica e uma longa duração no tempo. o fácil manuseamento. visto o polipropileno ser elástico no interior da estrutura de fabrico.º 85/374 e ao D. A extrema ligeireza do material.  ESISTÊNCIA ÀS CORRENTES VAR GANTES O polipropileno é um péssimo condutor eléctrico. RESISTÊNCIA AO GELO A elasticidade do PP-R permite além disso ao tubo aumentar a sua secção ao variar o volume do líquido gelado no seu interior. RESISTÊNCIA À ABRASÃO A elevada resistência à abrasão dos tubos NIRON permite alta velocidade da água sem problemas de erosão.21).1 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA NIRON O polipropileno PP-R empregue para o Sistema NIRON é um tipo particular de Copolímero Random de alto peso molecular. MENORES PERDAS DE CARGA Os tubos NIRON têm reduzidas perdas de carga porque a sua superfície é lisa e não permite incrustações (ver tabela pag…).  ABSOLUTA ATOXICIDADE: O polipropileno utilizado para a produção do Sistema NIRON é totalmente atóxico e responde às normas higiénico sanitárias vigentes em Portugal e no resto do mundo. como o aço ou o cobre: AUSÊNCIA DE CORROSÃO Os tubos em PP-R resistem a qualquer tipo de dureza da água e suportam substâncias químicas com valores de PH compreendidos entre 1 e 14.  ENOR RUÍDO DA INSTALAÇÃO M As paredes internas dos tubos DURAÇÃO NO TEMPO Superior a 50 anos.  DISPERSÕES TÉRMICAS E D CONDENSAÇÃO LIMITADA Como todas as matérias plásticas o PP-R é mau condutor de calor. n.2.P. portanto não se verificam nunca perfurações em tubos ou acessórios causadas por correntes vagantes. Catálogo Técnico 5 .  10 ANOS DE GARANTIA: o Sistema NIRON é coberto por seguro de responsabilidade civil em conformidade com as directivas CEE n. em função da temperatura e da pressão de exercício. alta resistência portanto às substâncias ácidas e alcalinas num largo espectro de concentração e temperaturas AUSÊNCIA DE INCRUSTAÇÕES As paredes internas dos tubos perfeitamente lisas evitam a formação de incrustações. IDÓNEO PARA EMPREGO EM ZONAS DE RISCO SÍSMICO Reconhecido por comissões de peritos internacionais. a completíssima gama do Sistema NIRON permitem realizar instalações reduzindo os tempos de instalação de 30÷50%. resulta portanto num excelente isolante térmico (ver tabela pag.º 244 de 24/05/88. Enumerámos as vantagens mais evidentes que sobressaem comparando os tubos em PP-R com materiais tradicionais.R.

No caso de se usar vedante líquido (art. NSF) aconselhamos aguardar. 1 hora a 20ºC e 3 horas a -10ºC.2 INDICAÇÕES PARA O USO De modo a não prejudicar a fiabilidade no tempo do Sistema NIRON é necessário inteirar-se escrupulosamente das seguintes recomendações e advertências para a instalação. O tubo pode curvar-se a frio até um ângulo de 90º tendo atenção que o raio de curvatura não seja inferior a 8 vezes o diâmetro do tubo. 41. É também tolerado o uso de cânhamo apenas se em justa quantidade. Advertências para a instalação 20° MAX Alinhamentos que prevêem a rotação do tubo ou do acessório. carregamentos excessivos. Utilizar nível apropriado para o correcto alinhamento nas ligações dos grupos de encaixe. esmagamentos e dobragens acentuadas. Recomendámos evitar acoplamentos com acessórios cónicos de ferro fundido ou não calibrados dado que a serrilha provocará a ruptura do acessório roscado fêmea. 0 A temperaturas inferiores a 0ºC evitar choques. 6 Catálogo Técnico . Evitar o uso de tubagens que apresentem rupturas. Recomendações Não trabalhar o tubo com chamas para efectuar curvas ou desvios visto que não controlando a temperatura pode afectar-se a estrutura molecular do polipropileno. antes do ensaio. Para um bom comportamento aconselhamos o uso de teflon. devem ser efectuados imediatamente depois da inserção e não superar os 20º.2. especialmente nas extremidades dos tubos. incisões ou arranhões. Ensaiar sempre as instalações como indicado na pág. Empregar o Sistema NIRON sob traço ou comum protecção dos agentes atmosféricos de modo a evitar danos devidos principalmente aos raios UV ou ondas curtas de luz combinadas com o oxigénio atmosférico. Para tal fim tubos e acessórios são fornecidos em sacos apropriados e caixas de cartão.

1 1 10 102 103 104 105 106 h 1 5 10 25 50 100 Duração em anos Tempo em horas Catálogo Técnico 7 . A tensão circunferencial σ está ligada à pressão interna da relação: σ=p onde σ p d s = Tensão circunferencial em MPa = Pressão constante max em bar = Diâmetro externo do tubo = Espessura do tubo d-s 2s VESTOLEN P 9421 20 10 20 30 40 10 9 8 7 50 60 70 80 90 95 σ = Tensão circunferencial em MPa 6 5 4 110 3 2 1 .6 .8 .7 . 3 CURVA DE REGRESSÃO As curvas de regressão caracterizam o comportamento do tubo em função da pressão existente e da temperatura de exercício.9 .5 0. De facto estas curvas definem a duração da vida de um tubo em função da tensão circunferencial nas paredes (σ) resultante desta pressão.

obtêm-se da relação: PN = 20 x σ SDR .TUBOS COMPÓSITOS são calculados e dimensionados para responder perfeitamente aos requisitos empregues nos diferentes tipos de instalação. o Sistema NIRON satisfaz tais requisitos garantindo a performance das classes 1. 8 Catálogo Técnico . A pressão constante máxima em bar.1 onde: PN σ SDR = Pressão (bar) = Tensão circunferencial (para o PPR80 este valor é de 63 kg/cm² a 20°C) = Standard Dimension Ratio (Relação Diâmetro/Espessura) A norma europeia EN-ISO15874 normalizou também a classificação das tubagens hidrosanitárias.5 100 100 Seguido de 60 20 25 14 Seguido de 5 60 25 10 90 1 100 100 Sistemas de aquecimento a alta temperatura Seguido de 80 10 Nota 1: onde mais de uma temperatura operativa aparece numa classe. Por exemplo. Tmax (temperatura de serviço máxima) e Tmal (temperatura de mal funcionamento) superiores às reportadas na tabela.5 Aquecimento em pavimento e aquecimento a temperatura máxima de 70°C Pressão Bar 10 8 Anos a Tmax 1 1 Horas a Tmal 100 100 Classe 1 2 Toper (°C)² 60 70 20 Tmax (°C)² 80 80 Tmal (°C)² 95 95 Campos de emprego Água quente (60°C) Água quente (70°C) Seguido de 4 40 20 10 70 2. Nota 2: para valores de Toper (temperatura de serviço).TUBOS MONOPAREDE . a temperatura operativa delineada para 50 anos para uma classe 2 é: 70ºC para 49 anos combinada com 80ºC para 1 ano e 95ºC para 100 horas. a 20ºC. Anos a Toper 49 49 2. 4 O TUBO Os tubos do Sistema NIRON são produzidos em conformidade com as normas europeias vigentes ENISO15874 e dividem-se em: . 2 e 4 indicadas na tabela abaixo. estas normas não são aplicáveis. os tempos devem ser combinados.

3 5.1 27.0 33.2 19.1 4.7 13.3 18.1 5.6 7.2 32.0 6.5 10.1 6. em função da temperatura da água e da série SDR do tubo são indicadas na Norma DIN 8077:1997 Seite 14 e podem consultar-se na tabela seguinte: Temperatura °C Anos De Trabalho 1 5 10 25 50 1 5 10 25 50 1 5 10 25 50 1 5 10 25 50 1 5 10 25 50 1 5 10 25 50 1 5 10 25 50 1 5 10 25 1 5 TUBOS MONOPAREDE – COMPÓSITOS .6 15.6 10.0 17.9 6.5 13.1 16.5 13.1 27.3 17.2 7.0 11.8 13.1 9.7 5.7 8.1 31.0 16.0 14.3 26.5 14.0 28.4 8.8 10.8 9.8 8.2 15.0 15.5 9.5 23.8 19.5 10.2 15.1 8.7 17.8 9.3 9.2 14.1 30.4 6.4 6.9 10.8 17.9 23.3 21.7 25.4 19.3 12.7 13.1 22.8 12.3 21.5 12.5 – Velocidade média da água 1.7 10.4 20.3 13.3 8.6 8.2 - SDR 9* SDR 7.0 SDR 6 35.3 17.MULTICAMADAS SDR 11 17.1 10.9 11.4.3 12.9 16.9 15.6 14.9 9.7 24.1 20.7 12.0 14.6 7.2 21.2 13.1 8.5 20.0 18.2 10.1 15.5 24.6 6.7 21.3 8.4 7.3 30.6 16.6 11.8 9.8 12.6 15.1 9.4 16.2 12.6 16.6 11.0 4.2 11.0 6.0 11.0 23.0 10.0 10 20 30 40 50 60 70 80 95 * Não indicado na Norma DIN 8077:1997 Seite 14 Nota: Coeficiente de segurança = 1.5 10.8 21.3 16.4 15.6 18.4 5.2 19.0 11.3 17.8 18.2 19.4 14.9 12.6 12.1 12.8 13.8 22.6 11.1 20.4 25.4 SOBREPRESSÃO ADMITIDA em Bar 22.5 25.5 15.5m/s Catálogo Técnico 9 .8 26.1 13.8 10.1 FIABILIDADE NO TEMPO As pressões de trabalho admitidas.4 9.

0 10.3 160 106.2 8. São realizados com máquinas de extrusão moderníssimas onde o ciclo de produção é inteiramente controlado electronicamente.826 4.8 26.2 4 0.8 4 6.088 0. distribuições planas.000 quilómetros podendo ser empregues nas mais variadas aplicações. A gama estende-se do Ø 16mm ao Ø 200mm em diferentes classes de pressão: PN20.4 4 1. Empregos • • • • • • • Água quente e fria sanitária (colunas montantes e ligações) Condutas de aquecimento (centrais térmicas.6 2.385 1.7 0.5 4 1.865 1.4 20.6 6.62 75 50.0 15.03 63 42.2 3.29 90 60.2 5.4 4 0.92 125 83.2 18.17 25 16.353 0.216 0.4 4 0.6 4 10.3 110 73.137 0.4 4 4.2 TUBOS MONOPAREDE (EN ISO 15874 PARTE 2) Os tubos monoparede NIRON são indicados para todas as aplicações sob traço e/ou em parede (de qualquer modo protegidos dos raios UV directos).460 8.7 4 0. ligações a radiadores) Circuitos para ar comprimido Alimentação de piscinas Instalações de climatização Instalações de irrigação Circuitos de condutas industriais • • • • • • • Vantagens Resistência à corrosão Ausência de incrustações Dispersão térmica limitada Fiabilidade e durabilidade no tempo Menores perdas de carga Resistência às correntes vagantes Menor ruído das instalações Dados dimensionais Características Diâmetro externo (mm) Diâmetro interno (mm) Espessura (mm) Comprimento barra (m) Peso por metro (kg/m) Conteúdo de água (l/m) Embalagem (m x atado) Embalagem (m x palete) Tubo NIRON SDR6 PN20 .11 20 13.43 40 26.7 4 0.classe 2/8 bar – classe 1/10 bar 16 10.953 100 4600 100 3000 100 2000 60 1320 40 800 20 560 16 352 12 240 8 160 8 112 4 80 4 52 10 Catálogo Técnico . PN16 e PN10.555 0.206 5.66 50 33.5 4 2.4.0 4 3. Produzidos desde há 25 anos mais de 200.6 4.963 2.26 32 21.0 12.

8 4.83 3.8 4 0.86 Embalagem (m x atado) Embalagem (m x palete) 100 2000 60 1320 40 800 20 560 16 352 12 240 8 160 8 112 4 80 4 52 4 32 4 20 Catálogo Técnico 11 .0 4 2.2 21.7 4 0.9 4 0.4 5.074 2.39 1.63 63 51.30 22.17 32 26.834 1.96 125 102.0 12.41 160 116.430 26.6 3.Características Diâmetro externo (mm) Diâmetro interno (mm) Espessura (mm) Comprimento barra (m) Peso por metro (kg/m) Conteúdo de água (l/m) Embalagem (m x atado) Embalagem (m x palete) 25 18 3.6 15.306 12 260 90 65.2 11.37 0.472 10.8 14.539 0.6 4 0.2 2.7 4 1.327 0.57 0.7 4 15.4 4 0.5 4 0.8 17.5 4 0.2 4 1.9 4 8.6 8.599 4 80 4 48 Características Diâmetro externo (mm) Diâmetro interno (mm) Espessura (mm) Comprimento barra (m) Peso por metro (kg/m) 25 20.199 13.4 4 1.317 8 160 110 79.4 Tubo NIRON SDR11 PN10 só para água fria 50 40.2 10.4 4 3.23 0.2 6.259 6.37 90 73.4 PN16 .307 2.359 8.99 110 90.4 2.423 60 1320 40 29.0 10.99 75 61.029 20 560 63 45.254 100 2000 Tubo NIRON SDR7.79 6.88 1.00 Conteúdo de água (l/m) 0.974 8 112 125 90.8 4 1.660 40 800 50 36.2 4 9.6 204.2 4 4.22 200 250 163.632 16 352 75 54.0 5.6 4 6.26 40 32.84 160 130.6 18.5 4 2.99 2.2 4.4 6.classe 2/6 bar – classe 1/8 bar 32 23.3 4 0.25 4.1 4 5.959 4.9 4 0.6 8.00 32.

0 5.6 8.8 17.3 TUBOS COMPÓSITOS NIRON FG Os tubos compósitos NIRON FG são indicados para aplicações sob traço e/ou em parede e de qualquer modo protegidos dos raios UV directos.4 4 2.4 2.01 3.029 20 560 63 45.1 4 5.2 21.254 100 2000 Tubo NIRON FG SDR7.632 16 352 75 54.660 40 800 50 36.0 12.5 4 0. No centro 1/3 de PP copolímero em blocos heterofásicos reforçado com fibra de vidro determinante para conter a dilatação térmica linear.4 4 0.25 0. Tem na paridade de Pressão de emprego/Temperatura de exercício um maior caudal de água e uma dilatação linear claramente inferior.423 60 1320 40 29.306 12 240 90 65.61 0.04 mm x m x Δt) Aumento de caudal em 20% graças às paredes mais finas (o tubo tem espessura PN16 mas tem resistência como o PN20) Estabilidade elevada Maior resistência ao choque Rapidez de instalação (solda-se como o tubo NIRON normal) Dados dimensionais Características Diâmetro externo (mm) Diâmetro interno (mm) Espessura (mm) Comprimento barra (m) Peso por metor (kg/m) Conteúdo de água (l/m) Embalagem (m x atado) Embalagem (m x palete) 20 14.163 100 3000 25 18 3.472 10.PN20 .974 8 112 125 90.2 10.9 4 8.2 4.4.5 4 3.40 0.317 8 160 110 79.16 0.79 6.5 4 0.2 4 4. PP-R NIRON PP+fibra PP-R NIRON Empregos • • • • • • Água quente e fria sanitária Condutas de aquecimento Circuitos para ar comprimido Alimentação de piscinas Instalações de climatização Circuitos de condutas industriais • • • • • Vantagens  ilatação linear reduzida até 73% D (Δl = 0.7 4 1.6 15.4 .11 2.49 1.8 4 0.60 160 116.599 4 80 4 80 12 Catálogo Técnico . No exterior 1/3 de PPR80 NIRON importante para uma perfeita termo fusão com os vários acessórios da gama.9 4 0. São realizados com uma inovadora tecnologia de coextrusão que produz contemporaneamente três estratos homogéneos entre si mas realizados com materiais tendo características mecânicas diferentes: • • • No interior 1/3 de PPR80 NIRON importante para o contacto com a água.94 1.47 4.classe 2/8 bar – classe 1/10 bar 32 23.2 6.

36 8 112 SDR11-PN12.4 4 4.33 0.8 3.48 60 1320 40 31 4.78 1.25 1.7 4 15.6 22.86 4 20 Catálogo Técnico 13 . nas instalações de Fan-coil com Ventilconvectores. onde a estabilidade dimensional é determinante Produzidos com a mesma tecnologia do NIRON FG diferenciam-se pela menor espessura global e por uma diferente estratificação dos componentes: • • • No interior 1/4 de PPR80 NIRON importante para o contacto com a água.75 40 800 50 38.4 4 1. NIRON CLIMA Os tubos compósitos NIRON CLIMA são indicados para aplicações sob traço e/ou em paredes (protegidos dos raios UV).2 8.50 13.0 10.20 4 80 160 130.2 11. com baixas pressões de exercício mas com salto térmico importante entre Verão e Inverno.6 4 6.74 2.78 32.21 21. No exterior 1/4 de PPR80 NIRON importante para uma perfeita termo fusão com os vários acessórios da gama.04 mm x m x Δt) Aumento de caudal em 30% graças às paredes mais finas Maior ligeireza Estabilidade elevada Rapidez de instalação (solda-se como o tubo NIRON  normal) Dados dimensionais Características SDR / PN Diâmetro externo (mm) Diâmetro interno (mm) Espessura (mm) Comprimento barra (m) Peso por metro (kg) Conteúdo de água (l) Embalagem (m x atado) Embalagem (m x palete) Tubo NIRON CLIMA SDR9-PN16 – classe 1/8 bar 32 24.1 4 1.10 6.6 4 0.8 5.10 8.50 3.2 4 10.0 4 3.5 4 0. No centro 2/4 de PP copolímero em blocos heterofásicos reforçado com fibra de vidro determinante para conter a dilatação térmica linear.43 4 52 200 163.8 7.87 16 772 75 58.8 14. PP-R NIRON PP+fibra PP-R NIRON Empregos • • Instalações de climatização Condutas de aquecimento • • • • • Vantagens  ilatação linear reduzida até 73% D (Δl = 0.6 18.6 4 0.82 8 160 110 90.18 20 560 63 48. Estas são instalações.1 4 2.66 12 240 90 69.00 4 32 250 204.8 10.5 classe1/6 bar 125 102.51 0.

4.4 TUBOS E ACESSÓRIOS 14 Catálogo Técnico .

De seguida sugerimos algumas soluções para compensar os efeitos da dilatação linear em função dos diferentes tipos de instalações: INSTALAÇÃO NO INTERIOR DE PAREDE INSTALAÇÃO SOBRE SUPORTES CONTÍNUOS HORIZONTAIS INSTALAÇÃO LIVRE INSTALAÇÃO NO INTERIOR DE PAREDE • Tubo nu: a dilatação propagar-se-á no seu interior. Evita a exposição directa aos raios UV.5 DILATAÇÃO TÉRMICA A dilatação térmica linear depende da temperatura do líquido veiculado. Cal e Cimento.. É o tipo de instalação aconselhado para os tubos monoparede em PP-R.Instalação no interior de parede Catálogo Técnico 15 . Beneficia de uma dilatação linear inferior porque a parede externa é completamente em contacto com uma grande superfície de troca.4.A dilatação não tem a força de destacar os azulejos e/ou romper o reboco. Figura 1 . .15 mm x l x Δt Δl = 0. - O tubo pode ser murado directamente em contacto com Gesso. • Tubo isolado: a dilatação comprimirá ligeiramente o isolante para compensar o alongamento. É um componente intrínseco a todos os materiais sejam plásticos ou ferrosos. Quanto mais elevado é o módulo de elasticidade.04 mm x l x Δt Onde: • Δl = Variação do comprimento em milímetros • Δt = Diferença de temperatura em °C • l = Comprimento do tubo em metros Na quase totalidade dos casos a dilatação linear é só um pequeno problema estético porque os tubos horizontais ou verticais não mantêm a linearidade desejada. tem os seguintes valores: Tubo Monoparede Tubo Compósito Δl = 0. maior é a dilatação térmica linear ∆l que. para os tubos NIRON.

Figura 4 . Contadores.) onde devemos veicular consideráveis quantidades de tubos.INSTALAÇÃO NO INTERIOR DE PAREDE T  ubo nu / isolado: efectuar fixações com pontos fixos a cada mudança de direcção. É aconselhado. Prever uma calha suficientemente larga para permitir a encurvadura dos tubos É o tipo de instalação (Figura 2) sugerido para a distribuição nos grandes complexos (hotéis.. centros comerciais. Desta maneira “talhamos” a dilatação total em tantos pequenos tramos de comprimento quanto o espaço entre fixagens. Figura 5 . hospitais. Sobre os colares temos duas solicitações iguais e contrapostas que se anulam.Fixagem válvulas e contadores 16 Catálogo Técnico .Instalação livre Para tramos de tubagens tendo variações de direcção ou derivações laterais efectuar sempre pontos fixos em correspondência dos acessórios (Figura 4). A dilatação deve agir apenas sobre o tubo e nunca sobre os acessórios. empregar sempre colares sólidos que sejam também pontos fixos (Figura 5).Instalação sobre suportes horizontais INSTALAÇÃO COM COLARES Para tramos de tubagens rectilíneas realizar colares sólidos que sejam ao mesmo tempo pontos fixos (Figura 3). •  ermite uma significativa poupança de tempo e de P suportes / fixações.Instalação livre Quando temos Válvulas. A dilatação fica livre só no tramo final. etc. etc. seja para tubos monoparede ou compósitos Figura 2 . Figura 3 .

Figura 8 . Os valores para um correcto dimensionamento são: Lc = 20 √ d x Δl onde: Lc = Comprimento do Compensador d = diâmetro externo do tubo em mm Δl = dilatação do tramo de tubo Figura 7 -Instalação livre N  o caso de colunas montantes. Os valores para o dimensionamento dos vários tramos compensadores obtêm-se através da fórmula: Lc = 20 √ d x Δl onde: Lc = L1 + L2 + L1 (Comprimento Compensador) L2 = 0.Instalação livre 17 Catálogo Técnico .5 L1 d = diâmetro externo do tubo em mm Δl = dilatação do tramo de tubo Figura 6 .Instalação livre Figura 9 . Quando em contrapartida empregamos colares corrediços (ou as fixações são de insuficiente qualidade) devemos prever a utilização de um compensador de dilatação em U fixo ao centro da tubagem (Figura 6). “destacámos” ao plano é necessário: • quando  rever um furo de passagem na parede maior 50% P do diâmetro externo do tubo (Figura 8). • Entrar com um tramo de tubagem e uma curva a  90º (Figura 9).Instalação livre Quando empregamos colares corrediços podemos também prever um compensador de dilatação em braço flexível (Figura 7).

30 2.40 1.70 Água Quente ( 31°C .30 2.50 1.10 1.30 2.10 2.25 1.20 1.60 0.00 1.80 1.50 2.20 1.4.30 2.50 2.30 1.30°C) 0.45 1.20 1.85 1.70°C) 0.10 1.70 DISTÂNCIA DOS COLARES FIXOS Ø Externo do tubo mm 20 25 32 40 50 63 75 90 110 125 160 200 250 DISTÂNCIA L em metros Água Fria ( 1°C .50 18 Catálogo Técnico .6 FIXAÇÃO PARA INSTALAÇÕES EXTERNAS (prEN806-4 / ENV12208) DISTÂNCIA DOS COLARES CORREDIÇOS Ø Externo do tubo mm 20 25 32 40 50 63 75 90 110 125 160 200 250 DISTÂNCIA L em metros Água Fria (1°C .90 2.65 0.60 0.80 2.50 1.50 1.10 1.60 1.00 1.80 0.30 1.65 1.70°C) 0.30 1.65 1.00 Água Quente (31°C .80 3.90 1.70 1.00 1.90 1.70 0.30°C) 0.05 2.55 0.90 2.10 2.50 2.00 2.85 2.

50 0.00 1.2 1.5 2.5 2.50 1.40 0.00 Catálogo Técnico 19 .00 1.5 1.00 1.75 0.5 1.00 1.20 1.75 0.30 0.2 Água Quente ( 31°C ÷ 70°C) 1.75 0.75 0.0 2.50 1.20 1.2 DISTÂNCIA DE FIXAÇÃO PARA TUBOS COLOCADOS EM CANAIS SEMICIRCULARES Ø Externo do tubo mm 20 25 32 40 50 63 75 90 110 125 160 200 250 DISTÂNCIA L em metros Água Fria ( 1°C .60 0.75 0.80 2.DISTÂNCIA DOS SUPORTES PARA TUBOS COLOCADOS NO INTERIOR DE CANAIS CONTÍNUOS Ø Externo do tubo mm < 20 > 20 ÷ < 40 > 40 ÷ < 75 > 75 ÷ < 110 >110 ÷ <200 DISTÂNCIA L em metros Água Fria ( 1°C ÷ 30°C) 1.0 1.75 0.30°C) 0.75 1.00 Água Quente ( 31°C – 70°C) 0.75 1.00 1.80 2.0 2.00 1.

13 0.72 1.2 TEMPERATURA EXTERNA DO TUBO NIRON O tubo NIRON.9 34.9 44.1 37.21 0. a poupança de energia transforma-se também numa importante poupança de água como abaixo é evidenciado.46 0.5 48.3 15. A temperatura externa do tubo é resultante das seguintes variáveis: • Temperatura da água no interior do tubo • Espessura do tubo • Temperatura ambiente De seguida reportamos algumas situações T Água (°C) 60 Tubo Ø 32 x 5.7 T Água (°C) 60 Tubo Ø 90 x 5.9 43. 20 Catálogo Técnico .24 0.7 3.8 7. Comprimento Tubo m FERRO Tempo sec.4 T ambiente (°C) 15 20 25 30 35 T Tubo (°C) 32. tem uma temperatura externa sensivelmente inferior à temperatura interna da água transportada.5 1.6 44.1 24.11 0.5 38.3 2.52 2.6 14.7 41.4 0.9 6.03 1.44 2.4 T ambiente (°C) 15 20 25 30 35 T Tubo (°C) 30.2 20.4 T ambiente (°C) 15 20 25 30 35 T Tubo (°C) 39. em substituição das instalações metálicas na distribuição de água quente sanitária permite realizar dois tipos distintos de poupança energética para o uso: •  Em regime pseudo estacionário (banho/duche e máquinas de lavar que utilizam água quente) a menor dispersão térmica reduz as dispersões passivas sobre um tubo nu em cerca de 20%.8 Para outros valores da nossa inteira gama queira contactar a nossa Assistência Técnica.27 0. em função do material empregue.13 1.5 35.01 2. •  Em regime transitório (lavagem de mãos ou de pequenos objectos) a menor condutividade térmica permite afectar água suficientemente quente mesmo quando o tubo não alcançou as condições de regime.48 0.2 10. graças à sua baixa condutividade térmica.33 0.43 1.4 41.85 0.4 4.59 0. 5 5.76 1. Poupança de energia (%) Figura 10 .49 0.0 8. POUPANÇA PERCENTUAL DE ENERGIA EM REGIME TRANSITÓRIO Em regime transitório. 5. o tempo necessário para obter água a 40ºC com uma capacidade de 360 l/h.0 10.7 T Água (°C) 60 Tubo Ø 63 x 5.5 0.41 1.06 1.37 0.2 46. Consumo litros COBRE Tempo sec. Neste caso obtemos uma poupança de energia conexa às tubagens NIRON superior a 12% com ponto final a 26% (ver gráfico).3 0. Consumo litros NIRON Tempo sec.6 41.60 0. Consumo litros Poupança água em litros Niron/Ferro Niron/litros 2 4 6 8 10 5.58 A tabela acima reporta.1 POUPANÇA ENERGÉTICA POUPANÇA ENERGÉTICA O emprego do Sistema NIRON.

03 0.04 0.12 0.25 0.03 0.01 0. têm baixíssimas perdas térmicas e permitem retornar nos valores pedidos.07 0.03 0. no circuito de distribuição da água quente.00 0.04 0.02 0.03 0.00 0.03 0.4 7.02 0.00 0.01 0.06 0.09 0.18 0.06 0.02 0. como se pode observar nas tabelas abaixo: TUBO NIRON NU Temp.5.4 9 9 9 12 15 15 17 18 18 18 Temperatura ambiente 10°C 15°C Perdas de calor °C cada 10m de tubo 0.03 0.05 0. As tubagens NIRON.00 0.00 0. Água 40°C – Velocidade 2 m/s Temperatura ambiente 10°C 15°C Perdas de calore °C cada 10m de tubo 0.02 0.4 7.01 0.13 0.4 7. Água 40°C – Velocidade 2 m/s Isolante 0.4 7.01 0.03 0.4 7.01 0.01 0.00 0. A espessura do isolante é em função da sua condutividade térmica e do diâmetro do tubo.05 0.02 0.00 0.00 0.07 0.06 0.03 0.07 0.00 0.04 0.4 7.03 0.02 0.09 0.17 0.02 0.17 0.02 0.00 0.00 0.01 0.4 7.00 0.00 0.3 PERDAS TÉRMICAS As normas vigentes (UNI9182) permitem.01 20°C Ø mm SDR TUBO NIRON NU Temp.02 0.00 0. Água 40°C – Velocidade 2 m/s Temperatura ambiente Ø mm SDR 10°C 15°C Perdas de calor °C cada 10m de tubo 0.4 7.21 0.4 7.00 20°C 20 25 32 40 50 63 75 90 110 125 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 25 32 40 50 63 75 90 110 125 160 7. nuas e isoladas.04 0.00 20°C Ø mm SDR Queiram consultar o Nosso Departamento Técnico para conhecer as Perdas Térmicas em função de diferentes velocidades da água.06 0. Água 40°C – Velocidade 2 m/s Isolante 0.12 0. condutividade térmica do isolante e temperatura ambiente.10 0.03 0.4 7.4 7.00 0.00 0.02 0.08 0.15 0.11 0.00 0.02 0.00 Ø mm SDR TUBO NIRON COM ISOLAMENTO Temp.05 0.04 0.038 W/mk espessura 20 25 32 40 50 63 75 90 110 125 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 9 9 9 12 15 15 17 18 18 Temperatura ambiente 10°C 15°C 20°C Perdas de calor ºC cada 10m de tubo 0.4 7. SDR do tubo.01 0.01 0.4 7.4 7.04 0.00 0. Nota: Catálogo Técnico 21 .03 0.01 0.02 0.01 0.10 0.00 0.01 0.4 TUBO NIRON COM ISOLAMENTO Temp.02 0.4 7.02 0.00 0.02 0. entre o sistema de preparação e o ponto mais remoto uma diferença de temperatura de 2ºC.05 0.00 0.00 0.01 0. A lei 10/91 (Itália) prescreve que a temperatura da água quente sanitária no ponto de utilização seja de 40ºC e impõe isolamento de todas as tubagens.00 0.14 0.11 0.08 0.02 0.02 0.03 0.02 0.05 0.01 0.02 0.02 0.038 W/mk espessura 25 32 40 50 63 75 90 110 125 160 7.4 7.05 0.00 0.07 0.00 0.08 0.4 7.04 0.02 0.4 7.05 0.04 0.09 0.01 0.

9 9.3 9.6 12.8 4.9 9.0 9.8 13.0 13.1 13.3 2.0 11.5 2.2 11.3 28 3.3 3.2 4.2 10.3 1.5 SDR 6 33 5.2 10.6 9.4 11.1 32 5.4 3.1 12.3 10.8 12.2 32 4.8 29 4.4 30 4.1 2.1 12.3 0.0 8.7 14.5 SDR 6 33 5.4 29 3.8 27 3.2 2.2 12.1 9.3 10.6 30 3. nas instalações de condicionamento.7 11.7 14.2 2.3 1.038 K/mk Te = Temperatura externa do ar em ºC Ti = Temperatura da água no interior dos tubos em ºC 60%/80% = Humidade relativa do ar TUBO Ø 20 x 3.7 12.6 12.8 3.0 14.4 2.1 11.4 14.8 14.0 31 4.0 33 4.7 0.3 12.8 34 4.1 13.6 13.8 29 3.7 4.7 29 2.2 3.6 1.2 28 3.3 2.7 9.4 11.1 14.8 9.1 Humidity% 5 7 9 5 7 9 5 60 80 7 9 5 7 9 60 80 TUBO Ø 25 x 4.8 13.3 3.1 2.9 2.7 SDR 6 Ti Te TUBO Ø 110 x 18.0 3.2 2.0 4.0 3.2 11.0 12.9 10.4 SDR 6 Ti Te TUBO Ø 125 x 20.3 3.9 8.7 3.0 1.4 10.9 9.3 13.7 2.8 32 5.1 9.5 2.5 9.8 1.4 13.7 28 1.0 4.0 2.9 27 2.7 4.0 11.8 9.7 3.1 11.3 4.2 10.3 11.8 11.8 SDR 6 33 5.8 32 4.7 10.0 2.9 1.8 2.1 11.5 11.4 SDR 6 33 5.9 11.8 27 3.6 4.1 13.2 29 4.9 26 0.6 10.6 1.1 3.0 29 2.6 4.3 11.1 14.3 11.2 12.3 34 5.6 12.9 11.8 26 1.0 30 3.7 3.0 10.7 12.1 Humidity% Ti Te 26 3.8 3.7 1.9 31 4.2 2.7 12.1 12.7 27 3.1 11.5 Humidity% Ti Te 26 3.7 3.9 10.7 11.6 2.8 13.4 32 4.0 11.0 12.3 1.5 0.7 9.6 31 4.8 3.2 11.3 9.0 11.6 13.6 3.9 14.1 4.2 11.6 11.2 SDR 6 Ti Te TUBO 75 x 12.8 10.6 7.6 4.5 15.7 12.3 30 4.3 4.4 12.6 12.8 33 4.4 34 5.1 12.8 1.5 10.2 3.1 8.5 14.9 30 2.0 28 4.1 3.6 11.0 1.1 30 4.6 9.6 11.1 31 3.1 33 3.2 13.4 13.5 11.3 12.6 27 3.2 1.8 28 4.2 13.3 28 3.4 0.3 29 1.8 4.3 12.8 10.8 4.0 3.7 11.6 13.7 2.4 3.5 12.1 12.1 2.4 9.7 34 3.3 34 3.9 1.8 4.1 8.0 3.9 3.8 12.0 1.6 3.6 2.7 11.2 8.5 3.5 1.9 13.6 12.1 11.7 11.0 10.5 2.4 ISOLAMENTO ANTI-CONDENSAÇÃO NAS INSTALAÇÕES DE CONDICIONAMENTO As tabelas abaixo reportadas indicam a espessura mínima do isolante necessário às tubagens NIRON para evitar.9 2.2 13.6 1.5 13.5 3.9 11.1 12.8 28 2.6 9.0 4.0 2.8 10.4 32 4.8 2.3 13.2 1.5 2.7 13.1 1.5 34 5.9 10.5 11.0 34 5.3 11.5 3.3 10.9 11.6 1.5 32 3.6 10.5 4.5 5.8 8. s = Espessura em mm do isolante c/ condutividade de 0.5 8.9 31 4.7 10.2 28 4.2 27 2.7 27 3.3 Humidity% 5 7 9 5 7 9 5 60 80 7 9 5 7 9 60 80 TUBO Ø 50 x 8.7 9.9 14.9 3.7 14.0 4.5 12.3 31 4.6 12.7 3.4 11.1 9.1 2.4 2.8 Humidity% Ti Te 26 3.7 2.8 3.5 1.6 2.7 13.8 12.0 Humidity% Ti Te 26 3.4 34 4.0 7.3 30 2.3 12.9 11.3 11.2 11.2 8.4 3.5 29 4.5 10.6 9.2 14.7 8.0 10.3 10.5 5.0 3.0 0.5 12.9 4.9 11.7 4.9 11.4 SDR 6 Ti Te TUBO Ø 63 x 10.5 9.2 2.7 10.4 2.4 13.4 SDR 6 Ti Te TUBO Ø 90 x 15 SDR 6 33 5.5 13.1 1.1 13.0 11.4 2.4 1.1 15.4 14.9 4.4 1.0 9.9 11.6 10.2 7.1 10.6 0.6 31 3.4 11.9 10.4 8.2 11.3 15.9 12.3 0.3 14.7 2.6 13.7 12.5 12.5 14.4 3.6 13.4 12.8 3.2 10.8 30 4.3 13.2 3.5 31 2.2 13.7 8.7 15.1 27 1.6 26 1.9 31 2.2 9.7 34 5.7 11.0 14.2 26 2.3 31 4.9 0.3 15.7 2.4 10.5 9.6 10.6 8.4 0.9 4.3 13.0 11.5 0.7 Humidity% Ti Te 26 3.5 27 1.5 12.4 12.1 3.2 0.2 33 3.5 0.4 11.1 28 1.7 10.0 2.1 2.1 0.7 11.9 13.4 12.5 32 5.0 12.9 13.4 2.2 9.8 29 4.9 3.5 2.8 12.8 11.1 1.8 3.3 1.5 28 2.2 3.7 10.7 14.3 34 5.5 11.9 11.1 12.1 0.7 33 2.4 14.9 2.5 11.6 13.1 9.3 4.0 12.6 0.7 29 4.3 10.9 3.1 10.1 32 2.8 4.0 13.4 10.7 12.7 0.5 3.0 10.8 0.7 11.5.4 2.0 4.7 4.3 10.3 11.3 2.1 10.9 Humidity% 5 7 9 5 7 9 5 60 80 7 9 5 7 9 60 80 22 Catálogo Técnico .2 3.9 30 4.2 9.9 2.9 26 2.8 4.6 30 4.3 3.4 27 3.0 9.3 2.4 11.0 2.4 11.0 8.3 4.1 13.0 2.0 10.4 1.9 12.1 8.6 10.4 14.1 8.1 4.4 12.0 4.8 15.5 3.4 7.2 14.1 3.7 32 3.6 10.8 2.5 13.0 3.3 3.1 12.1 0.1 13.7 4.8 3.6 11.1 13.6 0.4 12.8 0.1 3. que a humidade do ar se transforme em orvalho sobre as tubagens.9 11.9 10.5 10.8 13.1 10.2 12.2 3.8 12.6 3.4 1.3 Humidity% 5 7 9 5 7 9 5 60 80 7 9 5 7 9 60 80 TUBO Ø 40 x 6.6 5.2 12.4 3.2 10.6 12.2 13.7 12.0 Humidity% 5 7 9 5 7 9 5 60 80 7 9 5 7 9 60 80 TUBO Ø 32 x 5.0 10.9 2.1 3.3 11.

2 10.5 SDR 7.9 11.5 4.6 15.8 3.6 12.6 16.3 10.6 0.3 9.0 1.1 3.0 11.TUBO Ø 20 x 2.1 12.8 11.1 SDR 7.0 3.4 0.2 2.4 1.0 34 4.6 0.1 30 4.5 11.7 30 2.3 13.9 11.8 11.8 4.6 3 12.2 1.5 3.0 3.8 9.4 SDR 7.7 30 4.7 SDR 7.9 34 5.2 Humidity% 5 7 9 5 7 9 5 60 80 7 9 5 7 9 60 80 TUBO Ø 40 x 5.0 15.3 0.7 9.4 Ti Te TUBO Ø 125 x 17.1 13.9 3.8 12.0 2.3 2.8 4.9 14.8 13.4 13.4 11.8 3.4 Ti Te TUBO Ø 110 x 15.4 10 29 3.8 12.2 11.5 11.9 11.7 3 15 13.6 8.0 11.4 2.5 31 5.4 9.7 12.8 8.7 4 3.2 10.9 28 1.0 3.5 1.6 12.0 4.1 15.0 27 3.5 34 4.7 12.3 15.1 13.9 2.8 2.0 31 3.9 26 2.7 12.5 28 4.5 14.9 3.7 1.7 3.6 11.4 0.8 12.2 13.0 2.4 Humidity% 5 7 9 5 7 9 5 60 80 7 9 5 7 9 0.0 13.1 10.5 2.0 Humidity% Ti Te 26 3.0 8.2 1.6 30 3.0 10.2 2.4 12.7 4.7 SDR 11 33 5.1 4.9 10.8 1.7 32 3.1 9.6 9.4 9.7 14.1 0.2 28 4.0 10.6 14.4 2.4 28 3.1 12.9 3.2 8.9 1.2 2.0 29 4.1 2.9 29 4.6 11.7 27 4.7 3 15.5 1.9 2.2 1.4 2.2 0.0 3.8 15.3 3.4 12.8 9.2 10.2 2.2 26 1.5 11.8 15.9 12.4 9.5 Humidity% 5 7 9 5 7 9 5 60 80 7 9 5 7 9 60 80 TUBO Ø 25 x 3.4 11.3 13.4 Ti Te 26 2.2 3.5 2.1 13.6 10.2 SDR 7.7 11.9 13.1 10.2 31 4.7 Humidity% Ti Te 26 3.4 10.6 11.2 31 4.8 14.2 30 2.3 2.1 4.3 13.7 2.5 10.8 3.5 3.2 3.6 9.4 Ti Te TUBO Ø 250 x 22.5 2.0 Humidity% 5 7 9 5 7 9 60 80 Catálogo Técnico 23 .4 26 0.5 2.4 32 5.4 0.5 2.2 12.9 4.9 1.8 11.3 33 4.0 0.6 11.7 5.9 34 5.5 3.2 SDR 11 33 5.5 0.2 11.8 27 2.9 13.3 28 1.4 14.5 11.7 12.0 10.1 0.6 11.5 32 5.1 8.8 3.0 31 4.1 1.4 11.3 10.3 3.0 11.3 1.8 12.4 11.8 2.7 12.9 34 4.2 2.9 10.5 3.5 30 4.6 29 2.6 28 3.4 0.4 3.1 9.9 0.5 3.0 27 3.7 2.5 13.6 10.4 4.0 14.0 12.1 31 5.4 14.4 13.2 2.5 Humidity% 5 7 9 5 7 9 5 60 80 7 9 5 7 9 60 80 TUBO Ø 32 x 4.0 13.9 12.9 2.0 33 4.1 32 2.8 11.3 3.6 10.6 Humidity% 5 7 9 5 7 9 5 60 80 7 9 5 7 9 60 80 TUBO Ø 63 x 8.5 15.2 30 3.7 32 5.8 32 4.1 16.5 13.7 10.0 9.4 Ti Te TUBO Ø 200 x 18.3 10.4 2.5 12.5 0.3 34 5.7 13.5 1.4 31 2.3 12.2 2.6 14.0 10.8 9.9 16.9 SDR 7.5 32 5.8 13.4 5.7 1.7 3.2 11.4 2.8 8.9 Humidity% Ti Te 26 3.9 4.3 3.6 12.9 10.9 10.4 13.4 34 5.5 0.3 12.1 11.2 14.5 3.0 12.4 10.8 4.6 13.6 1.4 SDR 7.4 11.8 12.2 0.3 29 4.6 1.9 13.8 SDR 7.0 12.6 13.3 10.7 11.0 14.7 4.6 15.4 13.7 11.5 34 3.3 4.0 13.9 2.1 4.1 29 4.2 11.1 2.7 14.5 8.4 10.2 12.4 4.1 3.8 1.9 12.7 11.1 13.2 10.6 14.5 Humidity% Ti Te 26 3.1 11.6 4 3.3 11.4 30 4.4 10.2 4.3 14.9 34 5 4.6 30 4.7 13.2 1.0 2.7 15.7 12.3 9.8 13.5 15.2 13.5 15.1 11.9 8.1 3.1 2.8 13.3 3.4 12.0 3.4 33 5.2 4.2 3.5 SDR 7.0 3.4 26 2.5 34 5.3 27 2.3 9.4 33 5.7 10.9 26 2.3 2.9 12.7 9.8 0.2 4.0 12.9 0.6 16.3 14.4 12.8 TUBO Ø 50 x 6.3 12.6 11.3 12.7 0.5 30 3.6 12.9 12.9 SDR 7.4 33 5.5 11.3 13.5 4.8 31 3.5 32 4.5 10 8.0 11.1 11.7 32 4.0 0.6 10.2 3.9 1.2 14.3 12.3 10.6 14.2 2.6 2.3 33 4.7 3.0 3.7 32 4.0 11.8 0.7 2.5 9.9 9.8 10.9 4.1 11.7 10.8 33 3.1 31 3.3 30 2.6 1.6 14.3 11.1 11.4 14.4 Ti Te TUBO Ø 90 x 12.0 4.9 14.7 9.8 13.5 11.2 15.9 13.7 9.9 9.1 0.4 2.1 1.1 11.7 13.1 14.5 14.7 13.5 12.0 10.8 11.5 13.6 13.1 12.0 15.4 1.9 12.4 3.2 4.9 11.5 10.3 3.1 12.6 4.9 13.9 11.0 2.8 2.4 13.7 30 4.0 11.6 8.0 11.3 3.1 3.1 9.0 12.5 SDR 7.4 0.3 12.5 32 2.1 3.3 11.0 10.2 14.2 4.3 9.5 29 1.8 10.3 13.6 4 14.1 13.4 12 10.6 1.4 13.2 10.2 11.7 14.5 14.6 1.3 13.5 1.8 11.4 Ti Te TUBO Ø 160 x 21.6 10.8 1.3 Humidity% Ti Te 26 3.8 31 2.4 12.0 3.5 2.0 12.8 34 3.4 12.7 3.3 13.1 1.4 12.8 10.7 12.6 27 1.3 Humidity% Ti Te 26 3.1 1.0 2.3 2.1 28 3.3 3.9 28 2.5 3.7 13.0 8.4 33 5.1 2.1 3.7 12.7 29 3.7 11.1 13.0 1.3 32 4.7 5.5 1.4 12.0 26 0.8 3.0 8.0 11.6 4.1 12.5 9.1 29 4.7 4.4 12.5 2.3 16.9 13.9 28 4.8 2.5 11.3 1.8 1.2 27 1.0 27 3.0 14.8 2 12.5 27 4.5 3.7 0.5 7.6 5.2 13.8 29 3.8 12.0 3.5 10.1 3.7 4.6 13.9 33 4.2 11.0 29 1.6 4.7 13.6 10.7 2.8 3.5 13.3 15.4 4.8 13.7 14.5 9.7 14.1 2.8 15.5 27 2.7 2.1 11.5 2.5 12.8 4.5 13.2 27 2.9 4.5 2.1 13.5 14.2 11.9 2.5 13.3 1.0 11.2 11.3 16.4 1.0 1.0 4.0 10.0 32 5.4 28 4.6 14.5 27 2.7 3.6 4.8 34 4.8 34 5.9 31 5 4.9 12.2 10.8 12.2 2.9 11.3 12.4 1.5 13.7 10.2 4.0 28 2.4 11.9 14.6 29 4.5 11.0 31 3.3 8.3 13.7 0.5 28 4.7 4.1 31 4.4 5.3 12.2 14.9 7.3 14.7 10.8 3.0 4.3 33 3.4 3.1 2.9 3.1 33 2.6 2.7 29 3.1 4.1 9.8 3.8 12.6 5.3 12.9 9.5 1.5 13.4 2.1 12.0 11.3 3.3 1.4 11.9 27 4 3.3 30 3.1 11.8 3.3 9.9 9.5 12.2 28 2.2 7.3 9.1 13.8 3.8 10.6 12.4 3.6 12.1 Humidity% 5 7 9 5 7 9 5 60 80 7 9 5 7 9 60 80 TUBO Ø 75 x 10.1 11.1 11.2 15.9 10.

34 11 0.6 1.21 2.54 20 0.65 270 1.55 5.46 18 0.8 198 2.0 0.40 14 0.85 141 2.26 5 0.38 2.16 59 1.7 50x8. 6 Caudal l/s kg/h Ø 10 0.49 76 1.20 55.09 0.78 77.400 36.2 730 830 900 0.5 1.880 3.54 9.2 2.4 40x6.08 57 1.4 0.5 0.005 0.84 55 0.36 PERDAS DE CARGA Ø 2 0.15 2 0.93 31 0.4 0.49 290 1.8 0.88 83 1.35 3.07 0.43 34.080 3.70 200 1.640 9.40 5.4 Perdas de carga unitárias dos tubos NIRON SDR6 com temperatura da água de 10ºC Ø 40x6.14 1.28 8 0.55 29 0.40 66 1.65 17 0.71 61 0.58 10 0.71 15.37 9 0.9 1.7 1.66 33 0.1 1.64 9.57 73 0.01 71 1.2 125x20.600 7.02 1113 2.09 0.52 13 0.7 20x3.9 0.29 3.6 2.92 13.64 6.36 83 1.87 22 0.2 2.5 0.33 7.48 4.05 180 220 290 0.71 9.005 0.12 31.5 0.0 21.2 0.27 74 1.41 40.77 67.7 0.920 8.53 61.22 33 0.10 0.60 66 1.27 107 1.4 1.5 0.74 43 0.88 87 2.78 13.5 0.32 4.18 4 0.45 21 0.93 25 1.9 2.22 36.28 23.530 2.35 7.66 43.9 0.8 2.14 8 0.71 11.9 1.7 2.48 3.42 4.56 0.0 18.19 25.7 Ø 43 1.600 43.92 17.5 9.08 Ø 14 0.74 76 1.65 353 1.5 12.51 4.5 0.97 36 1.6 1.5 0.2 1.7 0.3 1.4 25x4.94 69 1.92 164 1.14 2 0.75 23 0.20 110 1.600 4.155 2.a.200 46.16 1.8 0.7 0.12 Ø Ø 16x2.01 32 1.5 16.3 1.43 135 1.83 Ø Ø Ø Ø Ø Caudal Ø 32x5.7 1.32 48 1.92 22.760 6.16 40 1.27 4.07 18.6 0.3 0.4 kg/h 3.0 25.4 2.14 3.23 6 0.2 1.83 41.12 0.1 0.09 Velocidade média em m/s 3 0.2 1.44 52 0.400 4.02 26.7 1.3 0.57 5.01 48.200 5.2 32x5.6 0.8 10.06 25.46 57 1.9 0.90 53.6 0.3 0.62 6.9 0.45 0.65 34.50 6.360 50x8.01 50 1.61 11 0.6 2.7 0.58 27 0.200 8.73 8.800 9 10 11 12 13 15 17 32.13 0.66 12.26 2.11 2 0.3 0.1 0.5 110x15.1 360 430 510 580 655 0.98 1.23 6 0.800 50.17 66 1.17 1.82 10.58 15 0.8 0.04 104 1.70 118 0.22 2.320 4.1 2.57 7.72 30 0.430 1.29 Ø 2.75 45 0.080 1.000 39.3 1.7 1.61 10.400 54.2 2.1 0.0 2.62 114 1.7 0.0 28.3 0.82 26 0.85 15.47 7.255 0.5 75x10.84 0.52 5.4 63x10.36 5 0.37 15 0.19 1.1 2.51 8.800 3.52 22 0.8 225 1.30 5.605 0.4 0.9 1.4 63x10.0 10.280 0.600 4.9 0.9 Perdas de carga em mm/c.0 14.87 29 0.1 0.3 0.480 7.040 5.46 28.5 0.16 1.2 1.5 l/s 1.17 Ø 7.18 129 1.51 103 1.680.95 15.6 1.1 0.69 20 0.4 1.45 30 0.81 36 0.6 3.3 0.1 0.59 48.22 4 0.83 12.46 5.32 41.85 1 0.07 85 1.29 13 0.2 1.0 1.24 3.63 0.28 10 0.66 143 1.200 7.15 1 0.18 3 0.34 156 1.19 2.37 19 0.5 1.11 1.2 0.8 2.04 96.000 6.41 8 0.705 0.44 0.39 149 1.17 4 0.5 0.330 0.2 0.11 234 1.7 0.43 46.05 0.4 1.59 42 0.7 1.1 0.99 19.6 0. x m 0.5 90x12.29 6 0.6 2.9 3.33 0.5 1.7 0.66 37 0.47 15 0.43 6.13 87 1.24 32.5 1.2 0.67 7.85 59 1.8 70 140 0.000 24 Catálogo Técnico .10 18.64 24 0.69 0.91 44 1.3 0.45 89 1. 5.1 0.55 172 1.805 2.73 19 0.1 0.4 1.6 0.42 11 0.81 18.46 10 0.

6 1.080 111.2 1.200 2.3 1.800 Perdas de carga em mm/c.4 com temperatura da água de 10ºC Caudal l/s kg/h Ø 16.200 7.65 2.8 1.29 24.600 12.85 3.8 2.71 5.24 20.48 1.2 1.70 8.060 0.0 0.44 9.56 5.00 32.9 0.73 69.000 8.52 9.8 0.200 5.7 0.9 0.50 23.9 1.9 0.000 60.85 39.98 1.11 72.57 1.7 1.240 1.600 17.2 0.00 21.700 0.43 17.9 1.3 1.00 79.95 67.760 1.4 0.0 0.7 75x10.3 2.9 1.9 0.59 4.96 63.000 16.73 22.040 1.78 24.7 0.6 0.080 3.91 44.32 2.97 45.000 40.1 0.75 6.16 Ø 5.0 0.6 1.23 13.4 2.84 14.60 7.6 0.1 0.1 160x21.7 0.4 0.9 1.00 54.800 6.50 19.70 2.60 25.5 0.00 216.98 31.340 0.50 1.51 131.55 1.45 15.00 10.4 1.14 64.83 55.2 0.01 54.7 1.5 1.16 50.5 50x6.2 1.79 81.8 0.200 20.72 11.67 3.06 57.1 0.35 1.42 129.3 0.2 0.83 38.0 0.000 50.90 26.320 1.1 1.49 11.0 0.9 63x8.69 7.21 29 1.58 15.920 2.5 1.12 6.50 12.18 1.3 1.5 1.9 0.90 13.6 1.39 24.85 7.7 0.00 43.60 9.5 0.75 112.46 3.00 1.80 2.57 2.76 3.16 16.2 0.640 2.Perdas de carga unitárias dos tubos NIRON SDR7.21 Ø Ø Ø l/s kg/h 63x8.90 3.3 0.35 51.1 2.63 17.51 30.7 0.53 13.400 10.00 7.30 112.9 25x4.600 4.4 0.0 0.4 0.40 5.2 2.89 1.800 9.14 5.22 44.24 10.3 0.50 27.7 0.4 1.800 272.7 1.7 0.35 16.1 1.6 0.66 48.5 0.8 0.4 0.2 0.6 0.6 0.71 3.52 2.54 4.38 3.13 12.61 4.880 0.0 0.000 5.71 76.4 0.21 33.81 55.40 6.6 1.96 2.90 18.61 97.2 0.36 35 1.00 14.52 56.42 4.7 2.62 2.1 0.87 19.01 228.7 0.8 1.440 184.52 8.5 110x15.5 2.2 0.01 44.4 1.83 27.00 46.00 108.86 25.5 0.3 0.8 2.8 0.8 0.00 3.61 15.0 1.9 1.6 1.9 0.95 22.600 1.51 41.76 33.00 144.5 0.00 12.93 11.5 0.0 1.47 24.3 1.52 3.4 90x12.04 26.5 0.5 1.00 18.160 0.50 16.6 0.9 200x18.00 50.66 165.85 9.29 79.9 0.40 1.0 0.360 Catálogo Técnico 25 .200 13.2 32x4.59 33.0 2.77 8.78 Ø Ø Ø Ø Ø Caudal Ø 50x6.3 1.400 7.400 4.00 39.62 5.2 0.9 1.11 18.8 5.3 1.9 0.4 0.2 0.89 206.47 69.0 0.8 0.a.1 0.30 44.17 Ø 12.5 1.4 1.7 0.7 75x10.2 0.78 16.5 0.2 0.26 Ø 4.60 5.0 1.36 95.45 1.71 43.4 90x12.21 71.5 1.4 1.46 7.7 0.1 1.3 0.4 40x5.2 1.00 57.520 0.54 147.8 0.6 1.47 2.6 0.4 1.6 1.32 15.38 1.00 15.7 0.66 9.17 59.600 6.84 100.70 33.2 2.2 0.9 2.8 2.00 36.5 1.49 8.48 5.00 61.39 8.260 145.80 6.5 Ø 67.2 1.10 2.15 0.43 6.9 1.57 3.69 13.4 1.00 180.3 1.14 Ø 29. x m Velocidade média em m/s 2.0 0.0 0.82 172.30 1.18 96.55 93.98 50.9 1.08 14.36 75.54 28.0 0.50 19.13 3.10 0.3 1.9 1.4 0.77 185.43 1.9 1.75 2.68 20.7 1.9 0.980 321.1 1.200 30.54 6.2 125x17.87 33.1 1.68 28.7 0.60 8.9 1.00 25.60 2.3 0.20 4.41 27.20 7.38 1.59 55.61 11.4 2.06 81.4 0.7 0.61 23.73 20.20 0.480 2.81 45.94 133.13 11.0 1.04 10.95 10.53 19.9 0.25 360 540 720 864 2.8 1.000 11.2 0.41 17.43 6.3 1.9 0.80 10.620 226.2 0.1 0.9 1.800 14.21 20.400 15.55 11.95 83.94 8.05 23.77 1.80 11.3 0.40 8.66 4.6 0.3 2.6 0.2 1.39 33.00 28.000 0.

1 Ø 75x8.13 2.11 1.79 0.03 128.120 6.53 9.25 4.40 1.01 0.20 2.30 1.19 69.62 40.17 2.75 16.200 11.05 20.99 158.10 3.52 1.63 1.600 14.14 0.4 Ø 90x10.05 1.53 20.09 0.42 9.80 18.96 24.49 0.1 Ø 75x8.800 0.32 4.200 7.6 Ø 63x7.000 21.00 kg/h 7.18 0.480 6.00 9.02 1.50 49.200 18.80 1.51 1.160 0.5 Ø 50x5.49 0.88 82.90 4.22 0.16 1.12 1.46 0.60 2.20 27.83 0.79 37.45 1.20 360 540 720 3.07 1.81 1.51 12.00 4.78 13.85 28.32 0.68 0.89 1.06 57.50 5.400 5.60 1.000 21.60 1.22 0.61 Perdas de carga em mm/c.05 1.07 32.59 11.83 57.20 4.440 0.6 Ø 40x4.27 3.07 0.840 10.32 81.95 1.00 8.31 0.80 1.70 1.65 0.31 12.91 22.26 8.320 1.00 50.05 23.40 1.920 8.59 110.45 1.59 0.64 1.14 11.07 1.6 Ø 63x7.65 0.40 2.59 16.85 1.04 81.59 2.63 0.00 0.44 67.30 1.48 0.50 1.68 1.200 13.86 20.72 125.40 14.61 1.13 31.82 2.07 1.02 0.66 2.400 26 Catálogo Técnico .32 0.10 43.86 111.74 1.800 14.82 1.47 1.1 l/s 2.71 0.28 0.83 16.55 0.89 1.69 95.18 24.08 1.93 46.03 0.78 1.50 55.26 10.760 6.51 0.70 0.57 45.a.66 28.00 3.43 6.33 0.400 16.41 24.46 95.28 0.39 49.18 37.52 73.00 7.34 7.00 25.70 2.880 135.35 60.4 Ø 90x10.24 1.36 1.600 0.49 0.30 1.09 71.37 5.20 1.600 200.51 0.83 59. x m Velocidade média em m/s 80.50 4.80 2.79 0.080 10.47 1.34 0.00 46.60 2.32 39.45 1.44 0.66 1.200 18.87 92.07 0.75 1.76 23.60 73.360 10.84 0.72 2.35 0.90 18.86 0.86 2.600 12.800 12.04 0.84 0.36 1.01 37.97 0.640 9.98 21.080 0.240 166.51 1.21 7.00 6.21 2.91 16.6 Ø 40x4.03 0.1 Caudal Ø 32x3.12 2.5 Ø 50x5.18 48.27 54.95 1.00 39.600 25.14 0.31 34.78 0.33 0.38 1.4 1.93 32.960 1.48 8.74 1.36 0.85 141.11 1.53 1.60 2.Perdas de carga unitárias dos tubos NIRON SDR9 com temperatura da água de 10ºC Caudal l/s kg/h Ø 32x3.14 0.67 1.520 107.20 2.35 2.00 3.50 1.680 5.00 43.20 4.70 14.80 3.64 12.040 5.19 1.68 19.90 3.00 1.75 13.15 0.10 0.69 59.28 43.42 0.

65 0.03 0.800 50.00 80.95 Catálogo Técnico 27 .52 2.00 7.00 14.6 Ø 200x18.000 21.60 1.55 1.00 19.200 64.43 1.81 4.80 0.00 20.38 31.200 46.91 4.46 0.83 1.82 5.88 2.000 108.00 110.39 2.86 4.7 5.92 1.000 21.00 75.24 0.02 0.49 21.00 15.25 0.40 1.000 21.37 0.49 1.73 0.00 18.00 60.27 0.27 0.59 0.000 57.000 144.600 61.15 1.00 10.67 12.00 90.73 1.00 13.67 4.43 25.33 0.98 0.33 0.800 32.59 0.48 1.56 0.82 14.68 1.200 18.61 2.200 28.000 162.58 1.76 1.00 55.200 1.52 10.62 2.74 31.03 0.37 1.21 0.00 17.47 1.27 12.400 72.29 0.00 18.22 7.64 3.00 45.52 2.30 0.90 21.16 0.19 10.04 8.600 43.36 0.00 30.90 5.00 12.52 0.78 0.18 0.00 0.57 0.22 2.600 43.72 0.00 25.61 2.32 3.58 2.49 1.600 14.600 25.000 39.19 10.00 66.01 16.00 35.38 1.25 0.33 0.20 0.34 13.71 3.250 com temperatura da água de 10ºC Caudal l/s kg/h Ø 160x14.40 1.000 126.45 2.2 Ø 250x22.34 0.400 54.15 0.400 16.00 70.200 18.57 2.00 40.42 0.43 1.29 0.02 0.75 0.00 6.86 2.49 3.38 1.96 1.86 30.04 37.00 130.60 3.07 2.21 0.25 3.24 0.14 2.76 3.45 2.78 0.66 17.00 50.65 50.400 36.000 12.43 0.74 2.86 0.52 1.24 0.14 26.16 0.69 1.37 8.76 3.00 9.46 1.000 180.43 0.43 13.40 0.28 20.97 7.Perdas de carga unitárias dos tubos NIRON SDR11 Ø 160 .74 5.50 0.200 .00 16.60 0.15 0.62 0.89 6.06 5.38 1.800 68.91 0.13 18.35 43.200 39.69 0.41 14.12 9.00 120.23 40.00 100.88 0.58 0.67 3.72 0.00 11.74 1.92 7.92 1.000 90.56 0.600 25.600 25.97 1.00 8.

4 2.8 1. Velocidade de escoamento v m/s Perdas de carga z (mbar) 0.6.8 3. 28 Catálogo Técnico .0 2.8 0.8 14.2 0.0 3.6 3.1 4.1 5.1 45 48 51 55 58 61 65 68 72 76 80 84 88 92 97 101 106 110 115 120 125 2.5 3.9 4.6 1.a.2 26.6 4.2 4.0 22.5 9.85 0.5 3.0 0.0 2.2 4.6 4.1 20. para a canalização da água a 10°C e para varios valores da velocidade de escoamento v (m/s).6 1.9 5.9 3.4 3.5 0.1 3.5 4.8 1.5 39.2 9 2.7 2.1 0.3 0.9 1.8 2.3 2.2 18.6 1.1 24.0 6.1 0.5 28.7 0.1 mm.2 0.3 2.8 2.4 1.3 1.9 2.4 0.2 0.4 0.2 1.0 1.7 3.5 16.6 2.1 1.1 7.7 1.8 0.2 5.3 4.6 0.8 36.5 1. A perda de carga localizada z é dada pela seguinte fórmula: z = 5v2 • ∑r e a perda de carga total da instalação será a soma do total da perda de carga distribuída r e do total das perdas de carga localizadas z.7 4.5 0.1 2.8 3.8 4.0 4.3 12.3 1.85 Coeficiente de resistência localizada “r” para os acessórios NIRON União redução até 2 dimensões União redução a partir 3 dimensões União simples União roscada União roscada reduzida A tabela reporta as perdas de carga z em função de um coeficiente r = 1.3 3.2 8.4 4.c.2 2.2 42.25 0.8 31.1 Figura Joelho 90° Joelho roscado Joelho 45° Tê Tê reduzido Tê Tê reduzido Tê Tê reduzido Tê Tê reduzido Tê roscado PERDAS DE CARGA DOS ACESSÓRIOS (DIN 1988) N° 90 90M 120 130 130R 130 130R 130 130R 130 130R 130F 241 241 270 270M 270RM Símbolo gráfico Coeficiente resistência r 2.0 1 mbar = 10.8 11.5 Velocidade de escoamento v m/s Perdas de carga z (mbar) 33.55 0.3 0.2 3.

00 7.00 1.00 Água quente 2.00 2.50 1.50 Água quente 0.00 Água quente 3. 7 DIMENSIONAMENTO DAS INSTALAÇÕES DISTRIBUIÇÃO ÁGUA FRIA Para dimensionar correctamente uma instalação é necessário conhecer as Unidades de Carga UC que contemporaneamente podem ser pedidas.00 5.00 2.00 2. Unidades de carga UC para usos de habitações privadas UC Unidades de carga Aparelho Lavatório Bidé Banheira Duche Autoclismo WC Autoclismo WC Banca cozinha Máquina lavar Máquina lavar louça Tanque Idrantino ½” Idrantino 3/4” Alimentação grupo misturador grupo misturador grupo misturador grupo misturador cisterna descarga rápida grupo misturador só água fria só água fria grupo misturador só água fria só água fria Água fria 0.00 10.50 1.00 2.50 5.00 Total Água fria + quente 7.50 2.00 2.75 1.00 1.25 3.00 1.00 3.50 3.00 10.00 3.00 1.00 3.75 0.00 3.00 Catálogo Técnico 29 .50 1.00 6.00 2.50 3.50 Total Água fria + quente 1.00 2.00 6.50 Total Água fria + quente 5.50 2.25 2.00 2.00 5.75 1.50 6.00 6.75 0.00 UC para combinação de aparelhos de uso privado UC Unidades de carga Combinação Lavabo + bidé + banheira/duche + autoclismo Lavabo + bidé + banheira/duche + autoclismo cisterna + máquina lavar Banho completo + cozinha Água fria 4.00 UC para combinação de aparelhos em edifícios de uso público e colectivo UC Unidades de carga Combinação Banho para Hotel com cisterna Banho para Hospital com cisterna Banho para Hospital com descarga rápida Água fria 6.

95 5.60 0.85 0.30 0.00 10.40 0.00 10.68 0.90 12.65 2.45 7.78 0.00 Tubo NIRON SDR 74 25 32 40 50 63 63 75 90 110 125 160 Da tabela deduz-se que um tubo Ø 75 SDR 7.80 16.65 3.60 4.10 6.75 6.30 1.95 5.65 2.62 1.15 3.30 0.45 7.80 9.90 4.65 3.15 3.46 1. pode alimentar contemporaneamente 250 UC (250 / 7 = 35 apartamentos compostos de Banho + Cozinha) 30 Catálogo Técnico .4 (Velocidade máxima considerada 2.13 1. água fria e água quente (autoclismos wc com cisterna) para utilização em habitações privadas e em edifícios colectivos.40 2.78 0.25 4.13 1.60 0.35 5.90 2.50 0.90 13.20 2.93 1.20 2.46 1.68 0.00 11.50 26.40 2.80 9.00 11.00 11.85 0. Colunas Montantes NIRON com tubos SDR 6 (Velocidade máxima considerada 2.90 13.90 3.5 m/s) UC Unidades de carga 6 8 10 12 14 16 40 18 20 25 30 50 35 40 50 60 70 63 80 90 100 120 140 75 160 180 200 225 250 90 275 300 400 500 110 600 700 800 125 900 1000 1500 2000 2500 3000 Caudal L/s 0.5 m/s) UC Unidades de carga 6 8 10 12 14 16 18 20 25 30 35 40 50 60 70 80 90 100 120 140 160 180 200 225 250 275 300 400 500 600 700 800 900 1000 Colunas Montantes NIRON com tubos SDR 7.50 0.35 5.00 11.60 4.90 12.25 4.10 6.80 Tubo NIRON SDR 6 20 25 32 Caudal L/s 0.4.90 3.90 4.62 1.75 6.90 2.93 1.40 0.50 20.30 1.50 23.Determinação do caudal máximo contemporâneo com o método de UC unidades de carga.

7. N2.1 DISTRIBUIÇÃO ÁGUA QUENTE SANITÁRIA Para o correcto dimensionamento de uma instalação de água quente sanitária “Centralizado” a norma UNI9182 devese determinar o máximo consumo horário contemporâneo de água quente a 40ºC: q1 x N1 q2 x N2 qn x Nn Esta é a fórmula: Qmax = [ — — — — — —+ — — — — — —+ — — — — — — ] x f1 x f2 x f3 d1 d2 dn Onde: Qmax q1. aparelho = Numero das unidades de referência = Durações correspondentes aos consumos q1 N1. d2. qn N1.5 / 3 1 3/4 1 1 Catálogo Técnico 31 . q2 N2 …… = Factor por numero de alojamentos (factor de multiplicação – contemporaneidade) = Factor por numero de peças para cada alojamento (factor de multiplicação – contemporaneidade) = Factor por teor de vida (factor de multiplicação – contemporaneidade) = Necessidades médias diárias referentes a uma pessoa Tipo de utilização Casa tipo standard Casa tipo luxo Hotel Escritórios Hospitais Centros desportivos Vestiários empresariais n = Necessidades médias diárias referentes a cada utilização Aparelhos Bacia de banho com chuveiro retráctil Duche Lavabo Bidé Banca de cozinha d = Duração do período de ponta Tipo de utilização Casa tipo standard (até 4 quartos banho) Casa tipo luxo (mais de 4 quartos banho) Hotel Escritórios Hospitais Centros desportivos Vestiários empresariais q Litros x pessoa / dia 70 / 80 150 / 200 180 / 200 15 / 200 130 / 150 50 / 60 30 / 50 Litros x pessoa / dia 160 / 200 50 / 60 10 / 12 8 / 10 15 / 20 h 2 / 2. q2. banho. Nn d1. dn f1 f2 f3 = Consumo máximo horário = Consumos de cada unidade de referência (alojamento.5 3 2.

50 0.56 0.Factor de multiplicação dos requisitos de água quente em litros/pessoa-dia em função do NUMERO DE BANHOS Numero de banhos 1 2 de 3 a 4 de 5 a 6 de 7 a 8 de 9 a 10 de 10 a 12 Além Factor de multiplicação 0.Factor de multiplicação dos requisitos de água quente em litros/pessoa-dia em função do NUMERO DE ALOJAMENTOS Numero de alojamentos 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 de 26 a 30 De 31 a 35 De 36 a 40 De 41 a 45 De 51 a 60 De 61 a 70 De 71 a 80 De 81 a 90 De 91 a 100 De 101 a 125 De 126 a 150 De 151 a 200 Factor de multiplicação 1.0 1.41 0.25 Teor de vida Baixo Modesto Normal Bom Elevado Factor de multiplicação 0.8 0.1 1.1 1.38 0.35 0.Factor de multiplicação dos requisitos de água quente em litros/pessoa-dia em função do TEOR DE VIDA 32 Catálogo Técnico .26 0.42 0.47 0.31 0.39 0.48 0.46 f2 .34 0.39 0.4 1.8 0.60 0.9 1.42 0.40 0.44 0.40 0.41 0.9 1 1.44 0.15 0.28 0.30 0.53 0.29 0.5 0.2 1.36 0.2 f3 .73 0.65 0.f1 .35 0.3 1.43 0.29 0.33 0.27 0.43 0.86 0.

000Wat – 230V c.a.a. 00NSBEP fornecido mala apropriada.a. 50 Hz art. 3  2 Polifusor sobre apoios 1. 00STL125 fornecido em formato bancada e completo com mala e matrizes do Ø 25 ao Ø 125 e suporte para tubo. 00S10250 completa com: Máquina base Termoelemento Centralina Oleodinâmica Fresadora eléctrica Tubo hidráulico Reduções Catálogo Técnico 33 . Sob pedido também disponível a 110V e 48V. completo com jogo de matrizes Ø 20 – 25 – 32. 800Wat – 230V c. 50Hz – 3KW art.5 m Comprimento dos cabos de ligação 3 m Peso 15 kg 5  5 Soldadora “TOPO-A-TOPO” para • • • • • • .00STL90 fornecido em caixa de madeira e completo com mala e matrizes do Ø 25 ao Ø 90 e suporte para tubo.400Wat – 230V c. 50 Hz art.a. 8 1  EQUIPAMENTOS 1 Polifusor Para uma rápida e correcta instalação do Sistema NIRON é indispensável servir-se de equipamentos específicos correspondentes à norma DVS2207. O polifusor é dotado de termóstato automático para manter temperatura constante nas matrizes de 260ºC ± 10ºC. 00E9001 Comprimento do cabo de alimentação 3. 00S10160 .tubo Ø160 art.tubo Ø250 art. 4  4 Soldadora • • • Polivalente para acessórios eléctricos dotada de caneta óptica 230V c. 50 Hz art. 3 Polifusor sobre rodas (no desenho) 1.

9 MODALIDADES DE FUSÃO O Sistema NIRON graças às suas propriedades pode ser unido com os acessórios mediante: Termo-Fusão ou Polifusão Electrofusão Ambas estas tecnologias de fusão permitem unir. 9. AQUECIMENTO Montar as matrizes correspondentes ao diâmetro do tubo a soldar. aquecer ambas as peças durante o tempo reportado na tabela abaixo. somente com auxílio do calor. Inserir contemporaneamente com uma ligeira pressão o tubo e o acessório nas matrizes apropriadas. os diferentes componentes do sistema criando um corpo único indissolúvel no tempo. Aguardar que a soldadora atinja a temperatura de trabalho. Após inserção antecedente. 34 Catálogo Técnico .a. Ligar a soldadora à rede a 230V c. Assegurar-se da perfeita limpeza antes de proceder à soldadura.1 INSTRUÇÕES PARA A SOLDADURA DOS TUBOS NIRON CORTE Cortar o tubo em ângulo recto com a tesoura apropriada.

acessório praticando uma ligeira pressão e sem rodar. evitando tensões na soldadura. E  ventuais correcções de alinhamento devem ser executadas imediatamente depois da inserção. SOLDADURA (POLIFUSÃO) P  assado o tempo de aquecimento prescrito inserir rapidamente o tubo no Tabela 1– Tempos de soldadura e procedimentos de soldadura Ø Aquecimento sec 5 5 7 8 12 18 24 30 40 50 60 Montagem sec 4 4 4 6 6 6 8 8 8 10 10 Ensaio (tempo após solda) min 2 2 3 4 4 4 6 6 6 8 8 Introdução Tubo mm 13 14 15 17 18 20 26 29 32 35 40 Procedimentos de Soldadura (Norma DVS 2207 – TEIL 1-6.1) 16 20 25 32 40 50 63 75 90 110 125 160 200 250 • Manualmente (polifusor NSBEP) ou • Com equipamento próprio (soldadora NSTL) • Com equipamento próprio (soldadora NSTL) Soldadura topo-a-topo ou com uniões electrosoldáveis • Com equipamento próprio Catálogo Técnico 35 . E  ste tipo de junção. assegura um perfeito comportamento mesmo nas mais gravosas condições de emprego. mediante polifusão molecular.

CURVAS a 90º.2 ELECTROFUSÃO A Electrofusão é o processo de união realizado. A energia térmica criada pelo aquecimento da resistência. sobre tubos e acessórios pré-montados do mesmo diâmetro.9. Para utilizar esta inovadora técnica de união é necessário dispor dos seguintes equipamentos: Soldadora Raspador Alinhador PREPARAÇÃO DOS TUBOS E ACESSÓRIOS 90 1 ° CORTE Cortar o tubo perpendicularmente com a tesoura apropriada. TÊS e UNIÕES electrosoldáveis em PPR. NUPIGECO é desde 1998 a primeira empresa no mundo a realizar uma gama inteira de acessórios CURVAS a 45º. com possível obstrução da passagem.  Se o corte não for perpendicular podem verificar-se vazamentos de material derretido no interior da peça eléctrica. 2  Raspar. toda a superfície do tubo interveniente na soldadura para retirar a camada de oxidação superficial causada pela catalisação de impurezas atmosféricas. 36 Catálogo Técnico . leva ao amolecimento das partes em contacto que se fundem e compenetram entre elas recristalizando durante o arrefecimento. gerado por uma resistência que é incorporada no acessório. por aquecimento. pelo efeito Joule. com raspador próprio. RASPADURA  Da máxima importância é a operação de limpeza pois como a soldadura transmite-se pelo calor do acessório ao tubo.

As máquinas universais com leitura de código de barras geralmente devem dispor de 3 – 4 KW/h.3 CONDIÇÕES AMBIENTAIS Verificações a executar em estaleiro  A fonte de alimentação deve dispor de pelo menos 3KW/h. 9. porque as mãos deixam um sedimento gorduroso. Não tocar mais com as mãos na parte limpa. isento de condições climáticas adversas (chuva. não usar benzina e similares como líquido detergente. vento.  O quadro eléctrico do estaleiro deve ser do tipo assíncrono e responder às normas de segurança vigentes no país de utilização.  No final deixar arrefecer a peça electro-soldada sem a mover durante o tempo indicado no código de barras (cooling time). 5 ELECTRUFUSÃO Ligar os dois terminais aos ligadores do acessório eléctrico. o tempo de soldadura em segundos e o tempo de arrefecimento em segundos (cooling time). No caso de se usar um gerador deve-se assegurar que seja do tipo assíncrono e que tenha uma potência mínima de 3KW. UNIÃO 4 MONTAGEM Inserir os tubos no acessório eléctrico até ao batente.  A tomada eléctrica a que se ligar a soldadora deve ser protegida por um interruptor diferencial e deve ser dotada de uma idónea ligação a terra. 3 LIMPEZA Desengordurar a parte anteriormente raspada com líquido detergente usando um pano limpo. papel revestido ou panos sujos. humidade) e com uma temperatura ambiente entre +5 e +40ºC.  Os acessórios eléctricos NIRON têm uma etiqueta auto-adesiva trazendo um código de barras de 24 caracteres para ser lido pelas máquinas universais com caneta óptica e indicando os valores da tensão de soldadura em Volt. Advertências:  Seguir escrupulosamente as instruções reportadas nos manuais de uso e emprego a respeito da segurança no local de trabalho. Isto evitará vazamentos de material causa de possíveis oclusões.  É aconselhável executar as termo-fusões e/ou electrofusões num lugar seco. As tomadas de quadro devem ter um grau de protecção mínimo IP44. Bloquear os tubos e o acessório com o alinhador apropriado.  Ligar a máquina e seguir as indicações que aparecem no display interactivo. Eventuais prolongamentos ou extensões devem ter a secção dos cabos adequada (ver manual de uso da soldadora). Catálogo Técnico 37 . Não usar tecidos em fibra sintética.  Os dados da electrofusão são memorizados na máquina e podem ser impressos imediatamente com uma impressora apropriada ou serem transferidos para um computador.

9. 4 Inserir a matriz macho no furo do tubo até tocar a parte concava com a superfície externa do tubo. 2 Verificar que as partes a soldar (em especial o tubo) estejam secas e limpas. 1 Furar o tubo com a broca própria (art. O acessório deve ser perfeitamente fixado e premido contra a superfície do tubo por cerca de 30 segundos. 38 Catálogo Técnico . simples e roscados. Permitem ainda realizar Baterias para Contadores de Água. inserir imediatamente o acessório de derivação no furo aquecido sem girar. acessório e tubo deve ser aquele reportado na Tabela 1 na página 33. 6 O aquecimento terminado. 3 Verificar que polifusor e matrizes atingem a correcta temperatura de trabalho (260ºC). NFGS) onde se quer executar uma nova derivação. 5 nserir contemporaneamente o acessório na matriz fêmea.4 COLUNAS MONTANTES Os acessórios para Colunas Montantes. permitem realizar destaques ou derivações de utilização sobre tubos de grandes secções já instalados. Realizar as derivações assimetricamente entre si. 7 Depois de um arrefecimento de 10 minutos a nova derivação pode suportar os parâmetros de exercício N  a realização de baterias “duplas” para contadores de água sugerimos que: A Assinalar B Realizar C antecipadamente as duas marcações por oposição de furação. O tempo de contacto I entre as matrizes. contemporaneamente todos os furos com broca própria.

enquanto um tubo e/ou um acessório furado pode ser reparado mesmo com o tapa furos apropriado. 3 Raspar com cuidado a superfície as duas pontas do tubo. 8 Soldar as uniões como indicado no manual de utilizador da máquina soldadora eléctrica. 4 Retirar o batente interno nas 2 uniões eléctricas forçando com um tubo. 2 Remover o tramo de tubo danificado. 6 Inserir a ponta de tubo no lugar do precedente.9.5 REPARAÇÃO DE UM TUBO DANIFICADO Podemos reparar um tubo danificado só com o auxílio de duas uniões eléctricas. TUBO DANIFICADO ou FURADO 1 Cortar o tubo danificado ou furado perpendicularmente num 2 cm comprimento igual ao de uma união eléctrica + 2 cm. Cortar uma ponta de tubo do mesmo diâmetro e comprimento do tubo danificado. 5 Inserir completamente nas pontas do tubo as duas uniões eléctricas sem batente. 7 Fazer deslizar para o centro as duas uniões até à marca de referência. Raspá-lo com cuidado e marcar sobre ambos os lados o comprimento de ½ união. Catálogo Técnico 39 .

1 Alargar o furo até um diâmetro de 6 mm ou 10 mm com uma broca cortante. 40 Catálogo Técnico . 2 Inserir contemporaneamente a matriz “macho” no furo do tubo e o taco de reparação na matriz fêmea. 3 Terminado o aquecimento inserir o taco macho no interior do furo sem rodar. 4 Aguardar 1 min.9. Após a inserção aguardar o aquecimento por 5 sec.  Montar a matriz apropriada art. NMARP e aguardar o seu aquecimento completo. são furados numa só parte e perpendicularmente à sua linha central. Certificar-se que o furo precedente não tenha danificado a outra superfície interna do tubo ou do acessório.6 REPARAÇÃO DE UM ACESSÓRIO DANIFICADO Este sistema aplica-se quando um tubo. ou um acessório. e cortar o taco junto ao tubo. para que arrefeça.

6 O resultado do ensaio deve ser registado. Catálogo Técnico 41 . Se a diferença é inferior a 0.2 BAR rando-se da total saída do ar (não apertar a fundo os tacos mais elevados até que a água saia em jacto contínuo). torneiras de corte e válvulas. 4 Observar a pressão depois de outros 30 minutos (1 10 20 30 60 (1 ora) 120 180 MIN (3 ore) hora). NOTA: a  pressão do ensaio deve ser reduzida se estão presentes radiadores. A prova hidráulica a frio. 10 ENSAIO DE INSTALAÇÕES O ensaio de instalações hídricas efectua-se através de provas e verificações em curso na obra (para as partes não acessíveis uma volta completa ao trabalho) e provas e verificações finais em actuação às obrigações contratuais.6 BAR 0. da pressão e da temperatura. 5 Nestas últimas 2 horas a pressão não deve cair mais de 0.2 bar. 3 Observar a pressão depois dos primeiros 30 minutos. prescrita na norma europeia ENV 12108 prevê: 1 Preencher a instalação lentamente com água asseguBAR 15 0. É também importante executar:  Prova de distribuição de água fria com derramamento de água fria em toda a utilização para se certificar do alcance e da pressão.6 bar não se verificam perdas de carga e pode-se continuar o ensaio com a mesma pressão durante outras 2 horas. Verificação do nível de ruído de acordo com as normas vigentes.  Prova de distribuição de água quente com derramamento de água quente em toda a utilização para se certificar do alcance. refazer outras 2 vezes a cada 10 minutos. 2 Elevar a pressão a 15 bar.

º 306/2007 de 27 de Agosto 2007. Este é constantemente monitorizado por análises específicas executadas no laboratório do Politécnico de Milão. Ricardo Jorge .º 306/2007 de 27 de Agosto 2007 – Realizado a partir da directiva 98/83/CE relativa à qualidade das águas destinadas ao consumo humano.º 306/2007 de 27 de Agosto 2007 para o transporte de água potável.º 08-0276 e 08-0277 de 27-11-2008 Nota: Sob pedido poderão ser fornecidas cópias dos certificados de atoxidade. conforme relatórios de ensaio do Instituto Nacional Saúde Dr.ENV12108 . 11 11. Os tubos são testados segundo a norma UNI EN 1622:1999: Análise da água – Determinação do limiar de odor (TON) e do limiar de sabor (TFN).2 POTABILIDADE E IDONEIDADE ALIMENTAR O tubo NIRON respeita os requisitos indicados no Decreto-Lei n. 11.DIN8077/78 .DIN1988 . 42 Catálogo Técnico .1 QUALIDADE NORMAS O sistema NIRON é fabricado em conformidade com as normas de produto: EN ISO 15874 .DVS2208 parte 1 normas de fusão: UNI9281 .n.prEN806 e certificado pelas mais prestigiadas marcas de qualidade internacionais Nota: Sob pedido poderão ser fornecidas cópias dos certificados de conformidade.DIN 16962 norme di giunzione: DVS2207 parte 11 . O Sistema NIRON é idóneo para o transporte de líquidos alimentares segundo o Decreto-Lei n. O Sistema NIRON é um produto em conformidade com o Decreto-Lei n.

Sobre cada lote de material são efectuadas as seguintes provas: Prova em pressão a 95ºC por 1000h (com σ = 3. a 15ºC a uma pressão de 6 Bar para um total de 5000 ciclos OIT (Oxidative Induxin Time) = Verificação da percentagem de anti-oxidantes presentes no produto depois da extrusão MFI (Melt Flow Índex) a 230ºC 2.p.3 SEGURO DE QUALIDADE A NUPIGECO S. Terminada a produção. possui as marcas de conformidade.p.P. O sistema tubo + acessório é sujeito a ciclos de temperatura de duração de 20 minutos a 95ºC e 10 min. garante a qualidade dos seus produtos mediante rigorosos controlos aptos a verificar constantemente não só o produto mas também o processo produtivo.2% da luz visível de acordo com a norma europeia EN 578.9 Mpa correspondente a cerca de 7.6 Mpa equivalente a cerca de 15 bar) Prova em pressão a 20ºC por 1h (com σ = 16 Mpa equivalente a cerca de 65 bar) Prova de Carga de cedência (> 21 N/mm2) com dinamómetro Prova de Alongamento de ruptura com dinamómetro Prova de Homogeneidade com microscópio de luz polarizada Prova de resistência ao Choque com pêndulo “Charpy” Valor tensões residuais a quente (135ºC) Controlo dimensional segundo norma DIN 16962 Casualmente são também efectuadas as seguintes provas:  CICLOS TÉRMICOS.7 bar) Opacidade Os tubos produzidos não transmitem mais que 0. Todas as provas acima referidas são constantemente monitorizadas (também mediante verificação junto de laboratórios externos) pelas Entidades certificadoras internacionais do produto. são controlados os parâmetros de máquina e são efectuados levantamentos dimensionais sobre os tubos produzidos. o controlo passa para o Laboratório de Controlo de Qualidade da NUPIGECO o qual efectua todas as provas mecânicas e físico-químicas em conformidade com o Plano da Qualidade interno do produto. das quais a NUPIGECO S.11. assim como controlos visuais no que diz respeito às superfícies internas e externas e às marcações. baseado nas provas previstas pelas marcas de qualidade possuídas. e tubo = 20% Prova em pressão a 95ºC por 4000h (2 Mpa 12 bar) em contínuo Prova em pressão a 120ºC 1000h (σ = 1.16 Kg máxima diferença entre M. Em intervalos de tempo regulares.A. definidos nos processos internos da qualidade.A. Catálogo Técnico 43 .

recomendámos consultar o Manual de Uso e Manutenção que acompanha  cada polifusor. Utilização de materiais evidentemente defeituosos (tubo e acessórios arranhados. INSTRUÇÕES PARA O PEDIDO DE INTERVENÇÃO DA GARANTIA:  Na eventualidade de um dano imputável ao tubo e/ou acessório e só para os casos precedentemente descritos.p. rachados. 12 GARANTIA O Sistema NIRON.p. 44 Catálogo Técnico .  Falta de observância das instruções de emprego. cópia do certificado de garantia contendo: • Local e data de instalação • Nome e endereço do instalador • Data de produção marcada no tubo  Depois da recepção da carta registada. o utente deve comunicar através de carta registada à NUPIGECO S.A.  Eventuais despesas por nós suportadas por efectuar acertos serão debitadas ao requerente se por acaso os motivos da ruptura não entrarem entre aqueles previstos na garantia.  As condições de emprego como temperatura e pressão devem entrar nos limites técnicos do material e indicados no Manual Técnico NIRON. juntamente com o cartão de garantia (presente no fim do Manual de Uso e Manutenção)  devidamente preenchido. talão de caixa registadora) emitido pelo vendedor. Utilização para a realização da instalação de componentes não da nossa fabricação. a nossa sociedade providenciará a fazer os necessários acertos e que depois passará a documentação à Companhia Seguradora.A.p.A. o tipo de avaria e anexar além da amostra de tubo ou acessório avariado.000 €.580. causados a coisas ou pessoas provocados pela ruptura de tubos ou acessórios NIRON com defeitos de fabricação A GARANTIA NÃO TEM VALIDADE NOS SEGUINTES CASOS:  Ligação do tubo e dos acessórios a fontes de calor com limites de temperatura e de pressão. as advertências e as recomendações contidas no Manual Técnico NIRON. Soldaduras executadas de modo errado ou defeituoso por causa da utilização de equipamento não idóneo.  A cobertura seguradora será de 10 anos da data de produção marcada no tubo e dentro deste período de tempo providenciaremos o reembolso de danos até à importância de 2. Cópia deste documento. Para as outras condições de garantia. guia de acompanhamento. AS CONDIÇÕES QUE REGULAM A GARANTIA SÃO: Envio dentro de 10 dias do término da instalação do apropriado cartão de garantia. até um prazo razoável. deve ser enviado à NUPIGECO S. Tubo e acessórios devem ser exclusivamente NUPGECO-NIRON. das advertências e das recomendações por nós indicadas no Manual Técnico NIRON. com primária companhia de Seguros.1 • • •  GARANTIA DE POLIFUSORES  s polifusores são garantidos por 12 meses da data de aquisição que deve ser comprovada por um documento O comprovativo (factura. no prazo de 10 dias da data de aquisição. etc. empregue para instalações hidro-sanitárias e em obediência às directivas de instalação contidas no Manual Técnico é coberto por apólice seguradora estipulada pela NUPIGECO S.).  Tubo e acessórios devem ser instalados seguindo as instruções de instalação. recibo fiscal. ainda que acidentais. não compatíveis com as características do material empregue para o Sistema NIRON. 12.

tricloroacético Clorosulfónico. sat. sat. seco Cloro etanol Clorofórmio Clorídrico. Sol. sat. ácido glacial Acética. 100% 100% Sol. S = Satisfatório RESISTÊNCIA QUÍMICA DO POLIPROPILENO L = Limitado NS = Não Satisfatório Fluidos de que não é possível o transporte por meio de tubos em PP-R Não subordinado a solicitações mecânicas (pressão. sat. sat. etc. Sol. sat. Sol. sat.) Reagente ou Produto Acetato (ver nome do acetato) Acético. sat. Sol. 100% 100% 100% 100% 10% >90% Até 40% Sol. ácido Cloreto de benzoílo Cloreto de etilo Cloreto de etileno (mono e di) Cítrico. Sol. Sol. sat. sat. álcool Benzóico. 100% 100% 100% 100% 100% 2 a 7% 10 a 20% 30% 35 a 37% 100% Sol. sat. Catálogo Técnico 45 . Sol. sat. sat. Sol. sat. ácido Clorídrico. ácido glacial Acético. cargas estáticas. alúmen de Cicloexan Cicloexanol Cicloexanona Decalina (deca-hidro naftalina) 100% 100% 100% 100% Sol. ácido Concentração Temperatura 20°C 60°C 100°C Reagente ou Produto Bórax Bórico. ácido Crómio. sat. Sol. ácido glacial Acético. Sol. ácidos (ver monocloro) Acético. dicloroacético. sat. sat. ácido Clorídrico. fria 100% 100% Sol. Até 48% 100% Temperatura 20°C 60°C 100°C S S S NS L S S L S S S S S S S S S S NS NS S L S S S S S S L NS NS L NS L L S S S S NS NS NS NS S S L S NS NS NS L NS L NS S S NS NS NS NS S L - 96% Até a 40% 50% 100% 100% 100% S S S S S S S S S S S S NS S S S S S L S S S S S S S S S S S S S S S S S S L S S S S S S L NS S S L S S S S S S S S S L NS L L S S S S S S S S S S S S S S S S NS NS L - NS L S S S S S NS S S S S L S S S S S NS NS Bromídrico. ácido Concentração Sol. HCI/HNO3=3 Até 10% Até 30% 100% 100% Sol. 100% 100% 100% 100% S NS L NS L S S S S S S L NS NS NS L S L S L NS NS NS NS S NS NS NS Sol. sat. ácido Clorídrico. ácido gasoso seco Cloroacéticos. sat. Sol. sat. anidrido Vinagre Acetona Ácido (ver nome do ácido) Água destilada Água de mare Água salobra Água mineral Água potável Água de cloro Água régia Água oxigenada Água oxigenada Acetofenona Acrilonitrila Álcool (ver nome do álcool) Alúmen Amílico acetato Amílico álcool Amoníaco (gás) Amoníaco (liquefeito) Amoníaco (água) Amónio acetato Amónio bicarbonato Amónio cloreto Amónio fluoreto Amónio fosfato Amónio hidróxido Amónio metafosfato Amónio nitrato Amónio sulfato Anidrido carbónico gasoso seco Anidrido carbónico gasoso húmido Anidrido sulfuroso gasoso seco Anidrido sulfuroso gasoso húmido Anilina Anisol Prata Ar Bário carbonato Bário cloreto Bário hidróxido Bário sulfato Benzeno Gasolina (hidrocarboneto alifático) Benzílico. Sol. Sol. 100% 100% 100% 100% Até 30% Sol. Sol. ácido Cresol Crómico. ácido Bromo (líquido) Bromo (vapores secos) Butano Butanol Butilo acetato Butil glicol Butil fenol Butilo ftalato Di-butilo ftalato Cálcio carbonato Cálcio cloreto Cálcio hidróxido Cálcio hipoclorito Cálcio nitrato Carbono dissulfeto Cloro líquido Cloro gasoso. 100% 100% 100% 100% 100% Sol. Sol. Sol. Sol. ácido Clorídrico.

S = Satisfatório RESISTÊNCIA QUÍMICA DO POLIPROPILENO L = Limitado NS = Não Satisfatório Fluidos de que não é possível o transporte por meio de tubos em PP-R Não subordinado a solicitações mecânicas (pressão. sat. Sol. ácido Mercúrio Mercúrio (II) cianeto Mercúrio (II) cloreto Mercúrio (I) nitrato Metilamina Metílico. ácido anídrico Fósforo oxicloreto Frutose Gelatina Glicerina Glicólico. sat. Sol. ácido Fluorídrico. sat. álcool (etanol) Fenol Fenol Fosfórico. ácido Glicose Hidrogénio Iodo (solução alcoólica) Iso-octano D-iso-otil-ftalato Isopropílico álcool Isopropílico éter Láctico.) Reagente ou Produto Dextrina Dextrose Dicloroacético. álcool Metilo acetato Metilo. sat. ácido Nítrico. Sol. Até 32% 5% 100% 100% 100% 100% >85% S S S S S S S S S S S NS L S S S 100% 100% 100% Até 95% 5% 90% Até 85% Sol. Sol. sat. ácido Formaldeído Fórmico. ácido Fórmico. sat. sat. 100% Sol. b) Dietil éter Dimetilamina Dimetilformamida Dioctil-ftalato Dioxano Heptano Hexano Etanolamina Di-etanolamina Éter de petróleo (ligroína) Etilo acetato Etilenoglicol Dietilenoglicol Etílico. ácido Nítrico. ácido fumegante (com óxido de azoto)) Nitrobenzeno Oleico. 10% 30% 40 a 50% S S S S S L NS Nítrico. ácido Fluorídrico. 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% Temperatura 20°C 60°C 100°C S S L L S S S L L L S S S L L S S S S S S S S S S S S L S S S S S S S S L S S L S S S L S L L NS L L NS S S S S S NS NS S S S S NS L S S NS NS S S S NS NS S S S NS S - Reagente ou Produto Lanolina Leite Magnésio carboneto Magnesio cloreto Magnésio sulfato Málico. cargas estáticas. 20% 100% Sol. Sol. 100% 100% 30% Sol. ácido Concentração Temperatura 20°C 60°C 100°C S S L S S S S S S S S S L S NS NS S NS S S S NS NS NS L L NS S NS L S L S S S S S S L NS NS NS NS NS NS NS NS L NS S S Sol. ácido Oleum (ácido sulfúrico com 60% de SO3) Óleo de amendoim Óleo de cânfora Óleo de cereais (de milho) Óleo de coco Óleo de amêndoa Óleo de hortelã-pimenta Óleo de azeitona Óleo de parafina (FL 65) Óleo de ricino Óleo de sementes de algodão Óleo de sementes de linho Óleo de silicone 100% 100% S S NS S NS S S S S S S 100% 100% 100% 100% Até 90% 100% S S S S 46 Catálogo Técnico . sat. etc. dil. Sol. Sol. ácido Concentração Sol. ácido Dicloro etileno (a. ácido Diglicólico. sat. ácido Fórmico. ácido Nafta Níquel cloreto Níquel nitrato Níquel sulfato Nítrico. 40% 40% 10% 85% 100% 100% Sol. Sol. brometo Metileno cloreto Metiletilacetona Mono-cloro acético.

Até 10% 10 a 30% 50% 96% 98% Sol. sat. Sol. 40% Sol. Sol. sat. sat. S = Satisfatório RESISTÊNCIA QUÍMICA DO POLIPROPILENO L = Limitado NS = Não Satisfatório Fluidos de que não é possível o transporte por meio de tubos em PP-R Não subordinado a solicitações mecânicas (pressão. Temperatura 20°C 60°C 100°C S S S S S S S S S S S L S S S S S S NS L NS S L NS S S S S S S L L NS S S S S S NS NS NS L NS NS S NS NS S S L NS NS S NS NS NS NS NS NS NS Sol. ácido Sulfúrico. 100% 2N Sol. Sol. S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S L L S S S S L S S - S S S L NS NS S S S S - Trietanolamina Ureia Xileno Nota: Os dados reportados da tabela supra. sat. Sol. Sol. sat. referem-se à resistência qúimica do PPR não submetido a solicitações mecânicas e térmicas (pressão. solicitamos que contactem directamente a nossa Assistência Técnica. Sol. sat.) Reagente ou Produto Óleo de soja Oxálico. ácido Tetracloreto de carbono Tetrahidrofurano Tetralina Tiofeno Tolueno Terebintina (essência) aka Aguarrás Tricloroacético. Sol. ácido Sulfúrico. 100% S NS S S L Sol. Catálogo Técnico 47 . 100% >50% Sol. sat. 100% Sol. sat. sat. ácido gasoso seco Sulforoso. sat. ácido Pícrico.). ácido Sulfúrico. Sol. sat. Até 50% Sol. Sol. sat. realizados com liga especial em latão. 2% 20% 10% 1% 10 a 60% 5% 10% 20% Sol. etc. sat. sat. Sol. 100% Sol. sat. sat. Sol. 10% 2N Sol. sat. sat. Sol. sat. ácido Sulfúrico. sat. Sol. Até 50% Sol. Sol. Até 10% Sol. sat. sat. 35% Sol. ácido Estanho (II) cloreto Estanho (IV) cloreto Sucínico. ácido Tricloroetileno Concentração Sol. sat. Sol. sat. Sol. Sol. sat. ácido Sumo de fruta Sumo de maçã Tartárico. Sol. sat. ácido Piridina Potássio bicarbonato Potássio borato Potássio bromato Potássio brometo Potássio carbonato Potássio clorato Potássio cloreto Potássio cromato Potássio cianeto Potássio fluoreto Potássio hidróxido Potássio iodeto Potássio nitrato Potássio perclorato Potássio permanganato Potássio persulfato Potássio sulfato Propano Propiónico. sat. 30% Sol. cargas estáticas. Para saber o comportamento do acessórios roscados. Sol. sat. ácido Sulfúrico. sat. ácido Oxigénio Peerclórico. 10% 100% 100% 100% 100% 100% Até 50% 100% Sol. ácido Cobre (II) cloreto Cobre (II) nitrato Cobre (II) sulfato Soda cáustica (ver sódio hidróxido) Sódio acetato Sódio benzoato Sódio bicarbonato Sódio bicromato Sódio bisulfato Sódio bisulfito Sódio carbonato Sódio clorato Sódio clorito Sódio clorito Sódio cloreto Sódio hidróxido Sódio hidróxido Sódio hipoclorito Sódio hipoclorito Sódio hipoclorito Sódio metafosfato Sódio horto-fosfato Sódio nitrato Sódio perborato Concentração Temperatura 20°C 60°C 100°C S S S S S L S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S L L S S S S S S S S S S S S S NS S S - Reagente ou Produtoo Sódio silicato Sódio sulfato Sódio sulfureto Sódio sulfito Sódio tiossulfato Sulfídrico. Sol. sat. sat. etc.

casas de saúde e de repouso e estruturas sanitárias em geral. Hotéis. Podem ser colocados em contacto directo com Terra. redes de distribuição e de recirculação com temperatura inferior a 50ºC.). A legionelose é uma infecção bacteriana. condensadores e refrigeradores evaporativos.2 mg/l (0. ventiladores. 13 LEGIONELOSE PERGUNTAS FREQUENTES As tubagens não podem ser colocados no interior de cabines eléctricas. Gesso. A sua presença é favorecida a uma temperatura compreendida entre 25ºC e 45ºC. Levar o eventual circuito de recirculação o mais próximo possível dos usos. ISOLAMENTO Todas as tubagens compreendidas entre aquelas de água fria. A elevação periódica da temperatura da água quente a 60ºC realiza-se prevendo um oportuno ciclo de programação que eleve por um lado a temperatura do tanque de acumulação por outro que permita a circulação da tal água na instalação.m. Levar periodicamente a temperatura da água distribuída a valores > que 55ºC. em lixeiras ou locais com substâncias inquinadas. Entre estes recordamos: Torres de refrigeração. COLOCAÇÃO DAS TUBAGENS COMO PREVENIR A LEGIONELOSE Constituem tratamentos preventivos à presença da bactéria nas redes hídricas: Evitar a presença de tubagens com traços terminais fechados. Uma idónea disposição das torres de refrigeração que evitem o ar descarregado de ser aspirado nas tomadas de ar externas. clínicas. Cal e Cimento. Acumuladores produtores de água quente sanitária. albergues. Instalações desportivas com duche. devem ser isoladas. A propagação da bactéria acontece quando se encontra em gotas inferiores a 5 milésimos de mm chamados aerossol. Constituem tratamentos preventivos à presença da bactéria nas instalações de climatização: A eficiência dos dispositivos separadores de gotas sobre torres de refrigeração. A cloragem continua por algumas horas. As tubagens enterradas devem ser colocadas pelo menos a 1m das tubagens de descarga e a uma quota superior. A presença de filtros secos sobre o ar externo da unidade de tratamento. Expor a água aos raios UV com auxílio de lâmpadas apropriadas.). 48 Catálogo Técnico . O problema legionela por conseguinte é sentido nos seguintes usos: Hospitais. Duches de sopro. O PPR sistema NIRON é o material menos idóneo à formação de biofilme e consequentemente o menos “prolífico” para o desenvolvimento desta bactéria (ver certificado BELGÁQUA) RESISTÊNCIA AO CLORO LIVRE O PPR utilizado no fabrico do Sistema NIRON pode ser danificado por uma concentração de cloro livre na água superior a 5 mg/l (5 p. acima de quadros eléctricos.p. Para as redes hídricas aconselhase o choque térmico a 60ºC com derramamento de água quente nos usos. Recorda-se que em Itália o limite máximo de cloro livre admitido é de 0. banheiras de hidromassagem e ramos de tubagens sem circulação de água.m. Alguns ambientes mesmo artificiais que possam fornecer tais condições são um potencial factor de amplificação. Quando é necessário uma intervenção de descontaminação intervêm-se com desinfecção química à base de cloro no que diz respeito a aparelhos de climatização. As bactérias estão naturalmente presentes nos cursos de água e nos lagos. Nas instalações de desinfecção da água recomenda-se não empregar o PPR nas proximidades do doseador de cloro. estruturas receptivas.2 p. A sistemática limpeza das instalações para eliminar os nutrientes naturais da bactéria. Instalações centralizadas de água quente sanitária. seja por exigência de contenção de dispersões térmicas ou para evitar a formação de condensação no verão.p. O NIRON e a LEGIONELOSE A bactéria da legionelose vive no biofilme que se forma com o tempo no interior de todos os tipos de tubagens.

na ramificação de usos.2 vezes à do projecto. velocidade até 4 m/s).5 litros. A rede de recirculação pode ser evitada quando: os consumos de água são contínuos ou com interrupções de poucos minutos os distribuidores de água quente servem exclusivamente para o enchimento de banheiras ou tanques a distribuição de água quente não tem um desenvolvimento total superior a 50 metros PINTURA Quando exigido o PPR NIRON pode ser pintado com tinta normal acrílica (à base de água). de válvulas adaptadas para o balanceamento.5 m/sec (a norma EN806 permite. COLUNAS MONTANTES As colunas montantes devem ser adequadamente dimensionadas (ver pag.CONEXÃO A CALDEIRAS E As caldeiras e esquentadores instantâneos para água podem ser ligados directamente às tubagens NIRON apenas se os aparelhos de segurança não permitirem temperaturas máximas a breve ESQUENTADORES termo mais altas que a temperatura de mal funcionamento (95ºC para água quente sanitária e 100ºC INSTANTÂNEOS DE ÁGUA para aquecimento) e uma pressão interna não superior a 1.0 m/s Tubos do Ø 75 ao Ø 200 2. Quando existem mais colunas devem ser equipadas. Catálogo Técnico 49 . A quantidade máxima admissível de água que escapa pelas torneiras antes que seja quente é de 1. 28) e devem ser dotadas na base de intercepções com comportamento não metálico e no topo de amortecedores de golpe d’ariete. VELOCIDADE DA ÁGUA Aconselha-se a não superar as seguintes velocidades da água: Tubos do Ø 16 ao Ø 63 2. na base. REDES DE RECIRCULAÇÃO As colunas de recirculação devem ser adequadamente dimensionadas (a velocidade da água não deve superar os 2m/s) e devem ser ligadas no topo da coluna.

8 25 x 3.3 90 x 12.4 . 14 A GAMA São aqui reportados os principais componentes do Sistema NIRON.SDR 11 90GTF JOELHO TÉCNICO 90º ROSCADO FÊMEA C/ ESTRIBOS 85 20 x 3/8” 20 x 1/2” UNIÃO CRUZAMENTO 20 25 32 85F UNIÃO CRUZAMENTO FÊMEA FÊMEA 20 25 90GTM JOELHO TÉCNICO 90º ROSCADO MACHO C/ ESTRIBOSe 20 x 3/8” 20 x 1/2” 85M UNIÃ CRUZAMENTO MACHO FÊMEA 20 25 90GR 90 JOELHO 90º MACHO / MACHO 16 20 25 32 40 50 63 75 90 110 125 160 200 250 16 x 1/2” 20 x 1/2” 25 x 1/2” 25 x 3/4” 32 x 1/2” 32 x 3/4” 32 x 1” 40 x 1” 50 x 1”1/4 50 x 1”1/2 63 x 1”1/2 63 x 2” GRUPO REGULÁVEL (DIMA)) 20 x 1/2” 92 JOELHO 90º MACHO / FÊMEA 20 25 32 40- 90F JOELHO 90º ROSCADO FÊMEA 92F JOELHO 90º MACHO / FÊMEA ROSCADO 20 x 1/2” 50 Catálogo Técnico .4 40 x 5.5 50 x 6.SDR 9 .1 125 x 17.5 32 x 4. A gama inteira é visível na tabela de preços em vigor.4 .9 63 x 8.SDR 11 90TF JOELHO 90º ROSCADO FÊMEA COM ESTRIBO 1/4 TUBO NIRON COMPOSITO FG/NIRON CLIMA 16 x 1/2” 20 x 1/2” SDR 7.1 160 x 21.3 110 x 15. ARTIGO DIÂMETRO 16 20 25 32 40 50 63 75 90 110 125 160 200 250 20 x 2.9 ARTIGO DIÂMETRO 1 TUBO NIRON SDR EM BARRAS DE 4 m 90M JOELHO 90º ROSCADO MACHO 16 x 1/2” 20 x 1/2” 25 x 1/2” 25 x 3/4” 32 x 1/2” 32 x 3/4” 32 x 1” SDR 6 .SDR 7.6 75 x 10.

ARTIGO DIÂMETRO 16 20 25 32 40 50 63 75 90 110 125 160 200 250 16 20 25 32 40 50 63 75 90 110 125 160 200 250 ARTIGO DIÂMETRO 120 CURVA A 45° 241 REDUÇÃO 20/16 25/16 25/20 32/20 32/25 40/20 40/25 40/32 50/20 50/25 50/32 50/40 63/25 63/32 63/40 63/50 75/20 75/25 75/32 75/40 75/50 75/63 90/63 90/75 110/63 110/75 110/90 125/90 125/110 160/110 160/125 200/160 16 20 25 32 40 50 63 75 90 110 125 16 x 1/2” 20 x 1/2” 20 x 3/4” 25 x 1/2” 25 x 3/4” 32 x 3/4” 32 x 1” 40 x 1” 40 x 1”1/4 50 x 1”1/4 50 x 1”1/2 63 x 1”1/2 63 x 2” 75 x 2” 75 x 2”1/2 90 x 3” 110 x 4” 125 x 4” 16 x 1/2” 20 x 1/2” 20 x 3/4” 25 x 1/2” 25 x 3/4” 32 x 3/4” 32 x 1” 40 x 1” 40 x 1”1/4 50 x 1”1/4 50 x 1”1/2 63 x 1”1/2 63 x 2” 75 x 2” 75 x 2”1/2 90 x 3” 110 x 4” 125 x 4” 130 TÊ 270 UNIÃO 130F TÊ ROSCADO FÊMEA 16 x 1/2” x 16 20 x 1/2” x 20 25 x 1/2” x 25 25 x 3/4” x 25 32 x 1/2” x 32 32 x 3/4” x 32 32 x 1” x 32 270RF UNIÃO ROSCADA FÊMEA 130M TÊ ROSCADO MACHO 16 x 1/2” x 16 20 x 1/2” x 20 25 x 1/2” x 25 25 x 3/4” x 25 32 x 1/2” x 32 32 x 3/4” x 32 32 x 1” x 32 130R TÊ REDUZIDO 16 x 20 x 16 20 x 16 x 16 20 x 16 x 20 20 x 20 x 16 25 x 16 x 25 25 x 20 x 25 25 x 20 x 20 25 x 25 x 20 32 x 20 x 20 32 x 20 x 25 32 x 20 x 32 32 x 25 x 32 32 x 32 x 25 40 x 20 x 40 40 x 25 x 40 40 x 32 x 40 50 x 20 x 50 50 x 25 x 50 50 x 32 x 50 50 x 40 x 50 63 x 25 x 63 63 x 32 x 63 63 x 40 x 63 63 x 50 x 63 75 x 32 x 75 75 x 40 x 75 75 x 50 x 75 75 x 63 x 75 90 x 63 x 90 90 x 75 x 90 110 x 63 x 110 110 x 75 x 110 110 x 90 x 110 125 x 75 x 125 125 x 90 x 125 125 x 110 x 125 200 x 90 x 200 200 x 110 x 200 250 x 90 x 250 250 x 110 x 250 250 x 125 x 250 270RM UNIÃO ROSCADA MACHO 275 UNIÃO FUSÃO DIRECTA ROSCADA 221 CURVA DISTRIBUIDORA 3 VIAS 20 63/25 x 1/2” 63/25 x 3/4” 63/32 x 1” 75/25 x 1/2” 75/25 x 3/4” 75/32 x 1” 90/25 x 1/2” 90/25 x 3/4” 90/32 x 1” 110/25 x 1/2” 110/25 x 3/4” 110/32 x 1” Catálogo Técnico 51 .

ARTIGO DIÂMETRO 50/25 x 20 50/25 x 25 63/25 x 20 63/25 x 25 63/32 x 32 75/25 x 20 75/25 x 25 75/32 x 32 90/25 x 20 90/25 x 25 90/32 x 32 110/25 x 20 110/25 x 25 110/32 x 32 1/2” gas 3/4” gas ARTIGO DIÂMETRO 20 25 32 40 50 63 75 90 110 125 276 UNIÃO FUSÃO DIRECTA 500/B TORNEIRA ESFERA EM PPR PARA EXTERIOR 510 TORNEIRA CORTE 290 TACO ENSAIO ROSCADO MACHO 20 25 301 TAMPÃO 16 20 25 32 40 50 63 75 90 110 125 160 200 515 TORNEIRA CORTE INCLINADA 20 25 32 330 JUNÇÃO SIMPLES TRÊS PEÇAS 20 25 32 40 520 ARO DE SOLDAR 400 32 40 50 63 75 90 110 125 160 200 250 UNIÃO COM JUNÇÃO 20 x 3/4” 25 x 3/4” 25 x 1” 32 x 1” 32 x 1”1/4 40 x 1”1/2 50 x 2” 63 x 2”1/2 521 FLANGE EM ALUMÍNIO 32 40 50 63 75 90 110 125 160 200 250 500 TORNEIRA ESFERA INSPECCIONÁVEL 20 25 32 530 COLECTOR PARA CONTADOR DE ÁGUA 63 x 1/2 FF 63 x 3/4 FF 75 x 1/2 FF 75 x 3/4 FF 90 x 1/2 FF 90 x 3/4 FF 52 Catálogo Técnico .

ARTIGO DIÂMETRO 40 50 63 75 90 110 90E JOELHO 90º ELÉCTRICO 120E CURVA 45º ELÉCTRICA 40 50 63 75 90 110 130E TÊ ELÉCTRICO 40 50 63 75 90 110 270E UNIÃO ELÉCTRICA 20 25 32 40 50 63 75 90 110 125 160 200 250 Catálogo Técnico 53 .

15 DESCRITIVO PARA CADERNO DE ENCARGOS Tubagens para a distribuição de água quente e fria sanitária em PPR 80 IDENTIFICAÇÃO PRODUTO: NIRON / NUPIGECO Materiais Os Tubos e Acessórios empregues para a realização da instalação hidrosanitária serão em Polipropileno Copolíme ro Random 80 (abreviado PPR 80).21 5.5 12.2 5.2 26.7 3.0 50. Horas 100 100 • Classe 1 2 • • • • • • • • Pressão Bar 10 8 Tempo a Toper Anos 49 49 Temperatura max °C 80 80 Categoria de pressão PN20 Densidade mínima do PPR80 0.2 16.2 83.86 1.4 20.898 g/cm3 segundo ISO/R 1183 Módulo de elasticidade mínimo = 700N/mm2 segundo ISO 527 Alongamento de ruptura ≥ 50% segundo ISO 527 Condutividade térmica 0.56 0.0 18.5 15. •  O PPR utilizado para tais condutas deve responder às seguintes normas e/ou características: -  Conforme a norma europeia EN TC 155 system standard 25 e à norma DIN 8077/78 e certificado de marca de conformidade IIP (IT).4 10.0 73. DVGW (D).7 8.6 33. °C 95 95 Tempo di Mal funcion.6 13.6 21.22 0.15 mm/mºK segundo VDE 0304 Rigidez dieléctrica mínima de 75 KV/mm segundo DIN 53481 Os acessórios roscados para conectar aos aparelhos hidrosanitários serão em PPR80 com uma inserção em Latão  CW602N (ADZ) segundo a norma EN12164:98 Dimensões do Tubos e marcação identificativa Diâmetro Externo (mm) 16 20 25 32 40 50 63 75 90 110 125 SDR 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 Espessura mínima (mm) 2.2 42.39 1.4 Conteúdo de água Litros / metro 0.35 0.4 4.83 4. - Atoxicidade atestada por um certificado emitido por um laboratório Italiano e pela entidade NSF (USA) - Resistência à pressão atestada por um certificado emitido pelo laboratório SKZ (D) • A instalação deve responder às seguintes condições de emprego: Temperatura operativa °C 60 70 Tempo a Tmax Anos 1 1 Temperatura Mal funcion. CSTB (F) e CERTIF (PT).4 6.24 W/mk segundo DIN 52612 Coeficiente de dilatação térmica linear 0.08 0.8 Diâmetro interno mm 10.13 0.0 60.46 54 Catálogo Técnico .96 2.

•  ELECTROFUSÃO com apropriada Soldadora. Seguir as disposições do fabricante no que se refere à dilatação térmica linear e aos sistemas de fixação / supor tes. em função do diâmetro do tubo. reserva-se o direito introduzir modificações no presente catálogo sem obrigação de qualquer pré-aviso.Know how Studio Montevecchi . Não expor os tubos directamente aos raios UV. Ensaio da instalação Todas as instalações devem ser ensaiadas a 15 bar como requisitado na norma europeia EN806-4 e reportadas no Catálogo Técnico do produtor. ilustrações contidas no presente catalogo são propriedade de NUPIGECO S. Deverão ser respeitadas as instruções de instalação indicadas no catálogo técnico do fornecedor. Quando são necessárias instalações no exterior empregar as tuba gens NIRON ALU. NUPIGECO S.A. Copyright NUPIGECO S. Rovigo.p. Todos os direitos reservados Catálogo Técnico 55 . reserva-se o direito de modificar o produto sem qualquer pré-aviso. em qualquer meio.p. Pequenas correcções de alinhamento só podem efectuarse imediatamente depois da inserção do tubo no acessório. Não montar tubagens danificadas. Advertências • • • • Não aquecer nunca o tubo com chama livre. As tubagens serão cortadas perpendicularmente à sua linha central e serão limpas antes de iniciar a termofusão.60°C / PN20 . As tubagens serão cortadas perpendicularmente à sua linha central e serão perfeitamente RASPADAS antes de iniciar a Electrofusão.20°C • NSF 61 Montagem das tubagens Em obediência às normas Europe EN806 – 1/ 2/ 3/ 4/ 5/ 6 e à norma italiana UNI 9182 as recomendações prioritárias são: União das tubagens •  TERMOFUSÃO com apropriado Polifusor com temperatura nas matrizes de 260ºC produzido em conformidade à norma DVS2207. NUPIGECO Spa . esquemas. NUPIGECO S.A.p.p. ainda que parcial. NUPIGECO Spa . Deverão ser respeitados os tempos de aquecimento e de montagem. Nos estaleiros  os tubos deverão ser guardados em lugar limpo e protegido.Projecto gráfico e dtp Augusto Tomé – Tradução portuguesa NOTE BEM: desenhos. como indicado no catálogo técnico do fornecedor. É proibida a reprodução. Bibliografia: NORMAS EUROPEIAS EN806 – UNI ENV 12108 – EN ISO 15874 – DIN8077/78 – DIN 16962 – DVS2207 parte 11 – DVS2208 parte 1 – UNI9281 – DIN1988 – prEN806 Agradece-se: Roberta Brusi.Normas e qualidade Giuseppe M.A.Marcação O fabricante marcará sobre o tubo os dados de identificação entre os quais: • Nome do fabricante • Diâmetro e espessura do tubo • DIN 8077/78 • SKZ A 214 • ATG 98/2061 • Categoria de pressão PN10 .A. Proteger o tubo em baixas temperaturas de golpes violentos ou de choques na fase de transporte.

.

Gens. 125 4460-771 Custóias Mts Tel.Sede Legale e Operativa via Stefano Ferrario 21052 Busto Arsizio (VA) tel. (39) 0542-624911 fax (39) 0542-670851 Sede Operativa Imola via Colombarotto 58 40026 Imola (BO) tel.229. (39) 0331-344211 fax (39) 0331-351860 info@nupigeco.com Sede Operativa Castel Guelfo via dell’Artigianato 13 40023 Castel Guelfo (BO) tel.pt .nupigeco. (39) 0542-624911 fax (39) 0542-670851 Em PORTUGAL: HIDRONIR – Sistemas Hidro-Sanitários. Lda.539. Travessa Monte de S.219 E-mail: info@hidronir.910 – Fax +351.535. +351.229.com www.hidronir.pt – Web Site: http://www.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful