Você está na página 1de 33

entidadeentidade promotorapromotora

entidade entidade promotora promotora financiamento financiamento GUIA DO INSTALADOR
entidade entidade promotora promotora financiamento financiamento GUIA DO INSTALADOR

financiamentofinanciamento

entidade entidade promotora promotora financiamento financiamento GUIA DO INSTALADOR
entidade entidade promotora promotora financiamento financiamento GUIA DO INSTALADOR
entidade entidade promotora promotora financiamento financiamento GUIA DO INSTALADOR

GUIA DO INSTALADOR

entidade entidade promotora promotora financiamento financiamento GUIA DO INSTALADOR

José Maria Almeida

José Maria Almeida Pedro.almeida@ineti.pt Jorge Cruz Costa Cruz.costa@ineti.pt

Pedro.almeida@ineti.pt

Jorge Cruz Costa

Cruz.costa@ineti.pt

José Maria Almeida Pedro.almeida@ineti.pt Jorge Cruz Costa Cruz.costa@ineti.pt

Esquema unifilar

INÍCIO Slides 4 a 12

1

7

Esquema unifilar INÍCIO Slides 4 a 12 1 7 7 4 6 CD 2 7 3

7

4

6

Esquema unifilar INÍCIO Slides 4 a 12 1 7 7 4 6 CD 2 7 3

CD

2

7

3

utilização

utilização
utilização
utilização
utilização

8

Esquema unifilar INÍCIO Slides 4 a 12 1 7 7 4 6 CD 2 7 3

9

5

5

7

5

5

CONT: Slide 26 a 33

Esquema unifilar INÍCIO Slides 4 a 12 1 7 7 4 6 CD 2 7 3

7

6

Esquema unifilar INÍCIO Slides 4 a 12 1 7 7 4 6 CD 2 7 3

7

rede

Colector solar

acessórios Ao escolher e montar os acessórios nos colectores ter em atenção :

e montar os acessórios nos colectores ter em atenção : sonda de temperatura bem justa à

sonda de temperatura bem justa à bainha para garantir bom contacto térmico

sonda de temperatura dentro da saída do colector

em instalações de alta temperatura (> 130ºC) não podem ser utilizados purgadores de ar automáticos

atenção à temperatura limite de funcionamento do purgador

CD
CD

Colector solar

ligação entre colectores

• série

Colector solar ligação entre colectores • série baixo custo instalação simples qualquer colector qualquer nº

baixo custo

instalação simples

qualquer colector

qualquer nº colectores

menor rendimento

maior perda de carga

• paralelo

menor rendimento maior perda de carga • paralelo custo mais elevado instalação menos simples qualquer

custo mais elevado

instalação menos simples

qualquer colector

qualquer nº colectores

maior rendimento

menor perda de carga

nº colectores maior rendimento menor perda de carga • paralelo de canais baixo custo instalação simples

• paralelo de canais

maior rendimento menor perda de carga • paralelo de canais baixo custo instalação simples depende do

baixo custo

instalação simples

depende do colector

máximo 4 colectores

maior rendimento

menor perda de carga

de canais baixo custo instalação simples depende do colector máximo 4 colectores maior rendimento menor perda

Colector solar

ligação entre colectores

Colector solar ligação entre colectores A ligação dos colectores deve assegurar o equilíbrio hidráulico do circuito

A ligação dos colectores deve assegurar o equilíbrio hidráulico do circuito, para optimizar o rendimento:

• retorno invertido
• retorno invertido
, para optimizar o rendimento: • retorno invertido • circuito não equilibrado hidraulicamente •

circuito não equilibrado hidraulicamente

alimentação invertida

optimizar o rendimento: • retorno invertido • circuito não equilibrado hidraulicamente • alimentação invertida

Colector solar

ligação entre baterias de colectores e rede de tubagem

ligação entre baterias de colectores e rede de tubagem Alimentação invertida para garantir o equilíbrio

Alimentação invertida para garantir o equilíbrio hidráulico do circuito.

•É a primeira a devolver o fluido (quente)

do circuito. •É a primeira a devolver o fluido (quente) • A última bateria a ser

• A última bateria a ser alimentada

Importante:Importante: Em caso de dúvida contactecontacte oo seuseu fornecedorfornecedor

a ser alimentada Importante: Importante: Em caso de dúvida contacte contacte o o seu seu fornecedor

Colector solar

Inclinação nas fileiras de colectores

Colector solar Inclinação nas fileiras de colectores Assegurar um declive em cada fileira de colect ores

Assegurar um declive em cada fileira de colectores para facilitar a saída de bolhas de ar:

Levantar 2 mm por cada metro de comprimento

fileira de colect ores para facilitar a saída de bolhas de ar: Levantar 2 mm por
fileira de colect ores para facilitar a saída de bolhas de ar: Levantar 2 mm por

Total = 12 mm

fileira de colect ores para facilitar a saída de bolhas de ar: Levantar 2 mm por

Colector solar

colocação (inclinação)

Colector solar colocação (inclinação) A inclinação ideal dos colectores depende do período do ano em que

A inclinação ideal dos colectores depende do período do ano em que a instalação solar vai ser utilizada

Verão Todo ano c) Inverno
Verão
Todo ano
c)
Inverno
a)
a)

b)

Ex: Faro (latitude = 37,47º)

período de utilização

inclinação ideal

a) durante todo o ano

32,5º

b) durante o Verão

22,5º

c) durante o Inverno

52,5º

Notas:Notas: - os sistemas em termossifão nãonão funcionamfuncionam com inclinações inferiores a 15º - há sistemas com limitação na inclinação máxima – contactecontacte oo fornecedorfornecedor

a 15º - há sistemas com limitação na inclinação máxima – contacte contacte o o fornecedor

Colector solar

desvios do ideal

Colector solar desvios do ideal Podem ser necessários desvios do posicionamento id eal (orientação e inclinação)

Podem ser necessários desvios do posicionamento ideal (orientação e inclinação) dos colectores, por motivos estéticos ou de segurança estrutural, por exemplo:

motivos estéticos ou de segurança estrutural, por exemplo: Importante: Importante: desvios superiores superiores a a

Importante:Importante: desvios superioressuperiores aa 2020ºº para nascente ou para poente - contactecontacte oo seuseu fornecedorfornecedor

superiores a a 20 20 º º para nascente ou para poente - contacte contacte o

Colector solar

sombreamento

Colector solar sombreamento L d Altura do sol às 12:00 h solares no solstício de Inverno
L
L

d

Colector solar sombreamento L d Altura do sol às 12:00 h solares no solstício de Inverno

Altura do sol às 12:00 h solares no solstício de Inverno Para instalações AQS assegurar que nestas condições uma fileira de colectores não projecta sombra na fileira de trás

Para colectores com um comprimento (L) de 2 m a distância entre fileiras (d) tem que ser superior a 4,5 m

L=2 m

d > 4.5 m

Na escolha do local para colocação dos colectores ter em consideração os obstáculos existentes e previstos para o futuro que possam provocar sombreamento tais como:

• edifícios próximos

• chaminés e caixas de ascensores

• árvores

que possam provocar sombreamento tais como: • edifícios próximos • chaminés e caixas de ascensores •

Colector solar

estrutura de suporte

Relativamente à estrutura de suporte não esquecer:

suporte Relativamente à estrutura de suporte não esquecer: • não debilitar de forma alguma a es

• não debilitar de forma alguma a estrutura do telhado (coberturas antigas)

• garantir a prefeita impermeabilização dos furos feitos em lajes e em telhas

• a estrutura de suporte não deve impedir o escoamento das águas pluviais

• utilizar parafusos porcas e anilhas de aço inoxidável

• proteger a estrutura metálica da corrosãoio

• garantir a resistência da estrutura à acção do vento e à acção sísmica

• fixação a sapatas de betão no caso em que a superfície de instalação é terra

do vento e à acção sísmica • fixação a sapatas de betão no caso em que

Bomba de circulação

localização e posicionamento

Bomba de circulação localização e posicionamento Instala-se em linha com a tubagem: • na horizontal ou
Bomba de circulação localização e posicionamento Instala-se em linha com a tubagem: • na horizontal ou

Instala-se em linha com a tubagem:

• na horizontal ou na vertical mas

mas

sempresempre com o eixo do motor na horizontal

sempresempre com a caixa de ligações eléctricas acessível

(para cima ou para o lado)

sempresempre respeitando o sentido fluxo indicado

Instala-se na parte mais baixa do circuito hidráulico

• no tubo de ida para os colectores (circuito primário)

• no tubo de ida para o permutador (circuito secundário)

• sempre entre válvulas de seccionamento semsem manípulo

Atenção à temperatura limite de funcionamento

• sempre entre válvulas de seccionamento sem sem manípulo Atenção à temperatura limite de funcionamento

Vaso de expansão

localização e correcta colocação

Vaso de expansão localização e correcta colocação O vaso de expansão tem que ser montado na
Vaso de expansão localização e correcta colocação O vaso de expansão tem que ser montado na

O vaso de expansão tem que ser montado na aspiração da bomba no circuito de ida para os colectores e na posição indicada

Alternativamente poderá ser colocado na seguinte posição

De forma alguma podem existir válvulas fechadas entre o vaso de expansão e o circuito a proteger

na seguinte posição De forma alguma podem existir válvulas fechadas entre o vaso de expansão e
na seguinte posição De forma alguma podem existir válvulas fechadas entre o vaso de expansão e

Vaso de expansão

pressão de enchimento

Vaso de expansão pressão de enchimento A pressão de enchimento do vaso de expansão deverá ser

A pressão de enchimento do vaso de expansão deverá ser igual a 2/3 da pressão do circuito frio e parado

pressão de enchimento
pressão de
enchimento

desmontado

e parado pressão de enchimento d e s m o n t a d o c

c/ bomba parada

c/ fluido quente

e parado pressão de enchimento d e s m o n t a d o c

Comando diferencial

Comando diferencial O comando diferencial compara a temperatura na saída do colector com a temperatura da

O comando diferencial compara a temperatura na saída do colector com a temperatura da zona fria do depósitoo, accionando a bomba circuladora quando valer a pena.

accionando a bomba circuladora quando valer a pena. CD T1 • ∆ T arranque T1 –
CD T1
CD
T1

T arranque

T1 – T2 > 5 – 6 ºC

pena. CD T1 • ∆ T arranque T1 – T2 > 5 – 6 ºC •

T paragem

T2

T1 – T2 < 2 ºC

I/O Existem comandos com mais funções, para interligação com outros componentes (ex: piso radiante)

T2 < 2 ºC I/O Existem comandos com mais funções, para interligação com outros componentes (ex:
T2 < 2 ºC I/O Existem comandos com mais funções, para interligação com outros componentes (ex:

Permutador de calor

permutador interno

Permutador de calor permutador interno Nas aplicações relacionadas com a energia solar térmica, recomenda-se uma
Permutador de calor permutador interno Nas aplicações relacionadas com a energia solar térmica, recomenda-se uma

Nas aplicações relacionadas com a energia solar térmica, recomenda-se uma potênciapotência dede permutapermuta de 750 W/m 2 de colector

Utilizado para pequenos volumes

Pode apresentar baixa eficácia (0,35)

pequenos volumes Pode apresentar baixa eficácia (0,35) Utilizado para pequenos e médios volumes Apresenta
pequenos volumes Pode apresentar baixa eficácia (0,35) Utilizado para pequenos e médios volumes Apresenta
pequenos volumes Pode apresentar baixa eficácia (0,35) Utilizado para pequenos e médios volumes Apresenta

Utilizado para pequenos e médios volumes

Apresenta relativamente maior (0,55)

Permutador de serpentina

para pequenos e médios volumes Apresenta relativamente maior (0,55) Permutador de serpentina Permutador de camisa

Permutador de camisa

para pequenos e médios volumes Apresenta relativamente maior (0,55) Permutador de serpentina Permutador de camisa

Permutador de calor

permutador externo

Permutador de calor permutador externo Permutador de placas apresenta as maiores maiores efic efic á á

Permutador de placas

Permutador de calor permutador externo Permutador de placas apresenta as maiores maiores efic efic á á

apresenta as maioresmaiores eficeficááciascias (0.75)

utilizado em médios/grandes volumes (> 3000 l)

são moduláveis podendo acrescentar-se placas consoante necessidades futuras

na utilização em piscinas deverá escolher-se um permutador de material resistente à corrosão causada pelo tratamento da água.

não esquecer que necessitam de isolamento térmico

de material resistente à corrosão causada pelo tratamento da água. não esquecer que necessitam de isolamento
de material resistente à corrosão causada pelo tratamento da água. não esquecer que necessitam de isolamento

Válvulas

válvula de segurança

Válvulas válvula de segurança a pressão de regulação deve ser inferior à pressão que possa suportar
Válvulas válvula de segurança a pressão de regulação deve ser inferior à pressão que possa suportar

a pressão de regulação deve ser inferior à pressão que possa suportar o elemento mais delicado do circuito

que possa suportar o elemento mais delicado do circuito Psat. [bar] 1.013 1.5 2 3 4
Psat. [bar] 1.013 1.5 2 3 4 5 6 100 111.4 120.2 133.5 143.6 151.8
Psat. [bar]
1.013
1.5
2
3
4
5
6
100
111.4
120.2
133.5
143.6
151.8
158.8

Tebulição da água [ºC]

servem para limitar a pressão dos circuitos

têm de ser manuseadas periodicamente para não bloquear

são obrigatórias por lei em todos os circuitos submetidos a pressão e a variações de temperatura

no caso de haver vários depósitos deverá garantir-se uma válvula de segurança em cada um

no circuito primário colocam-se junto ao vaso de expansão

assegurar que nenhuma outra válvula impede o funcionamento de uma válvula de segurança

atenção à temperatura limite de funcionamento

outra válvula impede o funcionamento de uma válvula de segurança atenção à temperatura limite de funcionamento

Válvulas

válvula de retenção

Válvulas válvula de retenção permite a passagem do fluído num sentido, impedindo-a em sentido contrário válvula
Válvulas válvula de retenção permite a passagem do fluído num sentido, impedindo-a em sentido contrário válvula

permite a passagem do fluído num sentido, impedindo-a em sentido contrário

do fluído num sentido, impedindo-a em sentido contrário válvula de retenção e de fecho Válvulas de
do fluído num sentido, impedindo-a em sentido contrário válvula de retenção e de fecho Válvulas de
do fluído num sentido, impedindo-a em sentido contrário válvula de retenção e de fecho Válvulas de
do fluído num sentido, impedindo-a em sentido contrário válvula de retenção e de fecho Válvulas de

válvula de retenção e de fecho

Válvulas de Retenção

utilizam-se por exemplo:

• na entrada de água fria dos depósitos • nos sistemas em termossifão (mas apenas válvulas com perda de carga associada muito baixa)

atenção à temperatura limite de funcionamento

(mas apenas vá lvulas com perda de car ga associada muito baixa) atenção à temperatura limite

Válvulas

válvulas de passagem e válvulas de regulação

Válvulas válvulas de passagem e válvulas de regulação permitem interromper total ou parcialm ente a passagem
Válvulas válvulas de passagem e válvulas de regulação permitem interromper total ou parcialm ente a passagem

permitem interromper total ou parcialmente a passagem do fluído pelas tubagens • as de fecho total servem, por exemplo, para isolar uma parte do sistema para manutenção • as de fecho parcial servem para produzir uma perda de carga adicional para equilibrar a instalação

uma perda de carga adicional para equilibrar a instalação Válvula de macho esféri co Válvula de
uma perda de carga adicional para equilibrar a instalação Válvula de macho esféri co Válvula de
uma perda de carga adicional para equilibrar a instalação Válvula de macho esféri co Válvula de
uma perda de carga adicional para equilibrar a instalação Válvula de macho esféri co Válvula de

Válvula de macho esférico

Válvula de regulação

em certos locais do circuito não devem ter manípulo de modo a impedir o seu fecho acidental

atenção à temperatura limite de funcionamento

não devem ter ma nípulo de modo a impedir o seu fecho acidental atenção à temperatura

Válvulas

válvula de três vias

Válvulas válvula de três vias permitem a circulação do fluído por vias alternativas podem ser automáticas
Válvulas válvula de três vias permitem a circulação do fluído por vias alternativas podem ser automáticas

permitem a circulação do fluído por vias alternativas

podem ser automáticas sendo o seu funcionamento accionado pelo comando diferencial

atenção à temperatura limite de funcionamento

automáticas sendo o seu funcionamento accionado pelo comando diferencial atenção à temperatura limite de funcionamento
automáticas sendo o seu funcionamento accionado pelo comando diferencial atenção à temperatura limite de funcionamento

Válvulas

válvula misturadora termostática

Válvulas válvula misturadora termostática permite a mistura de água fria da rede com a água quente
Válvulas válvula misturadora termostática permite a mistura de água fria da rede com a água quente

permite a mistura de água fria da rede com a água quente do depósito para uma dada temperatura regulada, pretendida para o consumo

• possibilita extracção de maiores volumes de água

• promove a utilização racional de energia

• evita queimaduras

atenção à temperatura limite de funcionamento

queimaduras atenção à temperatura limite de funcionamento 70 60 50 40 30 20 10 0 -50.0
queimaduras atenção à temperatura limite de funcionamento 70 60 50 40 30 20 10 0 -50.0
queimaduras atenção à temperatura limite de funcionamento 70 60 50 40 30 20 10 0 -50.0
70 60 50 40 30 20 10 0 -50.0 50.0 150.0 250.0 350.0 450.0 550.0
70
60
50
40
30
20
10
0
-50.0
50.0
150.0
250.0
350.0
450.0
550.0
650.0
750.0
850.0
Tem p . u tilização

Volume de água extraído

-50.0 50.0 150.0 250.0 350.0 450.0 550.0 650.0 750.0 850.0 Tem p . u tilização Volume

Depósito de acumulação

características gerais

Escolha do material do depósito

características gerais Escolha do material do depósito • potabilidade da água de consumo • tempo de

• potabilidade da água de consumo

• tempo de vida útil

• potabilidade da água de consumo • tempo de vida útil Minimizar as perdas térmicas •

Minimizar as perdas térmicas

• tempo de vida útil Minimizar as perdas térmicas • colocar de preferência os depósitos no

• colocar de preferência os depósitos no interior

• menor relação possível superfície / volume

• isolamento térmico a toda a volta incluindo base

• protecção mecânica

• usar material isolante nos pés de apoio

Promover ao máximo a estratificação da temperatura da água

• deflectores para a entrada de água

• zona de colocação do permutador

• optar por depósitos verticais sempre que possível

para a entrada de água • zona de colocação do permutador • optar por depósitos verticais

Depósito de acumulação

acessórios e elementos de segurança

de acumulação acessórios e elementos de segurança CONSUMOCONSUMO AA 4040ººcc rede válvula de segurança
de acumulação acessórios e elementos de segurança CONSUMOCONSUMO AA 4040ººcc rede válvula de segurança
CONSUMOCONSUMO AA 4040ººcc
CONSUMOCONSUMO AA 4040ººcc

rede

válvula de segurança (pressão) na parte inferior

válvula de segurança ( pressão e temperatura) na parte superior

purgador de ar

válvula(s) misturadora(s) na saída para o(s) consumo(s)

na ligação entre a rede de tubagem e o depósito acautelar no sentido da utilização de materiais compatíveis para eliminar riscos de corrosão galvânica

no caso de apoio eléctrico é necessário

• uma protecção de 30 mA • utilizar um relógio programador

galvânica no caso de apoio eléctrico é necessário • uma protecção de 30 mA • utilizar

Ligação com o sistema de apoio

um só depósito com dois permutadores

o sistema de apoio um só depósito com dois permutadores Prioridade ao sol - não juntar

Prioridade ao sol - não juntar energia solar e convencional - o apoio convencional deve ser colocado na zona quente do depósito

convencional deve ser colocado na zona quente do depósito Adopção de estratégias para promoç ão da

Adopção de estratégias para promoção da estratificação do depósito

deve ser colocado na zona quente do depósito Adopção de estratégias para promoç ão da estratificação
deve ser colocado na zona quente do depósito Adopção de estratégias para promoç ão da estratificação
deve ser colocado na zona quente do depósito Adopção de estratégias para promoç ão da estratificação
deve ser colocado na zona quente do depósito Adopção de estratégias para promoç ão da estratificação
deve ser colocado na zona quente do depósito Adopção de estratégias para promoç ão da estratificação

Ligação com o sistema de apoio

depósito solar em série com equipamento de aquecimento instantâneo

solar em série com equi pamento de aquecimento instantâneo Fazer este tipo de ligação apenas apenas

Fazer este tipo de ligação apenasapenas com equipamento de aquecimento (esquentador) da família SS

Deixar um bypass para que no Verão o depósito solar possa fornecer directamente o consumo (caso seja possível)

ConsumoConsumo
ConsumoConsumo

Ligação com o sistema de apoio

ligação em série a um depósito com apoio convencional

ligação em série a um depósito com apoio convencional Neste tipo de ligação deve assegurar-se que

Neste tipo de ligação deve assegurar-se que o apoio convencional só funciona a partir de um valor mínimo de temperatura no depósito mais pequeno

assegurar-se que o apoio convencional só funciona a partir de um valor mínimo de temperatura no

Enchimento do circuito primário

limpeza

Enchimento do circuito primário limpeza Após efectuar todas as ligações entre os diversos componentes da

Após efectuar todas as ligações entre os diversos componentes da instalação:

cobrir os colectores solares de preferência com uma lona reflectora verificar o correcto posicionamento e a correcta localização de todos os componentes verificar se não há válvulas fechadas inadvertidamente abrir os purgadores de ar incluindo o do circulador encher lentamente o circuito da parte inferior para a superior fechar todos os purgadores quando começar a sair fluido deixar circular o fluido por uns minutos para arrastar a sujidade proceder ao esvaziamento

começar a sair fluido deixar circular o fluido por uns minutos para arrastar a sujidade proceder

Enchimento do circuito primário

enchimento final e purga

Após a limpeza do circuito:

enchimento final e purga Após a limpeza do circuito: abrir o elemento de purga da bomba

abrir o elemento de purga da bomba de circulação antes de a colocar em funcionamento

comprovar que todas as válvulas de fecho estão na sua posição correcta (abertas ou fechadas)

proceder ao enchimento do circuito primário com os colectores tapados até que circule fluido nos purgadores (abertos)

fechar todos os elementos de purga e afinar a pressão do circuito

comprovar mais uma vez a inexistência de fugas

proceder ao isolamento da tubagem apenas após o teste de estanquicidade

comprovar mais uma vez a inexistência de fugas proceder ao isolamento da tubagem apenas após o

Enchimento do circuito primário

acabamentos finais

Enchimento do circuito primário acabamentos finais Após o enchimento e purga e depois de assegurada a

Após o enchimento e purga e depois de assegurada a estanquicidade:

enchimento e purga e depois de assegurada a estanquicidade: limpar e secar a tubagem de resíduos
enchimento e purga e depois de assegurada a estanquicidade: limpar e secar a tubagem de resíduos

limpar e secar a tubagem de resíduos da soldadura e outros

proceder ao isolamento da tubagem não esquecendo

• ligações entre colectores

• permutadores externos

• base do depósito

utilizar colas adequadas ao material utilizado

aplicar sempre as medidas correctas de isolamento por forma a ficar justo ao troço a isolar

utilizar protecção mecânica nos troços exteriores e de transposição de paredes e lajes de

cobertura bem como no depósito de acumulação

garantir que a instalação fica parada pelo menos um dia para assegurar a colagem e

endurecimento do adesivo

acumulação garantir que a instalação fica parada pelo menos um dia para assegurar a colagem e

Instrumentação mínima

Instrumentação mínima Em instalações com uma certa dimensão deverá deixar-se o circuito com: bypass para contador

Em instalações com uma certa dimensão deverá deixar-se o circuito com:

bypass para contador antes da válvula de 3 vias bypass para instalação de um caudalímetro

tês com bainha nos locais onde eventualmente seja necessário medir a temperatura

indicador da temperatura do depósito

tês com bainha nos locais onde eventualm ente seja necessário medir a temperatura indicador da temperatura
•OBRIGADO

•OBRIGADO

•OBRIGADO