Você está na página 1de 13
Seminário “Liderança Cristã” Introdução ao conceito de Liderança no cotidiano Cristão APOSTILA DO

Seminário

“Liderança Cristã”

Introdução ao conceito de Liderança no cotidiano Cristão

APOSTILA DO PARTICIPANTE

Nome:

Local: Igreja Evangélica Assembléia de Deus em Turiaçú – IEADC Dias: 23 e 30 de março de 2012. Professor: Diego Rocha

2

Sobre o autor:

GRADUAÇÃO

Gestão de Recursos Humanos pela Universidade Castelo Branco – UCB, conclusão 2010.

Licenciatura em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ, em andamento.

Bacharel em Teologia pela Faculdade Teológica e Cultural da Bahia – FATECBA, em andamento.

ESPECIALIZAÇÃO

Pós-Graduação Lato-Senso em Docência do Ensino Superior pelo Instituto A Vez do

Mestre – IAVM/ Universidade Cândido Mendes – UCAM, conclusão em 2012.

CURSOS

Saúde, Desastres e Desenvolvimento pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Básico em Defesa Civil pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Assistente Administrativo pelo SENAI. Gestão Empresarial pela Unidade Corporativa. Capelania Pós-Desastres pela Subsecretaria de Defesa Civil do Rio de Janeiro - SUBDEC Recrutamento e Seleção pelo SEBRAE.

EXPERIÊNCIA

Superintendente e Professor da Escola Bíblica Dominical por mais de 4 (quatro) anos.

Responsável por Evangelismo da Caravana Missionária Resgatando Almas – EMICRA.

Cofundador do trabalho social Casa Criança no bairro Vitória – Campo Grande.

Instrutor de Agentes de Saúde e Responsável pelo setor de Programas e Projetos do Centro de Treinamento para Emergências – CETREM da Subsecretaria de Defesa Civil da Cidade do Rio de Janeiro.

CONTATOS:

DIEGO ROCHA BRAGA DE ARAÚJO

Cel.: (21) 8808-9599 Tel.: (21) 2411-0396 e-mail: diego.rocha_evangelista@hotmail.com Blog: DiegoRBAraujo.blogspot.com Redes Sociais: twitter.com.br/DiegoRBAraujo e facebook.com/DiegoRBAraujo

Seminário

sobre Liderança Cristã

3

INTRODUÇÃO

O que é Liderança? Liderança é o processo de conduzir um grupo de pessoas a um objetivo comum.

Quem é o líder? Líder é aquele que recebe tal responsabilidade, assumindo o compromisso de levar o grupo àquele objetivo.

Portanto, entende-se que o ato de liderar requer conhecimentos específicos, técnicas de relacionamento e um aprendizado contínuo no convívio com as pessoas. Por isso não se pode confundir a função administrar com a de liderar pessoas, pois a habilidade de conduzir administrativamente uma igreja e controlar bem suas finanças, não credencia ninguém como um verdadeiro líder. Por isso exige-se do líder o estabelecimento de objetivos claros e alcançáveis, pois a falta destes mostrará a deficiência de uma liderança que nunca sabe o que alcançou e que lidera um grupo sem destino e conquistas, consequentemente um grupo sem motivações. Além dos objetivos, precisa-se de comprometimento com pessoas, pois não há como liderar coisas, lidera-se pessoas.

1.1 ESTILOS DE LIDERANÇA

Autocrática: todas as ações estão focadas no líder, sem que haja qualquer participação do grupo, é ele quem determina as providências e as técnicas para a execução das tarefas; É caracterizado pela decisão unilateral, sem abertura de espaço para novos líderes desenvolverem seu potencial. Suas características mais marcantes são a EXIGÊNCIA e o foco nos “resultados” em detrimento das pessoas; Democrática: a ênfase é no líder e nos subordinados, o grupo debate e decide as diretrizes, há estímulos e assistência do líder para com os subordinados, o grupo esboça as providências e as técnicas para atingirem o alvo esperado ou a meta principal da empresa. O líder coloca seu foco nas pessoas e não no objetivo, por isso a decisão é sempre coletiva

Seminário

sobre Liderança Cristã

4

e não particularizada. Liderança Laissez-Faire (Liberal) - criada por Lippitt e White, e tem por característica a ausência de liderança. O significado da palavra Laissez-faire em língua francesa quer dizer literalmente "deixai fazer, deixai ir, deixai passar". Neste estilo o liderado possui total autonomia, pois atingiu um alto grau de maturidade, comprometimento e responsabilidade. Isso o exclui de um supervisão mais acentuada advinda do líder.

1.2 PRÍNCIPIOS DE LIDERANÇA

O ato de liderar é um capacidade instituída por Deus, por isso existem inúmeros

princípios compatíveis com as Sagradas Escrituras que servem de base para o aspirantes a Liderança Cristã. Segundo o Pastor Josias Moura existem pelo menos nove princípios de liderança, os quais são:

1.2.1 Os líderes tocam o coração antes de pedir ajuda:

Para liderar-se basta apenas usar a cabeça, no entanto para liderar pessoas é neces- sário a utilização do coração. O êxito da gestão está no quanto a liderança consegue co- nhecer da sua equipe individualmente e de como fará para estimular a emoção de cada membro em particular. Se esta ligação for firme, a possibilidade de consenso e união serão gigantes.

1.2.2 O potencial de um líder é determinado pelas pessoas mais próximas dele:

Liderança são pessoas, por isso a capacidade do grupo escolhido pelo líder deter- minará o potencial de alcance da equipe, ou seja, se as pessoas são fortes, o líder pode rea- lizar grandes coisas, se são fracas, nada feito. Quando a isso, observa-se a impossibilidade de uma Liderança Solitária, pois o só não lidera ninguém

1.2.3 Não existe sucesso do dia para a noite. Liderança é aprendizado:

A diferenciação entre os lideres dos seguidores reside na habilidade de desenvolvi-

mento continuado, ou seja, o líder consegue manter um aprendizado constante e com isso está sempre aperfeiçoando suas habilidades. Líderes são aprendizes e entendem a Lideran-

Seminário

sobre Liderança Cristã

5

ça como investimento que rende juros, mas exige muito: respeito, experiência, força emo- cional, habilidade com pessoas, disciplina, visão, ímpeto e senso de oportunidade.

1.2.4 A verdadeira medida da Liderança é a influência – nada mais, nada menos:

A característica do alcance da excelência na Liderança esta no fato de as pessoas o seguirem aonde você for, mesmo que por mera curiosidade. Portanto entende-se que a verdadeira liderança não pode ser concedida, nomeada ou atribuída.

1.2.5 Qualquer um pode pilotar o barco, mas só um Líder sabe traçar o percurso:

Segundo Leroy Eims: “ O líder é aquele que vê mais do que os outros, que vê mais longe do que os outros, que vê antes dos outros”. Saber administrar retamente e com exa- tidão não credencia uma pessoa como líder, pois as pessoas precisam de líderes capazes de navegar eficientemente. Os navegadores vislumbram a viagem com antecedência.

1.2.6 Quando o verdadeiro líder fala, as pessoas ouvem:

Os olhos revelam (em uma reunião): Quando alguém fez uma pergunta, para quem olham as pessoas? Quem. elas esperam ouvir? O verdadeiro teste de liderança não é o ponto de partida, mas o ponto de chegada.

1.2.7 Sete aspectos fundamentais na vida dos líderes que os fazem se destacar:

Caráter, Relações, Conhecimento, Intuição, Experiência, Êxitos passados e Capa-

cidade.

1.2.8 Só líderes seguros delegam poder aos outros:

O líder não precisa excluir os liderados com potencial de liderança ou com habili- dades extraordinárias em determinada tarefa. O importante é extrair o máximo de potenci- al desta equipe e delegar funções e tarefas aos seus seguidores. Todavia existem líderes que descartam os líderes fortes, esquecendo-se que a boa liderança é constatada quando se tem a capacidade de perceber homens competentes que façam o que se quer que faça, e quando o líder tem autodomínio para não se intrometer no trabalho desses homens.

Seminário

sobre Liderança Cristã

6

1.2.9 Credibilidade:

As propostas “absurdas” do líder fazem com que os liderados fiquem receosos

acerca deste caminho novo apontado pelo líder, contudo a confiança e a credibilidade que

este possui faz com que todos o concedam uma oportunidade de provar sua assertividade

nesta decisão. Quanto a isso, compreende-se que a experiência somada a credibilidade são

fundamentais para a adesão da equipe as decisões do líder.

1.3 REQUISITOS PARA SER UM BOM LÍDER:

Tanto os que são líderes como os que esperam ser, devem estar conscientes dos se-

guintes requisitos e conceitos:

Capacidade de liderança é um dom de DEUS.

Essa capacidade dever ser desenvolvida pela educação, instrução e treinamento

No reino de DEUS a liderança dever ser exercida por aqueles que demonstram de- sejo de servir e não de “aparecer”. O evangelho em si é um serviço de DEUS aos homens e destes aos seus semelhantes. Examine-se e veja se o seu desejo é moti- vado pelo desejo de servir ou, de ser reconhecido.

Facilidade de expressão e conhecimentos gramaticais ajudam o líder na tarefa de “comunicar”. Quanto melhor fora a vida devocional do líder, melhor será a sua li- derança.

Todo líder deve conhecer “regras parlamentares”. Isso o ajudará na direção de reu- niões ou assembleias de caráter administrativo.

Ao líder não pode faltar o conhecimento básico de “boas maneiras”; isso o ajudará no seu intercâmbio social.

Conhecimento específico e profundo do que diz respeito ao seu campo de ação e generalizado, em outros assuntos, são necessários ao bom líder.

Firmeza, humildade e amor, precisam estar juntos, sempre, na ação do líder evan- gélico. Pontualidade nos compromissos e horários, deve ser uma característica marcante do líder cristão.

Seminário

sobre Liderança Cristã

7

Não se pode exercer uma boa liderança sem conhecimento profundo da vida e dos problemas dos liderados.

Para ocupar um posto de liderança é preciso conhecer bem a história, princípios, leis, estatutos, regimento e tudo mais que diga respeito à organização onde será exercida a liderança.

Conhecer bem as Escrituras e as Doutrinas que caracterizam o grupo, igreja ou de- nominação, são essenciais a uma liderança capaz e eficiente.

Acerto na escolha de auxiliares dará tranquilidade ao líder.

Administração em grupo (diretoria) com distribuição de tarefas, deverá manter a unidade na pluralidade de ação.

1.4 LIDERANÇA DE JESUS

Objetivo: livrar os homens do pecado originado no Éden e cumprir o plano de Salva- ção;

Comunicou: a mensagem de seu Pai em uma linguagem entendível ao povo da época em uma língua comum na Palestina, aramaico. Seus principais temas eram o amor e nova vida;

Planejou: quando especificou seus desejos aos discípulos e escolheu 12 homens para a liderança, treinando-os durante 3 anos.

Delegou: a missão de espalhar a mensagem de salvação a todo o mundo.

Inovou: ao romper com as antigas tradições religiosas da época e buscou um ensino ao ar livre, de forma a alcançar as prostitutas, os cobradores de impostos e os pecado- res. A partir daí curou no sábado e debateu com os mais sábios entre os religiosos.

Motivou: ao enviar o Consolador prometido aos seus discípulos. Este episódio foi de- terminante para o levante dos cristãos que estavam em esconderijos, todos com espíri- to de medo ocasionado pela morte do Messias. A partir daí a Igreja cresceu extraordi- nariamente.

1.5 A ESCALA DE VALORES DO LÍDER CRISTÃO

O líder cristão é diferente de todos os outros, pois a Bíblia

é

o

seu

manual

Seminário

sobre Liderança Cristã

8

balizador e por isso as suas decisões são mediadas e medidas pelos princípios expressos nos mandamentos cristãos. Sendo assim suas prioridades sempre giram em torno dos seguinte itens:

1º CRISTO: É o principal ajudador do líder, por isso é o primeiro em qualquer momento

ou circunstância e nenhuma possibilidade de atuação exclui o Messias.

2º PESSOAS: São fundamentais para um líder, pois através delas que surge a liderança.

Sendo assim, faz necessário um conhecimento detalhado de cada componentes da equipe.

3º IGREJA: É o local de concentração dos lideres cristãos, onde se pode assumir posições no trabalho cristão e potencializar pessoas para o alcance de determinados objetivos.

4º EU: Após o cumprimento de todos os desafios da liderança Cristã, o líder busca sanar

suas próprias pendências. Neste ponto consegue-se atender a sua família e suas particula- ridades.

Esta escala parece até contraditória, mas o fato é que assumir uma posição no ser- viço cristão é escolher cumprir a vontade de Cristo em qualquer momento ou circunstân- cia. Sendo assim, prioriza-se pessoas em detrimento de sua própria vontade, o fato é negar a si mesmo para servir ao próximo.

Dentre os objetivos temos: o “Servir a Cristo e Seu Reino, como embaixadores” (Mt 6.33,2 Co 5.19-20); também o priorizar as “Almas” (Mt 28.18-20); o método de ser “Missionário, através do Corpo de Cristo (a Igreja)” (Mt 16.18-19); e a condição de ser o “eu” (Mc 19.35, Lc 9.46-48) o menor servo.

1.6 DIFERENÇA DO LÍDER NATURAL PARA O ESPIRITUAL

Segundo o pastor Walter Santos da Igreja Batista Sião em Salvador existem diferenças entre o líder natural do espiritual, as quais são:

O Líder Natural

É autoconfiante

Seminário

sobre Liderança Cristã

9

Conhece os homens

Toma as próprias decisões

Usa os próprios métodos

Gosta de comandar os outros (e ser obedecido)

É motivado por questões pessoais

É independente.

Bem diferente, portanto, do Líder Espiritual, o qual:

Confia em Deus

Conhece os homens e conhece a Deus

Faz a vontade de Deus

É humilde

Usa o método de Deus

Busca obedecer a Deus

É motivado pelo amor a Deus e aos homens

Dependência de Deus

Além do mais, o líder cristão deve entender que:

Nada se faz sem consultar a DEUS. Um razoável período de oração deve pre- ceder cada decisão.

Nada se faz que não seja do interesse ou para o bem geral do grupo.

Nada se faz sem a aceitação do grupo. A unanimidade nas decisões é o ideal. Mais de dez por cento do grupo contrário a qualquer decisão, deve fazer com que o assunto fique sobre a mesa para reestudo.

Nada se faz sem consultar pessoas que já tiveram o mesmo problema ou pes- soas mais experimentadas.

Nada se faz sem ouvir opiniões contrárias, quando há. Nada se faz sem estudar as várias soluções oferecidas. Nada se faz sem estudar as vantagens e desvan- tagens.

Nada se faz sem ter, pelo menos, três orçamentos (em se tratando de serviços entregues a terceiros).

Seminário

sobre Liderança Cristã

10

Nada se faz sem avaliar as possibilidades econômicas e financeiras.

Nada se faz sem organizar um esquema de execução.

1.7 LIDERANÇA – BARREIRAS E ERROS

Barreiras à delegação do poder

Desejo de segurança e “status” – O único líder verdadeiro é aquele que se repro- duz!

Resistência à mudança.

Falta de auto-estima.

Só os líderes seguros são capazes de doar.

As melhores coisas acontecem somente quando você dá a fama aos outros.

1.8 LÍDER MEDÍOCRE

A mediocridade é uma das características do ser humano que não combinam com o

líder, pois segundo o Dicionário Aurélio esta palavra se caracteriza por falta de relevo ou

vulgaridade, ou seja, o indivíduo não é bom nem mau. Sendo assim vejamos algumas ati-

tudes de um líder medíocre:

ESTÁ SEMPRE CERTO: ele não aceita perder nunca, por isso tem sempre ga-

nhar uma discussão, nem que para isso tenha que forçar as pessoas a concordarem

com sua opinião e a realizarem todas as tarefas do seu jeito. Isso porque o seu ego

nunca permite que eles aceitem que estão errados ou que cometeram um erro. Isso

acaba destruindo qualquer possibilidade de criatividade ou inovação dentro da

equipe.

PERDE FACILMENTE A CALMA: ele acaba utilizando esta raiva e destempera-

mento para intimidação dos liderados e como forma de controle emocional.

Seminário

sobre Liderança Cristã

11

EXTERNA SEUS PROBLEMAS CULPANDO OS OUTROS: com esta atitude ele não soluciona os problemas e nem evita que surjam novos, ao invés disso, ele faz aumentar o ressentimento e a desmotivação da equipe.

POUCA TOLERÂNCIA E NENHUMA PACIÊNCIA: usa o desrespeito como arma de dominação, com isso diminui a sua equipe e cria um ambiente muito de- sagradável, no qual contribui para matar a motivação e energia de todos os lidera- dos.

NÃO CONSEGUE CONTROLAR-SE: ele precisa estar no controle permanente- mente, pois quando alguém comanda sente-se perdido e desconfortável. Ao seu entender ele possui todas as respostas, e por isso acha que sempre devem ser a resposta certa ou mais adequada a situação.

MEDO DE DELEGAR: ele trata seus iguais como seguidores desprovidos de cog- nição, que estão a postos para cumprir suas ordens “da sua melhor maneira possí- vel”. Esta atitude contribui para acabar com a liberdade de expressão, com a diver- sidade e com qualquer possibilidade de mudança interna.

SEM PROPÓSITO MAIOR NA VIDA: baseia sua prática na busca excessiva por melhora nas estatísticas, em detrimento das pessoas que compõem sua equipe. Para isso cobram demasiadamente e perturbam o ambiente ao invés de estimular as pessoas.

NÃO TÊM HABILIDADE DE RECONHECER SINCERAMENTE: o seu conhe- cimento da equipe baseia-se no resultado produtivo que as mesmas apresentam e não pelo que elas são efetivamente. Por não serem capazes de lidar com suas pró- prias emoções, eles se abstêm de lidar com as emoções dos outros.

BAIXÍSSIMA INTELIGÊNCIA EMOCIONAL: em sua grande maioria ele é for- mado em Universidades de altíssimo nível, por isso apresentam alto grau de inteli- gência e muito conhecimento técnico. No entanto ele é desprovido de habilidade de relacionamento, devido a sua pobreza nas qualidades pessoais, de personalida- de e caráter, que são fundamentais para liderar e inspirar uma equipe.

Seminário

sobre Liderança Cristã

12

SEM AUTENTICIDADE E HONESTIDADE: ele utiliza pequenas mentiras, mei-

as verdade ou falsas promessas com objetivo de ludibriar o público, mas esquece

que pequenas atitudes contribuem para a sua ruína. As pessoas podem esquecer do

que foi dito ou feito a elas, no entanto jamais esquecerão das pessoas que o fize-

ram.

1.9 CINCO PILARES DO SERVIÇO CRISTÃO

DEUS quando chama tem um trabalho para lhe dar. No reino de DEUS não há banco de reserva.

DEUS quando chama tem um local para você servi-Lo. Isso não significa que o seu traba- lho não possa ser itinerante.

DEUS quando chama, capacita o obreiro para o trabalho, ou dá o trabalho de acordo com a capacidade do obreiro.

DEUS quando chama tem um salário razoável para o obreiro. ELE não pode ser um mau patrão.

DEUS quando chama tem a solução para todos os problemas que essa chamada porventu- ra possa ocasionar.

1.10 ORGANOGRAMA DAS IGREJAS

  MASCULINO Ministério APÓSTOLO (Em poucas), BISPO (Em algumas), PASTOR, PRESBÍTERO, EVAN- GELISTA E
  MASCULINO Ministério APÓSTOLO (Em poucas), BISPO (Em algumas), PASTOR, PRESBÍTERO, EVAN- GELISTA E
 

MASCULINO

Ministério APÓSTOLO (Em poucas), BISPO (Em algumas), PASTOR, PRESBÍTERO, EVAN- GELISTA E MISSIONÁRIOS (Em algumas)

Obreiros DIÁCONO, TRABALHADOR E COOPERADOR (Em algumas)

Obreiros DIÁCONO, TRABALHADOR E COOPERADOR (Em algumas)

Obreiros DIÁCONO, TRABALHADOR E COOPERADOR (Em algumas)
Obreiros DIÁCONO, TRABALHADOR E COOPERADOR (Em algumas)   FEMININO Ministério PASTORA (Em algumas),
Obreiros DIÁCONO, TRABALHADOR E COOPERADOR (Em algumas)   FEMININO Ministério PASTORA (Em algumas),
 

FEMININO

Ministério PASTORA (Em algumas), PRESBÍTERA E EVANGELISTA (Em poucas) E MISSIO- NÁRIA.

Obreiras DIACONISA, TRABALHADORA E COOPERADORA (Em algumas)

Obreiras DIACONISA, TRABALHADORA E COOPERADORA (Em algumas)

Obreiras DIACONISA, TRABALHADORA E COOPERADORA (Em algumas)

Seminário

sobre Liderança Cristã

13

Em Efésios 4:11 – 12 o apóstolo Paulo diz: “ E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outro para pastores e doutores, queren- do o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo,” . Em 1 Coríntios 12: 28 Paulo fala ainda mais, pois diz: “E a uns pôs Deus na Igreja, primeiramente apóstolos, em segundo lugar , profetas, em terceiro, doutores, de- pois, milagres, depois, dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas.

Existe hierarquia eclesiástica? Quem é o líder? Será que socorros é menor que mi- lagres? Pastores são superiores aos evangelistas? Onde se aplica a Liderança Cristã?

CONCLUSÃO

Há muitos desafios para a atual Liderança Cristã. Segundo Wiersbe (apud Pr. Wal- ter Santos Baptista) “Paulo exclamou com as veras da sua alma: "não me envergonho do evangelho!" E sugere que talvez o evangelho afirme: "(mas) eu me envergonho dos cris- tãos". Quanta coisa tem sido praticada em nome do evangelho, com aparência de evange- lho, com linguagem de evangelho, e tem dado como resultado superficialidade de convic- ções, confusão mental e espiritual, e enfraquecimento da fé porque os líderes, pastores ou não, têm aberto campo para a falta de ética, para a manipulação dos sentimentos, para a falta de integridade”.

Portanto neste século precisamos de uma liderança pura e santa. Que veja nos prin- cípios bíblicos a fonte de conhecimento e o respaldo para as tomadas de decisão. Não po- demos baixar a guarda para o Diabo, pois cada dia mais ele tentará nos parar na Obra do Senhor, mas temos por certo que se resistirmos ao Diabo e nos sujeitarmos a Deus, ele fu- girá de nós.

Seminário

sobre Liderança Cristã