Você está na página 1de 26

ESCOLA VIVA

JORNAL OFICIAL DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE ALBUFEIRA 2ª EDIÇÃO– MARÇO 2009

7 0 Pa l a v r a s

O AMOR FOI REI NO


MÊS DE FEVEREIRO

Nesta edição:
OPINIÃO P. 2

Editorial, Fundação
Jack Petchey, Educa-
ção Online, Associa-
ção de Pais

A NOSSA ESCOLA DISTRIBUIU SORRISOS DEPARTAMENTOS P. 6


NO DESFILE DE CARNAVAL DAS ESCOLAS DISCIPLINARES

Línguas, Ciências Físi-


cas e Exactas,
Ciências Humanas e
Sociais, Artes e
Expressões

PROJECTOS E P. 16
CLUBES

Biblioteca, Parlamento
dos Jovens, Aluno
Inventor, Eco-Escolas,
Clube “Amigo é”

DESPORTO P. 24
A FUNDAÇÃO JACK PETCHEY APOIA O
ESCOLA VIVA PASSATEMPOS P. 25
2– OPINIÃO ESCOLA VIVA

FUNDAÇÃO JACK PETCHEY Objectivos da Fundação

APOIA A EBSA
O objectivo da Fundação Jack Petchey é o de
ajudar a desenvolver o potencial dos jovens
entre os 11 e 25 anos , em particular os que
estão a enfrentar as dificuldades do Século XXI.
A Fundação quer ajudar a gente jovem a tomar parti-
do nas oportunidades que lhes surjam e a desempenhar
as suas funções na sociedade.
A Fundação teve início em Inglaterra em 1999 e alar-
gou a área que abrange para o Algarve, em Abril de
2004, mais precisamente no Concelho de Albufeira .
As áreas actuais para a atribuição dos subsídios no
Algarve são os Concelhos de Albufeira, de Loulé e Sil-
ves .
Há 4 métodos principais para a atribuição dos subsí-
dios de apoio: Prémios de Realização, Subsídios a Pro-
jectos, Prémios de Liderança e Patrocínios.
http://www.jackpetcheyfoundation.eu
Excelentes benefícios para os participantes
Para além de
permitir que a
EDITORIAL Escola reconheça
o esforço e a rea-
lização de jovens

E is o segundo número do jornal ESCOLA de uma maneira


prática e positiva,
VIVA. o prémio fornece
Depois da boa aceitação da edição de Fevereiro, fundos adicionais
o desafio aumentou, pois a nossa intenção é úteis para escolas.
sempre fazer melhor e limar, tanto quanto possível, as A Escola ou Clu-
be pode nomear
arestas do nosso trabalho. Essa é , no fundo, a missão um adulto
de qualquer pessoa envolvida no processo educativo (Professores /
(professor, pai, aluno) - realizar sempre o melhor pos- Líderes / voluntá-
sível as suas tarefas, no sentido de melhorar diaria- rios) que apoie os jovens numa maneira que se saliente
para ganhar o Prémio de Liderança
mente as suas práticas e tornar-se cada vez mais com- Os Prémios de Realização Jack Petchey são entregues
petente. aos jovens (normalmente entre os 11 e 25 anos ), que se
Como se pôde ver na primeira edição, tentámos fazer distinguem ou contribuem de qualquer modo para o seu
do ESCOLA VIVA um espelho de tudo o que aconte- clube / escola ou grupo associativo.
O beneficiado recebe um Certificado emoldurado
ce, incluindo as actividades e opiniões de todas as for- para guardar e € 300 para gastar num projecto da
ças vivas da comunidade educativa. escola à sua escolha. Os subsídios não podem ser gastos
Destacamos nesta edição os muitos trabalhos e textos em benefício próprio, mas sim utilizados em benefício
produzidos pelos alunos, bem como a notícia de algu- das escolas.
mas das actividades realizadas.
Na nossa Escola
Numa escola que se caracteriza pelo dinamismo e
participação de todos os agentes, com a preocupação Na EBSA foram já entregues cinco prémios de
de colocar os alunos no centro do processo educativo, a
realização (ver última página) e estão a ser desen-
tarefa de construir um jornal é bastante facilitada. volvidos os projectos “Cozinheiro Matemático”,
E é precisamente o facto de a equipa editorial deste“Entra na Onda”, Imprimir Expressões”, “À pro-
cura da Arte” e o Projecto Jack Petchey Desafio
jornal ser toda a escola, que faz desta publicação uma
Speak Out, o maior desafio mundial de Oratória
ESCOLA VIVA .
Juvenil, cuja grande final decorreu no dia 12 de
Março, no Auditório Municipal de Albufeira.
Professor Paulo Redondo A Escola agradece o apoio da Fundação Jack
Coordenador do Jornal Petchey na publicação do ESCOLA VIVA .
ESCOLA VIVA OPINIÃO-3

A EDUCAÇÃO…ON LINE

No que respeita aos sítios da


internet em que o tema central
é a Educação, destacamos nes-
ta edição o Portal da Juventude
(juventude.gov.pt) e o Portal de
Educação da Porto Editora
(educare . pt)

www.educare.pt-

A
Porto Editora inaugurou, há alguns anos,
o primeiro Portal de Educação portu-
guês.
É um sítio onde poderá encontrar notícias
actualizadas diariamente, apoio especializado
para pais, professores e alunos, legislação do
sector, exames e sua resolução, agenda de
acontecimentos e muito mais.
Destacam-se, acima de tudo, as informações
sobre a política de educação e os fóruns de dis-
www.juventude.gov.pt cussão em torno de temas ligados à Escola e à
docência.

O
Portal da Juventude é um projecto da Apesar de os professores serem os seus utiliza-
Secretaria de Estado da Juventude e do dores mais habituais, o sítio interessa particular-
Desporto. É um sítio da internet construí- mente aos pais, uma vez que há semanalmente
do com os jovens e para os jovens. artigos de opinião produzidos por especialistas,
Podemos aceder a todas as informações ins- que passam por temas tão diversos como a ado-
titucionais e governamentais que interessam à lescência, o insucesso escolar, os direitos e
juventude: emprego, tempos livres, saúde e deveres dos pais, professores e alunos, pedia-
sexualidade, associativismo e um sem-número tria (diversos artigos), etc…
de outros assuntos ligados às temáticas juvenis.
Com uma imagem apelativa e uma utiliza- Professor Paulo Redondo
ção muito simples, é um site bastante útil para
quem queira, por exemplo, conhecer o país, uti-
lizando o comboio e pernoitando nas muitas
Pousadas da Juventude, uma vez que tem links
para a Movijovem, entidade que é responsável
pela gestão do Cartão Jovem e das Pousadas.
Outra mais-valia deste portal é a actualiza-
ção constante da legislação e oferta educativa
e formativa para vários tipos de situações: ensi-
no especial, e-learning, estudar no estrangeiro,
cursos profissionais, desporto escolar, etc.
Um sítio, sem dúvida, a visitar.
Cartão jovem – uma iniciativa com
Professor Paulo Redondo mais de 20 anos!
4– OPINIÃO ESCOLA VIVA

A Escola Pública Moderna não se


pode limitar aos professores e alu-
nos. Os pais têm um papel cada
vez mais activo na construção da
comunidade educativa. É o que a
APEBSA nos recorda, neste artigo

APEBSA COM OS PAIS/ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO NA ESCOLA


REUNIÃO COM FESTA
4ª F. - 12H00 ÀS ASSEMBLEIA
DELEGADOS DOS "PAIS NA ESCO-
13H30 GERAL
E.E. DAS TURMAS LA"
ABRIL 1 e 15 27
MAIO 6 e 20 9
JUNHO 3 e 17 1 12

L
embramos todos os alunos, pais/ nossos filhos, o nosso MUITO OBRIGADO.
encarregados de educação e restante Ouvir e Apoiar os Pais nas suas dúvidas e
comunidade escolar que a APEBSA, opiniões é um Direito e um Dever da Escola.
para além dos dias marcados no quadro Novo período escolar está a chegar ao
que se apresenta, poderá em outro qual- fim e a APEBSA reforça a importância do
quer dia encontrar-se na Escola, para qual- contacto com os Professores dos seus edu-
quer esclarecimento e apoio aos alunos e candos, com o intuito de melhorar o aprovei-
seus educadores. tamento escolar dos nossos filhos.
Apostamos n u m a A APEBSA está pre- Chegou a Prima-
participação activa. sente, na defesa vera, e apesar de Ouvir e apoiar os pais
Queremos os Pais na dos interesses dos três meses do ano nas suas dúvidas e
Escola – SOMOS UMA nossos filhos, em novo já terem pas- opiniões é um direito e
ESCOLA DIFERENTE. todos os órgãos da sado, a entrada um dever da Escola.
Escola que a legis- desta estação pro-
lação permite e é chamada a participar e porciona-nos usualmente a sensação de que
opinar em vários grupos de trabalho. pode tudo vai começar de novo e com uma
Apostamos numa participação activa. postura mais positiva.
Queremos os Pais na Escola – SOMOS UMA Vamos aproveitar este biológico estímulo,
ESCOLA DIFERENTE. para uma postura mais generosa e activa,
Agradecemos publicamente aos membros desenvolvendo assim laços mais estreitos,
da Comissão Instaladora da EBSA, todas as para uma saudável parceria em abono dos
diligências que tem desenvolvido para pro- nossos filhos/vossos alunos e à imagem de
videnciar e apoiar esta nossa aposta. todos - HOMENS DE AMANHÃ.
Aos funcionários e aos Professores que Somos a APEBSA – Somos Pais como
cooperam com a APEBSA, de forma que até Vós.
vós, chegue a nossa palavra, honrando
assim o compromisso de construir uma ESCO- APEBSA
LA SÓLIDA E DE QUALIDADE, com todos os
intervenientes necessários à educação dos
ESCOLA VIVA OPINIÃO-5

A ESCOLA NO PAÍS DOS


MEUS PAIS
Continuamos a registar os testemunhos de pais de
alunos estrangeiros da escola, acerca do sistema
de ensino nos seus países… Desta vez, a Sué-
cia(Svenska Grundskolan)!

T
odas as crianças na Suécia com idades entre 7 e 16 têm
que frequentar a escola.
Na escola básica aprendem de ler, escrever e fazer Escola sueca
contas – a base para poder continuar a aprender durante o
resto da vida. Também são incluídos conhecimentos em lín- finais são dadas pelo professor e como notas são aplicadas:
guas, ciências da natureza, formação cívica, conhecimentos Satisfaz (S) , Satisfaz Bastante (SB) , Excelente (E)
práticos e estéticos, como por exemplo trabalhos manuais. Se um aluno não atinge uma nota satisfatória (S) numa
O ensino da escola básica é obrigatório e gratuito e o disciplina ou num conjunto de disciplinas, não é dada nenhuma
início da escolaridade é flexível, isto quer dizer que a criança nota. Em vez disso tem que ser elaborada uma avaliação por
pode começar com a idade de 6, 7 ou 8 anos. escrito que descreve a situação em que o aluno se encontra e
Por norma também não existem custos para os alunos ou esta avaliação pode também incluir quais foram os meios de
para os encarrega- apoio aplicados.
dos de educação em
relação ao material Diálogo de desenvolvimento
escolar, incluindo
livros, refeições esco- Cada aluno tem que ter um plano pessoal de desenvolvi-
lares, saúde e trans- mento escolar. Pelo menos uma vez em cada período deve ser
portes escolares. efectuado um encontro entre o professor e cada aluno junto
A maior parte das com os encarregados de
escolas na Suécia são educação. Neste encon- Pelo menos uma vez em cada
Escola sueca… no Inverno escolas públicas, sen- tro deve o professor período deve ser efectuado um
do a Câmara Municipal responsável pelo seu funcionamento. apresentar um plano
A escola básica é constituída por 9 anos lectivos e cada individual de desenvolvi- encontro entre o professor e cada
ano lectivo é dividido em dois períodos (Outono e primavera). mento do aluno e tam- aluno junto com os encarregados
Para as crianças que não podem frequentar a escola bási- bém dar a sua opinião
ca existe o ensino especial (também ele obrigatório). num espécie de relatório de educação.
A maioria das crianças frequentam uma escola pública em relação aos conheci-
perto da sua residência, mas os pais e os alunos têm o direito mentos adquiridos pelo aluno em cada disciplina. As opiniões
de escolher outra escola pública ou uma escola livre (privada). dadas podem ter o carácter de uma nota e é o director de
As escolas livres estão abertas para todos e têm que ser cada escola que decide sobre a elaboração dos relatórios.
reconhecidas pela
Inspecção Escolar. O Provas Nacionais
ensino nas escolas
livres deve no geral Existem provas nacionais em sueco, matemática e em inglês
ter o mesmo objecti- para o 5º e o 9º ano. Vão também ser introduzidas provas
vo que as escolas nacionais para o 3º ano. Todas as provas nacionais são obri-
públicas, mas pode gatórias.
também ter uma
orientação diferen-
te. Escola Secundária
É comum as escolas
livres terem diferente orientação da escola pública no que A maioria dos alunos da escola básica continua directa-
respeita por exemplo à parte pedagógica de ensino utilizada mente para a escola secundária onde a maior parte termina
(como por exemplo o método pedagógico de Montessori ou os seus estudos dentro de 3 anos.
de Waldorf), ou ainda concentrarem-se numa parte linguística A escola secundária é dividida em 17 programas nacionais
ou étnica diferente ou serem escolas de inspiração religiosa. com a duração de 3 anos. Todos os programas devem dar um
vasto conhecimento básico e fundamental para continuar os
A Avaliação estudos numa universidade.

As notas são dadas no fim de cada período durante o 8º e Fonte: Skolverket, repartição responsável pela educação na
9º ano de escolaridade. A nota final tem que ser dada no fim Suécia.
da escolaridade obrigatória. A escolaridade obrigatória aca-
ba no segundo período no ano em que a criança completa os Traduzido e elaborado por Liane Bergström, encarregada de
16 anos de idade. As notas no fim de cada período e notas educação do aluno Alexandre Chaves (5ºD)
6– DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESCOLA VIVA

A ESCOLA FOI AO TEATRO


No dia 16 de Fevereiro, todas as turmas de 5º, 6º
e 7º anos foram ao Auditório Municipal de Albu-
feira ver “Robin dos Bosques & os enigmas da Floresta
de Sherwood”, peça de teatro falada em Inglês.

A
Avalon Theatre Company é uma companhia
de teatro profissional, líder em Portugal, que Robin dos
leva às escolas peças de teatro em língua
inglesa.
As peças foram representadas por actores profissio- e encontrar os ingredientes para quebrar o feitiço.
nais e professores ingleses. A ida ao teatro foi
Baseada na história muito positiva por-
que a linguagem
A interacção entre actores e de Robin dos Bos- utilizada pelos acto-
ques, nesta peça o
público foi uma constante xerife de Nottin- res foi acessível à
idade dos alunos, o
durante
No final, toda professores e gham e uma bruxa
a representação
alunos, que permitiu a com-
encarregados
da peça. de educação malvada lançaram preensão da peça e
deram os parabéns aos alunos e um feitiço ao Robin a aquisição de
professores envolvidos na festa. dos Bosques! vocabulário em lín-
O Robin dos Bosques, a donzela Marian e os
companheiros de aventuras tiveram que ir à procura gua inglesa, por
de uma poção, na floresta de Sherwood, para que- todos.
brar o feitiço. Uma vez que a
Na sua viagem peça tinha como
encontram o Unicór- objectivo principal a
nio Mágico, o interacção com o jovem público e a sua participa-
Homem-árvore da ção no palco, os alunos estiveram sempre muito
floresta de Sher- atentos, participativos e entusiasmados.
wood e o Monstro Mas, mais importante ainda, é o facto de esta ter
de Duas Cabeças, sido a primeira vez que muitos dos alunos assistiram
que lhes colocaram a uma peça de teatro a sério, representada por
um enigma. actores profissionais.
O Robin dos Bos-
ques e a Marian conseguiram descobrir as respostas Professora Sandra Terra

haben Duschen. Das


Schlafzimmer von meinen
Eltern ist groß, es hat ein
Bett, eine Lampe und
eine Garderobe. Mein
Schlafzimmer ist bequem

M
ein Haus ist groß
und modern. Ich und sehr bunt, ich habe
habe einen Gar- ein Bett, eine Lampe,
ten, eine Küche, ein einen Fernseher und eine
Wohnzimmer, zwei Bade- Garderobe. Mein Annex
zimmer, zwei ist groß, er hat einen
Schlafzimmer und einen Kühlraum und eine Waschmaschine.
Annex. Es hat auch seinen eigenen Gastraum.
Mein Garten ist sehr Ich hoffe, dass Sie mein Haus mögen.
schön, er hat Blumen und zwei Bäume. Meine Küche hat
Kasserollen und einen praktischen Ofen . Mein Karishma Singh 7ºB
Wohnzimmer ist groß und bequem, es hat einen Fernseher
und ein Sofa. Meine zwei Badezimmer sind praktisch, sie
ESCOLA VIVA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS-7

COMEMORAÇÃO Car tõe


s
dos na produzi-
DO DIA DE S. VALENTIM sa
de Ing ulas
O Departamento de Línguas promoveu algumas lês
actividades, no âmbito do dia dos Namorados,
que tiveram uma óptima aceitação por parte dos
alunos. Eis alguns trabalhos realizados.

Jiayana Pan, 7º A, nº 20 Carla Cardoso, 7º A, nº 26

OlgaVyshynska e Larisa
Ionascu, 7º B

S er só eu é difícil, porque dentro de


mim há eu e outro eu. Estes dois eus
são neutros - nem bons nem maus -,
mas não sabem quem é o eu que deve
estar primeiro.
entender os eus dos outros que são mais
fáceis de perceber porque estou de fora.
Ou então perguntar aos outros como é que
sou por dentro, e assim não só me perce-
bo, como entendo os outros de outra for-
O eu que normalmente ganha é o que ma.
primeiro consegue chegar à razão, ao que
se diz ser o entendimento. A batalha está
entre o agir e o não fazer, dizer ou ser coi-
sas.
E tudo isto tem a ver com a verdade que
crio, a moral que estabeleço e os limites
que imponho. Mas, como à minha volta
existem várias verdades, muitas morais e
ainda mais limites, torna-se difícil enten-
der os meus eus, porque são meus e de
mais ninguém. Aluna do 8B
Sendo assim, se calhar é mais fácil
8– DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESCOLA VIVA

A amizade e o amor andaram no ar, por


LA SAINT-VALENTIN altura do Dia dos Namorados, em iniciati-
vas do Departamento de Línguas e da

L
e Pintemps arrive… mais l’amour est déjà arri- Biblioteca.
vé dans notre école le 13 février!
Toutes les classes de Français du 7 ème année
ont été invitées à participer au Concours «La Saint-
Valentin». Quelques élèves ont accepté de partici-
per et ils ont fait des cartes postales pour célébrer
la fête des Amoureux.
On a découvert qu’il y a quelques éléves dont le
coeur bat passionnément et qui se sont inspirés de
leur petit copain/ petite copine (peut-être vous?). 1er Prix- Rhia Lopes, nº25 7ºA
Je vous donne quelques expressions utilisées par
les èlèves: «Un jour sans toi c’est comme un royaume
sans roi»; «La mesure de l’amour c’est d’aimer sans
mesure»; «L’amour? C’est le plus court chemin d’un
coeur à un autre: la ligne droite.»; «J’attends avec
impatience le jour où nos deux coeurs ne feront plus
q’un» … Que l’amour est beau!
On a fait une exposition avec les cartes postales 2ème Prix- Carla Cardoso, nº6 7ºA
dans la bibliothèque. Tout le monde a pu voter pour
la meilleure carte de Saint-Valentin, mais c’est le
Jury, les professeurs Luís Jorge et Marília Lopes, qui
a choisi l’élève gagnant du concours.
Les prix pour les élèves gagnants ont été un CD
du chanteur K-Maro (1er prix); la BD «Axterix aux
Jeux Olympiques» (2ème prix); une tablette de cho-
Mention Honorable- Inês Costa, nº14 7ºC
colat belge (mention honorable).

Professora Raquel Vidal

Mais l’AMOUR ne parle pas seulement


français. Comme il est polyglotte, ele tam-
bém se exprime em Português.

L e professeur Paulo Redondo a organisé le


Concours Littéraire «Dire l’Amour ♥, Vivre l’A-
mitié ». Les élèves qui ont participé au concours
ont pu montrer leur génie littéraire et partager soit
l’amitié soit leur passion (réelle ou fictive) avec la
communauté scolaire. Bravo, les élèves!

O professor Paulo Redondo organizou o Concurso


Literário «Dizer o Amor ♥ Viver a Amizade».
Assim, os participantes puderam revelar o seu génio
Marisa Baptista, 7º A, nº 22– ilustração literário e partilhar com a comunidade escolar quer
a amizade quer a paixão (real ou fictícia) .
ESCOLA VIVA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS-9

CONCURSO LITERÁRIO
“DIZER O AMOR, VIVER A
AMIZADE”
Foram bastantes os trabalhos que nos chegaram. Os parti-
cipantes puderam revelar o seu génio literário e partilhar
com a comunidade escolar quer a amizade, quer a paixão
(real ou fictícia) . Eis alguns dos poemas e ilustrações.

Quando estou contigo


Esqueço-me de tudo
Não tenho nenhum inimigo
Sou um sortudo

Não há palavras para explicar


Este grande sentimento
Em ti não páro de pensar
É impossível sentir sofrimento

O teu corpo bem formado


Vanessa Santos, 7º A– 1º prémio do concurso
Os teus olhos cor de mel
O teu cabelo perfumado
O amor é fogo
Amo-te.! Não dá para explicar no papel…
Que arde lentamente
No sopro incandescente
Gabriel Silva, 7ºA
Que é a vida!

Rui Soares, 7º B
A vida é
feita de barreiras, MEU AMOR
feita de sorte e azar,
feita de sonhos e pesadelos. Amor, sem ti não consigo viver.
A vida está sempre a mudar. A minha vida sem ti, talvez fosse um livro sem letras.
A vida é És tudo o que de bom existe na minha vida
feita de bondade e maldade És o meu conselheiro
e está, por vezes contra a nossa vontade. És o meu amigo
És um rapaz tão especial que nem consigo descrever
Ana Catarina Oliveira G., 7ºD És meu e só meu e eternamente meu.
Carolina Rodrigues, 7ºD Inês Silva, 7ºA
10– DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FÍSICAS E EXACTAS ESCOLA VIVA

Os números são as regras dos seres e a Matemática é o

Regulamento do Mundo.

F. Gomes Teixeira

Tenta resolver estes problemas:

O MÁGICO QUEM POUPA MAIS?


Um senhor com determinada O Firmino e o Malaquias fizeram uma viagem de
quantia de euros vai ter com 500 Km de Albufeira até à Covilhã.
um mágico e pede-lhe para
O Firmino fez ligação em Évora
duplicar o dinheiro que tem. O
de autocarro, pagou 10,65€
mágico faz a magia, mas
pelo primeiro bilhete e pelo
cobra-lhe 20 euros. Vai ter
segundo 14,5€.
com um segundo mágico e pede-lhe para duplicar o
dinheiro que tem. O mágico faz a magia, mas O Malaquias preferiu fazer a via-
cobra-lhe 20 euros. Vai ter com um terceiro mágico gem no seu carro. Gastou 10€ de
e pede-lhe para fazer o mesmo truque. O mágico gasolina por cada 100km.
faz a magia, mas cobra-lhe 20 euros. O senhor fica Ficou mais em conta a viagem do Firmino ou do
sem dinheiro. Malaquias? Quanto poupou?
Quanto dinheiro tinha no início?

DESAFIO CIENTÍFICO
DO MÊS
Horizontal:
1. Corpo celeste que fornece dados sobre a for-
mação da Terra; 2. Camada do interior da Terra
onde se localiza a astenosfera; 3. Área do conhe-
cimento que estuda o calor interno da Terra; 4.
Ciência que estuda os vulcões; 5. Camada parcial-
mente fundida do interior da Terra.

Vertical:
1. Camada superficial da Terra; 2. Ciência que
estuda os sismos; 3. Camada do interior da Terra
com maiores pressões e temperatura; 4. Camada
constituída pelas placas tectónicas; 5. Método
directo de observação da Terra.
Soluções do número anterior: Água com óleo
Professoras Água de Mesa Areia  Cimento Gasolina 
Arlete Capitão (C.F.Q.) e Natércia Teixeira (C.N.)
Granito Leite Tinta de escrever
ESCOLA VIVA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FÍSICAS E EXACTAS-11

VISITA DE ESTUDO DO 8º ANO


O 8º ano realizou, uma visita de estudo
ao Centro Ciência Viva do Algarve (Faro)
e à Praia dos Olhos de Água, organizada
por Ciências Naturais e Ciências Físico-
Químicas.

O s alunos da turma 8ºB realizaram, no


dia 11 de Março, uma visita de estudo
ao Centro Ciência Viva do Algarve
(Faro) e à Praia dos Olhos de Água, nas disciplinas
de Ciências Naturais e Ciências Físico-Químicas.
Visita de Estudo OCEANÁRIO

No dia seguinte, 12 de Março, foi a vez da tur- Visita Explorativa na Praia dos Olhos de Água
ma 8ºA fazer a sua visita, neste caso, apenas à
Praia dos Olhos de Água.

Os alunos no Centro de Ciência Viva de Faro


Praia dos Olhos de Água

Na Praia os alunos fizeram uma visita explorati- À tarde, no Centro Ciência Viva do Algarve, em
va pela mesma, tendo identificado os seres vivos lá Faro, os alunos tiveram oportunidade de visitar a
existentes e igualmente analisado as relações entre exposição denominada “O Mar”, onde Inicialmente
os vários seres vivos e entre estes e o meio que os lhes foram dadas a conhecer as actividades práti-
rodeia. cas existentes no Centro. Posteriormente, os alunos
experimentaram por si próprios todas as activida-
des.
Na generalidade, os objectivos das visitas foram
cumpridos, tendo estas tido um impacto bastante
positivo no processo ensino-aprendizagem, na medi-
da em que proporcionaram a apreensão de alguns
conceitos abordados nas disciplinas de Ciências
Naturais e Ciências Físico-Químicas.

Professoras Natércia Teixeira ( Ciências Naturais)


e Arlete Capitão (Ciências Físico-Químicas)

Visita Explorativa na Praia dos Olhos de Água


12– DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FÍSICAS E EXACTAS ESCOLA VIVA

EXPOSIÇÃO Nas últimas semanas tem estado patente na


biblioteca da nossa escola uma exposição
“ENERGIAS RENOVÁVEIS” relativa às energias renováveis.

N o âmbito da disciplina de Física e Quími-


ca A, os alunos das turmas 10ºA e 10ºB
elaboraram maquetas relacionadas com
as diferentes energias renováveis utilizadas.
planeta, como o conhecemos hoje, nunca mais
será o mesmo.
Está na hora de agir e temos que o fazer
rapidamen-
Esta exposi- te.
ção teve Os
como objec- objectivos
tivo a sensi- do projecto
bilização de foram
toda a alcançados,
comunidade visto que a
escolar biblioteca é
para esta frequenta-
temática da por mui- Exemplo de uma placa solar
Maqueta apresentada na exposição
cada vez tos alunos,
mais impor- professores e funcionários.
tante. Actualmente o consumo de energias não
renováveis, nomeadamente combustíveis fosseis é Espero que sejam realizadas mais exposi-
cada vez maior, o que leva a graves alterações ções de forma a sensibilizar os alunos pois serão
no nosso planeta. Assim, é importante a conscien- os homens do amanhã.
cialização das vantagens na utilização das ener-
gias renováveis. Pois se nada for feito o nosso
Fábio Coelho, nº6 10º B

se colocar a chama do fósforo


sob a parte do balão que tem
água).
7- O que acontece? (Verifica-se
que o balão rebenta passado
BALÃO À muito mais tempo.

PROVA DE FOGO
Porquê:
Material: A ideia que temos de um balão
2 balões cheio de ar é a de um objecto
Fósforos extremamente frágil. Temos a
noção de que um balão rebenta se o colocarmos junto a uma
Reagentes: chama. Isto porque a chama ao enfraquecer a borracha faz
Água com que esta não aguente a pressão exercida pelo ar contido
no balão. No entanto, o segundo balão não rebenta mesmo
que a chama entre em contacto directo com a borracha. Porque
Procedimento: será?
A única diferença do segundo balão para o primeiro
1- Encher um balão de ar e dar um nó na sua abertura. é este conter água no seu interior. Esta “absorve” a maior par-
2- Acender um fósforo e colocá-lo debaixo do balão cheio de te do calor fornecido pela chama, não deixando que a tempe-
ar. ratura da borracha aumente muito. Assim, a borracha não
3- O que acontece? (O balão rebenta instantaneamente) enfraquece o suficiente para não aguentar a pressão exercida
4- Pegar noutro balão e deitar um pouco de água para o seu pelo ar. A água é uma boa armazenadora de calor porque
interior.
tem uma elevada capacidade calorífica.
5- Encher o balão de ar e dar um nó na sua abertura.
6- Acender outro fósforo e colocá-lo debaixo do balão (deve- Professora Paula Moura
ESCOLA VIVA DEPARTAMENTO DE ARTES E EXPRESSÕES - 13

N
EBSA PARTICIPOU NO DESFI- o dia 20 de Fevereiro, as turmas 5º A, 5º
D, 6º A e 6º C, da EBSA, participaram nos
LE DE CARNAVAL desfiles carnavalescos promovidos pela
Câmara Municipal de Albufeira.
A Câmara disponibilizou os transportes, e o
desfile começou na Rotunda das Minhocas e
terminou na Praça de Touros, onde os partici-
pantes entraram e assistiram das bancadas a
pequenos espectáculos.
A EBSA foi a única escola com 2º ciclo a parti-
cipar no desfile
Foi uma manhã diferente e divertida, como
deve ser o Carnaval.
Aqui fica a reportagem fotográfica!
14– DEPARTAMENTO DE ARTES E EXPRESSÕES ESCOLA VIVA

E
nquanto Directora da Turma A, quero mani-
festar o meu agradecimento aos pais/
encarregados de educação por terem
dado o seu precioso contributo na elaboração e
compra dos trajes de Carnaval, alusivos às per-
sonagens dos Descobrimentos.
Também quero agradecer às professoras de
EVT, Rosalinda e Eunice pela confecção dos lin-
dos chapéus que os alunos levaram e que tão
bem conjugaram com os fatos.
O meu muito obrigada a todos.
E para os alunos, também o meu agradecimento
e voto de confiança, pelo bom comportamento
durante toda a actividade.
Bem hajam.
Professora Ana Pereira
ESCOLA VIVA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS-15

6º ANO REALIZOU aparições da


Nossa Senhora,
VISITA DE ESTUDO A FÁTIMA em Fátima.
Visitaram o
A disciplina de Educação Moral e Religiosa Católi- museu do San-
tuário onde
ca organizou uma visita de estudo à região centro puderam ver a
do país – Fátima, Batalha e Alcobaça coroa de Nos-
sa Senhora que
tem a bala que
atingiu o Papa Santuário de Fátima
João Paulo II
em 1981, na praça de S. Pedro em Roma, a 13 de
Maio. O Papa ofereceu esta bala a Nossa Sr.ª de Fáti-
ma por considerar que foi por sua intercessão que ele
não morreu naquele atentado.
No dia 6, os alunos visitaram o Mosteiro da Batalha,
onde se encontram os túmulos de D. João I e ainda do
Infante D. Henrique. Assistiram ainda ao render da guar-
da ao túmulo do soldado desconhecido e viram muitas
relíquias da 1.ª Guerra Mundial pertencentes a soldados
portugueses que nela participaram.
Também visitaram o Mosteiro de Alcobaça, onde os
túmulos de D. Pedro e D. Inês nos recordam o seu caso
Visita ao Santuário de amor sem barreiras. No Mosteiro da Batalha foi ain-
da possível aprender como viviam os monges cistercen-

N
os dias 5 e 6 de Março, 20 alunos do 6.º ano das ses no Séc. XII.
turmas A, B e C inscritos em Educação Moral e Para concluir a Visita de Estudo fomos todos almoçar
Religiosa Católica (EMRC) realizaram uma visita ao centro comercial Vasco da Gama em Lisboa.
de estudo ao Santuário de Fátima, acompanhados pelas A viagem foi boa, todos gostaram e eu, como pro-
professoras Mónica Cavaco, de EMRC e Joana Cristóvão fessora, fiquei muito satisfeita com a sua conduta na visi-
de Educação Musical. ta de estudo e por eles terem gostado.
Visitaram as casas onde nasceram e viveram os 3
pastorinhos de Fátima e ainda uma casa museu que mos- Professora Mónica Cavaco
trava como era a vida na época em que se deram as

VISITA DE ESTUDO AO MUSEU Os alunos do 5º ano realizaram uma visita de


estudo ao Museu Municipal de Arqueologia de
MUNICIPAL DE ARQUEOLOGIA Albufeira

L
ocalizado no núcleo antigo da cidade, o Museu 5º ano, uma vez que os núcleos
Municipal de Arqueologia está instalado no edifí- temáticos correspondem aos
cio onde funcionou, até ao final da década de 80, conteúdos abordados ao longo
a Câmara Municipal. Com características da arquitectu- do ano.
ra urbana do sul de Portugal, o imóvel é constituído por As peças estão intimamente
dois pisos sobranceiros ao mar. ligadas com a história de Albu-
O Museu dispõe de áreas de estudo, conservação, feira, desde as suas origens
restauro e mais remotas até ao século
ar m az e n a- XVII, subdividido em quatro
mento de grandes núcleos:
materiais, Pré-História Período Romano Período Islâmico e
para além Idade Moderna
de uma Foi muito interessante ver os alunos não só a colocar
pequena questões aos guias do Museu, o que demonstra o seu
biblioteca interesse e a sua curiosidade, mas igualmente a respon-
temática. der às questões que lhes foram colocadas, o que prova
A visita ao que a História é uma disciplina que acompanham de
museu é sem- forma interessada.
pre impor-
tante para Professores Ana Pereira e Paulo Redondo
A maioria dos alunos mostrou muito inte-
resse às explicações dos guias do Museu
os alunos do
16– DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS ESCOLA VIVA

FILOSOFIA
UMA QUESTÃO ÉTICA - O SUICÍDIO
No final do 2º período, na disciplina de Filosofia, no contexto dos
conteúdos programáticos do Tema IV “Temas/Problemas do
Mundo Contemporâneo”, as alunas do 10º ano da escola Básica
e Secundária de Albufeira, realizaram trabalhos em grupo na sala
de aula que visaram explorar as várias perspectivas em torno dos
problemas éticos da nossa sociedade actual.
O texto destacou-se pela criatividade e poder de imaginação
das alunas, ao reflectir de forma delicada acerca da polémica
Sociologando.files.ado.files.wordpress.com
temática do Suicídio.

I magina-te a pessoa mais feliz do mundo.


Tudo na tua vida faz sentido, há um brilho e uma felicidade imensa dentro de ti.
Os teus sonhos tornam-se realidade, os teus sentimentos são enriquecidos pela luz do sol, o teu sorriso absorve a amizade, o
teu olhar sereno e realizado absorve a pureza e a simplicidade dos teus actos perante todas as pessoas.
És aquilo que sempre quiseste ser, vibras de boas energias e da tua boa disposição que é contagiante.
Mas durará tudo isto para sempre?
Tu queres acreditar que sim, mas de um momento para o outro, algo trágico acontece.
Perdeste a pessoa que mais amavas neste mundo, imagina ser a tua mãe a pessoa que
perdeste. A dor é tão grande que consome toda a tua alma, absorve toda a tua ale-
gria, rouba todo o teu sorriso, simplesmente não a suportas e isso faz com que percas a
vontade de viver.
Nada mais para ti faz sentido.
Dentro de ti, gritas e pedes socorro para que essa dor acabe. Mas no teu entender
ninguém te ouve, e dizes “Quero acabar com tudo isto!”, “não aguento mais!”
A dor consome tudo dentro de ti.
Tu isolas-te e não queres falar com ninguém e muito menos aceitas a ajuda de alguém.
Agora imagina-te numa sala, a escrever um bilhete de despedida, e cada letra que
escreves é uma lágrima que cai.
Agora, fica ao sabor da tua imaginação o que queres fazer, mas pensa, tu vais embora, mas a dor fica, fica a tua dor, e a
dor dos que te querem bem.
A dor fica a dobrar.
Agora, abre os olhos lentamente e tenta não julgar a dor dos que se suicidam.

Carina Apolónia, (Beatriz Almeida e Eliana Rodrigues), 10º A

QUANTAS RAÇAS HUMANAS racialmente um cidadão que tem antepassados de todas


EXISTEM NO MUNDO? as raças e apresenta um
pouco das características
físicas de cada uma delas?
Por exemplo, quase
toda a população Brasilei-
ra deriva da mistura de
todas as raças.

E sta é uma questão muito difícil de responder por-


que não tem uma única resposta.
Se falarmos de etnias
(grupo de indivíduos que
Se nos basearmos na cor da pele é impossível apresentam um conjunto
responder porque existem muitas cores diferentes prove- de características sociais
nientes de muitas misturas. comuns; como a língua,
Se nos referimos a raças ( agrupamento natural de costumes, religião e
pessoas que apresentam um conjunto de características nacionalidade) encontra-
comuns, tais como a cor da pele , a forma do nariz, mos ínumeras em todos
lábios ,pálpebras, a forma do crânio e a estatura corporal) os países.
encontramos diferentes opiniões , mas em todas elas O exemplo mais presente em Portugal é a etnia ciga-
existem quatro grandes grupos comuns: na.
-caucasianos (brancos); negros;
-mongolóides (amarelos); -Índios (vermelhos).
Na nossa opinião, esta divisão em quatro grupos não Trabalho de Formação Cívica realizado por
Beatriz Serápio ,Carolina Serápio,
está completamente correcta. Como podemos classificar Basília Tipote e Rita Martins.
ESCOLA VIVA BIBLIOTECA E CENTRO DE RECURSOS-17

BIBLIOTECA EM ACÇÃO
Exposições, concursos, leitura de
poemas, cinema… A Biblioteca e
Centro de Recurso da EBSA não
pára de nos surpreender!

D esde que abriu as portas ao público a nos-


sa biblioteca tem vindo a dinamizar o seu
espaço com actividades que visam envolver
toda a comunidade escolar.
Em Fevereiro, o amor esteve no ar para os Exposição sobre energias alternativas, que decor-
lados da biblioteca. No âmbito das comemorações reu na biblioteca
do Dia de São Valentim, o espaço foi decorado
com poemas de amor e foi lançado o concurso de
“Declarações de Amor”. Saiu vencedora a aluna
Elisa Santos, do 10º C com o poema “Afinal o que
é o amor?…”.
A professora de Francês, Raquel Vidal, pro-
moveu o concurso “La Saint Valentin” nas suas tur-
mas. Os trabalhos elaborados foram expostos e o
público votou na escolha do postal vencedor.
No dia 17 de Fevereiro foi a vez de o
“cantautor” Afonso Dias trazer a poesia até à
escola (ver página seguinte).
O mês de Março iniciou com a “Semana da
Leitura” (2 a 6 de Março). As actividades desen-
volvidas visaram criar nos alunos o gosto pela leitu-
ra de diferentes tipos de texto.
De entre as actividades realizadas constam:
exposição de capas alternativas da obra “A Meni- “La Saint-Valentin”– concurso de Francês, alusivo
na do Mar”, leitura dramatizada de obras; elabo- ao Dia dos Namorados
ração de marcadores de livros; recriação de um
conto tradicional; declamação de poesia sobre o
mar e “A família vem à escola”, entre outras.
Seguiu-se a “Semana do Cinema” (9 a 13 de
Março) em que foram projectados filmes de anima-
ção para as turmas dos 2º e 3º ciclos.
O espaço da biblioteca também tem sido
utilizado para realizar exposições de trabalhos
dos alunos, de diversas disciplinas.
Chamamos ainda a atenção para a criação
do blog da biblioteca da EBSA (http://
eb23salbufeira.blogspot.com/) , que ainda está a
dar os primeiros passos. O truque é ir aparecendo
e descobrindo as novidades…

As coordenadoras da biblioteca
Professoras Cidália Mendes e Delfina Vernuccio

Biblioebsa– o blog onde tudo pode acontecer!


18– BIBLIOTECA E CENTRO DE RECURSOS ESCOLA VIVA

A POESIA
No dia 17 Fevereiro decorreu, na Biblioteca
Escolar / Centro de Recursos Educativos, a ses- ESTEVE
são de poesia “A poesia está na escola” .
NA ESCOLA

Acreditamos que a actividade foi importante, não


só para dinamizar o espaço da nossa Biblioteca
Escolar / Centro de Recursos bem como para trans-
mitir aos alunos da nossa escola uma perspectiva
diferente relativamente ao texto poético.

As coordenadoras da biblioteca
Professoras Cidália Mendes e Delfina Vernuccio

Afonso Dias na Biblioteca

O “cantautor” Afonso Dias trouxe a poesia


até à escola e deliciou-nos com a sua forma
de a interpretar. Foram realizadas duas
sessões: uma para o 3º ciclo em que participaram
duas turmas do 7º ano e outra para o secundário
com turmas do 10º ano. Foram abordados textos
que se enquadram perfeitamente nos programas
escolares e os alunos envolvidos aderiram de forma
muito positiva ao trabalho desenvolvido, tendo inclu-
sivamente participado na declamação de alguns
Afonso Dias e as coordenadoras da Biblioteca
poemas.

Amor é uma palavra como outra qualquer.


CONCURSO Usamo-la quando gostamos de uma pessoa

DECLARAÇÕES DE AMOR E não a conseguimos esquecer…


Até que ela nos magoa.
Saiu vencedora a aluna Elisa Santos, do 10º C, com o poe-
ma “Afinal o que é o amor?…” Separar-nos de quem nos ama
Ganhou um cheque FNAC, no valor de dez euros. É como se nos arrancassem o coração…
Apagam a nossa chama
E no fim pensamos que o que fizemos foi em vão.

Afinal o que é o amor ?


Tudo isto para tentar mostrar
Que todos nós temos uma dor,
Não tenho vocabulário Sei que é um sentimento
Mas ninguém me consegue explicar:
Para o descrever… Que por vezes não tem fim.
Afinal, o que é o Amor?
Procurei no dicionário, É sinónimo de sofrimento…
Mesmo assim não consegui entender. Isso eu sei porque já o senti em mim
Elisa Santos, 10º C
ESCOLA VIVA BIBLIOTECA E CENTRO DE RECURSOS-19

MAR DE POESIA, A Biblioteca promoveu a Semana da Poesia.


Eis alguns trabalhos dos alunos, realizados
NA BIBLIOTECA DA EBSA nas aulas de Língua Portuguesa e declama-
dos na Biblioteca.

”A poesia está na escola”- Os pais de alguns alunos dos 5º B e C não quiseram faltar

N o dia 6 de Março, sexta-feira, pelas 9.00 h, alunos da turma B e alguns da turma A estiveram presentes na
Biblioteca da EBSA para uma sessão de leitura de textos vários. Foram lidos poemas de autores portugueses,
dos próprios alunos, contos e outros textos da escolha dos alunos.
Também os pais de alguns alunos estiveram presentes, demonstrando o seu interesse pelas actividades dos seus
educandos.
Este tipo de actividades é do agrado dos alunos e dos pais, promovendo uma sã articulação entre a escola e a
família.
A turma do 5º C produziu e recolheu também alguns textos poéticos, ligados à temática do Mar, que resultaram
numa pequena sessão de poesia.
Para além de poemas de Fernando Pessoa e Sophia de Mello Breyner, a turma apresentou em jogral o texto
Romancinho Triste de um Neto da Nau Catrineta, de Maria Alberta Meneres.
A sessão de poesia terminou com um rap intitulado Não Fora o Mar, da autoria de três alunos da turma.

Professores Ana Pereira e Paulo Redondo

Não fora o Mar,


e eu ficaria a olhar
,
para uma noite estrelada
sem o reflexo de ma r.

Não fora o Mar,


e não seria quem sou,
neto, bisneto
avô.
de Vasco da Gama nosso

Não fora o Mar,


ndo
e eu não perceberia o mu
herdade dos marin hei ros
r sem fundo.
que descobriram um ma

Não fora o Mar,


e Portugal não existia
esperanças a boiar,
no oceano da nostalgia ”Mar de Poemas”- A turma do 5º C

Lima (5º C)
Rafael Piedade e Heric
20– FUNDAÇÃO JAK PETCHEY ESCOLA VIVA

SPEAK OUT CHALLENGE


Mais uma vez a Fundação Jack Petchey decide
apostar nos jovens, dando a possibilidade a
cerca de 600 jovens de participar num work-
shop para aperfeiçoar a arte de falar em
público.

O
Speak out challenge é considerado o maior
concurso de falar em público do mundo.
Começou há alguns anos atrás em Inglaterra, Desta final a nossa escola foi representada
chegando este ano pela primeira vez a Portugal pelo aluno do Secundário Tiago Guerreiro que
pelas mãos da abriu as “hostilidades”, pois foi o primeiro a discur-
fundação Jack sar entre um grupo de dezasseis jovens, perante
Petchey, que uma plateia
organizou vários de centenas
workshops onde de pessoas. Os jovens teriam de fazer um
se ajudou cerca Nomes sonan- discurso de cerca de 3 minutos,
de 600 jovens a tes da televi-
perder a inibi- são como sobre temas diversos.
ção de falar em Valentina Tor-
público. res, Jorge Freitas e Maria João Carreira foram os
A semi-final concelhia aconteceu apresentadores deste evento.
no auditório da EBSA De cada Work-
shop passaram Houve também vários momentos musicais entre-
três jovens que representariam a sua escola numa gues a nomes como Reflect, Dino, Sara Gonçalves e,
semi-final. Na semi-final do concelho de Albufeira, para agrado das pessoas de mais idade, também
que ocorreu aqui na nossa escola (Escola Básica e Armando Gama cantou.
Secundária de Albufeira) os alunos Tiago Guerrei- Os jovens teriam de
ro, Joana Colaço e Carina Apolónia representaram fazer um discurso de cerca
a nossa escola, embora houvesse cerca de 18 alu- de 3 minutos, sobre temas
tão diversos como a Defesa
do Ambiente, Crianças Tra-
ficadas, Sonhos da Juventu-
de, a Importância da água,
os Doentes de Alzeimer,
Uso de preservativo e Pers-
pectivas dos Jovens Estu-
dantes em Portugal entre
muitos outros temas rela-
cionados com preocupa- O Tiago durante a final
ções sócias e ambientais.
Por unanimidade, o júri elegeu como vence-
dora a aluna da Escola Secundária de Loulé, Marta
O grupo de finalistas do Speak Out Challenge Lopes, que apresentou a sua visão dos doentes de
Alzheimer, ganhando assim uma estadia numa
nos de todas as escolas do concelho. estância turística em Málaga e um cheque de 1000
euros para ser gasto na sua escola.
Desta semi-final passaram 5 alunos que repre-
sentariam o nosso concelho numa final no Auditório
da Câmara municipal de Albufeira no dia 12 de Tiago Guerreiro
Março.
ESCOLA VIVA PARLAMENTO DOS JOVENS/ ALUNO INVENTOR-21

O programa Parlamento dos


Jovens é organizado pela Assembleia
da República, em colaboração com
outras entidades, com o objectivo de
promover a educação para a cida-
dania e o interesse dos jovens pelo
debate de temas de actualidade.

N o passado dia 2 de Março, os Deputados eleitos


na Sessão Escolar do Parlamento dos Jovens -
Básico estiveram presentes na Sessão Distrital,
que teve lugar na Direcção Regional de Educação do
Algarve, em Faro. Esta sessão contou com a presença da
Deputada Ana Drago, do Bloco de Esquerda, que dina-
mizou o debate. Todas as escolas apresentaram e
defenderam os seus Projectos de Recomendação, tendo
o nosso sido o segundo mais votado. Os nossos Deputa-
dos estavam bastante
A Sessão Distrital, ocorrida ansiosos e nervosos, mas A deputada Ana Drago animou o debate
no final tudo correu
em Faro, foi moderada pela bem. Penso que foi uma
Deputada Ana Drago, do experiência muito enri-
quecedora para todos
Bloco de Esquerda. os alunos que participa-
ram e também para
mim. Não seremos nós a
representar o Algarve na Sessão Nacional, mas a nossa
participação foi de extrema importância.

As Coordenadoras do Projecto
Professora Alexandra Azevedo (Ensino Básico)
Professora Carla Barrinha (Ensino Secundário)
A Eduarda e a Beatriz eram as deputadas
mais jovens presentes na Sessão

PROJECTO “ALUNO INVENTOR” Em consequência da proposta apresentada pela


Câmara Municipal de Albufeira, vimos dar a
conhecer o Projecto “Aluno inventor”.

N
este projecto, pretende-se valorizar os conhe-
cimentos dos alunos através da parte lúdica, critério. Até pode
e criativa. ser o Projecto de
Será dada liberdade aos alunos para formularem toda a turma.
um Projecto, que se responsabilizarão por desenvol- Os melhores
ver, contando com a Projectos serão
Se tens uma ideia original, financiados.
ajuda de todas as
participa! Podes desenvolver o Solicita o mode-
pessoas implicadas
Projecto sozinho ou em grupo! no processo educati- lo do apresenta-
vo (pais, outros alu- ção do projecto
nos, pessoal docente e não docente) e com apoio junto do Director
financeiro para materializarem os seus projectos. de Turma ou da Professora Alexandra Azevedo.
O financiamento dos mesmos só terá lugar após Não deixes de participar!!!
análise e selecção dos melhores projectos.
Se tens uma ideia original participa! Podes desen- Professora Alexandra Azevedo
volver o Projecto sozinho ou em grupo, fica ao teu
22– ECO-ESCOLAS ESCOLA VIVA

VAMOS CANDIDATAR-NOS À
BANDEIRA VERDE
Juntos vamos fomentar uma Educação
Ambiental e premiar a nossa escola com a
Bandeira Verde, que é um galardão que certi-
fica a qualidade ambiental da escola e um
prémio de reconhecimento. ECOPARCEIROS DO ECOPILHAS

CONCURSO “POSTER ECO-

A
Ecopilhas, Sociedade Ges-
CÓDIGO” tora de Resíduos de Pilhas
e Acumuladores é uma

V amos participar no 9.º


Concurso Nacional Pos-
ter Eco-Código.
Ajuda-nos na elaboração do
Eco-Código, identificando um
empresa sem fins lucrativos consti-
tuída pelos principais Produtores
e Importadores de Pilhas e Acu-
muladores que operam no merca-
do português.
conjunto de atitudes e comporta- Queremos ser Ecoparceiros do
mentos conducentes à melhoria Ecopilhas, e, para isso, é necessá-
do ambiente na escola, em casa rio contribuir para a recolha
e na região. selectiva de pilhas e acumulado-
res usados. Precisamos uma quan-
Exemplos: tidade mínima de 100Kg.
“Para o oxigénio aumentar, mais árvores Na Escola existem
temos que plantar.” quatro Pilhões. Lá
“Os meus olhos não querem ver torneiras a deves colocar as
verter.” pilhas usadas dos
comandos, lanternas,
Poderás colocar as tuas sugestões na caixa relógios, rádios e
que está junto ao nosso painel informativo. baterias usadas.
O teu contributo é
Participa! importante!

Equipa Eco-Escola
Professoras Dalila Alves, Dora de Sá e Sílvia Santos

Caixa de sugestões do Eco-Código


ESCOLA VIVA CLUBE “AMIGO É”-23

No dia 9 de Março, pelas 10 horas


VISITA AO CENTRO da manhã, a turma do 5 A foi em
Visita de Estudo ao Centro de Dia
DE DIA DO ROSSIO do Rossio, em Albufeira.

E
sta actividade da turma insere-se no âmbito do
CLUBE AMIGO É..., cujos pressupostos assen-
tam nos valores da solidariedade e da parti-
lha. Partilha esta que não se esgota em dar roupas
ou alimentos, mas também em dar afectos a quem
precisa. Em transmitir conhecimentos e recebê-los, em
promover atitudes de saber ser, saber estar.
Os alunos foram pródigos em actividades,
nomeadamente algumas peças que tinham, prepara-
do nas aulas de Formação Cívica.
Pareceu-nos que os utentes do Centro de Dia
preferiram as anedotas, as músicas que os alunos
tocaram e cantaram e, sobretudo, as adivinhas. A turma actuou para os idosos
A D. Isabel foi quem mais adivinhou!!!
Foi um belo momento de partilha, este momento
em que duas gerações tão diferentes estiveram uni-
das.
A Directora do Centro, a Drª Ana Raquel e a
Profª Aliete Santos, responsável pelas actividades do
Q uando chegámos ao Centro de Dia do
Rossio vimos as senhoras que lá traba-
lhavam transportar todos os utentes do
mesmo, receberam-nos muito bem. centro de dia para a sala onde nós actuámos.
Os utentes pediram-nos para voltar e assim será, Começámos por cantar a canção:
estando prevista nova visita para o 3º período. “Amigo É”. Depois contámos anedotas e de
Desta vez, com muitas mais adivinhas, anedotas seguida as adivinhas.
e música. A D. Isabel e a D. Maria José foram as
A coordenadora do projecto senhoras que mais colaboraram e acertaram
Professora Ana Pereira nas adivinhas que alguns dos alunos conta-
ram. Quase todos cantámos uma canção dos
Adiafa que se chama: “As meninas da ribeira
do Sado”. O Fábio leu a lenda de Albufeira e a
Beatriz leu a lenda da Praia da Rocha. Por fim
foram as flautas: a Raquel cantou: “As pombi-
nhas da Catrina”, “O meu chapéu tem três
bicos” e “Papagaio Louro”; o Fábio tocou o
nono excerto de Beethoven. Por fim uns can-
taram e outros tocaram a música: “No meio da
praça”.
Todos nos sentimos bem porque está-
vamos a interagir com os velhotes do Centro
de Dia do Rossio.

Beatriz e Carolina Serápio, 5ºA


A turma do 5º A num em plena actuação
24– DESPORTO ESCOLA VIVA

REGIONAL DE CORTA-MATO
EBSA foi a escola que apresentou mais
atletas. Ana Catarina Oliveira —
campeã regional de Infantis B.

O
Corta-Mato Escolar, integrado no programa do «Cross
das Amendoeiras», teve lugar na sexta-feira, dia 27, na
pista das Açoteias (Albufeira).
Participaram alunos de diferentes escalões etários, dos Agru-
pamentos Verticais e das Escolas Secundárias do Algarve, numa
organização da Direcção Regional de Educação do Algarve –
Desporto Escolar.
Num total de 604 atletas, participaram 299 Iniciados (132
femininos e 167 masculinos), 215 Juvenis (70 femininos e 145
masculinos) e 90 Juniores (17 femininos e 63 masculinos). Ana Catarina Oliveira (6º C) -
Campeã Regional
A EBSA, com 37 alunos, foi a escola de todo o Algarve com
mais participantes.
Nestas idades valorizamos muito a participação dos alunos. No entanto não podemos deixar de desta-
car alguns resultados excelentes, como a Ana Catarina Oliveira do 6ºC, Campeã Regional de Infantis B,
numa prova em que participaram cerca de 185 alunas.
Destacamos ainda a aluna Joana Martins 10º A, que ficou apurada para ir representar o Algarve aos
nacionais de Juvenis, na Figueira da Foz, no dia 21 de Março.
Os professores de Educação Física

Joana Martins ( 236) vai representar o Algarve no Cartaz do Campeonato Nacional de Corta– Mato
Nacional de Corta-Mato Escolar - Figueira da Foz
ESCOLA VIVA DESPORTO-25

Entra na loucura do Sudoku, o jogo que está a conquistar o mundo!


O Sudoku é um jogo de lógica apaixonante para todos jovens em busca de desafios!
O objectivo do jogo é completar uma grelha com os números de 1 a 9. A grelha é com-
posta por 9 quadrados de 3 X 3 casas (chamados regiões). À partida, já se encontram
dispostos alguns números e o desafio consiste em preencher as casas em branco com um
número de forma a que cada número apareça uma única vez na mesma linha, coluna ou
região.

1- Muito fácil 2– Fácil

EASTER’S WORD SEARCH PUZZLE


Find these words. Look forward, backward, up and down to find the words.

LA FAMILLE

Tu viens d’étudier les LIENS DE PARENTÉ. Saurais-tu découvrir


les mots concernant la famille?

SOLUÇÕES SUDOKU
PRÉMIOS DE REALIZAÇÃO Eis os vencedores dos prémios de realização
da Fundação Jack Petchey, alunos que se
JACK PETCHEY distinguiram pelas suas atitudes e valores.

O s Prémios de Realização Jack


Petchey são entregues aos
jovens (normalmente entre os 11
e 25 anos), que se distinguem ou contri-
buem de qualquer modo para o seu clu-
be / escola ou grupo associativo.
Na nossa escola a verba que foi ganha Andreia Marques (10 C) Nimisha Binesh (8º B)
Vencedora de Setembro Vencedora de Outubro
pelos alunos escolhidos foi utilizada na
instalação de cortinas para escurecer
duas das salas que possuem quadros
interactivos, na compra de uma mesa de
matraquilhos e de software de Ciên-
cias Físico-Químicas e Matemática.
Existe a intenção de aplicar as verbas
que esta Fundação concede na instala-
ção de mais cortinas nas salas com qua-
dros interactivos e na construção de pra-
teleiras na papelaria, de forma a iniciar
esse serviço na nossa escola.

Diploma do Prémio de Realização

ESCOLA VIVA
JORNAL OFICIAL DA ESCOLA BÁSICA E
SECUNDÁRIA DE ALBUFEIRA

Vale Pedras
8200 – 047 Albufeira

Tel. - 289590130
Fax. -289590139
Andreia Contreiras (10 A) Nicholas Baggs (10 C)
email: ebsalbufeira@gmail.com Vencedora de Novembro Vencedor de Dezembro

EQUIPA EDITORIAL
Todos os alunos, professores e elementos da
comunidade educativa da Escola Básica e
Secundária de Albufeira

COORDENAÇÃO
Professor Paulo Redondo Krizellyn Santos (10ºB) Jayde Stock (6º A)
Vencedora de Janeiro Vencedora de Fevereiro