Você está na página 1de 10

International Paper do Brasil Ltda

Autor do Doc.:

Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim

Editores:

Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim

Título:

Trabalho em espaços confinados

Tipo do Documento:

ORDEM DE SERVIÇO DE HIGIENE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

SubTipo:

Instrução

Nº:

OSHSMT- 200703

Áreas/Setores de Aplicação

Status:

:

Comentários sobre a revisão :

Revisão Anterior:

Obras do Projeto Três Lagoas Paper Mill

Aprovado

Nova

Data do Status:

TRABALHO EM ESPAÇOS CONFINADOS

1. Objetivo

2. Definições

3. Instruções

4. Responsabilidades

18/05/2007

1. OBJETIVO

Estabelecer os requisitos mínimos para proteção dos trabalhadores e do local de trabalho contra riscos de entrada em espaços confinados.

2. DEFINIÇÕES

2.1. Espaço confinado Refere-se a um espaço com dimensões e aberturas limitadas para entrada e saída, ventilação natural desfavorável que pode conter ou produzir contaminantes de ar, pode conter produto que possa envolver ou sufocar quem nele se introduzir, e que não é recomendado para ocupação contínua de pessoas. Espaços confinados incluem, mas não estão limitados a, tanques de armazenamento, tanques de processo, cilindros, covas, tinas, tanques de reação, dutos de ventilação, esgotos, túneis, poços de bombas, poços de balanças, etc.

2.2.

Atmosfera de risco

Condição em que a atmosfera, em um espaço confinado, possa oferecer riscos ao local e expor os trabalhadores ao perigo de morte, incapacitação, restrição da habilidade para auto-resgate, lesão ou doença aguda causadas por gases, vapores, gases tóxicos ou névoas inflamáveis, poeiras combustíveis, concentração de oxigênio atmosférico abaixo de 19,5% ou acima de 23% em volume.

2.3. Pó combustível

Matéria orgânica particulada capaz de sofrer combustão ou de queimar quando sujeito a uma fonte de ignição, em

presença de atmosfera oxidante.

2.4. Trabalho a quente

É todo trabalho envolvendo aquecimento, queima, solda, corte, como também trabalho que produz uma fonte de

ignição ou calor sob forma de atrito ou chama exposta, conforme LPT 01.

2.5. Isolamento e bloqueio

Um processo por meio do qual o espaço confinado que está fora de operação é completamente protegido contra o

lançamento inadvertido de produtos ou fontes elétricas, através de bloqueio ou desconecção e sinalização atendendo ao procedimento de Controle e Bloqueio de Energias - OSHSMT 200701.

2.7. Observador externo (Vigia)

Pessoa que fica do lado de fora do espaço confinado em permanente monitoramento e comunicação com quem

está no interior de um espaço confinado para pronto atendimento e controle de entrada e saída.

3. Instruções

3.1. SISTEMA DE LIBERAÇÃO

É a permissão para entrada e permanência em um espaço confinado através de uma autorização (Check List de Liberação e Avaliação – Anexo 1) por escrito emitida pelo SESMT da Contratada e aprovada pela Supervisão da Contratada responsavel pelo trabalho, especificando a localização e o tipo de trabalho a ser feito, certificando que os riscos existentes foram avaliados por pessoa qualificada (SESMT), e foram tomadas medidas protetoras necessárias para assegurar a integridade física de cada trabalhador.

3.1.1. A autorização deverá conter os seguintes itens:

a) Localização e descrição do trabalho a ser feito;

b) Check list de isolamento completo:

- Bloqueio elétrico;

- Bloqueio mecânico;

- Bloqueio de fluxo.

c) Roupa especial e equipamento:

- Equipamento de proteção individual;

- Ferramentas aprovadas para uso;

- Equipamento elétrico adequado.

d)

Leituras de testes atmosféricos.

- Avaliação do nível de oxigênio;

- Avaliação de explosividade;

- Avaliação dos níveis de substâncias tóxicas.

e) Necessidade de monitoramento atmosférico durante a execução do trabalho a ser definida pelo SESMT da

Contratada

f) Nome do observador externo.

g) Tempo de permanência para revezamento de pessoal.

h) No Check List de Liberação e Avaliação deverá conter números de telefone dos bombeiros, do SESMT da

Contratada, do Ambulatório Médico, e quando necessário a localização de equipamentos de Emergência / Resgate.

Esta autorização será datada, e terá um tempo de validade, deverá servir como um guia e estar presente no local do serviço em local apropriado de forma a facilitar a visualização da liberação deste espaço confinado.

3.2. SERVIÇO MÉDICO, EMERGÊNCIAS E PRIMEIROS SOCORROS

3.2.1. Compete à supervisão da Contratada responsável pela execução do serviço designar um observador externo.

3.2.2. O observador externo não deve se ausentar do seu posto e nem adentrar o espaço confinado sem a devida

autorização e/ou substituição por outro observador;

3.2.3. Em toda a atividade no interior de espaços confinados, será necessária a presença do vigia externo. O vigia é

o trabalhador que se posiciona fora do espaço confinado em constante comunicação visual com os trabalhadores autorizados, e também deverá estar prontamente disponível para atendimento em casos de emergências;

3.3. TESTE E MONITORAMENTO

3.3.1. A entrada em um espaço confinado é proibida até o término da avaliação inicial da atmosfera. Serão feitos

testes para garantir que a atmosfera esteja isenta de poluentes agressivos e numa condição ideal para o trabalhador. Os testes executados incluirão: nível de oxigênio, explosividade, produtos tóxicos e avaliação da exposição ao calor (de acordo com o anexo 3 da NR-15 da Portaria 3.214 de 08.06.78 do Ministério do Trabalho), sendo que este último se aplica também para áreas de exposição que não são necessariamente espaços confinados.

3.3.2. A entrada em um espaço confinado para execução de qualquer tipo de serviço a quente deverá seguir o

processo de liberação descrito na LPT 01. Não será liberada a entrada, quando os testes indicarem a concentração de gases inflamáveis na atmosfera.

3.3.3. Se necessário, a critério e instalação sob responsabilidade do SESMT da Contratada, a monitoração contínua

de gases e vapores deverá ser executada por equipamento com alarme audível.

3.3.4.

Os instrumentos serão calibrados conforme os requisitos do fabricante e atendendo ao Plano de Gestão da

Qualidade da IP.

3.3.5. Se no espaço confinado houver a formação de poeiras e fibras, nenhum trabalho a quente será iniciado até o

nível de aerodispersóides estiver abaixo do limite de explosividade para o material.

3.3.6. A porcentagem de oxigênio em volume para entrada em um espaço confinado deverá ser maior que 19.5% e

não poderá exceder 21%.

3.3.7. Quando não for possível controlar contaminantes na atmosfera interior a níveis de exposição permissíveis, o

empregado ou subcontratado não poderá entrar no espaço confinado.

3.4. INFORMAÇÃO DE ADVERTÊNCIA

3.4.1. Todas as entradas de pessoas em qualquer espaço confinado serão identificadas. Inclusive com informação

adequada para quando se fizer necessário a utilização de equipamento de segurança específico. As informações incluirão mas não necessariamente deverão estar limitadas às descritas no anexo 2 e a instalação será por conta do SESMT da Contratada responsável pela execução do serviço.

3.5. EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA

3.5.1. A autorização para entrada incluirá uma lista de equipamento de proteção necessários para uso no espaço

confinado conforme determinação do SESMT da Contratada.

a) Olhos e proteção da face - Óculos de segurança e protetor facial para serviços de solda, esmeril e/ou desbaste.

b) Proteção de cabeça - Capacetes.

c) Proteção de pé - Calçado de segurança e/ou bota de borracha.

d) Proteção de corpo - Todo o pessoal que entra em um espaço confinado deverá usar conforme ambiente.

e) Proteção de ouvido - Protetor auricular.

vestimenta adequada

f) Proteção respiratória - será determinado pelo SESMT da Contratada nas condições em que o teste e a atividade de trabalho a ser executada assim o exigirem.

g) Proteção de mãos - Se as mãos são expostas para desbastar superfícies ou extremidades afiadas, o grau de

proteção pode variar de luvas de couro à de malha de metal dependendo do material a ser trabalhado. Luvas impermeáveis serão usadas para proteger contra materiais tóxicos ou irritantes. Luvas isolantes para trabalho com eletricidade.

h) Outras medidas protetoras incluirão: cinto de segurança para trabalhos acima de 2,00m de altura, conforme OSHSMT 200706, sistema de resgate a ser definido pelo SESMT da Contratada em conjunto com a supervisão da área, equipamentos autônomos de respiração ou ARCOFIL, etc.

3.6. PREPARAÇÃO DO LOCAL

3.6.1. Os procedimentos e processos de limpeza dentro de um espaço confinado deverão ser autorizados pelo

SESMT da Contratada. O método a ser prescrito será dependente do produto contido no espaço confinado. Se o espaço confinado contém uma atmosfera inflamável, deverá ser purgado com um gás inerte para remover a substância inflamável antes de ventilar com ar. A limpeza inicial será feita com o empregado da Contratada ou seu subcontratado, posicionado fora do tanque. Deverão ser adotados procedimentos especiais para controlar os riscos criados pelo próprio processo de limpeza. Por exemplo: se o tanque contém vapor d’água, permitir ou provocar o resfriamento antes da entrada e manter ventilação durante a execução dos trabalhos.

3.6.2. Purga e Ventilação

3.6.2.1. O controle ambiental dentro de um espaço confinado é realizado através de purga e ventilação. O método

a ser usado deverá ser determinado em função dos riscos potenciais que surgem devido ao produto armazenado ou produzido, aos contaminantes suspeitos, ao trabalho a ser executado e ao tipo do espaço confinado.

3.6.2.2. Ventilação geral contínua será mantida onde são produzidas atmosferas tóxicas como parte de um

procedimento de trabalho, como soldar ou pintar, ou onde uma atmosfera tóxica pode se desenvolver devido à natureza do espaço confinado, como no caso de evaporação de substâncias químicas residuais.

3.6.2.3. O uso de proteção respiratória será determinado pelo SESMT da Contratada. Porém, quando podem ser

gerados fumos que contém contaminantes de metal tóxico ou outro, poderá ser indicado máscara semi-facial ARCOSEMI, conectada no sistema ARCOFIL e, com o sistema aterrado.

3.6.2.4. Nunca utilizar oxigênio puro para ventilação.

3.6.3. Bloqueio e Isolamento

3.6.3.1. Os procedimentos de isolamento serão específicos para cada tipo de espaço confinado;

3.6.3.2. O espaço confinado deverá ser isolado completamente de todos os outros sistemas através de

desconexão física, sangramento, ou desligamento de linhas. Válvulas que servem o espaço confinado, serão presas na posição fechada e bloqueada conforme OSHSMT 200701. Além de fechamento, serão desligados e

bloqueados conforme OSHSMT 200701, bombas e compressores que servem estas linhas que entram no espaço confinado para prevenir ativação acidental.

3.6.3.3. Se o espaço confinado possuir uma linha de dreno, esta deverá ser bloqueada e sinalizada, se necessário

na posição que impeça o retorno de gases e/ou líquidos conforme OSHSMT 200701;

3.6.3.4. Deverá ser feito o bloqueio elétrico e mecânico do espaço confinado para prevenir ativação acidental de

partes móveis, conforme OSHSMT 200701.

3.6.4.

Equipamentos e Ferramentas ( conforme OSHSMT 200707 )

3.6.4.1. Ferramentas manuais deverão estar em perfeitas condições de conservação e manutenção ;

3.6.4.2. O uso de equipamentos portáteis com sistema pneumático deve ser priorizado;

3.6.4.3. Equipamentos elétricos portáteis

extensões com dupla isolação (600/1000v);

e máquinas de solda deverão ser ligados com cabo de alimentação e

3.6.4.4. Nunca adentrar espaços confinados com cilindros de gases;

3.6.4.5. Todo equipamento a ser utilizado em atmosfera inflamável deverá ser a prova de explosão;

3.6.4.6. A tensão máxima para equipamentos portáveis é de 110 V, devidamente aterrados e com um dispositivo

de fuga de corrente elétrica DR de 30 mA (Salva Vita).

3.6.4.7. A iluminação interna do recipiente deverá ser feita com sistema de 12 V ou 110 volts desde que utilizado

com um dispositivo de fuga de corrente elétrica DR de 30 mA (Salva Vita). Caso esse tipo de iluminação seja incompatível com o serviço a ser realizado, envolver o SESMT da Contratada e Supervisão responsável pelo serviço.

3.6.5. Materiais

Todo produto químico que adentrar um espaço confinado deve ser avaliado pelo SESMT da Contratada e possuir

ficha de emergência do produto químico ( FISPQ), conforme OSHSMT 200708.

3.7. SITUAÇÕES ESPECÍFICAS Além do exposto nesta Ordem de Serviço, algumas situações específicas exigem observações importantes no que tange à Segurança do Trabalho, como descritas à seguir:

3.7.1. Serviços de manutenção no interior de cilindros secadores:

a) Bloquear o sistema de acionamento eletromecânico conforme OSHSMT 200701.

b) Travar os cilindros que não possuem acionamento.

c) Todas as válvulas de vapor e de saídas de condensado deverão estar bloqueadas conforme OSHSMT 200701;

d) Todo o sistema de condensado deverá ser drenado;

e) A abertura do cilindro secador somente poderá ser feita quando o procedimento de controle de energia estiver

devidamente realizado, conforme OSHSMT 200701;

f) Ao abrir a tampa do cilindro secador esta deve ser amarrada com uma corda e forçada para o interior com uma alavanca.

g) O cilindro aberto deve ser drenado com a utilização de mangueiras e ventilado.

h) A entrada só será permitida, após o SESMT da Contratada fazer o monitoramento ambiental no interior do

secador.

Após o monitoramento, o técnico de segurança deve preencher o checklist e este deve ser fixado próximo à porta de visita do secador, em local visível. É de responsabilidade da Supervisão da Contratada, orientar e coordenar a entrada destes empregados ou subcontratados no interior do secador.

3.7.2. Serviços de construção e reparo em tubulações e tanques revestidos com fibra de vidro:

a) Iniciar o trabalho de cima para baixo.

b) Não usar thiner ou qualquer solvente a base de benzeno.

c) Usar sapatos com solado de borracha.

d) Usar lâmpadas a prova de explosão.

e) Introduzir ar na parte superior.

f) Fazer aspiração na parte inferior, pois o estireno é mais pesado que o ar.

g) Proibido fumar, ( conforme OSHSMT 200709 )

h) Fazer uso de equipamento de respiração autônomo ou ar mandado, quando a ventilação do recipiente não for

suficiente.

3.7.3. Serviços no interior de tanques em geral:

a) Em todos os casos deverão possuir observador externo.

b) Envolver o SESMT da Contratada quando do uso de produtos químicos agressivos.

4. Responsabilidades

4.1. É responsabilidade da supervisão das Contratadas orientar todos os seus empregados quanto ao cumprimento

desta OSHSMT na íntegra.

4.2. É responsabilidade da supervisão das Contratadas promover a limpeza do espaço confinado antes da liberação

para entrada no interior dos mesmos.

4.3. É responsabilidade do SESMT da Contratada o monitoramente e posterior liberação de entrada no espaço

confinado.

A não observância desta OSHSMT caracteriza ato de indisciplina ou insubordinação, passível de aplicação de penas disciplinares. Para os empregados da Contratada e seus subcontratados o Departamento de Pessoal da Contratada analisará as ocorrências e aplicará as sanções conforme legislação em vigor ou outra norma pertinente ao assunto.

ANEXO 1

ANEXO 2

40

40

40

CM

CM

CM

PERIGO

PERIGO

PERIGO

ESPAÇO CONFINADO

ESPAÇO CONFINADO

ESPAÇO CONFINADO

ENTRADA SOMENTE

ENTRADA SOMENTE

ENTRADA SOMENTE

COM AUTORIZAÇÃO

COM AUTORIZAÇÃO

COM AUTORIZAÇÃO

40

40

CM

CM

PARA ENTRADA

PARA ENTRADA

REQUER RESPIRADOR

REQUER RESPIRADOR

40

40

CM

CM

NÃO É PERMITIDO

NÃO É PERMITIDO

TRABALHO A QUENTE

TRABALHO A QUENTE

30

30

30

25

25

25

25

CM

CM

CM

CM

CM

CM

CM