Você está na página 1de 17

24/05/13

(Versão para impressão) UEA 3 – Produção do Texto Informativo e Argumentativo

UEA 3 – Produção do Texto Informativo e Argumentativo

Ementa e Objetivos

Ementa

A leitura e a escrita na Universidade: linguagem e conhecimento. Pressupostos básicos: concepções básicas de linguagem, comunicação, texto, leitura e escrita. Condições de produção da leitura e da escrita do texto acadêmico. Gêneros e tipos textuais: estrutura e funcionamento. Argumentação, coesão e coerência textuais.

Competências

Dominar os conhecimentos básicos de uso da língua portuguesa, oral e escrita, na produção e recepção de textos e situações de comunicação em diversos contextos, diferentes variedades da língua e alternância de gêneros linguísticos.Argumentação, coesão e coerência textuais. Competências Analisar a língua, oral e escrita, como manifestação da

Analisar a língua, oral e escrita, como manifestação da cultura, instrumento de comunicação, de vinculação do pensamento crítico e elaboração do conhecimento acadêmico, científico e tecnológico.da língua e alternância de gêneros linguísticos. Desenvolver expressão e comunicação compatíveis com o

Desenvolver expressão e comunicação compatíveis com o exercício profissional, inclusive nos processos de negociação e nas comunicações interpessoais ou intergrupais.do conhecimento acadêmico, científico e tecnológico. Atualizar-se constantemente com os processos de

Atualizar-se constantemente com os processos de desenvolvimento tecnológico compreendendo as novas práticas de leitura, escrita e modificações da linguagem.e nas comunicações interpessoais ou intergrupais. Habilidades Refletir analítica e criticamente sobre a

Habilidades

Refletir analítica e criticamente sobre a linguagem em um contexto social, histórico e cultural, educacional, tecnológico e ideológico.leitura, escrita e modificações da linguagem. Habilidades Entender os mecanismos de produção textual dominando as

Entender os mecanismos de produção textual dominando as propostas temáticas, a organização lógica, os elementos organizacionais, a estruturação de gênero, a escolha vocabular, a construção textual, norma e posicionamento crítico.e cultural, educacional, tecnológico e ideológico. Refletir sobre os textos, seus mecanismos de produção e

Refletir sobre os textos, seus mecanismos de produção e divulgação, identificando suas estruturas linguísticas, seus diferentes significados, o dito e o não dito, o subliminar, aplicando regras e ideias de forma organizada.a construção textual, norma e posicionamento crítico. Perceber as diversas situações em sala de aula,

Perceber as diversas situações em sala de aula, identificando marcas do discurso, situações socioculturais diferenciadas associadas ao uso da linguagem.o subliminar, aplicando regras e ideias de forma organizada. Analisar os principais conceitos e abordagens na

Analisar os principais conceitos e abordagens na produção do conhecimento.socioculturais diferenciadas associadas ao uso da linguagem. Refletir analítica e criticamente sobre o conteúdo dos

Refletir analítica e criticamente sobre o conteúdo dos textos escritos.conceitos e abordagens na produção do conhecimento. Desenvolver a produção do texto informativo acadêmico,

Desenvolver a produção do texto informativo acadêmico, tais como resumo, resenha e artigo científico.e criticamente sobre o conteúdo dos textos escritos. Ampliar capacidade de diálogo em equipe Dominar os

Ampliar capacidade de diálogo em equipeacadêmico, tais como resumo, resenha e artigo científico. Dominar os processos de investigação, produção e

Dominar os processos de investigação, produção e difusão do conhecimento científico- tecnológico.artigo científico. Ampliar capacidade de diálogo em equipe Contextualização Na perspectiva de produção de leitura e

Contextualização

Na perspectiva de produção de leitura e de textos adotada nesta UEA, a linguagem é tratada como trabalho de pesquisa, estudo, planejamento, escritura e reescritura. Esse tratamento se justifica porque consideramos que ler e escrever textos exige apreensão de mecanismos estruturadores da língua, isto é, parafraseando Citelli (1994), exige desenvolvimento de competências para ler nas palavras dos homens as circunstâncias do mundo.

da

preocupação com regras gramaticais da língua. É preciso pensar a língua do ponto de vista

Isso significa dizer que

a produção de

leitura

e

de

textos vai além da estrutura formal,

24/05/13

(Versão para impressão) UEA 3 – Produção do Texto Informativo e Argumentativo

semântico-discursivo, ou seja, compreender seu funcionamento no uso efetivo, suas significações em diferentes contextos.

A forma da língua é importante, sem ela a comunicação torna-se deficiente, mas apenas a forma não

é suficiente para garantir uma boa produção textual coerente e coesa. Outros fatores assumem

papel vital, como por exemplo, a cultura, a economia, a faixa etária, o regionalismo, todos esses e outros não citados, constituem as condições de produção do sujeito e são determinantes na sua postura ideológica, social e intelectual.

A adequação das formas da língua contribui grandemente para o sucesso dos argumentos que

constituem o texto. Nas condições de produção do sujeito estão as experiências por ele acumuladas que caracterizam sua historicização e é, pela existência dessa historicização que o sujeito se faz sujeito, se assume como sujeito.

A produção textual, seja na forma do código escrito, seja na modalidade oral, para obter sucesso

precisa ser bem elaborada, sistematizada e legitimada.

UEA 1– Linguagem e Conhecimento

Na UEA 1, o objetivo é desenvolver concepções de leitura, de texto e de gramática. As discussões se darão em torno do funcionamento do processo de leitura, da importância do conhecimento do léxico e da gramática.

UEA 2 – A Língua: Uso, Variação e Heterogeneidade. Produção de Unidades Linguísticas

Nesta unidade, iremos refletir sobre a língua portuguesa como um sistema que contém várias normas

e cujo uso, por ser heterogêneo, conforme a situação comunicativa, pode demonstrar que ela não é

uniforme nem única, mas variável. Você irá conhecer os mecanismos para elaboração de diferentes

unidades linguísticas.

UEA 3 – Produção do Texto Informativo e Argumentativo

Nesta unidade, a temática é o desenvolvimento de competências e habilidades de produção do texto informativo acadêmico, tais como resumo, resenha e artigo científico.

Bons estudos!

Aula 01 - Os Tipos de Textos Informativos Acadêmicos

Vamos iniciar a última etapa desta disciplina. Você já ativou inúmeras competências e desenvolveu diversas habilidades cognitivas para obter informação em textos escritos em língua portuguesa, visando às suas necessidades na vida acadêmica. Passará agora a ocupar-se com o ato de prestar informação. Trata-se da atividade de produção textual.

O texto acadêmico com função informativa estrutura-se de acordo com alguns tipos básicos: o

resumo, a resenha e outros tipos de texto acadêmico. Observe como se caracterizam e de que forma são elaborados.

1.1 Resumo

O resumo segue-se à esquematização, estudada na unidade anterior, no que diz respeito às habilidades cognitivas envolvidas. Enquanto esta implica apreensão, compreensão/ interpretação e análise do texto-base, aquele ainda exige que tal texto seja sintetizado – é a realização exemplar da capacidade de síntese por parte do intelector.

exemplar da capacidade de síntese por parte do intelector.

24/05/13

(Versão para impressão) UEA 3 – Produção do Texto Informativo e Argumentativo

Apesar de ser atividade inerente ao trabalho acadêmico, resumir não é exercício frequente na escola brasileira de nível médio. Isso gera enorme dificuldade para o estudante universitário. Você já resumiu algum texto? Veja o que dizem as publicações mais conhecidas.

A ABNT/NB-88 define o resumo como a apresentação “concisa e frequentemente seletiva do texto de um artigo, obra ou documento, pondo em relevo os elementos de maior interesse e importância, sendo frequentemente redigido por outra pessoa que não o autor”.

Othon Garcia, por sua vez, enumera os tipos de resumo: o indicativo (sumário narrativo, que exclui dados); o informativo (condensação do conteúdo, em que se expõem finalidades, metodologia, resultados e conclusões); o informativo/ indicativo (um tipo misto, que dispensa a leitura do fundamental – a tese e as conclusões –, mas não a dos demais aspectos) e o crítico, também chamado de recensão ou resenha (resumo redigido por especialista, que inclui a análise interpretativa).

Em síntese, o resumo, embora contenha as informações fundamentais do texto, não dispensa a leitura completa do mesmo, com identificação do tema e compreensão global do conteúdo, seguidas do reconhecimento das partes (correlacionadas a parágrafos). Você deve anotar as ideias principais – os subtemas ou temas das partes. É preciso, ainda, verificar a progressão temática do texto, construída com base na expansão e na correlação / conexão das ideias principais. O resumo deve conter períodos completos, com tom impessoal, já que se assume o discurso do autor, mas você deve utilizar as próprias palavras.

Para você conhecer as características sistematizadas do resumo, consulte o quadro seguinte.

 

SISTEMATIZAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DO RESUMO

O

que incluir?

Incluir ideias relevantes: assunto, propósito, teoria, método, resultados e conclusões.

Como deve ser a linguagem?

Ser objetiva e impessoal, sem juízo ou apreciação crítica sobre mérito ou falhas.

Como deve ser quanto ao texto-base?

Ter autonomia textual, sem repetição de frases literais do texto- base.

Que tipo de ênfase pode haver?

Enfatizar a contribuição pessoal do autor.

O

que deve propiciar?

Construir a visão sucinta do assunto e estimular a consulta do original.

1.2 Resenha

Este é, provavelmente, o tipo de resumo que você mais terá de fazer a pedido de seus professores ao longo do seu curso. O resumo crítico é uma redação técnica que avalia de forma sintética a importância de uma obra científica ou literária.

a importância de uma obra científica ou literária. Quando um resumo crítico é escrito para ser

Quando um resumo crítico é escrito para ser publicado em revistas especializadas, é chamado de Resenha. Ocorre que, por costume, os professores tendem a chamar de resenha o resumo crítico elaborado pelos estudantes como exercício didático. A rigor, você só escreverá uma resenha no dia em que seu resumo crítico for publicado em uma revista. Até lá, o que você faz é um resumo crítico.

24/05/13

(Versão para impressão) UEA 3 – Produção do Texto Informativo e Argumentativo

Mas não deixam de estar certos os professores que dizem que resenha não é resumo. A resenha (ou resumo crítico) não é apenas um resumo informativo ou indicativo. A resenha pede um elemento importante de interpretação de texto.

Uma boa resenha depende de uma boa leitura. Você só fará uma boa resenha se tiver lido um texto ao menos até a quarta etapa de leitura, na classificação sugerida por Antônio Severino.

Por isso, antes de começar a escrever seu resumo crítico, você deve se certificar de ter feito uma boa leitura do texto, identificando:

tema tratado pelo autorde ter feito uma boa leitura do texto, identificando: problema que ele coloca posição defendida pelo

problema que ele colocaboa leitura do texto, identificando: tema tratado pelo autor posição defendida pelo autor com relação ao

posição defendida pelo autor com relação ao problematema tratado pelo autor problema que ele coloca Os argumentos centrais e complementares utilizados pelo

Os argumentos centrais e complementares utilizados pelo autor para defender sua posiçãoposição defendida pelo autor com relação ao problema O O A Uma vez tendo identificado todos

O

O

A

Uma vez tendo identificado todos esses pontos, que devem estar retratados no seu esquema do texto, você já tem material para escrever metade do seu resumo crítico. Este material já é suficiente para fazer um resumo informativo, mas, para um resumo crítico, falta a crítica, ou seja, a sua análise sobre o texto. E o que é esta análise?

Analisar é ampliar o conhecimento. A análise é, em síntese, a capacidade de relacionar os elementos do texto lido com outros textos, autores e ideias sobre o tema em questão, contextualizando o texto que está sendo analisado. Para fazer a análise, portanto, certifique-se de ter:

Informações sobre o autor, suas outras obras e sua relação com outros autores.Para fazer a análise, portanto, certifique-se de ter: Elementos que contribuam para um debate acerca do

Elementos que contribuam para um debate acerca do tema em questão.autor, suas outras obras e sua relação com outros autores. Condições de escrever um texto coerente

Condições de escrever um texto coerente e com organicidade.que contribuam para um debate acerca do tema em questão. A partir daí você pode escrever

A partir daí você pode escrever um texto que, em linhas gerais, deve apresentar:

Nos parágrafos iniciais, uma introdução à obra resenhada, apresentando:

Nos parágrafos iniciais, uma introdução à obra resenhada, apresentando:

assunto/ tema;o

o

problema elaborado pelo autor;o

o

posição do autor diante deste problema.a

a

O desenvolvimento, a apresentação do conteúdo da obra, enfatizando:

O

desenvolvimento, a apresentação do conteúdo da obra, enfatizando:

as ideias centrais do texto;a apresentação do conteúdo da obra, enfatizando: os argumentos e ideias secundárias. A conclusão,

os argumentos e ideias secundárias.conteúdo da obra, enfatizando: as ideias centrais do texto; A conclusão, apresentando sua crítica pessoal, ou

A conclusão, apresentando sua crítica pessoal, ou seja:

A

conclusão, apresentando sua crítica pessoal, ou seja:

uma avaliação das ideias do autor frente a outros textos e autores;A conclusão, apresentando sua crítica pessoal, ou seja: uma avaliação da qualidade do texto, quanto à

uma avaliação da qualidade do texto, quanto à sua coerência, validade, originalidade, profundidade, alcance, etc.das ideias do autor frente a outros textos e autores; Observe o Exemplo ! É bom

Observe o Exemplo!

É bom lembrar que esses passos não são uma norma rígida. Esta é a estrutura usual de resenhas, mas como a resenha é um texto escrito para publicação em revistas especializadas, cada revista cria suas próprias regras. Questões como onde escrever o nome do resenhista (se abaixo do título, no final, a quantos centímetros da margem), quantos parágrafos utilizar, o número mínimo e máximo de linhas, a utilização de tópicos e subtítulos etc., tudo isso é definido pela revista que for publicar a resenha.

24/05/13

(Versão para impressão) UEA 3 – Produção do Texto Informativo e Argumentativo

Por isso, sempre que um professor pedir para você fazer uma "resenha", (um resumo crítico, já que não será publicado) você deve pedir que ele lhe dê esses parâmetros. Se o professor não se pronunciar, sinta-se livre para decidir como apresentar a resenha, desde que respeitando a estrutura geral apresentada aqui e as normas de bom senso para redação de trabalhos acadêmicos.

1.3 Artigo

O artigo é um gênero textual com autoria declarada que apresenta e discute ideias, métodos,

técnicas, processos e resultados de pesquisas nas diversas áreas do conhecimento, destinado à divulgação, por meio de periódicos ou de uma publicação científica, sujeita à sua aceitação por julgamento.

O artigo permite que os pares possam recriar as condições de experimentação para que outros

possam validar seus resultados.

Vamos, agora, falar um pouco sobre cada uma das partes integrantes desse gênero textual:

1. Título – deve descrever de forma sintética (poucas palavras) a ideia principal tratada no artigo.

2. Autor (es) – deve ser feita a indicação do nome completo. No caso de mais de um autor, deve-se optar pela ordem alfabética ou no caso de estar clara a importância de cada autor (definida pelo esforço empreendido na confecção do artigo), pode-se optar pela indicação do mais importante para o menos importante. Deve-se indicar, em nota de rodapé, a filiação institucional do (s) autor (es).

3. Resumo – veja as normas para elaboração de resumo dadas nesta unidade.

4. Palavras-chave – de três a cinco palavras que sintetizam a ideia central do artigo e que servirão para localizá-lo no caso de busca.

5. Introdução – Apresenta-se a justificativa, indicando a relevância do tema estudado, bom como os objetivos do artigo. Exposição do tema – procede-se à fundamentação teórica a partir da apresentação dos conceitos já existentes. É o momento em que se estabelece necessariamente a intertextualidade, a partir das citações diretas ou indiretas de autores e estudos relevantes para o artigo em questão. É o que dará sustentação teórica ao estudo.

6. Desenvolvimento – apresentar a metodologia (descrição de métodos, técnicas, instrumentos, cronograma, etc.); resultados (coleta de dados); discussão (análise dos resultados, comparação com outros estudos).

7. Conclusão – considerações finais a respeito do estudo realizado, destacando as contribuições do trabalho, com a indicação de possíveis limitações e/ou possibilidades. É importante remeter aos objetivos propostos no início, respondendo às questões levantadas.

8. Fechamento – Referências Bibliográficas – Siga as normas da ABNT ou as indicações do periódico a que se destina o artigo. Tente incluir referências recentes (do mesmo ano ou do ano anterior) para ilustrar que o tópico é atual e de interesse da comunidade. Tente incluir artigos de conferências e revistas, assim como livros, e não apenas sites da Internet. Todas as obras listadas no conjunto de referências devem ser mencionadas no texto, e vice-versa. Anexos podem ser acrescidos quando se julgar necessário.

No caso específico de artigos de revisão que não apresentam resultado específico de pesquisas ou experimentos no desenvolvimento, é feita apenas uma revisão bibliográfica aprofundada do tema.

Nesta aula você pode compreender melhor os aspectos da produção do texto informativo acadêmico. Ao longo da aula foram esclarecidos pontos referentes à elaboração de resumos, resenha e artigos. Agora resta a você praticar tudo o que aprendeu.

Atividades

Nesta aula você estudou a produção de textos acadêmicos.

24/05/13

(Versão para impressão) UEA 3 – Produção do Texto Informativo e Argumentativo

a. Você fez um esquema na aula anterior, lembra-se? Agora, pegue aquele esquema que você já fez e o transforme em um resumo, de acordo com o que você aprendeu nesta aula.

Aula 02 - Produção de Texto e Decisão

O decisor linguístico é o ouvinte/falante capaz de fazer escolhas acerca da adequação ou da inadequação de uma dada forma linguística que intelige (compreende e interpreta) ou produz. Raciocina, não memoriza. Substitui, em caso de dúvida. Conhece princípios linguísticos, não regras gramaticais. Cria, não apenas reproduz. Apreende, compreende, analisa, sintetiza, aplica, avalia, antes de ler ou de redigir. Habitua-se à diversidade, não ao padrão. Nesta aula, vamos ajudá-lo a entender o que é e como se toma essa decisão.

2.1 Elementos para uma Boa Decisão Linguística

Vamos evidenciar alguns aspectos que precisamos definir quando elaboramos uma mensagem:

Que tipo de informação a mensagem contém?que precisamos definir quando elaboramos uma mensagem: Como se dá a interlocução? Quais são os objetivos

Como se dá a interlocução?uma mensagem: Que tipo de informação a mensagem contém? Quais são os objetivos a atingir, considerando

Quais são os objetivos a atingir, considerando o contexto?a mensagem contém? Como se dá a interlocução? Que recursos dispomos para decidir? Que atitude devemos

Que recursos dispomos para decidir?Quais são os objetivos a atingir, considerando o contexto? Que atitude devemos ter ante a necessidade

Que atitude devemos ter ante a necessidade da decisão?considerando o contexto? Que recursos dispomos para decidir? Sempre que você der início à produção de

Sempre que você der início à produção de um texto, procure definir que tipo de informação ele conterá. Para isso, é necessário ter a finalidade, o objetivo do texto em mente. Na vida acadêmica, você transmite informações, ao:

responder a questões de exercícios, testes e provas;Na vida acadêmica, você transmite informações, ao: elaborar relatórios de experimentos, reuniões, resultados

elaborar relatórios de experimentos, reuniões, resultados de análises, entre outros;ao: responder a questões de exercícios, testes e provas; redigir dissertações, teses, monografias. Em cada caso,

redigir dissertações, teses, monografias.reuniões, resultados de análises, entre outros; Em cada caso, a finalidade do texto determinará o tipo

Em cada caso, a finalidade do texto determinará o tipo de informação requerida e o registro linguístico adequado.

2.2 Considerações do Decisor

Você precisa conhecer também o seu interlocutor. Um especialista – o professor de uma disciplina, por exemplo –, necessitará de informações mais específicas e pormenorizadas, ao contrário do leigo, que deverá assimilar o conteúdo da mensagem de forma genérica, apesar da imprescindível clareza textual. Há casos, porém, em que o público é constituído por interlocutores de diferentes níveis cognitivos e sociais. Nessa situação, convém que o texto seja produzido numa linguagem o mais neutra possível, visando atingir a totalidade dos indivíduos, independente de sua faixa etária, classe econômica, categoria profissional, gênero etc.

classe econômica, categoria profissional, gênero etc. Sabendo sobre o que se vai falar e a quem,

Sabendo sobre o que se vai falar e a quem, é preciso planejar o detalhamento do que vai ser dito. Essa estruturação do texto pode ser mental ou mesmo por escrito, como um esquema. Você deve escolher a que melhor se adéqua ao seu jeito de ser e com a qual você se sinta em segurança. Com esses três elementos bem definidos, está na hora de escrever o texto. E se surgem dúvidas sobre o

24/05/13

português, o que fazer?!

(Versão para impressão) UEA 3 – Produção do Texto Informativo e Argumentativo

2.3 As Consultas do Decisor

Você já deve ter experimentado a dificuldade de buscar a resposta a uma dúvida de português, o que é absolutamente natural. Até os mais experimentados escritores enfrentam essa situação. Para resolvê-la, é bastante útil dispor de variadas fontes de consulta, tais como:

Dicionários convencionais (de significados), etimológicos, enciclopédicos, ortográficos.útil dispor de variadas fontes de consulta, tais como: consulta Gramáticas – normativas, descritivas,

consulta

etimológicos, enciclopédicos, ortográficos. consulta Gramáticas – normativas, descritivas, pedagógicas, são

Gramáticas

normativas,

descritivas,

pedagógicas,

são

fontes

de

aprofundamento.

de

Manuais de redação e estilo – governamentais, jornalísticos, empresariais, são instrumentos de homogeneização da redação institucional; dão segurança, porém limitam e não substituem outras fontes de referência, como gramáticas e dicionários.descritivas, pedagógicas, são fontes de aprofundamento. de Obras de fundamentação teórica – constituem fontes de

Obras de fundamentação teórica – constituem fontes de consulta que sustentam opiniões de especialistas.fontes de referência, como gramáticas e dicionários. Além dos conhecimentos adquiridos por essas fontes, você

Além dos conhecimentos adquiridos por essas fontes, você deve reconhecer os diversos tipos de textos: narrativo (romances, contos), descritivos (crônicas, relatórios, atas), dissertativos/argumentativos (teses, ensaios, monografias), poéticos (poemas), dramáticos (peças teatrais), epistolares (correspondência em geral), por meio do conhecimento de suas finalidades e funções linguísticas. Tal tipologia, é claro, acaba por ser fundamental para o desenvolvimento das atividades acadêmicas.

Esperamos que você, a partir deste curso, seja este decisor linguístico. Procuramos orientá-lo para perceber a comunicação escrita como algo mais que um conjunto de letras, que formam palavras, que integram orações, que constroem períodos, que compõem parágrafos, que formam textos.

Atividades

Você estudou sobre a decisão linguística nesta aula.

a. Pense que você precisa escrever um texto, informando ao diretor da empresa em que trabalha sobre uma viagem de trabalho, relatando a urgência.

b. Agora, você chegou em casa e vai escrever uma carta para seu filho de 5 anos, que já está dormindo, explicando que vai viajar a serviço.

c. Compare os dois textos que você acabou de escrever e observe quantas decisões foram tomadas para a elaboração adequadas dos dois textos.

Aula 03 - Produção de Texto Argumentativo

Nesta aula trataremos da produção argumentativa, por ser uma tipologia textual muito solicitada nos trabalhos acadêmicos e fundamental para a reflexão dos estudos feitos ao longo de seu curso.

3.1 O Que é Argumentar

Argumentar é uma arte de linguagem conhecida na Antiguidade, bastante explorada na retórica dos filósofos gregos que desenvolviam com destreza a habilidade argumentativa nas exposições públicas. Os gregos consideravam a linguagem como discurso e era necessidade básica o domínio das regras de uma boa argumentação, domínio esse que definia certo status social e intelectual. Aristóteles chamou a argumentação como a arte de persuadir e convencer.

Em pesquisas mais recentes, encontramos Perelman (1996) que institui a Nova Retórica e a concebe como uma relação discursiva que tem por objetivo convencer ou persuadir, seja um auditório ou um indivíduo. Perelman faz distinção entre persuadir e convencer. A persuasão é uma forma de linguagem argumentativa que tem como alvo um auditório particular e a argumentação persuasiva dirige-se a todo ser racional, é, portanto, de caráter universal.

24/05/13

(Versão para impressão) UEA 3 – Produção do Texto Informativo e Argumentativo

à

argumentação um valor semântico profundo. Segundo esses autores, nem todas as palavras se prestam à argumentatividade, consideram eles que, são os predicados (nomes e verbos) e os modificadores (adjetivos e advérbios) que têm força de argumento. São, portanto, termos e expressões da língua que operam na argumentação, por isso, também chamados de operadores argumentativos.

e Ascombre (1983) constatam que a argumentação está na língua, esse

fato dá

Ducrot e Ascombre, no desdobramento da Teoria da Argumentação, incluem a noção de topos e para eles, pela presença do topos, a argumentação se dá em escalas graduais, de forma que na elaboração dos argumentos há sempre um mais forte que predomina e que dá a direção argumentativa para uma conclusão.

A característica fundamental do texto argumentativo-dissertativo é convencer e/ou persuadir pela

linguagem. Para que essa marca identificadora da argumentatividade de um texto entre em funcionamento é necessário também acionar outros mecanismos da linguagem, que acontecem algumas vezes de forma consciente, outras vezes, inconscientes, pelos sujeitos de discurso quando desejam elaborar suas teses, defender suas idéias, se inscrever em posições subjetivas e debater

preconceitos.

Para que o sujeito tenha condições de desenvolver competências argumentativas, torna-se necessário apreender os mecanismos estruturadores da argumentatividade. Toda linguagem é ideologicamente marcada e a ideologia só se manifesta através da linguagem e nem sempre são perceptíveis numa leitura linear. Isso significa dizer que quando usamos a linguagem, junto com ela vêm dados e informações que estão armazenados em nosso cérebro e que, muitas vezes, nem percebemos que elas estavam ali guardadas.

Por essa razão, a produção argumentativa vai além da estrutura formal, da preocupação com regras gramaticais da língua. É preciso pensar a argumentação do ponto de vista semântico-discursivo, ou seja, é preciso pensar no sentido que queremos que nossa produção argumentativa alcance.

A forma da língua é importante, sem ela a comunicação torna-se deficiente, mas apenas a forma não

é suficiente para garantir uma boa produção textual argumentativa coerente e coesa. Outros fatores assumem papel vital, como por exemplo, a cultura, a economia, a faixa etária, o regionalismo, todos

esses e outros não citados, constituem as condições de produção do sujeito e são determinantes na sua postura ideológica, social e intelectual.

A adequação das formas argumentativas da língua contribui grandemente para o sucesso dos

argumentos que constituem o discurso e que o torna argumentativo. Nas condições de produção do sujeito estão as experiências por ele acumuladas, que caracterizam sua historicização, ou seja, toda sua experiência social, cultural e de vida, e é, pela existência dessa historicizaçao que o sujeito se

faz sujeito, se assume como sujeito e defende suas posições.

A construção argumentativa requer a formação de um ponto de vista e isso só se dá a partir do

momento que o sujeito se coloca numa determinada posição e é dessa posição na qual se inscreve que ele produzirá seu discurso argumentativo. A formação do ponto de vista passa também pelo campo das formações imaginárias, isto é, antes de se enunciar o sujeito elabora imagens.

Para discutir as formações imaginárias Pêcheux (1997) levanta a hipótese de que na estrutura de uma formação social há lugares de representação postos em jogo no processo discursivo e é por meio desses processos que as formações imaginárias funcionam designando os lugares, as posições que cada sujeito assume na argumentação e, confirmando Gadet (1997) diz: “o que podemos dizer é que todo processo discursivo supõe a existência dessas formações imaginárias” (p. 83). Essas formações imaginárias são resultados de um efeito de pré-construído, ou seja, representa dados e informações que se encontram na memória da pessoa e que são revelados explicita ou implicitamente no uso da linguagem. Esse fenômeno das formações imaginárias permite ao sujeito enunciador que o seu dizer se faça de uma forma e não de outra. Isso significa que a forma de dizer, as palavras que escolhe influenciam no resultado da argumentação.

3.2 Características do Texto Argumentativo

24/05/13

(Versão para impressão) UEA 3 – Produção do Texto Informativo e Argumentativo

Veja, a seguir, as principais características que envolvem a argumentação:

Exposição e a argumentação simultâneas daquilo que o autor pensa sobre determinado assunto. e a argumentação simultâneas daquilo que o autor pensa sobre determinado assunto.

Situa e discute.daquilo que o autor pensa sobre determinado assunto. Apresenta uma tese , apoiada em argumentos, aponta

Apresenta uma tese , apoiada em argumentos, aponta a conclusão tese, apoiada em argumentos, aponta a conclusão

Tenta persuadir/convencer o leitor.uma tese , apoiada em argumentos, aponta a conclusão Os argumentos apresentados podem ser originais

Os argumentos apresentados podem ser originais (inferências) ou alheios (presença de citações).aponta a conclusão Tenta persuadir/convencer o leitor. O texto de opinião sempre estabelece relações lógicas (

O texto de opinião sempre estabelece relações lógicas (mas, assim, o que comprova, mas, assim, o que comprova,

deste modo, porém, um outro lado da questão é

).

Um bom texto argumentativo sempre apresenta o outro lado da questão, para melhor fundamentar a própria tese. Entretanto, a conclusão sempre aparecerá em decorrência do que se disse antes

(assim, desse modo, como vemos, considerando esses fatos, em consequência disso

).

A produção do texto argumentativo deve ser feita por etapas:

Etapa intertextualprodução do texto argumentativo deve ser feita por etapas: Considere o universo de informação que possui

Considere o universo de informação que possui sobre o assuntoargumentativo deve ser feita por etapas: Etapa intertextual Todo texto tem um antecedente em relação ao

Todo texto tem um antecedente em relação ao qual ele toma posiçãoo universo de informação que possui sobre o assunto Aqui se resgata seu conhecimento de mundo.

Aqui se resgata seu conhecimento de mundo.tem um antecedente em relação ao qual ele toma posição Etapa contextual ou pragmática Considere a

Etapa contextual ou pragmáticatoma posição Aqui se resgata seu conhecimento de mundo. Considere a finalidade do texto que vai

Considere a finalidade do texto que vai ser escritoseu conhecimento de mundo. Etapa contextual ou pragmática Para defender um ponto de vista Opor-se a

Para defender um ponto de vistaConsidere a finalidade do texto que vai ser escrito Opor-se a uma ideia corrente Para modificar

Opor-se a uma ideia correntedo texto que vai ser escrito Para defender um ponto de vista Para modificar ideias e

Para modificar ideias e opiniõesPara defender um ponto de vista Opor-se a uma ideia corrente Estabelece-se aqui o tom do

Estabelece-se aqui o tom do textoa uma ideia corrente Para modificar ideias e opiniões Balizando o desenvolvimento do texto Em função

Balizando o desenvolvimento do textoideias e opiniões Estabelece-se aqui o tom do texto Em função do tempo que se dispõe

Em função do tempo que se dispõe para produzi-loaqui o tom do texto Balizando o desenvolvimento do texto Do espaço e do público para

Do espaço e do público para o qual o texto se destinado texto Em função do tempo que se dispõe para produzi-lo Etapa textual Estabelecer um plano:

Etapa textualDo espaço e do público para o qual o texto se destina Estabelecer um plano: listar

Estabelecer um plano: listar tópicose do público para o qual o texto se destina Etapa textual Arquitetura: sempre válida a

Arquitetura: sempre válida a observação aristotélica de que um discurso deve apresentar começo, desenvolvimento e conclusão.destina Etapa textual Estabelecer um plano: listar tópicos 3.3 Como se Organiza o Texto Dissertativo/Argumentativo Como

3.3 Como se Organiza o Texto Dissertativo/Argumentativo

Como você já sabe, foi Aristóteles, século V antes de Cristo, que criou a organização do texto por partes e até hoje, é esse o modelo que produz maior efeito e que demonstra com mais clareza os objetivos a que ele se propõe. Vamos aqui relembrar o que esse grande filósofo nos ensinou:

Introduçãoaqui relembrar o que esse grande filósofo nos ensinou: É o ponto de partida Roteiro do

É o ponto de partidao que esse grande filósofo nos ensinou: Introdução Roteiro do que se lerá Lança mão de

Roteiro do que se leráfilósofo nos ensinou: Introdução É o ponto de partida Lança mão de recursos que podem despertar

Lança mão de recursos que podem despertar o interesse do leitorIntrodução É o ponto de partida Roteiro do que se lerá

24/05/13

(Versão para impressão) UEA 3 – Produção do Texto Informativo e Argumentativo

Formula uma teseUEA 3 – Produção do Texto Informativo e Argumentativo Lança uma afirmação surpreendente Justifica ou refutar

Lança uma afirmação surpreendentedo Texto Informativo e Argumentativo Formula uma tese Justifica ou refutar Propõe uma pergunta que será

Justifica ou refutarFormula uma tese Lança uma afirmação surpreendente Propõe uma pergunta que será respondida ao longo do

Propõe uma pergunta que será respondida ao longo do textoLança uma afirmação surpreendente Justifica ou refutar Desenvolvimento Organização criteriosa das ideias,

Desenvolvimento

Desenvolvimento

Organização criteriosa das ideias, conceitos, informações, argumentosDesenvolvimento Analisam-se relações de causa-efeito No geral, cada parágrafo trata de uma nova ideia, mas deve

Analisam-se relações de causa-efeitocriteriosa das ideias, conceitos, informações, argumentos No geral, cada parágrafo trata de uma nova ideia, mas

No geral, cada parágrafo trata de uma nova ideia, mas deve haver relação lógica entre eles (elementos coesivos)criteriosa das ideias, conceitos, informações, argumentos Analisam-se relações de causa-efeito Conclusão

Conclusão

Conclusão

Retoma o que foi dito e expõe uma avaliação do que foi discutidológica entre eles (elementos coesivos) Conclusão Deve ser bem produzido linguisticamente, observando a boa

Deve ser bem produzido linguisticamente, observando a boa construção sintática, a riqueza e a pertinência vocabular, a correção gramatical e o estilo.o que foi dito e expõe uma avaliação do que foi discutido 3.4 Recursos para Convencer

3.4 Recursos para Convencer

A boa produção argumentativa se utiliza de recursos que bem usados se tornam grande aliados do argumentador, isto é, daquele que se enuncia. Observe que são elementos que dão sustentação ao texto:

Argumento de autoridadeObserve que são elementos que dão sustentação ao texto: É a citação de autores renomados Autoridades

É a citação de autores renomadosque dão sustentação ao texto: Argumento de autoridade Autoridades num certo domínio do saber Corrobora uma

Autoridades num certo domínio do saberArgumento de autoridade É a citação de autores renomados Corrobora uma tese Argumento baseado no consenso

Corrobora uma tesede autores renomados Autoridades num certo domínio do saber Argumento baseado no consenso Exemplo: Os investimentos

Argumento baseado no consensoAutoridades num certo domínio do saber Corrobora uma tese Exemplo: Os investimentos em pesquisa são indispensáveis,

Exemplo: Os investimentos em pesquisa são indispensáveis, para um país superar sua condição de dependência. (Obs. Pode carregar ideologias implícitas).do saber Corrobora uma tese Argumento baseado no consenso Argumentos baseados em provas concretas É importante

Argumentos baseados em provas concretasdependência. (Obs. Pode carregar ideologias implícitas). É importante sempre apontar fatos que reforcem a sua

É importante sempre apontar fatos que reforcem a sua opinião.implícitas). Argumentos baseados em provas concretas Alguns cuidados que se deve ter na produção argumentativa:

Alguns cuidados que se deve ter na produção argumentativa: Escrever sempre requer cuidados. A palavra depois de proferida não volta, portanto, saber escolhê-las é uma virtude que devemos cultivar. Você já estudou, nesta disciplina, que elementos como coerência, coesão, correção gramatical são muito importantes, principalmente, no texto escrito. A seguir, listamos pequenos detalhes que fazem a diferença em sua produção:

Não se deve escrever em um texto clichês, chavões, que atrapalham o texto

Não

se

deve

escrever em um texto

clichês,

chavões,

que

atrapalham o

texto

argumentativo:

 
Não por trazerem expressões comuns a diferentes tipos de textos, mas porque substituem

Não por trazerem expressões comuns a diferentes tipos de textos, mas porque substituem

a

reflexão;

Frases-feitas eliminam qualquer possibilidade de argumentação, pois já são conhecimentos prontos, indiscutíveis e

Frases-feitas eliminam qualquer possibilidade de argumentação, pois já são conhecimentos prontos, indiscutíveis e que não precisam ser desenvolvidos com mais cuidado

O lugar-comum apenas repete  

O

lugar-comum apenas repete

 
Evite gírias  

Evite gírias

 
Não se deixe envolver por emoções exageradas  

Não se deixe envolver por emoções exageradas

 

24/05/13

(Versão para impressão) UEA 3 – Produção do Texto Informativo e Argumentativo

Redija um texto com sobriedadeUEA 3 – Produção do Texto Informativo e Argumentativo Evite muitos adjetivos Evite repetições de palavras

Evite muitos adjetivosInformativo e Argumentativo Redija um texto com sobriedade Evite repetições de palavras Ideias mal concatenadas levam

Evite repetições de palavrasRedija um texto com sobriedade Evite muitos adjetivos Ideias mal concatenadas levam à fuga ao tema

Ideias mal concatenadas levam à fuga ao tema e a incoerência textualEvite muitos adjetivos Evite repetições de palavras Os estudos sobre a linguagem existem há séculos e

Os estudos sobre a linguagem existem há séculos e ainda há muito por se descobrir, portanto, não podemos dizer que falamos tudo, mas é possível dizer que o que foi dito a você, caro estudante, é suficiente para que você possa elaborar seus textos com mais segurança e conhecimento.

Para encerrar a aula, trazemos uma interessante observação feita por Faraco e Tezza, no livro “Prática de Texto”:

A língua é uma das realidades mais fantásticas de nossa vida. ela está presente em todas as nossas atividades; nós vivemos entrelaçados (às vezes soterrados) por

palavras; elas estabelecem todas as nossas relações e nossos limites [ inteiro é um gigantesco bate-papo (FARACO; TEZZA, 2007, p. 9).

].O mundo

Chegamos ao final desta aula. Com as orientações que recebeu nesta disciplina, você terá competências e habilidades para melhor usar e aproveitar as possibilidades que nossa língua nos oferece.

Nesta aula você teve a oportunidade de constatar que com organização e alguns cuidados é possível elaborar um bom texto argumentativo.

Atividades

Esta foi a aula em que você aprendeu mais sobre textos argumentativos.

a. Releia os dois textos que você escreveu na aula anterior, sobre sua viagem de trabalho e confira se usou argumentos suficientes para convencer seu diretor a autorizar sua saída.

b. Veja se no texto escrito para seu filho você foi claro o suficiente para que ele compreenda sua ausência.

c. Nos dois casos, refaça os textos, acrescentando o que aprendeu nesta aula.

Referencias

BARTHES, Roland. O prazer do texto. São Paulo: Perspectiva, 1977. 86 p.

CAMARA JR., Joaquim Mattoso. Estrutura da língua portuguesa. 25. ed. Petrópolis, Vozes, 1996.124 p.

Manual de expressão oral e escrita. 20. ed. Petrópolis, Vozes, 2001. 164 p.

CHEMIN, Beatris Francisca. Manual da Univates para trabalhos acadêmicos. Disponível em:

CUNHA, Celso; CINTRA, Luís Felipe Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001. 748 p.

DAVIS, Flora. A comunicação não verbal. Tradução de Antonio Dimas; direção da edição de Fanny Abramovich. São Paulo: Summus Editorial Ltda., 1979.

DUCROT, Oswald; ASCOMBRE, Jean Claude. Argumentação e Topoi argumentativos. In: GUIMARAES, Eduardo. História e sentido na linguagem. Campinas: Pontes, 1989.

FRANCHI, CARLOS. Mas o que é mesmo “gramática”? São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna: aprenda a escrever, aprendendo a pensar.

24/05/13

(Versão para impressão) UEA 3 – Produção do Texto Informativo e Argumentativo

21. ed. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2002. 540 p.

GRICE, Herbert Paul. “Lógica e conversação”. In: DASCAL, Marcelo (Org.). Pragmática:

Problemas, críticas, perspectivas da lingüística: bibliografia. Campinas: Unicamp, 1982. 301 p.

KOCH, Ingedore G. V. Argumentação e linguagem. São Paulo: Contexto, 1984.

A coesão textual. São Paulo: Contexto, 1989.

; TRAVAGLIA, L. C. A coerência textual. São Paulo, Contexto, 1990.

LEOTTI, Maria José. De peito aberto: uma forma de ler os fenômenos da linguagem, se você

tem

MARTINS, Denise de A. C. Aspectos do Baby Talk no Português. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro, PUC/RJ, 1988. Mimeo. 132 p.

Mecanismo de simplificação em registros especiais do português. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro, UFRJ, 1991. Mimeo. 201 p.

“Interação médico-paciente”. Curso de Introdução à análise do discurso. Brasília, UnB.

1997. Mimeo, 10p.

“Pedagogia da positividade: comunicação construtiva em português, de Francisco Gomes de Matos”: recensão. In: Revista Internacional de Língua Portuguesa. Lisboa, Associação das Universidades de Língua Portuguesa, 17, julho de 1997. pp. 165-166.

; JORGE, Lurdes Tereza L.; BARRETO, Lina Sandra. Programa de educação continuada

Língua Portuguesa: compreensão e interpretação textual – Módulo 1. Brasília: Cespe – Finatec / UnB,

1998. Texto impresso e CD-ROM. 98 p.

Esta e muitas histórias de todo dia: contos e crônicas. Brasília, 2003. No prelo.

MATOS, Francisco Gomes de. Pedagogia da positividade: comunicação construtiva em português. Recife: Editora Universitária, UFPE, 1996. 127 p.

MEDEIROS, João Bosco. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1996.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 3. ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2001. 118 p.

NOVO MANUAL DA REDAÇÃO. 4. ed. São Paulo, Folha de S. Paulo, 1992. 331 p.

OLIVEIRA, Edison. Todo mundo tem dúvida, inclusive você. Porto Alegre: Sagra. 1995. 180 p.

PECHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da Unicamp, 1997.

PERELMAN, Chaïm. Tratado da argumentação: a nova retórica. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

SEVERINO, Antônio J. Metodologia do trabalho científico. 21. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

Glossário

A

Analogia Comparação. Argumentação Apresentação de provas a favor ou contra uma proposição anteriormente enunciada, utilizando-se de exemplos, citações, analogias ou outros recursos de retórica.

24/05/13

(Versão para impressão) UEA 3 – Produção do Texto Informativo e Argumentativo

Assertividade Característica da sentença que declara inteiramente a sua mensagem, seja ela positiva ou negativa, sem deixar margem a dupla interpretação. Atitude Comportamento ditado por disposição interior; maneira de agir em relação a pessoa, objeto, situação etc. Avaliação Processo pelo qual se define o valor de algo, bem como sua validade dentro de determinadas situações. Esse é um processo contínuo nas situações de comunicação oral e escrita, pois os falantes estão sempre decidindo, pela avaliação, quais elementos linguísticos serão usados em cada situação.

C

 

Cena enunciativa Aquela em que há pessoas que conversam, em que ocorre interação linguística. Cognição Processo ou faculdade de se adquirir um conhecimento, de conhecer algo. Compreensão Faculdade de entender, de perceber o significado de algo. Contexto

O

ambiente em que se dá a comunicação e que envolve, simultaneamente, o comportamento

linguístico e social. Convicção Crença ou opinião a respeito de algo, com base em provas ou razões íntimas, ou como resultado da influência ou da persuasão de outrem. Crítica

Arte ou faculdade de examinar/julgar obras, em especial as de caráter artístico ou literário; apreciação minuciosa, julgamento. Contexto

O

conjunto de condições de uso da língua, que envolve, simultaneamente, o comportamento

linguístico e o social, e é constituído de dados comuns ao emissor e ao receptor; ambiente.

Dependendo do contexto, as situações de comunicação são alteradas. Por isso, para determinar o significado de um termo, é necessário conhecer o contexto em que está inserido. Cooperação Atuação, juntamente com outros, para um mesmo fim; contribuir com trabalho, esforços, auxílio; colaboração.

D

Decodificar Mudar de um código para o outro, decifrar, compreender, interpretar o sentido de uma mensagem. Deriva Encadeamento de mudanças ocorridas numa dada língua, que seguem uma direção bem definida. Como exemplo, temos o uso do pronome oblíquo no início das frases: "Me dá isso", que ocorre no português do Brasil, mas não no português de Portugal. Dicionário Compilação completa ou parcial dos vocábulos de uma língua, ou de certas áreas específicas desta língua, geralmente em ordem alfabética e que fornece, além das definições, informações sobre sinônimos, antônimos, ortografia, pronúncia, classe gramatical, etimologia. Dissertação Tipo de texto em que o raciocínio, a exposição e a argumentação ganham papel de destaque. Desempenho Nível de ação de um falante da língua; o grau de adequação que este consegue alcançar quando fala ou escreve.

24/05/13

(Versão para impressão) UEA 3 – Produção do Texto Informativo e Argumentativo

Descrição Tipo de texto que se caracteriza pela predominância dos aspectos referentes à forma, tais como cores, dimensões, posições, textura, estrutura, gênero etc., texto que usa a língua para compor uma imagem, seja de seres concretos ou abstratos e onde ocorre a predominância de substantivos, adjetivos e advérbios. Dialeto Conjunto de marcas lingüísticas de natureza semântico-lexical, morfossintática e fonético- morfológica, restrito a dada comunidade de fala inserida numa comunidade maior de usuários da mesma língua, que não chegam a impedir a intercomunicação da comunidade maior com a menor [O dialeto pode ser geográfico ou social.]; qualquer variedade linguística coexistente com outra e que não pode ser considerada uma língua (p.ex.: no português do Brasil, o dialeto caipira, o nordestino, o gaúcho etc.); modalidade regional de uma língua que não tem literatura escrita, sendo predominantemente oral; língua que, embora tenha literatura escrita, não é língua oficial de nenhum país (p.ex., o catalão, o basco, o galego etc.); variedade regional de uma língua cujas diferenças em relação à língua padrão são tão acentuadas que dificultam a intercomunicação dos seus falantes com os de outras regiões (p.ex., siciliano, calabrês).

E

Enunciação Ato individual de utilização da língua pelo falante, ao produzir um enunciado num dado contexto comunicativo. Enunciado Frase, parte de um discurso ou discurso (oral ou escrito) em associação com o contexto; segmento produzido por um falante numa determinada língua delimitado por certas marcas formais: de entonação, de silêncios (expressão oral), de pontuação (expressão escrita). Erro Ato ou efeito de errar; juízo ou julgamento em desacordo com a realidade observada; engano; qualidade daquilo que é inexato, incorreto; desvio do caminho. Estrutura Organização, disposição e ordem dos elementos essenciais que compõem um corpo (concreto ou abstrato); organização das partes, em função de algo de cunho genérico e global; aquilo que dá sustentação (concreta ou abstrata) a alguma coisa; armação, arcabouço; agregação, reunião de elementos que compõem um todo e a sua inter-relação com este todo; rede de associações que se constroem a partir de correlações e oposições entre os elementos linguísticos. Economia Dispêndio exato de esforço linguístico na produção de um enunciado. Empréstimo Incorporação, ao léxico de uma língua, de um termo pertencente a outra língua. Estrangeirismo Palavra ou expressão estrangeira usada em um texto, tal como se fosse parte do léxico da língua receptora,embora ainda não esteja incorporada a este. Exemplificação Uso do exemplo como recurso de retórica e argumentação. Ética Estudo da moral e das regras de bem proceder.

F

Falar Variedade de uma língua peculiar a um quadro geográfico; tem-se o falar regional, próprio de uma área mais ampla (p. ex.: o falar nordestino) e o falar local, próprio de uma cidade, de uma vila etc.; dialeto, fala – o carioca, o do vale do Paraíba; variedade de língua (com características específicas na sintaxe e no léxico) que caracteriza um determinado grupo sociocultural; dialeto, linguajar. Formal

24/05/13

(Versão para impressão) UEA 3 – Produção do Texto Informativo e Argumentativo

Relativo à forma de um vocábulo ou de uma estrutura linguística, bem como à maneira usada para organizar os elementos dentro de um enunciado. Funcional Relativo à função que um determinado componente linguístico ocupa dentro do texto. Dizemos que um termo é funcional quando desempenha um papel importante na construção

do significado, isto é, ele "funciona" dentro do sistema da língua.

H

 

Heterogeneidade Qualidade daquele que possui natureza desigual e/ou apresenta diferença de estrutura, função, distribuição etc. (diz-se de qualquer coisa em comparação com outra); ou que é constituído por elementos variados; ou composto de partes ou elementos de diferentes naturezas, isto é, que não tem unidade, não é uniforme.

I

 

Informação Ato ou efeito de informar(-se); comunicação ou recepção de um conhecimento ou juízo; o conhecimento obtido por meio de investigação ou instrução; esclarecimento, explicação, indicação, comunicação, informe; acontecimento ou fato de interesse geral tornado do conhecimento público ao ser divulgado pelos meios de comunicação; notícia; informe escrito; relatório; conjunto de atividades que têm por objetivo a coleta, o tratamento e a difusão de notícias junto ao público; conjunto de conhecimentos reunidos sobre determinado assunto; elemento ou sistema capaz de ser transmitido por um sinal ou combinação de sinais pertencentes a um repertório finito. Institucional Relativo à estrutura material e humana que serve à realização de ações de interesse social

ou

coletivo; que provém de uma instituição.

Intelecção Ação ou processo de entender; fato de entender; compreensão, entendimento. Interlocutor Cada uma das pessoas que participam de uma conversa, de um diálogo; cada uma das pessoas envolvidas num ato linguístico. Intertextualidade De textos ou de partes de textos preexistentes de um ou mais autores, de que resulta a elaboração de um novo texto. Indo-europeu Tronco ou família de línguas aparentadas, faladas em parte da Ásia e em grande parte da Europa. Contém vários ramos, tais como o indo-iraniano, o báltico, o itálico, o germânico e o celta, o grego, o albanês e o armênio; língua pré-histórica hipotética que os linguistas e filólogos do século XIX reconstituíram em seus estudos e que teria sido a protolíngua da

família indo-europeia. Interpretação Determinação do significado de uma mensagem; entendimento; leitura.

L

Léxico

O repertório total de palavras existentes numa determinada língua; relação de palavras

empregadas com sentido diferente do da língua comum, com as respectivas explicações, ou relação das palavras usadas por um autor, um grupo social etc.; vocabulário. Literalidade Qualidade do que é literal, do que pode ser interpretado em seu sentido denotativo, informativo. Lógica Parte da filosofia que estuda os processos intelectuais pelos quais se adquire o conhecimento. Diz-se que “é lógico”, muitas vezes, no sentido de ser coerente, encadeado, verdadeiro.

24/05/13

(Versão para impressão) UEA 3 – Produção do Texto Informativo e Argumentativo

M

 

Monografia Tipo de texto acadêmico-científico no qual se discorre com profundidade a respeito de um único assunto, analisando-o sob diversos aspectos, após a realização de pesquisas bibliográficas e/ou de campo. Metas Objetivos que se procura atingir a médio ou longo prazo.

N

 

Narração Tipo de texto que privilegia a seqüência dos fatos de uma história. Pode ser feita em ordem cronológica ou não. A ordem e a maneira de se apresentar os fatos interferem diretamente na qualidade da narrativa. Norma Preceito estabelecido na seleção do que deve ou não ser usado numa certa língua, levando em conta fatores linguísticos e não linguísticos, como tradição e valores socioculturais (prestígio, elegância, estética etc.); tudo o que é de uso corrente numa língua relativamente estabilizada pelas instituições sociais. Neologismo Palavra nova, criada a partir dos mecanismos aceitáveis pelo padrão do idioma. (ver processos de formação de palavras)

O

 

Oração Frase ou segmento de frase que contém um verbo.

P

 

Paradoxo Aquilo que se apresenta como contradição, como inesperado dentro do contexto. Ex.:

Apesar de toda a riqueza material que caracteriza os países de primeiro mundo, ainda pode- se ver, em inúmeras de suas cidades, as figuras dos indigentes e dos marginais. Período Conjunto de orações. Pronunciamento

O

que resulta do ato de fala ou escrita, manifestação de um discurso oral ou escrito.

Positividade Qualidade do que é positivo, que leva à certeza, à segurança.

Pragmática

A

parte da teoria do uso linguístico que estuda os princípios de cooperação que atuam no

relacionamento linguístico entre o falante e o ouvinte, permitindo que o ouvinte interprete o enunciado do seu interlocutor, levando em conta, além do significado literal, elementos da situação e a intenção que o locutor teve ao proferi-lo (por exemplo: o enunciado "você sabe que horas são?" pode ser interpretado como um pedido de informação, como um convite para que alguém se retire etc.).

R

 

Recepção

 

O

ato de receber a mensagem e que corresponde à parte final da transmissão da mesma;

entre falantes, cabe ao interlocutor/destinatário. Relatório Tipo de texto geralmente utilizado no meio técnico-científico, no qual se enumeram e

descrevem as etapas de procedimentos e se analisam os resultados de um experimento.

S

24/05/13

(Versão para impressão) UEA 3 – Produção do Texto Informativo e Argumentativo

Silogismo Proposição filosófica que se baseia no encadeamento das premissas, ou seja, das partes de uma proposição, estabelecendo relações de causa e conseqüência e de conclusão: Quem nasce no Brasil é brasileiro. Pedro nasceu no Brasil. Logo, Pedro é brasileiro. Sintaxe Parte da gramática que estuda as palavras como elementos de uma frase, as suas relações de concordância, de subordinação e de ordem. Sintática Relativo à sintaxe. Sistema Conjunto de elementos, concretos ou abstratos, intelectualmente organizado; conjunto concebido pelo espírito (como hipóteses, crenças etc.) de objetos de reflexão, ou convicção, unidos por um fundamento; doutrina, ideologia, teoria, tese; conjunto de idéias logicamente solidárias, consideradas nas suas relações; conjunto de regras ou leis que fundamentam determinada ciência, fornecendo explicação para uma grande quantidade de fatos; teoria; distribuição de um conjunto de objetos numa ordem que torna mais fácil sua observação e estudo; qualquer conjunto natural constituído de partes e elementos interdependentes; conjunto das redes de relações pelas quais uma língua se organiza e se estrutura; conjunto dos sistemas parciais ou subsistemas (fonológico, sintático, morfológico, semântico) que integradamente formam a estrutura da língua como um todo . Semântica Ramo da linguística que se ocupa do estudo da significação do significado das palavras, em oposição a sua forma. Semântico Relativo ao significado. Simetria Semelhança entre duas metades de um todo.

T

 

textualidade:

Conjunto de características que garante a um enunciado lingüístico a condição de “texto”.

U

 

Unidade linguística Qualidade daquilo que é uno, que não pode ser dividido; qualidade do que apresenta semelhança, harmonia ou coerência com outros elementos da mesma espécie; cada parte estruturada que, por si, forma um todo dentro de uma estrutura maior.

V

Variação Flexibilização na forma de apresentar uma palavra, uma expressão ou uma estrutura, sem obedecer totalmente à norma padrão, mas sem se tornar inaceitável linguisticamente.