Os conhecimentos apreendidos serão de fundamental importância para a reflexão teórica envolvendo a compreensão necessária de que o Direito, para ser

entendido e estudado enquanto fenômeno cultural e humano, precisa ser tomado enquanto sistema disciplinador de relações de poder, a partir da metodologia utilizada em sala com a aplicação dos casos concretos, a saber: Caso 1 Tema: Os diversos significados da palavra "Direito". O direito
(1) à vida e à saúde é tutelado no direito(2) brasileiro e cabe ao Estado cuidar da saúde e da assistência pública. Com base nestes argumentos, José teve reconhecido o direito(3) a receber medicamentos do Estado para o tratamento de uma doença que contraíra. Realmente, não parece direito(4) deixar um cidadão direito (5) desassistido. Mas nem sempre foi assim: apenas com o passar do tempo, o estudo do direito (6) reconheceu esses direitos (7) sociais, transformando-os em direito (8).

a) Identifique as diversas acepções da palavra "direito" no texto acima, estabelecendo correspondência com os seguintes significados: direito subjetivo, direto objetivo, direito positivo, justo, correto e ciência jurídica. R: 1. Direito subjetivo;
2. Direto positivo; 3. Direito subjetivo; 4. Justo; 5. Correto; 6. Ciência jurídica; 7. Direito subjetivo 8. Direito objetivo.

b) Quando nos referimos ao direito de uma pessoa ou de muitas pessoas, estamos nos referindo a que tipo de direito? Conceitue este direito. R: Referimo-nos ao direito subjetivo. Dentre outras definições possíveis,
podemos dizer que o direito subjetivo pode ser entendido como o poder de submeter alguém a um interesse seu preestabelecido na norma jurídica.

c) Qual a distinção entre direito e justiça? R: Em primeiro lugar, é preciso estabelecer a que direito estamos nos
referindo. Aqui o vocábulo tem o sentido de direito objetivo. Justiça,

no enunciado, não significa o aparelhamento do Estado para fazer valer o direito positivo, mas tem relação com um ideal, como um objetivo a ser alcançado. Muito embora a justiça guarde relação com o “bem comum”, tem ela, também, um conteúdo interno, subjetivo, no sentido de que cada pessoa pode entendê-la de uma forma, dependendo da situação a ser analisada, da época em que o fato se deu e da cultura da sociedade. Há também determinados parâmetros de justiça que transcendem a esfera individual e alcançam uma relativa unanimidade: o fato de se tirar a vida de alguém por crueldade, por exemplo, ofende a ideia de justiça de quase todas as pessoas, seja qual for a sociedade. Ela é uma das finalidades do direito, uma vez que o direito, através de suas normas, busca alcançá-la. Entretanto, o direito pode, eventualmente, abrir mão da justiça, para privilegiar outra de suas finalidades, como a segurança, por exemplo.

Caso 2 Tema: A finalidade do Direito: controle social, prevenção e composição de conflitos, promoção da ordem, segurança e justiça. Eleita a Assembleia Nacional Constituinte, senadores e deputados ficaram encarregados de redigir uma nova Constituição para a República Federativa do Brasil. Concluídos os trabalhos, foi elaborado o seguinte preâmbulo, com intuito de demonstrar os propósitos das normas contidas no documento: "Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembleia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL." a) A partir do Preâmbulo da CF/88, identifique as finalidades do ordenamento jurídico brasileiro (direito positivo brasileiro). R: o preâmbulo da CF/88 desejou conferir à sociedade uma ordem,
uma organização a partir de regras jurídicas que contemplassem a

a segurança e a justiça. c) O direito como conjunto sistemático de regras (direito objetivo) se presta a cumprir algumas finalidades. .justiça. tudo em prol do bem comum dos cidadãos alemães (conceituados como tais de modo peculiar). Entretanto. As normas éticas se estruturam linguisticamente por meio de: a) Juízos de valor. estabeleceu a perseguição aos judeus e instalou a guerra entre diversas nações. tem como fim a regulação da sociedade com o intuito de promover o desenvolvimento. tudo em prol do bem comum. Não foi um estado democrático. O que há de comum entre ambos? R: Embora não se tenha à mão o direito alemão daquela época. d) Questionamentos. entre outros motivos. b) Podemos dizer que o direito que regia o Estado Nazista de Hitler (direito positivo alemão de 1940) tinha a mesma finalidade que o nosso ordenamento jurídico? Justifique. a segurança. porque estabeleceu distinções raciais e se impôs pela força. à segurança a partir de regras preestabelecidas. Questões Objetivas (Repostas justificadas) 1. tendo como foco principal o bem comum. b) Juízos de realidade. o desenvolvimento. é possível se ter a noção de que o Estado Nazista cerceou a liberdade de muitos de seus cidadãos. Quais são elas? R: o direito visto como sistema de normas. c) Dever-ser. seu ordenamento jurídico visava ao desenvolvimento do país. à justiça (sendo certo que esta era vista no interesse da raça ariana).

Y é garota de programa e costuma "fazer ponto" na rua Eliseu de Brito. a) Dentro dos padrões médios de moralidade. mantendo-a presa. Antes através do casamento tinha a proteção jurídica. Marcos. Y noticiou ao Ministério Púbico o cometimento de crime de abuso de poder por parte do delegado. em frente ao edifício de número 10. Alegou que a atividade por ela desempenhada. residente do mencionado edifício. em seguida. R: A família. A família e o núcleo natural e fundamental da sociedade desde que o mundo e mundo na historia da sociedade. seu objetivo é especificar os comportamentos humanos permitidos. Moral e Direito. . 2. acredita ser imoral o que ali se passa. proibidos e obrigatórios. Liberada. não é ilegal. embora imoral para alguns. desempenha atividade contrária aos bons costumes da vizinhança. d) A família. Considerando que as normas éticas surgem em sociedades culturais. c) A escola. Caso 1 Tema: Mecanismos de controle social . É considerada instituição fundamental da sociedade: a) A igreja. Comunicada a Delegacia Policial mais próxima. embora vestida normalmente. a atividade desempenhada por Y é reprovável? Em caso positivo. determinou o delegado sua retirada imediata do local. b) O contrato. atualmente se da com a convivência para formar uma família entre um homem e uma mulher. por inexistir qualquer regra jurídica neste sentido. limitando as possibilidades de transformação ou de existência dos fatos àquelas que permitam a concretização dos valores sociais. a atividade de Y é reprovável? Há sanção no plano jurídico para Y em razão de sua conduta? Há. R:Juízo de valor. por 48 horas. pois a moça. há sanção moral que se possa impor a Y por sua conduta? Juridicamente. e) As associações de bairro.e) Ser.

898 de 9 de dezembro de 1965. amorais.no caso. contrária ao ordenamento jurídico por não estar por ele protegida. somente ocorrerá crime. no mundo jurídico sempre haverá reprovabilidade de condutas se estas se encontrarem descritas numa lei. Por isso. 4º. assim. não sendo. mostrando que existem normas jurídicas com conteúdo moral. sem as formalidades legais ou com abuso de poder. conduta humana passível de sanção jurídica. daí se origina a reprovação no campo do Direito. se essa mesma conduta for típica. nota-se que a conduta do delegado encontra adequação legal. regulado pela Lei 4. e antijurídica. d) O direito pode ser inspirado na moral? R: Sim. identidade entre a regra jurídica e a regra moral? Justifique todas as respostas. R: Não. pelo menos. . qual a sanção a que ele deve se submeter? É moralmente aceitável que uma autoridade prive alguém de sua liberdade sem motivo para tanto? Em caso negativo. nota-se a influência da moral no mundo jurídico. há identidade entre a regra jurídica e a regra moral? Justifique as respostas. Ao contrário do que ocorre com a moral. c) A atitude do delegado é juridicamente reprovável? Em caso positivo. descrita na lei como infração penal. Assim. A conduta de Y é reprovável de acordo com os padrões médios de moralidade. o delegado incorre em crime de abuso de autoridade. A falta de identidade entre regra jurídica e a regra moral comprova que muitas relações ocorridas sobre égide do Direito. qual a sanção moral para o delegado? Nesta hipótese. segundo a qual constitui abuso de autoridade qualquer atentado contra a liberdade de locomoção. a Teoria de Claude Du Pasquier ou Teoria dos Círculos Secantes é a que mais se aproxima da concepção real das relações entre o Direito e a Moral. mas que também existem normas meramente jurídicas alheias e até mesmo contrárias à moral. não sendo imorais. que igualmente incorre em tal crime quem: “ordenar ou executar medida privativa de liberdade individual. No caso em tela.” Então. e ainda acrescenta. R: Sim. a atitude do delegado é juridicamente reprovável. independente da concordância individual ou não. d) Diferencie Direito de Moral. no seu art. passível de sanção jurídica. Desde dos tempos antigos. são. o Direito pode ser inspirado na moral. mas no mundo jurídico não há regra que descreva que sua conduta seja criminosa.

Sendo assim. Todas as relações entre homens implicam decisões perante a realidade envolvendo juízos de valor. Internado num hospital público e praticamente inconsciente. pois seu dever é o de preservar a vida das pessoas. de trato social.de uma formas ou de outra.ou seja. o cumprimento se da através da consciência do individuo. Receando ser acusado do crime de omissão de socorro por não proceder à transfusão. Toda vez que a conduta humana visando à proteção de valores for considerada obrigatória. porem. urgentemente. A norma ética se caracteriza pela possibilidade de sua transgressão. a norma religiosa que impede a transfusão de sangue e a norma jurídica que impõe pena à omissão de socorro são normas de conduta? Justifique. uma vez que tem como objeto decisões e atos humanos. moral ou jurídica) é o limite da atuação da conduta do homem ou a sua diretriz. está-se diante de uma regra ou norma ética. Contudo. . Mário foi acometido de grave doença. Ética é a ciência normativa dos comportamentos humanos valiosos e por isso considerados obrigatórios. de uma transfusão de sangue. e não poderia ser diferente. duas determinantes de condutas socialmente corretas. o não cumprimento do direito resultara em condenação moral. religiosa. ligado às regras do Código de Ética da profissão.ou seja. para toda norma ética existe uma sanção peculiar. toda norma ética (costumeira. é de uma religião que condena tal procedimento. sob a alegação de que Mário. a) No caso em exame. acha inaceitável permitir a morte de seu paciente. o médico ingressa em juízo pedindo autorização judicial para tanto. assim como todos da família. necessita.Religião e Direito. Em que consiste a distinção entre ambas? R: Sim.O Direito e coercível. por adesão do espírito ou por imposição. quanto a norma jurídica são normas de condutas. com características e formas de aplicações diferentes. alertados do fato.A Moral e incoercível. Seus familiares. O médico. tanto a norma religiosa. por seu turno.R: Direito e Moral são extremos. proíbem terminantemente o médico de proceder à transfusão. porque são normas éticas. Caso 2 Tema: Mecanismos de controle social . mas estão sempre juntos.(Teoria dos Círculos Secantes).

Não há imperatividade das normas religiosas. por não ter havido a transfusão de sangue. A norma jurídica se efetiva pelo uso da força ou coação. Já a norma religiosa depende da concordância do indivíduo. e o médico. acusado de omissão de socorro. as sanções peculiares das normas religiosas (remorso. . por tratar de valores íntimos referentes ao conceito de divino. fosse condenado. haveria alguma sanção a que necessariamente se devesse submeter? Justifique. haveria alguma sanção a que este último necessariamente se devesse submeter? Justifique. não há punição obrigatória para aquele que descumpre uma norma religiosa. R: Não. O que ocorre é uma crença na obrigatoriedade de determinada conduta por se achar a mais correta perante os olhos de Deus. Caso 3 Tema: Teoria Tridimensional do Direito. As normas religiosas. Não existe ordem capaz de incutir no homem o sentimento de arrependimento ou de remorso. no caso de descumprimento de uma norma religiosa não há sanção a que um indivíduo deva necessariamente se submeter. sendo assim imperativa. porque dependem daquilo que se passa na psique humana e que é mutável. c) Caso Mário viesse a falecer. exame de consciência) podem vir a ocorrer ou não. arrependimento. pelo seu caráter alheio à adesão individual. a norma jurídica independe da concordância do indivíduo para se fazer valer. porque uma vez acabada ou transformada a fé. não fazem uso da força para se fazer valer. Desta forma. a conduta anterior baseada nela passa a não ter sentido. R: d) A norma jurídica depende da concordância do indivíduo para se fazer valer? E a norma religiosa? Por quê? R: Não. são incoercíveis. Logo.b) Caso Mário estivesse consciente e desejasse descumprir a norma religiosa para salvar-se. da mesma forma que as normas morais. desta forma o homem somente se vê obrigado a cumprir preceitos religiosos se estes estiverem de acordo com suas convicções. por isso é heterônoma.

e a Lei de Locações também se enquadra nesta dialética de complementaridade. neste ordenamento jurídico existem normas que protegem um valor ou algo passível de valoração pelo homem. como todas as normas jurídicas. toda norma protege um bem da vida. bem-estar. protege um bem que é tanto o direito à propriedade.José contrata com João a locação de um imóvel por determinado preço. respaldado na Lei de Locação. recuperando. após a decisão do juiz. O que ocorre é o seguinte: Acontece algum fato (humano ou natural) que se encontra previsto no ordenamento jurídico. Caso 4 Teoria Tridimensional do Direito. todas as normas jurídicas protegem algo passível de valoração pelo homem. entra com ação de despejo cumulada com cobrança dos alugueres em atraso. José. b) O que visa a Lei de Locação preservar quando determina o despejo do mau pagador? Justifique. fato. Entende-se por bem tudo que pode proporcionar utilidade aos homens. João. a) Qual o fato determinante do despejo de João? R: é o não pagamento das prestações devidas pela utilização do imóvel. também protegido constitucionalmente. locatário. daí deduz-se que normas protegem bens jurídicos. valor e norma se correlacionam mutuamente. a posse direta de seu imóvel. Assim. Maria. que podem ser materiais ou imateriais. algo que tenha valor para o ser humano. felicidade. c) Podemos dizer que esta norma contida na Lei de Locação descreve um fato para preservar um valor? Justifique. R: Sim. ao preencher o formulário de adesão ao plano de saúde da empresa Y. A Lei de Locações. deixa de pagar os valores acordados. o que faz dele um fato jurídico. R: De acordo com a Teoria Tridimensional. ou seja. quanto o direito de crédito. A palavra “bem” deriva de bonu. toda norma descreve um fato valorado pelo homem. omite o fato de ser portadora de .

Questões objetivas (Respostas Justificadas) Para que haja um fenômeno jurídico. a boa-fé objetiva. uma vez que o magistrado acatou os argumentos da empresa. que devem presidir as relações contratuais. posto que se requer de cada contratante que. exigida por lei. Com a criação da norma. 766. ao contratar. O fato nele previsto envolve conduta reprovável. Maria foi obrigada a passar três dias na Unidade de Terapia Intensiva. que por sai só excluiria a cobertura financeira do seu tratamento. alegando ter ela faltado com a lealdade contratual. Os valores que se pretende preservar estão colocados de maneira explícita.hipertensão arterial. Maria ingressou em juízo pedindo o ressarcimento. é necessário existir fato. a) Que fato retirou de Maria a possibilidade de se ver ressarcida das despesas médicas? R: o fato que retirou a possibilidade de ressarcimento das despesas médicas foi a conduta torpe de Maria. cultivem a mútua confiança e solidariedade. b) O que visam preservar os artigos 765 e 766 do Código Civil ao determinar a perda do direito à garantia do segurado. valor e norma. não há dúvida. mas não logrou êxito com a ação. a veracidade. o fato e o . o que lhe acarretou elevada despesa. Internada às pressas em razão da doença. podendo-se dizer que em lugar da locução “declarações inexatas” podese utilizar “declarações não verdadeiras”. R: No que se refere ao art. a empresa Y se negou a ressarcir Maria dos gastos decorrentes da internação. a honestidade. posto que mentiu ao omitir circunstância pré-existente relevante. Descoberta a omissão na oportunidade. diz respeito à conduta inconveniente. com o intuito de ver reduzidas as prestações a ele relativas. c) Podemos dizer que esta norma descreve um fato para preservar um valor? Justifique. no caso de declarações inexatas que possam influir no preço ou na aceitação da proposta? R: Visam ambos os artigos preservar os valores contidos naqueles dois princípios da veracidade (declarar a verdade) e da boa-fé objetiva.

Diferenças entre Direito Público Interno e Externo e o Direito Privado Interno e Externo. Marque falso(F) ou verdadeiro (V) para as seguintes afirmativas. Processual Civil e Penal. . A Questão da Superação da Dicotomia do Direito Público e do Direito Privado. A questão do Direito do Trabalho. Conforme afirmado anteriormente. o Direito Objetivo e o Direito Subjetivo. b) Jus Positivismo. justificando as falsas: a) (v ) Possui direito subjetivo todo aquele que pode utilizar a garantia do direito objetivo para a realização de um interesse próprio. O disposto acima consagra o seguinte: a) Jus Naturalismo. Administrativo. O Direito Natural. não escrito e informal. c) Teoria Tridimensional do Direito. Ramos do Direito Privado Interno: Civil e Comercial. c) (f ) Direito positivo é o direito que independe da vontade humana. Principais ramos do Direito Público Interno: Constitucional. d) Teoria dos Círculos Independentes. mutuamente correlacionados numa dialética complementar. Divisões do Direito. O Direito Positivo. O Direito ilumina o fato relevante. Penal. R: A proposição da questão é a própria enunciação sintética da Teoria Tridimensional do Direito. b) ( v ) O direito natural é espontâneo. somente aqueles fatos passíveis de valoração pelo ser humano. e) (f ) Direito subjetivo é o conjunto de normas jurídicas impostas ao homem com o fim de satisfazer aos seus interesses. Tributário. d) (f ) O Direito consuetudinário faz parte do Direito Positivo. e que possuem um bem jurídico subjacente a ser protegido é que estão inseridos na norma jurídica. pois sempre é escrito. A Unificação do Direito Privado. e) Teoria dos Círculos Concêntricos.valor ficam interligados e entram no mundo jurídico como uma única coisa.

único representante do Brasil na Sociedade Internacional de Bioética (SIBI) para . Seria possível legitimar as experiências com células-tronco embrionárias com base no direito natural? R: Embora pertencente ao campo das pesquisas médicas. estando a lei de Biossegurança. sociológica e jurídica. não existe norma regulamentadora da hipótese acima. não existe no Brasil legislação relativa à sua utilização. Conforme podemos verificar. religiosa. a dona de casa Maria das Graças sofreu um derrame em agosto de 2004. conseguia falar algumas palavras e apresentava bem menos dificuldade de compreensão. A questão dos embriões não utilizados nas fecundações extra-corpóreas (in vitro). inclusive. no entanto disse-lhes que havia um estudo com a aplicação de células-tronco sendo realizado no Hospital Pró-Cardíaco e na UFRJ. Maria das Graças recebeu o implante de célulastroco adultas retiradas da sua própria medula óssea.Caso 1 Tema: Direito Natural. O projeto prevê que poderão ser usadas em pesquisas células de embriões descartados por clínicas de fertilização in vitro. ainda é muito incipiente. essa lacuna não impede que se debata o assunto. já caminhava. também denominados “embriões excedentes”. irá à sanção do Presidente da República. o projeto precisa passar pelo plenário da Câmara. tramitando lentamente no Congresso Nacional. nem tampouco da utilização de célulastronco embrionárias. desde que haja autorização do casal que gerou os embriões. A demora se deve principalmente à oposição da bancada formada por parlamentares católicos e evangélicos. Ela teve todo o lado direito do corpo paralisado. Com efeito. não falava e tinha grande dificuldade de compreensão. Não há previsão de votação. Depois. O médico comunicou à família de Maria das Graças que as sequelas eram permanentes. que regulamenta tais pesquisas. a questão é de caráter multidisciplinar e está revestida de alta indagação filosófica. Para a pesquisa com células-tronco ser liberada. O cientista e pesquisador Volnei Garrafa. No Direito Brasileiro. Entretanto. cinco dias após ter sofrido o derrame. Conforme noticiado em jornais de grande circulação. A família concordou que a paciente fosse submetida a este estudo experimental. o Direito Positivo não regulamenta a questão. é curial que assim se faça. Em pouco mais de duas semanas.

que afirma que os direitos da personalidade reconhecidos estão referidos pelo direito positivo de forma taxativa. ao tratar da dignidade da pessoa humana. 11 a 22. O estado do Rio de Janeiro locou um imóvel para instalar um órgão administrativo do Governo. a) O estado do Rio de Janeiro. na melhoria da qualidade de vida daqueles acometidos de determinadas doenças. e sob um eficiente sistema de controles. não existe óbice que impeça a sua utilização. consagrou um dos princípios fundamentais sobre os quais repousa a República Federativa do Brasil. trata dos direitos da personalidade.a América Latina. já que ali está instalada ?uma farmácia popular? que vende remédios a um real. e os que constam reafirmados no direito positivo o são em caráter exemplificativo. o Código Civil (Lei n. O ente da federação se nega a pagar o aluguel e pretende continuar no imóvel sob o fundamento do interesse público. havendo possibilidade de se reconhecer novos direitos.º 8. III. não vem pagando os alugueres em dia. que trata da locação urbana residencial e não residencial. inclusive denunciando o atraso em que se encontra o país nesse aspecto.nos arts. que consagra o mais importante dos bens da vida. e a Teoria Positivista. a Teoria Naturalista. vê-se que utilizados na preservação da vida.º 10. b) Por quê? . O dono do imóvel pretende ajuizar ação de despejo por falta de pagamento em face do Estado do RJ. a própria vida. nesta relação locatícia. no art.245/91. protegendo-os. característica de relação jurídica particular. No entanto. A Constituição Federal. tem-se manifestado sobre o tema. 1º. No mesmo diapasão. A hipótese se enquadra naquela modalidade de locação não residencial em que os sujeitos da relação estão em nível de igualdade em que são tratados numa relação de coordenação. (numerus clausus). segundo a qual os direitos da personalidade pertencem ao direito natural reconhecidos ao ser humano pelo simples fato de sua existência. Duas teorias existem em situação polêmica sobre referidos direitos.406/2002). está atuando na qualidade de Estado (quando seus poderes são utilizados tendo em vista o interesse público) ou na qualidade de um particular? R: A proposição faz referência à existência de um contrato de locação disciplinada na Lei n. Vislumbrando o tema pela ótica do Direito Natural. Caso 2 Tema: Diferenças entre Direito Público e Direito Privado.

. Antônio alega que a Fazenda São Pedro está em poder de sua família há quase cem anos e. norma destinada a presidir este tipo de relação nitidamente privada. tendo em vista a realização de obras para a construção de uma estrada para viabilização do escoamento da produção de petróleo. diz-se. além disso. Na petição inicial. sem qualquer afetação aos interesses públicos. interesses esses protegidos e defendidos pelo ente público como União. e o Estado do Rio de Janeiro não está atuando com o jus imperium (com o direito de imposição de sua vontade soberana) conforme previsão contida na legislação de direito administrativo. O Município de Macaé. Território (quando existir) e os Municípios e também destinadas a presidir relações jurídicas que tratam da atuação daqueles entes de direito público interno com os seus servidores. não obstante figurar o Estado do Rio de Janeiro em um dos lados dela. As de direito privado destinam-se a disciplinar as relações entre os particulares e seus interesses em um nível de coordenação e igualdade. Distrito Federal. portanto. de propriedade de Antônio Ferreira. na condição de Locatário. e com o direito reconhecido pelo ordenamento jurídico.R: A relação jurídica se origina das disposições de uma lei ordinária de natureza civil. Antônio ingressa com ação na justiça estadual na tentativa de preservar seu direito de propriedade. de terra improdutiva. possui considerável número de cabeças de gado leiteiro e de corte. d) O que objetivam as regras de direito público? E as de direito privado? R: As regras de direito público são aquelas atinentes aos interesses da coletividade como um todo. Descontente com o ocorrido.Tema: Diferenças entre Direito Público e Direito Privado. c) Esta relação jurídica está no campo do direito público ou privado? Por quê? R: Esta relação é presidida por normas do campo do direito privado. Não obstante a ação intentada.º 8. Antônio teve suas terras desapropriadas. Estados. editou um Decreto Expropriatório visando à desapropriação do imóvel onde se localiza a fazenda São Pedro. de imposição de sua soberana vontade. não se tratando. visto ser a Lei n. Caso 3 . numa relação de subordinação.245/91.

está atuando na qualidade de Estado (quando seus poderes são utilizados tendo em vista o interesse público) ou na qualidade equivalente a de um particular? Por quê? R: Está atuando na qualidade de ente público tendo em vista que a construção de uma estrada destinada ao escoamento da produção gerará serviços que propiciarão desenvolvimento ao Município. porque envolve um ente público atuando no interesse público. a atuação do Município. Na realidade. que admite a vontade soberana do ente público para a construção de via pública. levando-se em conta a função social da propriedade. R: Está situada no campo do direito público. b) Esta relação jurídica está no campo do direito público ou privado? Justifique. tendo em vista estar o imóvel abandonado há muitos anos. uma vez que viabiliza a criação de empregos. Por outro lado. Caso 4 Tema: Dicotomia entre Direito Público e Direito Privado. alegando que a propriedade privada também tem proteção constitucional. não importando que a fazenda seja produtiva e seja da família há mais de cem anos. acreditavam ser possível tomar a posse das unidades habitacionais para nelas residirem. Alegaram não possuir moradia e. em razão da garantia da segurança das relações sociais. Porque o crescimento e desenvolvimento com geração de serviços otimizarão a economia local. da coletividade como um todo.a) O estado do Rio de Janeiro. direito reconhecido constitucionalmente. devendo este direito prevalecer. . ajuizou ação de reintegração de posse em face dos ocupantes. O proprietário. posto que no local passará a existir um logradouro público. Recentemente. por seu turno. integrantes do movimento dos ?sem-teto? invadiram um prédio na Barra da Tijuca ? Rio de Janeiro. nesta relação desapropriatória. é hipótese prevista na legislação de direito administrativo. na hipótese. está respaldada na legislação existente.

§ 8º da Constituição da República Federativa do Brasil.. Representa. R: Na hipótese. representa um interesse pessoal o qual a Constituição Federal cerca de garantias. requer em juízo o pagamento de uma determinada verba que está sendo paga aos Defensores Públicos que estão na ativa.. Defensor Público aposentado. sempre que se modificar a remuneração dos servidores em atividade. um interesse social quando determinadas propriedades ociosas não cumprem sua função social e são destinadas pela vontade soberana do Estado (desapropriação) a acolher os desamparados.a) O direito de propriedade representa um interesse pessoal ou social? Justifique.. . Questões objetivas (Respostas Justificadas) 1. mas que deve cumprir a sua função social. sendo um bem de interesse social. de acordo com o qual: ?(. Júlio. mas não aos que já se aposentaram. também.) os proventos de aposentadoria e as pensões serão revistos na mesma proporção e na mesma data. disposta no artigo 40. Sendo um bem de interesse pessoal. a propriedade é um interesse pessoal e social.)? O pedido formulado por Júlio está fundamentado com apoio no: a) direito positivo. b) Ele encontra proteção no direito público ou no direito privado? Por quê? R: Conforme visto anteriormente. conforme têm sido os assentamentos dos sem-terra realizados pelo Governo Federal.. é objeto de proteção do direito privado. sendo também estendidos aos aposentados e aos pensionistas quaisquer benefícios ou vantagens posteriormente concedidos aos servidores em atividade(. Fundamenta o seu pedido na regra da paridade entre servidores em atividade e aposentados. é objeto do direito público.

e para os quais são cominadas penas. se um determinado modelo jurídico. também denominado de Ordenamento Jurídico. A Lei. uma vez que regula as relações trabalhistas. Distinção entre Fontes Materiais (substanciais) e Formais (de conhecimento ou de cognição) do Direito. o Direito Penal. O Papel da Doutrina e da Jurisprudência no Sistema Jurídico Brasileiro. é o conjunto de regras e princípios pelos quais se tipificam formas de conduta consideradas criminosas. d) direito autoral. tem vigência e eficácia garantidas pela sociedade e pelo Estado em um determinado território. cujo interesse é individual e particular das pessoas que a compõem. Fontes do Direito Positivo. o Direito Administrativo e o Direito Comercial. R: Letra D. Em relação à divisão do direito. como sub-ramo do Direito Público. R: no direito positivo. que são o empregado e o empregador. e nessa condição reconhecida pelo Estado. Conceito de Fontes do Direito e Classificação. podemos dizer que: a) são considerados sub-ramos do Direito Público interno. e) o sistema jurídico commow law tem como fonte principal os usos e costumes. o Direito Constitucional. coordena a vontade das pessoas da sociedade. . Os Costumes. Assinale a afirmativa correta. O direito positivo é o conjunto de normas jurídicas ou modelos jurídicos reconhecidos pelo Estado. 2. d) o Direito Penal. c) o grande Mestre Miguel Reale entende que o Direito do Trabalho é sub-ramo do Direito Privado. Assim. c) direito processual. é direito positivo. pelo interesse social. pois baseia-se em uma norma constitucional. independente de sua fonte. b) o Direito Público é o ramo do direito em que o Estado.b) direito natural.

a) O que é uma Súmula? . com o passar dos anos. as grandes empresas perderam. ainda.? Argumentou.Tema: Jurisprudência como Fonte do Direito O ônibus da Companhia X bateu de frente com o caminhão da Empresa de Transporte Y. Com base no acima descrito. Em razão da massificação da produção e do consumo. que diz: ?A responsabilidade contratual do transportador. com base na súmula 187 do Supremo Tribunal Federal. simplesmente. a fonte formal e a fonte material do Direito do Consumidor vigente hoje no Brasil.Tema: Fontes Materiais e Fontes Formais do Direito. cada dia mais comuns. São os contratos realizados para o uso de cartão de crédito. Vários passageiros do ônibus ficaram gravemente feridos. do que resultou. o Código de Proteção e Defesa do Consumidor. indique. pelo que ajuizaram ação de indenização em face da Companhia X.Caso 1 . na Constituição de 1988. posteriormente. Em defesa. adere ao negócio que lhe é proposto. surgiu o que hoje denominamos de "contrato de adesão". A sentença julgou procedente os pedidos. R: Caso 2 . Foi a partir de então que a Assembleia Nacional Constituinte incluiu. a capacidade de negociar com seus clientes de forma personalizada. esta alegou culpa exclusiva do motorista do caminhão. A sociedade brasileira vinha notando o abuso das empresas ao incluírem cláusulas em seus contatos que prejudicavam os consumidores. A partir deste momento. que esta súmula foi transformada em texto legal no artigo 735 o novo Código Civil. de planos de saúde e tantos outros. instrumento cujas cláusulas são pré-definidas e o cliente. pelo acidente com passageiro não é elidida por culpa de terceiro. que invadiu a contramão de direção. um dispositivo que determinava ao Estado promover a proteção do consumidor. que invadiu a contramão de direção. contra o qual tem ação regressiva. justificadamente.

Há divergência quanto a incluir a jurisprudência como fonte formal do direito. inova em matéria jurídica. estabelecendo normas que não estão contidas estritamente na lei. A interpretação do direito há de ser um procedimento intelectual do próprio julgador. d) A interpretação dos artigos de lei feita pelos Tribunais é fonte do direito (inspiram a criação de normas jurídicas) ou representam meios de integração do direito (ajustam normas existentes às situações concretas postas em juízo)? R: A jurisprudência. a maioria da doutrina considera a jurisprudência como fonte formal do direito. possuindo autoridade científica. R: A jurisprudência é o conjunto de normas emanadas dos juízes em sua atividade jurisdicional. Para autores como Orlando Gomes. ao . Todavia. informar.R: são enunciados normativos que resumem as teses consagradas em reiteradas decisões dos tribunais superiores b) A jurisprudência do STF pode ser considerada fonte formal do direito? Justifique. a função criadora da norma jurídica cabe somente ao Poder Legislativo. até então considerados separadamente. muitas vezes. Caio Mario da Silva Pereira e Serpa Lopes a jurisprudência não pode ser considerada como fonte formal porque o juiz é o servo da lei. c) Podemos afirmar que a jurisprudência se constitui em fonte do direito no momento em que o juiz a levou em conta para decidir a questão? Por quê? R: A jurisprudência tem a função de orientar. sendo atribuição do Judiciário somente aplicá-la e interpretá-la. mas resultam de uma construção obtida graças à conexão de dispositivos. os juízes de instâncias inferiores não têm o dever de acompanhar a interpretação hermenêutica dos tribunais superiores. ou. já que ela é o processo ou atividade jurisdicional do Estado no exercício de aplicar o direito. que se expressa através dela.

A movimentação da sociedade no sentido de instalar película insulfilm nos veículos. O GLOBO ? Sábado. é um fato social de prática reiterada. p. Hugo Leal. em Brasília. O presidente do Detran. O presidente do Detran do Rio decidiu que só aplicará a multa ao final das discussões nacionais (. Caso 3 . Com isso. p.154). é correto dizer que os costumes contra legem podem revogar a lei? R: Os costumes contra legem caracterizam-se pelo fato de a prática social contrariar as normas de direito escrito.90. diante do noticiado na matéria jornalística acima. Manchete: FISCALIZAÇÃO DE INSULFILM NÃO REPROVARÁ VEÍCULOS Os motoristas do Rio não precisarão mais correr para retirar o insulfilm irregular de seus veículos. no Departamento Nacional de Trânsito. Segundo Hugo Leal.. decidiu ontem estender por tempo indeterminado o caráter apenas educativo da verificação da transparência das películas. os motoristas estarão livres da multa de R$ 127. com o fim de garantir sua segurança. 04 de dezembro de 2004.. Pelo menos por enquanto. anteontem. No entanto.).1. porém contrário à lei. ainda não houve consenso sobre a aplicação da norma.contrário. A decisão foi tomada depois da reunião.Tema: Costume como Fonte do Direito. da qual participaram presidentes de todos os Detrans do país e autoridades municipais de trânsito. Estabelecem normas contrárias às estabelecidas pela . de aceitação comum e de conhecimento de todos. mediante a separação de preceitos por largo tempo ligados entre si. (NADER. mesmo os veículos que estiverem fora dos índices de transparência estabelecidos pela norma do Conselho Nacional de Trânsito não serão reprovados na vistoria de 2005.

Leoni Lopes de. Verifica-se uma força maior do direito costumeiro em certos ramos do direito ou para a . não se deve esquecer que. Caso 4 . 154). Acredita. Pode-se afirmar que a problemática do costume contra legem é de natureza política e não jurídica. (NADER. R: O costume continua desempenhando função relevante na experiência jurídica de nossos dias. tal fato ocorre.p. Apesar de. pois se trata de uma questão de colisão de poderes. Paulo Dourado de . se reconhecer expressamente nas legislações de quase todos os sistemas jurídicos a impossibilidade de se admitir o costume derrogatório (contra legem). J. 175). Apesar de haver divergência doutrinária quanto à sua validade. Em relação ao primeiro. porém. funcionando como válvula moderadora. não sendo. O segundo garante primazia à lei sobre os costumes. Dois argumentos sustentam a permanência em vigor das leis em razão dos costumes contra legem: um de caráter político e outro fundado na hierarquia das fontes formais do direito. no sistema em que a lei é a fonte principal do direito. levando-se em conta os costumes como fonte do direto. alegando que é costume da população a não utilização do cinto de segurança.lei ou que tornam usual a não aplicação de uma lei (desuso). Para evitar ?ganhar pontos na carteira?. é pensamento predominante o de que a lei só pode ser revogada por outra. como o brasileiro. uma vez que esta não conta com a aceitação da sociedade.Tema: Costume como Fonte do Direito. João foi multado por estar dirigindo seu veículo sem fazer uso do cinto de segurança. (GUSMÃO.p. que tal costume teria revogado a lei. na realidade social. M. O fundamento legal para a defesa de tais idéias é o artigo 2° da LICC. 121). interpõe recurso administrativo. não tem juridicamente validade. 160/161). não sendo aconselhável ao estudioso do direito negar tal realidade. O costume contrário à lei. (OLIVEIRA. p. Decida a questão. p. na sociedade moderna. bem como de tal fato ser afirmado pela doutrina. assim. o costumecontra legem seria uma forma de participação do povo na elaboração da ordem jurídica. (NADER. igual o seu papel em todas as disciplinas. uma vez que é princípio incontestável decorrente da organização política atual que a lei só se revoga por outra lei.

a solução deve ser gerada pelos dois valores supremos do direito: justiça e segurança. quando for omissa e quando for impossível sua extensão analógica. tão variável de lugar para lugar. ante a insuficiência legal. o centro de gravidade do problema reduz-se aos critérios de segurança jurídica. é mister manter a seu lado.solução de determinados problemas. p. (DINIZ. p. 162/163). portanto. Daí validade à lei abandonada. (NADER. mais de perto as transformações sociais do que a lei. que necessitam de uma garantia jurídica devido à exuberância da realidade. (REALE. que criaram raízes na consciência popular? A verdade não se localiza nos grandes extremos. de igual modo atenta contra os princípios de segurança da sociedade.p. p.: Questões objetivas (Respostas Justificadas) . Corresponde melhor à realidade social e ao sentimento de justiça e coletividade. é de conhecimento difícil. Por isso. Executivo e Judiciário – que têm na lei o seu grande elo. ou nos costumes. por mais extensa que seja a lei em suas generalizações. devem estar a salvo de convenções em contrário e da negligência dos órgãos estatais. Modifica-se com a mudança do contexto social. esquecida pelo povo e negligenciada pelo próprio Estado. A lei em desuso é um mal que não oferece soluções ideais. que resguardam os interesses maiores da sociedade. Como justiça não pode haver sem a segurança. Ele tem vantagens e desvantagens. 159). Acompanha. Daí depender de prova e daí a sua incerteza. Onde estaria a segurança da sociedade? Nas leis que ninguém cumpre e os órgãos públicos rejeitam. as fontes subsidiárias do direito que revelam o jurídico. de povo para povo. A adoção de um critério absoluto de revogação da lei pela desuetudo. 120). nunca poderá conter toda a infinidade de relações emergentes da vida social. não estando contido em um texto. mais rapidamente do que se fosse obra do legislador. Isso ocorre em razão de que. Sobre o tema central. As parcelas de responsabilidade na prevenção dividem-se entre os poderes da República – Legislativo. 301). As leis de ordem pública. (GUSMÃO. seria um ato de violência e que poderia provocar situações por demais graves e incômodas. Porém. validade ou não da lei em desuso. a não ser quando compilado.

II. e que seriam determinantes. informativos ou condicionantes das leis positivas. Quanto às fontes do direito. Assinale a afirmativa correta: I. na visão do ilustre Mestre Paulo Dourado de Gusmão. d) ( F ) A doutrina pode ser compreendida como um conjunto de ideias enunciadas nas obras dos jurisconsultos . Somente as alternativas I e II estão incorretas. conforme explica a Teoria do Círculos Secantes. R: letra D. III. de Du Pasquier. Marque falso (F) ou verdadeiro (V) para as seguintes afirmativas.1. além de se relacionarem em alguns fatos da sociedade. ou havidos como decorrentes da natureza das coisas. 2. o Tratado Internacional é fonte infraestatal. vigentes no território do estado. Fontes estatais são aquelas constituídas por normas escritas. Somente a afirmativa IV está correta. É a ordem jurídica em determinado lugar e tempo. daí decorrendo o princípio da isonomia. tem como característica a heteronomia.A norma jurídica é abstrata porque procura atingir o maior número possível de pessoas que se encontram na mesma situação jurídica. justificando as falsas: a) ( F) Direito objetivo é a faculdade ou poder reconhecido ao titular do direito. c) ( V ) Direito positivo é institucionalizado pelo Estado. à razão. Somente a afirmativa II está correta. IV. a) b) c) d) e) As afirmativas I e II estão corretas. b) ( V ) Direito Natural é o conjunto de princípios que atribuídos a Deus. As afirmativas III e IV estão corretas. por ele promulgadas. É o poder ou faculdade de exigir de uma pessoa uma prestação capaz de satisfazer ao interesse legítimo. O direito e a moral. independem de convenção ou legislação.

Isto significa dizer que. sendo o direito científico.sobre determinadas matérias jurídicas. . a doutrina cria direito e deveres para todos os cidadãos.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful