Você está na página 1de 63
Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes AULA 00: Lógica: parte

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

AULA 00: Lógica: parte 1

1.

APRESENTAÇÃO

2

2.

CRONOGRAMA DO CURSO

3

3.

PROPOSIÇÕES

4

3.1.

O que você precisa saber

4

3.2.

Exercícios

5

3.3.

Detalhando um pouco mais

7

3.4.

Exercícios

8

4.

CONECTIVOS LÓGICOS

9

4.1.

O que você precisa saber

9

4.2.

Detalhando um pouco mais

10

4.3.

Exercícios

11

5.

TABELA VERDADE DAS PROPOSIÇÕES COMPOSTAS

13

5.1.

O que você precisa saber

13

5.2.

Detalhando um pouco mais

15

5.3.

Exercícios

21

6.

CONDIÇÃO NECESSÁRIA E SUFICIENTE

31

6.1.

O que você precisa saber

31

6.2.

Detalhando um pouco mais

31

6.3.

Exercícios

32

7.

TAUTOLOGIA, CONTRADIÇÃO E CONTINGÊNCIA

32

7.1.

O que você precisa saber

32

7.2.

Exercícios

34

8.

EQUIVALÊNCIAS LÓGICAS

36

8.1.

O que você precisa saber

36

8.2.

Detalhando um pouco mais

37

8.3.

Exercícios

42

9.

RESUMÃO

55

10.

QUESTÕES APRESENTADAS EM AULA

57

11.

GABARITO

62

1. APRESENTAÇÃO Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes Meu nome

1.

APRESENTAÇÃO

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

Meu nome é Vítor Menezes, sou Auditor Federal de Controle Externo do Tribunal de Contas da União, lotado na Secretaria de Controle Externo do TCU em São Paulo.

Sou formado em engenharia eletrônica pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). Dou aulas de exatas para concursos públicos desde 2005.

Nosso curso abordará o edital da CGU. As provas ocorrerão nas datas prováveis de 16 e 17 de junho.

Segue o conteúdo do edital:

Esta prova objetiva medir a habilidade do candidato em resolver problemas entendendo a estrutura lógica de relações arbitrárias entre pessoas, lugares, coisas, ou eventos fictícios; deduzindo novas informações das relações fornecidas, e avaliando as condições usadas para estabelecer a estrutura daquelas relações. As questões das provas poderão tratar das seguintes áreas: 1. Estruturas Lógicas. 2. Lógica de Argumentação. 3. Diagramas Lógicos. 4. Trigonometria. 5. Matrizes Determinantes e Solução de Sistemas Lineares. 6. Álgebra. 7. Probabilidades. 8. Combinações, Arranjos e Permutação. 9. Geometria Básica.

Será um curso de teoria e exercícios, focado na Esaf. No entanto, posso utilizar questões de outras bancas para complementar os estudos.

Tendo isso em mente, vamos ao cronograma do curso:

2. CRONOGRAMA DO CURSO Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

2. CRONOGRAMA DO CURSO

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

Aula

 

Conteúdo

   

Tópicos do edital

0

Proposições, conectivos lógicos, equivalências lógicas

1.

Estruturas Lógicas.

1

Lógica de argumentação. Diagramas lógicos.

 

2.

Lógica de Argumentação. 3. Diagramas Lógicos.

2

Outros

problemas

de

lógica:

associação

de

2.

Lógica de Argumentação.

informações, verdade/mentira.

   

Regra de três e porcentagem.

A Esaf às vezes cobra esses itens, mesmo sem dizer expressamente no edital.

3

Equações, inequações, funções, polinômios

 

6.

Álgebra

4

Matrizes, determinantes e sistemas lineares.

 

5.

Matrizes Determinantes e Solução de Sistemas Lineares.

5

Análise combinatória e Probabilidade

 

8.

Combinações, Arranjos e Permutação. 7. Probabilidades

6

Trigonometria e Geometria

 

4.

Trigonometria. 9. Geometria Básica

3. PROPOSIÇÕES 3.1. O que você precisa saber Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios

3.

PROPOSIÇÕES

3.1.

O que você precisa saber

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

Para resolver as questões, você precisa saber que uma proposição é tudo aquilo que podemos julgar em verdadeiro ou falso.

O exemplo mais comum é uma frase declarativa.

Exemplo:

A seleção brasileira de futebol é pentacampeã mundial.

Dá para julgar em V ou F? Sim, certamente. Então é proposição. Sabemos que esta proposição é verdadeira.

Outra coisa importante: uma proposição só pode ser julgada em verdadeiro ou falso. Não tem uma terceira opção!

E uma proposição será só verdadeira ou só falsa (não dá para ser verdadeiro e falso ao mesmo tempo).

Exemplo:

A lei Eusébio de Queirós foi assinada em 1850.

A gente até pode não saber se a lei Eusébio de Queirós foi assinada mesmo em 1850 ou não.

Concorda?

Agora, o simples fato de não sabermos isso, não nos impede de afirmar que estamos diante de uma proposição.

Por quê?

Porque é possível julgá-la em verdadeiro ou falso.

Ou é verdade que a lei Eusébio de Queirós foi assinada em 1850 (proposição verdadeira), ou é falso que a lei foi assinada naquele ano (proposição falsa).

Não tem outra opção: ou isso é verdadeiro ou é falso.

E mais: não podemos ter as duas situações simultaneamente.

É impossível que a lei tenha sido assinada em 1850 e, além disso, não tenha sido assinada em 1850.

Acima vimos o que é uma proposição. Agora precisamos também saber aquilo que não é proposição.

Não são proposições as perguntas, exclamações, pedidos, ordens, desejos, opiniões, pois tudo isso não pode ser julgado em V ou F.

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes Exemplo: Que horas são?

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

Exemplo:

Que horas são?

Isso é uma pergunta, só pode ser respondida. Não dá para julgar em V ou F.

O mesmo vale para uma ordem. Exemplo:

Saia do meu quarto!

Essa ordem você não julga em V ou F. Uma ordem só pode ser obedecida ou desobedecida, mas não julgada.

O mesmo vale para tudo o que mencionamos acima: exclamações, desejos, opiniões, conselhos, pedidos etc.

Também não é proposição a frase que contenha uma variável. Frases com variáveis são

ditas

Exemplo:

5 0

Não dá para julgar esta sentença em verdadeiro ou falso, simplesmente porque não é possível descobrir o valor de x. Se x valer 5, de fato, 5 0 .

Caso contrário, se x for diferente de 5, a igualdade acima está errada.

“x” é uma variável, pode assumir inúmeros valores. Sendo variável, temos então uma sentença aberta. Logo, não é proposição.

Aqui cabe uma observação: é possível transformar uma sentença aberta em proposição, utilizando os quantificadores. Falaremos disso na próxima aula.

os quantificadores. Falaremos disso na próxima aula. sentenças abertas. Estudaremos isso com mais detalhe na

sentenças abertas. Estudaremos isso com mais detalhe na próxima aula.

Não são proposições: perguntas, exclamações, pedidos, ordens, sentenças abertas (aquelas com variáveis),

Não são proposições: perguntas, exclamações, pedidos, ordens, sentenças abertas (aquelas com variáveis), expressões de sentimento/desejo/opinião, enfim, tudo o que não for possível julgar em V ou F.

Como a Esaf não cobra esta parte da matéria, vamos ver algumas questões de outras bancas. Mas não vamos gastar muito tempo com isso, ok?

3.2.

Exercícios

Questão 1

Acerca de proposições, considere as seguintes frases:

I Os Fundos Setoriais de Ciência e Tecnologia são instrumentos de financiamento de projetos.

FINEP 2009 [CESPE]

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes II O que é

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

II O que é o CT-Amazônia?

III Preste atenção ao edital!

IV Se o projeto for de cooperação universidade-empresa, então podem ser pleiteados recursos do fundo setorial verde-amarelo.

São proposições apenas as frases correspondentes aos itens

a) I e IV.

b) II e III.

c) III e IV.

d) I, II e III.

e) I, II e IV.

Resolução.

A frase II é uma pergunta, não podendo ser julgada em V ou F.

A frase III é uma ordem, que também não é proposição.

Logo, são proposições as frases I e IV.

Gabarito: A

Questão 2

SEFAZ/SP 2006 [FCC]

Das cinco frases abaixo, quatro delas têm uma mesma característica lógica em comum, enquanto uma delas não tem essa característica.

I – Que belo dia!

II – Um excelente livro de raciocínio lógico.

III – O jogo terminou empatado?

IV – Existe vida em outros planetas do universo.

V – Escreva uma poesia.

A frase que não possui esta característica comum é a:

a) I

b) II

c) III

d) IV

e) V

Resolução.

A frase I é uma exclamação. Não é proposição.

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes A frase II contém

Raciocínio Lógico p/ CGU

Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

A frase II contém uma opinião sobre o livro, não sendo possível julgar em verdadeiro ou

falso. Não é proposição.

A frase III é uma pergunta, que também não é proposição.

A frase IV pode ser julgada em verdadeiro ou falso. É uma proposição.

A frase V é uma ordem. Não é proposição.

Só a frase IV é proposição.

Gabarito: D

3.3. Detalhando um pouco mais

Melhorando nosso conceito de proposição, podemos dizer que se trata de um conjunto de palavras (ou símbolos) que exprimem um pensamento de sentido completo e que pode ser julgado em V ou F.

Notem que, na frase acima, nos referimos a palavras e a símbolos.

Ou seja, podemos usar inclusive símbolos para formar uma proposição. Exemplo:

2 6

Estamos afirmando que o número dois é maior que o número 6. Temos símbolos numéricos,

o que não nos impede de dizer que isto é uma proposição. No caso, é uma proposição falsa.

Um interessante caso de não proposição são frases contraditórias. Exemplo:

“Esta frase é falsa”

Se partirmos do pressuposto de que a frase é verdadeira, concluiremos que ela é falsa. Se

partirmos do pressuposto de que é falsa, concluiremos que é verdadeira. Ou seja, nunca conseguimos julgá-la. Então não é proposição.

Às vezes, podemos ficar em dúvida se uma sentença é ou não proposição. Isso ocorre por

conta das múltiplas funções da linguagem.

O autor Irving Copi, de forma simplificada, aponta três funções básicas da linguagem:

informativa (transmite informações), expressiva (expressa sentimentos) e diretiva (tem o propósito de “causar ou impedir uma ação manifesta”; exemplos: ordens, pedidos).

A nossa matéria trataria apenas da primeira forma de utilização da linguagem (informativa),

que se dá por meio de proposições e argumentos lógicos, que podem ser verdadeiros ou falsos, válidos ou inválidos.

Evidentemente, esta divisão simplória não pode ser mecanicamente aplicada em qualquer caso. É comum que textos tenham, simultaneamente, mais de uma função. Pode-se informar e expressar sentimentos ao mesmo tempo; pode-se tentar convencer e informar ao mesmo tempo etc. Além disso, uma mesma frase, em um dado contexto, pode ter uma função informativa, em outro contexto, uma função expressiva, e em outro contexto, uma função diretiva.

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes Exemplificando, a frase “Você

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes Exemplificando, a frase “Você sabia que João foi aprovado no concurso do ATA/MF?” poderia, dependendo do contexto, ter uma função informativa. Quem diz a frase, no fundo, poderia estar apenas querendo informar que João foi aprovado. A frase seria, portanto, uma proposição, apesar de se tratar de uma interrogação.

Apesar da complexidade da matéria, as provas de concurso cobram este assunto de maneira

bem simplória. A questão típica relaciona diversas frases. Em seguida, temos que identificar quais delas são proposições. Para tanto, seguimos o resumo que vimos no quadro da página

5.

Falando ainda sobre o contexto de uma proposição. Vimos que uma proposição pode ser apenas V, ou apenas F, e que não tem uma terceira opção. Mas cumpre mencionar que, em contextos diferentes, a proposição pode assumir valores lógicos distintos. Exemplo:

Fernando Henrique Cardoso é o atual presidente do Brasil.

Hoje esta proposição é falsa, concordam? Mas, em 1999, ela seria verdadeira.

Agora, em um dado contexto, aí sim, a proposição será apenas falsa ou apenas verdadeira. Estamos entendidos?

Vamos falar um pouquinho mais sobre as sentenças abertas.

Como já dissemos, as sentenças com variáveis são chamadas de

vezes, em vez de variáveis “x”, “y”, “z”, as questões de concursos utilizam palavras que passam a idéia de indeterminação.

Exemplo: “Ele foi eleito, pela FIFA, o melhor jogador de futebol do mundo em 2005”.

A palavra “ele” dá o teor de indefinição. Não sabemos quem é ele. Ou seja, temos uma variável. A sentença acima é aberta, podendo, dependendo de quem for “ele”, ser julgada em verdadeiro (caso ele seja o Ronaldinho Gaúcho) ou falso (caso “ele” seja qualquer outra pessoa).

Evidentemente, se, pelo contexto, for possível identificar quem é “ele”, aí não temos mais uma variável. Passamos a ter uma proposição.

sentenças abertas. Às

Passamos a ter uma proposição. sentenças abertas. Às 3.4. Exercícios Questão 3 Considere as seguintes frases:

3.4.

Exercícios

Questão 3

Considere as seguintes frases:

I. Ele foi o melhor jogador do mundo em 2005.

II. /5 é um número inteiro.

III. João da Silva foi o Secretário da Fazenda do Estado de São Paulo em 2000.

SEFAZ SP 2006 [FCC]

É verdade que APENAS a) I e II são sentenças abertas. b) I e III

É verdade que APENAS

a) I e II são sentenças abertas.

b) I e III são sentenças abertas.

c) II e III são sentenças abertas.

d) I é uma sentença aberta.

e) II é uma sentença aberta.

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

Resolução

I. A banca está utilizando a palavra "ele" para dar o teor de indefinição. A cada possível pessoa designada por "ele", temos um valor lógico diferente. Trata-se de uma sentença aberta, que não é proposição.

II. Temos variáveis (x e y). Novamente não é uma proposição, e sim uma sentença aberta.

III. Temos uma proposição, pois pode ser julgada em verdadeiro ou falso. Ou é verdade que

João foi o secretário, ou é falso. Não há uma terceira opção. Se é possível julgar em V ou F, é

proposição.

Concluindo: I e II são sentenças abertas; III é proposição

Gabarito: A

Fechando o assunto, segue um esqueminha resumindo o tópico:

Fechando o assunto, segue um esqueminha resumindo o tópico: E vamos mudar de assunto. Como a

E vamos mudar de assunto. Como a Esaf não tem cobrado esta parte da matéria, nada de ficarmos gastando muito tempo com isso.

4.

CONECTIVOS LÓGICOS

4.1.

O que você precisa saber

Uma proposição simples é aquela que não pode ser dividida em proposições menores.

Exemplo:

P: Pedro é alto

A proposição “Pedro é alto”, simbolizada pela letra “P”, é uma proposição simples.

Outro exemplo:

Q: Pedro é rico Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

Q: Pedro é rico

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

A proposição “Pedro é rico”, simbolizada pela letra “Q”, é outra proposição simples.

Quando juntamos duas ou mais proposições simples, formamos uma

R: Pedro é alto e Pedro é rico.

proposição composta.

Para juntar as proposições simples, usamos os conectivo “e”.

São cinco conectivos. Cada um tem um nome e um símbolo.

Para a prova da Esaf, você não precisa saber nem o nome, e nem o símbolo. Basta saber que os conectivos são:

. Acima, utilizamos o

conectivos lógicos

“e”

“ou”

“se

então”

“ou

ou”

“se, e somente se”

A Esaf não cobra o mero reconhecimento dos conectivos lógicos aplicáveis.

Contudo, seria muito difícil dar aula de lógica sem recorrermos aos símbolos dos conectivos. Então, mesmo não sendo exigido pela Esaf, peço que vocês dêem uma olhada no quadro da seção seguinte.

4.2. Detalhando um pouco mais

Caso você vá prestar concursos de outras bancas, deve saber também os nomes e os símbolos dos conectivos.

 

Conectivo

Nome

Símbolo

“e”

Conjunção

“ou”

Disjunção

“se

então”

Condicional

“se, e somente se”

Bicondicional

“ou

ou”

Disjunção exclusiva

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes Além disso, é importante

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes Além disso, é importante saber que existe a negação, cujos possíveis símbolos são:

Negação

~

De todo modo, mesmo que seu enfoque seja Esaf, peço que guarde esses símbolos, porque seria difícil dar aula de lógica sem utilizá-los.

Tem gente que tem dificuldade de diferenciar os símbolos do “e” e do “ou”.

Bom, a dica é a seguinte. Observem a letra “e”, escrita lá no caderno de caligrafia (lembram dele?):

escrita lá no caderno de caligrafia (lembram dele?): Observem a letra “e”. Ela parece mais com

Observem a letra “e”. Ela parece mais com qual dos símbolos???

a letra “e”. Ela parece mais com qual dos símbolos??? Então o conectivo “e” tem como

Então o conectivo “e” tem como símbolo “”.

É isso.

4.3.

Exercícios

Só para não passar batido, um exercício do CESPE:

Questão 4 STF 2008 [CESPE]

Considere as seguintes proposições lógicas representadas pelas letras P, Q, R e S:

P: Nesse país o direito é respeitado.

Q: O país é próspero.

R: O cidadão se sente seguro.

S: Todos os trabalhadores têm emprego.

Considere também que os símbolos “ ”, “ ”, “ ” e “ ” representem os conectivos

lógicos “ou”, “e”, “se

Com base nessas informações, julgue os itens seguintes.

então” e “não”, respectivamente.

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes 1. A proposição “Nesse

Raciocínio Lógico p/ CGU

Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

1. A proposição “Nesse país o direito é respeitado, mas o cidadão não se sente seguro” pode

ser representada simbolicamente por ~

2. A proposição “Se o país é próspero, então todos os trabalhadores têm emprego” pode ser

representada simbolicamente por .

3. A proposição “O país ser próspero e todos os trabalhadores terem emprego é uma conseqüência de, nesse país, o direito ser respeitado” pode ser representada simbolicamente por

Resolução.

Primeiro item.

Temos:

“Nesse país o direito é respeitado, mas o cidadão não se sente seguro”

Vamos colocar parêntesis para delimitar as proposições simples:

(Nesse país o direito é respeitado), mas (o cidadão não se sente seguro)

As duas parcelas são unidas pela palavrinha “mas”, que acrescenta uma informação. Ela tem um papel análogo ao do “e”. É como se afirmássemos que o direito é respeitado e o cidadão não se sente seguro.

Além disso, vemos que a segunda parcela apresenta uma negação.

Portanto, a proposição mencionada pode ser representada por:

Item certo

Segundo item.

A sentença é:

~

Se (o país é próspero), então (todos os trabalhadores têm emprego).

Em símbolos:

Item certo

Terceiro item.

A proposição é:

“O país ser próspero e todos os trabalhadores terem emprego é uma conseqüência de, nesse país, o direito ser respeitado”.

Vamos usar parêntesis para delimitar as proposições simples:

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes ((O país ser próspero)

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes ((O país ser próspero) e (todos os trabalhadores terem emprego)) é uma conseqüência de, (nesse país, o direito ser respeitado).

A expressão “é uma conseqüência”, remete ao condicional (se

Podemos reescrever a frase assim:

então).

Se (nesse país, o direito é respeitado), então ((o país é próspero) e (todos os trabalhadores têm emprego)).

Em símbolos, ficamos com:

Não foi essa a simbologia indicada pelo enunciado. Item errado.

Gabarito: certo, certo, errado

Como Esaf não cobra isso, já vamos mudando de assunto!

5.

TABELA VERDADE DAS PROPOSIÇÕES COMPOSTAS

5.1.

O que você precisa saber

A tabela verdade é uma tabela em que combinamos todas as possibilidades das proposições

simples para ver quais são os resultados das proposições compostas.

A

tabela verdade do conectivo “e” é a seguinte:

 
 

P

Q

P e Q

V

V

V

V

F

F

F

V

F

F

F

F

O

que isto significa?

Significa que, quando P for verdadeiro e Q também for verdadeiro, a proposição composta “P e Q” também será verdadeira (ver linha 1 da tabela).

Quando P for verdadeiro e Q for falso, a proposição composta “P e Q” será falsa (linha 2 da tabela).

Quando P for falso e Q for verdadeiro, a proposição composta será falsa (linha 3).

Finalmente, se P e Q forem falsos, a proposição composta será falsa (linha 4).

Pronto. Isso é uma tabela verdade. Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof.

Pronto. Isso é uma tabela verdade.

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

Para os demais conectivos, as tabelas verdade estão abaixo indicadas.

Tabela verdade do conectivo “ou”:

P

Q

P ou Q

V

V

V

V

F

V

F

V

V

F

F

F

Tabela verdade do conectivo “se, então”:

P

Q

se P, então Q

V

V

V

V

F

F

F

V

V

F

F

V

Para resolver os exercícios, você ainda precisa saber que, no condicional “se P, então Q”, as proposições simples recebem nomes especiais.

P é o antecedente.

Q é o conseqüente.

Tabela verdade do conectivo “se, e somente se”:

 

P

Q

P, se e somente se, Q

V

V

 

V

V

F

 

F

F

V

 

F

F

F

 

V

Tabela verdade do conectivo “ou

ou

P

Q

ou P ou Q

 

V

V

F

V

F

V

F

V

V

F

F

F

Pronto. Para resolver os exercícios de concursos, é só decorar as tabelas acima.

Eu não vou passar nenhuma regrinha, nenhum macete de como decorar tudo. Neste caso, acho que é muito mais proveitoso, em vez de simplesmente decorar tudo, tentar entender a

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes ideia por trás de

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes ideia por trás de cada conectivo. Para tanto, eu vou colocar exemplos que dispensam a tabela verdade, ok?

Ah, mais uma coisa. Para resolver os exercícios, você também precisa saber a ordem de precedência dos conectivos. Mas eu vou deixar para falar disso direto no exercício (ver Questão 5, página 26)

5.2. Detalhando um pouco mais

Para entendermos a ideia de cada conectivo, vamos a alguns exemplos.

Exemplo 1:

João vai viajar. Antes de pegar a estrada, passou na oficina para que fosse feita uma revisão nos freios e na suspensão de seu carro.

No dia seguinte, João vai à oficina buscar seu carro. Em cada uma das situações abaixo, como João classificaria o atendimento da oficina?

a) foram checados os freios e a suspensão

b) foram checados só os freios; a suspensão não foi checada

c) foi checada só a suspensão; os freios não foram checados

d) não foi checada a suspensão; os freios também não foram checados

Resolução:

O que João quer é realizar uma viagem segura. Ele só estará seguro se os dois itens

mencionados forem checados. Não adianta nada estar com os freios bons e a suspensão ruim. João continuará correndo risco de acidente. Da mesma forma, não é seguro ele viajar com a suspensão em ordem se os freios não estiverem ok.

Deste modo, a única situação em que João vai aprovar o atendimento da oficina será na letra “a”, em que os dois itens são checados. Em qualquer outra hipótese, o atendimento terá sido falho.

João só estará satisfeito com o atendimento quando os dois itens forem checados

freios). Ele só estará satisfeito com o atendimento quando for checado o freio

(suspensão e e também
(suspensão
e
e também

for checada a suspensão.

Analogamente, uma proposição com o conectivo “e” só será verdadeira quando todas as suas “parcelas” forem verdadeiras. Ou ainda, quando todos os seus termos forem verdadeiros.

Daí dá até para entender o nome do conectivo. A proposição composta só será verdadeira

se suas parcelas forem conjuntamente verdadeiras.

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes Existe apenas uma situação

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

Existe apenas uma situação em que a proposição composta pelo conectivo “e” é verdadeira: quando
Existe apenas uma situação em que a proposição composta pelo conectivo “e” é verdadeira: quando
Existe apenas uma situação em que a proposição composta pelo conectivo “e” é verdadeira: quando
Existe apenas uma situação em que a proposição
Existe apenas uma situação em que a proposição

Existe apenas uma situação em que a proposição

composta pelo conectivo

“e”
“e”

é verdadeira: quando

todas as proposições simples são verdadeiras.

todas as proposições simples são verdadeiras.

todas as proposições simples são verdadeiras.

Exemplo 2:

Hoje é feriado e Maria quer fazer um almoço especial. Para tanto, incumbiu José, seu marido, de ir comprar a “mistura”.

Como eles moram numa cidade pequena, Maria sabe que muitos estabelecimentos comerciais estarão fechados (ou seja, José pode ter dificuldades para “cumprir sua missão”).

Por isso ela deixou opções para ele: José pode comprar carne ou peixe.

Em cada uma das situações abaixo, como Maria avaliaria o cumprimento da tarefa de José?

a) José comprou a carne, mas não comprou o peixe.

b) José comprou o peixe, mas não comprou a carne.

c) José comprou a carne e o peixe.

d) José não comprou nem carne nem peixe.

Resolução:

A ideia de Maria é ter algo pra fazer de almoço. Se o José comprar qualquer um dos dois

itens (peixe ou carne), terá cumprido sua tarefa com êxito e Maria poderá fazer o almoço.

Assim, nas letras “a” e “b”, Maria ficará satisfeita com José, tendo em vista que ele comprou pelo menos uma das duas opções de mistura. O almoço estará garantido.

Na letra “c” José teve, igualmente, êxito. Comprou ambos: peixe e carne. Maria não só poderá fazer o almoço de hoje como também já poderá planejar o almoço do dia seguinte.

Só na letra “d” é que Maria ficará insatisfeita com seu marido. Na letra “d”, José voltou para casa de mãos abanando. José voltou sem nada e o almoço ficou prejudicado.

o peixe. Isto significa que ele precisava

comprar pelo menos um dos dois. Poderia ser só a carne, só o peixe, ou ambos, carne e peixe.

A única situação em que José não cumpre sua tarefa é aquela em que ele não compra nada:

nem carne nem peixe.

as suas

“parcelas” forem falsas (ou ainda: se todas as proposições simples que a compõem forem falsas).

Analogamente, uma proposição com o conectivo “

Neste exemplo, José precisava comprar a carne

ou
ou
ou
ou

será falsa se todas

Disso dá para entender o nome do conectivo: a proposição composta será verdadeira ainda que as proposições simples sejam disjuntamente (ou separadamente) verdadeiras.

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes A proposição composta pelo

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

A proposição composta pelo conectivo “ ou ” só será

A proposição composta pelo conectivo “

ou
ou

será

falsa quando todas falsas.

as

proposições

simples

forem

Exemplo 3:

Augusto contratou um seguro de carro. O seguro protegia contra batidas. Assim, se Augusto bater o carro, então a seguradora paga a indenização.

Como Augusto avaliaria a seguradora em cada situação abaixo:

a) Augusto bate o carro e a seguradora paga a indenização

b) Augusto bate o carro e a seguradora não paga a indenização

c) Augusto não bate o carro e a seguradora paga a indenização

d) Augusto não bate o carro e a seguradora não paga a indenização

Resolução

Na letra “a”, temos a situação normal de contrato. Augusto bateu o carro e a seguradora paga a indenização. A seguradora cumpriu com seu papel e Augusto ficará satisfeito com o serviço prestado pela seguradora.

Na letra “b”, Augusto bateu novamente o carro. A seguradora deveria pagar o seguro. Deveria, mas não o fez. Augusto certamente ficará insatisfeito com a seguradora, podendo acionar o Procon, a justiça, etc.

Na letra “c”, temos uma situação até meio irreal. Augusto nem bateu o carro e a seguradora está dando dinheiro para ele. Ô seguradora boa, hein! Podemos pensar que se trata de um prêmio, ou desconto, alguma vantagem. Seria a situação em que as seguradoras premiam bons clientes. Na letra “c”, novamente o Augusto ficará satisfeito com o atendimento da seguradora. Muito satisfeito, por sinal.

Na letra “d”, Augusto não bate o carro e a seguradora não paga a indenização. Augusto tem o direito de ficar insatisfeito? Não, não tem. A seguradora não tinha obrigação de pagar indenização alguma. Afinal de contas, Augusto não bateu o carro.

Na letra “d”, Augusto não tem motivo algum para dizer que a seguradora prestou um mal serviço. Portanto, ele, não tendo motivos concretos para fazer uma avaliação negativa, diria que a Seguradora presta um bom serviço (ou seja, presume-se que seja uma boa empresa, até prova em contrário).

Observe a situação inicial. Temos exatamente uma frase com “se

então”.

Se
Se

Augusto bater o carro,

então
então

a seguradora paga a indenização.

Vamos dividir esta frase em duas “parcelas”. A primeira parcela se refere a Augusto bater o carro. A segunda se refere à seguradora pagar a indenização.

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes A única possibilidade de

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

A única possibilidade de Augusto ficar insatisfeito ocorre quando a primeira “parcela”

acontece (ou seja, quando ele bate o carro) e a segunda “parcela” não acontece (ou seja, quando a seguradora não paga a indenização).

De modo análogo, uma proposição: se “p”, então “q”, só é falsa quando “p” é verdadeiro e “q” é falso.

Como os alunos costumam ter um pouco de dúvidas neste conectivo condicional, vejamos outro exemplo.

Exemplo 4:

Júlia, hoje pela manhã, disse à sua amiga: hoje, se fizer sol, eu vou ao clube.

Ao final do dia, temos as situações descritas abaixo. Em cada uma delas, avalie se Júlia disse a verdade ou se Júlia mentiu.

a) fez sol e Júlia foi ao clube.

b) fez sol e Júlia não foi ao clube.

c) não fez sol e Júlia foi ao clube.

d) não fez sol e Júlia não foi ao clube.

Resolução:

Na letra “a” fez sol. E Júlia disse que, se fizesse sol, ela iria ao clube. Como ela de fato foi ao clube, então ela disse a verdade.

Na letra “b”, novamente, fez sol. E Júlia disse que, se fizesse sol, ela iria ao clube. Como ela não foi ao clube, ela mentiu.

Nas letras “c” e “d”, não fez sol. Ora, Júlia não prometeu nada para o caso de não fazer sol.

O compromisso dela era apenas para o caso de fazer sol. Ela assumiu um compromisso de,

fazendo sol, ir ao clube.

Ora, se não fez sol, então Júlia está liberada de seu compromisso. Ela não prometeu nada caso chovesse, ou ficasse nublado.

Portanto, não interessa o que ela tenha feito nas letras “c” e “d”. Você não pode dizer que ela mentiu.

Se considerarmos que a situação inicial é composta de duas “parcelas”, teríamos o seguinte:

primeira parcela – fazer sol; segunda parcela – Júlia ir ao clube.

Novamente, a única situação em que dizemos que Júlia mente ocorre quando a primeira parcela acontece (ou seja, faz sol) e a segunda não acontece (Júlia não vai ao clube).

então” só é falsa quando a

De modo análogo, uma proposição com o conectivo “se primeira proposição for verdadeira e a segunda for falsa.

, e a

E, não custa relembrar: vimos que a primeira parcela recebe o nome de

antecedente

segunda parcela recebe o nome de

conseqüente

.

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes Um condicional só será

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

Um condicional só será falso se sua primeira parcela for verdadeira (antecedente verdadeiro) e sua

Um condicional só será falso se sua primeira parcela for verdadeira (antecedente verdadeiro) e sua segunda parcela for falsa (conseqüente falso).

Exemplo 5:

Inácio é um veterinário. Num dado dia, ele recebe dois cães, gravemente feridos (Alfa e Beta, ambos vítimas de atropelamento). Os dois precisam de pronto atendimento. Do contrário, irão falecer.

Inácio não tem outros veterinários para lhe auxiliar, só tendo condições de atender a um dos cães por vez. Avalie o comportamento de Inácio nas situações abaixo.

a) Inácio atende Alfa e o salva; Beta não é atendido e morre.

b) Inácio atende Beta e o salva; Alfa não é atendido e morre.

c) Inácio tenta atender os dois ao mesmo tempo. Acaba não conseguindo atender nenhum

dos cães de forma adequada e ambos morrem.

d) Inácio não atende a nenhum dos dois e ambos morrem.

Resolução:

Na letra “a”, Inácio agiu corretamente. Ele não teria como atender os dois cães. Ele escolheu o cão Alfa e o salvou. Era o máximo que ele poderia fazer naquelas condições. Pelo menos um dos cães foi salvo. Na letra “a”, dizemos que Inácio agiu de forma adequada, dadas as restrições que ele tinha.

Pelo mesmo raciocínio, na letra “b” também dizemos que Inácio agiu de forma adequada. Ele só teria condições de salvar um cão. Ele escolheu Beta e o fez.

Na letra “c” Inácio não foi um bom profissional. Tentou atender aos dois cães, o que ele já sabia que não seria possível. Consequentemente, nenhum cão foi atendido de forma adequada e ambos morreram.

Na letra “d” Inácio também agiu de forma inadequada. Ao não atender nenhum dos cães, ele simplesmente não salvou Alfa nem Beta (quando era possível salvar um dos dois).

Podemos dizer que

corretamente são quando ele atende só o Alfa ou só o Beta. Dividindo a frase em duas partes, teríamos: primeira parte – atender Alfa; segunda parte – atender Beta.

Inácio atende Beta. As únicas formas de ele agir

ou
ou

Inácio atende Alfa

ou
ou
Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes O comportamento de Inácio

Raciocínio Lógico p/ CGU

Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

O

comportamento de Inácio só é adequado quando a primeira parte acontece (atende Alfa)

e

a segunda não (não atende Beta). Outra forma de seu comportamento ser adequado é

quando a primeira parte não acontece (não atende Alfa) e a segunda parte acontece (atende Beta).

De modo análogo, uma proposição com o conectivo “ou

termo é verdadeiro e o outro é falso. Qualquer outra situação implica em proposição falsa.

ou” só é verdadeira quando um

É muito importante saber diferenciar a disjunção exclusiva (ou (ou).

As tabelas-verdades de ambas são quase iguais. A diferença se dá apenas quando os dois termos são verdadeiros.

Na disjunção inclusiva, os dois termos verdadeiros implicam em proposição verdadeira. É só lembrar do exemplo do José, que poderia comprar carne ou peixe. Quando as duas parcelas acontecem (ou seja, quando ele compra carne e peixe), ele cumpriu sua missão (pois Maria poderá fazer o almoço). José agiu de maneira satisfatória.

Na disjunção exclusiva, se os dois termos são verdadeiros, temos uma proposição falsa. É só lembrar do exemplo do Inácio. Inácio deveria atender ou Alfa ou Beta. Quando as duas parcelas acontecem (ou seja, quando ele atende os dois cães), aí ele não agiu de forma satisfatória (pois ambos, Alfa e Beta, morrem).

Podemos pensar que uma única proposição simples deve ser verdadeira (exclusividade), para que a proposição composta seja verdadeira. Assim como um dos cães deveria ter exclusividade de atendimento, para que Inácio fosse considerado um bom veterinário.

ou) da disjunção inclusiva

Uma proposição composta pelo conectivo “ ou ou ”

Uma proposição composta pelo conectivo “

ou ou
ou
ou

(disjunção exclusiva) só será verdadeira se uma proposição simples for verdadeira e a outra for falsa.

Exemplo 6:

Rosa foi ao médico, pois está sentindo dores. O médico faz alguns exames, para ver se ela está doente ou não, e, se necessário, receita um medicamento.

Como Rosa avaliaria a qualidade do médico em cada uma das hipóteses abaixo?

a) Rosa estava doente e o médico receitou um remédio.

b) Rosa estava doente e o médico não receitou um remédio.

c) Rosa não estava doente e o médico receitou um remédio.

d) Rosa não estava doente e o médico não receitou um remédio.

Resolução.

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes Na letra “a”, Rosa

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes Na letra “a”, Rosa estava realmente doente. O médico detectou a doença e receitou um remédio. É exatamente o que se espera de um bom médico. Nesta situação, Rosa diria que seu médico realizou um bom atendimento.

Na letra “b”, Rosa estava doente. O médico, contudo, não detectou a doença e não receitou remédio algum. Para Rosa, ele certamente não foi um bom médico.

Na letra “c”, Rosa não estava doente. Ainda sim o médico receitou um remédio. Sabemos que os remédios não podem ser usados indiscriminadamente, quando a pessoa está saudável. A medicação desnecessária pode causar diversos efeitos negativos. Deste modo, na letra “c” Rosa diria que se trata de um médico ruim, que receitou remédios desnecessariamente.

Na letra “d”, Rosa não estava doente. O médico percebeu isso e não receitou remédio algum. Talvez só tenha recomendado descanso, repouso, algo do gênero. Mas agiu corretamente, ao não prescrever nenhuma medicação. Foi um bom médico.

Podemos dizer que o médico deve receitar um remédio se e somente se Rosa estiver doente.

Separando a frase acima em duas parcelas, temos: primeira parcela – o médico receita o remédio; segunda parcela – Rosa está doente.

O médico só será qualificado como um bom médico se as duas parcelas ocorrerem ou se as duas não ocorrerem.

Caso uma das parcelas ocorra e a outra não, então ele será um médico ruim.

” só será verdadeira

De forma análoga, uma proposição com o conectivo “

caso os dois termos sejam verdadeiros ou caso os dois termos sejam falsos.

Se um dos termos for verdadeiro e o outro for falso, então a proposição com “se e somente se” será falsa.

se e somente se

Uma proposição composta pelo conectivo “ se, e

Uma

proposição

composta

pelo

conectivo

se, e
se,
e

somente se

” (bicondicional) só será verdadeira se

ambas as proposições simples tiverem valores lógicos iguais.

5.3.

Exercícios

Antes de iniciarmos com exercícios de concursos, segue um exemplo simplificado, só para me certificar de que estamos bem na matéria, até agora. E também para vermos como montar uma tabela verdade, do zero:

Exemplo 7:

Construa a tabela verdade para a proposição abaixo: ∧ → Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria

Construa a tabela verdade para a proposição abaixo:

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

Resolução.

Vamos começar pela proposição “p”. Ela pode ser verdadeira ou falsa.

pela proposição “p”. Ela pode ser verdadeira ou falsa. Fixado o valor lógico de p, vamos

Fixado o valor lógico de p, vamos para q. Em cada uma das situações acima, podemos ter q sendo verdadeiro ou falso.

Isto está representado no diagrama abaixo.

ou falso. Isto está representado no diagrama abaixo. E, para cada combinação de valores lógicos de

E, para cada combinação de valores lógicos de p e q, temos duas possibilidades para r:

verdadeiro ou falso. Veja diagrama abaixo:

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes Ou seja, há 8

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes Ou seja, há 8 cominações possíveis de

Ou seja, há 8 cominações possíveis de valores lógicos para p, q e r.

Uma forma sistemática de abranger todos eles é assim. Para a proposição r, trocamos o valor lógico de linha em linha.

r

V

F

V

F

V

F

V

F

Pronto. Fomos alternando os valores lógicos. Primeiro V, depois F, depois V, depois F.

Ok, agora vamos para a proposição q. Vamos alternando os valores lógicos de duas em duas linhas.

q

r

V

V

V

F

F

V

F

F

V

V

V F F V F F Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof.
V F F V F F
V
F
F
V
F
F

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

Primeiro colocamos V e V. Depois F e F. Depois V e V. E assim por diante.

E o jeito de fazer é sempre assim, vamos sempre dobrando.

Vamos agora para a proposição p. Novamente dobramos. Alternamos os valores lógicos de 4 em 4 linhas.

p

q

r

V

V

V

V

V

F

V

F

V

V

F

F

F

V

V

F

V

F

F

F

V

F

F

F

Observem que:

- para “p”, alternamos o valor lógico a cada 4 linhas

- para “q”, alternamos o valor lógico a cada 2 linhas

- para “r”, alternamos o valor lógico a cada 1 linha.

Esta é uma forma sistemática de abranger todos os casos possíveis. No fundo no fundo, simplesmente transformamos o diagrama em uma tabela.

E isso ajuda a lembrar que a tabela-verdade de uma proposição composta por n proposições simples terá 2 linhas.

Exemplo: se a proposição for composta por 2 proposições simples, ela terá 2

Se a proposição for composta por 3 proposições simples, a tabela verdade terá 2 linhas.

Se a proposição for composta por 4 proposições simples, a tabela verdade terá 2 linhas.

Viu? Vai sempre dobrando (4, 8, 16, 32,

2 =

4

linhas.

3 = 8

4

= 16

)

Uma proposição composta por “n” proposições simples terá tabela verdade contendo 2 linhas

Uma proposição composta por “n” proposições simples terá tabela verdade contendo 2 linhas

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes Agora que já conseguimos

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes Agora que já conseguimos relacionar todas as combinações de valores lógicos para p, q e r, podemos continuar montando a tabela verdade.

A

proposição composta é:

O

parêntesis nos indica que devemos, primeiro, fazer o “e”.

p

q

r

p

q

V

V

V

 

V

V

F

 

V

F

V

 

V

F

F

 

F

V

V

 

F

V

F

 

F

F

V

 

F

F

F

 

Para tanto, consultamos as colunas p e q.

Quando p e q são verdadeiros, a conjunção também é verdadeira.

p

q

r

p

q

V

V

V

 

V

V

V

F

 

V

V

F

V

 

V

F

F

 

F

V

V

 

F

V

F

 

F

F

V

 

F

F

F

 

Em qualquer outro caso, ou seja, quando pelo menos uma das parcelas é falsa, a conjunção será falsa (em vermelho o que preenchemos agora, em azul o que já havia sido preenchido).

p

q

r

p

q

V

V

V

 

V

V

V

F

 

V

V

F

V

 

F

V

F

F

 

F

F

V

V

 

F

F

V

F

 

F

F

F

V

 

F

F

F

F

 

F

Pronto. Já fizemos a parcela que está entre parêntesis.

Agora podemos finalmente fazer a coluna da proposição composta desejada.

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes   p q r

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

 

p

q

r

p

q

(

p

q)

r

V

V

V

 

V

 

V

V

F

 

V

 

V

F

V

 

F

 

V

F

F

 

F

 

F

V

V

 

F

 

F

V

F

 

F

 

F

F

V

 

F

 

F

F

F

 

F

 

Temos um condicional. Suas parcelas são:

 
 

1ª parcela: p

q

2ª parcela: r

O condicional só é falso quando a primeira parcela é verdadeira e a segunda é falsa.

a primeira parcela é verdadeira e a segunda é falsa. Em qualquer outro caso, o condicional

Em qualquer outro caso, o condicional é verdadeiro.

p

q

r

p

q

(

p

q)

r

V

V

V

 

V

 

V

V

V

F

 

V

 

F

V

F

V

 

F

 

V

V

F

F

 

F

 

V

F

V

V

 

F

 

V

F

V

F

 

F

 

V

F

F

V

 

F

 

V

F

F

F

 

F

 

V

Pronto. Montamos a tabela-verdade da proposição composta ( p q)

r .

Questão 5

Entre as opções abaixo, a única com valor lógico verdadeiro é:

a) Se Roma é a capital da Itália, Londres é a capital da França.

b) Se Londres é a capital da Inglaterra, Paris não é a capital da França.

c) Roma é a capital da Itália e Londres é a capital da França ou Paris é a capital da França.

MPOG 2009 [ESAF]

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes d) Roma é a

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

d) Roma é a capital da Itália e Londres é a capital da França ou Paris é a capital da Inglaterra.

e) Roma é a capital da Itália e Londres não é a capital da Inglaterra.

Resolução.

Letra A

Temos um condicional:

1ª parcela: Roma é a capital da Itália (verdadeiro)

2ª parcela: Londres é a capital da França (falso)

Quando a primeira parcela do condicional é verdadeira e a segunda é falsa, o condicional é falso.

Letra B.

Outro condicional em que a primeira parcela é verdadeira e a segunda é falsa. Proposição falsa.

Letra C.

Aqui vem algo muito interessante. Quando temos diversos conectivos, costumamos utilizar parêntesis ou colchetes para indicar qual tem precedência.

Como exemplo, considere as duas proposições abaixo:

Na primeira delas, o “ou” tem prioridade, por causa dos parêntesis. Primeiro fazemos “Q ou R”. Depois, pegamos o resultado disso e fazemos a conjunção com P.

Na segunda proposição, a conjunção tem preferência. Primeiro fazemos “P e Q”. Depois pegamos o resultado disso e fazemos a disjunção com R.

Há situações em que os parêntesis são omitidos. Neste caso, temos que saber a ordem de precedência entre os conectivos. A ordem é:

1º: operador “não”

2º: conectivo “e”

3º: conectivo “ou”

4º: conectivo “se então”

5º: conectivo “se, e somente se”

Nunca vi um material escrito que, nesta relação, me indicasse em que posição está o conectivo “ou

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes Muito bem, e para

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

Muito bem, e para que é que a gente precisa dessa ordem de precedência?

Quando a frase está escrita em linguagem comum (em vez da utilização da simbologia lógica), não há como colocar parêntesis para indicar qual conectivo deve ser feito primeiro. Neste caso, seguimos a ordem acima indicada.

A proposição em questão é:

Roma é a capital da Itália e Londres é a capital da França ou Paris é a capital da França.

Temos um “e” e um “ou”. Seguindo a ordem de precedência, primeiro fazemos o “e”. Depois fazemos o “ou”. Colocando parêntesis, ficaria assim:

(Roma é a capital da Itália e Londres é a capital da França) ou Paris é a capital da França.

A proposição é composta por um “ou”.

Primeira parcela: (Roma é a capital da Itália e Londres é a capital da França)

Segunda parcela: Paris é a capital da França.

Observem que a segunda parcela do “ou” é verdadeira. Isto já é suficiente para que a proposição inteira seja verdadeira.

Achamos a alternativa correta.

Gabarito: C

De todo modo, vamos continuar com a questão.

Letra D:

Novamente, usamos a ordem de precedência entre os conectivos. Primeiro fazemos o “e”, depois fazemos o “ou”:

(Roma é a capital da Itália e Londres é a capital da França) ou Paris é a capital da Inglaterra.

Temos um “ou”, formado por duas parcelas.

1ª parcela: Roma é a capital da Itália e Londres é a capital da França

2ª parcela: Paris é a capital da Inglaterra.

A 2ª parcela é falsa.

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes A 1ª parcela é

Raciocínio Lógico p/ CGU

Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

A 1ª parcela é composta por um “e”. Esta conjunção, por sua vez, é decomposta em duas

outras parcelas:

1 .1 – Roma é capital da Itália (verdadeiro)

1.2 – Londres é capital da França (falso)

Como a segunda parcela da conjunção é falsa, então ela é falsa.

Logo, é

falso
falso

que (Roma é a capital da Itália e Londres é a capital da França).

Ficamos com:

(V e F) ou F

Entre parêntesis, temos um “e”, em que uma parcela é falsa. Logo, a expressão entre parêntesis é falsa.

(F) ou F

Assim, nosso “ou” tem duas parcelas falsas.

Logo, a proposição dada na alternativa D é falsa.

Letra E:

Roma é a capital da Itália e Londres não é a capital da Inglaterra.

Temos uma proposição composta pelo conectivo “e”.

1ª parcela: Roma é a capital da Itália (verdadeiro)

2ª parcela: Londres não é a capital da Inglaterra (falso)

Ficamos com:

V e F

Se a segunda parcela é falsa, então a proposição composta é falsa.

Questão 6 SEFAZ MG 2005 [ESAF]

O reino está sendo atormentado por um terrível dragão. O mago diz ao rei: “O dragão

desaparecerá amanhã se e somente se Aladim beijou a princesa ontem”. O rei, tentando compreender melhor as palavras do mago, faz as seguintes perguntas ao lógico da corte:

1. Se a afirmação do mago é falsa e se o dragão desaparecer amanhã, posso concluir

corretamente que Aladim beijou a princesa ontem?

2. Se a afirmação do mago é verdadeira e se o dragão desaparecer amanhã, posso concluir corretamente que Aladim beijou a princesa ontem?

3. Se a afirmação do mago é falsa e se Aladim não beijou a princesa ontem, posso concluir

corretamente que o dragão desaparecerá amanhã?

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes O lógico da corte,

Raciocínio Lógico p/ CGU

Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

O lógico da corte, então, diz acertadamente que as respostas logicamente corretas para as

três perguntas são, respectivamente:

a) Não, sim, não

b) Não, não, sim

c) Sim, sim, sim

d) Não, sim, sim

e) Sim, não, sim

Resolução.

Vamos dar nomes às proposições. A proposição d (de dragão) será:

d: O dragão desaparecerá amanhã.

A proposição a (de Aladim) será:

a: Aladim beijou a princesa ontem

A afirmação do mago é:

d

a

Item 1.

A afirmação do mago é falsa e o dragão desaparece amanhã. Logo:

d: Verdadeiro

a : Falso

d

Ou seja, uma das parcelas do bicondicional é verdadeira. Para que o bicondicional seja falso,

a segunda parcela deve ser falsa. Logo, no primeiro item, Aladim não beijou a princesa ontem.

Item 2.

A afirmação do mago é verdadeira e o dragão desaparece amanhã. Logo:

d: Verdadeiro

d

a : Verdadeiro

Ou seja, uma das parcelas do bicondicional é verdadeira. Para que o bicondicional seja verdadeiro, a segunda parcela deve ser verdadeira. Logo, no primeiro item, Aladim beijou a princesa ontem.

Item 3.

A afirmação do mago é falsa e o Aladim não beijou a princesa ontem. Logo:

a: Falso

d

a : Falso

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes Uma das parcelas do

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes Uma das parcelas do bicondicional é falsa. Para que o bicondicional seja falso, a outra parcela deve ser verdadeira. Logo, no terceiro item, o dragão desaparecerá amanhã.

As respostas às três perguntas são: não, sim, sim.

Gabarito: D

6.

CONDIÇÃO NECESSÁRIA E SUFICIENTE

6.1.

O que você precisa saber

Num condicional , verdadeiro, dizemos que P é condição suficiente para Q. E Q é condição necessária para P.

p

é condição suficiente para q

Se p, então q

q

é condição necessária para p

Para não confundir quem é necessário e quem é suficiente, uma dica.

Observe a proposição.

Se p, então q.

A palavrinha “Se” começa com “S”. E suficiente também começa com “s”.

A dica é: a proposição que estiver perto do “s” é a condição suficiente.

que estiver perto do “s” é a condição suficiente. 6.2. Detalhando um pouco mais Essa nomenclatura

6.2. Detalhando um pouco mais

Essa nomenclatura pode confundir muita gente. Esse “necessário” e “suficiente” não tem nada a ver com o uso rotineiro de tais palavras. Vocês não podem associá-los a uma relação de causa e conseqüência.

Esta nomenclatura se refere ao comportamento dos valores lógicos na tabela-verdade.

Observe a tabela para a proposição “se p, então q”:

P

Q

V

V

V

V

F

F

F

V

V

F

F

V

Como nossa proposição composta é verdadeira, vamos ignorar a segunda linha.

Analisando as linhas remanescentes, temos o seguinte:

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes - em todas as

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

- em todas as linhas em que P é verdadeiro, Q também é; ou seja, na tabela-verdade, P ser verdadeiro é suficiente para Q também ser;

- em todas as linhas em que Q é falso, P também é; logo, para que P seja verdadeiro, é necessário que Q também seja (embora isso não seja suficiente).

Deste modo, as expressões “condição necessária” e “condição suficiente” apenas se referem ao comportamento dos valores lógicos na tabela verdade. Apenas isso.

6.3. Exercícios

Questão 7

Considere que: “se o dia está bonito, então não chove”.

Desse modo:

a) não chover é condição necessária para o dia estar bonito.

b) não chover é condição suficiente para o dia estar bonito.

c) chover é condição necessária para o dia estar bonito.

d) o dia estar bonito é condição necessária e suficiente para chover.

e) chover é condição necessária para o dia não estar bonito.

MPOG 2009 [ESAF]

Resolução.

Vimos que, num condicional , P é condição suficiente para Q. E Q é condição necessária para P.

Logo, dizemos que:

- o dia estar bonito é condição suficiente para não chover.

- não chover é condição necessária para o dia estar bonito.

Gabarito: A

7.

TAUTOLOGIA, CONTRADIÇÃO E CONTINGÊNCIA

7.1.

O que você precisa saber

Tautologia é uma proposição composta cuja tabela verdade só apresenta valores lógicos V, independente dos valores lógicos que assumem suas proposições de origem.

Exemplo: Ou chove ou não chove.

Temos duas parcelas

1)

Chove (p)

2)

Não chove (~p)

A tabela-verdade desta afirmação fica assim: p ~p p ⁄ ~p V F   V

A tabela-verdade desta afirmação fica assim:

p

~p

p

~p

V

F

 

V

F

V

 

V

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

temos respostas verdadeiras na tabela-verdade, independentemente dos valores lógicos

de

p”. Por isso, a afirmação “Ou chove ou não chove” é uma tautologia.

afirmação “Ou chove ou não chove” é uma tautologia. Contradição é uma proposição composta cuja tabela

Contradição é uma proposição composta cuja tabela verdade só apresenta valores lógicos F, independente dos valores lógicos das proposições que lhe dão origem.

Exemplo: p (~ p) .

A tabela-verdade desta proposição composta fica:

p

~p

p

~p

V

F

 

F

F

V

 

F

Observem a última coluna (destacada em vermelho). A proposição composta é sempre falsa, não interessa o que ocorra com as proposições simples.

Há uma contingência quando não temos nem uma tautologia nem uma contradição, ou seja, quando a tabela-verdade apresenta alguns verdadeiros e alguns falsos, a depender do valor das proposições que dão origem à sentença em análise.

Exemplo: p

q

p

q

p

q

V

V

 

V

V

F

 

F

F

V

 

F

F

F

 

V

O bicondicional pode ser tanto verdadeiro (quando suas duas parcelas são ou ambas

verdadeiras ou ambas falsas) quanto falso (quando uma parcela é verdadeira e a outra é falsa). Com isso, o “se, e somente se” não é nem uma tautologia, nem uma contradição. É uma contingência.

A contingência é a situação mais comum de ocorrer. Ela é a regra geral. A tautologia e a

contradição são exceções.

7.2. Exercícios Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes Questão 8

7.2.

Exercícios

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

Questão 8

Um exemplo de tautologia é:

a) se João é alto, então João é alto ou Guilherme é gordo

b) se João é alto, então João é alto e Guilherme é gordo

c) se João é alto ou Guilherme é gordo, então Guilherme é gordo

d) se João é alto ou Guilherme é gordo, então João é alto e Guilherme é gordo

e) se João é alto ou não é alto, então Guilherme é gordo

Fiscal Trabalho 1998 [ESAF]

Resolução:

Todas as alternativas trabalham com as mesmas proposições simples, a saber:

p: João é alto

q: Guilherme é gordo

Vamos, para praticar, montar a tabela-verdade de cada caso.

Na próxima aula veremos alguns conceitos que permitem resolver esta questão sem a tabela verdade. Veremos que um condicional é tautológico quando puder ser associado a um argumento válido.

Letra A: “se João é alto, então João é alto ou Guilherme é gordo”

Vamos passar esta frase para a forma simbólica?

Podemos dividir esta frase em duas parcelas:

1ª - João é alto

2ª - João é alto ou Guilherme é gordo

A segunda parte é um “ou”: João é alto (p) ou Guilherme é gordo (q) = p

A ligação entre a primeira parte e a segunda é feita por um condicional.

Vejamos: se João é alto (p), então João é alto (p) ou Guilherme é gordo (q)

Representamos esta frase assim:

p

(p

q).

A tabela-verdade neste caso fica assim:

q

p

q

p

q

p

(p

q)

V

V

V

 

V

V

F

V

 

V

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes p q p ⁄

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

p

q

p

q

p

(p

q)

F

V

 

V

 

V

F

F

 

F

 

V

Já temos nossa resposta. Esta é a alternativa correspondente a uma tautologia.

Como montamos a tabela? Lembrando mais uma vez que o condicional só é falso quando seu primeiro termo é verdadeiro (p) e seu segundo termo é falso (p q). Acontece que não existe esta situação na tabela. Por isso, a última coluna só apresenta valores lógicos verdadeiros (V) e temos uma tautologia.

Com isso, descobrimos que dizer:

“Se João é alto, então João é alto ou Guilherme é gordo”

é uma verdade SEMPRE!

Não importa se, de fato, João é alto ou não.

Não importa se, de fato, Guilherme é gordo ou não.

Nada disso importa.

Quaisquer que sejam as características de João e Guilherme (alto x baixo; magro x gordo), a proposição composta será verdadeira.

Letra B: “se João é alto, então João é alto e Guilherme é gordo”

Agora a proposição é representada por:

 

p

(p

q)

A

tabela fica assim:

 

p

q

 

p

q

p

(p

q)

V

V

 

V

 

V

V

F

 

F

 

F

F

V

 

F

 

V

F

F

 

F

 

V

Aqui temos uma contingência, já que existem verdadeiros e falsos na solução.

Letra C: “se João é alto ou Guilherme é gordo, então Guilherme é gordo”

Neste item, temos um “ou” na primeira parte do condicional.

Então a representação em símbolos é assim:

Construindo a tabela, teremos:

 

(p

q)

q

 

p

q

p

q

(p

q)

q

V

V

 

V

 

V

V

F

 

V

 

F

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes F V V V

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

F

V

V

V

F

F

F

V

Novamente, uma contingência.

Letra D: “se João é alto ou Guilherme é gordo, então João é alto e Guilherme é gordo”

Aqui temos um “ou” na primeira parte do condicional (João é alto ou Guilherme é gordo) e um “e” na segunda parte (João é alto e Guilherme é gordo)

Como estas duas partes são unidas por um condicional, o resultado fica assim:

 

(p

q)

(p

q)

A

tabela-verdade fica assim:

 
 

p

q

p

q

p

q

(p

q)

(p

q)

V

V

V

V

 

V

V

F

V

F

 

F

F

V

V

F

 

F

F

F

F

F

 

V

Trata-se novamente de uma contingência.

Letra E. “se João é alto ou não é alto, então Guilherme é gordo”

Neste item, temos um “ou” entre uma afirmação e sua própria negação na primeira parte do condicional. (João é alto ou João não é alto)

A representação em símbolos fica:

(p

~p)

q

A tabela-verdade é apresentada em seqüência:

p

~p

p

~p

q

(p

~p)

q

V

F

V

V

 

V

V

F

V

F

 

F

F

V

V

V

 

V

F

V

V

F

 

F

Também é uma contingência. Há verdadeiros e falsos na resposta. Veja que na primeira parte do condicional temos apenas verdadeiros (p ~p é sempre verdadeiro), mas o que nos interessa é o resultado final (última coluna), não as parcelas individuais do condicional.

Gabarito: A

8.

EQUIVALÊNCIAS LÓGICAS

8.1.

O que você precisa saber

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes Existem algumas proposições compostas

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes Existem algumas proposições compostas que apresentam tabelas verdades idênticas. Quando isso acontece, dizemos que as proposições envolvidas são equivalentes.

Em outras palavras, duas proposições compostas são equivalentes quando apresentam sempre o mesmo valor lógico, independentemente dos valores lógicos das proposições simples que as compõem.

Quando duas proposições p, q são equivalentes escrevemos p q .

É possível construirmos inúmeras equivalências lógicas. Para concursos, quatro delas são especialmente importantes:

(~p)

~(p

q)

(~q)

q)

(~p)

~(p

(~q)

p

q

(~p)

q

p

q

(~q)

(~p)

€ (~p) ⁄ q ∑ p q € (~q) (~p) Então é isso, sabendo as equivalências

Então é isso, sabendo as equivalências acima, dá para resolver as questões de equivalências lógicas. Na seção “detalhando um pouco mais”, eu vou dar exemplos para facilitar o entendimento das equivalências.

É lógico que dá para montar infinitas outras equivalências. O Cespe, por exemplo, às vezes cobra a seguinte equivalência:

~ ~

Mas esta equivalência aí pode ser rapidamente obtida a partir das equivalências (3) e (4) que citei acima.

Quanto à Esaf, a única questão diferente que encontrei, cobrando outra equivalência, foi a Questão 21 (página 54).

8.2. Detalhando um pouco mais

Em primeiro lugar, vamos ver porque é que as proposições indicadas na seção anterior são equivalentes.

Vamos focar na primeira equivalência lógica: ~(p q) (~p) (~q).

Para comprovar que estas duas proposições são equivalentes, basta fazer as respectivas tabelas verdades.

Vamos lá!

Vamos começar com a tabela-verdade de “~(p q)”

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes p q p q

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes

p

q

p

q

~(p

q)

V

V

V

F

V

F

F

V

F

V

F

V

F

F

F

V

Agora vamos para a tabela verdade de (~p)

(~q)

 

p

~p

q

~q

(~p)

(~q)

V

F

V

 

F

F

V

F

F

 

V

V

F

V

V

 

F

V

F

V

F

 

V

V

Observem as últimas colunas, destacadas em vermelho.

Elas são idênticas!!!

Por isso dizemos que as proposições “~(p q)” e “(~p) (~q)” são equivalentes.

Usando um procedimento semelhante, podemos verificar que todas as demais equivalências apresentadas estão corretas.

Vamos agora dar exemplos das equivalências, utilizando frases.

Primeira equivalência: ~(p q)

Para negar um “e” lógico, nós temos que fazer um “ou” da negação de cada parcela.

(~p)

(~q)

Ou ainda: para negar um “e”, nós negamos cada parcela e trocamos o “e” por um “ou”.

Exemplo: A negação de “Pedro é alto e Júlio é rico” é “Pedro não é alto ou Júlio não é rico”.

Aqui cabe uma observação. Tem muita gente que confunde as coisas.

A negação de “Pedro é alto e Júlio é rico” é “Pedro não é alto ou Júlio não é rico”.

Tem aluno que pensa que “Pedro é alto e Júlio é rico” é equivalente a “Pedro não é alto ou Júlio não é rico”. Isso está errado!!!

O que a equivalência nos diz é que uma proposição é a negação da outra.

Ou ainda, a negação da primeira proposição é equivalente à segunda proposição.

É isso.

Outra equivalência lógica importante é:

~(p

q)

(~p)

(~q)

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor Menezes Para negar um “

Raciocínio Lógico p/ CGU Teoria e Exercícios Comentados Prof. Vítor