Você está na página 1de 6

A formação tecnológica dos docentes das escolas da

Rede Municipal de Ensino de Curitiba


Eliane Abel de Oliveira
elianeabel@hotmail.com

Resumo:
Este estudo tem o intuito de averiguar a formação dos docentes das
escolas da Rede Municipal de Curitiba para a utilização de ferramentas
tecnológicas no processo ensino aprendizagem, as facilidades,
dificuldades e benefícios que tais ferramentas proporcionam quando são
aplicados em sala de aula do Ensino Fundamental. Para iniciar o processo
deste estudo, será realizada uma pesquisa não diretiva com o intuito de
mapear a forma de uso dos laboratórios de informática em duas escolas
municipais a serem indicadas pela Gerência de Tecnologia. A partir deste
levantamento, pretende-se apontar direções para a capacitação dos
professores e sua integração com as tecnologias educacionais.

Palavras Chave: tecnologia, educação, formação, docente.

JUSTIFICATIVA

O mundo contemporâneo é marcado pelo surgimento acelerado de


novas tecnologias da informação e comunicação, que provocam mudanças
espetaculares na maneira de nos comunicarmos, e também como
estudamos, trabalhamos, pensamos e decidimos. Sancho (1998, p.47)
afirma que a interação entre indivíduo e tecnologia transformou de
maneira profunda o indivíduo e o mundo. Segundo a autora, o
prolongamento dos sentidos e das habilidades naturais do ser humano por
meio da tecnologia alterou substancialmente a natureza e as atitudes do
indivíduo.
Em um contexto de sociedade da informação, a escola surge como
espaço natural de ensino e convivência com a cultura da informática e da
informação. Algumas vezes como suporte para o conteúdo previsto no
currículo formal, outras como atividade alternativa ao dia-a-dia escolar ou
até mesmo, como protagonistas da atividade educacional.
O uso da tecnologia hoje se faz presente em praticamente todos os
ambientes, inclusive no ambiente escolar.
O desenvolvimento da interface gráfica e a simplificação do
processo de comunicação entre computadores com a criação de
ferramentas como a Internet, parece ter simplificado a manipulação de
dados e objetos no ambiente informacional. O fato de ser mais fácil
utilizar o computador e a Internet significa o afastamento de um dos
obstáculos para a aplicação de novas tecnologias no cotidiano escolar.
Para Mercado (2002, p.15) é preciso formar os professores do
mesmo modo que esperamos que eles atuem: com criticidade. O autor
aponta que os docentes na sociedade da informação e do conhecimento
precisam ser comprometidos, competentes, aberto às mudanças, críticos,
exigentes e interativos.
Especificamente sobre a formação para atuar com as novas
tecnologias, Mercado (2002, p.21) sustenta que ela deve considerar a
realidade dos professores, suas deficiências e ansiedades. Precisa visar os
motivos e o como integrar as novas tecnologias na prática pedagógica,
superando obstáculos administrativos e pedagógicos, permitindo que o
docente tenha o domínio da tecnologia, sabendo intervir com segurança
na relação aluno-computador, criando condições favoráveis para
construção do conhecimento. Penteado (1998, p.20) ressalta que a
simples presença das novas tecnologias na escola não é sinônimo de
mudança significativa na qualidade do trabalho pedagógico. É comum que
os educadores adotem as novas tecnologias, porém que não alterem sua
prática, o que fortalece a proposta de formação descrita por Mercado
(2002).
Sem alteração da prática pedagógica, a tecnologia não consegue
transformar a educação escolar e colocá-la em um “patamar de
modernidade e contemporaneidade”. (PENTEADO, 1998, p.21).
Em resumo, o uso efetivo da tecnologia por parte dos alunos, passa
primeiro por uma assimilação da tecnologia pelos docentes.
Desta forma se faz necessária uma investigação científica em que se
verifique a formação do docente para atuar em sala de aula em conjunto
com o uso das TIC (Tecnologias da Informação e Comunicação).
Entendendo que este pode ser um processo de mudança no
comportamento desse grupo social, frente ao uso da tecnologia em seu
cotidiano; este trabalho direcionará as discussões no sentido de verificar
se a formação recebida pelo professor é adequada e suficiente para que o
mesmo as coloque em prática.

DEFINIÇÃO DO PROBLEMA

Nas escolas da Prefeitura Municipal de Curitiba contamos hoje com


laboratórios bem equipados além de um portal totalmente dedicado a
professores, pais e alunos. Como é a formação destes profissionais para o
uso das tecnologias e qual é a utilização destas ferramentas tecnológicas
no cotidiano escolar?
OBJETIVOS DA PESQUISA

GERAL:
Analisar a formação do docente da Rede Municipal de Ensino de Curitiba
para o uso das TIC e sua aplicabilidade no cotidiano escolar.

ESPECÍFICOS:
• Traçar o perfil dos docentes da Rede Municipal de Ensino de Curitiba
que fazem uso das TIC;
• Identificar quais são os motivos que levam os docentes a adotarem
o uso das TIC em seu cotidiano escolar;
• Verificar se o processo de ensino-aprendizagem é facilitado pelo uso
das TICs
• Identificar o nível de integração do docente com as TIC

METODOLOGIA E ESTRATÉGIA DE AÇÃO


Na Rede Municipal de Ensino de Curitiba (RME) existem 172 escolas,
todas elas equipadas com laboratórios de informática com acesso à
internet. Além disso, a Secretaria Municipal de Educação disponibiliza um
portal para o uso dos alunos, pais e professores, dispondo também de um
centro de capacitação.
Desta forma, este trabalho se trará um olhar sobre a forma que os
professores recebem capacitação para o uso das TIC e a forma como
aplicam os cursos nos laboratórios de informática, fazendo uma relação
entre formação e uso.

A pesquisa será qualitativa, pois, Godoy (1995, p. 62) ressalta que


deve-se levar em consideração o ambiente natural como fonte direta de
dados, o caráter descritivo e o significado que as pessoas dão às coisas,
seguindo o modelo exploratório-descritivo. O estudo será caracterizado no
tipo denominado exploratório-descritivo. Exploratório por estar se tratando
de um tema ainda pouco explicado teoricamente, e descritivo por estar
fundamentado na pesquisa qualitativa, que é por princípio descritiva.
Para isso a pesquisa será realizada em duas unidades da RME, sendo
que uma das unidades deverá possuir professores que participam da
capacitação da Gerência de Tecnologias Digitais, aplicando um
planejamento voltado para o uso das TIC e a outra unidade que não
possua docentes que participem das capacitações ofertadas, porém
utilizam o laboratório de informática em seu cotidiano, ambas indicadas
pelo Departamento de Tecnologia e Difusão Educacional.
As entrevistas, de cunho não diretivo, serão realizadas com os
professores das unidades escolares eleitas para este projeto além da
Equipe Pedagógica Administrativa (EPA) e profissionais da Gerência de
Tecnologias Digitais da Secretaria Municipal de Educação (SME) a fim de se
obter os diversos pontos de vista dos profissionais envolvidos direta ou
indiretamente com o uso das tecnologias.
Após a coleta de dados pretende-se realizar uma classificação dos
docentes entrevistados em:
- Nível 0 – Não utilização
- Nível 1 – Tomada de consciência
- Nível 2 – Exploração
- Nível 3 – Infusão
- Nível 4a – Integração Mecânica
- Nível 4b – Integração Rotineira
- Nível 5 – Expansão
- Nível 6 – Refinamento
Essa classificação segue o modelo sugerido por Moersh (1998), o que
nos permite utilizá-lo para refletir sobre as etapas de aprendizagem a
integração das TIC dentro do dispositivo de formação estudado.

RESULTADOS E IMPACTOS ESPERADOS

Com este estudo pretende-se criar um instrumento para análise dos


impactos dos resultados obtidos pela SME nas capacitações dos docentes
para o uso das tecnologias e quiçá aprimorar tais capacitações a fim de
otimizar o uso dos laboratórios de informática das escolas da RME.
Este estudo também é importante para a comunidade acadêmica,
pois permitirá que se tenha uma visão no contexto das relações entre
tecnologia e educação.

REFERÊNCIAS

GODOY, Arilda S.. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades,


In: Revista de Administração de empresas, v.35, n.2, Mar/Abr 1995, p. 57-
63.

MERCADO, Luís Paulo Leopoldo. Formação Docente e novas tecnologias. In:


MERCADO, Luís Paulo Leopoldo(org.). Novas Tecnologias na educação:
reflexões sobre a prática. Maceió: EDUFAL, 2002. p. 11-28.

MOERSH, C.. Computer Efficiency: measuring the instructional use of


technology. Learning and leading with technology. In: VOSGERAU, Dilmeire
Sant'Anna Ramos. Os diversos estágios de integração das tecnologias da
informação e da comunicação na formação inicial do professor. Forum
crítico da educação: revista do ISEP, Rio de Janeiro: v. 3, n. 2, p. 11-26,
abr.2005.

PENTEADO, Heloísa Dupas. Pedagogia da comunicação: sujeitos


comunicantes. In: PENTEADO, Heloísa Dupas (org.). Pedagogia da
Comunicação: teorias e práticas. São Paulo: Cortez Editora, 1998. p. 13-22.

SANCHO, Juana M. Para uma tecnologia educacional. Porto Alegre: Artmed,


1998.