Você está na página 1de 5

Escola Secundária de Santo André Portuguê

Trabalho realizado pela aluna:

Ana Catarina Marques N.º1

"Quem és tu?" retrata-nos a história de uma jovem, Maria de


Noronha, de apenas 13 anos, filha de Madalena de Vilhena e de
Manuel de Sousa Coutinho. No entanto, Maria é extremamente
branca e frágil, encontrando-se quase sempre
atormentada pelo seu estado febril, tudo isto,
provocado pela tuberculose.
Jovem animada e alegre, curiosa por tudo, é
bastante perspicaz. Entusiasta, vibrante de emoção,
aventureira, sonhadora, encarnava o ideal
romântico. Encontra-se, porém, em constante
sofrimento. Por um lado, é a doença que não a deixa
repousar e por outro a condenação social, uma vez
que é considerada filha do infortúnio por sua mãe ter casado em
segundas núpcias.
D. Madalena de Vilhena figura nitidamente romântica, dado que
os sentimentos submergem a capacidade lógica, sendo
completamente dominada pelas emoções e pelo intenso sentido de
dever, que inibem a possibilidade de ser feliz. Revela-se bastante
vulnerável, sensível, vive afogada em pressentimentos e agouros.
Teme o aparecimento do seu primeiro marido, que irá assim,
destruir a sua família.

2 Ana Catarina Marques


Escola Secundária de Santo André Portuguê
s

D. Manuel de Sousa Coutinho, pai de Maria,


ilustre cavaleiro de Malta. Demonstra uma
serenidade e um equilíbrio característicos de uma
razão que domina os sentimentos. Revela-se
patriota, corajoso e decidido e não sente ciúmes
pelo passado de Madalena.
Estas são as personagens principais, em torno das
quais a história se desenvolve. Uma das cenas que mais gostei foi
sem dúvida, quando Manuel de Sousa Coutinho, num acto de
heróico, incendeia a própria casa para evitar que ela seja ocupada
pelos Espanhóis. Desperta assim, o entusiasmo da filha, a
complacência do irmão e a absurda inquietação e desespero de sua
mulher.
Por outro lado, tenho a destacar a seguinte citação:
"Hoje, hoje... por favor, não me deixem só, aqui hoje!" D.
Madalena sabe que foi naquele dia, há muitos anos,
ainda casada com D. João de Portugal, que se apaixonou
por Manuel de Sousa Coutinho. Entre muitas outras
coisas, que fazem daquele dia, o mais angustiante para
Madalena. Estando só, com o peso da própria
consciência, e apenas vigiada pelo cunhado Frei Jorge, o
que ela teme, acontece. Uma estranha figura, um velho
romeiro, irrompe na sua casa.
Após perceberem que esta figura era muito mais do que um
simples romeiro, D. Manuel decide por fim ao seu casamento e
como “sacrifício”, ambos têm de enveredar pela vida religiosa. D
Madalena luta até ao último momento pelo seu
casamento e pela sua querida filha.
D. João de Portugal, agora na figura de
Romeiro, pede a Telmo para dizer que tudo isto não
passou de um equívoco, mas já é tarde demais.
Toma esta atitude, pelo facto de perceber, e como
ele próprio indica, já não é ninguém. Voltou para
repor a sua dignidade e família, mas ninguém o
reconheceu. E para além disso, o cenário que
3 Ana Catarina Marques
Escola Secundária de Santo André Portuguê
s

encontrou, D. Madalena casada e cm uma filha, não era o que


esperava.
O momento de desfecho deste drama romântico acontece quando a
jovem Maria, morre nos braços dos seus pais, amortalhados em
hábitos religiosos, após ter suplicado para acabarem com toda
aquela cerimónia.

• PATRÍCIA GUERREIRO – D. Maria de


Noronha
• SUZANA BORGES - D. Madalena de Vilhena
• RUI MORRISSON – D. Manuel de Sousa
Coutinho
• ROGÉRIO SAMORA - Frei Jorge Coutinho
• JOSÉ PINTO - Telmo Pais
• FRANCISCO D’OREY - D. João de Portugal

20 de Abril de 2009
filme “Quem és tu?” é uma adaptação para
cinema da peça de teatro Frei Luís de Sousa,
de Almeida Garrett. O visionamento deste filme
permitiu-me compreender melhor toda a obra.
Deste modo, o realizador do filme, João
Botelho, procurou reproduzir os
acontecimentos da obra da forma mais similar
possível. Com efeito, o discurso das
personagens é reproduzido bem à
maneira de Almeida Garrett, porém com uma suave adaptação do
realizador.

4 Ana Catarina Marques


Escola Secundária de Santo André Portuguê
s

Segundo a minha opinião, os actores do filme, conseguiram


encanar bastante bem o seu papel. Desde Maria, passando por
Telmo, D. Manuel, D. Madalena e até mesmo o
próprio Romeiro. O ambiente é muito
interessante e elucidativo, uma vez que as
imagens dos palácios, por exemplo, permitem
quase sentir o seu ar gélido e medroso.
O ambiente de tragédia, vindo
essencialmente do palácio de D João,
conseguimo-lo perceber claramente através da
cena dos retratos imponentes, que revelam bem
a tragédia que se encontra sempre presente. No
que diz respeito à qualidade da imagem, esta é muitíssimo boa,
com contrastes de luz e sombra que acentuam o ambiente próprio
do drama romântico como é o caso da obra original.
Deste modo, na minha opinião critica, o filme constitui um
resultado essencialmente positivo, dado que foi muito interessante
contemplar em cena os comportamentos característicos de outrora,
em cinema, mas representados como se fosse teatro. Concluindo
atribuo uma classificação final de 4 estrelas a este filme, por todos
os aspectos já mencionados.

5 Ana Catarina Marques

Você também pode gostar