Você está na página 1de 27

HISTÓRA E GEOGRAFIA DE RONDÔNIA - EXCELÊNCIA Prof. FRANCISCO MATIAS, do Instituto Histórico e Geográfico de Rondônia.

O ESTADO DE RONDÔNIA, em seu aspecto político e administrativo, é originário do Território Federal do Guaporé, criado pelo presidente Getúlio Vargas, em 13 de setembro de 1943, por força do decreto-lei nº 5.812. O primeiro governador do Território Federal do Guaporé foi o coronel do Exército Aluízio Pinheiro Ferreira, que tomou posse no dia 29 de janeiro de 1944, data da instalação do Território Após a mudança da designação do Território Federal do Guaporé para Território Federal de Rondônia, em 17 de fevereiro de 1956, o primeiro governador foi o coronel José Ribamar de Miranda, que havia sido nomeado para o Território Federal do Guaporé, e continuou à frente do governo. Mas, o primeiro a ser nomeado governador foi o general Jaime Araujo dos Santos, em 1956, e o último, o coronel do Exército Jorge Teixeira de Oliveira, que governou de 1979 a 1981. O Território Federal de Rondônia foi elevado à condição de Estado em 22 de dezembro de 1981, data em que surgiu no mapa político do Brasil a 23ª. Unidade Federada brasileira. - O espaço físico que constitui o estado de Rondônia localiza-se na megarregião Norte, e integra a Amazônia brasileira. É um dos quatro estados desta megarregião situado na Amazônia Ocidental. A área territorial que constitui o estado de Rondônia localiza-se ao sul da Amazônia ocidental, da linha do Equador, e do estado do Amazonas; a Noroeste e a Oeste do estado do Mato Grosso; a Nordeste do estado do Acre, e a Sudoeste da República da Bolívia. Com relação ao país, Rondônia está no Oeste meridional brasileiro. No que se refere ao fuso horário, Rondônia situa-se a cinco horas negativas de Greenwich, o meridiano de zero grau que passa sobre a cidade de Londres, Inglaterra. A nível Brasil, o fuso horário de Rondônia está à uma hora negativa de Brasília e a quatro horas negativas da ilha de Fernando de Noronha. - No aspecto geopolítico, Rondônia integra a Amazônia Legal, ou Amazônia Global. - O Brasil detém a maior porção territorial amazônica, com 47,92% do espaço físico que a constitui, segundo o IBGE, o que o torna dono de quase metade do território amazônico. Em sua porção territorial brasileira, a Amazônia integra-se à megarregião Norte, ou Amazônica brasileira, que se constitui por sete estados: Amazonas, Pará, Amapá, Roraima, Tocantins, Rondônia e Acre. A megarregião Norte recebe incentivos governamentais para fomentar seu desenvolvimento socioeconômico através da SUDAM, Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia, cujo principal polo de produção industrial situa-se na Zona Franca de Manaus, administrada pela SUFRAMA (Superintendência da Zona Franca de Manaus). Os incentivos fiscais da Zona Franca de Manaus abrangem todos os estados da Amazônia Ocidental. Portanto, Rondônia está inserido nos projetos da Zona Franca de Manaus, obtendo os benefícios de redução tributária inerentes. 1.4 - AMAZÔNIA LEGAL - O governo brasileiro estabeleceu um espaço geopolítico designado Amazônia Legal, ou Amazônia Global, instituído através da Lei Complementar nº 1.806, de 06 de janeiro de 1953, no último governo do presidente Getúlio Vargas. Por este documento legal foi criada da

Superintendência do Plano de Valorização Econômica da Amazônia,SPVEA, com a finalidade de analisar projetos de desenvolvimento regional. Neste novo contexto geopolítico regional, o que se convencionou denominar Amazônia Legal ficou constituída pelos estados do Amazonas, Pará, Acre, e pelos territórios federais do Guaporé (atual estado de Rondônia), Amapá (atual estado do Amapá) e Rio Branco (atual estado de Roraima). Foram incluídos os estados do Maranhão, a oeste do meridiano de 44º; Mato Grosso, ao norte do paralelo de 16º de latitude Sul, e atualmente estado do Tocantins. O estado de Rondônia é membro fundador da Amazônia Legal, desde os tempos de Território Federal do Guaporé, e está localizado totalmente na Amazônia Legal. Com a promulgação da Constituição Federal de 05 de outubro de 1988, ocorreram modificações na nomenclatura e formação da Amazônia Legal. O artigo 13 das disposições transitórias da Carta Magna de 1988 cria o estado do Tocantins, desmembrado do estado de Goiás, na megarregião Centro-Oeste, e o localiza na megarregião Norte. O artigo 14 eleva os territórios federais do Amapá e de Roraima à categoria de estados. Desse modo, a Amazônia Legal passa a contar com nove componentes. Outra importante alteração deu-se por conta da Lei Complementar nº 031, de 11 de outubro de 1997, que incluiu todo o estado do Mato Grosso e nove por cento do de Goiás ao contexto geopolítico da Amazônia Legal. Em 1981, com a elevação do Território Federal de Rondônia à categoria de Estado, a Amazônia Legal sofreu a primeira alteração em sua nomenclatura, sem, no entanto, alterar sua estrutura geográfica. Somente com a criação do estado do Tocantins ocorreu a expansão da megarregião Norte e, por conseguinte, da Amazônia Legal. Goiás, ao norte do paralelo de 13º de latitude sul,

ASPECTOS POLÍTICOS O estado de Rondônia constitui-se na 23ª UF do Brasil, criado em 22 de dezembro de 1981, por força da Lei Complementar 041. Sua instalação ocorreu no dia 04 de janeiro de 1982, com a posse do primeiro governador, o coronel Jorge Teixeira de Oliveira, nomeado pelo presidente João Baptista de Oliveira Figueiredo, na forma do disposto na lei complementar nº 041/198 1. Esta data, a partir de

2010, foi oficializada pela Assembleia Legislativa como a Data Magna de Rondônia. O Poder Legislativo é representado pela Assembleia Legislativa, e o Poder Judiciário pelo Tribunal de Justiça, criado através da Lei Complementar nº 041/1981 e instalado no dia 26 de janeiro de 1982. O primeiro presidente do TJ de Rondônia foi o desembargador Fouad Darwich Zacharias. O atual presidente é o desembargador Roosevelt Queiroz Costa e o vice-presidente, desembargador Raduan Miguel Filho. Nos municípios, a atividade judiciária é exercida pelo Tribunal de Justiça através de vinte e cinco comarcas. O Poder Executivo estadual é representado pelo governador, que despacha no Palácio Presidente Vargas. A capital do estado de Rondônia é a cidade de Porto Velho, conforme estabelece o artigo 4º da Constituição estadual promulgada em 1989. No estado de Rondônia, a Constituição Estadual em vigor foi promulgada no dia 28 de setembro de 1989, pela Assembleia Legislativa e Constituinte.Esta constituição substituiu a primeira, promulgada em 06 de agosto de 1983. Portanto, o Brasil já teve oito constituições e Rondônia, duas. A principal representação política é feita pelo governador e, nos seus impedimentos, pelo vicegovernador. O atual governador do estado de Rondônia é o médico Confúcio Aires Moura, PMDB, e o vice-governador é o empresário Ayrton Gurgacz, PDT, eleitos em 03 de outubro de 2010. Os mandatos, iniciaram em 1º de janeiro de 2011 e expiram em 31 de dezembro de 2014.

a exemplo de todos os integrantes da megarregião Norte. Esse levantamento de dados populacionais foi realizado pelo IBGE através do Censo que ocorre a cada 10 anos. e registrou um aumento populacional de 13. representando 6. os cinco municípios com maior extensão territorial são: Porto Velho (34. delimita a extensão geográfica do estado de Rondônia em 237. Vilhena (11.Ao Norte. passou por uma profunda alteração socioeconômica e política nos últimos trinta anos. que foi concebido a partir de uma política do governo federal (regime militar) para ser uma Fronteira de Expansão Agropecuária.864 km². Cabixi e Pimenteiras do Oeste. contribuindo para solucionar as pendências fronteiriças do Brasil com a Bolívia. de Rondônia é a 4ª maior da megarregião Norte e a 13ª do país.2 – FRONTEIRA BRASIL-BOLÍVIA – O Brasil limita-se com a Bolívia nos estados do Acre (618 km). ou extensão territorial. .ASPECTOS FISIOGRÁFICOS 3. Rondônia. Esta fronteira tem como principais divisores de água os rios Madeira.80 km². Amazonas e Acre. aproximadamente. . a extensão territorial que deve ser considerada é aquela apresentada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).Mas.855. Mato Grosso do Sul (358 km) e Rondônia. com o estado do MATO GROSSO. possui uma extensão de 1.071. e Nova Mamoré (10. Portanto.O Estado de Rondônia tem suas fronteiras limítrofes com os estados do Mato Grosso. . e.1. através do Anuário Estatístico 2010. o Atlas geoambiental de Rondônia.518.590. Guajará Mirim (24. Costa Marques. São Francisco do Guaporé. com base em portaria baixada em 2002. envolvendo 27 municípios. Alto Alegre dos Parecis.LIMITES TERRITORIAIS . .3 . em homenagem ao militar brasileiro que. com o estado do ACRE. por isso são considerados fronteiriços: Porto Velho.DADOS POPULACIONAIS .952 km²). com a REPÚBLICA DA BOLÍVIA. O contingente populacional urbano do Estado de Rondônia representa 68.80% do país. no final do século XIX descobriu as nascentes do rio Javari. Portanto.O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. No entanto.096.11% e o rural 31.796 km²). portanto. A linha geodésica que divide o Brasil da Bolívia nos estados de Rondônia e Acre é denominada Linha Cunha-Gomes. De todo modo. limita-se com o estado do AMAZONAS.19% da megarregião Norte e 2. Sudoeste. Guaporé. Mamoré e Abunã. predominantemente rural. . Rondônia possui uma das maiores áreas territoriais do Brasil.43% com relação ao Censo IBGE 2000.342 km. A fronteira Brasil-Bolívia. IBGE. edição 2003.722 km²). com uma faixa de 150 km de largura.. 3.A Oeste e Noroeste.562. sendo considerado um estado urbanizado. 3.660 km²). Desses. São Francisco do Guaporé (10. Nordeste e Noroeste. nove encontram-se na borda da fronteira. Ao Sul.89%.429 km²). a Leste e a Sudeste. a área geográfica. Alta Floresta do Oeste. Nova Mamoré.512.959. e com a República da Bolívia. Mato Grosso (580 km).Em Rondônia.3. para efeitos de exames. Oeste e Noroeste. e tornou-se predominantemente urbano.O Censo IBGE 2010 registra a população do estado de Rondônia com 1. .ÁREA GEOGRÁFICA .409 habitantes. Guajará Mirim. divulga que o espaço físico rondoniense corresponde a 238. . ▀ 4 .Ao Sul. no estado de Rondônia.

É divisor de água Brasil/Bolívia. . Pau Grande. na altura de Riberalta. 4ª) Bacia do Jamary. 4) Rio Madeira. Desse modo. Em sua foz. junta-se ao rio Beni com o qual forma o Rio Madeira. pequeno e médio portes. 5ª) Bacia do Mamoré. até o município de Itacoatiara. do qual é um dos principais afluentes. Percurso 1. São as seguintes a bacias hidrográficas principais de Rondônia: 1ª) Bacia do Gy-Paraná. 1º de Março. desses. na Bolívia. Estado em população. serra do Uru. 6ª) Bacia do Roosevelt. Portanto.116 km.500 km. no seu médio e baixo cursos.700 km em território brasileiro.5 mil km². Guajará-Açu e Guajará-Mirim.6 mil km². Bananeiras. totalmente navegável. 3ª) Bacia do Madeira. na altura da cidade de Porto Velho. Ainda. 22. 31.Vilhena (76.Porto Velho (428.1 – OS CINCO MUNICÍPIOS RONDONIENSES MAIS POPULOSOS: 1. Angustura.7 mil km².32% e a feminina 48. Rondônia é o 3º Estado mais populoso da megarregião Norte. onde fica sua foz. 3) Rio Gy-Paraná. região de Mato Grosso.Ariquemes 90.383 habitantes). 6 . Vilhena.202 habitantes). No seu curso localizam-se cinco acidentes hidrográficos: as cachoeiras Lajes. médio e baixo Madeira e se constitui em um rio de aluvião.527 habitantes) 2. ou. desde quando penetra no Brasil (estado de Rondônia). Percurso: 3.Rio Guaporé. integrantes da Encosta Setentrional do Planalto Brasileiro. 4. ou Grande de La Plata: nasce na Cordilheira Real.240 km.243 km. na altura de Riberalta. 1. são: 1 . Percurso: 1.3 mil km². O rio Madeira é tributário do rio Amazonas. em sua margem direita. 4. da junção dos rios Beni e Mamoré. Sua foz fica no município de Guajará-Mirim.716 km. no qual deságua. na Bolívia. 59. de planalto e de planície. onde está sua foz. 4. igapós e lagos. 5. É um rio misto. Os principais rios integrantes do sistema hidrográfico de Rondônia.1 mil km². que compreende da cachoeira de Santo Antonio. apesar de percorrer longo trecho da Encosta Setentrional do Planalto Brasileiro. A nível Brasil é o 21º.68%.574 habitantes). ou Caiary: nasce na Bolívia. segundo o Censo IBGE 2010. ou Itenez: nasce na Chapada dos Parecis.A população masculina corresponde a 51. Seu trecho navegável é de 1. 2) Rio Mamoré. forma uma hidrovia binacional. 29. respectivamente. na altura do distrito de Surpresa. as Bacias Hidrográficas de Rondônia.4 mil km².AM. onde deságua no rio Mamoré. 3.RO.Cacoal (78. constituem-se em sub-bacias da grande Bacia Amazônica. até ultrapassar seu último 2ª) Bacia do Guaporé. Guajará Mirim e Ji-Paraná. ▀ 5 .HIDROGRAFIA – A rede potâmica de Rondônia é constituída por 128 rios de grande. na altura do distrito porto-velhense de Calama. do qual é o maior e mais importante afluente pela margem direita.610 habitantes). È o maior afluente do rio Madeira. 80. Percurso: 1. Seu trecho navegável de 1. Machado: Nasce na região de Pimenta Bueno.RO.7 mil km². com maior penetração na Planície Amazônica. num total de sete principais e 42 menores. Em seu curso localizam-se cinco acidentes hidrográficos: as cachoeiras de 2 de Novembro. na chapada dos Parecis. É um rio com três cursos: alto.100 km.Ji-Paraná (116. a população feminina é maior que a masculina nos municípios de Porto Velho. perdendo apenas para o Pará e o Amazonas. e formadores de suas principais Bacias Hidrográficas. além de igarapés. 15. É divisor de água entre Brasil e Bolívia.BACIAS HIDROGRÁFICAS – A área geográfica que constitui o Estado de Rondônia integra o sistema da grande Bacia Amazônica. entre os estados de Rondônia e Amazonas. formando uma hidrovia binacional conjunta com o rio Guaporé. 7ª) Bacia do Abunã. Caldeirão do Inferno e Nazaré.

a cachoeira de Santo Antonio. à jusante da cachoeira de Santo Antonio. serra das Pedras Brancas. uma Encosta e um Planalto. na ordem de 14%. onde deságua na altura do distrito de São Carlos. até o período das chamadas Coberturas Cenozóicas. tendo o rio Madeira como o mais importante. região de Porto Velho. região de Xapuri. 19131914. ou Ambientes de Relevo. de dois bilhões de anos aos dias atuais. é a única do estado situada nesta Planície. no espaço rondoniense. que pertenciam ao estado do Mato Grosso. tem sua nascente na chapada dos Parecis. Nasce na chapada dos Pacaás-Novos. Curso de 870 km. ou do Mirante. Este rio é afluente do rio Madeira pela margem direita. onde encontra o rio Madeira e a Encosta Setentrional do Planalto Brasileiro. tem seu início em Porto Velho. Cabixi. Alta Floresta do Oeste Seringueiras. estado do Mato Grosso. e os platôs. É afluente do rio Madeira. São Miguel do Guaporé. Alto Alegre dos Parecis. A cidade de Porto Velho. no rio Madeira. Sua descoberta ocorreu em 1909. Costa Marques e Guajará-Mirim. durante as primeiras penetrações da Comissão Rondon. e da megarregião Norte.RO. Corumbiara. Alta Floresta do Oeste. remonta também ao período Holoceno da Era Quaternária. e termina no município de Nova Mamoré. o Vale do Guaporé abrange os municípios de Pimenteiras do Oeste. 1) Planície Guaporé-Mamoré ou Planície Guaporeana (Vale do Guaporé) . um dos chefes da expedição Roosevelt-Rondon. Possui importantes acidentes hidrográficos. com dois bilhões de anos. mas foi batizado com a toponímia atual em 1914. Possui elevações entre 80 e 200 metros de altitude acima do nível do mar. e estende-se aos territórios do Brasil e da Bolívia. com 98 metros de altitude acima do nível do mar. para homenagear ao ex-presidente norte-americano Theodore Roosevelt.A área geográfica que constitui o estado de Rondônia está localizada em terras desmembradas da megarregião Centro-Oeste. Desse modo. e se estende à maior parte do espaço Amazônico. Cerejeiras. Seus principais relevos são os barrancos dos rios. 5) Rio Roosevelt. cujo bioma é a Floresta Equatorial ou Mata Amazônica. formadas por duas Planícies. na porção situada na área geográfica de Rondônia. Ao penetrar na Bolívia recebe a toponímia Abunã e retorna ao Brasil. com elevações de 5 a 10 metros de altura acima do nível dos seus rios. Em sua porção limitada pelo estado de Rondônia.Esta Bacia Fisiográfica tem seu início no sopé da Chapada dos Parecis. 7) Rio Jamary. município de Porto Velho. onde foi construída a Usina Hidrelétrica de Samuel. que faziam parte do estado do Amazonas. sua formação geológica remonta aos períodos Arqueozóicos (mais antigos da Era Primária). Sua nascente ocorre no estado do Acre. na proporção de 86%. É um dos mais jovens rios do mundo. também conhecido por rio da Dúvida ou Escondido. que a separa da Planície Amazônica. 6) Rio Abunã. região de Mirante da Serra. ▀ 7 – GEOMORFOLOGIA . dos quais se destaca a cachoeira de Samuel. e alcançar a Planície Amazônica. no estado de Rondônia. ou Ina. . com três milhões de anos. 2)Planície Amazônica ou Terras Baixas Amazônicas – Esta bacia fisiográfica. e Paleoproteozóico (2º mais antigo). Em seu curso encontram-se dois acidentes hidrográficos: as cachoeiras Fortaleza e Tambaqui.BACIAS FISIOGRÁFICAS . mais recentes. região de Pimenta Bueno. onde se torna afluente do rio Madeira.RO.acidente hidrográfico à jusante. na área do município de Candeias do Jamari. Sua área é constituída por territórios integrados por quatro Bacias Fisiográficas.

Seus principais relevos são os acidentes hidrográficos. que requereu do governo federal. por estar localizada entre dois biomas. recebesse oficialmente a toponímia Rondônia. ou Superfície Cimeira . e de Porto Velho. e Amazônica (Terras Baixas). tendo como principal área de atuação. o governo do Mato Grosso criou o município de Guajará Mirim. decorrente de vários desdobramentos migracionais. Guaporé. O Clima Predominante é o EQUATORIAL QUENTE-ÚMIDO. com altitude de 701 metros acima do nível do mar. médico e etnólogo. a cachoeira de Jamary.EVOLUÇÃO POLÍTICA E ADMINISTRATIVA . ou Savana. e a altitude. a Floresta Equatorial. no sentido sul – oeste. compondo no seu trecho a região vulcânica de Rondônia. criado em 1914.FATOR CLIMÁTICO – O clima de uma região tem como principais fatores a vegetação ou bioma. Sua área geográfica recebeu a toponímia RONDÔNIA no ano de 1915. Desses.3)Encosta Setentrional do Planalto Brasileiro – Esta Bacia Fisiográfica inicia em Porto Velho. vinculados a ciclos econômicos. o espaço físico que hoje constitui o Estado de Rondônia estava dividido entre os estados do Mato Grosso e do Amazonas. 4) Planalto Mato-Grossense. e por encontrar-se em duas altitudes limitadas pelas Planícies Guaporé-Mamoré (Vale do Guaporé). Posteriormente.O Estado de Rondônia é uma das 26 Unidades Federadas (UF) do Brasil. OU SUPER ÚMIDO. integrante da Comissão Rondon. no rio Gy-Paraná. que a região situada entre os rios Juruena e Madeira. O rio Roosevelt é o principal formador de sua rede potâmica.Bacia Fisiográfica que divide as regiões Norte e Centro-Oeste. assentamentos migratórios rurais e urbanos e ao crescimento vegetativo. A principal cidade localizada nesta Bacia é a de Vilhena. localizados nos rios Madeira. A área geográfica do estado de Rondônia. ▀ 8 . que atua na região do Cone-Sul e em uma parte do Centro-Sul do Estado. Sua evolução político-administrativa ocorreu em um lento processo de desenvolvimento socioeconômico. Estes maciços penetram em Rondônia a partir do estado do Mato Grosso. as cachoeiras Guajará-Mirim e Guajará-Açu. criado em 1908. O bioma predominante desta Bacia é a Floresta do Cerrado. e a Floresta do Cerrado. e ainda pela Encosta Setentrional do Planalto Brasileiro e Planalto Mato-grossense (Chapada dos Parecis/Pacaás-Novos). em 1928. e término na região Guajará Mirim (Chapada dos Pacaás-Novos). destacam-se a cachoeira de Santo Antonio e os Saltos do Girau e Teotônio. um predominante e outro parcial. através da ação do cientista Edgar Roquette-Pinto. que abrange a 75% do seu território. a cidade de Porto Velho. considerando-se como fatores climáticos as altitudes e os biomas. mas. Abunã. ou Savana. naquele ano. Jamary e Gy-Paraná. com início na região de Vilhena (Chapada dos Parecis). e a 2 de novembro. O Clima Parcial é o TROPICAL ÚMIDO. à montante da cachoeira de Santo Antonio. Na época. tendo no município de Vilhena sua principal área de ação. no rio Madeira. MT. ▀ 9 . no rio . AM. ou degraus submersos. Samuel.000 metros acima do nível do mar. no rio Mamoré. sofre a influência de dois tipos de clima. cortada pela Linha Telegráfica implantada por aquela Comissão. ou Mata Amazônica. e limita a megarregião Norte em sua porção sul. no rio Madeira. através do funcionamento dos municípios de Santo Antonio do Alto Madeira. cujos governos controlavam as respectivas fronteiras. seguido dos rios Ávila e Iquê. penetra em uma importante extensão da Floresta Equatorial. Possui elevações com altitudes de 300 a 1. Seus principais relevos são: Chapada dos Parecis e Chapada dos Pacaás-Novos. Mamoré. Portanto. Rondônia tem dois tipos de clima.

ocorrida no espaço físico que constitui o estado de Rondônia deu-se no âmbito do Território Federal de Rondônia. quando ocorreu a primeira divisão territorial em Rondônia. o da Agricultura e o da Cassiterita. na megarregião Norte. na megarregião Sul.921. aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo presidente da República Juscelino Kubistcheck de Oliveira. Convém esclarecer que o Brasil já possuía dois territórios federais: o do Acre. A Lei Complementar nº 6.448. respectivamente.9. Alto Madeira.870. Com esta nova constituição administrativa. que surgiu a ideia de alterar a designação política do Território Federal do Guaporé para Território Federal de Rondônia. JK. e o de Ponta-Porã. que através do Decreto-Lei 5. organizou administrativamente os territórios federais e instituiu seus municípios.1956. através do decreto-lei nº 5. no final da década de 1970.02. (desmembrados do Mato Grosso). primeiro território federal brasileiro. inicialmente.condição que se estenderia até 1977.812. e uma porção territorial de Vila Bela.Foi nesse ambiente político.Porto Velho e Guajará Mirim . estes dois territórios federais foram extintos por força da Constituição Federal de 1946.A primeira divisão territorial (criação de municípios). Lábrea e uma parcela do de Canutama. respectivamente. aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo presidente da República João Baptista de . Cacoal.1 . de 21 de setembro de 1943. e da porção do de Vila Bela ao estado do Mato Grosso. Estas foram as primeiras circunscrições administrativas criadas em Rondônia. o Território Federal do Guaporé passou a ser constituído por duas circunscrições administrativas. na megarregião Centro-Oeste. Neste cenário. Mas. deliberou sobre a criação de cinco municípios: Ariquemes. criado em 1904. Pimenta Bueno e Vilhena. ocorreu a reintegração do município de Lábrea e da parcela do de Canutama ao Amazonas. o Território Federal do Guaporé (hoje estado de Rondônia). pelos municípios de Porto Velho. A segunda divisão territorial ocorreu por força da Lei Complementar nº 6. e o Território Federal do Amapá (hoje estado do Amapá). e o de Fernando de Noronha. e suas terras reincorporadas aos estados de origem. Paraná e Mato Grosso. Em 1945.3 – A 1ª. o Território Federal do Guaporé ficou constituído. de 17. criou cinco territórios federais. o Território Federal e Rondônia passou a contar com sete municípios. baixado pelo presidente Getúlio Vargas. de cujas terras os novos municípios foram desmembrados. Além desses. o governo federal extinguiu o município do Alto Madeira e incorporou suas terras aos municípios de Porto Velho e Guajará Mirim. dominado por Cutubas e Peles-Curtas. DIVISÃO TERRITORIAL . por força deste decreto-lei. Nesse contexto foram criados. Ji-Paraná. baixado pelo presidente Getúlio Vargas. . expedido em 13 de setembro de 1943. OS MUNICÍPIOS – O decreto-lei nº 5. este decreto-lei criou os territórios federais do Iguaçu.839.2 .O TERRITÓRIO FEDERAL DE RONDÔNIA . Mas. aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo presidente da República Ernesto Geisel. do PTB do Amazonas. de autoria do deputado federal Áureo de Melo. ▀ 9. Desse modo. criado em 1942. o Território Federal do Guaporé seria reduzido a três municípios. (desmembrados do estado do Amazonas) e Guajará Mirim. durante o funcionamento de dois ciclos econômicos. como unidades administrativas nos sertões do Brasil. na medida em que.Esta geopolítica confusa somente seria alterada em decorrência de uma ação do governo federal (presidente Getúlio Vargas). de 16 de junho de 1981.O TERRITÓRIO FEDERAL DO GUAPORÉ . o Território Federal do Rio Branco (hoje estado Roraima). tendo em vista a existência de Porto Velho e de Guajará Mirim. Isto ocorreu através da Lei Complementar 2. em 1944. 9.731. de 11 de outubro de 1977.

a de nº 103. . Ji-Paraná. Espigão do Oeste.No ano de 1981. com as mudanças políticas ocorrentes no país provocadas pela queda do regime militar. A posse o ocorreu em 14 de março de 1987. a 22 de dezembro. o ex-deputado federal e ex-prefeito de Porto Velho. através de decreto presidencial expedido pelo presidente da República José Sarney. Naquele pleito. o Território Federal de Rondônia foi elevado à 23ª. como se verá a seguir: . Presidente Médici. Em 1981. criou o município de Alta Floresta do Oeste. o governador Jorge Teixeira de Oliveira foi exonerado. e a 104. expedido pelo governador Jorge Teixeira de Oliveira. Ouro Preto do Oeste. sancionada pelo governador Jerônimo Santana. Pimenta Bueno e Vilhena. Ouro Preto do Oeste. de 05 de agosto de 1983. A criação do estado da Rondônia ocorreu por elevação do Território Federal para Unidade Federada brasileira. Cacoal. prefeitos e vereadores.Oliveira Figueiredo. Espigão do Oeste.No ano de sua criação. ▀ 10 – RONDÔNIA-ESTADO . foi criado em 19 de junho de 1987. Outras divisões territoriais ocorreriam a partir da criação do Estado de Rondônia. este e outros processos de divisão territorial passaram a ocorrer por iniciativa do Poder Legislativo.(UF). tendo em vista a expansão populacional e a evolução política e administrativa da nova Unidade Federada.PMDB/Vilhena. Presidente Médici. As primeiras eleições para governador e vicegovernador ocorreram em 15 de novembro de 1986. que governou de 1985 a 1987. ou da Colonização. respectivamente. Esta Lei criou os municípios de Jaru. O mapa político de Rondônia foi elevado de 15 para 18 municípios. Colorado do Oeste e Costa Marques). criados no início do século XX. simultâneas às eleições para os representantes no Congresso Nacional (dois senadores e oito deputados federais). Ambas as Leis foram sancionadas pelo governador Ângelo Angelim. o mapa político do Território Federal de Rondônia foi acrescido com os municípios de Jaru. Mas. de 20 de maio.DIVISÃO TERRITORIAL . Nova Brasilândia do Oeste. surgiram por influência do Ciclo da Agricultura.A LC nº 100. de Guaporé a Rondônia foram 38 anos como Território Federal. aprovadas pela Assembleia Legislativa. O 19º município. Em 1977 foram criados os municípios de Ariquemes. No ano de 1986. o estado de Rondônia estava constituído por treze municípios (Porto Velho e Guajará Mirim. por influência da ferrovia Madeira-Mamoré). criou o município de Alvorada do Oeste. Convém esclarecer que os municípios criados entre 1977 e 1981. ocorreu nova divisão territorial na área geográfica do estado de Rondônia. elevando para treze o número de circunscrições administrativas no Território Federal de Rondônia. a primeira divisão territorial. Em 1985. que criou os municípios de Rolim de Moura e Cerejeiras. Colorado do Oeste e Costa Marques. Desse modo. criou o município de Santa Luzia do Oeste. através da LC nº 157. tornou-se o primeiro governador eleito do estado. através de Leis Complementares (LC). O Estado passou a contar com quinze circunscrições administrativas em seu mapa político. no âmbito do Estado de Rondônia deu-se por força do Decreto-Lei nº 071. Em seu lugar foi nomeado o deputado estadual Ângelo Angelim. Mas. ▀ 11 . surgiu a necessidade de serem executadas novas divisões territoriais em seu espaço territorial. deputados estaduais. sendo 13 anos com a designação Guaporé e 25 anos como Rondônia. Unidade Federada brasileira: o Estado de Rondônia. O vice-governador foi o ex-deputado federal Orestes Muniz Filho. de 11 de maio desse ano. Estes foram os primeiros municípios rondonienses criados pela Assembleia Legislativa. Portanto. Jerônimo Garcia de Santana.

Costa Marques e São Francisco do Guaporé. a mais evoluída dos municípios que a compõe. foram criados os seguintes municípios: Theobroma. Mirante da Serra. LC nº 649. A primeira Mesorregião é designada MADEIRA-GUAPORÉ. O mapa político de Rondônia passou a contar com cinquenta e dois municípios. O estado de Rondônia passou a ser constituído por 23 municípios. No ano de 1988. LC nº 572. LC nº 566. A primeira. cujas leis complementares foram sancionadas pelo governador Oswaldo Piana Filho.A MESO LESTE RONDONIENSE possui seis microrregiões. LC nº 573. tendo em vista a criação de oito municípios: Cujubim. LC nº 367. é formada por seis microrregiões. Corumbiara. Buritis. Nova Mamoré. . seus municípios. ▀ 13 . LC nº 751. onde estão assentados. Alto Alegre dos Parecis. dividida geopoliticamente em duas Mesorregiões e oito microrregiões. LC nº 371. LC nº 370. Cacaulândia. Primavera de Rondônia. composta por duas microrregiões. Municípios que a integram: Ariquemes. LC nº 364. LC nº 376 e Vale do Paraíso. foram criados mais três municípios: São Miguel do Guaporé (LC nº 206). LC nº 379. A última divisão territorial ocorreu em 27. sancionada pelo governador Jerônimo Santana. a 13 de fevereiro. de dezessete municípios. Ministro Andreazza.Na MESO MADEIRA-GUAPORÉ. São Francisco do Guaporé. constam duas microrregiões. elevando para vinte os municípios do Estado. LC nº 375. Nesse mesmo ano. Pimenteiras do Oeste. nova divisão territorial ocorreu. LC nº 373. Estes foram os últimos municípios criados no século XX em Rondônia. LC nº 365. Governador Jorge Teixeira.O estado de Rondônia constitui-se em uma Megarregião formada por 52 municípios. a 6 de julho. Destarte. Em 1994. Com essa configuração em seu mapa político. Rio Crespo. Campo Novo de Rondônia e Cujubim. LC nº 374. LC nº 368. A segunda. LC nº 568. Candeias do Jamary. e Parecis. Rio Crespo. LC nº 644. Alto Paraíso. 1ª) Microrregião ARIQUEMES . LC nº 372. nesta data. Monte Negro. Teixeirópolis. 1ª) A microrregião PORTO VELHO tem como cidade-polo a cidade de Porto Velho e. ocorreu o maior processo de divisão territorial em Rondônia.1995. Itapuã do Oeste. Urupá. LC nº 378. Itapuã do Oeste. Cacaulândia. criava o município de Machadinho do Oeste.ASPECTOS GEOPOLÍTICOS . LC nº 645. LC nº 569. Campo Novo de Rondônia. Novo Horizonte do Oeste. Machadinho do Oeste e Vale do Anarí. constituídos por 185 distritos. LC nº 377.A estrutura político-administrativa do Estado de Rondônia estava sendo alterada rapidamente tendo em vista a necessidade de serem organizados novos municípios.cidade-polo a cidade de Ariquemes. designada LESTE RONDONIENSE. . LC nº 570. o estado de Rondônia passou a contar com 48 municípios. . e que lhe empresta o nome. e Buritis. LC nº 643. Seringueiras. Alto Paraíso. a microrregião Guajará Mirim. São Felipe do Oeste. é a microrregião Porto Velho e a segunda. 2ª) A microrregião GUAJARÁ MIRIM tem como cidade-polo a cidade de Guajará Mirim sendo constituída pelos municípios de Guajará Mirim. LC nº 363. Nesta data foram criados os municípios de Chupinguaia. a LC nº 198. Nova Mamoré (LC nº 207) e Cabixi (LC nº 208). Monte Negro. é formada pelos municípios de Porto Velho. sancionadas pelo governador Jerônimo Santana. LC nº 366. LC nº 369. No ano de 1992. Nova União. Castanheiras. Candeias do Jamary. Vale do Anarí. a 22 de junho. tendo em vista a criação. de 11 de maio.12. Cada microrregião é constituída por um bloco de municípios e possui uma cidade-polo. LC nº 567. em dois blocos distintos.

Santa Luzia do Oeste.Têm como principais atividades a pecuária bovina e a agricultura. Pimenta Bueno. Corumbiara e Cerejeiras.1 – Setor Primário . Na microrregião Vilhena destacam-se os municípios de Pimenta Bueno e Chupinguaia. Na microrregião Ariquemes. Ouro Preto do Oeste. a microrregião Ji-Paraná. Buritis e Nova Mamoré. constituindo-se no 7º do país e segundo da megarregião Norte. 3ª) Microrregião ALVORADA DO OESTE. As principais microrregiões produtoras da bovinocultura são: Vilhena. O plantel bovino de Rondônia é formado por 11. Mirante da Serra. Seringueiras e Nova Brasilândia do Oeste. Teixeirópolis. sendo 80% de corte e 20% de leite. a exemplo de toda a megarregião Norte. Parecis. do país. Urupá e Presidente Médici. Na microrregião Porto Velho. Cacoal. dividida geopoliticamente em DUAS MESORREGIÕES e OITO MICRORREGIÕES. No entanto. superado pelo estado do Pará. Vale do Paraíso. Os municípios que a integram são: Colorado do Oeste. Governador Jorge Teixeira. Os municípios que a integram são: Cacoal. Theobroma. cuja cidade-polo é a cidade de Alvorada. 14.2ª) Microrregião JI-PARANÁ. concentra a maior Bacia Leiteira do Estado. Neste cenário produtivo. tem como cidade-polo da cidade de Vilhena e. de corte e de leite. Ministro Andreazza. os municípios de Ji-Paraná. Corumbiara e Pimenteiras do Oeste. é formada pelos municípios de Vilhena. 4ª) A microrregião CACOAL tem como cidade-polo a cidade de Cacoal. Ariquemes e Ji-Paraná. Ouro Preto do Oeste e Jaru. Na microrregião Colorado do Oeste as maiores áreas produtoras são Colorado do Oeste. Chupinguaia. Espigão do Oeste. . Cerejeiras. destacam-se os municípios de Ariquemes e Alto Paraíso. Desse modo. cuja cidade-polo é a cidade de Ji-Paraná. residir nos núcleos urbanos ou cidades. tendo em vista a maioria de sua população. com ênfase aos municípios de JiParaná. o estado de Rondônia passa por um importante processo de urbanização. Alta Floresta do Oeste. Esta microrregião é formada pelos municípios de Ji-Paraná. destacam-se os municípios de Porto Velho (que detém o maior plantel bovino de corte do Estado). Rolim de Moura. Portanto. o maior produtor de gado leiteiro do Estado. 5ª) A microrregião VILHENA. com destaque para Jaru. Na microrregião Cacoal. 14. Nova União. destacam-se os municípios de Cacoal. Ouro Preto do Oeste e Jaru são os maiores produtores. ▀ 14 – ECONOMIA E BASE ECONÔMICA – A economia de Rondônia é urbana e rural. a atividade pecuária faz do Estado um dos mais importantes produtores de gado bovino. 6ª) A microrregião COLORADO DO OESTE tem como cidade-polo a cidade de Colorado. Novo Horizonte do Oeste e Castanheiras.8 milhões de cabeças. Na microrregião Ji-Paraná. São Felipe do Oeste e Primavera de Rondônia. Setor Secundário e Setor Terciário.A BACIA LEITEIRA de Rondônia constitui-se na 10ª maior do país e na primeira da megarregião Norte. e 32% na área rural. Colorado do Oeste. Alto Alegre dos Parecis. Cabixi. São Miguel do Guaporé.2 . é integrada pelos municípios de Alvorada do Oeste. A Base Econômica de Rondônia é estruturada nos três setores formais da economia: Setor Primário. cerca de 68%. cujos ramos desenvolvem-se na área urbana e na área rural. Jaru. o estado de Rondônia se constitui em uma MEGARREGIÃO. Rolim de Moura e Alta Floresta do Oeste.

superado pelo estado do Pará. Ji-Paraná. Rondônia é o 5º produtor do país e o segundo da megarregião Norte. No ramo dos frigoríficos.4 – Setor Secundário . Ji-Paraná. Na região Oeste.AM. convém frisar. Theobroma. Jaru. e os do noroeste do Mato Grosso.14. Convém esclarecer que a economia cacaueira não se resume apenas ao cultivo. importam carne de Rondônia os estados de São Paulo. Alvorada do Oeste. Cacoal. Pimenta Bueno e Cabixi. para o escoamento da economia sojífera. Ariquemes. atendendo aos mercados europeu. superado pelo estado do Pará. Jaru e Ouro Preto do Oeste. tendo em ocorrer no ramo extrativista vegetal. Ji-Paraná e Colorado do Oeste. . Rio Grande do Sul e Amazonas. são os principais importadores da carne produzida em Rondônia. Ariquemes e Porto Velho. asiático e nacional. A Cafeicultura. Nos laticínios (ou indústrias lácteas). Ariquemes (1º produtor). destacam-se os municípios de Porto Velho e Buritis. com destaque para o município de Cacoal (maior produtor do Estado). ou plantation. seguido por Vilhena. Na altura da cidade de Porto Velho está localizado o Terminal Graneleiro que executa o transbordo da produção de soja com destino ao Terminal Graneleiro de Itacoatiara. participando do agronegócio brasileiro. nas mesmas microrregiões de cultivo.3 – AGRICULTURA . doces e iogurte integram esta importante pauta do setor secundário. Cacoal. ser originária do noroeste do Mato Grosso. tendo vista a maior parte. Vilhena e Porto Velho. do qual a soja produzida em Rondônia e no noroeste Mato Grosso parte com destino aos portos exportadores de Santarém. outra importante atividade agrícola de Rondônia. As zonas dessa produção agroindustrial são as microrregiões Ariquemes. Porto Velho e Rolim de Moura. Os cultivadores de soja em Rondônia. Rondônia tem sua maior área produtiva nas microrregiões Porto Velho. Ariquemes. Ouro Preto do Oeste. do cacau. Rondônia aparece como o 4º produtor nacional de queijo mussarela. a sojicultura é o carro-chefe. em pó. que atua como porto receptor. utilizam o corredor intermodal rodo/fluvial formado pela rodovia BR 364 e a hidrovia do Madeira.A ECONOMIA AGROPECUÁRIA tem seu desdobramento no setor secundário. O estado é o 3º produtor do país e o segundo de sua megarregião. que produção de soja que utiliza o corredor de BR 364 e do terminal graneleiro de Porto Velho. Ji-Paraná. onde estão as microrregiões Vilhena e Colorado do Oeste. cerca de 80%. com destaque para Cacaulândia. tem como principais zonas de produção as microrregiões Cacoal. destacando-se os laticínios e os frigoríficos. 14. Nesse contexto. condensado e creme de leite. e São Miguel do Guaporé (segundo maior produtor). nas microrregiões Ariquemes e Ji-Paraná. Nesse contexto. Nesta atividade cafeeira. Nova Mamoré. integrando o agronegócio regional e nacional. o estado de Rondônia é o 4º maior exportador de carne bovina do país. com ênfase aos municípios de Jaru. No plano nacional. Nesse contexto. Rússia. não se origina inteiramente no estado. principalmente. Manaus ou Belém do Pará. Rondônia tem destaque a nível nacional como grande produtor de queijos e de leite pasteurizado. o município de Porto Velho destaca-se como o 8º produtor de soja do estado. Manteigas. Na microrregião Porto Velho. dez municípios rondonienses são produtores de soja. desnatado. Nordeste e Sudeste. China e países Árabes. Neste contexto. com destaque para os municípios de Porto Velho. sendo o maior produtor o município de Cerejeiras. a partir de exportações para as megarregiões Norte. Vilhena Ariquemes. com destaque para a produção de soja na região conhecida por Cone Sul do Estado. No entanto. Cacoal. A Cacauicultura ocorre. Cacoal e Vilhena.No ramo agrícola. no ramo Agroindustrial.

BR 425 e BR 429. são : BR 174. Ariquemes. Ji-Paraná. o governo militar criou a Reserva Biológica. alteraram a fisionomia florestal e o bioma rondonienses. Por este modo. os avanços migracionais. aeroportos regionais. Gavião e Erikpatsa. As rodovias federais que servem ao estado de Rondônia. e Guajará Mirim e Costa Marques. Rondônia estabeleceu a ação ambiental em três componentes: o meio físico. Em 1979. o sistema ferroviário. visando à atração dos povos indígenas Cinta-Larga. Diante de todo esse quadro de colonização rural e urbana. de 06 de junho de 2000. No entanto. sendo a mais importante a BR 364. pode-se afirmar que o processo de ocupação humana do espaço rondoniense. executado a partir de 1988. ao longo dos séculos. aeroportos de fronteira. Desse modo. que ratificou o decreto governamental de 1988. esta atuando como hidrovia de grande contorno. que interliga Rondônia aos estados do Acre e do Mato Grosso e ao centro-sul do país. BR 319. com pouca ou nenhuma preocupação com o meio ambiente. O . Cacoal e Vilhena. 83 rodovias estaduais. como medida para ordenar as atividades socioeconômicas e o desenvolvimento sustentável de Rondônia. o governo federal voltou-se para a preservação do meio ambiente e para a demarcação de terras indígenas no território rondoniense. desde a construção da ferrovia Madeira-Mamoré aos desdobramentos do ciclo da agricultura. Todavia. esse programa somente ganhou força de Lei em 1991. ao contrário dos demais estados de sua megarregião.14. definindo o espaço rondoniense em três zonas e nove subzonas. o governo federal criou o Parque Nacional de Pacaás-Novos. Arara.PLANAFLORO .116 km de extensão. Em 1974. na área onde se localiza a microrregião Ji-Paraná. e tornou-se no grande vilão ambiental da Amazônia. o meio biológico e o meio socioeconômico. Ji-Paraná. Suruí. Por este motivo. Na sequência. quando a Assembleia Legislativa aprovou a Lei Complementar número 052/1991. Somente a partir da década de 1960. na economia rondoniense. Por esse documento legal. Para o escoamento através do sistema hidroviário. ao longo dos vários ciclos econômicos. BR 421. Os terminais aeroportuários estão localizados nas seguintes cidades: Porto Velho (aeroporto internacional). com 1. Não há. 15.REBIO.1 . BR 364. são utilizadas três hidrovias: a Hidrovia Guaporé-Mamoré e a Hidrovia do Madeira. através de decreto expedido na gestão do governador Jerônimo Santana. esse programa precisava ser adequado às modernas normas nacionais e internacionais para o Meio Ambiente. tendo e vista a ausência de políticas públicas mais específicas e a presença de uma mentalidade meramente colonizadora nos vários processos ocupacionais. ▀ 15 – MEIO AMBIENTE . foi executado de maneira desordenada. Rondônia passou a ser alvo de várias instituições nacionais e internacionais preocupadas com a preservação ambiental. o regime militar interditou áreas para a demarcação da reserva indígena Roosevelt/Aripuanã.Em linhas gerais.5 – O ESCOAMENTO DA ECONOMIA de Rondônia tem sua infraestrutura viária baseada em seis rodovias federais. Em 1960 o governo JK criou inspetorias florestais. Rondônia prioriza o rodoviarismo que representa a maior parcela dos meios de transporte.O Plano Agropecuário e Florestal de Rondônia é um programa específico do governo do Estado. Ariquemes e Porto Velho. que abrange as microrregiões Guajará Mirim. que integram o sistema intermodal de transporte e de escoamento da economia. o governo do Estado elaborou um novo projeto que foi aprovado pela Assembleia Legislativa na forma da Lei Complementar nº 233. conhecida por rodovia transnacional ou Marechal Rondon. três hidrovias e sete aeroportos. Jaru.

Reservas Biológicas. a flora e o desenvolvimento sustentável. pressionado por entidades nacionais e internacionais sobre a questão ambiental. Reservas Extrativistas. Estas Unidades de Conservação ou reservas.FLONAS.APA. FLOTAS.Florestas Estaduais. conhecidos por “droguistas do sertão”. No primeiro. Estações Ecológicas. divididas em dois grupos. No 2º grupo encontram-se as Unidades de Proteção Integral. ou rio Madeira. Rondônia possui 22. Dessas. com destino à cidade de Quito. na lei de zoneamento socioeconômico e ecológico. RESEX e Reservas de Desenvolvimento Sustentável. FLOTAS. No retorno. e o açoriamento dos seus rios foram se intensificando.O MERCANTILISMO E AS POLÍTICAS DE COLONIZAÇÃO DOS VALES DO MADEIRA E DO GUAPORÉ . como medida para conter o desmatamento e ordenar as atividades socioeconômicas. REBIO. da flora e da fisiografia. que institui as Unidades de Conservação e Uso Sustentável. três são unidades de conservação municipais. a Fauna.O sistema econômico da Amazônia portuguesa era estruturado no mercantilismo. ▀ 16 . registrou pela primeira vez o rio Caiary com o nome rio das Madeiras. resultando. Estações Ecológicas. Para esse fim foram criadas 54 Unidades de Conservação e Uso Sustentável que priorizam os recursos hidrominerais. PLANAFLORO. ocorria a penetração de comerciantes de frutos e essências raras amazônicas.32% de seu espaço físico formados por Unidades de Conservação e Uso Sustentável.EXPEDIÇÃO PEDRO TEIXEIRA (1637-1639) – Bandeira de limites que partiu de Belém. o governo de Rondônia. formadas pelas Florestas de Nacionais. 42 são unidades de conservação estaduais. que se tornou o primeiro do país a ser regido por uma Lei de Zoneamento Socioeconômico e Ecológico. notadamente em razão das atividades agropecuária e mineral. que percorriam a região amazônica em busca de reconhecimento territorial com a finalidade de expandir e consolidar as posses da Coroa portuguesa. e de grandes expedições exploradoras. RESEX. encontram-se as Florestas Nacionais. padre jesuíta espanhol Cristóbal de Acuña. decidiu instituir o Plano Agropecuário e Florestal de Rondônia. posteriormente. em 1639. Florestas Estaduais. o capelão da frota. estão os Parques Nacionais e as Reservas Biológicas. No segundo. o grave processo de desmatamento das matas rondonienses. No entanto. Jamary. em pleno desenvolvimento do ciclo da agricultura. PA. FLONAS. Nesse sentido. oito são unidades de conservação federais e uma constitui-se em unidade de conservação particular.APA. do apresamento indígena e da extração de drogas do sertão. da realização de estudos da fauna. No 1º grupo estão as Unidades de Uso Sustentável. e Florestas Extrativistas. Mamoré e Guaporé foram: . Nesse sentido. a exemplo da coleta de drogas do sertão e extração mineral. no vice-reinado do Peru (hoje capital da república do Equador). REBIO. Reservas Particulares do Patrimônio Nacional. envolvendo atividades extrativistas. as expedições mais importantes a percorrerem os rios Madeira. . Reservas Extrativistas. e Áreas de Proteção Ambiental.PLANAFLORO disciplina a ocupação do espaço físico do estado de Rondônia. Reservas Particulares do Patrimônio Nacional e Área de Proteção Ambiental. estão divididas em dois grupos. de limites e científicas. Reservas Desenvolvimento Sustentável. Somente a partir de 1988. nas quais se incluem Parques Nacionais. Neste contexto.

criando capitanias hereditárias. .hoje estado do Pará Capitania de São José e Rio Negro – hoje estado do Amazonas – e a Capitania de Cuiabá e Mato Grosso – que hoje compreende os estados de Mato Grosso.. Em seu trajeto. Em todas estas expedições ficava claro que a Coroa portuguesa buscava consolidar suas posses territoriais e explorar o máximo que pudesse as riquezas naturais amazônicas. a exemplo da Capitania do Maranhão . desafiando o estado de guerra entre os reinos de Portugal e Espanha. Prosseguindo a viagem. Mais tarde. No Rio Guaporé. em 1750. Foi a primeira Bandeira a explorar o rio Jamary até encontrar a cachoeira de Samuel. como a Companhia de Navegação e Comércio do Amazonas. ▀ . em Nova Mamoré. Paranapanema.EXPEDIÇÃO FRANCISCO DE MELO PALHETA (1723-1726) – Bandeira exploradora e de limites. Portugal implementou novas políticas de ocupação regional. colonização e os mercados produtores regionais. resultando na Carta Topográfica do Rio Madeira. todos no Rio Madeira. Para dar suporte ao mercantilismo.hoje estado do Maranhão . penetrou nos rios Tietê. o capitão Palheta foi à cidade francesa de Caiena. a partir de 1752.RO. Guaporé. que funcionou como capital da capitania de Cuiabá e Mato Grosso. atual Guiana Francesa. essas três empresas foram adquiridas pela Amazon Steal Navigation Company. na Audiência de Charcas (hoje República da Bolívia). e depois. Paraguá. Com essa finalidade. tornando-se o introdutor do cultivo de café no Brasil. Senhora da Boa Viagem do Salto Grande (1757) hoje Vila do Teotônio-.EXPEDIÇÃO ANTONIO RAPOSO TAVARES (1647-1651) – Bandeira exploradora e de limites. hoje PIC Sidney Cirão. Portugal estimulou o surgimento de núcleos de povoamento na região que compreende os vales do Madeira e do Guaporé. Madeira e alcançou o rio Amazonas até seu destino final. Partiu de Belém do Pará com destino a Vila Bela da Santíssima Trindade do Mato Grosso. no Vale do Guaporé. que monopolizou o sistema de transportes. Essa Bandeira alcançou o povoado de Moxos. a Coroa portuguesa autorizou o funcionamento de empresas de navegação e colonização. de onde contrabandeou mudas e sementes de café. Mato Grosso do Sul e a maior porção territorial que constitui o estado de Rondônia. Prata. em sua fazenda na capitania do Grão-Pará.Capitania do Grão-Pará . e duas outras: a Companhia Fluvial do Pará e a Companhia Fluvial do Alto Amazonas. que partiu da Vila de São Paulo com destino a Belém do Grão-Pará. São José de Montenegro. partiu de Belém do Grão-Pará com destino ao Vale do Guaporé-MT. médio e alto Madeira. pertencente ao megaempresário brasileiro Irineu Evangelhista de Souza. que serviu para orientar a Coroa portuguesa nas negociações para o Tratado de Madri. . percorreu o rio Guaporé. Conhecida historicamente como a “Grande Bandeira de Limites” ou a que realizou “A Grande Marcha dos 12 mil quilômetros”. a vila de Belém do Grão-Pará.Santo Antonio das Cachoeiras (1728) e N. esta foi a primeira expedição luso-brasileira a percorrer o rio Madeira. Mamoré. na altura do salto do Girau. Paraguai. Balsemão (1768). Os principais povoamentos foram: . na altura do salto do Ribeirão. Esta expedição realizou estudos cartográficos da região do baixo. retornando a Belém do Pará em 1726. da Inglaterra. o mais importante núcleo de povoamento foi Vila Bela da Santíssima Trindade de Mato Grosso (1748). barão de Mauá. no vice-reinado do Alto Peru. Além disso.EXPEDIÇÃO LUÍS FAGUNDES MACHADO (1748/1749) – Bandeira exploradora e de limites.

no estado de Rondônia. Mamoré e Madeira (1733). Mas. a partir da criação da empresa Amazon Steal Navigation. que navios de bandeira estrangeira percorressem os rios amazônicos. Pedro II) decretaria a abertura dos rios amazônicos à navegação de embarcações de bandeira estrangeira. na medida em que tal decisão contrariava os interesses dos demais países sul-americanos amazônicos . mantida depois pelo governo imperial brasileiro.Bolívia. Espanha e. e introduziu na região a influência direta das potências mundiais. a matéria-prima da borracha. do Plano de Navegação e Comércio. à montante do rio Mamoré. ▀ 19 . implantado pela Coroa portuguesa na região. através das picadas e dos varadouros abertos na floresta. que monopolizou. Bolívia.O final do século XVIII foi marcado pela exploração. a distância mais curta nesse itinerário – e a mais difícil de ser vencida – ficava no trecho que compreende a Santo Antonio do Rio Madeira até a de Guajará 20 acidentes hidrográficos. mas atuantes. Desse modo. e Guayaramerim. entre garimpeiros luso-brasileiros e comerciantes de víveres espanhóis. Mamoré e Guaporé. no final do século XVII. Holanda. localizados na margem esquerda do rio Guaporé.Inglaterra. Holanda e EUA. Em seguida. o poderoso sistema de transporte na Amazônia. Peru. O primeiro acidente hidrográfico à montante do rio Madeira é a Cachoeira de Santo Antonio. Os problemas gerados por essa política protecionista de Portugal. que consistia na abertura de picadões e varadouros no meio da floresta. no departamento do Beni. o governo imperial brasileiro (D. que ficaram liberados apenas para navios luso-brasileiros. as expedições faziam o contorno por terra.ABERTURA DOS RIOS DA AMAZÔNIA à navegação internacional foi uma das decisões políticas mais demoradas do governo luso-brasileiro para estimular o mercantilismo e a colonização regionais. muitas vezes. do Rio Negro (hoje estado do Amazonas) e a de Cuiabá e Mato Grosso. um longo trajeto de 770 léguas. que eles chamavam Itenez. de capital inglês. Portugal decretou a proibição da navegação. Mamoré e Guaporé. de toda e qualquer embarcação. . Equador. França. era também o mais tortuoso por conta dos acidentes hidrográficos (cachoeiras. uma poderosa companhia de navegação fluvial e de colonização. mais adiante. a base econômica estava sendo alterada com o aumento do comércio das drogas do sertão. a Coroa portuguesa proibiu. em 1798. Para superar esses obstáculos naturais. a extração do látex. os Estados Unidos da América). situação que tornava as viagens mais longas e penosas. em Porto Velho. foram muitos. cuja toponímia deu origem aos nomes dos municípios de Guajará Mirim. destacando-se o cacau. Visando a impedir as penetrações das potências dominadoras do mundo ocidental na Amazônia (Inglaterra.A navegação no trecho Belém do Pará/Vila Bela. o processo de povoamento. exceto nos rios Madeira. a Cachoeira Guajará-Myrim. somente na segunda metade do século XIX. saltos e corredeiras) encontrados nos rios Madeira. Este processo ficaria conhecido por Sistema de Varação. onde estão localizados rio Madeira e cinco no Mamoré. como se pode observar. Espanha. envolvendo as capitanias do Grão-Pará. França. visando a coibir o crescente contrabando de ouro e as relações „não permitidas‟. posteriormente. ▀ 18 . sendo quinze no Mirim. a partir da aprovação. por conta do funcionamento do Ciclo do Ouro no Vale do Guaporé (século XVIII). e o último. nos rios Guaporé. e. Nesse contexto. reconhecimento e colonização do Oeste da Amazônia.EXPLORAÇÃO E COLONIZAÇÃO DO OESTE DA AMAZÔNIA . Venezuela e Colômbia – e os das principais potências mundiais . Essa decisão modificou por completo o mercantilismo.

após a independência. em um primeiro momento. o Oeste amazônico receberia milhares de trabalhadores nordestinos inseridos no sistema dos seringais. Mas havia também o ingresso de imigrantes estrangeiros no desenrolar do 1º Ciclo da Borracha. Mas. integrava a política oficial colonizadora executada pela Coroa portuguesa e. a exemplo dos Paiaguá. Nos espaços físicos que constituem hoje os estados de Rondônia e Acre.O avanço da colonização sobre a região Amazônica gerou conflitos mortais entre os povos indígenas e os . estimulava o apresamento indígena por colonos e expedições exploradoras. asiáticos e norte-americanos. incluem-se os megaprojetos de ocupação e colonização dos quais se destacam o primeiro e o segundo ciclos da borracha. aportaram na Amazônia patrões de seringais. a construção efetiva da rodovia BR 029. do vale do Guaporé. Torá e Mura. notadamente do sul e sudeste. cujos povos foram empurrados cada vez mais para o interior da floresta e submetidos a um intenso processo de submissão. a missão de Santo Antonio das Cachoeiras. e suas linhas de penetração nas demais bacias da região. com o funcionamento do 1º Ciclo da Borracha. deve-se ressaltar. em 1775. hoje BR 364. os novos povoadores amazônicos passaram a ser. Nesse contexto. na região conhecida como Boca do Jamary.A estratégia de instalar povoados e criar vilas e cidades nos vales do Madeira e do Guaporé. a construção e funcionamento da ferrovia Madeira-Mamoré e das linhas e estações telegráficas estratégicas da Comissão Rondon e. do vale do Madeira. a exemplo de europeus. apesar de expedir vários decretos proibindo sua escravização. ▀ 20 . nordestinos introduzidos no sistema extrativo-produtivo e comercial dos seringais.1 . De outras regiões do Brasil. Nesse novo cenário. além de bolivianos e peruanos. A Coroa portuguesa. no Madeira. Portanto. por exemplo. e a produção. Portugal expediu provisão real (decreto) abolindo o escravismo indígena. cujos desdobramentos geraram povoamento não-indígena na região. nesse processo de povoamento e colonização regionais. 19. o processo de exploração e colonização do Oeste da Amazônia está diretamente relacionado à economia mercantilista. ao tempo em que estimulava a introdução de negros africanos como mão de obra escrava. técnicos e comerciantes que operavam a exploração de látex. pelos governos imperial e republicano do Brasil. em 1728. desunião tribal. localizada entre a cachoeira de Santo Antonio e a foz do rio Jamary. em sua maioria. dos Pama. a evolução econômica da produção de borracha e sua comercialização geraram povoamentos e conflitos. Guaporé e Mamoré. ▀ No século XIX. posteriormente. comercialização e exportação de borracha silvestre.O PROCESSO DE OCUPAÇÃO E EXPROPRIAÇÃO INDÍGENA NA ÁREA DO BENI . a importância dos missionários jesuítas na fundação das Missões que depois se transformaram em vilas e cidades.O desenrolar das atividades mercantis e a chegada sistemática de povoadores na área dos vales do Madeira.A QUESTÃO INDÍGENA . Munduruku. substituta e definitiva no processo de exploração e colonização da Amazônia. destaca-se a ação do jesuíta João de Sampayo que fundou. No vale do médio Madeira. No entanto. extermínio e desaparecimento de algumas das mais importantes nações. provocaram expropriação de terras indígenas.

sobretudo.colonizadores. O primeiro ciclo atuar decisivamente no povoamento deste lado amazônico foi o Ciclo do Ouro No Vale do Guaporé. O índio tornou--se mercadoria plenamente comercializável na medida em que se constituía na mão de obra mais fácil de ser encontrada e. o que causava um sentimento de revolta nos povos indígenas. fronteira com a Amazônia portuguesa. de ser escravizada. Desse modo.O processo de ocupação humana e colonização das terras formadoras do estado de Rondônia. nos dias atuais. com a intensa penetração de contingentes migratórios destinados à exploração aurífera e ao comércio que se formava nas áreas de garimpo. como se verá a seguir: – CICLO DO OURO NO VALE DO GUAPORÉ. ocorreram os dois ciclos da borracha. ▀ 21 – CICLOS ECONÔMICOS E CICLOS MIGRATÓRIOS . o das Usinas do Madeira. respectivamente. A Espanha cobrava tributo a todo indígena entre 18 e 50 anos de idade. naqueles localizados no noroeste boliviano. Em 1831. no século XVIII. o Ciclo da BR 364. Os povos indígenas da região do Beni promoveram várias revoltas. o noroeste boliviano foi alvo de intensa exploração econômica com a utilização de mão de obra indígena e expropriação de suas terras. Um dos mais importantes líderes desses movimentos foi o índio Pedro Ignácio Muíba que comandou uma grande rebelião contra o sistema. os índios sob seu comando foram duramente reprimidos por forças militares e paramilitares. o Ciclo Telegráfico. Mas. região de Mojos. portanto. Yucararés e Chiquitos. nos anos 1718 e 1723. a partir do início da década de 1730. cujas terras foram disponibilizadas pelo governo para a colonização agropastoril ou exploração de látex. No entanto. No século XIX. Em seguida. principalmente na imensa área dos rios Beni e Madeira. Esses impostos eram altíssimos e incidiam sobre a produção. quadro que seria abolido somente vinte anos mais tarde. fazendeiros e mineradores brancos. pelos bandeirantes luso-brasileiros Pascoal Moreira Cabral e Miguel Subtil. por fim. 1730-1790 – Seu início ocorreu a partir da descoberta das minas de ouro ao longo dos rios Cuiabá e Coxipó-Mirim. mesmo porque a Espanha perdeu o controle sobre a região que terminou dividida em vários países que se estendem da Venezuela à Bolívia. está diretamente vinculado ao funcionamento de ciclos econômicos e da consequente atração de contingentes migracionais. Somente após a divisão do ViceReinado do Alto Peru (1824-1825). a Coroa espanhola praticava um sistema de colonização diferenciado daquele praticado pela Coroa portuguesa nos vales do Guaporé e Madeira. estendendo-se até meados do século XX. atualmente. o governo boliviano restabeleceu os direitos dos povos indígenas às suas terras. esses tributos foram abolidos. A partir desses eventos. atraindo importantes contingentes migratórios. quando os irmãos Fernando e Arthur Paes de Barros decidiram afastar-se da Vila de Cuiabá e . inseridos nos ciclos migratórios. o foco da política portuguesa para a Amazônia foi alterado e a região onde surgiria a cidade de Cuiabá se tornaria na porção mais populosa da Capitania de São Paulo. Paradoxalmente. região do rio Beni. conquistaram o direito a terra. levantando-se contra a política colonial do governo boliviano. o do Ouro no Vale do Madeira e. que lutava ao lado dos colonizadores contra seu próprio povo. o indígena foi novamente submetido a um sistema de patronato rural. No vale do rio Beni. a atividade garimpeira sofreu modificação espacial. o Ciclo da Cassiterita. este conjunto de forças era apoiado por grupos indígenas liderados por Juan Maraza. o Ciclo Ferroviário. quando. No entanto. Mas essa nova condição política não se estendeu ao noroeste boliviano. 1º e o 2º. através da ação de Simon Bolívar. a resistência dos povos indígenas do Beni seria intensificada com o passar dos anos. o da Colonização Agrícola.

este tratado não foi satisfatório para as pretensões espanholas e outro seria celebrado em 1761. a serviço da Coroa portuguesa. o escravismo na região amazônica não seguia os padrões de organização do restante do Brasil-Colônia. ou. No entanto. especializado neste de tipo de obra. acometido de malária. em 1750. o governador que se empenhou em construir esta que se tornaria a maior fortaleza portuguesa da Amazônia. coronel de engenheiros Ricardo Franco de Almeida Serra. morreria em 1781. Corumbiara e Galera. nas nascentes do rio Guaporé. sob a égide do Tratado de El Pardo. portanto. Desse modo. o Real Forte do Príncipe da Beira. construído entre 1776 e 1783. José I e do 1º.A RESISTÊNCIA ESCRAVA E A SUBMISSÃO INDÍGENA . eles descobriram os rios do ouro – Guaporé. também assinado na Espanha. Foi o bastante para a Coroa portuguesa implantar novas políticas de ocupação e colonização regionais e criar a Capitania de Cuiabá e Mato Grosso. estava localizada a Audiência de Charcas – atual República da Bolívia . Antonio José Rolim de Moura Tavares. Luís Albuquerque de Mello Pereira e Cáceres. até então sob domínio espanhol. responsável pela entrega final das obras. A instalação da primeira capital da Capitania de Cuiabá e Mato Grosso deu-se em 1752 com a posse do primeiro governador. de possessão espanhola. ▀ 22 . o alferes Sambucetti. apesar não estar complemente concluída. cuja sede de governo deveria funcionar na cidade de Vila Bela da Santíssima Trindade do Mato Grosso. o Tratado de El Pardo. em 1692. passa a executar a Política Pombalina e decide pela construção de uma fortaleza no Vale do Guaporé. edificada no espaço do Sítio do Pouso Alegre. a “terra é de quem a ocupa de fato”.agregada ao Vice-Reinado do Alto Peru. na segunda metade do século XVII. Sararé. na cidade de El Pardo. a ambição territorial e a economia aurífera fazem recrudescer os confrontos na fronteira de Portugal e Espanha na Amazônia. sob a doutrina do Uti Possidetis Pos-Facto. Contudo. sob o reinado de D. O desfecho deste duplo processo de colonização da porção oeste e noroeste Amazônia seria o desentendimento diplomático entre os reinos de Portugal e Espanha e a decretação de uma guerra pela posse territorial. A Capitania de Cuiabá e Mato Grosso era governada pelo capitão-general D. ou Itenez. na medida em que o sistema na Amazônia era desorganizado e o preço da “peça da . Marquês de Pombal. Esta situação seria parcialmente controlada com a edição do Tratado de Madri. Mas. baseada no sistema Vauban (do arquiteto francês Sebastien Le Prest de Vauban). para servir de posto de abastecimento e núcleo populacional da região. Por estes motivos. chamados pelos portugueses de “peças da Guiné” ou “povo infiel”. ou do Prado. Na outra margem do Guaporé.A escravidão negra na Amazônia começou no Pará. Apesar deste novo evento as desconfianças mútuas. Nesta vasta área territorial. que demarcou as terras lusitanas e espanholas na Amazônia. Este novo acordo diplomático bilateral retificou alguns artigos do Tratado de Madri. O primeiro engenheiro do forte foi o italiano Domingos Sambucetti. Para seu lugar na chefia das obras do Príncipe da Beira foi designado o militar português. o governo português. Ministro. no ano de 1783. que iria governar por treze anos.aprofundar a linha de pesquisa de ouro à região que eles passariam a denominar Mato Grosso – o Vale do Guaporé. no ano de 1748. os irmãos Paes de Barros fundaram o Sítio do Pouso Alegre. o capitão-general D. quando foram introduzidos pouco mais de uma centena de negros.

e a execução da Política Pombalina. onde encontravam um pouco de liberdade e tornavam-se Quilombolas. Por isso. em 1792. Quilombo do Príncipe da Beira. por isto mesmo. desafiavam as leis da escravidão. às fazendas agropastoris. O principal Quilombo fundado no Vale do Guaporé mato-grossense. enviadas pelo governo da capitania de Cuiabá e Mato Grosso. com destaque para a Inglaterra. contra as tropas luso-brasileiras enviadas para caçá-los e destruir os Quilombos. atacavam seus donos e feitores e fundavam Quilombos no meio da floresta. que resistiu ferozmente às investidas de tropas luso-brasileiras.O ESCRAVISMO INDÍGENA é outro fator importante neste primeiro processo de colonização da atual Amazônia rondoniense.O desenvolvimento do 1º Ciclo da Borracha foi controlado financeiramente pelas potências econômicas onde se desenvolvia a Revolução Industrial. egressos da economia aurífera do Vale do Guaporé. notadamente durante o Ciclo do Ouro no Vale do Guaporé. operado por uma sociedade vinculada aos processos da escravatura e. tinham de enfrentar várias batalhas. durante os desdobramentos socioeconômicos e políticos promovidos por esse ciclo. Mas. ocorreu no Brasil escravocrata. com a celebração do Tratado de Madri entre os reinos de Portugal e Espanha. 22. Portanto. Quilombo das Pimenteiras. O espaço amazônico. A partir do seu funcionamento. depois de sua morte em combate. Contudo a escravidão negra e o escravismo indígena transcendem ao Ciclo do Ouro no Vale do Guaporé e se inserem no primeiro Ciclo da Borracha. fazendas e núcleos urbanos que se formavam. os Quilombolas. ou na floresta. o Marquês de Pombal incentivou a criação de companhias de navegação. sobretudo. França. Quilombo do Pau D‟Óleo. Essa companhia de navegação recebeu do governo português concessão para introduzir negros escravos e imigrantes estrangeiros na região amazônica. na construção do Real Forte do Príncipe da Beira. foi substituído por sua mulher. mesmo porque. foi o Quilombo do Piolho ou Quariteré. á Igreja e a outras atividades locais.1 . EUA. hoje estado de Rondônia. Quilombo Rolim de Moura. o símbolo da resistência escrava no Vale do Guaporé são os Quilombos e seus habitantes. sítios. Seu fundador foi o escravo João Piolho. até ser derrotada e cometer suicídio. o número de negros escravos aumentou na Amazônia. com extensão ao Mato Grosso (Vale do Guaporé). foi povoado por imigrantes estrangeiros e brasileiros. No entanto. quando os indígenas eram capturados nas aldeias. 23 . ao poder público. Alemanha. habituados a operar a economia com este tipo de mão de obra. principalmente na cidade de Vila Bela da Santíssima Trindade de Mato Grosso. Bélgica e. Quilombo das Pedras Negras. também.Guiné” era muito elevado por conta das distâncias que encareciam o frete. em lutas desiguais. conhecida como a “empresa de Pombal”. os negros escravos não foram tão numerosos na Amazônia. a atividade negreira na região aumentou consideravelmente. que trabalharam. a exemplo da Companhia Geral do Comércio do Maranhão e Grão-Pará. Quilombo do Galera e Quilombo do Mutuca. conhecida como a “Rainha Viúva”. . Tereza de Benguela. este foi o modelo de escravismo negro mais violento do Brasil-Colônia. e submetidos ao trabalho escravo nos garimpos. Mas. aos engenhos. Os demais quilombos localizados no estado de Rondônia. Os principais povos indígenas submetidos a este processo ilegal de escravidão foram os Caiapó e os Paiaguá. cujo início. notadamente aqueles destinados aos garimpos de ouro no Vale do Guaporé. são: Quilombo de Santo Antonio.O 1º CICLO DA BORRACHA (1850-1920) . A partir de 1750. e durante muitos anos. na medida em que os negros se uniam com os povos indígenas.

A MÃO DE OBRA SERINGUEIRA NO 1º CICLO DA BORRACHA . Desse modo. e na região do Acre. a maioria era formada por nordestinos que passaram a integrar o cenário da economia gomífera e atuaram.2 – A MÃO DE OBRA PARA OS SERINGAIS DO ALTO MADEIRA . Rio Grande do Norte. mateiros.23. exigia cada vez mais braços fortes para atuar na floresta. o sistema foi buscar a mão de obra nordestina para a exploração do látex e produção de borracha. foi a do indígena escravizado. da invenção do automóvel por Henry Ford (EUA). ou plantation. inglês. foi a de seringueiros bolivianos e peruanos. a mão de obra utilizada nos primeiros momentos deste ciclo econômico envolveu indígenas escravizados. alcançando os menores preços de mercado e maior quantidade de oferta. Mamoré. que incentivou a emigração de trabalhadores rurais sem-terra do Nordeste. O primeiro ciclo da borracha entrou em declínio no final da década de 1910 quando os mercados consumidores. Holanda. Sudão. Piauí. Paraíba. Outro tipo de mão de obra utilizado nos seringais. A mão de obra que iria atender a esse processo. principalmente na Tailândia. Posteriormente. Mas. que operavam na coleta do látex e na produção de borracha nos vales do Guaporé. EUA e França). essas colônias passaram a produzir borracha silvestre cultivada. em sua maioria. Piauí Pernambuco e do Maranhão. Vietnan. Madeira e Jamary.O DECLINÍO DO 1º CICLO DA BORRACHA . uma política de povoamento da Amazônia foi executada pelo governo imperial brasileiro (D. França. não indígena.1 . Filipinas. e outras atividades ligadas ao comércio e à pesquisa. . assumiam posição contrária a esta prática. retirar o látex e produzir a borracha. neste ciclo de produção gomífera. Hong Kong. ▀ 23. de melhor qualidade.O primeiro Ciclo da Borracha terminou em decorrência do investimento norte-americano. A exploração do látex nos seringais. constituindo uma mão de obra análoga à escravidão.1 . e do pneumático. notadamente dos estados do Ceará. do Nordeste brasileiro. Eram os braços fortes mais próximos do sistema produtivo. centro-americanas e africanas. Pedro II). 23. Congo e Indonésia. Poucos anos mais tarde. foram recrutados trabalhadores rurais sem-terra oriundos. Pernambuco e Maranhão. com destino à Amazônia. europeu e norte-americano. cuja demanda era para atender aos países da Revolução Industrial (Inglaterra. asiáticos e norte-americanos atraídos para a produção de borracha na Amazônia. Ceilão. Contudo. Também tiveram participação importante no processo gomífero seringalistas e seringueiros europeus. da França. como seringalistas (donos dos seringais) e na mão de obra semiescravizada. Alemanha e EUA). principalmente após a descoberta da vulcanização da borracha por Charles Goodyear (EUA) e Thomas Hankoock (Inglaterra). no século XIX. Mas o indígena encontrava o ambiente propício para fugas que desestabilizavam o sistema e havia leis que impediam sua escravização. Para fortalecer o sistema dos seringais. a maioria indígenas. Além disso. os seringais precisavam produzir mais borracha para atender às necessidades internacionais. procedentes dos estados do Ceará. pelos irmãos Michelin. respectivamente. em 1839. francês e holandês no cultivo. Índia. na condição de seringueiros. de seringueiras da Amazônia nas colônias asiáticas. inicialmente. passaram a comprar exclusivamente borracha produzida no sudeste asiático e na África.Dentre os contingentes de trabalhadores nacionais encaminhados para a Amazônia. Paraíba. os financiadores do Ciclo (Inglaterra. Malásia. a partir do final da década de 1870. toqueiros e outras atividades. substituídos por negros escravos.O primeiro Ciclo da Borracha foi responsável por dotar a região Amazônica de uma identidade econômica e por seu primeiro processo de povoamento efetivo. Libéria.

Portanto.Os nordestinos. inglesas. denominado Bolivian Syndicate of New York. com ênfase ao estado do Ceará. e entregaram o comando ao ex-militar e agrimensor gaúcho Plácido de Castro. os governos brasileiro e boliviano firmaram. Luís Galvez Rodriguez y Arias. A mais importante revolta acriana ocorreu entre os anos de 1902 e 1903. em 1825. Depois de muitos combates entre tropas formadas por seringueiros e jagunços. No espaço físico que constitui o estado de Rondônia. mas que pertencia à Bolívia. lideradas por seringalistas e fomentadas pelos governos e empresários do Amazonas e do Pará. o Acre ficou no espaço físico boliviano. os seringais amazônicos. através do qual o Brasil reconheceu definitivamente a posse da Bolívia sobre a região acriana. A primeira rebelião no Acre boliviano ocorreu sob o comando do jornalista espanhol D. os seringais absorveram mão de obra indígena escravizada.A QUESTÃO ACRIANA . em seringais pertencentes a empresários brasileiros. denominada a Guerra do Acre. o governo boliviano resolveu arrendar as terras do Acre a um consórcio formado por empresas norte-americanas. No entanto. e desafiando a Bolívia e seu maior protetor. estimulavam a penetração de contingentes nordestinos sobre a região acriana. Nesse período. seringalistas acrianos. Por este acordo diplomático. Após a independência da Bolívia. do Madeira e do Jamary. os domínios espanhóis estendiam-se à região da Amazônia que ficaria conhecida por Acre. francesas e belgas.O território que forma o estado do Acre era considerado pelo governo brasileiro. Em pleno território boliviano estes imigrantes fundavam seringais e estabeleciam entrepostos comerciais. uma zona não-descoberta. o governo brasileiro interveio e destituiu o governo de Luís Galvez. Navegação e Extradição. Como resposta. transformados em seringueiros. peruanos e bolivianos. este “país da borracha”. Em 1867. contra os interesses do Brasil. Mas. que fundou. procedentes do estado do . Esta decisão da Bolívia ensejou novas rebeliões no Acre. até o início do século XX. ou. interessados no controle econômico e tributário da região acriana. como ficaria conhecido. organizaram um levante contra as ações da Bolívia na região. o governo boliviano reagiu e ocupou militarmente o Acre. pressionado pelo Departamento de Estado norte-americano. No ano seguinte. governantes e seringalistas do Amazonas e do Pará. do Mamoré. de 1750. substituída pela mão de obra negra africana escrava. durante o 1º Ciclo da Borracha (1850-1920). através das hidrovias Amazonas-Purus-Acre-Juruá. passaram a integrar o cenário socioeconômico da Amazônia na condição de mão de obra semiescravizada. Havia ainda uma importante parcela de imigrantes estrangeiros procedentes da Europa e dos EUA que integraram o setor produtivo da economia gomífera durante o primeiro ciclo da borracha. o Tratado de Amizade. em 1899. a República Independente do Acre. na forma do Tratado de Madri. Limites. ▀ 24 . na cidade de La Paz de Ayacucho. que terminaria preso e extraditado para a Espanha. os EUA. europeus. e pelas Casas Aviadoras. Por conta disto. como os poderosos Suarez y Hermanos. Comércio. do nordeste. a maior parte formada por imigrantes nordestinos. não prosperou. receberam contingentes migratórios originários do sul e do sudeste e. provocando várias rebeliões dos seringalistas brasileiros que operavam a exploração do látex e a produção de borracha silvestre na região. apoiados pelos governos do Amazonas e do Pará. sobretudo. celebrado entre os reinos de Portugal e Espanha com vistas a solucionar pendências territoriais na América do Sul. os nordestinos trabalharam juntamente com seringueiros bolivianos e peruanos que operavam nos vales do Guaporé. e depois. No contexto nacional brasileiro. por seringueiros bolivianos e peruanos. simplesmente Sindicato. que controlavam o comércio da borracha na região.

em 1874. entrou em concordata e levantou acampamento sem ter construído um metro de trilho sequer. a titulo de indenização. Mas.Ceará. a Dorsay and Caldwell não se instalou no local de construção da ferrovia. o governo boliviano fundou. requerendo indenizações por lucros cessantes e prejuízos. a comissão de estudos recomendou o imediato retorno da empreiteira aos EUA. em 1870. principal signatário do Tratado de Ayacucho. EUA. celebrado na cidade de Petrópolis. ao Bolivian Syndicate. De volta aos EUA. e nomeou como presidente o coronel George Earl Church. A estrada de ferro Madeira-Mamoré começou a ser construída no ano de 1872. nos foros de Londres e New York. teve de arquivar este projeto e por em execução o projeto ferroviário. Plácido de Castro e seu exército de seringueiros.A CONSTRUÇÃO DA FERROVIA MADEIRA-MAMORÉ (1ª. o Brasil ficou com a posse do Acre. . e do ministro boliviano Claudio Pinilla. e ficou obrigado a construir a Ferrovia Madeira-Mamoré. a direção da empresa transferiu. a direção da empresa destacou projeto de construir a Madeira-Mamoré. ao rio Amazonas e. de Nova Iorque. Rio de Janeiro. ▀ 25 . mas. em 17 de novembro de 1903. doenças tropicais. em seguida. o coronel George Church contratou. Em seguida. e recebeu do imperador do Brasil. sob a vigência de dois tratados celebrados entre os governos brasileiro e boliviano. de 1882. aos portos exportadores de Manaus e Belém do Pará. o barão do Rio Branco. Pedro II. Fase) – A República da Bolívia é a responsável pela abertura de um caminho de ferro ligando os rios Madeira e Mamoré. D. a empreiteira norte-americana Dorsay and Caldwell Company. E iria sofrer outro revés em seu de Manaus. o contrato para a empreiteira Reed and Brothers Company. Ao retornar. O primeiro foi o Tratado de Ayacucho. Em consequência. pelo valor de duas mil libras esterlinas pagas à Bolívia. Ao chegar ao porto uma equipe precursora para avaliar as condições da localidade de Santo Antonio. uma concessão de 50 anos para explorar os serviços de transporte rodo-fluvial da Madeira-Mamoré. Por conta desta situação. e 114 mil libras que o Brasil pagou. a empresa The National Bolivian Navigation Company. esta empreiteira não estava preparada para esse empreendimento e. que não enviou nenhuma expedição ao Brasil e impetrou várias ações judiciais. em 1903. o coronel Church constituiu. Por esse acordo diplomático. sagraram-se vencedores. Portanto. mediante compra. dos EUA. contra militares bolivianos e mercenários a soldo do Bolivian Syndicate. em 1861. contratou a empreiteira inglesa Public Works Construction Company. Sob a égide do Tratado de Ayacucho. EUA. no ano seguinte. de 1867 e o segundo. ações judiciais e perda de crédito. Mais ainda: o Brasil cedeu porções territoriais à Bolívia no rio Madeira e no porto de Manaus. e contando com o total apoio dos EUA e da Inglaterra. no rio Madeira. alegando que o local onde deveria ser iniciada a ferrovia era doentio e de difícil acesso. a empresa The Madeira and Mamoré Railway Company. José Maria da Silva Paranhos Junior. Esta empresa de navegação ficou incumbida de construir uma hidrovia nos rios Mamoré e Madeira. por exigência da Inglaterra. cuja expedição instalou-se na localidade de Santo Antonio do Rio Madeira em 1872. sob a orientação do ministro das Relações Exteriores do Brasil. os governos do Brasil e da Bolívia firmaram o Tratado de Petrópolis. com sede em New York. enfrentando ataques de índios. nos EUA. após dez meses na região. o Tratado de Navegação e Construção de Via Férrea. elaborado pelo general boliviano Quentin Quevedo. Com o apoio do governo imperial brasileiro. contra a empresa The Madeira and Mamoré Railway Company.

e como obrigação diplomática do governo brasileiro e medida compensatória pela anexação do Acre do território nacional brasileiro. e partiu para a contratação de um forte grupo de empreiteiras norte-americanas. fugas de grupos de operários que se internavam na selva e. facilitando as exportações e importações do noroeste boliviano. vergada por uma pesada concordata e várias demandas judiciais em seu desfavor. com capital de sete milhões de dólares (em valores da época). os serviços somente seriam retomados após a celebração do Tratado de Petrópolis. a ser executado pela empresa The Madeira and Mamoré Railway Company Limited. muitos morreram de fome e doenças tropicais.Após enfrentar diversas demandas judiciais. 25. construídos sete km de Após um ano e seis meses de atividades. na época. constituiu no estado do Oregon. instalou canteiros de obras no lugar conhecido como Porto Velho dos Militares. a empreiteira P & T Collins levantou acampamento e deixou a região. desta vez sob o controle do megainvestidor norte-americano Percival Farqhuar. ano em que foi inaugurada a estação terminal Mamoré. a empresa sucumbiu por conta de pesadas dívidas com bancos e fornecedores. o homem mais rico do mundo. Diante desse quadro. devido ao atraso na liberação das parcelas do crédito nos bancos ingleses. a P & T Collins não conseguiu resistir aos graves problemas que teve de enfrentar. conflitos com os índios Caripuna. Além disso. AM. situado em terras do município de Humaitá. A ferrovia Madeira-Mamoré integrava um ambicioso projeto geopolítico. o grupo de empreiteiras norte-americano May. a partir de 1912. mas deixou ferrovia e inaugurou a primeira locomotiva da Madeira-Mamoré. o magnata norte-americano. Em 1907. na fronteira com o estado de Mato Grosso. Fase) . a empreiteira renunciou ao contrato. Jekkyl & Randolph. visando reiniciar as obras da Madeira-Mamoré.1 – A CONSTRUÇÃO DA FERROVIA MADEIRA-MAMORÉ (2ª. as tratativas Brasil/Bolívia para a construção da ferrovia não cessaram. fomentando o mercantilismo regional.Entretanto. em 17 de novembro de 1903. cidade de Portland. em tempos de paz. idealizado pela Bolívia. a empresa The Madeira-Mamoré Railway Company Limited. com experiência em outras ferrovias. interligando o rio Mamoré ao rio Madeira. a partir de uma concessão do governo brasileiro com prazo de duração de sessenta anos.EUA. A construção definitiva da ferrovia Madeira-Mamoré ocorreu entre 1907 e 1912. um arco de dificuldades que envolvia doenças regionais (malária). Para este fim. no dia 19 de agosto de 1878. morte em massa de técnicos e operários. para tocar esta que seria a mais dramática obra ferroviária do mundo. na altura da cachoeira Guajará-Mirim. restrição de crédito internacional. o coronel George Earl Church retomou o controle da empresa The Madeira and Mamoré Railway Company. Esta empresa instalou acampamento na localidade de Santo Antonio do Rio Madeira. EUA. no dia 19 de agosto de 1879. os dois governos firmaram o Tratado de Navegação e Construção de Via Férrea. Apesar de contar com o reconhecimento topográfico da região. Em consequência.200 mil libras esterlinas. aumentou o valor do empréstimo para 1. contratado pelo Sindicato Farqhuar. e o vale do Madeira aos portos de Manaus e Belém. Desse modo. o governo imperial brasileiro decidiu cancelar a concessão ao coronel George Church e suspender as obras da ferrovia Madeira-Mamoré Mas. da Filadélfia. e contratou a empreiteira P & T Collins. . em 1882. por ser um antigo porto do rio Madeira. de propriedade dos irmãos Phillip e Thomas Collins. e de uma parcela do oeste Amazônico. com o aval dos EUA e da Inglaterra.

os novos proprietários anglo-canadenses. ligando o distrito do Abunã. Além disso. e orientou à construção da BR 364. Presidente Pena (hoje cidade de Ji-Paraná). em 1913. O principal documento para a efetivação desse novo ciclo foi o Tratado de Washington. e Guajará Mirim.Esta atividade gomífera esteve relacionada diretamente aos desdobramentos da 2ª. Jamary (hoje cidade de Candeias). em Porto Velho. denominado “Erradicação da Madeira-Mamoré”. Abunã e Guajará Mirim. o conglomerado MadeiraMamoré foi adquirido pelo grupo anglo-canadense liderado pelo megaempresário W. interligando o noroeste do Mato Grosso (que compreende 86% do território rondoniense) às regiões Sul e Sudeste do Brasil. a empresa seria nacionalizada pelo Brasil. A BR 425 foi concluída em 1972.Mirim.Simultaneamente às obras da ferrovia Madeira-Mamoré. celebrado entre os governos brasileiro e norte-americano em 1942. ▀ 26 . o governo federal (regime militar) decidiu pelo fechamento definitivo da empresa. que transformou a Amazônia em uma Zona de Guerra para a produção emergente de borracha silvestre em larga escala. entrou em ação o militar Aluízio Pinheiro Ferreira que solicitou do presidente Getúlio Vargas a intervenção do governo federal. promoveu o surgimento do Ciclo do Telégrafo (1916/1930). Em decorrência dos resultados nefastos na economia mundial e do declínio do 1º Ciclo da Borracha. uma expedição comandada pelo militar Cândido Mariano da Silva Rondon. à cidade de Guajará Mirim. Em 1931. proporcionou o adensamento populacional das Vilas de Santo Antonio. atuando paralelamente às estações da ferrovia MadeiraMamoré. em razão da falência do Sindicato Farqhuar. ocorrida em 1929. Uma empresa estatal brasileira. fato ocorrido em 10 de julho de 1931 quando a MadeiraMamoré passou a denominar-se Estrada de Ferro Madeira-Mamoré S/A. No ano de 1965. surgiu a construção das Linhas Telegráficas Estratégicas do Mato Grosso ao Amazonas. Jacy-Paraná. um projeto nacional executado pela Comissão Rondon. Santo Antonio. decidiram fechar o empreendimento brasileiro. na fronteira Brasil-Bolívia. Presidente Hermes (hoje cidade de Presidente Médici). que abalou a economia mundial. A Comissão Rondon abriu uma nova rota de comunicação regional. que se instalou em Porto Velho em 1966 com duas missões principais: a primeira. provocando um verdadeiro caos na economia dos municípios de Porto Velho.O 2º CICLO DA BORRACHA . Pimenta Bueno.Contudo. Jaru. foi criado nesse ano o 5º Batalhão de Engenharia de Construção. Com esta finalidade. notadamente. construir a rodovia federal BR 425.A COMISSÃO RONDON . Santo Antonio do Rio Madeira e Guajará. 27 . aberta para a colocação dos postes e para a construção das estações telegráficas entre. BEC. os problemas da Madeira-Mamoré não terminaram. Contudo. cujo mapa seguiu as determinações da “estrada de Rondon”. Este novo ciclo econômico propiciou a implantação de núcleos urbanos e colônias agrícolas no entorno das estações telegráficas. com a invasão por tropas japonesas das áreas produtoras de borracha na Ásia e o consequente estrangulamento do mercado fornecedor para os consumidores europeus e norte-americanos. Jacy-Paraná. O funcionamento das estações telegráficas Vilhena. A segunda. depois da quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque (Wall Street). . Guerra Mundial. a Madeira-Mamoré foi fechada definitivamente através do processo levado a efeito pelo 5º Batalhão de Engenharia de Construção. Cameron Forbes. a 10 de julho. Nesse ano. executar o processo de erradicação da ferrovia Madeira-Mamoré. 1909 e 1916. Por esse motivo.

à época. De outro os Arigós.O segundo ciclo da borracha terminou com o final da 2ª. Pimenta Bueno. Desse modo. A principal estrutura regional para a consolidação desse novo modelo econômico foi a rodovia BR 029. No entanto. a exemplo da Companhia Siderúrgica Nacional.O CICLO DA AGRICULTURA (Colonização) . em Fortaleza. Belém. na faixa etária de 18 a 25 anos.Na década de 1970 o panorama sociopolítico e econômico do Território Federal de Rondônia passaria por profundas transformações na medida em que seu espaço físico começou a receber povoadores destinados à colonização agropecuária. a cessão de áreas estratégicas para a implantação de bases militares dos EUA.(hoje Ji-Paraná). florestal e mineral para a produção agrícola e pecuária. jovens. Arikêmes e Jamary. 27. Essa mão-de-obra foi classificada em dois padrões pelo governo Vargas. Construída para atender. VALE. a Amazônia foi transformada em uma Zona de Guerra. que formavam a aliança chamada Eixo. principalmente. Marinha e Aeronáutica). em Volta Redonda.RJ. Presidente Pena. João Pessoa. o tradicional modelo econômico foi profundamente alterado. e os seringueiros. não eram soldados da borracha na medida em que integravam o segmento voluntário atraído para a Amazônia. São Luis do Maranhão. Guerra Mundial e. também conhecido por “Acordos de Washington”. 28 . França e Holanda. injetou no Brasil cerca de 500 milhões de dólares. solteiros. os nordestinos que integraram o cenário da guerra da borracha. Os povoadores desse novo processo foram. Presidente Hermes (hoje Presidente Médici).O Tratado de Washington. com idade superior 25 anos.O DECLÍNIO DO 2º CICLO DA BORRACHA . sobretudo. De um lado. Inglaterra. escalados para o trabalho nos seringais. para fomentar a Indústria de Base no país. e da Fábrica Nacional de Motores. Nesse novo contexto. no cenário da Europa. que iriam participar da II Guerra Mundial. destinados aos mesmos seringais. a exemplo das estações Vilhena.1 .FNM. da Companhia Siderúrgica Vale do Rio Doce. Além disso. às demandas do Ciclo da Cassiterita. em sua maioria nordestinos. para a produção emergencial de borracha silvestre. Amapá. com a derrota dos japoneses. Em contrapartida. Inglaterra e França). recrutados pelo Exército mas. os Soldados da Borracha. na medida em que ocorreu a reocupação dos seringais do sudeste asiático pelos EUA. Para consolidar esse processo de povoamento. atual BR 364.CSN. Outra estrutura de suporte desse ciclo estava nos núcleos urbanos surgidos a partir do funcionamento das Estações Telegráficas da Comissão Rondon. Rio de Janeiro e Natal. em razão dos vários aditamentos ao seu texto original. como se denominava a mão de obra extrativa de látex e produtora de borracha. mais precisamente. o governo norte-americano exigiu do governo brasileiro uma declaração de guerra à Alemanha. inicialmente. Mais ainda: o governo dos EUA exigiu a inclusão da Amazônia brasileira no esforço de guerra dos Aliados (EUA. em Minas Gerais. e. mas não inseridos no recrutamento militar. houve aporte de recursos destinados ao aparelhamento das Forças Armadas (Exército. a fundo perdido (cálculo sobre os valores da época). esta via de comunicação tornou-se a principal estrutura viária para o acesso e o escoamento do Ciclo da Agricultura. foram utilizadas as estruturas sociopolíticas das cidades de Porto Velho e Guajará Mirim. Jaru. as duas únicas existentes no Território Federal de Rondônia. à Itália e ao Japão. também nordestinos. Portanto. . retornaram ao espaço amazônico os seringalistas. forma como eram identificados os donos ou patrões de seringais. Recife. onde foi travada a Batalha da Borracha. em São Paulo. passando de extrativo vegetal. o final 2ª Guerra Mundial (1945).

que recebiam gratuitamente lotes rurais com infraestrutura viária. Paraná.O Ciclo da Agricultura recebeu vultosos incentivos financeiros.2 RONDÔNIA 1) PAD BURAREIRO (1974).Estes dois projetos deram origem ao município de Ariquemes. financiamento da produção e aparelhamento público. gerando as condições para sua evolução como cidade. para a agropecuária. PIC. Para esse fim. Minas Gerais e Espírito Santo. Vale do Paraíso e Urupá. ou plantation do cacau. Em 1970 foi criado o Programa de Integração Nacional. 2) PIC SIDNEY GIRÃO (1971). e Projetos de Assentamento Dirigido. 1) PIC OURO PRETO (1970). em cujos módulos de terra foram assentados empresários rurais e trabalhadores rurais semterra procedentes dos estados de Santa Catarina. 28. PAD. Projeto destinado à atividade agropecuária. b) Os PAD eram destinados a empresários rurais que adquiriam lotes através de licitação. com a finalidade de disciplinar e operacionalizar a organização fundiária e solucionar pacificamente as tensões sociais decorrentes do novo processo de ocupação humana rural/urbana na área geográfica do Território Federal de Rondônia. Constituídos por extensas áreas. PROJETOS DE ASSENTAMENTO DIRIGIDO. Cabixi. deu origem à cidade de Cacoal. além de promover a expansão da Vila de Rondônia. Theobroma e Vale do Anari. 5) PIC PADRE ADOLPHO ROLL (1975). a) Os PIC eram destinados aos trabalhadores rurais sem-terra.1 RONDÔNIA. políticos e econômicos do governo federal (regime militar). e bóias-frias ou trabalhadores rurais sem-tem daquele estado. IMPLANTADOS EM PROJETOS INTEGRADOS DE COLONIZAÇÃO. Para estimular a atividade cacaueira. INCRA.PIC. o INCRA implantou Projetos Integrados de Colonização. deu origem à cidade de Ouro Preto do Oeste e expandiu o povoamento para as áreas dos atuais municípios de Mirante da Serra. Cerejeiras. 2) PAD MARECHAL DUTRA (1975). . Estes contingentes migratórios foram assentados na região de Ariquemes. para o cultivo. originou os municípios de Colorado do Oeste. expandiu o povoamento da região que forma o município Pimenta Bueno e originou o Projeto Rolim de Moura. Chupinguaia e Pimenteiras do Oeste e expandiu o povoamento da vila de Vilhena. os lotes incluídos nos PAD destinavam-se a fazendas e outros empreendimentos rurais de maior porte. originou a cidade de Nova Mamoré e expandiu o povoamento de Guajará Mirim.PIN. que resultou na criação do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Nova União. Corumbiara. deu origem à cidade de Jaru e expandiu o povoamento para os atuais municípios de Governador Jorge Teixeira. contingentes formados por pequenos produtores rurais que plantavam cacau no sul da Bahia. os “burareiros”. Teixeirópolis. o governo federal recrutou no Estado da Bahia. aqui denominados colonos. 4) PIC PAULO DE ASSIS RIBEIRO (1973). IMPLANTADOS EM . gerando as condições para que fosse transformada na cidade de Ji-Paraná. ▀ 28. que passariam a executar a colonização e o assentamento agrário no espaço rondoniense. 3) PIC GY-PARANÁ (1972). PAD.

a partir da segunda metade da década de 1970. na cachoeira de Santo Antonio. e as respectivas licenças de construção para outras usinas hidrelétricas. seis km à jusante do salto do Girau. a exemplo do sistema econômico.ESBR. Desse modo. iniciado em 2008. no salto do Ribeirão. o Ciclo das Usinas do Madeira. do surgimento de novas espacialidades e as agressões socioambientais provocadas.Com o avanço de outras frentes migratórias sobre as áreas produtivas rondonienses. e a UHE do Jirau pelo consórcio Energia Sustentável do Brasil. construída pelo consórcio Santo Antonio Energia Civil (CSAC).O CICLO DAS USINAS DO MADEIRA . Das novas espacialidades surgidas no espaço físico do município de Porto Velho. no ano de 2008. o INCRA implantou novos projetos de denominados Projeto de Assentamento. na república da Bolívia. UHE do Beni. a construção de duas usinas hidrelétricas: a UHE Santo Antonio. no rio Machado ou Gy-Paraná. Vila Novo Engenho Velho e Vila do Engenho Velho. na Ilha do Padre. com a atração migratória decorrente e as alterações geopolíticas inerentes aos ciclos econômicos. Vila Nova Teotônio. na fronteira Brasil-Paraguai. o Complexo Madeira não se resume as estes dois empreendimentos. na altura da cachoeira do Caldeirão do Inferno. PA. através do IBAMA. região sudeste. A UHE de Santo Antonio. deverão gerar energia hidráulica para suprir possíveis deficiências da Usina Binacional Itaipu. serão construídas as seguintes usinas hidráulicas: UHE Binacional Ribeirão. No entanto. liberou os EIA/RIMA (Estudos de Impactos Ambientais/Relatórios de Impactos Sobre o Meio Ambiente). e UHE Tabajara. destinadas a receber famílias remanejadas das áreas ribeirinhas do rio Madeira situadas em regiões passíveis de alagações. ▀ 29 . podem ser destacadas a Vila Nova Mutum. e Projeto de Assentamento Rápido. as usinas hidrelétricas de Santo Antonio e Jirau propiciaram o surgimento de um novo ciclo econômico em Rondônia. O governo federal.Na Bacia Hidrográfica do Madeira teve início. e auxiliar no abastecimento dos parques industriais situados no noroeste do estado de São Paulo. município de Machadinho do Oeste. Integrantes do Complexo Madeira. assentamento . PAR. nas proximidades do município de Guajará Mirim. localizada no estado do Paraná. e a UHE do Jirau. no rio Madeira.