Você está na página 1de 40
(Uma nova abordagem para tocar trompete agudíssimo) é isso amigos. estou fazendo várias traduções e
(Uma nova abordagem para tocar trompete agudíssimo) é isso amigos. estou fazendo várias traduções e
(Uma nova abordagem para tocar trompete agudíssimo)
é isso amigos. estou fazendo várias traduções e colocando na net. se alguem achar bom,
comente, agradeça. se achar ruim, este é o melhor que posso fazer. tendo em vista que sou um trabalhador. abraços a todos.
agradeça. se achar ruim, este é o melhor que posso fazer. tendo em vista que sou
  
















































































































































































































































 


 
 























































 





















































































































































 
 
















































































































































































































































































 
 












































































































 



































































































































































































































   























































































































































será "começar de novo", dessa forma o seu antigo de jogar deve ser abandonada. Isso não é tão ruim, porém, quando você considera que não funcionou tão bem as sim mesmo, e não vamos exigir muito tempo para a

v. Articular rápido o suficiente (para evitar gar

ganta slur)?

w. Lábios pressionados mais firmemente (enrugada). tingir um bom intervalo (e com mais prática, um
w. Lábios pressionados mais firmemente
(enrugada).
tingir um bom intervalo (e com mais prática, um fenomenal!).
x. Consciente de que ponto de vibração avançou.
y. "Back0ff" pressão (relaxar o braço esquerdo),
2 Há um "jeitinho" certo para equilibrar a pressão, o ar
fluxo e empacotador. Se a nota alta não sai, tente
se notas não estão saindo (permitir notas
para sair).
"Recuando" a pressão (chifre de baixo ligeiramente mais
e relaxar um pouco o braço esquerdo), mais pucker, e
z. Pensar em pressão de equilíbrio (da mão es
mais ar. Pense na nota como querendo sair, mas você
querda), o ar, e se as notas não contração saindo.
Aa. De descanso entre as tentativas.
está segurando-a dentro "Back off" e permitir que a nota
de vir para fora. ela está lá.
3 Resto ajuda (jogo 15 minutos e descanso de 15 minutos
Este exercício (que é muito parecido em Exercício 9
Apêndice A) pode ser feito primeiro com a terceira vál
vula para baixo um pouco e depois com ela para cima.
para start). Ela terá um forte efeito regenerativo em espe
cial quando se inicia o estudo de gama alta.
4 Deixe seu chifre fora do caso, encontrando-se em tor
Mau hábito
Além da lista de verificação de procedimento correto, é
instrutivo têm para revisão ocasional, uma lista de maus
hábitos que podem se infiltrar lentamente método de um
jogador que jogando mesmo depois de ter dominado as
técnicas descrito neste método. Estes são insidiosos
no de onde você pode pegá-lo se você tiver 10 minutos
ou assim. Não há nenhuma regra que diz que temos
que descansar 15 ou 20 horas entre as sessões de prá
tica. Se você escolher o seu chifre para cima e jogá-lo
sempre que puder, você pode ser surpreendido e
satisfeito com o quanto mais rápido o progresso é feito.
5 Perceba que, eventualmente, você estará jogando alto.
e têm rever se o intervalo parece estar se deteriorando.
1 Lábio inferior sem dobras (muito insidiosa, deve ser
verificada ocasionalmente).
2 Chifre muito alto (às vezes acontece quando a leitura
música por causa da posição da música).
Este não é uma habilidade que requer algo fisicamente in
comum; apenas uma vontade de dominar uma física algu
mas simples tarefas. N?o é como correr uma milha de
três minutos ou supino quatro vezes o seu peso corpo
ral, ou mesmo como cantar uma nota muito alta. It `s
não quase tanto uma coisa física como uma coisa aprendida.
3 Demasiada pressão (verifique com vibrato lábio ou tri
nado). 4 Não relaxado (tentar demasiado duro).
6 No que respeita ao vibrato, acredito que o lábio vibrato
5 resto insuficiente (chifre contra a boca muito).
6 Checando ar desligado (verificar com o teste "grunt").
7 Jogando apenas no registro agudo (enamorado com
alta jogando).
8
Não praticar material útil (que tendem a praticar
(Em oposição a um vibrato de mão) é claramente a me
lhor maneira para realizar este efeito e recomendar que
seja incorporado em seu jogo sempre que adequado. Lá
bio vibrato proporciona um exercício lábio intermitentes
que, com uso continuado, vai aumentar o controle da em
bocadura. Ele também atua como um controle constante
sobre se a pressão for muito
alta. Se você pode "vibrato" um "F" acima alto "C" usando
o
que podemos fazer bem - um erro comum em músicos).
lábios somente, então você ainda tem o controle dos lábios,
9 Não segurando chifre corretamente (nos handicapping
desnecessariamente).
e
os nível de pressão que você está usando é aceitável. Pode
10 Não cuidadosa sobre a colocação de bocal na boca
(acaba um pouco de lado ou até muito longe).
11 Voltando aos velhos hábitos (porque não tendo o sufi
ciente respirações).
SUGESTÕES DIVERSAS
Tendo adotado essas técnicas tanto quanto um jogador
ser que o vibrato lábio torna-se um lábio trill quando chegar
mos acima de alta "E". Este não é um problema porque ou
vibrato ou trinado é um indicador de que a pressão não é mui
to intensa. Um vibrato mão ainda pode ser possível mesmo
quando os lábios são esmagadas e controle se foi.
Os exercícios no Apêndice A ter sido "desenhado" para
eficientemente incorporar todas as idéias discutidas aqui
para que o tempo não é perdido com broca propósito. Eles
deve ser adequada para a maioria dos jogadores (mesmo
os jogadores com tempo de prática limitada disponível) pa
ra desenvolver um bom "G" acima de alta "C", e com mais
prática, um duplo "C".
de golfe aprende a balançar (deliberadamente e com mui
IMPORTANTE
ta concentração), devemos atingir o resultado final dese
jado de integração em uma ação simultânea, reflexo úni
co, o que virá com a prática. Algumas coisas que pode
ser útil para saber quando se esforçando para este fim são:
1 Em certa medida, especialmente com embocadura, você
Embora Apêndice A é auto-suficiente, eu não recomendo
começar os exercícios até que este texto foi ler pelo me
nos uma vez e, de preferência duas vezes, porque ele vai
ajudar imensamente de saber por que você está fazendo
o que você está fazendo.
duas vezes, porque ele vai ajudar imensamente de saber por que você está fazendo o que
DIAGNÓSTICO Se, quando seguimos o procedimento indicado no "Resu mo das o Método ", experimentamos
DIAGNÓSTICO Se, quando seguimos o procedimento indicado no "Resu mo das o Método ", experimentamos
DIAGNÓSTICO
Se, quando seguimos o procedimento indicado no "Resu
mo das o Método ", experimentamos dificuldade, a seguin
te tabela pode ser útil para identificar a causa do problema.
1. nenhum som sai em registro agudo.
2. Fino em tom de registo superior.
Lábio inferior no bocal.
Chifre para cima.
Muita pressão.
Não ar suficiente.
Muito grande de um aro bocal.
Lábio fatigado (de pressão).
Tentar demasiado duro.
Bocal posição errada.
Segurando nota em (sem saldo).
Auto-derrotado por falta de confiança.
Não ar suficiente.
3. Não foi possível executar trinado.
Muita pressão.
Mudanças Pucker não aprendeu ainda. (Tente válvulas parcial.)
4. Tom não completa no registo inferior e médio.
Chifre furo muito pequeno.
Não ar suficiente.
Backbore bocal muito apertado.
Lábio inferior no bocal.
Lábios se tornando "specia1ized alto".
Separação dos lábios muito pequeno.
Lábio fatigado.
Não agressivo o suficiente.
5. Nenhum controle.
Muita pressão.
Não o suficiente prática.
Lábio inferior dobrado em demasia.
Lábio fatigado.
6. Incapaz de fazer qualquer som.
Nenhuma separação dos lábios.
Lábio inferior no bocal.
Embocadura distorcida (por pressão).
7. Sem resistência.
Usando muita pressão.
Não experiência suficiente com embocadura.
Não "carne" o suficiente na embocadura.
Problema possível formação dental (dentes de corte
dentro da boca).
Bocal aro muito grande circulação e reduzindo
aos lábios.
8. Deve usar a pressão - notas muito difícil.
Tocar música muito escrito.
Não tendo no ar com freqüência suficiente.
9. sem flexibilidade.
Jogando muito em gama alta.
Mudança da posição do bocal nos lábios para menor
e maior nota-curado com dois oitava ascendente
escalas.
alta. Mudança da posição do bocal nos lábios para menor e maior nota-curado com dois oitava
Um complemento útil ao aprendizado tocar trompete é alta al gum conhecimento da trombeta e
Um complemento útil ao aprendizado tocar trompete é alta al gum conhecimento da trombeta e
Um complemento útil ao aprendizado tocar trompete é alta al
gum conhecimento da trombeta e bocal si, como eles se rela
cionam com este tipo de jogo.
A seleção de um porta-voz tem sido um pessoal coisa para to
dos os jogadores já começaram a tocar trompete. Muito tem
sido escrito sobre largura da jante, de volta furo, etc anuncio
hábito de deixar o lábio inferior entre o bocal copo. Além
disso, o tamanho # 19 broca utilizada para furar o buraco
no fundo do copo é o maior usado em boquilhas para trom
pete. Esta abertura relativamente grande exige alto fluxo
de ar para apoiar o som, assim que uma vez novamente,
desta bocal desestimula outro intervalo-derrotando hábito
infinitum, e diferente de "alta nota de" porta-vozes parecem de
ir e vir como modismos entre trompete profissional jogadores.
Eu vi duas vezes alta "C" jogado em várias diferentes porta-vo
zes de design e conceitual deve admitir que não parece haver
melhor design único. Típicos são Schilke 13 A4A, vários Giar
dinelli personalizado modelos, Jerome Callett, o Maynard Fer
guson série e outros feitos por Jet-tom, e até mesmo "Rudy
Mucks", para mencionar apenas alguns.
Eu sou extremamente a favor da Maynard Ferguson modelo
personalizado pessoal por Jet tom · para uma variedade de
razões. A borda é muito pequena e não é apenas o quantida
de certa de ponta para dar boa aderência e certeza da colo
cação sem desconforto. Mas o mais importante é o projeto
cálice que é "V" - em forma e até mesmo um pouco convexa
(em oposição ao copo normal, que é "U" -) em forma e cônca
va. Esta boquilha apresenta dificuldade para quase todos os
jogadores quando eles primeiro experimentá-lo,porque eles
são normalmente utilizados para reprodução em um "U" -co
po em forma o que permitirá que os lábios (particularmente
de sopro de ar insuficiente pelos chifre. Para reiterar, esta
boquilha, exigindo alta fluxo de ar, desestimula a constri
ção da garganta (com ar de baixa fluxo) que é muito comum
com furo menor porta-vozes. Além disso, o bocal backbore
produz um som de trompete excelente chumbo, grande, cheia
e brilhante com vantagem considerável e poder de corte. Além
disso, o contorno do furo quando se passa de copo para backbore
foi alisada (sem ombro afiada), que, embora sacrifica alguns
centralização tonal, tende a remover o resistência entre as
notas na faixa de tom alto, permitindo assim que alguns dos
"hábito correta formação de" exercícios (a ser discutido), a ser
realizada mais facilmente. este recurso permite que o jogador
a aprender a jogar corretamente, mais facilmente. Como men
o lábio inferior) para invadir a taça sem cortar o som nos regis
tros médio e médio alto (para sobre a alta "C"). O M.F. projeto
tem como um raso cálice que um jogador que permite que os
lábios para entrar no bocal mais do que apenas uma pequena
quantidade normalmente não podem fazer um som, especialmen
cionado anteriormente, outras boquilhas podem ser usados,
mas eu sinto que o progresso vai muito mais rapidamente, usando
este equipamento, e que vale a pena o pequeno investimento
necessário. Sem entrar em muitos detalhes, eu sinto que é
necessário também, para mencionar algo sobre o trompete
em si. Este é um problema mais difícil remédio se você já tem
um chifre caro, Deixe-me apenas dizer que os pequenos
chifres furo restringir o fluxo de ar e não jogue tão facilmente
acima de alta "C", ao contrário do que você pode sentir intui
tivamente. Meu sentimento pessoal é que um extra grande
(digamos 0,468), como o furo Holton ST-302 ou mesmo um
Besson em 0,470 é consideravelmente melhor para este
te com a M.F. pessoal modelo. Como um bocal impede o joga
dor de tocar "errado", ou seja, impede que a faixa-destrutivo
a M.F. pessoal modelo. Como um bocal impede o joga dor de tocar "errado", ou seja,

aplicação do que até mesmo um furo 0,464, e que chifres na 0,350 gama são um handicap. Deve-se notar que o termos "grande", "médio grande", etc variam entre fabricantes e o tamanho do furo em mils (milésimos de uma polegada) é o número de olhar para ao selecionar um trompete. O fluxo de ar (que é um componente crucial da jogando alto) é afetada significativamente. A exata mecanismo não é de interesse aqui, é suficiente dizer que para obter melhores resultados, eu recomendo que você use a maior chifre você pode encontrar. A "regra de ouro" comum que se ouve muitas vezes é que "um chifre com alguma resistência (contra-pressão) para soprando é o melhor ". Este tipo de chifre é um pouco melhor para a execução de coisas que exigem flexibilidade (comando rápido de intervalos grandes). Quanto maior o chi fre, mais aberta, no entanto, pode ser usado apenas sobre como efetivamente por quase toda a música normalmente encontrados, e quanto maior chifre com menos resistência exigirá alto fluxo de ar do jogador. Assim, para o jogador tentar desenvolver maior fluxo de ar, quanto maior o chifre não permitirá incorreto (Ar baixa) jogando. Usando a comb inação de grande furo chifre e # bocal broca 19 é uma excelente maneira de incentivar a (E aprender) diafragma corre to soprando. Um comentário adicional sobre o trompete em si preocupações o estado do interior do mouthpipe, e efeitos de turbulência devido às teclas de água e articulações, tanto no termina a afinação deslize eo fim bocal quan do inserido completamente na mouthpipe. De compressíveis teoria de fluxo de fluidos, sabemos que qualquer alarga mento pipe ou contração vai produzir uma queda de pressão no local de tal alargamento ou uma contração. Não há, portanto, um pequeno efeito devido ao ajuste de slides termina quando o slide é retirado mesmo uma pequena quanti dade. Isto pode ser detectado por jogadores mais sensível que vai notar que a trombeta sopra um pouco mais fácil quan do o slides de sintonia está totalmente inserido. Da mesma forma, o ajuste da bocal para o chifre produz o mesmo tipo de aumento em contra-pressão (resistência à sopro) se o final da haste bocal não se encaixa dentro do resplendor mouthpipe colar, contra o fim do mouthpipe. Estas considerações levaram a soluções como o ajuste fillits slide (inse rções) custom equipada e bocais sintonizável sino trombetas (que reduz o número de articulações do mecanismo de ajuste por um e, assim, um pouco reduz a pressão para trás). Turbulência causada pela água no projeto também foi reduzido em designs melhorados, que novamente resulta em uma mais um pouco livremente-blowing chifre. Felizmente, a sintonia chave efeitos de slide e de água são, na minha opinião, insignificante, e com o bocal desajus

te pode geralmente ser corrigido por dizer a fabricante bocal tipo de buzina para que o bocal se destina.

A condição do mouthpipe, no entanto, tem sido demonstrado ser de alguma importância considerável. Depósitos

que coletam aqui foram mostrados para afetar o atrito fator (para moléculas de ar esfregando contra o interior do

o tubo), de tal forma a afetar significativamente a quantidade de som irradiada do trompete. Medições foram feitas

que mostram (na rodada números) que apenas dez por cento da energia gasta na produção de um som de trom pete, emerge como irradiada de som. O restante, cerca de 90 por cento, vai para aquecimento da mouthpipe. Considere então, se o mouthpipe é muito limpo por dentro, podemos ver uma gota de dizem que 5 por cento na energia a perda de calor (para 85 por cento dos do total) e um aumento de 5 por cento no irradiada de som (para 15 por cento do total). Assim, aumentamos a nossa energia irradiada de som por um fator de:

0,15 (energia total) = 1 5 0,10 (energia total) - ou 50 %!!!!! Apenas com a limpeza do mouthpipe fora! A melhoria podem ser feitas soprando um conta-gotas cheio de óleo de válvula através do bocal e no tubo. O frequência desta limpeza e tratamento de lubrificação dependerá em quanto você faz jogar, mas para alguém que joga todo dia, eu diria que uma vez a cada poucas semanas se ria adequada. Também é importante a entonação e bocal geral desempenho em todas as freqüências mais com pleta gama dinâmica é uma garganta limpo e bocal backbore. Uma escova de bocal deve estar em cada horncase jogador. Um acúmulo de apenas alguns milésimos espessura de um centímetro de depósitos na garganta e backbore pode prejudicar um ataque de limpar e nivelar o campo durante um crescendo. Um comentário final sobre a trombeta refere-se à válvulas. Estes devem ser mantidos bem oleada, porque mesmo embora possamos pressioná-los para baixo muito rapidamente, temos que dependem de fontes para criá-los e até mesmo muito ligeiramente válvulas pegajosa pode prejudicar qualquer tipo de legato jogar rápido de forma sutil, um efeito distorcido geralmente resulta que tenderão a notas esfregaço juntos ou muff-los por completo, especialmente no registro agudo.

geralmente resulta que tenderão a notas esfregaço juntos ou muff-los por completo, especialmente no registro agudo.
A quantidade de tempo de treino necessário para dominar esta assim, melhorar a circulação. Eles
A quantidade de tempo de treino necessário para dominar esta
A quantidade de tempo de treino necessário para dominar esta

assim, melhorar a circulação. Eles são eficazes na resta uração plenitude à lábios que foram achatadas pela pressão depois de jogar muito a maneira prolongada a mudança para trombone por alguns minutos tenderá a restaurar a pressão deflacionados lábios. Sinto-me, no entanto, que enquanto um jogador está se acostumando com a embocadura revista su gerido neste método, ele fará melhor não introduzir um pedal embocadura tom em sua prática. Isto, creio eu, ter um efeito suspensivo na sua aquisição da nova embocadura em seus

padrões de reflexo e, assim, introduzir ineficiência urmeces sary em seu processo de aprendizagem.

O mesmo efeito (restauração da circulação sanguínea) é

realizado por descanso e nenhuma confusão reflexo seguirão. Meu sentimento é que tons de pedal, enquanto uma esquisiti ce interessante, têm pouca ou nenhuma aplicação musical e resíduos dotempo de jogador prática, quando sua função não- musical (restauração de circulação) é realizado muito mais construtivamente com o repouso. Restante foi incorporado explicitamente para os exercícios mostrados no Apêndice A.

3 Praticando o material inutilizável - prática deve ser objetivo orientado. Grande parte da ineficiência nos hábitos de prática vem da repetição de exercícios ocioso familiar e broca. O joga dor deve manter as habilidades motoras por tais broca, mas grande parte da "broca diária recomendada" em vários méto dos e livros de exercícios é totalmente improdutivas, desper diça tempo e, de fato, retarda o jogador em suas tentativas para alcançar o nível de proficiência necessários para exe cutar as demandas de música de hoje. Ao tentar dominar

habilidade particular depende, naturalmente, as habilidades do jogador a cair de velhos hábitos e adquirir novos, a sua desejo, inteligência, e assim por diante. Normalmente, eu correria o ris co de uma acho que em torno de três meses para uma alta ace itável "G", a ser adquirido por uma média, altamente motivado alta "C" do jogador, assumindo que cerca de 30 minutos por dia são aplicados com estes procedimentos e não outros (o que dilu

iria a eficácia). Log folhas prática são apresentados no Apêndice C. Os exercícios no Apêndice A são projetados para desmamar

o jogador de seu método ineficaz de jogar (para uma método efi

caz de jogar) com eficiência em mente, ou seja, para minimizar

o tempo de prática. Para reduzir ainda mais a prática tempo e

fazer melhor uso do tempo disponível, sugiro que, apesar de a prender a tocar no intervalo de Altissimo, o jogador evitar o seguinte:

1 Long ups com calorosa exercício físico vigoroso, alongamento e aquecimentos foram encontrados para evitar mus

cular e lesões do tendão. Tentando jogar imediatamente (sem aquecimento) no trompete leva com freqüência a produzir sons incorretamente (embocadura de pressão, errado, etc,) Embora concorde que os lábios são de tecido e alguns músculos faciais estão envolvidos, acredito que aqui, o analogia com as extremi dades exercício extenuante. Enquanto nós cuidadosamente ter em mente todos os procedimentos correctos (embocadura, bu zina para baixo, mão esquerda, etc), uma adequada aquecime nto pode ser feito em cinco minutos. A alta poucos alto volume "G" {ou "C") e mais alguns insultos lábio duas oitavas arpejos será suficiente, desde que nós descansamos entre estes para permitir a estabilização da circulação sanguínea para os lábios. Este aquecimento é mencionado no Apêndice A de forma explí cita.2 tons Pedal - estes destinam-se a apertar os lábios e

o registo Altissimo, eu sugerem que o jogador, no interes se da eficiência, suspender temporariamente
o registo Altissimo, eu sugerem que o jogador, no interes
se da eficiência, suspender temporariamente o excesso de
perfuração orientada esforços e
que o jogador, no interes se da eficiência, suspender temporariamente o excesso de perfuração orientada esforços

se concentrar no projeto à mão. Nossas primeiras priorida des estão a dominar a embocadura, pressão e fluxo de ar. Estamos melhor, pelo menos inicialmente, investir nossa prática tempo nesta direção, e será menos provável que voltar aos velhos hábitos.

4 A preocupação com o tom - trompetistas são fretemente

dividido entre seu desejo de uma "grande, escuro, rodada,

teutonic, bonito, etc "som, e um" canto, claro, brilhante, etc som ". Ambos são desejáveis e ter aplicação. Bem feitos, um grande, redondo, meio registo de som pode ser empur rado para um som de gritos com brilho e borda no registro agudo (geralmente pelo ar aumentando eo volume do som). Os dois sons são, no entanto, um tanto em probabilidades por causa do equipamento (boquilha e, em certa medida, trompete) necessária para produzi-los. Eu recomendo que ao tentar dominar a gama alta, que temporariamente adiar o nosso interesse em um som suave teutonic ou de qualquer tipo. A trombeta, acima de alta "C", é um alto, emocionante "Gritando" (se você) força na música de hoje. Nesta range, não estamos preocupados com o "calor ou suavidade", mas "agressiva", "str0ng" e até mesmo "brutal" vêm à men te. Eu sinto que desperdiça o tempo inicialmente para ser preocupado com jogo baixo ou com um som maduro o do bro de alta "G". Como o progresso jogadores, esta pode ser uma área que, eventualmente, é explorado, mas para agora, para o iniciante, este é unprolific.

5 dedilhados especiais acima alta "C" - por causa da Físi

ca da trombeta, dedilhados especiais acima de alta "C", vai produzir um pouco melhor entonação e tom qualidade pa ra a embocadura mesmo. Eu sinto que estes são um consi deração muito menor, no entanto, e não deve ser incomoda do com, exceto, possivelmente, para algumas aplicações al tamente especializadas (como brincar com um mudo). Por causa da densidade acima overtone alta "C", vários dedilha dos alternativos são possíveis. lntonation e qualidade de som, no entanto, pode ser alterado por suficientemente emboca dura e são, portanto, em grande parte uma questão de ouvido. Eu me sinto que, inicialmente, como uma questão de conve niência, os dedilhados a partir de meados de alta "C" pode ser usado de alta "C" para de altura dupla "C", ea explora ção de dedilhados alteradas pode ser deixado para futuros estudos.

A sutileza da prática que escapa a maioria dos jogadores é

que aumenta a proficiência entre as tentativas de exercício, i.el quando o chifre é silencioso. Se descansar depois de cinco ou seis

tenta executar um exercício para até sessenta segundos (ao invés de jogar mais ou menos continuamente) podemos substancialmente acelerar nosso progresso. Da mes

ma forma, se praticarmos duas vezes por dia, durante uma me

ia hora sessões, descansando por pelo menos meia hora en

tre as sessões em vez de praticar por uma hora contínua, um

efeito de aceleração semelhante pode ser visto. Uma vez que

a produção de som de alta é dominada, os objetivos da prática

deve ser coisas como a entonação, o controle, dinâmica, a fle xibilidade, ataque, etc Estes podem ser abordados da mesma forma que nos aproximamos do trompete midrange e varios

trompete "métodos" estão disponíveis atualmente.Para cultivar

o domínio perfeito da a faixa Altissimo, eu recomendo jogar nor

mal trompete exercícios uma oitava acima do que escrita, como um técnica prática construtiva. O método de Arban é especial mente adequada para isso, porque o alcance do trompete quando isto foi escrito foi levado para ser elevado "C". Um

artifício psicológico que eu encontrei para ser eficazes para

a abertura da laringe durante a reprodução de qualquer exer

cício uma alta oitava do que escrita, é a pensar que a escri

ta nota, enquanto na verdade soando a nota uma oitava su

perior. Isto é especialmente útil para o ascendente susten tada exercícios de tom inteiro mencionado na página 25. Para exemplo, quando se joga uma alta sustentada "C", pensamos média "C". Com a concentração, a garganta (que tende, por reflexo, para "up tenso" e se contraem em anteci pação de jogar a alto "C") pode ser "enganado" em relaxante para o estado "aberto" normalmente associados com média "C". A ausência de um "grunhido" ou batendo som na gargan ta, quando slurring para baixo a partir de qualquer alta nota, até "G" logo acima do pessoal, para o meio "C", será confir mar que a garganta tenha sido "enganado" aberto para o "G". Esta é uma ferramenta útil. Até o básico de alta produção de som foram absorvidos, eu recomendo que a busca de melhor ias, tais como ataque flexibilidade, etc ser temporariamente suspensa, e que este artifício será usado somente com os exer cícios sustentada de tons inteiros.

ser temporariamente suspensa, e que este artifício será usado somente com os exer cícios sustentada de
ser temporariamente suspensa, e que este artifício será usado somente com os exer cícios sustentada de
CONSIDERAÇÕESFINAIS Este livro foi escrito para fornecer uma compreensão explicação de tocar trompete e um
CONSIDERAÇÕESFINAIS Este livro foi escrito para fornecer uma compreensão explicação de tocar trompete e um

CONSIDERAÇÕESFINAIS

Este livro foi escrito para fornecer uma compreensão explicação de tocar trompete e um método de alta qual habilidade nesta área podem ser adquiridos pelos inter mediários para jogador avançado. Ênfase tem sido co locado sobre a eficiência do design exercício de forma a minimizar requisitos de tempo. Uma vez jogando Al tissimo é dominado, no entanto, deve-se lembrar que este é apenas uma parte (mas importante) pequena de tocar trompete. todos com muita freqüência encon tramos uma pessoa que pode desempenhar um extre mamente alta nota final para um gráfico de banda pal co, mas que é deficiente em jogar outro. O ponto é, que tocando alto por si só não fazem um trompetista. Qualidade de tom, a entonação, ataque, precisão, ve locidade e capacidade de leitura de vista são, obvia mente, todos os ingredientes importantes que entram em fazer-se o músico consumado.É quando estes são combinados com improvisação habilidade, que podemos designar corretamente um artista como um "artista". Ainda assim, devemos reconhecer que o trompete é alta

bronze, e que as vozes soprano tem, desde a sua

definição como tal, são admiradas por seu alcance

e potência em seu limite superior. Na verdade, é fá

cil ver uma analogia entre o desempenho extremo aqui e individuais habilidade atlética em que admi ramos a milha "mais rápido", o "maior" salto com vara, o salto "maior" ou a ampla pontuação golfe

"mais baixo". Assim, a nota de trombeta "mais alto"

é perseguido, provavelmente, para muito o psico

lógico mesmo motivo; ou seja o desafio. Os limites físicos que impedem um "10 milhas segundo" estão presentes, sem dúvida, com a trombeta também. A »Dez faixa de oitavas pro vavelmente não é possível (ou de qualquer uso). Mas o desafio será fazer com atletas e trompete jogadores para continuar a lutar em empurrar os fronteiras das limitações aparentes de hoje. Es peremos que alguns uma leitura e aplicação da metodologia neste texto um dia aventurar-se nes sa área inexplorada acima triple-alta "C". O autor deseja esta pessoa e todos os outros jogadores que aceitam o desafio e tentar a escalada, a me lhor absoluta de boa sorte!

deseja esta pessoa e todos os outros jogadores que aceitam o desafio e tentar a escalada,
deseja esta pessoa e todos os outros jogadores que aceitam o desafio e tentar a escalada,

APÊNDICE A

EXERCÍCIOS DE DESENVOLVIMENTO Estes exercícios são concebidos para levar o jogador progre ssivamente de seu
EXERCÍCIOS DE DESENVOLVIMENTO
Estes exercícios são concebidos para levar o jogador progre
ssivamente de seu limite de corrente para o dobro de altura
"C". Eles são completos e auto-suficiente e não requerem
trabalho suplementar, a menos que o jogador sente que po
de executar material adicional e observar as sugestões reco
mendadas em relação aderência embocadura, etc.
Exercício 4: A seguir, pretende usar o recomendado
embocadura em um tom pouco mais alto, mas não gostaria que
para assumir um conjunto diferente, por isso manter o "C"
capacidade e tentativa de aperfeiçoar um "G", assim:
O autor considera que uma melhor política é dominar a
materiais, pelo menos, através de Exercício 14, antes de com
pletar. O jogador deve rever "Resumo do Método "antes de ini
ciar, também, revisão" Diagnostic Mesa ".
Exercício 1: Usando o recomendado embocadura grip,
e buzina para fora, repita o seguinte até que ele se sente
confortável.
(Vibrato lábio em G)
Lembre-se de manter o lábio inferior curvada para trás.
Conscientemente relaxar e conscientemente tentar minimizar
pressão. Além disso, pensa "ahhh", e qualquer ou todos os
outros "pensar" itens mencionados na página de Fluxo de Ar 25.
Tenha em mente que a essência do que estamos tentando
fazer aqui é incorporar o seguinte em um in-
grados atividade:
a. lábio ondulado para trás (2 / 3 bocal de lábio inferior)
Exercício 2: Agora, supondo que o "C" está sob controle,
repetir o seguinte até que isso pode ser feito no
velocidade indicada.
b. aperto
c. pucker para aumentar altura
d. relaxamento
e. confiança
f. pressão mínima
g. distração mental (pensar "Ahhh")
h. "Suspiro" ou "exalam" respiração
(descanso entre as tentativas.)
Ao jogar o "E" curto, note que é para ser atingido por um
aumento ligeiro franzir e possivelmente muito movimento
da mandíbula pequena. A idéia é aumentar o tom de
embocadura sozinho.
Exercício 3: Este exercício é para ser jogado com
embocadura sozinho como foi Exercício 2. A idéia é ob
ter a sensação de tom ascendente estar intimamente
ligada com aumento pressionando junto dos lábios
(aqui chamado de "pucker").
Lembre-se de manter o lábio inferior curvada para trás.
i. chifre para fora
j. muita carne (lábio) e bocal entre os dentes
k. alto volume
1. vibrato lábio em "G"
Rever essas jogando e conscientemente trabalhar na
itens que você sente são fracos.
Exercício 5: Por esta altura, temos alguma familiaridade com
a embocadura e deseja treiná-lo para responder
instantaneamente (em vez de deliberadamente como nos últimos exer-
CISE) para uma demanda de campo aumentou. Para desenvolver este
resposta a um nível instintivo, nós agora tentar ex-
ecute uma ofensa lábio (que não deve exigir muito mais dos lábios
ação do que o vibrato lábio). Para tornar isso mais fácil no início
nós os derrotaremos a física do chifre, usando o
depressão válvula parcial na válvula de terceiros, com um e
(descanso entre as tentativas.)
Quando Exercício 3 pode ser executado na velocidade
150 indicado, vamos agora tem alguma idéia de como o
embocadura trabalha para aumentar o pitch. O uso de
alta o volume por toda parte, tenderá a manter a gargan
ta aberta. A velocidade do up-slur deterá realizá-la
com garganta e da ação de pressão, que tenderia a
ser instintivo em muitos jogadores.
duas totalmente deprimido.
Além disso, com este e qualquer um dos seguintes exercícios trill
(Apenas), a relutância da buzina para lançar a mudança pode ser
reduzida ainda mais, se desejar, colocando uma pesada la
algumas espessuras) toalha de mão sobre a extremidade do sino
(Seguro por um elástico). Isso irá interferir com
o nó última pressão que está alguns centímetros mais ou menos
fora e para além do final do sino. Os dois
notas do trinado tenderá a correr juntos um pouco,
mais ou menos fora e para além do final do sino. Os dois notas do trinado

continuam a ser distintos. Obviamente, isso não pode ser um arranjo permanente, porque, como com válvulas parcial, a qualidade do som da trombeta seria grosseiramente pre judicada. Esta é uma ferramenta de aprendizagem adici onais que podem ser usados com válvulas parcial que vai facilitar a introdução (e de transição entre) os exercícios trilling.(Uma vez que o trinado é dominado com a toalha no lugar, ele pode ser gradualmente retirado e, finalmente, dispensada completamente.) Ele tende a permitir que o novo método de brincando de ser absorvido, mesmo de forma mais suave e gradualmente que é uma das bases filosóficas subjacentes a concepção deste programa de exercícios.

Exercício 9: Agora nós tentativa de empurrar a embocadura ainda mais, a fim de ensiná-la por repetidas tentando (o trill) que ele pode ficar um "E" acima de "C" apenas deslizan do até ele. A fim de "untar a forma", mais uma vez, nós vai deprimir a terceira válvula um pouco e, se tivermos Exercício 8 dominou, Exercício 9 deve ser uma bastante fácil extensão. Mais uma vez, recorrer à voz alta para jogar ensinar a garganta para abrir. Comece devagar e trabalhar até a velocidade. Lembre-se para descansar. Além disso, reveja a lista em Exercício 4. A separação do lábio é mais uma vez de finido com a inicial do meio "C".

Descanso entre as tentativas
Descanso entre as tentativas

Este é um ponto crucial no desenvolvimento do jogador. Itens a. a 1. de Exercício 4 devem ser revistos e obse rvado com a exceção de i. Para o Exercício 9, vai que rer a buzina diminuiu ligeiramente (de 10 a 15 graus da horizontal) e mantido constantemente em esta posição, tanto para o "A" e "E" alta (ie chifre não mexer para ci ma e para baixo). Não altere a posição bocal, uma vez

que é definida pelo "C" inicial. Exercício 10: Como antes, quando a embocadura pode produzir Exercício 9, salien tamos que apenas um pouco mais por completamente levantar a válvula de terceiro, ou seja Exercício 10 é o mesmo que Exercício 9, mas com a terceira válvula para cima. Exercício 11: O próximo passo no desenvolvimento

Por favor, reveja novamente o a. pontos a 1. do Exercício 4 porque se aplicam aqui. Comece devagar e vá trabalhar até velocidade. Exercício 6: Para fazer a embocadura acomodar apenas um pouco mais, ele vai Exercício 6 o mesmo que Exercí cio 5,mas desta vez deixou a válvula de terceiros plename nte com válvulas um e dois deprimida como antes. Exercício 7: Neste ponto, vamos pedir a embocadura para flexione um pouco mais. Além disso, como estamos a jo gar um pouco mais elevados, nós queremos d0n't da gar ganta se contraiam (como bem pode tentar) então vamos intersperse alto tons inteiros com o lábio trinado. Mais uma vez revisão, pontos de a. a 1. (na verdade, leia-los para a dis tração enquanto você joga Exercício 7). começar lentamente e trabalhar até a velocidade. Deprimem válvulas e um dois completamente, e três muito ligeiramente. Lembre-se de de descanso entre as tentativas.

é o de ensinar a embocadura para sustentar o tom elevado. Até agora, temos apenas
é o de ensinar a embocadura para sustentar o tom elevado.
Até agora, temos apenas deslizou até "E" de alta e imedia
tamente caiu de volta para baixo novamente. Desta vez,
o trinado será retardado para baixo e terminou em "E" de alta.
Segure o "E", desde que seja confortável para obter
a sensação desta nota. De descanso entre as tenta
tivas.Exercício 12: Nesse ponto, somos capazes de
sustentar uma alta "E". Esta nota não é sólido, no
entanto, até que possamos executar que com o ata
que, vibrato, poder e. Antes de avançar mais, Sugiro
ler a seção sobre Fluxo de ar em Ch. 10 Para desen
volver o poder de ataque e vibrato, o seguinte exercí
cio pode ser alternado com
Exercício 11.
Exercício 8: para pedir um pouco mais da nossa embocadura
alojamento, vamos agora repetir o exercício 7, mas esta
tempo, com a válvula de terceiro (uma de um e dois para baixo
(Hit;. E! alta
vibrato e lábio uso)
7, mas esta tempo, com a válvula de terceiro (uma de um e dois para baixo

O

vibrato lábio necessário será garantia mínima pressão,

O

ataque duro deve ser praticado. O som alto poderoso

deve começar a sentir-se natural (assim como a garganta aberta) até agora. este exercício também pode ser jogado com o maior volume do alto "E" e apenas o volume f sobre

Exercício 20: Por esta altura, o processo de escalonamen

to deve ser óbvio. Temos de aumentar a faixa de um me io-passo de cada tempo até que tenhamos uma sólida al ta "G".Exercícios complementares: Neste ponto, nós po demos desejar incorporar algumas notas longas ("F" al to e "G") em nossa prática para construir a resistência do tecido labial e músculos faciais. Além disso, os exe rcícios de respiração mencionada em Ch. 10 pode ser praticada ocasionalmente, como o tempo permitir. Uma oitava insultos lábio, de moderada a alta ve locidade vai também ajuda na construção do conceito pucker / un pucker em seus padrões de reflexo embocadura, o que deve ser adiada,No entanto, até que o "G" acima alta "C"

o "C" (cresendo a partir de ffff). Quando Exercício 12 pode ser jogado à vontade,
o "C" (cresendo a partir de ffff). Quando Exercício 12 pode
ser jogado à vontade, podemos dizer que temos um "muito
bom" "E" de alta. Não se esqueça para diminuir o chifre um
pouco para o "E".
Exercício 13: A fim de não se especializar a embocadura, nós
agora vai passar algum tempo na parte inferior do registo.
é baixo controle.
Note-se que o maior volume não é necessário que a gar
ganta tenderá a ser aberto de qualquer maneira neste re
gisto. o f é único para o apoio tom e som completo. Além
disso, abaixo baixo "C", a buzina deve ser ligeiramente le
vantado para mover o vibrando apontam para o tecido mais
macio do lábio. bom ataque não deve ser difícil neste inter
valo, mas deve ser praticada.
Exercício 14: Agora vamos desenvolver um sentido de co
mo muito controle está disponível na embocadura de mo
do que nós não vai gastar muito do que para qualquer mu
dança de passo dado.
Para aumentar o alcance ainda mais, sugiro, a patir de
alta "G" (a nota de confiança por agora) e trilling imedia
tamente para duplo "C". Recuar a pressão e deixar o du
plo "C" para fora. Mestre do ataque, poder, flexibilidade e
como foi feito no aperfeiçoamento de alta "G" Lembre-se
de manter o chifre para baixo acima alto "C" e o volume.
Não se preocupe com a válvula parcial dedilhado aqui por
que a separação entre as notas é muito menos definido,
a resistência e, devido à acústica será insignificante. Ini
ciar em "G" com vibrato lábio e aumentar o vibrato largu
ra (no lado do balanço para cima) até que balançar até
double alta "C". Como antes, uma vez que tenhamos al
cançado o dobro "C", deslizando, então a prática de cor
rer até a double "C" e segurando-o. Finalmente, uma vez
que podemos segurá-la, prática atacá-lo sem o slide. O
seguinte três exercícios representam a discussão acima
explicitamente.Exercício 21: Trilling da dupla de alta "G"
para duplo alta "C".
Usar o vibrato lábio sobre o "E" de altura e os pontos de
revisão a.-1. do Exercício 4. Lembre-se de diminuir o chi
fre em alta Exercício 15: Neste ponto, a idéia de slurring
(trilling) 1 / 5 (Exercício 9), foi absorvido. Exercício 15 é
o mesmo que no início Exercício 9 meio C, mas slurring
de "B" plana com "F" de altura. A primeira válvula deve
ser até o fim e nem a segunda ou terceira para baixo a
penas ligeiramente. Este é apenas um passo meia aci
ma de onde estamos e é ainda mais perto (mais fácil)
do que um aumento de um passo-metade por causa da
slurring (trilling) e os derrotados acústica (válvula parcial
mente pressionado).
Exercícios de 16 e 17: Por analogia, Exercícios 16 e 17
são o mesmo que Exercícios 10 e 11, exceto o trinado é
de "B" plana com "F". Exercício 18: Este é o mesmo que
Exercício 12, mas com "F" de alta substituído por "E" de
alta. Exercício 19: Para este exercício, repetimos o exercí
cio 14, mas com "F" de alta substituído por "E" de alta.
Exercício 22: Correr até o dobro "C" e segurando-o.
Exercício 23: Ataque duplo alto "C".
de alta. Exercício 22: Correr até o dobro "C" e segurando-o. Exercício 23: Ataque duplo alto

Mais uma vez. para evitar a embocadura (alta),

é construtivo para a prática do intervalo total,

assim:

Exercício 24: Flexibilidade pode ser cultivada por praticando isso.

Quando Exercício 24 pode ser jogado de forma limpa, o jogador ter o comando respeitável da faixa Altissimo. con

trole até aqui deve ser desenvolvido por vários jogar iguras como é feito quando aprender jogando mid-range normal.

O jogador deve reler Ch. 12 em prática. Geralmente, uma

ferramenta excelente prática que irá cultivar gama alta es

tá jogando o normal exercícios que são encontradas quan

do se aprende técnica de trompete, um oitava mais alta do que escrito.

Para estender a faixa acima de altura dupla "C", pucker é aumentada, o fluxo de ar é aumentada, e pres são reduzida (deixar o som para fora). estou certeza de que ninguém sabe qual é o limite, eu tenho ouvido e pro duziu o triplo "C", mas a qualidade e volume foram meno

res do que útil em qualquer situação jogando prática. Se perseguir a perfeição dessa capacidade deve ser deixada ao critério do indivíduo. Uma palavra sobre aquecimentos

é

dada no cap. 12. enquanto estamos aprendendo, de al

ta

"G" pode ainda não estar disponível. é sugeriram que

alguns tons de comprimento, trinados lábio e dois arpe jos oitava ascendente com descanso entre deveriam su ficientes.

Para fechar este apêndice, eu sugiro o seguin te, como dispositivos que vai ajudar, tanto com estes exe rcícios e em situações de desempenho. Remova o chifre do seu boca ou pelo menos mantê-lo à pressão zero, quan do você está não jogar, ou seja, quando descansa de qual quer comprimento significativa (a alguns segundos) apare cer, relaxar os músculos faciais. Embrochure desenvolvi mento muscular e resistência será tanto beneficiar com isso. Além disso, embora a entonação é, obviamente,

40

muito importante, às vezes nós negligenciamos o fato de que quando jogamos em alto volume no registro agudo (ti picamente levar música trompete), a entonação pode mu dar substancialmente a partir do volume usual baixa mé dia registo "A" que é comumente usado para afinar. Bo cal e acústica trompete são muito complexos para que ele não é claro como uma combinação específica de ch

ifre e bocal irá executar até que realmente tentei no desem penho situações. Por esta razão, é uma boa idéia para s intonizar-se na faixa onde o jogo está a ser feito. Condu zir jogadores, por vezes, sintonia muito ligeiramente acen tuada, o que é aceitável se não for exagerado, porque ela tende a adicionar brilho para uma seção de trombeta. Pla nicidade leve em um trombeta chumbo, no entanto, é mui

to perceptível e inaceitável.

APÊNDICE A - Resumo Os exercícios no Apêndice A foram cuidadosamente e sutilmente concebidas; coisas como de alto volume, trinados rápidos, embrochure despesas (Ex. 14), acús tica derrotado, sobreposição de escalada de dificulda de, etc, são explicitamente enunciados e todas as ins truções devem ser estritamente observados. Um con ceito particular, mencionado de passagem em Exer- cício 2, no entanto, merece destaque especial, pois é fundamental para todas as tocar trompete. Esta é a idéia que o ouvido é aumentado pelo ajuste embocadu ra. Exercícios 2, 3 e 4, que são projetados para culti

var este noção, parece ser muito simples, mas na reali dade pode ser o mais difícil de executar corretamente.

A maioria dos jogadores, eu acreditam, incorretamente

combinar pressão, mais difícil de sopro e ajuste de em bocadura para alcançar notas mais altas, o auto-destru tivo seqüência procede como se segue. Volume requer difícil soprando. Isto leva a pressão para selar contra a perda de ar. A pressão, então, rapidamente desativa o embocadura. Para evitar isso, sugiro cuidado inicial

prática de exercícios 2, 3 e 4, e cultivo das atitude que, embocadura produz pitch, e ar produz volume. Estes do

is ingredientes (embocadura e ar) são de fato interativos,

especialmente acima Altissimo "G", mas, separando- os mentalmente enfatiza essencial liberdade emboca

dura. Mais para o programa de exercícios, vibrato lábio tende a realizar esse efeito, mas mesmo assim, será benéfico para mentalmente recordar o palavras "liber dade embocadura" quando chegar para qualquer no

ta superior a "G" logo acima do pessoal.

exercícios de manutenção Prática inadequada pode causar perda de amplitude, o controle e resistência.

exercícios de manutenção

Prática inadequada pode causar perda de amplitude, o controle e resistência. Freqüentemente, porém, um jo gador que está não realização diária não pode ser ca paz de prática para um ou mais dias por falta de opor tunidade do tempo, ou algum compromisso preventivo outros. Uma forma eficiente de prevenir a deterioração do controle, alcance e resistência, é gastar a prática disponível tempo de reprodução exercícios que são di rigidos especificamente para nestas áreas. Estes não devem tomar mais de quinze a 20 minutos a cada dia ou cerca de meia hora cada outro dia.

Os exercícios sugeridos são:

1. Trinados lábio em um intervalo de quinta como o exe

rcício 9. começar com "A" a "E" de alta, então faça "B" plana de alta "C" ao alto "G", etc

2. Sustentada tons inteiros (veja o Exercício 23).

3. Dois oitava ascendente escalas e arpejos.

4. Exercício 24.

Se Exercício 24 pode ser executado de forma limpa, a sua capacidade provavelmente não se deteriorou signifi cativamente.

provavelmente não se deteriorou signifi cativamente. LOGPRÁTICA Trompete dominar alta jogar, como qualquer outro

LOGPRÁTICA

Trompete dominar alta jogar, como qualquer outro instru

mental habilidade, será claramente requer prática. embo ra Isso parece óbvio, a disparidade às vezes, entre os nossos reais hábitos de prática eo quanto nós pensamos que somos prática pode ser surpreendente. No início do texto uma tempo aproximado de 30 minutos por dia foi sugerida como razoável. Isso depende do jogador e é al go que devem ser resolvidas pessoalmente. investir mais tempo do que isso não irá necessariamente produzir um proporcional retorno. O que é extremamente claro, entre tanto, é que algum tempo deve ser investido.

A fim de acompanhar o nosso progresso, concentrar a nos

sa prática atividade, e aumentar o envolvimento pessoal na aquisição desta habilidade, é altamente recomendável que páginas seguintes ser usado para log prática história.

O formato específico selecionado para este log

permite ao jogador verificar o seu progresso, para iden tificar áreas de problema, e geralmente mantêm o seu objetivo e seus esforços em direção a esse objetivo principal firmemente no caminho certo e claramente em vista o tempo todo. Qualquer projeto de rendimentos muito mais suave e é percebeu muito mais rapidamente quando é abordado sistematicamente. Um elemento essencial desta abor dagem sistemática a jogar de alta é o conhecimento de onde estamos, para onde vamos, qual a taxa, e que fo ra de tropeço blocos parecem ser. O log sugeriu que se segue irá gerar a história necessárias em cada uma de ssas áreas. Um suprimento de seis meses de formas é fornecido. uma vez novamente, é altamente recomendá vel que este log ser concluída no final de cada sessão de prática formal.

41

uma vez novamente, é altamente recomendá vel que este log ser concluída no final de cada

SOBRE O LIVRO `Desde que as pessoas gostam Maynard Ferguson, Chase e Bill Anderson Cat trompetistas mostrou em todos os lugares que a trombeta poderia ser jogado com poder e controle para dupla C elevado e acima, trompete trom petistas e nunca mais foram as mesmas. O sonho de todos os graves joga

dores se tornou instantaneamente e manteve-se, para emular essa proficiência. No entanto, este objetivo foi realizada por apenas alguns poucos afortunados. Ele continua a ser um eterno Graal - uma fonte constante de aparentemente sem recompensa trabalhos para a maioria dos jogadores. Os poucos jogado res que atingiram a casa de força alguma habilidade Altissimo são freqüente mente "naturais", e estão em uma perda para explicar como eles fazem isso. Vários métodos têm sido sugerido que tendem a trabalhar em alguma medida com alguns jogadores, mas o processo de jogar alta nunca tem sido extensi vamente analisados até agora. Este livro, escrito por uma pessoa que entende tanto a física e os aspectos musicais de tocar alto, é o trabalho definitivo nesta área. O autor desenvolveu um programa de exercícios que considera as sutilezas de jogar nunca antes investigados. Esses exercícios incorporam muitos elementos simultaneamente para produzir uma metodologia ideal e extremamente eficiente. Alguns dos tópicos considerados são:

- PRESSÃO - técnicas de minimização.

- Embocadura - física e design.

- FLUXO DE AR ??- relaxamento da laringe e da técnica zen.

- GRIP DE MÃO ESQUERDA - projetado para minimizar a pressão

- HORN ANGLE - efeitos de pivô.

- PRÁTICAS E WARM · Até - uma abordagem otimizada.

- EQUIPAMENTO - porta-vozes, suportou tamanho e efeitos de outros equipamentos.

- PSICOLOGIA DO JOGO ALTO - Efeito de

- Física da TROMBETA - perdas de pressão e energia distribuição.

- PROGRAMA DE EXERCÍCIOS ESPECIALMENTE PROJETADO - inclui parcial

técnicas da válvula e uso de nós de pressão externa para além do sino. Nós da Barnhouse acreditam sinceramente este livro pode ser um dos principais "Ferramentas" na biblioteca de um trompetista, e que a exposição a este sistema beneficiará todos os jogadores do iniciante ao profissional. Os editores