Você está na página 1de 33

O ASSÉDIO MORAL NO

AMBIENTE DE
TRABALHO
Profa. Adriana Calvo

Professora de Direito do Trabalho e Mestre em Direito


do Trabalho pela PUC/SP
INTRODUÇÃO

Professora Convidada do Curso de Pós-Graduação em Direito do Trabalho da FGV/ RJ;


Professora Convidada do Curso de Pós-Graduação de Direito do Trabalho da PUC/PR;
Professora de Direito do Trabalho para Concursos Públicos – OAB e Magistratura do
Trabalho;
Professora de Direito do Trabalho do curso de Graduação da Uninove-SP;
Especialista em Direito do Trabalho pela PUC/SP;
Especialista em Administração de Recursos Humanos pela FGV;
Especialista em Previdência Complementar pela Gvlaw;Especialização em Direito
Americano – “Legal Assistantship” pela UCI/ California;
Membra pesquisadora do Instituto de Direito Social Cesarino Jr.;
Experiência de 12 anos como advogada trabalhista em grandes bancas de advocacia de
São Paulo;
Bacharelado em Direito pela USP/SP.
INTRODUÇÃO

É possível matar alguém só com


palavras?
A humilhação no ambiente de
trabalho (ou qualquer ambiente)
pode provocar traumas e
problemas à saúde do
empregado?
DADOS ESTATÍSTICOS

A OMS (Organização Mundial da Saúde) prevê o


aumento galopante das doenças ligadas às formas de
gestão e organização do trabalho.

Nas próximas décadas irão dar corpo a uma era de


novas doenças profissionais (as doenças psicológicas).

(*MENEZES, Cláudio Armando Couce de, p. 13).


ASSÉDIO SEXUAL

“Pedido de favores sexuais pelo superior hierárquico,


com promessa de tratamento diferenciado em caso de
aceitação e/ou ameaças, ou atitudes concretas de
represálias no caso de recusa, como a perda de emprego,
ou de benefícios".

* Ernesto Lippman - Assédio Sexual nas Relações de Trabalho, LTr, São Paulo,
2001.
CRIME DE ASSÉDIO SEXUAL

“Constranger alguém com o intuito de levar vantagem


ou fornecimento sexual, prevalecendo-se o agente de
sua forma de superior hierárquico, ou ascendência
inerente a exercício de emprego, cargo ou função”.

* O crime de assédio sexual foi introduzido pela Lei 10.224/01.


ASSÉDIO SEXUAL

O assédio sexual é uma forma de abuso de poder no


ambiente de trabalho. Há 2 tipos de assédio sexual:

1. Chantagem: é o tipo criminal previsto pela Lei


10.224/01 e;
2. Intimidação: intenção de restringir, sem motivo, a
atuação de alguém ou criar um circunstância ofensiva ou
abusiva no trabalho.
CONCEITO DE ASSÉDIO MORAL

O assédio moral no trabalho é o "terror


psicológico" impingido ao trabalhador,
"ação estrategicamente desenvolvida
para destruir psicologicamente a vítima e
com isso afastá-la do mundo do trabalho"

(cf. Márcia Novaes Guedes, in "Mobbing – Violência Psicológica no Trabalho",


Revista LTr, 67-2/162/165).
CONCEITO DE ASSÉDIO MORAL

"Mobbing”, assédio moral ou terror


psicológico” são sinônimos
destinados a definir a violência pessoal,
moral e psicológica no ambiente
laboral.
CONCEITO DE ASSÉDIO MORAL

O termo mobbing foi empregado pela primeiro


vez pelo etiologista Heinz Lorenz, ao definir o
comportamento de certos animais que
circundando de forma ameaçadora outro
membro do grupo, provocam sua fuga por
medo de um ataque.
O ASSEDIADOR

Quem pode ser o autor de tais atos?


O seu próprio colega de trabalho?
O seu superior hierárquico?
O grupo de empregados contra o próprio
Chefe/Líder?
Chefe/Líder também sofre assédio moral?
No mundo do trabalho, o assédio moral ou mobbing
pode ser de natureza:

vertical - a violência parte do chefe ou superior


hierárquico;

horizontal - a violência é praticada por um ou vários


colegas de mesmo nível hierárquico;

ou ascendente - a violência é praticada pelo grupo


de empregados contra um chefe.
CONCLUSÃO: QUALQUER PESSOA NA
EMPRESA PODE SOFRER UMA AÇÃO DE
ASSÉDIO MORAL, INCLUSIVE OS
SUPERIORES HIERÁRQUICOS.

É equivocado pensar que o assédio moral


ocorre somente na relação vertical (chefe-
subordinado).
COMPORTAMENTOS DE ASSÉDIO MORAL

Quais são os atos que tipificam assédio


moral? Uma simples brincadeira entre colegas
de trabalho pode caracterizar assédio moral?
Uma exagerada cobrança de metas por parte
gestor? Ou é necessária uma verdadeira
perseguição à vítima?
Segundo a doutrina trabalhista, há 3 (três) grupos de
comportamentos:

 um grupo de ações se desenvolve sobre a


comunicação com a pessoa atacada;
 outro grupo de comportamento se assenta sobre a
reputação da pessoa (vida pessoal do empregado);
 ações do terceiro grupo tendem a manipular a
dignidade profissional da pessoa (vida profissional
do empregado).
• “ASSÉDIO MORAL. CONTRATO DE INAÇÃO.
A tortura psicológica, destinada a golpear a auto-estima do
empregado, visando forçar sua demissão ou apressar a sua
dispensa através de métodos que resultem em sobrecarregar o
empregado de tarefas inúteis, sonegar-lhe informações e fingir
que não o vê, resulta em assédio moral, cujo efeito é o direito à
indenização por dano moral, porque ultrapassa o âmbito
profissional, eis que minam a saúde física e mental da vítima e
corroem a sua auto-estima...No caso dos autos, o assédio foi
além, porque a empresa transformou o contrato de atividade em
contrato de inação, quebrando o caráter sinalagmático do
contrato de trabalho e, por conseqüência, descumprindo a sua
principal obrigação, que é a de fornecer o trabalho, fonte de
dignidade do empregado. (TRT 17ª R – RO 2276/2001 – Relª
Juíza Sônia das Dores Dionísio –09.03.2002)”.
2. ASSÉDIO MORAL. AMEAÇA DE DISPENSA.

Dispensar o empregado é direito potestativo do


empregador. Não se admite, porém, que lance mão
habitualmente da ameaça da utilização desse direito
para pressionar o empregado, visando o aumento de
produção. Ao assim agir, inclusive submetendo o
empregado a comentários humilhantes e vexatórios
sobre sua produção e capacidade, configura-se o
assédio moral, passível de indenização, pois afeta
diretamente a dignidade do trabalhador e a sua
integridade psíquica e até física, violando princípio
fundamental da Constituição da República (art. 1o, III
da C.F.). * DJMG DATA: 24-07-2004 PG: 14.
1. ASSÉDIO MORAL. Danos Morais.

Quando o empregador obriga o seu empregado a


submeter-se a exame psiquiátrico além do regular e
periódico, sugerindo que ele seja portador de
doença mental, acatando indicação do superior
hierárquico motivada na suspeita de um
comportamento "arredio e calado" que é
atribuído ao obreiro, este empregador ultrapassa os
limites de atuação do seu poder diretivo para atingir
a sua dignidade e a integridade física e psíquica
*DJMG DATA: 07-08-2004 PG: 11
5. “DANO MORAL. COBRANÇA DE DÍVIDA
PARTICULAR”

Configura-se situação de assédio moral o


constrangimento de subordinada a carinhos não
solicitados e indesejados, no ambiente de trabalho,
associado à cobranças públicas de regularização de
situação financeira particular e dissociada da empresa.

(Processo: 00967.013/00-3 (RO). Data de Publicação: 09/06/2003).


6. Unibanco paga R$ 2 milhões por assédio moral de EX-
EXECUTIVO.

O Unibanco terá de pagar indenização de R$ 2 milhões a um ex-


executivo, vítima de assédio moral. Segundo os autos, Paulo
César Barreiro Monteiro começou a trabalhar no banco como
caixa em 1982. Vinte anos depois, foi promovido a
superintendente regional. A juíza reconheceu que houve "odiosa
perseguição" e que o executivo "foi submetido a situação
absolutamente vexatória, com troca de mobiliário e
computadores por peças inferiores e retirada de motorista, em
tratamento
discriminatório com relação a outros empregados na mesma
posição hierárquica".
ASSÉDIO MORAL INSTITUCIONAL. DANO MORAL
COLETIVO. MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO.

Segundo R. Limonge França: “o dano moral coletivo é


aquele que direta ou indiretamente, a pessoa física ou
jurídica, bem assim a coletividade, sofre no aspecto não-
econômico dos seus bens jurídicos”.
Dança das cotas. Ambev deve pagar R$ 1 milhão por assédio
moral coletivo

A decisão é do TRT da 21ª Região (Rio Grande do Norte), que


considerou que a empresa praticava o assédio contra os
empregados que não atingiam a cota de vendas.

A ação por dano coletivo foi ajuizada pelo MPT, que apontou a
prática de condutas atentatórias à dignidade dos trabalhadores.
Segundo o MPT, os trabalhadores que não atingissem as metas
de vendas eram punidos e obrigados a passar por situações
vexatórias, como o impedimento de sentarem durante as
reuniões, a obrigação de dançar na frente dos outros e de
usarem camisas com dizeres ofensivos.
Fonte: Revista Consultor Jurídico, 23 de agosto de 2006
Investigação: Ambev diz ao MP que assédio moral na empresa
não existe mais

Representantes da Ambev e procuradores do MPT reuniram-se


nesta quinta-feira para discutir as bases de um acordo nacional
que ponha fim à investigação aberta pelo MP a partir de
denúncias de assédio moral contra empregados que não atingem
metas da empresa. Os procedimentos só serão encerrados se a
Ambev se comprometer a impedir a prática.

Fonte: Plantão | Publicada em 08/11/2007 às 15h27m Jornal O Globo


Para os procuradores, tudo indica que a prática decorre da política
remuneratória da Ambev, com salários que variam em função do
alcance ou não das metas.

-Não queremos ensinar a Ambev como remunerar seus


empregados nem interferir no poder de mando da empresa,
apenas daremos nossa visão do que precisa ser feito para que o
problema não se repita. A nossa preocupação é o bem-estar dos
trabalhadores - afirmou o procurador José Cláudio.

Fonte: Plantão | Publicada em 08/11/2007 às 15h27m Jornal O Globo


POLÍTICAS INTERNAS DE COMBATE:

Um grande número de empresas têm


implementado políticas internas de combate ao
assédio moral, tais como ouvidoria
interna/externa e treinamento para os
empregados, principalmente gestores.
POLÍTICAS INTERNAS DE COMBATE:

Além disso, é possível inserir cláusula no contrato de


trabalho, pela qual o assediador poderá responder
diretamente pelos prejuízos causados à empresa, como
caráter pedagógico aos demais empregados.
CÓDIGO DE CONDUTA

Assédio moral, sexual e abuso de direito:


Para qualquer tipo de assédio ocorrido na
organização, haverá tratamento rigoroso,
conforme leis e regulamentos externos e
internos aplicáveis. As empresas consideram
que o ambiente de trabalho deve ser livre
deste tipo de comportamento
DICAS DE PREVENÇÃO:

Primeiramente, conscientização dos próprios


empregados, pois o ASSEDIADOR é antes de tudo
um Empregado. É um empregado que assedia outro
empregado, independente do nível hierárquico (o
assédio pode ocorrer em todos os níveis).
DICAS DE PREVENÇÃO:

Conscientização das empresas, pois apesar dos


trabalhadores serem os principais atingidos, de forma
direta, elas acabam indiretamente perdendo, tanto nos
custos tangíveis, como eficiência, aumento de
acidentes e doenças no trabalho, como nos intangíveis,
que vão desde a sua reputação até as suas relações
com a sociedade.
DICAS DE PREVENÇÃO:

Conscientização de toda a sociedade, com a tomada


de atitudes efetivas, com base em leis já existentes e
na ação solidária, para que haja uma conscientização
coletiva de que o assédio moral não é um mal que se
dá apenas com o outro, pois a sua grande vítima, é a
própria sociedade.
REFLEXÃO FINAL:

“O homem se humilha, se castram seus sonhos,


seu sonho é sua vida, sua vida é o trabalho e
sem o trabalho, o homem não tem honra e
sem a sua honra se morre se mata.....”

http://letras.terra.com.br/gonzaguinha/250255/#
Muito obrigada por sua atenção!

Contato:

adriana@calvo.pro.br

site: www.calvo.pro.br