Você está na página 1de 5

Criado por SuperVestibular.com

Cinemática

Grandezas M.U. M.Q.L. M.C.U. M.H.S básicas x = v . t 2 gt v =
Grandezas
M.U.
M.Q.L.
M.C.U.
M.H.S
básicas
x = v . t
2
gt
v =
. R
x
h
=
v
.
t
+
(m/s = rad/s.m)
Período do pêndulo
v = constante
o
v
=
(m/s)
2
simples
2
m
t
2
= =
2
. f
v
L
M.U.V.
h
=
o
v
T
T
= 2
2
a
=
(m/s 2 )
at
max
2 g
2
g
v
t
x
=
v
.
t
+
o
a c =
=
2 R
.
2
v
R
=
o
v
=
v
+
at
.
t h max
_
m
km
o
g
n º voltas
Período do pêndulo
elástico
1
=
3 6
,
f =
2
2
v
=
v
+
a
x
s
h
o
t
m
T
= 2
1h = 60 min =
v
+
v
(Hz)
k
v =
o
3600s
t
m
2
1m = 100 cm
1km = 1000 m
T
=
(s)
a = constante
n º voltas
Dinâmica
2ª Lei de Newton
Força Peso
Energia Cinética
Trabalho Mecânico
Plano inclinado
2
F
=
ma
.
P = m. g
mv
= F . x
P
=
P
. c os
y
R
E C =
(J)
(J = N . m)
(N = kg.m/s 2 )
2
P
=
P
. se n
= F . x . cos
= E
x
Força Elástica
(Lei de Hooke)
F resul
_
t an
te
C
Quantidade de
Gravitação Universal
F = k . x
Movimento
M m
.
Energia Potencial
Gravitacional
E PG = m.g.h
F
=
G
.
Potência Mecânica
Q
= m. v
(kg.m/s)
Força de atrito
2
d
f = . N
Energia Potencial
P
=
(W = J/s)
2
N m
.
t
Elástica
Impulso de uma força
G
= 6 67 10 11
,
x
2
ou
2
kg
kx
I =
F . t
(N.s)
Momento de uma
força
(Torque)
M = F.d
P = F . v
E PE =
2
I = Q
Fluidos
Massa específica
Empuxo (Arquimedes)
Prensa hidráulica
1m 3 = 1000 L
1cm 2 = 10 -4 m 2
E
=
.
gV
.
(Pascal)
1atm=10 5 N/m 2 = 76 cmHg=
= m
Liquido
submerso
p
=
p
10mH 2 O
v
Peso aparente
1
2
P
F
f
( kg/m 3 )
P
E
1
=
2
ap =
agua = 1000 kg m 3
/
A
1 a
2
Pressão
3
= 910
kg m
/
Pressão absoluta
oleo soja
_
F
p =
p
= p
+
.
gh
.
3
(N/m 2 )
= 790
kg m
/
atm
alcool etilico
_
A

Colégio Nobel – O Nobel aprova em todas as áreas – http://www.colegionobel.com.br

1

Física Térmica

Escalas termométricas Capacidade T T 32 T 273 Térmica 1 º Lei da Termodinâmica Energia
Escalas termométricas
Capacidade
T
T
32
T 273
Térmica
1 º Lei da
Termodinâmica
Energia cinética média das
moléculas de um gás
C
F
K
=
=
Q
Q =
+ U
3
1
5
9
5
2
C
E
=
k T
.
=
mv
.
CM
media moleculas
_
= T
2
2
Dilatação linear
(J/ºC)
L
=
L
.
T
C
= m. c
k  constante de Boltzmann
k = 1,38x10 -23 J/K
o
(m = ºC -1 . m . ºC)
Trabalho em uma
transformação
isobárica.
Calor específico
= p. V
Dilatação superficial
Q
c =
(J
= N/m 2 . m 3 )
S
=
.
S
.
T
o
m
.
T
Calor específico da água
c = 4,2 kJ/kg.K = 1 cal/g. o C
(J/g.ºC)
Dilatação volumétrica
Gases ideais
V
=
.
V
.
T
Calor latente de fusão da água
L F = 336 kJ/kg = 80 cal/g
Calor sensível
pV
pV
o
1
1
Q
= m. c. T
=
2
2
T 1 T
Calor latente de vaporização da
2
água
=
=
(p
 N/m 2 ou atm)
L V = 2268 kJ/kg = 540 cal/g
1
2
3
(V
 m 3 ou L)
Calor latente
Q
= m. L
(T
 K)
(J = kg . J/kg)
Óptica Geométrica
Lei da reflexão
i = r
Equação de Gauss
Ampliação
Reflexão interna total
n
menor
1
1
1
sen L  =
i
d
f
=
+
A =
=
i
=
n
Associação de
maior
f
d
d
o
d
f
d
espelhos planos
i
o
o
o
o
360
L é o ângulo limite de
incidência.
n =
1
ou
Índice de refração absoluto de um
meio
Vergência,
n  número de
imagens
f . d
convergência ou “grau”
c
o
d
=
n
=
de uma lente
i
d
f
meio
v
o
1
meio
V =
Espelhos planos:
f
Imagem virtual, direta e
do mesmo tamanho
que o objeto
f
= distância focal
Lei de Snell-Descartes
d
i = distância da
(di = 1/m)
imagem
n
. s en
i
=
n
. s en
r
1
2
d
o = distância do objeto
Espelhos convexos e
lentes divergentes:
Convenção de sinais
Índice de refração relativo entre
dois meios
Obs.: uma lente de
grau +1 tem uma
vergência de +1 di
d
i +  imagem real
Imagem virtual, direta e
menor que o objeto
v (uma dioptria)
n
s en i
d
o -  imagem virtual
n
=
2
=
=
1 =
1
2 ,1
n
sen r
v
Miopia
f
+  espelho
1
2
2
Para casos aonde não
há conjugação de mais
de uma lente ou
espelho e em
condições gaussianas:
* olho longo
côncavo/
* imagem na frente da
lente
Equação de Halley
retina
convergente
1
1
1
f
-  espelho convexo/
lente divergente
=
( n 1 )
+
Toda imagem real é
invertida e toda
imagem virtual é direta.
f
R
R
* usar lente divergente
Hipermetropia
* olho curto
1
2
d
o é sempre + para os
casos comuns
*
imagem atrás da
retina
sempre + para os casos comuns * imagem atrás da retina Colégio Nobel – O Nobel

Colégio Nobel – O Nobel aprova em todas as áreas – http://www.colegionobel.com.br

2

* usar lente convergente Ondulatória e Acústica
* usar lente
convergente
Ondulatória e Acústica
o n v = . f Qualidades fisiológicas do som Cordas vibrantes ondas (m/s =
o
n
v = . f
Qualidades fisiológicas do som
Cordas vibrantes
ondas
(m/s = m .
f
=
(Hz)
Hz)
t
F
= v . T
(m = m/s . s)
v
=
(Eq.
t
T
=
(s)
Fenômenos ondulatórios
o
Altura
Som alto (agudo): alta
freqüência
Som baixo (grave):baixa
freqüência
Taylor)
n
ondas
Reflexão: a onda bate e
volta
= m
L
f
= 1
(kg/m)
T
Refração: a onda bate e
muda de meio
Intensidade ou volume
Som forte: grande amplitude
Som fraco: pequena amplitude
v
Difração:
a
onda
f
=
n
Nível sonoro
Espectro eletromagnético
no vácuo
. 2 L
I
N
= 10 log
n  n o de ventres
Raios gama
contorna um obstáculo
ou fenda (orifício)
Interferência:
Ultra violeta
superposição de duas
ondas
Polarização: uma onda
I O
Raios X
Roxo
Azul
Luz
Verde
transversal que vibra em
muitas direções passa a
vibrar em apenas uma
(houve uma seleção)
Dispersão: separação da
Timbre
Cada instrumento sonoro emite
ondas com formas próprias.
Tubos sonoros
Abertos
Amar.
f
=
n v
visível
Laran.
2 L
Efeito Dopler-Fizeau
Verm.
Fechados
luz branca
nas
suas
V
v
v
componentes.
Ex.: arco-íris e prisma.
Ressonância:
o
f
= ( 2 1) 4
n
Infravermelho
f
=
± . f
o
L
Microondas
v
± v
f
TV
n  n o de nós
FM
AM
Luz: onda eletromagnética e
transversal
FREQUÜÊNCIA
transferência de energia
de um sistema oscilante
para outro com o sistema
emissor emitindo em uma
das freqüências naturais
do receptor.
Som: onda mecânica
longitudinal nos
fluidos e mista nos
sólidos.
Eletroestática
Carga elétrica de um
corpo
Vetor campo elétrico
gerado por uma
carga pontual em um
ponto
Energia potencial
Campo elétrico
2
1
cm
= 10
m
elétrica
uniforme
Q
= n. e
6
Qq .
1
C
= 10
C
E
PE = k .
F
= E . q
e =
1 , 6 10 19
x
C
d
(N
= N/C . C)
Q
E
=
k .
Lei de Coulomb
2
d
Potencial elétrico em
um ponto
V
E d
.
Qq .
AB =
Q + : vetor divergente
F
=
k .
Q
(V
= V/m . m)
2
Q - : vetor
d
V A =
k
.
convergente
d
k
vácuo =9.10 9 N.m 2 /C 2
= q .V
AB
AB
(J = C . V)

Colégio Nobel – O Nobel aprova em todas as áreas – http://www.colegionobel.com.br

3

Eletrodinâmica

Eletromagnetismo Força magnética sobre uma carga em movimento Força magnética sobre um condutor retilíneo Fluxo
Eletromagnetismo
Força magnética sobre uma
carga em movimento
Força magnética sobre um
condutor retilíneo
Fluxo magnético
F = B . i . L s en
= B. A. cos
i
F = q . v . B. s en
Wb = T . m 2
.
d
 ângulo entre v e B
Se:
Força magnética entre dois
fios paralelos
i . i
FEM induzida
Lei de Faraday
v / / B
F
= k
.
1
2
. L  k =
= 0 o
ou
=180 o  MRU
d
2
=
Atenção!
Correntes de mesmo sentido:
t
v B
ATRAÇÃO
Haste móvel
= 90 o
 MCU

Corrente elétrica

i =

Q

t

(C/s)

1 a Lei de Ohm

V

AB =

(V =

Ri

.

. A)

2 a Lei de Ohm L R = . A 2 A µ r 2
2 a Lei de Ohm
L
R = .
A
2
A
µ r
2
A
µ D
r  raio da secção reta fio
D  diâmetro da secção
reta
 resistividade elétrica
do
material
=
. m
<
<
cobre
aluminio
ferro

Resistores em série

R

Total =

R

1

+

R

2

+

.

Resistores em paralelo Vários resistores diferentes 1 1 1 = + + R R R
Resistores em paralelo
Vários resistores diferentes
1
1
1
=
+
+
R
R
R
Total
1
2
Dois resistores diferentes
R R
R
+ R
1
2
Vários resistores iguais
R de um deles
_
= _
R Total
o
n
Geradores reais V = V V Fornecida Gerada Perdida V ri . AB = i
Geradores reais
V
=
V
V
Fornecida
Gerada
Perdida
V
ri
.
AB =
i =
R
+ i
V AB  ddp nos terminais do
gerador
 fem
r  resistência interna
R  resistência externa
(circuito)

Consumo de energia elétrica

E = P. t

SI (J = W .

s)

Usual kWh = kW . h)

Dica:

10

min = 1/6 h

15

min = ¼ h

20

min = 1/3 h

Potência elétrica ( 1 ) P = iV . 2 V ( 2 ) P
Potência elétrica
( 1 )
P
= iV
.
2
V
( 2 ) P =
R
2
(
3
)
P
=
Ri .
Sugestões:
(2)  resistores em
paralelo
V = igual para todos
(3) resistores em série
i = igual para todos

Lâmpadas

Para efeitos práticos:

R = constante

O brilho depende da POTÊNCIA efetivamente dissipada

 

Chuveiros

V

= constante

R

I

P

E

T

R: resistência I: corrente P: potência dissipada E: energia consumida T: temperatura água

R Total =

1

.

2

T: temperatura água R Total = 1 . 2 Vetor campo magnético em um ponto próximo

Vetor campo magnético em um ponto próximo a um condutor retilíneo

B

= k

k =

2

Vetor campo magnético no centro de uma espira circular de raio r

i

r

Raio da trajetória circular

Correntes de sentidos contrários:

REPULSÃO

r Raio da trajetória circular Correntes de sentidos contrários: REPULSÃO = L . B . v

= L. B. v

Transformador (só Corrente

B

= k

N

Colégio Nobel – O Nobel aprova em todas as áreas – http://www.colegionobel.com.br

4

mv . = 4 .10 -7 T.m/A Alternada) k = R = V N i
mv .
= 4 .10 -7 T.m/A
Alternada)
k =
R =
V
N
i
2
q . B
(permeabilidade magnética
do vácuo)
1
=
1
=
2
V
N
i
2
2
1
Vetor campo magnético
no centro de um
solenóide
Para outros ângulos  MHU
(Movimento Helicoidal
Uniforme)
N
B
= k i
.
.
 k =
L

Colégio Nobel – O Nobel aprova em todas as áreas – http://www.colegionobel.com.br

5