Você está na página 1de 6

DIREITO DAS SUCESSÕES

ESPÉCIES DE SUCESSÕES

QUANTO À FORMA
1. sucessão legítima  conforme a vontade da lei porque não existia testamento, a lei presume a
vontade do de cujus;
2. sucessão testamentária  o de cujus deixou um testamento dispondo como ficaria seu patrimônio;

QUANTO AOS EFEITOS


1. título universal  recebe uma universalidade de bens ou fração desta universalidade (herdeiro);
2. título singular  recebe um legado (coisa certa ou determinada ou dinheiro) legatário;

ABERTURA DA SUCESSÃO OU SAISINE (1784)  no momento da morte ocorre a transmissão dos


bens do de cujus.
• Comoriência  ocorre quando duas ou mais pessoas que são herdeiros entre si morrem no
mesmo momento, sem ter como determinar quem morreu antes  não há transmissão de
bens entre os comorientes.

REQUISITOS PARA PODER SUCEDER


• capacidade  no sucessor vivo, verifica-se esta quando da abertura da sucessão / exceção:
nascituro (já está concebido) e prole eventual (pode vir a existir ou não)  para este, o
prazo máximo será de 2 anos, nesse período os bens ficarão com um curador.
• ordem de vocação hereditária (1829)
1. descendentes, em concorrência com o cônjuge sobrevivente;
2. ascendentes, em concorrência com o cônjuge;
3. cônjuge sobrevivente;
4. colaterais

LUGAR DA ABERTURA DA SUCESSÃO  1785  último domicílio do de cujus.

INDIVISIBILIDADE  1791  é considerada um bem imóvel / é indivisível até a partilha / no período


de indivisibilidade vigoram entre os herdeiros as regras do condomìnio.
1
ACEITAÇÃO E RENÚNCIA DA HERANÇA
• aceitação tácita  não aceita expressamente, mais pratica atos de herdeiros;
• aceitação expressa  através de escritura pública ou particular;
• aceitação presumida  relacionada a idéida do silêncio (se em 30 dias, após intimado pelo juiz a
se manifestar, o herdeiro se omite);
• ***** no Novo Código Civil – a aceitação é irretratável (total)
• a renúncia – só se admite de forma expressa (por instrumento público ou termos nos autos)
• ***** não existe renúncia translativa (renunciar em favor de alguém)

SUCESSÃO LEGÍTIMA
SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE – é a 3.ª classe da ordem de vocação hereditária.
• Só herdam a totalidade dos bens na falta de descendentes e ascendentes sucessíveis;
• *** não confundir meação com herança;
• São herdeiros necessários, o que lhes garante a proteção da legítima (o testamentário não pode
mexer nos 50%);
• Só pode ser herdeiro se preenchidos os requisitos do artigo 1830 (somente é reconhecido direito
sucessório ao cônjuge sobrevivente, se ao tempo da morte do outro, não estavam separados
judicialmente, nem separados de fato a mais de 2 anos);
• Direito real de habitação (1831);
• Direito de concorrência com os descendentes e ascendentes;

SUCESSÃO DOS PARENTES COLATERAIS – é a 4.ª classe na ordem de vocação hereditária.


• Só herdam na falta de descendentes, ascendentes e cônjuge;
• Só até o 4.º grau – irmãos, sobrinhos, tio, sobrinho-neto, tio-avô, primo;
• Irmãos bilaterais / germanos (mesmo pai e mesma mãe) X irmãos unilaterais – estes herdam a
metade do que os irmãos germanos tem direito;
• Não são herdeiros necessários – não tem direito à legítima;

SUCESSÃO DOS DESCENDENTES – é a 1.ª classe da ordem de vocação hereditária.


• Pode ser: por cabeça (direitos próprios) ou por estirpe (por representação)

2
Concorrência com os cônjuges (art. 1829, I)
• Permitido – comunhão parcial / separação de bens convencional / participação final nos aquestos;
• Não permitido – separação obrigatória / comunhão universal.
• ( + ) observância do artigo 1830 (somente é reconhecido direito sucessório ao cônjuge
sobrevivente, se ao tempo da morte do outro, não estavam separados judicialmente, nem separados
de fato a mais de 2 anos);
• Terá direito a uma quota igual a dos descendentes, com quem tiver concorrência (por cabeça) e,
nunca poderá ser inferior a 1/4 da herança, se tiver concorrência com descendentes comuns, ou
seja, que sejam seus também;
Concorrência com companheiros (art. 1790)
• Apenas os adquiridos onerosamente na vigência da união estável;
• Sua cota será igual a dos descendentes, se estes forem comuns (filhos desta união). Se tiver
concorrendo com descendentes só do companheiro morto, terá direito apenas a metade do que eles
herdaram.

SUCESSÃO POR ASCENDENTES - é a 2.ª classe na ordem de vocação hereditária.


• Não há direito de representação;
• A sucessão se dá por linhas – linha materna e linha paterna (exceção à regra de que aqueles que se
encontram em um mesmo grau de parentesco sucedem em quotas)
Concorrência com cônjuge – pouco importa o regime de bens / 1/3 da herança se concorrer com
ascendentes de 1.º grau ou 1/2 da herança se concorrerem com ascendentes de maior grau (1837).
Concorrência com companheiro – o companheiro só terá direito a 1/3 da herança correspondentes aos
bens adquiridos na constância da união estável

SUCESSÃO NA UNIÃO ESTÁVEL  crítica: 4.ª clasee, após parentes sucessíveis.

PODER PÚBLICO (MUNICÍPIO)  ***** NCC  não está na ordem de vocação hereditária
Herança jacente  expedição de editais (3 x / intervalo de 30 dias entre eles)  declaração de vacância (1
ano)  após transcorridos 5 anos, adquire-se a propriedade.

DIREITO DE REPRESENTAÇÃO (1851-1856)

3
• Só na sucessão legítima  não existe na testamentária;
• A lei chama os herdeiros da pessoa falecida para suceder em todos os direitos que aquela
sucederia se viva fosse;
• Em qual hipótese é admitida? Sucessão de descendente e de colaterais (apenas entre tios e
sobrinhos)
• O que herda? Apenas aquilo que herdaria o falecido se vivo estivesse.

SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA
É aquela que se opera conforme a vontade do de cujus através de testamento válido.
• Autonomia da vontade x limitação  limite a legítima e proibição de fatos sucessórios;
• Quem pode testar (1860)  além dos incapazes, não podem testar os que, no ato de fazê-lo, não
tiverem pleno discernimento.

TESTAMENTOS ORDINÁRIOS 1862 e ss TESTAMENTOS ESPECIAIS 1886 e ss


PÚBLICO  ser escrito por Tablião ou por seu MARÍTIMO  pessoa em viagem, a bordo de
substituto / lavrar o instrumento / após a leitura o navio nacional, poderá testar perante o comandante,
documento tem que ser assinado pelo testador +2tes na presença de 2 testemunhas / o registro do
CERRADO  escrito pelo testador, ou por outra testamento será feito no diário de bordo.
pessoa, a seu rogo, e por aquele assinado, será
AERONÁUTICO  observará o disposto no
válido se aprovado pelo Tabelião / formalidades: o
artigo que regula o marítimo.
testador o entrega ao Tabelião na presença de duas
***** caducará os dois se o testador não morrer na
testemunhas; o testador tem que declarar que aquele
viagem, nem nos 90 dias subsequentes ao seu
é seu testamento e querer que seja aprovado; o
desembarque em terra, onde possa fazer, na forma
Tabelião tem que lavrá-lo, desde logo, na presença
ordinária outro testamento.
de duas testemunhas; o auto de aprovação tem que
***** não valerá o marítimo se, ao tempo em que o
ser assinado pelo Tabelião, pelo testador e pelas
fez, o navio estava em porto onde o testador pudesse
duas testemunhas
desembarcar e testar na forma ordinária.
PARTICULAR  pode ser escrito de próprio MILITAR  dos militares e demais pessoas a
punho / requisitos: tem que ser lido e assinado por serviço das Forças Armadas / dentro do País ou fora
quem o escreveu, na presença de pelo menos 3 dele / 2 testemunhas
testemunhas, que o devem subscrever

4
CODICILIOS (1881)  não é testamento / mediante escrito particular seu, datado e assinado, a pessoa
poderá fazer disposições especiais sobre o seu enterro, sobre esmolas de pouca monta a certas e
determinadas pesssoas, ou, indeterminadamente, aos pobres de certo lugar, assim como legar móveis,
roupas ou jóias, de pouco valor, de seu uso pessoal
SUBSTITUIÇÃO TESTAMENTÁRIA (1947 e ss)
1. substituição vulgar ou recíproca
2. substituição fideicomissária
3. substituição compendiosa  ao mesmo tempo, as duas.

DESERDAÇÃO (1961 e ss)


herdeiros ou legatários
1. que houverem sido autores, co-autores ou partícipes de homicídio doloso, ou tentativa deste,
contra pessoa de cuja sucessão se tratar, seu cônjuge, companheiro, ascendente ou descendente;
2. que houverem acusado caluniosamente em juízo o autor da herança ou incorrerem em crime
contra a sua honra, ou de seu cônjuge ou companheiro;
3. que, por violência ou meios fraudulentos, inibirem ou obstarem o autor da herança de dispor
livremente de seus bens por ato de última vontade;

Deserdação dos descendentes por seus ascendentes:


1. essas hipóteses acima mencionadas;
2. ofensa física;
3. injúria grave;
4. relações ilícitas com a madrasta ou com o padrasto;
5. desamparo do ascendente em alienação mental ou grave enfermidade;

Deserdação dos ascendentes por seus descendentes:


1. aquelas hipóteses acima mencionadas;
2. ofensa física;
3. injúria grave;
4. relações ilícitas com a mulher ou companheira do filho ou a do neto, ou com o marido ou
companheiro da filha ou o da neta;
5. desamparo do filho ou neto com deficiência mental ou grave enfermidade;

5
REVOGAÇÃO DO TESTAMENTO  pelo mesmo modo e forma como pode ser feito / pode ser total
ou parcial
PAGAMENTO DAS DÍVIDAS  a herança responde pelo pagamento das dívidas do falecido; mas, feita
a partilha, só respondem os herdeiros, cada qual em proporção da parte que na herança lhe coube.