Você está na página 1de 7

Sumário

Biografia de Fernando Pessoa .................................................................. 02 Ortónimo – Fernando Pessoa .................................................................... 03 Estilo de Fernando Pessoa: Características temáticas ........................................................................... Características Estilísticas .......................................................................... A Temáticas de Fernando Pessoa: O fingimento artístico .................................................................................. 04 A dor de pensar ........................................................................................... A fragmentação do eu/Resignação dorida ............................................... A Obra .......................................................................................................... Conclusão ..................................................................................................... 05 Bibliografia .................................................................................................... 06

na revista ―A Águia‖. na revista ―A Renascença‖. ou melhor. devido à leitura das Flores sem Fruto e das Folhas Caídas. Em fins de 1934. Foi este mesmo grupo que se encarregou de dar a conhecer e valorizar a obra inédita de 2 . envolveu-se nas discussões literárias e até políticas da época. porém inteligente e culto (foi mesmo jornalista e crítico musical) que morreu tuberculoso em 1893 deixando o filho com cinco anos e a mulher. com o qual trocou intensa correspondência e cujas crises acompanhou de perto). parecia vocacionado para viver isolado. E nenhum volume mais saiu em vida do autor. era uma senhora de esmerada educação. uma série de artigos sobre ―a nova poesia portuguesa‖. de que foi diretor. mas foi como ensaísta que primeiro se revelou. para rápida e definitivamente terminar. Cesário Verde. Após uma tentativa falhada de montar uma tipografia e editora. à tradução de correspondência estrangeira de várias casas comerciais. que assim acrescentava à sua formação. Desde cedo escreveu poesias em inglês. iniciou uma relação sentimental com Ophélia Queiroz (interrompida nesse mesmo ano e retomada. Assim. Colaborou nas revistas ―Exílio‖. onde Pessoa estudou. ―Athena”. continuou a compor poesia. Alberto Caeiro. de Garrett. com Mário de Sá-Carneiro (amigo chegado. que a materna. Em 1925. Em 1914 surgiram os principais heterónimos. Fernando Pessoa morreu em Novembro de 1935. o casal instalou-se em Durban (África do Sul). em 1912. a partir de 1908. desejoso de novos rumos estéticos e de fazer pulsar a literatura portuguesa ao ritmo europeu. movimentava-se num círculo restrito de amigos que frequentavam as tertúlias intelectuais dos cafés da capital. ―Portugal Futurista‖. sendo o restante tempo dedicado à escrita e ao estudo de filosofia (grega e alemã). Em 1920. refletindo-se depois. onde foi internado com uma cólica hepática. Entretanto. sem compromissos. oriunda de família açoriana. dedicou-se. em inglês e também português. Álvaro de Campos e Ricardo Reis. porém abandonou rapidamente as aulas. o paulismo) e ―Ó sino da minha aldeia‖. publicou Mensagem. ao publicar. Em 1915. Luís de Montalvor e outros poetas e artistas plásticos com os quais formou o grupo ―Orpheu‖. Pessoa dominava a língua inglesa (e a respectiva literatura) tão bem. a renovada grandeza da Pátria. Definia-se como ―hístero-neurasténico com a predominância do elemento histérico na emoção e do elemento neurasténico na inteligência e na vontade (minuciosidade de uma. Luís dos Franceses. casou novamente em fins de 1895 com o cônsul português na África do Sul. leu os simbolistas franceses e a moderna poesia portuguesa (Antero de Quental. teosofia e literatura moderna. uma coletânea de poesias que celebram os heróis e profetizam. em 1929) testemunhada pelas Cartas de Amor. na sua obra). prosseguindo depois os estudos na Universidade do Cabo (1903-04). causada provavelmente pelo consumo excessivo de álcool. ciências humanas e políticas. viúva. a poesia ―Pauis‖ (que deu origem a uma corrente efémera. porém sempre disponível para as aventuras de espírito: levava uma vida relativamente apagada. Pessoa era filho de um modesto funcionário. Nietzsche. Afastando-se do grupo saudosista. morreu a mãe. A mãe. em atitude de expectativa ansiosa. lançou a revista ―Orpheu‖. Dedicou-se ao estudo de filósofos gregos e alemães (Schopenhauer. ―Contemporânea”.Fernando Pessoa – Biografia Fernando António Nogueira Pessoa nasceu em Lisboa a 13 de junho de 1888. Matriculou-se no Curso Superior de Letras. só admirada num círculo restrito. ―Empresa Íbis — Tipográfica e Editora‖. regressou a Portugal com os irmãos e em que Fernando Pessoa foi viver de novo com a família. deixando grande parte da sua obra inédita. Quando voltou definitivamente para Lisboa. foi um dos introdutores (juntamente com o restante grupo de ―Orpheu‖) do Modernismo em Portugal. determinante na sua personalidade. ―Presença” e ―Descobrimento”. no Hospital de S. tibieza de outra)‖. Em Fevereiro de 1914 publicou. João Miguel Rosa. e a tempo parcial. ano em que a mãe. etc.) Pessoa era retraído. nomeadamente pelo grupo da Presença.

em parte. Anti-sentimentalismo: intelectualização da emoção. Consciência do absurdo da existência. O poema ―Mensagem‖. desespero. cansaço. uma forma de abalar a sociedade e a literatura burguesas gasta (nomeadamente através dos seus «ismos»: paulismo. Como o seu espólio literário permaneceu. franceses. uma expectativa ansiosa de ressurgimento nacional. esperança/desilusão. frustração. cepticismo. Autoanálise. Tensão sinceridade/fingimento. Adjetivação expressiva. consciência/inconsciência. Estados negativos: solidão. sobretudo. refletia inquietações e estranhezas que questionavam os limites da realidade da sua existência e do mundo. O seu virtuosismo foi. Autor & Obra O Estilo de Fernando Pessoa Características Temáticas         Identidade perdida. Pontuação emotiva. Características Estilísticas       Musicalidade: aliterações. sensacionismo). Predomínio da quadra e da quintilha (utilização de elementos formais tradicionais). etc. em textos de grande suavidade rítmica e musical. não permitiu. angústia. e sobretudo a uma grande influência na literatura portuguesa do século XX. em alemão. formalmente. transportes. Verso geralmente curto (2 a 7 sílabas métricas). Foi traduzido em francês. exaltação sebastiânica que se cruza com um certo desalento. O apagamento da sua vida pessoal não se opôs ao exercício ativo da crítica e da polémica em vida. dor de viver. tom nasal (que conotam o prolongamento da dor e do sofrimento). 3 . sentimentalmente metafísica. sonho/realidade. Oposição sentir/pensar. Fernando Pessoa – Ortónimo Figura cimeira da literatura portuguesa e da poesia europeia do século XX. seguia.Pessoa. manifestada também nas suas incursões pelas ciências ocultas e pelo rosa-crucianismo. Inquietação metafísica. tédio. Poeta introvertido e meditativo. brasileiros. revela uma faceta misteriosa e espiritual do poeta. rimas. italianos. os modelos da poesia tradicional portuguesa. pensamento/vontade. na altura. anti-sentimental. Fernando Pessoa ortónimo. Linguagem simples mas muito expressiva (cheia de significados escondidos). O prestígio internacional do escritor não tem cessado de aumentar. da literatura. fazer um juízo bem fundamentado sobre todas as facetas da sua personalidade. interseccionismo. inédito. ritmo. em italiano e em espanhol e tem sido objeto de estudo de especialistas alemães. ele fundamentou a resposta revolucionária à concepção romântica.

da quadra popular. Poesias Inéditas (1930 . Poemas Para Lili. a constante intelectualização não o permite. O poeta é múltiplo: dentro dele encerram-se vários ―eus‖ e ele não se consegue encontrar nem definir em nenhum deles. Chuva Oblíqua. Fernando Pessoa aborda a temática do ―fingimento‖.    Comparações. como o rio. Crendo na afirmação de que o significado das palavras está em quem as lê e não em quem as escreve. o mar. Sofre a vida sendo incapaz de a viver. quando ele observa a realidade parece que tudo se evaporou. ou modernos. vai sentir o poema. «Poesias Dispersas». muitas vezes. automaticamente intelectualiza essa emoção e. É fiel à tradição poética ―lusitana‖ e não longe. O leitor é que ao ler. confuso e negro. mas transcreve apenas o que lhe vai na imaginação e não o real. O poeta não quer intelectualizar as emoções. assim que sente. cada um com o seu significado expressivo consoante a situação. Poesias de Orpheu.1935). A Obra                Poesias de «Cancioneiro» . Mensagem. não está a sentir o que não é real. «Canções de Beber». Excertos de «Fausto: Tragédia Subjetiva». quer permanecer ao nível do sensível para poder desfrutar dos momentos. Sente-se como enclausurado numa cela pois sabe que não consegue deixar de raciocinar. Sente-se mal porque. o poeta baseia--se em experiências vividas. Ele nunca teve prazer na realidade porque para ele tudo é perda. «Quadras ao Gosto Popular». como o andaime ou o cais). metáforas originais. a fonte. o azul. oximoros (vários paradoxos – pôr lado a lado duas realidades completamente opostas).1930). Poesias Inéditas (1919 . as rosas.Poesia Lírica & Épica».   4 . a água. As temáticas de Fernando Pessoa  O fingimento artístico. A dor de pensar. Passos da Cruz. a brisa. Utilização de vários tempos verbais. Uso de símbolos (por vezes tradicionais. Poesias de «Fernando Pessoa . é incapaz de se reconhecer a si próprio – é um observador de si próprio. A fragmentação do eu/Resignação dorida. «Poesia Inglesa I». através disso. Poesias Coligidas. tudo fica distante.

Conclusão 5 .

notapositiva.Bibliografia Fonte:http://www.com/trab_estudantes/trab_estudantes/portugues/portugues_trabalhos/fernpessoa. htm Data: 12/06/13 6 .

Oliveira Meneses Nome: Thaís Valério Prof° Givanildo N° 02 N° 36 Matéria: Português Serie: 3°J 7 . Antônio Raposo Tavares Fernando Pessoa Nome: Anielly G.E.E.