Você está na página 1de 6

A Conservação da Energia Mecânica – Parte 01

A energia mecânica é a energia que pode ser transferida por meio de forças. A energia mecânica total de um sistema é a soma da energia potencial com a energia cinética. Se o sistema for conservativo, ou seja, apenas forças conservativas atuam nele, a energia mecânica total conserva-se e é uma constante de movimento. A energia mecânica E que um corpo possui é a soma da sua energia cinética Ec com a energia potencial Ep. Dizemos que uma força é conservativa quando o trabalho realizado por ela é independente do percurso realizado. Podemos citar, como exemplo, a força gravitacional.

Iremos utilizer abaixo algumas técnicas do Cálculo e Equações Diferenciais para apresentar uma lei fundamental da Física. Esta lei é a conservação da energia mecânica de um corpo o qual afirma que se um corpo está sob a ação de forças conservativas, então E = Ec+ Ep.

a ação de forças conservativas, então E = E c+ E p . Suponhamos que uma

Suponhamos que uma partícula de massa esteja em queda livre no vácuo. Colocaremos um eixo vertical de modo que a origem do eixo seja o solo conforme conforme a figura abaixo.

do eixo seja o solo conforme conforme a figura abaixo. Pela Assim, lei de Newton, a
do eixo seja o solo conforme conforme a figura abaixo. Pela Assim, lei de Newton, a

Pela

Assim,

seja o solo conforme conforme a figura abaixo. Pela Assim, lei de Newton, a força peso

lei

de

Newton,

a

força

a figura abaixo. Pela Assim, lei de Newton, a força peso é a única força agindo

peso

é

a

única

força

agindo

sobre

a figura abaixo. Pela Assim, lei de Newton, a força peso é a única força agindo

.

Mas,

a figura abaixo. Pela Assim, lei de Newton, a força peso é a única força agindo

Blog da Engenharia

Substituindo

Substituindo em , temos: Considere agora dois pontos expressão acima de e a distintos sobre o

em

Substituindo em , temos: Considere agora dois pontos expressão acima de e a distintos sobre o

, temos:

Substituindo em , temos: Considere agora dois pontos expressão acima de e a distintos sobre o

Considere agora dois pontos

Substituindo em , temos: Considere agora dois pontos expressão acima de e a distintos sobre o

expressão acima de

e a
e
a

distintos sobre o eixo

, temos:

expressão acima de e a distintos sobre o eixo , temos: . Integrando a ou seja,

. Integrando a

acima de e a distintos sobre o eixo , temos: . Integrando a ou seja, A

ou seja,

e a distintos sobre o eixo , temos: . Integrando a ou seja, A expressão é
e a distintos sobre o eixo , temos: . Integrando a ou seja, A expressão é
e a distintos sobre o eixo , temos: . Integrando a ou seja, A expressão é

A expressão

é chamada de energia cinética e será denotada por e

chama-se energia potencial e é denotada por . Como

os pontos e são quaisquer, provamos então que a soma das energias cinética e potencial é constante, ou seja,

a expressão

cinética e potencial é constante, ou seja, a expressão Exemplo 1: Uma pequena bola de massa

Exemplo 1: Uma pequena bola de massa é arremessada verticalmente para

Uma pequena bola de massa é arremessada verticalmente para cima a partir do solo com velocidade
Uma pequena bola de massa é arremessada verticalmente para cima a partir do solo com velocidade

cima a partir do solo com velocidade inicial igual a . Despreze o atrito do ar e use o princípio de conservação de energia para calcule a altura máxima

atingida pela bola. Adote

.
.

Blog da Engenharia

Resolução: Neste caso, o ponto

Resolução: Neste caso, o ponto está na origem do eixo vertical e o ponto é ponto

está na origem do eixo vertical

Neste caso, o ponto está na origem do eixo vertical e o ponto é ponto em

e o ponto

caso, o ponto está na origem do eixo vertical e o ponto é ponto em que

é ponto em que a bola possui velocidade nula.

e o ponto é ponto em que a bola possui velocidade nula. , , segue do

,

e o ponto é ponto em que a bola possui velocidade nula. , , segue do
e o ponto é ponto em que a bola possui velocidade nula. , , segue do

, segue do princípio da conservação da energia que:

Sendo

e

segue do princípio da conservação da energia que: Sendo e , Para o próximo exemplo, precisaremos

,

do princípio da conservação da energia que: Sendo e , Para o próximo exemplo, precisaremos deduzir

Para o próximo exemplo, precisaremos deduzir a expressão para a aceleração centrípeta que surge no movimento circular uniforme. Para isto, considere uma partícula de massa girando uniformemente sobre uma circunferência de

de massa girando uniformemente sobre uma circunferência de raio , ou seja, sua velocidade angular é
de massa girando uniformemente sobre uma circunferência de raio , ou seja, sua velocidade angular é
de massa girando uniformemente sobre uma circunferência de raio , ou seja, sua velocidade angular é

raio , ou seja, sua velocidade angular é constante.

de raio , ou seja, sua velocidade angular é constante. A posição da partícula em um

A posição da partícula em um instante

é constante. A posição da partícula em um instante é dado pelo vetor posição sendo a

é dado pelo vetor posição

da partícula em um instante é dado pelo vetor posição sendo a velocidade angular da partícula.
da partícula em um instante é dado pelo vetor posição sendo a velocidade angular da partícula.

sendo a velocidade angular da partícula. A velocidade em cada instante é obtida derivando a expressão acima, ou seja:

Blog da Engenharia

e a aceleração é dada por: Note que: onde usamos o fato que o módulo

e a aceleração é dada por:

e a aceleração é dada por: Note que: onde usamos o fato que o módulo da

Note que:

e a aceleração é dada por: Note que: onde usamos o fato que o módulo da
e a aceleração é dada por: Note que: onde usamos o fato que o módulo da
e a aceleração é dada por: Note que: onde usamos o fato que o módulo da

onde usamos o fato que o módulo da velocidade linear é . Para ver isto, note que o espaço percorrido pela partícula é dado , de modo que:

, denotada por
, denotada por

O módulo da aceleração centrípeta.

é chamada de aceleração

Blog da Engenharia

Exemplo 2: Na primeira figura do post, temos uma rampa formando um looping

. Determine a altura mínima da rampa para que uma pequena esfera de

de raio

massa solta da posição desça e faça o looping.

de raio massa solta da posição desça e faça o looping. Resolução: Na figura acima, consideramos
de raio massa solta da posição desça e faça o looping. Resolução: Na figura acima, consideramos
de raio massa solta da posição desça e faça o looping. Resolução: Na figura acima, consideramos
de raio massa solta da posição desça e faça o looping. Resolução: Na figura acima, consideramos
de raio massa solta da posição desça e faça o looping. Resolução: Na figura acima, consideramos

Resolução: Na figura acima, consideramos dois pontos e . A esfera será solta do ponto , de modo que sua energia mecânica é igual a energia

, de modo que sua energia mecânica é igual a energia potencial neste ponto, ou seja,

potencial neste ponto, ou seja,

. Para que a partícula faça o

tem que ser no

ou seja, . Para que a partícula faça o tem que ser no looping, a força

looping, a força centrípeta dada por mínimo igual ao peso da esfera no ponto , ou seja,

por mínimo igual ao peso da esfera no ponto , ou seja, Usando a conservação da
por mínimo igual ao peso da esfera no ponto , ou seja, Usando a conservação da

Usando a conservação da energia mecânica, ( , temos:

) e a expressãoUsando a conservação da energia mecânica, ( , temos: Portanto, a altura mínima necessária para que

da energia mecânica, ( , temos: ) e a expressão Portanto, a altura mínima necessária para
da energia mecânica, ( , temos: ) e a expressão Portanto, a altura mínima necessária para
da energia mecânica, ( , temos: ) e a expressão Portanto, a altura mínima necessária para

Portanto, a altura mínima necessária para que a partícula faça o looping é ou 25% acima do diâmetro.

a altura mínima necessária para que a partícula faça o looping é ou 25% acima do

Blog da Engenharia

Referência bibliográfica: Prof. Paulo Sérgio C. Lino, Fatos Matemáticos

Referência bibliográfica: Prof. Paulo Sérgio C. Lino, Fatos Matemáticos Blog da Engenharia

Blog da Engenharia