O desmatamento no Brasil é um dos grandes problemas ecológicos enfrentados pelo país na atualidade, mas existe uma tendência de redução

nas taxas. Segundo dados da FAO anunciados em março de 2010, o Brasil reduziu a área líquida desmatada em 20 anos, mas continua líder no ranking, seguido por Indonésia e Austrália. 2 3 Cerca de 4 milhões de hectares são perdidos anualmente na América do Sul. Há três importantes fatores responsáveis pela desflorestamento no Brasil: as madeireiras, a pecuária e o cultivo da soja. Como boa parte opera ilegalmente, principalmente na Amazônia, os estragos na floresta são cada vez maiores. No Brasil, os estados mais atingidos pela desflorestamento são Pará e Mato Grosso. Este último é o campeão em área desmatada, apesar de ter havido uma redução nos últimos anos. A média de madeira movimentada na Amazônia - de acordo com um relatório divulgado pelo Governo Federal em agosto de 2006 - é de aproximadamente 40 milhões de m³, incluindo madeira serrada, carvão e lenha. Desse total, apenas 9 milhões de m³ vieram de manejo florestal (previamente autorizado).

Desmatamento na Amazônia[editar]
Ver artigo principal: Desmatamento da Floresta Amazônica

Desflorestamento para extração de madeira

O desflorestamento é uma das intervenções humanas que mais prejudica a sustentabilidade ambiental 4 na Amazônia. Na região amazônica, a desflorestamento já removeu 17% da floresta original. Além disso, extensas áreas do bioma Amazônia abrigam florestas empobrecidas e degradadas por queimadas e exploração madeireira predatória. De acordo com Barreto et al. (2005), 47% do bioma Amazônia estava sob algum tipo de pressão humana em 2002, dos quais 19% representavam pressão consolidada (desflorestamento, centros urbanos e assentamentos rurais) e 28% pressão incipiente (medida pela incidência de focos de calor). Despesas com a gestão ambiental representaram apenas 0,3% (R$ 96 milhões) das despesas orçamentárias públicas dos Estados da Amazônia Legal em 2005. Em contraste, as despesas orçamentárias com meio ambiente de toda a Amazônia foram oito vezes inferiores aos gastos efetuados pelo Estado de São Paulo em 2005.

Madeira de desflorestamento irregular

Por último. A União Democrática Ruralista patrocina um projeto de lei no Congresso Nacional. Contudo. embora essas mudanças devam ser desiguais. apenas informações sobre a taxa de desflorestação são insuficientes para o monitoramento e controle da desflorestação em escala local .000. Monitoramento[editar] No Brasil monitora a cobertura florestal da Amazônia com imagens do satélite Landsat desde o final da década de 7 1970. atingindo 17% em 2005. Também foi projetada a extinção de 43% de 69 espécies arbóreas estudadas até o ano de 2100. pelo menos depois de um ano após as áreas terem sido desmatadas. com repercussões adicionais em termos de extinções de animais. o Mato Grosso foi o campeão de desflorestamento na região. suas propriedades nos últimos sete anos. Em média.8 mil quilômetros quadrados. na década de 1990. entretanto. o que representa uma queda de mais de 30% em relação ao ano anterior. em 1990. ilegalmente.A desflorestamento no bioma Amazônia passou de 10%. para aproximadamente 20 mil quilômetros quadrados entre2000 e 2006.1 mil quilômetros quadrados). A maior desflorestamento registrada na Amazônia ocorreu em 1995 (29. a área desmatada subiu de 16 mil quilômetros quadrados. . o bioma da Amazônia pode sofrer mudanças em cerca de 40% de sua área devido a um aquecimento global de 2 a 3ºC. por exemplo. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) conduz o mapeamento das áreas desmatadas na Amazônia através do projeto Prodes(Monitoramento da Floresta Amazônica por Satélite) e gera estimativas de taxa de desflorestação anual para a Amazônia. Em 2006 foi registrada uma queda ainda mais relevante na desflorestamento da Amazônia (13. mais intensas no nordeste e sul da Amazônia. Outros estudos projetam perdas ainda mais graves. Tem havido também divergências no que deve ser considerada desflorestação. com a substituição da floresta por savanas. a área desmatada foi de 18.4 mil quilômetros quadrados. como é o caso dos estados do Mato Grosso e Acre. a liberação dos dados tem sido temporalmente defasada. Em 2005. Os problemas descritos acima têm estimulado os Estados da Amazônia a desenvolverem seus próprios programas de monitoramento florestal. Em 2004 foi registrado a segunda maior desflorestamento da história da região –27. Esta defasagem também limita as ações de controle de desflorestação.25 ha. Entre 1990 e 2006. realimentando 12 o aquecimento global.1 mil quilômetros quadrados). Há. Segundo vários estudos sobre impactos regionais. supondo a desertificação de uma vasta parte da Amazônia até 2100. perdendo área e espécies. amplas redistribuições de outras espécies e risco aumentado de incêndios e secas. A informação sobre a taxa de desflorestação é importante para planejar ações de combate à desflorestação em escala regional. áreas de exploração madeireira e de florestas queimadas não são mapeadas. o Inpe passou a disponibilizar os mapas de desflorestação da Amazônia para toda a sociedade (Projeto Prodes). Primeiro. que aumenta em 150% o limite legal para desflorestamento nas fazendas da Amazônia e dá anistia aos fazendeiros 5 6 que já desmataram. refinamentos que precisam ser feitos nos dados fornecidos pelo Inpe. O acelerado desmatamento na Amazônia tem contribuído com importantes emissões de gases do efeito estufa. áreas de florestas ricas em bambu já foram classificadas como áreas desmatadas o que levou a superestimar a taxa anual de desflorestação para 2003. No caso do Estado do Acre. 8 9 10 11 O cerrado também deve sofrer efeitos do aquecimento. não permite mapear com detalhes fragmentos de florestas e áreas desmatadas menores que 6. Mudanças climáticas[editar] Ver artigo principal: Aquecimento global A perda de florestas brasileiras possivelmente deve ser intensificada pelo aquecimento global. ou seja.é também necessário saber onde a conversão florestal ocorreu e acompanhar as tendências da desflorestação. Nos últimos cinco anos. já aprovado pelo Senado. Segundo. Em 2003. a área desmatada anualmente continuou elevada. a escala de mapeamento de 1:250.

Plante árvores para reabastecer as destruídas pela humanidade. erosão. toalhas de papel. Se junte a uma dessas organizações. Fale com os funcionários do governo eleito local. perda de habitats dos animais e a biodiversidade em geral. Lutar contra o desmatamento deve estar nas mentes de todos os seres humanos. 6. 4. 5. dizendo-lhes sobre seu boicote. recomende que as empresas façam seu trabalho com menos impacto ambiental possível. Reduza. Esse processo. 3. A colheita de árvores para a produção de papel e produtos de papel é uma das maiores causas do desmatamento. Evite o uso de produtos feitos por essas empresas. pode ajudar muito o combate ao desmatamento. reutilize e recicle. Boicote as empresas que não são ambientalmente responsáveis sobre a questão do desmatamento. Você também pode ajudar a apoiar a legislação que cria penalidades para empresas que não agem com responsabilidade. Se bastante gente fazer isso. Desmatamento provoca inundações. Tente apoiar as florestas locais serem transformadas em parques nacionais. menos árvores precisará ser cortada e haverá menos florestas destruídas. que dálhes proteção contra as práticas que causam o desmatamento. Ensine-os a usar as florestas e árvores de forma responsável e que eles saibam a importância de ser ambientalmente consciente. Isso torna a propriedade de florestas do governo federal. Muitas organizações voluntárias plantam árvores nas florestas em todo o mundo. como guardanapos. 1. não permitindo que ela desapareça totalmente. Produtos de papel. reduzidos ou reutilizados. Além disso. mudanças climáticas. Aprenda a seguir como evitar o desmatamento. uma empresa pode receber a mensagem que eles precisam para se tornar mais consciente do ambiente. 2. monumentos nacionais ou florestas nacionais. Insista que o governo local decrete a legislação para tornar as empresas em sua área a serem mais responsável com a maneira que eles usam florestas. como se o futuro da terra dependesse disso. tecidos e papel de carta são facilmente reciclados. . Escreva para funcionários do governo local para apoiar estas designações. escreva cartas para a empresa. ajuda a tornar uma floresta sustentável. Discuta o desmatamento com empresários cujas empresas colhem materiais ou usam produtos de florestas. Se você reduzir a quantidade de papel e produtos de papel que você usar.Sugestões para combater o desmatamento: A destruição das florestas do mundo (desmatamento) afeta o mundo como um todo. ou se você reutilizar ou reciclar os seus produtos de papel. conhecido como reflorestamento. Durante estas conversações. ou simplesmente plantar árvores em sua região.