A UA U L A L A

5

5

Equacionando os problemas
ossa aula começará com um quebra- cabeça de mesa de bar - para você tentar resolver agora. Observe esta figura feita com palitos de fósforo. Mova de lugar exatamente 2 palitos, de modo a transformá-la em 4 quadrados iguais, sem sobrar nenhum palito. Você pode fazer isso com palitos ou no desenho.

Introdução

N

Nossa Aula

Conseguiu resolver o quebra-cabeças? Não? Então, vamos resolvê-lo juntos, pelo caminho da matemática. Certos problemas não nos parecem, de início, “problemas de matemática” - mas, de repente, vemos que existe uma solução para eles que pode ser chamada de solução matemática. (Na realidade, o que existe na vida prática não são problemas de matemática - mas soluções matemáticas, criadas pelas pessoas para resolver problemas práticos). O quebra-cabeça é um exemplo. A princípio, pode não estar bem claro qual matemática usar. Geometria? Aritmética? De fato, o quebra-cabeça envolve tanto figuras geométricas quanto números. Se você ainda não conseguir resolvê-lo, talvez seja porque não tenha percebido que o quebra-cabeça tem dois aspectos: o geométrico e o numérico . Talvez também tenha lhe faltado equacionar o problema. Isto é: escolher quem será a incógnita - geralmente chamada de x - e escrever a equação satisfeita por essa incógnita. A partir daí - sempre deixando claro qual é a pergunta do problema -, basta resolver a equação: quer dizer, “encontrar o x do problema”, como se costuma dizer. Quando conseguimos equacionar um problema, vemos claramente o que é conhecido (pela equação) e o que se procura (a incógnita). Assim, o caminho da solução, que leva de uma coisa à outra, muitas vezes salta aos olhos nesse equacionamento. Vejamos no quebra-cabeça.

Equacionando o quebra-cabeça
O que vemos na figura dada? Vemos 5 quadrados iguais. Eles estão unidos e são feitos com palitos de fósforo. O problema pede que os 5 quadrados se transformem em 4 quadrados iguais, só com o movimento de 2 palitos. Que figura formarão, então, os 4 quadrados? Se soubermos isso, será bem mais fácil formar a tal figura... e o problema estará resolvido. Dois quadrados juntos podem ser formados de um dos seguintes modos: a) os quadrados não têm lado (palito) comum; ou b) os quadrados têm um lado comum. Qual a diferença importante no caso de querermos formar uma ou outra destas figuras? Pense.

A U L A

5

2 quadrados c o m lado comum

2 quadrados s e m

l ado comum

A diferença é numérica: em a) precisamos de 8 palitos; já em b) precisamos a), b), de apenas 7 - pois “economizamos” um palito quando os quadrados são vizinhos, tendo um lado comum. E no nosso caso? Queremos formar 4 quadrados, sem que sobrem palitos. Qual é a pergunta crucial aqui? Pense. Isso mesmo! A pergunta é: “Quantos palitos temos?” É só contar: temos 16 palitos. Se cada quadrado possui 4 palitos e queremos formar uma figura com 4 quadrados - desde que não permitamos que dois quadrados sejam vizinhos (“de parede”, isto é, de lado comum) - usaremos: 4 ´ 4 = 16 palitos. Exatamente o que temos! Algumas tentativas irão lhe mostrar que, desenhando ou fazendo 4 quadrados com 16 palitos, o desenho que devemos procurar formar é este:

A U L A

5

Está resolvido. Não lhe parece mais fácil, agora? Pois então. Tudo teve uma seqüência muito natural, desde o momento em que equacionamos o problema, contando o número de palitos e tentando visualizar claramente o que havia sido pedido - neste caso, a forma da figura dos 4 quadrados.

Equacionando um problema algébrico
Rigorosamente falando, equacionar um problema envolve escrever a equação (ou as equações) de modo que ela expresse em linguagem matemática o que foi dado no problema em linguagem comum. Vejamos, então, como fazer isso com problemas algébricos, ou melhor, com problemas que admitem solução algébrica. EXEMPLO 1 Qual é o número cujo dobro, mais 5, é igual a 17? Equacione o problema, chamando o número desconhecido de x . Vimos que não importa a letra que usamos para designar a incógnita, isto é, o número procurado - mas é universal o uso do x . O fato importante é que: 2x + 5 = 17 A partir daí, acharíamos x . (Você pode tentar, se quiser). Só que nesta aula estamos mais interessados no equacionamento dos problemas - que é a primeira etapa. Geralmente, essa é a etapa mais importante na resolução desses problemas. Vamos relembrar os momentos fundamentais desse equacionamento.
l

Quando encaramos o tal número procurado como a incógnita do problema, e o chamamos de x ; Quando traduzimos em “matematiquês” o que está dado em português, ou seja, quando escrevemos a equação matemática que é satisfeita por essa incógnita. Neste exemplo, faríamos assim: x = número O que sabemos: 2x + 5 = 17 Para reconhecer x , é só resolver a equação. Encontra-se x = 6 Verifique. 6.

l

Vamos ver outros exemplos de equacionamento de problemas. É interessante que você, em cada caso, experimente responder a estas duas perguntas do equacionamento, antes de continuar a leitura: a) O que é x , neste caso? (Qual é a incógnita?) b) O que sabemos sobre x ? (Qual é a equação?)

EXEMPLO 2 Quanto deve medir de lado (em km) um terreno quadrado, para que o número que vai expressar seu perímetro (em km) seja o mesmo que o número que expressa sua área (em km²)? Procure a solução! Em primeiro lugar, vamos responder às duas perguntas principais do equacionamento: a) x = lado b) O que sabemos: 4x = x² perímetro área

A U L A

5

Aqui, vamos lembrar que um número (ou incógnita) ao quadrado é esse número (ou incógnita) multiplicado por ele mesmo. Então: 4x = x·x E, logo, adivinhamos um número x que satisfaz esta equação. Qual é? Ora até visualmente fica claro que a expressão 4x = x², acima, é verdadeira quando substituímos x por 4, pois temos: 4·4=4·4 Portanto, se o lado do terreno quadrado for 4 quilômetros, satisfará o que é pedido. Uma observação importante: a equação 4 x = x ² é uma equação de 2º grau. Por isso, (como recordaremos) deve ter outra raiz, ou seja, outro número para substituir o x . A outra raiz é zero, pois zero vezes qualquer número é zero. Mas, neste caso, o terreno teria lado nulo, quer dizer, não existiria. (Dizemos que, neste caso, x = 0 é uma solução degenerada ). EXEMPLO 3
l l

Qual o número cuja metade é a sexta parte de 42? E de 21? E qual o número cuja metade é a sexta parte de seu triplo? A primeira pergunta é equacionada assim:

x = número 7 O que sabemos:

x 42 = 2 6

1

A partir daí fica fácil: multiplicando os dois lados por 2, teremos x = 14.

A U L A

A segunda pergunta é equacionada assim:

5

x = número 7 O que sabemos:

x 21 = 2 6

2

Logo, multiplicando os dois lados por 2, temos x = 7. Já a terceira pergunta é bem diferente: x = número O que sabemos:

x 3x = 2 6

isto é, x = x

Você pode dar exemplo de um número que pode substituir x e fazer a sentença ser verdadeira? Pense. Claro: qualquer número serve! Pois x = x é verdadeiro para todo x , já que todo número é igual a si mesmo. Assim, x = x não é propriamente uma equação. Dizemos que é uma identidade , pois é verdadeira para todo x . EXEMPLO 4 O marcador de gasolina do meu automóvel apresenta um erro e desejo conhecê-lo. Assim, poderei compensá-lo nas próximas leituras do marcador. Há pouco ele marcava 3/4 do tanque, e precisei de 10 litros para enchê-lo completamente. A capacidade do tanque é de 50 litros. Qual o erro percentual que o marcador apresenta? Para mais ou para menos? Qual deve ser a incógnita nesse problema: você diria que é o erro percentual procurado (quer dizer, quantos por cento do tanque)? O primeiro cuidado do equacionamento é a escolha da incógnita, do x . Só é preciso bom-senso para se fazer essa escolha: por exemplo, x deve ser tal que saibamos logo usá-lo para escrever a equação do problema. Assim, é mais razoável fazer da seguinte maneira: x = Volume que havia no tanque (litros) O que sabemos: x + 10 = 50 Logo, x = 40. O que queremos saber:
l

erro = ? erro percentual = ?%

l

Mas o volume que o tanque marcava era:

A U L A

Assim:

3 ´ 50 = 37,5 4
erro = 40 - 37,5 = 2,5 (em 40 litros)

5

Finalmente, em termos de erro percentual, precisamos fazer uma regra de três , procurando o erro não em 40, mas em 100 litros. 2,5 y 40 100

Daí,

2,5 40 = y 100
Então, multiplicando os dois lados por 100 y, temos: (2,5) · (100) = 40 y Logo, dividindo por 40 e trocando os lados, temos que

y=

250 = 6, 25 (em 100 litros) 40

Concluímos que o erro percentual apresentado pelo marcador é de 6,25 litros em 100 litros, ou seja, 6, 25% para menos, pois ele marca menos do que devia. Nesta página e nas seguintes estão alguns problemas para você equacionar, sem necessariamente resolvê-los. Lembre-se dos dois pontos importantes do equacionamento! “Quais”?! É hora de revisão da aula...

Exercício 1 Considere o seguinte problema: Subtraindo-se 4 de certo número e dividindo-se esse resultado por 2 e, depois, somando-se este novo resultado ao 4 triplo daquele número, sabemos que o resultado é igual a 5 do número mais 7. Qual é o número? a) Qual é a incógnita? b) Que equação ela satisfaz? c) O que o problema pede? (Atenção: O exercício não pede para resolver o problema. Faça-o se quiser.)

Exercícios

A U L A

5

Exercício 2 2, a) Faça o mesmo com este problema, parecido com o Exemplo 2 visto na aula. Quanto deve medir a aresta (em m) de um cubo, para que o número que expressa a área (em m²) da superfície lateral total do cubo (formada pelos 6 quadrados que o limitam) seja um número igual ao de seu volume (em m³)?

arestas

cubo

superfície lateral do cubo

b) Olhando para sua equação, que palpite você arriscaria para o tamanho da aresta procurada?

Exercício 3 a) Equacione o seguinte problema. A idade de um pai é o triplo da idade de seu filho e, ao mesmo tempo, o filho é 22 anos mais jovem que o pai. Quais as idades deles? Cuidado: há duas incógnitas! (Chame-as de x e y ). E há também duas equações. b) Observando atentamente as suas duas equações, você consegue descobrir x e y ? (Pense na diferença entre as idades, vendo-a de dois modos.)

Exercício 4 a) Resolva o item a) do exercício anterior chamando as incógnitas de p e f . Compare as equações com aquelas equações anteriores: o que poderíamos dizer dos valores dessas incógnitas? b) Que letras você prefere para as incógnitas, neste problema? Por quê?

Exercício 5 Equacione este problema, que trata do famoso retângulo áureo . O lado menor de um retângulo mede 1 m, e o lado maior é desconhecido. Queremos que esse lado maior seja tal que, quando retirarmos um quadrado de lado 1 m do retângulo, sobre uma retângulo semelhante ao retângulo grande - isto é, do mesmo formato que o retângulo grande, com os lados respectivamente proporcionais aos dele.
?

A U L A

5
O retângulo áureo é igual a um quadrado unido a outro retângulo áureo menor (é importante na natureza, nas artes e na matemática).

1

{
{
1

Sugestão: Chame de x a maior - ou a menor - das duas medidas desconhecidas, na figura. Agora interprete a proporcionalidade entre os lados do retângulo grande e do pequeno em termos de uma equação em x . Atenção: Atenção A equação é de 2º grau. Deixe a resolução para o momento em que estiver relembrado esse assunto, em aulas futuras.

{
?

{

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful