Você está na página 1de 10
ISSN 2176-6983 AFINAL, O QUE É A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO: OS DESAFIOS EXISTENTES

ISSN 2176-6983

AFINAL, O QUE É A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO: OS DESAFIOS EXISTENTES

Elisabete Cardoso Ferreira

ellisageo@gmail.com

Eixo Temático 4: conflitos de usos e gestão de recursos hídricos no litoral brasileiro

Resumo

O presente trabalho aborda a problemática da transposição do rio São Francisco

e quais são os impactos gerados por esse projeto. Tendo em vista a sua dinâmica ambiental, biodiversidade, histórico regional, além do seu cenário ambiental decorrentes das ações humanas. Visando compreender melhor essa dinâmica nosso texto tenta resgatar historicamente a trajetória dessa bacia hidrográfica e quais são seus impactos na tentativa de entender melhor seus dilemas e possibilidades na tentativa de alinhar o desenvolvimento socioambiental e uma melhor maneira de gestão desta bacia hidrográfica.

Palavras-chave: Desenvolvimento socioambiental; regional e biodiversidade.

Introdução

O estudo apresentado tem como objetivo tecer uma breve analise a respeito da

problemática da transposição do rio São Francisco. O projeto de transposição do rio é

debatido e discutido a mais de um século e continua gerando polêmica. Consideramos

que compreender a complexidade de toda essa dinâmica social e ambiental nos

possibilita um olhar mais critico sobre esta temática.

De acordo com os defensores do projeto, a transposição tem como base resolver

o problema da falta de água do semiárido nordestino, todavia os críticos deste projeto

detêm-se a uma discussão sobre os méritos de sustentabilidade do atual projeto e

defendem uma transposição socialmente sustentável.

Visando compreender melhor essa dinâmica nosso texto tenta resgatar

historicamente a trajetória dessa bacia hidrográfica e quais são seus impactos na

tentativa de entender melhor seus dilemas e possibilidades dentro desse espaço

geográfico.

ISSN 2176-6983 Do “ velho Chico ” ao “Novo olhar”. Um resgate histórico sobre o

ISSN 2176-6983

Do velho Chicoao “Novo olhar”. Um resgate histórico sobre o Rio São Francisco. As grandes secas existentes no nordeste se penduraram durante grandes períodos. No século XVIII, entre os anos de 1777 a 1779, a falta de água no semiárido nordestino trouxe grande preocupação para a Corte Imperial. Foi um período de grandes impactos para as famílias nordestinas, pois milhares de vidas estavam sendo ceifadas devido à falta de reserva de água. Foi em 1820 que D.João VI perante está situação drástica, sentiu a necessidade de abrir um canal do rio São Francisco para Jaguaribe, já considerando a falta de recurso hídrico que o Nordeste podia vir a sofrer. Os sertanejos com toda a sua criatividade criaram pequenos barramentos no leito do rio e nos seus afluentes para juntar água. Nos países asiáticos esse processo já era bem conhecido, já existiam açudes de reserva de águas construídos com técnicas bem elaboradas. Como não tínhamos meios de comunicação com esses povos, nada sabíamos por aqui. Os açudes surgiram em grande escala em inúmeras propriedades, sendo uns pequenos e outros grandes. Devido à forte radiação solar os sertanejos tinham uma técnica de proteger as suas águas contra a evaporação. Em função da seca de 1877 a 79 no período imperial, na segunda metade do século XIX, nasce com a comissão Cientifica de Exploração, chefiada por (Barão de Capanema) a proposta política de construções de açudes e a integração do rio são Francisco aos rios do nordeste setentrional. Foi nessa seca avassaladora que houve uma emigração em massa de nordestino para a Amazônia em busca de melhor condição de vida. Foi um desastre social de grande escala morrendo aproximadamente mais de 500.000 mil vidas em toda a região do Nordeste. A partir desde desastre que diversos setores da sociedade e o Poder Público, perceberam a importância dos açudes como solução para salvar vidas. Os reservatórios tinham novas técnicas e melhoravam a cada dia. Desta forma o povo nordestino tentava resgatar e construir uma nova vida no sertão brasileiro.

ISSN 2176-6983 Surgiu à parceria das autoridades publicas com pequenos proprietários de terras, tendo o

ISSN 2176-6983

Surgiu à parceria das autoridades publicas com pequenos proprietários de terras, tendo o governo, a maior participação nessa cooperação. Foi uma grande ajuda aos fundiários, minimizando os terríveis efeitos da seca. Com a implementação dos açudes o nordeste foi se modificando, tendo a partir dessa estruturação uma nova maneira de viver. Já no século XX a infraestrutura hídrica teve um grande crescimento, a partir desse momento, as estratégias das construções dos açudes, foram bem elaboradas na intenção de amenizar o impacto. Não sendo o nordeste tão vulnerável a seca como era antigamente. Hoje devido os rápidos meios de comunicação, a facilidade de locomoção, as redes de açudes construídas ao longo do século XX, e a facilidade de interligação entre as regiões; remete-nos a um Nordeste bem desenvolvido, desconstruindo a imagem chocante da seca no qual pertenceu ao seu passado.

O Rio São Francisco Partindo das discussões de João Suassuna essa bacia hidrográfica mais conhecida como Rio São Francisco, também conhecido como rio da integração nacional, possui 2800 km de extensão. Nasce na serra da Canastra, em Minas Gerais, cortando mais de quatro Estados da região do Nordeste, sendo eles; Bahia e Pernambuco e desemboca no oceano atlântico entre Sergipe e Alagoas. No seu leito se apresentam 1.800 km de área. O rio leva esse nome devido ter sido descoberto por Américo Vespúcio em outubro de 1501, dia de são Francisco, um ano antes do descobrimento do Brasil. O rio era tão caudaloso, que os indígenas deram o nome de Opará, que significa “rio-mar” nome esse característico, porque durante séculos seguidos as forças de suas águas eram tão fortes que avançavam vários quilômetros oceano adentro. É considerado o terceiro maior rio dos pais, tendo vazão media de aproximadamente 2.850 m³/s, engloba regiões que apresentam condições naturais bem diversificadas, a parte superior e inferior da bacia, apresentam bons índices pluviométricos e fluviometricos, enquanto os seus afluentes atravessam áreas de climas

ISSN 2176-6983 seco e semiárido. Em Minas Gerais na nascente do rio tem um grande

ISSN 2176-6983

seco e semiárido. Em Minas Gerais na nascente do rio tem um grande potencial agrícola, especialmente para a agricultura irrigada. Destacaremos algumas características geológicas e pedológicas dessa bacia hidrográfica. O relevo tem estrutura de vale, sendo uma depressão bem alongada que se inicia na serra da Canastra, na parte ao sul da bacia, tem como estruturas compartilhadas a serra do Espinhaço a leste e a serra Geral de Goiás a oeste, tendo altitudes medianas. Já o solo apresenta estrutura diversificada, desde solos argilosos a solos arenosos. A camada de formação do solo tem presença de salinidade, ou areias puras, sendo prejudicial a agricultura. Tanto as margens como ilhas são formados pelo deslocamento de sedimentos advindo da parte superior do rio, sendo está área utilizada pelos ribeirinhos para a plantação e cultivo da agricultura. A vegetação em sua maioria é formada pelo cerrado e pela caatinga em sua extensão encontramos áreas de matas, em zonas umidades árvores com copas densas tendo boa precipitação e infiltração profunda no solo. Podemos citar como exemplo os vales de rios em Minas gerais e na Bahia que apresentam em suas margens vegetações altas e densas e com espécies de madeiras que são utilizadas por varias empresas privadas. Há também no São Francisco um tipo de vegetação própria de terrenos alagados onde na sua grande maioria disponibiliza frutos ou sementes para o sustento dos peixes de agua doce. A proposta de ser considerado o rio de integração nacional está inserida na perspectiva de interligar está bacia a todas as regiões que o mesmo abrange, pois é através desta via fluvial que o desenvolvimento do nordeste tem seu avanço econômico e sua autonomia como “Estado”. Essa bacia hidrográfica é composta por vários afluentes que deságuam em seu leito e por inúmeras populações ribeirinhas que dependem desse rio para a sua sobrevivência. Esse rio corta boa parte da região sudeste e nordeste do Brasil no sentido norte e leste. Podendo ser observado no mapa 1 da figura 1:

ISSN 2176-6983 Figura 1: Bacia hidrográfica Rio São Francisco Fonte: http://www.mi.gov.br/saofrancisco A transposição

ISSN 2176-6983

ISSN 2176-6983 Figura 1: Bacia hidrográfica Rio São Francisco Fonte: http://www.mi.gov.br/saofrancisco A transposição

Figura 1: Bacia hidrográfica Rio São Francisco Fonte: http://www.mi.gov.br/saofrancisco

A transposição

O projeto proposto pelo Poder Público tem a intenção de interligar as bacias do

rio são Francisco com os outros rios do nordeste setentrional que engloba os Estados do Ceara, Rio do Grande do Norte, Paraíba, Alagoas, e um pedaço de Pernambuco, obra

essa, que visa bombear as águas através de canais artificiais, promovendo a partir disso, o uso sustentável dos recursos hídricos.

A proposta tem como objetivo levar a água por cerca de 720 km ao longo do

sertão nordestino, através da construção de um grande sistema de engenharia capaz de bombear parte das águas do São Francisco, único grande rio que não seca na região (perene), para o leito de alguns rios temporários. O projeto inclui reservatórios e estações de bombeamento com a finalidade de distribuir a água pelo sertão nordestino, propiciando, entre outras coisas, a instalação de polos agrícolas, como no caso das

cidades de Juazeiro e Petrolina.

O semiárido que corresponde o eixo leste do nordeste apresenta uma região com

elevado déficit hídrico e com grandes problemas de seca. Mesmo possuindo uma área com precipitação pluviométrica considerável, o solo por ser formado por rochas

ISSN 2176-6983 cristalinas impedem a infiltração dessa chuva, dificultando a formação de mananciais. O projeto

ISSN 2176-6983

cristalinas impedem a infiltração dessa chuva, dificultando a formação de mananciais. O projeto consiste na construção de dois canais artificiais distintos eixos Norte e Leste , destinados a ligar o rio ao semiárido setentrional. A água captada em Cabrobó (PE), acima da ilha Assunção, e no reservatório de Itaparica, representando cerca de 3% do volume do rio, seria então bombeada por 591 quilômetros de canais, dois aquedutos (20 quilômetros) e 12 túneis (22 quilômetros), e jogada nos rios da região até atingir uma rede de 26 açudes. Destacando o elevado custo que esse projeto vai ocasionar aos cofres públicos, o Ministério da Integração nacional acredita e afirma que essa transposição vai beneficiar milhões de pessoas, atendendo aproximadamente inúmeras cidades circunvizinhas. A proposta da política governamental é disponibilizar recursos financeiros externos, criando parcerias com empresas privadas e com os governos regionais. Compreender a transferência de águas entre as bacias e perceber inúmeros problemas que esse projeto pode acarretar, sendo necessária, uma transposição de forma consciente e sustentável, para que não haja um impacto tão alarmante nessa bacia. Por este motivo valem a pena ser implantados algumas considerações importantes no desenvolvimento desse projeto. Sendo eles: Respeitar o leito do rio e seus afluentes, tentar diminuir a perda de água potável, manter os sedimentos e seu nível de descargas controladas, respeitar o sistema biológico do rio e manter a integração da ação humana com essa bacia hidrográfica. Gerando com isso a revitalização desse rio.

A partir dessa temática existe toda uma analise dos fatores que precisam ser

respeitados em cada transposição, pois, é de suma importância que se respeite as comunidades locais, os volumes de águas dos rios, a fauna e flora da região e a qualidade da água transposta. Podemos perceber que toda e qualquer transposição resultam em perdas para região doadora e ganhos para a região receptora, gerando um

grande conflito de interesse entre as partes.

A proposta da transposição por parte do Governo e manter grandes açudes que

futuramente receberão águas do rio são Francisco para resolver o problema da falta de água no nordeste. Enquanto não existe nada definido, grandes estados sofrem com secas existentes, pois os açudes não dão vazão à necessidade hídrica nordestina, devido ter um grande processo de evaporação.

ISSN 2176-6983 Para que não haja um êxodo rural dessas famílias devido à falta de

ISSN 2176-6983

Para que não haja um êxodo rural dessas famílias devido à falta de vida digna no semiárido nordestino o importante é garantir o ordenamento hídrico dessa região. Esse é o objetivo do projeto de integração da bacia do rio São Francisco com as bacias dos rios intermitentes que envolvem o sertão da Paraíba, Pernambuco, Ceara. Portanto o projeto de transposição tem que ser bem estruturados, respeitando os aspectos econômicos e sociais do nordeste, entendendo que não adianta apenas transpor as águas do rio sem entender a sua dinâmica. De fato está região precisa de mais água do que podemos imaginar, o importante é respeitar o projeto de revitalização e reestruturar os açudes existentes como forma de integração com a bacia principal.

Alguns apontamentos

Na atualidade percebemos que a água é um bem para todos, mais que nem todos têm direito a esse bem. Sabemos também que é um dos principais elementos vitais para a vida. Hoje a água que corre nos rios serve para abastecer as residências, para a produção de alimentos, para a irrigação, para o uso em processos industriais e como principal fonte de geração de energia elétrica. O rio são Francisco abrange todos esses usos mencionados acima ao longo do seu curso.

A partir desta analise pensar a transposição como alternativa importante para

amenizar o impacto da falta de água no semiárido nordestino acaba sendo uma alternativa viável para o povo sertanejo. A transposição não pode ser estruturada apenas na tentativa de amenizar a falta d’água do povo nordestino, na verdade ela precisa ter uma proposta bem organizada na intenção de resolver esta problemática, levando em consideração, quais os impactos que esse projeto geraria ao Nordeste.

A transposição tinha que ser voltado apenas para atender o eixo leste do projeto,

por ser considerada a região mais dependente dessa água, mais infelizmente isso não vai acontecer, se a transposição continuar pautada nos argumentos antigos está obra gigantesca vai atender apenas os grandes latifundiários e os empresariados agrícolas que visam apenas o seus interesses.

ISSN 2176-6983 Para que haja um projeto mais justo, é de suma importância, que o

ISSN 2176-6983

Para que haja um projeto mais justo, é de suma importância, que o projeto da transposição, seja reavaliado e restruturado, na tentativa de atender economicamente e socialmente a região do semiárido nordestino. Com essa iniciativa dos governantes o sertão nordestino se transformaria em um polo agrícola, sendo a água irrigada para a fruticultura, gerando emprego e renda para a região. Modelo esse que está presente no atual polo médio fruticultor do vale médio do rio São Francisco onde fazendas modernas cultivam frutas de altíssima qualidade, e que em sua maioria, são voltadas para a exportação para atender o mercado Europeu e o Japonês. Desta forma a transposição resultaria em uma distribuição hídrica, capaz de amenizar as mazelas sociais dessa região, e resultaria, em um avanço financeiro e econômico do Nordeste.

Não se pode pensar em Transposição sem Revitalização

Pensar em transpor as águas do “Velho Chico” sem pensar em um projeto paralelo de revitalização é gerar um grande desconforto para a região nordestina. Revitalizar esta bacia é amenizar o processo de deterioração desse rio e pensar um projeto mais assertivo. A transposição não pode ser considerada uma das piores soluções para amenizar o problema da seca do sertão, na verdade, ela precisa ser pautada em outros argumentos na tentativa de atender o projeto como um todo. Antes de desviar as águas do rio para a transposição o governo precisa ter um projeto paralelo de recuperação ambiental com a iniciativa de melhorar a qualidade da água desta bacia hidrográfica. Uma iniciativa importante seria o reflorestamento das margens na tentativa de recuperação da mata ciliar, impedindo a erosão, que em muitos pontos está entupindo os canais com barros e gerando assoreamento; causando problemas para a navegação e diminuindo a concentração de espécies nativas. Outra iniciativa que precisa está na nova pauta do projeto, é coletar e tratar o esgoto que desaguam nessa bacia na intenção de diminuir a poluição. Desta forma a revitalização entrelaçada com a transposição significaria uma melhora na qualidade de vida dos sertanejos que esperam pela água prometida,

ISSN 2176-6983 amenizando o impacto nesta bacia, resultando com isso, um grande desenvolvimento regional. Considerações

ISSN 2176-6983

amenizando o impacto nesta bacia, resultando com isso, um grande desenvolvimento regional.

Considerações Finais

Podemos concluir que vários projetos foram criados na esperança de minimizar a seca nordestina, mais o atual projeto, precisa ser restruturado na perspectiva de atender a uma dinâmica ambiental mais completa. É de suma importância garantir uma obra sustentável, sendo necessário um olhar critico com relação ao processo de revitalização que hoje está presente. Sendo assim, a proposta mais assertiva para o processo de revitalização, seria; um aumento da qualidade da agua, a recuperação e preservação da fauna e da flora desse ambiente, gerações de empregos, reflorestamento das nascentes e recuperação da mata ciliar, além do tratamento de lixo e esgotos. Um empreendimento com essa estrutura que envolve tanto os aspectos sociais, políticos, econômicos e ambientais, necessitam de ações mais integradas para restabelecer o desenvolvimento regional como um todo. A água como fonte politica não gera desenvolvimento. É importante produzir racionalmente um olhar critico e educar as pessoas para que haja novas ações. Tem que ser feito uma transposição inteiramente responsável, respeitando o principio das ações humanas e analisando o projeto como um todo. Um empreendimento dessa estrutura tem que ter um processo de estruturação bem delimitado, que organize, induza ações humanas em uma perspectiva regional e local. Contribuindo para consolidá-la nas regiões que serão beneficiadas uma ação participativa e integrada de toda essa proposta da transposição. Sendo assim, a transposição é um projeto mais que viável, não na intenção de acabar com todos os problemas do nordeste, mais na intenção de amenizar todos os impactos que a falta da água vem gerando a esse povo.

Referências

ISSN 2176-6983 Alves, Filho. João. Toda a Verdade sobre a Transposição do Rio São

ISSN 2176-6983

Alves,

Filho.

João.

Toda

a

Verdade

sobre

a

Transposição

do

Rio

São

Francisco. Ed. Mauad X.

 

BRASIL

(2005)

Ministério

da

Integração

 

Nacional

(disponível

em

www.integraçao. gov.br/SaoFrancisco).

MORAES, Antônio Carlos Robert de. Para pensar uma política nacional de ordenamento territorial. Brasília: Ministério da Integração Nacional. p. 14-16. 2005

MAGALHÃES, P.C. (2005) A Transposição das Águas do Rio São Francisco in Ciência Hoje. Instituto Ciência Hoje (SBPC),

Suassuna, João. Transposição do Rio São Francisco na Perspectiva do Brasil Real. Ed. Porto de ideias