Você está na página 1de 16
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE ARTES DEPARTAMENTO DE DESENHO INDUSTRIAL PROJETO DE PRODUTO 1 MOCHILA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE ARTES DEPARTAMENTO DE DESENHO INDUSTRIAL PROJETO DE PRODUTO 1

MOCHILA PARA PRATICANTES AMADORES DE ESPORTE

BRUNO CORREIA – 10/0094945 RAINER ARAÚJO BARBOSA DE OLIVEIRA – 10/0120806 RODRIGO FERREIRA CARDOSO – 10/0122523

BRASÍLIA – 2012

RESUMO

Este relatório apresenta o desenvolvimento do projeto de uma mochila integralmente voltada aos praticantes amadores de esportes. Por meio de pesquisas de concorrentes e similares, notou-se que não havia uma mochila pensada para atender praticantes de mais de um esporte. O objetivo do grupo é encontrar um produto que atenda o maior número de esportistas não profissionais possível, de forma coesa e coerente, além de ser atraente e confortável.

Palavras-chave: Mochila, esportes, futebol, vôlei, basquete, ciclismo, skate, natação

ÍNDICE

INTRODUÇÃO

4

OBJETIVOS

5

1.1 Objetivo

Geral

5

1.2 Objetivo

específico:

6

METODOLOGIA

7

PÚBLICO ALVO

8

PROPOSTA

9

GERAÇÃO DE ALTERNATIVAS

10

ALTERNATIVA

FINAL

11

PRODUÇÃO

12

MATERIAIS

13

PRODUTO FINAL

14

CONCLUSÃO

15

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

15

INTRODUÇÃO

Desde o primeiro momento, o grupo percebeu a afinidade e interesse pelo assunto escolhido, por, além de muitas outras pessoas, abranger os próprios integrantes do grupo. Direcionou-se à mochila por ser um objeto de uso comum aos praticantes de esportes esportivos. A prática amadora de esportes é bastante comum aos mais variados tipos de pessoas, das mais variadas classes sociais e localidades. Uma mochila que atenda bem aos diversos tipos de esportistas amadores é uma carência do mercado. As mochilas disponíveis no mercado brasileiro atual atendem a um esporte especificamente e não atende bem ao usuário que pratica mais de um esporte. Pensando nisso que o grupo decidiu avançar neste projeto.

OBJETIVOS

1.1 Objetivos Gerais

Criar uma mochila para praticantes amadores de esportes, que abranja as mais diversas modalidades.

1.2 Objetivos Específicos

Mochila que acomode bem roupas, calçados e os materiais e equipamentos para a prática esportiva amadora.

METODOLOGIA

Durante a execução do projeto, foi seguida uma sequência de trabalho, a fim de manter a ordem e organização durante todo o processo. De início, se deu a busca por um assunto que fosse consenso dentre os integrantes do grupo, para se ter um

direcionamento sobre o que seria projetado. Definido o assunto, partiu-se, então, para

a definição de um produto relacionado a ele e que fosse, igualmente, um consenso.

Decidiu-se por algo que abrangesse o maior número de pessoas dentro do assunto escolhido. A partir daí, houve uma apresentação formal da temática escolhida pelo grupo: Projetar uma mochila que atendesse ao maior número de esportistas amadores possível. Então, buscou-se restringir um público-alvo, a fim de que se pudesse

aprofundar e otimizar os esforços em algo menos aberto, com um foco mais definido. Logo, a pesquisa dos concorrentes e semelhantes foi iniciada, pois era necessário saber

o que já existe no ramo escolhido e, principalmente, do que este ramo carecia. A partir

daí, começou a fase de colocar as ideias em prática gerando as alternativas. Com alternativas geradas e já numa fase bastante avançada do projeto, iniciou o processo de pesquisa de materiais que melhor se adequariam ao produto, que atendessem bem às exigências do projeto. Definidos os materiais e com ideias já consolidadas, deu-se o momento de escolher a alternativa que melhor se encaixava à proposta do projeto.

PÚBLICO-ALVO

Foi definido que o produto seria desenvolvido para atender a homens jovens e adultos que pratiquem toda sorte de esportes amadores. Pessoas, estas, que pertencem às classes média, média alta e alta, que tenham uma frequência na prática esportiva. Gente que já sai de casa preparado para qualquer evento esportivo que apareça repentinamente depois de sua rotina profissional; que carrega os materiais para praticar seu esporte, como, por exemplo, luvas, bolas, tênis, raquetes ou skates.

PAINEL DE ESTILO DE VIDA DO PÚBLICO-ALVO

seu esporte, como, por exemplo, luvas, bolas, tênis, raquetes ou skates . PAINEL DE ESTILO DE

PROPOSTA

Para atender adequadamente seus usuários, o produto deve ser uma mochila com bolsos e divisórias a fim de abrigarem roupas e equipamentos, ser fabricada em tecido resistente a água e a rasgos, ter as alças confeccionados em material que não seja incômoda ao usuário, visto que este pode vir a carregar equipamentos pesados na mochila, logo, esta alça deve ser confortável a ponto de minimizar ao máximo o desconforto causado pelo peso; ter o interior feito de material que não ‘sufoque’ as roupas molhadas, evitando o emboloramento e mofo; ser bonita, atraindo, também, por sua beleza, além de sua funcionalidade. Possuir uma espécie de pochete destacável do restante da mochila é o diferencial do produto. Esta pequena bolsa tem a função de abrigar, de maneira independente da mochila, artigos ne extrema necessidade, que não possam ficar longe do usuário – como carteira, telefone celular e chaves – podendo ser levada ao local da prática esportiva.

GERAÇÃO DE ALTERNATIVAS

Partindo dos requisitos e das idéias gerais, foram feitos diversos estudos para chegar a propostas que conseguissem suprir a necessidade do produto, chegando assim à idéia principal, a mochila dividida em dois anexos, o principal que é o maior e o outro anexo, o menor. Partindo dessa ideia foram feitos vários desenho de alternativas para serem estudadas e refinadas.

outro anexo, o menor. Partindo dessa ideia foram feitos vários desenho de alternativas para serem estudadas
outro anexo, o menor. Partindo dessa ideia foram feitos vários desenho de alternativas para serem estudadas
outro anexo, o menor. Partindo dessa ideia foram feitos vários desenho de alternativas para serem estudadas
outro anexo, o menor. Partindo dessa ideia foram feitos vários desenho de alternativas para serem estudadas

ALTERNATIVA FINAL

O produto final conseguiu atingir as espectativas e cumprir os requisitos desejados. A

mochila para esportistas amadores tem como diferencial principal sua pequena mochila que fica anexada. Essa pequena mochila pode ser desmembrada da grande para ser usada em situações em que não é necessário ou conveniente usar a parte maior, como quando o esportista vai fazer uma corrida e precisa de um lugar pra levar seus itens essenciais, como seu celular, carteira, garrafa de água, podendo assim deixar guardado no carro ou em um espaço seguro a outra parte da mochila com suas roupas e materiais que não vai utilizar durante a prática esportista.

que não vai utilizar durante a prática esportista. A outra ultilidade do anexo é poder colocar

A outra ultilidade do anexo é poder colocar entre o espaço da mochila pequena e a

mochila principal objetos de esportes diversos, como uma bola, uma raquete e até mesmo um skate, com a pressão que é regulada pelas alças da mochila pequena, segurando os objetos com segurança.

da mochila pequena, segurando os objetos com segurança. O diferêncial interno é a possibilidade de o

O diferêncial interno é a possibilidade de o esportista decidir como vai dividir o seu

espaço. Existe uma abertura principal e outra lateral, a principal serve como a abertura

usual de mochilas, com uma abertura grande, possibilitando a entrada de diverssos objetos. A entrada lateral é usada principalmente para colocar calçados, porém pode ser usada para separar roupa suja da limpa da outra entrada, ou o que o usuário

desejar. Essa entrada lateral pode ser anulada a partir de um sistema que é exemplificado na imagem abaixo.

partir de um sistema que é exemplificado na imagem abaixo. A parte colorida é dobravel, quando
partir de um sistema que é exemplificado na imagem abaixo. A parte colorida é dobravel, quando
partir de um sistema que é exemplificado na imagem abaixo. A parte colorida é dobravel, quando

A parte colorida é dobravel, quando levantada separa a mochila em 2 espaços, porém quando abaixada transforama a mochila em um espaço único bem maior, anulando o outro espaço. A utilização depende do que o usuário necessita no momento.

PRODUÇÃO

DEFINIÇÃO DOS MOLDES

Após ser definido o modelo final, foram feitos moldes para tornar possível a montagem da mochila, pensando em todas as dimensões e encaixes.

da mochila, pensando em todas as dimensões e encaixes. MODELO DE PAPEL EM ESCALA REDUZIDA Com

MODELO DE PAPEL EM ESCALA REDUZIDA

Com os moldes e suas medidas já definidas, foi feito um modelo em papel para verificar adequações no modelo ou mudanças de dimensões mediante a montagem e o processo de produção. Foi feita a impressão dos moldes em papel sulfite A4 fazendo o recorte dos mesmos. As partes foram unidas com fita adesiva para melhor fixação do papel e sustentação do objeto.

o recorte dos mesmos. As partes foram unidas com fita adesiva para melhor fixação do papel
o recorte dos mesmos. As partes foram unidas com fita adesiva para melhor fixação do papel

MODELO DE TECIDO EM ESCALA REDUZIDA

O modelo de tecido (Oxford) em escala reduzida traz, assim como o modelo de papel, a análise de dimensões porem focando no processo de produção, noções de como será feito o corte e costura do modelo volumétrico em escala real prevendo algumas das dificuldades e coletando informações para melhor desempenho na confecção do modelo final. Usam-se os moldes de papel pare fazer os moldes de tecido que, após serem cortados, são em boa parte costurados a mão devido as dimensões e dificuldades de usar maquina de costura para o tamanho do modelo.

de usar maquina de costura para o tamanho do modelo. MODELO VOLUMÉTRICO EM ESCALA REAL Com
de usar maquina de costura para o tamanho do modelo. MODELO VOLUMÉTRICO EM ESCALA REAL Com

MODELO VOLUMÉTRICO EM ESCALA REAL

para o tamanho do modelo. MODELO VOLUMÉTRICO EM ESCALA REAL Com base nas análises feitas com

Com base nas análises feitas com os modelos anteriores, foi feito um modelo de tecido (Oxford) em escala real para entender melhor as dimensões do produto e compreender o processo produtivo de uma mochila. Para a confecção da mochila foram usados moldes impressos em escala real que serviram de base para o corte dos moldes em tecido. Os moldes foram unidos com o auxílio de uma maquina de costura. Nas partes onde a maquina não alcançava, foi necessário costurar à mão para melhor finalização do modelo.

costura. Nas partes onde a maquina não alcançava, foi necessário costurar à mão para melhor finalização
costura. Nas partes onde a maquina não alcançava, foi necessário costurar à mão para melhor finalização

MATERIAIS

Para o revestimento externo, foi escolhido o uso de tecidos resistentes a água e a rasgos (exemplo: KodraMax IITM, Lona de poliéster 600 e 900, Polyripstop 430 denier, náilon resinado) Para a alça e parte traseira, que fica em contato com as costas do usuário, foi escolhido um tececido que proporcione conforto (exemplo: 3D Air Mesh) Para o interior da mochila, foi escolhido um tecido que permita a ventilação dentro da mochila, evitando mofo e bolor (exemplo: Dryfit)

PRODUTO FINAL:

dentro da mochila, evitando mofo e bolor (exemplo: Dryfit ) PRODUTO FINAL: Mochila inteira Anexo da

Mochila inteira

dentro da mochila, evitando mofo e bolor (exemplo: Dryfit ) PRODUTO FINAL: Mochila inteira Anexo da

Anexo da mochila separado

dentro da mochila, evitando mofo e bolor (exemplo: Dryfit ) PRODUTO FINAL: Mochila inteira Anexo da
dentro da mochila, evitando mofo e bolor (exemplo: Dryfit ) PRODUTO FINAL: Mochila inteira Anexo da

CONCLUSÃO

A produção de qualquer produto requer uma atenção especial para o processo

produtivo, pois é onde os custos devem ser minimizados e montagem otimizada, porém, para isto, é necessário que cada etapa de criação seja pensada para melhorar o

produto final. As dificuldades de produção podem ser tanto por falhas quanto por falta

de informações no projeto que especifiquem a montagem e confecção do produto.

Com a produção de modelos do projeto foi possível entender um pouco das dificuldades e obstáculos existentes entre o processo criativo e o processo produtivo,

onde é preciso conciliar um bom produto que atenta a todos seus requisitos e que possa facilitar seu processo produtivo em alta escala. Todas as etapas do projeto serviram como aprendizado para entender melhor um pouco das dificuldades de cada passo para chegar ao produto final desejado.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

http://www.mochileiros.com/

http://www.seattlefabrics.com/nylons.html